Construção e montagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construção e montagem"

Transcrição

1 Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic, constituíd por perfis principis e secundários. As junts de diltção estruturis dos prédios devem ser ssumids. No cso de tetos extensos devem ser prevists junts de diltção cd 15 m ou em áres de tetos muito estreits (p. ex. no cso de estreitmentos por vnços de predes). Nos encontros ds chps de gesso com elementos construtivos de outros mteriis, especilmente poios ou elementos emutidos que desenvolvm clor, como lumináris, deverão ser prevists junts elástics ou móveis. Montgem Estrutur Ancorgem d fixção, qundo o teto originl for de mdeir, devem ser utilizdos prfusos utoperfurntes pr fixção do tirnte. Qundo o teto originl for de concreto rmdo devem ser utilizdos elementos de ncorgem específicos pr concreto (uchs). Suspensos com suporte niveldor, elementos de multifunção ou suporte pr perfis/mdeir. Distncimentos ds fixções nos tetos originis: ver tels. Conectr os perfis principis e secundários com suporte n ltur previst. Pode-se regulr fixção do suporte niveldor com tirnte. Ligr os perfis principis e secundários por meio de suporte de conexão ou elemento multifunção. Distânci entre eixos dos perfis principis e secundários: ver tel. Encontro com prede com gui pr teto 20/30: efetur com os meios de fixção dequdos o respectivo mteril. Instlção ds chps A instlção ds chps de gesso é feit em sentido trnsversl os dos perfis principis (unidirecionl) ou secundários (idirecionl). As junts ds ords trnsversis ficm desencontrds por pelo menos 400 e são executds sore os perfis. Inicir fixção ds chps de gesso pelos seus centros ou pelos seus cntos, fim de evitr deformções. As chps de gesso são pertds contr os perfis. Aprfusá-ls com prfusos utoperfurntes de 25 com espçmento 170. Instlção de dus chps No cso d instlção de dus cmds de chps, montr com junts desencontrds. Preencher s junts d primeir cmd de chps e fzer cmento n segund. As distâncis entre s fixções d primeir cmd de chps podem ser umentds té 500, desde que segund cmd de chps (12,5 ) sej plicd imeditmente em seguid (no mesmo di de trlho) com prfusos utoperfurntes de 35. Fixção de crgs em tetos de chps de gesso Lumináris, trilhos de cortins e similres podem ser fixdos às chps de gesso com uchs especiis pr est fin-lidde. Crgs individuis plicds diretmente n chp de gesso não devem exceder 0,06 kn por distânci entre eixos dos perfis principis ou secundários e por metro. Crgs cim deste vlor são considerds crgs dicionis e devem ser consultds no digrm d págin 2, qundo são suportds pelo perfil. Em todos os demis csos fixr s crgs dicionis diretmente o teto originl. Trtmento de junts Aplicr mss pr junts Knuf ns ords reixds ds chps de gesso. O mesmo procedimento deve ser seguido ns ords cortds. Corir tmém s ceçs dos prfusos No cso de dus cmds de chps, preencher s junts d primeir cmd de chp e fzer cmento n segund. A mss pr junts só deverá ser plicd qundo não mis forem esperds lterções nos comprimentos ds chps de gesso, cusds p. ex. por vrições d tempe-rtur ou d umidde. Pr colocção d mss pr junts, tempertur não deverá ser inferior ± 10 C. Trtmento d superfície Antes de plicr pinturs/coerturs é necessário plicr um imprimção n chp de gesso. A imprimção deverá corresponder à pintur/coertur ser dd. Ns chps de gesso podem ser plicds s seguintes coerturs: Pinturs: tints dispersivs sintétics lváveis e resistentes limpez, tints com efeito multicor, tints óleo, tints foscs, tints à se de resins lquídics, tints à se de poliuretnos (PUR), tints de resin de polimerizção, tints epóxi (EP). Texturs: texturs crílics, à se de resins ou texturs minerlizds. Tints à se de cl e silicto não são dequds pr coertur de chps de gesso. Tints dispersivs à se de silictos podem ser utilizds desde que oservem s recomendções e s instruções do fricnte. ADÁBLIOS Knuf do Brsil Rio de Jneiro Tel.: (0xx21) Fx: (0xx21) Knuf n Internet: SAK Serviço de Atendimento Knuf: Modificções técnics reservds. Crcterístics construtivs, estátics e construtivos físicos somente poderão ser lcnçdos com utilizção exclusiv de componentes do sistem Knuf ou produtos exclusivmente recomenddos pel Knuf. As informções sore consumo, quntiddes e execução são vlores decorrentes d experiênci e podem vrir conforme condição rel encontrd. Todos os direitos reservdos. Modificções, reimpressões e reproduções fotomecânics, mesmo prciis, exigem utorizção express d empres Ger. Knuf Westdeutsche Gipswerke, PF 10, D Iphofen. SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO A SECO Edição: Agosto 2002 D11/port./BR/08.02/FB/D

2 Tetos D11 Tetos Knuf Knuf, primeir no segmento receer certificção ISO 9002 Teto Knuf, com perfil principl e chp de gesso Teto Knuf, com perfis principis e secundários e chp de gesso SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO A SECO

3 Ddos Técnicos D11 Altur mínim de fixção = Som de fixção e/ou perfis e espessur d chp Sistem Suporte Estrutur Espessur ds Chps fixdo direto Suporte niveldor com tirnte Suporte pr mdeir Perfil pr teto x h Altur totl em 47 17,5 12,5 15 2x12,5 76, x17,5 17,5 Perfis principl e secundário 76, x17,5 47x17,5 35 Exemplo do cálculo: D 112 com suporte pr mdeir (0 ), perfil principl (17,5 ) e espessur ds chps (2 x 12,5 ) = 42,5 ~45 de ltur mínim de fixção do teto. Peso do teto ( kg/m 2 ) Peso dos tetos O peso do teto determin s distâncis entre os perfis e entre s fixções 50 Clsse de crg (kn/m 2 ) 0,15 0,15 < p 0,30 0,30 < p 0, ,5 9, , (2x12,5) Espessur totl ds chps d () 2 A tel cim inform os pesos do teto, inclusive perfis, todvi não consider o peso ds firs mineris. Crgs dicionis umentm o peso totl d superfície do teto. Neste cso deve-se verificr necessidde de diminuir distânci entre os eixos dos perfis. No cso de crgs dicionis plicds n superfície, p. ex., com mteriis isolntes, deve-se deslocr ret pr cim pel medid d crg dicionl plicd à superfície. Exemplo: Um teto com um chp 12,5 correponde ind à clsse de crg 0,15 kn/m 2. A plicção de um cmd de lã de vidro de 100 com um outr densidde rut de ±30kg/m 3 correspondente um crg dicionl d superfície de 3 kg/m 2. O deslocmento d ret 3 uniddes pr cim conduz à clsse de crg 0,15-0,30 kn/m 2 e, ssim, outrs distâncis entre os perfis pr teto.

4 Consumo de mteriis/isolmento cústico Mteriis por m 2 teto sem dicionl por perd ou recortes. As quntiddes referem-se um áre de teto de 10 m x 10 m = 100 m 2 Denominção do mteril Unidde Chps de gesso Perfis principl e secundário 12,5 15 2x12,5 12,5 15 2x12,5 Sistem D 112 estrutur metálic Ligção à prede Gui pr teto 20/30/0,5 m 0,4 Fixção n prede originl: mteril de fixção proprido pç 0,8 Estrutur Fixção no teto: mteril de fixção proprido pç 2,3 1,3 1,5 (fixdo diretmente) 0,4 kn ou pç 2,3 1,3 1,5 Suporte niveldor 0,25 kn com tirnte pç 2,3 1,3 1,5 ou Suporte pr perfis/mdeir 0,4 kn pç 2,3 1,3 1,5 Prfuso de metl 3,5x9 (pr fixção em perfil pr teto) pç 4,6 2,6 3,0 Perfil pr teto 47/17,5/0,6 m 2,1 3,2 3,2 Conector de perfil pr teto pç 0,4 0,6 0,6 Elementos multifunção ou pç - 2,3 2,3 ou Suporte de conexão pç - 4,6 4,6 Prfuso pr fixção de chps Prfuso utoperfurnte 25 pç Prfuso utoperfurnte 35 pç Instlção de chps e trtmento de junts Instlção ds chps Knuf Chps stndrd ST, 1,20 m de lrgur, 12,5 ou ou Chps resistente à umidde RU, 1,20 m de lrgur, 12,5 m 2 1,0-2,0 1,0-2,0 Chps stndrd ST, 1,20 m de lrgur, 15 m 2-1, ,0 - Trtmento de junts Mss pr trtmento de junts (em pó) kg 0,3 0,3 0,5 0,3 0,3 0,5 Fit pr junts m 1,4 Fit pr proteção m 0,4 Medid cústic com trnsmissão pelos flncos em tetos Knuf Teto Knuf com chp de gesso D 112 Espessur Altur d Isolmento cústico ds chps fixção R L,w,R 1(d) Espessur lã de roch/vidro d h sem isolmento ) Vlor R L,w,R 55 db: chps de gesso do teto seprds no encontro d prede montd , x 12, Medid cústic com trnsmissão pelos flncos em ljes e predes mciçs Mss por áre/m 2 h d Predes mciçs Tetos mciços

5 Teto Knuf com chp de gesso Estrutur metálic/ c. 100 Distânci entre eixos Perfis principis mx. 100 Distânci Fixções/uchs Suporte pr perfis/mdeir 0,4 kn* 0,4 kn* 0,25 kn* Suporte pr perfis/mdeir conforme ltur de montgem necessári ou: fixdo diretmente Suporte niveldor com tirnte * Cpcidde de suporte cortr ou dorr Construção Distânci Distânci entre eixos Fixções/uch Perfis principis 4 fixdo diretmente ou suspenso Peso do teto Distânci Fixções/uch Clsse de crg -pkn/m 2 0, ,15-p 0, ,30-p 0, Espessur d chp Distânci entre eixos Perfis principis Tipo Espessur Trnsversl Longitudinl Stndrd ST 12,5 15 2x12,

6 Teto Knuf com chp de gesso Estrutur metálic/ c. 100 Revestimento direto W611 ou reoco Gui pr teto Suporte niveldor com tirnte Revestimento direto W611 ou reoco Prfuso com uch Suporte niveldor com tirnte Fit pr proteção Mss pr fixção Chps de gesso Fit pr proteção 100 Prfuso utoperfurnte 25 Prfuso utoperfurnte 35 Encontro à prede Encontro à prede fixdo diretmente té 0,4 kn Fit pr junts Junt d ord trnsversl Chps de gesso Fit pr junts Elemento multifunção Junt d ord longitudinl Suporte niveldor com tirnte Suporte niveldor com tirnte té 0,25 kn Suporte niveldor com tirnte Junt d ord trnsversl Fit pr junts Fit pr junts Junt d ord longitudinl Suporte pr perfis/mdeir té 0,4 kn Prfuso utoperfurnte 35 Suporte pr perfis/mdeir fixr o perfil com prfuso 3,5x9 Fit pr junts Junt d ord trnsversl Junt d ord longitudinl Suporte pr perfis/mdeir fixr o perfil com prfuso 3,5x9 5

7 Teto Knuf com chp de gesso Estrutur metálic/perfis principis e secundários 1/3 Distânci entre eixos Perfis principis c C.100 Distânci Fixções/uchs máx. 100 Distânci entre eixos Perfis secundários e secundário Suporte pr perifs/mdeir 0,4 kn* 0,4 kn* 0,25 kn* fixdo diretmente Suporte niveldor com tirnte Suporte pr perfis/mdeir conforme ltur de montgem necessári ou: 0,25 kn* 0,25 kn* Suporte de conexão *Cpcidde de suporte Cortr ou dorr Construção Distânci Distânci entre eixos Distânci entre eixos c Fixções/uch Perfis principis Perfis principis 6 e secundário fixdo diretmente ou suspenso Peso do teto Distânci Fixções/uch Clsse de crg -pkn/m 2 0, ,15-p 0, ,30-p 0, Peso do teto c Distânci entre eixos Perfis principis Clsse de crg -pkn/m 2 0, ,15-p 0, ,30-p 0, Espessur d chp Distânci entre eixos Perfis secundários Tipo Espessur Trnsversl Longitudinl 12,5 Stndrd 15 ST 2x12,

8 Teto Knuf com chp de gesso Estrutur metálic/perfis principis e secundários c. 100 Revestimento direto W611 ou reoco Suporte niveldor com tirnte Perfis principis e secundários 1/3 Revestimento direto W611 ou reoco Suporte niveldor com tirnte Fit pr proteção Mss pr fixção Fit pr proteção 100 Prfuso utoperfurnte 35 Encontro com prede Encontro com prede fixdo diretmente té 0,4 kn Suporte de conexão Fit pr junts Junt d ord longitudinl Suporte de conexão Junt d ord trnsversl Suporte niveldor com tirnte té 0,25 kn Suporte niveldor com tirnte té 0,25 kn Suporte niveldor com tirnte Fit pr junts Junt d ord longitudinl Fit pr junts Junt d ord trnsversl Suporte pr perfis/mdeir té 0,4 kn Prfuso utoperfurnte 35 Suporte pr perfis/mdeir fixr o perfil com prfuso 3,5x9 Junt d ord longitudinl Junt d ord trnsversl Suporte pr perfis/mdeir fixr o perfil com prfuso 3,5x9 7

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5 Identificção: A1.N2 Revisão: 03 Folh: 1 / 5 Função do Elemento Pinéis Arquitetônicos (item b1 do requisito Pilres, Vis, Pórticos, Terçs e Escds (itens b2, b3 e b4 do requisito Ljes Armds ou Protendids

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

COBERTURAS. Ficha Técnica 01. Nomenclatura. Tipos

COBERTURAS. Ficha Técnica 01. Nomenclatura. Tipos Fich Técnic 01 COBERTURAS Nomencltur 1 Pendente 2 Cumeeir 3 Rincão 4 Tcniç 5 Lró 6 Bordo lterl de empen 7 Alpendre 8 Beir 8b Beirdo 9 Empen 10 Linh de máxim pendente Tipos Telhdo de um águ Telhdo de qutro

Leia mais

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA TELHAS PÓSPINTADAS ACESSÓRIOS PARA COBERTURA TELHA POLICARBONATO PAINEL

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas Distriuidor Ltd A entreg mis rápid e onfiável de Cmpins Ru José Gonçlves Mhdo, 132, Vil Elz Cmpins-SP - CEP: 141-5 Fone/Fx: (1) 3232-7 VIVO: (1) 1-546 ID:7* E-mil: eometl@eometl.om.r CECOMETAL Distriuidor

Leia mais

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si.

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si. 7 Fundções 7.1 Spts 7.1.1 Spts Corrids 7.1.1.1 Introdução A spt corrid é normlmente utilizd como poio direto de predes, muros, e de pilres linhdos, próximos entre si. pilres vig de rigidez spt corrid )

Leia mais

CAIXA METÁLICA PADRÃO "A"

CAIXA METÁLICA PADRÃO A CIX METÁLIC PDRÃO "" o adquirir o material para executar a sua ligação de água, fique atento às especificações definidas pela Saneago para a Caixa Metálica Padrão. Caixas metálicas fora do padrão especificado

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas.

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Folheto Técnico 01 / 2015 Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Flexboard Flexboard é a mais delgada chapa Knauf Drywall, desenvolvida especialmente para permitir

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS Eivil Secção de Mecânic Estruturl e Estruturs MEÂNI I ENUNIOS E ROLEMS Fevereiro de 2010 ÍTULO 3 ROLEM 3.1 onsidere plc em form de L, que fz prte d fundção em ensoleirmento gerl de um edifício, e que está

Leia mais

ONDULADA. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ONDULADA. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ONDULADA www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernndes Coelho, 85-8º nd. - São Pulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Verstilidde e resistênci tod prov. A telh Onduld é um produto de grnde

Leia mais

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-8

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-8 Construção de vrnds e terrços Vrintes 1-8 Construção de vrnds e de terrços Estrutur de construção 1 Construção de pvimentos com Schlüter -DITRA 25 Conjunto impermeável Descoplmento conjunto Compensção

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço 2º. Teste de Introdução à Mecânic dos Sólidos Engenhri Mecânic 25/09/2008 25 Pontos 1ª. Questão: eterminr os digrms de esforços solicitntes d Vig i-poid com blnço bixo. 40kN 30 0 150 kn 60 kn/m 3 m 2 m

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

PORTA MOLDES COM MEDIDAS ESPECIAS, SOB ENCOMENDA OU ENVIAR DESENHO AO DEPARTAMENTO TÉCNICO.

PORTA MOLDES COM MEDIDAS ESPECIAS, SOB ENCOMENDA OU ENVIAR DESENHO AO DEPARTAMENTO TÉCNICO. PORT MOLDES Informações Gerais DEFINIÇÃO D SÉRIE: PR ESCOLH D SÉRIE, DEVE-SE CONSIDERR ÁRE ÚTIL DE EXTRÇÃO ESTUDNDO S DIMENSÕES, NÚMERO DE CVIDDES E COMPLEXIDDE D PEÇ SER INJETD DEFINIÇÃO D MONTGEM: S

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS.

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS. LIST N3 FLEXÃO E TENSÕES NORMIS. Nos problems que se seguem, desprer o peso próprio (p.p.) d estrutur, menos qundo dito explicitmente o contrário. FÓRMUL GERL D FLEXÃO,: eixos centris principis M G N M

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO FLAMBAGEM POR FLEXÃO FLAMBAGEM POR TORÇÃO FLAMBAGEM POR FLEXO-TORÇÃO FLAMBAGEM LATERAL FLAMBAGEM

Leia mais

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA TELHAS PÓSPINTADAS ACESSÓRIOS PARA COBERTURA PERFIS ESTRUTURAIS nndmetis.com.r

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

Telhas galvanizadas Telhas galvalume Telhas Pintadas Telhas Termoacústicas. a n a n d a m e t a i s. c o m. b r

Telhas galvanizadas Telhas galvalume Telhas Pintadas Telhas Termoacústicas. a n a n d a m e t a i s. c o m. b r Telhs glvnizds Telhs glvlume Telhs Pintds Telhs Termocústics n n d m e t i s. c o m. r MATÉRIAPRIMA AÇO GALVANIZADO A glvnizção é um dos processos mis efetivos e econômicos empregdos pr proteger o ço contr

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

Seções mistas em vigas

Seções mistas em vigas ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Regulmentção Estrutur mist elementos estruturis (ljes, vigs, pilres e ligções) seções mists ço-concreto. Seções mists em vigs Seções mists em pilres Ljes

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidde Estdul do Sudoeste d Bhi Deprtmento de Estudos Básicos e Instrumentis 3 Vetores Físic I Prof. Roberto Cludino Ferreir 1 ÍNDICE 1. Grndez Vetoril; 2. O que é um vetor; 3. Representção de um

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O - A G O S T O 2 0 1 0

ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O - A G O S T O 2 0 1 0 C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O A G O S T O 0 0 AGOSTO.00 ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC ( ) CASA DA MÚSICA * A IMPORTÂNCIA DO SILÊNCIO ( ) *

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Knauf Folheto Técnico 06/2011

Knauf Folheto Técnico 06/2011 Knauf Folheto Técnico 06/2011 Tetos e Forros Removíveis Knauf Soluções à altura de sua criatividade Acabamento impecável, facilidade de uso e rapidez de instalação que elevam a qualidade e o conforto dos

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Guarde esse manual ele pode servir para futuras consultas em caso de avarias, lembrando que nossos móveis tem garantia de 2 anos.

Guarde esse manual ele pode servir para futuras consultas em caso de avarias, lembrando que nossos móveis tem garantia de 2 anos. ERÇO & CM Luis XVII Tel L.35 /.20 / P. 8,5 cm Gurde esse mnul ele pode servir pr futurs consults em cso de vris, lemrndo que nossos móveis tem grnti de 2 nos. Pr segurnç do seu eê, lei com muit tenção

Leia mais

14. Geradores de Vapor

14. Geradores de Vapor 14. Gerdores de Vpor 14.1. Introdução Equipmento destindo à produção de por. O por gerdo pode ser utilizdo pr diersos fins: quecimento, processos industriis, como fluido de trblho em máquins motors. Pr

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

T E L H A S M E T Á L I C A S. Catálogo Técnico

T E L H A S M E T Á L I C A S. Catálogo Técnico T E L H A S M E T Á L I C A S Ctálogo Ténio T E L H A S M E T Á L I C A S Visndo ofereer informções e orientções pr o melhor proveitmento dos produtos d Linh Metáli, Eternit elorou este tálogo ténio. Nele

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS. Modelo 100/110/120/140. Veda Porta Automático. Utilização:

INFORMAÇÕES TÉCNICAS. Modelo 100/110/120/140. Veda Porta Automático. Utilização: INFORMAÇÕES TÉCNICAS Ved Port Automático Modelo 100/110/120/140 1 Utilizção: Utilizção em port com ertur à direit ou à esquerd. Regulgem por meio do otão ciondor. Acionmento unilterl, ldo d dordiç ou pivot

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING LINHA E PROUTOS Somos um empres especilizd n comercilizção de ferrgens pr embrcções e cessórios pr mrrção e elevção de crgs. Com o objetivo de fcilitr utilizção do nosso ctálogo, clssificmos nossos produtos

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

TC17 LARGA Ondulada. ESPESSURA (mm) 0,35 0,43 0,50 0,65 08,0 3,36 4,13 4,80 6,24 7,68 3,43 4,21 4,89 6,37 7,84. L - DISTÂNCIA ENTRE APOIOS (mm)

TC17 LARGA Ondulada. ESPESSURA (mm) 0,35 0,43 0,50 0,65 08,0 3,36 4,13 4,80 6,24 7,68 3,43 4,21 4,89 6,37 7,84. L - DISTÂNCIA ENTRE APOIOS (mm) TC17 ARGA Onduld Telhs metális em ço, om inompráveis vntgens às onvenionis, presentndo-se omo um solução rquitetôni segur. Isto signifi eonomi de tempo n onstrução e minimizção dos ustos glois ns opções

Leia mais

Técnica de conexões pneumáticas Uniões com conexão de encaixe Série QR2-C aço nobre. Catálogo impresso

Técnica de conexões pneumáticas Uniões com conexão de encaixe Série QR2-C aço nobre. Catálogo impresso Técnic de conexões pneumátics Uniões com conexão de encixe Série QR2-C ço nobre Ctálogo impresso 2 Técnic de conexões pneumátics Uniões com conexão de encixe Série QR2-C ço nobre União ret rosc extern

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Revestimento Knauf W61 Construção As chapas Knauf gesso podem ser fi-xadas diretamente sobre a parede original, como revestimento, com massa para fixação. Os revestimentos Knauf indireto

Leia mais

07 Coordenador Edição

07 Coordenador Edição QUDRO DE INFORMÇÕES LEGEND 1 - Neem Indiano 14-P 14-P / 15 14 Eritrina icolor, rasileirinho, etc Erythrina indica picta 8 / 22 gave ranca gave ngustifolia Marginata / 18 gave Dragão gave ttenuata / 16

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

PORTUGUÊS. Instruções para ligação do cabo de 2 fios entre a unidade de controlo e o motor. m mm x 0, x 1,50

PORTUGUÊS. Instruções para ligação do cabo de 2 fios entre a unidade de controlo e o motor. m mm x 0, x 1,50 Instruções pr ligção do co de 2 fios entre unidde de controlo e o motor Fç ligção d unidde de controlo à jnel utilizndo o co proprido. Not: Consulte tel pr dimensão correct do co. Pr ligção o motor: Ver

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-CARGAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-CARGAS ESPECIFICÇÕES TÉCNICS MONT-CRGS MODELO MH ESPECIFICÇÕES TÉCNICS MONT CRGS MH /8 PLICÇÃO Transporte vertical de pequenas cargas no âmbito da Industria e do Comércio. Pode funcionar como: - Monta - pratos

Leia mais

MAXFIX RESINA DE VINILÉSTER PARA FIXAÇÃO RÁPIDA DE ANCORAGENS EM BETÃO E ALVENARIA OCA OU MACIÇA VANTAGENS DESCRIÇÃO APLICAÇÕES

MAXFIX RESINA DE VINILÉSTER PARA FIXAÇÃO RÁPIDA DE ANCORAGENS EM BETÃO E ALVENARIA OCA OU MACIÇA VANTAGENS DESCRIÇÃO APLICAÇÕES FICHA TÉCNICA Nº.:168.01 MAXFIX -V RESINA DE VINILÉSTER PARA FIXAÇÃO RÁPIDA DE ANCORAGENS EM BETÃO E ALVENARIA OCA OU MACIÇA DESCRIÇÃO MAXFIX -V é um resin de viniléster, livre de estireno, embld em crtuchos

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2012.029 UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Alerto Nei Crvlho Cost 1 José Crlos dos Sntos 2 José Edurdo

Leia mais

Phoenix do Brasil Ltda.

Phoenix do Brasil Ltda. RESISTOR DE FIO AXIAL - AC CARACTERÍSTICAS Resistores de uso gerl Alt potênci em tmnho compcto Alto desempenho em plicções de pulso Váris opções de pré-form dos terminis Revestimento pr lt tempertur TECNOLOGIA

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Válvulas de comando de débito e de bloqueio Válvulas estranguladora Série CH01. Catálogo impresso

Válvulas de comando de débito e de bloqueio Válvulas estranguladora Série CH01. Catálogo impresso Válvuls de comndo de débito e de bloqueio Válvuls estrnguldor Ctálogo impresso 2 Válvuls de comndo de débito e de bloqueio Válvuls estrnguldor Qn = 38-2800 l/min Rosc intern - Rosc intern 3 Acessórios

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO BÁSICOS

CATÁLOGO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO BÁSICOS CTÁLOGO DE PEÇS DE REPOSIÇÃO ÁSICOS ÁSICOS ase Fácil Deca Tabela de conversão PPR, PVC E CPVC....................................................... 6 50.HD.0.PPR Registro de gaveta HD para PPR de 0 mm..................................................

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

LFS Catálogo 2014. Sistemas de condução de cabos THINK CONNECTED.

LFS Catálogo 2014. Sistemas de condução de cabos THINK CONNECTED. LFS Ctálogo 2014 Sistems de condução de cbos THINK CONNECTED. Bem-vindo o poio o cliente Telefone de ssistênci: +351 219 253 220 Fx pr questões: +351 219 151 429 Fx pr encomends: +351 219 151 429 E-mil:

Leia mais

4 AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DO DUTO

4 AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DO DUTO 56 4 AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DO DUTO Pr elborr um plno de gestão d integridde é importnte conhecer os métodos de inspeções que podem ser empregdos, critérios pr vlir criticidde ds nomlis detectds ns inspeções,

Leia mais

Série 250 Válvula de Controlo Pneumático Tipo e Tipo Válvula de Globo Tipo 3251

Série 250 Válvula de Controlo Pneumático Tipo e Tipo Válvula de Globo Tipo 3251 Série 250 Válvul de Controlo Pneumático Tipo 3251-1 e Tipo 3251-7 Válvul de Globo Tipo 3251 Aplicção Válvul de controlo pr plicções de engenhri de processos com grndes exigêncis industriis Dimensão nominl

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES ECC 1008 ESTRUTURS DE CONCRETO ESTRUTURS DE FUNDÇÕES Prof. Gerson ocyr Sisniegs lv PPEL DS FUNDÇÕES Trnsmitir s ções d suerestrutur o terreno So o secto d Segurnç: Reseitr resistênci do solo Reseitr resistênci

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos.

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos. A Lei ds Mlhs n Presenç de mpos Mgnéticos. ) Revisão d lei de Ohm, de forç eletromotriz e de cpcitores Num condutor ôhmico n presenç de um cmpo elétrico e sem outrs forçs tundo sore os portdores de crg

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli Introdução à Integrl Definid Aul 04 Mtemátic II Agronomi Prof. Dnilene Donin Berticelli Áre Desde os tempos mis ntigos os mtemáticos se preocupm com o prolem de determinr áre de um figur pln. O procedimento

Leia mais

ANEXO X.I PROJETOS DE ACESSIBILIDADE DA IES

ANEXO X.I PROJETOS DE ACESSIBILIDADE DA IES 321 Faculdade de Ciências Humanas de Pernambuco CURSO DE DMINISTRÇÃO (Reconhecido p/ Portaria nº. 26 de 3. 04. 20 - D.O.U. de 04.04.20) CURSO DE CIÊNCIS CONTÁEIS (Reconhecido pela Portaria nº 312 de 02.08.2011

Leia mais