Stents Farmacológicos Versus Cirurgia de Revascularização Miocárdica: meta-análise de ensaios clínicos prospectivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Stents Farmacológicos Versus Cirurgia de Revascularização Miocárdica: meta-análise de ensaios clínicos prospectivos"

Transcrição

1 Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): Artigo Original 6 Andrade et al. Stents Farmacológicos Versus Cirurgia de Revascularização Miocárdica: meta-análise de ensaios clínicos prospectivos Drug-Eluting Stents Versus Coronary Artery Bypass-Graft Surgery: meta-analysis of prospective clinical trials Pedro José Negreiros de Andrade, Ricardo Pereira Silva, Antonio Augusto Guimarães Lima, Antonio Thomaz de Andrade, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho Resumo Fundamentos: Quando se comparam intervenção coronariana percutânea (ICP) e cirurgia de revascularização miocárdica (CRM), os resultados são controversos. Objetivo: Realizar meta-análise de ensaios clínicos que compararam ICP usando stents farmacológicos (SF) e CRM. Métodos: Foram pesquisados em bases de dados eletrônicos ensaios clínicos, publicados entre janeiro 2000 e dezembro 2011, que tivessem realizado essa comparação. Nove ensaios clínicos foram identificados: ARTS II, ERACI III, LE MANS, SYNTAX, CARDia, PRECOMBAT e os estudos de Boudriot et al., Thiele et al. e Hong el al. Resultados: A agregação dos nove estudos (n=5179 pacientes) não mostrou diferenças significativas na mortalidade em um ano (2,8% vs. 3,6%, p=0,1) ou em 2-3 anos (5,7% vs. 5,8%); nem na incidência de infarto do miocárdio não fatal (6,7% vs. 5,3%; p=0,12). Houve significativa maior incidência de acidente vascular encefálico (AVE) no grupo cirúrgico (0,4% vs. 1,5%; p<0,001) e maior incidência de nova revascularização no grupo ICP (10,5% vs. 4,3%; p<0,001). A incidência de morte, AVE ou infarto do miocárdio foi igual nos dois grupos (9,9% vs. 10,3%; p=0,9). A análise individual dos resultados mostrou que a ICP teve melhores resultados nos pacientes com baixa complexidade angiográfica e a CRM nos pacientes com alta complexidade angiográfica. Conclusão: ICP com uso de stents farmacológicos mostrou-se comparável à CRM em termos de desfechos adversos maiores (morte, infarto e AVE) nos nove ensaios clínicos prospectivos avaliados. Cirurgia continua a ser o procedimento de revascularização preferencial em pacientes com elevada complexidade angiográfica, sendo superior na capacidade de evitar novos procedimentos de revascularização. Abstract Background: Comparisons between percutaneous coronary intervention (PCI) and coronary artery bypass graft surgery (CABG) result in controversial findings. Objective: To conduct a meta-analysis of clinical trials comparing PCI with drug-eluting stents (DES) and CABG. Methods: Electronic databases were searched to identify clinical trials published between January 2000 and December 2011 presenting this comparison. Nine clinical trials were found: ARTS II, ERACI III, LE MANS, SYNTAX, CARDia and PRECOMBAT, as well as studies by Boudriot et al., Thiele et al. and Hong et al. Results: Overall, these nine studies (n=5179 patients) did not indicate any significant differences for one year mortality (2.8% vs 3.6%; p=0.1) nor for the 2-3 year mortality rate (5.7% vs 5.8%). There was no difference in the non-fatal myocardial infarction rate (6.7% vs 5.3%; p=0.12). The incidence of stroke was significantly higher in the surgery group (0.4% vs 1.5%; p<0.001) with more revascularization procedures in the PCI group (10.5% vs 4.3%; p<0.001). The rates for death, stroke or non-fatal acute myocardial infarction were similar in both groups (9.9% vs 10.3%; p=0.9). Individual analyses of the findings suggest that PCI posted better outcomes in patients with less angiographic complexity and CABG for patients with more angiographic complexity. Conclusion: PCI with drug-eluting stents proved comparable to CABG in terms of more serious adverse outcomes (death, infarction and stroke) in the nine prospective clinical trials assessed. Surgery remains the preferred revascularization procedure for patients with greater angiographic complexity, being better able to avoid new coronary artery bypass graft surgery. Serviço de Cardiologia - Hospital Universitário Walter Cantidio - Universidade Federal do Ceará (UFCE) - Fortaleza, CE - Brasil Correspondência: Pedro José de Negreiros de Andrade Rua Francisco Holanda, 992 ap Dionísio Torres Fortaleza, CE - Brasil Recebido em: 29/02/2012 Aceito em: 18/05/

2 Andrade et al. Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): Palavras-chave: Stents farmacológicos; Revascularização miocárdica; Metanálise; Ensaios clínicos/métodos Keywords: Drug-eluting stents; Myocardial revascularization; Meta-analysis; Clinical trials/methods Introdução Intervenção coronariana percutânea (angioplastia ou ICP) e cirurgia de revascularização miocárdica (cirurgia ou CRM) são procedimentos efetivos de revascularização miocárdica. Grande número de ensaios clínicos comparou as duas terapêuticas. A subdimensão desses ensaios para encontrar diferenças pequenas em eventos como morte, AVE e IAM não fatal levou à realização de meta-análises que tentaram encontrar diferenças não identificadas nos estudos isolados. Os resultados mostraram maior morbimortalidade imediata com a cirurgia, igual mortalidade em um ano, maior mortalidade tardia com a angioplastia (devido principalmente a estudos da era cateter-balão) e uma clara superioridade da cirurgia na capacidade de evitar novos procedimentos de revascularização 1-4. O principal problema dessas meta-análises é que podem ser consideradas desatualizadas, por terem envolvido estudos da era pré-sf e incluído doentes menos complexos que os atualmente considerados para cirurgia. O objetivo do presente trabalho foi efetuar uma revisão sistemática dos principais ensaios clínicos prospectivos que compararam ICP utilizando SF e CRM. Metodologia Os estudos foram levantados nas bases de dados MEDLINE, Cochrane Database of Systematic Reviews e Google Medical selecionando-se aqueles que compararam intervenção coronariana percutânea com stents farmacológicos e cirurgia de revascularização miocárdica, publicados entre janeiro 2000 e maio A data de início se justifica devido ao fato de os stents farmacológicos terem se estabelecido como método terapêutico a partir dessa data 5. Na busca foram utilizados os seguintes termos: percutaneous coronary intervention, coronary artery bypass surgery, drug-eluting stent e clinical trial. Após o levantamento inicial que considerou também referências bibliográficas de trabalhos de revisão e meta-análises sobre o assunto, utilizaram-se os seguintes critérios de inclusão para os ensaios clínicos: ter sido desenhado para comparar angioplastia com cirurgia coronariana, ter seguimento de pelo menos seis meses, ter utilizado stents farmacológicos e ter sido publicado em revistas com impacto superior a 2,0. Foram então identificados nove ensaios: LE MANS 6, SYNTAX 7-11, CARDia 12, PRECOMBAT 13, o estudo de Boudriot et al. 14, o estudo de Hong et al. 15, o estudo de Thiele et al. 16, o ERACI III 17 e o ARTS II 18. Os sete primeiros estudos foram ensaios clínicos randomizados; os dois últimos, ensaios clínicos prospectivos não randomizados, delineados como extensão de ensaios clínicos randomizados prévios. Neles o grupo cirúrgico foi obtido a partir de ensaios clínicos randomizados prévios 19,20, enquanto o grupo angioplastia foi obtido de uma série consecutiva de pacientes similares, oriundos das mesmas instituições e coordenada pelos mesmos autores. Avaliaram-se os seguintes desfechos: mortalidade, acidente vascular encefálico (AVE), infarto do miocárdio não fatal e nova revascularização. Para AVE, infarto do miocárdio e nova revascularização foram considerados os resultados de até um ano. Para a mortalidade foram considerados os resultados de até um ano e de até três anos. Na ausência de resultados de um ano 15 foram aceitos os resultados de seis meses, e na ausência de resultados de três anos 13 foram aceitos os resultados de dois anos. Os dados foram colhidos por dois investigadores, confirmados por um terceiro e colocados em planilhas Excel. Sempre que possível foram colocados os números absolutos fornecidos nas publicações. Caso contrário, os percentuais foram transformados em números absolutos. A seguir foi realizada agregação dos resultados (total de pacientes randomizados e total de desfechos), sendo o resultado final avaliado como se fosse um único ensaio clínico. Para avaliação do significado estatístico das diferenças entre o grupo intervenção percutânea e o grupo cirurgia foi usado o teste exato de Fischer. Tal procedimento se justifica pelos seguintes motivos: a) os estudos compararam os mesmos tipos de pacientes (situações de indicação de revascularização em que a escolha entre cirurgia e angioplastia era controversa) e avaliaram desfechos semelhantes; b) o número de pacientes foi semelhante nos dois grupos na quase totalidade dos estudos; c) os desfechos eram bem definidos (morte, AVE, infarto do miocárdio e nova revascularização). Para a representação gráfica da heterogeneidade dos estudos foi construido um gráfico tipo Forest 211

3 Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): Andrade et al. Plot para a mortalidade em até um ano, tendo sido incluídos os subgrupos do SYNTAX, classificados conforme a complexidade angiográfica e a condição de lesões triarteriais ou de tronco Nesse gráfico foi colocada a diferença de risco por ser um índice mais estável e de mais fácil entendimento 21. Resultados Características dos estudos As características dos ensaios clínicos estão sintetizadas no Quadro 1. Os estudos de Thiele et al. 16 e de Hong et al. 15 incluíram apenas pacientes com obstrução única proximal da artéria descendente anterior e utilizaram exclusivamente cirurgia minimamente invasiva. O ARTS II 18 avaliou pacientes bi e triarteriais, o ERACI III 17 avaliou majoritariamente bi e triarteriais, tendo incluído uma minoria (cerca de 5%) de pacientes com obstrução de tronco de artéria de coronária esquerda (TCE); o CARDia 12 avaliou diabéticos bi e triarteriais com uma minoria (cerca de 5%) de pacientes com lesão única proximal da descendente anterior; o LE MANS 6, o PRECOMBAT 13 e o estudo de Boudriot et al. 14 avaliaram apenas obstrução de tronco de coronária esquerda, associada ou não à obstrução de outras artérias. O ARTS II 18, o ERACI III 17, o estudo de Hong et al. 15, o de Thiele et al. 16, o SYNTAX 7-11, o PRECOMBAT 13 e o estudo de Boudriot et al. 14 utilizaram SF em 100% dos casos. O LE MANS 6 utilizou stent farmacológico de forma selecionada, em pouco mais de 1/3 dos casos (tronco com diâmetro inferior a 3,8mm) e o CARDia 12 em 2/3 dos pacientes. Quatro estudos (Thiele et al. 16, Hong et al. 15, o ERACI III 17 e o ARTS II 18 ) apresentavam pacientes semelhantes aos dos estudos da era pré-sf. Os outros cinco estudos apresentavam doentes bem mais complexos: o CARDia 12 avaliou diabéticos e teve predominio de triarteriais, o SYNTAX 7-11 incluiu obstrução de TCE e colocou 4,5 stents por paciente; os estudos LE MANS 6, PRECOMBAT 13 e de Boudriot et al. 14 incluíram apenas lesão de tronco, situações habitualmente excluídas dos estudos randomizados da era pré-sf. Os nove estudos incluíram 5197 pacientes, dos quais 2627 foram submetidos a ICP e 2570 a CRM. A média de idade dos pacientes foi 63 anos; 76% eram do sexo masculino e 34% eram diabéticos. Em termos de número de artérias comprometidas, 23% tinham doença biarterial, 46% triarterial, 25% tinham obstrução de TCE associada ou não à lesão de outras artérias e 6% tinham lesão única proximal da descendente anterior. Os grupos ICP e CRM foram muito semelhantes em todos os estudos, com exceção do ERACI III 17 cujo número de pacientes com angina instável foi menor no grupo ICP, enquanto o de triarteirais foi maior; e do ARTS II 18 cujo percentual de triarteirais foi maior no grupo ICP. A maioria dos pacientes nos estudos apresentava fração de ejeção preservada e, em quase todos, a história de revascularização prévia foi critério de exclusão. Os desfechos estão mostrados nas Tabelas 1 a 4 e na Figura 1. Não houve diferença global na mortalidade em um ano (2,8% vs. 3,6%; p=0,1). Observa-se melhor resultado da angioplastia na maioria dos estudos, com exceção do CARDia 12 em que os resultados foram iguais em ambos os tratamentos, e do SYNTAX 7-11 em que a cirurgia mostrou menor mortalidade. O estudo que mais contribuiu para melhor resultado da angioplastia foi o ERACI III 17, enquanto o que mais contribuiu para um melhor resultado da cirurgia foi o SYNTAX A Figura 1 mostra que os resultados de Quadro 1 Características dos ensaios clínicos analisados Estudos Origem Vasos envolvidos ICP (n) CRM (n) Randomizado Thiele et al. 16 Alemanha 1 artéria: DA proximal Sim Hong et al. 15 Coreia 1 artéria: DA proximal Sim ERACI III 17 Argentina 2 ou 3 artérias Não ARTS II 18 EUA e Europa 2 ou 3 artérias Não LE MANS 6 Polônia Tronco de CE Sim SYNTAX 7 EUA e Europa 2 ou 3 artérias ou Tronco de CE Sim CARDia 12 Reino Unido 2 ou 3 artérias Sim Boudriot et al. 14 Alemanha Tronco de CE Sim PRECOMBAT 13 Coreia Tronco de CE Sim ICP=intervenção coronariana percutânea=angioplastia; CRM=cirurgia de revascularização miocárdica; DA=artéria descendente anterior; CE=artéria coronária esquerda 212

4 Andrade et al. Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): Tabela 1 Desfechos (%) encontrados nos estudos analisados em até um ano Estudos e Mortalidade AVE (%) Nova Infarto do número de (%) revascularização (%) miocárdio (%) pacientes ICP CRM ICP CRM ICP CRM ICP CRM Thiele et al. 16 (130) 0 1, ,2 0 6,2 0 Hong et al. 15 (189)* 1,7 4,3 0 1,4 1,7 5,9 1,7 5,9 ERACI III 17 (450) 3,1 7,6 1,3 0 8,9 4,4 8,9 4,4 ARTS II 18 (1212) 1,0 2,7 0,2 1,0 7,4 3,7 7,4 3,7 SYNTAX 7 (1800) 4,4 3,5 0,6 2,2 14,2 6 4,8 3,3 LE MANS 6 (105) ,9 6,4 13,6 6,4 CARDia 12 (510) 3,2 3,2 0,4 2,8 11,8 2,0 9,8 5,8 PRECOMBAT 13 (510) 2,0 2,7 0 0,3 6,1 3,4 6,1 3,4 Boudriot et al. 14 (201) 2,0% 5,0% 0% 2,0% 13,0% 4,0% 13,0% 4,0% Total de eventos Total de pacientes AVE=acidente vascular encefálico; ICP=intervenção coronariana percutânea=angioplastia; CRM=cirurgia de revascularização miocárdica *resultados de seis meses Tabela 2 Subgrupos do estudo SYNTAX: desfechos adversos em até um ano Mortalidade AVE (%) Infarto do (%) miocárdio (%) n ICP CRM ICP CRM ICP CRM 3 vasos SYNTAX > ,8 4,2 0,6 1,9 3,3 4,2 3 vasos SYNTAX: ,4 3,0 1,5 2,0 5,8 2,0 3 vasos SYNTAX > ,5 1,2 0 1,2 6,5 1,9 Tronco SYNTAX > ,9 3,0 0 2,0 1,7 2,0 Tronco SYNTAX: ,0 6,7 0 2,0 2,9 3,4 Tronco SYNTAX > ,7 4,1 0,7 3,4 6,1 7,5 AVE=acidente vascular encefálico; ICP=intervenção coronariana percutânea; CRM=cirurgia de revascularização miocárdica. Fonte: Serruys 9 Tabela 3 Mortalidade em até três anos Estudos (nº de pacientes) ICP (%) CRM (%) Thiele et al. 16 (130) 1,5 3 ERACI III 17 (450) 5,7 9,8 ARTS II 18 (1212) 3,0 4,4 SYNTAX 7 (1800) 8,6 6,7 PRECOMBAT 13 (510)* 2,4 3,4 Total de eventos Total de pacientes ICP=Intervenção coronariana percutânea; CRM=cirurgia de revascularização miocárdica *resultados de dois anos mortalidade desfavoráveis à angioplastia se deveram aos subgrupos de triarteriais com escore SYNTAX alto (>32) ou intermediário (22-33) e ao subgrupo de tronco com escore alto (>32). Nos demais estudos, assim como nos outros subgrupos do SYNTAX, os resultados se mostraram favoráveis à ICP. Em relação à incidência de AVE, os resultados foram consistentemente favoráveis à ICP, com exceção do ERACI III 17, em que houve mais AVE com a angioplastia e do estudo de Thiele et al. 16 em que não houve eventos nos dois grupos. Os estudos que mais contribuíram para maior incidência de AVE 213

5 Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): Andrade et al. Tabela 4 Mortalidade em três anos: subgrupos do SYNTAX Triarteriais Tronco de coronária esquerda ICP (%) CRM (%) p ICP (%) CRM (%) p SYNTAX <22 7,3 6,8 0,86 2,6 4,3 0,44 SYNTAX ,3 5,7 0,09 4,9 12,4 0,06 SYNTAX >32 11,1 4,5 0,03 13,4 7,6 0,10 ICP=intervenção coronariana percutânea; CRM=cirurgia de revascularização miocárdica Fonte: Serruys 10,11 no grupo cirúrgico foram o SYNTAX 7-11 e o CARDia 12. No conjunto de resultados, a diferença entre os dois grupos foi altamente significante (0,4% vs. 1,5%; p<0,001). Em relação à incidência de nova revascularização, os resultados foram consistentemente favoráveis à cirurgia. No conjunto de resultados a diferença a favor da cirurgia se mostrou altamente significativa (10,5% vs. 4,3%; p<0,001) e quanto ao infarto do miocárdio não fatal não mostrou diferença (6,7% vs 5,3%; p=0,11). A incidência de morte, IAM não fatal ou AVE também foi semelhante nos dois grupos (9,9% vs 10,3%; p=0,6). Discussão O principal diferencial da presente revisão sistemática é o fato de ela ter incluído exclusivamente estudos da era stent farmacológico, ao contrário de trabalhos similares que avaliaram exclusivamente, ou Figura 1 Mortalidade em até um ano nos ensaios clínicos que utilizaram stents farmacológicos, com os resultados do SYNTAX estratificados em subgrupos. O tamanho das caixas é diretamente proporcional ao número de pacientes dos estudos e o das barras inversamente proporcional. Barra que cruza a linha média significa que a diferença não foi estatisticamente significativa. CRM=cirurgia de revascularização miocárdica; ICP=intervenção coronariana percutânea; IC=intervalo de confiança; 3vd=triarteriais; LM=tronco de artéria coronária esquerda. Diferença de risco >0 favorece a cirurgia e <0 favorece a angioplastia. 214

6 Andrade et al. Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): predominantemente, estudos da era pré-stent farmacológico 1-4. Nos estudos pré-sf os pacientes com obstrução de tronco costumavam ser excluídos e os biarteirais e uniarteriais predominavam sobre os triarteriais. Na presente revisão, os triarteriais e as obstruções de tronco, situações ainda hoje considerados como preferencialmente cirúrgicas 22-26, representaram 71% dos pacientes, predominando sobre os uni e biarteriais. Considerando que 1/3 dos demais pacientes eram diabéticos, assim como o elevado percentual de lesões complexas nos estudos de lesão única proximal de DA, poder-se-á concluir que a maioria dos pacientes nos ensaios clínicos avaliados seria cirúrgica pelos critérios clássicos de indicação. Apesar disso houve similaridade dos resultados de mortalidade, tanto em até um ano quanto em até três anos. Houve também similaridade dos resultados na incidência de infarto não fatal, exceto em estudos mais recentes, em que houve melhores resultados com a cirurgia. A maior incidência de AVE no grupo cirúrgico, algo que já havia sido sugerido pelo SYNTAX 7-11 e em revisões sistemáticas prévias 3,4, parece ter ficado bem estabelecido, embora isso não tenha ocorrido nos dois estudos de lesão única proximal de DA. O único elemento em que a superioridade da cirurgia continua incontestável é na incidência de novas revascularizações, ainda que essa diferença tenha sido menor que a dos estudos da era pré-sf, que geralmente se situava na casa dos dois dígitos. Nota-se além disso que a maioria das novas revascularizações nos estudos da era SF foi uma segunda intervenção percutânea. O que mais chama a atenção na presente revisão é a grande heterogeneidade dos resultados no desfecho mortalidade, na dependência do tipo de estudo e de seus subgrupos. Nos estudos e subgrupos de estudos que envolveram doentes semelhantes aos da era pré-sf, nos estudos de Hong et al. 15 e de Thiele et al. 16 (que incluíram apenas lesão única proximal de DA), ARTS II 18, ERACI III 17 e no subgrupo de triarteriais de baixa complexidade do SYNTAX 7-11, houve tendência favorável à intervenção percutânea na mortalidade em um ano. No CARDia 12, que envolveu exclusivamente diabéticos, situação em que a cirurgia mostrava superioridade na era pré-sf, não houve diferença na mortalidade. Também houve tendência a menor mortalidade com a ICP nos subgrupos de obstrução de tronco com escore SYNTAX entre e naqueles com escore <22, assim como nos estudos LE MANS 6, PRECOMBAT 13 e de Boudriot el al. 14, todos de lesão de tronco. Com os resultados desses quatro estudos randomizados parece claro que, pelo menos nos casos de lesão de tronco com boa anatomia, a cirurgia deixou de ser a única opção de revascularização miocárdica, algo que era quase consensual até recentemente 22,23. Já o resultado do subgrupo de triarteriais do SYNTAX 7-11 mostra superioridade da cirurgia naqueles com escore de SYNTAX entre 22-33, com a diferença atingindo significado estatístico naqueles com escore >32, assim como nos que apresentavam lesão de tronco e escore >32. Isso é particularmente relevante levando em conta o progressivo alargamento na diferença dos resultados entre cirurgia e angioplastia à medida que o SYNTAX 7-11 mostra resultados mais tardios. É bem verdade que a intervenção percutãnea continua a mostrar progressos, sendo possível que o uso de stents bioabsorvíveis e a utilização da técnica de reserva de fluxo fracional (a qual permite à ICP tratar apenas as lesões funcionalmente significativas) venham a melhorar os resultados desfavoráveis da angioplastia em pacientes angiograficamente complexos. O presente estudo apresenta importantes limitações. Trata-se de uma revisão sistemática de trabalhos publicados em periódicos indexados e não, como seria ideal, de uma meta-análise com dados fornecidos pelos próprios responsáveis pelos ensaios clínicos. Sendo assim não foi possivel separar subgrupos, como diabéticos, pacientes com função ventricular comprometida e bi e triarteiriais com obstrução proximal da descendente anterior. A inclusão do ARTS II 18 e do ERACI III 17 poderia ser motivo de críticas, tendo em vista a sua condição de estudos não randomizados e ao fato de o ERACI III 17 ter envolvido quase esclusivamente doentes agudos, os quais são atualmente tratados preferencialmente por intervenção percutânea. A inclusão de dois estudos que utilizaram stents não farmacológicos (CARDia 12 e LE MANS 6 ) também poderia ser motivo de crítica. Cabe ressalvar ainda que as conclusões dos ensaios clínicos não se aplicam a todos os pacientes com indicação de revascularização miocárdica, mas apenas àqueles em que a revascularização for possível por ambos os métodos, que não apresentem elevado risco cirúrgico, sem história de revascularização prévia e com os procedimentos sendo realizados em instituições de excelência. 215

7 Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): Andrade et al. Conclusão Intervenção coronariana percutânea com uso de stents farmacológicos mostrou-se comparável à cirurgia de revascularização miocárdica em termos de desfechos adversos maiores (morte, infarto e AVE) nos nove ensaios clínicos prospectivos avaliados. Cirurgia continua a ser o procedimento de revascularização preferencial em pacientes com elevada complexidade angiográfica. É também indiscutivelmente superior na capacidade de evitar novos procedimentos de revascularização. Potencial Conflito de Interesses Declaro não haver conflitos de interesses pertinentes. Fontes de Financiamento O presente estudo não teve fontes de financiamento externas. Vinculação Acadêmica O presente estudo não está vinculado a qualquer programa de pós-graduação. Referências 1. Hoffman SN, TenBrook JA, Wolf MP, Pauker SG, Salem DN, Wong JB. A meta-analysis of randomized controlled trials comparing coronary artery bypass graft with percutaneous transluminal coronary angioplasty: oneto eight-year outcomes. J Am Coll Cardiol. 2003;41(8): Daemen J, Boersma E, Flather M, Booth J, Stables R, Rodriguez A, et al. Long-term safety and efficacy of percutaneous coronary intervention with stenting and coronary artery bypass surgery for multivessel coronary artery disease: a meta-analysis with 5-year patient-level data from the ARTS, ERACI-II, MASS-II, and SoS trials. Circulation. 2008;118(11): Bravata DM, Gienger AL, McDonald KM, Sundaram V, Perez MV, Varghese R, et al. Systematic review: the comparative effectiveness of percutaneous coronary interventions and coronary artery bypass graft surgery. Ann Intern Med. 2007;147(10): Andrade PJ, Medeiros, MM, Andrade AT, Lima AA. Angioplastia versus cirurgia de revascularização miocárdica: revisão de estudos randomizados. Arq Bras Cardiol. 2011;97(3):e Sousa JE, Costa MA, Abizaid AC, Rensing BJ, Abizaid AS, Tanajura LF, et al. Sustained suppression of neointimal proliferation by sirolimus-eluting stents: one-year angiographic and intravascular ultrasound follow-up. Circulation. 2001;104(17): Buszman PE, Kiesz SR, Bochenek A, Peszek-Przybyla E, Szkrobka I, Debinski M, et al. Acute and late outcomes of unprotected left main stenting in comparison with surgical revascularization. J Am Coll Cardiol. 2008;51(5): Serruys PW, Morice MC, Kappetein AP, Colombo A, Holmes DR, Mack MJ, et al; SYNTAX Investigators. Percutaneous coronary intervention versus coronaryartery bypass grafting for severe coronary artery disease. N Engl J Med. 2009;360(10): Morice MC, Serruys PW, Kappetein AP, Feldman TE, Ståhle E, Colombo A, et al. Outcomes in patients with de novo left main disease treated with either percutaneous coronary intervention using paclitaxeleluting stents or coronary artery bypass graft treatment in the Synergy Between Percutaneous Coronary Intervention with TAXUS and Cardiac Surgery (SYNTAX) trial. Circulation. 2010;121(24): Serruys PW. SYNTAX in left main subsets. [Abstract]. Proceedings of the 20th Annual Scientific Symposium; 2008 Oct 12-17; Washington, DC, USA. Transcatheter Cardiovascular Therapeutics Conference (TCT). New York: ACC; Serruys PW. Three years outcomes from a prospective trial of paclitaxel eluting stents in subsets with left main coronary artery disease. [Abstract]. Proceedings of the 22nd Annual Scientific Symposium; 2010 Sep 21-25; Washington, DC, USA. Transcatheter Cardiovascular Therapeutics Conference (TCT). New York: ACC; Serruys PW. Three years outcomes from a prospective trial of paclitaxel eluting stents in subsets with triple vessel coronary artery disease. [Abstract]. Proceedings of the 22nd Annual Scientific Symposium; 2010 Sep 21-25; Washington, DC, USA. Transcatheter Cardiovascular Therapeutics Conference (TCT) Available from: <http://www.tctconference.com> 12. Kapur A, Hall RJ, Malik IS, Qureshi AC, Butts J, de Belder M, et al. Randomized comparison of percutaneous coronary intervention with coronary artery bypass grafting in diabetic patient. 1-year results of the CARDia (Coronary Artery Revascularization in Diabetes) trial. J Am Coll Cardiol. 2010;55(5): Park SJ, Kim YH, Park DW, Yun SC, Ahn JM, Song HG, et al. Randomized trial of stents versus bypass surgery for left main coronary artery disease. N Engl J Med. 2011;364(18): Boudriot E, Thiele H, Walther T, Liebetrau C, Boeckstegers P, Pohl T, et al. Randomized comparison of percutaneous coronary intervention with sirolimuseluting stents versus coronary artery bypass grafting in unprotected left main stem stenosis. J Am Coll Cardiol. 2011;57(5): Erratum in: J Am Coll Cardiol. 2011;57(17):

8 Andrade et al. Rev Bras Cardiol. 2012;25(3): Hong SJ, Lim DS, Seo HS, Kim YH, Shim WJ, Park CG, et al. Percutaneous coronary intervention with drugeluting stent implantation vs. minimally invasive direct coronary artery bypass (MIDCAB) in patients with left anterior descending coronary artery stenosis. Catheter Cardiovasc Interv. 2005;64(1): Thiele H, Neumann-Schniedewind P, Jacobs S, Boudriot E, Walther T, Mohr FW. Randomized comparison of minimally invasive direct coronary artery bypass surgery versus sirolimus-eluting stenting in isolated proximal left anterior descending coronary artery stenosis. J Am Coll Cardiol. 2009;53(25): Rodriguez AE, Grinfeld L, Fernandez-Pereira C, Mieres J, Rodriguez Alemparte M, Berrocal D, et al. Revascularization strategies of coronary artery multiple vessel disease in the Drug Eluting Stent Era: one year follow-up results of the ERACI III Trial. EuroIntervention. 2006;2(1): Serruys PW, Onuma Y, Garg S, Vranckx P, De Bruyne B, Morice MC, et al; ARTS II Investigators. 5-year outcomes of the ARTS II (Arterial Revascularization Therapies Study II) of the sirolimus-eluting stent in the treatment of patients with multivessel de novo coronary artery lesions. J Am Coll Cardiol. 2010;55(11): Rodriguez A, Bernardi V, Navia J, Baldi J, Grinfeld L, Martinez J, et al. Argentine Randomized Study: Coronary angioplasty with stenting versus coronary bypass surgery in patients with multiple-vessel disease (ERACI II): 30-day and one-year follow-up results. ERACI II Investigators. J Am Coll Cardiol. 2001;37(1):51-8. Erratum in: J Am Coll Cardiol. 2001;37(3): Serruys PW, Unger F, Sousa JE, Jatene A, Bonnier HJ, Schönberger JP, et al; Arterial Revascularization Therapies Study Group. Comparison of coronary-artery bypass surgery and stenting for the treatment of multivessel disease. N Engl J Med. 2001;344(15): Costa J, Carneiro AV. Cálculo, expressão e percepção do risco em medicina: implicações para o processo de decisão clínica. Rev Port Cardiol. 2011;30(1): Soran O, Manchanda A, Schueler S. Percutaneous coronary intervention versus coronary artery bypass surgery in multivessel disease: a current perspective. Interact Cardiovasc Thorac Surg. 2009;8(6): Morrow DA, Gersh BJ. Chronic coronary artery disease. In: Libby P, Bonow RO, Mann DL, Zipes DP, eds. Braunwald s heart disease: a textbook of cardiovascular medicine. 8th ed. Philadelphia: Saunders/Elsevier; p Hannan EL, Racz MJ, Walford G, Jones RH, Ryan TJ, Bennett E, et al. Long- term outcomes of coronaryartery bypass grafting versus stent implantation. N Engl J Med. 2005:352(21): Hillis LD, Smith PK, Anderson JL, Bittl JA, Bridges CR, Byrne JG, et al; American College of Cardiology Foundation; American Heart Association Task Force on Practice Guidelines; American Association for Thoracic Surgery; Society of Cardiovascular Anesthesiologists; Society of Thoracic Surgeons ACCF/ AHA Guideline for Coronary Artery Bypass Graft Surgery. A report of the American College of Cardiology Foundation/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. Developed in collaboration with the American Association for Thoracic Surgery, Society of Cardiovascular Anesthesiologists, and Society of Thoracic Surgeons. J Am Coll Cardiol. 2011;58(24):e Mattos LA, Lemos Neto PA, Rassi A Jr, Marin-Neto JA, Sousa AGMR, Devito FS, et al. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Intervenção percutânea e métodos adjuntos diagnósticos em cardiologia intervencionista (II Edição, 2008). Rev Bras Cardiol Invasiva. 2008;16(2 supl. 2):

8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO

8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO 8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO ESTADO ATUAL E PERSPECTIVAS DA INTERVENÇÃO CORONÁRIA EM PACIENTES COM LESÃO DE TRONCO NÃO PROTEGIDO JOÃO BATISTA L.LOURES LESÃO DE TCE NÃO PROTEGIDO

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade Doença Aterosclerótica Coronariana e o Emprego Racional de Endopróteses Procedimento Operacional Padrão Dr. Marco Antonio de Mattos Hospital UNIMED-RIO-

Leia mais

Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes

Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes Circulation 2003;108:1655 61 Diabetes predispõe para uma forma difusa

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Assunto: COROFLEX PLEASE: Stent coronariano eluído com Paclitaxel

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Assunto: COROFLEX PLEASE: Stent coronariano eluído com Paclitaxel Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: COROFLEX PLEASE: Stent coronariano eluído com Paclitaxel Porto Alegre, Janeiro de 2008. AVALIAÇÃO DA CÂMARA TÉCNICA

Leia mais

Rui Manuel Sequeira de Almeida. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brazil.

Rui Manuel Sequeira de Almeida. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brazil. [Index FAC] [FVCC Index] Cirugía Cardíaca/Cardiovascular Surgery Revascularização do Miocárdio - Estudo Comparativo do Custo da Cirurgia Convencional e da Angioplastia Transluminal Percutânea Myocardial

Leia mais

O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa

O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa Marcelo J C Cantarelli, MD, PhD, FACC, FSCAI H. Bandeirantes H. Leforte H. Rede D Or São Luiz Anália Franco

Leia mais

http://www.theheart.org/article/1466345.do.

http://www.theheart.org/article/1466345.do. Resultados finais do estudo SYNTAX reafirmam a cirurgia de revascularização miocárdica como intervenção de escolha, em pacientes com doença coronária complexa. http://www.theheart.org/article/1466345.do.

Leia mais

Boletim Científico SBCCV 11-2012

Boletim Científico SBCCV 11-2012 1 2 Boletim Científico SBCCV 11-2012 Nova Diretriz da American Heart Association para Doença Coronariana Estável confirma papel da terapia clínica e da cirurgia de revascularização miocárdica, como estratégias

Leia mais

Sumário. Data: 17/12/2012

Sumário. Data: 17/12/2012 Nota Técnica: 53 /2012 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração: 1.0439.12.014415-9/001 Data: 17/12/2012 Medicamento Material X Procedimento Cobertura TEMA: Uso

Leia mais

Revascularização do miocárdio: estudo comparativo do custo da cirurgia convencional e da angioplastia transluminal percutânea

Revascularização do miocárdio: estudo comparativo do custo da cirurgia convencional e da angioplastia transluminal percutânea ARTIGO ORIGINAL Revascularização do miocárdio: estudo comparativo do custo da cirurgia convencional e da angioplastia Myocardial revascularization: comparative cost study between conventional coronary

Leia mais

Recomendações Médicas

Recomendações Médicas UNIMED-RIO Recomendações Médicas Angioplastia Coronariana com Stent Convencional Angioplastia Coronariana com Stents Recobertos por Drogas Rio ANGIOPLASTIA CORONARIANA COM STENT CONVENCIONAL 1 Angioplastia

Leia mais

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar.

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Boletim Científico SBCCV 01/09/2014 Número 04 Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Predicting early left ventricular dysfunction

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

Custo-efetividade do stent farmacológico: A busca da adequação para ampliação da sua utilização. Denizar Vianna

Custo-efetividade do stent farmacológico: A busca da adequação para ampliação da sua utilização. Denizar Vianna Custo-efetividade do stent farmacológico: A busca da adequação para ampliação da sua utilização Denizar Vianna Análise de Custo-efetividade 1 a etapa: Revisão sistemática da literatura sobre eficácia /

Leia mais

Quando Indicar PCI em Lesões do Tronco

Quando Indicar PCI em Lesões do Tronco III Curso para Intervencionistas en Entrenamiento Dr. José Gabay Pre Congreso SOLACI 2012 - México DF, 7 de Agosto 2012 Doença de Múltiplos Vasos Coronários e Tronco Quando Indicar PCI em Lesões do Tronco

Leia mais

Intervenção Coronária Percutânea na Doença Coronária Multiarterial e no Tronco da Coronária Esquerda Não Protegido: O Estado da Arte em 2011

Intervenção Coronária Percutânea na Doença Coronária Multiarterial e no Tronco da Coronária Esquerda Não Protegido: O Estado da Arte em 2011 Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista 2011 São Paulo, SP, 28 e 29 de Outubro de 2011 Intervenção Coronária Percutânea na Doença Coronária Multiarterial e no Tronco da Coronária

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso de angioplastia percutânea com ou sem stent no tratamento da estenose da artéria vertebral

Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso de angioplastia percutânea com ou sem stent no tratamento da estenose da artéria vertebral Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso de angioplastia percutânea com ou sem stent no tratamento da estenose da artéria vertebral 1 I - Data: 30/08/2009 II - Especialidade(s) envolvida(s):

Leia mais

XVII Jornada Brasileira de Enfermagem em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista

XVII Jornada Brasileira de Enfermagem em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista XVII Jornada Brasileira de Enfermagem em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Reserva de Fluxo Fracionado - FFR Recurso Diagnóstico para Direcionar as Intervenções Percutâneas Mateus dos Santos

Leia mais

Custos Hospitalares da Cirurgia de Revascularização do Miocárdio em Pacientes Coronarianos Eletivos

Custos Hospitalares da Cirurgia de Revascularização do Miocárdio em Pacientes Coronarianos Eletivos Custos Hospitalares da Cirurgia de Revascularização do Miocárdio em Pacientes Coronarianos Eletivos Hospital Costs of Coronary Artery Bypass Grafting on Elective Coronary Patients Nagib Haddad, Eliana

Leia mais

Rev Bras Cardiol Invasiva. 2015;23(1):17-21

Rev Bras Cardiol Invasiva. 2015;23(1):17-21 Rev Bras Cardiol Invasiva. 2015;23(1):17-21 Artigo Original Desfechos clínicos tardios de pacientes diabéticos tratados com stents farmacológicos eluidores de sirolimus ou everolimus: uma análise do registro

Leia mais

INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA

INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA IV Curso José Gabay para Intervencionistas em Treinamento de ProEducar - SOLACI Helio Roque Figueira JULHO de 2013 helioroque@uol.com.br LESÕES EM PONTE DE SAFENA 1- A FISIOPATOLOGIA.

Leia mais

Eduardo Keller Saadi, MD, PhD Prof. Cirurgia Cardiovascular/UFGRS- HCPA Chefe do Serviço de Cirurgia CV- Hospital Mãe de Deus www.clinicasaadi.com.

Eduardo Keller Saadi, MD, PhD Prof. Cirurgia Cardiovascular/UFGRS- HCPA Chefe do Serviço de Cirurgia CV- Hospital Mãe de Deus www.clinicasaadi.com. Eduardo Keller Saadi, MD, PhD Prof. Cirurgia Cardiovascular/UFGRS- HCPA Chefe do Serviço de Cirurgia CV- Hospital Mãe de Deus www.clinicasaadi.com.br Conflito de interesses Clínico Cirurgião Cardiovascular

Leia mais

Custo-efetividade do implante de stents recobertos com rapamicina em procedimentos percutâneos coronarianos no Brasil 1

Custo-efetividade do implante de stents recobertos com rapamicina em procedimentos percutâneos coronarianos no Brasil 1 Custo-efetividade do implante de stents recobertos com rapamicina em procedimentos percutâneos coronarianos no Brasil 1 Carisi Anne Polanczyk, Marco V. Wainstein e Jorge Pinto Ribeiro Serviço de Cardiologia

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para o Uso do Ultra-som Intracoronariano Porto Alegre, fevereiro de 2005 Câmara

Leia mais

Tratamento da reestenose intrastent. J. Airton Arruda, MD, PhD, FSCAI, FEAPCI INTERCATH - Hospital Meridional HUCAM- UFES CIAS

Tratamento da reestenose intrastent. J. Airton Arruda, MD, PhD, FSCAI, FEAPCI INTERCATH - Hospital Meridional HUCAM- UFES CIAS Tratamento da reestenose intrastent J. Airton Arruda, MD, PhD, FSCAI, FEAPCI INTERCATH - Hospital Meridional HUCAM- UFES CIAS CONFLITO DE INTERESSES Conflito de interesse, apoio financeiro da indústria

Leia mais

Evolução Clínica após Intervenção Coronária Percutânea em Indivíduos com Transplante Renal Prévio

Evolução Clínica após Intervenção Coronária Percutânea em Indivíduos com Transplante Renal Prévio 128 Artigo Original Evolução Clínica após Intervenção Coronária Percutânea em Indivíduos com Transplante Renal Prévio Fábio Trentin 1, Eduardo França Pessoa de Melo 2, Carlos Vinicius Abreu do Espírito

Leia mais

Enxertos de Veia Safena

Enxertos de Veia Safena CURSO ANUAL DE REVISÃO EM HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA 2010 Enxertos de Veia Safena BPSP Wilson A. Pimentel Fº BPSP Introdução A intervenção percutânea (IP) no EVS apresenta complicações

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Fatores preditores de infarto do miocárdio no período perioperatório de cirurgia de revascularização miocárdica

Fatores preditores de infarto do miocárdio no período perioperatório de cirurgia de revascularização miocárdica ARTIGO ORIGINAL Fatores preditores de infarto do miocárdio no período perioperatório de cirurgia de revascularização miocárdica Predictors of perioperative myocardial infarction in surgical myocardial

Leia mais

Association between diabetes mellitus and severity of coronary artery disease in patients undergoing percutaneous coronary intervention

Association between diabetes mellitus and severity of coronary artery disease in patients undergoing percutaneous coronary intervention Artigo Original Associação entre diabetes mellitus e gravidade da doença arterial coronariana em pacientes submetidos à intervenção coronária percutânea Association between diabetes mellitus and severity

Leia mais

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as Qual é o risco de eventos cardíacos adversos ou de sangramento grave, após cirurgias não cardíacas, relativos à terapia antiplaquetária, em pacientes com angioplastia coronariana prévia? The Risk of Adverse

Leia mais

Diogo Torres. Laboratório de Hemodinâmica Serviço de Cardiologia I C.H.L.N.

Diogo Torres. Laboratório de Hemodinâmica Serviço de Cardiologia I C.H.L.N. Diogo Torres Laboratório de Hemodinâmica Serviço de Cardiologia I C.H.L.N. 1 A angiografia coronária continua a ser o principal método de avaliação e quantificação das lesões coronárias Grande variabilidade

Leia mais

Pós-trombólise. O que fazer? Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Fibrinolíticos menor tempo isquemia mioc aguda menor

Leia mais

Módulo II. Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos. Métodos adjuntos diagnósticos e intervencionistas

Módulo II. Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos. Métodos adjuntos diagnósticos e intervencionistas Módulo II Métodos adjuntos diagnósticos e intervencionistas Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos Dr Marcelo de Freitas Santos Hospital Costantini EVOLUÇÃO DE ERAS AONDE

Leia mais

1. Resumo executivo... 2 2. Conclusão... 2 2.1... 2 2.2. Recomendação... 2 3. Análise da solicitação... 2

1. Resumo executivo... 2 2. Conclusão... 2 2.1... 2 2.2. Recomendação... 2 3. Análise da solicitação... 2 NTRR 22/2014 Solicitante: BERNADETE PORTUGAL SIMÃO Data:31 /01 /2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0001041-06.2014.8.13.0444 Réu: Estado de Minas Gerais TEMA: Aneurisma

Leia mais

Custos de Tratamento da Síndrome Coronariana Aguda sob a Perspectiva do Sistema de Saúde Suplementar

Custos de Tratamento da Síndrome Coronariana Aguda sob a Perspectiva do Sistema de Saúde Suplementar Custos de Tratamento da Síndrome Coronariana Aguda sob a Perspectiva do Sistema de Saúde Suplementar Acute Coronary Syndrome Treatment Costs from the Perspective of the Supplementary Health System Vanessa

Leia mais

Artigo Original RESUMO ABSTRACT

Artigo Original RESUMO ABSTRACT Rev Bras Cardiol Invas. 2009;17(1):xx-xx. Sant Anna FM, et al. Estudo Randomizado e Comparativo da Intervenção Coronária Percutânea com Stents Recobertos por Titânio- Artigo Original Estudo Randomizado

Leia mais

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES COM CARDIOPATIA ISQUÊMICA OU VALVULAR. Autora: Carine Ghem Orientadora: Dra. Melissa

Leia mais

Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil

Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil 200 Internacional Journal of Cardiovascular Sciences. 2015;28(3):200-205 ARTIGO ORIGINAL Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil Mortality in Cardiac Surgeries in a Tertiary

Leia mais

Artigo O DIAGNÓSTICO DE IAM NA PRESENÇA DE BLOQUEIO DO RAMO ESQUERDO. Stevie J. Horbach

Artigo O DIAGNÓSTICO DE IAM NA PRESENÇA DE BLOQUEIO DO RAMO ESQUERDO. Stevie J. Horbach Artigo Revista da SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL O DIAGNÓSTICO DE IAM NA PRESENÇA DE BLOQUEIO DO RAMO ESQUERDO Stevie J. Horbach Cardiologista e Eletrofisiologista. Doutorando

Leia mais

Artigo Original RESUMO ABSTRACT

Artigo Original RESUMO ABSTRACT Rev Bras Cardiol Invasiva. Nunes Rev Bras et Cardiol al. Invasiva. 1 Artigo Original Impacto Clínico da Isquemia e Viabilidade Miocárdicas após Tratamento de Oclusão Coronária Crônica no Segmento Proximal

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Centemero MP, et al. Reestenose Intra-Stent: Como Diagnosticar, Quando Tratar e Qual o Prognóstico? Rev Bras Cardiol Invas 2004;

Centemero MP, et al. Reestenose Intra-Stent: Como Diagnosticar, Quando Tratar e Qual o Prognóstico? Rev Bras Cardiol Invas 2004; Rev Bras Cardiol Invas 2004; Centemero MP, et al. Reestenose Intra-Stent: Como Diagnosticar, Quando Tratar e Qual o Prognóstico? Rev Bras Cardiol Invas 2004; Artigo de Revisão Reestenose Intra-Stent: Como

Leia mais

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE PERCUTANEUS REPAIR OR SURGERY FOR MITRAL REGURGITATION EVEREST II=ENDOVASCULAR VALVE EDGE-TO-EDGE REPAIR STUDY A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A

Leia mais

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio.

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Dr. Maurício de Rezende Barbosa Cordenador do Departamento de Hemodinâmica no Hospital Biocor

Leia mais

Artigo Original. Custo-efetividade dos Stents Recobertos por Rapamicina em Procedimentos Percutâneos Coronarianos no Brasil.

Artigo Original. Custo-efetividade dos Stents Recobertos por Rapamicina em Procedimentos Percutâneos Coronarianos no Brasil. Custo-efetividade dos Stents Recobertos por Rapamicina em Procedimentos Percutâneos Coronarianos no Brasil Cost-effectiveness of sirolimus-eluting stents in percutaneous coronary interventions in Brazil

Leia mais

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul

XVI Congresso de Cardiologia. de Mato Grosso do Sul XVI Congresso de Cardiologia de Mato Grosso do Sul ANGINA ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃ ÇÃO O E ABORDAGEM Campo Grande, outubro de 2010 nsmorais@cardiol.br Epidemiologia da DAC Estável Suécia 80 França Escócia

Leia mais

Sobrevida em longo prazo de octogenários submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica isolada

Sobrevida em longo prazo de octogenários submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica isolada ARTIGO ORIGINAL Rev Bras Cir Cardiovasc 2011; 26.1: 2126 Sobrevida em longo prazo de octogenários submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica Longterm survival of octogenarian patients submitted

Leia mais

Boletim Científico SBCCV 12-2012

Boletim Científico SBCCV 12-2012 1 2 Boletim Científico SBCCV 12-2012 Análise de desfechos após 5 anos do implante transcateter de válvula aórtica balãoexpansível, no Canadá. 5-Year Outcome After Transcatheter Aortic Valve Implantation.

Leia mais

Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Resultados do Sistema Único de Saúde

Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Resultados do Sistema Único de Saúde Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Resultados do Sistema Único de Saúde Myocardial Revascularization Surgery (MRS). Results from National Health System (SUS) Leopoldo S. Piegas, Olímpio J Nogueira

Leia mais

Veja nesta edição a programação completa do Simpósio. ano 2 número 3 junho - julho - agosto 2010 DIRETORIA SOHCIERJ 2010/2011 INFORMATIVO SOHCIERJ

Veja nesta edição a programação completa do Simpósio. ano 2 número 3 junho - julho - agosto 2010 DIRETORIA SOHCIERJ 2010/2011 INFORMATIVO SOHCIERJ ano 2 número 3 junho - julho - agosto 2010 DIRETORIA SOHCIERJ 2010/2011 Presidente José Ary Boechat Vice-Presidente Marcello Augustus de Sena Diretor Financeiro Maria Cristina Meira Ferreira Diretor Científico

Leia mais

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Reunião Científica Divisão de Cardiologia TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Wersley Araújo Silva São Lucas Clínica & Hospital Aracaju, 30 de abril de 2013 Brasil Papel das Plaquetas

Leia mais

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias F.X.Valente 1, C. Trigo 2, J.D.F. Martins 2, I. Freitas 2, F. Paramés 2, M. António 2, L. Bakero 3, J. Fragata

Leia mais

Artigo Original. Eficácia e Segurança de Stents Eluidores de Drogas no Mundo Real: Acompanhamento de 8 Anos. Resumo

Artigo Original. Eficácia e Segurança de Stents Eluidores de Drogas no Mundo Real: Acompanhamento de 8 Anos. Resumo Eficácia e Segurança de Stents Eluidores de Drogas no Mundo Real: Acompanhamento de 8 Anos Efficacy and Safety of Drug-Eluting Stents in the Real World: 8-Year Follow-Up Denise Oliveira Pellegrini, Vitor

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO:

Leia mais

Evidências recentes na revascularização miocárdica: SYNTAX, ASCERT, FREEDOM

Evidências recentes na revascularização miocárdica: SYNTAX, ASCERT, FREEDOM H o s p i t a l d e SANTA MARIA Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira Evidências recentes na revascularização miocárdica: SYNTAX, ASCERT, FREEDOM A cirurgia cardíaca deve recuperar terreno

Leia mais

Comitê Editorial: Dr. Raul Arrieta Dra. Alfonsina Candiello Dr. Carlos Fava Dr. Fernando Kozak Dr. Gabriel Maluenda Dr. Leandro Martínez Riera

Comitê Editorial: Dr. Raul Arrieta Dra. Alfonsina Candiello Dr. Carlos Fava Dr. Fernando Kozak Dr. Gabriel Maluenda Dr. Leandro Martínez Riera Fevereiro 2013 -------------------------------------------- Número 84 Diretor do Programa ProEducar: Dr. Leandro I. Lasave Diretor Boletim: Dr. Ari Mandil Comitê Editorial: Dr. Raul Arrieta Dra. Alfonsina

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

Comitê Editorial: Dr. Raul Arrieta Dra. Alfonsina Candiello Dr. Carlos Fava Dr. Fernando Kozak Dr. Gabriel Maluenda Dr. Leandro Martínez Riera

Comitê Editorial: Dr. Raul Arrieta Dra. Alfonsina Candiello Dr. Carlos Fava Dr. Fernando Kozak Dr. Gabriel Maluenda Dr. Leandro Martínez Riera setembro 2012 -------------------------------------------- Número 79 Diretor do Programa ProEducar: Dr. Leandro I. Lasave Diretor Boletim: Dr. Ari Mandil Comitê Editorial: Dr. Raul Arrieta Dra. Alfonsina

Leia mais

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA Sábado 07 de Dezembro de 2013 09:00 10:30 Sessão 4 Novas Estratégias Para Prevenção

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

Does Ad Hoc Coronary Intervention Reduce Radiation Exposure? Analysis of 568 Patients

Does Ad Hoc Coronary Intervention Reduce Radiation Exposure? Analysis of 568 Patients Intervenção Coronariana Ad Hoc Reduz a Exposição Radiológica? - Análise em 568 Pacientes Does Ad Hoc Coronary Intervention Reduce Radiation Exposure? Analysis of 568 Patients Márcio A. M. Truffa, Gustavo

Leia mais

Características Psicológicas dos Pacientes Submetidos à Intervenção Coronária Percutânea

Características Psicológicas dos Pacientes Submetidos à Intervenção Coronária Percutânea Características Psicológicas dos Pacientes Submetidos à Intervenção Coronária Percutânea Psychological Characteristics of Patients Undergoing Percutaneous Coronary Interventions Márcia M. Schmidt, Alexandre

Leia mais

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra Gripe e idade A gripe é mais frequente em crianças e adultos jovens do que em idosos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR III REALIZADO NA UNIDADE DE HEMODINÂMICA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE PRISCILA DOS SANTOS LEDUR

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos

Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2010 05 e 06 de Novembro de 2010 Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos Costantino Costantini

Leia mais

Conduta no Paciente Pós-Infarto com ou sem Angina

Conduta no Paciente Pós-Infarto com ou sem Angina ARTIGO DE REVISÃO 4 Conduta no Paciente Pós-Infarto com ou sem Angina ROBERTO BASSAN E HANS FERNANDO DOHMANN A conduta nos pacientes após um infarto agudo do miocárdio não é muito diferente daquela que

Leia mais

Artigo. de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL

Artigo. de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL Artigo REVISTA da SOCIEDADE de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL Infarto do Miocárdio: Devemos transferir o paciente com IAM? Antagonista DR. ROBERTO TOFANI SANT ANNA*DR. MARCELO HAERTEL MIGLIORANSA* dr.

Leia mais

Pimentel Filho WA, et al. Lesão Coronária Intermediária em Paciente Vulnerável: Início de um Novo Paradigma de Conduta? Rev

Pimentel Filho WA, et al. Lesão Coronária Intermediária em Paciente Vulnerável: Início de um Novo Paradigma de Conduta? Rev Rev Pimentel Filho WA, et al. Lesão Coronária Intermediária em Paciente Vulnerável: Início de um Novo Paradigma de Conduta? Rev Relato de Caso Lesão Coronária Intermediária em Paciente Vulnerável: Início

Leia mais

Impacto na Qualidade de Vida Pós-angioplastia Coronariana ou Revascularização do Miocárdio

Impacto na Qualidade de Vida Pós-angioplastia Coronariana ou Revascularização do Miocárdio Sampaio et al. Impacto na Qualidade de Vida Pós-angioplastia Coronariana ou Revascularização do Miocárdio Impact on Quality of Life after Coronary Angioplastyor Coronary Artery Bypass Graft Rev Bras Cardiol.

Leia mais

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Figura 1: Primeiro eletrocardiograma realizado. Figura 2: Segundo eletrocardiograma realizado. Figura 3: Radiografia de tórax nas incidências

Leia mais

Reestenose Clínica de Stent Coronariano: Seguimento após Tratamento com Análise de Desfechos Clínicos

Reestenose Clínica de Stent Coronariano: Seguimento após Tratamento com Análise de Desfechos Clínicos Reestenose Clínica de Stent Coronariano: Seguimento após Tratamento com Análise de Desfechos Clínicos Clinical Coronary In-Stent Restenosis Follow-Up after Treatment and Analyses of Clinical Outcomes Barbara

Leia mais

DIRETRIZES DE DOENÇA CORONARIANA CRÔNICA ANGINA ESTÁVEL

DIRETRIZES DE DOENÇA CORONARIANA CRÔNICA ANGINA ESTÁVEL DIRETRIZES DE DOENÇA CORONARIANA CRÔNICA ANGINA ESTÁVEL DIRETRIZES DE DOENÇA CORONARIANA CRÔNICA ANGINA ESTÁVEL Editor Luiz Antonio Machado César Co-Editores Antonio de Pádua Mansur Dikran Armaganijan

Leia mais

CURRICULUM VITAE I - DADOS PESSOAIS NOME: DR. RICARDO WANG NOME EM CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS: WANG, R. SEXO: Masculino

CURRICULUM VITAE I - DADOS PESSOAIS NOME: DR. RICARDO WANG NOME EM CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS: WANG, R. SEXO: Masculino CURRICULUM VITAE Ricardo Wang Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (1997), especialização em Hemodinâmica pela Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência (2004),

Leia mais

Interpretação de um Teste sob a Visão Epidemiológica. Eficiência de um Teste

Interpretação de um Teste sob a Visão Epidemiológica. Eficiência de um Teste Atualização Interpretação de um Teste sob a Visão Epidemiológica. Eficiência de um Teste Takao Kawamura Araçatuba, SP A evolução do raciocínio na interpretação dos fenômenos naturais, através dos tempos,

Leia mais

OPME -Órteses, Próteses e Materiais Especiais: Uma Discussão sobre uso e abusos Marcelo Queiroga Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI) Presidente Conselheiro CRM-PB

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Angina Secções para este tópico: Introdução Causas Diagnóstico Tratamento Complicações Prevenção Definição Bibliografia Introdução A angina não é uma doença. É uma

Leia mais

Muito mais que imagens bonitas Que informações fazem a diferença? Nuno Bettencourt Cardiologia, Centro Hospitalar de VN Gaia/Espinho, EPE

Muito mais que imagens bonitas Que informações fazem a diferença? Nuno Bettencourt Cardiologia, Centro Hospitalar de VN Gaia/Espinho, EPE Muito mais que imagens bonitas Que informações fazem a diferença? Cardiologia, Centro Hospitalar de VN Gaia/Espinho, EPE A beleza... - Está nos olhos do observador 2 A perspectiva do paciente Qualidade

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

PERFIL CLÍNICO E ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR E METABÓLICA

PERFIL CLÍNICO E ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR E METABÓLICA PERFIL CLÍNICO E ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR E METABÓLICA (ANTROPOMETRY AND CLINICAL PROFILES OF PATIENTS PARTIPATING IN A CARDIOVASCULAR AND

Leia mais

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Dr Henrique Lane Staniak Doutor em ciencias médicas FMUSP Cardiologista do HMPB e do HU-USP Epidemiologia SCA 5 a 7 milhões de

Leia mais

Avaliação cardiológica na triagem da doença coronariana em pacientes assintomáticos

Avaliação cardiológica na triagem da doença coronariana em pacientes assintomáticos Avaliação cardiológica na triagem da doença coronariana em pacientes assintomáticos Caso Clínico: Uma mulher de 35 anos procura seu médico para submeter-se à avaliação clínica exigida pela academia de

Leia mais

Artigo Original. Perfil Clínico-angiográfico na Doença Arterial Coronariana: Desfecho Hospitalar com Ênfase nos Muito Idosos

Artigo Original. Perfil Clínico-angiográfico na Doença Arterial Coronariana: Desfecho Hospitalar com Ênfase nos Muito Idosos Perfil Clínico-angiográfico na Doença Arterial Coronariana: Desfecho Hospitalar com Ênfase nos Muito Idosos Clinical and Angiographic Profile in Coronary Artery Disease: Hospital Outcome with Emphasis

Leia mais

Diferentes Barreiras para Reabilitação Cardíaca

Diferentes Barreiras para Reabilitação Cardíaca Rev Bras Cardiol. 2014;27(4):xx-xx Barros et al. Comunicação Preliminar Diferentes Different Barriers to Cardiac Rehabilitation Aline Lange Barros 1, Rafaella Zulianello dos Santos 2, Christini Decker

Leia mais

Implantação de diretrizes e protocolos clínicos

Implantação de diretrizes e protocolos clínicos Implantação de diretrizes e protocolos clínicos V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição

Leia mais

Comitê Editorial Dr. Expedito Ribeiro Dr. Darío Echeverri Dr. Gastón Dussaillant Dr. Ricardo Lluberas Dr. Ari Mandil Dr.

Comitê Editorial Dr. Expedito Ribeiro Dr. Darío Echeverri Dr. Gastón Dussaillant Dr. Ricardo Lluberas Dr. Ari Mandil Dr. Novembro 2011 // Número 69 Diretor do Programa ProEducar: Dr. Hugo F. Londero Diretor Boletim: Dr. Leandro I. Lasave Comitê Editorial Dr. Expedito Ribeiro Dr. Darío Echeverri Dr. Gastón Dussaillant Dr.

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

informativo O que significa Angioplastia Funcional?

informativo O que significa Angioplastia Funcional? informativo SoHCIErJ ano 3 número 4 outubro-novembro-dezembro 2012 Boletim informativo oficial da Sociedade de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Estado do Rio de Janeiro O que significa Angioplastia

Leia mais

Dicas e Truques para facilitar a Intervenção Carotídea. Dr. Marcos A Marino Hospital Madre Teresa BH - MG

Dicas e Truques para facilitar a Intervenção Carotídea. Dr. Marcos A Marino Hospital Madre Teresa BH - MG XXXIV CONGRESSO DA SBHCI Salvador -Bahia Dicas e Truques para facilitar a Intervenção Carotídea Percutanea Dr. Marcos A Marino Hospital Madre Teresa BH - MG Técnica e Seleção dos Devices Dificuldade de

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde

Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: CoreValve TM Válvula Aórtica para Substituição Percutânea Canoas, Maio de 2009 AVALIAÇÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE

Leia mais

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS?

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? Prof. Dr. Flávio Tarasoutchi Unidade de Valvopatias Instituto do Coração (InCor) - Hospital das Clínicas Universidade de São Paulo

Leia mais

Evolução Clínica Pós-Stent Coronário em Pacientes Submetidos a Transplante de Rim

Evolução Clínica Pós-Stent Coronário em Pacientes Submetidos a Transplante de Rim Rev Bras Cardiol Invas 2006; Mota FM, et al. Evolução Clínica Pós-Stent Coronário em Pacientes Submetidos a Transplante de Rim. Rev Bras Cardiol Invas 2006; Artigo Original Evolução Clínica Pós-Stent Coronário

Leia mais

ANEURISMAS CEREBRAIS CLIP? COIL? Marcos Barbosa Serviço de Neurocirurgia. Hospitais da Universidade de Coimbra Coimbra, Portugal

ANEURISMAS CEREBRAIS CLIP? COIL? Marcos Barbosa Serviço de Neurocirurgia. Hospitais da Universidade de Coimbra Coimbra, Portugal ANEURISMAS CEREBRAIS CLIP? COIL? Marcos Barbosa Serviço de Neurocirurgia. Hospitais da Universidade de Coimbra Coimbra, Portugal XXIII Congresso da SPNC Lisboa 2007 Clip? Coil? Clip ou Coil Clip e Coil

Leia mais