Esquemas simétricos de cifra

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esquemas simétricos de cifra"

Transcrição

1 Esquemas siméticos de cifa Notas paa a UC de Seguaça Ifomática Iveo de 12/13 Pedo Félix (pedofelix em cc.isel.ipl.pt) Istituto Supeio de Egehaia de Lisboa

2 Sumáio Pimitivas de cifa em bloco Pimitivas iteadas Cifa múltipla Modos de opeação Fomas de paddig P. Félix, 2007 Esquemas siméticos de cifa 2

3 Pimitivas de cifa em bloco Pimitiva de cifa em bloco Fução E: {0,1} l {0,1} {0,1} tal que k {0,1} l a fução E(k) é uma pemutação Desiga-se po D: {0,1} l {0,1} {0,1} a fução que veifica k {0,1} l e m {0,1} : D(k)(E(k)(m)) = m A dimesão do bloco é (ex. 64 bit, 128 bit) A dimesão da chaves é l (ex. 56 bit, 128 bit, 256 bit) Bloco ( bits) chave (l bits) Bloco ( bits) E D Bloco ( bits) Bloco ( bits) 3

4 Notas A dimesão do bloco deve se suficietemete elevada paa impossibilita ataques baseados a estatística do texto em clao A dimesão da chave l deve se suficietemete elevada paa impossibilita ataques de pesquisa exaustiva Elemetos costutoes Substituições Tasposições Redes SP (Substitutio-Pemutatio) S S S S P S S S S P... S S S S P 4

5 Pimitivas iteadas Dada uma fução R: {0,1} {0,1}, pode se ciado um sistema de cifa po composições sucessivas desta fução: E(k) = ( R(k ) o R(k -1 ) o o R(k 1 ) ) Um sistema assim obtido diz-se iteado. A fução R é desigada po fução de oud e cada aplicação da fução costitui um oud Paa cada oud é utilizada uma sub-chave k i deivada da chave k foecida ao sistema A obteção das sub-chaves é desigada po escaloameto de chaves (key schedulig) m Roud 1 Roud 2 Roud R R... R c k 1 k 2 k 5

6 Cifa múltipla: cifa dupla Resolve a baixa dimesão das chaves a pimitiva DES (l = 56) Pimeia solução: Cifa um bloco usado uma chave e cifa o esultado com outa chave: c = E(k 2 )(E(k 1 )(m)) m = D(k 1 )(D(k 2 )(c)) Se a pimitiva costitui um gupo em elação à composição, etão existe uma chave k 3 tal que c = E(k 2 )(E(k 1 )(m)) = E(k 3 )(m) qualque que seja m Pova-se que a pimitiva DES ão costitui um gupo Espaço de chaves 2 2, o que implica uma pesquisa exaustiva com 2 2 opeações. No etato, um ataque meet-i-the-middle eduz o úmeo de chaves a testa paa

7 Ataque meet-i-the-middle Neste ataque, o advesáio tem dois paes (m 1, c 1 ) e (m 2, c 2 ) tal que c 1 = E(k 2 )E(k 1 )(m 1 )) c 2 = E(k 2 )E(k 1 ) (m 2 )) Paa todo o k possível, o advesáio calcula E(k)(m 1 ) e guada o esultado Paa todo o k possível, o advesáio calcula D(k)(c 1 ) e compaa o esultado com os esultado do poto ateio. Se coicidi com algum, é possível que o pa de chaves obtido seja o pa (k 1, k 2 ) (k 1 - chave usada a cifa, k 2 chave usada a decifa) Se se veifica que c 2 = E(k 2 )(E(k 1 )(m 2 )), ode (k 2, k 1 ) é o pa de chaves ecotado o passo ateio, etão, com bastate pobabilidade, o pa obtido é o pa (k 1, k 2 ) pocuado A pobabilidade pode se aumetada veificado com outos paes clao-cifa (m i, c i ) O ataque utiliza o máximo de 2.2 = 2 +1 cifas. 7

8 Cifa múltipla: cifa tipla Outa solução: (E-D-E) Opea tês vezes sobe um bloco usado duas chaves: c = E(k 1 )(D(k 2 )(E(k 1 )(m))) As chaves k 1 e k 2 alteam paa evita um ataque meet-i-the-middle. Outa solução: Opea tês vezes sobe um bloco usado tês chaves: c = E(k 3 )(D(k 2 )(E(k 1 )(m))) Noma: FIPS 46-3 e ANSI X9.52 Poquê EDE e ão EEE? Se k 1 = k 2 o modo tiplo tasfoma-se o modo simples. 8

9 Modos de opeação Poblema: Como efectua a cifa de mesages com dimesão supeio à de um bloco? Cosideações: Padões o texto em clao ão deveão se evidetes o texto cifado A eficiêcia do método usado ão deveá se muito ifeio à eficiêcia da pimitiva de cifa em bloco usada A dimesão do texto cifado deve se apoximadamete igual à dimesão do texto em clao Em algumas aplicações é impotate que a decifa seja capaz de ecupea de eos, adições e emoções de bits ocoidos o texto cifado Acesso aleatóio capacidade de decifa e altea apeas pate do ciptogama 9

10 Modo Electoic-CodeBook (ECB) m j E D m j k Cifa k Decifa m 1 m 2... m L E(k) E(k) E(k) c 1 c 2... c L D(k) D(k) D(k) m 1 m 2... m L 10

11 Modo electoic-codebook (ECB) Blocos de texto em clao iguais: Blocos de texto em clao iguais, cifados com a mesma chave, implicam blocos de texto cifado iguais Itedepedêcia a cifa: A cifa é ealizada de foma idepedete de bloco paa bloco Popagação de eos: A ocoêcia de eos um bloco de texto cifado afecta apeas a decifa desse bloco Acesso aleatóio: Pemite acesso aleatóio paa decifa e ecifa de múltiplos de blocos. P. Félix, 2007 Esquemas siméticos de cifa 11

12 Modo ciphe block chaiig (CBC) C 0 =IV C 0 =IV c j-1 c j-1 m 1 m 2... m L m j... E c j D m j E(k) E(k) E(k) k Cifa k Decifa IV c 1 c 2... c L D(k) D(k) D(k)... m 1 m 2... m L 12

13 Modo ciphe block chaiig (CBC) Blocos de texto em clao iguais: Sob a mesma chave e sob o mesmo vecto de iiciação, duas mesages iguais implicam ciptogamas iguais Itedepedêcia a cifa: A cifa de um bloco de texto em clao afecta a cifa dos blocos seguites Popagação e ecupeação de eos: A ocoêcia de eos um bloco c j de texto cifado afecta a decifa do pópio bloco e a do bloco seguite c j+1. A decifa do bloco c j+1 teá eos as mesmas posições que c j Obsevações: A eodeação dos blocos de texto cifado afecta a decifa É elativamete fácil maipula um detemiado bloco de texto em clao 13

14 Modos de opeação em steam Modo Steam Estado I Key steam ks ks i = E(k)(I i ) I c i = m i ks i Ciphe FeedBack (CFB) I i CTR I i = c i-1 Output FeedBack (OFB) I i = ks i-1 Coute (CTR) ks i E OFB CFB I i = f(i i-1 ) Poblema: se ks i = ks j etão m i m j = c i c j m i c i 14

15 Modo Ciphe feedback (CFB) shift de -bits shift de -bits I 1 =IV I j I 1 =IV I j k E E k m j c j m j Cifa Decifa 15

16 Modo Ciphe feedback (CFB) Blocos de texto em clao iguais: Sob a mesma chave e sob o mesmo vecto de iiciação, duas mesages iguais implicam ciptogamas iguais Itedepedêcia a cifa: A cifa de um bloco de texto em clao afecta a cifa dos blocos seguites Popagação e ecupeação de eos: A ocoêcia de eos um bloco c j de texto cifado afecta a decifa do pópio bloco e a dos / blocos seguites. O bloco m j esultate da decifa do bloco c j teá eos as mesmas posições que c j Obsevações: A eodeação dos blocos de texto cifado afecta a decifa É elativamete fácil maipula um detemiado bloco de texto em clao 16

17 Modo Output feedback (OFB) I 1 =IV I j I 1 =IV I j k E E k m j c j m j Cifa Decifa 17

18 Modo Output feedback (OFB) Blocos de texto em clao iguais: Sob a mesma chave e sob o mesmo vecto de iiciação, duas mesages iguais implicam ciptogamas iguais Popagação e ecupeação de eos: A ocoêcia de eos um bloco de texto cifado c j afecta apeas a decifa desse bloco. O bloco m j esultate da decifa do bloco c j teá eos as mesmas posições que c j Obsevações: É elativamete fácil maipula um detemiado bloco de texto em clao 18

19 Modo Coute (CTR) I 1 =IV I j I i+1 =I i +1 I i+1 =I i +1 I j k E E k m j c j m j Cifa Decifa 19

20 Modo Coute (CTR) Blocos de texto em clao iguais: Sob a mesma chave e sob o mesmo vecto de iiciação, duas mesages iguais implicam ciptogamas iguais Popagação e ecupeação de eos: A ocoêcia de eos um bloco de texto cifado c j afecta apeas a decifa desse bloco. O bloco m j esultate da decifa do bloco c j teá eos as mesmas posições que c j Acesso aleatóio: Pemite acesso aleatóio paa decifa e ecifa de bits Obsevações: É elativamete fácil maipula um detemiado bloco de texto em clao 20

21 Vectoes iiciais Nuca epeti o IV CBC poblema do ECB o pimeio bloco Modos CFB, OFB e CTR epetição do key steam Os IV ão têm de se cofideciais Geação do IV Cotado Poblema: pequea distâcia de hammig Pevisível Poblema: ataques activos (ex. SSH) Aleatóio Pefixa à mesagem Baseado em ouce (umbe used oce) CBC: IV = E k (ouce) CTR: S = ouce i 21

22 Qual escolhe CBC Muito usado a pática: SSL, IPSEC,... Seguo o modelo CPA (Chose Plaitext Atack) CTR Pouco usado a pática: ão faz pate dos modos de opeação omalizados paa utilização com o DES (FIPS PUB 81) Seguo o modelo CPA Opeação em paalelo Acesso aleatóio Não amplifica eos Não ecessita de paddig Modo de opeação em steam 22

23 Paddig Seja X o úmeo de bytes a acesceta paa que a dimesão da mesagem seja múltipla da dimesão do bloco PKCS# 5 (CBC-PAD): Acesceta X bytes com o valo X Utilizações PKCS# 7, CMS, SSL ESP-PAD: Acesceta X bytes com os valoes X Utilizações: IPSEC SSH-PAD: Acesceta X-1 bytes aleatóios seguido do byte com valo X A seguaça do esquema depede da foma de paddig? Ataque poposto po S. Vaudeay: chose ciphetext attack utilizado o destiatáio como oáculo que ecebe ciptogamas e etoa 1 ou 0 cofome o paddig esteja coecto ou ão. 23

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes Capítulo 4 Vaiáveis Aleatóias Discetas Pof. Fabício Maciel Gomes Picipais Distibuições de Pobabilidade Discetas Equipovável Beoulli Biomial Poisso Geomética Pascal Hipegeomética Distibuição Equipovável

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra 5. Campo Gavítico ómalo elação ete o potecial gavítico e o potecial omal é dada po: W ( x, y, z = U( x, y,z + ( x, y,z O campo gavítico aómalo ou petubado é etão defiido pela difeeça do campo gavítico

Leia mais

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy 1 - CORRELAÇÃO LINEAR IMPLE Em pesquisas, feqüetemete, pocua-se veifica se existe elação ete duas ou mais vaiáveis, isto é, sabe se as alteações sofidas po uma das vaiáveis são acompahadas po alteações

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

APONTAMENTOS DE COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA

APONTAMENTOS DE COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA (CÁLCULO DIFERENCIAL EM ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Cálculo Dieecial em Cálculo dieecial em

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano Escola Secundáia/ da Sé-Lamego Ficha de Tabalho de Matemática Ano Lectivo 00/04 Geometia - Revisões º Ano Nome: Nº: Tuma: A egião do espaço definida, num efeencial otonomado, po + + = é: [A] a cicunfeência

Leia mais

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz defi depatamento de física Laboatóios de Física www.defi.isep.ipp.pt Campo Magnético poduzido po Bobinas Helmholtz Instituto Supeio de Engenhaia do Poto- Depatamento de Física ua D. António Benadino de

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

Segurança Informática em Redes e Sistemas

Segurança Informática em Redes e Sistemas Segurança Informática em Redes e Sistemas W5a - Criptografia Grupo 6 Maria Couceiro João Martins Pedro Santinhos Tipos e Modos de Cifra Criptografia Arte ou ciência de escrever de forma a ocultar conteúdos

Leia mais

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES CÓDIGOFO 7.5./0 REVISÃO 0 PÁGINA de CONCURSO DOCENTES EFETIVOS DO COLÉGIO PEDRO II DATA//0 CARGO/ARÉA MATEMÁTICÁ CONTEÚDO PROGRAMÁTICOSISTEMAS LINEARES/ VETORES NO R /GEOMETRIA ANALÍTICA EMR. NÍVEL DE

Leia mais

Série II - Resoluções sucintas Energia

Série II - Resoluções sucintas Energia Mecânica e Ondas, 0 Semeste 006-007, LEIC Séie II - Resoluções sucintas Enegia. A enegia da patícula é igual à sua enegia potencial, uma vez que a velocidade inicial é nula: V o mg h 4 mg R a As velocidades

Leia mais

Funções analíticas complexas

Funções analíticas complexas Capítulo 5 Fuções aalíticas complexas 5 Itodução As fuções aalíticas são as fuções epesetáveis po séies de potêcias Até meados do séc XVII a oção de fução cofudia-se com a de fómula algébica com vaiáveis,

Leia mais

1. Revisão Matemática

1. Revisão Matemática Se x é um elemeto do cojuto Notação S: x S Especificação de um cojuto : S = xx satisfaz propriedadep Uião de dois cojutos S e T : S T Itersecção de dois cojutos S e T : S T existe ; para todo f : A B sigifica

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da

Leia mais

Segurança em Redes - 3

Segurança em Redes - 3 Núcleo de Computação Eletrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Segurança em Redes - 3 Luiz Fernando Rust e-mail: INMETRO Tel. (021) 2679-9072 rust@nce.ufrj.br lfrust@inmetro.gov.br 11 Criptografia

Leia mais

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Lui Fancisco da Cu Depatamento de Matemática Unesp/Bauu CAPÍTULO VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Vetoes no plano O plano geomético, também chamado de R, simbolicamente escevemos: R RR {(,), e R}, é o conunto

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

OTES07 Segurança da Informação Módulo 05b: Criptografia Simétrica: AES/SAES

OTES07 Segurança da Informação Módulo 05b: Criptografia Simétrica: AES/SAES OTES07 Segurança da Informação Módulo 05b: Criptografia Simétrica: AES/SAES Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br Roteiro Criptografia Moderna: Histórico AES e SAES SAES Componentes

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

O syslog. Nuno Alexandre Magalhães Pereira 9 de Novembro de 2004

O syslog. Nuno Alexandre Magalhães Pereira 9 de Novembro de 2004 O syslog Nuno Alexandre Magalhães Pereira 9 de Novembro de 2004 1 Introdução Uma grande parte dos programas necessitam/devem, de alguma forma, manter um registo das suas acções. Em versões iniciais do

Leia mais

DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA

DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA Aulas páticas de Óptica e Acústica º semeste de / DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA Conceitos envolvidos: Equações de Maxwell, dispesão, polaizabilidade, índice de efacção, pisma, ede de difacção

Leia mais

SISTEMA DE COORDENADAS

SISTEMA DE COORDENADAS ELETROMAGNETISMO I 1 0 ANÁLISE VETORIAL Este capítulo ofeece uma ecapitulação aos conhecimentos de álgeba vetoial, já vistos em outos cusos. Estando po isto numeado com o eo, não fa pate de fato dos nossos

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas eléticas em altas fequências A gande maioia das medidas eléticas envolve o uso de cabos de ligação ente o ponto de medição e o instumento de medida. Quando o compimento de onda do sinal medido

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO INTRODUÇÃO... NOÇÕES BÁSICAS... POSIÇÃO DE UM PONTO EM RELAÇÃO AO SISTEMA...4 DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS...6 RAZÃO DE SECÇÃO... 5 DIVISÃO DE UM SEGMENTO NUMA RAZÃO DADA... 6 PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO...

Leia mais

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.)

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.) EOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Egehaia Témica e Fluidos Foma Itegal das Equações Básicas paa Volume de Cotole (cot.) Teoema do Taspote de Reyolds: elação geal ete a taxa de vaiação de qq. popiedade

Leia mais

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Colégio de S. Goçalo - Amarate - F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Este método, sob determiadas codições, apreseta vatages sobre os método ateriores: é de covergêcia mais rápida e, para ecotrar as raízes, ão

Leia mais

O que é. Segurança da Informação. Introdução à Criptografia. Segurança da Informação. Prof. João Bosco M. Sobral

O que é. Segurança da Informação. Introdução à Criptografia. Segurança da Informação. Prof. João Bosco M. Sobral O que é Segurança da Informação Introdução à Criptografia Segurança da Informação Prof. João Bosco M. Sobral 1 O que é Segurança da Informação Segurança de Informação relaciona-se com vários e diferentes

Leia mais

Engenharia de Segurança

Engenharia de Segurança Engenharia de Segurança Profa. Dra. Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco kalinka@icmc.usp.br Slides baseados nas transparências de diversos professores e autores de livros (prof. Edward David Moreno,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. ANDRÉ RENATO. Criptografia

PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. ANDRÉ RENATO. Criptografia PROGRAMAÇÃO COM ARQUIVOS PROF. ANDRÉ RENATO Criptografia VISÃO GERAL A criptografia é a área da matemática (computação) que estuda a transformação de valores (números, letras, mensagens, arquivos...) legíveis

Leia mais

ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS

ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS Atu Cuz de Sousa Acadêmico do 9º peíodo do cuso de Licenciatua em Matemática pela UFT. Bolsista do PIBID (Pogama

Leia mais

Conceitos básicos de criptografia

Conceitos básicos de criptografia Conceitos básicos de criptografia Criptografia Conseguir que um grupo de pessoas transmita informação entre elas que seja ininteligível para todas as outras Uma solução: ter um dialecto próprio secreto

Leia mais

Cifra Aleatória P. Quaresma. Cifra Aleatorizada P. Quaresma

Cifra Aleatória P. Quaresma. Cifra Aleatorizada P. Quaresma às Cifra Aleatória Fieiras Defiição ( ) Uma -bit ifra por bloos é uma fução : V K V, tal que para ada -bit K K, (P, K) é uma fução ivertível (a fução de eriptação para K) de V para V, deotada por K (P).

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Matemática. Geodesia Física. João Catalão

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Matemática. Geodesia Física. João Catalão Faculdade de Ciêcias da Uivesidade de Lisboa Depatameto de Matemática Geodesia Física João Catalão Lisboa, Fudametos do campo gavítico Ídice Capítulo - Fudametos do Campo gavítico. O campo gavítico...

Leia mais

Prova Escrita de Matemática B

Prova Escrita de Matemática B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Deceto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Pova Escita de Matemática B 10.º e 11.º Anos de Escolaidade Pova 735/.ª Fase 13 Páginas Duação da Pova: 150 minutos. Toleância:

Leia mais

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Capítulo 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Cap. 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Índice Lei de iot-savat; Cálculo do Campo Poduzido po uma Coente; Foça Ente duas Coentes Paalelas; Lei

Leia mais

1ª etapa Despertando o olhar geométrico

1ª etapa Despertando o olhar geométrico Oficina Geometia Nesta oficina seão tabalhados alguns conceitos geométicos impotantes: Ângulos Paalelismo e pependiculaidade Polígonos e cicunfeência Simetia O mateial tem o objetivo de desenvolve as seguintes

Leia mais

DIVERGÊNCIA DO FLUXO ELÉTRICO E TEOREMA DA DIVERGÊNCIA

DIVERGÊNCIA DO FLUXO ELÉTRICO E TEOREMA DA DIVERGÊNCIA ELETROMAGNETIMO I 18 DIVERGÊNCIA DO FLUXO ELÉTRICO E TEOREMA DA DIVERGÊNCIA.1 - A LEI DE GAU APLICADA A UM ELEMENTO DIFERENCIAL DE VOLUME Vimos que a Lei de Gauss pemite estuda o compotamento do campo

Leia mais

Cifras. Cifras e Chaves

Cifras. Cifras e Chaves Cifra: Cifras Algoritmo criptográfico; Uma função matemática que efectua transformações entre texto limpo e o criptograma A segurança de uma cifra não deve depender do seu secretismo, mas sim do parâmetro

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues ula 5 Veto Posição, plicações do Poduto Escala Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos bodados Nesta ula Vetoes Posição. Veto Foça Oientado ao Longo de

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 6- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 6. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 6- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 6. uso escolar. Venda proibida. 6 ENSINO FUNDMENTL 6- º ano Matemática tividades complementaes Este mateial é um complemento da oba Matemática 6 Paa Vive Juntos. Repodução pemitida somente paa uso escola. Venda poibida. Samuel Casal

Leia mais

Criptografia. Criptografia. Criptografia. Criptografia - Termos. Profº. Esp. Salomão Soares salomaosoares@bol.com.

Criptografia. Criptografia. Criptografia. Criptografia - Termos. Profº. Esp. Salomão Soares salomaosoares@bol.com. Criptografia Criptografia Profº. Esp. Salomão Soares salomaosoares@bol.com.br Macapá/AP 2012 Método para proteção de acesso de pessoas não autorizadas à informação sigilosa; Este método busca armazenar

Leia mais

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados Demostações Geométicas, Algébicas e Solução de Equações Discetas utilizado as Sequêcias de Númeos Figuados José Atoio Salvado Depatameto de Matemática - CCET - Uivesidade Fedeal de São Calos 3565-905,

Leia mais

APROXIMAÇÃO POR MÍNIMOS QUADRADOS. Consideremos a seguinte tabela de valores de uma função y = f(x):

APROXIMAÇÃO POR MÍNIMOS QUADRADOS. Consideremos a seguinte tabela de valores de uma função y = f(x): APROXIAÇÃO POR ÍNIOS QUADRADOS Cosideremos a seguite tabela de valores de uma fução y = f(x): i 3 x i 6 8 y i 8 Pretede-se estimar valores da fução em potos ão tabelados. Poderíamos utilizar o poliómio

Leia mais

Revisão Vetores em R n

Revisão Vetores em R n Revisão Vetoes em R Deiição O espaço vetoial R é o cojuto R : {( x1,, x) xi R, i 1,, } o qual deiimos as opeações: a) Se u ( x 1,, x ) e v ( y 1,, y ) estão em R temos que u + v ( x1 + y1,, x + y) ; b)

Leia mais

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados ap03 - Estudo da foça de inteação ente copos eletizados 3.1 INTRODUÇÃO S.J.Toise omo foi dito na intodução, a Física utiliza como método de tabalho a medida das qandezas envolvidas em cada fenômeno que

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Monetária)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Monetária) Fedeal Univesity of Roaima, Bazil Fom the SelectedWoks of Elói Matins Senhoas Winte Januay 1, 2008 Cuso de Extensão: Noções de Macoeconomia paa RI (Política Monetáia) Eloi Matins Senhoas Available at:

Leia mais

SUCESSÕES E SÉRIES. Definição: Chama-se sucessão de números reais a qualquer f. r. v. r., cujo domínio é o conjunto dos números naturais IN, isto é,

SUCESSÕES E SÉRIES. Definição: Chama-se sucessão de números reais a qualquer f. r. v. r., cujo domínio é o conjunto dos números naturais IN, isto é, SUCESSÕES E SÉRIES Defiição: Chama-se sucessão de úmeros reais a qualquer f. r. v. r., cujo domíio é o cojuto dos úmeros aturais IN, isto é, u : IN IR u( ) = u Defiição: i) ( u ) IN é crescete IN, u u

Leia mais

CURSO ADONAI LINGUAGEM PHP Prof. Alexandre Eugênio. RESUMO - Capitulo 36 - PHP - Criptografia e Segurança

CURSO ADONAI LINGUAGEM PHP Prof. Alexandre Eugênio. RESUMO - Capitulo 36 - PHP - Criptografia e Segurança Possíveis Ataques Adulteração de Site Código vulnerável RESUMO - Capitulo 36 - PHP - Criptografia e Segurança $visitor = @$_GET['visitor']; // Solução para vulnerabilidade // $visitor = htmlspecialchars(@$_get['visitor']);

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Criptografia Outubro de 2014 1 Criptografia kryptós (escondido) + gráphein (escrita) A criptografia utiliza algoritmos (funções) que recebem informação e produzem resultados

Leia mais

Reversão da Intensidade de Capital, Retorno das Técnicas e Indeterminação da

Reversão da Intensidade de Capital, Retorno das Técnicas e Indeterminação da evesão da Intensidade de Capital, etono das Técnicas e Indeteminação da Dotação de Capital : a Cítica Saffiana à Teoia Neoclássica. Fanklin Seano, IE-UFJ Vesão evista, Outubo 2005 I.Capital Homogêneo Suponha

Leia mais

Aluno(a): Professor: Chiquinho

Aluno(a): Professor: Chiquinho Aluo(a): Pofesso: Chquho Estatístca Básca É a cêca que tem po objetvo oeta a coleta, o esumo, a apesetação, a aálse e a tepetação de dados. População e amosta - População é um cojuto de sees com uma dada

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Egehaia de Loea EEL LOB101 - FÍSICA IV Pof. D. Duval Rodigues Juio Depatameto de Egehaia de Mateiais (DEMAR) Escola de Egehaia de Loea (EEL) Uivesidade de São Paulo

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Laboratório Avançado de Física DETERMINAÇÃO DA CARGA ELEMENTAR: EXPERIÊNCIA DE MILLIKAN

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Laboratório Avançado de Física DETERMINAÇÃO DA CARGA ELEMENTAR: EXPERIÊNCIA DE MILLIKAN Univesidade de São Paulo Instituto de Física de São Calos Laboatóio Avançado de Física DETERMINAÇÃO DA CARGA ELEMENTAR: EXPERIÊNCIA DE MILLIKAN I- Objetivos A expeiência tem como pincipal objetivo a veificação

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

Criptografia. Módulo I Terminologia. M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt 2006/2007. Departamento de Informática Universidade do Minho

Criptografia. Módulo I Terminologia. M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt 2006/2007. Departamento de Informática Universidade do Minho Criptografia Módulo I Terminologia M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt Departamento de Informática Universidade do Minho 2006/2007 Introdução Segurança da Informação Segurança da Informação Comunicação segura

Leia mais

Generalidades sobres funções. ab, em que a pertence a A e b pertence a B.

Generalidades sobres funções. ab, em que a pertence a A e b pertence a B. mata1 unções Poduto catesiano de A po B Genealidades sobes unções,, conjunto dos paes odenados, A B a b a A b B Gáico de uma unção ab, em que a petence a A e b petence a B. G A B é um gáico de uma unção

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho

Matemática Ficha de Trabalho . Resolve e classifica os sistemas: x + y = x + y = x + y = B x y = Matemática Ficha de Tabalho Revisões 9ºano módulo inicial ( ) x + 4 = 5 y C 4x + y = 8 ( ) y = 6 x D ( 6x + 0) = y 5. Considea o pisma

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Pergunta Resposta 1 A B C D E F 2 A B C D E F 3 A B C D E F 4 A B C D E F 5 A B C D E F 6 A B C D E F

Leia mais

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia)

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia) Univesidade de Évoa Depatamento de Física Ficha de eecícios paa Física I (Biologia) 4- SISTEMA DE PARTÍCULAS E DINÂMICA DE ROTAÇÃO A- Sistema de patículas 1. O objecto epesentado na figua 1 é feito de

Leia mais

Mecânica e Ondas. Trabalho I. Conservação da Energia Mecânica da Roda de Maxwell

Mecânica e Ondas. Trabalho I. Conservação da Energia Mecânica da Roda de Maxwell Mecânica e Ondas Tabalho I Consevação da Enegia Mecânica da Roda de Maxwell Objectivo Deteminação do momento de inécia da oda de Maxwell. Estudo da tansfeência de enegia potencial em enegia de tanslação

Leia mais

Evento: Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação Edital N 262/2013 PARECER

Evento: Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação Edital N 262/2013 PARECER Conhecimentos Específicos Questão 22 O termo função no ITIL consiste em um grupo de pessoas ou equipe e as ferramentas que utilizam para realizar um ou mais processos ou atividades. Pode ser visto ainda

Leia mais

AT4 DESENHO GEOMÉTRICO SEQUÊNCIA DE CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS

AT4 DESENHO GEOMÉTRICO SEQUÊNCIA DE CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS L M NNI MINTL a U/USa epatamento de ngenhaia ivil da USa xpessão áfica paa ngenhaia T4 SN MÉTI SQUÊNI NSTUÇÕS MÉTIS ste texto teóico apesenta uma séie de constuções geométicas () que são consideadas básicas.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO 2011-2012 Geometia no Epaço NOME: Nº TURMA: Geometia é o amo da Matemática que etuda a popiedade e a elaçõe ente ponto, ecta,

Leia mais

Capítulo 5- Introdução à Inferência estatística.

Capítulo 5- Introdução à Inferência estatística. Capítulo 5- Itrodução à Iferêcia estatística. 1.1) Itrodução.(184) Na iferêcia estatística, aalisamos e iterpretamos amostras com o objetivo de tirar coclusões acerca da população de ode se extraiu a amostra.

Leia mais

o anglo resolve a prova da 2ª fase da FUVEST

o anglo resolve a prova da 2ª fase da FUVEST o anglo esolve É tabalho pioneio. estação de seviços com tadição de confiabilidade. Constutivo, pocua colaboa com as ancas Examinadoas em sua taefa de não comete injustiças. Didático, mais do que um simples

Leia mais

Análise da eficiência de energia de esquemas de retransmissão em redes de sensores IEEE

Análise da eficiência de energia de esquemas de retransmissão em redes de sensores IEEE Aálise da eiciêcia de eegia de esquemas de etasmissão em edes de sesoes IEEE 82.5.4 João. Kleischmidt e Walte C. Boelli Depatameto de Telemática - DT Faculdade de Egehaia Elética e de Computação - FEEC

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

Balanço de fases para melhorar os níveis de tensão utilizando a Metaheurística Busca em Vizinhança Variável

Balanço de fases para melhorar os níveis de tensão utilizando a Metaheurística Busca em Vizinhança Variável Balanço de fases paa melhoa os níveis de tensão utilizando a Metaheuística Busca em Vizinhança Vaiável 1 W. Guea, Eneq-USP, and N. Kagan, Senio Membe, IEEE Resumo-- Este tabalho apesenta a fomulação e

Leia mais

Física II 2EI 2003 / 04 2º Semestre. Física II. Eng. Informática Carga e densidade de carga

Física II 2EI 2003 / 04 2º Semestre. Física II. Eng. Informática Carga e densidade de carga Física II Eng. Infomática 003-004 1 Caga e densidade de caga As patículas elementaes caegadas são o electão e o potão. Possuem uma caga de igual valo, mas de sinal contáio. Caga do electão: e = -1.6010

Leia mais

1. Revisão Matemática

1. Revisão Matemática Sequêcias de Escalares Uma sequêcia { } diz-se uma sequêcia de Cauchy se para qualquer (depedete de ε ) tal que : ε > 0 algum K m < ε para todo K e m K Uma sequêcia { } diz-se ser limitada superiormete

Leia mais

( ) ρ = ( kg/m ) ρ = 1000 kg/m 4ºC CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS FLUIDOS

( ) ρ = ( kg/m ) ρ = 1000 kg/m 4ºC CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS FLUIDOS CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS LUIDOS luidos são substâncias que odem flui, escoa-se com maio ou meno facilidade oque as suas moléculas: movem-se umas em edo das outas com equeno atito, como nos líquidos e estão

Leia mais

II MATRIZES DE RIGIDEZ E FLEXIBILIDADE

II MATRIZES DE RIGIDEZ E FLEXIBILIDADE Cuso de nálise Maticial de stutuas II MTIZS D IGIDZ FXIBIIDD II.- elação ente ações e deslocamentos II.. quação da oça em temos do deslocamento F u Onde a igidez da mola () é a oça po unidade de deslocamento,

Leia mais

2.5 Aplicações da lei de Gauss para distribuições de carga com simetria

2.5 Aplicações da lei de Gauss para distribuições de carga com simetria .5 Aplicações da lei de Gauss paa distibuições de caga com simetia Paa distibuições de caga com alto gau de simetia, a lei de Gauss pemite calcula o campo elético com muita facilidade. Pecisamos explica

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

Estudando complexidade de algoritmos

Estudando complexidade de algoritmos Estudado complexidade de algoritmos Dailo de Oliveira Domigos wwwdadomicombr Notas de aula de Estrutura de Dados e Aálise de Algoritmos (Professor Adré Bala, mestrado UFABC) Durate os estudos de complexidade

Leia mais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais Secção. Itrodução às equações difereciais (Farlow: Sec..,.) Cosideremos um exemplo simples de um feómeo que pode ser descrito por uma equação diferecial. A velocidade de um corpo é defiida como o espaço

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

A VELOCIDADE DE SAIDA DO VENTO É 1/3 DA VELOCIDADE DE ENTRADA DO VENTO.

A VELOCIDADE DE SAIDA DO VENTO É 1/3 DA VELOCIDADE DE ENTRADA DO VENTO. 5 CONCLUIMOS QUE A ELAÇÃO p T = P POTENCIA CEDIDA POTENCIA DISPONIEL À TUBINA NA ÁEA ATINGIÁ UM ALO MÁXIMO QUANDO 2 = 3 2 = 3 A ELOCIDADE DE SAIDA DO ENTO É /3 DA ELOCIDADE DE ENTADA DO ENTO. p NESTAS

Leia mais

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas Seção 4: Laplaciano em Coodenadas Esféicas Paa o leito inteessado, na pimeia seção deduimos a expessão do laplaciano em coodenadas esféicas. O leito ue estive disposto a aceita sem demonstação pode dietamente

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Vetores, 1. CAPÍTULO 2 Retas e Planos, 31. CAPÍTULO 3 Cônicas e Quádricas, 63. CAPÍTULO 4 Espaços Euclidianos, 87.

Sumário. CAPÍTULO 1 Vetores, 1. CAPÍTULO 2 Retas e Planos, 31. CAPÍTULO 3 Cônicas e Quádricas, 63. CAPÍTULO 4 Espaços Euclidianos, 87. Sumáio Pefácio à quata edição, ix CAPÍTULO 1 Vetoes, 1 1.1 Peliminaes, 1 1.2 Vetoes, 2 1.3 Adição de Vetoes, 3 1.4 Poduto po Escalaes, 6 1.5 Dependência e Independência Lineaes, 9 1.6 O Poduto Inteno,

Leia mais

A OFERTA DO ENSINO MÉDIO NAS REGIÕES DE INTEGRAÇÃO DO MARAJÓ E METROPOLITANA DE BELÉM/PA¹

A OFERTA DO ENSINO MÉDIO NAS REGIÕES DE INTEGRAÇÃO DO MARAJÓ E METROPOLITANA DE BELÉM/PA¹ A OFERTA DO ENSINO MÉDIO NAS REGIÕES DE INTEGRAÇÃO DO MARAJÓ E METROPOLITANA DE BELÉM/PA¹ Gean Feeia de Noonha Gaduando de Pedagogia Univesidade Fedeal do Paá. gean.noonha@hotmail.com Layza Amanda Silva

Leia mais

Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Mínimos

Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Mínimos Notas de aula de Métodos Numéricos. c Departameto de Computação/ICEB/UFOP. Ajuste de Curvas pelo Método dos Quadrados Míimos Marcoe Jamilso Freitas Souza, Departameto de Computação, Istituto de Ciêcias

Leia mais

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS.

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS. Expeimentos Fatoiais 89. EXPERIMENTOS FTORIIS. Nos expeimentos mais simples compaamos tatamentos ou níveis de um único fato, consideando que todos os demais fatoes que possam intefei nos esultados obtidos

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Seja uma v.a. que assume os valores,,..., com probabilidade p, p,..., p associadas a cada elemeto de, sedo p p... p diz-se que está defiida

Leia mais

Polarização Circular e Elíptica e Birrefringência

Polarização Circular e Elíptica e Birrefringência UNIVRSIDAD D SÃO PAULO Polaização Cicula e líptica e Biefingência Nessa pática estudaemos a polaização cicula e elíptica da luz enfatizando as lâminas defasadoas e a sua utilização como instumento paa

Leia mais

Análise de Tensões em Placas Circulares Utilizando Elementos Finitos Axissimétricos

Análise de Tensões em Placas Circulares Utilizando Elementos Finitos Axissimétricos UIVERSIDADE FEDERA DE ITAJUBÁ ISTITUTO DE EGEHARIA MECÂICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA MECÂICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Aálise de Tesões em Placas Ciculaes Utiliado Elemetos Fiitos Aissiméticos

Leia mais

RECONHECIMENTO DE GESTOS DE MÃO USANDO O ALGORITMO GMM E VETOR DE CARACTERÍSTICAS DE MOMENTOS DE IMAGEM

RECONHECIMENTO DE GESTOS DE MÃO USANDO O ALGORITMO GMM E VETOR DE CARACTERÍSTICAS DE MOMENTOS DE IMAGEM RECONHECIMENTO DE GESTOS DE MÃO USANDO O ALGORITMO GMM E VETOR DE CARACTERÍSTICAS DE MOMENTOS DE IMAGEM Hebet Luchetti Ribeio Escola de Engenhaia de São Calos Univesidade de São Paulo-USP São Calos, São

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO

FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO Apaecida Fancisco da SILVA* Helia Matiko Yano KODAMA * Resumo: Este atigo tem como objetivo divulga pate dos tabalhos ealizados em sala de aula de matemática da EE Otacílio

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida. 8 ENSINO FUNMENTL 8-º ano Matemática tividade complementae Ete mateial é um complemento da oba Matemática 8 Paa Vive Junto. Repodução pemitida omente paa uo ecola. Venda poibida. Samuel aal apítulo 6 Ete

Leia mais

Amostras Aleatórias e Distribuições Amostrais. Probabilidade e Estatística: afinal, qual é a diferença?

Amostras Aleatórias e Distribuições Amostrais. Probabilidade e Estatística: afinal, qual é a diferença? Amostras Aleatórias e Distribuições Amostrais Probabilidade e Estatística: afial, qual é a difereça? Até agora o que fizemos foi desevolver modelos probabilísticos que se adequavam a situações reais. Por

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE BOBINAS PARA O CONTROLE DE ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS

UTILIZAÇÃO DE BOBINAS PARA O CONTROLE DE ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS INPE-131-PRE/898 UTILIZAÇÃO DE BOBINAS PARA O CONTROLE DE ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS Rafael Navet de Souza * *Bolsista Univesidade São Macos Relatóio Final de Pojeto de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq/INPE),

Leia mais

3. Potencial Eléctrico

3. Potencial Eléctrico 3. Potencial Eléctico 3.1. Difeença de Potencial e Potencial Eléctico. 3.2. Difeenças de Potencial num Campo Eléctico Unifome. 3.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial de Cagas pontuais. 3.4. Potencial

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

Mecânica e Ondas. Capítulo I Interacção mecânica. Lei da atracção gravitacional de Newton

Mecânica e Ondas. Capítulo I Interacção mecânica. Lei da atracção gravitacional de Newton ecânica e Ondas aguspak Cusos EI e EE Capítulo I Inteacção mecânica ei da atacção gavitacional de Newton Se consideamos duas massas pontuais m1 e m, a uma distância ente si, vai have uma foça de atacção

Leia mais

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama.

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama. ELEICIDADE CAPÍULO 5 GEADOES Cofome visto o Capítulo, o geado é uma máquia elética capaz de estabelece uma difeeça de potecial elético (ddp) costate (ou fime) ete os extemos de um coduto elético, de maeia

Leia mais