EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI"

Transcrição

1 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 8 GUILHERME CALDAS DE CASTRO / CAMILA AROUXA DE SOUZA / ROSANA MOURA DE ANDRADE EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI EVOLUTION OF THE VARIOUS TYPES OF MEDIA IN THE FUTURE: AN APPLICATION OF THE DELPHI TECHNIQUE GUILHERME CALDAS DE CASTRO RESUMO Com o surgimeto de ovas mídias, existe uma grade dúvida o mercado sobre o futuro e a importâcia de cada mídia o mix publicitário. Para ampliar o cohecimeto sobre este tema, foi efetuada uma pesquisa exploratória juto a auciates e especialistas em Publicidade e Propagada, com a aplicação da Técica Delphi, visado mapear a importâcia de cada mídia e traçado previsões para o futuro. Iicialmete, foi apresetado um breve histórico da Publicidade; a seguir uma aálise dos veículos de Propagada mais utilizados, defiido as razões de sua escolha e, por fim, o resultado da pesquisa, pela qual foi possível chegar a resultados que mostram a tedêcia de cada mídia o futuro com base a realidade atual e a percepção dos paielistas. PALAVRAS-CHAVE: Técica Delphi, pesquisa exploratória, veículos de propagada. ABSTRACT With the advet of ew media outlets, the market is i great doubt cocerig the future ad importace of each media outlet i the advertisig mix. To deepe the kowledge o this issue, a exploratory research usig the Delphi Techique was carried out with advertisers ad specialists i Advertisig ad Promotio, i order to map each advertisig outlet ad trace forecasts. At first, a brief backgroud of Advertisig was preseted;, the a aalysis of the most used Advertisig outlets, defiig the reasos for their choice, ad, fially, the result of the research, through which it was possible to come to results that demostrate the future treds each medium presets, based o today's reality ad o the paelists' perceptio. KEY WORDS: Delphi techique, exploratory survey, advertisig media outlets. GRADUADO EM ESTATÍSTICA PELA UNIVERSI- DADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UERJ), MESTRE EM ENGENHARIA DE TRANS- PORTES COM ÊNFASE EM MARKETING PELA COPPE/UFRJ. É PROFESSOR E COORDENA- DOR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ESTATÍSTI- CA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UERJ), PROFESSOR DO MBA EM MARKETING DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VAR- GAS NAS DISCIPLINAS COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E PESQUISA DE MERCADO, PRE- SIDENTE DO COMITÊ DE PESQUISA DA ABA E GERENTE DE INTELIGÊNCIA DE MARKETING NA AMÉRICA DO SUL DA MICHELIN. CAMILA AROUXA DE SOUZA GRADUADA EM ESTATÍSTICA PELA UNIVERSI- DADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UERJ). É ANALISTA TRAINEE NA UNIMED. ROSANA MOURA DE ANDRADE GRADUADA EM ESTATÍSTICA PELA UNIVERSI- DADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UERJ). É AUXILIAR TÉCNICA EM ANÁLISES ECO- NÔMICAS NA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. 08

