DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA"

Transcrição

1 RECIFE 011 THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Trabalho de Coclusão de Curso apresetado ao curso bacharelado em Ciêcias Ecoômicas da Faculdade São Miguel, como requisito para obteção do grau de bacharel em Ciêcias Ecoômicas. ORIENTADOR Valter de Adrade Silva RECIFE 011 THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA Trabalho julgado adequado e aprovado com coceito em / /. Baca Examiadora NOME DO PROFESSOR (INSTITUIÇÃO) NOME DO PROFESSOR (INSTITUIÇÃO) Às mihas três mulheres, Maria Sueli Barbosa da Silva (mãe), Adréa Helea Gomes da Silva (esposa) e Maria Eduarda da Costa Bastos (filha). 359

2 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso AGRADECIMENTOS Aos meus familiares, por toda estrutura e educação, pelo icetivo ao meu desevolvimeto itelectual, sem as quais ão poderia traspor esta etapa da vida. A Faculdade São Miguel, pelos seus propósitos morais, valores e visão de futuro, resposáveis por ateder às ecessidades acadêmicas, alem da estrutura oferecida, cotribuido substacialmete para a miha costrução de cohecimeto. A empresa Shoppig do Automóvel de Perambuco, por todo apoio oferecido. Ao professor Valter de Adrade Silva, pelo exemplo como professor e pela ajuda iestimável e preciosa cosultoria os aspectos técicos, além das valiosas sugestões. A professora Elie Waked, por todo apoio oferecido. A todos os professores pela imesa ateção, apoio e ecorajameto os mometos difíceis durate todo período da miha formação acadêmica. A miha grade amiga Rafaela Holada, por todo apoio oferecido e pelas diversas sugestões dadas durate coversas sobre o tema da presete pesquisa. A Adréa Tavares e Marcelo Nascimeto, fucioários da biblioteca da Faculdade São Miguel, por todo apoio oferecido. LISTA DE QUADOS E TABELAS Quadro 1: Volume de Vedas Referete ao ao de 010 o Shoppig do Automóvel de Perambuco Quadro : Faixas de Preço para Aquisição de Veículo Semi Novo Quadro 3: Faixas de Valor da Prestação para Fiaciameto de Veículo Semi Novo Tabela 1 Base de Dados para Aplicação do Método de Regressão Liear Múltipla LISTA DE GRÁFICOS E FIGURAS Gráfico 1: Reta de Regressão Estimada Gráfico : Represetação Gráfica de Regressão Liear Múltipla

3 Gráfico 3: Reta de Regressão (variável demada em fução do ível de pre ço) Gráfico 4: Reta de Regressão (variável demada em fução do valor de fiaciameto) Figura 1: Diagrama de Dispersão: Correlação Fraca...37 Figura : Diagrama de Dispersão: Correlação Forte RESUMO O presete estudo objetivou aalisar a fução demada, visado ecotrar uma defiição potual para a realidade dos demadates por veículos semi ovos o Shoppig do Automóvel de Perambuco, situado a cidade do Recife. O resultado possibilitou a avaliação de resultados acerca da existêcia de correlação etre variáveis associadas à demada. Utilizou-se um questioário cotedo questões fechadas para a pesquisa. Após essa etapa foi aplicado o método estatístico de regressão liear múltipla, bem como estudar, a existêcia de correlação etre as variáveis aalisadas. A pesquisa foi motivada pela possibilidade de mesuração acerca da ifluêcia de variáveis diretamete determiates a iteção de compra de veículos semi ovos. Vale salietar que o resultado dessa pesquisa pode subsidiar empresas do ramo comercial de veículos semi ovos, quato a estratégias de marketig e coseguitemete a ampliação do seu volume de vedas. Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Palavras Chave: Regressão Liear Simples. Regressão Liear Múltipla. Relação etre variáveis. Coeficiete de Correlação. Diagrama de Dispersão. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...36 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Cojutura Ecoômica Mercado de Automóveis Semi Novos Demada por Veículos Automotores Semi Novos Procedimetos Metodológicos Iferêcia Estatística Regressão Liear Regressão Liear Múltipla Estimação dos Parâmetros Correlação etre Variáveis Coeficiete de Correlação

4 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso.3.6 Coeficiete de Determiação Diagrama de Dispersão Local do Estudo de Caso Espaço Populacioal do Estudo Defiição do Tamaho da Amostra da População da Pesquisa Questioário Utilizado para a Coleta de Dados Resultados da Coleta de Dados Tabulação dos Dados Aálise da Existêcia de Correlação etre as Variáveis Aplicação do Método de Regressão Liear Múltipla Demada X Preço de Automóveis Semi Novos Demada X Prestação do fiaciameto de Automóveis Semi Novos CONSIDERAÇÕES FINAIS...38 REFERÊNCIAS ANEXOS INTRODUÇÃO A viabilidade das aálises ecoômicas se cofigura através da utilização de métodos estatísticos, com isso, surge a Estatística Aplicada, cumprido seu papel específico etre as ciêcias. No caso da ecoomia, como em outras áreas, existe uma cooperação das ciêcias exatas, tais como matemática e estatística. Quado, por sua vez, se faz uso de métodos estatísticos o âmbito ecoômico, surge a Ecoometria. A Ecoometria caracteriza-se como um cojuto de métodos que possibilita a realização de aálises quatitativas o campo das ciêcias ecoômicas, porém subsidiada pela Teoria Ecoômica, com um suporte Matemático, oferecedo o istrumetal ecessário à quatificação e estatísticas, capazes de estabelecer ligações etre as premissas teóricas e os fatos observados através de observações da realidade. Com o aumeto da oferta de veículos ovos, associada às codições de fiaciameto e aumeto da reda dos agetes ecoômicos, possibilitou um aumeto da demada pelos produtos de tal segmeto da ecoomia, surge o mercado paralelo de veículos semi ovos. Tal mercado absorve os demadates que por diversos motivos que ão icluem os cosumidores de veículos ovos, etre esses motivos destacam-se o valor de compra à vista do veículo e o valor da parcela do fiaciameto os casos de fiaciameto à prazo. A escolha do tema está associada à possibilidade de avaliação de 36

5 resultados, miimizado coclusões sem fudameto técico cietífico. Para dar sustetação a esta pesquisa, foi cosultada uma bibliografia que cosiste a fudametação teórica e para ortear a pesquisa. O foco cetral se mateve em comprovar a existêcia de relação etre o preço de veículos semi ovos à vista e a sua demada em comparação com a comprovação da existêcia de relação etre o valor da prestação do fiaciameto com sua demada. Com base esses resultados pôde-se descrever qual das duas variáveis (preço e valor da prestação do fiaciameto) detém maior ifluecia a demada por veículos semi ovos. Foi efetuada uma pesquisa de campo, utilizado o método de amostragem sistemática, selecioado aleatoriamete de acordo com a disposição aleatória dos elemetos da população. Os dados coletados seguiram um roteiro baseado primeiro o levatameto acerca da opiião dos demadates de veículos semi ovos de acordo com faixas de preço de veículos semi-ovos, a demada por veículos segudo o valor da parcela do fiaciameto, e por fim da aálise acerca da existêcia de relação etre as variáveis, sedo elas, preço e valor da parcela do fiaciameto a fução demada por veículos semi-ovos. Estas questões possibilitaram a mesuração do grau de correlação etre a demada por tal produto e sua relação com algumas variáveis. Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Para este trabalho utilizou-se também o método quatitativo, os dados obtidos foram coletados através do uso de um questioário cotedo quatro questões objetivas de múltipla escolha. Quato aos aspectos técicos, foi realizada uma pesquisa bibliográfica ecessária para subsidiar a aálise o que se refere ao método estatístico de regressão liear múltipla, fazedo uso de uma fudametação teórica, que fora seguida desde os dados coletados em campo até a apuração dos mesmos a fim de que fosse verificada a existêcia de correlação etre as variáveis estudadas. A partir desta aálise foram estabelecidas retas lieares que comprovaram a existêcia de relação etre o cojuto de variáveis. 363

6 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA.1 Cojutura Ecoômica A depeder da cojutura da ecoomia, e dos iteresses públicos acerca do icetivo à expasão ou retração do cosumo, como podese aalisar o caso recete viveciado pelo Brasil, quato a ecessidade de aquecer o cosumo, de tal forma, foi possível miimizar os efeitos da crise ecoômica mudial de 008, ode o govero brasileiro adotou um pacote de medidas o campo ecoômico, objetivado icetivar a aquisição de bes produzidos por setores chave da ecoomia brasileira, etre eles, destacou-se a ocasião o setores produtivo e de comercialização de veículos. Tal medida macroecoômica surgiu a forma da redução do Imposto sobre Produtos Idustrializados (IPI), que apresetou a resposta desejada pelo govero que a pôs em prática, possibilitado alta expressiva os úmeros referetes a vedas de veículos automotores ovos, com isso, o mercado de semi ovos foi desaquecido, pois com veículos ovos a meores preços ao cosumidor fial, despecaram os preços dos veículos semi ovos. De acordo com publicação do Joral Cash (009), Prorrogação do IPI dificulta veda de carros usados. Sobre a dificuldade da veda de carros usados pela prorrogação do IPI, divulga que Os preços dos carros usados apresetaram queda de 1,5% em maio, o que sializa uma tedêcia de aumeto da desvalorização. O Primeiro Joral (010), da Emissora de Telecomuicações Badeirates, apresetou dados que afirmam a existêcia de uma acetuada depreciação os preços dos carros usados, chegado a 0,5% em maio de 009 quado comparado ao mesmo mês do ao aterior; o acumulado do ao até o mês de maio foi de -3,9%, como grade problema, foi idetificado um acumulado egativo de 009, apresetado maiores desvalorizações em úmeros proporcioais quado comparados aos aos ateriores. Em um segudo mometo, ode o govero começou a reicluir o IPI os preços ao cosumidor fial, que tem como resultado um desaquecimeto da demada por veículos ovos, vido a proporcioar um ceário propício à retomada do mercado de veículos automotores semi ovos. Segudo a mídia televisiva, se tem otícia de que, os cosumidores voltaram a procurar carros semi ovos devido ao fim do IPI reduzido 364

7 icidido diretamete sobre os preços para aquisição de veículos usados. O mercado que compreede as revedas de veículos usados coseguiu mater-se estável a partir do mês de jaeiro de 011, a exemplo do estado de São Paulo, que apresetou um aumeto de 0,65% a comparação com o mês aterior. De acordo com uma publicação do Primeiro Joral EBad (011), ode represetates da Associação dos Revededores de Veículos Automotores do estado de São Paulo afirmaram que a restrição ao crédito e a desvalorização dos produtos foram os pricipais resposáveis pela queda os volumes de vedas. Em uma aálise publicada pela Revista Classificar (011), obtiveram como resultado a iformação de que quado se compara os úmeros relativos às vedas em jaeiro de 011 aos úmeros referetes às vedas o mesmo mês em o ao de 008, observa-se uma queda mais acetuada, cotabilizado -17,81%. Adiatou aida que aproximadamete 75% das vedas foi realizada evolvedo veículos com motorização de 1.0, cohecidos como populares. Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa De acordo com dados divulgados pela Revista Classificar (011), foi observado que o úmero de fiaciametos subiu de 56% em dezembro de 010 para 68% em jaeiro de 011, bem como os prazos de pagameto se estederam para 51 meses, quado em oportuidades ateriores eram fiaciados em prazo máximo para pagameto em 43 meses. Segudo Shapiro (000) o cosumo se relacioa diretamete com outras variáveis, a exemplo do ível de reda, riqueza acumulada, taxa de juros, poupaça e os sistemas fiaceiros, além de aspectos qualitativos como cor, modelo e acessórios etre outros. Cosiderase a decisão de cosumo uma escolha itertemporal, isto é, que o idivíduo, ao decidir quato cosumir hoje, ão leva em cosideração apeas a reda e o cosumo correte, mas traça um plao de cosumo para toda a vida, cosiderado a reda ao logo da vida, deve-se itroduzir a aálise dos determiates do cosumo outra variável relevate: a taxa de juros. A poupaça esses modelos é vista como uma reucia ao cosumo presete, para que se possa cosumir mais o futuro. Segudo Dorbusch (1991), quado alguém decide poupar, está fiaciado o ivestimeto, algus países associam baixos íveis de crescimeto ecoômico ao baixo percetual da reda destiado à poupaça. Visto que grade parte dos veículos semi ovos são vedidos por 365

