Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia"

Transcrição

1 Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia Andreia Magalhães Fevereiro/2013

2 Cardiotoxicidade Lesão cardíaca induzida por fármacos utilizados no tratamento das doenças oncológicas Hipertensão arterial Arritmias Disfunção sistólica VE subclínica Isquémia miocárdica Miocardite Pericardite Insuficiência cardíaca

3 Cardiotoxicidade Disfunção sistólica VE subclínica Insuficiência cardíaca Durante o tratamento Suspender terapêutica oncológica Implicações Prognósticas Após o tratamento Doença cardíaca no sobrevivente de doença oncológica Implicações Prognósticas

4 Cardiotoxicidade NEJM, 2000, 342:

5 Cardiotoxicidade J. Am. Coll. Cardiol. 2010;55;

6 Cardiotoxicidade Novos casos de neoplasia na Europa e EUA (2007) Tratados com quimioterapia Sobreviventes após quimioterapia ~ doentes 60-80% ~ doentes Journal of Clinical Oncology 2005;23 (34):

7 Identificação de disfunção subclínica FEVE? Quimioterapia Alterações tardias Avaliação da FEVE Biopsia endomiocárdica Basal Limite inferior do normal Diagnóstico precoce Diagnóstico tardio Tempo

8 Cardiotoxicidade Modelo de estratificação de risco Fármaco Doente

9 Cardiotoxicidade Fármaco Tipo Dose Intervalo de administração J. Am. Coll. Cardiol. 2009;53;

10 Cardiotoxicidade Doente Clínicos Laboratoriais Ecocardiográficos Idade Factores Biomarcadores de risco cardiovascular de necrose miocárdica Doença cardíaca prévia Alteração Péptidos da função natriuréticos diastólica Deformação miocárdica Torsão

11 Cardiotoxicidade Recomendações para a avaliação ecocardiográfica da Fracção de ejecção Antraciclinas Basal Durante a terapêutica Se dose cumulativa: doxorubicina 300mg/m 2, epirubicina 450 mg/m 2, mitoxantrona 60 mg/m 2 Trastuzumab Basal 12/12 semanas durante a terapêutica 3, 6, 12 meses depois 4 e 10 anos depois Se <15 anos ou se dose cumulativa de doxorubicina >240 mg/m 2 ou epirubicina>360 mg/m 2

12 Identificação de disfunção subclínica Função diastólica ventricular esquerda Deformação miocárdica ventricular esquerda

13 Identificação de disfunção subclínica Função diastólica ventricular esquerda 68 doentes submetidos a terapêutica com antraciclinas Velocidade da onda E Velocidade da onda A Tempo de semi-pressão Tempo de relaxamento isovolumétrico A disfunção diastólica representará um estadio precoce de cardiotoxicidade, permitindo predizer uma diminuição posterior da FEVE? Poderá ser utilizada para estratificação de risco nestes doentes? Congest. Heart Failure, 2007, 13(4):

14 Identificação de disfunção subclínica Avaliação de deformação miocárdica em doentes submetidos a quimioterapia Autor Jornal Ano Nº doentes Takenaka et al. I. J. Cardiology Mercuro et al. The Oncologist Mantovani et al. The Oncologist Ganame et al. Am J Cardiology Ganame et al. J Am Soc Echocardiography Jurcut et al. J Am Soc Echocardiography Hare et al. Am Heart Journal Fallah-Rad et al. J Am Coll Cardiology Mavinkurve et al. EHJ Cardiovascular Imag

15 Identificação de disfunção subclínica 42 doentes 10 doentes que desenvolveram disfunção ventricular esquerda aos 6 meses Redução do S lateral e do pico global de strain longitudinal e radial aos 3 meses J. Am. Coll. Cardiol. 2011;57;

16 Identificação de disfunção subclínica Compromisso da deformação circunferencial subendocárdica e da rotação apical com consequente redução do strain circunferencial transmural e gradientes de rotação Deterioração significativa da torsão (p < 0.001) 1 mês após quimioterapia. Correlação negativa entre a dose de antraciclinas e a torsão (r= , p< 0.001)

17 Identificação de disfunção subclínica 22 doentes RMC antes, 3 e 28 dias após terapêutica com antraciclinas Diminuição significativa da FEVE aos 28 dias Aumento relativo do realce tardio miocárdico ao 3º dia foi preditor de diminuição significativa da FEVE aos 28 dias Am Heart Journal 2001;141:107-13

18 Instituições Serviço de Cardiologia 1, Hospital de Santa Maria Serviço de Oncologia, Hospital de Santa Maria Abordagem multidisciplinar para a detecção precoce de cardiotoxicidade induzida pelas terapêuticas oncológicas utilizadas no tratamento do cancro da mama Investigadores Investigador principal: Drª Andreia Magalhães Orientador Científico: Prof. Drª Manuela Fiúza Equipa de Investigadores: Cardiologia: Andreia Magalhães, Doroteia Silva, Laura Santos, Miguel Nobre Menezes, Nuno Cortez-Dias, Ana G. Almeida, Manuela Fiúza Oncologia: Ana Rita Sousa, Ana Lúcia Costa, Mariana Falcão, António Quintela, Luís Costa

19 Detecção precoce de cardiotoxicidade induzida pelas terapêuticas oncológicas utilizadas no tratamento do cancro da mama Objectivo Identificar predictores clínicos, laboratoriais e ecocardiográficos de susceptibilidade para ocorrência de disfunção ventricular esquerda induzida por QT em doentes com neoplasia da mama

20 Detecção precoce de cardiotoxicidade induzida pelas terapêuticas oncológicas utilizadas no tratamento do cancro da mama Troponina I Consulta Multidisciplinar de Mama Selecção dos doentes Avaliação Pré-QT Avaliação Clínica Avaliação Laboratorial Electrocardiograma Avaliação Ecocardiográfica Cardiologia Idade >18 anos Diagnóstico de neoplasia da mama com indicação para quimioterapia Critérios de exclusão: Troponina I Fracção de ejecção ventricular esquerda <55% NT-proBNP Realização prévia de quimioterapia TnI + Insuficiência Galectina-3 renal crónica moderada a grave TnI + (TFG(Copeptina, MDRD <60 adrenomedulina) ml/min) Ausência de consentimento informado TnI - mantida Cardinale, D. Circulation 2004, 109:

21 Detecção precoce de cardiotoxicidade induzida pelas terapêuticas oncológicas utilizadas no tratamento do cancro da mama NT-proBNP Avaliação Pré-QT Avaliação Clínica Avaliação Laboratorial Electrocardiograma Daugaard,G. European Journal of Heart Failure, 2005; Avaliação Ecocardiográfica Sandri, M. Clinical Chemistry. 2005; 51:

22 Detecção precoce de cardiotoxicidade induzida pelas terapêuticas oncológicas utilizadas no tratamento do cancro da mama Galectina-3 Doentes que desenvolveram IC tinham valores de Gal-3 mais elevados 16.7 ug/l vs ug/l, P=0.004 Doentes com Gal-3 acima da média tiveram risco 2x maior de IC OR 2.1, IC95% , p=0.010 Ajustando para variáveis clínicas (HTA, DM, EAM prévio) Avaliação OR 1.4, IC 95% , p=0.020 Clinical Chemistry, 2012; 58:1 Clínica Avaliação Laboratorial Electrocardiograma Avaliação Pré-QT Avaliação Ecocardiográfica Ho, J. JACC, 2012; 60 (14):249 56

23 Detecção precoce de cardiotoxicidade induzida pelas terapêuticas oncológicas utilizadas no tratamento do cancro da mama Consulta Multidisciplinar de Mama Selecção dos doentes Cardiologia Avaliação Pré-QT Avaliação Clínica Avaliação Laboratorial Electrocardiograma Avaliação Ecocardiográfica 1ºdia de terapêutica Avaliação Laboratorial Aos 1, 3, 6, 9 e 12 meses após início de QT Avaliação Clínica Avaliação Laboratorial Electrocardiograma Avaliação Ecocardiográfica

IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia

IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia Doroteia Silva Fev. 2014 BIOMARCADORES BIOMARCADORES Galectina-3 BNP ANP GALECTINA-3 o β-galactosidase encontrada no núcleo, citoplasma e membrana celular o

Leia mais

Significado da Elevação de Segmento ST na Miocardite Aguda

Significado da Elevação de Segmento ST na Miocardite Aguda Serviço de Cardiologia Hospital de Santa Maria Centro Hospitalar de Lisboa Norte Significado da Elevação de Segmento ST na Miocardite Aguda Um Novo Paradigma? Nobre Menezes, Miguel; Magalhães, Andreia;

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Efeito da injecção intracoronária de células progenitoras autólogas derivadas da medula óssea no strain global longitudinal em doentes com enfarte agudo do miocárdio com supradesnivelamento de ST Serviço

Leia mais

MIOCARDIOPATIAS- LIMITES E INSUFICIÊNCIA NA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA

MIOCARDIOPATIAS- LIMITES E INSUFICIÊNCIA NA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA MIOCARDIOPATIAS- LIMITES E INSUFICIÊNCIA NA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA QUAL O PAPEL DA IMAGEM CARDÍACA? DA DETEÇÃO DE FENÓTIPOS PRECOCES À ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO Emanuel Correia Albufeira, 29 de Abril 2014

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave

Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave Elisabete Nave Leal (1), José Pais Ribeiro (2), Mário Martins Oliveira (3), Sofia Santos (3), Rui Ferreira (3) (1)

Leia mais

Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica

Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Curso de Eletrocardiografia Rogério Braga Andalaft Seção Médica de Eletrofisiologia Clínica e Arritmias Cardíacas Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Aula disponível

Leia mais

Prótese Valvular Aórtica

Prótese Valvular Aórtica Aquilo que o cardiologista clínico deve saber sobre Intervenção não coronária- Quando e Como Prótese Valvular Aórtica Algarve, Abril 2014 Daniel Caeiro Centro Hospitalar Gaia/Espinho História natural da

Leia mais

Tipo Documental DiretrizAssistencial Título Documento Avaliação Cardiológica do Paciente Oncológico Pediatrico

Tipo Documental DiretrizAssistencial Título Documento Avaliação Cardiológica do Paciente Oncológico Pediatrico OBJETIVO A Diretriz de Cardio Oncologia Pediátrica visa padronizar a monitorização cardiológica de pacientes menores de 8 anos que estejam iniciando tratamento quimioterápico com antracíclicos. APLICABILIDADE

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o ANEXOS INDÍCE DE ANEXOS ANEXOS Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o código diagnóstico do ICD-9...pág.3 Anexo 2: Questionário aplicado aos doentes com MCH..pág.3 Anexo

Leia mais

Costa, V. y Col. - O Impacto da Hipertensão Arterial...

Costa, V. y Col. - O Impacto da Hipertensão Arterial... QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ ÇÃO O DIASTÓLICA DO VE José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br Funçã ção o Diastólica Normal... A capacidade de enchimento ventricular esquerdo o suficiente

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Miocardite. Valor da Imagem Diagnóstico e Prognóstico. Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia! 9 de Fevereiro de 2014! Miguel Nobre Menezes

Miocardite. Valor da Imagem Diagnóstico e Prognóstico. Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia! 9 de Fevereiro de 2014! Miguel Nobre Menezes Miocardite Valor da Imagem Diagnóstico e Prognóstico Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia 9 de Fevereiro de 2014 Miguel Nobre Menezes Miocardite e Imagem Introdução: critérios de Dallas Processo inflamatório

Leia mais

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias F.X.Valente 1, C. Trigo 2, J.D.F. Martins 2, I. Freitas 2, F. Paramés 2, M. António 2, L. Bakero 3, J. Fragata

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

A utilização e interpretação inapropriada dos exames imagiológicos: impacto clínico!

A utilização e interpretação inapropriada dos exames imagiológicos: impacto clínico! Iatrogenia em Medicina Cardiovascular Setembro 2011 A utilização e interpretação inapropriada dos exames imagiológicos: impacto clínico! Ana G. Almeida Faculdade de Medicina de Lisboa - Hospital de Santa

Leia mais

Paulo Donato, Henrique Rodrigues

Paulo Donato, Henrique Rodrigues Paulo Donato, Henrique Rodrigues Serviço o de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Director: Professor Doutor Filipe Caseiro Alves Janeiro 2007 1ª linha Doença cardíaca congénita Grandes vasos

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

Relatório de Projecto-Estágio

Relatório de Projecto-Estágio INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA Relatório de Projecto-Estágio Maria Helena Lopes de Almeida Mestrado em Tecnologia de Diagnóstico e Intervenção Cardiovascular

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Sérgio Madeira, João Brito, Maria Salomé Carvalho, Mariana Castro, António Tralhão, Francisco Costa,

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Nutrição em Oncologia Formação Avançada

Nutrição em Oncologia Formação Avançada UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Ciências da Saúde Nutrição em Oncologia Formação Avançada Enquadramento A Organização Mundial de Saúde prevê, em 2015, o aumento de 75% dos casos de cancro.

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Rui Cerejo, Luís Baquero, Andreia Gordo, Hagen Kahlbau, Nuno Banazol, José Fragata Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar Lisboa

Leia mais

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR

Tamponamento Cardíacodefinição. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio. Pericárdio 6/1/2014 TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR TAMPONAMENTO CARDÍACO- COMO DIAGNOSTICAR E TRATAR Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Tamponamento

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

Diretrizes SUMÁRIO. 1. Introdução... página 3. 2. Definição de cardiotoxicidade... página 3. 3. Insuficiência cardíaca... página 4

Diretrizes SUMÁRIO. 1. Introdução... página 3. 2. Definição de cardiotoxicidade... página 3. 3. Insuficiência cardíaca... página 4 SUMÁRIO 1. Introdução... página 3 2. Definição de cardiotoxicidade... página 3 3. Insuficiência cardíaca... página 4 3.1. Incidência e agentes mais envolvidos... página 4 3.2. Fisiopatologia... página

Leia mais

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA O ELETROCARDIOGRAMA É O REGISTRO DA ATIVIDADE ELÉTRICA DO CORAÇÃO Aplicações do Cardiologia Eletrocardiograma Isquemia miocárdica e infarto Sobrecargas (hipertrofia) atriais

Leia mais

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA Sábado 07 de Dezembro de 2013 09:00 10:30 Sessão 4 Novas Estratégias Para Prevenção

Leia mais

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída PROGRAMA CIENTÍFICO Quinta-feira 13 de agosto de 2015 SALA A MESA REDONDA - DAC CRÔNICA Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014 Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída Quando

Leia mais

Relatório do Núcleo de Nutrição em Cardiologia (NNC) da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC), referente ao biénio 2007/2009.

Relatório do Núcleo de Nutrição em Cardiologia (NNC) da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC), referente ao biénio 2007/2009. Relatório do Núcleo de Nutrição em Cardiologia (NNC) da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC), referente ao biénio 2007/2009. O Secretariado do NNC para o biénio 2007/2009, eleito em 23 de Abril de

Leia mais

DICAS DE SEMIOLOGIA. Digite para introduzir texto. séricos e um ou mais testes confirmatórios de função cardíaca.

DICAS DE SEMIOLOGIA. Digite para introduzir texto. séricos e um ou mais testes confirmatórios de função cardíaca. failure? (Charlie S Wang, J. Mark Fitzgerald, Michael Schulzer, Edwin Mak, Najib T. Ayas) O paciente dispneico no departamento de emergência tem insuficiência cardíaca congestiva? P or que esta questão

Leia mais

Desmistificando a ecocardiografia. O que fazer quando o ecocardiograma diz que... o meu doente tem o ventrículo esquerdo dilatado?