2 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 9 EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI 1. INTRODUÇÃO A Publicidade é uma atividade profissioal dedicada à difusão pública de ideias associadas a empresas, produtos ou serviços, sedo estes, especificamete, propagadas comerciais. Propagada é qualquer forma remuerada de apresetação e promoção ão-pessoais de ideias, mercadorias ou serviços, por um auciate idetificado. (KOTTLER, 2000: ). Todas as atividades humaas se beeficiam com o uso da Propagada: profissioais liberais como médicos e egeheiros que divulgam por meio dela os seus serviços; artistas, que auciam suas exposições, seus discos, seus livros etc. A própria Ciêcia tem utilizado os recursos da Propagada, promovedo suas descobertas e seus cogressos por meio de cartazes, revistas, jorais, filmes, Iteret e outros. No etato, algus dos mais utilizados veículos de Propagada já vêm sofredo ameaças. Muitas são as discussões travadas o meio publicitário sobre o futuro das mídias e, após diversas aálises, otou-se que ão há ehum estudo que avalie o futuro de cada mídia e um horizote de ao meos cico aos; o que existe são comparações sobre o desempeho passado. Baseado-se isso e após aálises juto aos associados da ABA(Associação Brasileira de Auciates),observou-se que um estudo visado forecer uma projeção do futuro dessas mídias seria de grade iteresse para o mercado, bem como para os estudiosos do tema. Para isso, algumas comparações foram feitas com dados históricos do Guia de Mídias Diate dessas codições, procurou-se eteder e avaliar como está o mercado publicitário o presete e o que os especialistas julgam que ocorrerá os próximos cico aos, foca do os seguites veículos de Propagada:TVaberta e a cabo, jorais, rádio, revistas, Iteret, guias e listas, mobiliário urbao, outdoor, busdoor, idoor, audiovisual digital, celular, IPTV (Iteret ProtocolTV),jorais gratuitos, mídia detro de trasportes públicos, mídia em elevadores, ovas mídias em shoppigs,outdoor digital móvel com GPS (Global Positioig System), TV de plasma/lcd (Liquid Crystal Display) em lugares públicos e TVvia celular. Com base essa iquietude foi realizado o presete estudo através da Técica Delphi, método que permite descobrir as opiiões de especialistas através da aplicação de uma série de questioários. 2. DESCRIÇÃO DO MÉTODO A Técica Delphi cujo ome se ispira o oráculo de Delfos, dedicado a Apolo foi criada os aos 60 por Dalkey e Helmer, com o ituito de ajudar as Forças Armadas americaas em previsões de logo prazo. Embora iicialmete sua utilização se predesse à área tecológica, aos poucos foi se estededo a iúmeros outros campos, preferecialmete quado ão se dispõe de dados quatitativos que balizem historicamete o problema que se ivestiga. Objetivado basicamete obter um coseso, em sempre uâime, acerca de um dado problema, a Técica Delphi colhe a opiião de diversos especialistas da área evolvida, que deverão compor o paiel délfico. Claro que, em se tratado de um problema iterdiscipliar, o paiel também deverá ser composto por especialistas de todas as áreas evolvidas o problema básico. O sucesso da aplicação da Técica Delphi está fudametada em acompahar os seguites potos basilares do modelo: Aoimato: à medida que se impede a comuicação etre os diversos participates do paiel délfico, assegura-se 09

3 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 10 GUILHERME CALDAS DE CASTRO / CAMILA AROUXA DE SOUZA / ROSANA MOURA DE ANDRADE INÍCIO DEFINIR O PROBLEMA DETERMINAR O NÍVEL DE CONHECI- MENTO REQUERIDO DOS PAINELISTAS SELECIONAR ESPECIALISTAS (TAMANHO DA AMOSTRA) que as opiiões apresetadas ão sofrerão ifluêcia umas das outras. PREPARAR Iteração com feedback cotrolado: como a técica desevolve-se em várias rodadas permitido a iteração dos participates por meio das respostas (estatísticas e/ou verbais), o caso de divergêcia é fudametal a atuação do pesquisador forecedo, como feedback, apeas os dados os quais está cetrado o iteresse da pesquisa, para ão haver desvios do foco cetral do problema. PRE-TESTAR O CORRETO? SIM NÃO CORRIGIR Resposta estatística coletiva: o produto fial do paiel deverá cotemplar a opiião da maioria, embora, os casos em que a mioria tiver firme covicção de seu poto de vista, essa opiião também deverá ser cosiderada. Assim, a fim de que se obteha o coseso, o estudo deve coter um determiado úmero de rodadas, que podem variar de acordo com o tempo e com os recursos de que se dispõe para viabilizá-la. Apesar de a Técica Delphi ser a que exige maiores gastos devido à ecessidade de uma coordeação segura e experiete e ao grade tempo decorrido etre o iício da pesquisa e a cosolidação das respostas fiais dos especialistas, uma de suas vatages é a de que ão exige a preseça física e simultâea de todos os participates. Os participates de um paiel délfico ormalmete ão sabem quem ou quatos são os demais especialistas respodetes. A comuicação via questioário que ocorre uma pesquisa Delphi é melhor do que o frete a frete verificado em outros métodos, pois evita que pessoas aturalmete iibidas deixem de expressar suas reais opiiões, bem como que líderes aturais ou carismáticos iduzam os demais participates, gerado vieses os resultados. 10 DISTRIBUIR ANALISAR RESPOSTAS DOS S CONSENSO FOI ALCANÇADO? SIM MONTAR O ESTUDO NÃO FIGURA 1 Etapas da Técica Delphi. FORNECER AS INFORMAÇÕES PERDIDAS E APURAR AS RESPOSTAS FINALIZAR O PROCESSO PREPARAR O PRÓXIMO Fote: CASTRO, G. C. Qualidade de serviços aéreos segudo as óticas dos compoetes evolvidos: uma aplicação da Técica Delphi. 1993:140. Tese (Mestrado em Egeharia de Trasporte) Coordeação de Programas de Pós-graduação em Egeharia da Uiversidade Federal do Rio de Jaeiro, Rio de Jaeiro. Por outro lado, ressalta-se como aspecto egativo a utilização da Técica Delphi, o fato de oerar o respodete com justificativas das respostas que se afastam da média, o que acaba por levar, muitas vezes, as respostas daqueles que ão têm firmes covicções, para as proximidades da mediaa. Esse feômeo ão ocorre com aqueles cujas covicções são mais firmes, pois tedem a mater suas estimativas ori-

4 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 11 EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI giais, mesmo arcado com a obrigação de defedê-las. As etapas da Técica Delphi estão ilustradas a Figura A PESQUISA Diate do caráter subjetivo do problema a ser trabalhado e de sua complexidade, optou-se pela utilização de uma técica de abordagem de grupo ode as pessoas evolvidas são tomadores de decisão, ou seja,especialistas de Propagada. O grupo de participates teve como característica sua homogeeidade, pois era composto por especialistas da área em questão. Foi utilizada a técica de amostragem determiística, ode a opiião e a experiêcia idividual são usadas para idetificar os elemetos da população a icluir a amostra. A aplicação dos questioários dessa pesquisa ocorreu durate o primeiro semestre de 2008 e foi realizada em duas fases, cotado com a participação de quatorze especialistas de Propagada. Fizeram parte do grupo de etrevistados, geretes de mídia e geretes de propagada de grades empresas auciates o Brasil, participates do comitê de mídia da ABA,icluido também um diretor de marketig. As empresas em que os respodetes trabalham cobrem um leque bastate represetativo da ecoomia brasileira, cotemplado: idústria alimetícia, automotiva, bacos, eletrodomésticos, Iteret, logística, petróleo, produtos de beleza, produtos de limpeza, supermercados, telefoia e vestuário. O estudo teve iício com a aplicação de um questioário ode costavam questões obtidas através de pesquisa exploratória com especialistas em Propagada, membros de diferetes comitês técicos da ABA. Houve um retoro ao participate sempre que dúvidas as respostas surgissem; caso cotrário, iterrompia-se ali o processo da cosulta e as respostas oferecidas eram submetidas à aálise dos dados, respeitado-se o resultado do tratameto estatístico, que demostrava a ecessidade ou ão de as questões voltarem aos especialistas para ova verificação de opiiões. Depois disso, procedeu-se à apuração dos resultados do segmeto em questão (Auciates) e, a seguir, foi feito um cruzameto das respostas, chegado-se, etão, a um coseso. Para a costrução e o pré-teste do primeiro questioário foram seguidos três passos: 1. A fim de cociliar o fator tempo aos pressupostos da Técica Delphi o que diz respeito ao questioário I, ou seja, que fosse totalmete aberto solicitou-se, via , a um grupo composto por quize especialistas de Marketig, participates do comitê de mídia da ABA que listassem os ites que julgassem importates a cofiguração das mídias publicitárias. 2. Após aálise, costruiu-se um questioário com esses ites, que foi pré-testado durate uma reuião do comitê de pesquisa da ABA. 3. Por fim, atededo a todas as sugestões obtidas através do pré-teste, reformulou-se o questioário, explicitado a forma de preechimeto e alterado o layout para sua forma defiitiva. Chegou-se, por esse mecaismo, à cofiguração fial do questioário I, ode questões sobre o grau de importâcia das mídias, relação custo-beefício, grau de evolução e percetual ideal a ser ivestido,foram abordadas. Para facilitar o etedimeto da pesquisa pelos especialistas, o questioário I foi estruturado em duas partes distitas: aálise da situação atual e perspectivas para o futuro. Os ites relatados em cada uma das partes eram sempre os mesmos, de modo a se poder defiir um comportameto evolutivo do presete até os próximos cico aos. 11

5 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 12 GUILHERME CALDAS DE CASTRO / CAMILA AROUXA DE SOUZA / ROSANA MOURA DE ANDRADE A aplicação do questioário I foi iiciada em jaeiro de Ao fial desse mês foram recebidas quatorze respostas. A maeira com que os questioários foram estruturados determiou o aparecimeto de dois tipos de dados as respostas: qualitativo e quatitativo. Isso porque cada item exigiu duas respostas: a que expressava apeas a atribuição de um juízo de valor foi traduzida pela escolha de uma determiada categoria; a outra que exprimia o grau de certeza da primeira resposta foi traduzida umericamete. Os dados quatitativos, por sua vez, ão poderiam ser tratados da mesma forma que os qualitativos. São graus de certeza associados a uma escala umérica de 1 a 3 que exigiriam, portato, um tratameto umérico. A média aritmética foi cosiderada a medida mais idicada porque ao expressar valores fracioários que seriam lidos como uma média situada etre dois graus de certeza estaria mostrado a maior ou meor dispersão da certeza das respostas forecidas pelos paielistas em cada categoria. Na aálise dos dados obtidos com o questioário I otouse a existêcia de respostas muito diversas em relação à moda, demostrado claramete que havia ecessidade de cotiuação do processo. Para tato, listaram-se todas as sugestões apresetadas e foi imposto um tratameto semelhate ao adotado por ocasião do pré-teste: cosolidação das sugestões apresetadas, verificado até que poto tratava-se, realmete, de potos que o questioário I ão atigira, coferido-lhe uma ordeação lógica e uma apresetação que as difereciasse daquelas já aalisadas ateriormete. Dispodo desses elemetos, elaborou-se o questioário II. 12 Dois objetivos ortearam a elaboração do questioário II. O primeiro foi ivestigar a opiião dos especialistas acerca das questões apotadas por eles mesmos o primeiro questioário; e, segudo, permitir a reavaliação de algumas opiiões, o setido de se atigir o coseso, utilizado-se como modelo o itervalo iterquartílico em que se situaram as respostas e suas respectivas médias. Para a elaboração do questioário II dispuha-se de dois tipos de dados: aqueles já submetidos à aálise dos respodetes (que poderiam ou ão já exprimir um coseso) e os que tiham advido de ovas cotribuições e, portato, precisariam ser submetidos ao crivo crítico dos demais paielistas. Foi ecessário cosiderar, por um lado, os ites que comporiam o questioário II, por outro, a maeira como os dados ovos seriam apresetados. Partiu-se, iicialmete, da cosolidação dos dados do questioário II e verificou-se que algus respodetes já apresetavam opiião cosesual em vários ites. Por esse motivo, decidiu-se matê-los o questioário II, a folha da frete de cada uma das duas partes que compõem o questioário, modificado apeas, a maeira de apresetá-los, como será visto em seguida. Quato aos dados ovos, algus apresetavam uma característica que os difereciava dos dados iiciais, ou seja, equato o questioário I procurou-se cotemplar o presete e o futuro das mídias publicitárias, as ovas cotribuições surgiram algus ites que também pretediam demarcar o rumo da Publicidade tedo em vista o mercado atual e o dos próximos cico aos. Portato, decidiu-se destacar todas as ovas cotribuições e tratá-las de modo difereciado, destiado a elas a seguda folha de cada uma das partes, exatamete o espaço que, o questioário I, aparecia em braco para ovas respostas. Quato à apresetação, modificou-se de modo essecial o euciado das primeiras folhas de cada uma das partes, e as quadrículas de respostas, que ates apareciam em braco, passaram a aparecer tato o itervalo em que se situaram as respostas do questioário I quato à moda das respostas ali obtidas.

6 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 13 EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI Da seguda folha de cada uma das partes fez-se costar ovos ites; as quadrículas de respostas tal como o questioário I, apareceram em braco. O espaço reservado a cometários foi matido por dois motivos: primeiro porque os cometários eriquecem de modo sigificativo as respostas obtidas; segudo porque, caso algum paielista desejasse mater uma posição muito divergete em relação à categoria modal, ali poderia expor sua justificativa. Dos quatorze respodetes do questioário I, ove ecamiharam as respostas do questioário II até juho de Os cico respodetes que ão eviaram as respostas do questioário II pediram para que as mesmas respostas do questioário I fossem matidas o questioário II. No etato, ão foi possível cotar com a resposta destes para as ovas mídias citadas a seguda fase. Os resultados do questioário II apotaram para o fim do processo à medida que ão chegaram ovas sugestões, além de o tratameto estatístico dos dados ter revelado uma clara tedêcia ao coseso aproximado, já revelado em algus potos o primeiro questioário, como se pôde perceber, com maior itidez, a partir de sua aálise. A comparação dos resultados obtidos do primeiro para o segudo questioário comparação pertiete à medida que os ites avaliados eram absolutamete os mesmos leva a costatar o ível de ifluêcia da marcação da categoria modal sobre as respostas obtidas. Isso sigifica que, como descrito a própria técica, foi possível comprovar acetuadas modificações as avaliações dos diferetes ites, em fução da(s) categoria(s) modal (is) assialada(s), facilitado e favorecedo a obteção do coseso. Nos casos em que a freqüêcia de aparecimeto das respostas dividiu-se em duas categorias cofigurado-se como bimodal, deliberou-se laçar mão dos graus de certeza obtidos como critério de escolha da moda mais seguramete represetativa. 4. RESULTADOS A avaliação foi feita de acordo com três classificações: percetual ivestido em cada mídia, escala de importâcia e grau de evolução, sempre comparado o presete e o futuro. Para que as respostas fossem comparadas com a realidade, algumas mídias foram agrupadas em fução de suas características. As mídias idoor, busdoor, guias e listas, audiovisual digital, celular, TVde plasma/lcd em locais públicos, outdoor digital móvel com GPS, mídia detro de trasportes públicos e mídias em elevadores, foram reagrupadas em guias e listas. Para comparar os resultados obtidos em relação aos ivestimetos em cada mídia foi usado o Guia de Mídias de 2007, relatório que mostra a realidade das mídias o mercado. Os dados coletados estão expostos o Quadro 1. QUADRO 1 Mix atual de mídias e total dos ivestimetos publicitários o mercado. MÍDIAS TV aberta Jorais Revistas Rádio Mídia exterior Guias e listas TV a cabo Iteret Fotes: GUIA DE MÍDIAS, 2007:33. Dados da pesquisa. INVESTIMENTO GUIA DE MÍDIAS 59% 16% 9% 4% 4% 3% 3% 2% PESQUISA (ANÁLISE DO PRESENTE) Acima 40% 10% a 20% 20% a 30% 13

7 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 14 GUILHERME CALDAS DE CASTRO / CAMILA AROUXA DE SOUZA / ROSANA MOURA DE ANDRADE QUADRO 2 Classificação do mix de mídias e total dos ivestimetos publicitários para os próximos cico aos o mercado. MÍDIAS PRESENTE FUTURO TV aberta Acima 40% Acima 40% Revistas TV a cabo Iteret Guias e listas Jorais TV via celular TV de plasma/lcd em lugares públicos IPTV Jorais gratuitos Rádio Mobiliário urbao Outdoor Busdoor Idoor Audiovisual digital Celular Mídia detro de trasporte público Mídia em elevadores Novas mídias em shoppigs Outdoor digital móvel com GPS INVESTIMENTO 20 a 30% 10 a 20% 0 a 10 % 0 a 10 % 1 10 a 20% 10 a 20% 10 a 20% 0 a 10 % 0 a 10 % Comparado as respostas obtidas esta pesquisa com a realidade apotada pelo Guia de Mídias, ota-se que o percetual declarado de ivestimeto em cada mídia ficou muito próximo da realidade à exceção do item revistas. A superestimação de revistas talvez teha ocorrido por ser um veículo de comuicação muito segmetado com uma grade variedade de títulos, além do impacto da propagada ser maior devido ao período de veiculação efetiva ser mais logo. Já para os próximos cico aos, como mostra o Quadro 2, os resultados apotam para uma queda os ivestimetos em jorais e revistas (que talvez possa ser explicado, ao meos parcialmete, pelo crescimeto da Iteret). As mídias TVa cabo e guias e listas apotam um crescimeto cosiderável. A grade variedade de caais segmetados da TVa cabo pode ser a explicação dessa ocorrêcia. Já a TVaberta e as demais mídias deverão mater-se o mesmo percetual de aumeto. O Quadro 2 mostra que a grade maioria das mídias ão deverá sofrer alteração os ivestimetos o futuro. No etato, também apota que deverá haver mudaças com redução de ivestimetos em revistas e jorais e com elevação de ivestimetos em TVa cabo, Iteret, e guias e listas. O Quadro 3 mostra como deverá ser a evolução das mídias o futuro em comparação com o presete: as mídias Iteret,TVa cabo,tvvia celular, celular e IPTVdeverão ter uma grade evolução; as mídias detro de trasportes públicos, TVde plasma/lcd em locais públicos, jorais gratuitos, guias e listas, mobiliário urbao, idoor, mídia em elevadores e ovas mídias em shoppigs deverão ter uma pequea evolução; as mídias outdoor digital móvel com GPS, audiovisual digital, busdoor, rádio e revistas deverão ter sua evolução estável; a TVaberta deverá ter uma pequea redução a evolução equato os jorais e outdoors deverão ter uma grade redução a evolução. No Quadro 4 estão os resultados da avaliação a escala de importâcia para as mídias o presete e o futuro, ode a avaliação de meor grau é sem importâcia e a de maior grau é muito importate. Coforme observado, a TVaberta cotiuará sedo os próximos cico aos, uma mídia muito importate a opiião dos especialistas, mas essa impor- 14

8 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 15 EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI tâcia passará a ser dividida com outras mídias classificadas como muito importates: Iteret,TVvia celular, celular e IPTV; e também com as mídias classificadas como importates: TVa cabo, mídia detro de trasportes públicos, jorais gratuitos, mobiliário urbao, ovas mídias em shoppigs, rádio, revistas e outdoor. QUADRO 3 Evolução das mídias quato ao uso. MÍDIAS PRESENTE FUTURO Iteret TV a cabo TV via celular Celular IPTV Mídia detro de trasporte público EVOLUÇÃO De um modo geral, a importâcia ou grade importâcia das mídias são percebidas em mais da metade das avaliações quado se estuda a visão atual dos paielistas, úmero que aumeta quado se passa a avaliar os próximos cico aos, período, aliás, ode todas as mídias tiveram melhores avaliações quado comparadas com o presete. QUADRO 4 Importâcia das mídias em relação ao plaejameto para atigir um eficiete ível de GRPs (Gross Ratig Poit). MÍDIAS PRESENTE FUTURO Iteret TV a cabo TV via celular Celular IPTV Mídia detro de trasporte público IMPORTÂNCIA Sem importâcia Sem importâcia TV de plasma/lcd em lugares públicos TV de plasma/lcd em lugares públicos Jorais gratuitos Jorais gratuitos Guias e listas Guias e listas Sem importâcia Mobiliário urbao Mobiliário urbao Idoor Idoor Mídia em elevadores Mídia em elevadores Novas mídias em shoppigs Novas mídias em shoppigs Outdoor digital móvel com GPS Outdoor digital móvel com GPS Sem importâcia Audiovisual digital Audiovisual digital Busdoor Busdoor Rádio Revistas Rádio Revistas TV aberta Pequea redução TV aberta Jorais Outdoor Grade redução Grade redução Jorais Outdoor 15

9 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 16 GUILHERME CALDAS DE CASTRO / CAMILA AROUXA DE SOUZA / ROSANA MOURA DE ANDRADE QUADRO 5 Projeção para o futuro das mídias. MÍDIAS INVESTIMENTO IMPORTÂNCIA EVOLUÇÃO TV aberta Iteret TV a cabo Guias e listas Revistas TV via celular Celular IPTV Mídia detro de trasporte público TV de plasma/lcd em lugares públicos Jorais gratuitos Mobiliário urbao Idoor Mídia em elevadores Novas mídias em shoppigs Outdoor digital móvel com GPS Audiovisual digital Busdoor Rádio Jorais Outdoor Acima 40% 10% a 20% 10% a 20% 10% a 20% 10% a 20% Pequea redução Grade redução Grade redução RELAÇÃO CUSTO-BENEFÍCIO Exclelete Regular Regular 5. CONCLUSÃO Diate das aálises feitas ateriormete e de acordo com as classificações de ivestimeto, importâcia e evolução em cada veículo de Propagada, coclui-se agora a evolução dos diferetes tipos de mídias o futuro. Com base os resultados apresetados o Quadro 5, pôde-se prever o futuro das mídias de acordo com a opiião dos especialistas que, ao decidirem plaejar uma ação de mídia, escolheram aquela que oferece a melhor relação custo-beefício e um alto grau de importâcia. As mídias que, a opiião dos etrevistados, apresetaram a melhor relação custo-beefício (excelete ou bom) foram: TVaberta, Iteret,TVa cabo, revistas,tvvia celular, IPTV, mídia detro de trasportes públicos, jorais gratuitos, ovas mídias em shoppigs e rádio, destacado-se a Iteret, pois além de apresetar uma excelete relação custo-beefício e o grau mais elevado de importâcia, também é esperado um grade aumeto para os próximos cico aos. De acordo com a pesquisa, atvaberta virá a ter uma pequea redução o futuro, que pode ser explicada pelo crescimeto da TV via celular e do IPTV, possíveis cocorretes. ATVa cabo, revistas, mídia detro de trasportes públicos, jorais gratuitos, ovas mídias em shoppigs e rádio, surgem como suporte às mídias mecioadas ateriormete, por serem importates e apresetarem uma boa relação custo-beefício. O joral recebeu um resultado peculiar, com uma boa relação custo-beefício, porém idiferete a escala de importâcia para o futuro e grade redução a evolução, possivelmete impactado pelo crescimeto da evolução da Iteret, TVa cabo,tv via celular, celular e IPTV. Outra aálise que vale ressaltar refere-se às mídias idoor e outdoor, caracterizadas por apresetarem uma relação custobeefício regular, aida que os graus de importâcia e evolução sejam diferetes etre si. A mídia idoor, por ser recete, ão pôde ser devidamete avaliada em relação ao seu grau de importâcia, fato que possivelmete impactou o resultado obtido. Acredita-se que para a mídia outdoor, apesar de ser cosiderada uma mídia importate, haverá uma grade redução em seu grau de evolução para os próximos aos, resultado que pode ter sido iflueciado pela lei Cidade Limpa, que já vem 16

10 Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 17 EVOLUÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE MÍDIA NO FUTURO: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA DELPHI sedo aplicada em algumas cidades ao exemplo de São Paulo. Um fato curioso refere-se às mídias guias e listas ; TVde plasma/lcd em lugares públicos e mídia em elevadores ode o percetual de ivestimeto citado pelos paielistas foi o mesmo das mídias cosideradas mais importates, aida que teha sido defiida como idiferete; isso pode idicar haver descohecimeto do retoro proporcioado. As demais mídias ão mecioadas, citadas a pesquisa como idiferetes, ão foram aalisadas, por serem cosideradas aida recetes o mercado, ecessitado de estudos mais aprofudados para permitir coclusões mais precisas. Essa pesquisa foi realizada através de um estudo exploratório que procurou revelar a utilização futura das mídias o Brasil. No etato, sugere-se que sejam feitos estudos mais aprofudados que possibilitem cohecer os motivos que levam os especialistas a testarem ovas mídias e o que é levado em cosideração a avaliação custo-beefício. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALLEN, T. H. New methods i social scieces research:policy scieces ad future research. New York: Praeger, BOYD JR. H.W.; WESTFALL, R. Pesquisa Mercadológica. São Paulo: Fudação Getúlio Vargas, COSTA NETO, P. L. Estatística. São Paulo: Edgard Blucher, DELBECQ, A. L.; VAN DE VEN, A. H.; GUSDTAFSON, D. H. Group techiques for program plaig: a guide to omial group ad Delphi processes. Sccott Foresma,1975. GRUPO DE MÍDIA SÃO PAULO. Mídia dados São Paulo: Porto Palavra, HAGUE, P. N.; JACKSON, P. Pesquisa de Mercado.Lisboa: Editorial Preseça, KOTLER, P. Admiistração de marketig. 10. ed. São Paulo: Pretice Hall, MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketig Uma orietação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookma, MARCONI, H. A.; LAKATOS, E. M. Técicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, OLSEN, S.A. Group plaig ad problem solvig methods i egieerig maagemet. Bosto: A. Wiley Itersciece Publicatio, SERRA COSTA, J. J. Elemetos de estatística. Rio de Jaeiro: Campus, CASTRO, G. C. Qualidade de serviços aéreos segudo as óticas dos compoetes evolvidos: uma aplicação da Técica Delphi Tese (Mestrado em Egeharia de Trasporte), Coordeação de Programas de Pós-graduação em Egeharia da Uiversidade Federal do Rio de Jaeiro, Rio de Jaeiro. CASTRO, G. C.; PINHEIRO, R. M.; SILVA, H. H.; NUNES, J. M. G. Comportameto do cosumidor e pesquisa de mercado. Rio de Jaeiro: Fudação Getúlio Vargas,

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL CHARLES THIBES SARMENTO RESUMO Tecioa-se aalisar a regressão múltipla como auxílio às políticas istitucioais as pesquisas

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA COORDENADORIA DE MATEMÁTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Vitória - ES CAPÍTULO I 1-UM BREVE HISTÓRICO Pesquisas arqueológicas idicam que há 3000 aos A.C. já se faziam cesos a Babilôia, Chia e Egito. Até mesmo

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS FRANCISCO LOUZADA-NETO / CARLOS A. RIBEIRO DINIZ / CLOVIS CORREA DA COSTA / PAULO HENRIQUE F. DA SILVA / CAMILA R. DESTEFANI / ANA PAULA O. TEMPONI PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO Rita Moura Fortes proeg.upm@mackezie.com.br Uiversidade Presbiteriaa Mackezie, Escola de Egeharia, Departameto de Propedêutica de Egeharia Rua da Cosolação,

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL Af-Revista :Layout 3/7/ :59 AM Page 39 PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO:

Leia mais

O uso de questionários em trabalhos científicos

O uso de questionários em trabalhos científicos 1. Itrodução O uso de questioários em trabalhos cietíficos Um questioário é tão somete um cojuto de questões, feito para gerar os dados ecessários para se verificar se os objetivos de um projeto foram

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Uma abordagem histórico-matemática do número pi (π )

Uma abordagem histórico-matemática do número pi (π ) Uma abordagem histórico-matemática do úmero pi (π ) Brua Gabriela Wedpap, Ferada De Bastiai, Sadro Marcos Guzzo Cetro de Ciêcias Exatas e Tecológicas UNIOESTE Cascavel - Pr. E-mail: bruagwedpap@hotmail.com

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos

O impacto da incorporação da inflação na análise de projetos de investimentos Produção, v. 22,. 4, p. 709-717, set./dez. 2012 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65132012005000073 O impacto da icorporação da iflação a aálise de projetos de ivestimetos Joaa Siqueira de Souza a *, Fracisco

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004 ILHA SOLTEIRA XII Cogresso Nacioal de Estudates de Egeharia Mecâica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-FS20 ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract Cosequêcias e Características de um Processo de Desevolvimeto de Software de Qualidade e Aspectos que o iflueciam: uma avaliação de especialistas Jea M. Adrade, Adriao B. Albuquerque, Fábio B. Campos,

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

USO DE MÉTODO HIDROMETEOROLÓGICO E ESTATÍSTICO PARA ESTIMAR PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DIÁRIA NA PARTE PERNAMBUCANA DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

USO DE MÉTODO HIDROMETEOROLÓGICO E ESTATÍSTICO PARA ESTIMAR PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DIÁRIA NA PARTE PERNAMBUCANA DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO USO DE MÉTODO HIDROMETEOROLÓGICO E ESTATÍSTICO PARA ESTIMAR PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DIÁRIA NA PARTE PERNAMBUCANA DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO Josiclêda Domiciao Galvicio 1 Maga Soelma Beserra de Moura 2 Jaes

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

PESQUISA ETNOGRÁFICA: UM ESTUDO DO USO DESSE INSTRUMENTO PELOS PROFISSIONAIS DE PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA ETNOGRÁFICA: UM ESTUDO DO USO DESSE INSTRUMENTO PELOS PROFISSIONAIS DE PESQUISA DE MARKETING Af-Revista 02 Ok Completa 4 Cores:Layout 1 10/7/09 5:19 PM Page 26 PESQUISA ETNOGRÁFICA: UM ESTUDO DO USO DESSE INSTRUMENTO PELOS PROFISSIONAIS DE PESQUISA DE MARKETING ETHNOGRAPHIC RESEARCH: AN ANALYSIS

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais

Profa. Regina Maria Sigolo Bernardinelli. Estatística. Gestão Financeira / Gestão de Recursos Humanos / Logística / Marketing

Profa. Regina Maria Sigolo Bernardinelli. Estatística. Gestão Financeira / Gestão de Recursos Humanos / Logística / Marketing Profa. Regia Maria Sigolo Berardielli Estatística Gestão Fiaceira / Gestão de Recursos Humaos / Logística / Marketig REGINA MARIA SIGOLO BERNARDINELLI ESTATÍSTICA Esio a Distâcia E a D Revisão 09/008 LISTA

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Uiversidade Federal de Mias Gerais Istituto de Ciêcias Exatas Departameto de Estatística Associação etre Variáveis Qualitativas - Teste Qui-Quadrado, Risco Relativo e Razão das Chaces (Notas de Aula e

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais