8. Estudo da não-idealidade da fase líquida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8. Estudo da não-idealidade da fase líquida"

Transcrição

1 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Estudo da não-dealdade da fase líquda Assuntos. A le de Raoult. Defnção de atvdade 3. Convenções assmétrcas e a le de Henry 4. Exercícos 8.. A le de Raoult Consderemos o problema de equaconar o equlíbro líqudo-vapor em uma mstura. Os crtéros de equlíbro para esse problema compreendem a gualdade de temperatura, pressão e fugacdade de todos os componentes nas duas fases. Em sstemas a baxas pressões duas smplfcações podem ser fetas: A fase vapor pode ser consderada deal. Excetuando-se alguns poucos componentes que se assocam fortemente em fase vapor (como o ácdo acétco e o ácdo fluorídrco), em geral pode-se consderar que a fase vapor é uma mstura de gases deas em pressões nferores 5,0 atm. As propredades da fase líquda dependem muto pouco da pressão. Também nessa stuação pode-se consderar que a fase líquda é pratcamente ndependente da pressão. Uma dependênca consderável ocorre somente em sstemas a altas pressões ou próxmos de condções crítcas. Esses dos fatos permtem que se estabeleçam algumas relações útes, váldas para msturas deas em fase líquda. Por exemplo, sabe-se que em uma mstura deal, valerá, pela le de ews-randall: (T,P, x ) x f (T,P ) ( 8- ) Ou seja, exste uma proporconaldade entre a fugacdade do componente e a fração desse mesmo componente na mstura. Em uma stuação de equlíbro vale também a gualdade da fugacdade: V (T,P, x ) (T,P, y ) ( 8- ) Como a fase vapor é formada por um gás deal: (T,P, y ) y P ( 8-3 ) V

2 8. Estudo da não-dealdade da fase líquda Resta descobrr o valor da fugacdade do composto puro, para estabelecer a relação entre as duas fases. Para sso, consdera-se a stuação de equlíbro, em que a fugacdade da fase vapor será gual à pressão de uração, ou seja: f (T,P ) P (T ) ( 8-4 ) Consderando que a fugacdade da fase líquda não se altere com a pressão (conforme vsto anterormente), tem-se: (T,P, x ) x P (T ) ( 8-5 ) Igualando a fugacdade da fase líquda à da fase vapor, tem-se para a stuação de equlíbro: x P (T ) y P ( 8-6 ) Essa é a chamada le de Raoult. Deve-se notar que ela não é uma le, como as les da Termodnâmca é uma smplfcação válda em alguns poucos casos especas, baxas pressões e fase líquda deal. Apesar de todas as consderações fetas, ela é muto útl no estudo do equlíbro líqudo-vapor de sstemas cuja fase líquda seja deal, sendo bastante utlzada no estudo de sstemas formados por hdrocarbonetos. 8.. Defnção de atvdade 8... Varação na energa de Gbbs devda à mstura O que ocorrera com a le de Raoult se a fase líquda não fosse deal? Nesse caso, não havera a dentdade entre atvdade e fração em quantdade de matéra. A expressão para a varação da energa de Gbbs devda à mstura respetara a segunte desgualdade: ms G G c j n µ j j c j n j ln x j ( 8-7 ) Suponhamos que houvesse uma expressão para composção. Assm, obter-se-a por dferencação: msg em função de T, P e da ms G n T,P,n j µ ˆ (T,P, x ) µ (T,P ) ( 8-8 ) Embora, em vrtude da não dealdade da fase líquda, não possamos postular Ver também Tester e Modell, capítulo 9, seção 9.8.

3 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Prof. Pedro 8.3 uma expressão smples para o segundo membro, essa equação nos sugere a possbldade de calcular o potencal químco não mas referencado ao componente puro no estado de gás deal, mas referencado ao composto puro no mesmo estado de agregação. Fundamentalmente, conhecendo-se o comportamento de uma mstura em fase líquda, pode-se obter uma função para a varação na energa de Gbbs devda à mstura, msg. Conhecendo-se essa expressão, é possível então obter a dferença µ ˆ (T,P, x ) (T,P ) por dferencação. Pela defnção de fugacdade, tem-se: µ ln ˆ µ (T,P, x ) µ (T,P ) f ( 8-9 ) Em mutas stuações, é possível obter o valor da fugacdade do composto puro na temperatura em questão em uma determnada condção por exemplo, na condção de uração, se a fase vapor for deal o valor da fugacdade da fase líquda será gual à pressão de uração: mesmo em pressões mas altas, a fugacdade da fase vapor normalmente pode ser conhecda com boa precsão. A vantagem deste procedmento é que, se forem conhecdas as condções de uração dos compostos puros e uma expressão para a energa de Gbbs de mstura, será possível calcular a fugacdade dos componentes em toda a faxa de composções. Essa abordagem é mas promssora que aquela baseada em equações de estado na forma PP(V,T), pos é mas smples propor equações para a não dealdade da fase líquda sem se preocupar com o comportamento volumétrco em toda a faxa de volumes específcos do líqudo até o gás deal. Além dsso, em geral, em condções dstantes do ponto crítco a nfluênca da pressão nas condções da fase líquda é muto pequena, o que quer dzer que um desvo muto pequeno no cálculo de V pode ocasonar um grande desvo no cálculo das propredades de afastamento (e no equlíbro calculado). Com a adoção de uma referênca na própra fase líquda, pode-se elmnar em grande parte esse problema. Quando é utlzado um estado de referênca dferente do gás deal na mesma condção de temperatura e pressão, é costume defnr uma função chamada atvdade. A atvdade faz mas ou menos o papel do coefcente de fugacdade, só que relacona a fugacdade não com a fugacdade no estado de gás deal, mas em um estado de referênca genérco. Ela é defnda por meo de:

4 8.4 Estudo da não-dealdade da fase líquda a ( 8-0 ) f ref O estado de referênca mas comumente adotado é o composto puro nas mesmas condções de pressão e temperatura e no mesmo estado de agregação, mas exstem outros estados de referênca possíves e, em alguns momentos, pode ser necessáro adotá-los A convenção smétrca Denomna-se convenção smétrca a utlzação do estado de referênca para cada composto como o composto puro no mesmo estado de agregação, temperatura e pressão da mstura. Essa convenção é útl quando todos os componentes podem estar presentes em toda faxa de concentrações, como ocorre em quase todas as msturas líqudas estudadas anterormente. Nesse caso, a atvdade relacona-se ao potencal químco por meo de: ln a µ ˆ (T,P, x ) µ (T,P ) ( 8- ) Se for proposta uma expressão para a varação da energa de Gbbs devda à mstura, a atvdade poderá ser obtda smplesmente por meo de: ln a n G ms ( 8- ) T,P,n j ms Pela defnção de energa de Gbbs, tem-se que: G H T S ( 8-3 ) ms ms Pode-se observar que varações na energa de Gbbs devdas à mstura podem ser devdas a dos prncpas fatores: fatores entálpcos (ou energétcos) e fatores entrópcos. Fatores entálpcos são usualmente relaconados à energa lberada ou absorvda pelas moléculas devdo à dferença entre as nterações ntermoleculares (forças de van der Waals, lgações de hdrogêno). Fatores entrópcos se lgam à manera como as moléculas se organzam nos compostos puros e na mstura: quanto mas aleatoramente as moléculas se dstrbuem, maor é a entropa. Também a varação na entropa está lgada às lgações ntermoleculares: uma dmnução nas nterações ntermoleculares comumente leva a uma maor dspersão das moléculas, e, portanto, a uma maor entropa. Desse modo, uma mstura entre etanol e n-hexano é entalpcamente

5 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Prof. Pedro 8.5 desfavorável (pos ocorre com quebra de lgações), mas entropcamente favorável. Do balanço entre as duas tendêncas é que advém a característca geral da mstura Uso da atvdade no equaconamento do equlíbro líqudo-vapor Tomemos um sstema para cuja varação de energa de Gbbs devda à mstura seja conhecda uma expressão. De que manera se poderá usar essa expressão para o cálculo do dagrama de fases do equlíbro líqudo-vapor a baxas pressões? Incalmente, consderemos que em baxas pressões a fase vapor pode ser consderada deal. Duas nformações advêm desse fato: a fugacdade de um componente em fase vapor é dada por V (T,P, y ) y P, e a fugacdade do componente puro pode ser escrta f (T,P ) P (T ) na condção de uração. Em sstemas a baxas pressões, é possível consderar que a fugacdade do componente puro na fase líquda não dependa da pressão. Nesse caso: f (T,P ) P (T ) ( 8-4 ) Como se conhece uma expressão para a varação na energa de Gbbs devda à mstura, é possível calcular dretamente o valor da atvdade: ln a n G ms ( 8-5 ) T,P,n j com o que é possível obter o valor da fugacdade na fase líquda: ( P,T, x ) a f ( P,T ) a P ( 8-6 ) do que vem que: y P a P ( 8-7 ) No caso de uma mstura líquda deal, tem-se que a x, e a le de Raoult é obtda. Fora dessa crcunstânca é necessáro consderar a não dealdade da fase líquda por meo da expressão da varação da energa de Gbbs devda à mstura Convenções assmétrcas e a le de Henry Expandndo o conceto de atvdade: convenções assmétrcas A pergunta que fca do desenvolvmento anteror é: por que defnr a atvdade? No fundo, ela não sera dspensável, resumndo-se a uma manera de trazer a referênca para o líqudo puro?

6 8.6 Estudo da não-dealdade da fase líquda A resposta é negatva por váras razões. Incalmente, o estado de referênca da atvdade não precsa ser o líqudo puro, e a atvdade pode ser calculada em stuações em que o composto não exste nesse estado. Mesmo nas stuações em que sso ocorre, a atvdade guarda um sentdo própro: a relação entre o potencal químco do composto na mstura e o potencal químco do composto puro. Por sua própra defnção, a atvdade pode ser escrta como: ln a ref ref ref µ ˆ (T,P, ) ˆ x µ (T,P, x ) ( 8-8 ) Nota-se que o estado de referênca pode ser calculado a uma pressão dferente da pressão do sstema e também a uma composção dferente da composção do sstema, mas sempre à mesma temperatura, pos não se compararam potencas químcos a dferentes temperaturas. A expressão acma pode ser escrta: ln a G n T,P,n j µ ˆ ref (T,P ref, x ref ) ( 8-9 ) ln a Consderando a exstênca de outros compostos, tem-se: c ref ref ref G n ˆ j j (T,P, ) n µ j x ( 8-0 ) A defnção acma sugere que se possa estender o conceto de varação devda a mstura. De fato, pode-se defnr uma varação assmétrca da energa de Gbbs por meo da expressão: G G c j T,P,n j ref ref ref n j µ ˆ j (T,P, x ) ( 8- ) Essa varação assmétrca já não se refere mas à varação da energa de Gbbs quando se msturam os compostos puros. Ela já perdeu muto de seu sentdo físco, e deve ser vsta mas como o produto de uma operação hpotétca de mstura do que propramente uma grandeza mensurável. Esse conceto é extensível a qualquer propredade; de manera geral: Pelo fato de a varação do potencal químco com a temperatura estar lgada ao valor absoluto da entropa.

7 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Prof. Pedro 8.7 B B c j n ref ref ref j B j (T,P, ) x ( 8- ) Um estado de referênca possível para um soluto que não exsta puro no mesmo estado de agregação da mstura é a solução deal de concentração untára. Esse estado é defndo de modo que: lm ξ ξ 0 a ( 8-3 ) em que ξ é uma undade de concentração convenente. Em vrtude da defnção acma, esse estado é erroneamente chamado de estado de referênca em dlução nfnta. Pelo fato de cada composto ter um estado de referênca dferente, essa abordagem é conhecda por convenção assmétrca, e é comumente usada no estudo de soluções dluídas A le de Henry Consderemos um composto (um soluto, ) bastante dluído em outro (o solvente, ). Na medda em que o composto aproxma-se da condção de composto puro, sua fugacdade aproxma-se do valor calculado pela le de Raoult, ou seja: (T,P, x ) x f (T,P ) ( 8-4 ) Pode-se aplcar, nesse caso, a equação de Gbbs-Duhem, e obter uma expressão para a fugacdade do soluto. Para T e P constantes: n dˆ µ + n dµ ˆ 0 ( 8-5 ) Pelo fato de o potencal químco do composto puro no estado de gás deal não varar com a concentração, pode-se escrever: n ˆ GI GI d( µ µ ) + nd( µ µ ) ˆ 0 ( 8-6 ) Como a pressão e a temperatura são mantdas constantes: n d ln( ) + n d ln( ) 0 ( 8-7 ) ou, em termos ntensvos, x d ln( ) + x d ln( ) 0. Entretanto, se a fugacdade do solvente segue a le de Raoult, então: x f d ln( ) d ln( x ) ( 8-8 ) Dessa manera, tem-se também que:

8 8.8 Estudo da não-dealdade da fase líquda d ln( ) d ln( x ) d dx x ( 8-9 ) o que mplca que: x cte. ( 8-30 ) É costume defnr uma constante H,, chamada constante de Henry, tal que: xh, (T,P ) ( 8-3 ) O subscrto, ndca que a constante refere-se ao soluto () dluído no solvente (). A expressão acma é válda somente no lmte de soluções muto dluídas. Ela é conhecda popularmente por le de Henry, mas como a le de Raoult não é uma le exata, mas uma aproxmação válda em uma dada stuação. As Fguras seguntes apresentam a fugacdade dos componentes do sstema benzeno () -propanol () a 45 C. Deve-se notar que o ntervalo em que a le de Henry é válda para um dos componentes corresponde ao ntervalo em que a le de Raoult é válda para o outro componente le de Henry: f ^ 0,97x 0.30 f ^ / bar 0.0 le de Raoult: f ^ 0,3x x Fgura 8-. Fugacdade do benzeno, sstema benzeno () -propanol () a 45 C.

9 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Prof. Pedro le de Henry: f ^ 0,58x 0.08 ^ f / bar ^ le de Raoult: f 0,094x x Fgura 8-. Fugacdade do -propanol, sstema benzeno () -propanol () a 45 C. A valdade das les de Raoult e Henry nos lmtes do gráfco lga-se às nterações moleculares presentes. Quando o composto está muto concentrado, pratcamente puro, a presença de outro componente é sgnfcatva, mas de alguma manera as nterações que suas moléculas realzam anda ocorrem preferencalmente com outras moléculas suas daí a valdade da le de Raoult, que relacona a fugacdade à pressão de uração. Por outro lado, no lmte do composto dluído, a fugacdade de um componente é nfluencada prncpalmente pelas nterações entre as moléculas desse componente e as moléculas do composto que está em maor quantdade daí a fugacdade varar lnearmente com a composção, mas a constante de proporconaldade ser dferente Coefcente de atvdade e grandeza excedente Em uma mstura deal, como vsto na dedução da le de Raoult, vale a segunte gualdade: µ ˆ (T,P, x ) µ (T,P ) ln x ( 8-3 ) MI Em uma mstura real, valerá, consderando a convenção smétrca: µ ˆ (T,P, x ) µ (T,P ) ln a ( 8-33 ) a ln x Comparando as duas equações, obtém-se a relação segunte: MI µ ˆ ˆ (T,P, x ) µ (T,P, x ) ( 8-34 ) É costume defnr um coefcente de fugacdade pela expressão:

10 8.0 Estudo da não-dealdade da fase líquda a γ ( 8-35 ) x O coefcente de fugacdade, então, é uma medda da não-dealdade da fase líquda. Deve-se notar que ele é expresso pela dferença entre o potencal químco e o potencal químco que o composto tera em uma mstura deal. Isso sugere a defnção de grandeza excedente, a dferença entre o valor da varação de uma grandeza devda à mstura e o valor dessa mesma varação para uma mstura deal: B EX MI B B ( 8-36 ) Os concetos de coefcente de atvdade e grandeza excedente não trazem em s mesmos nenhum conhecmento novo sobre o sstema no fundo, são apenas outras maneras de expressar a mesma cosa mas são muto utlzados em cálculos, por se relaconarem dretamente à não-dealdade. Ambos são relaconados pela expressão segunte: ln γ G n EX T,P,n j ( 8-37 ) 8.4. Exercícos. A pressão de uração do benzeno a 50 C é de 0,35 atm; do n-hexano, na mesma temperatura, é de 0,53 atm. Complete, usando esses dados e a le de Raoult, a segunte tabela: Tabela 8-. Equlíbro calculado para o sstema benzeno () n-hexano () a 50ºC x / atm / atm P / atm y 0,0 0, 0,4 0,6 0,8,0. Consdere o equlíbro líqudo-vapor em mstura formada por n-hexano () e n-

11 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Prof. Pedro 8. heptano (). Usando a le de Raoult, pede-se: a. Qual a pressão e a composção da fase vapor em equlíbro com uma fase líquda cuja composção seja x 0,5? b. Qual a temperatura em que deve ser mantdo o sstema para que, com uma fase líquda cuja composção seja x 0,5, haja uma fase vapor em equlíbro à pressão de 0,4 atm? c. Qual a pressão e a composção da fase líquda em equlíbro com uma fase vapor cuja composção seja y 0,5? d. Qual a temperatura em que deve ser mantdo o sstema para que, com uma fase vapor cuja composção seja y 0,5, haja uma fase líquda em equlíbro à pressão de 0,4 atm? Para esse cálculo, consdere as seguntes expressões para a pressão de uração dos compostos envolvdos: P ln atm P ln atm 697, 55 9, 033 (T / K ) 48, 78 9, 3 9, 404 (T / K ) 56, 5 3. Entre as equações apresentadas para a varação na energa de Gbbs devda à mstura, uma das mas mportantes é a equação de Flory-Huggns 3. Ela é útl para o cálculo de propredades da mstura de um polímero () em um solvente orgânco (). A equação de Flory-Huggns é composta de duas partes: uma contrbução entrópca e uma contrbução entálpca. A prmera refere-se à entropa de mstura de moléculas de dferentes tamanhos: ms S R n lnφ n ln φ em que φ é a fração volumétrca do soluto, dada por: φ nv n V + n V e analogamente para o solvente. A contrbução entálpca, devda à nteração entre as moléculas, é dada por: 3 Flory, P. J., J. Chem Phys., v. 0, 5, 94.

12 8. Estudo da não-dealdade da fase líquda ms H V n + n χ φφ V em que χ é o chamado parâmetro de nteração, e é dependente dos compostos envolvdos. Pede-se: a. Escreva a expressão da varação da energa de Gbbs devda à mstura. b. Obtenha a expressão da atvdade do solvente. 4. A condção de establdade para uma mstura bnára é, como vsto anterormente: µ ˆ n T,P,n j > 0 a. Escreva a condção de establdade em função da atvdade do componente. b. Obtenha o lmte de establdade para o modelo de Flory-Huggns. 5. A mas antga expressão para a varação na energa de Gbbs devda à mstura fo apresentada por van aar, segundo a qual se tem para uma mstura bnára: ms G ( x ln x + x ln x ) + x x b b xb + x b b b em que a e b são os parâmetros da equação de van der Waals 4. Obtenha a expressão da atvdade e do coefcente de atvdade de um dos componentes a partr da equação de van aar. Como a equação de van der Waals, essa equação tem mportânca hstórca, mas pouca mportânca prátca hoje em da. a a 6. [Sandler] A 60 C a pressão de uração do acetato de metla () é,6 bar, e do metanol () é 0,847 bar. O comportamento de suas msturas pode ser razoavelmente aproxmado pela equação de Margules: 4 van aar era aluno de van der Waals, razão pela qual usou essa equação como base de seu desenvolvmento. É possível consderar que os parâmetros que aparecem na equação sejam ajustáves: nesse caso, a equação passa a funconar relatvamente bem.

13 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Prof. Pedro 8.3 G EX, 06xx Complete, com esses dados, a segunte tabela: Tabela 8-. Equlíbro calculado do sstema acetato de metla () e metanol () a 60ºC. x / atm / atm P / atm y 0,0 0, 0,4 0,6 0,8,0 7. Para o sstema acma, calcule o valor da constante de Henry do metanol dssolvdo em acetato de metla, e compare-o com o valor da pressão de uração do metanol. O que se pode notar? Faça o mesmo para a constante de Henry do acetato de metla dssolvdo em metanol. 8. No cálculo de colunas de destlação, um parâmetro usualmente encontrado é a volatldade relatva, defnda para dos compostos () e () como sendo: α y y / x / x em que as composções calculadas de fase líquda (x) e vapor (y) referem-se ao equlíbro. Por facldade de cálculo, mutas vezes a volatldade é assumda constante, ou seja, ndependente de temperatura, pressão e composção. Verfque se essa hpótese é correta calculando a volatldade relatva do par etanol () e acetato de etla () a 300K para composções de líqudo em equlíbro guas a x 0,, x 0,5 e x 0,9. São conhecdos os seguntes dados: G EX 863x x J.mol -. P 478, 98 ln + 3, 4643 bar T / K

14 8.4 Estudo da não-dealdade da fase líquda P ln bar 3570, , 4575 T / K 9. [Prova 007] Benzeno e cclohexano são compostos semelhantes, mas pelo fato de sua pressão de uração ser muto próxma, o dagrama de equlíbro líqudo-vapor de suas msturas apresenta um azeótropo. Assm, a fase líquda desse sstema não pode ser consderada deal. Na temperatura de 40ºC, a pressão de uração do cclohexano () é de 0,46 bar, e do benzeno () é 0,44 bar. Nessa temperatura, esses compostos formam um azeótropo de composção x y 0,5, e a pressão de equlíbro no ponto de azeótropo é de 0,747 bar. Consdere que a não-dealdade da fase líquda seja dada pela equação de Margules de um parâmetro: msg x ln x + x ln x + Axx Estme o parâmetro A da equação de Margules para esse par. 0. [Prova 007] Um estudante fez a segunte observação em uma aula da segunda obrgatóra: Água e etanol devem formar uma solução líquda deal, pos ambos os compostos formam pontes de hdrogêno e portanto nteragrão de manera semelhante. Obvamente, ele está errado mas a pergunta é: quão errado? Para verfcar, pede-se: a) complete a tabela segunte, em que o composto () é o etanol, para o equlíbro líqudo-vapor à temperatura de 50 C, consderando que a fase líquda seja deal. x / atm / atm y P / atm 0,0 0, 0,4 0,6 0,8,0

15 PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II Prof. Pedro 8.5 b) complete a tabela segunte, semelhante à anteror, para o equlíbro líqudo-vapor à temperatura de 50 C, consderando que a não-dealdade da fase líquda seja dada pela equação de Margules de dos parâmetros, ajustada para esse sstema específco. x / atm / atm y P / atm 0,0 0, 0,4 0,6 0,8,0 Explque por que seus resultados demonstram que o aluno se enganou completamente. A pressão de uração do etanol a 50 C é gual a 0,90 atm, e a da água, 0, atm. A equação de Margules de dos parâmetros para esse sstema é dada por: ln a ln x + x (, 58, 30x ) ln a ln x + x ( 0, 93 +, 30x ). [Prova 008] Consdere a mstura formada por n-hexano () e n-heptano (). A pressão de uração desses compostos é dada por: P 697,55 ln 9,65 bar ( T / K ) 48,78 P 9,3 e ln 9,534 bar ( T / K ) 56,5 a. Uma determnada mstura é formada por 70 % de n-hexano (em base molar) e 30 % de n-heptano, está a 300 K e 0,5 bar. Qual o estado físco dessa mstura? b. Uma mstura formada por 40 % de n-hexano (em base molar) e 60 % de n-heptano atnge uma condção em que a temperatura é de 360 K e a pressão é de,0 bar. Qual porcentagem (também em base molar) da mstura ncal estará na fase líquda?

16 8.6 Estudo da não-dealdade da fase líquda c. Repta o cálculo do tem anteror para uma temperatura de 370 K, mantdas guas as outras condções (pressão e composção).. [Prova 008] Você está projetando uma coluna de destlação para a separação da mstura etanol () e água (). Para esses compostos, a pressão de uração (em função da temperatura) é dada por: P 554,3 log0 5,6995 bar ( T / K ) 50,55 P 668, log0 5,098 bar ( T / K ) 45,0 e os coefcentes de atvdade na fase líquda (γ) são dados por: log 0,8x 0 γ (0,79x + 0, 404 x) log 0, 8x 0 γ (0, 79x + 0, 404 x) em que x representa a fração molar na fase líquda. embrando que a atvdade é dada a por x γ, pede-se: a. Para a pressão atmosférca (,0 bar) calculou-se que a temperatura de bolha de uma mstura líquda em que x 0,38 sera gual a 358,5 K, e a composção da fase vapor sera y 0,474. Este cálculo está correto? b. O par etanol-água forma um azeótropo: a,0 bar e 350,3 K, as composções do líqudo e do vapor são dêntcas, o que sgnfca que a coluna de destlação não será capaz de separar totalmente o bnáro. Mesmo sem conhecer a composção do azeótropo, determne os coefcentes de atvdade de etanol e água nessa condção.

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria.

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I II. Frações e Estequometra (problemas resolvdos) Problemas Propostos. Frações másscas, volúmcas ou molares. Estequometra.. Em 5 moles de Benzeno (C 6 H 6 ) quanto é que

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica CQ049 FQ prof. Dr. Marco Vdott LEAP Laboratóro de Eletroquímca e Polímeros mvdott@ufpr.br Imagens de Rorschach A Eletroquímca pode ser dvdda em duas áreas: Iônca: Está relaconada com os íons em solução

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA II.1. HIPOTESES BASICAS A modelagem aqu empregada está baseado nas seguntes hpóteses smplfcadoras : - Regme permanente; - Ausênca de forças de campo; - Ausênca de trabalho

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Apêndice B Frações mássicas, molares e volúmicas. Estequiometria.

Apêndice B Frações mássicas, molares e volúmicas. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B Apêndce B Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra. O engenhero químco lda constantemente com msturas de compostos químcos em stuações que mporta caracterzar

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Análse de Regressão método estatístco que utlza relação entre duas ou mas varáves de modo que uma varável pode ser estmada (ou predta) a partr da outra ou das outras Neter, J. et al. Appled Lnear Statstcal

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1 Análse Complexa Resolução de alguns exercícos do capítulo 1 1. Tem-se:. = (0, 1) = (0, 1) =. 3. Sejam a, b R. Então Exercíco nº1 = (0, 1).(0, 1) = (0.0 1.1, 0.1 + 1.0) = ( 1, 0) = 1. a + b = a b = a +

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012 Notas Processos estocástcos Nestor Catcha 23 de abrl de 2012 notas processos estocástcos 2 O Teorema de Perron Frobenus para matrzes de Markov Consdere um processo estocástco representado por um conunto

Leia mais

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES 4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES Para o Curso de Físca da Polução do Ar FAP346, º Semestre/006 Prof. Amérco Sansgolo Kerr Montora: Mara Emíla Rehder aver 4. INTRODUÇÃO No modelamento

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

COMBUSTÃO. A termodinâmica permite um estudo elementar de combustão através da termoquímica.

COMBUSTÃO. A termodinâmica permite um estudo elementar de combustão através da termoquímica. COMBUSTÃO A termodnâmca permte um estudo elementar de combustão através da termoquímca. Aplcação de balanço de massa e energa (1º le) e de defenção de condções de equlíbro e sentdo de evoluções termodnâmcas

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE. A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número real compreendido de 0 ( zero) e 1 ( um).

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE. A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número real compreendido de 0 ( zero) e 1 ( um). INTRODUÇÃO À PROILIDDE teora das probabldade nada mas é do que o bom senso transformado em cálculo probabldade é o suporte para os estudos de estatístca e expermentação. Exemplos: O problema da concdênca

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial 5 Métodos de cálculo do lmte de retenção em função da ruína e do captal ncal Nesta dssertação serão utlzados dos métodos comparatvos de cálculo de lmte de retenção, onde ambos consderam a necessdade de

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Lnear com Restrções Aula 9: Programação Não-Lnear - Funções de Váras Varáves com Restrções Ponto Regular; Introdução aos Multplcadores de Lagrange; Multplcadores de Lagrange e Condções

Leia mais

Medidas e resultados em um experimento.

Medidas e resultados em um experimento. Meddas e resultados em um expermento. I- Introdução O estudo de um fenômeno natural do ponto de vsta expermental envolve algumas etapas que, mutas vezes, necesstam de uma elaboração préva de uma seqüênca

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL Dstrbuton of the wnd acton n the bracng elements consderng

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 16 Prof. Luz Alexandre Peternell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Exercícos Propostos 1) Consderando os dados amostras abaxo, calcular: méda artmétca, varânca, desvo padrão, erro padrão da méda e coefcente

Leia mais

Análise Descritiva com Dados Agrupados

Análise Descritiva com Dados Agrupados Análse Descrtva com Dados Agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas descrtvas

Leia mais

Redução dos Dados. Júlio Osório. Medidas Características da Distribuição. Tendência Central (Localização) Variação (Dispersão) Forma

Redução dos Dados. Júlio Osório. Medidas Características da Distribuição. Tendência Central (Localização) Variação (Dispersão) Forma Redução dos Dados Júlo Osóro Meddas Característcas da Dstrbução Tendênca Central (Localzação) Varação (Dspersão) Forma 1 Meddas Característcas da Dstrbução Meddas Estatístcas Tendênca Central Dspersão

Leia mais

INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO CAPÍTULO CAPÍTULO CAPÍTULO

INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO CAPÍTULO CAPÍTULO CAPÍTULO 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO 1... 6 INTRODUÇÃO... 6 Tpos de erros... 8 Erros aleatóros e sstemátcos em análses ttrmétrcas... 10 Manpulando erros sstemátcos... 1 CAPÍTULO... 16 ERROS EM ANÁLISES CLÁSSICAS...

Leia mais

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples Contalometra Aula 8 Regressão Lnear Smples Orgem hstórca do termo Regressão Le da Regressão Unversal de Galton 1885 Galton verfcou que, apesar da tendênca de que pas altos tvessem flhos altos e pas axos

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens O problema da superdspersão na análse de dados de contagens 1 Uma das restrções mpostas pelas dstrbuções bnomal e Posson, aplcadas usualmente na análse de dados dscretos, é que o parâmetro de dspersão

Leia mais

Realimentação negativa em ampliadores

Realimentação negativa em ampliadores Realmentação negatva em ampladores 1 Introdução necessdade de amplfcadores com ganho estável em undades repetdoras em lnhas telefôncas levou o Eng. Harold Black à cração da técnca denomnada realmentação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria Agregação Dnâmca de Modelos de urbnas e Reguladores de elocdade: eora. Introdução O objetvo da agregação dnâmca de turbnas e reguladores de velocdade é a obtenção dos parâmetros do modelo equvalente, dados

Leia mais

2 Lógica Fuzzy Introdução

2 Lógica Fuzzy Introdução 2 Lógca Fuzzy 2.. Introdução A lógca fuzzy é uma extensão da lógca booleana, ntroduzda pelo Dr. Loft Zadeh da Unversdade da Calfórna / Berkeley no ano 965. Fo desenvolvda para expressar o conceto de verdade

Leia mais

V.1. Introdução. Reações Químicas.

V.1. Introdução. Reações Químicas. V.1. Introdução. Reações Químcas. V. Balanços Materas a Processos com Reação Químca Uma equação químca acertada ornece muta normação. Por exemplo, a reação de síntese do metanol: CO (g) + 3H (g) CH 3 OH

Leia mais

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva Teora da Regressão Espacal Aplcada a Modelos Genércos Sérgo Alberto Pres da Slva ITENS DE RELACIONAMENTOS Tópcos Báscos da Regressão Espacal; Banco de Dados Geo-Referencados; Modelos Genércos Robustos;

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

AMPLIAÇÃO DE ESCALA. Adimensionais: dq dq dqs. dt dt dt. Reynolds. Número de Potência. Número de Froude

AMPLIAÇÃO DE ESCALA. Adimensionais: dq dq dqs. dt dt dt. Reynolds. Número de Potência. Número de Froude AMPLIAÇÃO E ESCALA Admensonas: Reynolds Re ρ N /μ Número de Potênca dq dq dqs o dqv Número de Froude Fr N / g AMPLIAÇÃO E ESCALA COMO CORRELACIONAR k L a com potênca de agtação? Os japoneses propões aquecer

Leia mais

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos Mecânca Estatístca Tal como a Termodnâmca Clássca, também a Mecânca Estatístca se dedca ao estudo das propredades físcas dos sstemas macroscópcos. Tratase de sstemas com um número muto elevado de partículas

Leia mais

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas.

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas. Note bem: a letura destes apontamentos não dspensa de modo algum a letura atenta da bblografa prncpal da cadera Chama-se a atenção para a mportânca do trabalho pessoal a realzar pelo aluno resolvendo os

Leia mais

Índices de Concentração 1

Índices de Concentração 1 Índces de Concentração Crstane Alkmn Junquera Schmdt arcos André de Lma 3 arço / 00 Este documento expressa as opnões pessoas dos autores e não reflete as posções ofcas da Secretara de Acompanhamento Econômco

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

Expansão livre de um gás ideal

Expansão livre de um gás ideal Expansão lvre de um gás deal (processo não quase-estátco, logo, rreversível) W=0 na expansão lvre (P e = 0) Paredes adabátcas a separar o gás das vznhanças Q = 0 ª Le U gás = Q + W = 0 U = U Para um gás

Leia mais

Gabarito da Lista de Exercícios de Econometria I

Gabarito da Lista de Exercícios de Econometria I Gabarto da sta de Exercícos de Econometra I Professor: Rogéro lva Mattos Montor: eonardo enrque A. lva Questão Y X y x xy x ŷ ˆ ˆ y ŷ (Y - Y ) (X - X ) (Ŷ - Y ) 360 00-76 -00 35.00 40.000 36-4 30.976 3076

Leia mais

Métodos Estatísticos Aplicados à Economia I (GET00117) Números Índices

Métodos Estatísticos Aplicados à Economia I (GET00117) Números Índices Unversdade Federal Flumnense Insttuto de Matemátca e Estatístca Métodos Estatístcos Aplcados à Economa I (GET7) Números Índces Ana Mara Lma de Faras Departamento de Estatístca Agosto 25 Sumáro Índces Smples.

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

Q 1-1,5(Q3-Q1) < X i < Q 3 + 1,5(Q 3 -Q 1 ) Q 3 +1,5(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 3 +3(Q 3 -Q 1 ) Q 1 3(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 1 1,5(Q 3 -Q 1 )

Q 1-1,5(Q3-Q1) < X i < Q 3 + 1,5(Q 3 -Q 1 ) Q 3 +1,5(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 3 +3(Q 3 -Q 1 ) Q 1 3(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 1 1,5(Q 3 -Q 1 ) DIGRM OX-PLOT E CRCTERIZÇÃO DE OUTLIERS E VLORES EXTREMOS Outlers e valores extremos são aqueles que estão muto afastados do centro da dstrbução. Uma forma de caracterzá-los é através do desenho esquemátco

Leia mais

HOMOTETIAS, COMPOSIÇÃO DE HOMOTETIAS E O PROBLEMA 6 DA IMO 2008 Carlos Yuzo Shine Nível Avançado

HOMOTETIAS, COMPOSIÇÃO DE HOMOTETIAS E O PROBLEMA 6 DA IMO 2008 Carlos Yuzo Shine Nível Avançado HMTETIS, MPSIÇÃ DE HMTETIS E PREM 6 D IM 008 arlos Yuzo Shne Nível vançado ntes de começar a dscussão, vamos enuncar o problema 6 da IM 008, que é a motvação prncpal desse artgo. Problema 6, IM 008. Seja

Leia mais

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo:

MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR MODELO RECEPTOR. Princípio do modelo: MODELO RECEPTOR Não modela a dspersão do contamnante. MODELO RECEPTOR Prncípo do modelo: Atacar o problema de dentfcação da contrbução da fonte em ordem nversa, partndo da concentração do contamnante no

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR EXPEIÊNCIA 06 CAGA E DESCAGA DE UM CAPACITO 1. OBJETIVOS a) Levantar, em um crcuto C, curvas de tensão no resstor e no capactor em função do tempo, durante a carga do capactor. b) Levantar, no mesmo crcuto

Leia mais

AULA EXTRA Análise de Regressão Logística

AULA EXTRA Análise de Regressão Logística 1 AULA EXTRA Análse de Regressão Logístca Ernesto F. L. Amaral 13 de dezembro de 2012 Metodologa de Pesqusa (DCP 854B) VARIÁVEL DEPENDENTE BINÁRIA 2 O modelo de regressão logístco é utlzado quando a varável

Leia mais

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências.

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências. 1 Fltros são dspostvos seletvos em freqüênca usados para lmtar o espectro de um snal a um determnado ntervalo de freqüêncas. A resposta em freqüênca de um fltro é caracterzada por uma faxa de passagem

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

1 Objetivo da experiência: Medir o módulo da aceleração da gravidade g no nosso laboratório com ajuda de um pêndulo simples.

1 Objetivo da experiência: Medir o módulo da aceleração da gravidade g no nosso laboratório com ajuda de um pêndulo simples. Departamento de Físca ICE/UFJF Laboratóro de Físca II Prátca : Medda da Aceleração da Gravdade Objetvo da experênca: Medr o módulo da aceleração da gravdade g no nosso laboratóro com ajuda de um pêndulo

Leia mais

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação.

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação. Estudo quanttatvo do processo de tomada de decsão de um projeto de melhora da qualdade de ensno de graduação. Rogéro de Melo Costa Pnto 1, Rafael Aparecdo Pres Espíndula 2, Arlndo José de Souza Júnor 1,

Leia mais

Física Geral I - F Aula 12 Momento Angular e sua Conservação. 2º semestre, 2012

Física Geral I - F Aula 12 Momento Angular e sua Conservação. 2º semestre, 2012 Físca Geral I - F -18 Aula 1 Momento Angular e sua Conservação º semestre, 01 Momento Angular Como vmos anterormente, as varáves angulares de um corpo rígdo grando em torno de um exo fxo têm sempre correspondentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONSTANTES DE EQUILÍBRIO NA REFORMA DO ETANOL PELO MÉTODO DA MINIMIZAÇÃO DA ENERGIA LIVRE DE GIBBS

AVALIAÇÃO DAS CONSTANTES DE EQUILÍBRIO NA REFORMA DO ETANOL PELO MÉTODO DA MINIMIZAÇÃO DA ENERGIA LIVRE DE GIBBS AVALIAÇÃO DAS CONSTANTES DE EQUILÍBRIO NA REFORMA DO ETANOL PELO MÉTODO DA MINIMIZAÇÃO DA ENERGIA LIVRE DE GIBBS 1 Daana R. Ganzarol, 2 Carla E. Hor, 2 Lucenne L. Romanelo 1 Dscente do curso de Engenhara

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 11: Varáves Aleatóras (webercampos@gmal.com) VARIÁVEIS ALEATÓRIAS 1. Conceto de Varáves Aleatóras Exemplo: O expermento consste no lançamento de duas moedas: X: nº de caras

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016 Robótca Prof. Renaldo Banch Centro Unverstáro FEI 2016 6 a Aula IECAT Objetvos desta aula Momentos Lneares, angulares e de Inérca. Estátca de manpuladores: Propagação de forças e torques. Dnâmca de manpuladores:

Leia mais

Electromagnetismo e Óptica

Electromagnetismo e Óptica Electromagnetsmo e Óptca aboratóro - rcutos OBJETIOS Obter as curvas de resposta de crcutos do tpo sére Medr a capacdade de condensadores e o coefcente de auto-ndução de bobnas por métodos ndrectos Estudar

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. 04 a 07 de outubro de 2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. 04 a 07 de outubro de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Semnáro do Programa de Pós-Graduação em Engenhara Químca X Otoberfórum PPGEQ 04 a 07 de outubro de 2011 NOVO MODELO DE COEFICIENTE DE ATIVIDADE BASEADO EM CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

COEFICIENTE DE GINI: uma medida de distribuição de renda

COEFICIENTE DE GINI: uma medida de distribuição de renda UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS COEFICIENTE DE GINI: uma medda de dstrbução de renda Autor: Prof. Lsandro Fn Nsh

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS 22 2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Como vsto no capítulo 1, a energa frme de uma usna hdrelétrca corresponde à máxma demanda que pode ser suprda contnuamente

Leia mais

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS Varável Qualquer característca assocada a uma população Classfcação de varáves Qualtatva { Nomnal sexo, cor dos olhos Ordnal Classe

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenhara de Lorena EEL LOB1053 - FÍSICA III Prof. Dr. Durval Rodrgues Junor Departamento de Engenhara de Materas (DEMAR) Escola de Engenhara de Lorena (EEL) Unversdade

Leia mais

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma:

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma: Professora Janete Perera Amador 1 8 Meddas Descrtvas Vmos anterormente que um conjunto de dados pode ser resumdo através de uma dstrbução de freqüêncas, e que esta pode ser representada através de uma

Leia mais

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II Introdução a Combnatóra- Aplcações, AULA 7 7.1 Introdução Nesta aula vamos estudar aplcações um pouco dferentes das da aula passada. No caso estudaremos arranjos com repetção, permutações crculares e o

Leia mais

(B) Considere X = antes e Y = depois e realize um teste t para dados pareados e um teste da ANOVA de um DBC com 5 blocos. Compare os resultados.

(B) Considere X = antes e Y = depois e realize um teste t para dados pareados e um teste da ANOVA de um DBC com 5 blocos. Compare os resultados. INF 6 Notas de aula sujeto a correções Prof. Luz Alexandre Peternell (B) Consdere X antes e Y depos e realze um teste t para dados pareados e um teste da ANOVA de um DBC com 5 blocos. Compare os resultados.

Leia mais

FÍSICO-QUÍMICA I Termodinâmica do Equilíbrio

FÍSICO-QUÍMICA I Termodinâmica do Equilíbrio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Químca, ICEx, Setor de Físco-Químca FÍSICO-QUÍMICA I Termodnâmca do Equlíbro Prof. Wellngton Ferrera de MAGALHÃES, Departamento de Químca, e-mal: welmag@ufmg.br

Leia mais

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES 1. Obtenha os estmadores dos coefcentes lnear e angular de um modelo de regressão lnear smples utlzando o método

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011

PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2010/2011 Instruções: PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 00/0 Cada uestão respondda corretamente vale (um) ponto. Cada uestão respondda ncorretamente vale - (menos um) ponto. Cada uestão

Leia mais

4 Análise termoeconômica

4 Análise termoeconômica 4 Análse termoeconômca Os capítulos precedentes abordaram questões emnentemente térmcas da aplcação de nanofludos em sstemas ndretos de refrgeração. Ao tratar das magntudes relatvas e da natureza das componentes

Leia mais

Capítulo 3. Espécie 1 (Massa molar M 1 ) Espécie 2 (Massa molar M 2 ) Espécie 3 (Massa molar M 3 ) Espécie N (Massa molar M N )

Capítulo 3. Espécie 1 (Massa molar M 1 ) Espécie 2 (Massa molar M 2 ) Espécie 3 (Massa molar M 3 ) Espécie N (Massa molar M N ) Capítulo 3 COCETRAÇÕES, VELOCDADES E FLUXOS Antes de apresentarmos as equações fundamentas da dfusão de calor e massa, objetvo central dos Capítulos 4 e 5, é convenente ntroduzrmos concetos assocados ao

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais