Limites. Uma introdu»c~ao intuitiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Limites. Uma introdu»c~ao intuitiva"

Transcrição

1 Aula 4 Limites. Uma introdu»c~ao intuitiva Nos cap ³tulos anteriores, zemos uso de um ite especial para calcular derivadas: f 0 f(+ ) f() () =.!0 Neste cap ³tulo veremos os ites como ferramentas de estudo do comportamento de fun»c~oes reais, provendo informa»c~oes importantes sobre seus gr a cos. A de ni»c~ao formal de ite e matematicamente so sticada, requerendo muitas horas de estudo para ser entendida. O leitor interessado poder a encontr a-la em bons livros-tetos de c alculo. Ocorre por em que a de ni»c~ao de ite tem pouca ou nenhuma serventia quando queremos calcular ites. Faremos uma eplora»c~ao intuitiva do conceito de ite e de suas propriedades, atrav es de eemplos e interpreta»c~oes gr a cas. Eemplo 4. Considere a fun»c~ao f() =2 +3. Quando assume uma in nidade de valores aproimando-se mais e mais de 0, on umero 2 +3assume uma in nidade de valores aproimando-se de 2 0+3=3. Dizemos que o ite de f(), quando tende a 0, eiguala3, e escrevemos f() =3!0 Suponhamos que f() e umafun»c~ao real de nida em uma reuni~ao de intervalos, e que 0 e um ponto no interior ou no etremo de um desses intervalos. Os matem aticos dizem que f() =L (L 2 R) quando podemos fazer f() arbitrariamente pr oimo!0 de L, tomando su cientemente pr oimo de 0, mantendo 6= 0.Noeemploacima, podemos fazer f() pr oimo de 3 o quanto quisermos, bastando tomar bem pr oimo de 0. Eemplo 4.2 Aqui temos uma lista de eemplos intuitivos. 28

2 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 29. = a!a (a 2 R) 2. n = a n!a (n 2 N, a 2 R) 3. Sendo p() =a n n + a n n + + a + a 0,(a n ;::: ;a 0 todos reais), p() =a n n 0 + a n n a 0 + a 0 = p( 0 )! ( 3 3) 4.!2 2 + =!2!2 (2 +) = = De ni»c~ao 4. Nos eemplos acima, de ites com tendendo a 0, tivemos sempre 0 no dom ³nio de f e f() =f( 0 ). Quando isto ocorre, dizemos que f e!0 cont ³nua no ponto 0. No pr oimo eemplo, temos um ite em que! 0,mas 0 n~ao est a no dom ³nio de f. Eemplo 4.3 Calcular! Solu»c~ao. Note que, sendo f() = 3 8, temos que 2 62 D(f). Quando se aproima 2 de 2, 3 se aproima de 8. Umc alculo direto nos d a ent~ao 3 8!2 2 = 0 0 Este resultado, 0=0, e muito comum no c alculo de ites, e n~ao tem signi cado como valor de um ite. A epress~ao 0=0 e um s ³mbolo de indetermina»c~ao ocorrendo em uma tentativa de c alculo de um ite. A ocorr^encia desta epress~ao signi ca que o ite ainda n~ao foi calculado. Para evitar o s ³mbolo de indetermina»c~ao 0=0, neste eemplo fazemos 3 8!2 2 =!2 ( 2)( ) 2 =!2 ( ) (pois 2 6= 0) = =2 Eemplo 4.4 (C alculo de um ite com mudan»ca de vari avel)!0 3p + =?

3 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 30 Um c alculo direto nos d a 0=0, uma indetermina»c~ao. Fazendo = 3p +,temos 3 = +,eportanto = 3. Quando tende a 0, tende a (em s ³mbolos: se! 0, ent~ao! ). E a ³ temos!0 3p + =! 3 =! ( )( 2 + +) =! = 3 4. Limites in nitos. Limites no in nito Consideremos agora a fun»c~ao f() =. Temos que o dom ³nio de f e o conjunto dos 2 n umeros reais diferentes de 0: D(f) =R f0g. Observe a tabela 4.. Ali zemos uso do fato de que f e uma fun»c~ao par: f( ) = f() para todo 2 D(f). Na primeira coluna da tabela 4., temos valores de cadavezmaispr oimos de 0. Na ultima coluna, vemos que os valores correspondentes de f() tornam-se cada vez maiores. Neste eemplo, podemos fazer f() ultrapassar qualquer n umero positivo, tomando su cientemente pr oimo de 0. Dizemos que o ite de f(), quando tende a 0 e \+ in nito", e escrevemos f() =+!0 ou seja,!0 2 =+ A interpreta»c~ao geom etrica de!0 (= 2 )=+ pode ser visualizada na gura 4., onde temos um esbo»co do gr a co da curva == 2. Agora observe a tabela 4.2. Notamos agora que, µa medidaque cresce inde nidamente, assumindo valores positivos cada vez maiores, f() = torna-se cada vez mais 2 pr oimo de 0. Istotamb em e sugerido pela gura 4.. Neste caso, dizemos que o ite de f(), quando tende a \+ in nito", e iguala0, e escrevemos!+ 2 =0

4 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 3 Tabela f() = ; 5 0; ; 2 0; 04 =25 4 0; 0; ; 0 0; ; 00 0; Figura 4.. = 2 =+, ouseja,µamedidaque se aproima de 0, = f()!0 torna-se cada vez maior. Tamb em!+ =2 =0,ouseja,µamedidaemque cresce, tomando valores cada vez maiores, f() aproima-se de 0. E ainda! =2 =0. Nas tabelas 4. e 4.2 tamb em ilustramos: Tamb em podemos facilmente inferir!0 2 = 0!+ 2 =+! 2 =+! 2 =0 Com estes eemplos simples damos in ³cio µa nossa algebra de ites:

5 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 32 Tabela f() = =0; =0; ; ; (+)+(+) =+ ( )+( ) = ( ) 2 =+ (+)( ) = (+) 3 =+ ( ) 3 = ( ) (inteiro positivo par) =+ ( ) (inteiro positivo ³mpar) = =0 + + c =+ (c constante) + c = (c constante) c (+) = + c = ( ( + se c>0 se c<0 + se c>0 se c<0 c ( ) = c = ( ( + se c<0 se c>0 + se c<0 se c>0 Mas aten»c~ao! Cautela com essa nova \aritm etica"! Os \resultados", (+) (+), ( )+(+), 0 ( ) s~ao novos s ³mbolos de indetermina»c~ao. Nada signi cam como valores de ites. Se chegarmos a algum deles no c alculo de um ite, temos que repensar o procedimento de c alculo. Eemplo 4.5 Calcular 3 2 2! Solu»c~ao. Uma substitui»c~ao direta nos d a = + (+)!

6 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 33 Para evitarmos s ³mbolos de indetermina»c~ao, fazemos (3 2 = ) 2!+ 3 +4!+ 3 ( + 4 ) = 2!+ ( + 4 ) 3 = ( + 4 = + ) ( + 0) = 3 + =0 p() Nos ites da forma, em que p() e q() s~ao polin^omios em, prevalecem! q() os termos de maior grau de ambos os polin^omios, ou seja, se p() =a n n + a n n + + a + a 0 ; ent~ao p()! q() = q() =b m m + b m m + + b + b 0! a n n b m m. Deiamos a dedu»c~ao disto para o leitor, como um eerc ³cio. Por eemplo, no eemplo que acabamos de estudar, bastar ³amos fazer =!+ 3 +4!+ = 3 3!+ = 3 + =0 Mas aten»c~ao.!. Isto s o vale para ites de quocientes de polin^omios, em que Eemplo 4.6 Calcular Temos! (5 3 )! (5 3 )=( ) 5 ( ) 3 =( ) ( ) =( )+(+), portanto chegamos a um s ³mbolo de indetermina»c~ao. Podemos no entanto fazer! (5 3 ) =! 5 ( )=+ ( 0) = +. 2 Eemplo 4.7 Calcular!0.

7 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 34 Solu»c~ao. Aqui podemos ser induzidos a dizer, tal como no eemplo do ite,!0 2 que e in nito. Ok, mas qual \in nito"? + ou?aresposta e, neste caso,!0 nenhum dos dois! Se se aproima de 0 por valores positivos, ent~ao = tende a +. Por em se se aproima de 0 assumindo somente valores negativos, ent~ao = tende a (j=j cacadavezmaior,por em = mant em-se sempre < 0). Neste caso, dizemos que n~ao eiste o ite!0. O comportamento da fun»c~ao f() =, nas proimidades de =0,ser amelhor estudado na pr oima aula, quando introduziremos o conceito de ites laterais. 4.2 Ilustra»c~oes geom etricas da ocorr^encia de alguns ites Na gura 4.2 temos o esbo»co de um gr a co de uma fun»c~ao de nida no conjunto R f 0 g, para a qual f() =a e f() =b = f( ).!0! a = f() b 0 0 Figura n~ao est a no dom ³nio de f,!0 f() =a, e! f() =b = f( ) Na gura 4.3 temos o esbo»co de um gr a co de uma fun»c~ao de nida em todo o conjunto R, para a qual f() =a e f() =b.!+! Na gura 4.4 temos o esboco de um gr a co de uma fun»c~ao de nida em R fag, para a qual f() =+. Na gura 4.5 temos o esboco de um gr a co de uma!a fun»c~ao de nida em R fag, para a qual f() =. Na gura 4.6 ilustramos o!a esboco de um gr a co de uma fun»c~ao de nida em R fag, para a qual f() =,!a f() =b e! f() =.!+

8 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 35 = f() a b 0 Figura 4.3. f() =a, e f() =b!+! = f() 0 a Figura 4.4.!a f() =+ 0 a = f() Figura 4.5.!a f() =

9 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 36 0 a b = f() Figura 4.6.!a f() =, 4.3 Problemas. Calcule os ites. (a)! (c) k!4 k 2 6 p k 2 (e) h! 2 h 3 +8 h +2 f() =b, e! f() =!+ (b)! (d) h!0 ( + h) 3 3 h (f) z!0 z 0 (g) (h)! ( ) 4! p ( 2 +3)( 4) 2 (i) 2. Demonstre que se! p 5 (j) 2!= s (k) (l)! 2 µ 4 6 s!4 2s 9 2 (m)! p h (n) h!0 h (4t 2 +5t 3) 3 (2 + h) (o) (p) t! (6t +5) 4 h!0 h p() =a n n + a n n + + a + a 0 ; e q() =b m m + b m m + + b + b 0 ; sendo a 0 ;::: ;a n ;b 0 ;::: ;b n n umeros reais com a n 6=0e b m 6=0,ent~ao

10 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 37 (a) (b) p()! q() =! a n n b m m p() = a n n!! 3. Calcule os ites. (a) (c) (e) (g) (i)!+!+! p (2 +3) 3 (2 3) (b) (d) (f)!+! 3p p 2 + (p + a p )!+!+ (p 2 + a ) (h)!+ ( + 3p 3 ) ( 3p ) (j) (p 2 + )!+!+ 4. Considerando as duas primeiras colunas da tabela 4., de valores para a fun»c~ao g() = 2,Jo~aozinho argumentou que, quanto mais pr oimo de 0 e o valor de, mais pr oimo de ca g(). Eplique porqu^e Jo~aozinho est a certo. Isto quer dizer que!0 g() =? Eplique Respostas e sugest~oes. (a) 4 (b) =9 (c) 32 (d) 3 2 (e) 2 (f) n~ao eiste (g) + (h) 5 p 2 20 (i) 5 (j) 7 (k) 3=8 (l) 23 (m) 2 (n) =8 (o) 64 (p) =4 2. (a) p()! q() =! =! =! =! a n ³+ n a n a + + a n a n + a n 0 a n n b m ³+ m b m b + + b m b m + b m 0 b m m a n n b m m a n n b m m!! + a n a n + + a a n + a n 0 a n n + b m b m + + b b m + b m 0 b m m + a n + + a + a 0 + b m + + b + b 0 a n n b m m =! a n n b m m 3. (a) 2 (b) 0 (c) 0 (d) Sugest~ao: p = ! 2 +! q 2 + = 4 2.! jj q+ 2 2 Agora, como!,temos<0, eent~ao jj =.

11 Limites. Uma introduc»~ao intuitiva 38 (e) 72 (f) 0. Sugest~ao: p + a p = (p + a p )( p + a + p ) p p. + a + (g) a=2 (h) 0. Sugest~ao: Para contornar a indetermina»c~ao +, fa»ca + 3p 3 = ( + 3p 3 )[ 2 3p 3 +( 3p 3 ) 2 ] 2 3p 3 +( 3p, e use a identidade 3 ) 2 (a + b)(a 2 ab + b 2 )=a 3 + b 3. (i) 0. Sugest~ao: Aproveite a id eia usada na solu»c~ao do problema anterior, agora fazendo uso da identidade (a b)(a 2 + ab + b 2 )=a 3 b 3. (j) =2

Limites indeterminados e as regras de L'Hopital

Limites indeterminados e as regras de L'Hopital Aula 3 Limites indeterminados e as regras de L'Hopital Nesta aula, estaremos apresentando as regras de L'Hopital, regras para calcular ites indeterminados, da forma 0=0 ou =, usando derivadas. Estaremos

Leia mais

Derivadas e retas tangentes. Novas regras de deriva»c~ao

Derivadas e retas tangentes. Novas regras de deriva»c~ao Aula 2 Derivadas e retas tangentes. Novas regras de deriva»c~ao 2. A derivada como inclina»c~ao de uma reta tangente ao gr a co da fun»c~ao Na aula anterior, o conceito de derivada foi apresentado atrav

Leia mais

Fun»c~oes trigonom etricas e o \primeiro limite fundamental"

Fun»c~oes trigonom etricas e o \primeiro limite fundamental Aula Fun»c~oes trigonom etricas e o \primeiro ite fundamental" Nesta aula estaremos fazendo uma pequena revis~ao de fun»c~oes trigonom etricas e apresentando um ite que lhes determina suas derivadas..

Leia mais

Aula 5. Limites laterais. Para cada x real, de ne-se o valor absoluto ou m odulo de x como sendo ( jxj = x se x<0

Aula 5. Limites laterais. Para cada x real, de ne-se o valor absoluto ou m odulo de x como sendo ( jxj = x se x<0 Aula 5 Limites laterais Para cada x real, de ne-se o valor absoluto ou m odulo de x como sendo ( x se x jxj = x se x< Por exemplo, j p 2j = p 2, j+3j =+3, j 4j =4, jj =, j p 2j = p 2 (pois p 2 < ). Para

Leia mais

Derivando fun»c~oes exponenciais e logar ³tmicas

Derivando fun»c~oes exponenciais e logar ³tmicas Aula 0 Derivando fun»c~oes eponenciais e logar ³tmicas Nesta aula estaremos deduzindo as derivadas das fun»c~oes f() =a e g() =log a, sendo a uma constante real, a>0 e a 6=. O que faz do n umero e uma

Leia mais

Esbo»cando gr a cos: zeros no denominador e retas ass ³ntotas

Esbo»cando gr a cos: zeros no denominador e retas ass ³ntotas Aula 7 Esbo»cando gr a cos: zeros no denominador e retas ass ³ntotas Na aula 6, estivemos concentrados no estudo de fun»c~oes cont ³nuas em R, com derivadas primeira e segunda tamb em cont ³nuas. Nesta

Leia mais

Aula 8. M aximos e m ³nimos

Aula 8. M aximos e m ³nimos Aula 8 M aimos e m ³nimos Nesta aula estaremos eplorando procedimentos estrat egicos para determinar os valores etremos de uma fun»c~ao f, ou seja, o valor m aimo eovalor m ³nimo de uma fun»c~ao f, emumintervaloi

Leia mais

Velocidade instant^anea e derivadas

Velocidade instant^anea e derivadas Aula 1 Velocidade instant^anea e derivadas 1.1 Velocidade instant^anea Um ponto m ovel M desloca-se ao longo de uma linha reta horizontal, a partir de um ponto O. s O M s = 0 s = s(t) s 0 = s(t 0 ) s =

Leia mais

Limite e Continuidade

Limite e Continuidade Matemática Licenciatura - Semestre 200. Curso: Cálculo Diferencial e Integral I Professor: Robson Sousa Limite e Continuidade Neste caítulo aresentaremos as idéias básicas sobre ites e continuidade de

Leia mais

Volume de um gás em um pistão

Volume de um gás em um pistão Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo Volume de um gás em um pistão Suponha que um gás é mantido a uma temperatura constante em um pistão. À medida que o pistão é comprimido, o volume

Leia mais

Aula 15. Integrais inde nidas. 15.1 Antiderivadas. Sendo f(x) e F (x) de nidas em um intervalo I ½ R, dizemos que

Aula 15. Integrais inde nidas. 15.1 Antiderivadas. Sendo f(x) e F (x) de nidas em um intervalo I ½ R, dizemos que Aula 5 Integrais inde nidas 5. Antiderivadas Sendo f() e F () de nidas em um intervalo I ½, dizemos que F e umaantiderivada ou uma rimitiva de f, emi, sef 0 () =f() ara todo I. Ou seja, F e antiderivada

Leia mais

Notas sobre primitivas

Notas sobre primitivas MTDI I - 007/08 - Notas sobre primitivas Notas sobre primitivas Seja f uma função real de variável real de nida num intervalo real I: Chama-se primitiva de f no intervalo I a uma função F cuja derivada

Leia mais

D I F E R E N C I A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 02: Assíntotas

D I F E R E N C I A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 02: Assíntotas ac C Á L C U L O D I F E R E N C I A L E I N T E G R A L I 02 Prof. ADRIANO CATTAI Apostila 02: Assíntotas NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza com mais clareza do que a matemática

Leia mais

Capítulo 1. Limites nitos. 1.1 Limite nito num ponto

Capítulo 1. Limites nitos. 1.1 Limite nito num ponto Capítulo 1 Limites nitos 1.1 Limite nito num ponto Denição 1. Seja uma função f : D f R R, x y = f(x, e p R tal que p D f ou p é um ponto da extremidade de D f. Dizemos que a função f possui ite nito no

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

Divisibilidade e o algoritmo da divis~ao em Z

Divisibilidade e o algoritmo da divis~ao em Z 3 Divisibilidade e o algoritmo da divis~ao em Z 31 Divisibilidade Em nossa educa»c~ao b asica, aprendemos que quando um n umero inteiro e dividido por um n umero inteiro n~ao nulo, o quociente pode ou

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite Eercícios de Limite. Eercícios de Fiação Cálculo I (05/) IM UFRJ Lista : Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão 30.03.05 Fi.: Considere o gráco de = f() esboçada no gráco

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

Fun»c~oesexponenciaiselogar ³tmicas. Uma revis~ao e o n umero e

Fun»c~oesexponenciaiselogar ³tmicas. Uma revis~ao e o n umero e Aula 9 Fun»c~osponnciaislogar ³tmicas. Uma rvis~ao o n umro Nsta aula farmos uma pquna rvis~ao das fun»c~os f() =a g() =log a, sndo a uma constant ral, a>0 a 6=. Farmos ainda uma aprsnta»c~ao do n umro,

Leia mais

LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE LIMITES E CONTINUIDADE Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE

Leia mais

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques LIMITES Gil da Costa Marques. O cálculo. Definição de limite. Funções contínuas e descontínuas.4 Limites quando a variável independente cresce indefinidamente em valor absoluto.5 Limites infinitos.6 Limites

Leia mais

Elementos de Cálculo I - Notas de aula 9 Prof Carlos Alberto Santana Soares. f(x) lim x a g(x) = lim x a f(x)

Elementos de Cálculo I - Notas de aula 9 Prof Carlos Alberto Santana Soares. f(x) lim x a g(x) = lim x a f(x) Elementos de Cálculo I - Notas de aula 9 Prof Carlos Alberto Santana Soares Anteriormente, vimos que um dos problemas no cálculo de ites surge quando desejamos f() calcular a. A estratégia incial é calcular

Leia mais

Taxas relacionadas. Diferenciais

Taxas relacionadas. Diferenciais Aula 14 Taas relacionadas. Diferenciais 14.1 Taas relacionadas Na linguagem do c alculo diferencial, se uma vari avel u e fun»c~ao da vari avel v, a taa de varia»c~ao (instant^anea) de u, emrela»c~ao a

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADAS PARCIAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADAS PARCIAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques 7 DERIVADAS PARCIAIS TÓPICO Gil da Costa Marques Fundamentos da Matemática II 7.1 Introdução 7. Taas de Variação: Funções de uma Variável 7.3 Taas de variação: Funções de duas Variáveis 7.4 Taas de Variação:

Leia mais

5.1 O Teorema do Valor Médio & Aplicações

5.1 O Teorema do Valor Médio & Aplicações 5. O Teorema do Valor Médio & Aplicações. Se f () = + 4, encontre o número c que satisfaz a conclusão do TVM (Teorema do Valor Médio) no intervalo [; 8] : 2. Seja f () = j j. Mostre que não eiste um número

Leia mais

Cálculo I 3ª Lista de Exercícios Limites

Cálculo I 3ª Lista de Exercícios Limites www.cursoeduardochaves.com Cálculo I ª Lista de Eercícios Limites Calcule os ites: a (4 7 +5 b + 5 c ( 5 ++4 d + 5 4 e 5 + 4 + ++ f 6 4 Resp. : a b 0 c /8 d / e 9 5 f Calcule os ites abaio: a 4 b + c +5

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Extremos de Funções Escalares. Exemplos

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Extremos de Funções Escalares. Exemplos Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Resumo das Aulas Teóricas (Semana 5) 1 Etremos de Funções Escalares. Eemplos Nos eemplos seguintes

Leia mais

Limites, derivadas e máximos e mínimos

Limites, derivadas e máximos e mínimos Limites, derivadas e máimos e mínimos Psicologia eperimental Definição lim a f ( ) b Eemplo: Seja f()=5-3. Mostre que o limite de f() quando tende a 1 é igual a 2. Propriedades dos Limites Se L, M, a,

Leia mais

Semana 2 Limites Uma Ideia Fundamental

Semana 2 Limites Uma Ideia Fundamental 1 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Semana 2 Limites Uma Ideia Fundamental Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 O LIMITE DE UMA FUNÇÃO Inicialmente, vamos analisar o comportamento da função f definida

Leia mais

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido Módulo 2 Geometria Analítica Números Reais Conjuntos Numéricos Números naturais O conjunto 1,2,3,... é denominado conjunto dos números naturais. Números inteiros O conjunto...,3,2,1,0,1, 2,3,... é denominado

Leia mais

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo Cálculo I IM UFRJ Lista : Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão 7.03.05 Para o Aluno O sucesso (ou insucesso) no Cálculo depende do conhecimento de tópicos do ensino médio que chamaremos de pré-cálculo.

Leia mais

26 CAPÍTULO 4. LIMITES E ASSÍNTOTAS

26 CAPÍTULO 4. LIMITES E ASSÍNTOTAS Capítulo 4 Limites e assíntotas 4.1 Limite no ponto Considere a função f(x) = x 1 x 1. Observe que esta função não é denida em x = 1. Contudo, fazendo x sucientemente próximo de 1 (mais não igual a1),

Leia mais

Noções de Cálculo Diferencial e Integral para Tecnólogos. João Carlos Vieira Sampaio Guillermo Antonio Lobos Villagra

Noções de Cálculo Diferencial e Integral para Tecnólogos. João Carlos Vieira Sampaio Guillermo Antonio Lobos Villagra Noções de Cálculo Diferencial e Integral para Tecnólogos João Carlos Vieira Sampaio Guillermo Antonio Lobos Villagra 9 de dezembro de 20 Sumário APRESENTAÇÃO 9 Funções e suas derivadas. Velocidade média

Leia mais

1.1 Propriedades Básicas

1.1 Propriedades Básicas 1.1 Propriedades Básicas 1. Classi que as a rmações em verdadeiras ou falsas, justi cando cada resposta. (a) Se x < 2, então x 2 < 4: (b) Se x 2 < 4, então x < 2: (c) Se 0 x 2, então x 2 4: (d) Se x

Leia mais

Sistemas de equações lineares

Sistemas de equações lineares Matemática II - / - Sistemas de Equações Lineares Sistemas de equações lineares Introdução Uma equação linear nas incógnitas ou variáveis x ; x ; :::; x n é uma expressão da forma: a x + a x + ::: + a

Leia mais

Como exemplo, consideremos os seguintes dados hipotéticos: Severidade das penas (Anos de prisão)

Como exemplo, consideremos os seguintes dados hipotéticos: Severidade das penas (Anos de prisão) 1 1 - Variáveis endógenas vs eógenas A teoria económica geralmente serve-se da análise matemática em dois momentos distintos: na formulação de relações causais entre variáveis; no confronto dessas relações,

Leia mais

Estudar tendências no comportamento de funções.

Estudar tendências no comportamento de funções. Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Fundamentos para a Análise Estrutural Código: AURB006 Turma: A Período Letivo: 2007-2 Proessor:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CÁLCULO L NOTAS DA DÉCIMA TERCEIRA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula, apresentaremos a Regra de L Hôpital, que será utilizada para solucionar indeterminações de ites de qualquer

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR IST - 1 o Semestre de 016/17 MEBiol, MEAmbi EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR FICHA - Vectores e valores próprios 1 1 Vectores e valores próprios de transformações lineares Dada uma transformação linear T V!

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenaria, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling Parte 1 - Limites Definição e propriedades; Obtendo limites; Limites laterais. 1) Introdução

Leia mais

Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real

Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real Carla Montorfano João César Guirado João Roberto Gerônimo Jorge Ferreira Lacerda Rui Marcos de Oliveira Barros Valdeni Soliani Franco Apresentação

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 1 1 FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 11 Funções trigonométricas inversas 111 As funções arco-seno e arco-cosseno Como as funções seno e cosseno não são injectivas em IR, só poderemos definir as suas funções

Leia mais

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D A Prática Leva à Perfeição Cálculo William D. Clark, P.D e Sandra Luna McCune, P.D Rio de Janeiro, 01 Para Sirley e Donice. Vocês estão sempre em nossos corações. Sumário Prefácio i I Limites 1 1 O conceito

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim .. Limites e Continuidade... Limites em IN Comecemos por relembrar as propriedades dos ites das sucessões: Propriedades dos Limites das Sucessões: Sejam n a n = L e n b n = K e c IR então: n [a n ± b n

Leia mais

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1 Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Matemática Disciplina: Cálculo M I Prof a Yane Lísle Material de Apoio Roteiro para Esboçar uma Curva A lista a seguir pretende servir como um guia

Leia mais

Aula 16. Integra»c~ao por partes

Aula 16. Integra»c~ao por partes Aula 16 Integra»c~ao or artes H a essencialmente dois m etodos emregados no c alculo de integrais inde nidas (rimitivas) de fun»c~oes elementares. Um deles e a integra»c~ao or substitui»c~ao, elorada na

Leia mais

JOHN NAPIER, HENRY BRIGSS E A INVENC» ~AO DOS LOGARITMOS

JOHN NAPIER, HENRY BRIGSS E A INVENC» ~AO DOS LOGARITMOS Logaritmos e hist oria 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE S~AO CARLOS CENTRO DE CI^ENCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEM ATICA JOHN NAPIER, HENRY BRIGSS E A INVENC» ~AO DOS LOGARITMOS Jo~ao Carlos

Leia mais

Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral

Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral Volume I Fábio Henrique de Carvalho Copright c 03 Publicado por Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco Univasf) www.univasf.edu.br Todos

Leia mais

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS Curso de Férias de IFVV (Etapa ) INTEGAIS UPLAS VOLUMES E INTEGAIS UPLAS Objetivando resolver o problema de determinar áreas, chegamos à definição de integral definida. A idéia é aplicar procedimento semelhante

Leia mais

3.1 Cálculo de Limites

3.1 Cálculo de Limites 3. Cálculo de Limites 0. Formas Indeterminadas 0=0 = 0 0 02. Oerações com os símbolos + = = ( ) = = k = ; se k > 0 k = ; se k < 0 ( ) ( ) = ( ) = k = ; se k > 0 = ; se > 0 = 0; se < 0 k=0 = ; k 6= 0 03.

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

Capítulo 1. Matrizes e Sistema de Equações Lineares. 1.1 Corpos

Capítulo 1. Matrizes e Sistema de Equações Lineares. 1.1 Corpos Capítulo 1 Matrizes e Sistema de Equações Lineares Neste capítulo apresentaremos as principais de nições e resultados sobre matrizes e sistemas de equações lineares que serão necessárias para o desenvolvimento

Leia mais

M aximo divisor comum

M aximo divisor comum 6 M aximo divisor comum 6.1 Conceitua»c~ao e propriedades elementares Se x e a s~ao inteiros, com a 6= 0,ex j a (lembre-se de que \x j a" signi ca \x divide a") ent~ao jxj jaj. Defato,comoa = xc, para

Leia mais

Integrais Múltiplas. Integrais duplas sobre retângulos

Integrais Múltiplas. Integrais duplas sobre retângulos Integrais Múltiplas Integrais duplas sobre retângulos Vamos estender a noção de integral definida para funções de duas, ou mais, variáveis. Da mesma maneira que a integral definida para uma variável, nos

Leia mais

CE065 - ELEMENTOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA 2ª. PARTE

CE065 - ELEMENTOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA 2ª. PARTE CE65 - ELEMENTOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA ª. PARTE. FUNÇÕES.- Sistema de Coordenadas Cartesianas ou Plano Cartesiano A localização de pontos num plano é bastante antiga na Matemática e data aproimadamente

Leia mais

PROFMAT AV2 MA

PROFMAT AV2 MA PROFMAT AV MA 11 011 Questão 1. Calcule as seguintes epressões: [ ] (1,0) (a) log n log n (1,0) (b) log a/ log, onde a > 0, > 0 e a base dos logaritmos é fiada arbitrariamente. (a) Como = n 1/n 3, temos

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

7. Diferenciação Implícita

7. Diferenciação Implícita 7. Diferenciação Implícita ` Sempre que temos uma função escrita na forma = f(), dizemos que é uma função eplícita de, pois podemos isolar a variável dependente de um lado e a epressão da função do outro.

Leia mais

Rela»c~oes e Fun»c~oes

Rela»c~oes e Fun»c~oes 3 Rela»c~oes e Fun»c~oes O cap ³tulo inicia-se com uma discuss~ao sobre pares ordenados e o produto cartesiano de dois conjuntos. O conceito de rela»c~ao e ent~ao de nido como sendo um conjunto de pares

Leia mais

Capítulo 5 Retas Tangentes 5.1 Conceituação No Capítulo Alguns Problemas do Cálculo, vimos que a reta tangente tem um importante significado físico e geométrico e que portanto, é necessário saber defini-la

Leia mais

DERIVADA. A Reta Tangente

DERIVADA. A Reta Tangente DERIVADA A Reta Tangente Seja f uma função definida numa vizinança de a. Para definir a reta tangente de uma curva = f() num ponto P(a, f(a)), consideramos um ponto vizino Q(,), em que a e traçamos a S,

Leia mais

Cálculo de primitivas ou de antiderivadas

Cálculo de primitivas ou de antiderivadas Aula 0 Cálculo de primitivas ou de antiderivadas Objetivos Calcular primitivas de funções usando regras elementares de primitivação. Calcular primitivas de funções pelo método da substituição. Calcular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CÁLCULO L1 NOTAS DA VIGÉSIMA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula, consideraremos mais uma técnica de integração, que é conhecida como substituição trigonométrica. Esta técnica pode

Leia mais

A função do 2º grau. Na aula anterior, estudamos a função do. Nossa aula

A função do 2º grau. Na aula anterior, estudamos a função do. Nossa aula A UA UL LA A função do º grau Introdução Na aula anterior, estudamos a função do 1º grau ( = a + b) e verificamos que seu gráfico é uma reta. Nesta aula, vamos estudar outra função igualmente importante:

Leia mais

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o Integral de Linha As integrais de linha podem ser encontradas em inúmeras aplicações nas iências Eatas, como por eemplo, no cálculo do trabalho realizado por uma força variável sobre uma partícula, movendo-a

Leia mais

Aula 2 A distribuição normal

Aula 2 A distribuição normal Aula 2 A distribuição normal Objetivos: Nesta aula você estudará a distribuição normal, que é uma das mais importantes distribuições contínuas. Você verá a definição geral desta distribuição, mas, nesse

Leia mais

GRANDEZAS PROPORCIONAIS

GRANDEZAS PROPORCIONAIS Hewlett-Packard GRANDEZAS PROPORCIONAIS Aulas 01 a 03 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Sumário GRANDEZAS... 2 O QUE É UMA GRANDEZA?... 2 PRELIMINAR 1... 2 PRELIMINAR 2... 2 GRANDEZAS DIRETAMENTE

Leia mais

; a = 5 (d) f (x) = 2x 4 x 3 + 2x 2 ; a = 2 x ; a = 1 (f) f (x) = 3 x. 9 x ; a = 9. x 2 x 2 ; a = 2

; a = 5 (d) f (x) = 2x 4 x 3 + 2x 2 ; a = 2 x ; a = 1 (f) f (x) = 3 x. 9 x ; a = 9. x 2 x 2 ; a = 2 2. Em cada caso abaio calcule o ite de f ), quando a. a) f ) = 2 + 5; a = 7 b) f ) = c) f ) = 2 + 3 0 + 5 e) f ) = 3 3 + + ; a = 0 ; a = 5 d) f ) = 2 4 3 + 2 2 ; a = 2 2 + 8 3 ; a = + 3 h) f ) = 9 ; a

Leia mais

Universidade Federal Fluminense. Matemática I. Professora Maria Emilia Neves Cardoso

Universidade Federal Fluminense. Matemática I. Professora Maria Emilia Neves Cardoso Universidade Federal Fluminense Matemática I Professora Maria Emilia Neves Cardoso Notas de Aula / º semestre de Capítulo : Limite de uma função real O conceito de ite é o ponto de partida para definir

Leia mais

Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo

Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D Professora: Elisandra Bär de Figueiredo 1. Seja f() = 5 + + 1. Justique a armação: f tem pelo menos uma raiz no

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

2.1A Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1

2.1A Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 2.1 Domínio e Imagem 2.1A Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaio. (a) f () = 3 (b) g () = (c) h () = (d) f () = 1 3 + 5 1 3 (e) g () 2 (f) g () = jj 8 8

Leia mais

por José Adonai Pereira Seixas

por José Adonai Pereira Seixas Cálculo 1 l Q l Q l Q l Q l Q l Q l Q t = f(a + ) Q t b γ Q Q Q Q Q P l f(a) γ : = f() P f(a + ) f(a) l θ θ Q a s θ θ Q a s = a + por José Adonai Pereira Seias Maceió-010 Conteúdo 4 Aplicações da Derivada

Leia mais

Curvas Planas em Coordenadas Polares

Curvas Planas em Coordenadas Polares Curvas Planas em Coordenadas Polares Sumário. Coordenadas Polares.................... Relações entre coordenadas polares e coordenadas cartesianas...................... 6. Exercícios........................

Leia mais

5.1 Máximos e Mínimos

5.1 Máximos e Mínimos 5. Máximos e Mínimos 5.A Se f (x) = x + 4, encontre o número c que satisfaz a conclusão do TVM (Teorema do x Valor Médio) no intervalo [; 8] : 5.B Seja f (x) = jx j : Mostre que não existe um número c

Leia mais

Capítulo 1 Números Reais, Intervalos e Funções

Capítulo 1 Números Reais, Intervalos e Funções Capítulo Números Reais, Intervalos e Funções Objetivos Identi car os conjuntos numéricos; Conhecer e aplicar as propriedades relativas à adição e multiplicação de números reais; Utilizar as propriedades

Leia mais

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades; DISCIPLINA: ELEMENTOS DE MATEMÁTICA AVANÇADA UNIDADE 3: ÁLGEBRA LINEAR. OPERADORES OBJETIVOS: Ao final desta unidade você deverá: - identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: SOLUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: SOLUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ GABARITO DE CÁLCULO PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - // CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: Prova SEM consulta

Leia mais

4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA

4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA 43 4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA 4.1. A FUNÇÃO EXPONENCIAL Vimos no capítulo anterior que dado a R +, a potência a pode ser definida para qualquer número R. Portanto, fiando a R +, podemos definir

Leia mais

Apostila de Cálculo I

Apostila de Cálculo I Limites Diz-se que uma variável tende a um número real a se a dierença em módulo de -a tende a zero. ( a ). Escreve-se: a ( tende a a). Eemplo : Se, N,,,4,... quando N aumenta, diminui, tendendo a zero.

Leia mais

REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS

REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS Análise Matemática MIEC /4 REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS INEQUAÇÕES Uma das propriedades das inequações mais vezes ignorada é a que decorre da multiplicação de ambos os membros por um valor negativo. No

Leia mais

Derivada. Capítulo Retas tangentes e normais Número derivado

Derivada. Capítulo Retas tangentes e normais Número derivado Capítulo 3 Derivada 3.1 Retas tangentes e normais Vamos considerar o problema que consiste em traçar a reta tangente e a reta normal a uma curvay= f(x) num determinado ponto (a,f(a)) da curva. Por isso

Leia mais

FUNÇÕES. a < 0. a = 0. a > 0. b < 0 b = 0 b > 0

FUNÇÕES. a < 0. a = 0. a > 0. b < 0 b = 0 b > 0 FUNÇÕES As principais definições, teorias e propriedades sobre funções podem ser encontradas em seu livro-teto (Guidorizzi, vol1, Stewart vol1...); Assim, não vamos aqui nos alongar na teoria que pode

Leia mais

Equação Geral do Segundo Grau em R 2

Equação Geral do Segundo Grau em R 2 8 Equação Geral do Segundo Grau em R Sumário 8.1 Introdução....................... 8. Autovalores e autovetores de uma matriz real 8.3 Rotação dos Eixos Coordenados........... 5 8.4 Formas Quadráticas..................

Leia mais

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 2.1 Domínio e Imagem 1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 3 (e) g (x) 2x (f) g (x) = jx 1j x, se x 2

Leia mais

Solução numérica de equações não-lineares

Solução numérica de equações não-lineares Capítulo 1 Solução numérica de equações não-lineares 1.1 Introdução Lembremos que todo problema matemático pode ser expresso na forma de uma equação. Mas, o que é uma equação? Uma equação é uma igualdade

Leia mais

Representa»c~ao posicional de inteiros

Representa»c~ao posicional de inteiros 4 Representa»c~ao posicional de inteiros Habitualmente os n umeros inteiros positivos s~ao representados no sistema (posicional) decimal. Na representa»c~ao de um inteiro positivo no sistema decimal, os

Leia mais

Se tanto o numerador como o denominador tendem para valores finitos quando x a, digamos α e β, e β 0, então pela álgebra dos limites sabemos que.

Se tanto o numerador como o denominador tendem para valores finitos quando x a, digamos α e β, e β 0, então pela álgebra dos limites sabemos que. FORMAS INDETERMINADAS E A REGRA DE L HÔPITAL RICARDO MAMEDE Consideremos o ite. Se tanto o numerador como o denominador tendem para valores initos quando a, digamos α e β, e β, então pela álgebra dos ites

Leia mais

Inteiros e Indu»c~ao Finita

Inteiros e Indu»c~ao Finita 1 Inteiros e Indu»c~ao Finita Neste cap ³tulo estudaremos uma estrutura alg ebrica que j a nos e familiar: a estrutura alg ebrica do conjunto Z dos n umeros inteiros. Por estrutura alg ebrica do conjunto

Leia mais

Continuidade e o cálculo do imposto de renda

Continuidade e o cálculo do imposto de renda Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 Continuidade e o cálculo do imposto de renda Neste texto vamos introduzir um importante conceito, utilizando como motivação o cálculo do imposto

Leia mais

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites Este trabalho tem como foco, uma abordagem sobre a teoria dos limites. Cujo objetivo é o método para avaliação da disciplina

Leia mais

x lim, sendo: 03. Considere as funções do exercício 01. Verifique se f é contínua em x = a. Justifique.

x lim, sendo: 03. Considere as funções do exercício 01. Verifique se f é contínua em x = a. Justifique. INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A 008. A LISTA DE EXERCÍCIOS 0. Esboce o gráfico de f, determine f ( ), f ( ) e, caso eista, f ( ) : a a a, >, e a) f ( ) =, = (a = )

Leia mais

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas Prof a.: Elisangela Farias e Sérgio Motta FUNÇÕES Sejam X e Y conjuntos.

Leia mais

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim Lista de Férias Bases Matemáticas/FUV Encontre uma epressão para a função inversa: + 3 a) 5 2 + e b) e c) 2 + 5 d) ln( + 3) 6 Prove a partir da definição de ite que: a) 3 ( + 6) = 9 b) = c) 2 = 4 2 d)

Leia mais

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4

da dx = 2 x cm2 /cm A = (5 t + 2) 2 = 25 t t + 4 Capítulo 13 Regra da Cadeia 13.1 Motivação A área A de um quadrado cujo lado mede x cm de comprimento é dada por A = x 2. Podemos encontrar a taxa de variação da área em relação à variação do lado: = 2

Leia mais