Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo"

Transcrição

1 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236 Crcterístics 238 Rolmento com qutro pontos de contto 244 Definições e ptidões 244 Séries 244 Tolerâncis e jogos 245 Elementos de cálculo 245 Elementos de montgem 245 Sufixos 245 Crcterístics 246 Rolmentos de contto ngulr lt precisão - Gm MchLine 248 Definições e ptidões 248 Séries 248 Elementos de cálculo 249 Crcterístics 250 MchLine, rolmento-pdrão de lt precisão pr máquins-ferrments 250 MchLine, rolmento grnde velocidde de lt precisão pr máquins-ferrments 256

2 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Definição e ptidões Montdos sempre em oposição outro rolmento do mesmo tipo, permitem um grnde rigidez d montgem, especilmente qundo são pré-crregdos. Definição Giol Os rolmentos de dimensão corrente são equipdos com um giol metálic ou de mteril sintético. Nesse último cso, tempertur im em funcionmento contínuo é de 120 C (150 C em pont). Os rolmentos de grnde dimensão são equipdos com um giol de ltão usindo. Ângulo de contto Os rolmentos de esfers de contto oblíquo de precisão norml têm um ângulo de contto de 40 (sufixo B). Alguns rolmentos têm um ângulo de contto de 30. Nesse cso, o símbolo do rolmento não inclui sufixo B. Aptidões Crgs e velociddes Esses rolmentos são concebidos pr: suportr crgs combinds com componente xil predominnte F / F r 1 suportr crgs num únic direção (eles devem ser montdos em oposição os rolmentos do mesmo tipo) dmitir velociddes de rotção reltivmente elevds Defeitos de linhmento Mncl constituído por um único rolmento um ligeiro defeito de linhmento entre o eixo e o lojmento é dmissível. O seu vlor depende do jogo de montgem: de 0,10 0,15 se montgem é com jogo, 0,06 no cso de montgem pré-crregd. Mncl constituído por dois rolmentos Nesse cso, montgem é similr um rolmento com dus fileirs de esfers e os defeitos de linhmento dmissíveis são muito reduzidos, d ordem de 0,

3 Séries Vrintes Rolmentos pr emprelhmento universl (sufixo BG) Os rolmentos ds séries 72...BG, 73...BG podem ser montdos em pr pr formr um único mncl. Eles são fornecidos por unidde e o seu emprelhmento pode ser feito tnto em X, O ou Tndem. Disposição Crcterístics Fce fce ou em X (tipo DF) Ess montgem constitui um único mncl. Outro rolmento é necessário pr constituir o segundo mncl do eixo. Costs com costs ou em O (tipo DB) Bo rigidez sob torque de bsculção. Ess montgem pode, em lguns csos, grntir por el mesm fixção do eixo grçs o distncimento dos pontos de plicção d crg. Tndem (tipo DT) Pr esforços xiis muito elevdos, ms num único sentido. Ess montgem constitui um único mncl; outro rolmento deve ser montdo em oposição pr constituir o segundo mncl do eixo. Outrs vrintes permitem ter um montgem mis ou menos pré-crregd (sufixo BGL ou BGO); o seu emprego exige gerlmente um estudo prévio. Medinte solicitção, esses rolmentos são fornecidos com um mrcção do desvio xil feit no nel interior. N montgem, s mrcções dos dois rolmentos devem estr n mesm posição rdil. 233

4 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo (cont) Tolerâncis e jogos Tolerâncis Fbricdos hbitulmente n clsse norml de tolerâncis. Os rolmentos com um fileir de esfers podem ser fornecidos, medinte solicitção, ns clsses de tolerâncis 6 e 5 em tods ou certs crcterístics (furo ou desvio xil com tolerâncis 6 por exemplo). Jogo xil n montgem pr dois rolmentos seprdos Sendo esses rolmentos sempre montdos em oposição, o seu jogo interno é determindo pel regulgem do jogo xil do eixo efetudo no momento d montgem. A título indictivo, relção entre o jogo xil e o jogo rdil correspondente é dd pel fórmul: J r = 0,83 J Esses rolmentos podem ser montdos pré-crregdos, qundo se desej umentr rigidez xil de um montgem. O limite de velocidde é então reduzido e depende do vlor d pré-crg. Consultr SNR. O objetivo d regulgem de um montgem sobre dois rolmentos de esfers de contto oblíquo é justr o jogo xil, isto é, posição reltiv inicil dos néis interiores em relção os néis exteriores, pr que os rolmentos sejm posiciondos ns melhores condições de funcionmento possíveis, stisfzendo s exigêncis própris d montgem (precisão de rotção, rigidez, vibrções, quecimentos...). A regulgem é definid por um jogo xil ou por um pré-crg. A determinção d pré-crg ótim de um montgem é feit em função do cderno de encrgos d plicção (rigidez, precisão, tempertur, vibrções...). Em todos os csos, consultr SNR. As condições de montgem e de juste incidem sobre o jogo do conjunto. Os rolmentos do tipo BG têm gerlmente um jogo residul reduzido pós montgem. 234

5 Jogo xil de um conjunto BG O jogo de um conjunto (disposição em X ou em O) é definido pel ultrpssgem de d e um nel em relção o outro. Crg d e d e Furo do rolmento Vlor d ultrpssgem de em µm Clcul-se o jogo xil d montgem d seguinte mneir: jogo xil teórico médio: 2 d e redução rdil do jogo devido os justes pertdos: J r jogo xil médio d montgem: J = 2 d e - ( J r / 0,83 ) Aplicndo ess fórmul o cálculo ds tolerâncis prováveis, obtém-se um vlor mínimo do jogo próximo o jogo nulo pr um montgem clássic (pertdo sobre o eixo com um juste j6/k6 e livre no lojmento com um juste H7/J7). 235

6 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo (cont) Elementos de cálculo Vid útil Eixo montdo sobre dois rolmentos simples Crg dinâmic equivlente O equilíbrio xil do eixo depende não somente dos esforços exteriores nele plicdos, ms tmbém ds forçs induzids pels crgs rdiis plicds sobre cd rolmento. Crg estátic equivlente O seu vlor P 0 é o mior dos dois vlores obtidos prtir ds seguintes fórmuls: P 0 = F r P 0 = 0,5 F r + 0,26 F Eixo no qul um dos dois mncis é constituído de dois rolmentos emprelhdos ds séries 72...BG ou 73...BG Consider-se esse mncl como constituído de um único rolmento com dus fileirs de esfers, cujo centro O é o meio d distânci CD dos pontos de plicção ds crgs. A montgem de um eixo com um tl mncl é hiperestátic (3 pontos de poio: E, C, D) e somente pode ser comprd um montgem sobre dois mncis (pontos de poio E e O) se distânci CD for inferior L/5 e se rigidez do conjunto for corret (defeito de linhmento < 0,06 ). Em todos os demis csos, consultr SNR. C C OD D D L L L E E E 236

7 Crg dinâmic equivlente do mncl duplo (norm ISO 281) P = F r + 0,55 F se F / F r 1,14 Mncis montdos em O ou em X P = 0,57 F r + 0,93 F se F / F r > 1,14 P = F r se F / F r 1,14 Mncis em tndem P = 0,35 F r + 0,57 F se F / F r > 1,14 Cpcidde dinâmic de bse do mncl duplo Cpcidde dinâmic de bse de um conjunto de dois rolmentos idênticos emprelhdos: C e = 1,625 C Crg estátic equivlente de um mncl duplo Pr um montgem em O ou em X: P 0 = F r + 0,52 F Pr um montgem em tndem, o vlor de P0 é o mior dos dois vlores obtidos prtir ds seguintes fórmuls: P 0 = F r P 0 = 0,5 F r + 0,26 F Cpcidde estátic de bse do mncl duplo A cpcidde estátic do conjunto dos dois rolmentos idênticos é o dobro d cpcidde de um único rolmento. C 0e = 2 C 0 Sufixos A Concepção intern otimizd com giol de polimid B Ângulo de contto de 40 BG Ângulo de contto de 40 e emprelhmento universl não pré-crregdo M Giol em ltão usindo centrdo sobre s esfers 237

8 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo (cont) B r2 D d d4 r2 r2 D2 d D B C C 0 mm Referêncis mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* BA ,0 8,0 4, B ,0 9,9 5, BGA ,0 16,1 11, BA ,0 13,3 7, BGA ,0 21,6 15, B ,5 17,3 9, BGA ,6 30,5 20, BGA ,0 15,8 9, BGA ,8 42,5 30, BGA ,0 20,5 13, BGA ,0 32,5 20, BGA ,0 27,0 18, BA ,0 39,5 25, BGA ,0 39,5 25, BA ,0 32,0 23, BGA ,0 32,0 23, BGM ,0 32,0 23, BA ,0 49,5 32, BGA ,0 49,5 32, BGM ,0 46,5 29, BA ,0 36,0 26, BGA ,0 36,0 26, BGM ,0 34,5 24, BA ,0 69,0 47, BGA ,0 69,0 47, BGM ,0 56,0 36, BGA ,0 37,5 28, BGM ,0 35,5 26, BA ,0 69,0 47, BGA ,0 69,0 47, BGM ,0 69,0 47, * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 238

9 Crcterístics Rolmento com um fileir de esfers de contto oblíquo d4 mín D2 r2 Referêncis mm mm mm mm mm kg 7202 BA ,0 0,6 0,3 0, B 20,5 36,5 36,5 0,6 0,6 0, BGA 20,5 36,5 36,5 0,6 0,3 0, BA ,0 1,0 0,6 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, B ,5 1,0 0,6 0, BGA ,5 1,1 0,6 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, BGA ,0 1,1 0,6 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, BA ,0 1,5 1,0 0, BGA ,0 1,5 1,0 0, BA ,0 1,0 0,6 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, BGM ,0 1,0 0,6 0, BA ,0 1,5 1,0 0, BGA ,0 1,5 1,0 0, BGM ,0 1,5 1,0 0, BA ,0 1,0 0,6 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, BGM ,0 1,0 0,6 0, BA ,0 1,5 1,0 0, BGA ,0 1,5 1,0 0, BGM ,0 1,5 1,0 0, BGA ,0 1,0 0,6 0, BGM ,0 1,0 0,6 0, BA ,0 2,0 1,0 1, BGA ,0 2,0 1,0 1, BGM ,0 2,0 1,0 1,

10 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo (cont) B r2 D d d4 r2 r2 D2 d D B C C 0 mm Referêncis mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* BA ,0 46,5 36, BGA ,0 46,5 36, BGM ,0 44,0 33, BA ,0 79,0 56, BGA ,0 79,0 56, BGM ,0 79,0 56, BA ,0 56,0 44, BGA ,0 56,0 44, BGM ,0 54,0 41, BA ,0 90,0 65, BGA ,0 90,0 65, BGM ,0 85,0 60, BA ,5 64,0 53, BGA ,5 64,0 53, BGM ,5 61,0 49, BM ,5 61,0 49, BGA ,0 102,0 75, BGM ,0 102,0 75, BA ,0 69,0 58, BGA ,0 69,0 58, BGM ,0 66,0 54, BGA ,0 114,0 86, BGM ,0 114,0 86, BA ,0 69,0 58, BGA ,0 69,0 58, BGM ,0 69,0 58, BGM ,0 128,0 100, BGM ,0 80,0 69, BGM ,0 140,0 114, BGM ,0 90,0 80, BGM ,0 151,0 127, BGM ,0 107,0 94, BGM ,0 162,0 140, * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 240

11 Rolmento com um fileir de esfers de contto oblíquo (cont) d4 mín D2 r2 Referêncis mm mm mm mm mm kg 7211 BA ,0 1,5 1,0 0, BGA ,0 1,5 1,0 0, BGM ,0 1,5 1,0 0, BA ,0 2,0 1,0 1, BGA ,0 2,0 1,0 1, BGM ,0 2,0 1,0 1, BA ,0 1,5 1,0 0, BGA ,0 1,5 1,0 0, BGM ,0 1,5 1,0 0, BA ,0 2,1 1,0 1, BGA ,0 2,1 1,0 1, BGM ,0 2,1 1,0 1, BA ,0 1,5 1,0 1, BGA ,0 1,5 1,0 1, BGM ,0 1,5 1,0 1, BM ,0 1,5 1,0 1, BGA ,0 2,1 1,0 2, BGM ,0 2,1 1,0 2, BA ,0 1,5 1,0 1, BGA ,0 1,5 1,0 1, BGM ,0 1,5 1,0 1, BGA ,0 2,1 1,0 2, BGM ,0 2,1 1,0 2, BA ,0 1,5 1,0 1, BGA ,0 1,5 1,0 1, BGM ,0 1,5 1,0 1, BGM ,0 2,1 1,0 3, BGM ,0 2,0 1,0 1, BGM ,0 2,1 1,0 4, BGM ,0 2,0 1,0 1, BGM ,0 2,5 1,0 4, BGM ,0 2,0 1,0 2, BGM ,0 2,5 1,0 5,

12 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo (cont) B r2 D d d4 r2 r2 D2 d D B C C 0 mm Referêncis mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* BGM ,0 116,0 101, BGM ,0 172,0 154, BGM ,0 130,0 114, BGM ,0 194,0 181, BGM ,0 241,0 230, BGM ,0 154,0 144, BGM ,0 226,0 225, BGM ,0 161,0 165, BGM ,0 250,0 260, BGM ,0 177,0 180, BGM ,0 275,0 300, BGM ,0 197,0 212, BGM ,0 300,0 340, BGM ,0 225,0 255, BGM ,0 330,0 390, BGM ,0 238,0 280, BGM ,0 360,0 450, BGM ,0 265,0 325, BGM ,0 390,0 510, * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 242

13 Rolmento com um fileir de esfers de contto oblíquo (cont) d4 mín D2 r2 Referêncis mm mm mm mm mm kg 7219 BGM ,0 2,1 1,0 2, BGM ,0 2,5 1,0 6, BGM ,0 2,1 1,0 3, BGM ,0 2,5 1,0 7, BGM ,0 2,5 1,0 9, BGM ,0 2,1 1,0 4, BGM ,0 2,5 1,0 10, BGM ,0 2,1 1,0 6, BGM ,0 2,5 1,0 14, BGM ,0 2,5 1,0 6, BGM ,0 3,0 1,5 17, BGM ,0 2,5 1,0 8, BGM ,0 3,0 1,5 21, BGM ,0 2,5 1,0 11, BGM ,0 3,0 1,5 26, BGM ,0 2,5 1,0 28, BGM ,0 3,0 1,5 30, BGM ,0 3,0 1,5 35, BGM ,0 3,0 1,5 34,

14 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmento com qutro pontos de contto Definição e ptidões Os rolmentos de esfers com qutro pontos de contto suportm crgs xiis nos dois sentidos e são freqüentemente ssocidos um rolmento de contto rdil. Definição A concepção desse rolmento result d superposição teóric ds dus seções de rolmentos de contto oblíquo emprelhdos em X ou em O. Assim, curvtur ds pists é elíptic e present dus linhs de crg (ângulo de contto 35 ), o que determin qutro pontos de contto sobre s esfers. O nel interior biprtido permite um preenchimento de esfers superior os rolmentos de esfers de contto rdil. Giol A giol é gerlmente de ltão usindo centrdo sobre o nel interior ou exterior, tornndo coro de esfers solidári o nel exterior. Aptidões Crgs e velociddes Esses rolmentos são concebidos pr: suportr crgs combinds com componente xil predominnte F / F r 1,25 suportr crgs xiis ns dus direções dmitir velociddes de rotção reltivmente elevds Defeitos de linhmento A construção desses rolmentos permite-lhes somente defeitos de linhmento mínimos d ordem de 0,06. Séries QJ2 QJ3 244

15 Tolerâncis e jogos Tolerâncis Esses rolmentos são fornecidos em clsse norml de tolerâncis. Jogos Jogo xil O jogo xil não é normlizdo. Medinte solicitção, os vlores são comunicdos pel SNR. Jogo rdil A relção entre o jogo xil J e o jogo rdil J r correspondente é ddo pel fórmul proximd J r = 0,7 J Elementos de cálculo Vid útil Crg dinâmic equivlente P = F r + 0,66 F se F / F r 0,95 P = 0,6 F r + 1,07 F se F / F r > 0,95 Crg estátic equivlente P 0 = F r + 0,58 F Elementos de montgem O jogo xil desse rolmento é determindo pr um montgem clássic sobre eixo rottivo com um juste pertdo do tipo j6 ou k6. O juste do lojmento não deve ser pertdo (H7), o que result pr certs plicções n necessidde de imobilizr o nel em rotção (execução sufixo N2). Os dois semi-néis interiores devem ser pertdos xilmente contr um resslto. N miori ds plicções, esse rolmento é considerdo como um mncl simples. Ele pode às vezes ser utilizdo, grçs à distânci dos pontos de plicção ds crgs, como um mncl duplo, fzendo o ppel de dois rolmentos. Sufixos MA N2 Giol em ltão usindo centrd sobre o nel exterior Dois entlhes de imobilizção sobre o nel exterior 245

16 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmento com qutro pontos de contto (cont) B d D d3 d D B C C 0 mm Referêncis mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* 30 QJ 306 MA ,0 38, QJ 307 MA ,0 46, QJ 308 MA ,0 69, QJ 309 MA ,0 75, QJ 310 MA ,0 92, QJ 311 MA ,0 109, QJ 312 MA ,0 126, QJ 313 MA ,0 145, QJ 314 MA ,0 165, QJ 315N2 MA ,0 204, QJ 316N2 MA ,0 215, QJ 317N2 MA ,0 255, QJ 318N2 MA ,0 285, * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 246

17 Crcterístics Rolmento com qutro pontos de contto d3 mín d3 mín Referêncis mm mm mm mm mm kg QJ 306 MA 37 45,5 62,3 65 1,1 0,406 QJ 307 MA 44 50,5 68,4 71 1,5 0,550 QJ 308 MA 49 52,9 77,6 81 1,5 0,696 QJ 309 MA 54 59,2 86,7 91 1,5 1,050 QJ 310 MA , ,330 QJ 311 MA , ,675 QJ 312 MA ,1 2,200 QJ 313 MA 78 90,5 120, ,1 2,700 QJ 314 MA , ,1 3,150 QJ 315 N2 MA ,1 3,960 QJ 316 N2MA , ,1 4,500 QJ 317 N2 MA ,540 QJ 318 N2 MA ,

18 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos de contto ngulr de lt precisão d gm SNR MchLine Definição e ptidões A usingem tul integr um série complet de crcterístics que são o resultdo de um evolução e um progresso tecnológicos constntes: usingem grnde velocidde, redução dos tempos mortos, rigidez cd vez mior, vedção integrd, economi de mnutenção, As máquins mostrm desempenhos cd vez mis elevdos, num contexto onde produtividde e o respeito o mbiente devem cminhr juntos. A gm MchLine trz resposts preciss sobre todos os pontos evocdos. Séries e vrintes Alt precisão Séries SNR 71900V e 7000V, com um excelente compromisso entre os desempenhos de velocidde, rigidez, cpcidde e precisão. Série 7200G1, especilmente concebid pr tender às especificções estbelecids pels plicções, com presenç de fortes crgs predominntemente xiis. Vrintes em função do ângulo de contto (C pr 15 e H pr 25 ) e d pré-crg (bix, médi ou lt) Híbridos, com esfers de cerâmic, CH Vrinte possível pr tods s gms, tods s séries e tods s dimensões com esfers de nitreto de silício e néis de ço, combinndo, ssim, s melhores quliddes dos dois mteriis. Nível térmico reduzido e velocidde-limite umentd. Redução ds exigêncis de lubrificção com relção um rolmento "inteirmente de ço". Rigidez e vid útil nitidmente umentds. 248

19 Alt velocidde ML Fmíli constituíd pels séries e 7000, concebid e desenvolvid pel SNR pr tender às exigêncis cd vez mis severs n mecnizção de lt velocidde. Geometri dptd: redução do diâmetro ds esfers, umento do seu número e otimizção d gui d giol sobre o nel exterior. Diferentes vrintes em função do ângulo de contto (C pr 17 e H pr 25 ) e d pré-crg. Alt velocidde e vedção MLE Qundo, num fuso, não é indispensável instlr um circuito de lubrificção óleo e lubrificção com grx é suficiente, SNR present um solução tecnicmente dptd e economicmente vntjos, utilizndo n montgem rolmentos d fmíli MLE, constituíd pels séries e Junts de nitrilo fixds sobre o nel exterior, sem contto com o nel interior, permitindo mnter mesm velocidde-limite que num rolmento berto lubrificdo com grx. Vrintes em função do ângulo de contto (C pr 17 e H pr 25 ) e d pré-crg. Elementos de cálculo Consultr o nosso ctálogo de máquins-ferrments MchLine. 249

20 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos de contto ngulr de lt precisão d gm SNR MchLine (cont) B r4 E D d d3 d3 D2 D6 d D B D2 d3 mín r4 D6 E Esfers Diâmetro Qtde mm mm mm Kg Referêncis mm mm mm mm mm mm mm mm , ,8 13,6 18,8 0,3 0,1 14,7 1,10 3, , ,4 14,7 22,7 0,3 0,1 16,5 1,85 4, , ,5 16,0 25,5 0,6 0,3 18,2 2,25 5, , ,6 15,4 20,6 0,3 0,1 16,5 1,30 3, , ,4 16,7 24,7 0,3 0,1 18,5 1,65 4, , ,0 18,3 27,9 0,6 0,3 20,5 1,85 5, , ,3 18,7 25,4 0,3 0,1 20,0 1,40 3, , ,9 20,2 28,2 0,3 0,1 22,0 1,65 4, , ,0 21,1 31,3 0,6 0,3 23,3 2,10 5, , ,6 21,0 27,7 0,3 0,1 23,0 1,45 3, , ,4 22,7 30,7 0,3 0,1 24,4 1,75 4, , ,0 24,1 35,2 0,6 0,3 26,5 2,45 6, , ,9 25,1 33,2 0,3 0,15 26,8 1,78 4, , ,5 26,6 37,3 0,6 0,3 29,0 2,40 6, , ,6 28,5 41,4 1,0 0,3 31,4 2,80 7, , ,4 30,6 38,7 0,3 0,15 32,3 1,75 4, , ,1 32,2 42,3 0,6 0,3 34,2 2,05 6, , ,5 34,0 46,9 1,0 0,3 36,8 2,80 7, , ,9 35,1 43,2 0,3 0,15 36,8 1,73 4, , ,0 38,1 49,5 1,0 0,3 40,4 2,35 7, , ,1 40,4 55,4 1,0 0,3 43,5 3,15 9, , ,6 41,4 50,4 0,6 0,15 43,2 1,85 5, , ,1 43,2 56,3 1,0 0,3 46,0 2,85 7, , ,0 47,4 64,5 1,1 0,3 50,9 3,50 11, , ,2 46,8 57,2 0,6 0,15 49,0 2,18 6, , ,0 49,2 61,8 1,0 0,3 51,8 2,55 7, , ,6 52,8 71,8 1,1 0,6 56,9 4,05 11, , ,7 52,3 62,7 0,6 0,3 54,5 2,15 6, , ,0 54,7 68,6 1,0 0,3 57,5 2,85 8, , ,5 57,4 77,5 1,1 0,6 61,7 4,30 12,

21 Crcterístics MchLine, rolmento-pdrão de lt precisão pr máquins-ferrments Pdrão CH C C 0 Série C mm N N rpm* rpm* CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG C C 0 Série H mm N N rpm* rpm* HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 251

22 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos de contto ngulr de lt precisão d gm SNR MchLine (cont) B r4 E D d d3 d3 D2 D6 d D B D2 d3 r4 D6 E mín Esfers Diâmetro Qtde mm mm mm Kg Referêncis mm mm mm mm mm mm mm mm , ,2 56,8 67,2 0,6 0,3 58,9 2,13 6, , ,0 59,7 73,6 1,0 0,3 62,5 2,80 8, , ,9 62,5 82,7 1,1 0,6 66,7 4,20 12, , ,5 62,1 75,8 1,0 0,3 65,4 2,25 7, , ,0 65,0 84,0 1,1 0,6 69,0 2,00 9, , ,0 68,0 92,5 1,5 0,6 72,5 2,10 14, , ,5 67,1 80,8 1,0 0,3 70,4 2,25 7, , ,0 70,0 89,0 1,1 0,6 73,8 2,00 9, , ,0 75,0 101,5 1,5 0,6 79,5 2,30 15, , ,5 72,5 86,0 1,0 0,3 74,5 1,25 7, , ,0 75,0 94,0 1,1 0,6 78,8 2,00 9, , ,0 81,0 109,0 1,5 0,6 87,0 2,30 15, , ,0 79,0 95,0 1,0 0,3 81,5 1,50 8, , ,5 81,5 103,0 1,1 0,6 85,8 2,50 11, , ,0 86,0 116,0 1,5 0,6 91,4 2,60 17, , ,0 84,0 100,0 1,0 0,3 86,3 1,50 8, , ,5 86,5 108,0 1,1 0,6 90,7 2,50 11, , ,0 91,0 121,0 1,5 0,6 96,4 2,60 17, , ,0 89,0 105,0 1,0 0,3 91,2 1,50 8, , ,0 93,0 117,5 1,1 0,6 98,0 3,50 13, , ,5 97,5 130,0 2,0 1,0 103,4 2,80 19, , ,0 95,0 114,0 1,1 0,6 98,6 1,80 9, , ,0 98,0 122,5 1,1 0,6 102,8 3,50 13, , ,0 104,0 140,0 2,0 1,0 110,3 3,10 20, , ,0 100,0 119,0 1,1 0,6 103,5 1,80 9, , ,5 104,5 131,5 1,5 0,6 110,0 3,80 15, , ,0 111,0 149,0 2,0 1,0 117,2 3,30 22, , ,0 105,0 124,0 1,1 0,6 108,3 2,00 10, , ,5 109,5 136,5 1,5 0,6 114,8 3,80 15, , ,5 111,5 133,5 1,1 0,6 115,6 2,10 11, , ,5 114,5 141,5 1,5 0,6 119,7 3,80 15, , ,5 124,5 167,0 2,1 1,1 131,0 3,80 25,

23 MchLine, rolmento-pdrão de lt precisão pr máquins-ferrments (cont) Pdrão CH C C 0 Série C mm N N rpm* rpm* CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CG CV CV CV CV CG C C 0 Série H mm N N rpm* rpm* HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HG HV HV HV HV HG * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 253

24 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos de contto ngulr de lt precisão d gm SNR MchLine (cont) B r4 E D d d3 d3 D2 D6 d D B D2 d3 r4 D6 E mín Esfers Diâmetro Qtde mm mm mm Kg Referêncis mm mm mm mm mm mm mm mm , ,5 116,5 138,5 1,1 0,6 120,5 2,10 11, , ,5 120,5 150,0 2,0 1,0 127,0 4,00 15, , ,5 121,5 143,5 1,1 0,6 125,5 2,10 11, , ,0 127,0 160,0 2,0 1,0 134,0 4,50 17, , ,5 137,5 185,5 2,1 1,1 145,0 4,30 28, , ,5 133,5 157,5 1,1 6,0 137,7 3,30 13, , ,0 137,0 170,0 2,0 1,0 144,0 4,50 17, , ,5 149,5 197,5 2,1 1,1 157,5 4,30 28, , ,0 145,0 172,0 1,5 0,6 149,8 3,70 15, , ,5 150,5 189,0 2,0 1,0 158,0 5,30 20, , ,0 155,0 182,0 1,5 0,6 159,8 3,70 15, , ,5 160,5 199,0 2,0 1,0 168,0 5,30 20, , ,5 167,5 199,0 2,0 1,0 174,0 4,10 16, , ,0 172,0 213,0 2,1 1,0 180,0 5,70 22, , ,5 177,5 209,0 2,0 1,0 184,0 4,10 16, , ,0 184,0 227,0 2,1 1,0 192,0 6,20 23, , ,5 187,5 219,0 2,0 1,0 194,0 4,10 16, , ,5 197,5 246,0 2,1 1,1 206,4 6,60 25, , ,0 201,0 237,5 2,0 1,0 208,3 4,70 19, , ,5 210,5 264,0 2,1 1,1 219,8 7,80 30, , ,0 211,0 247,5 2,0 1,0 218,3 4,70 19, , ,5 220,5 274,0 2,1 1,1 229,8 7,80 30, , ,5 224,5 266,0 2,1 1,0 232,0 5,50 23, , ,5 233,5 292,0 2,1 1,1 243,6 8,60 33, , ,5 244,5 286,0 2,1 1,0 252,0 5,50 22, , ,0 256,0 321,0 3,0 1,1 268,6 8,60 33, , ,5 264,5 306,0 2,1 1,0 272,0 5,50 22,

25 MchLine, rolmento-pdrão de lt precisão pr máquins-ferrments (cont) Pdrão CH C C 0 Série C mm N N rpm* rpm* CV CV CV CV CG CV CV CG CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV CV C C 0 Série H mm N N rpm* rpm* HV HV HV HV HG HV HV HG HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV HV * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 255

26 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos de contto ngulr de lt precisão d gm SNR MchLine (cont) B r4 E D d d4 d3 D2 D6 d D B D2 d3 mín d4 r4 D6 E Esfers Diâmetro Qtde mm mm mm Kg Referêncis mm mm mm mm mm mm mm mm mm ,010 ML ,2 13,3 13,6 17,8 0,3 0,1 14,4 1,05 2, ,018 ML ,5 14,2 14,7 20,1 0,3 0,1 15,7 1,53 3, ,011 ML ,0 15,1 15,4 19,6 0,3 0,1 16,2 1,05 2, ,020 ML ,5 16,2 16,7 22,1 0,3 0,1 17,7 1,58 3, ,015 ML ,3 18,3 18,7 23,7 0,3 0,1 19,7 1,35 2, ,028 ML ,7 19,4 20,2 26,8 0,3 0,1 21,3 1,85 3, ,017 ML ,6 20,6 21,0 26,0 0,3 0,1 22,0 1,35 2, ,037 ML ,4 22,0 22,7 29,5 0,3 0,1 23,9 1,85 3, ,036 ML ,7 24,5 25,1 31,8 0,3 0,2 26,3 1,75 3, ,063 ML ,3 25,3 26,6 35,7 0,6 0,3 27,9 2,63 5, ,041 ML ,2 30,0 30,6 37,3 0,3 0,2 31,8 1,75 3, ,076 ML ,9 30,9 32,2 41,3 0,6 0,3 33,5 2,63 5, ,047 ML ,7 34,5 35,1 41,8 0,3 0,2 36,2 1,73 3, ,112 ML ,8 36,8 38,1 47,2 1,0 0,3 39,4 2,63 5, ,075 ML ,1 40,8 41,4 48,2 0,6 0,2 42,7 1,90 3, ,149 ML ,5 41,5 43,2 53,6 1,0 0,3 44,6 3,10 6, ,109 ML ,1 45,3 46,8 54,4 0,6 0,2 47,6 2,25 4, ,185 ML ,5 47,5 49,2 59,6 1,0 0,3 50,5 3,00 6, ,128 ML ,6 50,8 52,3 59,9 0,6 0,3 53,0 2,23 4, ,238 ML ,0 53,0 54,7 65,0 1,0 0,3 56,1 3,05 6, ,129 ML ,1 55,3 56,8 64,4 0,6 0,3 57,5 2,23 4, ,256 ML ,0 58,0 59,7 70,0 1,0 0,3 61,0 3,00 6, ,177 ML ,5 60,5 62,5 76,5 1,0 0,3 65,0 1,28 6, ,396 ML ,5 65,5 66,5 83,5 1,1 0,6 69,5 1,70 7, ,190 ML ,5 65,5 67,5 81,5 1,0 0,3 70,0 1,28 6, ,426 ML ,5 70,5 71,5 88,5 1,1 0,6 74,4 1,67 7, ,202 ML ,5 70,5 72,5 86,5 1,0 0,3 75,0 1,25 6, ,445 ML ,5 74,0 76,5 93,5 1,1 0,6 79,4 1,67 7,

27 MchLine, rolmento grnde velocidde de lt precisão pr máquins-ferrments ML MLE MLCH MLECH C C 0 Série C mm N N rpm* rpm* ML CV ML 7000 CV ML CV ML 7001 CV ML CV ML 7002 CV ML CV ML 7003 CV ML CV ML 7004 CV ML CV ML 7005 CV ML CV ML 7006 CV ML CV ML 7007 CV ML CV ML 7008 CV ML CV ML 7009 CV ML CV ML 7010 CV ML CV ML 7011 CV ML CV ML 7012 CV ML CV ML 7013 CV C C 0 Série H mm N N rpm* rpm* ML71900 HV ML 7000 HV ML71901 HV ML 7001 HV ML71902 HV ML 7002 HV ML71903 HV ML 7003 HV ML71904 HV ML 7004 HV ML71905 HV ML 7005 HV ML71906 HV ML 7006 HV ML71907 HV ML 7007 HV ML71908 HV ML 7008 HV ML71909 HV ML 7009 HV ML71910 HV ML 7010 HV ML71911 HV ML 7011 HV ML71912 HV ML 7012 HV ML71913 HV ML 7013 HV * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) 257

28 Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos de contto ngulr de lt precisão d gm SNR MchLine (cont) B r4 E D d d4 d3 D2 D6 d D B D2 d3 mín d4 r4 D6 E Esfers Diâmetro Qtde mm mm mm Kg Referêncis mm mm mm mm mm mm mm mm mm ,330 ML ,0 76,5 79,0 95,5 1,0 0,3 81,9 1,63 7, ,625 ML ,0 81,5 83,0 102,5 1,1 0,6 86,4 2,07 9, ,349 ML ,0 81,5 84,0 100,5 1,0 0,3 86,9 1,63 7, ,658 ML ,0 86,5 88,0 107,5 1,1 0,6 91,4 2,07 9, ,370 ML ,0 86,5 89,0 105,5 1,0 0,3 91,9 1,63 7, ,874 ML ,5 93,0 94,5 116,5 1,1 0,6 98,4 2,49 11, ,535 ML ,0 93,0 96,0 114,0 1,1 0,6 99,2 1,94 8, ,927 ML ,5 98,5 99,5 121,5 1,1 0,6 103,4 2,49 11, ,562 ML ,0 98,5 101,0 119,0 1,1 0,6 104,2 1,94 8, ,192 ML ,5 103,0 106,5 130,0 1,5 0,6 110,5 2,64 11, ,591 ML ,0 103,5 106,0 124,0 1,1 0,6 109,2 1,94 8, ,263 ML ,5 109,5 111,5 135,0 1,5 0,6 115,5 2,64 11, ,796 ML ,5 109,5 112,5 133,0 1,1 0,6 115,9 2,02 10, ,313 ML ,5 114,5 116,5 140,0 1,5 0,6 120,5 2,61 11, ,602 ML ,0 119,0 123,0 149,0 2,0 1,0 127,5 3,02 13, ,868 ML ,5 119,5 122,5 143,0 1,1 0,6 125,9 1,98 10, ,019 ML ,5 126,0 130,0 149,0 2,0 1,0 134,7 3,23 14, ,204 ML ,5 131,0 134,5 156,5 1,1 6,0 138,1 2,18 11, ,167 ML ,5 136,0 140,0 167,5 2,0 1,0 144,7 3,23 14, ,572 ML ,0 142,0 146,0 170,5 1,5 0,6 150,0 2,56 12, ,306 ML ,0 148,5 154,0 185,0 2,0 1,0 158,9 3,84 16,

29 MchLine, rolmento grnde velocidde de lt precisão pr máquins-ferrments (cont) ML MLE MLCH MLECH C C 0 Série C mm N N rpm* rpm* ML CV ML 7014 CV ML CV ML 7015 CV ML CV ML 7016 CV ML CV ML 7017 CV ML CV ML 7018 CV ML CV ML 7019 CV ML CV ML 7020 CV ML 7021 CV ML CV ML 7022 CV ML CV ML 7024 CV C C 0 Série H mm N N rpm* rpm* ML71914 HV ML 7014 HV ML71915 HV ML 7015 HV ML71916 HV ML 7016 HV ML71917 HV ML 7017 HV ML71918 HV ML 7018 HV ML71919 HV ML 7019 HV ML71920 HV ML 7020 HV ML 7021 HV ML71922 HV ML 7022 HV ML71924 HV ML 7024 HV ML CV ML 7026 CV * Trt-se de velociddes limites segundo o conceito SNR (v. pág ) ML71926 HV ML 7026 HV

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Deprtmento de ngenhri létric Aul 5.3 Gerdores de Corrente Contínu Prof. Clodomiro Unsihuy Vil Bibliogrfi FITZGRALD, A.., KINGSLY Jr. C. UMANS, S. D. Máquins létrics: com Introdução à letrônic De Potênci.

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catariana. Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos AGITAÇÃO E MISTURA

UFSC Universidade Federal de Santa Catariana. Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos AGITAÇÃO E MISTURA UFSC Universidde Federl de Snt Ctrin Depto De Eng. Químic e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turm 645 Op. Unit. de Quntidde de Movimento AGITAÇÃO E MISTURA 1 Mistur de Líquidos tipos e princípios N indústri

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA: Elementos de Máquins e Motores (ENG169) TURMA: T01P01 (08:00 às 10:00) PROFESSOR: Pedro Ornels DATA: 06/07/2000 ALUNOS: Alberto Oliveir

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos 1 9 Modelgem Mtemátic de Sistems Eletromecânicos 1 INTRODUÇÃO Veremos, seguir, modelgem mtemátic de sistems eletromecânicos, ou sej, sistems que trtm d conversão de energi eletromgnétic em energi mecânic

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si.

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si. 7 Fundções 7.1 Spts 7.1.1 Spts Corrids 7.1.1.1 Introdução A spt corrid é normlmente utilizd como poio direto de predes, muros, e de pilres linhdos, próximos entre si. pilres vig de rigidez spt corrid )

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores 4.4 - Acelerômetros ombindos Montgem: G θ x x x ircuito: reerênci R R v R R R R R - + 0 + v R - + R 0-7 rcterístics de ensores Deslocmento liner médio: x x + x && x + Deslocmento ngulr médio: θ && θ x

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas

Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas Tópicos Especiis de Álgebr Liner Tem # 2. Resolução de problem que conduzem s.e.l. com únic solução Assunto: Resolução de problems que conduzem Sistem de Equções Lineres utilizndo invers d mtriz. Introdução

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Manual do produto. Furação e Rosqueamento. _ Walter Titex & Walter Prototyp. A rosca perfeita

Manual do produto. Furação e Rosqueamento. _ Walter Titex & Walter Prototyp. A rosca perfeita Mnul do produto Furção e Rosquemento _ Wlter Titex & Wlter Prototyp A rosc perfeit CONTEÚDO 2 Exemplos de plicção 2 Usingem de longrins 4 Usingem de engrengens 6 Informções do produto 6 Wlter Titex Broc

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA 1 ORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA A rod é o elemento de vínculo entre o veículo e vi de tráfego que permite o deslocmento longitudinl, suportndo crg verticl e limitndo o movimento lterl. Este elemento

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

Modelação de motores de corrente contínua

Modelação de motores de corrente contínua Controlo de Moviento Modelção de otores de corrente contínu Modelção de áquins CC Introdução Historicente, o otor CC foi utilizdo de odo universl no controlo de velocidde, té o desenvolviento, sustentdo,

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa BIO 3E ul 07 07.01. Pr determinr se um crcterístic genétic é dominnte ou recessiv trvés d interpretção de um genelogi, deve-se procurr um cruzmento entre indivíduos normis que tenh, pelo menos, um descendente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A SELEÇÃO DE MANCAIS DE FILME DE FLUIDO AEROSTÁTICOS APLICADA A DISCIPLINA CONSTRUÇÃO DE MÁQUINAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A SELEÇÃO DE MANCAIS DE FILME DE FLUIDO AEROSTÁTICOS APLICADA A DISCIPLINA CONSTRUÇÃO DE MÁQUINAS DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A SELEÇÃO DE MANCAIS DE ILME DE LUIDO AEROSTÁTICOS APLICADA A DISCIPLINA CONSTRUÇÃO DE MÁQUINAS Prof Dr Luiz Antonio Pinheiro Blestrero - Blestrero @ mckenziecombr

Leia mais

Desempenho de coletores solares planos

Desempenho de coletores solares planos Universidde do Vle do Rio dos Sinos UNISINOS Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Mecânic Energi Solr érmic Desempenho de coletores solres plnos 2 º. semestre, 2015 Os testes seguem norms específics. Brsil:

Leia mais

Física III Escola Politécnica de maio de 2010

Física III Escola Politécnica de maio de 2010 P2 Questão 1 Físic - 4320203 Escol Politécnic - 2010 GABATO DA P2 13 de mio de 2010 Considere um cpcitor esférico formdo por um condutor interno de rio e um condutor externo de rio b, conforme figur. O

Leia mais

1.14 Temas Diversos a Respeito dos Condutos Forçados

1.14 Temas Diversos a Respeito dos Condutos Forçados .4 Tems iersos Respeito dos Condutos Forçdos escrg ire Velocidde Máxim Aplicndo Bernoulli H P tm A g P tm B g V = 0 (níel de águ considerdo constnte) Tem-se ue: B g(h ) Exemplo : ul o olume diário ornecido

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 7

Eletrotécnica TEXTO Nº 7 Eletrotécnic TEXTO Nº 7 CIRCUITOS TRIFÁSICOS. CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E SIMÉTRICOS.. Introdução A quse totlidde d energi elétric no mundo é gerd e trnsmitid por meio de sistems elétricos trifásicos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS #6 - ELETROMAGNETISMO I

LISTA DE EXERCÍCIOS #6 - ELETROMAGNETISMO I LIST DE EXERCÍCIOS #6 - ELETROMGNETISMO I 1. N figur temos um fio longo e retilíneo percorrido por um corrente i fio no sentido indicdo. Ess corrente é escrit pel epressão (SI) i fio = 2t 2 i fio Pr o

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

Capítulo 14. Motor de Corrente Contínua. Analise: Figura Figura 14.2

Capítulo 14. Motor de Corrente Contínua. Analise: Figura Figura 14.2 Cpítulo 14 Motor de Corrente Contínu Neste cpítulo, os objetivos são: entender o princípio de funcionmento e nlisr s crcterístics opercionis do motor de corrente contínu e de um importnte plicção deste

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Deprtmento de ngenhri létric Aul 6. Máquins íncrons Prof. João Américo ilel Máquins íncrons Crcterístics vzio e de curto-circuito Curv d tensão terminl d rmdur vzio em função d excitção de cmpo. Crctéristic

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Prova Experimental. Determinação da estrutura cristalina e da concentração de um cristal coloidal, por meio de difracção/difração de luz visível.

Prova Experimental. Determinação da estrutura cristalina e da concentração de um cristal coloidal, por meio de difracção/difração de luz visível. Prov Experimentl Determinção d estrutur cristlin e d concentrção de um cristl coloidl, por meio de difrcção/difrção de luz visível. Durção: 4 h. NÃO escrev o seu nome em qulquer ds folhs. Numere tods s

Leia mais

Física. , penetra numa lâmina de vidro. e sua velocidade é reduzida para v vidro = 3

Física. , penetra numa lâmina de vidro. e sua velocidade é reduzida para v vidro = 3 Questão 6 Um torre de ço, usd pr trnsmissão de televisão, tem ltur de 50 m qundo tempertur mbiente é de 40 0 C. Considere que o ço dilt-se, linermente, em médi, n proporção de /00.000, pr cd vrição de

Leia mais

14. Geradores de Vapor

14. Geradores de Vapor 14. Gerdores de Vpor 14.1. Introdução Equipmento destindo à produção de por. O por gerdo pode ser utilizdo pr diersos fins: quecimento, processos industriis, como fluido de trblho em máquins motors. Pr

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) « IFPB» Concurso Público Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico» Editl Nº 136/2011 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «21. Um dos principis equipmentos

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais