Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1"

Transcrição

1 Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume. Eercícios. Eplique com suas palavras o significado da equação É possível que a equação anterior seja verdadeira, mas que f? Eplique.. Eplique o que significa dizer que f l f 5 l Nesta situação, é possível que l f eista? Eplique.. Eplique o significado de cada uma das notações a seguir. (a) f (b) f l l 4 e f 7 l 4. Use o gráfico dado de f para dizer o valor de cada quantidade, se ela eistir. Se não eistir, eplique por quê. (a) f (b) f l l (c) l (d) f (e) f l 4 (f) f ; É necessário uma calculadora gráfica ou computador. As Homework Hints estão disponíveis em

2 LIMITES E DERIVADAS Para a função f, cujo gráfico é dado, diga o valor de cada quantidade indicada, se ela eistir. Se não eistir, eplique por quê. (a) f (b) f (c) f l l l (d) f l (e) f Para a função h cujo gráfico é dado, diga o valor da cada quantidade, se ela eistir. Se não eistir, eplique por quê. (a) h (b) h (c) h l l l (d) (e) h l0 (f) (g) h (h) h0 (i) l 0 (j) h (k) h (l) 7. Para a função t cujo gráfico é dado, diga o valor da cada quantidade, se ela eistir. Se não eistir, eplique por quê. (a) tt (b) tt (c) t l 0 (d) tt (e) tt (f) t l (g) t 4 (h) l5 t l 0 t l tt t l 4 4 h l0 h l h l t l tt 8. Para a função R, cujo gráfico é mostrado a seguir, diga quem são: (a) R (b) R l l 5 (c) R l (d) l R (e) As equações das assíntotas verticais. t t l 0 tt 9. Para a função f cujo gráfico é mostrado a seguir, determine o seguinte: (a) f (b) f (c) (d) f (e) f l 6 l 6 (f) As equações das assíntotas verticais. 0. Um paciente recebe uma injeção de 50 mg de uma droga a cada 4 horas. O gráfico mostra a quantidade f t da droga na corrente sanguínea após t horas. Encontre e eplique o significado desses ites laterais. e Esboce o gráfico da função e use-o para determinar os valores de a para os quais l a f eiste:.. l7 f f sen cos sen tl ; 4 Use o gráfico da função f para dizer o valor de cada ite, se eistir. Se não eistir, eplique por quê. f t (a) f (b) f (c) f l 0 7 f t tl f(t) l t se se se se 0 se 0 p se p l 0 f l l 0

3 90 CÁLCULO. 4. f f e s 5 8 Esboce o gráfico de um eemplo de uma função f que satisfaça a todas as condições dadas. 5. f, f, l 6., f, 0, f l 0 l 0 f l f, f, f 0 não está definido l 7. f 4, f, f, l l l f, f 8., 0,, f l 0 f l 0 f l 4 f 0, f 0, f 4 l 4 9 Faça uma conjectura sobre o valor do ite (se ele eistir) por meio dos valores da função nos números dados (com precisão de seis casas decimais). 9., l,5,,,,05,,0,,005,,00,,9,,95,,99,,995,,999 0., l 0, 0,5, 0,9, 0,95, 0,99, 0,999,,,5,,,,0,,00 e.,, 0,5, 0,, 0,05, 0,0 l 0 l. ln,, 0,5, 0,, 0,05, 0,0, 0,005, 0,00 l 0 6 Use uma tabela de valores para estimar o valor do ite. Se você tiver alguma ferramenta gráfica, use-a para confirmar seu resultado. s l l 0 f tg l 0 tg l 0 ; 7. (a) A partir do gráfico da função f cos cos e dando zoom no ponto em que o gráfico cruza o eio, estime o valor de l 0 f. (b) Verifique sua resposta da parte (a), calculando f para valores de que se aproimem de 0. ; 8. (a) Estime o valor de sen l 0 sen p traçando o gráfico da função f sen sen p. Forneça sua resposta com precisão de duas casas decimais. ; (b) Verifique sua resposta da parte (a) calculando f para valores de que se aproimem de Determine o ite infinito l.. l. ln 9 4. l 5. csc l 8 l (a) Encontre as assíntotas verticais da função (b) Confirme sua resposta da parte (a) fazendo o gráfico da função. 9. Determine e (a) calculando f para valores de que se aproimam de pela esquerda e pela direita, (b) raciocinando como no Eemplo 9, e ; (c) a partir do gráfico de f. ; 40. (a) A partir do gráfico da função f tg 4 e dando zoom no ponto em que o gráfico cruza o eio, estime o valor de l 0 f. (b) Verifique sua resposta da parte (a) calculando f para valores de que se aproimam de (a) Estime o valor do ite l 0 com cinco casas decimais. Esse número lhe parece familiar? ; (b) Ilustre a parte (a) fazendo o gráfico da função. ; 4. (a) Faça o gráfico da função f e ln 4 para 0 5. Você acha que o gráfico é uma representação precisa de f? (b) Como você faria para que o gráfico represente melhor f? 4. (a) Avalie a função f.000 para, 0,8, 0,6, 0,4, 0,, 0, e 0,05, e conjecture qual o valor de l0.000 (b) Avalie f para 0,04, 0,0, 0,0, 0,005, 0,00 e 0,00. Faça uma nova conjectura. 44. (a) Avalie h tg para, 0,5, 0,, 0,05, 0,0 e 0,005. tg (b) Estime o valor de l 0 (c) Calcule h para valores sucessivamente menores de até finalmente atingir um valor de 0 para h. Você ainda está confiante que a conjectura em (b) está correta? Eplique como finalmente obteve valores 0. (Na Seção 4.4 veremos um método para calcular esse ite.) ; (d) Faça o gráfico da função h na janela retangular, por 0,. Dê zoom até o ponto onde o gráfico corta o eio para estimar o ite de h quando tende a 0. Continue l l l l5 cot l l e 5 4 4

4 LIMITES E DERIVADAS 9 dando zoom até observar distorções no gráfico de h. Compare com os resultados da parte (c). ; 45. Faça o gráfico da função f senp do Eemplo 4 na janela retangular, por,. Então dê um zoom em direção à origem diversas vezes. Comente o comportamento dessa função. 46. Na teoria da relatividade, a massa de uma partícula com velocidade v é m 0 m s v c onde m 0 é a massa da partícula em repouso e c, a velocidade da luz. O que acontece se v l c? ; 47. Use um gráfico para estimar as equações de todas as assíntotas verticais da curva tgsen Encontre, então, as equações eatas dessas assíntotas. ; 48. (a) Use evidências numéricas e gráficas para fazer uma conjectura sobre o valor do ite l s p p (b) A que distância de deverá estar para garantir que a função da parte (a) esteja a uma distância de 0,5 de seu ite?

5 98 CÁLCULO. Eercícios. Dado que encontre, se eistir, o ite. Caso não eista, eplique por quê. (a) (c) (e). Os gráficos de f e t são dados. Use-os para calcular cada ite. Caso não eista, eplique por quê. (a) (c) (e) 9 Calcule o ite justificando cada passagem com as Propriedades dos Limites que forem usadas.. 4. (b) (d) (f) (b) (d) (f) t t l t t 7. ( s ) l 8 ƒ() f 4 l f 5t l sf l t l h f t l f t l0 f l l 4 l 4 5 l 0. (a) O que há de errado com a equação a seguir? (b) Em vista de (a), eplique por que a equação está correta. 6 l t l 6 l t f l t th l f t() f t l l f t s f l t l t l h 0 l 0 ul su 4 u 6 t t 5 Calcule o ite, se eistir. 6.. l l t t l t 7t 5 h hl0 h l 8 s9 h.. h l 0 h l4 4 s t s t t l 0 t 4 s l t l 0 ts t t h.. h l 0 h. (a) Estime o valor de s traçando o gráfico da função f (s ) (b) Faça uma tabela de valores de f para próimo de 0 e estime qual será o valor do ite. (c) Use as Propriedades dos Limites para mostrar que sua estimativa está correta. 4. (a) Use um gráfico de l0 s s f para estimar o valor de l 0 f com duas casas decimais. (b) Use uma tabela de valores de f para estimar o ite com quatro casas decimais. (c) Use as Propriedades dos Limites para encontrar o valor eato do ite. 5. Use o Teorema do Confronto para mostrar que l 0 cos 0 0. Ilustre, fazendo os gráficos das funções f, t cos 0 e h na mesma tela. 5 4 l4 4 l l h 8 h l0 h t 4 t l t s4u ul u l 4 t l 0 t h h l 0 h s 9 5 l4 4 h l t t h h ; É necessário o uso de uma calculadora gráfica ou computador. As Homework Hints estão disponíveis em

6 LIMITES E DERIVADAS Empregue o Teorema do Confronto para mostrar que s sen p. l0 0 Ilustre, fazendo os gráficos das funções f, t e h (como no Teorema do Confronto) na mesma tela. 7. Se 4 9 f 4 7 para 0, encontre f. l 4 8. Se t 4 para todo, avalie t. 9. Demonstre que 4 cos 0. l0 40. Demonstre que s. l0 esenp Encontre, quando eistir, o ite. Caso não eista, eplique por quê l l0, l0 47. A função sinal, denotada por sgn, é definida por (a) Esboce o gráfico dessa função. (b) Encontre ou eplique por que não eiste cada um dos ites a seguir. (i) sgn (ii) sgn l0 l0 48. Seja (iii) (iv) (a) Encontre l f e l f. (b) l f eiste? (c) Esboce o gráfico de f. 49. Seja t 6. (a) Encontre (i) t l (b) l t eiste? (c) Esboce o gráfico de t. 50. Seja ( ) l 0 sgn f se se sgn 0 t (ii) l6 6 l l0 se 0 se 0 se 0 sgn l 0 t l se se se se l (a) Determine as quantidades a seguir, se eistirem. (i) t (ii) t (iii) t l l (iv) t (v) t (vi) t l l l (b) Esboce o gráfico de t. 5. (a) Se o símbolo denota a função maior inteiro do Eemplo 0, calcule (i) (ii) (iii) l l l.4 (b) Se n for um inteiro, calcule (i) (ii) ln l n (c) Para quais valores de a o ite l a eiste? 5. Seja f cos,. (a) Esboce o gráfico de f. (b) Calcule cada ite, se eistir (i) f (ii) f l 0 l (iii) f (iv) f l l (c) Para quais valores de a o ite l a f eiste? 5. Se f, mostre que eiste l f, mas que não é igual a f. 54. Na Teoria da Relatividade, a fórmula da contração de Lorentz epressa o comprimento L de um objeto como uma função de sua velocidade v em relação a um observador, onde L 0 é o comprimento do objeto em repouso e c é a velocidade da luz. Encontre v lcl e interprete o resultado. Por que é necessário o ite à esquerda? 55. Se p for um polinômio, mostre que l a p pa. 56. Se r for uma função racional, use o Eercício 55 para mostrar que l a r ra para todo número a no domínio de r. f Se 0, encontre f. l l f 58. Se 5, encontre os seguintes ites. l 0 (a) f (b) f l 0 l Se f se é racional 0 se é irracional demonstre que l 0 f Mostre por meio de um eemplo que l a f t pode eistir mesmo que nem l a f nem l a t eistam. 6. Mostre por meio de um eemplo que l a f t pode eistir mesmo que nem l a f nem l a t eistam. s6 6. Calcule l s 6. Eiste um número a tal que L L 0s v c a a l eista? Caso eista, encontre a e o valor do ite.

7 8 CÁLCULO.6 Eercícios. Eplique com suas palavras o significado de cada um dos itens a seguir. (a) f 5 (b) f l l. (a) O gráfico de f pode interceptar uma assíntota vertical? E uma assíntota horizontal? Ilustre com gráficos. (b) Quantas assíntotas horizontais pode ter o gráfico de f? Ilustre com gráficos as possibilidades.. Para a função f, cujo gráfico é dado, diga quem são. (a) f (b) f l l (c) (e) f l f l (d) f l (f) As equações das assíntotas 4. Para a função t, cujo gráfico é dado, determine o que se pede. (a) t (b) t l l (c) (e) t l t l (d) t l0 (f) As equações das assíntotas Esboce o gráfico de um eemplo de uma função f que satisfaça a todas as condições dadas. 5. f, f 5, f 5 l 0 l l 6. f, f, f, l l l f 0, f 0, f 0 0 l l ; É necessário usar uma calculadora gráfica ou computador. As Homework Hints estão disponíveis em

8 LIMITES E DERIVADAS f, f, f, f é ímpar 9. f, l f, l0 l f 0, l l 0. f, f, f 0 0, f é par l ;. Faça uma conjectura sobre o valor do ite l calculando a função f para 0,,,, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 0, 0, 50 e 00. Então, use o gráfico de f para comprovar sua conjectura. ;. (a) Use o gráfico de para estimar o valor de l f com precisão de duas casas decimais. (b) Use uma tabela de valores de f para estimar o ite com precisão de quatro casas decimais. 4 Calcule o ite justificando cada passagem com as propriedade dos ites que forem usadas.. 4. l 4 5 l Encontre o ite ou demonstre que não eiste l l 7 st t t l t t.. l. s9 l ) l (s a s b ) 8. l l l f, f l f, l f l0 f 4, l0 l. arctge 4. l e l e l f f 0, l f, l0 f, l 4 5 l 4 l tl l s9 6 l ( s ) l l s e cos l 6 l 4 e e l e e l f, l t tst t t 5 s 4 sen l e cos ; 9. (a) Estime o valor de traçando o gráfico da função f s (b) Faça uma tabela de valores de f para estimar qual será o valor do ite. (c) Demonstre que sua conjectura está correta. ; 40. (a) Use um gráfico de para estimar o valor de l f com precisão de uma casa decimal. (b) Use uma tabela de valores de f para estimar o ite com precisão de quatro casas decimais. (c) Encontre o valor eato do ite Encontre as assíntotas horizontais e verticais de cada curva. Confira seu trabalho por meio de um gráfico da curva e das estimativas das assíntotas ; 47. Estime a assíntota horizontal da função através do gráfico f para 0 0. A seguir, determine a equação da assíntota calculando o ite. Como você eplica a discrepância? ; 48. (a) Trace o gráfico da função f s 5 Quantas assíntotas horizontais e verticais você observa? Use o gráfico para estimar os valores dos ites e (b) Calculando valores de f, dê estimativas numéricas dos ites na parte (a). (c) Calcule os valores eatos dos ites na parte (a). Você obtém os mesmos valores ou valores diferentes para estes ites? [Em vista de sua resposta na parte (a), você pode ter de verificar seus cálculos para o segundo ite.] 49. Encontre uma fórmula para uma função f que satisfaça as seguintes condições: f 0 f f 0 l f f l f s 8 6 s s l 5 (s ) l l0 f l l 0 tg ln 4 4 e e 5 s l Encontre uma fórmula para uma função que tenha por assíntotas verticais e e por assíntota horizontal.

9 0 CÁLCULO 5. Uma função f é a razão de funções quadráticas e possui uma assíntota vertical 4 e somente um intercepto com o eio das abscissas em. Sabe-se que f possui uma descontinuidade removível em e l f. Calcule (a) (b) l 5 56 Encontre os ites quando l e quando l. Use essa informação, bem como as intersecções com os eios, para fazer um esboço do gráfico, como no Eemplo sen 57. (a) Use o Teorema do Confronto para determinar. l ; (b) Faça o gráfico de f sen. Quantas vezes o gráfico cruza a assíntota? ; 58. Por comportamento final de uma função queremos indicar uma descrição do que acontece com seus valores quando l e quando l. (a) Descreva e compare o comportamento final das funções P 5 5 Q 5 por meio do gráfico de ambas nas janelas retangulares, por, e 0, 0 por 0.000, (b) Dizemos que duas funções têm o mesmo comportamento final se sua razão tende a quando l. Mostre que P e Q têm o mesmo comportamento final. 59. Sejam P e Q polinômios. Encontre P l Q se o grau de P for (a) menor que o grau de Q e (b) maior que o grau de Q. 60. Faça um esboço da curva n (n inteiro) nos seguintes casos: (i) n 0 (ii) n 0, n ímpar (iii) n 0, n par (iv) n 0, n ímpar (v) n 0, n par Então, use esses esboços para encontrar os seguintes ites: (a) n (b) n l0 l0 (c) n l (d) n l 6. Encontre l f se, para todo, 0e f 5s e s 6. (a) Um tanque contém litros de água pura. Água salgada contendo 0 g de sal por litro de água é bombeada para dentro do tanque a uma taa de 5 Lmin. Mostre que a concentração de sal depois de t minutos (em gramas por litro) é Ct 0t 00 t (b) O que acontece com a concentração quando t l? 6. Seremos capazes de mostrar, no Capítulo 9 do Volume II, que, sob certas condições, a velocidade vt de uma gota de chuva caindo no instante t é vt v* e ttv*, onde t é a aceleração da gravidade e v* é a velocidade final da gota. (a) Encontre t l vt. (b) Faça o gráfico de vt se v* ms e t 9,8 ms Quanto ; tempo levará para a velocidade da gota atingir 99% de sua velocidade final? ; 64. (a) Fazendo os gráficos de e 0 e 0, na mesma tela, descubra quão grande você precisará tomar para que e 0 0,. (b) A parte (a) pode ser resolvida sem usar uma ferramenta gráfica? ; 65. Use um gráfico para encontrar um número N tal que se N então ; 66. Para o ite s4 l ilustre a Definição 7, encontrando os valores de N que correspondam a 0,5 e 0,. ; 67. Para o ite s4 l ilustre a Definição 8, encontrando os valores de N correspondentes a 0,5 e 0,. ; 68. Para o ite l s ilustre a Definição 9, encontrando um valor de N correspondente a M (a) De que tamanho devemos tomar para que 0,000? (b) Tomando r no Teorema 5, temos a igualdade l 0 Demonstre isso diretamente usando a Definição (a) De que tamanho devemos tornar para que s 0.000? (b) Tomando r no Teorema 5, temos a igualdade l s 0 Demonstre isso diretamente usando a Definição Use a Definição 8 para demonstrar que. l 0 7. Demonstre, usando a Definição 9, que. 7. Use a Definição 9 para demonstrar que e. 74. Formule precisamente a definição de f l Então, use sua definição para demonstrar que l 75. Demonstre que f f t l t l0 l e se esses ites eistirem. f t l0,5 0,05 l l f t

10 APÊNDICES A6 CAPÍTULO 9. (a) 0,,7,,0847,,74, 4,0,,87, 0,,65,,606, 5,,40; não (c),4 EXERCÍCIOS.. Sim. (a) l f significa que podemos fazer os valores de f ficarem arbitrariamente grandes (tão grandes quanto quisermos) tomando suficientemente próimo de (mas não igual a ). (b) l 4 f significa que os valores de f podem se tornar números negativos arbitrariamente grandes ao fazer ficar suficientemente próimo a 4 por valores maiores que (a) (b) (c) 4 (d) Não eiste (e) 7. (a) (b) (c) Não eiste (d) (e) 0 (f) Não eiste (g) (h) 9. (a) (b) (c) (d) (e) (f) 7,, 0, 6. eiste para qualquer a eceto a. l a. (a) (b) 0 (c) Não eiste EXERCÍCIOS.. (a) 6 (b) 8 (c) (d) 6 (e) Não eiste (f) Não eiste (a), (b) Não eiste 47. (a) (b) (i) (ii) (iii) Não eiste (iv) 49. (a) (i) 5 (ii) (c) (, 5) (, _5) (b) Não eiste 0 5. (a) (i) (ii) Não eiste (iii) (b) (i) n (ii) n (c) a não é um inteiro ; (a), ; 4. (a),788 (b) 5 6 _ (a) 0,998000, 0,6859, 0,58484, 0,58680, 0,0885, 0,00898, 0,00465; 0 (b) 0,00057, 0,00064, 0,000907, 0,000978, 0,00099, 0,00000; 0, Não importa quantas vezes damos zoom na origem, o gráfico parece consistir em retas quase verticais. Isso indica oscilações cada vez mais frequentes quando l ,90,,4; sen p4, p sen p4 _

11 APÊNDICES A65 EXERCÍCIOS.6. (a) Quando se torna grande, f () aproima-se de 5. (b) Quando se torna um negativo grande (em módulo), f () aproima-se de.. (a) (b) (c) (d) (e) (f),,, =5 = 0 =_ = = a b 9... p/ (a), (b) 4., 4. ;, f 5 5. (a) 4 (b) 5 5., 55., (a) 0 (b) Um número infinito de vezes -5 5 _0,5 59. (a) 0 (b) (a) v* (b), 0,47 s N N 6, N 69. (a) 00

Lista de Exercícios de Calculo I Limites e Continuidade

Lista de Exercícios de Calculo I Limites e Continuidade Lista de Eercícios de Calculo I Limites e Continuidade ) O gráfico a seguir representa uma função f de [ 6, 9] em Determine: ) Dada a função f definida por:, se f ( ), se, se Esboce o gráfico de f e calcule

Leia mais

LIMITES. Tal número L será indicado por lim x p f(x). Suponhamos f definida em p. Então f é dita contínua em p se, e somente se, lim x p f(x) = f(p).

LIMITES. Tal número L será indicado por lim x p f(x). Suponhamos f definida em p. Então f é dita contínua em p se, e somente se, lim x p f(x) = f(p). Teoria LIMITES Definições Básicas: Sejam f uma função e p um ponto do domínio de f ou extremidade de um dos intervalos que compõem o domínio de f. Dizemos que f tem limite L em p se, para todo ɛ > 0 dado,

Leia mais

CÁLCULO VOLUME I. Tradução da 7 a JAMES STEWART. McMaster University e University of Toronto. Tradução: EZ2Translate

CÁLCULO VOLUME I. Tradução da 7 a JAMES STEWART. McMaster University e University of Toronto. Tradução: EZ2Translate CÁLCULO VOLUME I Tradução da 7 a edição norte-americana JAMES STEWART McMaster Universit e Universit of Toronto Tradução: EZTranslate Revisão técnica: Eduardo Garibaldi Professor Doutor da Universidade

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital.

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o : Limites Innitos e no Innito. Assíntotas. Regra de L'Hospital Objetivos da Aula Denir ite no innito e ites innitos; Apresentar alguns tipos

Leia mais

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim Lista de Férias Bases Matemáticas/FUV Encontre uma epressão para a função inversa: + 3 a) 5 2 + e b) e c) 2 + 5 d) ln( + 3) 6 Prove a partir da definição de ite que: a) 3 ( + 6) = 9 b) = c) 2 = 4 2 d)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

MAT Cálculo Diferencial e Integral I Bacharelado em Matemática

MAT Cálculo Diferencial e Integral I Bacharelado em Matemática MAT- - Cálculo Diferencial e Integral I Bacharelado em Matemática - 200 a Lista de eercícios I. Limite de funções. Calcule os seguintes ites, caso eistam: 2 3 + 9 2 + 2 + 4 2 + 6 5 ) 2 3 2 2 2) + 4 + 8

Leia mais

1 Definição de Derivada

1 Definição de Derivada Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014 Lista 5 Derivada 1 Definição de Derivada Eercício 1. O que é f (a)? Eplique com suas palavras o

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite Eercícios de Limite. Eercícios de Fiação Cálculo I (05/) IM UFRJ Lista : Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão 30.03.05 Fi.: Considere o gráco de = f() esboçada no gráco

Leia mais

1 Faça um esboço do gráfico de suas respectivas funções e ache o limite indicado, se existir; caso não exista, justifique o porquê.

1 Faça um esboço do gráfico de suas respectivas funções e ache o limite indicado, se existir; caso não exista, justifique o porquê. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Wellington José Corrêa ā Lista de Cálculo Diferencial e Integral I Curso: Licenciatura em Química DAMAT, 5 Nome: Faça

Leia mais

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1 Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Matemática Disciplina: Cálculo M I Prof a Yane Lísle Material de Apoio Roteiro para Esboçar uma Curva A lista a seguir pretende servir como um guia

Leia mais

Exercícios 2.2. x l3 x 3. O gráfico da curva y 2x x 3 está dado na Figura 15. A reta x 3 é uma assíntota vertical. x 3

Exercícios 2.2. x l3 x 3. O gráfico da curva y 2x x 3 está dado na Figura 15. A reta x 3 é uma assíntota vertical. x 3 88 CÁLCULO 5 Analogamente, está próimo a mas é menor que, então é um número negativo pequeno, mas ainda é um número positivo (próimo a 6). Portanto, é um número negativo grande. Assim, l O gráfico da curva

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

LIMITE. Para uma melhor compreensão de limite, vamos considerar a função f dada por =

LIMITE. Para uma melhor compreensão de limite, vamos considerar a função f dada por = LIMITE Aparentemente, a idéia de se aproimar o máimo possível de um ponto ou valor, sem nunca alcançá-lo, é algo estranho. Mas, conceitos do tipo ite são usados com bastante freqüência. A produtividade

Leia mais

13.1 Exercícios. ; É necessário usar uma calculadora gráfica ou computador 1. As Homework Hints estão disponíveis em

13.1 Exercícios. ; É necessário usar uma calculadora gráfica ou computador 1. As Homework Hints estão disponíveis em . Eercícios Determine o domínio das funções vetoriais.. r t s t, e t,ln(t ). r t t t i sen t j ln 9 t k 6 Calcule os limites.. lim t l e. lim t l t i t sen t j cos t k t t senpt i st 8j t ln t t e t. lim

Leia mais

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL BÁRBARA DENICOL DO AMARAL RODRIGUEZ CINTHYA MARIA SCHNEIDER MENEGHETTI CRISTIANA ANDRADE POFFAL CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL a Edição Rio Grande Editora da FURG 206 Universidade Federal

Leia mais

Limite e Continuidade

Limite e Continuidade Matemática Licenciatura - Semestre 200. Curso: Cálculo Diferencial e Integral I Professor: Robson Sousa Limite e Continuidade Neste caítulo aresentaremos as idéias básicas sobre ites e continuidade de

Leia mais

INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A Atualizada em A LISTA DE EXERCÍCIOS

INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A Atualizada em A LISTA DE EXERCÍCIOS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A Atualizada em 007. A LISTA DE EXERCÍCIOS 0. Esboce o gráfico de f, determine f ( ), f ( ) e, caso eista, f ( ) : a a+ a, >, e a) f (

Leia mais

x lim, sendo: 03. Considere as funções do exercício 01. Verifique se f é contínua em x = a. Justifique.

x lim, sendo: 03. Considere as funções do exercício 01. Verifique se f é contínua em x = a. Justifique. INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A 008. A LISTA DE EXERCÍCIOS 0. Esboce o gráfico de f, determine f ( ), f ( ) e, caso eista, f ( ) : a a a, >, e a) f ( ) =, = (a = )

Leia mais

4 Cálculo Diferencial

4 Cálculo Diferencial 4 Cálculo Diferencial 1. (Eercício IV.1 de [1]) Calcule as derivadas das funções: a) tg, b) +cos 1 sen, c) e arctg, d) e log2, e) sen cos tg, f) 2 (1 + log ), g) cos(arcsen ) h) (log ), i) sen 2. 2. Derive:

Leia mais

CURVAS PLANAS. A orientação de uma curva parametrizada é a direção definida pelos valores crescentes de t.

CURVAS PLANAS. A orientação de uma curva parametrizada é a direção definida pelos valores crescentes de t. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: TÓPICOS EM MATEMÁTICA APLICADOS À EXPRESSÃO GRÁFICA II PROFESSORA: BÁRBARA DE

Leia mais

Primeiro Teste de Cálculo Infinitesimal I

Primeiro Teste de Cálculo Infinitesimal I Primeiro Teste de Cálculo Infinitesimal I 27 de Março de 26 Questão [8 pontos] Determine, quando eistir, cada um dos limites abaio. Caso não eista, eplique por quê. 5 2 + 3 c ) lim 2 ( 2) 2 2 e ) lim 5

Leia mais

1 Roteiro Atividades Mat146 Semana4: 22/08/16 a 26/08/2016

1 Roteiro Atividades Mat146 Semana4: 22/08/16 a 26/08/2016 1 Roteiro Atividades Mat146 Semana4: /08/16 a 6/08/016 1. Matéria dessa semana de acordo com o Plano de ensino oicial: Assíntotas Horizontais e Verticais. Continuidade. Material para estudar: Assíntotas

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

AULA 13 Aproximações Lineares e Diferenciais (página 226)

AULA 13 Aproximações Lineares e Diferenciais (página 226) Belém, de maio de 05 Caro aluno, Nesta nota de aula você aprenderá que pode calcular imagem de qualquer unção dierenciável num ponto próimo de a usando epressão mais simples que a epressão original da.

Leia mais

DERIVADAS TABELA DE DERIVADAS FUNÇÃO DERIVADA FUNÇÃO DERIVADA y c, c = constante y 0

DERIVADAS TABELA DE DERIVADAS FUNÇÃO DERIVADA FUNÇÃO DERIVADA y c, c = constante y 0 DERIVADAS TABELA DE DERIVADAS FUNÇÃO DERIVADA FUNÇÃO DERIVADA y c, c = constante 0 y sen cos n y n 1 n y cos sen y = cf y = cf ' y tag sec y f g f g y cot g csc y f. g f. g f. g y sec sec tag f f. g f.

Leia mais

Volume de um gás em um pistão

Volume de um gás em um pistão Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo Volume de um gás em um pistão Suponha que um gás é mantido a uma temperatura constante em um pistão. À medida que o pistão é comprimido, o volume

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru REGRA DE LHÔPITAL Teorema: Suponhamos que f (a) g(a) e que f (a) e g (a) eistam com g(a). Então: lim a f() g() f(a) g(a). in det er min ação. Forma mais avançada do Teorema de L Hospital: Suponhamos que

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 4 Zeros reais de funções Parte 1 Objetivo Determinar valores aproimados para as soluções (raízes) de equações da forma: f

Leia mais

D I F E R E N C I A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 02: Assíntotas

D I F E R E N C I A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 02: Assíntotas ac C Á L C U L O D I F E R E N C I A L E I N T E G R A L I 02 Prof. ADRIANO CATTAI Apostila 02: Assíntotas NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza com mais clareza do que a matemática

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Campus Pato Branco

Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Campus Pato Branco Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Campus Pato Branco Eercícios sobre Limites 1. O gráfico a seguir representa uma função f de [ 6,9] em R. Determine: (a) f() f() +f() f() (e) f( ) (f) f(7).

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

Lista de Exercícios do capítulo 4

Lista de Exercícios do capítulo 4 Lista de Eercícios do capítulo 4 1. Eplique a diferença entre um mínimo local e um mínimo absoluto. 2. Nos gráficos abaio, diga se a função tem um máimo local, um mínimo local, um máimo absoluto, um mínimo

Leia mais

DERIVADA. A Reta Tangente

DERIVADA. A Reta Tangente DERIVADA A Reta Tangente Seja f uma função definida numa vizinança de a. Para definir a reta tangente de uma curva = f() num ponto P(a, f(a)), consideramos um ponto vizino Q(,), em que a e traçamos a S,

Leia mais

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais.

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais. Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 Aula 3 Propriedades de ites. Limites laterais. Objetivos Estudar propriedades elementares de ites, tais como: soma, produto, quociente e confronto.

Leia mais

1 Cônicas Não Degeneradas

1 Cônicas Não Degeneradas Seções Cônicas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 11 de dezembro de 2001 Estudaremos as (seções) cônicas,

Leia mais

13 Fórmula de Taylor

13 Fórmula de Taylor 13 Quando estudamos a diferencial vimos que poderíamos calcular o valor aproimado de uma função usando a sua reta tangente. Isto pode ser feito encontrandose a equação da reta tangente a uma função y =

Leia mais

- Cálculo 1 - Limites -

- Cálculo 1 - Limites - - Cálculo - Limites -. Calcule, se eistirem, os seguintes ites: (a) ( 3 3); (b) 4 8; 3 + + 3 (c) + 5 (d) 3 (e) 3. Faça o esboço do gráfico de f() = entre 4 f() e f(4)? 3. Seja f a função definida por f()

Leia mais

Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real

Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real Carla Montorfano João César Guirado João Roberto Gerônimo Jorge Ferreira Lacerda Rui Marcos de Oliveira Barros Valdeni Soliani Franco Apresentação

Leia mais

Limites, derivadas e máximos e mínimos

Limites, derivadas e máximos e mínimos Limites, derivadas e máimos e mínimos Psicologia eperimental Definição lim a f ( ) b Eemplo: Seja f()=5-3. Mostre que o limite de f() quando tende a 1 é igual a 2. Propriedades dos Limites Se L, M, a,

Leia mais

7. Diferenciação Implícita

7. Diferenciação Implícita 7. Diferenciação Implícita ` Sempre que temos uma função escrita na forma = f(), dizemos que é uma função eplícita de, pois podemos isolar a variável dependente de um lado e a epressão da função do outro.

Leia mais

; a = 5 (d) f (x) = 2x 4 x 3 + 2x 2 ; a = 2 x ; a = 1 (f) f (x) = 3 x. 9 x ; a = 9. x 2 x 2 ; a = 2

; a = 5 (d) f (x) = 2x 4 x 3 + 2x 2 ; a = 2 x ; a = 1 (f) f (x) = 3 x. 9 x ; a = 9. x 2 x 2 ; a = 2 2. Em cada caso abaio calcule o ite de f ), quando a. a) f ) = 2 + 5; a = 7 b) f ) = c) f ) = 2 + 3 0 + 5 e) f ) = 3 3 + + ; a = 0 ; a = 5 d) f ) = 2 4 3 + 2 2 ; a = 2 2 + 8 3 ; a = + 3 h) f ) = 9 ; a

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Estudar tendências no comportamento de funções.

Estudar tendências no comportamento de funções. Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Fundamentos para a Análise Estrutural Código: AURB006 Turma: A Período Letivo: 2007-2 Proessor:

Leia mais

Universidade Federal Fluminense. Matemática I. Professora Maria Emilia Neves Cardoso

Universidade Federal Fluminense. Matemática I. Professora Maria Emilia Neves Cardoso Universidade Federal Fluminense Matemática I Professora Maria Emilia Neves Cardoso Notas de Aula / º semestre de Capítulo : Limite de uma função real O conceito de ite é o ponto de partida para definir

Leia mais

Capítulo Diferenciabilidade de uma função

Capítulo Diferenciabilidade de uma função Cálculo - Capítulo.6 - Diferenciabilidade de uma função 1 Capítulo.6 - Diferenciabilidade de uma função.6.1 - Introdução.6.4 - Diferenciabilidade e continuidade.6. - Diferenciabilidade.6.5 - Generalização

Leia mais

Capítulo 3 Limite de uma função

Capítulo 3 Limite de uma função Departamento de Matemática - ICE - UFJF Disciplina MAT54 - Cálculo Capítulo 3 Limite de uma função Podemos afirmar que o conceito de ite é uma das ideias fundamentais do Cálculo Diferencial. Seu processo

Leia mais

2 Limites e Derivadas. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados.

2 Limites e Derivadas. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 2 Limites e Derivadas Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 2.2 O Limite de uma Função Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. O Limite de uma Função Para encontrar

Leia mais

O objeto fundamental deste curso são as funções de uma variável real. As funções surgem quando uma quantidade depende de outra.

O objeto fundamental deste curso são as funções de uma variável real. As funções surgem quando uma quantidade depende de outra. Universidade Federal Fluminense Departamento de Análise GAN0045 Matemática para Economia Professora Ana Maria Luz 00. Unidade Revisão de função de uma variável real O objeto fundamental deste curso são

Leia mais

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine:

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine: Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Unidade Acadêmica de Matemática e Estatística - UAME - Tarde Prova Estágio Data: 5 de setembro de 006. Professor(a):

Leia mais

Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral

Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral Volume I Fábio Henrique de Carvalho Copright c 03 Publicado por Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco Univasf) www.univasf.edu.br Todos

Leia mais

Capítulo Aproximação linear e diferenciais

Capítulo Aproximação linear e diferenciais Cálculo 2 - Capítulo 3.1 - Aproimação linear e diferenciais 1 Capítulo 3.1 - Aproimação linear e diferenciais 3.1.1 - Aproimação linear 3.1.2 - Diferenciais Vamos, neste capítulo, generaliar os conceitos

Leia mais

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques LIMITES Gil da Costa Marques. O cálculo. Definição de limite. Funções contínuas e descontínuas.4 Limites quando a variável independente cresce indefinidamente em valor absoluto.5 Limites infinitos.6 Limites

Leia mais

Matemática Exercícios

Matemática Exercícios 03/0 DIFERENCIAÇÃO EM R Matemática Eercícios A. Regras de Derivação Calcular a derivada de f( considerando que toma unicamente os valores para os quais a fórmula que define f( tem significado:. f ( 3 5

Leia mais

Derivadas Parciais. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados.

Derivadas Parciais. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 14 Derivadas Parciais Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 14.2 Limites e Continuidade Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. Limites e Continuidade Vamos comparar

Leia mais

Derivada de funções na forma paramétrica

Derivada de funções na forma paramétrica Derivada de funções na forma paramétrica Sejam ( t) y y( t) (1) duas funções da mesma variável t [a,b]. Tomando e y como as coordenadas de um ponto P, podemos dizer que a cada valor de t, corresponde um

Leia mais

Processo Seletivo Estendido 2016 FUNÇÕES LISTA FUNÇÕES - 1

Processo Seletivo Estendido 2016 FUNÇÕES LISTA FUNÇÕES - 1 Processo Seletivo Estendido 06 FUNÇÕES LISTA FUNÇÕES - Professor: Fernando de Ávila Silva Departamento de Matemática - UFPR Esta lista foi inicialmente elaborada pelo prefessor Aleandre Trovon UFPR). A

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Velocidade Instantânea. Objetivos da Aula. Aula n o 05: Limite e Continuidade

CÁLCULO I. 1 Velocidade Instantânea. Objetivos da Aula. Aula n o 05: Limite e Continuidade CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. André Almeida Prof. Edilson Neri Júnior Aula n o 05: Limite e Continuidade Objetivos da Aula Denir ite de funções; Calcular o ite de uma função; Utilizar as propriedades

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS Curso de Férias de IFVV (Etapa ) INTEGAIS UPLAS VOLUMES E INTEGAIS UPLAS Objetivando resolver o problema de determinar áreas, chegamos à definição de integral definida. A idéia é aplicar procedimento semelhante

Leia mais

Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo

Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D Professora: Elisandra Bär de Figueiredo 1. Seja f() = 5 + + 1. Justique a armação: f tem pelo menos uma raiz no

Leia mais

Lista de Exercícios 3 1

Lista de Exercícios 3 1 Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Matemática MTM122 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 Encontre os pontos críticos das funções a seguir: Lista de Eercícios 1 a f = + 7 2 5 b g = 7/ +

Leia mais

5.1 Noção de derivada. Interpretação geométrica de derivada.

5.1 Noção de derivada. Interpretação geométrica de derivada. Capítulo V Derivação 5 Noção de derivada Interpretação geométrica de derivada Seja uma unção real de variável real Deinição: Chama-se taa de variação média de uma unção entre os pontos a e b ao quociente:

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x.

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x. INSTITUTO DE MATEMÁTICA -UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA LIMITES E DERIVADAS MAT B a LISTA DE EXERCÍCIOS - 008. - Prof a Graça Luzia Dominguez Santos. Prove que entre duas raízes consecutivas de uma função

Leia mais

TRABALHO 1 CURSO DE VERÃO CÁLCULO I NOME DO ACADÊMICO: =, no ponto x = 2?

TRABALHO 1 CURSO DE VERÃO CÁLCULO I NOME DO ACADÊMICO: =, no ponto x = 2? TRABALHO CURSO DE VERÃO CÁLCULO I NOME DO ACADÊMICO: Questão 0 Ache a derivada das seguintes funções: 0 y 0 y 5 5 y e) y y Questão 0 Qual é a derivada da função, no ponto? Questão 0 Se, calcule () f Questão

Leia mais

Deduzimos a equação do ciclóide na proxima seção.

Deduzimos a equação do ciclóide na proxima seção. Chapter Curvas Paramétricas Introdução e Motivação: No estudo de curvas cartesianas estamos acostumando a tomar uma variável como independente e a outra como dependente, ou seja = f() ou = h(). Porem,

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 3: Derivadas Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Derivada

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 3: Derivadas Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Derivada Eercícios de Derivada Eercícios de Fiação Cálculo I (0/) IM UFRJ Lista : Derivadas Prof Milton Lopes e Prof Marco Cabral Versão 7040 Fi : Determine a equação da reta tangente ao gráco de f() no ponto =

Leia mais

CÁLCULO I - MAT Estude a função dada com relação à concavidade e pontos de inflexão. Faça o esboço do gráfico de cada uma das funções.

CÁLCULO I - MAT Estude a função dada com relação à concavidade e pontos de inflexão. Faça o esboço do gráfico de cada uma das funções. UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza Centro Interdisciplinar de Ciências da Natureza CÁLCULO I - MAT0009 9 a Lista de eercícios.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENGENHARIA E GEOCIENCIAS-IEG PROGRAMA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENGENHARIA E GEOCIENCIAS-IEG PROGRAMA DE COMPUTAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENGENHARIA E GEOCIENCIAS-IEG PROGRAMA DE COMPUTAÇÃO NOTAS DE AULA DA DISCIPLINA DE CÁLCULO 1 MATERIAL EM CONSTRUÇÃO

Leia mais

Rafael A. Rosales 29 de maio de Diferencial 1. 4 l Hôpital 3. 5 Série de Taylor 3 01.

Rafael A. Rosales 29 de maio de Diferencial 1. 4 l Hôpital 3. 5 Série de Taylor 3 01. Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Física Médica Rafael A. Rosales 9 de maio de 07 Sumário Diferencial Teorema do Valor Médio 3 Máimos e Mínimos. Gráficos 4 l Hôpital 3 5 Série

Leia mais

As listas de exercícios podem ser encontradas nos seguintes endereços: ou na pasta J18, no xerox (sala1036)

As listas de exercícios podem ser encontradas nos seguintes endereços:  ou na pasta J18, no xerox (sala1036) As listas de eercícios podem ser encontradas nos seguintes endereços: www.mat.ufmg.br/calculoi ou na pasta J8, no ero (sala06) TERCEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS. Derive: a) y = 6 + b) y = c) d) y = + y = 0

Leia mais

Estudar mudança no valor de funções na vizinhança de pontos.

Estudar mudança no valor de funções na vizinhança de pontos. Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Fundamentos para a Análise Estrutural Código: AURB006 Turma: A Período Letivo: 007- Professor:

Leia mais

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido Módulo 2 Geometria Analítica Números Reais Conjuntos Numéricos Números naturais O conjunto 1,2,3,... é denominado conjunto dos números naturais. Números inteiros O conjunto...,3,2,1,0,1, 2,3,... é denominado

Leia mais

y (x 0 ) = f (x 0 ) 2a = f (x 0 ) a = f (x 0 ) 2

y (x 0 ) = f (x 0 ) 2a = f (x 0 ) a = f (x 0 ) 2 Cálculo - Capítulo 3. - Aproimação quadrática 1 Capítulo 3. - Aproimação quadrática 3..1 - Aproimação quadrática para funções de uma variável 3.. - Aproimação quadrática para funções de duas variáveis

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

RCB104 Módulo Exatas: Cálculo I

RCB104 Módulo Exatas: Cálculo I Avaliação e Estudo Dirigido RCB104 Módulo Eatas: Cálculo I Avaliação: 6 de julho todo conteúdo Roteiro de aulas: estudo dirigido Profa Dra Silvana Giuliatti Departamento de Genética FMRP silvana@fmrp.usp.br

Leia mais

Introdução às Equações Diferenciais

Introdução às Equações Diferenciais CAPÍTULO 1 Introdução às Equações Diferenciais Descrição do capítulo 1.1 Definições e terminologia 1.2 Problemas de valor inicial 1.3 Equações diferenciais como modelos matemáticos Eercícios de revisão

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

A função do 2º grau. Na aula anterior, estudamos a função do. Nossa aula

A função do 2º grau. Na aula anterior, estudamos a função do. Nossa aula A UA UL LA A função do º grau Introdução Na aula anterior, estudamos a função do 1º grau ( = a + b) e verificamos que seu gráfico é uma reta. Nesta aula, vamos estudar outra função igualmente importante:

Leia mais

Limites envolvendo infinito primeira parte

Limites envolvendo infinito primeira parte Limites envolvendo infinito primeira parte Ao infinito... e além! Buzz Lightyear, Toy Story Meta da aula Estender o conceito de ites de funções aos casos que envolvem o símbolo. Objetivos Ao final desta

Leia mais

4.1 Funções Deriváveis

4.1 Funções Deriváveis 4. Funções Deriváveis 4.A Em cada caso, encontre a derivada da função y = f (), usando a de nição. (a) y = + (b) y = 3 (c) y = 5 (d) y = 3 (e) y = +

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas 5ª Lista de Exercícios de MAT140 Cálculo /2

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas 5ª Lista de Exercícios de MAT140 Cálculo /2 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Centro de Ciências Eatas e Tecnológicas 5ª Lista de Eercícios de MAT Cálculo / ) Resolva as integrais definidas abaio a) ( + )d c) (5 ) d e) +

Leia mais

TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA

TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA Carla do Nascimento Lopes Maria Emilia Neves Cardoso Capítulo : Noções Iniciais O objetivo desse capítulo é fornecer uma revisão de alguns

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim .. Limites e Continuidade... Limites em IN Comecemos por relembrar as propriedades dos ites das sucessões: Propriedades dos Limites das Sucessões: Sejam n a n = L e n b n = K e c IR então: n [a n ± b n

Leia mais

CCI-22 CCI-22. 4) Equações e Sistemas Não Lineares. Matemática Computacional. Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fixo, Newton-Raphson, Secante

CCI-22 CCI-22. 4) Equações e Sistemas Não Lineares. Matemática Computacional. Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fixo, Newton-Raphson, Secante Matemática Computacional 4) Equações e Sistemas Não Lineares Carlos Alberto Alonso Sanches Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fio, Newton-Raphson, Secante Introdução Ponto Fio Introdução Ponto Fio Raízes

Leia mais

Zero de Funções ou Raízes de Equações

Zero de Funções ou Raízes de Equações Zero de Funções ou Raízes de Equações Um número ξ é um zero de uma função f() ou raiz da equação se f(ξ). Graficamente os zeros pertencentes ao conjunto dos reais, IR, são representados pelas abscissas

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 1 Lista de Exercícios Aplicação de Derivadas

Cálculo Diferencial e Integral 1 Lista de Exercícios Aplicação de Derivadas Cálculo Diferencial e Integral 1 Lista de Exercícios Aplicação de Derivadas 1) Esboce o gráfico da função f(x) = x + e responda qual é a taxa de variação média dessa função quando x varia de 0 para 4?

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MÉTODOS NUMÉRICOS Prof.: Magnus Melo

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MÉTODOS NUMÉRICOS Prof.: Magnus Melo ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MÉTODOS NUMÉRICOS Pro.: Magnus Melo Eercício. Sejam os polinômios dados abaio. Use a regra de sinais de descartes e o teorema da cota de Augustin Cauchy para pesquisar a eistência

Leia mais

Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte

Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 LOCALIZAÇÃO DAS RAÍZES PELO MÉTODO GRÁFICO Vejamos dois procedimentos gráficos que podem ser utilizados para

Leia mais

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5.

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. Relações X Funções Considere a equação x + y = 5. Relações X Funções Considere a equação + =. Embora esta equação tenha duas variáveis, ela possui um número finito de soluções naturais. O conjunto solução desta equação, no universo dos números naturais,

Leia mais

Funções de várias variáveis

Funções de várias variáveis GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CÂMPUS JUAZEIRO/BA COLEG. DE ENG. ELÉTRICA PROF. PEDRO MACÁRIO DE MOURA CÁLCULO II 2015.2 Funções de várias variáveis

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

Gráficos de Funções Trigonométricas

Gráficos de Funções Trigonométricas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Gráficos de Funções

Leia mais

P2 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 28/10/2011. Questão Valor Grau Revisão. -As respostas sem justificativas ou cálculos não serão computadas.

P2 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 28/10/2011. Questão Valor Grau Revisão. -As respostas sem justificativas ou cálculos não serão computadas. P2 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 28/10/2011 Nome: respostas Assinatura: Matrícula: Turma: Questão Valor Grau Revisão 1 a 3,0 2 a 2,5 3 a 3,0 Total 8,5 -As respostas sem justificativas ou cálculos não

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenaria, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling Parte 1 - Limites Definição e propriedades; Obtendo limites; Limites laterais. 1) Introdução

Leia mais

1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT /02/2011 Professores: Rosane (Coordenadora), Allan e Cristiane. = 2x. , determine os valores de x tais que:

1 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT /02/2011 Professores: Rosane (Coordenadora), Allan e Cristiane. = 2x. , determine os valores de x tais que: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 3657-000 - VIÇOSA - MG BRASIL. Resolva as equações: a) 3 7 + b) 5 3 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 4 8/0/0 Professores: Rosane (Coordenadora),

Leia mais

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D A Prática Leva à Perfeição Cálculo William D. Clark, P.D e Sandra Luna McCune, P.D Rio de Janeiro, 01 Para Sirley e Donice. Vocês estão sempre em nossos corações. Sumário Prefácio i I Limites 1 1 O conceito

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais