Exercícios de Cálculo III - CM043

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios de Cálculo III - CM043"

Transcrição

1 Eercícios de Cálculo III - CM43 Prof. José Carlos Corrêa Eidam DMAT/UFPR Dispoível o sítio people.ufpr.br/ eidam/ide.htm o. semestre de 22

2 Lista Sequêcias e séries de úmeros reais. Decida se cada uma das sequêcias abaio é covergete ou divergete, calculado o limite o caso covergete. (, 2, 2 3, 3 4, 4 5, 5 6, 6 7,... (2, 2,, 4,, 8,, 6,... (3 2, 2, 4, 3 4, 8, 7 8,... (4 a = ( (5 a = +, 2 (6 a = (7 a = + (8 a = +( ( (9 a = ( a = ( 2 + ( a = se (3 a = 2+se 5+ (4 a = (+3!! (+4! (2 a = se (5 a = 2 + (6 a = se(! 2 + (7 a = (8 a = ( +2 + (9 a = (+ + (2 a = a, a R (2 a =! (22 a = 2 se (23 a = a + b, < a < b (24 a = ( + ( (25 a = ( 2 ( ( 3... (26 a = +se(2! 7 +3 (27 a = ( (2 (28 a = (29 a = α e, α R (3 a = l α, α > (3 a =! (32 a = a, a > (33 a = ( (34 a = ( + 2 (35 a = ( + (36 a = ( (37 a = ( 3+5 ( ( (38 a = + (39 a 2 = se( π 2 (4 a =! (4 a = ( + ( (2 (42 a = (2!! 2 (43 a = 2 (44 a 5 +( 2 = (45 a = ( + / (46 a =!2 5 (47 a 2 = (48 a = (49 a = (5 a = ( (5 a = (2! (! 2 2. Cosidere a sequêcia a = 2, a 2 = 2 2, a 3 = 2 2 2,... 2

3 (a Verifique que a sequêcia é crescete e limitada superiormete por 2. (b Calcule lim a. 3. Mostre que a sequêcia 2, 2 + 2, ,... coverge para Calcule Neste eercício, estudaremos o crescimeto das somas parciais da série harmôica. (a Sabemos que l = do gráfico, mostre que para todo 2. (b Mostre que l < 2 5 dt t, para qualquer >. Iterpretado a itegral como área abaio l, e coclua que para qualquer m N, m + 2m 5. Isso mostra que, embora a série harmôica seja divergete, suas somas parciais crescem muito letamete. (Por eemplo, (c Cosidere a sequêcia = l,. Mostre que { } é uma sequêcia decrescete limitada iferiormete. O úmero γ. = lim l é chamado de costate de Euler-Mascheroi e vale aproimadamete Decida se cada uma das séries abaio é covergete e calcule sua soma quado possível: ( ( + 2 (2 k= ( k t k 2, < t < (3 u ( + u, u < (4 cos ( π 2, < (5 se 2, < π (6 2 e /2 (7 cos ( π 2 ( (8 ++ (9 se ( 2+cos (2 tg ( 7. Verifique se cada uma das séries abaio é covergete ou divergete, justificado sua resposta: ( =3 2 4 (2 =2 arcta 2 (3 e 2 (4 2 (! λ, λ > (5 (2!! 2 (6 =2 l ( (9 ( cos ( =2 (l (3 =2 l ( +, p > (4 =2 ( l + p ( =2 l 2 (5!3 (8 =2 l (2 =2 l p, p > (6!e 3

4 (7 e (8 3 ( 2 + (2 +2 (+ 3 (22 ( 2 (25 (+ 2 p, p > ( (9 3 (l2 (2 (arcta (23 se ( ( (27 ( 2+ (28 se (29 =2 (l p, p > (3 l(cos(/ (3 ( 2 + (32! (33 ( l p, p > (34 ( + 2 (35 l p e, p > (36 e! (37 =2 (l p, p > (38 ( se ( (4 2 2! (4 p e a, a, p > (42 a p, a, p > (43 (2 2 (44 =2 (l l (45 (46 ( +/ + 22 e /3 ( ( ( Classifique as séries abaio absolutamete covergetes, codicioalmete covergetes ou divergetes: ( ( (2 ( (3 ( (4 =2 ( l (5 =2 ( l (6 =2 ( (l 2 (7 =2 ( l (8 ( 2+ (9 ( se p, p > ( =2 ( l 2 ( ( l (2 ( (+ + (3 ( (+ 2 p, p > (7 ( l p, p > (4 ( (l p, p > (8 ( (2 3 5 (2+ (9 ( (5 ( + (6 (!e (2 ( se ( (2 (! (22 ( (25 ( tg(/ (26 ( 2! e 2 (23 cos(π 3/4 (24 (! (3+2 (27 ( se(7 9+5 ( ( (3 (! 4 (3 ( +4 (32 ( cos(! 3 4 +se Séries de potêcias 9. Determie o itervalo máimo de covergêcia de cada uma das séries de potêcias abaio: 4

5 ( 4 (2! (3 3 + (4 (3! (2! (5 ( 5 ( 3 (6 (+ (+l 2 (+ (7 (2!( 7 (8 l e ( e (9! ( + 3 ( ( ( 3 (2+ + ( 2 4 ( 4 2 (2 =2 ( (l 2 (3 2 2 (4 3 4 (5 (2! (! 2 (6 (2! (! 2 2 (7 (2! (! 2 2 (8! (9! 3 (2!! (2 (2+( (22 (+ a +b, b > a > (23 ( (24 ( (25 (se (26 (3+( (27! 3... (2 ( (2. Supoha que a coverge quado = 4 e diverge quado = 6. O que pode ser dito sobre a covergêcia ou divergêcia das séries a seguir? (a a (b a 8 (c a ( 3 (d ( a 9. Usado derivação e itegração termo a termo, calcular as somas das séries de potêcias: ( (2 ( (3 2 2 (4 2 ( 2 (5 ( + (6 (7 2 (8 =2 ( (9 2 ( 3 ( ( + 4 ( Use as séries do eercício aterior para calcular: (a 2 (b 3 2 (c ( 5 ( 3. Determie as epasões em séries de potêcias em toro de = das seguites fuções e os valores de para os quais essas epasões são válidas: ( 2 (a (b (c (d l( + (e l (+ 2 ( Verifique que (a e =!, R (b se = ( 2+ (2+!, R (c cos = ( 2 (2!, R (d l( + = , < (e arcta = ( 2+ 2+, (f (+(+2(+3 6 = ( 4, 5. Utilizado as séries do eercício aterior, obteha um valor aproimado de: (a e, com erro iferior a 5. (b se, com erro iferior a 5 e a 7. (c l2 e l3, com erro iferior a

6 (d arcta(/2 e arcta(/3, com erro iferior a 5. (e π/4, com erro iferior a 5, usado que π/4 = arcta(/2 + arcta(/3, (esta igualdade segue da idetidade tg( + y = tg(+tg(y tg(tg(y 6. Calcule d 32 arcta ( e d 32 arcta ( d 32 d Desevolva em série de potêcias de as seguites fuções, idicado os itervalos de covergêcia: (a f ( = 2 e (b f ( = cos (c f ( = se( 2 (d f ( = cos 2 (e f ( = se t t dt (f f ( = e t 2 dt (g f ( = l(+t t dt (h f ( = se(t 2 dt (i f ( = e2 8. Utilizado a epasão em série de potêcias das fuções evolvidas, calcule os seguites limites: (a lim se (b lim cos 2 (c lim se 3 (d lim l(+ (e lim arcta (f lim e (g lim e 3 2 (h lim l(+ l( Respostas ( (2, (3, (2, (24, (39 são divergetes; (5, (7, (, (4, (6, (7, (9, (2, (22, (25, (26, (27, (29, (3, (36, (43, (46, (49 covergem para zero; (, (8, (5, (28, (32, (35, (38, (44, (45 covergem para ; (3, (34, (47, (48, (5, (5 divergem para + ; (4 coverge para 2; (6 coverge para /4; (9 coverge para 3/2; ( coverge para /2; (3 coverge para 2/5; (8 coverge para e; (2 diverge se a <, diverge para + se a e coverge para zero se a < ; (23 coverge para b; (33 coverge para /e; (37 coverge para e 22/5 ; (4 coverge para e; (4 coverge para 4/e; (42 coverge para 4. (2 lim a = 2; (4 A sequêcia coverge para 2; (6 ( diverge; (2 coverge para + ; (3 coverge para t u + ; (4 coverge para ; (5 u coverge para sec 2 ; (6 coverge para e ; as demais são todas divergetes. (7 (, (5, (6, (4, (5, (6, (8, (9, (22, (23, (26, (34, (36,(39, (45, (47 são divergetes; (2, (3, (25, (29, (33 covergem se e somete se p > ; (35 coverge para qualquer valor de p > ; (42 coverge se e só se a < ; (37 diverge para qualquer p > ; as demais são todas covergetes. (8 (2, (6, (, (2, (8, (2, (23, (24, (26, (27, (29, (32 são absolutamete covergetes; (, (3, (4, (5, (8, (, (5, (9, (2, (3 são codicioalmete covergetes; (5, (9, (7 são absolutamete covergetes para p > e codicioalmete covergetes se < p ; (4 é codicioalmete covergete para qualquer valor de p > ; as demais são divergetes. 6

7 (9 ( ( 4,4; (2 {}; (3 [,]; (4 {}; (5 (2,8]; (6 [ 2,; (7 (,+ ; (8 (,2e; (9 ( 3 e, 3 + e; ( [2,4]; ( [3,5]; (2 (,]; (3 (,; (4 [ 4/3,4/3; (5 ( /4,/4; (6 ( /2,/2; (7 (,; (8 ( e,e; (9 ( 3 e, 3 e; (2 [,]; (2 (,; (22 ( b, + b; (23 ( 3/2,3/2; (24 ( 5/3,5/3; (25 (,; (26 ( 2,2; (27 {}; (28 (,+. ( (a, (c covergem e (b, (d divergem. ( ( ( l( ; (2 l( + ; (3 l + + (8 ( + l( + ; (9 ; ( ( 3 ( 4 (2 (a l2; (b 3 28 ; (c 6 5 l ; (4 arcta ; (5 ( 2 ; (6 ; ( 4 3 ( 2 ; (2 4 l( 4. ( 2 ; (7 ( 2 2 ; (3 (a ( + (+, < ; (b + (+(+2 (, < ; (c 2( 4+, < ; (d ( +, < ; (e ( 3 2, <. (7 (a +2, R; (b (! R; (e ( (2+ 2 (2! 2+, R; (f, R; (c ( 4+2 (2! (2+! ( (2+!( , R; (i 2!, R., R; (d + ( 2 2 (2! 2, ( (2+! 2+, R; (g ( + 2, < ; (h 7

8 Parte 2 Série de Taylor. Usado derivação e itegração termo a termo, calcular as somas das séries de potêcias: ( (2 ( (3 2 2 (4 2 ( 2 (5 ( + (6 (7 2 (8 =2 ( (9 2 ( 3 ( ( + 4 ( Use as séries do eercício aterior para calcular: (a 2 (b 3 2 (c ( 5 ( 3. Determie as epasões em séries de potêcias em toro de = das seguites fuções e os valores de para os quais essas epasões são válidas: ( 2 (a (b (c (d l( + (e l (+ 2 ( Verifique que (a e =!, R (b se = ( 2+ (2+!, R (c cos = ( 2 (2!, R (d l( + = , < (e arcta = ( 2+ 2+, (f (+(+2(+3 6 = ( 4, < 5. Utilizado as séries do eercício aterior, obteha um valor aproimado de: (a e, com erro iferior a 5. (b se, com erro iferior a 5 e a 7. (c l2 e l3, com erro iferior a 5. (d arcta(/2 e arcta(/3, com erro iferior a 5. (e π/4, com erro iferior a 5, usado que π/4 = arcta(/2 + arcta(/3, (esta igualdade segue da idetidade tg( + y = tg(+tg(y tg(tg(y 6. Calcule d 32 arcta ( e d 32 arcta ( d 32 d Desevolva em série de potêcias de as seguites fuções, idicado os itervalos de covergêcia: (a f ( = 2 e (b f ( = cos (c f ( = se( 2 4 (d f ( = cos 2 (e f ( = se t t dt (f f ( = e t 2 dt (g f ( = l(+t t dt (h f ( = se(t 2 dt (i f ( = e2 8

9 8. Utilizado a epasão em série de potêcias das fuções evolvidas, calcule os seguites limites: (a lim se (b lim cos 2 (c lim se 3 (d lim l(+ (e lim arcta (f lim e (g lim e 3 2 (h lim l(+ l( Equações difereciais de primeira ordem 9. Determie as soluções das equações difereciais de a. ordem abaio: (a y = y 2 (b y = y (c y y = (d y = ( y(2 y (e ( + 3y d y d = (f y = 2y + e. Determie as soluções das equações abaio com codições iiciais dadas: (a y = + y, y( = (c y = ( + y, y( = (b (cos t (se t =, (2π = π. Determie duas soluções distitas para cada uma das equações com a codição iicial dada: (a y = 5y 4/5, y( = (b y = 3 3 y 2 (3 2 +, y( = 2. Resolva as equações: (a y = e 2y (b 2 y 2 d y d = + 2 (c y se + y cos = (d y = 3 2 y (e (3 2 tg y 2y3 + ( 3 sec 2 y + 4y 3 + 3y2 y = (f ( y + ( y 2 d y 3 2 d = (g y = y y 2 (h ( + t 2 y + t y + ( + t 2 5/2 = (i dr dθ = sec2 θ sec 3 r (j 3t 2 = 2( 3 (k d y d = y + ( cos2 y (l ( yy = y 2 (m y = 2 + y 2, > ( y = +2y (o y = y2 2 y (p y = y2 2 y+y 2 (q y = y l (r y = y 3. Resolva as seguites equações de Beroulli: (a y(6 2 y y = (b y = y + e 3 y 4 (c 2 3 y = y(y (d 3 y = 2y( 3 y (e y = 5y 4 y (f y = y y 3 (g 2 y + 2 y y 3 = (h y = y y 2 4. Resolva as equações: (a ( + yd + d y = (b (e y + y 2 d y = (2 y e y d (c cos d y = ( y se d (d y( 2 + y 2 d + (3 2 5y 2 d y = (e ( 2 + y 2 d + ( y yd y = (f d + cos yd y = (g (y 3 d + (y 3 + d y = (h (3 2 + yd + ( + 4d y = (i ( + 2yd + (2 + d y = (j y = 32 y 3y 2 (k (2 + se yd + cos yd y = (l (3y d + 2 y = (m ( y 2 + 2d y = ( (2 + 3yd + 3 d y = (o e +y2 d + 2ye +y2 d y = 9

10 5. Fatores itegrates: (a Determie todas as fuções f que toram eata a equação diferecial (y 2 se d + y f (d y =. (b A equação g (d y +(y + d = tem h( = como fator itegrate. Determie todas as possíveis fuções g. (c A equação e sec y tg y + y = tem um fator itegrate da forma f (, y = e a cos y. Determiea e resolva a equação. (d Determie um fator itegrate da forma h(, y = y m para a equação e resolva-a. y(y 2 + d + (y 2 l d y = (e Determie um fator itegrate da forma µ = µ( + y 2 para a equação (3 + 2y + y 2 d + ( + 4 y + 5y 2 d y =. (f Determie um fator itegrate da forma µ = µ( 2 + y 2 para a equação d + yd y + (d y yd =. 6. Determie uma fução y = f ( defiida em um itervalo I, cujo gráfico passe pelo poto (,5/4 e tal que para todo t >, t I, o comprimeto do gráfico de y = f (, t, seja igual à área do cojuto y f (, t. Equações difereciais lieares de seguda ordem com coeficietes costates 7. Resolva as equações difereciais abaio: (a y + 2y + y = (b y 4y + 4y = (c y y + y y = (d 2y 4y 8y = (e y 9y + 2y = (f 2y + 2y + 3y = (g y 3y + 3y y = (h y (i v + y = (i y (v + 2y + y = (j y 2y + 2y = (k y + 4y = (l y + 4y + 5y =

11 Respostas (C deota qualquer costate real ( ( ( l( ; (2 l( + ; (3 l + + (8 ( + l( + ; (9 ; ( ( 3 ( 4 (2 (a l2; (b 3 28 ; (c 6 5 l ; (4 arcta ; (5 ( 2 ; (6 ( 2 ; (7 ; ( 4 3 ( 2 ; (2 4 l( 4. ( 2 2 ; (3 (a ( + ( +, < ; (b + (+(+2 (, < ; (c 2( 4+, < ; (d ( +, < ; (e ( 3 2, <. (7 (a +2!, R; (b ( R; (e ( (2+ 2 (2! 2+, R; (f (2!, R; (c ( 4+2 (2+! ( (2+!( , R; (i 2!, R., R; (d + ( 2 2 (2! 2, ( (2+! 2+, R; (g ( + 2, < ; (h (9 (a y e y = C ; (b y = C ; (c y = ± 2 +C; (d y, y 2, y = Ce 2 Ce ; (e y = C 3 2 ; (f y = Ce 2 e ( (a y = 2e ; (b = t π cos t ; (c y ; ( (a y e y = 5 ; (b y e y = ( (2 (a y = 2 l(2e +C; (b y = C ; (c y = +C se ; (d y = 2 (2 +Ce 2 ; (e 3 t g y + y 4 + y3 = C; (f y 2 2 y + l( 2 = C; (g y ± 2 + y 2 = ± 2 ; (h y = C 5t t 3 3t 5 2 (i 3ser se 3 r = 3tgθ +C; (j, 3 e = (m y2 +y 2 +y 2 + l 2 y+ 2 +y 2 = C; ( y = C 2 ; (o y = 3 ; (p y + l y = C ; 3 C 3 (q y = C(/e (r y = ( +Ce ; 5 +t 2 ; 3 ; (k tg ( y Ce 2/t = l +C; (l y l y = C; (3 (a y, y 2 = 6+C e ; (b y, y = 3 e ; (c y, y 2 = 3 C 3 C ; (d y, y = 27 6 ; (C l( 2 3 (e y = Ce ; (f y = ±(Ce 2 + /2 ; (g y = (2/5 +C 4 /2 ; (h y = ( +Ce 25 (4 (a y = C; (b 2 + y 2 + 2e y 2 2 y = C; (c y = +C sec +tg ; (d y3 ( 2 y 2 = C ; (e y 2 = Ce 3y ; (f y = arcsi(c ; (g 4 y 4 y 4 = ; (h y = C 3 +4 ; (i y = 2 +C ( 2( 2 ; (j y 3 y 3 = C; (k y = arcsi C 2 ; (l 5 3 y = C; (m 2/3 y /3 = C; ( y = C ; (o y = ± C ; (5 (a f ( = C 2cos ; (b g ( = 2 + C ; (c a =, + e se y = C; (d =, m = 2, (y 2 + l = C y e y ; (e µ( + y 2 = + y 2 ; (f µ = ( 2 + y 2 3/2 (6 y = e +4e 4 (7 (a y = C e +C 2 e ; (b y = C e 2 +C 2 e 2 ; (c y = C e +C 2 se +C 3 cos ; (d y = e (C se( 3 +C 2 cos( 3; (e y = C e 5 +C 2 e 4 ; ; (g y = C e +C 2 e +C 3 2 e ; (f y = e /2 (C se( 2 +C 2 cos( (h y = C cos( 2 2 +C 3 2se( 2 ; (i y = C + (C 2 +C 3 cos + (C 4 +C 5 se ; (j y = C e cos +C 2 e se ; (k y = C se(2 +C 2 cos(2; (l y = C e 2 cos +C 2 e 2 se.

12 Parte 3 Equações difereciais lieares de seguda ordem. Resolva as equações difereciais abaio: (a y + 2y + y = (b y 4y + 4y = (c y y + y y = (d 2y 4y 8y = (e y 9y + 2y = (f 2y + 2y + 3y = (g y 3y + 3y y = (h y (i v + y = (i y (v + 2y + y = (j y 2y + 2y = (k y + 4y = (l y + 4y + 5y = 2. Verifique que y é solução da equação dada e determie, a partir de y, outra solução y 2 da equação, de forma que o cojuto {y (, y 2 (} seja liearmete idepedete. (a 2 y + y 4y =, y = 2 (c y y + y =, y = (e y + 3y =, y = (f 2 y + y + (b ( 2 y + 2 y 2y =, y = (d 2 y + 2 y 2y =, y = ( 2 y =, y = /2 4 (h y 4y + 2y =, y = e 6 (j 2 y + 3 y + y =, y = (g y (2 + y + ( + y =, y = e (i 2 y + 2 y =, y = (k 2 y ( + 2y + ( + 2y = ; y = (l ( 2 y 2 y + 6y = ; y = Cosidere a equação diferecial ode é um iteiro ão-egativo. (a Mostre que y = e é solução da equação. y ( + y + y =, (b Mostre que y 2 = Ce e d, C R, é uma solução da equação dada e {y, y 2 } é liearmete idepedete. (c Estude os casos = e = Resolva as seguites equações de Euler em (, + : (a 2 y + y + y = (b 2 y 3 y + 4y = (c 2 y + 3 y + y = (d 2 2 y + y + 3y = (e 2 y + 2 y 2y = (f 2 2 y + 3 y y = (g 2 y + 5 y + 4y = (h 2 y + y + y = (i 2 y + 4 y + 2y = (j 2 y y + y = (k 2 y + 3 y + 5y = (l 2 2 y 4 y + 6y = (m 2 y 5 y + 9y = ( 2 y + 2 y + 4y = (o 2 y 2y = 5. Determie a solução geral das seguites equações lieares de seguda ordem ão-homogêeas: (a y + 2y + y = e l (b y 2y 3y = 64e (c y + 2y + 5y = e sec2 (d y 2y = 2 (e y + y = 2cos (f y + 2y + y = 3e (g y + 2y + 2y = e se (h y + 4y = 3se (i y + y + 25y = 4e 5 (j y 4y = 2 e 2 (k y + y 2y = 8se (l y 3y = + cos (m y 2y + y = 3 ( y y = 3 (o y 2y = 2e (cos se (p y 3y 4y = 2se (q y 3y 4y = 4 2 (r y 5y + 6y = 2e (s y + 9y = 9sec 2 (3 (t y + y = tg (u y 4y + 4y = e 2 2 (v y + 4y = cossec2 (w y + y = sec ( y 3y + 2y = e se (y y y = 3 2 (z 2 y + y y = 2 2

13 6. Determie a solução geral das seguites equações lieares de seguda ordem ão-homogêeas (com coeficietes variáveis: (a ( 2 y 2 y + 2y = ( 2 2 (b 2 y 2 y + 2y = 4 2 (c 2 y + 7 y + 5y = (d 2 y ( + 2y + ( + 2y = (e y ( + y + y = 2 e 2 (f 2 y + y + ( 2 4 y = 33/2 se (Use o eercício (f 7. (Pricípio de superposição Se y e y 2 são soluções de y + f (y + g (y = h e y + f (y + g (y = h 2, respectivamete, mostre que y = y + y 2 é solução de y + f (y + g (y = h + h 2. Use este fato para resolver: (a y + 3y + 2y = e + e 2 (b y + y = cos Ache a solução geral da equação diferecial dada em série de potêcias cetradas em = : (a y y y = (b y 2 y = (c y + 2 y + 4y = (d y y = (Equação de Airy (e y y y = (f y y = (g y 2 y + λy = (Equação de Hermite (h ( y + y = (i y + α 2 2 y =, α (j y + 2 y + y = (k y = 2 y (l y = 3 y 9. Dado α R, a equação diferecial é chamada Equação de Bessel de ordem α. 2 y + y + ( 2 α 2 y =, (a Se α =, mostre que y = ( 2 e y 2 2 (! 2 2 = y l + ( + ( 2 2 (! são soluções liearmete idepedetes da equação de Bessel. ( (b Se α = mostre que y = ! !3! !3!4! +... é solução.. Dado α R, a equação diferecial ( 2 y 2 y + α(α + y =, é chamada Equação de Legedre de ordem α. Mostre que as fuções m α(α 2(α 4...(α 2m + 2(α + (α (α + 2m y = + ( 2m, m= (2m! m (α (α 3...(α 2m + (α + 2(α (α + 2m y 2 = + ( 2m+ (2m +! m= são soluções liearmete idepedetes da equação de Legedre o itervalo (,.. (Série biomial Seja α um úmero real ão-iteiro. Neste eercício, vamos ecotrar uma epasão em série de potêcias para ( + α em toro de =. (a Mostre que y = (+ α é a úica solução da equação (+y = αy em (, satisfazedo y( =. (b Mostre que a série de potêcias tem raio de covergêcia. α(α...(α + 3!

14 (c Mostre que + g ( satisfaz a mesma equação diferecial do ítem (a e vale em =. Coclua que para todo α ão-iteiro vale se <. ( + α = + α(α...(α + A série acima é chamada de série biomial e foi estudada primeiramete por Newto. A igualdade acima geeraliza a fórmula usual do biômio de Newto e os iduz a defiir para α ão-iteiro e N o coeficiete biomial ( α. = α(α...(α +. Dessa forma, temos! para cada (, que ( ( + α α = +.! Roteiro para resolver uma equação diferecial liear de seguda ordem y + py + q y = f (via método de variação dos parâmetros: (a Ecotre soluções liearmete idepedetes y, y 2 da equação homogêea associada y + py + q y = ; ( y y 2 (b Calcule o Wroskiao W (y, y 2 = det ; y y 2 (c A solução geral da equação é soma de uma solução particular com uma solução geral da equação homogêea associada: ( y = ( y 2 f W (y, y 2 d y + y f W (y, y 2 d y 2 +C y +C 2 y 2 4

15 Respostas ( (a y = C e +C 2 e ; (b y = C e 2 +C 2 e 2 ; (c y = C e +C 2 se +C 3 cos ; (d y = e (C se( 3 +C 2 cos( 3; (e y = C e 5 +C 2 e 4 ; (f y = e /2 (C se( 3 2 +C 2 cos( 3 2 ; (g y = C e +C 2 e +C 3 2 e ; (h y = C cos( 2 2 +C 3 2se( 2 ; (i y = C + (C 2 +C 3 cos + (C 4 +C 5 se ; (j y = C e cos +C 2 e se ; (k y = C se(2 +C 2 cos(2; (l y = C e 2 cos +C 2 e 2 se. (2 (a y 2 = 2 ; (b y 2 = 2 l( + ; (c y2 = e ; (d y 2 = 2 ; (e y 2 = 2 ; (f y 2 = /2 cos ; (g y 2 = e 2 ; (h y 2 = e 2 ; (i y 2 = ; (j y 2 = l ; (k y 2 = e ; (l y 2 = l ( 8 + (Dica: Escreva ( ( (3 2 2 ( 2 = A ( ( + B (4 (a y = C cos(l +C 2 se(l +; (b y = C 2 +C 2 2 l ; (c y = {C cos(l 3 +C 2 se(l 3 }; (d y = C C ; (e y = C 3 +C 2 4 ; (f y = C /2 +C 2 ; (g y = 2 (C +C 2 l ; (h y = C cos(l +C 2 se(l ; (i y = C +C 2 2 ; (j y = C +C 2 l ( ; (k y = C cos(2l +C 2 se(2l ; (l y = C 3/2 ( cos 3 2 l +C 3/2 se 3 ; 2 l (m y = C 3 +C 2 3 l ; ( y = C /2 cos (5 ( 5 2 l +C 2 /2 se ( 5 2 l ; (o y = C +C 2 2 (a y = 2 2 e l e +C e +C 2 e ; (b y = e ( C e +C 2 e 3 ; (c y = 2 e se2 + 4 e cos2 +C e cos2 +C 2 e se2; (d y = C +C 2 e 2 ; (e y = se +C se +C 2 cos ; (f y = (3/2 2 e +C e +C 2 e ; (g y = (/2e {cos ( (/2se2 + se 3 } +C e se +C 2 e cos ; (h y = C cos2 +C 2 se2 + se ; (i y = e 5 (7 2 +C +C 2 ; (j y = e 2 ( 3 /2 2 /6 + /32 /28 +C +C 2 e 2 ; (k y = C e +C 2 e 2 (2/5(3se2 +cos2; (l y = C +C 2 e 3 (cos +3se / 2 /6 /9; (m y = C +C ( /2 + 5 /2 + (C 3 +C 4 e ; ( y = C e + e /2 C 2 cos 3 2 +C 3 3se 2 3 5; (o y = C e 2 +C 2 e 2 + e se ; (p y = (/7(3cos 5se +C e 4 +C 2 e ; (q y = 2 + (3/2 3/8 +C e 4 +C 2 e ; (r y = e +C e 3 +C 2 e 2 ; (s y = C cos3 +C 2 se3 + {(se3(l(sec(3 + tg(3 }; (t y = l(tg + sec cos +C se +C 2 se ; (u y = e 2 l +C e 2 +C 2 e 2 ; (v y = (3/4se2 l(se2 (3/2 cos2 +C se2 +C 2 cos2; (w y = se + cos l(cos +C cos +C 2 se ; ( y = (e /2(cos se +C e +C 2 e 2 (y y = +C 2 +C 2 ; (z y = 2 /3 +C +C 2 / (6 (a y = C +C 2 ( /6 2 /2; (b y = C +C l ; (c y = C +C /2; (d y = C +C 2 e 2 2 ; (e y = C ( + +C 2 e + (/2e 2 ( ; (f y = C /2 cos +C 2 /2 se (3/2 /2 cos ; 5

16 (7 (a y = e /6 + e 2 /2 +C e +C 2 e 2 ; (b y = ((/2 +C se +C 2 cos (8 2.! (2+! 2+ ; 4( (4 4( C 4+ (4+( ; ( 2+ (a y = C 2 2! +C (b y = C 4 ( 2 (c y = C 2 (2 ( C ( (d y = C + 3 (e y = C 2 2! +C (f y = C 2 (2! +C (3(3 (3 3( ! 2+ (2+! ; 2+ (2+! = C cosh +C sih ;! +C ( + 3+ (3+(3(3 2( ; 6

17 Parte 4 Trasformada de Laplace. Calcule a trasformada de Laplace de cada uma das fuções abaio: ( f (t = e 5t 2e t (2 f (t = cos(2t t (3 f (t = 2t 6 t + cos(7t (4 f (t = e 2t 3 (5 f (t = sih(3t + 5t (6 f (t = 2t 2 t + 4 (7 f (t = cos 2 t (8 f (t = e 2 (cosh(3 + 2sih(3 (9 f (t = (se t cos t 2 { { 5, se < t < 3, se < t < ( f (t = ( f (t =, se t 3 t 2 2t + 2, se t { { se t, se < t < 2π 2t, se < t < 5 (2 f (t = (3 f (t = se t + cos t, se t 2π, se t 5 2. (Fução Gamma A fução Gamma é defiida por para >. Γ( = e t t dt, (a Mostre que Γ é bem-defiida, i.e., que a itegral acima é covergete para todo >. (b Use itegração por partes para mostrar que Γ( + = Γ(, para todo >. (c Use idução em para mostrar que Γ( = (! para todo iteiro >. Isso mostra que a fução Γ é uma etesão da fução fatorial para todos os reais positivos. (d Mostre que L (t α Γ(α + (s = s α+, para todos s > e α >. 3. Vamos estudar a trasformada de Laplace da fução f (t = t α para algus valores fracioários de α. (a Mostre que e 2 d = π/2. (b Mostre que L (t /2 = π/s, para s >. (c Mostre que L (t /2 = π/2s 3/2, para s >. 4. Mostre que (L f ( (s = L (( t f (t se f : (, R for de crescimeto epoecial. Use este fato para calcular L f (s se: ( f (t = t 3 se t (2 f (t = t 2 cos t (3 f (t = t 2 sih t (4 f (t = t cosh t 5. Resolva os seguites problemas de valor iicial: ( y y 6y =, y( =, y ( = (2 y + 3y + 2y =, y( =, y ( = (3 y 2y + 2y =, y( =, y ( = (4 y (i v y =, y( = y ( =, y ( = y ( = (5 y + y = cos(2t, y( =, y ( = (6 y 2y + 2y = e t, y( =, y ( = (7 y + y =, y( =, y ( = 2 (8 y 6y + 9y = e t, y( = y ( = 7

18 6. Verifique as seguites igualdades para a trasformada de Laplace e a trasformada de Laplace iversa: (a L (f (ct = ( s c L f ; c (b L {Y (ks} = ( t k L Y ; (c L {Y (as + b} = e bt/a L Y a k ( t a, se a >. 7. Calcule a trasformada iversa de Laplace L Y : ( Y (s = s 2 + 2s (s 2 (2 Y (s = 3s + s 2 4s + 8 2s + (4 Y (s = 4s 2 (5 Y (s = + 4s + 5 9s 2 2s + 3 (7 Y (s = 2e 2s s 2 (8 Y (s = e s (s 2 4 s 2 4s + 3 (3 Y (s = s 2 + 4s + 3 (s e 2s (6 Y (s = s 2 2s + 2 (9 Y (s = e 4s 2s 8. Esboce o gráfico de cada uma das fuções abaio e calcule sua trasformada de Laplace: { ( f (t = u (t (2 f (t = +, em (, (2,3 ( u (t (3 f (t =, fora de (, (2,3 {, em (, (4 f (t = se t (5 f (t = t, t <, f (t + = f (t (6 f (t =, f (t + 2 = f (t -, em (,2 9. Resolva os seguites problemas de valor iicial: ( y + y = u π/2 (t, y( =, y ( = (2 y + 4y = se t u 2π (tse(t 2π, y( = y ( = (3 y + 4y = se t + u π (tse(t π, y( = y ( = (4 y + 2y + y = u (t, y( =, y ( = (5 y + 3y + 2y = u 2 (t, y( =, y ( = (6 y + y = u π (t, y( =, y ( = {, em [,π (7 y + y = f (t, y( =, y ( =, ode f (t =, f (t + 2π = f (t, em [π,2π { t, em [, (8 y + y = f (t, y( =, y ( =, ode f (t =, em [, (9 y + 2y + 2y = δ(t π, y( = y ( = ( y + 2y + 2y = δ(t π, y( =, y ( = ( y + 4y = δ(t π δ(t 2π, y( = y ( = (2 y + 2y + y = δ(t + u 2π (t, y( =, y ( = (3 y y = 2δ(t, y( =, y ( = (4 y + y = δ(t πcos t, y( =, y ( =. Use a trasformada de Laplace para calcular as itegrais abaio: ( (4 te 2t cos tdt (2 e t se t dt (5 t e t e 3t dt t (3 e t se 2 t dt t (6 8 t 3 e t se tdt te 3t se tdt

19 Respostas ( ( Y = (s 5 + 2(s ; (2 Y = s(s s ; (3 Y = 4s 7 s + s(s ; (4 Y = e 3 (s 2 ; (5 Y = 3(s s 3 + 3s ; (6 Y = 4s 3 s 2 + 4s ; (7 Y = (/2(s + s(s ; (8 Y = s((s ; (9 Y = s (s ; ( Y = 5( e 3s s ; ( Y = e s (s 2 + 2s 3 ; (2 Y = ( + se 2πs (s 2 + ; (3 Y = 2s 2 ( e 5s 9s e 5s. (5 ( y = (/5(e 3t + 4e 2t ; (2 y = 2e t e 2t ; (3 y = e t se t; (4 y = cosh t; (5 y = ( /3(cos(2t 4cos t; (6 y = (/5(e t e t cos t + 7e t se t; (7 y = + cos + se ; (8 y = (/4(e t + 3e 3t 8te 3t ; (7 ( y = se t 2e t + 2te t ; (2 y = e 2 (3cos2t + (7/2se2t; (3 y = (/3e 2t se3t; (4 y = (/2e t/2 cos t; (5 y = (/3sih(t/3e 2t/3 ; (6 y = u 2 (te t 2 cos(t 2; (7 y = u 2 (tsih(2t 2; (8 y = u (te 2t 2 cosh(t ; (9 y = (/2u 4 (te (t 4/2 (8 ( Y = s ( e s ; (2 Y = (s( + e s ; (3 Y = s ( e s + e 2s e 3s ; (4 Y = ( + e πs ( + s 2 ( e πs ; (5 Y = (s( + e s ; (6 Y = ( e s s ( + e s ; (9 ( y = cos t se t u π/2 (t( se t; (2 y = (/6( u 2π(t (2se t se2t; (3 y = (/6(2se t se2t (/6u π (t(2se t + se2t; (4 y = u (t( e (t (t e (t ; (5 y = e t e 2t +u 2 (t((/2 e (t 2 +(/2e 2(t 2 ; (6 y = cos t + u π (t( + cos t; (7 y + ( u π (t( cos(t π; (8 y = t u (t(t se(t ; (9 y = u π (te (t π se(t π; ( y = e t cos t + e t se t u π (te (t π se t; ( y = (/2se2t(u π (t u 2π (t; (2 y = 2te t + u 2π (t( e (t 2π (t 2πe (t 2π ; (3 y = cosh t + 2u (tsih(t ; (4 y = ( + u π (tse t ( ( 3/25; (2 l3; (3 ; (4 π/4; (5 (/4l5; (6 3/5 9

Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Matemática MTM123 - Cálculo Diferencial e Integral II Lista 3 - Tiago de Oliveira

Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Matemática MTM123 - Cálculo Diferencial e Integral II Lista 3 - Tiago de Oliveira Uiversidade Federal de Ouro Preto Departameto de Matemática MTM - Cálculo Diferecial e Itegral II Lista - Tiago de Oliveira. Ecotre uma fórmula para a -ésima soma parcial de cada série e use-a para ecotrar

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 2 Módulo 1 - Primeira Lista - 01/2017

Lista de Exercícios de Cálculo 2 Módulo 1 - Primeira Lista - 01/2017 Lista de Exercícios de Cálculo 2 Módulo - Primeira Lista - 0/207. Determie { ( se a seqüêcia coverge ou diverge; se covergir, ache o limite. 5 ) } { } { } { arcta(), 000 (b) (c) ( ) l() } { 000 2 } { 4

Leia mais

1 Formulário Seqüências e Séries

1 Formulário Seqüências e Séries Formulário Seqüêcias e Séries Difereça etre Seqüêcia e Série Uma seqüêcia é uma lista ordeada de úmeros. Uma série é uma soma iita dos termos de uma seqüêcia. As somas parciais de uma série também formam

Leia mais

2.2. Séries de potências

2.2. Séries de potências Capítulo 2 Séries de Potêcias 2.. Itrodução Série de potêcias é uma série ifiita de termos variáveis. Assim, a teoria desevolvida para séries ifiitas de termos costates pode ser estedida para a aálise

Leia mais

Análise Infinitesimal II LIMITES DE SUCESSÕES

Análise Infinitesimal II LIMITES DE SUCESSÕES -. Calcule os seguites limites Aálise Ifiitesimal II LIMITES DE SUCESSÕES a) lim + ) b) lim 3 + 4 5 + 7 + c) lim + + ) d) lim 3 + 4 5 + 7 + e) lim + ) + 3 f) lim + 3 + ) g) lim + ) h) lim + 3 i) lim +

Leia mais

Capítulo I Séries Numéricas

Capítulo I Séries Numéricas Capítulo I Séries Numéricas Capitulo I Séries. SÉRIES NÚMERICAS DEFINIÇÃO Sedo u, u,..., u,... uma sucessão umérica, chama-se série umérica de termo geral u à epressão que habitualmete se escreve u u...

Leia mais

Os testes da Comparação, Raiz e Razão e Convergência absoluta

Os testes da Comparação, Raiz e Razão e Convergência absoluta Os testes da Comparação, Raiz e Razão e Covergêcia absoluta Prof. Flávia Simões AULA 4 Os testes de Comparação Comparar uma série dada com uma que já sabemos se coverge ou diverge. Usamos geralmete as

Leia mais

SUCESSÕES E SÉRIES. Definição: Chama-se sucessão de números reais a qualquer f. r. v. r., cujo domínio é o conjunto dos números naturais IN, isto é,

SUCESSÕES E SÉRIES. Definição: Chama-se sucessão de números reais a qualquer f. r. v. r., cujo domínio é o conjunto dos números naturais IN, isto é, SUCESSÕES E SÉRIES Defiição: Chama-se sucessão de úmeros reais a qualquer f. r. v. r., cujo domíio é o cojuto dos úmeros aturais IN, isto é, u : IN IR u( ) = u Defiição: i) ( u ) IN é crescete IN, u u

Leia mais

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes Capítulo Séquêcias e Séries Ifiitas de Termos Costates.. Itrodução Neste capítulo estamos iteressados em aalisar as séries ifiitas de termos costates. Etretato, para eteder as séries ifiitas devemos ates

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Sequêcia Ifiitas Defiição 1: Uma sequêcia umérica a 1, a 2, a 3,,a,é uma fução, defiida o cojuto dos úmeros aturais : f : f a Notação: O úmero é chamado de

Leia mais

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo Seqüêcias e Séries Notas de Aula 4º Bimestre/200 º ao - Matemática Cálculo Diferecial e Itegral I Profª Drª Gilcilee Sachez de Paulo Seqüêcias e Séries Para x R, podemos em geral, obter sex, e x, lx, arctgx

Leia mais

Instituto Universitário de Lisboa

Instituto Universitário de Lisboa Istituto Uiversitário de Lisboa Departameto de Matemática Exercícios de Sucessões e Séries Exercícios: sucessões. Estude quato à mootoia cada uma das seguites sucessões. (a) (g) + (b) + + + 4 (c) + (h)

Leia mais

Lista de Exercícios Método de Newton

Lista de Exercícios Método de Newton UNEMAT Uiversidade do Estado de Mato Grosso Campus Uiversitário de Siop Faculdade de Ciêcias Eatas e Tecológicas Curso de Egeharia Civil Disciplia: Cálculo Diferecial e Itegral I Lista de Eercícios Método

Leia mais

Ficha de Problemas n o 10: Séries (soluções)

Ficha de Problemas n o 10: Séries (soluções) Ficha de Problemas o 0: Séries (soluções) Séries Numéricas (Soluções). a) diverge, o termo geral ão tede para 0; b) série geométrica de razão e π, coverge uma vez que e π

Leia mais

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE CAPÍTUO IV DESENVOVIMENTOS EM SÉRIE Série de Taylor e de Mac-auri Seja f ) uma fução real de variável real com domíio A e seja a um poto iterior desse domíio Supoha-se que a fução admite derivadas fiitas

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ

Universidade Federal Fluminense - UFF-RJ Aotações sobre somatórios Rodrigo Carlos Silva de Lima Uiversidade Federal Flumiese - UFF-RJ rodrigouffmath@gmailcom Sumário Somatórios 3 Somatórios e úmeros complexos 3 O truque de Gauss para somatórios

Leia mais

2- Resolução de Sistemas Não-lineares.

2- Resolução de Sistemas Não-lineares. MÉTODOS NUMÉRICOS PARA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS - Resolução de Sisteas Não-lieares..- Método de Newto..- Método da Iteração. 3.3- Método do Gradiete. - Sisteas Não Lieares de Equações Cosidere u

Leia mais

É necessário justificar todas as passagens. Boa Sorte!

É necessário justificar todas as passagens. Boa Sorte! ā Prova de Cálculo Diferecial e Itegral IV - MAT ō semestre de 0 /09/0 Nome : GABARIT O N ō USP : Professor : Oswaldo Rio Braco de Oliveira Q 3 4 5 Extra Total N É ecessário justificar todas as passages.

Leia mais

Exercícios Complementares 1.2

Exercícios Complementares 1.2 Exercícios Comlemetares 1. 1.A Dê exemlo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, ara ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e crescete (c) limitada e ão moótoa (e) ão limitada e ão moótoa (b) limitada

Leia mais

1. Revisão Matemática

1. Revisão Matemática Sequêcias de Escalares Uma sequêcia { } diz-se uma sequêcia de Cauchy se para qualquer (depedete de ε ) tal que : ε > 0 algum K m < ε para todo K e m K Uma sequêcia { } diz-se ser limitada superiormete

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA SEQÜENCIAS E SÉRIES NUMÉRICAS Cláudio Martis Medes Primeiro Semestre de 2006 Sumário Seqüêcias e Séries Numéricas 2. Seqüêcias Numéricas............................... 2.2 Séries Numéricas..................................

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões

FICHA DE TRABALHO 11º ANO. Sucessões . Observe a sequêcia das seguites figuras: FICHA DE TRABALHO º ANO Sucessões Vão-se costruido, sucessivamete, triâgulos equiláteros os vértices dos triâgulos equiláteros já existetes, prologado-se os seus

Leia mais

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Colégio de S. Goçalo - Amarate - F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Este método, sob determiadas codições, apreseta vatages sobre os método ateriores: é de covergêcia mais rápida e, para ecotrar as raízes, ão

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL. Conceito de derivada. Interpretação geométrica

CÁLCULO DIFERENCIAL. Conceito de derivada. Interpretação geométrica CÁLCULO DIFERENCIAL Coceito de derivada Iterpretação geométrica A oção fudametal do Cálculo Diferecial a derivada parece ter sido pela primeira vez explicitada o século XVII, pelo matemático fracês Pierre

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS rof Me Arto Barboi SUMÁRIO INTRODUÇÃO EQUAÇÃO DIFERENCIAL ORDINÁRIA (EDO) Ordem de uma Equação Diferecial Ordiária Grau de uma Equação Diferecial Ordiária Solução geral e particular

Leia mais

Sequências e Séries. Sadao Massago

Sequências e Séries. Sadao Massago Sequêcias e Séries Sadao Massago Maio de 0 Sumário Aritmética Iitesimal Sequêcias Numéricas. Algumas propriedades operacioais............................. Teste da subsequêcia...................................

Leia mais

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial.

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial. DERIVADAS INTRODUÇÃO O Cálculo Diferecial e Itegral, criado por Leibiz e Newto o século XVII, torou-se logo de iício um istrumeto precioso e imprescidível para a solução de vários problemas relativos à

Leia mais

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma:

BINÔMIO DE NEWTON. O desenvolvimento da expressão 2. a b é simples, pois exige somente quatro multiplicações e uma soma: 07 BINÔMIO DE NEWTON O desevolvimeto da epressão a b é simples, pois eige somete quatro multiplicações e uma soma: a b a b a b a ab ba b a ab b O desevolvimeto de a b é uma tarefa um pouco mais trabalhosa,

Leia mais

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2 M Ficha de Trabalho NOME: SUCESSÕES I PARTE Relativamete à sucessão a =, pode-se afirmar que: (A) É um ifiitamete grade positivo (B) É um ifiitésimo (C) É um ifiitamete grade egativo (D) É limitada Cosidere

Leia mais

Função Logarítmica 2 = 2

Função Logarítmica 2 = 2 Itrodução Veja a sequêcia de cálculos aaio: Fução Logarítmica = = 4 = 6 3 = 8 Qual deve ser o valor de esse caso? Como a fução epoecial é estritamete crescete, certamete está etre e 3. Mais adiate veremos

Leia mais

Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais

Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais Capítulo II - Sucessões e Séries de Números Reais 2 Séries de úmeros reais Sabemos bem o que sigifica u 1 + u 2 + + u p = p =1 e cohecemos as propriedades desta operação - comutatividade, associatividade,

Leia mais

(x a) f (n) (a) (x t) n dt. (x t) f (n) (t)

(x a) f (n) (a) (x t) n dt. (x t) f (n) (t) . Aula Resto e Teorema de Taylor revisitado. Seja f : D R uma fução e p,a (x) o seu poliómio de Taylor de grau. O resto de ordem foi defiido ateriormete como sedo a fução: R,a (x) := f(x) p,a (x). O resultado

Leia mais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais Secção. Itrodução às equações difereciais (Farlow: Sec..,.) Cosideremos um exemplo simples de um feómeo que pode ser descrito por uma equação diferecial. A velocidade de um corpo é defiida como o espaço

Leia mais

5n 3. 1 nsen(n + 327) e)

5n 3. 1 nsen(n + 327) e) Exercícios 1 Mostre, utilizado a defiição, que as seguites sucessões são limitadas: 2 4 50 a) b) 3 +16 1 5 3 2 c) 1 4( 1) 8 5 d) 100 5 3 2 + 2( 1) 1 4( 1) 8 1 se( + 327) e) f) 5 3 2 4 4 2 2 Mostre, utilizado

Leia mais

Soluções dos Exercícios do Capítulo 6

Soluções dos Exercícios do Capítulo 6 Soluções dos Eercícios do Capítulo 6 1. O poliômio procurado P() a + b + c + d deve satisfazer a idetidade P(+1) P() +, ou seja, a(+1) + b(+1) + c(+1) + d a + b + c + d +, o que é equivalete a (a 1) +

Leia mais

) E X. ) = 0 2 ( 1 p ) p = p. ) E 2 ( X ) = p p 2 = p ( 1 p ) ( ) = i 1 n. ( ) 2 n E( X) = ( ) = 1 p ( ) = p V ( X ) = E ( X 2 E X

) E X. ) = 0 2 ( 1 p ) p = p. ) E 2 ( X ) = p p 2 = p ( 1 p ) ( ) = i 1 n. ( ) 2 n E( X) = ( ) = 1 p ( ) = p V ( X ) = E ( X 2 E X 3.5 A distribuição uiforme discreta Defiição: X tem distribuição uiforme discreta se cada um dos valores possíveis,,,, tiver fução de probabilidade P( X = i ) = e represeta-se por, i =,, 0, c.c. X ~ Uif

Leia mais

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 4

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 4 Aálise Complexa Resolução de algus exercícios do capítulo 4. Caso de C0, 0, : Caso de C0,, + : Exercício º z z i i z + iz iz iz porque iz < i + z i +3 z. z z i i z + iz iz porque iz > iz i z 3 i 3 z..

Leia mais

Cálculo III - SMA 333. Notas de Aula

Cálculo III - SMA 333. Notas de Aula Cálculo III - SMA 333 Notas de Aula Sumário 1 Itrodução 2 2 Seqüêcias Numéricas 6 2.1 Defiição, Exemplos e Operações........................ 6 2.2 Seqüêcias Limitadas e Ilimitadas........................

Leia mais

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD.

Matemática. B) Determine a equação da reta que contém a diagonal BD. C) Encontre as coordenadas do ponto de interseção das diagonais AC e BD. Matemática 0. Um losago do plao cartesiao oxy tem vértices A(0,0), B(,0), C(,) e D(,). A) Determie a equação da reta que cotém a diagoal AC. B) Determie a equação da reta que cotém a diagoal BD. C) Ecotre

Leia mais

Sequências e Séries. Sadao Massago

Sequências e Séries. Sadao Massago Sequêcias e Séries Sadao Massago Setembro de 04 Sumário Aritmética Iitesimal Sequêcias Numéricas. Algumas propriedades operacioais............................. Teste da subsequêcia...................................

Leia mais

A letra x representa números reais, portanto

A letra x representa números reais, portanto Aula 0 FUNÇÕES UFPA, 8 de março de 05 No ial desta aula, você seja capaz de: Saber dizer o domíio e a imagem das uções esseciais particularmete esta aula as uções potêcias; Fazer o esboço de gráico da

Leia mais

11 Aplicações da Integral

11 Aplicações da Integral Aplicações da Itegral Ao itroduzirmos a Itegral Defiida vimos que ela pode ser usada para calcular áreas sob curvas. Veremos este capítulo que existem outras aplicações. Essas aplicações estedem-se aos

Leia mais

RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES

RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES 87 RESOLUÇÃO DE SISTEMAS NÃO LINEARES Uma equação que coteha uma epressão do tipo, -,,, se(), e +z, z etc, é chamada ão-liear em,, z,, porque ela ão pode ser escrita o que é uma equação liear em,, z, a

Leia mais

) E 2 ( X) = p p 2 = p( 1 p) ) = 0 2 ( 1 p) p = p ( ) = ( ) = ( ) = p. F - cara (sucesso) C - coroa (insucesso)

) E 2 ( X) = p p 2 = p( 1 p) ) = 0 2 ( 1 p) p = p ( ) = ( ) = ( ) = p. F - cara (sucesso) C - coroa (insucesso) 3.6 A distribuição biomial Defiição: uma eperiêcia ou prova de Beroulli é uma eperiêcia aleatória só com dois resultados possíveis (um deles chamado "sucesso" e o outro "isucesso"). Seja P(sucesso) = p,

Leia mais

AULA 17 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO

AULA 17 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO Processameto Digital de Siais Aula 7 Professor Marcio Eisecraft abril 0 AULA 7 A TRANSFORMADA Z - DEFINIÇÃO Bibliografia OPPENHEIM, A.V.; WILLSKY, A. S. Siais e Sistemas, a edição, Pearso, 00. ISBN 9788576055044.

Leia mais

Cálculo II Sucessões de números reais revisões

Cálculo II Sucessões de números reais revisões Ídice 1 Defiição e exemplos Cálculo II Sucessões de úmeros reais revisões Mestrado Itegrado em Egeharia Aeroáutica Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Atóio Beto beto@ubi.pt Departameto de Matemática Uiversidade

Leia mais

Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo VII: Soluções Numéricas de Equações Difereciais Ordiárias 0. Itrodução Muitos feómeos as áreas das ciêcias egearias ecoomia etc. são modelados por equações difereciais. Supoa-se que se quer determiar

Leia mais

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária.

1.4 Determinantes. determinante é igual ao produto dos elementos da diagonal principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária. 1.4 Determiates A teoria dos determiates surgiu quase simultaeamete a Alemaha e o Japão. Ela foi desevolvida por dois matemáticos, Gottfried Wilhelm Leibiz (1642-1716) e Seki Shisuke Kowa (1642-1708),

Leia mais

Probabilidade II Aula 12

Probabilidade II Aula 12 Coteúdo Probabilidade II Aula Juho de 009 Desigualdade de Marov Desigualdade de Jese Lei Fraca dos Grades Números Môica Barros, D.Sc. Itrodução A variâcia de uma variável aleatória mede a dispersão em

Leia mais

Capítulo 3. Sucessões e Séries Geométricas

Capítulo 3. Sucessões e Séries Geométricas Capítulo 3 Sucessões e Séries Geométricas SUMÁRIO Defiição de sucessão Mootoia de sucessões Sucessões itadas (majoradas e mioradas) Limites de sucessões Sucessões covergetes e divergetes Resultados sobre

Leia mais

Aplicações Diferentes Para Números Complexos

Aplicações Diferentes Para Números Complexos Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Aplicações Diferetes Para Números Complexos Capítulo I Cometário Iicial O artigo que aqui apresetamos ão tem como objetivo itroduzir ao leitor o assuto

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Cálculo IV: Métodos da Física-Matemática

Cálculo IV: Métodos da Física-Matemática Uiversidade Federal do Rio de Jaeiro - UFRJ Istituto de Matemática - IM Departameto de Matemática Cálculo IV: Métodos da Física-Matemática Professor Adá J. Corcho Ferádez Rio de Jaeiro-RJ, 22 de ovembro

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

Departamento de Matemática. CÁLCULO ii. Ady Cambraia Junior Braz Moura Freitas. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância

Departamento de Matemática. CÁLCULO ii. Ady Cambraia Junior Braz Moura Freitas. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Departameto de Matemática CÁLCULO ii Ady Cambraia Juior Braz Moura Freitas 7 Coordeadoria de Educação Aberta e a Distâcia Uiversidade Federal de Viçosa Reitora Nilda de Fátima Ferreira Soares Vice-Reitor

Leia mais

Elementos de Análise - Verão 2001

Elementos de Análise - Verão 2001 Elemetos de Aálise - Verão 00 Lista Thomas Robert Malthus, 766-834, foi professor de Ecoomia Política em East Idia College e em seu trabalho trouxe à luz os estudos sobre diâmica populacioal. Um de seus

Leia mais

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis:

Alguns autores também denotam uma sequência usando parêntesis: Capítulo 3 Sequêcias e Séries Numéricas 3. Sequêcias Numéricas Uma sequêcia umérica é uma fução real com domíio N que, a cada associa um úmero real a. Os úmeros a são chamados termos da sequêcia. É comum

Leia mais

( 7) ( 3) Potenciação

( 7) ( 3) Potenciação Poteciação Defiição: Calcular a potêcia de um úmero real a equivale a multiplicar a, por ele mesmo, vezes. A otação da operação de poteciação é equivalete a: Eemplos: 6; 7 9 a a. a. a... a vezes Propriedades:

Leia mais

( 1,2,4,8,16,32,... ) PG de razão 2 ( 5,5,5,5,5,5,5,... ) PG de razão 1 ( 100,50,25,... ) PG de razão ½ ( 2, 6,18, 54,162,...

( 1,2,4,8,16,32,... ) PG de razão 2 ( 5,5,5,5,5,5,5,... ) PG de razão 1 ( 100,50,25,... ) PG de razão ½ ( 2, 6,18, 54,162,... Progressões Geométricas Defiição Chama se progressão geométrica PG qualquer seqüêcia de úmeros reais ou complexos, ode cada termo a partir do segudo, é igual ao aterior, multiplicado por uma costate deomiada

Leia mais

4 SÉRIES DE POTÊNCIAS

4 SÉRIES DE POTÊNCIAS 4 SÉRIES DE POTÊNCIAS Por via da existêcia de um produto em C; as séries adquirem a mesma relevâcia que em R; talvez mesmo maior. Isso deve-se basicamete ao facto de podermos ovamete formular as chamadas

Leia mais

12. Taxa de variação Muitos conceitos e fenômenos físicos, econômicos, biológicos, etc. estão relacionados com taxa de variação.

12. Taxa de variação Muitos conceitos e fenômenos físicos, econômicos, biológicos, etc. estão relacionados com taxa de variação. Egearia Mecâica. Taa de variação Muitos coceitos e feômeos físicos, ecoômicos, biológicos, etc. estão relacioados com taa de variação. Defiição : Taa de variação média. Cosidere variável idepedete e y

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

Exercícios Complementares 1.2

Exercícios Complementares 1.2 Exercícios Comlemetares..A Dê exemlo de uma sequêcia fa g ; ão costate, ara ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e crescete (c) limitada e ão moótoa (e) ão limitada e ão moótoa (b) limitada e decrescete

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

1. Revisão Matemática

1. Revisão Matemática Se x é um elemeto do cojuto Notação S: x S Especificação de um cojuto : S = xx satisfaz propriedadep Uião de dois cojutos S e T : S T Itersecção de dois cojutos S e T : S T existe ; para todo f : A B sigifica

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE SINAIS CADERNO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE SINAIS CADERNO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS PROCESSAMENTO DIGITAL DE SINAIS CADERNO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS - Determie quais sequêcias (siais discretos o tempo) abaixo são periódicos ou aperiódicos. No caso dos siais periódicos, determie o período

Leia mais

= o logaritmo natural de x.

= o logaritmo natural de x. VI OLIMPÍ IEROMERIN E MTEMÁTI UNIVERSITÁRI 8 E NOVEMRO E 00 PROLEM [5 potos] Seja f ( x) log x 0 = o logaritmo atural de x efia para todo 0 f+ ( x) = f() t dt = lim f() t dt x 0 ε 0 ε Prove que o limite

Leia mais

Tópicos: Análise e Processamento de BioSinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade de Coimbra

Tópicos: Análise e Processamento de BioSinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade de Coimbra Cap. 5-Trasformada de Z Uiversidade de Coimbra Aálise e Processameto de BioSiais Mestrado Itegrado em Egeharia Biomédica Faculdade de Ciêcias e Tecologia Uiversidade de Coimbra Slide Aálise e Processameto

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

Duração: 90 minutos 5º Teste, Junho Nome Nº T:

Duração: 90 minutos 5º Teste, Junho Nome Nº T: Escola Secudária Dr. Âgelo Augusto da Silva Teste de MATEMÁTICA A 11º Ao Duração: 90 miutos 5º Teste, Juho 006 Nome Nº T: Classificação O Prof. (Luís Abreu) 1ª PARTE Para cada uma das seguites questões

Leia mais

Sobre a necessidade das hipóteses no Teorema do Ponto Fixo de Banach

Sobre a necessidade das hipóteses no Teorema do Ponto Fixo de Banach Sobre a ecessidade das hipóteses o Teorema do Poto Fio de Baach Marcelo Lopes Vieira Valdair Bofim Itrodução: O Teorema do Poto Fio de Baach é crucial a demostração de vários resultados importates da Matemática

Leia mais

Métodos iterativos. Métodos Iterativos para Sistemas Lineares

Métodos iterativos. Métodos Iterativos para Sistemas Lineares Métodos iterativos Métodos Iterativos para Sistemas Lieares Muitos sistemas lieares Ax = b são demasiado grades para serem resolvidos por métodos directos (por exemplo, se A é da ordem de 10000) á que

Leia mais

Desigualdades Aritméticas

Desigualdades Aritméticas Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Joves Desigualdades Aritméticas. Mostra que a + b a + b, para todos os úmeros reais a e b (desigualdade triagular). Quado é que se tem a igualdade? Geeraliza

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ao 00 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como a probabilidade do João acertar em cada tetativa é 0,, a probabilidade do João acertar as tetativas é 0, 0, 0, 0,

Leia mais

Sucessão de números reais. Representação gráfica. Sucessões definidas por recorrência. Introdução 8. Avaliação 18 Atividades de síntese 20

Sucessão de números reais. Representação gráfica. Sucessões definidas por recorrência. Introdução 8. Avaliação 18 Atividades de síntese 20 Ídice Sucessão de úmeros reais. Represetação gráfica. Sucessões defiidas por recorrêcia Itrodução 8 Teoria. Itrodução ao estudo das sucessões 0 Teoria. Defiição de sucessão de úmeros reais Teoria 3. Defiição

Leia mais

Prova-Modelo de Matemática

Prova-Modelo de Matemática Prova-Modelo de Matemática PROVA Págias Esio Secudário DURAÇÃO DA PROVA: miutos TOLERÂNCIA: miutos Cotações GRUPO I O quarto úmero de uma certa liha do triâgulo de Pascal é. A soma dos quatro primeiros

Leia mais

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números reais ordenados.

Definição 1: Sequência é uma lista infinita de números reais ordenados. Cálculo I Egeharia Mecâica. Sequêcias Defiição : Sequêcia é uma lista ifiita de úmeros reais ordeados. 2º termo º termo Nome (x ) = (x, x 2, x,..., x,...) º termo º termo N R x Observação: Podemos pesar

Leia mais

Séries e aplicações15

Séries e aplicações15 Séries e aplicações5 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 5. Sequêcias 5. Séries 5. Séries especiais 5.4 Arquimedes e a quadratura da parábola 5.5 Sobre a Covergêcia de séries 5.6 Séries de Taylor

Leia mais

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1

1.1. Ordem e Precedência dos Cálculos 1) = Capítulo 1 Capítulo. Aritmética e Expressões Algébricas O estudo de cálculo exige muito mais que o cohecimeto de limite, derivada e itegral. Para que o apredizado seja satisfatório o domíio de tópicos de aritmética

Leia mais

12 Séries. O esquema usado a seguir permite um melhor entendimento da forma de se obter a solução do problema.

12 Séries. O esquema usado a seguir permite um melhor entendimento da forma de se obter a solução do problema. 2 Séries 2. Sequêcia O matemático italiao Leoardo de Pisa (80 250), também chamado Fiboacci, escreveu em 202 o Livro Liber Abaci (O Livro do Ábaco), o qual propôs o seguite problema: Caso ão ocorram mortes,

Leia mais

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares.

Capítulo 5 Cálculo Diferencial em IR n 5.1 Definição de função de várias variáveis: campos vetoriais e campos escalares. 5. Defiição de fução de várias variáveis: campos vetoriais e. Uma fução f : D f IR IR m é uma fução de variáveis reais. Se m = f é desigada campo escalar, ode f(,, ) IR. Temos assim f : D f IR IR (,, )

Leia mais

Sucessões Reais. Ana Isabel Matos DMAT

Sucessões Reais. Ana Isabel Matos DMAT Sucessões Reais Aa Isabel Matos DMAT 8 de Outubro de 000 Coteúdo Noção de Sucessão Limite de uma Sucessão 3 Sucessões Limitadas 3 4 Propriedades dos Limites 4 5 Limites I itos 8 5. Propriedades dos Limites

Leia mais

INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. b a

INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. b a INTEGRAÇÃO NUMÉRICA No cálculo, a itegral de uma ução oi criada origialmete para determiar a área sob uma curva o plao cartesiao. Ela também surge aturalmete em dezeas de problemas de Física, como por

Leia mais

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré. 1 Sequências de números reais 1

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré.  1 Sequências de números reais 1 Matemática Essecial Sequêcias Reais Departameto de Matemática - UEL - 200 Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessecial/ Coteúdo Sequêcias de úmeros reais 2 Médias usuais 6 3 Médias versus progressões

Leia mais

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan.

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan. Matemática Biômio de Newto Professor Duda www.acasadococurseiro.com.br Matemática BINÔMIO DE NEWTON Defiição O biômio de Newto é uma expressão que permite calcular o desevolvimeto de (a + b), sedo a +

Leia mais

[Digite texto] T U R M A D O P R O F. J E J E C A E X A M E F I N A L R E C U P E R A Ç Ã O F I N A L 9 º E. F = b) [Digite texto]

[Digite texto] T U R M A D O P R O F. J E J E C A E X A M E F I N A L R E C U P E R A Ç Ã O F I N A L 9 º E. F = b) [Digite texto] [Digite teto] I Poteciação 0. Calcule as seguites potêcias: a) 4 b) 4 0 e) (-) 4 f) g) h) 0 i) (,4) 0 j) (-0,) 0 k) 7¹ l) (,4) ¹ m) (-) ¹ ) 4 7 o) - p) (-) - q) 4 r) s) t) u) v) 4 ESTUDO DIRIGIDO: Poteciação

Leia mais

Preliminares 1. 1 lim sup, lim inf. Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales. 8 de março de 2009.

Preliminares 1. 1 lim sup, lim inf. Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales. 8 de março de 2009. Medida e Itegração. Departameto de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales 8 de março de 2009. 1 lim sup, lim if Prelimiares 1 Seja (x ), N, uma seqüêcia de úmeros reais, e l o limite desta

Leia mais

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior.

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior. 0. PROGRESSÃO ARITMÉTICA: É toda sequêcia em que é SEMPRE costate a DIFERENÇA etre um termo qualquer da sequêcia (a partir do segudo, claro!) e seu aterior, logo dada a sequêcia a a a a a a R. A razão

Leia mais

INTEIROS DE GAUSS E INTEIROS DE EISENSTEIN Guilherme Fujiwara, São Paulo SP

INTEIROS DE GAUSS E INTEIROS DE EISENSTEIN Guilherme Fujiwara, São Paulo SP Nível Avaçado. INTEIROS DE GAUSS E INTEIROS DE EISENSTEIN Guilherme Fujiwara, São Paulo SP Vamos abordar esse artigo a aritmética de dois cojutos de iteiros algébricos: os Iteiros de Gauss e os Iteiros

Leia mais

b) Fabrico de peças cilíndricas Capítulo 5 - Distribuições conjuntas de probabilidades e complementos X - comprimento da peça Y - diâmetro da peça

b) Fabrico de peças cilíndricas Capítulo 5 - Distribuições conjuntas de probabilidades e complementos X - comprimento da peça Y - diâmetro da peça Capítulo 5 - Distribuições cojutas de probabilidades e complemetos 5.1 Duas variáveis aleatórias discretas. Distribuições cojutas, margiais e codicioais. Idepedêcia Em relação a uma mesma eperiêcia podem

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Binômio de Newton e Triangulo de Pascal. Soma de Elementos em Linhas, Colunas e Diagonais. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Biômio de Newto e Triagulo de Pascal Soma de Elemetos em Lihas, Coluas e Diagoais Segudo Ao do Esio Médio Autor: Prof Fabrício Siqueira Beevides Revisor: Prof Atoio Camiha M Neto

Leia mais

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos:

DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL. todas as repetições). Então, para todo o número positivo ξ, teremos: 48 DESIGUALDADES, LEIS LIMITE E TEOREMA DO LIMITE CENTRAL LEI DOS GRANDES NÚMEROS Pretede-se estudar o seguite problema: À medida que o úmero de repetições de uma experiêcia cresce, a frequêcia relativa

Leia mais

Números primos, números compostos e o Teorema Fundamental da Aritmética

Números primos, números compostos e o Teorema Fundamental da Aritmética Polos Olímpicos de Treiameto Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 4 Números primos, úmeros compostos e o Teorema Fudametal da Aritmética 1 O Teorema Fudametal da Aritmética

Leia mais

DFS Série Discreta de Fourier DFT Transformada Discreta de Fourier Convolução Circular

DFS Série Discreta de Fourier DFT Transformada Discreta de Fourier Convolução Circular Sistemas de Processameto Digital Egeharia de Sistemas e Iformática Ficha 4 5/6 4º Ao/ º Semestre DFS Série Discreta de Fourier DFT Trasformada Discreta de Fourier Covolução Circular Para calcular a DFT,

Leia mais

a 1, se n=1 i=1 a i + a n, se n > 1 a i. i=1 n N

a 1, se n=1 i=1 a i + a n, se n > 1 a i. i=1 n N Capítulo 3 Séries Numéricas 3. Geeralização da operação adição A operação adição ou soma é iicialmete defiida como a aplicação que a cada par de úmeros reais faz correspoder um úmero real, de acordo com

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 ESTUDO DOS POLINÔMIOS. nulo.

Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues 1 ESTUDO DOS POLINÔMIOS. nulo. Matemática Prof.: Joaquim Rodrigues ESTUDO DOS POLINÔMIOS Questão 0 Dê o grau de P em cada caso: a) P() = 7 + b) P () = + + 7 c) P () = + d) P () = + e) P () = 0 f) P () = 0 Questão 0 Dado o poliômio P()

Leia mais