UM LUXO PARA CADA BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM LUXO PARA CADA BRASIL"

Transcrição

1 Af-Revista 0 Ok Completa 4 Cores:Layout 0//0 : PM Page 8 A DIFFERENT LUXURY TO EACH BRAZIL RICARDO MOURA RESUMO Este artigo busca evideciar os iúmeros sigificados que a oção de Luxo apreseta o Brasil. Esta amplitude de sigificados deriva de dois fatores, a saber: o Luxo é um mercado em processo de amadurecimeto o país, diferetemete de outros mercados, como o Europeu, o que justifica formas de agir e pesar tão diversas sobre o tema; trata-se de uma sociedade cuja composição social é extremamete complexa, com marcate cotraste de classes, fometado o desejo de difereciação social que se estede para além das classes mais altas. Como fudametação da aálise foram utilizados os dados da pesquisa O Mercado do Luxo o Brasil 00/008, realizada pela GfK Brasil em parceria com a MCF Cosultoria. PALAVRAS-CHAVE: Mercado de Luxo o Brasil, cosumo em diferetes classes sociais. ABSTRACT This article tries to demostrate the iumerable meaigs the otio of Luxury carries i Brazil. This rage of meaigs derives from two factors, amely: the Luxury market is i the process of maturatio i the coutry, ulike other markets, such as the Europea, ad that warrats the diversity of ways of actig upo ad thikig about the subject; this is a society whose compositio is extremely complex, presetig remarkable differeces betwee social ecoomic levels, thus fosterig a desire for social differetiatio that outstrips the higher classes. As grouds for aalysis, data from the The Luxury market i Brazil 00/008 research carried out by GfK Brazil i partership with MCF Cosultig were used. GRADUADO EM PROPAGANDA E MARKETING PE- LA UNIVERSIDADE MACKENZIE DE SÃO PAU- LO, COM MBA EM MARKETING PELA ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING DE SÃO PAULO. É GERENTE DE PESQUISA NA GFK BRASIL. IZABELA GAZZOLA GRADUADA EM CIÊNCIAS SOCIAIS PELA UNI- VERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS E MESTRE EM SOCIOLOGIA PELA MESMA INSTI- TUIÇÃO. FORMADA EM LETRAS PELA UNIVER- SITÉ DE NANCY (FRANÇA/ALIANÇA FRANCE- SA). É ANALISTA DE PESQUISA EM PROJETOS INTERNACIONAIS NA GFK BRASIL. KEY WORDS: Luxury market i Brazil, cosumptio at differet social classes. 8

2 Af-Revista 0 Ok Completa 4 Cores:Layout 0//0 : PM Page. INTRODUÇÃO Uma das dificuldades ao se abordar o coceito de Luxo deve-se à amplitude de sua sigificação. O Luxo é plural, pois ão se refere ao racioal e lógico, mas ates à esfera dos setidos e emoções itesas. Assim, ão só o Luxo teve sigificações diversas ao logo da história, como coexistem atualmete diferetes setidos para a palavra. Algus aspectos, etretato, estão o cere do coceito. Pode-se dizer que, ao logo de sua evolução histórica, o Luxo sempre esteve atrelado ao raro e difereciador. Tal diversidade de percepções que usualmete evolve o Luxo é particularmete aflorada e claramete evideciada a sociedade brasileira. O objetivo deste artigo é abordar as diversas percepções que existem sobre o Luxo o Brasil, etedidas aqui como um fator que espelha a própria estrutura social do país através de sua diversidade de percepções. Defede-se que essa diversidade o etedimeto do Luxo decorre de dois elemetos: O Luxo é um mercado em processo de amadurecimeto o país, diferetemete de outros mercados, como o Europeu o que justifica terem-se formas de agir e pesar tão diversas sobre o tema. Trata-se de uma sociedade cuja composição social é extremamete complexa, com marcate cotraste de classe, fometado o desejo de difereciação social que se estede para além das classes mais altas. A iteção é mostrar como a oção de Luxo extrapola os limites de classe social, educação e mesmo reda, pois diferetes Luxos são almejados por diferetes estratos sociais. Esses argumetos serão reforçados por dados trazidos pela pesquisa O Mercado do Luxo o Brasil 00/008, realizada pela GfK Brasil em parceria com a MCF Cosultoria. Trata-se de amplo estudo via Web e telefoe, realizado em três fretes: empresários do segmeto; cosumidores do Luxo e cosumidores em geral (classes A, B, C e D). A pesquisa O Mercado do Luxo o Brasil 00/008 abordou tato cosumidores em geral quato cosumidores do Luxo. Para obter dados de 8cosumidores em geral, utilizou-se a pesquisa Omibus GfK Brasil, que realiza etrevistas mesais via CATI com abragêcia represetativa acioal. Por outro lado, para obter dados dos cosumidores de Luxo, foi realizada uma pesquisa via Web com 4 cosumidores desse segmeto. O lik de acesso ao questioário foi divulgado em revistas,lojas e shoppig ceters especializados e os respodetes tomaram a iiciativa de respoder ao questioário. Pergutas-filtro foram aplicadas para garatir a acurácia do perfil do etrevistado.. O DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO CONCEITO Etimologicamete ão há uma cocordâcia etre os teóricos do tema sobre a real origem da palavra, assumido-se, portato, que Luxo deriva do latim Lux (luz, espledor) ou Luxus (excesso em geral, sutuosidade excessiva ou idulgêcia dos setidos), do qual deriva Luxúria (voluptuosidade, exuberâcia, profusão). Sua origem está atrelada a brilho e faustosidade. Por defiição, Luxo remete ao sutuoso, excessivo e raro, em completa oposição ao baal, acessível e cotidiao. Com o tempo o setido de Luxo deixou de ser ligado a fudametos de ordem religiosa e espiritual (período paleolítico (LIPOVETSKY; ROUX, 00)), para torar-se elemeto de difereciação social e ser fortemete relacioado a objetos ou serviços de alto valor. Perfil de compra, poder aquisitivo, escolaridade, detre outros ites. 0

3 Af-Revista 0 Ok Completa 4 Cores:Layout 0//0 : PM Page 0 PRESENTES PARA... (PRINCIPAIS MENÇÕES) TOTAL VOCÊ MESMO % MARIDO / ESPOSA PAI / MÃE NAMORADO (A) AMIGOS FILHO (A) OUTROS % % % 4% 4% % A complexidade que a oção de Luxo evolve pode ser percebida pelas iúmeras tetativas de coceituação do termo. Exclusivamete a atualidade, pode-se dizer que o Luxo evolve: Recohecimeto da qualidade do produto/serviço como referêcia o mercado. Tradição. Limitação e seletividade a propagada e distribuição. Preço coerete com o segmeto. Durate séculos de história o Luxo remeteu a trajes ricos, cortes e serviçais, pedras preciosas e grades palácios, elemetos voltados para difereciação e afirmação de poder, de pertecimeto a uma classe forte e mioritária capaz de gerar submissão, respeito e recohecimeto. A admiração provada em seus espectadores resulta em imitação ou desejo de perteça e idetificação, pois o Luxo cumpre importate fução psicológica e social. Com o passar dos aos mudam-se as votades e os desejos humaos icliam-se a ovos iteresses. O Luxo é revisitado e, de uo, trasforma-se em plural, desdobrado-se em vários, de acordo com o desevolvimeto sócio-cultural dos idivíduos. Nesse seu desdobrameto o Luxo reflete a complexidade das sociedades globais. No mudo idustrial do século XVIII o Luxo associava-se à exibição e poder, o que era permitido dada a existêcia de uma padroização os laços sociais, coforme matéria de Jorge Forbes A 'desistitucioalização' do Luxo, dispoível em: <http://www.jorgeforbes.com.br>. 0 Base: respodetes da amostra de 4 cosumidores do Luxo. Respostas múltiplas. GRÁFICO Para quem os cosumidores do Luxo compram artigos de Luxo. Fote: GFK BRASIL; MCF CONSULTORIA. O mercado do luxo o Brasil. A globalização impõe múltiplos padrões, ode o que é valorizado por um, ão o é por outro, e a arrogâcia pode ser rapidamete percebida como algo ridículo. A era da globalização abre espaço ao Luxo itimista em vez do espetacular e exibicioista. Relacioa-se muito mais à particularidade da escolha, em cotrapoto à difereciação simplesmete pelo custo. O Luxo modero é dotado de forte dimesão sesorial e sesual, cujo prazer é chegar a lugares uca ates visitados, descobrir sabores e aromas, efim experimetar. É revestido por um caráter itimista e emocioal, cujo maior objetivo ão mais é de idetificação com uma classe, mas sim de difereciação completa etre o idivíduo e todos os demais.tal característica é reflexo de uma época em que o idividualismo é a tôica social, ode é mister a difereciação idividual em relação à massa e a busca da auto-satisfação é crescete (LI- POVETSKY; ROUX, 00). Em resumo, busca-se ao acessar um produto ou serviço de Luxo, distaciar-se do outro, torar-se sigular, cotribuido para uma imagem de difereciação do covecioal. Se, a pricípio, a iteção de acesso ao Luxo era para formalizar o pertecimeto a uma classe, atualmete volta-se para o desejo pessoal de saber-se diferete, coforme matéria O Espírito do Luxo de Jorge Forbes, dispoível em: jorgeforbes.com.br. O Gráfico mostra como o cosumo do Luxo a atualidade é hedoista, tedêcia que foi evideciada pelos próprios cosumidores do segmeto do Luxo a pesquisa O Mercado do Luxo o Brasil 00/008. Quado questioados sobre para quem compram produtos de Luxo, os respodetes mecioaram, majoritariamete, que compram para si mesmos, com larga difereça em relação ao segudo destiatário, a saber, marido/esposa.

4 Af-Revista 0 Ok Completa 4 Cores:Layout 0//0 : PM Page Em resumo, o cosumidor do Luxo quer se presetear adquirido ites para seu próprio prazer e uso, o que cofirma o hedoismo que a atividade represeta. Exemplo mais emblemático do ovo Luxo é o multimilioário Deis Tipo, o primeiro turista espacial da História. Após desembolsar em toro de 0 milhões de dólares, cocedeuse o prazer de uma experiêcia úica e sem preço, capaz de trasformar e difereciar sua vida para sempre.. OS MUITOS LUXOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA É a partir da década de 0 que o mercado de Luxo brasileiro começa a se desevolver devido a questões de ordem ecoômica, como estabilidade e abertura do mercado. O Luxo é, portato, um segmeto de desevolvimeto recete, em expasão o presete. Justamete por esse caráter ovo do mercado, pode-se dizer que presetemete coabitam cocepções diversas e cotrapostas do Luxo, cujo coceito se desdobra em iúmeras sigificações: segudo classe social, tipo de ascesão social etc., ou seja, o Luxo o Brasil toma um setido aida mais complexo, dado que em sociedades desiguais e estratificadas como essa, o que é básico para algus aida é cosiderado Luxo para muitos. É preciso destacar aida o papel de difereciação social que o Luxo é capaz de exercer de forma magistral. As desigualdades da sociedade brasileira marcam o desejo de difereciação da elite e da classe média em relação a classes meos abastadas. Nesse setido, o Luxo cumpre sua fução como delimitador de froteiras etre grupos sociais. O forte cosumo de bes falsificados parece remeter ao desejo de pertecimeto e possibilidade de distição de seus usuários em relação aos demais. Tal aspecto pode ser visto em paralelo ao comportameto da burguesia européia do século XVIII, que, para se distaciar de suas origes trabalhadoras, copia hábitos e adquire objetos que os remetam à obreza. No Brasil, como aida ão existe o amadurecimeto desse mercado, tal comportameto pode se equiparar a: Novos ricos: pessoas eriquecidas que buscam expor seu progresso material de forma exibicioista através da aquisição de produtos de Luxo. População: pessoas que recorrem aos produtos falsificados como forma acessível de possuir objetos belos e a pricípio caros, além de se vicularem de alguma forma a esse uiverso exclusivo. Nesse setido, o Luxo atual covive com categorias como semi Luxo e falso Luxo, dadas por Lipovetsky; Roux (00) para represetar produtos de meores preços direcioados às classes médias e que cumprem a mesma fução social de supressão de desejos para possuir coisas belas. A dissemiação de cópias, aliada à produção pelas marcas de Luxo de mercadorias com meor valor (perfumes, cosméticos, etre outros) provocam hoje a democratização do Luxo. Além disso, a grade escala de produção dos dias atuais pode trasformar produtos raros em bes acessíveis à parcela mais ampla da população, deixado de ser um elemeto de difereciação em algus estratos sociais. Isso porque, em certos casos, bes podem deixar de ser cosiderados como de Luxo para determiada parcela da população e aida o ser para as demais como o DVD, que se torou popular para as classes B e C, embora costitua objeto de desejo para as classes D e E. Todos esses fatores fazem com que o Luxo seja dissemiado mais democraticamete pela população.ao serem questioados sobre se já adquiriram produtos de Luxo alguma vez, 4% dos cosumidores em geral admite que sim, como evideciado o Gráfico. Certamete trata-se de percepções, e deve-se eteder aqui o forte aspecto subjetivo da compreesão do que seja Luxo.

5 Af-Revista 0 Ok Completa 4 Cores:Layout 0//0 : PM Page COMPROU ALGUMA VEZ NA VIDA PRODUTOS QUE CONSIDERA DE LUXO JÁ COMPROU ARTIGOS DE LUXO 4% JÁ COMPROU % NUNCA COMPROU Base: Cosumidores em geral (8). GRÁFICO Aquisição de artigos de Luxo pelos cosumidores em geral. Fote: GFK BRASIL; MCF CONSULTORIA. O mercado do luxo o Brasil. Sobre a categoria de objeto de Luxo cosumida, mostrada a Tabela, os dados revelam que os cosumidores em geral cosideram e cosomem como Luxo, eletrodomésticos (4%), seguidos por artigos de moda (%) e por automóveis (%). De forma geral, esse padrão de cosumo evidecia o gosto por bes duráveis, pricipalmete o que cocere a eletrodomésticos e automóveis (uma vez que os artigos de moda podem represetar ao mesmo tempo algo durável ou descartável ): Outro aspecto importate é a coexistêcia de duas cocepções opostas sobre o Luxo o Brasil. Por um lado, idetificase a busca por experiêcias idividuais e itimistas através do cosumo do Luxo, experiêcias capazes de difereciar pelo iusitado e difereciador. Por outro, tem-se a forma mais exibicioista de cosumo, aquela voltada para a busca da difereciação o uso de produtos caros e chamativos. Como foi mecioada, a marcate difereça etre as cocepções é o cotrapoto etre o desejo de pertecimeto a uma classe (cosumo exibicioista) e o desejo de se setir diferete (cosumo emocioal e voltado para experiêcias). Tais cocepções coexistem o Brasil de forma marcate, pricipalmete pelo fato de que o país aida vive um processo de amadurecimeto desse mercado fazedo com que cosumidores que ão têm o Luxo amadurecido como forma ierete do seu estilo de vida aida se restrijam ao uso, pura e simplesmete, voltado para exibição. Para exemplificar essa dimesão, questioaram-se os cosu- MODA ALIMENTOS E BEBIDAS JÓIAS E RELÓGIOS CATEGORIA DE PRODUTOS 0% 4% 0% TABELA Categoria de artigos cosumidos pelos cosumidores em geral. SAÚDE E COSMÉTICOS HOTÉIS E VIAGENS ELETRO-ELETRÔNICO % 8% 4% CATEGORIA % ELETRODOMÉSTICOS 4 ACESSÓRIOS / MODA AUTOMÓVEIS Base: respodetes da amostra de 8 cosumidores em geral. Fote: GFK BRASIL; MCF CONSULTORIA. O mercado do luxo o Brasil. SERVIÇOS EDITORAS E PUBLICAÇÕES DURÁVEIS ARTIGOS PARA CASA ARTE CRISTAL E PORCELANATO OUTROS % 0% 8% % 8% % 4% Base: respodetes da amostra de 4 cosumidores do Luxo. Respostas múltiplas. GRÁFICO Categoria de artigos cosumidos pelos cosumidores do Luxo. Fote: GFK BRASIL; MCF CONSULTORIA. O mercado do luxo o Brasil.

6 Af-Revista 0 Ok Completa 4 Cores:Layout 0//0 : PM Page TABELA Marcas mais lembradas pelos cosumidores em geral. CATEGORIA BRASTEMP, FERRARI, BMW, MERCEDES-BENZ, Base: Cosumidores em geral (8). Fote: GFK BRASIL; MCF CONSULTORIA. O mercado do luxo o Brasil. midores de Luxo sobre produtos acessados. Como resposta, tem-se uma ampla gama de ites, apresetados o Gráfico. As categorias cosideradas a hora da compra de produtos de Luxo vão desde elemetos duráveis, como jóias e relógios, a ites voltados para o prazer sesorial, como hotéis e viages e alimetos e bebidas. Dessa forma, percebe-se a forte preseça das categorias alimetos e bebidas (4%), hotéis e viages (8%) e serviços (%) a lista de produtos cosumidos, evideciado a tedêcia de buscar ovas experiêcias através de emoções e sesações. Por outro LOUIS VUITTON MARCAS MAIS LEMBRADAS TOP OF MIND (%) MAIS PRES- TIGIADA (%) PREFERIDA TRADICIONAL (%) (%) 8 DESPERTA DESEJO (%) 4 lado, ota-se também a forte aquisição de artigos de moda, jóias, relógios e eletro-eletrôicos, bes mais relacioados a um cosumo possivelmete ostetatório e durável.. LUXO E CLASSE SOCIAL Para exemplificar a subjetividade do coceito Luxo e evideciar a difereça de percepção segudo classes sociais, foi feita mais uma reflexão comparativa sobre os dados da pesquisa O Mercado do Luxo o Brasil 00/008. O Gráfico 4 mostra que, ao serem questioados sobre marcas de Luxo que vêm à mete, os cosumidores do segmeto do Luxo são efáticos em se lembrarem de marcas iteracioais de grade reome, como Louis Vuitto (%), Armai (%) e Dior (8%), apesar de haver grade pulverização de omes mecioados. ARMANI DIOR TIFFANY CHANEL MONTBLANC CARTIER PRADA GUCCI Etretato, quado os cosumidores em geral foram questioados sobre as marcas de Luxo que lhes vêm à mete, têm-se uma eorme surpresa: a marca mais lembrada como sedo de Luxo foge por completo daquelas apotadas pelos cosumidores do Luxo, como evidecia a Tabela. Para os cosumidores em geral, a Brastemp (%) é a marca mais lembrada como sedo de Luxo, o que traduz o desejo de cosumir bes duráveis e fucioais, ficado à frete de omes cosagrados do segmeto como Ferrari e BMW. OUTRAS 0 Base: respodetes da amostra de 4 cosumidores do Luxo. Respostas múltiplas. GRÁFICO 4 Marcas mais lembradas pelos cosumidores do Luxo. Fote: GFK BRASIL; MCF CONSULTORIA. O mercado do luxo o Brasil Além disso, como mecioado ateriormete, os cosumidores em geral viculam fortemete o cosumo de bes de Luxo a eletrodomésticos. Quado se quebra a iformação por classes sociais percebe-se que, embora ão apareça as meções da classe A, a Brastemp já aparece a partir da classe B (%), torado-se Dados da pesquisa com os cosumidores em geral revelam que etre 0 marcas Top of Mid de Luxo são relativas a bes duráveis.

7 Af-Revista 0 Ok Completa 4 Cores:Layout 0//0 : PM Page 4 TABELA Marcas mais lembradas pelos cosumidores das classes A, B, C e D. CLASSE A CLASSE C FERRARI BMW 8 DASLU 0 MERCEDES-BENZ BMW / AUDI BRASTEMP BRASTEMP 8 BRASTEMP 0 FERRARI BMW MERCEDES-BENZ FERRARI 4 CLASSE B CLASSE D Base: Cosumidores em geral (8). Fote: GFK BRASIL; MCF CONSULTORIA. O mercado do luxo o Brasil. a primeira meção etre as classes C (8%) e D (0%), coforme mostra a Tabela. Esses dados demostram claramete que o cotato da população com o mudo do Luxo é pequeo e restrito às marcas mais famosas, mas também é certo que mesmo uma marca que uca se posicioou como luxuosa e sim como melhor etre as demais, gaha esse recohecimeto da sociedade em geral. Além disso, é preciso lembrar que o posicioameto de Brastemp foi sempre embasado a sua comuicação como produto difereciado dos demais de seu segmeto e a um preço um pouco acima de suas cocorretes. 4. CONCLUSÃO Esses resultados revelam claramete que, equato a população almeja uma geladeira levemete mais requitada, as pessoas que realmete têm cotato com o Luxo vivem em outro espectro de cosumo e percepções buscam ates experiêcias e satisfação pessoal, e meos ostetação com o cosumo de objetos. A democratização do Luxo levou a parcela mais rica da população a se difereciar ão pelos produtos em si, mas pelas experiêcias passíveis de vivêcia. Hoje, o que difere uma pessoa abastada da outra ão é mais sua roupa ou perfume que podem ser amplamete comprados pela Iteret, mas sim a possibilidade de desfrutar de um refúgio itocado e ialcaçável. Falar em democratização do Luxo, assim, requer o cuidado de idetificar o setido usado para o termo. Nesse mometo é preciso retomar o que foi mecioado ateriormete, sobre as iúmeras sigificações da palavra. Sim, existe uma democratização as classes médias têm acesso a viages e objetos uca ates cosumidos. Etretato, os cosumidores do Luxo modero voltam suas ateções para as mais diversas experiêcias, que ultrapassam os limites do usual: viages ao espaço, vihos caríssimos, igredietes raros; cujo acesso é marcadamete restrito reforçado o setido máximo do termo, como procura por raridade e difereciação.. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BORN, Ai Mari. Luxo hoje e a publicidade. Dispoível em: Há assim, uma flexibilização do coceito de Luxo atualmete, fato aida mais evidete quado se trata especificamete do caso brasileiro. Coexistido com a forma mais exibicioista e ostesiva do Luxo, voltada para a admiração de um terceiro, advida historicamete e adaptada para a moderidade há, hoje, o Luxo das classes médias, voltado para o cosumo idulgete de produtos um pouco mais acessíveis, roupas de marca e acesso a caros restaurates; e um tipo de Luxo mais itagível, voltado para um código de comuicação etre pares capaz de propiciar difereciação pela experiêcia e pelos setidos, defiido pelo sutil. 4

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milea de Souza INTRODUÇÃO Um dos problemas causados pelo aumeto do processo de urbaização é a falta de seguraça, o qual limitou os espaços

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI

EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 8 GUILHERME CALDAS DE CASTRO / CAMILA AROUXA DE SOUZA / ROSANA MOURA DE ANDRADE EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA

DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA RECIFE 011 THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS:

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS NA CONDUÇÃO DE PESQUISAS QUALITATIVAS EM MARKETING

REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS NA CONDUÇÃO DE PESQUISAS QUALITATIVAS EM MARKETING Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 37 REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS NA CONDUÇÃO DE PESQUISAS QUALITATIVAS EM MARKETING REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS

Leia mais

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia Aálise estratégica dos leilões de ovos empreedimetos de geração de eergia elétrica Gustavo S. Masili masili@fem.uicamp.r Ferado C. Muhoz fcolli@fem.uicamp.r Resumo Leilões de empreedimetos o setor elétrico

Leia mais

Características das Empresas Inovadoras no Brasil: Uma análise empírica a partir da PINTEC

Características das Empresas Inovadoras no Brasil: Uma análise empírica a partir da PINTEC Características das Empresas Iovadoras o Brasil: Uma aálise empírica a partir da PINTEC Itrodução O objetivo deste artigo é aalisar as características das empresas iovadoras. Esta aálise é coduzida a partir

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

DETERMINANTES DA SATISFAÇÃO DOS CONSUMIDO- RES NOS SERVIÇOS DE CALL CENTER:UM ESTUDO EMPÍRICO COM CONSUMIDORES BRASILEIROS

DETERMINANTES DA SATISFAÇÃO DOS CONSUMIDO- RES NOS SERVIÇOS DE CALL CENTER:UM ESTUDO EMPÍRICO COM CONSUMIDORES BRASILEIROS Af-Revista :Layout 1 3/17/11 11:58 AM Page 12 SHEILA MOREIRA / CRISTINA GALAMBA MARREIROS / ANTÓNIO SOUZA DETERMINANTES DA SATISFAÇÃO DOS CONSUMIDO- RES NOS SERVIÇOS DE CALL CENTER:UM ESTUDO EMPÍRICO COM

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

PESQUISA ETNOGRÁFICA: UM ESTUDO DO USO DESSE INSTRUMENTO PELOS PROFISSIONAIS DE PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA ETNOGRÁFICA: UM ESTUDO DO USO DESSE INSTRUMENTO PELOS PROFISSIONAIS DE PESQUISA DE MARKETING Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 26 PESQUISA ETNOGRÁFICA: UM ESTUDO DO USO DESSE INSTRUMENTO PELOS PROFISSIONAIS DE PESQUISA DE MARKETING ETHNOGRAPHIC RESEARCH: AN ANALYSIS

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH

Leia mais

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos Produção, v. 22,. 4, p. 709-717, set./dez. 2012 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65132012005000073 O impacto da icorporação da iflação a aálise de projetos de ivestimetos Joaa Siqueira de Souza a *, Fracisco

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Goiânia, 07 a 10 de outubro. Mini Curso. Tópicos em passeios aleatórios. Ms. Valdivino Vargas Júnior - Doutorando/IME/USP

Goiânia, 07 a 10 de outubro. Mini Curso. Tópicos em passeios aleatórios. Ms. Valdivino Vargas Júnior - Doutorando/IME/USP Goiâia, 07 a 10 de outubro Mii Curso Tópicos em passeios aleatórios Ms. Valdivio Vargas Júior - Doutorado/IME/USP TÓPICOS EM PASSEIOS ALEATÓRIOS VARGAS JÚNIOR,V. 1. Itrodução Cosidere a seguite situação

Leia mais

O uso de questionários em trabalhos científicos

O uso de questionários em trabalhos científicos 1. Itrodução O uso de questioários em trabalhos cietíficos Um questioário é tão somete um cojuto de questões, feito para gerar os dados ecessários para se verificar se os objetivos de um projeto foram

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica no Ensino do Cálculo FERNANDA LAUREANO DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica no Ensino do Cálculo FERNANDA LAUREANO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica o Esio do Cálculo FERNANDA LAUREANO DA SILVA FERNANDA LAUREANO DA SILVA MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALAÇO DE ODAS LOGAS EM PIRACICABA, SP Kare Maria da Costa MATTOS (1) ; Marcius Gracco Marcoi GOÇALVES (1) e Valter BARBIERI () (1) Aluos de Pós-graduação em

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL Af-Revista :Layout 3/7/ :59 AM Page 39 PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO:

Leia mais

COMPORTAMENTO DO JOVEM CONSUMIDOR MEDIANTE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE MÍDIA

COMPORTAMENTO DO JOVEM CONSUMIDOR MEDIANTE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE MÍDIA Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:08 PM Page 8 SILVIO TADEU BERTONCELLO / EDSON CRESCITELLI COMPORTAMENTO DO JOVEM CONSUMIDOR MEDIANTE AS DIVERSAS ALTERNATIVAS DE MÍDIA BEHAVIOR OF THE

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA 9 ORIGINAL EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA HEALTH AND NUTRITION EDUCATION IN JOÃO PESSOA,, PAR ARAÍBA AÍBA,, BRAZIL Roberto Teixeira LIMA

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A COMPRA DE MÓVEIS PARA USO RESIDENCIAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM BASE NA PIRÂMIDE DE MASLOW

MOTIVAÇÕES PARA A COMPRA DE MÓVEIS PARA USO RESIDENCIAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM BASE NA PIRÂMIDE DE MASLOW Af-Revista :Layout 1 3/5/10 9:16 AM Page 41 MOTIVAÇÕES PARA A COMPRA DE MÓVEIS PARA USO RESIDENCIAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM BASE NA PIRÂMIDE DE MASLOW MOTIVAÇÕES PARA A COMPRA DE MÓVEIS PARA USO RESIDENCIAL:

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Cetro de Ciêcias Humaas e Sociais CCH Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Educação itegral e(m) tempo itegral: Espaços o Programa Bairro-Escola,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 -

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 - CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/014 - ESTE CADERNO DE PROVAS DESTINA-SE AOS CANDIDATOS AOS SEGUINTES CARGOS: Auxiliar de Saúde Soldador

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Instituto de Engenharia de Produção & Gestão

Instituto de Engenharia de Produção & Gestão UNIFEI - Uiversidade Federal de Itajubá Istituto de Egeharia de Produção & Gestão Notas compiladas por PEDRO PAULO BALESTRASSI ANDERSON PAULO DE PAIVA Itajubá/007 CAPÍTULO - ESTATÍSTICA. - Do que trata

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados 30.4.2004 L 143/15 REGULAMENTO (CE) N. o 805/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 que cria o título executivo europeu para créditos ão cotestados O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO

Leia mais

Modelagem Conceitual Entidade-Relacionamento. Projeto de Sistemas de Informação. Processo de Software. Fernanda Baião UNIRIO

Modelagem Conceitual Entidade-Relacionamento. Projeto de Sistemas de Informação. Processo de Software. Fernanda Baião UNIRIO Modelagem Coceitual Etidade-Relacioameto Ferada Baião UNIRIO Material parcialmete extraído a partir das otas de aula de Maria Luiza M. Campos, Araldo Vieira e Maria Cláudia Cavalcati Projeto de Sistemas

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA COORDENADORIA DE MATEMÁTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Vitória - ES CAPÍTULO I 1-UM BREVE HISTÓRICO Pesquisas arqueológicas idicam que há 3000 aos A.C. já se faziam cesos a Babilôia, Chia e Egito. Até mesmo

Leia mais

Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade

Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade Leadro Chaves Rêgo, Ph.D. 2013.1 Prefácio Estas otas de aula foram feitas para compilar o coteúdo de várias referêcias bibliográficas tedo em vista o coteúdo

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS. Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS

ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS. Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS Coceitos Segudo a OMS, a adolescêcia é um período da vida, que começa

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Uiversidade Federal de Mias Gerais Istituto de Ciêcias Exatas Departameto de Estatística Associação etre Variáveis Qualitativas - Teste Qui-Quadrado, Risco Relativo e Razão das Chaces (Notas de Aula e

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores Gestão da cadeia de suprimetos a partir de um processo de iteracioalização de empresa: a percepção dos gestores Guilherme Cuha Malafaia Alex Eckert 2 Fábio Eberhardt Teixeira 3 Resumo A gestão da cadeia

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem.

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem. Modelo Atômico de Bohr No fial do século XIX, o elétro já estava estabelecido como partícula fudametal, pricipalmete depois que, em 897, J. J. Thomso determiou a sua razão carga/massa. Sabia-se, etão,

Leia mais

P R O V A D E B I O L O G I A I. O desenho representa origem e ação de organela celular presente em muitos seres vivos. Digestão. Fagocitose Lisossoma

P R O V A D E B I O L O G I A I. O desenho representa origem e ação de organela celular presente em muitos seres vivos. Digestão. Fagocitose Lisossoma 10 P R O V A D E B I O L O G I A I QUESTÃO 31 O deseho represeta origem e ação de orgaela celular presete em muitos seres vivos. Digestão Membraa Plasmática Fagossoma Fagocitose Lisossoma Complexo de Golgi

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais