3 Algoritmo de Busca Tabu

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Algoritmo de Busca Tabu"

Transcrição

1 3 Algortmo de Busca Tabu 3.1 Introdução A forma básca do algortmo de Busca Tabu está fundamentada nas déas propostas em [Glover Laguna, 1997] e é baseado em procedmentos heurístcos que permtem explorar o espaço de busca e encontrar novas soluções além daquelas encontradas em uma busca local. Um algortmo é heurístco quando utlza a ntução a respeto do problema e de sua estrutura para resolvê-lo de forma rápda. Uma busca local é caracterzada pela operação chamada movmento, que consste na transção entre duas confgurações dstntas. No sstema de dstrbução de energa elétrca, essa operação é caracterzada pela mudança na topologa da rede. 3. Hstórco Os trabalhos nas áreas de ntelgênca artfcal e pesqusa operaconal ncaram com o desenvolvmento de métodos para soluconar problemas de competção (challengng problems) com o artgo [Smon Newell, 1958]. Em pouco tempo as áreas se separaram e a Pesqusa Operaconal concentrou-se em resultados dos problemas matemátcos relatvos à convergênca das soluções, enquanto que a Intelgênca Artfcal deu mas atenção à análse smbólca e qualtatva. Nessas áreas desenvolveram-se estratégas que geram regras e reforçam o aprendzado, cram novas regras e permtem que a busca por novas soluções explore além do mínmo local. Além dsso, restrções que mpedem a geração de soluções nãoaprmorantes para a função objetvo, através do regstro de algumas característcas dos atrbutos que levam a essas soluções. Estruturas de memóra permtem que as característcas desses atrbutos sejam armazenadas, de forma a controlar o número de soluções geradas. Procedmentos que combnam característcas semelhantes em atrbutos de boas soluções podem ser utlzados na geração de outras novas. Esses fundamentos na metade dos anos 80 tornaram-se os subsídos báscos da cração do método de Busca Tabu.

2 39 Busca Tabu também é utlzado na otmzação do problema de reconfguração de sstemas de dstrbução de energa elétrca. [Mor Ogta, 00] utlzaram o método de Busca Tabu Paralelo, que consste decompor o espaço de busca em subdvsões de modo a reduzr o esforço computaconal, para redução de perdas técncas. [Nara et al, 00] abordaram o mesmo problema levando em consderação a presença de geração dstrbuída. [Jeon Chn, 006] utlzaram um método híbrdo com Busca Tabu e Smulated Annealng e [Zhang et al, 006] com Busca Tabu e Algortmos Genétcos no problema de redução de perdas técncas. [Gumarães, 005] utlzou o algortmo tendo como objetvo a maxmzação da margem de segurança com relação à establdade de tensão. 3.3 Defnção O algortmo nca da mesma forma que em um algortmo de busca local, progredndo teratvamente de um ponto (solução) a outro até o crtéro de parada estabelecdo seja satsfeto. Cada solução x dentro do espaço de busca X ) ),.e. x X, ) N x f x é tem uma vznhança de soluções ( x) N, tal que ( ) X. Uma função objetvo ( ) utlzada como mecansmo de seleção entre soluções dstntas. Este mecansmo consste na acetação ou rejeção de uma nova solução x N( x), e a transção entre a solução anteror x e a nova solução x é feta através da operação de movmento. O método consste em usar movmentos que aprmorem o valor da função objetvo e termna quando não exstrem soluções que melhorem o valor da função objetvo. Busca Tabu é semelhante ao método de descda smples, onde o objetvo é a mnmzação da função f ( x) ou um método correspondente ascendente onde objetvo sera a maxmzação da função f ( x). A Fgura 3.1 mostra o pseudo-códgo de um método de descda smples genérco.

3 40 ) 1 Escolher x X para ncar o processo. Encontrar x N( x) tal que f ( x ) < f( x). 3 Se nenhuma solução x for encontrada, x é uma solução ótma local e o método para. 4 Caso contráro atrbua x como nova solução ncal e volte para o passo. Fgura 3.1 Pseudo-códgo genérco do método de descda smples Como pode ser vsto no pseudo-códgo da fgura 3.1,o método de descda smples busca ao redor de toda a vznhança N ( x) da solução x, a solução vznha x que apresente o menor valor da função f ( x ). A desvantagem do método é que mutas vezes devdo ao tamanho de N ( x), torna-se computaconalmente mpratcável verfcar todas as soluções vznhas e o valor encontrado não é um ótmo global, conseqüentemente f ( x) não será mnmzada para todo ) x X. A estratéga da Busca Tabu é de encontrar soluções que aprmoram o valor da função objetvo, evtando a busca em toda a vznhança. De forma geral, os algortmos de Busca Tabu resolvem problemas do tpo: mn s.a ( x) f ) x X (3.1) onde: x - solução f ( x) - Função Objetvo X ) - Espaço de Busca Usualmente os sstemas de dstrbução operam na forma radal por serem mas econômcos e mas smples de serem projetados [Gönen, T., 1986], ou seja, exste um únco camnho de transmssão de fluxos de potênca atva e reatva entre a fonte ) (subestação) e cada consumdor. Com sso, x X nclu a restrção de radaldade na resolução do problema de reconfguração em sstemas de dstrbução. A restrção de radaldade é um problema de dfícl representação matemátca, e é tratado no algortmo

4 41 de Busca Tabu de manera efcente através de uma codfcação adequada das confgurações. O Algortmo de Busca Tabu é dferente de um algortmo de busca local em dos aspectos fundamentas: 1. Na transção entre a confguração corrente e a melhor confguração vznha ou à menos por, é permtda a degradação do valor da função objetvo.. O conjunto de vznhos de x não se caracterza de manera estátca. Assm, o algortmo defne uma nova vznhança, N ( x) que vara dnamcamente em estrutura e tamanho durante o processo de otmzação. Esta estratéga permte a Busca Tabu realzar uma busca efcente e ntelgente. A fgura 3. mostra uma relação entre N ( x) e N ( x). Os elementos de N ( x) formas, algumas apresentadas a segur: são determnados de váras Usando uma lsta tabu que armazena atrbutos de confgurações consderadas tabu (probdas). Neste caso N ( x) N( x) pos alguns vznhos defndos pela estrutura de vznhança e cujos atrbutos fazem parte da lsta tabu estão probdos. Esta estratéga mpede o retorno a confgurações anterormente vstadas evtando cclagem. Utlzam-se estratégas para dmnur o tamanho da vznhança ou a lsta de confgurações canddatas. Em alguns casos o número de confgurações vznhas x N( x) pode ser muto grande e avalar a função objetvo de cada uma dessas confgurações, para encontrar aquela que apresenta melhor desempenho, pode demandar um elevado esforço computaconal. Estas estratégas vsam dmnur este esforço necessáro em cada transção. Usando confgurações de elte e path relnkng para caracterzar e encontrar novas confgurações canddatas. Esta estratéga vsa encontrar novas confgurações de alta qualdade que dfclmente seram encontradas a partr da defnção de N ( x). Verfca-se que neste caso a relação N ( x) N( x) Redefnção do conjunto N ( x) não necessaramente é verdadera. durante o processo de otmzação.

5 4 Fgura 3. - Transção de confgurações no algortmo de Busca Tabu A representação e codfcação do problema permtem dentfcar claramente a forma e estrutura de uma confguração e a possbldade de aparecmento de confgurações factíves e nfactíves, e também a forma da função objetvo. A defnção e caracterzação efcente da vznhança de uma confguração proporconam que a busca contnue além do mínmo local, permtndo movmentos que não aprmoram o valor da função objetvo e modfcações na estrutura da vznhança de soluções subseqüentes, entretando sso depende do problema. A Fgura 3.3 mostra a comparação entre a exploração do espaço de busca entre os métodos de busca local e Busca Tabu com o objetvo de encontrar o valor mínmo da função. Fgura Espaço de busca entre busca local e Busca Tabu.

6 Escolha da Confguração Incal A defnção da confguração ncal adotada tem nfluênca na dreção da busca e no desempenho do algortmo. Smulated Annealng e Algortmos Genétcos são exemplos de técncas de otmzação na reconfguração de sstemas de dstrbução que utlzam processos estocástcos de busca que tendem a alcançar um mínmo (máxmo) local [Mor Ogta, 00]. Busca Tabu não dá nenhuma ênfase à aleatoredade, de forma que o camnho de busca pode ser dreconado com uma escolha ntelgente, dependendo do tpo de problema e da experênca do usuáro, da confguração ncal. 3.5 Representação e Codfcação do Problema Nesta seção será apresentada a representação do sstema de dstrbução para a resolução do problema reconfguração com o objetvo de maxmzar a margem de potênca. O sstema de dstrbução será representado por fase e as cargas pelo modelo de potênca constante. Supõe-se que haja uma chave em cada ramo da rede, exceto quando ndcado o contráro. Além das chaves exstentes nos ramos, exstem chaves de nterconexão normalmente abertas. O comando para a abertura das chaves é realzado através de um vetor de varáves nteras (ch), que ndca sempre as chaves que deverão ser abertas e, portanto, todas as outras estarão fechadas Fluxo de carga em sstemas radas de dstrbução Exstem váras confgurações nos sstemas de dstrbução, mas a maora delas são radas. Crcutos radas tem mutas vantagens em relação aos outros tpos, tas como [Short, 004]: Melhor proteção contra correntes de curto-crcuto Menor corrente de curto-crcuto na maora dos crcutos Melhor controle de tensão Melhor controle e prevsão dos fluxos de potênca Menor custo O problema de fluxo de carga (load flow) consste na obtenção do estado de operação do sstema (ângulos e magntudes dos fasores de tensões nodas). Uma vez

7 44 obtdo o estado de operação da rede, as outras grandezas, tas como, fluxos de potênca atva e reatva, correntes e perdas técncas nos ramos podem ser faclmente determnados. O método de Newton-Raphson é robusto no estudo em sstemas de transmssão, no entanto devdo à característca predomnantemente radal e a problemas de convergênca, este método não é o mas ndcado. Os métodos baseados em varredura (back-forward sweep) são os mas ndcados, pos não necesstam da nversão da matrz Jacobana Método de soma de correntes Seja o sstema radal de dstrbução genérco de cnco barras mostrado na fgura 3.4, onde a barra que está conectada o gerador representa a subestação. Incalmente defne-se o valor da tensão na barra de subestação e assume-se um perfl de tensão flat em todas as barras, com valor gual a pu. Fgura 3.4 Sstema radal de dstrbução de cnco barras A solução do fluxo de carga pelo método de varredura por soma de correntes é obtda com a aplcação de 4 passos [Shrmohammad et al, 1988]: Cálculo das njeções de corrente nodas Na teração k a njeção de corrente I ( k ) na barra é dada por: S V ( k ) ( ) I ( ) Y k V 1 = = 1, K,5, K,n (3.) k 1 onde: ( k 1) V é a tensão na barra calculada na (k-ésma)-1 teração.

8 S é a njeção de potênca complexa especfcada na barra. Y é o somatóro dos elementos shunt conectados na barra. n é o número total de barras do sstema Atualzação para trás (backward sweep) Na teração k sando dos ramos conectados à barras termnas em dreção aos ramos conectados à barra de subestação, calculam-se as correntes nos ramos. No exemplo de 5 barras tem-se: ( k ) ( k) = I (3.3) I 5 + ( k ) ( k ) ( k ) = I I (3.4) I 4 + ( k ) ( k ) ( k ) = I I (3.5) I + ( k ) ( k ) ( k ) = I I (3.6) I1 1 Em forma matrcal fca: I I I I 1 ( k) ( k ) = I 1 1 I 1 I 3 1 I4 (3.7) Para cada corrente de ramo exstem parcelas: A prmera gual ao negatvo da njeção de corrente da barra termnal e a segunda gual ao somatóro das corrente nos ramos conectados à barra termnal. A equação (3.7) é a aplcação da le das correntes de Krchhoff.

9 Atualzação para frente (forward sweep) As tensões nodas são atualzadas calculando-se as quedas de tensões a partr dos ramos conectados na barra de subestação em dreção aos ramos das barras termnas. No crcuto da fgura 3.4, partndo-se da barra de subestação 1 em dreção à barra termnal 5, temos: ( k ) ( k ) ( k ) = V Z I (3.8) V ( k ) ( k ) ( k ) = V Z I (3.9) V3 3 ( k ) ( k ) ( k ) = V Z I (3.10) V4 3 ( k ) ( k ) ( k ) = V Z I (3.11) V5 4 Em forma matrcal fca: V 1 V V 3 V 4 ( k) ( k) 1 Z Z V 1 = 1 1 Z 1 Z Z Z Z Z Z Z I I I I 1 (3.1) A equação (3.1) é aplcação dreta da le de Krchhoff das tensões Crtéro de convergênca Na teração k, calcula-se a njeção de potênca aparente na barra por: ( ) [ I ] Y V ( k ) ( k ) ( k ) k (3.13) S = V Usando (3.13) obtém-se os erros de potênca atva e reatva em: [ ] n k [ S ] = 1, K, n ( k ) ( k) P = Re S S = 1, K, (3.14) ( k ) ( ) Q = Im S (3.15)

10 47 A convergênca é alcançada quando os erros máxmos de potênca atva e reatva na k-ésma teração são menores que a tolerânca especfcada, ou seja: max ( k ) ( k ) [ P, Q ] < ε (3.16) Método de soma de potêncas As equações de fluxo de potênca serão demonstradas utlzando o sstema de 5 barras da Fgura 3.4. A solução do método de varredura por soma de potêncas é obtda admtndo-se que se conheça a tensão e os fluxos de potênca atva e reatva da barra de referênca do sstema [Baran, Wu, 1989]. Aplcando-se o crtéro de atualzações, tem-se um sstema de equações recursvas Atualzação para frente (forward update) Conhecendo-se a tensão V 1 e os fluxos de potênca P 1 e Q 1, calculam-se os fluxos nos ramos e as tensões nas barras em dreção à barra termnal. No sstema de 5 barras tem-se: P Q P Q P Q P + Q = (3.17) V P1 r1 P 1 P + Q = (3.18) V Q1 x1 Q 1 P + Q = (3.19) V P r P P + Q = (3.0) V Q x Q P + Q = (3.1) V 3 P r P 3 P + Q = (3.) V 3 Q x Q 3

11 48 P 1 + Q1 V = ( + ) + ( + ) V1 r1 P1 x1 Q1 r1 x1 V1 (3.) P + Q V = ( + ) + ( + ) 3 V r P x Q r x V (3.4) P + Q V = ( + ) + ( + ) 4 V3 r P x Q r x V3 (3.5) P + Q V = ( + ) + ( + ) 5 V4 r P x Q r x V4 (3.6) Atualzação para trás (backward update) O processo de atualzação para trás nca-se da barra termnal em dreção à barra de subestação. Assumndo que os fluxos de potênca e a tensão da barra termnal são conhecdos, tem-se no sstema de 5 barras P + Q P = P + r + P 4 V 4 (3.7) P + Q Q = Q + x + Q 4 V 4 (3.8) P + Q P = P + r + P 3 V 3 (3.9) P + Q Q = Q + x + Q 3 V 3 (3.30) P + Q P 1 = P + r + P V (3.31) P + Q Q 1 = Q + x + Q V.(3.3) onde, P + (3.33) = P P4 Q + (3.) = Q Q4 P + (3.35) = P P3

12 49 Q + (3.36) = Q Q3 P + (3.37) = P P Q + (3.38) = Q Q Crtéro de convergênca A convergênca é atngda quando o erro entre os valores de fluxos de potênca e tensões estmados e calculados é menor que a tolerânca estabelecda Geração das confgurações vznhas O algortmo de Busca Tabu explora a vznhança da confguração corrente para encontrar a confguração que aprmore o valor da função objetvo. Portanto, o desempenho do algortmo depende da qualdade dessas confgurações. O método de seleção das confgurações vznhas utlzados nesta dssertação é baseado no algortmo heurístco de [Goswam Basu, 199] e dvde-se em partes: A prmera avala se a confguração vznha encontrada é factível e na segunda calculam-se as margens de potênca dos vznhos. A prmera parte consste em fechar uma chave aberta e assm forma-se um laço, devdo ao fato que o algortmo fo desenvolvdo para redes radas. As chaves presentes no laço, exclundo a chave aberta que fo fechada anterormente, serão abertas sequencalmente, partndo-se de um dos lados, verfcando a desconexão da rede resultante (barras lhadas, ramos sem almentação e malhas) através da rotna camnhos em MATLAB [Yamamoto, 004]. Na Fgura 3.4 pode-se observar que um laço formado pelo fechamento da chave -j. Para manter a topologa da rede radal é necessára a abertura de uma das chaves pertencente ao laço.

13 50 Fgura 3.5 Laço formado ao se fechar a chave -j Na segunda parte calculam-se as margens de potênca das confgurações factíves, através de (.68) e (.70) em ordem decrescente da margem da barra crítca por confguração, armazenando somente as que apresentam margens da barra crítca maor que a margem da barra crítca da confguração corrente. Com sso evta-se que a vznhança apresente confgurações que não levem à maxmzação da margem de carregamento do sstema, reduz a dmensão do conjunto de confgurações vznhas em sstemas de dstrbução maores e evta-se a escolha aleatóra das opções de chaveamento, levando à escolha de vznhos em dreção a soluções de boa qualdade Estruturas de memóra utlzadas em Busca Tabu Estruturas de memóra permtem armazenar nformações sobre a mudança de atrbutos do problema durante a transção de soluções. Informações de qualdade permtem avalar o mérto das confgurações vstadas durante a busca e dentfcar elementos que são comuns em soluções de boa qualdade ou em dreções que levem a tas soluções. Isto se traduz em aprendzado por ncentvo, em que ncentvos a ações que dreconam às boas soluções são reforçados e penaldades são aplcadas àquelas que levem a soluções de qualdade nferor. Exstem dos tpos de memóra utlzados na Busca Tabu, que são descrtas a segur.

14 Memóra de curto prazo A memóra de curto prazo armazena regstros dos atrbutos que foram alterados durante os mas recentes movmentos fetos pelo algortmo. As nformações contdas nessa memóra permtem rotular como probdos (tabu), os atrbutos seleconados de confgurações que foram vstadas em um passado recente. Isso evta que o algortmo volte a elas, drgndo a busca para novas regões. O armazenamento dos atrbutos, porém traz um problema adconal, porque pode mpedr o algortmo de vstar confgurações de boa qualdade se estas confgurações tverem um atrbuto probdo. Isso é contornado crando-se um mecansmo que permte a elmnação do rótulo tabu dos elementos de uma confguração, desde que um crtéro pré-estabelecdo seja satsfeto. Este mecansmo chama-se Crtéro de Aspração, que pode ser defndo e aplcado de maneras dferentes, dependendo do objetvo do algortmo, sendo muto utlzado aquele em que é permtdo um movmento tabu desde que o valor da função objetvo seja melhor do que o encontrado até aquele momento. Em resumo, o algortmo de Busca Tabu com memóra de curto prazo apresenta as seguntes característcas: É um processo de K transções entre confgurações factíves e/ou nfactíves em um problema de otmzação. O valor de K pode ser predefndo ou adaptatvamente determnado. Dentre os vznhos da confguração corrente, deve ser localzado aquele que menos deterore o valor da função objetvo. Uma confguração é válda se não contver atrbutos probdos, ou caso tver, que atenda ao crtéro de aspração estabelecdo. A lsta tabu é atualzada a cada teração do algortmo Lsta Tabu com memóra de curto prazo Como dto anterormente, a memóra de curto prazo guarda as nformações sobre atrbutos que sofreram alteração no passado recente. Podem-se armazenar esses atrbutos em uma matrz ou em um vetor, sendo que este tpo de armazenamento é vantajoso no problema de reconfguração em sstemas de dstrbução porque se armazenam a nformação referente à chave seleconada, dado pela posção do vetor, e o

15 5 tempo em que a chave deverá permanecer na lsta tabu, pelo valor da posção do vetor. A Fgura 3.5 lustra este tpo de armazenamento para o sstema radal de dstrbução de [Baran, Wu, 1989] com 3 barras. Fgura Exemplo de armazenamento da Lsta Tabu em vetor Na Fgura 3.6, por exemplo, o valor da posção 19 do vetor tl é gual a 5, ndcando que o estado da chave 19 não poderá ser alterado durante as próxmas 5 terações Memóra de longo prazo A memóra de longo prazo é um aperfeçoamento adconado ao algortmo básco, e permte encontrar novas confgurações de alta qualdade, utlzando nformações armazenadas durante o processo de memóra de curto prazo. Os componentes prncpas da memóra de longo prazo são: Memóra baseada em freqüênca, ntensfcação e dversfcação. A memóra baseada em freqüênca fornece nformações a respeto de movmentos preferencas, levando em conta a nfluênca do movmento na qualdade da solução. O armazenamento de atrbutos que produzam soluções de alta qualdade, baxa qualdade ou ambas em uma determnada trajetóra da busca é chamado de freqüênca de resdênca. A nformação obtda por esse processo pode ser utlzada pelo algortmo para a pesqusa de regões mas atratvas no processo de ntensfcação. O armazenamento por freqüênca de transção ndca o número de vezes que um determnado atrbuto fo adconado ou modfcado durante o processo de busca. Esta nformação pode ser utlzada para a mudança de estratéga de busca no processo de dversfcação No mecansmo de ntensfcação são armazenadas confgurações de alta qualdade, chamadas de confgurações de elte. Uma busca mas profunda ao redor dessas confgurações pode levar a uma solução ótma global. Portanto ntensfcar a busca consste em fazer uma exploração cudadosa em torno das confgurações elte armazenadas, tentando encontrar confgurações melhores que as já encontradas e, eventualmente, a solução ótma global. A Fgura 3.7 lustra o processo de ntensfcação que nca na regão A e nas regões de confgurações de elte (1,, 3 e 4) são fetas

16 53 buscas locas de modo a aprmorar o valor da função objetvo, encontrando ótmos locas. O processo termna na regão B onde é encontrado o valor ótmo global. A Dversfcação consste em levar o algortmo a regões do espaço de busca anda não exploradas, elmnando atrbutos anterormente vstados em busca de novas confgurações. Outra manera de realzar a dversfcação é aumentar o tempo de permanênca de um atrbuto na lsta tabu, forçando-se a pesqusa de novas regões. A Fgura 3.7 também lustra o processo de dversfcação que tem níco na regão C e após a transção para a regão D a busca toma dreções dvergentes. São 3 processos de dversfcação dferentes: (1) transção D-E termna em uma confguração ótma local, () movmento D-F termna em outra confguração ótma local e (3) D-B encontra a confguração ótma global. Fgura Intensfcação e dversfcação em Busca Tabu

17 Estratégas adconas utlzadas em Busca Tabu Confgurações de elte Trata-se de um conjunto reduzdo das melhores confgurações que foram vstadas durante o processo. Uma confguração de elte pode ser utlzada em um processo de dversfcação em busca de novas regões atratvas. Uma confguração é consdera de elte e substtu a por confguração encontrada no processo de Busca Tabu se satsfzer os seguntes crtéros: 1. Possu o valor da função objetvo de melhor qualdade em relação aos valores das confgurações armazenadas. Possu algum atrbuto dferente em relação aos das confgurações armazenadas Path relnkng Consste em usar duas ou mas confgurações de elte, chamadas confgurações de referênca, para gerar uma nova confguração. A Fgura 3.8 mostra a confguração base A e as confgurações de referênca 5, 9 e 1. A partr delas são geradas novas confgurações em regões factíves, encontrando a solução ótma global na confguração 10. Outra forma de mplementar path relnkng, é chamada de vznhança construtva, que consste em encontrar uma únca confguração e ncar um processo de ntensfcação ou dversfcação a partr dela. A confguração é formada por atrbutos de alta qualdade presentes na confguração base e nas confgurações de referênca. Quando o número de atrbutos da confguração base é grande, pode-se ncar um processo de ntensfcação, caso contráro utlza-se o processo de dversfcação.

18 Osclação estratégca Fgura Path relkng em Busca Tabu A osclação estratégca está baseada em três dferentes técncas que são usadas alternadamente: Busca em regões nfactíves com o objetvo de alcançar a frontera e entrar na regão factível. Busca na regão factível para encontrar uma solução ótma local. Uma estratéga para sar da regão factível e entrar novamente na regão nfactível. A osclação estratégca é mas efcente quando usada em problemas onde o tamanho da regão nfactível é relatvamente grande, como no caso do problema de reconfguração em sstemas radas de dstrbução de grande porte.

19 Busca Tabu na maxmzação da margem de potênca Nesta dssertação fo mplementado o algortmo de otmzação de Busca Tabu para a solução do problema de reconfguração de sstemas de dstrbução de energa elétrca com o objetvo de maxmzação da margem de potênca. O ambente de desenvolvmento escolhdo fo o MATLAB 7 devdo sua sntaxe smples. No problema de reconfguração em sstemas de dstrbução exste a restrção de radaldade, que não permte uma confguração com barras e ramos lhados e/ou malhas na rede elétrca. A rotna camnhos em [Yamamoto, 004] permte avalar se uma confguração é nfactível através de um ndcador bnáro com valor lógco 1. Caso a rede seja factível, a função camnhos retorna a matrz de confguração do sstema, com todos percursos possíves desde a barra de subestação até cada barra termnal. Com sso podem-se aplcar as equações de fluxo de carga (3.), (3.7) e (3.1). O algortmo de Busca Tabu pode ser descrto em lnhas geras pelo pseudo-códgo da Fgura 3.9.

20 k=1 - Solução ncal: C M Confguração Incal Factível: ch = ch0 4 - Lsta Tabu: LT = 5 - Enquanto (Crtéro de Parada não for Satsfeto) 6 - Conjunto de confgurações vznhas factíves: V ( ch) 7 - Se ch k V( ch) tal que C C Mk > Mk Nova confguração corrente: ch = chk 9 - ch k 1 LT volta para Caso contráro C Mk Atualzar Lsta Tabu 1 - k=k Fm é a melhor solução Fgura 3.9 Pseudo-códgo Busca Tabu aumento da margem de potênca em que: C M k é a margem de potênca da barra crítca (menor margem) na confguração ch k, dada por (.68), em %, para ponto de operação na regão normal de operação e por (.70), em %, para ponto de operação na regão anormal de operação. Utlzou-se como crtéro de parada o número máxmo de terações, mas o algortmo é flexível e pode ser escolhdo outros crtéros relatvos às restrções operaconas em sstemas reas de dstrbução. O número máxmo de terações e o tempo em que um atrbuto permanece probdo na lsta tabu na rede de 3 barras foram respectvamente de 1 e 4 terações, que são os mesmos adotados em [Gumarães, 005].

Representação e Descrição de Regiões

Representação e Descrição de Regiões Depos de uma magem ter sdo segmentada em regões é necessáro representar e descrever cada regão para posteror processamento A escolha da representação de uma regão envolve a escolha dos elementos que são

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO Alne de Paula Sanches 1 ; Adrana Betâna de Paula Molgora 1 Estudante do Curso de Cênca da Computação da UEMS, Undade Unverstára de Dourados;

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II Unversdade Federal de Paraná Setor de Tecnologa Departamento de Engenhara Elétrca Estudo e Prevsão da Demanda de Energa Elétrca Parte II Prof: Clodomro Unshuay-Vla Etapas de um Modelo de Prevsão Objetvo

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAIS UTILIZANDO O CRITÉRIO DE QUEDA DE TENSÃO

RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAIS UTILIZANDO O CRITÉRIO DE QUEDA DE TENSÃO RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAIS UTILIZANDO O CRITÉRIO DE QUEDA DE TENSÃO José R S Mantovan 1 Fernando Casar 2 Rubén A Romero 1 (1) Departamento de Engenhara Elétrca Faculdade de Engenhara

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

3 O Problema de Fluxo de Potência Ótimo

3 O Problema de Fluxo de Potência Ótimo 3 O Problema de Fluxo de Potênca Ótmo 3.. Introdução Como fo vsto no capítulo anteror, para realzar uma repartção de custos ou benefícos, é necessáro determnar a função de custo do servço que será utlzado

Leia mais

DIMENSIONAMENTO ÓTIMIZADO DE TRELIÇAS DE ALUMÍNIO: ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL

DIMENSIONAMENTO ÓTIMIZADO DE TRELIÇAS DE ALUMÍNIO: ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL DIMENSIONAMENTO ÓTIMIZADO DE TRELIÇAS DE ALUMÍNIO: ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL Moacr Krpka, Prof. Dr. Zacaras M. Chamberlan Prava, Prof. Dr. Maga Marques Das, Acadêmca, Bolssta UPF Gulherme Fleth de

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS 22 2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Como vsto no capítulo 1, a energa frme de uma usna hdrelétrca corresponde à máxma demanda que pode ser suprda contnuamente

Leia mais

Reconfiguração de Sistemas de Distribuição Utilizando Otimização por Nuvem de Partículas

Reconfiguração de Sistemas de Distribuição Utilizando Otimização por Nuvem de Partículas IV SIMPÔSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - SBSE 2012 1 Reconfguração de Sstemas de Dstrbução Utlzando Otmzação por Nuvem de Partículas W. Guerra, Juan C. Galvs and M. Vncus Resumo-- Neste trabalho

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

BUSCA TABU: UMA APLICAÇÃO AO PROBLEMA DE SEQÜÊNCIAÇÃO DE ORDENS DE PRODUÇÃO

BUSCA TABU: UMA APLICAÇÃO AO PROBLEMA DE SEQÜÊNCIAÇÃO DE ORDENS DE PRODUÇÃO BUSCA TABU: UMA APLICAÇÃO AO PROBLEMA DE SEQÜÊCIAÇÃO DE ORDES DE PRODUÇÃO Renato de Olvera Moraes Departamento de Cêncas Exatas e Aplcadas da Unversdade Federal de Ouro Preto Rua 37, nº 115 Barro Loanda.

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016 Robótca Prof. Renaldo Banch Centro Unverstáro FEI 2016 6 a Aula IECAT Objetvos desta aula Momentos Lneares, angulares e de Inérca. Estátca de manpuladores: Propagação de forças e torques. Dnâmca de manpuladores:

Leia mais

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores.

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores. MSc leandre Estáco Féo ssocação Educaconal Dom Bosco - Faculdade de Engenhara de Resende Caa Postal 8.698/87 - CEP 75-97 - Resende - RJ Brasl Professor e Doutorando de Engenhara aefeo@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

XII Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente (SBAI) Natal RN, 25 a 28 de outubro de 2015

XII Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente (SBAI) Natal RN, 25 a 28 de outubro de 2015 XII Smpóso Braslero de Automação Intelgente (SBAI) Natal RN, 25 a 28 de outubro de 2015 ANÁLISE DE UMA METAHEURÍSTICA BASEADA NO ALGORITMO DE COLÔNIA DE FORMIGAS PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE FLUXO DE

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Fluxo de Carga Não Iterativo para a Análise de Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica Radiais e Malhados

Fluxo de Carga Não Iterativo para a Análise de Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica Radiais e Malhados UNVERSDADE ESTADUAL PAULSTA JÚLO MESQUTA FLHO Campus de lha Soltera Dssertação de Mestrado Fluxo de Carga Não teratvo para a Análse de Sstemas de Dstrbução de Energa Elétrca Radas e Malhados Elson Batsta

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

UMA HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UMA HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO Alexandre Venturn Faccn Pacheco (UFES) alexandreventurn@gmal.com

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Lnear com Restrções Aula 9: Programação Não-Lnear - Funções de Váras Varáves com Restrções Ponto Regular; Introdução aos Multplcadores de Lagrange; Multplcadores de Lagrange e Condções

Leia mais

3 Subtração de Fundo Segmentação por Subtração de Fundo

3 Subtração de Fundo Segmentação por Subtração de Fundo 3 Subtração de Fundo Este capítulo apresenta um estudo sobre algortmos para a detecção de objetos em movmento em uma cena com fundo estátco. Normalmente, estas cenas estão sob a nfluênca de mudanças na

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA Pedro Luz Rocha Evandro Parente Junor pedroluzrr04@gmal.com evandroparentejr@gmal.com Laboratóro de Mecânca Computaconal e Vsualzação, Unversdade

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1 Programação Dnâmca Fernando Noguera Programação Dnâmca A Programação Dnâmca procura resolver o problema de otmzação através da análse de uma seqüênca de problemas mas smples do que o problema orgnal. A

Leia mais

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial 5 Métodos de cálculo do lmte de retenção em função da ruína e do captal ncal Nesta dssertação serão utlzados dos métodos comparatvos de cálculo de lmte de retenção, onde ambos consderam a necessdade de

Leia mais

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria Agregação Dnâmca de Modelos de urbnas e Reguladores de elocdade: eora. Introdução O objetvo da agregação dnâmca de turbnas e reguladores de velocdade é a obtenção dos parâmetros do modelo equvalente, dados

Leia mais

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva Teora da Regressão Espacal Aplcada a Modelos Genércos Sérgo Alberto Pres da Slva ITENS DE RELACIONAMENTOS Tópcos Báscos da Regressão Espacal; Banco de Dados Geo-Referencados; Modelos Genércos Robustos;

Leia mais

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite 35 3 Cálculo Básco de Enlace Va Satélte Neste capítulo é tratado o cálculo básco de um enlace va-satélte, subentenddo em condções normas de propagação (espaço lvre) nos percursos de subda e descda e consderados

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011 Instruções: PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 00/0 Cada uestão respondda corretamente vale (um) ponto. Cada uestão respondda ncorretamente vale - (menos um) ponto. Cada uestão

Leia mais

( ) F 1 pode ser deslocado de. M = r F. Mecânica Geral II Notas de AULA 2 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori. MOMENTO DE UM BINÁRIO.

( ) F 1 pode ser deslocado de. M = r F. Mecânica Geral II Notas de AULA 2 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori. MOMENTO DE UM BINÁRIO. ecânca Geral II otas de UL - Teora Prof. Dr. láudo S. Sartor ET DE U IÁI. Duas forças, que tenham o mesmo módulo e lnha de ação paralelas e sentdos opostos formam um bnáro. Decomposção de uma força dada

Leia mais

Redespacho da Geração para Melhoria da Segurança Dinâmica de Sistemas Elétricos de Potência Usando Inteligência Computacional

Redespacho da Geração para Melhoria da Segurança Dinâmica de Sistemas Elétricos de Potência Usando Inteligência Computacional 1 Redespacho da Geração para Melhora da Segurança Dnâmca de Sstemas Elétrcos de Potênca Usando Intelgênca Computaconal A. L. B. Corrêa, B. C. Bernardes, W. D. Olvera, J. P. A. Vera Member, IEEE, I. Ohana,

Leia mais

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012 Notas Processos estocástcos Nestor Catcha 23 de abrl de 2012 notas processos estocástcos 2 O Teorema de Perron Frobenus para matrzes de Markov Consdere um processo estocástco representado por um conunto

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

Modelagens Exata e Heurística para Resolução do Problema do Caixeiro Viajante com Coleta de Prêmios

Modelagens Exata e Heurística para Resolução do Problema do Caixeiro Viajante com Coleta de Prêmios XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Floranópols, SC, Brasl, 03 a 05 de nov de 2004 Modelagens Exata e Heurístca para Resolução do Problema do Caxero Vajante com Coleta de Prêmos Antôno Augusto Chaves

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

2 Lógica Fuzzy Introdução

2 Lógica Fuzzy Introdução 2 Lógca Fuzzy 2.. Introdução A lógca fuzzy é uma extensão da lógca booleana, ntroduzda pelo Dr. Loft Zadeh da Unversdade da Calfórna / Berkeley no ano 965. Fo desenvolvda para expressar o conceto de verdade

Leia mais

ALOCAÇÃO OTIMIZADA DE CHAVES DE MANOBRAS PARA RESTAURAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

ALOCAÇÃO OTIMIZADA DE CHAVES DE MANOBRAS PARA RESTAURAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. ALOCAÇÃO OTIMIZADA DE CHAVES DE MANOBRAS PARA RESTAURAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Jônatas Boás Lete E-mal: jonatasle@aluno.fes.unesp.br Waldemar Perera Mathas Neto E-mal: wpmneto@aluno.fes.unesp.br

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências.

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências. 1 Fltros são dspostvos seletvos em freqüênca usados para lmtar o espectro de um snal a um determnado ntervalo de freqüêncas. A resposta em freqüênca de um fltro é caracterzada por uma faxa de passagem

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II Introdução a Combnatóra- Aplcações, AULA 7 7.1 Introdução Nesta aula vamos estudar aplcações um pouco dferentes das da aula passada. No caso estudaremos arranjos com repetção, permutações crculares e o

Leia mais

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Appled and Computatonal Mathematcs, Vol. 4, N., 06. Trabalho apresentado no DINCON, Natal - RN, 05. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled

Leia mais

Realimentação negativa em ampliadores

Realimentação negativa em ampliadores Realmentação negatva em ampladores 1 Introdução necessdade de amplfcadores com ganho estável em undades repetdoras em lnhas telefôncas levou o Eng. Harold Black à cração da técnca denomnada realmentação

Leia mais

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo:

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo: MODELO RECEPTOR Não modela a dspersão do contamnante. MODELO RECEPTOR Prncípo do modelo: Atacar o problema de dentfcação da contrbução da fonte em ordem nversa, partndo da concentração do contamnante no

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR EXPEIÊNCIA 06 CAGA E DESCAGA DE UM CAPACITO 1. OBJETIVOS a) Levantar, em um crcuto C, curvas de tensão no resstor e no capactor em função do tempo, durante a carga do capactor. b) Levantar, no mesmo crcuto

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS. N. R. Candido, V.B. G.

PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS. N. R. Candido, V.B. G. PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS N. R. Canddo, V.B. G. Campos RESUMO Apresenta-se neste trabalho um procedmento de auxílo à decsão

Leia mais

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO W. R. G. SANTOS 1, H. G. ALVES 2, S. R. FARIAS NETO 3 e A. G. B. LIMA 4

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

CIDEL Argentina 2014 International Congress on Electricity Distribution

CIDEL Argentina 2014 International Congress on Electricity Distribution Ttle Metodologa para Alocação ótma de Dspostvos de Proteção e Chaves Secconadoras Vsando o Aumento da Confabldade na Operação de Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper

Leia mais

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO I Congresso Baano de Engenhara Santára e Ambental - I COBESA NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO Marcos Vnícus Almeda Narcso (1)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EPERIMENTOS Professor: Rodrgo A. Scarpel rodrgo@ta.br www.mec.ta.br/~rodrgo Prncípos de cração de modelos empírcos: Modelos (matemátcos, lógcos, ) são comumente utlzados na

Leia mais

Identificação de curvas de carga diária típicas com uso de Mapa de Kohonen e Fuzzy C-Means

Identificação de curvas de carga diária típicas com uso de Mapa de Kohonen e Fuzzy C-Means Identfcação de curvas de carga dára típcas com uso de Mapa de Kohonen e Fuzzy C-Means Nelson R. de Albuquerque, Douglas A. A. de Faras Pontfíca Unversdade Católca do Ro de Janero Departamento de Engenhara

Leia mais

Alocação de Dispositivos PLC Numa Rede de Distribuição Elétrica de Baixa Tensão Usando Programação Linear Inteira Mista

Alocação de Dispositivos PLC Numa Rede de Distribuição Elétrica de Baixa Tensão Usando Programação Linear Inteira Mista Alocação de Dspostvos PLC uma Rede de Dstrbução Elétrca de Baxa Tensão Usando Programação Lnear Intera sta Fabano J. L. Pádua, Insttuto Federal de Educação, Cênca e Tecnologa de ato Grosso - IFT Campus

Leia mais

Prof. Cláudio Serra, Esp. 1. Produção de Leite x índice Pluviométrico y = 0.8x R 2 =

Prof. Cláudio Serra, Esp. 1. Produção de Leite x índice Pluviométrico y = 0.8x R 2 = Análse de Regressão Cap.. Introdução Análse de regressão é uma técnca de modelagem utlzada para analsar a relação entre uma varável dependente () e uma ou mas varáves ndependentes,, 3,..., n. O ojetvo

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE METODOLOGIA DE OTIMIZAÇÃO GLOBAL E O MÉTODO DE GRADIENTES PARA AJUSTE DE HISTÓRICO ASSISTIDO

COMPARAÇÃO ENTRE METODOLOGIA DE OTIMIZAÇÃO GLOBAL E O MÉTODO DE GRADIENTES PARA AJUSTE DE HISTÓRICO ASSISTIDO COMPARAÇÃO ENTRE METODOLOGIA DE OTIMIZAÇÃO GLOBAL E O MÉTODO DE GRADIENTES PARA AJUSTE DE HISTÓRICO ASSISTIDO Célo Mascho e Dens José Schozer, Unversdade Estadual de Campnas, Faculdade de Engenhara Mecânca

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 14h15 a 15h45

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 14h15 a 15h45 Teora dos Jogos Prof. Mauríco Bugarn Eco/UnB 04-I Rotero Horáro da dscplna: 4h5 a 5h45 Introdução: Por que pensar estrategcamente? Exemplos de stuações nas quas pensar estrategcamente faz sentdo Concetos

Leia mais

Mecanismos de Escalonamento

Mecanismos de Escalonamento Mecansmos de Escalonamento 1.1 Mecansmos de escalonamento O algortmo de escalonamento decde qual o próxmo pacote que será servdo na fla de espera. Este algortmo é um dos mecansmos responsáves por dstrbur

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL Dstrbuton of the wnd acton n the bracng elements consderng

Leia mais

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica Capítulo 6: Equlíbro Geral e Efcênca Econômca Pndck & Rubnfeld, Capítulo 6, Equlíbro Geral::EXERCÍCIOS. Em uma análse de trocas entre duas pessoas, suponha que ambas possuam dêntcas preferêncas. A curva

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

CAPÍTULO 3 CALIBRAÇÃO DE FASE INTERFEROMÉTRICA

CAPÍTULO 3 CALIBRAÇÃO DE FASE INTERFEROMÉTRICA CAPÍTULO 3 CALIBRAÇÃO DE FASE INTERFEROMÉTRICA 3. Método Utlzando Ponto de Controle O uso de pontos de controle é o meo mas exato para a determnação do offset da fase nterferométrca. Normalmente utlza-se

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO USANDO O ALGORITMO IMUNOLÓGICO ARTIFICIAL CLONALG

RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO USANDO O ALGORITMO IMUNOLÓGICO ARTIFICIAL CLONALG Anas do XX Congresso Braslero de Automátca Belo Horzonte, MG, 0 a 4 de Setembro de 014 RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO USANDO O ALGORITMO IMUNOLÓGICO ARTIFICIAL CLONALG SIMONE S. F. SOUZA¹,

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Le dos transformadores e seu prncípo de funconamento Os transformadores operam segundo a le de Faraday ou prmera le do eletromagnetsmo. Prmera le do eletromagnetsmo Uma corrente elétrca é nduzda em um

Leia mais

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho rof.: nastáco nto Gonçalves lho Introdução Nem sempre é possível tratar um corpo como uma únca partícula. Em geral, o tamanho do corpo e os pontos de aplcação específcos de cada uma das forças que nele

Leia mais

PROPOSTA DE UM MÉTODO DE CLASSIFICAÇÃO BASEADO EM DENSIDADE PARA A DETERMINAÇÃO DO NÚMERO IDEAL DE GRUPOS EM PROBLEMAS DE CLUSTERIZAÇÃO

PROPOSTA DE UM MÉTODO DE CLASSIFICAÇÃO BASEADO EM DENSIDADE PARA A DETERMINAÇÃO DO NÚMERO IDEAL DE GRUPOS EM PROBLEMAS DE CLUSTERIZAÇÃO PROPOSTA DE UM MÉTODO DE CLASSIFICAÇÃO BASEADO EM DENSIDADE PARA A DETERMINAÇÃO DO NÚMERO IDEAL DE GRUPOS EM PROBLEMAS DE CLUSTERIZAÇÃO Gustavo Slva Semaan 1, Marcelo Db Cruz 2, José André de Moura Brto

Leia mais

Métodos numéricos para o cálculo de sistemas de equações não lineares

Métodos numéricos para o cálculo de sistemas de equações não lineares Métodos numércos para o cálculo de sstemas de equações não lneares Introdução Um sstema de equações não lneares é um sstema consttuído por combnação de unções alébrcas e unções transcendentes tas como

Leia mais

Eletromagnetismo. Distribuição de grandezas físicas: conceitos gerais

Eletromagnetismo. Distribuição de grandezas físicas: conceitos gerais Eletromagnetsmo Dstrbução de grandezas físcas: concetos geras Eletromagnetsmo» Dstrbução de grandezas físcas: concetos geras 1 Introdução Pode-se caracterzar um problema típco do eletromagnetsmo como o

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teora da Decsão Logístca e Gestão de Stocks Estratégas de Localzação Lcencatura em Engenhara Cvl Lcencatura em Engenhara do Terrtóro 1 Estratéga de Localzação Agenda 1. Classfcação dos problemas

Leia mais

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES 4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES Para o Curso de Físca da Polução do Ar FAP346, º Semestre/006 Prof. Amérco Sansgolo Kerr Montora: Mara Emíla Rehder aver 4. INTRODUÇÃO No modelamento

Leia mais

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios

Algarismos Significativos Propagação de Erros ou Desvios Algarsmos Sgnfcatvos Propagação de Erros ou Desvos L1 = 1,35 cm; L = 1,3 cm; L3 = 1,30 cm L4 = 1,4 cm; L5 = 1,7 cm. Qual destas meddas está correta? Qual apresenta algarsmos com sgnfcado? O nstrumento

Leia mais

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ ANÁISE MATRICIA DE ESTRUTURAS DE BARRAS PEO MÉTODO DE RIGIDEZ A análse matrcal de estruturas pelo método de rgdez compreende o estudo de cnco modelos estruturas báscos: trelça plana, trelça espacal, pórtco

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Redução do Espaço de Busca de Redes de Distribuição Reconfiguráveis Utilizando Grafos

Redução do Espaço de Busca de Redes de Distribuição Reconfiguráveis Utilizando Grafos Redução do Espaço de Busca de Redes de Dstrbução Reconfguráves Utlzando Grafos Leroy U. Ramos *, Nraldo R. Ferrera *, Fernando A. Morera *, Hulman S. Sanca, e Benemar. A. de Souza *Departamento de Engenharía

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

Guia 11 Escalonamento de Mensagens

Guia 11 Escalonamento de Mensagens Até esta altura, temos abordado prncpalmente questões relaconadas com escalonamento de tarefas a serem executadas num únco processador. No entanto, é necessáro consderar o caso de sstemas tempo-real dstrbuídos,

Leia mais

Estudo comparativo entre redes neurais artificiais e análise de regressão múltipla na avaliação de bens, para pequenas amostragens

Estudo comparativo entre redes neurais artificiais e análise de regressão múltipla na avaliação de bens, para pequenas amostragens Estudo comparatvo entre redes neuras artfcas e análse de regressão múltpla na avalação de bens, para pequenas amostragens Elane Hasselmann Camardella Schavo (CEFET/RJ) elane@consultora-cca.com.br Márco

Leia mais

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS Varável Qualquer característca assocada a uma população Classfcação de varáves Qualtatva { Nomnal sexo, cor dos olhos Ordnal Classe

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4 Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.4 Provsão de Bens Públcos de forma descentralzada: a solução de Lndahl Isabel Mendes 2007-2008 13-05-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

4 Análise termoeconômica

4 Análise termoeconômica 4 Análse termoeconômca Os capítulos precedentes abordaram questões emnentemente térmcas da aplcação de nanofludos em sstemas ndretos de refrgeração. Ao tratar das magntudes relatvas e da natureza das componentes

Leia mais

Electromagnetismo e Óptica

Electromagnetismo e Óptica Electromagnetsmo e Óptca aboratóro - rcutos OBJETIOS Obter as curvas de resposta de crcutos do tpo sére Medr a capacdade de condensadores e o coefcente de auto-ndução de bobnas por métodos ndrectos Estudar

Leia mais

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens O problema da superdspersão na análse de dados de contagens 1 Uma das restrções mpostas pelas dstrbuções bnomal e Posson, aplcadas usualmente na análse de dados dscretos, é que o parâmetro de dspersão

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA

Leia mais

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA II.1. HIPOTESES BASICAS A modelagem aqu empregada está baseado nas seguntes hpóteses smplfcadoras : - Regme permanente; - Ausênca de forças de campo; - Ausênca de trabalho

Leia mais

Exercícios de CPM e PERT Enunciados

Exercícios de CPM e PERT Enunciados Capítulo 7 Exercícos de CPM e PERT Enuncados Exercícos de CPM e PERT Enuncados 106 Problema 1 O banco TTM (Tostão a Tostão se faz um Mlhão) decdu transferr e amplar a sua sede e servços centras para a

Leia mais

Em muitas aplicações, estamos interessados em subgrafos especiais de um determinado grafo.

Em muitas aplicações, estamos interessados em subgrafos especiais de um determinado grafo. .4 Árvores Geradoras Em mutas aplcações estamos nteressados em subgrafos especas de um determnado grafo. Defnção Árvore Geradora - uma árvore T é chamada de árvore geradora de um grafo G se T é um subgrafo

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.3 Afectação de Bens Públcos: a Condção de Isabel Mendes 2007-2008 5/3/2008 Isabel Mendes/MICRO II 5.3 Afectação de Bens

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais