Seções mistas em vigas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seções mistas em vigas"

Transcrição

1 ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Regulmentção Estrutur mist elementos estruturis (ljes, vigs, pilres e ligções) seções mists ço-concreto. Seções mists em vigs Seções mists em pilres Ljes mists 1

2 Ligções em estruturs mists Estruturs mists Edifícios, pontes, estcionmento, entre outros. Edifício em estrutur mist 2

3 Ponte mist Prque de estcionmento Comportmento globl dos elementos mistos ligção o cislhmento ço-concreto resistênci o cislhmento o longo ds superfícies de contto ço-concreto trito 3

4 4 Estruturs Mists Aço-Concreto ou por processos mecânicos destc conectores. Principis vntgens Estrutur Mist: Utilizção de médios e grndes vãos; Elevd resistênci o fogo; Bom comportmento estbilidde; Uso de forms de ço colborntes; Resistênci ds ljes de concreto, necessáris por rzões construtivs. A concepção e o dimensionmento de estruturs mists EC4 (EN1994) Projeto de estruturs mists ço-concreto. Eurocódigo 4 está dividido: Pt 1-1: Regrs geris e pr edifícios Pt 1-2: Resistênci o fogo Pt 2: Pontes Eurocódigo 4 usdo consistentemente com: EN 1990 Euroc. 0: Bses de Projeto EN 1991 Euroc. 1: Ações em Estruturs EN 1992 Euroc. 2: Projeto de Estruturs de Concreto EN 1993 Euroc. 3: Projeto de Estruturs de Aço EN 1998 Euroc. 8: Disposições p/ Projeto de Estruturs Resistentes Sismos. Estrutur mist dimensiond pr desempenhr com eficáci s funções pr s quis foi concebid (vid útil):

5 i) Colpso estdos limites últimos; ii) Adequdo desempenho em serviço estdos limites de utilizção; iii) Durbilidde proteção corrosão, etc. Estrutur mist concreto: resistênci à compressão, diminuição d esbeltez dos elementos em ço proteção do ço contr corrosão ou temperturs elevds em condições de incêndio. Estrutur mist verificd em dus fses: i) Fse de construção ii) Fse de utilizção Mecânic e Geometric dos mteriis Estrutur mist diversos mteriis: concreto, rmdurs de concreto rmdo, ço estruturl, forms perfilds em ljes mists dispositivos de ligções (prfusos, conectores, solds, entre outros). Proprieddes dos mteriis + norms plicáveis cp. 3 EC 4 (EN ) 5

6 remete EC 2 e 3 (Projeto de estruturs de concreto, Projeto de estruturs de ço). Principis crcterístics mecânics dos concretos EC 4 + uso concretos leves Vlor crcterístico d resistênci à compressão f ck (cilindro), Vlor médio d resistênci à trção f ctm e Módulo de elsticidde secnte médio E cm Clsse C20/ C25/ C30/ C35/ C40/ C45/... C60/ f ck (MP) f ctm (MP) E cm (GP) Vlor nominl do coeficiente de Poisson cálculos elásticos = 0.2. Aço estruturl clsses mis utilizds S235, S275 e S355 tensão de escomento f y e de ruptur f u, EN 1993: EC EC4 ços + resistentes S 420 e S

7 7 Estruturs Mists Aço-Concreto O ço forms perfilds ljes mists tensões de escomento 235 e 460 MP espessurs 0.7 e 1.5 mm glvnizds Tensão de escomento f yb e de ruptur à trção f ub prfusos EN 1993: EC3-1-8 Conectores, qulidde comptível com o desempenho método de fixção proprieddes mecânics devem obedecer : A relção entre tensão últim f u e tensão de escomento f y não deve ser inferior 1.2; Alongmento n ruptur comp. inicil = 5.65 A 0 (A 0 áre seção trns. inicil) 12% Análise globl de estruturs mists Modelgem Esforços e deslocmentos nálise globl elástic ou nálise globl plástic. Análise primeir ordem ou de segund ordem (P-globis ou efeitos P- locis. Modelgem de um estrutur mist nálise globl de esforços e deslocmentos ftores: i) crcterístics de deformbilidde e rigidez; ii) estbilidde globl e dos seus elementos; iii) comportmento ds seções trnsversis, iv) comportmento ds ligções; v) imperfeições; vi) deformbilidde dos poios.

8 Estruturs Mists Aço-Concreto Estrutur mist efeitos dicionis: i) gru de ligção entre os mteriis; ii) seção efetiv dos elementos; iii) fluênci, retrção fissurção do concreto iv) sequênci de construção. Estbilidde d estrutur, imperfeições, efeitos de 2 ordem semelhnte EC3-1-1 Métodos simplificdos EC3-1-1 método de mplificção ou o método simplificdo crg crític continum plicáveis. Imperfeições est. mists = outrs estrut: i) tensões residuis; ii) comportmento não liner do mteril; ii) excentriciddes ns ligções; iii) excentriciddes ds crgs; iv) flt de verticlidde; v) flt de lineridde, etc EC4 (como EC3) 2 níveis de imperfeições: i) imperfeições globis d estrutur ii) imperfeições locis dos elementos. Ligções mists rotulds, semi-rígids ou rígids Em gerl ns estruturs mists ligções elevd resistênci e rigidez Estrutur mist proprieddes efetivs ds seções lrgur efetiv de concreto (b eff ). 8

9 Lrgur dependente sher lg, vlores diferentes momento fletor + ou - b eff b eff Seção efetiv de vigs mists EC4 nálise globl elástic de esforços simplificdmente seção efetiv constnte. Vigs poids ns extremiddes b eff seção de meio vão Blnços b eff seção poio = longo do vão Análise d estrutur Estdo limite último nálise elástic ou um nálise plástic; seções dimensionds cpcidde plástic. Estdo lim. utilizção nálise glob. elástic Análise globl elástic estrutur mist conceito de homogeneizção de seções dividir áre concreto por coef. homogeneiz: n E E c, E o módulo de elsticidde do ço E c o módulo de elsticidde do concreto 9

10 Fluênci e retrção do concreto coeficiente de homogeneizção módulo de elsticidde reduzido (E c ) concreto Clsse 1 ou 2 EC4 simplificdmente desprezr o efeito d retrção b eff /n Homogeneizção em ço Estruturs pouco deform., não protendids e não destinds rmzenmento efeito d fluênci E c = E cm /2 coeficiente de homogeneizção E cm módulo de elsticidde secnte p/ crgs curt durção. Sequênci de construção considerd nálise de elementos mistos clsse 3 & 4. clsse 1 & 2 efeito pode ser desprezdo. Análise elástic de vigs contínus ou pórticos mistos dependendo d clsse ds seções té 40% redist. momentos Qudro 5.1 EC4 Análise globl plástic de um estrutur mist suficientemente compcts (em gerl de clsse 1) elevd cpc. rotção simétrics e cont. lterlmente EC4). 10

11 1.4. Clssificção de seções mists Clssificção de seções mists EC4 semelhnte EC3 4 clsses Clsse de um seção mist mis desfvorável sinl do momento fletor. Sub-cpítulo 5.5 do EC4 critérios pr clssificção de seções mists + relevntes: Vig mist momento (+) mes comprimid flmbgem lterl sej impedid ligção efetiv (conect.) lje Clsse 1 noutrs situções mes clssif. seções de ço. Seção lmind Seção soldd Distribuição tensões (compressão positiv) de Clsse Tipo Limite 1 c/t 9 2 Lmind ou c/t 14 3 soldd c/t 20 11

12 12 Estruturs Mists Aço-Concreto Alm vigs mists Clsse 3 (seção de ço) considerd Clsse 2, envolvid em concreto ligdo mecnicmente o ço estribos/conectores critérios 5.5.3(2) EC4 Mes tipo de seções clssificd qudro 5.2 do EC (2) do EC4. Clssificção de mess em seções prcilmente envolvids em concreto Estrutur mist clsse 1 ou 2 por: i) pode ser usd um nálise globl plástic; ii) Dimensionmento ds seções nálise plástic créscimos de resistênci de 20 40% vigs dimensionmento elástico; iii) mior possibilidde de redistri. esforços; iv) EC4 só permite o dimensionmento de vigs em interção prcil clsse 1 ou 2. Em fse de construção enqunto o concreto não endurece seções clssificds e nlisds pens prte de ço 2. LIGAÇÃO AO CISALHAMENTO 2.1. Introdução Comportmento globl vig, pilr ou lje mist ligção o cislhmento çoconcreto vrição momento e cortnte escorregmento contto ço/concreto se

13 não bsorvidos comportmento conjunto Resistênci gru de interção 2.2. Gru de interção Elemento dois mteriis: Interção totl; Interção prcil; Interção nul. Vig bi poid crg linermente distrib. w Interção nul Interção totl Vig simplesmente poid Não existe qulquer elemento de ligção entre s dus prtes o longo d superfície A-B interção nul, tensões + deformções vlids em seprdo, crg tunte = w/2 em cd vig momento de inérci bh 3 /12. Momento fletor máximo M máx = w L 2 16 esforço cortnte máximo T máx = w L 4, tensões normis e tngenciis máxims e deformção máxim d vig meio vão, são: 13

14 máx h b 8 L w 3 ; h b 8 L w 3 máx ; 3 4 máx h b E 64 L w 5 Momento fletor distânci x meio vão é: 16 4 ) ( 2 2 x L w x M, deform. longit. fibrs inf. d prte superior = módulo deform. máxim n fibr sup. d prte inf.: ) ( ) ( x L h b E w I E z x M x y máx z máx = h/2 Diferenç (extensão de deslizmento) 2 fibrs nteriores ) ( 2 x dx ds. Deslizmento 2sup distânci x meio vão: ) ( 2 x L h b E w x dx ds C x x L h b E w s

15 C = 0 s ( x 0) 0 (seção de meio vão mntém-se pln). x = L/2 deslizmento máximo: 3 2 w L 4 E b h s máx Deformd de um vig com interção nul Se ligção entre s dus prtes o longo d superfície A-B interção totl tensões e s deformções são vlids peç únic tensões normis e tngenciis máxims e deformção máxim meio vão: 3 w L 2 w máx 2 16 b h ; máx 8 b h máx w L 256 E b h Tensão tngencil máxim igul nos dois csos tensão norml metde qundo existe interção totl 3 L ; 15

16 Deformção verticl máxim d vig interção totl 25% com interção nul. Interção prcil intermedári interção totl e interção nul Vigs L 2 h=20, s máx 1/10 d deformção verticl conclui-se ligção o cislhmento longitudinl superfície de contto deve ser muito rígid p/ ser efetiv. ) Interção nul b) Interção totl Vig mist com interção nul e interção totl Ligção o cislhmento cislhmento longitudinl por unidde de comprimento x fluxo de cislhmento: 3 w x x x b 4 h 3 w x 4 b h, x 16

17 Tensão tngencil o nível do eixo neutro num seção à distânci x d seção de meio vão. Fluxo de cislhmento totl em mei vig (esforço de escorregmento) integrção d equção nterior, é: 3 2 w L 32 h. Análise elástic do escorregmento conectores resistir o esforço de cislhmento longitudinl espçdos de cordo com o fluxo de cislhmento se resistênci o cislhmento de um conector P Rd, espçmento p entre conectores 4 PRd h p p x P Rd, equivlente : 3 w x Vig em nálise crg uniform. distribuíd distribuição tringulr de conectores = digrm de esforço cortnte). Se redistribuição de tensões possível conectores igulmente espçdos dimensionmento de vigs mists EC Forçs de levntmento Tensão norml à interfce AB sempre de compressão exceto ns extremiddes Tensão trção forçs de levntmento guindstes móveis 17

18 suspensos nos elementos de ço de um lje de concreto mist situções como: Forçs de levntmento Conectores prátic resistir escorregmento e o levntmento Forçs de levntmento normlmente muito menores cislhmento longitudinl dimensionmento dos dispositivos de ligção não se costum considerr o seu efeito conectores formto grntm lgum resistênci o levntmento Métodos de Ligção o Cislhmento Aço-Concreto Aderênci Aderênci ou trito processo + simples de ligção ço-concreto peç mist pens resiste forçs de escorregmento bixs Vigs mists escorregmento superfícies do tipo A-A vlores elevdos não é possível evitr o deslizmento só por trito. 18

19 Superfícies de escorregmento em vigs mists Conectores Conectores de cislhmento mis usdo conector circulr de cbeç tipo Stud diâmetro mm comprimento h 65 e 100 mm resistênci ordem de 150kN. Principis vntgens deste tipo de conector: sold fácil e rápid; não são obstáculo à rmdurs ds ljes; tem resistênci e rigidez o cislhmento = em qulquer direção norml o seu eixo. Conectores circulres de cbeç tipo Stud 19

20 Outros tipos de conectores de cislhmento Comportmento de um ddo tipo de conector testes modelos simples curv crg-deslizmento té ruptur. Ensio de conectores de cislhmento 20

21 Curvs conector circulr de cbeç com 19 mm de diâmetro lje mist EC4 deslizmento obtido trvés de um ensio é superior 6 mm dúti. Crg-deslizmento de um conector Stud Resistênci o cislhmento conector circulr menor dos vlores entre: resistênci do conector P Rd f u 2 d 4 resistênci do concreto envolvente, d fck Ecm P Rd EC 4 f u resist. trção ço conector < 500 MP f ck e E cm resist. crct. concreto comp. (cp cilíndrico) e módulo de elst. secnte

22 0.2 d1 pr 3 d 4 h sc h sc 1 pr h sc d 4. h sc e d ( 16mm d 25mm ) ltur e o diâmetro do conector Coef. prcil de segurnç =1.25. Vigs mists chps de ço form colbornte conectores ns nervurs Vig mist e lje mist n mesm direção Ensios resistênci dos conectores menor que num lje mciç possível ruptur locl ds nervurs de concreto. EC4 coeficientes de redução resistênci P Rd equções nteriores. Chps + nervurs de concreto prlels o elemento de ço coeficiente de redução é: k l b o 0.6 hsc 1 h p hp h sc h p +75 mm

23 Chps perfilds com s nervurs de concreto direção trnsversl o elemento de ço coef. de redução: k t 0.7 b o hsc 1 n h r p hp n r número de conectores num nervur, no cruzmento com o elemento de ço, 2 no cálculo coef, de redução. nervurs n direção trnsversl k t não deve ultrpssr limites (2) e (3) EC4 geometri chps, diâmetro e proc. sold dos conect. Devem ind ser cumprids s disposições construtivs espçmento, recobrimento e dimensões dos conectores 6.6 do EC Ligção o cislhmento em sistems estruturis mistos com chps de ço Sistems estruturis mistos com form de ço inviável soldr conectores chps 23

24 espessur muito reduzid gerl resistênci deslizmento derênci químic, trito pequens sliêncis e reentrâncis n chp ou por mrrção de extremidde. ) Sliêncis e reentrâncis Sistems estruturis form de ço, resistênci o cislhmento longitudinl derênci e trito fundmentl chps sejm corrugds. b) Amrrção de extremidde 24

25 Estruturs Mists Aço-Concreto Não existem modelos nlíticos suficient. desenvolvidos resistênci o cislhmento em ljes mists. EC4 métodos semi-empíricos clibrção de prâmetros ensios em escl rel descritos ljes mists método m-k método d interção prcil, 3. VIGAS MISTAS 3.1. CONCEITOS GERAIS Vig mist essencilmente à flexão perfil de ço (I, H ou retngulr oc) ligdo um lje em concreto rmdo U ou em L não devem ser usds menos elementos de ligção impeçm torção d secão. 25

26 26 Estruturs Mists Aço-Concreto EC4 vig mist deve ser verificd Estdos limites últimos secões trnsversis; flmbgem lterl; compressão d lm crgs trnsv; cislhmento longitudinl; Estdos limites de utilizção Deformções; Fissurção do concreto; Vibrções; Estrutur mist simplesmente poids ou contínus. Vigs simpl. poids vntgens: Ligções + simples, logo + brts; Só pequen zon d lm compressão mes superior confind pel lje resistênci não sej condiciond flmbgem lterl; Alms dos perfis menores tensões + fácil relizr furos serviços; Momentos fletores e esforços cortntes estticmente determindos não influencidos pel fluênci, fissurção ou retrcão do concreto; Não há intercão vigs vãos djc.

27 27 Estruturs Mists Aço-Concreto Momentos fletores pilres pequenos Não há concreto trciondo prte superior d lje, exceto nos poios. Análise e o dimensionmento vigs contínus + complexo, ests presentm lgums vntgens: Relções vão/ltur de mior vlor pr determindos limites de deformção; Controlr melhor fissurção d superfície superior d lje junto os pilres interiores; Lje de concreto tem um frequênci própri mis elevd menos suscetível de vibrr com o movimento ds pessos; Estrutur é mis resistente, em especil, em situções de incêndio. Ligção o cislhmento vig mist 2 grus de interção: interção de cislhmento totl interção de cislhmento prcil Vig mist possui interção de cislhmento totl umento do número de conectores de cislhmento não ument su resistênci à flexão cso contrário interção é prcil. Teori plástic resistênci à flexão ds secões crítics de um vig mist (clsse 1 ou

28 Estruturs Mists Aço-Concreto 2) conectores de cislhmento ser igulmente espçdos Vigs mists forms colborntes não ser possível número de conectores necessários pr interção totl redução d resistênci à flexão d vig interção prcil. Pontes mists secões + esbelts clsses 3, 4 conectores teori elástic SECÃO EFETIVA Tensão norml médi o longo d lje: Distribuição de tensões normis no concreto Bsedo no vlor máximo tensão (ponto D) lrgur efetiv b re GHJK = áre ACDEF Teori d elsticidde b/b depende de form complex B/vão d vig, tipo de crregmento, condições nos poios, etc. 28

29 Estruturs Mists Aço-Concreto EC4, lrgur efetiv b eff nos vãos e nos poios intermediários de um vig mist: beff b0 b b 0 dist. entre conectores dir. trnsv b ei lrgur efetiv de cd ldo d lm, L e 8, b i (mei distânci entre lms). L e proxim. distânci secões momento nulo Vig bipoid L e = vão L, lrgur efetiv b eff b 0 L 4. ei Lrgur efetiv em vigs contínus Apoios de extremidde lrgur efetiv: b b b i eff L b 1. 0 b ei e L e definidos pr o vão djcente 29 i e ei ei,

30 Estruturs Mists Aço-Concreto Proprieddes elástics secão trnsversl mist homogeneizção d secão em ço dividindo áre de concreto pelo coeficiente de homogeneizção n E E', E módulo de elsticidde do ço E c módulo de elsticidde efetivo do concreto E c pode ser tomdo como o módulo de elsticidde secnte E cm efeitos de curt durção vlor reduzido efeitos de long durção do EC4). Rigidez de flexão sem fissurção e rigidez de flexão com fissurção de um secão trnsversl mist E I1 e E I2, I 1 o momento de inérci em relção o eixo neutro d secão homogeneizd em ço concreto trciondo não está fissurdo I 2 desprezndo o concreto trciondo incluindo rmdur. c 3.3. RESISTÊNCIA À FLEXÃO Vigs com Interção Totl Resistênci à flexão nálise plástic, secões mists de Clsse 1 ou 2 Outros csos nálise elástic. 30

31 31 Estruturs Mists Aço-Concreto Em mbos os csos deve-se considerds s seguintes hipóteses: Desprezr resist. à trcão do concreto; Secões trnsversis plns ds prtes de ço estruturl e de concreto rmdo de um vig mist mntêm-se plns. Momento plástico resistente vig mist interção totl é: Secão efetiv do elemento de ço estruturl escomento fyd f y, trcão ou comp; Secões efetivs ds rmdurs longitudinis trcionds e comprimids escomento fsd f sk s, em trcão ou em compressão; As chps perfilds comprimids devem ser desprezds; s chps trcionds, se incluíds n secão efetiv, devem ser considerds escomento fyp, d fy p ; Are efetiv de concreto à compressão tem resistênci máxim 0.85fcd 0. 85f ck c, considerdo constnte o longo d ltur entre o LN plástic e fibr + comp. concreto Momento plástico resistente (+) Momento plástico resistente + vig mist secão ço I lje concreto + form de ço nervurs perpendiculres o eixo d vig

32 Estruturs Mists Aço-Concreto Lje ser mciç expressões continum ser válids h p = 0. Momento resistente + 3 posições LN pl: lje de concreto, mes superior e lm. i) Eixo neutro n lje de concreto Flexão positiv com eixo neutro n lje F e F c, resistêncis plástics à trcão do ço e à compressão do concreto F c F h c b eff A f y 0.85 f ck c A é áre de ço estruturl tensão de escomento fy = 1.0 EC4 b eff é lrgur efetiv de concreto 0.85 f ck c tensão à compressão do concreto c = 1.5 EC4 32

33 Se Fc F, eixo neutro lje de concreto distânci z d fce superior: 0.85 f c eff ck c hc F z beff ck z F b 0.85 f Momento fletor momentos em relção o centro de grvidde ds compressões: M F h 2 h h 2 pl. Rd c p z ii) Eixo neutro n mes superior do perfil Nest situção Fc F : F F c 2 b b f /t f lrgur/espessur d mes de ço Distânci z (posição do eixo neutro) dmitindo resist. ço à compressão é: 2 f y, forç F su linh de cão: f t f f y 33

34 34 y p c f c f h h z b 2 F F Momento fletor: p c p c Rd pl h z F F h h h F M iii) Eixo neutro n lm do perfil de ço Se c F F e y f f c f t b F F 2 eixo neutro lm do perfil dig. de tensões: Flexão (+) com eixo neutro n lm de ço Posição LN z w, ltur d lm trção cim cg perfil resist. ço longo d ltur f y 2 ter dist. unif. tensões comp. y f metde 2 h superior perfil z w : y w c w f t 2 F z Momento fletor resistente cg do perfil: w c p c c plrd Rd pl z F h h h F M M y w c p c c plrd Rd pl f t F h h h F M M M pl.rd momento plástico do perfil de ço

35 Momento plástico resistente (-) Momento resistente (-) secão mist rmdur d lje de concreto e do perfil de ço concreto desprezd trção 2 situções + correntes eixo neutro: LN n mes superior e n lm. i) Eixo neutro n mes superior do perfil Forç de trcão resistente F s rmdur negtiv áre A s longo d secão efetiv: F s A Eixo neutro plástico mes superior se: F s s F e F Fs 2 bf tf fy Digrms de tensões são: f sk s Posição LN espessur z f mes sup. Trcão dmitindo resist ço à trcão 2 f y F + linh ção mntenhm com: F F s 2 b f z f f y 35

36 Momento fletor resistente centro de grvidde d rmdur d lje de concreto: M F h 2 h F F z 2 h pl. Rd s ii) Eixo neutro n lm do perfil de ço Eixo neutro plástico lm se: F e F Fs 2 bf tf fy F s Digrms de tensões são: s f s Posição do eixo neutro z w ltur d lm em compressão cim do cg perfil de ço dmitindo resistênci do ço longo ltur 2 f y dist. uniforme de trcão fy metde h 2 superior perfil z w : z w Fs 2 t w f y Momento resistente cg do perfil de ço: M pl. Rd plrd. s 2 h 2h F t f M F 4 M pl.rd momento plást. do perfil de ço s s w y 36

37 Vigs com Interção Prcil Surge normlmente ns vigs mists com forms e nervurs trnsversis conectores só ns nervurs usr número conectores n < número mínimo n f interção totl. EC4 interção prcil só é permitid em zons de momento fletor (+) Interção prcil redução cislhm. longitudinl ligção ço e concreto redução compressão no concreto N cf ntes F c N c + desliz. sup. contto Gru de interção é: n n f N N c cf Deform. em vig mist com interção prcil 37

38 Redução compressão no concreto redução momento rest. (+) vig mist. Análise plástic d secão diversos grus de interção (Comp. Struct. of Steel & Concrete, R. P. Johnson) relção entre máximo momento (+) resistente reduzido M Rd M Ed gru interção - curv ABC: Interção prcil momento plástico M resistente (+) Rd entre inter. nul (momento resistente = momento plástico do perfil M pl.. Rd ) e com interção totl (momento resistente = momento resist. secão mist com inter. totl M pl.rd ). Dimensionmento com interção prcil 38

39 Estruturs Mists Aço-Concreto Simplificção conservtiv substituir curv ABC pel ret AC: n n f M M Ed pl. Rd M M pl.. Rd pl.. Rd No dimensionmento do número de conectores n ret AC definid em função do momento (+) resistente reduzido M Rd M Ed = M Rd, número conectores trvés: M Rd M n pl.. Rd M pl. Rd n f M pl.. Rd Vig dimensiond interção prcil ligção o cislhmento longitudinl dútil EC4( ) conectores com h 4 d e 16 mm d 25 mm limites L e comprimento vig momento (+) vigs contínus semelh. consid. lrgur efetiv: Vigs de ço com mess iguis. L e 25m e f y L, 0. 4 L e 25m

40 Estruturs Mists Aço-Concreto Vigs de ço mes inferior com áre > mes superior ms < 3 vezes esse vlor. L e 20m e f y L, 0. 4 L e 20m 1. 0 EC outros limites gru interção p/ condições + espec. limite mínimo de 0.4. Se interção de cislhmento longitudinl não verific os critérios de dutilidde referidos cim vigs devem ser dimensionds com bse em critérios elásticos (como clsse 3, 4) o nível d ligção o cislhmento ou resistênci à flexão ds secões crítics. Est nálise + complex depende de: fluênci, retrcão fissurção do concreto sequênci de construção (+ ou - gru de escormentos) Vigs Prcilmente Envol. em Concreto 40

41 Vigs são em gerl pré-fbricds ument custos de fbricção, trnsporte e montgem presentm vntgens: Protecão d lm o fogo e umento resist. fogo rmdur longitudinl prticulr mes inferior Confinmento d lm (e mess) diminuindo clsse Mior restrição à flmbgem lterl. Aumento d resistênci o esforço cortnte, incluindo resistênci à flmbgem locl d lm por cortnte. EC4 relção comprimento/espessur d lm deve ser limitd d t w 124 prátic pr. envolvids gerl clsse 1, 2 Dimensionmento de vigs mists prc. envolvids em concreto gerl resistênci plástic semelhnte outrs vigs: 41

42 momento plástico vigs mists prc. envolvids 3.4. RESISTÊNCIA AO ESFORÇO CORTANTE Vig mist sem lm em concreto esforço cortnte resistido concreto d lje + perfil de ço contribuição d lje bstnte reduzid comprd com perfil + não há modelo de dimensionmento bem definido contbilize resistênci d lje ssumese cortnte totlmente resistido ço. 42

43 Estruturs Mists Aço-Concreto Verificção do cortnte secão de ço: V V A f 3 Ed pl. Rd v y A v áre cislhmento perfil de ço. Flmbgem locl d lm esforço cortnte (V b,rd ) ou crgs concent. EC3 Pt Secões de clsse 1 ou 2 V Ed 50% de V pl. Rd, o momento plástico resistente tensão resistente reduzid 1 f longo yd áre cislhmento 2 V 1 2 Ed VRd. Esforço cortnte tunte distribuído pel lm de ço e pel secão de concreto envolvente proporcionlmente à contribuição de cd um ds prtes resistênci à flexão d secão mist. 43

44 Redução do momento resist. o cortnte Vigs mists prcilmente envolvids contribuição concreto+rmdurs envolventes d lm EC2 se existir um ligção efetiv à lm d vig Ligção o cislhmento n lm 44

45 3.5. FLAMBAGEM LATERAL EM VIGAS MISTAS Vig mist momento fletor (+) mes comprimid (superior) ligdo conectores lje mist lrgur efetiv > ltur vig de ço lterlmente estável Fse construção escormento usdo vig verificd flmbgem lterl considerndo pens prte de ço Vigs mists flmbgem lterl restringe-se quse exclusivmente zons momento (-) poios interm. mes inf. compressão cont. lterlmente poios Flmbgem lterl em vigs mists é diferente vigs de ço lje o impedir torção obrig à distorção d secão Desl. lterl mes inferior é máximo distânci do poio = 2 3 x ltur d vig. Flmbgem lterl vigs mists EC4 p ou com metodologi gerl semelhnte EC3 flmbgem lterl de vigs de ço, com bse n condição: M Ed M b. Rd LT M Rd 45

46 Deslocmento V Flmbgem lterl em vig mist contínu LT (função d esbeltez reduzid LT MRk Mcr e ds imperfeições) ftor red. momento (-) resistente flmb. lterl e M Rd momento resist. (-) secão mist. M cr modelo U invertido função de um coeficiente de rigidez k s, dependente d rigidez d lje de concreto e d lm do perfil de ço cálculo complexo Designers Guide to EN Johnson & Anderson. 46

47 Modelo U invertido EC metodologi simplificd, dispens verif. flmbgem lterl vigs mists contínus ( LT 0. 4 ), se: Vãos djcentes não diferem mis de 20%. Vãos em blnço < 15% vãos djcentes; Crgs uniform. dist., prte d crg permnente superior = 40% crg totl; Mes superior do perfil de ço ligd lje por conectores, de cordo 6.6 EC4 Lje é ligd pelo menos um vig, proxim. prlel à vig nlisd gerr U invert. Se lje de concreto for mist, deve desenvolver-se (bordos de poio) entre s dus vigs que formm o U invertido; Nos poios s mess inferiores dos perfis de ços devem ser contrventdos lterlmente e s lms reforçds; Alms prc. envolvids em concreto, os limites nteriores umentdos em 200 mm pr ço té à clsse S 355, e em 150 mm pr ço ds clsses S 420 e S

48 Estruturs Mists Aço-Concreto Se o perfil de ço for constituído por secões IPE ou HE não envolvids em concreto, su ltur máxim h não deve exceder os vlores indicdos no qudro seguinte. Máxim ltur (mm) perfis ço vigs mists Perfil Clsse do ço S 235 S 275 S 355 S 420 e S 460 IPE HE Sempre que resistênci à flmbgem lterl não sej verificd, devem ser previstos elementos de contrventmentol como: contrventmento lterl em vigs mists 3.6. Resistênci o cislhm. longitudinl Conectores Resistênci cislhm. long. vig mist conectores e rmdurs trnsv. lje. Comportmento ligção vig-lje número e tipo de conectores > ou < deformbilidde cislhmento clsf. dúteis e não-dúteis 48

49 49 Estruturs Mists Aço-Concreto EC4 ( ) dútil cpcidde deform. ensios normlizdos (AnexoB EC4) >6mm Studs h 4 d e 16 mm d 25 mm, gerl comportmento dútil. Conectores resistir forç de levntmento > 10% resistênci o cislhmento Studs do EC4 verificm est condição. Conectores lém resistênci disposições const EC4 i) recobrimentos; ii) reforços locis (zons de extremidde e nervurs de concreto); iii) espçmentos; iv) geometri, entre outros Dimensionmento dos conectores Vigs mists teori elástic cislh. longitudinl/unidde de comprimento (esforço de escorregmento) esforço cortnte espçmento entre conectores o longo d vig compnhr o digrm de cortnte. Teori plástic dimensionmento ds vigs cislhmento longitudinl nálise plástic (tmbém poss ser vlido com um nálise elástic) conectores igulmente espçdos longo d vig cislhmento long.

50 Estruturs Mists Aço-Concreto EC4 Conect. = espçdos implic: Conectores dúteis; Secões crítics de clsse 1 ou 2; Verificção limites p/ interção prcil EC4 Momento resistente d vig mist < 2.5 x momento resistente d vig de ço. Vig interção totl teori plástic cislhmento longitudinl totl V l resistido pelos conect. cislhmento, entre secão momento Mx. (+) e poio extrem.: Vl Fcf mín imo A f y 0.85 Ac fck Ase fsk ( ; ) c s A áre do perfil de ço, A c áre de concreto n lrgur efetiv A se áre de qq. rmdur long. em compressão incluíd no cálculo d resistênci à flexão d vig Ares ref. secão Mx. momento (+) Vigs bipoids ou vãos extremos de vig contínu cislhmento clculdo cim resistido em comprimento crítico AB ou BC: Comprimento crítico vigs bipoids 50

51 Estruturs Mists Aço-Concreto Cislhmento longitudinl totl V l resistido por conectores entre seção momento máximo (+) e 1 poio intermediário ou extrem. engstd (vãos int. vigs contínus), é: As f A sk p fyp V F l cf A s áre rmdur long. efetiv d lje e A p áre efetiv forms (se incluíds n secão efetiv) secão do poio. Vig em blnço F cf = 0. Número de conectores (igulmente espçdos) comprimento crítico, é: n f s V P Rd resistênci de um conector Armdurs trnsversis Vigs mists rmdur trnsversl evitr ruptur cislh. Longit. superfície crític Indic-se quntificção d rmdur A sf por unidde de comprimento vlição d resistênci o cislh. superf. ruptur. l P Rd p 51

52 Superf. Superfícies de ruptur por cislhmento Comprimento superfície de cish. b-b = 2 hsc dc st, h sc ltur totl do conector, d c diâmetro d cbeç e s t espçmento trnsv. entre conectores. Limites ltur mínim dos conectores ljes mciçs de espessur uniforme superfícies tipo - sejm condicionntes. Cislhmento long./comp Ed cislh. Long. considerdo dimen. conectores. Cislh. long/unid. comp. Rd modelo treliç EC2 vigs T função d ltur d lje h f. 52

53 Modelo de treliç em vigs em T Armdur trnsversl A sf deve: A sf s f f yd Ed hf cot 45º f 26.5º em mess comprimids 45º f 38.6º em mess trcionds. Pr não hver ruptur d digonl de concreto em compressão, deve-se: Ed f cd sin f cos f fck 250 f ck em N/mm 2, ftor de redução d resistênci o cislhmento do concreto fissurdo. Armdurs trnsv. ncords p/ lém d lrgur efetiv d mes de concreto vig mist f 53

54 54 Estruturs Mists Aço-Concreto Ljes de concreto forms de ço nervurs n direcão trnsversl às vigs ou se conectores forem solddos às vigs chps entrr com contribuição ds chps pr resistênci o cislh. longitudinl Ed do EC Estdos limites de utilizção Generliddes Vigs mists estdos limites de utilizção normlmente considerdos são: Deformções fissurção do concreto vibrções Verificdos EN1990 Bses de Projeto. Tensões e deformções vigs mists estdo limite utilizção deve considerr: Sher lg ; Fluênci e retrcão do concreto; Fissurção do concreto; Sequênci de construção; Interção prcil; Escomento ço estrut. e rmdurs; Protensão; Efeitos d tempertur; Efeitos d torção.

55 Deformções Limites de deformção verificdos pr relções vão/ltur totl d secão mist d ordem de vigs bipoids e de vigs contínus. Deformções vig mist nálise elástic secão equiv. homogeneizd Sequênci de construção vigs não escords n fse de construção deformção construção (ço) diciond à deformção utilizção (mist). Efeito do escorregmento em vigs mists inter. prcil ELU, com gru inter. > (4) EC4 desprezdo Efeito d fissurção do concreto ns zons de momento (-) nálise elástic concreto fissurdo zon dos poios intermediários ( EC4) ou método simplificdo (plicável clsse 1, 2 ou 3) método multiplicr momentos (-) (se provocrem tensões > 1.5 f ctm f ctm resistênci crct. concreto à trcão) nos poios interm. (obtidos nálise elástic concreto não fissurdo) por um coef. Red. f 1 (corrigindo os momentos (+) nos vãos djcentes) ddo: 55

56 f 0.35 E I E I Estruturs Mists Aço-Concreto Se s crgs distribuíds/comp. = todos os vãos e os comprimentos de todos os vãos não presentrem diferençs > 25%; nos outros csos consider-se segurnç f I 1 e I 2 inércis d secão mist em estdo não fissurdo e em estdo fissurdo. Ftor redução momentos sobre poios interm. Influênci d escomento do ço estruturl (vigs mists não poids n construção) sobre os poios intermediários multiplicndo momentos fletores por coef. redução dicionl: f 2 0. se f y for tingido ntes do endurecimento do concreto d lje f 0. 2 se f y for tingido depois do endurecimento do concreto d lje

57 f 1 f 2 f 1 f 2 Fissurção do concreto e escomento do ço deformções em um vig mist contínu Vigs com um relção vão/ltur <20 não é necessário entrr em cont com o efeito d retrcão do concreto Vibrções EL utilizção vibrções do EC4 pont pr os Anexos Ncionis Fissurção do concreto Estdo limite lrgur ds fissurs do EC2 vigs mists form simplificd limites 7.4 do EC4 áres mínims de rmdur longitudinl e vlores máximos de espçmento e diâmetro dos verglhões. Nos poios de vigs bi poids rmdur mínim de 0.4% ou 0.2% d áre de concreto (n lrgur efetiv) cso de vig ser 57

58 Estruturs Mists Aço-Concreto escord/ escord rmdur prolongr comprimento mínimo 0.25 x comprimento vig Noutros csos deve ser usd um rmdur mínim A s (n lrgur efetiv): ks kc k fct, eff Act As s f c,eff tensão resist. concreto à trcão n idde d primeir fissur (mínimo 3 N/mm 2 ), A ct áre de concreto em trcão (simplificdmente considerdo todo o concreto n lrgur efetiv), s máx. tensão permitid n rmdur de reforço tensão crcterístic f sk. Coeficientes k s, k c e k efeito do deslizmento n ligção o cislhmento longitudinl, efeito d distribuição não uniforme de tensões no concreto e efeito ds tensões de retrcão ou devids vrições de tempertur clibrdos experim. tomm vlores = 0.9, 1.0 e 0.8, respectivmente. Com o vlor d rmdur mínim A s clculd p/ expressão nterior Qudros 7.1 e EC4 define-se o espçmento e diâmetro dos verglhões considerdos p/ lrgurs fissurs máxims: 0.2, 0.3 e 0.4mm. 58

59 59 Estruturs Mists Aço-Concreto

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES ECC 1008 ESTRUTURS DE CONCRETO ESTRUTURS DE FUNDÇÕES Prof. Gerson ocyr Sisniegs lv PPEL DS FUNDÇÕES Trnsmitir s ções d suerestrutur o terreno So o secto d Segurnç: Reseitr resistênci do solo Reseitr resistênci

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si.

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si. 7 Fundções 7.1 Spts 7.1.1 Spts Corrids 7.1.1.1 Introdução A spt corrid é normlmente utilizd como poio direto de predes, muros, e de pilres linhdos, próximos entre si. pilres vig de rigidez spt corrid )

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço 2º. Teste de Introdução à Mecânic dos Sólidos Engenhri Mecânic 25/09/2008 25 Pontos 1ª. Questão: eterminr os digrms de esforços solicitntes d Vig i-poid com blnço bixo. 40kN 30 0 150 kn 60 kn/m 3 m 2 m

Leia mais

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO FLAMBAGEM POR FLEXÃO FLAMBAGEM POR TORÇÃO FLAMBAGEM POR FLEXO-TORÇÃO FLAMBAGEM LATERAL FLAMBAGEM

Leia mais

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA 1 ORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA A rod é o elemento de vínculo entre o veículo e vi de tráfego que permite o deslocmento longitudinl, suportndo crg verticl e limitndo o movimento lterl. Este elemento

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5 Identificção: A1.N2 Revisão: 03 Folh: 1 / 5 Função do Elemento Pinéis Arquitetônicos (item b1 do requisito Pilres, Vis, Pórticos, Terçs e Escds (itens b2, b3 e b4 do requisito Ljes Armds ou Protendids

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

8 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS. Escola Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Coordenadoria de Engenharia Civil

8 DETALHAMENTO DAS ARMADURAS. Escola Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Coordenadoria de Engenharia Civil 8 DETLHMENTO DS RMDURS Created by Pappalardo Jr, lfonso /67 280 8 CLSSIFICÇÃO DS RMDURS rmaduras de equilíbrio geral rmadura longitudinal ( normal, flexão e torção) rmadura transversal (cortante e torção)

Leia mais

1 a Lista de exercícios Análise do estado de tensões

1 a Lista de exercícios Análise do estado de tensões 1 List de eercícios Análise do estdo de tensões 1) Pr o estdo de tensões ddo, determinr s tensões, norml e de cislhmento, eercids sobre fce oblíqu do triângulo sombredo do elemento. R: τ = 25,5 MP σ =

Leia mais

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS.

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS. LIST N3 FLEXÃO E TENSÕES NORMIS. Nos problems que se seguem, desprer o peso próprio (p.p.) d estrutur, menos qundo dito explicitmente o contrário. FÓRMUL GERL D FLEXÃO,: eixos centris principis M G N M

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA UNVERSDDE DE SÃO PULO ESOL POLTÉN Deprtmento de Engenhri de Estruturs e Geotécnic URSO ÁSO DE RESSTÊN DOS TERS FSÍULO Nº 5 Flexão oblíqu H. ritto.010 1 FLEXÃO OLÍU 1) udro gerl d flexão F LEXÃO FLEXÃO

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Phoenix do Brasil Ltda.

Phoenix do Brasil Ltda. RESISTOR DE FIO AXIAL - AC CARACTERÍSTICAS Resistores de uso gerl Alt potênci em tmnho compcto Alto desempenho em plicções de pulso Váris opções de pré-form dos terminis Revestimento pr lt tempertur TECNOLOGIA

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS.

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS. Definições. Forçs Interns. Forçs Externs. ESTÁTIC DO SISTEM DE SÓLIDOS. (Nóbreg, 1980) o sistem de sólidos denomin-se estrutur cuj finlidde é suportr ou trnsferir forçs. São quels em que ção e reção, pertencem

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

Profª Gabriela Rezende Fernandes Disciplina: Análise Estrutural 2

Profª Gabriela Rezende Fernandes Disciplina: Análise Estrutural 2 Profª Gbriel Rezende Fernndes Disciplin: Análise Estruturl 2 INCÓGNITAS = ESFORÇOS HIPERESTÁTICOS (reções de poio e/ou esforços em excesso que estrutur possui) N 0 TOTAL DE INCÓGNITAS = g =gru de hiperestticidde

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP Curso Básico de Fotogrmetri Digitl e Sistem LIDAR Irineu d Silv EESC - USP Bses Fundmentis d Fotogrmetri Divisão d fotogrmetri: A fotogrmetri pode ser dividid em 4 áres: Fotogrmetri Geométric; Fotogrmetri

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 7

Eletrotécnica TEXTO Nº 7 Eletrotécnic TEXTO Nº 7 CIRCUITOS TRIFÁSICOS. CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E SIMÉTRICOS.. Introdução A quse totlidde d energi elétric no mundo é gerd e trnsmitid por meio de sistems elétricos trifásicos

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Barras tracionadas. perfil I seção caixão

Barras tracionadas. perfil I seção caixão Brrs trcionds Critérios trdicionis pr dimensionmento de brrs trcionds, em gerl bsedos no método ds tensões dmissíveis, limitm tensão médi n seção trnsversl mis enfrquecid por furos o vlor d tensão de escomento

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

EMPUXOS DE TERRA (resumo) MUROS DE ARRIMO (princípios)

EMPUXOS DE TERRA (resumo) MUROS DE ARRIMO (princípios) Fundções PEF 3405 EMPUXOS DE TERRA (resumo) MUROS DE ARRIMO (princípios) Prof. Fernndo A. M. Mrinho Prof. Luiz Guilherme de Mello Prof. Wldemr Hchich Empuxo Pssivo: É tensão limite entre o solo e o ntepro,

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Geotécnica PROBLEMAS DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Geotécnica PROBLEMAS DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Escol Politécnic d Universidde de São Pulo Deprtmento de Engenhri de Estruturs e Geotécnic PROLEMAS DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS H. ritto 008 PREFÁCIO Este texto tem finlidde de prover s disciplins PEF-0

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAL DE SAPATAS

PROJETO ESTRUTURAL DE SAPATAS UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT RI CENTRO DE TECNOLOGI Dertmento de Estruturs e Construção Civil Discilin: ECC 1008 Estruturs de Concreto PROJETO ESTRUTURL DE SPTS Gerson ocyr Sisniegs lv Snt ri, dezembro de

Leia mais

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS Eivil Secção de Mecânic Estruturl e Estruturs MEÂNI I ENUNIOS E ROLEMS Fevereiro de 2010 ÍTULO 3 ROLEM 3.1 onsidere plc em form de L, que fz prte d fundção em ensoleirmento gerl de um edifício, e que está

Leia mais

o Seu pé direito na medicina

o Seu pé direito na medicina o Seu pé direito n medicin UNIFESP //006 MATEMÁTIA 0 Entre os primeiros mil números inteiros positivos, quntos são divisíveis pelos números,, 4 e 5? 60 b) 0 c) 0 d) 6 e) 5 Se o número é divisível por,,

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

PROJECTO DE ISOLAMENTO SONORO

PROJECTO DE ISOLAMENTO SONORO TRAÇAR CÁLCULO, LDA. ENGENHARIA / URBANIZAÇÕES / PROJECTOS Ru Mrquês de Pombl, Lote B, R/Chão Dto.º, 2775 265 Prede, Telefone: 21-4587500 PROJECTO DE ISOLAMENTO SONORO CLIENTE: António Miguel Gueifão Crvo

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Lista 5: Geometria Analítica

Lista 5: Geometria Analítica List 5: Geometri Anlític A. Rmos 8 de junho de 017 Resumo List em constnte tulizção. 1. Equção d elipse;. Equção d hiperból. 3. Estudo unificdo ds cônics não degenerds. Elipse Ddo dois pontos F 1 e F no

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

FUNÇÕES. Funções. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I

FUNÇÕES. Funções. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I. TE203 Fundamentos Matemáticos para a Engenharia Elétrica I FUNÇÕES DATA //9 //9 4//9 5//9 6//9 9//9 //9 //9 //9 //9 6//9 7//9 8//9 9//9 //9 5//9 6//9 7//9 IBOVESPA (fechmento) 8666 9746 49 48 4755 4 47 4845 45 467 484 9846 9674 97 874 8 88 88 DEFINIÇÃO Um grndez

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

QUESTÃO 01. QUESTÃO 02.

QUESTÃO 01. QUESTÃO 02. PROVA DE MATEMÁTICA DO O ANO _ EM DO COLÉGIO ANCHIETA BA. ANO 6 UNIDADE III PRIMEIRA AVALIAÇÃO. ELABORAÇÃO: PROFESSOR OCTAMAR MARQUES. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. QUESTÃO. Quntos inteiros são soluções

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Capítulo 7 Impulsos de terras

Capítulo 7 Impulsos de terras 7- IMPULSOS DE TERRAS... 7. - Introdução... 7. - Coeficientes de impulso... 7.3 - Deformções ssocids os estdos de equilíbrio limite...4 7.4 Teori de Rnkine...5 7.4. Formulção...5 7.4. - Solos incoerentes...5

Leia mais

1 INTRODUÇÃO A RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 OBJETIVOS 1.3 PEÇA OU ELEMENTO RESISTENTE 1.4 HIPÓTESES SIMPLIFICADORAS

1 INTRODUÇÃO A RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 OBJETIVOS 1.3 PEÇA OU ELEMENTO RESISTENTE 1.4 HIPÓTESES SIMPLIFICADORAS 1 INTRODUÇÃO A RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1.1 INTRODUÇÃO A resistênci dos mteriis é o rmo d mecânic que estud s relções entre crgs externs plicds um corpo deformável e intensidde ds forçs interns que tum

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Deprtmento de ngenhri létric Aul 6. Máquins íncrons Prof. João Américo ilel Máquins íncrons Crcterístics vzio e de curto-circuito Curv d tensão terminl d rmdur vzio em função d excitção de cmpo. Crctéristic

Leia mais

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores 4.4 - Acelerômetros ombindos Montgem: G θ x x x ircuito: reerênci R R v R R R R R - + 0 + v R - + R 0-7 rcterístics de ensores Deslocmento liner médio: x x + x && x + Deslocmento ngulr médio: θ && θ x

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. 1) O número de vértices de um dodecaedro formado por triângulos é. 2) O número de diagonais de um prisma octogonal regular é

GEOMETRIA ESPACIAL. 1) O número de vértices de um dodecaedro formado por triângulos é. 2) O número de diagonais de um prisma octogonal regular é GEOMETRIA ESPACIAL 1) O número de vértices de um dodecedro formdo por triângulos é () 6 (b) 8 (c) 10 (d) 15 (e) 0 ) O número de digonis de um prism octogonl regulr é () 0 (b) (c) 6 (d) 40 (e) 60 ) (UFRGS)

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < <

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < < MATEMÁTICA Assinle lterntiv verddeir: ) 6 < 7 6 < 6 b) 7 6 < 6 < 6 c) 7 6 < 6 < 6 d) 6 < 6 < 7 6 e) 6 < 7 6 < 6 Pr * {} temos: ) *, * + e + * + ) + > + + > ) Ds equções (I) e (II) result 7 6 < ( 6 )

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são:

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são: MATEMÁTIA Sej M um mtriz rel x. Defin um função f n qul cd elemento d mtriz se desloc pr posição b seguinte no sentido horário, ou sej, se M =, c d c implic que f (M) =. Encontre tods s mtrizes d b simétrics

Leia mais

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões Aul de solução de problems: cinemátic em 1 e dimensões Crlos Mciel O. Bstos, Edurdo R. Azevedo FCM 01 - Físic Gerl pr Químicos 1. Velocidde instntâne 1 A posição de um corpo oscil pendurdo por um mol é

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Deprtmento de Engenhri Elétric Conversão de Energi I Aul 5.2 Máquins de Corrente Contínu Prof. Clodomiro Unsihuy Vil Bibliogrfi FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquins Elétrics: com Introdução

Leia mais

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem.

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem. EFOMM 2010 1. Anlise s firmtivs bixo. I - Sej K o conjunto dos qudriláteros plnos, seus subconjuntos são: P = {x K / x possui ldos opostos prlelos}; L = {x K / x possui 4 ldos congruentes}; R = {x K /

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

Elementos Finitos Isoparamétricos

Elementos Finitos Isoparamétricos Cpítulo 5 Elementos Finitos Isoprmétricos 5.1 Sistems de Referênci Globl e Locl Considere o elemento liner, ilustrdo n Figur 5.1, com nós i e j, cujs coordends são x i e x j em relção o sistem de referênci

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

CONCURSO DE SELEÇÃO 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

CONCURSO DE SELEÇÃO 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONCURSO DE SELEÇÃO 003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 41100 0$7(0É7,&$ RESOLUÇÃO PELA PROFESSORA MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA $ LOXVWUDomR TXH VXEVWLWXL D RULJLQDO GD TXHVWmR H DV GDV UHVROXo}HV

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0 EQUAÇÃO DA RETA NO PLANO 1 Equção d ret Denominmos equção de um ret no R 2 tod equção ns incógnits x e y que é stisfeit pelos pontos P (x, y) que pertencem à ret e só por eles. 1.1 Alinhmento de três pontos

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura.

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura. Cálculo I Aul 2 - Cálculo de Volumes Dt: 29/6/25 Objetivos d Aul: Clculr volumes de sólidos por seções trnsversis Plvrs-chves: Seções Trnsversis - Volumes Volume de um Cilindro Nosso objetivo nest unidde

Leia mais