Estudo numérico da propagação de ondas em praias planas utilizando os modelos Lagrangiano sem malhas e Euleriano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo numérico da propagação de ondas em praias planas utilizando os modelos Lagrangiano sem malhas e Euleriano"

Transcrição

1 Revist Brsileir de Recursos Hídricos Versão On-line ou impress ISSN RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino Numericl study of the propgtion of wves on flt eches using Lgrngrin meshless nd Eulerin models Crlos Alerto Dutr Frg Filho, Fio Pvn Piccoli, Dnilo de Almeid Bros 3 e Julio Tomás Aquije Chcltn 4 Universidde do Federl do Espírito Snto, Centro Tecnológico Lortório de Simulção de Escomentos com Superfície Livre, Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi do Espírito Snto IFES Vitóri ES Universidde do Federl do Espírito Snto, Centro Tecnológico Lortório de Simulção de Escomentos com Superfície Livre, Grupo de Pesquiss Costeirs NS Amientl (NvierSt Meio Amiente Ltd) Vitóri ES 3, 4 Universidde do Federl do Espírito Snto, Centro Tecnológico Lortório de Simulção de Escomentos com Superfície Livre (LABESUL) Vitóri ES Receido: 7/0/4 - Revisdo: 8/04/4 - Aceito: 9//4 RESUMO O presente estudo present um comprção entre plicção de um modelo Lgrngino sem mlhs e de um modelo Eulerino, com emprego de mlhs, pr o estudo d propgção de onds em regiões costeirs. O modelo numérico eulerino se fundment ns equções não-lineres de onds do tipo Boussinesq e o modelo numérico Lgrngino sem mlhs empreg o método Smoothed Prticle Hydrodynmics. Os resultdos ds simulções numérics mostrrm concordânci dos modelos no comportmento d superfície livre. A mior discrepânci ocorreu n região de rreentção d ond, durnte quer, e no run-up. Plvrs Chve: Equções não-lineres de onds do tipo Boussinesq. Modelo Lgrngino sem mlhs. Smoothed Prticle Hydrodynmics, zon costeir. Zon de surfe ABSTRACT This study presents comprison etween the ppliction of Lgrngin meshless model nd n Eulerin model tht uses meshes to study the propgtion of wves in costl regions. The Eulerin numericl model is sed on Boussinesq-type nonliner wve equtions nd the Lgrngin meshless model employs the Smoothed Prticle Hydrodynmics (SPH) method. The results of numericl simultions showed n greement of oth models for free surfce ehvior. The lrgest discrepncy occurred in the surf zone, during the reking, nd in the run-up. Keywords: Boussinesq-type nonliner wve equtions. Lgrngin meshless method. Smoothed Prticle Hydrodynmics. Costl region. Surf zone

2 RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p INTRODUÇÃO Historicmente, visão eulerin é mis utilizd n modelgem dos prolems físicos que envolvem fluidos e sólidos. Est modelgem requer o uso de métodos numéricos método ds diferençs finits (MDF), método dos volumes finitos (MVF) e método dos elementos finitos (MEF) que empregm grdes ou mlhs pr solução ds formulções diferenciis ou integris (LIU; LIU, 00). Os métodos numéricos sedos em um mlh dequdmente pré-definid convertem s equções governntes em um conjunto de equções lgérics. Gerlmente, s incógnits ds vriáveis de cmpo são vlids em pontos nodis. Porém, queles presentm limitções em plicções de prolems de geometri complexs e n modelgem de processos físicos, mos ssocidos à resolução d escl espcil. Em métodos lgrnginos com mlhs, como o MEF, gerção ds mesms mostr-se como um significtivo esforço computcionl. O remlhmento, necessário em prolems com grndes deformções, é um processo difícil, demordo e cro, lém d possiilidde de conduzir imprecisões nos resultdos. O uso d mlh pode levr váris dificulddes o trtr prolems de escomentos de fluidos que presentem superfície livre, interfces móveis, geometris complexs ou mudnçs topológics. Cso ests crcterístics existm, gerção d mlh e o remlhmento são necessários, trzendo consigo tods s dificulddes presentds nteriormente. Um ds miores dificulddes do uso de mlhs está em grntir-se consistênci d equção lgéric ser usd n solução do prolem físico. Recentemente, modelgem lgrngin sem uso de mlhs (meshless) tem-se mostrdo como um o opção pr solução de prolems de pequens e grndes escls espciis e pr o entendimento de processos físicos. No método lgrngino de prtículs, o domínio físico do prolem é dividido em pequens prcels de mtéri que intergem ums com s outrs. Nesse procedimento, o volume do domínio fluido é dividido em um conjunto discreto de volumes de msss definids (prtículs ou elementos lgrnginos). N dificuldde ds prcels mteriis enxergrem o volume dos vizinhos, mss d prtícul é compnhd por um ponto mteril que recee s coordends que definem su posição no espço. Dess form, s proprieddes físics de cd elemento lgrngino são mpeds no domínio fluido, pr cd instnte de tempo, pelo compnhmento d propriedde, devido o deslocmento de cd elemento lgrngino no interior do fluido. O modelo lgrngino de prtículs sem mlhs é um lterntiv usd ns pesquiss de métodos computcionis mis eficzes pr solução de prolems mis complexos, resultndo em soluções numérics estáveis e curds pr s equções integris ou equções diferenciis prciis. A vntgem do emprego d modelgem lgrngin de prtículs sem mlhs, em relção às modelgens que utilizm mlhs é simplicidde em trtr geometris complexs e processos físicos. Tmém, podem ser menciondos não necessidde d crição e tulizção de mlhs (remlhmento), não produção de oscilções numérics e o trtmento simples ds superfícies livres. A visulizção gráfic dos resultdos otidos pelo método lgrngino permite o melhor entendimento d evolução espço-temporl do escomento. PROCESSO DE QUEBRA DA ONDA O processo de quer d ond em regiões costeirs está principlmente relciondo à morfologi do fundo mrinho e às crcterístics d ond incidente (período, ltur, comprimento e ângulo de incidênci). A ond, que se propg prtir de águs profunds em direção à cost, é influencid pelo grdiente de profundidde, que direcion e ocsion um grdtivo umento de su ltur. Um vez propgndo-se em águs mis rss, su energi cinétic é reduzid, sendo lnced pelo umento d energi potencil, o que promove o umento de su ltur. Esse gnho em ltur tinge certo limite, té que ond se torne instável e crist dese sore cv, resultndo no processo de quer. Segundo Hoefel (998), podem ser delimitds três zons d ção d quer ds onds em um pri: zon de rreentção (reking zone), zon de surfe (surf zone) e zon de esprimento (swsh zone). A zon de rreentção é quel porção do perfil pril crcterizd pel ocorrênci do processo de quer, que represent o modo de dissipção energétic d ond. A zon de surfe compreende quel região em que ond se propg pós quer. No cso de pris de ix declividde, ond sofre um decimento exponencil de ltur, té tingir linh de pri. Em pris que predominntemente refletem energi de onds incidentes, ou sej, em pris muito íngremes, zon de surfe tende ser domind por movimentos de frequênci suhrmônics, de período igul o doro d ond incidente. N linh de cost, onde está loclizd fce d pri, o movimento d ond é pr frente, suindo pri (run-up), e pr trás, descendo quel (run-down), delimitndo zon de esprimento (swsh zone) (PEREGRINE, 998). A ção d quer ds onds e do run-up result em um movimento ltmente complexo, compreendendo movimentos médios, oritis e flutuções (turulênci) que têm, té gor, desfido s precisões ds medids e modelgem numéric de processos costeiros. A zon de trnsição d quer ds onds é muito importnte n previsão de correntes induzids pels mesms e trnsporte de sedimentos n zon de surfe (NWO- GU, 996). Neste trlho, form utilizds dus modelgens pr o estudo d propgção d ond n região costeir. Dois códigos numéricos ertos (SPHysics, implementdo com os fundmentos do método lgrngino de prtículs Smoothed Prticle Hydrodynmics, e FUNWAVE, sedo n modelgem eulerin de onds não-lineres do tipo Boussinesq) form empregdos ns simulções numérics. N modelgem eulerin, foi diciondo um termo de difusão de momentum às equções do tipo Boussinesq, com difusividde loclizd n fce frontl d ond que está querndo, conforme proposto por Kennedy et l. (000). N modelgem lgrngin, s equções de conservção d mss e do momentum form resolvids sem nenhum lterção, tendo 9

3 Frg Filho et l.: Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino sido, no entnto, implementdo o método ds grndes escls (LES) pr modelgem d turulênci. O presente trlho present os resultdos otidos pel plicção de ms s modelgens à propgção d ond em um pri pln, com discussões o finl. MODELAGEM MATEMÁTICA A evolução dos cmpos de velociddes, do trnsporte de mss e d energi o longo do espço e tempo é relizd pels equções diferenciis que compnhm mtéri e que governm s leis físics de conservção d mss, de conservção do momentum, d conservção d energi e d conservção d sustânci. Método Lgrngino sem Mlhs: Smoothed Prticle Hydrodynmics O método Smoothed Prticle Hydrodynmics (SPH) foi desenvolvido no finl d décd de 70 do século XX pr modelgem de fenômenos strofísicos tridimensionis (GIN- GOLD; MONAGHAN, 977; LUCY, 977). Com o pssr do tempo, su plicção estendeu-se às áres d mecânic dos sólidos e dos fluidos em vst gm de plicções, devido à su hilidde de incorporr complexidde dos prolems físicos. Especilmente devido às complexs geometris envolvids, em prolems com superfícies livres e com interções fluido-estrutur, o método tem trído cd vez um mior número de pesquiss. Significtivs plicções do método SPH n áre dos recursos hídricos são presentds seguir. As primeirs simulções pr escomentos de fluidos compressíveis com superfícies livres form relizds por Monghn (994) pr o prolem de rompimento de rrgem. Neste trlho, o utor empregou s equções de conservção (mss, momentum e energi), num domínio discretizdo por prtículs, juntmente com um equção de estdo pr previsão d pressão e condições de contornos repulsivs (em um nlogi às forçs moleculres de Lennrd-Jones) pr oter resultdos numéricos concordntes com experimentis. Lo e Sho (00) simulrm onds mecânics solitáris próxims à cost, utilizndo um método SPH pr fluidos incompressíveis, juntmente com previsão d pressão relizd pel equção de Poisson e modelgem d turulênci pelo LES (Simulção ds Grndes Escls). O trtmento dos contornos utilizou prtículs-espelho fixs ns predes ssocids prtículs virtuis, em posições exteriores o domínio. A identificção ds prtículs n superfície livre foi relizd prtir de sus msss específics. N superfície livre, est propriedde present diminuição, pois não existem outrs prtículs sore s que estão formndo quel região do domínio. Pr identificção ds prtículs n superfície livre, em cd um ds iterções numérics, os utores empregrm um critério relciondo à flutução d mss específic. Cso um prtícul presentsse um flutução em su mss específic mior que % em relção às sofrids pels prtículs no interior do fluido, qundo comprdos os resultdos de dus iterções sucessivs, quel er identificd como pertencente à superfície livre e er-lhe triuíd condição de contorno de Dirichlet (pressão nul n superfície livre). O modelo empregdo pr quer, run-up e run-down ds onds solitáris foi vliddo medinte o concordânci presentd entre os resultdos numéricos, otidos, e os experimentis, tomdos como referênci. Clery e Prksh (004) mostrrm o potencil de plicção do método SPH em três dimensões. Form relizds simulções de um inundção cusd pel ruptur de um rrgem, d gerção de um ond de tsunmi por um tedor de onds e consequente inundção d linh de cost pel mesm, do escomento de lv de um vulcão e de um deslizmento de terr, prtir do pico de um montnh. Os utores pontrm pr s vntgens do método de prtículs sem mlhs e lgums possíveis plicções. Gomez-Gesteir e Dlrymple (004) empregrm um método SPH tridimensionl no estudo do impcto ds onds sore um estrutur. Os utores nlisrm propgção de um ond long e forç por el exercid sore um estrutur sólid verticl. A geometri estudd consistiu em um tnque com um estrutur sólid loclizd em seu interior, onde um rompimento de rrgem foi ojeto de experimentos de lortório e simulções numérics. Velociddes e forçs form otids numericmente e mostrrm o concordânci com medições em lortório, mostrndo que o método SPH pode ser utilizdo com êxito pr estudr prolems de onds tridimensionis, como s relcionds com colisão entre onds e estruturs. O emprego de códigos numéricos prlelos foi sugerido pelos utores como form de se oter um execução computcionl mis rápid. Sho e Gotoh (004) desenvolverm um modelo SPH -LES (SPH-Lrge eddy simultion) pr investigção d interção ds onds com um quer-mr flutunte do tipo curtin-wll, instldo com o ojetivo de reduzir ltur d ond incidente e proteger linh de cost. A modelgem mtemátic foi relizd trvés ds equções de Nvier-Stokes. Prtículs móveis form empregds pr simulr o quer-mr, que se movimentou prtir d ção ds onds, o mesmo tempo em que prtículs fixs form utilizds n simulção do leito, evitndo penetrção do fluido no contorno inferior. Os perfis de ond e s forçs hidrodinâmics otidos como resultdos mostrrm o concordânci com os reltdos n litertur. Iglesis, Rojs e Rodriguez (004) empregrm o SPH pr projetr tnques de estilizção pr nvios de pesc. Um tnque de estilizção é um ds forms de mortecimento do movimento de rolmento de um nvio sore onds que pode ser representdo por um sistem virtório mecânico equivlente. O líquido no interior do tnque sofre o fenômeno do sloshing e escolh de um método sem mlhs pr o estudo do prolem se deve à grnde deformção sofrid pel superfície livre. As equções de Nvier Stokes form empregds n modelgem do fluido. Um modelo de colisão inelástic foi implementdo pr os choques entre o fluido e s predes do tnque. Os resultdos ds simulções form vliddos com testes experimentis e mostrrm-se promissores, pesr de que, segundo os utores, um mis profund investigção científic necessite ser relizd, no que se refere às condições de contorno plicds, condição de incompressiilidde do fluido e o emprego d 93

4 RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p viscosidde rtificil. Sho (006) estudou quer e overtopping d ond, pr um fluido incompressível, sore um prede inclind, medinte solução ds equções de mss e momentum. Form empregds equção de Poisson e modelgem d turulênci pelo modelo dus equções (k-epsilon), qul sej, k representndo energi cinétic turulent e epsilon tx de dissipção d energi cinétic turulent ( descrição complet do modelo pode ser encontrd no trlho de Mohmmdi e Pironneu, 994). O rstremento ds prtículs n superfície livre foi efetudo prtir d nálise d flutução ds msss específics. No que diz respeito os contornos sólidos, form fixds prtículs no leito e n prede inclind, que impedirm que s prtículs de fluido ultrpssssem s fronteirs. Um forç de repulsão entre s prtículs de contornos e de fluido - pr ção e reção, segundo proposto por Monghn (004) foi implementd. Os resultdos numéricos lcnçdos ns simulções form vliddos prtir de ddos numéricos e experimentis e um o concordânci foi encontrd. Bui, Sko e Fukgw (007) implementrm um modelo numérico pr interção entre o solo e águ. Est foi modeld como um fluido viscoso e compressível e o solo como um mteril elsto-plástico perfeito. Form relizds simulções de escvção do solo seco e sturdo por um jto de águ. Os resultdos demonstrrm que grnde deformção sofrid e s descontinuiddes do solo podem ser trtds pelo SPH sem dificulddes. O efeito d pressão d águ nos poros e forç de infiltrção podem tmém ser simuldos trvés do SPH. Os resultdos numéricos não form vliddos com ddos experimentis, porém os resultdos são encorjdores. As vntgens presentds que justificm o uso do método no estudo form roustez, simplicidde conceitul, fcilidde de incorporr novos conceitos físicos e, principlmente, o potencil pr lidr com grndes deformções e flhs. Ghzli e Kmsin (008) relizrm um modelgem de risco de inundção com simulção em tempo rel. O prolem d inundção é um dos principis sofridos pelos mlsinos, dí importânci e motivção do estudo relizdo. Os utores simulrm inundção ocorrid em Kul Lumpur (cpitl d Mlási), em Junho de 007, em 3 dimensões. Um ds limitções encontrds foi o consumo de memóri computcionl, o que os fez restringir um áre possível de ser simuld utilizndo doze mil (000) prtículs máximo número empregdo ns simulções. Conclui-se plicilidde do SPH o prolem d inundção sendo, porém, necessário o emprego de um hrdwre cpz de simulr miores áres. Violeu et l. (007) estudrm o derrmmento e o esplhmento do óleo e su contenção (com o ojetivo de proteger s áres costeirs d poluição por meio d utilizção de óis flutuntes). Um modelo numérico pr um fluido multifásico e turulento foi implementdo. Um dispositivo experimentl foi utilizdo pr otenção de ddos empregdos n vlidção do código computcionl. Dois tipos de escomentos turulentos form estuddos, quis sejm: estcionário em cnl erto e onds regulres em um clh. Pr mos os métodos, o risco de vzmento foi mensurdo. Os resultdos numéricos do escomento turulento em regime estcionário presentrm o concordânci com os experimentis; porém, um mior quntidde de testes deve ser efetud pr um estimtiv mis precis de prâmetros como velocidde crític e o efeito d profundidde d águ no vzmento do óleo. Aind devem ser investigdos o efeito d implementção de um modelo de fechmento d turulênci, como o k-epsilon, ção ds onds e correntes, em como ser relizd modelgem d tensão superficil. Pr o segundo tipo de escomento turulento, não foi possível vlidção dos resultdos. Vsco, Mciel e Minussi (0) presentrm o método (fundmentos, condições de contorno e testes de vlidção pr o rompimento de rrgem, gerção de onds e impcto hidrodinâmico) e concluírm que o SPH é promissor e digno de um melhor investigção, principlmente no que refere à solução de prolems não-lineres e/ou descontínuos, ou que presentem deformilidde excessiv do domínio. Os mesmos utores, em 03, empregrm o SPH pr simulção de onds solitáris, reproduzindo numericmente os perfis deste tipo de onds oservdos em experimentos. Os resultdos numéricos encontrdos superestimrm s energis e lturs ds onds gerds, necessitndo de correção ser efetud medinte o emprego de um função de comptiilizção. Nrynswmy et l. (00) implementrm o coplmento do método lgrngino SPH com o método eulerino de onds não-lineres do tipo Boussinesq foi efetudo por. Empregndo os códigos ertos SPHysics e FUNWAVE, os utores simulrm propgção de um ond solitári em um tnque de profundidde constnte. A ond foi gerd n primeir região do tnque pelo FUNWAVE e se propgou té tingir o centro dquele, onde se iniciou o emprego do SPHYSICS. Após reflexão n prede lterl, ond se deslocou em sentido inverso, retornndo à região de plicção d modelgem eulerin (FUNWAVE). Apesr dos ons resultdos encontrdos pr o coplmento, não form discutidos os resultdos encontrdos por cd um dos métodos individulmente pr propgção d ond n. Fundmentos Mtemáticos O SPH é fundmentdo n identidde mtemátic válid pr um função esclr f ( X ) definid e contínu, conforme equção (): ( ) = ( )( ) f X f X ' X X ' dx ', () f ( X ) é função esclr no ponto fixo, n posição; δ ( X X ') é função delt de Dirc. δ ( X X '), _ se _ X = X ', = 0, _ se _ X X ', Ao sustituir-se função delt de Dirc pel função de suvizção ou kernel, otém-se proximção pr função n posição X, resultndo n equção (3): () 94

5 Frg Filho et l.: Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino ( ) = ( ) ( ) f X f X ' W X X ',h dx ', (3) W( X X ', h) é função de suvizção ou kernel, h é o rio de suporte; X= ( xy, ) é um ponto fixo, no sistem de coordends crtesins; dx ' = dx ' dy ' é um elemento infinitesiml de áre. A essênci do método SPH consiste em discretizr o domínio W em um número finito de prtículs e nests oter os vlores ds grndezs de interesse, prtir de interpolções ponderds dos vlores ds grndezs ns prtículs d vizinhnç. A Figur present disposição ds prtículs dentro do domínio de influênci. uscs (pens s prtículs dentro d região somred serão ojeto d procur). No método SPH, diferentes kernels podem ser usdos pr distriuição dos pesos usdos pr interpolção, os quis devem stisfzer s proprieddes de suvidde, positividde, simetri, convergênci, suporte compcto e normlizção dentro do domínio de influênci (LIU et l., 003; KELAGER, 006). As proprieddes de convergênci, suporte compcto e normlizção dentro do domínio de influênci Ω, são presentds ns equções (4) (6), escrits no sistem de coordends polres. - Normlizção: W( r r', h) =, (4) W - Suporte Compcto: Se r r' > kh, então, - Convergênci: W( r r', h) = 0, (5) Figur - () Representção gráfic do domínio de influênci. A prtícul de referênci tem como vizinhs tods s demis dentro do domínio de influênci (prtículs ). O kernel (w) grnte mior contriuição ds prtículs vizinhs mis próxims pr o vlor d grndez físic n prtícul de referênci Apens s prtículs vizinhs, quels que se encontrm dentro do domínio de influênci ( um distânci máxim definid d prtícul considerd, k h, onde k é um ftor de escl dependente do kernel empregdo), contriuirão pr o comportmento dest. A usc de prtículs vizinhs pode ser relizd de mneir diret ou com o uxílio de grids, que conduzem um menor número de operções mtemátics e reduzem o custo computcionl (GESTEIRA et l., 00; LIU; LIU, 003). A Figur mostr usc diret (todos os pres de prtículs do domínio terão s distâncis clculds e comprds com o vlor de k h ) e o emprego de um grid, que diminui o número de Figur - Busc ds prtículs vizinhs. () De form diret. () Com o emprego de um grid ( região em zul mostr s céluls do grid onde ocorrerá usc) lim W ( r r ',h) dr = δ ( r r'), (6) h 0 onde r é direção rdil. O kernel spline cúico, proposto por Gomez-Gesteir et l. (00), foi utilizdo neste trlho, conforme equção (7). Est função de suvizção present um comportmento mtemático desejável, em como sus derivds, pr representção ds proprieddes físics estudds. 5 W( r r',h)_ =. 7π h 3 3 Q 3 Q +,_ se _ 0 Q h h 4 h 3 Q -, _ se _ h Q h 4 h 0, _ nos_ demis_ csos. Q = r r' é distânci entre um ponto fixo e um vriável. Outros kernels podem ser empregdos no método SPH, tis como: quártico, proposto por Lucy (977); quíntico, presentdo por Gesteir et l. (00); spline quíntico, proposto por Morris, Fox e Zhu (997); novo quártico, presentdo por Liu e Liu (003), entre outros. A Figur 3 present o kernel empregdo por Lucy em seu trlho pioneiro (977) e su derivd, e o spline cúico (e derivd), deste trlho. Pr que s soluções encontrds sejm representtivs do domínio do prolem, o número de prtículs vizinhs dentro do domínio de influênci, deve ser de 5, e 57 em csos D, D e 3D, respectivmente, nos prolems estuddos (LIU; LIU, (7) 95

6 RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p Figur 3 - Kernels e sus derivds de primeir ordem. () Empregdo no trlho pioneiro de Lucy (977) e () Spline cúico, deste trlho 003). Testes numéricos form relizdos pelos utores deste trlho e comprovrm que queles são os números mínimos de prtículs no citdo domínio que grntem que s proprieddes do kernel estão sendo respeitds, como normlizção, por exemplo. O método SPH fornece um proximção de ª ordem pr os vlores ds proprieddes físics num escomento de fluido ou num sólido. A equção (8) é um expressão gerl, comumente usd no método pr proximção, otid por interpolção, pr propriedde físic, n prtícul de referênci. j (8) A A = m W( r - r, h), ρ = onde o suscrito indic o vetor e o sorescrito refere-se à prtícul; A é grndez esclr que está sendo proximd e diz respeito à prtícul fix; A é o vlor d grndez em cd um ds prtículs, vizinhs d prtícul fix; j é o número de prtículs vizinhs d prtícul fix, dentro do domínio de influênci ; m é mss d prtícul vizinh ; r é direção rdil no sistem de coordends polres; r é posição d prtícul fix (coordends polres); r é posição d prtícul vizinh ; ρ é mss específic d prtícul vizinh ; Pr o divergente de um grndez físic vetoril, equção (9) pode ser empregd: j (9). A = m ( A A ). W( r - r, h ), A e ρ = A são s grndezs vetoriis referentes às prtículs fix e vizinh, respectivmente; ρ é mss específic d prtícul de referênci ; é o operdor nl. Pr o grdiente de um esclr (form simétric), tem-se form presentd pel equção (0): ρ A = j A A m + W r r = ( ρ ) ( ρ ) ( -,h), (0) Conforme demonstrdo por Petronetto et l. (00), expressão pr o lplcino de um grndez esclr pode ser otid prtir d expnsão d série de Tylor em torno d posição d prtícul de referênci. A expressão do lplcino é presentd n equção (): onde r j (,h) A m W r = ( A A ), ρ r r r r = é distânci entre s prtículs. () No método SPH, crido pr simulção de fluidos compressíveis, pressão é um função explícit d mss específic locl do fluido. Em csos dinâmicos, o fluido compressível é proximdo um fluido incompressível por meio de um fluido quse-compressível e pressão é clculd trvés de um equção de estdo. Neste trlho, foi empregd conhecid equção de Tit, sugerid por Btchelor (000), conforme equção (): P γ ρ = B, 0 ρ () P é pressão d prtícul ; 0 ρ é mss específic de repouso do fluido; γ = 7; B é o termo relciondo às flutuções de mss específic do fluido, possuindo um vlor específico pr cd prolem. A modelgem do escomento de fluidos e trnsporte de energi é efetud pels equções de conservção d mss, do momentum e d energi. A evolução do cmpo de msss específics, de velociddes e de energi o longo do tempo é definid pels equções (B.) (B.3) d Tel. N Tel, encontrm-se s equções de conservção e s respectivs proximções por SPH, escrits no sistem de coordends crtesins, pr um fluido viscoso e compressível. Gesteir et l. (00) presentm tod formulção SPH implementd no softwre SPHysics, empregdo neste trlho. As condições de contorno empregds no código nu- 96

7 Frg Filho et l.: Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino Tel Equções de conservção e respectivs proximções SPH. Mss: Momentum: Equções diferenciis de conservção (contínuo) d.v dt dv P v g dt f i ext i Aproximções SPH (domínio discretizdo por prtículs) d dt k m v v. W( x x,h) (B.) k dv P P m W (,h) x x dt n m Wr (, h) (v v ) r r r (B.) g f ext Energi: de P.v v dt. q q k de v g é celerção d grvidde; é viscosidde cinemátic do fluido; P é pressão; fext são s forçs externs gindo sore prtícul fix; e é energi específic; v é o termo de dissipção de energi por unidde de volume; q é o fluxo de clor por condução; H qh é o clor gerdo por outrs fontes por unidde de volume. O termo.q é modeldo pel lei de Fourier. dt P m W x q q (B.3) v. ( x,h) v. H mérico erto suprmenciondo são repulsivs ou dinâmics. As condições de contorno repulsivs, desenvolvids por Monghn (994), seim-se n dinâmic moleculr e dissiptiv ds prtículs. O impedimento de penetrção ds prtículs móveis se deve um forç de repulsão plicd sore ests pels prtículs de contorno, clculds de form nálog às forçs moleculres de Lennrd-Jones. A utilizção de um linh estátic de prtículs virtuis (do tipo I) loclizds sore o contorno sólido produzindo repulsão, é de form gerl mneir plicd em SPH pr implementr s condições de contorno; hvendo, porém, situções, em que s prtículs em linh podem ter movimentos, pr simulrem tedores de ond, por exemplo. Prtículs virtuis (do tipo II) podem tmém ser locds for do contorno, conforme mostr Figur 4 (LIU; LIU, 003). Um segund mneir de trtmento dos contornos ocorre com utilizção ds condições dinâmics, onde s prtículs nos contornos, que podem ser fixs ou móveis (simulndo Figur 4 - Ilustrção esquemátic d região do contorno sólido. Disposição ds prtículs virtuis em linh (tipo I). Além do contorno, estão s prtículs virtuis do tipo II. Adptd de Liu e Liu (003) movimentos de tedores de onds, comports e outros), stisfzem às mesms equções de conservção (mss, momentum e energi) plicds às prtículs de fluido. Qundo ests se proximm dos contornos, mss específic e pressão ds prtículs posicionds nos contornos umentm. Isto result 97

8 RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p em um umento d mgnitude d forç de repulsão exercid sore o fluido, resultndo n su mnutenção no interior do domínio estuddo (GOMEZ-GESTEIRA et l., 0). No cso de escomentos de fluidos com superfícies livres, o método SPH present lgums técnics pr o trtmento ds mesms sem necessidde de remlhmento cd iterção d simulção numéric - o que dificult o emprego dos métodos trdicionis de mlhs pr este tipo de prolem. Est é um de sus clrs vntgens. Forçs plicds à superfície livre do fluido normlmente não são trtds pels leis de conservção, pois são considerds condições de contorno. N superfície livre, s forçs estão deslnceds devido à ção ds forçs de tensão superficil. A forç resultnte em cd um ds prtículs ge n direção norml à superfície livre do fluido, pontndo pr o centro, tendendo minimizr curvtur e áre dquel, conforme mostr Figur 5. Pr definição d superfície livre, é empregdo um cmpo de grndez dicionl conhecido como color field (ou cmpo de cor) que permite o cálculo d forç que tu sore cd prtícul pertencente àquel (KELAGER, 006; MULLER; CHARIPAR; GROSS, 003). mis ordendo ds prtículs. É computd velocidde médi ds prtículs vizinhs pr o cálculo d velocidde d prtícul de referênci, conforme mostr equção (3): v ε = v + j m ρ + ρ = ( v v ) W ( x x, h), (3) v é velocidde d prtícul no sistem de coordends crtesins; x é posição d prtícul no sistem de coordends crtesins; = (, ) ; ε é um prâmetro que vri entre 0 e,0, sendo comumente usdo como 0,5 (GOMEZ-GESTEIRA et l., 00; VASCO; MACIEL; MINUSSI, 0). Pr evitr instiliddes numérics devido oscilções no cmpo de velociddes, empregou- viscosidde rtificil, conforme presentd pel equção (4): σµ c,_ ( v v ).( x x ) < 0, π = ρ + ρ 0, ( v v ).( x x ) 0, ( ) ( x x ) h v v. µ = x x + 0, 0h, (4) (5) Figur 5 - A tução ds forçs de tensão superficil (sets pontndo pr o interior do fluido) sore s prtículs d superfície livre (tom zul mis clro). Extríd de Kelger (006) Simulções numérics O modelo numérico lgrngino SPHysics foi empregdo pr simulção de um tedor de onds. Trt-se de um código computcionl erto, desenvolvido n lingugem FORTRAN, sedo no método Smoothed Prticle Hydrodynmics (SPH), pr o estudo de escomentos com superfícies livres, n form de um colorção de pesquisdores d Johns Hopkins University (Estdos Unidos), Universidde de Vigo (Espnh) e Universidde de Mnchester (Reino Unido). Atrvés de métodos de integrção numéric foi efetud tulizção ds proprieddes ds prtículs no tempo (posição, velocidde, energi e outrs). Dentro os métodos possíveis de ser empregdos n integrção temporl estão Runge-Kutt de ª ordem (Euler), Lep-Frog e lgoritmos mis elordos como o preditor-corretor, Verlet, sympletic ou Beemn, conforme presentdos por Gomez-Gesteir et l. (00). Nest pesquis, o sympletic foi o empregdo. A fim de evitr interpenetrção ds prtículs e melhorr estilidde numéric, um correção pr velocidde de cd prtícul foi relizd, usndo o método conhecido como XSPH (PAIVA et l., 009). Este método mntém um movimento π é viscosidde rtificil; c é velocidde do som; σ é um prâmetro de superfície livre que vri de cordo com o prolem estuddo (GOMEZ-GESTEIRA et l., 00). Após dição do termo referente à viscosidde rtificil à equção do momentum, otém-se equção (6), empregd pr otenção d celerção d prtícul: dv dt onde t é o tempo. j dv = mπ W( x x, h), (6) dt = Ns simulções numérics relizds, o rio de suporte h mnteve-se constnte. Contudo, pr simulr choques ou impctos, onde há vrição súit d mss específic loclmente, é preciso vrir h, de tl form que o número de prtículs vizinhs se mntenh próximo de um vlor constnte, isto ocorre, por exemplo, n simulção de rompimento de rrgem (LIU; LIU, 003; VASCO, MACIEL & MINUSSI, 0). A estilidde ds simulções do método depende d escolh dequd do psso de tempo. O critério de estilidde numéric CFL (condição de Cournt-Friedrich-Lewy) foi plicdo pr grnti d convergênci dos resultdos (COURANT; FRIEDRICHS; LEWY, 967). 98

9 Frg Filho et l.: Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino Figur 6 - Fluxogrm do lgoritmo computcionl (SPH) O trtmento d turulênci foi efetudo pel plicção do método d simulção ds grndes escls de turulênci - Lrge Eddy Simultion, ou LES. Pr s pequens escls, utilizou-se um modelo de turulênci SGS, Su-Grid Scle (GOMEZ-GES- TEIRA et l., 00). A Figur 6 mostr o fluxogrm do lgoritmo computcionl do método Lgrngino SPH, desenvolvido n lingugem Fortrn. A seguir será presentd um reve explicção do citdo fluxogrm. As posições iniciis, velociddes, msss específics, temperturs, rio de suporte e demis proprieddes físics ds prtículs do fluido são definids pr o início d simulção. As condições de contorno são definids (repulsivs ou dinâmics). As prtículs dos contornos têm sus proprieddes definids. A usc de prtículs vizinhs de um determind prtícul de referênci pode vrir com o tempo e deve ser efetud cd iterção numéric. Antes de clculr proximção pr s forçs interns gindo ns prtículs do fluido, torn-se necessário tulizr o cmpo de pressões nquels prtículs, medinte o emprego de um equção de estdo. Neste trlho, plicou-se equção (), equção de Tit. O kernel empregdo ns interpolções ds proprieddes ds prtículs deve ser definido. O cálculo d mss específic de cd prtícul é relizdo prtir d solução d equção (B.), presentd no Anexo B, conservção d mss. São numericmente otids proximções pr s forçs interns, dois primeiros termos do ldo direito d equção (B.), forçs de pressão e viscoss, respectivmente. As forçs externs devem ser plicds às prtículs de fluido. Nest ctegori se enqudrm forç grvitcionl, 3º termo do ldo direito d equção (B.), s forçs repulsivs exercids pels prtículs dos contornos sore s de fluido, em como s forçs de superfície livre. O último termo do ldo direito d equção (B.) englo esss últims dus forçs presentds. Em seguid, equção d conservção d energi é soluciond. Possuindo resultdos proximdos pr mos os tipos de forçs (interns e externs), celerção de cd ums ds prtículs de fluido é otid prtir d solução d equção do momentum. A integrção temporl, próximo psso d simulção computcionl, prevê s proprieddes ds prtículs pr o instnte de tempo posterior. O critério de estilidde de Cournt-Friedrichs-Lewy (CFL) é plicdo n definição do psso de tempo que grnt convergênci dos resultdos (COURANT; FRIEDRICHS; LEWY, 967). Arquivos de síd são otidos o finl de cd iterção, prtir dos quis serão gerds s representções gráfics pr s proprieddes físics do fluido. Verific-se, por último, se precisão desejd foi lcnçd ou se o tempo será incrementdo pr próxim iterção. Método eulerino: Modelo de onds do tipo Boussinesq totlmente não-liner O modelo numérico eulerino FUNWAVED é um softwre não comercil, produzido pelo Center for Applied Costl Reserch (CACR), n lingugem Fortrn, é cpz de simulr onds de superfície em regiões costeirs incluindo zons de surfe extern e intern. O princípio fundmentl do modelo é sedo ns equções do tipo Boussinesq pr segund ordem de dispersão. Após integrção n verticl ds equções de conservção d mss e do momentum em dus dimensões no plno horizontl, são otids s equções (7) e (8) (WEI et l.,995). Conservção d mss: η + ( d + η ) u + t ( d + η) z ( d dη + ( η) ) ( u) + 6 ( d + η) z + ( d η) ( ( du) ) = 0, (7) 99

10 RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p Conservção do momentum: u + ( u ) u + g η + t u u z z d t + t + ( z η )( u )( u ) ( d ) + η u u ( z η )( u ) ( ( du )) + u u = 0, η η + d t t (8) A profundidde de referênci z pr o cálculo ds velociddes u é dd pel equção (9): z 0, 53 d, (9) η é elevção d superfície; d é profundidde referente o nível d águ em repouso; t é o tempo. Segundo Wei et l. (995) escolh do esquem numérico pr s Equções (7) e (8) é determind por dois ftores principis. Primeiro, é que em qulquer sistem de equção de Boussinesq, diferenç finit de segund ordem de precisão pr os termos com s derivds de primeir ordem deixm ordem dos termos do erro de truncmento mtemticmente n mesm form dos termos dispersivos que precem no modelo. Dess form, s diferençs finits dos termos dispersivos são somente pr segund ordem de precisão, levndo erros de ( x ) O reltivo os tuis termos dispersivos. Finlizndo, o sistem de equções é escrito em um form mis conveniente pr plicção de um procedimento de psso de tempo de mis lt ordem, que é o esquem previsor-corretor de Adms-Bshforth-Moulton pr qurt ordem (esquem ABM) usdo por Wei et l. (995). O segundo ftor é o trtmento não implícito dos termos dispersivos n equção do momentum. Dess form, s equções (7) e (8) podem ser reescrits n form unidimensionl como ns equções (0) e (): η = E t ( η u ),, u U u = F u t t ( ) η,,, onde U é definido como n equção (): U = u + d + ( du ) u, (0) () () que é trtdo como um simples vriável no esquem ABM. As quntiddes E e F são definids pels equções (3) e (4) ( d + η ) u + 3 u E= + d ( du ) + d (3) As constntes,, e são definids pels equções (5), (5), (5c) e (5d): β = (5) 6 = β + (5) β = (5c) = β (5d) onde β foi definido no trlho de Nwogu (993) como β = z d = 0,53. u d η+ η( d η ) 6 d Um vez que o ldo direito ds equções (0) e () é clculdo nos pssos de tempo n, n e n, é possível estimr s quntiddes de η e U no próximo psso de tempo n + plicndo o esquem explícito de Adms-Bshforth com 3ª ordem no estágio previsor conforme indicdo pels equções (6) e (7): η ( du ) η η( d+ η) ( z η ) ( z η ) ( du ) η u F = g u u t = η + 3E 6E + 5 E, n n n n n i i i i i n+ n t n n n Ui = Ui + 3Fi 6Fi + 5 Fi, (6) (7) onde t é o psso de tempo, o suscrito i indic o ponto de cálculo d grde eulerin e o sorescrito n indic o número do psso de tempo d integrção. ( du ), u + η + ( du ) u η + η t t u u, (4) 00

11 Frg Filho et l.: Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino No modelo, s velociddes são clculds n fce d célul eulerin e os vlores esclres são clculdos no centro d célul. n η + i Os vlores de são simples de serem otidos. Já vlição ds velociddes horizontis no novo nível de tempo n u + i, entretnto, requer simultnemente solução de um sistem de mtrizes tridigonis. Após o cálculo dos vlores previstos n de η + n i e u + i, é possível determinr s quntiddes do ldo direito ds Equções (7) e (8) no psso previsor ficndo n com E + n i e F + i. Em seguid, plic-se o método implícito corretor Adms-Moulton de qurt ordem, como indicdo pels equções (8) e (9): η t = η + 9E + 9E 5 E + E, 4 n n n n n n i i i i i i n n t n n n n U + i = Ui + 9F + i + 9Fi 5 F i + F i, 4 (8) (9) No método previsor-corretor, discretizção espcil pr s derivds de primeir ordem utilizou o método de diferençs centrds de cinco pontos com qurt ordem de precisão e pr s derivds de segund ordem usou-se o método de diferençs centrds de segund ordem de precisão com três pontos. Pr s derivds de primeir ordem de f, que pode ssumir s quntiddes η, u ou hu, é propost equção (30): f pr 3 i m. i = ( fi 8fi + 8 fi+ fi+ ), x (30) As diferencições de primeir ordem nos pontos i =, i =, i = m e i = m são, respectivmente, definids pels equções (3), (3), (3c) e (3d): f f i= i= = + + x i= m ( 5 f 48 f 36 f 6 f 3 f ) = + + x ( 3 f 0 f 8 f 6 f f ) f = + + x f i= m (3) (3) ( 3 f 0 f 8 f 6 f f ) (3c) m m m m 3 m 4 = + + x i ( 5 f 48 f 36 f 6 f 3 f ) (3d) m m m m 3 m 4 Pr s derivds de segund ordem dos termos f = u ou f = hu, tem-se equção (3): (3) f = ( fi fi + fi+ ), x pr i m. A diferencição de segund ordem nos pontos i = e i = m são, respectivmente, definidos n seguinte form d equção (33) e (33): f f = ( f 5f + 4 f3 f4), x i= = ( fm 5fm + 4 fm fm 3). x i= m (33) (33) Figur 7 - Fluxogrm do softwre FUNWAVED 0

12 RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p Um descrição detlhd do modelo const no Mnul do FUNWAVED.0 (KIRBY et l., 005 ou ). A figur 7 present esquemticmente o fluxogrm do lgoritmo computcionl e, seguir, um reve explicção. O psso inicil pr se relizrem os cálculos dos componentes d ond no domínio físico no referencil eulerino consiste em informr s condições iniciis d simulção, que consistem ns dimensões do domínio, crcterístics ds onds (mplitude e período), elevção do nível do leito e nível de referênci d águ. No instnte inicil, águ é considerd em repouso, s velociddes e elevção são nuls. Após ser inicido o sistem, é clculdo o comprimento de ond prtir do método de Newton-Rphson. Com s definições iniciis d ond clculds, s informções pr o gerdor de onds são triuíds o lgoritmo. Os coeficientes do gerdor de onds são clculdos e incorpordos ns equções de conservção d mss e do momentum. Um tempo de mortecimento de no mínimo T s (onde T s é o período d ond) é utilizdo pr permitir um gerção de onds mis suve e, ssim, evitr instiliddes numérics. Assim como pr o gerdor de onds, os prâmetros de quer são clculdos prtir ds crcterístics d ond e dos coeficientes de quer. Em seguid, o processo de cálculo computcionl é inicido trvés d integrção temporl ds equções de conservção. Após o início d integrção temporl, s forçs d gerção d ond, s forçs devido à dissipção de energi d ond (fricção com o fundo e quer) e os prâmetros d cmd de sorção são incorpordos n equção do momentum e d conservção d mss. Se necessário, o filtro numérico é plicdo em um determindo intervlo de cálculo pr suvizr os ruídos gerdos pelos cálculos numéricos. Dess form, integrção no tempo é inicid com o psso de tempo ( t ) clculdo em função do prâmetro de estilidde numéric de Cournt-Friedrichs-Lewy, definido como t < 0,5 x gd, onde x é o espçmento d grde no referencil eulerino. Os prâmetros d ond são clculdos no psso previsor, método de Adms-Bshforth, e reclculdos dentro de um erro soluto de iterção de, proximdmente, 0-5 no psso corretor (método de Adms-Moulton). Assim, os vlores ds componentes d velocidde e elevção d superfície são tulizdos pr o próximo psso de tempo, finlizndo o ciclo de cálculo do modelo de onds. ESTUDO DE CASO Ojetivndo comprr os resultdos otidos com o emprego do método lgrngino de prtículs SPH com o método eulerino é presentdo o estudo d gerção e propgção de onds em um pri pln. Foi simuldo um domínio de pri com,75m de extensão n região inclind, ângulo de inclinção de 4,364, mplitude e período d ond de 0,0 m e,4s, respectivmente, e nível d águ de 0,8m. Pr gerção de onds foi empregdo um tedor de onds. N simulção eulerin, foi utilizdo um domínio com mlh com dimensões de 56 pontos n direção horizontl e pontos n direção verticl. O espçmento entre os pontos n horizontl foi de 0,05m totlizndo um distânci horizontl de 7,75m. N verticl, os espçmentos vrirm com profundidde totl, qul é dd por H = d + η, definindo um mlh do tipo sigm. Como o método de gerção de ond empreg um função fonte-gerdor, o modelo necessit de um região de profundidde constnte e fstdo de ostáculos. Devido isso, fonte gerdor foi locd no ponto 4 d mlh, n coordend horizontl -,00m. Pr fins gráficos, o zero horizontl do domínio eulerino corresponde o zero do domínio lgrngino. A dimensão do domínio eulerino vriv de -4,00m 3,75m. O período de simulção eulerin foi de 30,00s, com um incremento de tempo de 0,00s durnte simulção. N simulção lgrngin form empregds 4 prtículs com um espçmento de 0,0m entre els. A dimensão do domínio lgrngino vriou de 0 3,75m. O rio de suporte (h) foi definido como 0,03m (,30 vezes o espçmento inicil entre s prtículs). Qutrocentos e dezoito (48) prtículs virtuis definirm o contorno, sendo 387 fixs no leito e 3 móveis (simulndo o movimento do tedor do tipo flp, loclizdo n posição 0,3m do domínio). Foi empregdo o kernel spline cúico. O período de simulção foi de 30,00s e o psso de tempo foi de 4,5.0-5 s, com número de Cournt-Friedrichs-Lewy no vlor de 0,0. Em ms s simulções, integrção utilizou o método preditor-corretor e mplitude d ond gerd foi de 0,0m. RESULTADOS E DISCUSSÃO A elevção d ond foi otid pr diferentes tempos de simulção. A Figur 8 present os resultdos otidos, utilizndo os dois modelos numéricos nteriormente descritos, nos tempos 8,0, 8,7 e 9,4s. As simulções dos modelos lgrngino e eulerino mostrrm de form dequd e comptível o comportmento d ond propgndo-se em um pri pln. Houve um excelente concordânci entre os resultdos dos dois modelos ns regiões d pri com leito sem inclinção. No modelo eulerino, quer d ond é trtd por um formulção de viscosidde turulent rtificil, que pode promover um descrição mis relístic do início e do finl d quer em termos quntittivos (em termos d energi dissipd), ver Chen et l. (000), Chen et l. (003) e Kennedy et l. (000). Porém, o formto d quer d ond não present um descrição qulittivmente em definid. O modelo lgrngino, que empregou modelgem ds grndes escls (LES) pr o trtmento d turulênci, present vntgem de representr o colpso d ond em águs rss de form em representtiv visulmente, onde o formto d ond em su quer é visível ns simulções trvés do movimento ds prtículs de águ. A figur 9 mostr o resultdo no instnte 8,00 s pr os dois modelos empregdos. Oserv-se que mos estão em concordânci n região for d zon de rreentção e presentm cert discrepânci no tlude próximo d cost. 0

13 Frg Filho et l.: Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino 8,0s 8,7s 9,4s Figur 8 - Resultdos ds simulções de onds em pri pln. À esquerd, os resultdos do modelo SPHysics e, à direit, os resultdos do modelo FUNWAVED Figur 9 - Comprção gráfic dos resultdos numéricos encontrdos pelos modelos SPHysics e FUNWAVED no tempo 8,00s CONCLUSÕES Os resultdos numéricos encontrdos por mos os modelos mostrrm concordânci no que se refere o comportmento d elevção d superfície livre o longo de todo o domínio de pri. A diferenç entre os resultdos se restringe à zon de rreentção, onde o modelo eulerino us um proximção pr considerr quer d ond, o psso que o modelo lgrngino trt tmém este fenômeno segundo s equções de conservção e trnsporte de energi, com o emprego d modelgem LES pr turulênci. Apesr dos resultdos encontrdos pelo modelo lgrngino serem os mis coerentes com físic do prolem em todo o domínio estuddo, estes devem ser confrontdos com ddos medidos ou provenientes de soluções nlítics pr melhor vlição d solução numéric otid. REFERÊNCIAS BATCHELOR, G. K. An Introduction to Fluid Dynmics. 3rd ed. Cmridge: Cmridge University Press, 000. BUI, H. H.; SAKO, K.; FUKAGAWA, R. Numericl simultion of soil-wter interction using smoothed prticle hydrodynmics (SPH) method. Journl Terrmechnics, v. 44, n. 5, p , Nov CHEN, Q.; KIRBY, J. T.; DALRYMPLE, R. A.; KENNEDY, A. B.; CHAWLA, A. Boussinesq Modeling of Wve Trnsformtion, Breking, nd Runup. II: D. Journl of Wterwy, Port, Costl, nd Ocen Engineering, v. 6, n., Jn CHEN, Q.; KIRBY, J. T.; DALRYMPLE, R. A.; WEI, F.; 03

14 RBRH vol. 0 n o. Porto Alegre jn./mr. 05 p THOMTON, E. B. Boussinesq Modeling of Longshore Currents. Journl of Geophysicl Reserch, v. 08, n. C, 336, p. -8, Nov CLEARY, P. W.; PRAKASH, M. Discrete-element modelling nd smoothed prticle hydrodynmics: potentil in the environmentl sciences. Philosophicl Trnsctions. Serie A, mthemticl, physicl nd engineering sciences, v. 36, n. 8, p , Sept COURANT, R.; FRIEDRICHS, K.; LEWY, H. On the prtil difference equtions of mthemticl physics. IBM Journl, v., p. 5-34, Mr GHAZALI, J. N.; KAMSIN, A. A rel time simultion nd modeling of flood hzrd. In: th WSEAS INTERNATIONAL CONFERENCE ON SYSTEMS,., 008, Herklion, Greece. Proceedings... [S.l.: s.n.], 008. GINGOLD, R. A.; MONAGHAN, J. J. Smoothed Prticle Hydrodynmics: Theory nd Appliction to Non-sphericl strs. Monthly Notices of the Royl Astronomicl Society, v. 8, p , Nov GOMEZ-GESTEIRA, M.; DALRYMPLE, R. A. Using threedimensionl smoothed prticle hydrodynmics method for wve impct on tll structure. Journl of Wterwy, Port, Costl nd Ocen Engineering, v. 30, n., p , Mr./Apr GOMEZ-GESTEIRA, M.; ROGERS, B. D.; CRESPO, A. J. C.; DALRYMPLE, R. A.; NARAYANASWAMY, M.; DOMINGUEZ, J. M. SPHysics development of free surfce fluid solver Prt : Theory nd formultions. Computers & Geosciences, v. 48, p , Nov. 0. GOMEZ-GESTEIRA, M. G.; ROGERS, B. D.; DALRYMPLE, R. A.; CRESPO, A. J. C.; NARAYANASWAMY, M. User Guide for SPHysics Code v.0. [S.l.: s.n.], 00. HOEFEL, F. G. Formodinâmic de pris renoss oceânics: um revisão iliográfic. Itjí: Universidde do Vle do Itjí, 998. IGLESIAS, A. S.; ROJAS, L. P.; RODRIGUEZ, R. Z. Simultion of nti-roll tnks nd sloshing type prolems with smoothed prticle hydrodynmics. Ocen Engineering, v. 3, n. 8-9, p. 69-9, June 004. KELAGER, M. Lgrngin fluid dynmics using smoothed prticle hydrodynmics. Copenhgen, Denmrk: Deprtment of Computer Science, University of Copenhgen, 006. KENNEDY, A. B.; CHEN, Q.; KIRBY, J. T.; DALRYMPLE, R. A. Boussinesq Modeling of Wve Trnsformtion, Breking, nd Runup. I: D. Journl of Wterwy, Port, Costl, nd Ocen Engineering, v. 6, n., p , Jn KIRBY, J. T.; LONG, W.; SHI, F. FUNWAVE.0: Fully Nonliner Boussinesq Wve Model on Curviliner Coordintes. Prt I. Model Formultions. Newrk, Delwre: University of Delwre, Center for Applied Costl Reserch, Dept. of Civil & Environmentl Engineering, 005. KIRBY, J. T.; LONG, W.; SHI, F. FUNWAVE.0: Fully Nonliner Boussinesq Wve Model on Curviliner Coordintes. Prt II. User s Mnul. University of Delwre, Center for Applied Costl Reserch, Dept. of Civil & Environmentl Engineering. Newrk, Delwre, 005. LIU, M. B.; LIU, G. R. Smoothed prticle hydrodynmic. A Meshfree Prticle Method. Singpore: World Scientific, 003. LIU, M. B.; LIU, G. R. Smoothed Prticle Hydrodynmics (SPH): n Overview nd Recent Developments. Archives of Computtionl Methods in Engineering, v. 7, n., p. 5-76, Mr. 00. LIU, M. B.; LIU, G. R.; LAM, K. Y. Constructing smoothing functions in smoothed prticle hydrodynmics with pplictions. Journl of Computtionl nd Applied Mthemtics, v. 55, n., p , June 003. LO, Y. M. E.; SHAO, S. Simultion of ner-shore solitry wve mechnics y n incompressile SPH method. Applied Ocen Reserch, v. 4, n. 5, p , Oct. 00. LUCY, L. B. Numericl pproch to testing the fission hypothesis. Astronomicl Journl, v. 8, p , Dec MOHAMMAD, B.; PIRONNEAU, O. Anlysis of the k-epsilon Turulence Model. Msson, Pris: RAM: Reserch in Applied Mthemtics, 994. MONAGHAN, J. J. Simulting free surfce flows with SPH. Journl of Computtionl Physics, v. 0, n., p , Fe MORRIS, J. P.; FOX, P. J.; ZHU, Y. Modeling Low Reynolds Numer Incompressile Flows Using SPH. Journl of Computtionl Physics, v. 36, n., p. 4-6, Sept MULLER, M.; CHARIPAR, D.; GROSS, M. Prticle_Bsed Fluid Simultion for Interctive Applictions. In: EUROGRAPHICS/ SIGGRAPH SYMPOSIUM ON COMPUTER ANIMATION, 003, Sn Diego. Proceedings [S.l.: s.n.], 003. NARAYANASWAMY, M.; CRESPO, A. J. C.; GOMEZ- GESTEIRA, M.; DALRYMPLE, R. A. SPHysics-FUNWAVE hyrid model for costl wve propgtion. Journl of Hydrulic Reserch, v. 48, p , 00. Supplement. NWOGU, O. Alterntive form of the Boussinesq equtions for nershore wve propgtion. of Wterwy, Port, Costl, nd Ocen Engineering, v. 9, n. 6, p , Nov./Dec

15 Frg Filho et l.: Estudo numérico d propgção de onds em pris plns utilizndo os modelos Lgrngino sem mlhs e Eulerino NWOGU, O. G. Numericl Prediction of Breking Wves nd Currents with Boussinesq Model. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON COASTAL ENGINEERING, ICCE 96, 5., 996, Orlndo. Proceedings [S.l.: s.n.], 996. v. 4, p PAIVA, A.; PETRONETTO, F.; LEWINER, T.; TAVARES, G. Prticle-sed viscoplstic fluid/solid simultion. Computer Aided Design, v. 4, n. 4, p , 009. PEREGRINE, D. H. Surf Zone Currents. Theoreticl nd Computtionl Fluid Dynmics, v. 0, n. -4, p , Jn PETRONETTO, F.; PAIVA, A.; LAGE, M.; TAVARES, G.; LOPES, H.; LEWINER, T. Meshless Helmholtz-Hodge Decomposition. IEEE Trnsctions on Visuliztion nd Computer Grphics, v. 6, n., p , Mr./Apr. 00. SHAO, S. Incompressile SPH simultion of wve reking nd overtopping with turulence modelling. Interntionl Journl for Numericl Methods Fluids, v. 50, n. 5, p , Fe SHAO, S. D.; GOTOH, H. Simulting coupled motion of progressive wve nd floting curtin wll y SPH-LES model. Costl Engineering Journl, v. 46, n., p. 7-0, June 004. VASCO, J. R. G.; MACIEL, G. F.; MINUSSI, C. R. Gerção de Onds Solitáris com o Método SPH. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, 0., 03, Bento Gonçlves, RS. Anis... [S.l.]: ABRH, 03. VASCO, J. R. G.; MACIEL, G. F.; MINUSSI, C. R. Um Introdução às Técnics Lgrngens: Um Aplicção do Método SPH Prolems de Engenhri. RBRH: revist rsileir de recursos hídricos, v. 6, n., p. 67-8, 0. VIOLEAU, D.; BUVAT, C.; ABED-MERAIM, K.; DE NANTEUIL, E. Numericl modelling of oom nd oil spill with SPH. Costl Engineering, v. 54, p , 007. WEI, G.; KIRBY, J. T.; GRILLI, S. T.; SUBRAMANYA, R. A Fully nonliner Boussinesq Model Equtions for Surfce Wves. I. Highly Nonliner, Unstedy Wves. Journl of Fluid Mechnics, v. 94, p. 7-9, July

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Salto em distância. Definições de Biomecânica Áreas de atuação da Biomecânica. Definições de Biomecânica

Salto em distância. Definições de Biomecânica Áreas de atuação da Biomecânica. Definições de Biomecânica Aul : Introdução Biomecânic Exemplos Definições de Biomecânic Áres de tução d Biomecânic Slto em distânci Exemplos Imgens extríds do l. de iofísic d usp http://www.usp.r/eef/lo/ Definições de Biomecânic

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos 1 9 Modelgem Mtemátic de Sistems Eletromecânicos 1 INTRODUÇÃO Veremos, seguir, modelgem mtemátic de sistems eletromecânicos, ou sej, sistems que trtm d conversão de energi eletromgnétic em energi mecânic

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Métodos de Análise do Comportamento Sísmico de Muros de Gravidade

Métodos de Análise do Comportamento Sísmico de Muros de Gravidade Métodos de Análise do Comportmento Sísmico de Muros de Grvidde Tni B. Ubillús Deprtmento de Engenhri Civil Pontifíci Universidde Ctólic do Rio de Jneiro, Rio de Jneiro, Brsil, bustmnte@luno.puc-rio.br

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP Curso Básico de Fotogrmetri Digitl e Sistem LIDAR Irineu d Silv EESC - USP Bses Fundmentis d Fotogrmetri Divisão d fotogrmetri: A fotogrmetri pode ser dividid em 4 áres: Fotogrmetri Geométric; Fotogrmetri

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

Equivalência Estrutural

Equivalência Estrutural Equivlênci Estruturl Jefferson Elert Simões sedo nos rtigos: Structurl Equivlence of Individuls in Socil Networks (Lorrin & White, 1971) Structurl Equivlence: Mening nd Definition, Computtion nd ppliction

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Circuitos simples em corrente contínua resistores

Circuitos simples em corrente contínua resistores Circuitos simples em corrente contínu resistores - Conceitos relciondos esistênci elétric, corrente elétric, tensão elétric, tolerânci, ssocição em série e prlelo, desvio, propgção de erro. Ojetivos Fmilirizr-se

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Anlític e Álger Liner 8. Mtrizes Introdução As mtrizes estão presentes no nosso cotidino ds forms mis vrids. No entnto, em gerl não perceemos presenç dels, pois estão envolvids em certos prelhos

Leia mais

Aula 4 Movimento em duas e três dimensões. Física Geral I F -128

Aula 4 Movimento em duas e três dimensões. Física Geral I F -128 Aul 4 Moimento em dus e três dimensões Físic Gerl I F -18 F18 o Semestre de 1 1 Moimento em D e 3D Cinemátic em D e 3D Eemplos de moimentos D e 3D Acelerção constnte - celerção d gridde Moimento circulr

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida. 9 ENSINO 9-º no Mtemátic FUNDMENTL tividdes complementres Este mteril é um complemento d obr Mtemátic 9 Pr Viver Juntos. Reprodução permitid somente pr uso escolr. Vend proibid. Smuel Csl Cpítulo 6 Rzões

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Análise linear elástica por elementos finitos 3D de um corpo com fenda

Análise linear elástica por elementos finitos 3D de um corpo com fenda Vol. 17, 3, 317 333 (2001) Revist Interncionl de Métodos Numéricos pr Cálculo y Diseño en Ingenierí Análise liner elástic por elementos finitos 3D de um corpo com fend Fernndo V. Antunes, Nuno Rilo e José

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em:

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em: Universidde Slvdor UNIFAS ursos de Engenhri álculo IV Prof: Il Reouçs Freire álculo Vetoril Texto 4: Integris de Linh Até gor considermos três tipos de integris em coordends retngulres: s integris simples,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Impacto da topografia boreal no clima global: Estudo da influência sobre os oceanos

Impacto da topografia boreal no clima global: Estudo da influência sobre os oceanos Impcto d topogrfi orel no clim glol: Estudo d influênci sore os ocenos Rose Ane Pereir de Freits 1, Thomé Simplicino Almeid 1, Cmilo Lelis de Gouvei 1, Jéferson Prietsch Mchdo 1, Ntáli Rento 1 & Flávio

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. x é. O valor do limite. lim x B) 1 E) 1 2ª QUESTÃO. O valor do limite. lim A) 0 B) 1 C) 2 D) 3 E) 4

MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. x é. O valor do limite. lim x B) 1 E) 1 2ª QUESTÃO. O valor do limite. lim A) 0 B) 1 C) 2 D) 3 E) 4 MATEMÁTICA ª QUESTÃO O vlor do limite lim x 0 x x é A) B) C) D) 0 E) ª QUESTÃO O vlor do limite x 4 lim x x x é A) 0 B) C) D) E) 4 ª QUESTÃO Um equção d ret tngente o gráfico d função f ( x) x x no ponto

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidde Federl d Bhi Instituto de Mtemátic DISCIPLINA: MATA0 - CÁLCULO B UNIDADE II - LISTA DE EXERCÍCIOS Atulizd 008. Coordends Polres [1] Ddos os pontos P 1 (, 5π ), P (, 0 ), P ( 1, π ), P 4(, 15

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Débor Mr Coelho Sntigo Rodolfo Cbrl d Cunh Ferrment Computcionl pr Cálculos de Impedâncis Crcterístics, Funções de Propgção e Impedâncis de Seqüêncis

Leia mais

CURVATURAS: MEDIDAS E COMPARAÇÃO COM MODELOS GEOMÉTRICOS

CURVATURAS: MEDIDAS E COMPARAÇÃO COM MODELOS GEOMÉTRICOS doi: 0.4/tmm.0050007 CURVTURS: MEDIDS E COMPRÇÃO COM MODELOS GEOMÉTRICOS Gláucio Sores d Fonsec Fbin Pinto Miguel ugusto Pulo Rngel Rios Resumo curvtur médi do contorno de grão, curvtur médi ds rests do

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico Influênci d Remoção dos Extrtivos de Resíduos de Mdeirs no Seu Poder Clorífico T. Rossi, L. F. de Mour, P. R. Torquto c, J. O. Brito d. University of São Pulo, Pircic, ticine@usp.r. University of São Pulo,

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial Cpítulo 9 Integrção Numéric 9. Introdução A integrção numéric é o processo computcionl cpz de produzir um vlor numérico pr integrl de um função sobre um determindo conjunto. El difere do processo de ntidiferencição,

Leia mais