Desmistificando a ecocardiografia. O que fazer quando o ecocardiograma diz que... o meu doente tem o ventrículo esquerdo dilatado? Cátia Costa Serviço de Cardiologia do Hospital de Santarém 1º Ponto... Avaliação do ventrículo esquerdo Ecocardiografia é atualmente o exame de 1ª linha para identificar alterações estruturais do VE VE

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse

Declaro não haver nenhum conflito de interesse Declaro não haver nenhum conflito de interesse Universidade Federal de Uberlândia Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Serviços de Mastologia e Ultrassonografia Avaliação pelo Ultrassom Doppler da

Leia mais

Saúde & Transformação Social / Health & Social Change E-ISSN: 2178-7085 rodrigomoretti@ccs.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Saúde & Transformação Social / Health & Social Change E-ISSN: 2178-7085 rodrigomoretti@ccs.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Saúde & Transformação Social / Health & Social Change E-ISSN: 2178-7085 rodrigomoretti@ccs.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Comte de Alencar Filho, Aristoteles; Ferreira Gonçalves,

Leia mais

Atualização no diagnóstico de risco cardíaco

Atualização no diagnóstico de risco cardíaco Atualização no diagnóstico de risco cardíaco Encontro de negócios e atualização científica em Medicina Diagnóstica Adagmar Andriolo adagmar.andriolo@dhomo.com.br Campinas, 19 de outubro de 2012 Conflito

Leia mais

Hipertensão e Risco de I C. Tratamento da Hipertensão: Dados Observacionais

Hipertensão e Risco de I C. Tratamento da Hipertensão: Dados Observacionais Hipertensão e Risco de I C Tratamento da Hipertensão: Dados Observacionais Hipertensão e Risco de I C Insuficiência Cardíaca N=392 (100%) Hipertensão N= 357 (91%) H. Arterial definida Como PA > 140/90

Leia mais

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm Hipertensão Arterial Pulmonar Idiopática (HAPI) Caso Clínico IV Curso Nacional de Circulação Pulmonar 28-2929 de Junho de 2013 - São Paulo SBPT Hugo Hyung Bok Yoo Pneumologia Jun/2010:, 39 anos, mecânico,

Leia mais

Dia 11 de setembro Serviço de Cirurgia - Reunião, um Dia um Tema: Reconstrução da Parede Abdominal: Do Caos ao Controlo

Dia 11 de setembro Serviço de Cirurgia - Reunião, um Dia um Tema: Reconstrução da Parede Abdominal: Do Caos ao Controlo Dia 11 de setembro Serviço de Cirurgia - Reunião, um Dia um Tema: Reconstrução da Parede Abdominal: Do Caos ao Controlo 9:30 09:40 Boas Vindas 9:40-10:00 Abdómen aberto: indicações e desafios (Laurentina

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Serviço de Oncologia Médica; Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga

Serviço de Oncologia Médica; Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga Serviço de Oncologia Médica Director: Prof. Dr. António Araújo CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA DOS CUIDADOS AOS DOENTES COM CANCRO DO RIM CASO CLÍNICO Vânia Peixoto 1, Sónia Rego 1, Ana Luísa Faria 1, Manuela

Leia mais

Doença Coronária Para além da angiografia

Doença Coronária Para além da angiografia Reunião Clínica Hospital Fernando Fonseca Doença Coronária Para além da angiografia Sérgio Bravo Baptista Serviço de Cardiologia Agenda Avaliação funcional das lesões coronárias Fractional Flow Reserve

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

DIVERSIDADE DOS MEIOS DE CONTRASTE : COMO SELECIONAR ENTRE OS DIFERENTES TIPOS E OS CUIDADOS PARA A NEFROPOTEÇÃO

DIVERSIDADE DOS MEIOS DE CONTRASTE : COMO SELECIONAR ENTRE OS DIFERENTES TIPOS E OS CUIDADOS PARA A NEFROPOTEÇÃO DIVERSIDADE DOS MEIOS DE CONTRASTE : COMO SELECIONAR ENTRE OS DIFERENTES TIPOS E OS CUIDADOS PARA A NEFROPOTEÇÃO MARINELLA PATRIZIA CENTEMERO SERVIÇO DE CARDIOLOGIA INVASIVA INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente 2006 Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva Dr. Jamil Mattar Valente 1 Cardiomiopatia Hipertrófica Primária Secundária 2 Introdução Doença hereditária

Leia mais

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 V Congresso Internacional de Uro-Oncologia Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 Afonso C Piovisan Faculdade de Medicina da USP São Paulo Ari Adamy Hospital Sugusawa e Hospital Santa

Leia mais

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Filomena Horta Correia Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARSA, IP 15 de Setembro de 2010 O cancro da mama é o

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA *

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA * INSUFICIÊNCIA CARDÍACA * ANTONIO CARLOS LOPES** AROLDO WALTER LIBERATORI FILHO*** * Trabalho realizado na Disciplina de Medicina de Urgência do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Brian J Nankivell, Dirk RJ Kuypers Lancet 2011; 378: 1428-37 Moisés Carminatti Últimas décadas: avanços no conhecimento acerca da imunologia do

Leia mais

30/07/2013. Exame Clínico. - P 96 PA 150X70 IMC 29 Sat O2 91% (de difícil avaliação por conta da esclerodactilia) FR 20

30/07/2013. Exame Clínico. - P 96 PA 150X70 IMC 29 Sat O2 91% (de difícil avaliação por conta da esclerodactilia) FR 20 Disciplina de Pneumologia HC-FMUSP Caso clínico: disfunção diastólica de VE / cateterismo e esforço Caio Júlio César dos Santos Fernandes Pneumologia FMUSP Caso Clínico -Fem, 58 anos, natural e procedente

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) Digitally signed by Francisco Henrique Moura George Francisco DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Henrique Saúde, cn=francisco Henrique George Moura George Moura Date: 2015.01.21 12:20:20

Leia mais

ROSEMEIRE APARECIDA VICENTE

ROSEMEIRE APARECIDA VICENTE FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA SEÇÃO TÉC. AQUIS. E TRAT. DA INFORMAÇÃO DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO - CAMPUS DE BOTUCATU - UNESP BIBLIOTECÁRIA RESPONSÁVEL: ROSEMEIRE APARECIDA VICENTE

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação:

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação: TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA Observação: Exposição dos temas livres TL 01 a TL 21 sexta de 08h as 12h, com apresentação 09:45h Exposição dos temas livres TL

Leia mais

PREVENÇÃO DA CARDIOTOXICIDADE ESTRATÉGIAS QUE DÃO CERTO

PREVENÇÃO DA CARDIOTOXICIDADE ESTRATÉGIAS QUE DÃO CERTO PREVENÇÃO DA CARDIOTOXICIDADE ESTRATÉGIAS QUE DÃO CERTO Eline Lôbo de Souza OBJETIVO PRIMÁRIO DO TRATAMENTO DO CÂNCER: a. Erradicar e prevenir sua recorrência b. Prolongar a vida e a qualidade de vida

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CARDIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CARDIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CARDIOLOGISTA QUESTÃO 21 Em relação aos métodos diagnósticos não invasivos utilizados para rastreamento de doença cardíaca, é CORRETO afirmar: a) O valor preditivo

Leia mais

Cardiologia Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cardiologia

Cardiologia Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cardiologia Revista Portuguesa de Cardiologia Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cardiologia Portuguese Journal of Cardiology Vol. 29 Suplemento I/Supplement I Abril/ April 2010 Publicação Mensal/Monthly Publication

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

O MELHOR DOS EXAMES CARDIOLÓGICOS NÃO INVASIVOS. Ecocardiograma. Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém. - setembro de 2015 -

O MELHOR DOS EXAMES CARDIOLÓGICOS NÃO INVASIVOS. Ecocardiograma. Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém. - setembro de 2015 - O MELHOR DOS EXAMES CARDIOLÓGICOS NÃO INVASIVOS Ecocardiograma - setembro de 2015 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Ecocardiografia Revolução da medicina cardiovascular Exame

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins HAP Definição Condição patológica caracterizada pela elevação da pressão arterial pulmonar média acima de 25mmHg com

Leia mais

Descobrir para saber cuidar 2 º. Congresso Internacional. Lusíadas Saúde 17 OUTUBRO 2015 HOTEL THE OITAVOS QUINTA DA MARINHA - CASCAIS

Descobrir para saber cuidar 2 º. Congresso Internacional. Lusíadas Saúde 17 OUTUBRO 2015 HOTEL THE OITAVOS QUINTA DA MARINHA - CASCAIS NOVOS CAMINHOS 2 º Internacional 17 OUTUBRO 2015 HOTEL THE OITAVOS QUINTA DA MARINHA - CASCAIS 1oh 1oh30 11h 11h30 Gestão de Risco - Toda a atenção é pouca Moderador: Nuno Candeias Hospital Lusíadas Lisboa

Leia mais

LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009

LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009 Programa Preliminar LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009 6ª FEIRA 20 de Fevereiro SALA 1 6ª FEIRA 20 de Fevereiro SALA 2 09.15 09.30 Introdução à Reunião

Leia mais

Programa. Sexta-Feira, dia 19/11/2010 - Sala 1

Programa. Sexta-Feira, dia 19/11/2010 - Sala 1 Reunião Conjunta da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos O Coração no Doente Crítico Hotel dos Templários, Tomar 19 e 20 de Novembro de 2010 Programa 14:00

Leia mais

Insuficiência Cardíaca A insuficiência cardíaca é uma síndrome clínica com sintomas e sinais que podem ser atribuídos à disfunção cardíaca.

Insuficiência Cardíaca A insuficiência cardíaca é uma síndrome clínica com sintomas e sinais que podem ser atribuídos à disfunção cardíaca. NT probnp Uma nova abordagem na avaliação da Insuficiência Cardíaca. Dr. Guilherme Vaz de Mello Insuficiência Cardíaca A insuficiência cardíaca é uma síndrome clínica com sintomas e sinais que podem ser

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

XXX Jornadas de Cardiologia, Hipertensão e Diabetes. 5ª Feira 15 de Janeiro de 2015

XXX Jornadas de Cardiologia, Hipertensão e Diabetes. 5ª Feira 15 de Janeiro de 2015 XXX Jornadas de Cardiologia, Hipertensão e Diabetes Hotel do Mar Sesimbra 5ª Feira 15 de Janeiro de 2015 I Sessão 08.30-09.30 Mini Curso de Hipertensão Arterial O que há nos novos estudos e recomendações

Leia mais

Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos. Pré-operatório, anestesiologia, avaliação. Médicos do Sistema de Saúde

Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos. Pré-operatório, anestesiologia, avaliação. Médicos do Sistema de Saúde NÚMERO: 029/2013 DATA: 31/12/2013 ATUALIZAÇÃO 24/04/2015 ASSUNTO: Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos PALAVRAS-CHAVE: Pré-operatório, anestesiologia, avaliação PARA: Médicos do Sistema

Leia mais

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva Pedro Eufrásio Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu INTRODUÇÃO Tumor do pénis é raro. Variabilidade geográfica. 95% são carcinomas espinho-celulares.

Leia mais

Candidatura ao Título de Especialista

Candidatura ao Título de Especialista Candidatura ao Título de Especialista Insuficiência Cardíaca: a utilidade da Ecocardiografia Trabalho original de natureza profissional Área da CARDIOPNEUMOLOGIA Sónia da Cunha Santos Pinheiro de Magalhães

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA COM FUNÇÃO VENTRICULAR PRESERVADA. Dr. José Maria Peixoto

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA COM FUNÇÃO VENTRICULAR PRESERVADA. Dr. José Maria Peixoto INSUFICIÊNCIA CARDÍACA COM FUNÇÃO VENTRICULAR PRESERVADA Dr. José Maria Peixoto Introdução A síndrome da IC poder ocorrer na presença da função ventricular preservada ou não. Cerca de 20% a 50 % dos pacientes

Leia mais

NA DOENÇA CORONÁRIA ESTÁVEL

NA DOENÇA CORONÁRIA ESTÁVEL NOCs vs GUIDELINES: Com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Cátia Costa Para escolher é preciso perceber as diferenças... 1) No que consistem e quem as concebe? 2) A quem se dirige? 3) Existem diferenças

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Hiperatividade Simpática Cardíaca Após Quimioterapia: Sinal Precoce de Cardiotoxicidade?

Hiperatividade Simpática Cardíaca Após Quimioterapia: Sinal Precoce de Cardiotoxicidade? Hiperatividade Simpática Cardíaca Após Quimioterapia: Sinal Precoce de Cardiotoxicidade? Cardiac Sympathetic Hyperactivity after Chemotherapy: Early Sign of Cardiotoxicity? Sarita Lígia Pessoa de Melo

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais