LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso"

Transcrição

1 Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo.

2 Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de um instlção integrd(voz, ddos e energi). Devido grnde vriedde de dimensões, podem ser usds tnto em pequens como em grndes redes estruturds. Confir outrs vntgens: PVC Rígido Fricds com espesss predes de pvc rígido, oferecem grnde resistênci impctos e lt durilidde. Rpidez n Instlção Os cessórios são instldos pelo sistem de encixe, oferecendo fcilidde e rpidez n instlção. Bse Perfurd Tods s cnlets OBO já vem com perfurção n se, proporcionndo um rápid fixção. Antichms Fricds em mteril que não propg chms e não emite gses tóxicos. Não deform mesmo qundo expost lts temperturs. Imgens mermente ilustrtivs. Fricds n Alemnh, possuem s certificções: ISO ISO 00- OHSAS 800

3 Cnlet WDK 0x0mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cnlet WDK 0x0mm com Divisor WDK-N , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cnlet WDK 0x50mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cnlet WDK 0x50mm com Divisor WDK-N , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cnlet WDK 0xmm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cd rr compnh qutro pontes(370/mm) pr retenção dos cos. 3

4 Linh LFS - Cnlets de PVC Cnlet WDK 0x90mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cd rr compnh qutro pontes(370/90mm) pr retenção dos cos Cnlet WDK 0x0mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cd rr compnh qutro pontes(370/0mm) pr retenção dos cos Cnlet WDK x90mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cd rr compnh qutro pontes(370/90mm) pr retenção dos cos Cnlet WDK x0mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cd rr compnh qutro pontes(370/0mm) pr retenção dos cos Cnlet WDK x30mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cd rr compnh qutro pontes(370/30mm) pr retenção dos cos. 9

5 Linh LFS - Cnlets de PVC Cnlet WDK x70mm WDK , Fornecid em rrs de metros. A tmp compnh cnlet. Perfurd n se. Mteril: PVC de lto impcto, ntichms. Cd rr compnh qutro pontes(370/70mm) pr retenção dos cos..5 Mt-Junt WDK/HS 000 WDK/HS 0050 WDK/HS 0090 WDK/HS 00 WDK/HS 090 WDK/HS ,030 0,00 0,050 0,065 0,070 0,075 Acessório utilizdo pr dr cmento n união entre trechos retos Cotovelo Interno WDK/HI 000 WDK/HI 0050 WDK/HI 00 WDK/HI 0090 WDK/HI 00 WDK/HI 090 WDK/HI 0 WDK/HI 30 WDK/HI , ,003 0,05 0,087 0,00 0,3 0,0 0,35 0,5 0,6 Acessório utilizdo pr relizr s curvs interns com o sistem WDK Cotovelo Externo WDK/HA 000 WDK/HA 0050 WDK/HA 00 WDK/HA 0090 WDK/HA 00 WDK/HA 090 WDK/HA 0 WDK/HA 30 WDK/HA ,006 0,030 0,087 0,5 0,35 0,50 0,70 0,5 0,30 Acessório utilizdo pr relizr s curvs externs com o sistem WDK Cotovelo Plno WDK/HF 000 WDK/HF 0050 WDK/HF 00 WDK/HF 0090 WDK/HF 00 WDK/HF 090 WDK/HF 0 WDK/HF 30 WDK/HF ,00 0,030 0,065 0,5 0,30 0,5 0,5 0,93 0,7 Acessório utilizdo pr relizr os cotovelos plnos com o sistem WDK

6 Linh LFS - Cnlets de PVC Tê e Cruzet WDK/HK 00 WDK/HK 0090 WDK/HK 00 WDK/HK 090 WDK/HK 0 WDK/HK 30 WDK/HK ,096 0,3 0,6 0,3 0,6 0,8 0,36 Acessório utilizdo pr relizr os tês e/ou cruzets com o sistem WDK Tê WDK/HT 000 WDK/HT Acessório utilizdo pr relizr os tês com o sistem WDK. 0,00 0, Terminl WDK/HE 000 WDK/HE 0050 WDK/HE 00 WDK/HE 0090 WDK/HE 00 WDK/HE 090 WDK/HE 0 WDK/HE 30 WDK/HE ,00 0,006 0,0 0,05 0,0 0,05 0,030 0,035 0, Acessório utilizdo pr relizr s terminções com o sistem WDK. Ponte pr Fixção de Tomds 370(mm) 370(90mm) 370(0mm) 370(30mm) 370(70mm) Cinz Cinz Cinz Cinz Cinz 8,8,8 75,7 8,8 95,7 8,8 6, 36,0 36, 36, ,006 0,00 0,00 0,05 0, Acessório utilizdo pr relizr fixção de tomds n cnlet, em como pr retenção de cos. Solicitr sempre pontes pr cd espelho x ser instldo. Divisor 8 37(0mm) 37(mm) Cinz Cinz ,35 0, Divisor instldo n se d cnlet pelo sistem de encixe, permitindo relizr instlção integrd de ddos, voz e energi

7 50,5 6, = 0 6,5 6,5,5 6,,5,5,5 6, =0,5 6, Linh LFS - Cnlets de PVC Tmp pr espelho D3-/090 D3-/0 D3-/30 D3-/ ,05 0,00 0,0 0,075 T00 00 T00 05 T T Acessório utilizdo pr relizr instlção de espelho x. Disponível pens pr s cnlets miores que 0x90mm. Necessitm de pontes modelo 370. São vendids seprdmente. Tmp pr espelhos D3-/090 D3-/0 D3-/30 D3-/ ,050 0,080 0,0 0,50 T T00 00 T T Acessório utilizdo pr relizr instlção de espelhos x. Disponível pens pr s cnlets miores que 0x90mm. Necessitm de pontes modelo 370. São vendids seprdmente. Informções Técnics Perfurções n Bse WDK 0x0 sem divisor WDK 0x50 sem divisor WDK 0x / 0x , 8 Ø Ø,8 0 0 WDK 0x0 com divisor WDK 0x50 com divisor Ø , Dimensão WDK 0x WDK 0x0 0 WDK 0x90mm WDK x90 / x0 / x30 WDK x70mm 6, 8 8 6, Como clculr Cpcidde de Cos A tx de ocupção de cos é clculd pel seguinte fórmul: Q = A x T/ D onde: Q = Quntidde de cos suportdos A = Áre totl d cnlet (lrgur x ltur) x 0,55(usr sempre o ftor 0,55 pr tods s dimensões de cnlets) T = Tx de ocupção D = Diâmetro externo do co o qudrdo Exemplo: Cnlet WDK 0 x 90 mm (áre totl = 0 x 90 = 3.0 mm ) A = 30 x 0,55 = 980mm T = 0%(0,) D = 30,5mm (usmos co UTP ct.5. Diâmetro externo: 5,5mm) Q =.980 x 0, / 30,5 = 6 cos UTP (0% de ocupção) Não Esqueç! A norm ABNT / NBR 565 especific que tx de ocupção d cnlet não deve ultrpssr 0%. Cor ds Cnlets e Acessórios RAL 900 Consulte tmém ns cores: RAL 900 Brnco RAL 7030 Cinz Escuro RAL 7035 Cinz Clro Apens so encomend. 7

8 Instruções pr instlção ds Cnlets WDK Como cortr s cnlets Fixção ds Cnlets As cnlets WDK podem ser cortds com ferrments simples, como por exemplo, o rco de serr. Podem ser fcilmente fixds n prede com prfusos e/ou pregos. A se ds cnlets já possuem furção. Instlção dos Acessórios Instlção dos Acessórios terminl cotovelo externo cotovelo interno tê cotovelo plno Os trechos retos estndo devidmente fixdos, deve-se começr instlr os cessórios. Todos os cessórios são instldos pelo sistem de encixe, como mostr figur cim. Instlção do Tê/Cruzet Instlção ds Tmps Tê/Cruzet Esse cessório possui pré-cortes em su prte intern (superior e inferior), permitindo derivr em tê ou cruzet. Após instlção dos cessórios, devem ser fixds s tmps d cnlet. Instlção ds Tmps Sistem Instldo! mt-junt Juntmente com s tmps, deve-se encixr s mt-junts, deixndo um cmento perfeito n instlção. 8

9 Psso--Psso d Instlção de Tomds º PASSO: encixr s pontes no techo reto d cnlet. Pontes encixds. Atenção! São sempre pontes pr cd espelho x, pois els é que receerão os prfusos. º PASSO: Encixr tmp pr ou espelhos, coincidindo su furção com furção ds pontes. 3º PASSO: Encixr o módulo d tomd x. º PASSO: Após encixr o módulo, ele deve ser prfusdo. 5º PASSO: Encixr o espelho x. 6º PASSO: Encixr o módulo de elétric, ddos ou voz. PRONTO! Pr instlção de cix de sorepor, deverá ser feit um perfurção n prte superior d cnlet pr pssgem dos cos. PONTE A ponte que compnh cnlet, deve ser instld pr retenção dos cos. Deve-se encixá-l primeirmente no friso inferior do trecho reto d cnlet. A ponte scul em té 30 0 permitindo o lnçmento dos cos. Após isso, ponte deve ser encixd n prte superior d cnlet. 9

10 Linh UFS Cixs de Tomd pr Piso Elevdo e Contr-Piso As cixs de tomd d OBO oferecem lt resistênci e durilidde. Proporcionm lto pdrão estético, e se integrm perfeitmente o miente. Ideis pr escritórios corportivos de lto pdrão. Permitem instlção de té tomds de elétric e 6 Rj s, podendo ssim tender mis de um estção de trlho. Confir outrs vntgens: Tmp sculnte. Possui em su estrutur, chp de ço pré-zincd de 5mm de espessur. Alç retrátil pr rir tmp. Síd pr os cos com proteção de espum! Aro em polimid. Mteril ltmente resistente! Grmpos justáveis que permitem um fixção perfeit! Reixo de 5mm n tmp, permitindo utilizr o mesmo mteril que reveste o piso-elevdo, resultndo em um instlção de lto pdrão estético! 0 Fricds n Alemnh, possuem s certificções: ISO ISO 00 - OHSAS 800

11 Linh UFS - Cixs de Tomd pr Piso Elevdo e Contr-Piso Bloco Port Aprelhgem Qudrdo Modelo Cor GESU Cinz, Moldur fricd em polimid. Tmp sculnte, com reixo de 5mm pr instlção de vários tipos de cmentos(ex.: crpete, piso vinílico, etc). Acompnh grmpos de fixção. Pr instlção de tomds, solicitr suporte metálico seprdmente. Cor: RAL 70 Bloco Port Aprelhgem Redondo GESRU Modelo Cor Cinz, Moldur fricd em polimid. Tmp sculnte, com reixo de 5mm pr instlção de vários tipos de cmentos(ex.: crpete, piso vinílico, etc). Acompnh grmpos de fixção. Pr instlção de tomds, solicitr suporte metálico seprdmente. Cor: RAL 70 Suporte Metálico pr Tomds pr Bloco Port Aprelhgem Qudrdo ou Redondo A letr Q no modelo, se refere furção pr RJ n dimensão de xmm. A letr R no modelo, se refere furção pr RJ n dimensão de 5x9mm. A furção pr tomds elétrics P+T universl é de 3x7mm. Afixdo no loco port com prfusos utotrrchntes de 3,9 x 9,5mm. Acmento do suporte: pintur epóxi. Modelo Cor SM / Q SM / R SM /5 Q SM /5 R SM /6 R Cinz Cinz Cinz Cinz Cinz 0,80 0,75 0, 0, 0,55 C C C C C A expressão / no modelo se refere furções pr tomds P+T, e RJ s. A expressão /5, se refere furções pr tomds P+T e 5 Rj s. A expressão /6 se refere furções pr tomds P+T e 6 RJ s. Modelo Cor TSMP TSMV Pret Vermelh 0,00 0,00 T00 06 T00 06 As tomds são confeccionds em polimid ntichms e possuem conttos em ligs de core. Fornecid sem richos, são instlds pelo sistem de encixe. 0 A ~50V Cix Metálic com Furção Qudrd pr Instlção em Contr-Piso Modelo Acmento CMQ Pré-Zincdo 75,00 C Cix fricd em chp de ço pr instlção em conjunto com o loco port qudrdo, em cso de contr-piso. A ltur mínim d cix é de 55mm. Outrs dimensões, so consult.acmento: Pré-zincdo. 95 Cix Metálic com Furção Redond pr Instlção em Contr-Piso 09 Modelo Acmento CMR Pré-Zincdo 75,00 C Cix fricd em chp de ço pr instlção em conjunto com o loco port qudrdo, em cso de contr-piso. A ltur mínim d cix é de 55mm. Outrs dimensões, so consult.acmento: Pré-zincdo. 95

12 OBO BETTERMANN do Brsil Ltd. Av. Pirelli, 995/05, Éden, CEP , Soroc,SP Centrl de Atendimento: Fone: Fx: E-mil: OBO BETTERMANN 0/0 BR fique conectdo. pense oo.

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões.

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões. AICAES Mior Vid Útil do Corte Design do corte perfeiçodo e trtdo termicmente pr mior vid útil do licte. Cbo Ergonômico Cbo ntidesliznte fbricdo em duplo mteril pr mior conforto. Mior Durbilidde Fbricdo

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Obrigado por escolher Besafe izi Kid i-size. Informação vital. Preparação para instalação SIP+

Obrigado por escolher Besafe izi Kid i-size. Informação vital. Preparação para instalação SIP+ 1 6 d c e Mnul de utilizção f h g i j k l m 7 8 10 2 3 9 c e d no sentido inverso o d mrch Altur 61-105 cm 4 5 11 12 Peso máximo 18 kg Idde 6m-4 UN regultion no. R129 i-size 8 9 Origdo por escolher Besfe

Leia mais

CAIXA METÁLICA PADRÃO "A"

CAIXA METÁLICA PADRÃO A CIX METÁLIC PDRÃO "" o adquirir o material para executar a sua ligação de água, fique atento às especificações definidas pela Saneago para a Caixa Metálica Padrão. Caixas metálicas fora do padrão especificado

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas Distriuidor Ltd A entreg mis rápid e onfiável de Cmpins Ru José Gonçlves Mhdo, 132, Vil Elz Cmpins-SP - CEP: 141-5 Fone/Fx: (1) 3232-7 VIVO: (1) 1-546 ID:7* E-mil: eometl@eometl.om.r CECOMETAL Distriuidor

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

ONDULADA. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ONDULADA. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ONDULADA www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernndes Coelho, 85-8º nd. - São Pulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Verstilidde e resistênci tod prov. A telh Onduld é um produto de grnde

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS GRAN VIALE ARTICULADO A001 - COMP.CAIXA DE RODA E PARA-PEDRA - DIANTEIRO PARA-PEDRAS TRASEIRO FRENTE RODADO A-001

CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS GRAN VIALE ARTICULADO A001 - COMP.CAIXA DE RODA E PARA-PEDRA - DIANTEIRO PARA-PEDRAS TRASEIRO FRENTE RODADO A-001 0 - COMP.CIX DE ROD E PR-PEDR - DINTEIRO GV_RT0 CONJUNTO CIX DE RODS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 CONJUNTO CIX DE RODS GV_RT0 CONJUNTO CIX DE RODS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 REFORÇO

Leia mais

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5 Identificção: A1.N2 Revisão: 03 Folh: 1 / 5 Função do Elemento Pinéis Arquitetônicos (item b1 do requisito Pilres, Vis, Pórticos, Terçs e Escds (itens b2, b3 e b4 do requisito Ljes Armds ou Protendids

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING LINHA E PROUTOS Somos um empres especilizd n comercilizção de ferrgens pr embrcções e cessórios pr mrrção e elevção de crgs. Com o objetivo de fcilitr utilizção do nosso ctálogo, clssificmos nossos produtos

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Linha para Piso Elevado

Linha para Piso Elevado Linha para Piso Elevado Linha para Piso Elevado Linha para Piso Elevado Calha para piso elevado... 53 Derivações... Caixa para piso elevado... 54 Metálico... 54 Nylon... 56 Latão... 58 54 Sistemas para

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

LFS Catálogo 2014. Sistemas de condução de cabos THINK CONNECTED.

LFS Catálogo 2014. Sistemas de condução de cabos THINK CONNECTED. LFS Ctálogo 2014 Sistems de condução de cbos THINK CONNECTED. Bem-vindo o poio o cliente Telefone de ssistênci: +351 219 253 220 Fx pr questões: +351 219 151 429 Fx pr encomends: +351 219 151 429 E-mil:

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Canaletas PVC Sistema X & Acessórios

Canaletas PVC Sistema X & Acessórios Centro de Suporte Técnico 0800-11 11-8008 servmercado@piallegrand.com.br Canaletas PVC Sistema X & Acessórios (s): 30801/02, 30060/61/62, 30024/46, 313/08, 29900, 30400, 30404/05, 30993/94, 307, 33606/46,

Leia mais

Dutos. www.calhaskennedy.com.br. Telefones: (11) 2126-3333, (11) 5641-5090. Dutos (11) 2126-3333 (11) 5641-5090. www.calhaskennedy.com.

Dutos. www.calhaskennedy.com.br. Telefones: (11) 2126-3333, (11) 5641-5090. Dutos (11) 2126-3333 (11) 5641-5090. www.calhaskennedy.com. Dutos Telefones: (11) 2126-3333, (11) 5641-5090 Dutos 61 Duto Liso 25x Ref. CKD 700 Duto Liso 25x Ref. CKD 701 62 Duto Liso 2x25x Ref. CKD 702 Duto Liso 3x25x Ref. CKD 703 Duto Liso 4x25x Ref. CKD 704

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

ÍNdice. Nossos produtos são fabricados com a mais moderna tecnologia e um rigoroso padrão de qualidade

ÍNdice. Nossos produtos são fabricados com a mais moderna tecnologia e um rigoroso padrão de qualidade Ctálogo DE produtos especilizd em soluções pr refrigerção Nossos produtos são fbricdos com mis modern tecnologi e um rigoroso pdrão de qulidde A TRINEVA estbelecid desde 1966, cont com mis de 40 nos de

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO BÁSICOS

CATÁLOGO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO BÁSICOS CTÁLOGO DE PEÇS DE REPOSIÇÃO ÁSICOS ÁSICOS ase Fácil Deca Tabela de conversão PPR, PVC E CPVC....................................................... 6 50.HD.0.PPR Registro de gaveta HD para PPR de 0 mm..................................................

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

ESPECIALISTAS. Sistemas de segurança avançados para espaços confinados DOS MUNDIAIS NA PROTECÇÃO ANTIQUEDA E SALVAMENTO SISTEMAS DE ELEVAÇÃO

ESPECIALISTAS. Sistemas de segurança avançados para espaços confinados DOS MUNDIAIS NA PROTECÇÃO ANTIQUEDA E SALVAMENTO SISTEMAS DE ELEVAÇÃO Sistems de segurnç vnçdos pr espços confindos SISTEMAS DE ELEVAÇÃO AVANÇADOS SISTEMA ANTIQUEDA PORTÁTIL SISTEMA DE CONTRAPESO CÁPSULA DE TANQUE E SISTEMA DE ENTRADA LATERAL ELEVAÇÃO COM PÓLOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA TELHAS PÓSPINTADAS ACESSÓRIOS PARA COBERTURA TELHA POLICARBONATO PAINEL

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

30% de redução no custo de instalação. Todos os diferenciais acima contribuem para a redução do tempo e custo da instalação.

30% de redução no custo de instalação. Todos os diferenciais acima contribuem para a redução do tempo e custo da instalação. aplicação Destinado ao uso em obras novas ou reformas, tais como escritórios, universidades, laboratórios entre outros, o sistema de canaletas ARC, da Parcus, permite conduzir cabos de dados, voz e energia

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

T E L H A S M E T Á L I C A S. Catálogo Técnico

T E L H A S M E T Á L I C A S. Catálogo Técnico T E L H A S M E T Á L I C A S Ctálogo Ténio T E L H A S M E T Á L I C A S Visndo ofereer informções e orientções pr o melhor proveitmento dos produtos d Linh Metáli, Eternit elorou este tálogo ténio. Nele

Leia mais

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA

CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP - ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA CATÁLOGO TELHAS TELHAS EXP ANANDA EXPRESS TELHAS METÁLICAS TELHAS TERMOACÚSTICAS TELHAS FORRO TELHAS CALANDRADAS TELHA MULTIDOBRA TELHAS PÓSPINTADAS ACESSÓRIOS PARA COBERTURA PERFIS ESTRUTURAIS nndmetis.com.r

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Comercializamos FERRO e AÇO para atender indústrias, serralherias e construção. NOSSA LINHA

Comercializamos FERRO e AÇO para atender indústrias, serralherias e construção. NOSSA LINHA MERICN: Fone (19) 3468.1463 CMPINS: Fone (19) 3227.9978 merica Fer Ltda. CNPJ 03.877.363/0001-06 aço para indústria e serralheria www.americafer.com.br Comercializamos FERRO e ÇO para atender indústrias,

Leia mais

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE Uma promessa de amor MOBILIÁRIO E EQUIPMENTOS PRINCIPIS: "VIL BOLONH" º CS/Nº CS,0 m MONT CRG CESSO DE PSSGEM BOLONH,0 m 0 CESSO 0 B DE CESSO,0 m POSTE REDE ELÉTRIC VENID GOVERNDOR JOSÉ MLCHER (NTIG SÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 Pronto pr um câmer digitl de primeir com CCD de 6,0 meg piels?! A Genius gor nunci um câmer digitl de estilo único em su fmíli G-Shot: G-Shot P6533. Em um cbmento vermelho etrordinário, est DSC epress

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Manual de Operações Atualização do KIT I

Manual de Operações Atualização do KIT I Mnul de Operções Atulizção do KIT I ÍNDICE ANTES DE INICIAR... 2 NOVOS RECURSOS...2 EXIBIÇÃO DO TECIDO DURANTE O ALINHAMENTO DA POSIÇÃO DO BORDADO... 3 ALTERAÇÃO DO TAMANHO DO DESENHO, MANTENDO A DENSIDADE

Leia mais

Desempenho de coletores solares planos

Desempenho de coletores solares planos Universidde do Vle do Rio dos Sinos UNISINOS Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Mecânic Energi Solr érmic Desempenho de coletores solres plnos 2 º. semestre, 2015 Os testes seguem norms específics. Brsil:

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES EMPRESA A Axxio Pisos Elevados é fruto do compromisso permanente com a satisfação de seus clientes e com a inovação, com o intuito de que todos os serviços sejam cada vez mais ágeis e seguros. Para isso

Leia mais

2013 2014 rosm n ZORAKI

2013 2014 rosm n ZORAKI 2013 2014 ZORAKI rosm n ÍNDICE CARABINAS DE PRESSÃO PISTOLAS DE PRESSÃO LUNETAS E MIRAS HOLOGRÁFICAS CANIVETES E FACAS COFRES E MALETA ARCOS E BALESTRAS JOGO DE DARDOS E ACESSÓRIOS ALGEMAS, BASTÃO E ACESSÓRIOS

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO PERFORT 1 SISTEMAS DE BANDEJAMENTO Sistemas para piso elevado A Mopa desenvolveu diversos modelos de caixas para acomodação dos pontos de ligação dos aparelhos (tomadas). Estas caixas tem características

Leia mais

Manual de Operações. Máquina de costura MODELO VQ2400

Manual de Operações. Máquina de costura MODELO VQ2400 Mnul de Operções Máquin de costur MODELO VQ2400 Certifique-se de ler este documento ntes de utilizr máquin. Recomendmos gurdr este documento em um lugr de fácil cesso pr futurs referêncis. INTRODUÇÃO

Leia mais

CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM

CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM CANALETA 156/3 (150 X 60 mm) - 3 seções 0% BRASILEIRA Características das canaletas de alumínio Blindagem eletromagnética devido à liga 6060 - T5, eliminando

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

USO DOMÉSTICO JET CLEAN. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso.

USO DOMÉSTICO JET CLEAN. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. Mnul de Instruções Lvdor de Alt Pressão Residencil JET CLEAN ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso. USO DOMÉSTICO SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-2715 COMPONENTES G A N O F { F.1 F.2 F.3 C M

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-CARGAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-CARGAS ESPECIFICÇÕES TÉCNICS MONT-CRGS MODELO MH ESPECIFICÇÕES TÉCNICS MONT CRGS MH /8 PLICÇÃO Transporte vertical de pequenas cargas no âmbito da Industria e do Comércio. Pode funcionar como: - Monta - pratos

Leia mais

Linha Embutida de Fácil Acesso

Linha Embutida de Fácil Acesso Emb. Fácil Acesso Linha Embutida de Fácil Acesso Linha Embutida de Fácil Acesso Calha de piso... 47 Derivações... 49 Calha de piso para mobiliário... 50 O sistema de calha de piso é utilizado em ambientes

Leia mais

SISTEMA X SOLUÇÃO SEGURA

SISTEMA X SOLUÇÃO SEGURA SISTEMA X SOLUÇÃO SEGURA E ECONÔMICA ESPECIALISTA MUNDIAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS E DIGITAIS PARA INFRAESTRUTURA PREDIAL VERSÕES DE CANALETAS LEGRAND 1) ADESIVA ) FIXAÇÃO COM PARAFUSOS Sistema X - canaletas

Leia mais

Soluções para escritórios tehalit.office

Soluções para escritórios tehalit.office Soluções para escritórios tehalit.office A oferta tehalit.office foi concebida para dar resposta à maioria dos problemas de distribuição, de correntes fortes e fracas, na alimentação aos postos de trabalho.

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Telhas Galvanizadas Telhas Galvalume Telhas Pintadas Telhas Termoacústicas

Telhas Galvanizadas Telhas Galvalume Telhas Pintadas Telhas Termoacústicas nnmetis.com.r Telhs Glvnizs Telhs Glvlume Telhs Pints Telhs Termocústics PIRACICABA Ru Antonio Grneiro Lopes Filho, 205 Uninorte CEP 13496 Fone (19) 6.9050 CURITIBA Ru João Ferreir Sorinho, 274 Birro CIC

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados 1 Sistema de Piso Elevado DataFloor Durabilidade e flexibilidade Branco Mesclado O sistema de piso elevado DataFloor foi desenvolvido para proporcionar máxima flexibilidade no uso do espaço em ambientes

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

Fundamentação Metodológica

Fundamentação Metodológica E M.Montessori Fundmentção Metodológic Mnuis Didáticos Progrms em Níveis Listgens de Ambientes Preprdos Progrms Anuis - Bimestris As crinçs, em contto com um mbiente dequdo desenvolvem s potenciliddes

Leia mais

De esfera De agulha e borboleta Válvulas axiais

De esfera De agulha e borboleta Válvulas axiais Válvuls industriis De esfer De gulh e borbolet Válvuls xiis Válvuls industriis Válvuls industriis Esfer, série universl (P. 6-8) Esfer, série universl de purg (P. 6-13) Esfer, série universl com trvmento

Leia mais

Máquina de Costurar Computadorizada. Manual de Operações

Máquina de Costurar Computadorizada. Manual de Operações CONHEÇA SUA MÁQUINA DE COSTURA COSTURA BÁSICA VÁRIOS PONTOS APÊNDICE Máquin de Costurr Computdorizd Mnul de Operções Visite-nos em http://solutions.rother.com onde você poderá oter suporte do produto e

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso.

USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. Mnul de Instruções Lvdor de Alt Pressão Residencil SK USO DOMÉSTICO ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso. SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-715 COMPONENTES F A M N D E { E.1 E. E.3 C K L B { L.

Leia mais