8 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso meio de fiaciametos, surgem diversas questões acerca da iteção de compra dos demadates desse segmeto, questões essas que determiam com maior ou meor itesidade acerca da decisão de adquirir o veículo pretedido. Quado se fala em compra a primeira idéia que surge é o preço, a depeder do preço, e o caso dos veículos, sedo equadrados como bes duráveis, portato agregam um valor maior que os bes comus, dessa forma, sabe-se que em todos que demadam por esse tipo de bem detêm o valor ecessário para compra-lo à vista, surgem com isso os fiaciametos, que toram possível a aquisição de bes com valores mais elevados. A grade questão é coseguir ecotrar um modelo que expresse a relação etre o preço à vista e o valor da prestação para pagameto os casos de fiaciameto de veículos semi ovos, pois cada uma dessas variáveis tem atuação direta a iteção de compra de um veículo usado, porém ão se sabe com qual itesidade cada uma delas atua, a pesquisa em questão.este trabalho sugere um modelo que pretede estimar a real existêcia de relação e o ível de correlação etre a iteção de compra em fução do preço e da parcela do fiaciameto de um veículo semi ovo.. Mercado de Automóveis Semi Novos De acordo com Lacerda (011), em edição do Joral SBT Mahã, do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), Veda de carros usados cresceu quase % o último ao. O Joral Destak (008) também refere sobre o assuto da seguite forma: Veda de carros usados está aquecida, Em São Paulo, foram egociados 17,6 mil carros usados em março, uma alta de 49,0% sobre o mesmo mês de 008, diz a ASSOVESP (011). Do total de egócios, 73,% foram com veículos de motor 1.0. Houve queda o motate das compras fiaciadas em relação a março de 008: 71%, ate 78%. (Joral Destak (008). Etre os motivos que icidem sobre as variações a demada por veículos, relacioa-se diretamete duas variáveis, poupaça e reda do cosumidor, resultado a expressão C = Y S, ode respectivamete represetam: C = Cosumo; 366

9 Y = Reda (em iglês, Yield); S = Poupaça (em iglês, Savig). Portato, quato maior a reda, maior será a parcela destiada ao cosumo, pois a aquisição e utilização de veículos tem se torado um bem ecessário, ao cotrário de outras épocas, ode deomiava-se bem de luxo. Com tal fudametação técico-teórica, Silva (1996, p.116) diz que: O cosumo compreede o uso ou gasto dos serviços e dos bes de cosumo, tato pelo setor particular (uidades familiares) como goverametal...1 Demada por Veículos Automotores Semi Novos Um fator importate a decisão de adquirir um veículo semi ovo é o preço do veículo ovo, pois, segudo Silva (1997, p.160), a demada por um determiado bem X, pode ser represetada pela elasticidade cruzada da procura, sofredo variações a partir de outras variáveis evolvidas com a demada pelo bem X, de acordo com a demostração a seguir: Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Є c = elasticidade cruzada da procura Q x = variação a quatidade demadada do bem x; Q X = quatidade do bem X; P Z = variação do preço do bem Z; e P z = preço do bem Z. Portato, a partir desse pré suposto, coclui-se que a demada por veículos semi ovos está diretamete ligada ao preço dos veículos ovos. (SILVA, 1997). De acordo com a Teoria Elemetar da Demada, existem algus tipos de relação a serem efetuadas em relação ao desejo de cosumo, etre elas destacam-se: Relação etre a quatidade demadada e o preço do bem, ode relacioa-se a quatidade demadada de um bem X ao seu próprio 367

10 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso preço. Podedo ser represetado pela fução D x = f(p x ) Ceteris Paribus. Portato, aumetos o preço do bem X acarretam em quedas a quatidade demadada. sedo assim, quado o oposto ocorre, acarreta em aumetos a demada, bem como está represetado a seguir: P = D P = D a) Relação etre a procura de um bem e o preço dos outros bes, ode relacioa-se a quatidade demadada de um bem X ao preço dos outros bes, ou seja, sempre que ocorrerem variações os preços de seus cocorretes ou substitutos, visto que de tal codição ocorre sempre que existem semelhaças as características ou especificações técicas de um bem. Sedo represetado pela fução D x = f(p y ) Ceteris Paribus. b) Relação etre a procura de um bem e a reda do cosumidor, variações a reda do cosumidor acarretam em variações o ível de cosumo do mesmo, ou seja, D x = f(r), Ceteris Paribus. c) Relação etre a procura por um bem e o gosto do cosumidor, portato represetada como uma variável qualitativa, que tem haver com características particulares ou que teham ligação direta com creças, hábitos ou outros aspectos de tal atureza. (GREMAUD et al., 1998). Os tipos de relação descritos acima podem variar com maior ou meor itesidade, pois de acordo com a elasticidade- preço da demada pode-se medir o quão sesível a demada se comporta quado da variação das demais variáveis aalisadas. Dessa forma, pode-se afirmar que a quatidade demadada de veículos semi ovos sofre iterferêcia de variáveis como preço dos veículos ovos, ao, modelo, acessórios, opcioais de fabrica, taxa de juros do fiaciameto, prazo para pagameto, quatidade ofertada dos seus substitutos etre outras. (PINHO; VASCONCELOS, 1995)..3 Procedimetos Metodológicos 368

11 .3.1 Iferêcia estatística De acordo com Moretti (003), diferetemete da estatística descritiva, que possibilita a realização de mesurações probabilísticas, a iferêcia estatística busca realizar afirmações baseadas em iformações obtidas através da observação de amostras. Em aalises de grades populações, ode ão se tora possível ou viável observar todos os idivíduos, escolhe-se um método de amostragem como forma de simplificar a busca pelas respostas ecessárias a cada objetivo de estudo. Segudo Moretti (003) a solução é selecioar parte dos elemetos (amostra), aalisá-la e iferir propriedades para o todo (população). Coforme a defiição de Lappoi (008) a pesquisa realizada o Shoppig do Automóvel de Perambuco, os sujeitos da aálise da iteção de compra é represetada por todos os clietes poteciais, já a amostra pode ser represetada por um cojuto de sujeitos. Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa.3. Regressão Liear Etre os métodos estatísticos existe um deomiado Regressão Liear, que possibilita a realização de aálises acerca da existêcia de relação liear e itesidade de correlação etre variáveis. Cosiderado a existêcia de depedêcia etre as variáveis estudadas, esse caso, a aálise é realizada observado uma variável depedete em fução de duas ou mais variáveis idepedetes. Para que haja etedimeto das características do estudo através da aálise de regressão, é ecessário eteder algus termos da área estatística (ANDERSON et al, 00). Aida em relação ao modelo liear, vale ressaltar que: No modelo de regressão liear simples, y é uma fução de x a partir da expressão são deomiados parâmetros y = β 1 X 1 + Є, ode β 0 e β modelo, e Є (letra grega, lê-se Epsilo) é uma variável aleatória 1 defiida como o termo erro. O erro mede a variabilidade em y que ão pode ser, explicada pela relação liear etre y e x (ANDERSON et al, 00, p.441). Aida acerca da variável defiida como erro, e segudo Aderso (00, ): Uma das suposições é que o valor médio ou esperado de Є é zero. Uma cosequêcia dessa suposição é que o valor médio ou esperado de y, deotado por E(y), é igual a β 0 + β 1 x: em outras palavras, o valor médio de y é uma fução liear de x. a equação que descreve como valor médio de y está relacioado a x é chamada de equação de regressão (ANDERSON et al, 00, p ). 369

12 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso Assim sedo, a expressão que represeta a regressão liear simples também pode ser apresetada por E(y) = β 0 + β 1 X 1, ode o termo β 0 é o coeficiete liear e β 1 x é o coeficiete agular. O gráfico de regressão liear simples represeta a reta de regressão estimada, de acordo com a ilustração da figura a seguir (ANDERSON et al., 00). Para estimar os parâmetros da reta de regressão pode-se utilizar o método dos míimos quadrados. Utiliza-se essa técica para ecotrar o melhor ajustameto para um cojuto de dados tetado miimizar a soma dos quadrados das difereças etre o valor estimado e os dados observados, tais difereças são chamadas resíduos (FONSECA et al., 1995). Fote: < Gráfico 1: Reta de Regressão Estimada..3.3 Regressão Liear Múltipla A aálise de regressão múltipla é o estudo de como uma variável depedete Y é relacioada com duas ou mais variáveis idepedetes (ANDERSON et al., 00, p.485). Supodo que a variável y i depeda dos valores assumidos por K variáveis idepedetes (X 1, X... X K ) que essa depedêcia seja expressa pelo modelo Y i = β 0 + β 1 X 1 + β X β k X k + Є, ode a compoete fucioal é represetada pela fução f(x) = β 0 + β 1 X 1 + β X β k X k + Є. A variável Є determia a compoete aleatória, Є=[Y/X 1, X...X K ] = f(y) è média de Y, dados X 1,X...X K (ANDERSON et al., 00). 370

13 A Regressão Liear Múltipla pode ser represetada graficamete, coforme figura a seguir: Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Fote: < Gráfico : Represetação Gráfica de Regressão Liear Múltipla Estimação dos Parâmetros Retirada a amostra de observações das variáveis Y, X 1 e X, deve-se, a partir desses dados, determiar as estimativas a, b 1 e b dos parâmetros β 0, β 1 e β, dessa forma se obter a estimativa do modelo a ser adotado, compodo o estimador Ŷ = a + b 1 X 1 + b X. Nesse cotexto, pode-se utilizar um dos métodos já mecioados ateriormete, deomiado método dos míimos quadrados (FONSECA et al., 1995, p.111). Aplicação do método de Regressão Liear Múltipla associado à solução do problema de pesquisa etede-se que o ível de produção de veículos automotores vem aumetado os últimos aos, causado um aumeto a demada por produtos desse segmeto, por outro lado, também surge uma oferta de veículos semi ovos, cada vez maior, demostrado o aquecimeto do setor. Assim sedo, o estudo pretede estimar o grau de correlação sugerido pelas variáveis idepedetes: preço, valor da parcela e taxa de juros em fução da variável depedete, demada por veículos automotores, semi ovos, com a utilização do método de Regressão Liear Múltipla, visto que tal método possibilita a mesuração do ível de ifluêcia das variáveis idepedetes a fução que expressa à demada..3.4 Correlação etre Variáveis 371

14 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso Ocorre correlação etre variáveis quado variações em variáveis correlatas acarretam variações a variável depedete. Existem casos em que a correlação etre as variáveis apreseta-se de forma egativa, ou seja, quado os valores crescetes da variável X estiverem associados a valores decrescetes da variável Y (TOLEDO; OVALLE, 008). A correlação pode ser cosiderada liear positiva quado variações crescetes da variável X 1, X,... X, resultarem em variações crescetes de Y. Correlação ula ocorre quado variações a variável X ão estão diretamete relacioadas com as variações observadas a variável Y, ou seja, X e Y são variáveis idepedetes etre si, Coforme ilustra a figura a seguir: (SPIEGEL, 00). Fote: < Figura 1: Diagrama de Dispersão: Correlação Fraca. Para quatificar o grau de correlação etre as variáveis surge o coeficiete de correlação..3.5 Coeficiete de Correlação Utilizado de uma técica matemática, é possível mesurar a força de associação etre duas variáveis. Deve-se cosiderar o grau de dispersão etre os valores, quão meor for à dispersão dos dados, maior será a correlação etre as variáveis evolvidas o estudo (SMAILES; MCGRANE, 00). A covariâcia pode ser positiva, ula ou egativa com a uidade de medida referete ao produto das uidades de medida das duas variáveis que ão tem ehum sigificado 37

15 pratico (LAPPONI, 005, p.175). O Coeficiete de Correlação também se ecotra deomiado de Coeficiete de Determiação ou de Explicação, portato, Segudo Foseca (1995, p.100), O coeficiete de determiação idica quatos por ceto a variação explicada pela regressão represeta da variação total. Por isso a variação do ível de correlação varia o itervalo compreedido etre meos um e um. No caso em que r² = 0, todos os potos observados se situam exatamete sobre a reta de regressão. Diremos etão que o ajuste é perfeito. As variações de Y são 100% explicadas pelas variações de X através da fução especificada, ão havedo desvios em toro da fução estimada. Por outro lado, se r² = 0, coclíui-se que as variações de Y são exclusivamete aleatórias, e a itrodução da variável X o modelo ão icorporará iformação alguma sobre as variações de Y. (FONSECA, 1995). (...). Os valores do coeficiete de correlação estão sempre etre -1 e +1. Um valor de +1 idica que as duas variáveis X e Y estão perfeitamete relacioadas em um seso liear positivo. Isto é, todos os potos de dados estão uma liha reta que tem uma icliação positiva. Um valor de -1 idica que X e Y estão perfeitamete relacioados um seso liear egativo, com todos os potos de dados em uma liha reta com icliação egativa, valores do coeficiete de correlação próximos de zero idicam que X e Y ão estão liearmete relacioados. (ANDERSON, 00. p. 457). Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa.3.6 Coeficiete de Determiação Para Steveso (1981, p.358), o Coeficiete de Determiação r pode ser obtido quado se eleva o coeficiete de correlação r ao quadrado, o valor de r pode variar etre 0 e 1. Se por exemplo o valor atribuído a r for 0,65, eleva-se esse r ao quadrado ecotrado como resultado 0,45, que em úmeros percetuais correspodem a r = 4,5, ou seja, as variações da variável depedete são explicadas em 4,5% pela relação que detém com a variável idepedete que esta sedo aalisada..3.7 Diagrama de Dispersão Uma maeira objetiva e direta para se obter uma idéia do comportameto de variáveis 373

16 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso é a costrução de um gráfico deomiado Diagrama de Dispersão. Um diagrama de dispersão é uma represetação de potos de dados de um gráfico X-Y (SMAILES; MCGRANE, 00. p.115). Neste setido, para cada valor da variável X há um correspodete valor da variável Y, coforme ilustrado a figura a seguir: Fote: < Figura : Diagrama de Dispersão: Correlação Forte..4 Local do Estudo de Caso O presete estudo foi realizado através de uma pesquisa de campo, a empresa Shoppig do Automóvel de Perambuco, dotada de uma localização estratégica, com sua sede admiistrativa a zoa sul da Região Metropolitaa do Recife, mais precisamete a Av. Marechal Mascarehas de Morais 405 o Bairro da Imbiribeira Recife Perambuco. O Shoppig do Automóvel de Perambuco foi escolhido para a realização da pesquisa por demostrar um ceário favorável à aálise, devido ao fato de existirem ciqueta lojas em um mesmo edereço, e por demostrar um volume de demadates que circulam aquele estabelecimeto diariamete, em cojuto com o elevado volume de vedas de veículos semi ovos. Diate de uma população cosiderada grade, foi selecioada uma amostra, acerca da 374

17 iteção de compra relacioada às variáveis em questão a pesquisa..5 Espaço Populacioal do Estudo A pesquisa foi realizada através de uma pesquisa de campo, ode foi utilizado o método de amostragem sistemática, segudo Aderso (00) a utilização de tal método pode ser utilizada como alterativa ao método de amostragem aleatória simples. Aderso (00, p. 78) refere como determiar o tamaho da amostra utilizado a amostragem sistemática da seguite forma: Quado se deseja um tamaho de amostra de 50 de uma população cotedo elemetos, tora-se como amostra um elemeto para cada 5.000/50 = 100 elemetos a população. Uma amostra sistemática para esse caso implica selecioar aleatoriamete um dos primeiros 100 elemetos a partir da lista da população (ANDERSON: 00, p.78). A amostra foi retirada do uiverso de pessoas que se dirigirão ao shoppig o Automóvel de Perambuco com o ituito de adquirir um veículo semi ovo, os referidos demadates foram questioados em relação à preço e valor da prestação do fiaciameto de um automóvel semi ovo, além de outras pergutas que serviram para aproximar e deixar os etrevistados a votade para respoderem as questões cetrais do questioário. Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa O volume de vedas do exercício de 010 distribuídas em bimestres coforme quadro à seguir: Período / 010 Quatidade de veículos vedidos Jaeiro / Fevereiro 48 Março / Abril 437 Maio / Juho 783 Julho / Agosto 86 Setembro / Outubro 147 Novembro / Dezembro 13 Total de vedas o ao de Quadro 1: Volume de Vedas Referete ao Ao de 010 o Shoppig do Automóvel de Perambuco..5.1 Defiição do Tamaho da Amostra da População da Pesquisa Utilizado o método sistemático de amostragem (ANDERSON: 00,), e com base o volume de vedas o exercício de 010, foi realizado um calculo para determiar o tamaho da amostra, como pode ser aalisado a seguir: Volume de vedas do ao de 010 è 5133 veículos Itervalo do movimeto sistemático è /100 = 51,33 375

18 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso Amostra da população 51,33 O cálculo acima determiou que fossem etrevistadas ciqueta e uma pessoas, de acordo com a aplicação do método de amostragem sistemática..5. Questioário Utilizado para a Coleta de Dados Foi utilizado um questioário como istrumeto para coleta de dados cotedo pergutas fechadas (APÊNDICE A). Após a coleta dos dados através de uma etrevista realizada pelo pesquisador, as iformações obtidas foram laçadas em uma plailha eletrôica o programa Microsoft Excel o sistema operacioal Widows, com o ituito de aplicar o método de Regressão Liear Múltipla, a fim de ateder ao problema proposto pela pesquisa..5.3 Resultados da Coleta de Dados Em relação à variável preço, os etrevistados foram questioados em relação à faixa de preço para aquisição de um veículo semi ovo, as respostas obtidas estão dispostas o quadro a seguir: Faixas de preço Respostas de acordo com as faixas de preço R$ ,00 R$ ,00 5 R$ ,00 R$ 1.000,00 17 R$.000,00 R$ 7.000,00 13 R$ 8.000,00 R$ ,00 5 R$ ,00 R$ ,00 3 R$ ,00 à R$ ,00 8 Total 51 Quadro : Faixas de Preço para Aquisição de Veículo Semi Novo. Em relação à variável valor da prestação do fiaciameto, os etrevistados foram questioados em relação à faixa de prestação para aquisição de um veiculo semi ovo, as respostas obtidas estão dispostas o quadro a seguir: Respostas de acordo com as faixas valor de Faixas de valor de parcela de fiaciameto parcela do fiaciameto R$ 300,00 R$ 350,00 R$ 351,00 R$ 400,00 R$ 401,00 R$ 450,00 7 R$ 451,00 R$ 500,00 R$ 501,00 R$ 550,00 9 R$ 551,00 à R$ 600,00 1 Total 51 Quadro 3: Faixas de Valor da Prestação para Fiaciameto de Veículo Semi Novo..5.4 Tabulação dos Dados As respostas do questioário aplicado a pesquisa foram laçadas em uma plailha eletrôica o programa Excel da Microsoft, a fim de serem orgaizados para a 376

19 aplicação dos cálculos acerca da correlação e regressão. Dessa forma tora-se possível aalisar a existêcia de correlação etre a variável idepedete e a depedete, bem como possibilita medir a itesidade com que tal correlação icidi sobre as variáveis em questão..5.5 Aálise da existêcia de Correlação etre as Variáveis As iformações colhidas foram submetidas à mesuração da correlação etre as variáveis, ou seja, ao ser aplicada a ferrameta que mede a existêcia de correlação etre as variáveis, com auxílio de uma represetação gráfica, pode-se aalisar a dispersão. Foi possível cocluir que existe de fato correlação etre as variáveis evolvidas a pesquisa..6 Aplicação do Método de Regressão Liear Múltipla Os dados obtidos através da pesquisa de campo foram orgaizados em uma tabela ode foram feitos cálculos para se chegar ao modelo, coforme segue abaixo: Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Após os cálculos previstos pelo método, podem ser aplicadas as fórmulas que permitem defiir as estimativas bo, b1 e b, desta forma pode-se obter o modelo que represeta a reta de regressão liear múltipla, coforme a ordem a seguir: _ 1) y = Sy i _ i=1 _ y = 855,5 _ 377

20 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso ) x 1 = Sx 1 _ i=1 _ x 1 - = 8,5 _ 3) x = Sx _ i=1 x - = 8,5 4) SY 1 = S yx 1 - Sy Sx 1 SY 1 = 4985,5 i=1 i=1 i=1 5) SY = S yx - Sy Sx i=1 i=1 i=1 SY = 318,5 6) S 11 = S x 1 - Sx 1 i=1 i=1 S 11 = 147,5 7) S 1 = S 1 = S x 1 x - S x 1 S x i=1 i=1 i=1 378

21 S 1 = S 1 = -0,5 8) S = S x - Sx i=1 i=1 S = 19,5 Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa 9) Syy = S y - Sy i i=1 i=1 S YY = ,5 ^ ^ 10) b = Sy - Sy 1 S 1 S 11 ^ S - S 1 S 1 S 11 b ^ = -9,51 ^ ^ 11) b 1 = Sy - Sy b ^ S 1 S 1 b 1 = 65,7 379

22 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso ^ ^ _ ^ ^ 1) b 0 = y - b 1 x 1 + b x ^ b 0 = 39,38 Visto que o modelo é represetado pela expressão Y = b 0 + b 1 x 1 + b x + Є, o modelo ecotrado para o caso do presete estudo foi: Y= 39, ,7 X 1-9,51 X + Є.6.1 Demada X Preço de Automóveis Semi Novos De acordo com aálise gráfica, se cofigura a existêcia de correlação etre as variáveis preço e demada, porém ão existe grade ifluêcia, pois o coeficiete de correlação etre a demada e o preço é de - 0, , represetado que parte das variações da demada podem ser explicadas pela variações da variável preço do veículo semi ovo, porém com uma itesidade mediaa, ou seja, o coeficiete ecotra-se o meio do itervalo compreedido etre meos um e zero. Portato, coclui-se que os demadates levam em cota o preço do veículo o mometo em que procuram realizar tal aquisição. Pode-se verificar a prática, a forma com que os potos se comportam em relação à reta de regressão, apresetado como característica a liearidade com icliação egativa, bem como a pequea proximidade com a reta de regressão de acordo com o gráfico a seguir: Gráfico 3: Reta de Regressão (variável demada em fução do ível de preço)..6. Demada X Prestação do Fiaciameto de Automóveis Semi Novos Aida com base os dados obtidos a pesquisa, chega-se a um coeficiete de 380

23 correlação etre a demada e o valor da parcela do fiaciameto de um veículo semi ovo de, 0, , represetado a existêcia de correlação forte etre as duas variáveis, ou seja, devido ao fato de estar muito próximo a um, coclui-se que grade parte das variações da demada aalisada é explicada pelas variações o valor da prestação do fiaciameto do veículo, coforme pode ser aalisado o gráfico a seguir: Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Gráfico 4: Reta de Regressão (variável demada em fução do valor da prestação do fiaciameto). Pode-se verificar a prática a forma com que os potos se comportam em relação à reta de regressão, apresetado como característica a liearidade com icliação positiva, bem como a grade proximidade com a reta de regressão. Quato ao Coeficiete de Determiação, com base o Coeficiete de Correlação calculado com auxílio do programa Excel da Microsoft, foi possível ecotrar duas gradezas, sedo - 0, , o Coeficiete de Correlação etre a variável preço e a demada e 0, como Coeficiete de Correlação etre a variável prestação do fiaciameto e a demada, ao elevar tais coeficietes ao quadrado ecotramos o Coeficiete de Determiação, ou seja: r X1 = (- 0, ) è r X1= 4,4%; e r X = (0, ) è r X = 7,65%. Como pode ser apreciado, foram ecotrados dois Coeficietes de Determiação do modelo, ode cada um represeta o percetual de explicação que cada variável idepedete detém sobre a variável demada o modelo ecotrado para o caso da pesquisa o Shoppig do Automóvel de Perambuco. 381

24 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Como havia sido proposto, a presete pesquisa visou determiar um modelo que expressasse a demada por veículos semi ovos o Shoppig do Automóvel de Perambuco, sedo ecotrado o modelo Y= 39, ,7 X 1-9,51 X + Є, porém a correlação etre as variáveis objeto da pesquisa também pôde ser aalisada, possibilitado quatificar o grau de relação etre as variáveis objeto da pesquisa, os dados obtidos o campo foram tabulados com auxilio do Excel, que apresetou dois coeficietes de correlação, um acerca da variável demada em fução da variável preço e outro que se refere a variável demada em fução do valor da prestação do fiaciameto de um veículo semi ovo, obtedo os resultados a seguir: É o Coeficiete de Correlação ecotrado etre demada e preço do veiculo e de - 0, , represetado assim a existêcia de correlação moderada etre as variáveis em questão, porém esse caso, por tratar-se de um úmero egativo há uma particularidade, tal correlação é egativa. O coeficiete de correlação etre a demada e o valor a ser pago mesalmete o caso da aquisição por fiaciameto e de 0, , represetado assim a existêcia de forte correlação positiva etre as variáveis aalisadas. Com base esses resultados foi possível calcular o coeficiete de Determiação, ou seja, o r, elevado os resultados ecotrados como Coeficietes de Correlação ao quadrado, os resultados afirmam que 7,65% das variações a demada por veículos automotores semi ovos podem ser explicadas por variações o valor da prestação do fiaciameto de veículos automotores semi ovos o Shoppig do Automóvel de Perambuco, por outro lado, apeas 4,4% das variações a demada por veículos automotores semi ovos podem ser explicadas por variações o Preço de veículos automotores semi ovos. Somado os dois Coeficietes de Determiação, obtedo 97,05% como resultado, restado,95% das variações da demada, esse percetual refere-se ao compoete aleatório, erro residual aida erro estocástico, ou seja, idicado que outros fatores iterferem a decisão de comprar um veiculo semi ovo, a exemplo de cor do veículo, opcioais de serie, ao, modelo etre outras variáveis que ão foram iseridas o modelo. Coforme descrito ateriormete, tais afirmações puderam ser apresetadas de forma algébrica, porém também foi possível traçar um gráfico para cada coeficiete de correlação e suas variáveis, pois dessa forma fica muito mais fácil compreeder a idéia da existêcia e itesidade da correlação etre variáveis, pois quato mais próximos os potos estiverem da reta estimada de regressão, mais correlatas são as variáveis aalisadas, como pode ser facilmete visualizado o gráfico, porém o gráfico 1 pode ser vista com a mesma facilidade a correlação egativa e moderada etre as variáveis aalisadas o caso. Com base os resultados obtidos, pode-se cocluir que de fato existe correlação etre as variáveis preço e valor da prestação quado se trata de demada por veículos semi ovos o Shoppig do Automóvel de Perambuco, porém ficou muito claro que os cosumidores daquele estabelecimeto são mais sesíveis ao valor da prestação que ao 38

25 preço de à vista do veículo, deixado como resultado o fato de que o preço ão importa tato aos demadates, o que eles estão a procura é de parcelas de fiaciameto que caibam os orçametos familiares mesais, dessa forma o Shoppig do Automóvel de Perambuco pode utilizar o resultado desse estudo para focar suas estratégias de Marketig os valores das prestações de fiaciameto dos produtos por ele oferecidos, além de cotribuir com outros pesquisadores a realização de outras pesquisas. A empresa Shoppig do Automóvel de Perambuco poderá fazer uso dos resultados ecotrados a pesquisa, pois algumas características acerca da sesibilidade dos demadates daquela atividade comercial foram aalisadas. Os fucioários das lojas que atuam detro do Shoppig poderão ser treiados, dado êfase ao fato de que os cosumidores são muito mais sesíveis aos valores das prestações dos fiaciametos que ao preço de à vista de um veículo semi ovo. Quato ao marketig, sempre que os lojistas promoverem algum tipo de material publicitário, poderão expor valores obtidos por meio de simulações, como forma de chamar a ateção dos clietes em potecial. Certamete, serão atraídos pelo que os faz mais propesos a adquirirem um veículo semi ovo, ou seja, o fato de serem mais sesíveis aos valores que irão pagar, visado seus orçametos mesais, bem como suas restrições orçametárias. Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa REFERÊNCIAS ANDERSON, D. R.; SWEENEY, D. J.; WILLIAMS, T. A. Estatística Aplicada à Admiistração e Ecoomia.. ed. São Paulo: Afiliada, 00. FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A.; TOLEDO, G. L. Estatística Aplicada. São Paulo: Atlas, GLOBO.COM. Veda de Carros Usados Cresce em Jaeiro. 09/Fev/009. Dispoível em: < NDA+DE+CARROS+USADOS+CRESCE+EM+JANEIRO.html> Acessado em: JORNAL CACH. Prorrogação do IPI dificulta veda de carros usados. (Stúdio Alco). 3/Jul/009. Dispoível em: < br/?p=866> Acessado em: 5 Ju 011. JORNAL DESTAK. Veda de Carros Usados Está Aquecida. 07/abr/008. Seção valor/ breves. Dispoível em: < pag=1953> Acessado em: 13 Mar 011. JORNAL DO SBT MANHÃ. Veda de carros usados cresceu quase % 383

26 Revista Coceito A Revista dos Trabalhos de Coclusão de Curso o último ao. 1/Fev/011. (Vídeo). Dispoível em: < joralismo/oticias/?c=3656&t=veda+de+carros+usados+cresceu+quase+ %+o+ultimo+ao> Acessado em: 5 Mai 011. LAPPONI, J. C. Estatística Usado Excel. 4. ed. São Paulo: Elsevier, 005 PINHO, D. B.; VASCONCELOS, M. A. S. (Org.). Maual de Ecoomia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 005. SMAILES, J.; MCGRANE, A. Estatística Aplicada à Admiistração com Excel. São Paulo: Atlas, 00. SPIEGEL, M. R. Estatística. 3. ed. São Paulo: Makro Books, 00. TRIOLA, M. F. Itrodução à Estatística. 7. ed. Rio de Jaeiro: JC, ANEXOS ANEXO A ATA DE ORIENTAÇÃO DE TCC 1. Nome do Aluo: Thomas da Silva Camelo Bastos.. Título do TCC: DEMANDA POR VEÍCULO SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA 3. Liha de Pesquisa: Métodos Quatitativos Aplicados à Ecoomia. 384

27 4. Professor Orietador: Valter de Adrade Silva 5. Período da orietação: Iício: Out Térmio: Dez Cometário do professor orietador: Recife, / / Demada por veículos semi ovos: uma aálise quatitativa Autorizo a etrega deste TCC por mim revisado. Valter de Adrade Silva CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS THOMAS DA SILVA CAMELO BASTOS DEMANDA POR VEÍCULOS SEMI NOVOS: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA RECIFE 385

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL GRUPO DE ENSINO E PESQUISA EM REAL ESTATE Ídice Setorial de Real Estate IRE São Paulo Juho 205 2 FINALIDADE A costrução e a divulgação do IRE tem o propósito de espelhar o comportameto médio dos preços das ações das empresas que atuam o segmeto

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP Costrução de um modelo para o preço de veda de casas resideciais a cidade de Sorocaba-SP Recebido: 0/03/01 Aprovado: 5/09/01 Júlio César Pereira (UFSCar-SP/Brasil) - julio.pereira.ufscar@gmail.com, Rodovia

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO ARTIGO Nº 3 O ANATOCISMO DOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO JURANDIR GURGEL GONDIM FILHO Professor Adjuto do IESC Mestre em ecoomia (UFC/CAEN), MBA em Fiaças pelo IBMEC, Especialista em Fiaças Públicas (FGV)

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia Aálise estratégica dos leilões de ovos empreedimetos de geração de eergia elétrica Gustavo S. Masili masili@fem.uicamp.r Ferado C. Muhoz fcolli@fem.uicamp.r Resumo Leilões de empreedimetos o setor elétrico

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA

Unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA Uesp Uiversidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ MBA-PRO ESTATÍSTICA PARA A TOMADA DE DECISÃO Prof. Dr. Messias Borges Silva e Prof. M.Sc. Fabricio Maciel Gomes GUARATINGUETÁ,

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 1 Curso de Graduação em Admiistração a Distâcia UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Reitora Célia Maria da Silva Oliveira Vice-Reitor João Ricardo

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALAÇO DE ODAS LOGAS EM PIRACICABA, SP Kare Maria da Costa MATTOS (1) ; Marcius Gracco Marcoi GOÇALVES (1) e Valter BARBIERI () (1) Aluos de Pós-graduação em

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL CHARLES THIBES SARMENTO RESUMO Tecioa-se aalisar a regressão múltipla como auxílio às políticas istitucioais as pesquisas

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS AT49-07 - CD 6-07 - PÁG.: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGAÇÃO TAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTICOS J.. Cogo A.. C. de Oliveira IEE - EFEI Uiv. Taubaté Artigo apresetado o Semiário de Pesquisa EFEI 983 ESUMO Este

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE CAOS EM UMA REDE COM INTERAÇÃO DE LONGO ALCANCE

SINCRONIZAÇÃO DE CAOS EM UMA REDE COM INTERAÇÃO DE LONGO ALCANCE Uiversidade Estadual de Pota Grossa Programa de Pós-Graduação em Ciêcias Área de cocetração - Física SINCRONIZAÇÃO DE CAOS EM UMA REDE COM INTERAÇÃO DE LONGO ALCANCE MARLI TEREZINHA VAN KAN PONTA GROSSA

Leia mais