Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17"

Transcrição

1 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Gênero (n, %) Masculino ,13 Feminino ,87 Idade (anos) (média ± DP) 64,04 14,36 Faixas Etárias (n, %) < , , , ,97 > ,77 Origem (n, %) Enfermaria / quarto 43 3,29 Emergência ,43 Centro Cirúrgico 16 1,22 Outra UTI/UCI do seu hospital 60 4,59 Unidade Semi-intensiva 4 0,31 Transferência de outra unidade hospitalar ,63 Home-care 2 0,15 Sala de hemodinâmica ,46 Outra - Não especificada 12 0,92 Classificação de Killip (categoria) I ,87 II 68 5,20 III 22 1,68 IV 23 1,76 NI ,48 Manifestações clínicas presentes no diagnóstico IVE descompensada 16 1,22 Choque cardiogênico 23 1,76 CIV 1 0,08 Insuf mitral aguda 7 0,54 * Internações novas no período.

2 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 2 / 17 Tabela 02 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Comorbidades Hipertensão Arterial ,75 Diabetes sem Complicações ,25 Diabetes com Complicações 126 9,64 Angina ,63 IAM Prévio ,34 Arritmias Cardíacas 40 3,06 Trombose Venosa 12 0,92 Doença Arterial Periférica 38 2,91 AVC com Seqüela 22 1,68 AVC sem Seqüela 35 2,68 Tabagismo ,12 Alcoolismo 46 3,52 Obesidade Mórbida 33 2,52 Fibrilação Atrial Crônica 32 2,45 Outros Fatores de Risco Clínicos Para Doença Cardiovascular Sedentarismo ,29 Hipercolesterolemia ,92 Sobrepeso/obesidade ,85 Cirurgia cardíaca previa ,24 Antecedentes familiares ,13 HDL Colesterol menor que 40 mg/dl 17 1,30 Doença arterial extra-cardíaca 17 1,30 Infarto recente (menos de 90 dias) 31 2,37 Tratamentos Prévios Aspirina ,18 Inibidores ECA / AT ,93 Betabloqueadores ,30 Clopidogrel ,99 Nitratos ,32 Estatina ,76 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período

3 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 3 / 17 Tabela 03 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Exames complementares: ECG e ECO Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Eletrocardiograma inicial (n, %) Sim ,30 Não ,24 NI 6 0,46 Eletrocardiograma normal (n, %) Sim ,34 Não ,66 Alterações no eletrocardiograma inicial (n, %) TV/FV 5 0,97 Infra ST 71 13,79 Bradicardia sinusal 26 5,05 BRE 49 9,51 TSV / Taquiatrial 2 0,39 Elevação de ST ,82 Bloqueio AV 22 4,27 BRD 39 7,57 Flutter / fibrilação atrial 33 6,41 ESV 7 1,36 Ritmo juncional 1 0,19 Hemibloqueios 8 1,55 Ecocardiograma inicial (n, %) Sim ,35 Não ,19 NI 6 0,46 Disfunção sistólica de VE (n, %) Função normal ,83 Leve 98 15,19 Moderada 96 14,88 Grave 41 6,36 NI 37 5,74 Fração de Ejeção de VE 58 13,53 Disfunção segmentar (n, %) Sim ,25 Não ,75 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período

4 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 4 / 17 Tabela 04 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Exames complementares: cateterismo cardíaco inicial Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Cateterismo cardíaco inicial (n, %) Vasos Sim ,14 Não ,40 NI 6 0,46 Tronco de coronária esquerda Sem lesão ou < 50% ,20 50% - 70% 20 3,32 > 70% 21 3,48 Descendente anterior Sem lesão ou < 50% ,80 50% - 70% 75 12,44 > 70% ,76 Circunflexa Sem lesão ou < 50% ,86 50% - 70% 53 8,79 > 70% ,35 Coronária direita Sem lesão ou < 50% ,72 50% - 70% 77 12,77 > 70% ,51 Enxerto / ponte Sem lesão ou < 50% ,02 50% - 70% 5 0,83 > 70% 19 3,15 Ventriculografia Sim ,87 Não ,13 Disfunção sistólica de VE (n, %) Função normal 81 13,43 Leve 36 5,97 Moderada 24 3,98 Grave 14 2,32 NI ,30 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período

5 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 5 / 17 Tabela 05 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Procedimentos e Medidas de Suporte Invasivo Durante a Internação na UTI Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Medidas de suporte invasivo na unidade (n, %) Ventilação mecânica 118 9,03 Aminas ,56 Suporte renal 33 2,52 Cateter de Swan-Ganz 5 0,38 Cateter arterial ,93 Marcapasso 9 0,69 Balão intra-aórtico (BIA) 17 1,30 Monitoração hemodinâmica minimamente invasiva ,47 Fator VIIa 0 0,00 Complexo protrombínico 0 0,00 Trombolíticos 71 5,43 Hemotransfusão 36 2,75 Concentração de hemácias 32 2,45 Plasma 6 0,46 Concentração de plaquetas 5 0,38 Criopreciptado 0 0,00 Outros hemocomponentes 0 0,00 Intervenções e Medidas de Suporte Avançado Cardiologia Levosimendan 2 0,15 Marcapasso 12 0,92 Óxido nítrico 0 0,00 ECMO 0 0,00 Biobomba / VAD 0 0,00 Desfibrilador implantado 1 0,08 Cateterismo cardíaco ,44 Angioplastia ,63 Ablação / procedimento eletrofisiológico para arritmia 0 0,00 Cardioversão / desfibrilação elétrica 14 1,07 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período

6 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 6 / 17 Tabela 06 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Complicações durante a Internação na Unidade - Cardiologia Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Complicações durante a Internação na Unidade - Cardiologia Novo IAM 12 0,92 Angina Instável 20 1,53 Revascularização 32 2,45 Choque cardiogênico 19 1,45 AVE 3 0,23 Encefalopatia 2 0,15 Arritmia supraventricular 27 2,07 Arritmia ventricular 9 0,69 Parada cardiorrespiratória 27 2,07 Edema pulmonar 15 1,15 Tromboembolismo venoso 0 0,00 Hemorragia digestiva 1 0,08 Ventilação mecânica > 24h 33 2,52 Aminas vasoativas > 24h 53 4,06 Insuf. renal aguda 22 1,68 Pneumotórax 3 0,23 Hemotórax 0 0,00 Tamponamento cardíaco 0 0,00 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período

7 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 7 / 17 Tabela 07 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade Intervenções Terapêuticas Específicas - Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Intervenções Terapêuticas Específicas Aspirina (n, %) Sim ,82 Não ,88 NI/CI 4 0,31 Tempo até aspirina (min) (média ± DP) 63,00 146,63 < 30 min (n, %) ,44 > 30 min (n, %) 88 8,76 NI ,80 PTCA primária (n, %) Sim ,83 Não ,70 NI/CI ,47 Tempo porta-balão (min) (média ± DP) 200,00 210,98 < 90 min (n, %) 17 7,73 90 min - 6h (n, %) 26 11,82 > 6h (n, %) 10 4,55 NI ,91 Trombolíticos (n, %) Sim 49 3,75 Não ,94 NI/CI ,31 Tempo até trombólise (min) (média ± DP) 44,00 32,51 < 30 min (n, %) 2 4,08 30 min - 90 min (n, %) 5 10,20 90 min - 6h (n, %) 1 2,04 NI 41 83,67 Betabloqueadores (n, %) Sim ,91 Não ,33 NI/CI 23 1,76 Clopidogrel (n, %) Sim ,85 Não ,85 NI/CI 30 2,30 Inibidores ECA / AT (n, %) Sim ,02 Não ,69 NI/CI 30 2,30 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período NI/CI Não informado ou existência de contra-indicação para o uso.

8 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 8 / 17 Tabela 07 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade Intervenções Terapêuticas Específicas - Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Intervenções Terapêuticas Específicas Nitratos (n, %) Sim ,41 Não ,14 NI/CI 19 1,45 Estatina (n, %) Sim ,61 Não ,01 NI/CI 5 0,38 Inibidor GpIIb/IIIA (n, %) Sim 31 2,37 Não ,31 NI/CI ,32 Heparina (n, %) Sim ,06 Não ,72 NI/CI 29 2,22 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período NI/CI Não informado ou existência de contra-indicação para o uso.

9 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 9 / 17 Tabela 08 - Pacientes com IAMSSST ou Angina Instável à Internação na Unidade - Principais Desfechos na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) Complicações durante a Internação na Unidade - Cardiologia Novo IAM 7 0,68 Revascularização 27 2,62 Eventos combinados ** 56 5,43 Duração da internação na unidade (dias) (média ± DP) 4,25 4,66 Duração da internação na unidade (dias; mediana) 3,00 Faixas de duração da internação na unidade (dias) (n, %) <= , , ,63 >= ,97 Desfecho na Unidade (n, %) Alta ,87 Óbito 22 2,13 Escores de prognóstico SAPS 3 $ Pontuação (média ± DP) 39,66 9,17 Probab. de óbito - Equação geral (%) (media ± DP) 8,56 8,87 Letalidade observada / esperada - Equação geral (%) 0,25 Probab. de óbito - Equação ajustada para Am. Latina (%) (media ± DP) 12,11 11,39 Letalidade observada / esperada - Equação ajustada para Am. Latina 0,18 TIMI-Risk para Angina Instável e IAMSSST $$ Pontuação (média ± DP) 0,26 0,72 Prob. de eventos combinados (%) ** 1,36 3,38 Taxa de eventos observados / esperados 3,99 GRACE Score para Angina Instável e IAMSSST $$$ Probabilidade de óbito (pontos) (média ± DP) 110,79 43,92 GRACE Score - Tercis de probabilidades de óbito * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período. ** Eventos combinados: óbito por qualquer causa, infarto, reinfarto ou necessidade de revascularização miocárdica de urgência. $ IMPORTANTE: O SAPS 3 estima a probabilidade de desfecho hospitalar. Portanto, é necessário cautela na interpretação da taxa de letalidade padronizada da unidade. $$ IMPORTANTE: O TIMI-Risk para angina instável e IAMSSST estima a probabilidade de eventos combinados em 14 dias após o evento inicial. Portanto, é necessário cautela na interpretação da taxa de eventos observados/esperados da unidade. $$$ IMPORTANTE: O GRACE Score para angina instável e IAMSSST estima a probabilidade de desfecho hospitalar. Portanto, é necessário cautela na interpretação da estimativa da probabilidade de letalidade da unidade.

10 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 10 / 17 Tabela 09 - Pacientes com IAMcSST à Internação na Unidade - Principais Desfechos na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade * Número total de saídas da Unidade (altas + óbitos) (n) 275 Complicações durante a Internação na Unidade - Cardiologia Novo IAM 5 1,82 Revascularização 5 1,82 Eventos combinados ** 35 12,73 Duração da internação na unidade (dias) (média ± DP) 5,09 8,85 Duração da internação na unidade (dias; mediana) 3,00 Faixas de duração da internação na unidade (dias) (n, %) <= , , ,36 >=21 6 2,18 Desfecho na Unidade (n, %) Alta ,91 Óbito 25 9,09 Escores de prognóstico SAPS 3 $ Pontuação (média ± DP) 39,02 10,65 Probab. de óbito - Equação geral (%) (media ± DP) 8,86 12,49 Letalidade observada / esperada - Equação geral (%) 1,03 Probab. de óbito - Equação ajustada para Am. Latina (%) (media ± DP) 12,26 15,42 Letalidade observada / esperada - Equação ajustada para Am. Latina 0,74 TIMI-Risk para IAMcSST $$ Pontuação (média ± DP) 3,50 2,62 Probabilidade de óbito (%) (media ± DP) 8,59 9,43 Taxa de óbitos observados / esperados 1,06 GRACE Score para IAMcSST $$$ Probabilidade de óbito (pontos) (média ± DP) 139,88 50,99 GRACE Score - Tercis de probabilidades de óbito Baixo (Pontos: ; Prob. óbito estimada: <2%) Pacientes no tercil 92 Óbitos observados para o tercil 5 5,43 Intermediário (Pontos: ; Prob. óbito estimada: 2-5%) Pacientes no tercil 74 Óbitos observados para o tercil 1 1,35 Elevado (Pontos: ; Prob. óbito estimada: >5%) Pacientes no tercil 106 Óbitos observados para o tercil 17 16,04 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período. ** Eventos combinados: óbito por qualquer causa, infarto, reinfarto ou necessidade de revascularização miocárdica de urgência. $ IMPORTANTE: O SAPS 3 estima a probabilidade de desfecho hospitalar. Portanto, é necessário cautela na interpretação da taxa de letalidade padronizada da unidade. $$ IMPORTANTE: O TIMI-Risk para IAMcSST estima a probabilidade de óbito por qualquer causa em até 30 dias após o evento inicial. Portanto, é necessário cautela na interpretação da taxa de eventos observados/esperados da unidade. $$$ IMPORTANTE: O GRACE Score para IAMcSST estima a probabilidade de desfecho hospitalar. Portanto, é necessário cautela na interpretação da estimativa da probabilidade de letalidade da unidade.

11 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 11 / 17 Tabela 10 - Pacientes com IAMSSST ou Angina Instável à Internação na Unidade - Principais Desfechos no Hospital Todos os Pacientes Egressos do Hospital * Número total de saídas do hospital (altas + óbitos)(n) 869 Complicações durante a Internação na Unidade - Cardiologia Novo IAM 6 0,69 Revascularização 24 2,76 Eventos combinados ** 52 5,98 Duração da internação hospitalar (dias; média ± DP) 10,09 13,39 Duração da Internação Hospitalar (dias; mediana) 6,00 Faixas de duração da internação na unidade (dias) (n, %) <= , , ,85 >=21 7 0,81 Desfecho no Hospital (n, %) Alta ,47 Óbito 22 2,53 Escores de prognóstico SAPS 3 Pontuação (média ± DP) 39,85 9,42 Probab. de óbito - Equação geral (%) (media ± DP) 8,81 9,35 Letalidade observada / esperada - Equação geral (%) 0,29 Probab. de óbito - Equação ajustada para Am. Latina (%) (media ± DP) 12,44 11,94 Letalidade observada / esperada - Equação ajustada para Am. Latina 0,20 TIMI-Risk para Angina Instável e IAMSSST $ Pontuação (média ± DP) 0,28 0,73 Prob. de eventos combinados (%) ** 1,46 3,38 Taxa de eventos observados / esperados 4,10 GRACE Score para Angina Instável e IAMSSST Probabilidade de óbito (pontos) (média ± DP) 109,63 44,66 GRACE Score - Tercis de probabilidades de óbito * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período. ** Eventos combinados: óbito por qualquer causa, infarto, reinfarto ou necessidade de revascularização miocárdica de urgência. $ IMPORTANTE: O TIMI-Risk para angina instável e IAMSSST estima a probabilidade de eventos combinados em 14 dias após o evento inicial. Portanto, é necessário cautela na interpretação da taxa de eventos observados/esperados do hospital.

12 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 12 / 17 Tabela 11 - Pacientes com IAMcSST à Internação na Unidade - Unidade - Principais Desfechos no Hospital Todos os Pacientes Egressos do Hospital * Número total de saídas do hospital (altas + óbitos)(n) 223 Complicações durante a Internação na Unidade - Cardiologia Novo IAM 4 1,79 Revascularização 4 1,79 Eventos combinados ** 33 14,80 Duração da internação hospitalar (dias; média ± DP) 13,05 26,58 Duração da Internação Hospitalar (dias; mediana) 6,00 Faixas de duração da internação na unidade (dias) (n, %) <= , , ,90 >=21 8 3,59 Desfecho no Hospital (n, %) Alta ,79 Óbito 25 11,21 Escores de prognóstico SAPS 3 Pontuação (média ± DP) 39,91 11,16 Probab. de óbito - Equação geral (%) (media ± DP) 9,82 13,63 Letalidade observada / esperada - Equação geral (%) 1,14 Probab. de óbito - Equação ajustada para Am. Latina (%) (media ± DP) 13,49 16,78 Letalidade observada / esperada - Equação ajustada para Am. Latina 0,83 TIMI-Risk para IAMcSST $ Pontuação (média ± DP) 3,52 2,69 Probabilidade de óbito (%) (media ± DP) 8,65 9,80 Taxa de óbitos observados / esperados 1,30 GRACE Score para IAMcSST Probabilidade de óbito (pontos) (média ± DP) 141,69 52,48 GRACE Score - Tercis de probabilidades de óbito Baixo (Pontos: ; Prob. óbito estimada: <2%) Pacientes no tercil 72 Óbitos observados para o tercil 5 6,94 Intermediário (Pontos: ; Prob. óbito estimada: 2-5%) Pacientes no tercil 57 Óbitos observados para o tercil 1 1,75 Elevado (Pontos: ; Prob. óbito estimada: >5%) Pacientes no tercil 91 Óbitos observados para o tercil 17 18,68 * Pacientes com desfechos na unidade (vivo + óbitos) anotados durante o período. ** Eventos combinados: óbito por qualquer causa, infarto, reinfarto ou necessidade de revascularização miocárdica de urgência. $ IMPORTANTE: O TIMI-Risk para IAMcSST estima a probabilidade de óbito por qualquer causa em até 30 dias após o evento inicial. Portanto, é necessário cautela na interpretação da taxa de eventos observados/esperados da unidade.

13 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 13 / 17 Tabela 12 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade Indicadores de Qualidade à Alta Hospitalar - Todos os Pacientes Egressos do Hospital * Número total de saídas do hospital (altas + óbitos)(n) Indicadores de Qualidade à Alta Hospitalar Ecocardiograma durante a internação hospitalar (n, %) Sim ,77 Não 19 1,74 NI 13 1,19 Avaliação de LDL-Colesterol (n, %) Sim ,45 Não 32 2,93 CI ,36 NI 24 2,20 Prescrição de aspirina (n, %) Sim ,38 Não 13 1,19 CI 3 0,27 NI 18 1,65 Prescrição de clopidogrel (n, %) Sim ,96 Não 57 5,22 CI 30 2,75 NI 21 1,92 Prescrição de beta-bloqueador (n, %) Sim ,98 Não 53 4,85 CI 11 1,01 NI 22 2,01 Prescrição de IECA/ARA II (n, %) Sim ,92 Não 79 7,23 CI 60 5,49 NI 23 2,11 Prescrição de estatina (n, %) Sim ,35 Não 38 3,48 CI 6 0,55 NI 24 2,20 Prescrição de anticoagulação caso fibrilação atrial (n, %) Sim ,77 Não 19 1,74 NI 13 1,19 Encaminhamento para controle de tabagismo (n, %) Sim ,45 Não 32 2,93 CI ,36 NI 24 2,20

14 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 14 / 17 Encaminhamento a programa de reabilitação cardíaca (n, %) Sim ,38 Não 13 1,19 CI 3 0,27 NI 18 1,65 * Pacientes com desfechos no hospital (vivo + óbitos) anotados durante o período. NI Não informado; CI contra-indicação para o uso.

15 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 15 / 17 Tabela 13 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade Sumário dos Indicadores de Performance da ACC/AHA - Todos os Pacientes Egressos do Hospital * Número total de saídas do hospital (altas + óbitos)(n) Desfecho no Hospital (n, %) Alta ,70 Óbito 47 4,30 Indicadores de Performance ACC/AHA (n, %) À Internação Todos os Pacientes Internados Prescrição de aspirina Sim ,85 < 30 min (n, %) ,65 > 30 min (n, %) 80 9,29 NI ,05 Não ,60 NI/CI 6 0,55 Trombolíticos Sim 34 3,11 < 30 min (n, %) 1 2,94 > 30 min (n, %) 3 8,82 NI 30 88,24 Não ,86 NI/CI ,03 PTCA primária Sim ,12 < 90 min (n, %) 14 7,95 > 90 min (n, %) 33 18,75 NI ,30 Não ,15 NI/CI ,74 Terapia de Reperfusão Sim ,77 Não ,67 NI/CI ,55 À alta hospitalar Todos os Pacientes que receberam alta hospitalar Prescrição de aspirina (n, %) Sim ,38 Não 13 1,19 CI 3 0,27 NI 18 1,65 Prescrição de beta-bloqueador (n, %) Sim ,98 Não 53 4,85 CI 11 1,01 NI 22 2,01 Prescrição de estatina (n, %) Sim ,35 Não 38 3,48 CI 6 0,55 NI 24 2,20

16 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 16 / 17 Ecocardiograma durante a internação hospitalar (n, %) Sim ,77 Não 19 1,74 NI 13 1,19 * Pacientes com desfechos no hospital (vivo + óbitos) anotados durante o período. NI Não informado; CI contra-indicação para o uso.

17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 17 / 17 Tabela 13 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade Sumário dos Indicadores de Performance da ACC/AHA - Todos os Pacientes Egressos do Hospital * Número total de saídas do hospital (altas + óbitos)(n) Desfecho no Hospital (n, %) Alta ,70 Óbito 47 4,30 Indicadores de Performance ACC/AHA (n, %) À alta hospitalar Todos os Pacientes que receberam alta hospitalar Disfunção sistólica de VE (n, %) Sim ,36 Não ,67 NI 13 1,19 Prescrição de IECA/ARA II (n, %) Sim ,92 Não 79 7,23 CI 60 5,49 NI 23 2,11 Controle de Tabagismo Tabagismo prévio (n, %) Sim ,24 Não ,37 Encaminhamento para controle de tabagismo (n, %) Sim 3 0,27 Não 89 8,15 CI ,49 NI 36 3,30 * Pacientes com desfechos no hospital (vivo + óbitos) anotados durante o período. NI Não informado; CI contra-indicação para o uso.

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Conduta no paciente com. isquêmica

Conduta no paciente com. isquêmica Conduta no paciente com cardiopatia isquêmica Lucas Araujo PET - Medicina Primeira causa de morte nos países ricos e vem aumentando sua incidência nos países de média e baixa renda No coração em repouso

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Índice Remissivo do Volume 89-2007

Índice Remissivo do Volume 89-2007 Por Assunto A Ablação por cateter Ácidos pteroilpoliglutâmicos Adiposidade - Associação entre Perfil lipídico e Adjuvantes imunológicos Adolescente Escolares...73 Teste Ergométrico em Crianças e Adulto

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011 UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011 Cardiologia SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Relatório Global Consolidado 1 / 13

Relatório Global Consolidado 1 / 13 Relatório Global Consolidado 1 / 13 Tabela 01 - Fluxo de Pacientes na Unidade no Período Todas a Internações no Período *. Total de internações na unidade no período (n) * 1.544 Internações do período

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório Nélia Luciana Pires Plano de intervenções

Leia mais

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES COM CARDIOPATIA ISQUÊMICA OU VALVULAR. Autora: Carine Ghem Orientadora: Dra. Melissa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CARDIOLOGISTA CLÍNICO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão

Leia mais

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR PROCAPE / - CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ANO: 0 HORÁRIO: 07:30 HS. ( em ponto) COORNADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR 07.0 ª A ANAMNESE EM CARDIOLOGIA SINTOMAS Dr.Luiz

Leia mais

Protocolo para Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Coronariana sem Supradesnível do Segmento ST (SCA sem Supra)

Protocolo para Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Coronariana sem Supradesnível do Segmento ST (SCA sem Supra) Protocolo para Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Coronariana sem Supradesnível do Segmento ST (SCA sem Supra) INTRODUÇÃO A SBC estima que ocorram cerca de 350.000 infartos por ano no Brasil, levando

Leia mais

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio.

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Dr. Maurício de Rezende Barbosa Cordenador do Departamento de Hemodinâmica no Hospital Biocor

Leia mais

Cirurgia das Complicações Mecânicas do Infarto do Miocárdio

Cirurgia das Complicações Mecânicas do Infarto do Miocárdio Cirurgia das Complicações Mecânicas do Infarto do Miocárdio Pós-Graduação em Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas SALOMÓN SORIANO ORDINOLA ROJAS Orientador: Prof.

Leia mais

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP EDITAL/ REGULAMENTO INTERNO ESTÁGIO MÉDICO EM CARDIOLOGIA CLÍNICA 1. CORPO CLÍNICO. A disciplina de Cardiologia

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda Wilson Braz Corrêa Filho Rio de Janeiro, 2010 Curso de Capacitação de Urgência e Emergência Objetivos: Apresentar a epidemiologia da síndrome coronariana aguda nas unidades de

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

Relatório Global Consolidado 1 / 13

Relatório Global Consolidado 1 / 13 Relatório Global Consolidado 1 / 13 Tabela 01 - Fluxo de Pacientes na Unidade no Período Todas a Internações no Período *. Total de internações na unidade no período (n) * 1.550 Internações do período

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Relatório Global Consolidado 1 / 13

Relatório Global Consolidado 1 / 13 Relatório Global Consolidado 1 / 13 Tabela 01 - Fluxo de Pacientes na Unidade no Período Todas a Internações no Período *. Total de internações na unidade no período (n) * 2.087 Internações do período

Leia mais

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST Nome do paciente: Atendimento: Idade: Sexo: ( ) M ( ) F Peso: Altura: Chegada ao hospital: / / Hora: ALERGIAS: Início da dor anginosa Data: Hora: Marcar o que se aplica: ESCORE TIMI PARA IAM COM SST HISTÓRIA

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA Comissão de Controle de Qualidade - Setor de Terapia Intensiva Disciplina de Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva SÍNDROME CORONARIANA AGUDA 1. IMPORTÂNCIA DO PROTOCOLO Segundo o National

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Sala 1 - CONFERÊNCIA "Os Desafios da SBC para implantação do Programa Nacional de Prevenção Cardiovascular"

Sala 1 - CONFERÊNCIA Os Desafios da SBC para implantação do Programa Nacional de Prevenção Cardiovascular PROGRAMA CIENTÍFICO CONGRESSO SOCERJ 2013 Quinta-feira 04.04.2013 Hora: 08:00h - 08:30h Sala 1 - ABERTURA OFICIAL Hora: 08:30h - 09:45h Sala 1 - CONFERÊNCIA "Os Desafios da SBC para implantação do Programa

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS

PROTOCOLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS PROTOCOLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS Elaborado a partir das diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia e das sociedades internacionais e baseado no Protocolo Clínico Síndrome Coronariana

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino Serviço de Arritmia, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca Artificial CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ARRITMIA CLÍNICA E MÉTODOS DIAGNÓSTICOS NÃO

Leia mais

CENTRO DE CONVENÇÕES DO HOSPITAL SÃO JULIÃO 22 E 23 DE OUTUBRO DE 2010 CAMPO GRANDE

CENTRO DE CONVENÇÕES DO HOSPITAL SÃO JULIÃO 22 E 23 DE OUTUBRO DE 2010 CAMPO GRANDE CENTRO DE CONVENÇÕES DO HOSPITAL SÃO JULIÃO 22 E 23 DE OUTUBRO DE 2010 CAMPO GRANDE RISCO CIRÚRGICO AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Maria Augusta Santos Rahe Pereira e-mail- mariarahe@gmail.com DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

Leia mais

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12 Versão: 1 Página: 1 de 12 INTRODUÇÃO A dor torácica é um dos problemas mais comuns na clínica médica, e uma das causas mais prevalentes de internação. Ocorrem 3 a 6 milhões de atendimentos por ano por

Leia mais

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO Sara Priscila Constantino de Castro. UNIFACEX. E-mail: sarapryscyla@hotmail.com Ana Elza Oliveira de Mendonça.

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem na Saúde do Adulto Ano letivo 2011 Série 4º Carga Horária Total 270 h/a T 54 h/a P 216 h/a Professor: Jorge de Souza

Leia mais

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Dr Henrique Lane Staniak Doutor em ciencias médicas FMUSP Cardiologista do HMPB e do HU-USP Epidemiologia SCA 5 a 7 milhões de

Leia mais

Síndromes Coronarianas Agudas ACLS. Infarto Com Supradesnivelamento de ST Infarto Sem Supradesnivelamento de ST Angina Instável

Síndromes Coronarianas Agudas ACLS. Infarto Com Supradesnivelamento de ST Infarto Sem Supradesnivelamento de ST Angina Instável Síndromes Coronarianas Agudas ACLS Infarto Com Supradesnivelamento de ST Infarto Sem Supradesnivelamento de ST Angina Instável Fisiopatologia Processo complexo Em 97% dos pacientes a placa obstrui

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Dr. José Carlos Moura Jorge Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba Bradicardia Sinusal. Doença

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012)

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Frans Rutten, Carel Bakx, Madeleine Bruins Slot, Bernadette van Casteren, Con Derks, Ravee Rambharose, Jako Burgers, Tjerk Wiersma, Paul

Leia mais

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Hospital Dr. Hélio Angotti Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Dr. Achilles Gustavo da Silva Introdução Procedimento relativamente seguro Riscos bem definidos de

Leia mais

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ Técnica da ablação Ao final do período, 66% dos pacientes tratados com ablação permaneceram livres dos sintomas, contra 16%

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Eurival Soares Borges AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA ACP - American College Physicians ACC - Ameriacn College of Cardiology AVALIAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS: 1 - Tromboembolismo venoso (TEV) 2 - Obesidade 3

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA O ELETROCARDIOGRAMA É O REGISTRO DA ATIVIDADE ELÉTRICA DO CORAÇÃO Aplicações do Cardiologia Eletrocardiograma Isquemia miocárdica e infarto Sobrecargas (hipertrofia) atriais

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Ficha de Caracterização dos Pacientes

Ficha de Caracterização dos Pacientes Ficha de Caracterização dos Pacientes Módulos 1 e 2 Identificação e Dados Demográficos CPF:........................... -...... Registro hospitalar:........................ Leito na Unidade:............

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES Definição: Arritmias que necessitam das estruturas localizadas acima da bifurcação do feixe de His para sua manutenção ão.

Leia mais

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Valvulopatias Cardíacas II - Visão Cirúrgica Insuficiência Mitral Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Prof. Dr. Jehorvan L. Carvalho História Existem relatos

Leia mais

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC MÓDULO AVANÇADO: 2º Semestre de 2013 LOCAL: ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MINAS GERAIS ESTRUTURA DAS AULAS: - Participantes: Um palestrante + Um debatedor +

Leia mais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais Arritmias Cardíacas para Enfermagem Elaine Morais Elementos do ECG normal Onda P Onda T Espaço PR Complexo QRS Ponto J Segmento ST Intervalo QT Onda U Percurso Elétrico Plano Frontal Plano Horizontal ECG

Leia mais

Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015

Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015 Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015 (19200) Simpósio Insuficiência Cardíaca, Cardiomiopatia e Doenças do Pericárdio Auditório 1 (Capacidade 500) 08:30 10:00 O Desafio da Avaliação de Dispneia em Pacientes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

Angina. Prof. Claudia Witzel

Angina. Prof. Claudia Witzel Angina Angina Angina de peito ou angor pectoris é uma dor no peito devida ao baixo abastecimento de oxigênio ao músculo cardíaco; São devidas a aterosclerose nas artérias cardíacas (coronárias). O termo

Leia mais

PROVA TEÓRICA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO PARANÁ 04 de novembro de 2014. Assinatura do candidato

PROVA TEÓRICA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO PARANÁ 04 de novembro de 2014. Assinatura do candidato PROVA TEÓRICA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO PARANÁ 04 de novembro de 2014. NOME: Assinatura do candidato 1- Paciente de 45 anos, sexo masculino, assintomático, sem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO CARDÍACO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 QUESTÃO 26 Em relação à hipertensão do avental branco, marque a afirmativa INCORRETA: a) Normalmente, ocorre em pacientes do sexo feminino e em jovens. b) Apresenta risco cardiovascular

Leia mais

Angina Instável-IAM sem supra de ST

Angina Instável-IAM sem supra de ST Angina Instável-IAM sem supra de ST Dor precordial típica com quadro clínico compatível com SCA Faça ECG 1 com 12 derivações em até 10 min da admissão na Sala de Emergência Colha enzimas cardíacas e serie

Leia mais

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013)

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Beusmans GHMI, Van Noortwijk-Bonga HGC, Risseeuw NJ, Tjon-A-Tsien MRS, Verstappen WHJM, Burgers JS, Wiersma Tj, Verburg AFE traduzido do original

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

Relatório Global Consolidado 1 / 14

Relatório Global Consolidado 1 / 14 Relatório Global Consolidado 1 / 14 Tabela 01 - Fluxo de Pacientes na Unidade no Período Todas a Internações no Período *. Total de internações na unidade no período (n) * 9.172 Internações do período

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO

ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO Cristina Gavina* Teresa Pinho** IV. TRATAMENTO DO ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO Como já foi referido, o enfarte miocárdico ocorre quando uma artéria coronária fica ocluída, geralmente

Leia mais

Programa Científico. ESC in Rio 2015

Programa Científico. ESC in Rio 2015 Programa Científico ESC in Rio 2015 8:30h - 9:30h 32º CONGRESSO DE CARDIOLOGIA DA SOCERJ COLÓQUIO: MANUSEIO DA DOR TORÁCICA NA SALA DE EMERGÊNCIA Em que ordem e quais os biomarcadores que devem ser empregados?

Leia mais

Sumário. Data: 17/12/2012

Sumário. Data: 17/12/2012 Nota Técnica: 53 /2012 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração: 1.0439.12.014415-9/001 Data: 17/12/2012 Medicamento Material X Procedimento Cobertura TEMA: Uso

Leia mais