Limites, derivadas e máximos e mínimos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Limites, derivadas e máximos e mínimos"

Transcrição

1 Limites, derivadas e máimos e mínimos

2 Psicologia eperimental

3 Definição lim a f ( ) b

4 Eemplo: Seja f()=5-3. Mostre que o limite de f() quando tende a 1 é igual a 2.

5 Propriedades dos Limites Se L, M, a, c são números reais e n inteiro e lim f ( ) L g( ) M, a lim a

6 Regra da soma(subtração): Regra do Produto: Regra da multiplicação por escalar: Regra do quociente: M L g f g f a a a ) ( lim ) ( lim ) ( ) ( lim L M g f g f a a a. ) ( ).lim ( lim ) ( ). ( lim c L f c f c a a. ) (.lim ) (. lim M L g f g f a a a ) ( lim ) ( lim ) ( ) ( lim

7 Regra da potencia: Regra da raíz n n a n a L f f )) ( (lim ) ( lim n n a n a L f f ) ( lim ) ( lim

8 Regra do logaritmo: lim log a log c c L ( f ( )) se lim a log ( ) Regra do seno(o mesmo vale para o cosseno) lim sen a f ( ) Regra da eponencial: lim c a f ( ) c f c sen(lim lim a f ( ) a (lim a f c 0 f ( )) L ( )) sen L

9 Limites de Funções Polinomiais Teorema 2 Os Limites de Funções Polinomiais podem ser obtidos por Substituição: Se ) ( a a a P n n n n então.... ) ( ) ( lim a c a c a c P P c n n n n

10 Eemplo Limite de Uma Função Polinomial ) ( 3 2 2) ( 2) ( 2) ( 4 2) ( lim 2

11 Limites de Funções Racionais Teorema 3 Os Limites de Funções Racionais podem ser obtidos por Substituição, caso o limite do denominador não seja zero: P () Q() Q( c) 0 Se e são polinômios e, então lim c P( ) Q( ) P( c) Q( c)

12 Eemplo Limite de Uma Função Racional ( 1) 3 4( 1) lim ( 1)

13 Eemplo 3 Cancelando um Fator Comum 2 2 lim 1 2 Solução: Não podemos substituir = 1 porque isso resulta em um denominador zero. Testamos o numerador para ver se este também é zero em = 1. Também é, portanto apresenta o fator ( 1) em comum com o denominador. Cancelar o ( 1) resulta em uma fração mais simples, com os mesmos valores da original para 1: 2 2 ( 1)( 2) 2 2 ( 1) Se 1

14 Usando a fração simplificada, obtemos o limite desses valores quando 1 por substituição: lim lim

15 Teorema Teorema do Confronto Suponha que g( ) f ( ) h( ) para qualquer em um intervalo de aberto contendo c, eceto possivelmente em = c. Suponha também que lim c g( ) lim c h( ) L Então lim c f ( ) L

16 Limites Laterais Para ter um limite L quando se aproima de a, uma função f deve ser definida em ambos os lados de a e seus valores f() devem se aproimar de L quando se aproima de a de cada lado. Por isso, limites comuns são bilaterais. Se f não tem um limite bilateral em a, ainda pode ter um limite lateral, ou seja, um limite cuja aproimação ocorre apenas de um lado. Se a aproimação for feita pelo lado direito, o limite será um limite à direita. Se for pelo lado esquerdo, será um limite à esquerda.

17 Definições: Limites Laterais à Direita e à Esquerda. Seja f() definida em um intervalo (a, b), onde a > b. Se f() fica arbitrariamente próimo de L conforme se aproima de a nesse intervalo, dizemos que f tem limite lateral à direita L em a e escrevemos lim f ( ) L a

18 Seja f() definida em um intervalo (c, a), onde c < a. Se f() fica arbitrariamente próimo de M conforme se aproima de a nesse intervalo, dizemos que f tem limite lateral à esquerda M em a e escrevemos lim f ( ) M a

19 Teorema 5 Relação entre os Limites Lateral e Bilateral Uma função f() terá um limite quando tende a c se e somente se tiver um limite lateral à direita e um à esquerda e os dois limites laterais forem iguais: e

20 Limites Fundamentais Daremos a seguir três proposições que caracterizam os chamados limites fundamentais. Estaremos tratando de casos particulares de 0 indeterminações do tipo 0 / 0, 1 e. Proposição 1: Proposição 2: lim0 sen 1 lim (1 1/ ) e Onde e é o número irracional neperiano cujo valor aproimado é 2,

21 Continuidade Uma função y = f() é contínua em um ponto interior c de seu domínio quando: lim c f ( ) f ( c). Etremidades: Uma função y = f() é contínua na etremidade esquerda a ou é contínua na etremidade direita b de seu domínio quando: lim a f ( ) f ( a) ou f ( ) f ( b) lim b respectivamente

22 Teste de Continuidade Uma função f() será contínua em = c se e somente se ela obedecer às três condições seguintes: 1. f(c) eiste (c está no domínio de f) lim f ( ) 2. eiste (f tem um limite quando c ) c lim f ( ) f ( c) 3. (o limite é igual ao valor da função) c

23 Teorema Propriedades de Funções Contínuas Se as funções f e g são contínuas em = c, então as seguintes combinações são contínuas em = c. 1. Somas: f + g 2. Diferenças: f - g 3. Produtos: f. g 4. Constantes Múltiplas: k. f, para qualquer número k 5. Quocientes: f / g, uma vez que g(c) 0

24 Teorema Composta de Funções Contínuas Se f é contínua em c e g é contínua em f(c), então a composta g f é contínua em c.

25 Teorema do Valor Intermediário

26 Eercícios

27 3. Eiste algum número que somado a 1 é eatamente igual ao seu cubo?

28 Derivada reta tangente

29

30

31

32

33 Regras de derivação

34

35

36 Taa de variação

37 Eercícios

38 Como classificar os máimos e mínimos

39 Definição - Etremos Absolutos Seja f uma função de domínio D. Então f(c) é: (a) o máimo absoluto de f em D se e somente se f () f (c) para qualquer que seja em D. (b) o mínimo absoluto de f em D se e somente se f () f (c) para qualquer que seja em D.

40 Eemplo 3 - Encontrando Etremos Absolutos (a) Função Domínio D Etremos Absolutos em D y 2 (, ) Ausência de máimo absoluto. Mínimo absoluto 0 quando = 0. (b) (c) (d) y y y 2 [0, 2] Máimo absoluto 4 quando = 2. Mínimo absoluto 0 quando = 0. 2 (0, 2] Máimo absoluto 4 quando = 2. Ausência de mínimo absoluto. 2 (0, 2) Ausência de etremos absolutos.

41 Teorema 1 - O Teorema de Valor Etremo para Funções Contínuas Se f é contínua para todos os pontos do intervalo fechado I, então f assume tanto um valor máimo M como um valor mínimo m em I. Ou seja, há números 1 e 2 em I tais que f ( 1 ) = m e f ( 2 ) = M e m f() M para qualquer outro valor de em I. (Figura abaio)

42

43 Definição - Etremos Locais Seja c um ponto interior do domínio da função f. Então f (c) será (a) um valor máimo local em c se e somente se f () qualquer em um intervalo aberto que contenha c. f (c) para (b) um valor mínimo local em c se e somente se f () qualquer em um intervalo aberto que contenha c. f (c) para Teorema 2 - Etremos Locais Se uma função f possui valores máimo ou mínimo locais em um ponto c interior de seu domínio e se f eiste em c, então f (c) = 0.

44 Definição - Ponto Crítico Um ponto de uma função f onde f = 0 ou f não eiste é um ponto crítico de f. Eemplo 5 - Encontrando os Etremos Absolutos em um Intervalo Fechado Determine os valores máimo e mínimo absolutos de f () = 10(2 - ln ) no intervalo [1, e 2 ]. Solução: A figura 3.6 (próimo slide) sugere que f tem seu valor máimo absoluto próimo de = 3 e que, quando = e 2, seu valor mínimo absoluto é 0.

45 Os valores etremos de f () = 10(2 - ln ) ocorrem quando = e e = e 2.

46 Calculamos a função nos pontos críticos e nas etremidades e, dentre os valores obtidos, tomamos o maior e o menor. A primeira derivada é 1 f '()10(2ln)10 10(1ln). O único ponto crítico no domínio [1, e 2 ] é o ponto = e, onde ln = 1. Os valores de f nesse único ponto crítico e nas etremidades são Valor no ponto crítico: Valores nas etremidades: f( e) 10 e f(1) 10(2ln1) fe () 10(22ln) ee 0 A partir dessa lista podemos ver que o máimo absoluto dessa função 10e 2,72. Que ocorre no ponto crítico interior = e. O mínimo absoluto é 0 e ocorre na etremidade direita, quando = e 2.

47 Como Determinar os Etremos Absolutos de uma Função Contínua f em um Intervalo Fechado Passo 1: Calcule f em todos os pontos críticos e etremidades. Passo 2: Tome o maior e o menor dentre os valores obtidos. Eemplo 6 - Determinando Etremos Determine os valores etremos de 1 f () 4 2 Solução: A função f possui um mínimo absoluto de aproimadamente 0,5 quando = 0. Também parece haver haver dois máimos locais quando = -2 e = 2. No entanto, nesses pontos a função não está definida e não parece haver nenhum outro valor máimo.

48 A função f está definida apenas para 4-2 > 0, portanto seu domínio é o intervalo aberto (-2, 2). O domínio não tem etremidades, logo todos os etremos da função deverá ocorrer em pontos críticos. Rescrevemos a fórmula de f para determinar f. Assim, 1 f () (4 ) f '() (4)(2) (4) O único ponto crítico no domínio (-2, 2) é = 0. Portanto, o valor f(0) É a única possibilidade de valor etremo.

49 Para determinar se 1/2 é um valor etremo de f, eaminamos a fórmula 1 f () 4 2 À medida que se afasta de 0 para ambos os lados, os valores de f aumentam e o gráfico sobe. Temos um valor mínimo quando = 0, e o mínimo é absoluto. A função não possui máimos, nem locais nem absolutos. Isso não vai contra o Teorema 1 (Teorema do Valor Etremo), pois aqui f é definida em um intervalo aberto. Para que haja pontos etremos, o Teorema 1 eige um intervalo fechado.

50 Eemplo 7 - Pontos Críticos não Precisam Gerar Valores Etremos Embora os etremos de uma função possam ocorrer apenas em pontos críticos e etremidades, nem todo ponto crítico ou etremidade indica a presença de um valor etremo. Pontos críticos sem valores etremos: (a) y = 3 2 é 0 quando = 0, mas y = 3 não possui nenhum etremo nesse ponto. (b) y = (1/3) -2/3 não é definida quando = 0, mas y = 1/3 não possui nenhum etremo nesse ponto.

51 Teorema 3 - O Teorema de Rolle Suponha que y = f() seja contínua em todos os pontos de [a, b] e derivável em todos os pontos de (a, b). Se f() af() b0 Então há pelo menos um número c em (a, b) onde f (c) = 0. O Teorema de Rolle diz que uma curva derivável tem ao menos uma tangente horizontal entre dois pontos quaisquer onde a curva cruza o eio. Essa curva tem três.

52 Teorema 4 - O Teorema do Valor Médio Suponha que y = f() seja contínua em um intervalo fechado [a, b] e derivável no intervalo aberto (a, b). Então há pelo menos um ponto c em (a, b) em que fb () fa () fc '() ba Geometricamente, o Teorema do Valor Médio diz que, em algum lugar entre A e B, a curva apresenta pelo menos uma tangente paralela à corda AB.

53 Corolário 1 - Funções com Derivadas Nulas são Funções Constantes Se f () = 0 em todos os pontos de um intervalo I, então f () = C para qualquer em I, onde C é uma constante. Definições - Função Crescente, Função Decrescente Seja f uma função definida em um intervalo I. Então, 1. f é crescente em I se, para todos os pontos 1 e 2 em I, f () f () f é decrescente em I se, para todos os pontos 1 e 2 em I, f () f ()

54 Corolário 3 - Teste da Primeira Derivada para Crescimento e Decrescimento Suponha que f seja contínua em [a, b] e derivável em (a, b). Se f > 0 em todos os pontos de (a, b), então f é crescente em [a, b]. Se f < 0 em todos os pontos de (a, b), então f é decrescente em [a, b]. O Teste da Primeira Derivada para Etremos Locais 1. Se f é negativa à esquerda de c e positiva à direita de c, então f possui um mínimo local em c. 2. Se f é positiva à esquerda de c e negativa à direita de c, então f possui um máimo local em c. 3. Se f possui o mesmo sinal em ambos os lados de c, então c não é um etremo local de f.

55 O gráfico de f () = 3 é côncavo para baio em e côncavo para cima em (0, ). (, 0)

56 Definição - Concavidade O gráfico de uma função derivável y = f () é (a) côncavo para cima em um intervalo aberto I, se y é crescente em I. (b) côncavo para baio em um intervalo aberto I, se y é decrescente em I. Eemplo 3 - Aplicando o Teste de Concavidade A curva y = 2 é côncava para cima em qualquer intervalo, pois sua segunda derivada y = 2 é sempre positiva.

57 Definição - Ponto de Infleão Um ponto onde o gráfico de uma função possui uma reta tangente e onde há mudança de concavidade é um ponto de infleão. Teorema 5 - O Teste da Segunda Derivada para Etremos Locais 1. Se f (c) = 0 e f (c) < 0, então f possui um máimo local quando = c. 2. Se f (c) = 0 e f (c) > 0, então f possui um mínimo local quando = c.

58

59 Aplicações 1. O problema da indústria de óleo de soja Um fabricante tem de fazer uma lata cilíndrica para armazenar 1,5 litros de óleo de soja. Determine as dimensões da lata de forma a minimizar a quantidade de material utilizado em sua construção. 2. O problema de fornecimento de energia Duas fábricas estão localizadas nas coordenadas (, 0) e (-, 0) com a sua fonte de energia localizada no ponto (0, h) de um plano cartesiano (veja figura abaio). Encontre y tal que a distância total da linha de alimentação da fonte de alimentação para as fábricas seja mínimo.

60 3. Investindo em imóveis Um escritório imobiliário administra 80 unidades de apartamentos. Quando o aluguel é de R$ 600 por mês, todas as unidades estão ocupadas. No entanto, para cada aumento de R$ 20 no aluguel, uma das unidades torna-se vaga. Cada unidade ocupada requer uma média de R$ 30 por mês para o serviço e reparos. Que aluguel deve ser cobrado para que se tenha o maior lucro?

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru REGRA DE LHÔPITAL Teorema: Suponhamos que f (a) g(a) e que f (a) e g (a) eistam com g(a). Então: lim a f() g() f(a) g(a). in det er min ação. Forma mais avançada do Teorema de L Hospital: Suponhamos que

Leia mais

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1 Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Matemática Disciplina: Cálculo M I Prof a Yane Lísle Material de Apoio Roteiro para Esboçar uma Curva A lista a seguir pretende servir como um guia

Leia mais

Estudar mudança no valor de funções na vizinhança de pontos.

Estudar mudança no valor de funções na vizinhança de pontos. Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Fundamentos para a Análise Estrutural Código: AURB006 Turma: A Período Letivo: 007- Professor:

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital.

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o : Limites Innitos e no Innito. Assíntotas. Regra de L'Hospital Objetivos da Aula Denir ite no innito e ites innitos; Apresentar alguns tipos

Leia mais

Volume de um gás em um pistão

Volume de um gás em um pistão Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo Volume de um gás em um pistão Suponha que um gás é mantido a uma temperatura constante em um pistão. À medida que o pistão é comprimido, o volume

Leia mais

Universidade Federal Fluminense. Matemática I. Professora Maria Emilia Neves Cardoso

Universidade Federal Fluminense. Matemática I. Professora Maria Emilia Neves Cardoso Universidade Federal Fluminense Matemática I Professora Maria Emilia Neves Cardoso Notas de Aula / º semestre de Capítulo : Limite de uma função real O conceito de ite é o ponto de partida para definir

Leia mais

O objeto fundamental deste curso são as funções de uma variável real. As funções surgem quando uma quantidade depende de outra.

O objeto fundamental deste curso são as funções de uma variável real. As funções surgem quando uma quantidade depende de outra. Universidade Federal Fluminense Departamento de Análise GAN0045 Matemática para Economia Professora Ana Maria Luz 00. Unidade Revisão de função de uma variável real O objeto fundamental deste curso são

Leia mais

AULA 13 Aproximações Lineares e Diferenciais (página 226)

AULA 13 Aproximações Lineares e Diferenciais (página 226) Belém, de maio de 05 Caro aluno, Nesta nota de aula você aprenderá que pode calcular imagem de qualquer unção dierenciável num ponto próimo de a usando epressão mais simples que a epressão original da.

Leia mais

Apostila de Cálculo I

Apostila de Cálculo I Limites Diz-se que uma variável tende a um número real a se a dierença em módulo de -a tende a zero. ( a ). Escreve-se: a ( tende a a). Eemplo : Se, N,,,4,... quando N aumenta, diminui, tendendo a zero.

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D A Prática Leva à Perfeição Cálculo William D. Clark, P.D e Sandra Luna McCune, P.D Rio de Janeiro, 01 Para Sirley e Donice. Vocês estão sempre em nossos corações. Sumário Prefácio i I Limites 1 1 O conceito

Leia mais

Derivada de funções na forma paramétrica

Derivada de funções na forma paramétrica Derivada de funções na forma paramétrica Sejam ( t) y y( t) (1) duas funções da mesma variável t [a,b]. Tomando e y como as coordenadas de um ponto P, podemos dizer que a cada valor de t, corresponde um

Leia mais

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x.

= ; a = -1, b = 3. 1 x ; a = -1, b = 0. M > 0 é um número real fixo. Prove que quaisquer que sejam x, y em I temos f ( x) < x. INSTITUTO DE MATEMÁTICA -UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA LIMITES E DERIVADAS MAT B a LISTA DE EXERCÍCIOS - 008. - Prof a Graça Luzia Dominguez Santos. Prove que entre duas raízes consecutivas de uma função

Leia mais

Cálculo I - Curso de Matemática - Matutino - 6MAT005

Cálculo I - Curso de Matemática - Matutino - 6MAT005 Cálculo I - Curso de Matemática - Matutino - 6MAT005 Prof. Ulysses Sodré - Londrina-PR, 17 de Abril de 008 - provas005.te TOME CUIDADO COM OS GRÁFICOS E DETALHES DA SUBSTITUIÇÃO UTILIZADA.....................................................................................................

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo Universidade do Vale do Paraíba Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Rodrigo Sávio Pessoa São José dos Campos 0 Sumário Tópico Tópico Tópico Tópico Tópico

Leia mais

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo Cálculo I IM UFRJ Lista : Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão 7.03.05 Para o Aluno O sucesso (ou insucesso) no Cálculo depende do conhecimento de tópicos do ensino médio que chamaremos de pré-cálculo.

Leia mais

Determinação de uma tangente para o gráfico de uma função. O coeficiente angular da reta tangente em P é

Determinação de uma tangente para o gráfico de uma função. O coeficiente angular da reta tangente em P é Revisão Determinação de uma tangente para o gráfico de uma função f '( x 0) = O coeficiente angular da reta tangente em P é Taxas de variação: derivada em um ponto A expressão abaixo é chamada de quociente

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo

Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo Lista 8: Análise do comportamento de funções - Cálculo Diferencial e Integral I - Turma D Professora: Elisandra Bär de Figueiredo 1. Seja f() = 5 + + 1. Justique a armação: f tem pelo menos uma raiz no

Leia mais

O TEOREMA DO VALOR MÉDIO E APLICAÇÕES DAS DERIVADAS

O TEOREMA DO VALOR MÉDIO E APLICAÇÕES DAS DERIVADAS 14 O TEOREMA DO VALOR MÉDIO E APLICAÇÕES DAS DERIVADAS Gil da Costa Marques 14.1 Introdução 14. O crescimento/decrescimento de uma função num intervalo e os pontos de etremo 14.3 A concavidade do gráfico

Leia mais

LIMITE. Para uma melhor compreensão de limite, vamos considerar a função f dada por =

LIMITE. Para uma melhor compreensão de limite, vamos considerar a função f dada por = LIMITE Aparentemente, a idéia de se aproimar o máimo possível de um ponto ou valor, sem nunca alcançá-lo, é algo estranho. Mas, conceitos do tipo ite são usados com bastante freqüência. A produtividade

Leia mais

Limite e continuidade

Limite e continuidade Limite e continuidade Noção intuitiva de ite Considere a função f qualquer que seja o número real o Eemplo Se f ( ) Esta função está definida para todo R, isto é, f está bem definido, o valor ( ) o então

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite Eercícios de Limite. Eercícios de Fiação Cálculo I (05/) IM UFRJ Lista : Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão 30.03.05 Fi.: Considere o gráco de = f() esboçada no gráco

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Rafael A. Rosales 29 de maio de Diferencial 1. 4 l Hôpital 3. 5 Série de Taylor 3 01.

Rafael A. Rosales 29 de maio de Diferencial 1. 4 l Hôpital 3. 5 Série de Taylor 3 01. Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Física Médica Rafael A. Rosales 9 de maio de 07 Sumário Diferencial Teorema do Valor Médio 3 Máimos e Mínimos. Gráficos 4 l Hôpital 3 5 Série

Leia mais

DERIVADA. A Reta Tangente

DERIVADA. A Reta Tangente DERIVADA A Reta Tangente Seja f uma função definida numa vizinança de a. Para definir a reta tangente de uma curva = f() num ponto P(a, f(a)), consideramos um ponto vizino Q(,), em que a e traçamos a S,

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - o Ano 05 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I. Escolhendo os lugares das etremidades para os dois rapazes, eistem hipóteses correspondentes a uma troca entre os rapazes.

Leia mais

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL BÁRBARA DENICOL DO AMARAL RODRIGUEZ CINTHYA MARIA SCHNEIDER MENEGHETTI CRISTIANA ANDRADE POFFAL CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL a Edição Rio Grande Editora da FURG 206 Universidade Federal

Leia mais

(x 2,y 2 ) (x 4,y 4 ) x

(x 2,y 2 ) (x 4,y 4 ) x 2.3. Derivadas 2.3.1. Definição e Interpretação Geométrica Anteriormente já mostrámos como o coeficiente angular de uma recta - declive de uma recta - indica a taa à qual a recta sobe ou desce. para uma

Leia mais

Zero de Funções ou Raízes de Equações

Zero de Funções ou Raízes de Equações Zero de Funções ou Raízes de Equações Um número ξ é um zero de uma função f() ou raiz da equação se f(ξ). Graficamente os zeros pertencentes ao conjunto dos reais, IR, são representados pelas abscissas

Leia mais

CÁLCULO I - MAT Estude a função dada com relação à concavidade e pontos de inflexão. Faça o esboço do gráfico de cada uma das funções.

CÁLCULO I - MAT Estude a função dada com relação à concavidade e pontos de inflexão. Faça o esboço do gráfico de cada uma das funções. UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza Centro Interdisciplinar de Ciências da Natureza CÁLCULO I - MAT0009 9 a Lista de eercícios.

Leia mais

Lista de Exercícios do capítulo 4

Lista de Exercícios do capítulo 4 Lista de Eercícios do capítulo 4 1. Eplique a diferença entre um mínimo local e um mínimo absoluto. 2. Nos gráficos abaio, diga se a função tem um máimo local, um mínimo local, um máimo absoluto, um mínimo

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 4 Zeros reais de funções Parte 1 Objetivo Determinar valores aproimados para as soluções (raízes) de equações da forma: f

Leia mais

Noções de Cálculo Diferencial e Integral para Tecnólogos. João Carlos Vieira Sampaio Guillermo Antonio Lobos Villagra

Noções de Cálculo Diferencial e Integral para Tecnólogos. João Carlos Vieira Sampaio Guillermo Antonio Lobos Villagra Noções de Cálculo Diferencial e Integral para Tecnólogos João Carlos Vieira Sampaio Guillermo Antonio Lobos Villagra 9 de dezembro de 20 Sumário APRESENTAÇÃO 9 Funções e suas derivadas. Velocidade média

Leia mais

Cálculo I 3ª Lista de Exercícios Limites

Cálculo I 3ª Lista de Exercícios Limites www.cursoeduardochaves.com Cálculo I ª Lista de Eercícios Limites Calcule os ites: a (4 7 +5 b + 5 c ( 5 ++4 d + 5 4 e 5 + 4 + ++ f 6 4 Resp. : a b 0 c /8 d / e 9 5 f Calcule os ites abaio: a 4 b + c +5

Leia mais

5.1 O Teorema do Valor Médio & Aplicações

5.1 O Teorema do Valor Médio & Aplicações 5. O Teorema do Valor Médio & Aplicações. Se f () = + 4, encontre o número c que satisfaz a conclusão do TVM (Teorema do Valor Médio) no intervalo [; 8] : 2. Seja f () = j j. Mostre que não eiste um número

Leia mais

MAT140 - Cálculo I - Máximos e Mínimos Locais e Globais, Pontos Críticos e o Teste da Derivada Primeira

MAT140 - Cálculo I - Máximos e Mínimos Locais e Globais, Pontos Críticos e o Teste da Derivada Primeira MAT140 - Cálculo I - Máximos e Mínimos Locais e Globais, Pontos Críticos e o Teste da Derivada Primeira 4 de novembro de 2015 Vimos que a derivada de uma função em um ponto é a inclinação da reta tangente

Leia mais

26 CAPÍTULO 4. LIMITES E ASSÍNTOTAS

26 CAPÍTULO 4. LIMITES E ASSÍNTOTAS Capítulo 4 Limites e assíntotas 4.1 Limite no ponto Considere a função f(x) = x 1 x 1. Observe que esta função não é denida em x = 1. Contudo, fazendo x sucientemente próximo de 1 (mais não igual a1),

Leia mais

Capítulo 3 Limite de uma função

Capítulo 3 Limite de uma função Departamento de Matemática - ICE - UFJF Disciplina MAT54 - Cálculo Capítulo 3 Limite de uma função Podemos afirmar que o conceito de ite é uma das ideias fundamentais do Cálculo Diferencial. Seu processo

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Notas de aula para o

Leia mais

PROFMAT AV2 MA

PROFMAT AV2 MA PROFMAT AV MA 11 011 Questão 1. Calcule as seguintes epressões: [ ] (1,0) (a) log n log n (1,0) (b) log a/ log, onde a > 0, > 0 e a base dos logaritmos é fiada arbitrariamente. (a) Como = n 1/n 3, temos

Leia mais

Extremos e o Teste da Derivada Primeira. Extremos e o Teste da Derivada Primeira

Extremos e o Teste da Derivada Primeira. Extremos e o Teste da Derivada Primeira UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1. Etremos relativos

Leia mais

Funções Elementares. Sadao Massago. Maio de Alguns conceitos e notações usados neste texto. Soma das funções pares é uma função par.

Funções Elementares. Sadao Massago. Maio de Alguns conceitos e notações usados neste texto. Soma das funções pares é uma função par. Funções Elementares Sadao Massago Maio de 0. Apresentação Neste teto, trataremos rapidamente sobre funções elementares. O teto não é material completo do assunto, mas é somente uma nota adicional para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

5.1 Noção de derivada. Interpretação geométrica de derivada.

5.1 Noção de derivada. Interpretação geométrica de derivada. Capítulo V Derivação 5 Noção de derivada Interpretação geométrica de derivada Seja uma unção real de variável real Deinição: Chama-se taa de variação média de uma unção entre os pontos a e b ao quociente:

Leia mais

TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA

TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA Carla do Nascimento Lopes Maria Emilia Neves Cardoso Capítulo : Noções Iniciais O objetivo desse capítulo é fornecer uma revisão de alguns

Leia mais

Conceitos: Função. Domínio, contradomínio e imagem de uma função. Funções potência, exponencial e

Conceitos: Função. Domínio, contradomínio e imagem de uma função. Funções potência, exponencial e Matemática II 05/6 Curso: Gestão Departamento de Matemática ESTG-IPBragança Ficha Prática : Revisões: Funções, Derivadas. Primitivas -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AULA 30/05/2017 MÁXIMOS E MÍNIMOS, ESTUDO COMPLETO DE FUNÇÕES, APLICAÇÃO DE DERIVADA

AULA 30/05/2017 MÁXIMOS E MÍNIMOS, ESTUDO COMPLETO DE FUNÇÕES, APLICAÇÃO DE DERIVADA AULA 30/05/2017 MÁXIMOS E MÍNIMOS, ESTUDO COMPLETO DE FUNÇÕES, APLICAÇÃO DE DERIVADA As derivadas têm inúmeras aplicações. Com o estudo da primeira e da segunda derivada podemos esboçar o gráfico de uma

Leia mais

13 Fórmula de Taylor

13 Fórmula de Taylor 13 Quando estudamos a diferencial vimos que poderíamos calcular o valor aproimado de uma função usando a sua reta tangente. Isto pode ser feito encontrandose a equação da reta tangente a uma função y =

Leia mais

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim Lista de Férias Bases Matemáticas/FUV Encontre uma epressão para a função inversa: + 3 a) 5 2 + e b) e c) 2 + 5 d) ln( + 3) 6 Prove a partir da definição de ite que: a) 3 ( + 6) = 9 b) = c) 2 = 4 2 d)

Leia mais

Estudo de funções. Universidade Portucalense Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Curso Satélite - Módulo I - Matemática.

Estudo de funções. Universidade Portucalense Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Curso Satélite - Módulo I - Matemática. Universidade Portucalense Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Curso Satélite - Módulo I - Matemática Estudo de funções Continuidade Consideremos as funções: f : R R g : R R x x + x x +, x 1

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 3: Derivadas Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Derivada

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 3: Derivadas Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Derivada Eercícios de Derivada Eercícios de Fiação Cálculo I (0/) IM UFRJ Lista : Derivadas Prof Milton Lopes e Prof Marco Cabral Versão 7040 Fi : Determine a equação da reta tangente ao gráco de f() no ponto =

Leia mais

Limites e Continuidade. Departamento de Matemática

Limites e Continuidade. Departamento de Matemática Limites e Continuidade Mariana Dias Júlia Justino Departamento de Matemática Conteúdo Limites. Noção Intuitiva.... Definição... 3.3 PropriedadesdosLimitesFinitos... 5. Limites Laterais... 7.5 Limites Infinitos...

Leia mais

MAT096. Tutoria de Cálculo Diferencial e Integral

MAT096. Tutoria de Cálculo Diferencial e Integral UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Centro de Ciências Eatas e Tecnológicas - CCE Departamento de Matemática MAT096 Tutoria de Cálculo Diferencial e Integral Apostila DMA - UFV 010 Sumário 1 Função 4 1.1 Noções

Leia mais

7. Diferenciação Implícita

7. Diferenciação Implícita 7. Diferenciação Implícita ` Sempre que temos uma função escrita na forma = f(), dizemos que é uma função eplícita de, pois podemos isolar a variável dependente de um lado e a epressão da função do outro.

Leia mais

1 Roteiro Atividades Mat146 Semana4: 22/08/16 a 26/08/2016

1 Roteiro Atividades Mat146 Semana4: 22/08/16 a 26/08/2016 1 Roteiro Atividades Mat146 Semana4: /08/16 a 6/08/016 1. Matéria dessa semana de acordo com o Plano de ensino oicial: Assíntotas Horizontais e Verticais. Continuidade. Material para estudar: Assíntotas

Leia mais

Exercícios para as aulas TP

Exercícios para as aulas TP Generalidades sobre funções reais de variável real. FichaTP0. Considere os gráficos correspondentes a duas funções reais de variável real: y y 5-0 4-5 4 3-3 - - 0 3 4 - Indique para cada uma delas: (a)

Leia mais

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS Curso de Férias de IFVV (Etapa ) INTEGAIS UPLAS VOLUMES E INTEGAIS UPLAS Objetivando resolver o problema de determinar áreas, chegamos à definição de integral definida. A idéia é aplicar procedimento semelhante

Leia mais

1. Limite. lim. Ou seja, o limite é igual ao valor da função em x 0. Exemplos: 1.1) Calcule lim x 1 x 2 + 2

1. Limite. lim. Ou seja, o limite é igual ao valor da função em x 0. Exemplos: 1.1) Calcule lim x 1 x 2 + 2 1. Limite Definição: o limite de uma função f(x) quando seu argumento x tende a x0 é o valor L para o qual a função se aproxima quando x se aproxima de x0 (note que a função não precisa estar definida

Leia mais

MAT 140 (Cálculo I) 2017/I Lista de Derivadas e Aplicações

MAT 140 (Cálculo I) 2017/I Lista de Derivadas e Aplicações Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática MAT 140 (Cálculo I) 2017/I Lista de Derivadas e Aplicações 1) Determine a função derivada de f definida por: a) ( 2 + 4 5) 4 b) (2 4 7 3 ) e c)

Leia mais

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5 Capítulo III Limite de Funções. Noção de Limite Dada uma unção, o que é que signiica ( 5? A ideia intuitiva do que queremos dizer com isto é: quando toma valores cada vez mais próimos de, a respectiva

Leia mais

Derivadas 1 DEFINIÇÃO. A derivada é a inclinação da reta tangente a um ponto de uma determinada curva, essa reta é obtida a partir de um limite.

Derivadas 1 DEFINIÇÃO. A derivada é a inclinação da reta tangente a um ponto de uma determinada curva, essa reta é obtida a partir de um limite. Derivadas 1 DEFINIÇÃO A partir das noções de limite, é possível chegarmos a uma definição importantíssima para o Cálculo, esta é a derivada. Por definição: A derivada é a inclinação da reta tangente a

Leia mais

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5 Capítulo III Limite de Funções. Noção de Limite Dada uma unção, o que é que signiica ( 5? A ideia intuitiva do que queremos dizer com isto é: quando toma valores cada vez mais próimos de, a respectiva

Leia mais

Teoremas e Propriedades Operatórias

Teoremas e Propriedades Operatórias Capítulo 10 Teoremas e Propriedades Operatórias Como vimos no capítulo anterior, mesmo que nossa habilidade no cálculo de ites seja bastante boa, utilizar diretamente a definição para calcular derivadas

Leia mais

FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS Introdução Considere os seguintes enunciados: O volume V de um cilindro é dado por V r h onde r é o raio e h é a altura. Um circuito tem cinco resistores. A corrente deste circuito

Leia mais

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo - 01. Aula 1 Professor: Carlos Sérgio Revisão de Funções Sistema cartesiano ortogonal O Sistema de Coordenadas Cartesianas,

Leia mais

Esbo»cando gr a cos: primeiros passos

Esbo»cando gr a cos: primeiros passos Aula 6 Esbo»cando gr a cos: primeiros passos Eiste o processo simples de esbo»car-se o gr a co de uma fun»c~ao cont ³nua ligando-se um n umero nito de pontos P 1 =( 1 ;f( 1 ));::: ;P n =( n ;f( n )), deseugr

Leia mais

y (x 0 ) = f (x 0 ) 2a = f (x 0 ) a = f (x 0 ) 2

y (x 0 ) = f (x 0 ) 2a = f (x 0 ) a = f (x 0 ) 2 Cálculo - Capítulo 3. - Aproimação quadrática 1 Capítulo 3. - Aproimação quadrática 3..1 - Aproimação quadrática para funções de uma variável 3.. - Aproimação quadrática para funções de duas variáveis

Leia mais

Cálculo Diferencial em R. Departamento de Matemática

Cálculo Diferencial em R. Departamento de Matemática Cálculo Diferencial em R Mariana Dias Júlia Justino Departamento de Matemática Conteúdo Cálculo Diferencial em R. Definiçãodederivadanumponto.... Interpretação geométrica.... Derivadas laterais... 4.4

Leia mais

Assíntotas. Assíntotas. Os limites infinitos para a função f(x) = 3/(x 2) podem escrever-se como

Assíntotas. Assíntotas. Os limites infinitos para a função f(x) = 3/(x 2) podem escrever-se como UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Assíntotas Os limites

Leia mais

MAT Cálculo I - POLI a Lista de Exercícios

MAT Cálculo I - POLI a Lista de Exercícios MAT 453 - Cálculo I - POLI - 003 a Lista de Eercícios. Calcule a derivada indicada em cada caso: a) y se y = ; b) y se y = ( ) d ; c) ; d + ( d) d d 3 + ); e) d500 3 d 500 (3 3 79 + 4).. Calcule dy por

Leia mais

Capítulo Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais

Capítulo Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais Cálculo 2 - Capítulo 27 - Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais Capítulo 27 - Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais 27 - Teorema do Valor Médio 272 - Diferenciabilidade

Leia mais

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I 1 MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I GEOMETRIA ANALÍTICA Coordenadas de pontos no plano cartesiano Distâncias entre pontos Sejam e dois pontos no plano cartesiano A distância entre e é dada pela expressão

Leia mais

Lista de Exercícios de Funções

Lista de Exercícios de Funções Lista de Eercícios de Funções ) Seja a R, 0< a < e f a função real de variável real definida por : f() = ( a a ) cos( π) + 4cos( π) + 3 Sobre o domínio A desta função podemos afirmar que : a) (], [ Z)

Leia mais

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques LIMITES Gil da Costa Marques. O cálculo. Definição de limite. Funções contínuas e descontínuas.4 Limites quando a variável independente cresce indefinidamente em valor absoluto.5 Limites infinitos.6 Limites

Leia mais

A função do 2º grau. Na aula anterior, estudamos a função do. Nossa aula

A função do 2º grau. Na aula anterior, estudamos a função do. Nossa aula A UA UL LA A função do º grau Introdução Na aula anterior, estudamos a função do 1º grau ( = a + b) e verificamos que seu gráfico é uma reta. Nesta aula, vamos estudar outra função igualmente importante:

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Vamos estudar alguns métodos numéricos para resolver: Equações algébricas (polinómios não lineares; Equações transcendentais equações que envolvem funções

Leia mais

LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE LIMITES E CONTINUIDADE Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE

Leia mais

Integrais Múltiplas. Integrais duplas sobre retângulos

Integrais Múltiplas. Integrais duplas sobre retângulos Integrais Múltiplas Integrais duplas sobre retângulos Vamos estender a noção de integral definida para funções de duas, ou mais, variáveis. Da mesma maneira que a integral definida para uma variável, nos

Leia mais

1 Definição de Derivada

1 Definição de Derivada Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014 Lista 5 Derivada 1 Definição de Derivada Eercício 1. O que é f (a)? Eplique com suas palavras o

Leia mais

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido Módulo 2 Geometria Analítica Números Reais Conjuntos Numéricos Números naturais O conjunto 1,2,3,... é denominado conjunto dos números naturais. Números inteiros O conjunto...,3,2,1,0,1, 2,3,... é denominado

Leia mais

Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte

Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 LOCALIZAÇÃO DAS RAÍZES PELO MÉTODO GRÁFICO Vejamos dois procedimentos gráficos que podem ser utilizados para

Leia mais

1 Cônicas Não Degeneradas

1 Cônicas Não Degeneradas Seções Cônicas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 11 de dezembro de 2001 Estudaremos as (seções) cônicas,

Leia mais

Lista de Exercícios 3 1

Lista de Exercícios 3 1 Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Matemática MTM122 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 Encontre os pontos críticos das funções a seguir: Lista de Eercícios 1 a f = + 7 2 5 b g = 7/ +

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - 2 a Derivada (concavidades e pontos de inflexão)

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - 2 a Derivada (concavidades e pontos de inflexão) MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - 2 a Derivada (concavidades e pontos de inleão) Eercícios de eames e testes intermédios 1. Na igura ao lado, está representada, num reerencial o.n., parte do gráico de uma

Leia mais

FUNÇÃO. D: domínio da função f D R R: contradomínio da função f f y = f(x): imagem de x. x. y. Está contido REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UMA FUNÇÃO

FUNÇÃO. D: domínio da função f D R R: contradomínio da função f f y = f(x): imagem de x. x. y. Está contido REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UMA FUNÇÃO FUNÇÃO Introdução ao Cálculo Diferencial I /Mário DEFINIÇÃO Seja D um subconjunto dos reais, não vazio. Definir em D uma função f é eplicitar uma regra que a CADA elemento D associa-se a UM ÚNICO R. Notação

Leia mais

Capítulo 9. A Derivada de uma Função. 9.2 Calculando derivadas: alguns exemplos

Capítulo 9. A Derivada de uma Função. 9.2 Calculando derivadas: alguns exemplos Capítulo 9 A Derivada de uma Função 9. Definição No Cap. 5, motivados pela geometria, vimos que o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico de uma função f, em um ponto ( 0, f( 0 )), é obtido tomando-se

Leia mais

FFCLRP-USP Regra de L Hospital e Lista - CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

FFCLRP-USP Regra de L Hospital e Lista - CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I FFCLRP-USP Regra de L Hospital e Lista - CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Professor Dr. Jair Silvério dos Santos 1 Teorema de Michel Rolle Teorema 0.1. (Rolle) Se f : [a;b] R for uma função contínua em

Leia mais

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes 2011

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes 2011 Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes Introdução Neste teto apresentam-se os enunciados de conjuntos de eercícios para as aulas de problemas do curso

Leia mais

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x.

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x. Interpretação Geométrica de Sistemas Lineares com 3 Incógnitas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática Instituto de Ciências Eatas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi

Leia mais

Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1

Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1 Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume. Eercícios. Eplique com suas palavras o significado da equação É possível que a equação anterior seja verdadeira, mas que f? Eplique.. Eplique o que significa

Leia mais

Limites envolvendo infinito primeira parte

Limites envolvendo infinito primeira parte Limites envolvendo infinito primeira parte Ao infinito... e além! Buzz Lightyear, Toy Story Meta da aula Estender o conceito de ites de funções aos casos que envolvem o símbolo. Objetivos Ao final desta

Leia mais

Primeiro Teste de Cálculo Infinitesimal I

Primeiro Teste de Cálculo Infinitesimal I Primeiro Teste de Cálculo Infinitesimal I 27 de Março de 26 Questão [8 pontos] Determine, quando eistir, cada um dos limites abaio. Caso não eista, eplique por quê. 5 2 + 3 c ) lim 2 ( 2) 2 2 e ) lim 5

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Francisco Beltrão Cálculo Diferencial Integral 1 Profª Sheila Regina Oro AULAS 2, 3, 4, 5

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Francisco Beltrão Cálculo Diferencial Integral 1 Profª Sheila Regina Oro AULAS 2, 3, 4, 5 AULAS,,, 5 FUNÇÕES. Plano Cartesiano Os nomes Plano Cartesiano e Produto Cartesiano são homenagens ao seu criador René Descartes (596-65), filósofo e matemático francês. O nome de Descartes em Latim, era

Leia mais

Lista de Exercícios 03: Derivadas e Aplicações

Lista de Exercícios 03: Derivadas e Aplicações Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologias Agroalimentar - CCTA Unidade Acadêmica de Ciências e Tecnologia Ambiental - UACTA Disciplina: Cálculo Professor: Paulo Pamplona

Leia mais

APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU - PROF. CARLINHOS FUNÇÃO DO 1º GRAU

APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU - PROF. CARLINHOS FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO DO 1º GRAU DEFINIÇÃO Chama-se função do 1. grau toda função definida de por f() = a b com a, b e a 0. Eemplos: f() = 3, onde a = e b = 3 (função afim) f() = 6, onde a = 6 e b = 0 (função linear)

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada 1) Velocidade e Aceleração 1.1 Velocidade Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada Suponhamos que um corpo se move em

Leia mais