INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO. Dr Achilles Gustavo da Silva

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO. Dr Achilles Gustavo da Silva"

Transcrição

1 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr Achilles Gustavo da Silva II Simpósio Médico de Fernandópolis 2009

2 Hospitalizations in the U.S. Due to Acute Coronary Syndromes (ACS) Acute Coronary Syndromes* 1.57 Million Hospital Admissions - ACS UA/NSTEMI 1.24 million Admissions per year STEMI.33 million Admissions per year Heart Disease and Stroke Statistics 2007 Update. Circulation 2007; 115: *Primary and secondary diagnoses. About 0.57 million NSTEMI and 0.67 million UA. ACC/AHA 2007 STEMI Guidelines Focused Update 7

3

4

5 SÍNDROME CORONARIANA AGUDA

6

7 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO E MORTALIDADE

8 SÍNDROME CORONARIANA AGUDA MORTALIDADE

9 MORTALIDADE EM SUBGRUPOS

10 Options for Transport of Patients With STEMI and Initial Reperfusion Treatment Hospital fibrinolysis: Door-to-Needle within 30 min. Not PCI capable Onset of symptoms of STEMI GOALS 8 min. 5 min EMS Dispatch EMS Transport EMS on-scene Encourage 12-lead ECGs. Consider prehospital fibrinolytic if capable and EMS-to-needle within 30 min. Patient EMS Prehospital fibrinolysis EMS-to-needle within 30 min. Dispatch 1 min. EMS Triage Plan EMS transport EMS-to-balloon within 90 min. Patient self-transport Hospital door-to-balloon within 90 min. PCI capable Inter- Hospital Transfer Golden Hour = first 60 min. Total ischemic time: within 120 min. Antman EM, et al. J Am Coll Cardiol Published ahead of print on December 10, Available at Figure 1. ACC/AHA 2007 STEMI Guidelines Focused Update 19

11

12 DOR PRECORDIAL ATÍPICA

13 ETIOLOGIA DA DOR PRECORDIAL

14 CARACTERÍSTICAS DA DOR TORÁCICA NÃO CARDÍACA

15 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO ECG E DOR TORÁCICA

16 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

17 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

18 ELEVAÇÃO DO SEGMENTO ST

19 DOR TORÁCICA ATÍPICA DOR PRECORDIAL AVALIAÇÃO EMERGÊNCIA MEDIDAS BÁSICAS ELETROCARDIOGRAMA SCA SEM SUPRA ST SCA COM SUPRA ST ESTRATIFICAÇÃO DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA TROMBOLÍTICOS REPERFUSÃO MEDIDAS ADICIONAIS ANGIOPLASTIA PRIMÁRIA

20 RUPTURA DA PLACA VULNERÁVEL

21

22 RUPTURA DA PLACA VULNERÁVEL

23 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRCIO AAS CLOPIDOGREL NITRATO ANALGÉSICOS B-BLOQUEADOR IECA ESTATINAS TRATAMENTO TERAPIA DE REPERFUSÃO

24 TERAPIA DE REPERFUSÃO

25 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO TRATAMENTO REPERFUSÃO RÁPIDA

26

27 FLUXO TIMI 3

28 PATÊNCIA CORONÁRIA E MORTALIDADE

29 REPERFUSÃO E MORTALIDADE FTT (metanálise de 9 estudos) n=

30 CONTRA-INDICAÇÕES

31

32 ICP PRIMÁRIA vs. FIBRINÓLISE Metanálise (n=7.739)

33 DOR PRECORDIAL IAM COM SUPRA HEMODINÂMICA INDISPONÍVEL HEMODINÂMICA DISPONÍVEL PA< 30min TROMBOLÍTICO PB < 90MIM (sem contra-indicações) Transferência PB < 90MIM ANGIOPLASTIA PB > 90MIM (sem contra-indicações) TROMBOLÍTICO PB ( porta-balão) PA ( porta-agulha)

34 TROMBOLÍTICOS

35 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO Inicial Manutenção Observações AAS mg 325mg por 1 mês mg diariamente Clopidogrel 300mg 75mg/dia Outras doses sendo testadas Morfina 2-4mg EV cada 5-15min B-bloqueador IECA Estatina Via oral se não houver CI Todos principalmente se tiver FE < 40% ou fatores de risco Perfil lipídico nas primeiras 24 horas Principalmente se IAM prévio ou disfunção de VE Iniciar nas primeiras 24h LDL < 100mg/dl

36 Beta-Blockers I IIa IIb III IV beta blockers should not be administered to STEMI patients who have any of the following: 1) signs of heart failure, 2) evidence of a low output state, 3) increased risk* for cardiogenic shock, or 4) other relative contraindications to beta blockade (PR interval > 0.24 sec, 2 nd - or 3 rd -degree heart block, active asthma, or reactive airway disease). ACC/AHA 2007 STEMI Guidelines Focused Update 16

37

38 RECOMENDAÇÕES NO MOMENTO DA ALTA Controle de hábitos ( dieta e tabagismos) Controle da pressão arterial (PA< 140/90) Controle de níveis lipídicos LDL<100 Atividade física diária 30 min/dia Controle de peso IMC ,9 Controle do Diabetes Hbg < 7% MANUTENÇÃO DOS MEDICAMENTOS INICIAIS

39

40 IAM ANTERIOR COM OCLUSÃO DE ADA ADA OCLUÍDA FLUXO TIMI 3

41

42 CONDUTA AAS 200 mg Clopidogrel 300 mg (dose de ataque) ANGIOPLASTIA PRIMÁRIA Enalapril 10mg 12/12h Atenolol 25mg 12/12h Atorvastatina 40mg à noite Alta em 5 dias com retorno em 30 dias

43 RESUMINDO 1. Avaliação rápida da dor precordial 2. Diagnóstico do IAM com supra (ECG) 3. Medidas básicas e tratamento inicial 4. Terapia de reperfusão 5. Tratamento adicional em Unidade Coronária 6. Alta para enfermaria 7. Orientações e alta hospitalar

Angina Instável Identificaçã. ção o e Abordagem. XV Congresso de Cardiologia de Mato Grosso do Sul Campo Grande CELSO RAFAEL G.

Angina Instável Identificaçã. ção o e Abordagem. XV Congresso de Cardiologia de Mato Grosso do Sul Campo Grande CELSO RAFAEL G. XV Congresso de Cardiologia de Mato Grosso do Sul Campo Grande 22 a 23 de outubro de 2010 Angina Instável Identificaçã ção o e Abordagem CELSO RAFAEL G. CODORNIZ Síndromes Coronarianas Agudas fig02-subt

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda Wilson Braz Corrêa Filho Rio de Janeiro, 2010 Curso de Capacitação de Urgência e Emergência Objetivos: Apresentar a epidemiologia da síndrome coronariana aguda nas unidades de

Leia mais

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD.

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD. Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac.com 1 Objetivos Relevância do tema Para quem indicar Quando realizar

Leia mais

PROJETO: INTERVENÇÃO BRASILEIRA PARA AUMENTAR O USO DE EVIDÊNCIAS NA PRÁTICA CLÍNICA SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS

PROJETO: INTERVENÇÃO BRASILEIRA PARA AUMENTAR O USO DE EVIDÊNCIAS NA PRÁTICA CLÍNICA SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS PROJETO: INTERVENÇÃO BRASILEIRA PARA AUMENTAR O USO DE EVIDÊNCIAS NA PRÁTICA CLÍNICA SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS BRAZILIAN INTERVENTION TO INCREASE EVIDENCE USAGE IN PRACTICE ACUTE CORONARY SYNDROMES

Leia mais

Necessidades médicas não preenchidas nos SCA

Necessidades médicas não preenchidas nos SCA Necessidades médicas não preenchidas nos SCA COMO TRATAMOS O ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO EM PORTUGAL? LIÇÕES DO REGISTO NACIONAL SÍNDROMES CORONÁRIAS AGUDAS JOSÉ SANTOS JORGE MIMOSO % Doentes CARACTERISTICAS

Leia mais

Síndromes Coronarianas Agudas. Mariana Pereira Ribeiro

Síndromes Coronarianas Agudas. Mariana Pereira Ribeiro Síndromes Coronarianas Agudas Mariana Pereira Ribeiro O que é uma SCA? Conjunto de sintomas clínicos compatíveis com isquemia aguda do miocárdio. Manifesta-se principalmente como uma dor torácica devido

Leia mais

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS. Doença Cardiovascular Parte 2. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS. Doença Cardiovascular Parte 2. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS Doença Cardiovascular Parte 2 Profª. Tatiane da Silva Campos Para a avaliação do risco cardiovascular, adotam-se: Fase 1: presença de doença aterosclerótica

Leia mais

Dra. Claudia Cantanheda. Unidade de Estudos de Procedimentos de Alta Complexidade UEPAC

Dra. Claudia Cantanheda. Unidade de Estudos de Procedimentos de Alta Complexidade UEPAC Unidade de Estudos de Procedimentos de Alta Complexidade UEPAC Dra. Claudia Cantanheda Dr. Vitor André Romão Dr. José Geraldo Amino Enfª. Quenia Dias Hugo Simas Avaliação da prevenção secundária em pacientes

Leia mais

Sessão Interativa. Atualizações do Protocolo de Dor Torácica

Sessão Interativa. Atualizações do Protocolo de Dor Torácica Sessão Interativa Atualizações do Protocolo de Dor Torácica Paciente J.D.M., masculino, 57 anos, deu entrada no Pronto Atendimento com queixa de dor torácica com irradiação para braço esquerdo e mandíbula,

Leia mais

HOW TO REDUCE IN-HOSPITAL DELAYS: THE PORTUGUESE EXPERIENCE (INCLUDING MANCHESTER)

HOW TO REDUCE IN-HOSPITAL DELAYS: THE PORTUGUESE EXPERIENCE (INCLUDING MANCHESTER) Vilamoura 22 a 24 Abril de 20122 PRIMARY PCI IN PORTUGAL - ONE YEAR AFTER STENT FOR LIFE - HOW TO REDUCE IN-HOSPITAL DELAYS: THE PORTUGUESE EXPERIENCE (INCLUDING MANCHESTER) João Costa Hospital de Braga

Leia mais

HOW TO IMPROVE PRE-HOSPITAL TRANSPORTATION JORGE MARQUES

HOW TO IMPROVE PRE-HOSPITAL TRANSPORTATION JORGE MARQUES HOW TO IMPROVE PRE-HOSPITAL TRANSPORTATION JORGE MARQUES NATIONAL HEALTH PLAN 2004-10 CHD Standardized mortality rate reduction under 65 years from 16,1 (2001) to 11,0( 2010); CHD in-hospital death rate

Leia mais

Projeto BPC: Conceitos Gerais. Sabrina Bernardez Pereira, MD, MSc, PhD

Projeto BPC: Conceitos Gerais. Sabrina Bernardez Pereira, MD, MSc, PhD Projeto BPC: Conceitos Gerais Sabrina Bernardez Pereira, MD, MSc, PhD Clio Objetivo Primário Avaliar as taxas de adesão às diretrizes assistenciais de IC, FA, SCA em instituições do SUS antes e após a

Leia mais

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Dr Henrique Lane Staniak Doutor em ciencias médicas FMUSP Cardiologista do HMPB e do HU-USP Epidemiologia SCA 5 a 7 milhões de

Leia mais

Estratificação de risco cardiovascular no perioperatório

Estratificação de risco cardiovascular no perioperatório Estratificação de risco cardiovascular no perioperatório André P. Schmidt, MD, PhD, TSA/SBA Co-responsável pelo CET do Serviço de Anestesia e Medicina Perioperatória do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

Leia mais

EHJ: doi:10.1093/eurheartj/ehq277

EHJ: doi:10.1093/eurheartj/ehq277 EHJ: doi:10.1093/eurheartj/ehq277 FIBRINÓLISE 2010 = PROBLEMAS E REALIDADE Reperfusão em 60% Sangramento AVCH Contraindicações absolutas e relativas Ainda primeira opção em muitos países (5 a 85%) na Europa

Leia mais

SCA Estratificação de Risco Teste de exercício

SCA Estratificação de Risco Teste de exercício SCA Estratificação de Risco Teste de exercício Bernard R Chaitman MD Professor de Medicina Diretor de Pesquisa Cardiovascular St Louis University School of Medicine Estratificação Não-Invasiva de Risco

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

AVALIAÇÃO INVASIVA, REPERFUSÃO e REVASCULARIZAÇÃO

AVALIAÇÃO INVASIVA, REPERFUSÃO e REVASCULARIZAÇÃO AVALIAÇÃO INVASIVA, REPERFUSÃO e REVASCULARIZAÇÃO Sílvio Leal Hospital Santa Cruz, CHLO - Hospital Lusíadas Lisboa Pós-Graduação em Medicina de Emergência Abordagem urgente das Síndromes Coronárias Agudas

Leia mais

Curso Preparatório para Concursos- Enfermeiro 2012 Infarto Agudo do Miocárdio

Curso Preparatório para Concursos- Enfermeiro 2012 Infarto Agudo do Miocárdio Curso Preparatório para Concursos- Enfermeiro 2012 Infarto Agudo do Miocárdio Prof. Fernando Ramos-Msc IAM: definição É a necrose da célula miocárdica resultante da oferta inadequada de oxigênio ao músculo

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda (SCA) sem Supradesnivelamento do Segmento ST (SSST)

Síndrome Coronariana Aguda (SCA) sem Supradesnivelamento do Segmento ST (SSST) Síndrome Coronariana Aguda (SCA) sem Supradesnivelamento do Segmento ST (SSST) Autores e Afiliação: Fábio Therezo Galliano. Médico residente de Clínica Médica - Departamento de Clínica Médica - FMRP -

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Leonardo A M Zornoff Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Definição Foco de necrose do tecido cardíaco em consequência de baixa perfusão tecidual

Leia mais

Estudo Courage. A Visão do Cardiologista Intervencionista. Pós Graduação Lato - Sensu Hospital da Beneficência Portuguesa Abril/2008

Estudo Courage. A Visão do Cardiologista Intervencionista. Pós Graduação Lato - Sensu Hospital da Beneficência Portuguesa Abril/2008 Estudo Courage A Visão do Cardiologista Intervencionista Pós Graduação Lato - Sensu Hospital da Beneficência Portuguesa Abril/2008 Doença Arterial Coronária Magnitude do Problema Desenvolvimento de DAC

Leia mais

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul XVI Congresso de Cardiologia de Mato Grosso do Sul ANGINA ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃ ÇÃO O E ABORDAGEM Campo Grande, outubro de 2010 nsmorais@cardiol.br Epidemiologia da DAC Estável Suécia 80 França Escócia

Leia mais

Condutas no IAM com Instabilidade Hemodinâmica

Condutas no IAM com Instabilidade Hemodinâmica Condutas no IAM com Instabilidade Hemodinâmica CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM DA REGIÃO SUL FLORIANÓPOLIS - SC Dr. Alvaro Moura Prof. Adjunto Medicina UFPR Hemodinâmica H. N. Sra. Graças Causas de Choque

Leia mais

Registro de Síndrome Coronariana Aguda em um Centro de Emergências em Cardiologia

Registro de Síndrome Coronariana Aguda em um Centro de Emergências em Cardiologia Registro de Síndrome Coronariana Aguda em um Centro de Emergências em Cardiologia Acute Coronary Syndrome Registry at a Cardiology Emergency Center Elizabete Silva dos Santos, Luiz Minuzzo, Marcos Paulo

Leia mais

Como fazer angioplastia primária high-tech low cost

Como fazer angioplastia primária high-tech low cost Enfarte com supra ST - a realidade nacional e as recomendações - Como fazer angioplastia primária high-tech low cost João Costa Hospital de Braga EDIÇÃO DOM 17 FEV 2013 A maioria das equipas de hemodinâmica

Leia mais

Síndromes Coronarianas Agudas. Profª Dra Luciana Soares Costa Santos

Síndromes Coronarianas Agudas. Profª Dra Luciana Soares Costa Santos Síndromes Coronarianas Agudas Profª Dra Luciana Soares Costa Santos Síndromes Coronarianas Agudas Relevância epidemiológica : o A doença arterial coronária mantém-se ainda no século XXI como primeira causa

Leia mais

Introdução. (António Fiarresga, João Abecassis, Pedro Silva Cunha, Sílvio Leal)

Introdução. (António Fiarresga, João Abecassis, Pedro Silva Cunha, Sílvio Leal) Introdução António José Fiarresga Hospital Santa Marta, Hospital Lusíadas Lisboa Pós-Graduação em Medicina de Emergência Abordagem urgente das Síndromes Coronárias Agudas (António Fiarresga, João Abecassis,

Leia mais

FLUXO CORONÁRIO CONTROLE EM SITUAÇÃO NORMAL E PATOLÓGICA DIMITRI MIKAELIS ZAPPI

FLUXO CORONÁRIO CONTROLE EM SITUAÇÃO NORMAL E PATOLÓGICA DIMITRI MIKAELIS ZAPPI CONTROLE EM SITUAÇÃO NORMAL E PATOLÓGICA DIMITRI MIKAELIS ZAPPI Serviço de Hemodinâmica, Intervenção Cardiovascular e Ultrassonografia Intracoronária Hospital Santa Catarina/Unicardio Blumenau Curso Nacional

Leia mais

CUIDADO É FUNDAMENTAL

CUIDADO É FUNDAMENTAL R E V I S T A O N L I N E D E P E S Q U I S A CUIDADO É FUNDAMENTAL Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Escola de Enfermagem Alfredo Pinto Anais do VII fórum nacional de mestrados profissionais

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Leonardo A M Zornoff Departamento de Clínica Médica Definição Injúria irreversível do tecido cardíaco em consequência de baixa perfusão tecidual IAM - Fisiopatologia < 10% 90%

Leia mais

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Perante a suspeita clínica de Síndrome coronária aguda (SCA) é crucial

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROTOCOLO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

AVALIAÇÃO DO PROTOCOLO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Artigo Original AVALIAÇÃO DO PROTOCOLO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO EVALUATION OF ACUTE MYOCARDIAL INFARCTION PROTOCOL Ângela Barreto Santiago Santos 1, Betina Vidotto Imhof 1, Andréia Biolo 2 RESUMO

Leia mais

Unidade de Internação Cardiológica (UIC)

Unidade de Internação Cardiológica (UIC) AGJ NOTA OFICIAL - Capanema - Pa, 17 de Maio de 2018. Unidade de Internação Cardiológica (UIC) A Cardiologia é uma das especialidades estratégicas da AGJ O objetivo é que a Cardiologia seja uma especialidade

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO COM SUPRADESNIVELAMENTO DO SEGMENTO ST (IAMST)

INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO COM SUPRADESNIVELAMENTO DO SEGMENTO ST (IAMST) Melhores PROGRAMA Práticas DE CUIDADOS Assistenciais CLÍNICOS PROGRAMA DE CUIDADOS CLÍNICOS INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO COM SUPRADESNIVELAMENTO DO SEGMENTO ST (IAMST) Coordenação Médica: Dr. Leopoldo Soares

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style GRUPO DE ESTUDOS DE HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA DE INTERVENÇÃO Investigadores do Registo Nacional de Cardiologia de Intervenção Grupo de Estudos de Cardiologia de Intervenção Sociedade Portuguesa de Cardiologia

Leia mais

Artigo. de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO: DEVEMOS TRANSFERIR O PACIENTE COM IAM? - AGONISTA -

Artigo. de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO: DEVEMOS TRANSFERIR O PACIENTE COM IAM? - AGONISTA - Artigo REVISTA da SOCIEDADE de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO: DEVEMOS TRANSFERIR O PACIENTE COM IAM? - AGONISTA - Trajano Alfonso Alessandra Teixeira de Oliveira Gilberto

Leia mais

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO SABADOR Prevenção Primária: em quem devemos usar estatina e aspirina em 2015? Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD Professora de Clínica Médica da UNIRIO

Leia mais

Escolha do regime antiplaquetário nas síndromes coronarianas agudas

Escolha do regime antiplaquetário nas síndromes coronarianas agudas Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Módulo VI - Farmacologia e dispositivos adjuntos e stents coronarianos Escolha do regime antiplaquetário nas síndromes coronarianas

Leia mais

Tratamento da mulher com SCA em Portugal: mais uma justificação para o programa Bem me Quero

Tratamento da mulher com SCA em Portugal: mais uma justificação para o programa Bem me Quero Tratamento da mulher com SCA em Portugal: mais uma justificação para o programa Bem me Quero Treating women with ACS in Portugal: one more reason for the Bem me Quero programme Jorge Mimoso Hospital Distrital

Leia mais

Mateus Viana Cardiologista Intervencionista Membro Titular da SBHCI

Mateus Viana Cardiologista Intervencionista Membro Titular da SBHCI Estratégia Fármaco-Invasiva versus ICP Primária: Quando e Como? Mateus Viana Cardiologista Intervencionista Membro Titular da SBHCI Declaração de Conflitos de Interesse O Apresentador declara não apresentar

Leia mais

O paradoxo dos fumadores revisitado

O paradoxo dos fumadores revisitado O paradoxo dos fumadores revisitado António Gaspar, Sérgio Nabais, Márcia Torres, Sérgia Rocha, Aida Brandão, Pedro Azevedo, Miguel Alvares Pereira, Adelino Correia Cardiologia Hospital São Marcos, Braga

Leia mais

Conduta no paciente com. isquêmica

Conduta no paciente com. isquêmica Conduta no paciente com cardiopatia isquêmica Lucas Araujo PET - Medicina Primeira causa de morte nos países ricos e vem aumentando sua incidência nos países de média e baixa renda No coração em repouso

Leia mais

Programa de Cuidados Clínicos no IAMST: Indicadores e Resultados.

Programa de Cuidados Clínicos no IAMST: Indicadores e Resultados. Reunião de Investigadores do Projeto de Boas Práticas Clínicas em Cardiologia (BCP) 6 de Outubro de 2015 Programa de Cuidados Clínicos no IAMST: Indicadores e Resultados. Leopoldo S. Piegas, MD, FACC,

Leia mais

PROTO COLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONÁRIAS ISQUÊMICAS AGUDAS SEM SUPRA DE ST. Vinício Elia Soares Coordenador Executivo da Rede de Cardiologia

PROTO COLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONÁRIAS ISQUÊMICAS AGUDAS SEM SUPRA DE ST. Vinício Elia Soares Coordenador Executivo da Rede de Cardiologia PROTO COLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONÁRIAS ISQUÊMICAS AGUDAS SEM SUPRA DE ST Vinício Elia Soares Coordenador Executivo da Rede de Cardiologia Versão 2017 2 Objetivos Sistematização, de maneira objetiva, do

Leia mais

Revisão de Cardiologia Parte III. IAM ântero lateral. CV elétrica com 200 J. Angina Estavel. Dr. Rafael Munerato de Almeida

Revisão de Cardiologia Parte III. IAM ântero lateral. CV elétrica com 200 J. Angina Estavel. Dr. Rafael Munerato de Almeida Dr. Rafael Munerato de Almeida Coordenador Pedagógico Médico do SINAAM Diretor Médico Regional SP DASA Diretor técnico do Hospital Santa Paula, São Paulo, SP, por 4,5 anos Médico assistente do departamento

Leia mais

Registros Brasileiros Cardiovasculares

Registros Brasileiros Cardiovasculares Registros Brasileiros Cardiovasculares Administração Jorge Ilha Guimarães 2010/2011 Registros Brasileiros Cardiovasculares Registros da SBC - Acrônimo ACCEPT REACT BREATHE Desenvolvimento e Financiamento

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda Com Supradesnivelamento do

Síndrome Coronariana Aguda Com Supradesnivelamento do Síndrome Coronariana Aguda Com Supradesnivelamento do Segmento ST Marcel Bastos Henrique José P. Júnior Roberto Esporcatte Resumo As doenças cardiovasculares, dentre elas o infarto agudo do miocárdio com

Leia mais

Síndromes aórticas agudas. na Sala de Urgência

Síndromes aórticas agudas. na Sala de Urgência Síndromes aórticas agudas na Sala de Urgência Autores e Afiliação: Isabella Parente Almeida. Ex-médica residente da clínica médica do Departamento de Clínica Médica da FMRP - USP; Antônio Pazin Filho.

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 Recursos de estudo na Área do Aluno Site SJT Educação Médica Aula À La Carte Simulados Presenciais e on-line Cursos Extras Antibioticoterapia Prático SJT Diagnóstico por imagem Eletrocardiografia Revisão

Leia mais

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho Angiotomografia Coronária Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho S Aterosclerose S A aterosclerose é uma doença inflamatória crônica de origem multifatorial que ocorre em resposta à agressão

Leia mais

- Dislipidemia aumento do LDL e redução do HDL; - Idade > 45 anos no homem e 55 anos na mulher;

- Dislipidemia aumento do LDL e redução do HDL; - Idade > 45 anos no homem e 55 anos na mulher; Doença Isquêmica do Miocárdio Introdução A isquemia cardíaca é o resultado de um desequilíbrio entre a oferta e a demanda de O2 pelo miocárdio, tendo como causa primordial a aterosclerose coronariana.

Leia mais

CONTROVÉRSIAS EM CORONARIOPATIA AGUDA:

CONTROVÉRSIAS EM CORONARIOPATIA AGUDA: CONTROVÉRSIAS EM CORONARIOPATIA AGUDA: TROPONINA ULTRASSENSÍVEL NA EMERGÊNCIA - PROTOCOLOS, ESTRATÉGIAS E RESULTADOS Paulo J B Barbosa Professor Adjunto da EBMSP Professor Auxiliar da UNEB Coordenador

Leia mais

Dr. Gonzalo J. Martínez R.

Dr. Gonzalo J. Martínez R. Revision Bibliografica Novos inibidores dos receptores P2Y12 nas síndromes coronarianas agudas Dr. Gonzalo J. Martínez R. Pontificia Universidad Católica de Chile Chile, Santiago de Chile Durante a formação

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA Click icon to add picture SÍNDROME CORONARIANA AGUDA DR. SERGIO MACÊDO CARDIOLOGIA E HEMODINÂMICA SÍNDROME CORONARIANA - CARACTERIZAR A DOR; AGUDA -- DOR PROLONGADA EM REPOUSO, EM PRÉCORDIO, ASSOCIADO

Leia mais

SVBOOK da SCA TRATAMENTO

SVBOOK da SCA TRATAMENTO SVBOOK da SCA TRATAMENTO O Livro de Bolso Autor: Ricardo Duran Sobral Colaborador: Matheus Schwengber Gasparini Revisor técnico: Prof. Dr. Roberto Esporcatte 2016 Este ebook foi elaborado de acordo com

Leia mais

27/04/2014. Síndrome Coronariana Aguda (IAM) Angina. Metas. Distribuição das Causas de Mortes no Estado de São Paulo. Conceitos

27/04/2014. Síndrome Coronariana Aguda (IAM) Angina. Metas. Distribuição das Causas de Mortes no Estado de São Paulo. Conceitos Síndrome Coronariana Aguda (IAM) Profº João Aparecido - 2014 5% 6% 10% 16% 14% Distribuição das Causas de Mortes no Estado de São Paulo 16% Fonte: SIM/Fundação SEADE SES/SP-2010 33% Doenças do aparelho

Leia mais

Doença Coronária Para além da angiografia

Doença Coronária Para além da angiografia Reunião Clínica Hospital Fernando Fonseca Doença Coronária Para além da angiografia Sérgio Bravo Baptista Serviço de Cardiologia Agenda Avaliação funcional das lesões coronárias Fractional Flow Reserve

Leia mais

ANGIOPLASTIA CORONARIANA PARA ARTÉRIA DESCENDENTE ANTERIOR, COM IMPLANTE DE UM SENT CONVENCIONAL RELATO DE CASO

ANGIOPLASTIA CORONARIANA PARA ARTÉRIA DESCENDENTE ANTERIOR, COM IMPLANTE DE UM SENT CONVENCIONAL RELATO DE CASO ANGIOPLASTIA CORONARIANA PARA ARTÉRIA DESCENDENTE ANTERIOR, COM IMPLANTE DE UM SENT CONVENCIONAL RELATO DE CASO Diego Vilela Santos 1 Kananda Paola B. Demetri Silva 2 Fernanda Coelho Bacarin 3 Camila Xavier

Leia mais

Tailur Alberto Grando TSA - SBA. Discussão de caso

Tailur Alberto Grando TSA - SBA. Discussão de caso Tailur Alberto Grando TSA - SBA Discussão de caso Discussão de caso Trombose venosa e arterial são a causa da morte em mais de 50% dos casos. Anticoagulantes e antiadesivos plaquetários são a principal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALIANÇA - PE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALIANÇA - PE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS PREFEITURA MUNICIPAL DE ALIANÇA - PE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos concorrentes ao cargo MÉDICO PSF que insurgem contra

Leia mais

Choque Cardiogênico, Evolução Clínica Imediata e Seguimento. Cardiogenic Shock, Imediate Evoluiton and Late Outcome

Choque Cardiogênico, Evolução Clínica Imediata e Seguimento. Cardiogenic Shock, Imediate Evoluiton and Late Outcome Choque Cardiogênico, Evolução Clínica Imediata e Seguimento Cardiogenic Shock, Imediate Evoluiton and Late Outcome Jayro Paiva*, Mauro Gonçalves**,Sebastião Martins, José Lira**, Paulo Rego**, Paulo Medeiros**,

Leia mais

Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias. Fábio Taniguchi, MD, MBA, PhD Pesquisador Principal BPC Brasil

Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias. Fábio Taniguchi, MD, MBA, PhD Pesquisador Principal BPC Brasil Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias Fábio Taniguchi, MD, MBA, PhD Pesquisador Principal BPC Brasil Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias

Leia mais

Construindo estratégias para implementação de diretrizes clínicas na atenção ao infarto agudo do miocárdio no SUS

Construindo estratégias para implementação de diretrizes clínicas na atenção ao infarto agudo do miocárdio no SUS Construindo estratégias para implementação de diretrizes clínicas na atenção ao infarto agudo do miocárdio no SUS ESCOSTEGUY C C, BRASIL A T, PORTELA M C, GUIMARAES A E C, LIMA S M L, BRITO C, FERREIRA

Leia mais

Protocolo Gerenciado. IAM c/ supra ST Atendimento Pré-Hospitalar. Unidades Avançadas Unidades Móveis

Protocolo Gerenciado. IAM c/ supra ST Atendimento Pré-Hospitalar. Unidades Avançadas Unidades Móveis Protocolo Gerenciado IAM c/ supra ST Atendimento Pré-Hospitalar Unidades Avançadas Unidades Móveis Revisão Dez/2010 Programa de Cardiologia Revisão 2010: Unidades avançadas e unidades móveis Pacientes

Leia mais

PROTOCOLO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ Capítulo JCI Responsável pela elaboração Número do documento Data da 1ª versão

PROTOCOLO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ Capítulo JCI Responsável pela elaboração Número do documento Data da 1ª versão Objetivos gerais e específicos Estima-se que cerca de 5 a 10% de todos os atendimentos emergenciais no país são devido à dor torácica. Entre 5 15% dos pacientes com dor torácica na unidade de emergência

Leia mais

PROTO COLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONÁRIAS ISQUÊMICAS AGUDAS COM SUPRA DE ST. Vinício Elia Soares Coordenador Executivo da Rede de Cardiologia

PROTO COLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONÁRIAS ISQUÊMICAS AGUDAS COM SUPRA DE ST. Vinício Elia Soares Coordenador Executivo da Rede de Cardiologia PROTO COLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONÁRIAS ISQUÊMICAS AGUDAS COM SUPRA DE ST Vinício Elia Soares Coordenador Executivo da Rede de Cardiologia Versão 2017 2 Objetivos Sistematização, de maneira objetiva, do

Leia mais

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL)

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) Autor: João Paulo Moreira Eusébio E-mail: eusebio.jp@gmail.com Título do trabalho Reabilitação Cardíaca - Educação

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CORONARIANA

INSUFICIÊNCIA CORONARIANA INSUFICIÊNCIA CORONARIANA Paula Schmidt Azevedo Gaiolla Disciplina de Clínica Médica e Emergência Clínica Depto Clínica Médica FMB - Unesp Definição Síndrome coronariana aporte insuficiente de sangue ao

Leia mais

Qual o Fluxograma da Dor Torácica na Urgência? Pedro Magno

Qual o Fluxograma da Dor Torácica na Urgência? Pedro Magno Pedro Magno - EUA: 119.000.000 recorrências ao S. Urgência / ano - : 8-10% do total destas recorrências ao S. Urgência Pitts SR, US Dept of Health and Human Services, 2010. -Doentes com enfarte do miocárdio

Leia mais

ASSUNTO. Associação entre Protocolo Manchester de Classificação de Risco e. Protocolo de Dor Torácica GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

ASSUNTO. Associação entre Protocolo Manchester de Classificação de Risco e. Protocolo de Dor Torácica GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOTA TÉCNICA 001/2018 Janeiro/2018 ASSUNTO Associação entre Protocolo Manchester de Classificação de Risco e Protocolo de Dor Torácica GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Diretor-Presidente Welfane

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNÍVEL DO SEGMENTO ST: HÁ ESPAÇO PARA O USO DE FIBRINOLÍTICO?

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNÍVEL DO SEGMENTO ST: HÁ ESPAÇO PARA O USO DE FIBRINOLÍTICO? DOI: 10.5212/Publ.Biologicas.v.20i1.0007 73 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNÍVEL DO SEGMENTO ST: HÁ ESPAÇO PARA O USO DE FIBRINOLÍTICO? ACUTE MYOCARDIAL INFARCTION WITH ST ELEVATION: IS THERE SPACE

Leia mais

Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR

Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR Dr. Miguel A. N. Rati Serviço de Hemodinâmica Hospital

Leia mais

A parte das estatinas e aspirina, quais medicações melhoram prognóstico no paciente com DAC e

A parte das estatinas e aspirina, quais medicações melhoram prognóstico no paciente com DAC e A parte das estatinas e aspirina, quais medicações melhoram prognóstico no paciente com DAC e revascularização completa? Marianna Andrade, MD, PhD Coordenadora da UTI Cardíaca do Hospital da Bahia Presidente

Leia mais

2000 Nacional Heart Attack Alert Program: diretrizes para protocolos e programas de UDTs

2000 Nacional Heart Attack Alert Program: diretrizes para protocolos e programas de UDTs Introdução 1981 Hospital St. Agnes, Baltimore (EUA) Dr. Raymond Bahr Estratégias para maior especificidade, sensibilidade e acurácia no diagnóstico de dor torácica 2000 Nacional Heart Attack Alert Program:

Leia mais

FA e DAC: Como abordar esse paciente? Ricardo Gusmão

FA e DAC: Como abordar esse paciente? Ricardo Gusmão FA e DAC: Como abordar esse paciente? Ricardo Gusmão Coordenador do Serviço de Cardiologia do H. Barra D Or Médico da U.C. do I.N.Cardiologia ORBIT-AF: Registro anticoagulação Estimated Change in the Number

Leia mais

Aplicabilidade na Clínica dos Exames Complementares em Doença Arterial Coronariana

Aplicabilidade na Clínica dos Exames Complementares em Doença Arterial Coronariana Acurácia dos Exames Complementares na Área de Alta Complexidade em Cardiologia Aplicabilidade na Clínica dos Exames Complementares em Doença Arterial Coronariana 2011 Luiz Antonio de Almeida Campos UERJ,

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para a Realização de Trombólise Pré- Hospitalar no Infarto Agudo do Miocárdio Porto

Leia mais

Paulo Henrique dos Santos Corrêa. Tecnólogo em Radiologia

Paulo Henrique dos Santos Corrêa. Tecnólogo em Radiologia Paulo Henrique dos Santos Corrêa Tecnólogo em Radiologia Angiotomografia Coronariana Paulo Henrique dos Santos Corrêa Tecnólogo em Radiologia Angiotomografia Coronariana Indicações AngioTC Coronariana

Leia mais

Programa BPC: Painel Hospitais

Programa BPC: Painel Hospitais Programa BPC: Painel Hospitais Hospital de Clínicas de Porto Alegre Mariana Furtado, Mauren Porto, Dayanna Lemos, Leticia Lopes, Josiane Franca, Tiago Dalcin, Luis E. Rohde Como estava minha instituição

Leia mais

Assistência ao paciente com síndrome coronariana aguda segundo indicadores de qualidade

Assistência ao paciente com síndrome coronariana aguda segundo indicadores de qualidade PESQUISA Assistência ao paciente com síndrome coronariana aguda segundo indicadores de qualidade Health care for patients with acute coronary syndrome according to quality indicators La atención al paciente

Leia mais

Cuidado interdisciplinar centrado no pacie cardiopata

Cuidado interdisciplinar centrado no pacie cardiopata OGO 29 Congresso de Cardiologia do Estado da Bahia Simpósio de Enfermagem Cuidado interdisciplinar centrado no pacie ente cardiopata Viviane Sahade J.A.S, 53 anos, sexo masculino, casado, natura e procedente

Leia mais

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio.

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Dr. Maurício de Rezende Barbosa Cordenador do Departamento de Hemodinâmica no Hospital Biocor

Leia mais

Utilidade Clínica da Cistatina C para Avaliação do Prognóstico das Síndromes Coronarianas Agudas: Uma Revisão Sistemática e Metanálise

Utilidade Clínica da Cistatina C para Avaliação do Prognóstico das Síndromes Coronarianas Agudas: Uma Revisão Sistemática e Metanálise 290 International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(3)290-307 ARTIGO DE REVISÃO Utilidade Clínica da Cistatina C para Avaliação do Prognóstico das Síndromes Coronarianas Agudas: Uma Revisão Sistemática

Leia mais

Enfarte agudo do miocárdio

Enfarte agudo do miocárdio Coração Outono/Inverno: casos clínicos. O que posso fazer pelo meu doente idoso com Enfarte agudo do miocárdio Kevin Domingues; Beatriz Santos 20:57 Sr. Evaristo 82 anos Autónomo Reformado Banqueiro Antecedentes

Leia mais

Síndromes Coronários Agudos O que há de novo na terapêutica farmacológica

Síndromes Coronários Agudos O que há de novo na terapêutica farmacológica Síndromes Coronários Agudos O que há de novo na terapêutica farmacológica J. A. Duarte Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira Serviço de Cardiologia I Centro Hospital de Lisboa Norte Congresso

Leia mais

Síndromas Coronários rios Agudos: Factores de Bom e Mau Prognóstico na Diabetes Mellitus

Síndromas Coronários rios Agudos: Factores de Bom e Mau Prognóstico na Diabetes Mellitus Síndromas Coronários rios Agudos: Factores de Bom e Mau Maria João Correia, Maria Judite Oliveira, Margarida Resende, Luís Mourão em nome dos Investigadores do Registo Nacional de Síndromas S Coronários

Leia mais

Assessment of care quality to patient with acute coronary syndrome in an emergency service

Assessment of care quality to patient with acute coronary syndrome in an emergency service Artigo Original Avaliação da qualidade do atendimento ao paciente com síndrome coronariana aguda no serviço de emergência Assessment of care quality to patient with acute coronary syndrome in an emergency

Leia mais

Impacto prognóstico da Insuficiência Mitral isquémica no EAM sem suprast

Impacto prognóstico da Insuficiência Mitral isquémica no EAM sem suprast Impacto prognóstico da Insuficiência Mitral isquémica no EAM sem suprast Serviço de Cardiologia do Hospital de Braga Vítor Ramos, Catarina Vieira, Carlos Galvão, Juliana Martins, Sílvia Ribeiro, Sérgia

Leia mais

O ECG nas síndromes coronárias isquêmicas

O ECG nas síndromes coronárias isquêmicas O ECG nas síndromes coronárias isquêmicas Prof. Dr. Paulo Jorge Moffa Importância do ECG na Estratificação de Risco no Infarto Agudo do Miocárdio ECG no Diagnóstico do Infarto Agudo do Miocárdio Papel

Leia mais

Angina Estável: Estratificação de Risco e Tratamento Clínico. Dr Anielo Itajubá Leite Greco

Angina Estável: Estratificação de Risco e Tratamento Clínico. Dr Anielo Itajubá Leite Greco Angina Estável: Estratificação de Risco e Tratamento Clínico Dr Anielo Itajubá Leite Greco Angina Estável vel: Fisiopatologia da Insuficiência Coronária ria Isquemia de baixo fluxo ( suprimento): Redução

Leia mais

O SÍNDROME CORONÁRIO AGUDO Nos Cuidados de Saúde Primários

O SÍNDROME CORONÁRIO AGUDO Nos Cuidados de Saúde Primários ARTIGO DE REVISÃO Acta Med Port 2010; 23: 213-222 O SÍNDROME CORONÁRIO AGUDO Nos Cuidados de Saúde Primários António MACEDO, Fernando ROSA R E S U M O Introdução: Estima-se que no século XXI as doenças

Leia mais

16/04/2015. Insuficiência Cardíaca e DPOC. Roberto Stirbulov FCM da Santa Casa de SP

16/04/2015. Insuficiência Cardíaca e DPOC. Roberto Stirbulov FCM da Santa Casa de SP Insuficiência Cardíaca e DPOC Roberto Stirbulov FCM da Santa Casa de SP Potencial conflito de interesse CFM nº 1.59/00 de 18/5/2000 ANVISA nº 120/2000 de 30/11/2000 CREMESP : 38357 Nos últimos doze meses

Leia mais

Resultados do Programa BPC Pesquisador Principal BPC Brasil Fábio P. Taniguchi

Resultados do Programa BPC Pesquisador Principal BPC Brasil Fábio P. Taniguchi Resultados do Programa BPC 2017 Pesquisador Principal BPC Brasil Fábio P. Taniguchi Marcos do Programa BPC Brasil Articulação novos centros Junho 15 AHA Março 16 início coleta dados Programa de Melhoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA MARIA LETÍCIA LEÃO LANA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ATENÇÃO AOS PACIENTES ATENDIDOS COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO NA UNIDADE CORONARIANA DO HOSPITAL

Leia mais

CRONOGRAMA CARDIOAULA TEC 2018 SUPER INTENSIVO JUNHO A SETEMBRO PROVA: SETEMBRO 257 AULAS E PROVAS

CRONOGRAMA CARDIOAULA TEC 2018 SUPER INTENSIVO JUNHO A SETEMBRO PROVA: SETEMBRO 257 AULAS E PROVAS CRONOGRAMA CARDIOAULA TEC 2018 SUPER INTENSIVO JUNHO A SETEMBRO PROVA: SETEMBRO 257 AULAS E PROVAS ENVIO DA APOSTILA VOLUME 01 (SEMIOLOGIA E FISIOLOGIA) ENVIO DA APOSTILA VOLUME 02 (HAS E DISLIPIDEMIAS)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SANTA CASA RESIDÊNCIA MÉDICA PRÉ-REQUISITO

PROCESSO SELETIVO SANTA CASA RESIDÊNCIA MÉDICA PRÉ-REQUISITO PROCESSO SELETIVO SANTA CASA RESIDÊNCIA MÉDICA PRÉ-REQUISITO PRÉ-REQUISITO: CLÍNICA MÉDICA QUESTÃO 07 A questão apresenta quatro alternativas sobre a avaliação do paciente com dor torácica no pronto socorro

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais