Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004

2 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO.... INTRODUÇÃO....2 FORMAS DE MODULAÇÃO PULSADA ETAPAS DA MODULAÇÃO PCM AMOSTRAGEM ESPECTRO DE FREQÜÊNCIAS DO SINAL DE AMOSTRAGEM ESPECTRO DE FREQÜÊNCIAS DO SINAL AMOSTRADO TEOREMA DA AMOSTRAGEM ERRO DE RECOBRIMENTO OU DISTORÇÃO DE DOBRAMENTO INTERFERÊNCIA INTERSIMBÓLICA DISTORÇÃO DEVIDO À AMOSTRAGEM INSTANTÂNEA QUANTIZAÇÃO QUANTIZAÇÃO UNIFORME (LINEAR) ERRO DE QUANTIZAÇÃO RUÍDO DE CANAL VAZIO QUANTIZAÇÃO NÃO UNIFORME (NÃO LINEAR) EFEITO DA SATURAÇÃO NA QUANTIZAÇÃO CODIFICAÇÃO CÓDIGO PCM CIRCUITOS DE CODIFICAÇÃO CONVERSOR A/D CODIFICADOR SERIAL (CONTADOR) CODIFICADOR ITERATIVO (POR APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS) CODIFICADOR PARALELO (RÁPIDO) CIRCUITOS DE DECODIFICAÇÃO CONVERSOR D/A FILTRAGEM CIRCUITOS COMERCIAIS BIBLIOGRAFIA... 44

3 . MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO. Inrodução. Uma grande pare dos sinais de informações que são processados em uma rede de elecomunicações são sinais analógicos, al como por exemplo o sinal de voz capado por um microfone, ou a imagem capurada aravés de disposiivos CCD. Para realizar o processameno digial (ransmissão, armazenameno, comuação) deses sinais, é necessário converê-los para um formao digial. A écnica mais conhecida e uilizada para realizar a conversão de um sinal analógico em digial é a modulação por código de pulso, abreviadamene denominada de PCM ( Pulse Code Modulaion ). Esa écnica foi paeneada, em 939, pelo Sr. Alec. Reeves quando era engenheiro da ITT na França. Na écnica Modulação por Código de Pulso (PCM), a ampliude de cada amosra de sinal é represenada por um código de vários bis, sendo cada bi ransmiido aravés de um pulso. Por isso, as deformações na largura e ampliude do pulso são irrelevanes, desde que se possa disinguir claramene a presença e ausência de um pulso. Pelo fao de o PCM ser um sinal digial, a informação conida na palavra PCM não sofre aenuação. O ruído inroduzido durane o ransmissão do sinal não é cumulaivo, pois ele pode ser removido aravés de um processo chamado de regeneração, de modo que a qualidade do sinal PCM depende somene do processo de geração do sinal, e não do meio onde o sinal é ransmiido. O diagrama abaixo ilusra o processo de regeneração do sinal, no qual o sinal ransmiido sobre a degeneração ao ser ransmiido por um meio. Não haverá perda de informação, desde que o sinal recebido possa er os bis 0 e recuperados nos insanes de amosragem. V.2004

4 .2 Formas de Modulação Pulsada. Exisem diversos modos de medir a ampliude das amosras, dando origem a diversas formas de modulação pulsada. Na Modulação por Ampliude de Pulso (PAM ), o sinal de informação é regularmene amosrado em deerminados inervalos de empo, e o valor das amosras é ransmiido aravés de pulsos cuja ampliude é proporcional ao valor do sinal de informação no insane de amosragem. A ampliude da amosra pode ser ambém converida em uma variação da largura de um pulso, resulando na Modulação por Largura de Pulso (PWM 2 ), ou ainda na variação da posição do pulso no empo, resulando na Modulação por Posição de Pulso (PPM 3 ). SINAL DE INFORMAÇÃO insanes de amosragem SINAL PAM SINAL PWM SINAL PPM SINAL PCM seqüência de bis Figura. - Formas de modulação pulsada. Nas modulações PAM, PWM e PPM, a informação conida nos pulsos na forma de ampliude, largura ou posição do pulso é direamene afeada pelo ruído inroduzido no sinal quando ese é ransmiido, sendo que nese casos PAM - Pulse Ampliude Modulaion 2 PWM - Pulse Widh Modulaion 3 PPM - Pulse Posiion Modulaion V

5 não se pode remover o ruído aravés da regeneração do sinal. Na écnica Modulação por Código de Pulso (PCM), a ampliude de cada amosra de sinal é represenada por um código de vários bis, sendo cada bi ransmiido aravés de um pulso. Como cada amosra precisa ser rasmiida aravés de vários pulsos, os pulsos precisam er sua largura reduzida, aumenando consequenemene a banda passane de canal necessária. No PCM as deformações na largura e ampliude do pulso passam a ser irrelevanes desde que se possa disinguir claramene a presença e ausência de um pulso. O ruído inroduzido durane o ransmissão do sinal não é cumulaivo, pois ele pode ser removido aravés de um processo chamado de regeneração, de modo que a qualidade do sinal PCM depende somene do processo de geração do sinal, e não do meio onde o sinal é ransmiido, conforme mosra a figura.3. Pelo fao de o PCM ser um sinal digial, a informação conida na palavra PCM não sofre aenuação SINAL TRANSMITIDO SINAL RECEBIDO nível de referência SINAL REGENERADO ENLACE PCM TRANSMISSOR PCM Regenerador RECEPTOR PCM Figura.2 - Sinal PCM sendo regenerado. Uma grande vanagem da modulação PCM é o fao de ransformar a informação em um sinal digial, o que possibilia o seu processameno a um menor cuso e maior confiabilidade aravés de circuios digiais. O uso da informação digializada possibiliou o surgimeno de uma enorme gama de V

6 aplicações como: RDSI, voz e imagem na INTERNET, Telefonia Digial Fixa e Celular, TV digial, Radio Digial, Áudio-CD, DVD, Vídeo Telefonia, ec..3 Eapas da modulação PCM A modulação PCM consise basicamene de rês operações separadas: amosragem, quanização e codificação. Inicialmene a informação analógica é medida (amosrada) em inervalos regulares de empo; em seguida, os valores obidos são aproximados (quanizados) para um dos níveis de referência preesabelecidos, e finalmene os valores aproximados obidos são codificados aravés de uma seqüência de bis. Para a recuperação da informação original, deve ser feia a inversão do processo aravés de uma eapa de decodificação e uma filragem. A figura abaixo mosra o processo de ransformação de um sinal analógico em digial, e o reorno ao sinal analógico aravés da écnica PCM. AMOSTRADOR FILTRO QUANTIZADOR CODIFICADOR DECODIFICADOR TRANSMISSÃO / ARMAZENAMENTO/ COMUTAÇÃO Figura.3 Eapas da Modulação por Código de Pulso - PCM. V

7 .4 Amosragem Nesa seção, mosraremos que um sinal analógico conínuo pode ser processado aravés das suas amosras, desde que ceras condições sejam respeiadas. As amosras aqui raadas são medidas insanâneas do valor da ampliude do sinal, omadas a inervalos regulares de empo. A figura.4 mosra um diagrama em blocos do processo de amosragem, onde o amosrador é basicamene represenado por uma chave que é conrolada por um sinal de amosragem, fazendo com que parcelas do sinal de informação sejam ransferidas para a saída. Sinal PAM Sinal de Informação Sinal Amosrado Circuio de Amosragem Sinal de Amosragem Figura.4 - Diagrama em blocos de um circuio de amosragem..4. Especro de Freqüências do Sinal de Amosragem. O sinal de amosragem ideal S I () é uma série periódica de impulsos de largura infiniesimal. A muliplicação dese sinal pelo sinal de informação resula em um sinal que coném apenas o valor das amosras nos insanes de amosragem conforme desejado, no enano, ese ipo de sinal não é realizável fisicamene. O especro de freqüências dese sinal é composo basicamene da freqüência fundamenal do sinal, que ambém será a freqüência de amosragem (f a = /T) e suas freqüências harmônicas 2f a, 3f a, 4f a... sendo que odas as freqüências componenes possuem a mesma ampliude (A = w 0 = 2πf a ). A freqüência fundamenal é conhecida como V

8 freqüência de amosragem do sinal 4. A componene conínua do sinal é represenada por (f = 0). componene conínua freqüência de amosragem 2πf a T -2f a -f a 0 f a 2f a /T f Figura.5 - Sinal de amosragem ideal. Nos sisemas reais o sinal de amosragem uilizado é um rem de pulso, que é uma série periódica de pulsos com ampliude fixa (A), largura finia (τ ) e período (T). Nese caso, podemos definir o ciclo de rabalho 5 do sinal como sendo d = τ / T. O ciclo de rabalho represena a parcela de empo em que o sinal possui energia. τ d = τ/ T A T 0 Figura.6 - Sinal de amosragem real - rem de pulsos. O especro de freqüências dese sinal coném as mesmas componenes de freqüência f a, 2f a, 3f a, 4f a... mas nese caso a ampliude das componenes varia de acordo com a seguine equação: Ad Sa(n d π ), sendo a função de amosragem Sa (x) definida por Sa (x) = sin (x) / x. Sa(x) 4π 3π 2π π π 2π 3π 4π x lóbulo cenral Figura.7 - Função de amosragem Sa(x). 4 5 No especro de freqüências cada posição de frequência represena a função complexa e 2πjf. A conversão desa função em um número real é feia somando-se a pare posiiva do especro com sua pare negaiva correspondene 0.5 cos(2πf) = e 2πjf + e -2πjf Duy Cycle. V

9 A seguir, mosraremos, aravés de rês exemplos, como a variação dos parâmeros: período (T), largura do pulso (τ) e ciclo de rabalho (d) do sinal de amosragem afea o especro de freqüências, em relação a quanidade de componenes sob o lóbulo cenral, a ordem da freqüência harmônica nula, as freqüências nulas, e o espaçameno enre as freqüências no especro. Exemplo - Sinal de amosragem com T = ms., τ = 0.25 ms., d =0.25, A = V. τ=0.25ms d = τ / T = T=ms Ad = /4 /τ = 4kHz -2k -8k -4k 0 f a = khz 4k 8k 2k f(hz) Exemplo 2 - Sinal de amosragem com T = 2 ms., τ = 0.25 ms., d =0.25, A = V. τ=0.25ms 0 T=ms /8-2k -8k -4k 0 4k 8k 2k f(hz) Exemplo 3 - Sinal de amosragem com T = ms., τ = 0.25 ms., d =0.25, A = V. τ=0.25 T=ms /8 0 f(hz) -6k -8k 0 8k 6k V

10 A parir dos exemplos dados pode-se perceber claramene algumas caracerísicas dos especros de freqüências dos sinais de amosragem real. O número de freqüências harmônicas sob o lóbulo cenral é inversamene proporcional ao ciclo de rabalho, logo: A diminuição do ciclo de rabalho produz a concenração das componenes de freqüência sob o lóbulo cenral. O espaçameno das freqüências, no especro é sempre deerminado pela freqüência de amosragem, logo: A diminuição da freqüência de amosragem orna o especro mais denso. A ampliude componene conínua é proporcional ao ciclo de rabalho, logo: O uso de ciclos de rabalhos maiores permie aumenar a energia da componene conínua. A freqüência que limia o lóbulo cenral é inversamene proporcional a largura do pulso, logo: :Aumenando a largura do pulso podemos diminuir a largura do lóbulo cenral..4.2 Especro de Freqüências do Sinal Amosrado. Para se ober o especro de freqüências (F s (w)) do sinal de informação amosrado de forma naural uilizaremos o eorema da convolução segundo o qual: "A muliplicação do sinal de amosragem s() pelo sinal de informação f(), no domínio do empo, corresponde, no domínio da freqüência, a convolução dos especros dese sinais S(w) e F(s)." Se considerarmos que o sinal de informação possui um especro limiado em f m, enão podemos ober o especro de sinal amosrado aravés da convolução gráfica do especro do sinal de informação com o especro do sinal de amosragem. A figura.8 nos mosra que o especro do sinal de informação se repee no sinal amosrado a cada inervalo de f a. A informação complea do sinal esá conida em cada uma das bandas laerais do especro, de modo que o sinal de informação pode ser recuperado pela filragem de uma das bandas laerais. V

11 DOMÍNIO DO TEMPO f() DOMÍNIO DA FREQUENCIA A F(f) -f m f m f sinal de informação /3 S(f) τ = T/3 s() -3f a sinal de amosragem -2f a -f a 0 f a 2f a 3f a f A/3 F s (f) = F(f) * S(f) f s () = f(). s() -3f a -2f a -f a 0 f a 2f a 3f a -f m f m f sinal de informação amosrado Figura.8 - Os sinais no domínio do empo e freqüência. Se uilizamos uma amosragem ideal, a largura da banda (BW 6 ) do canal necessário para a ransmissão de um sinal será infinia, uma vez que o especro do sinal amosrado em a energia espalhada no infinio. No caso de uma amosragem naural, a largura de banda é finia, pois a energia do sinal decai com a freqüência, ornando desprezível o nível de energia nas alas freqüências. Aproximadamene 90% da energia do sinal amosrado esá concenrada nas componenes do lóbulo cenral. Quano maior a largura de pulso, menor será a largura de banda do canal necessária para a ransmissão dos pulsos PAM, assim, quando não exise muliplexação, e apenas um sinal de informação é ransmiido, é vanajoso uilizar a máxima largura de pulso para reduzir a banda de freqüência necessária. No caso de se uilizar a muliplexação de sinais no empo, o aumeno da largura do pulso diminui a capacidade de muliplexação de sinais. 6 Bandwidh V

12 .4.3 Teorema da Amosragem O eorema da amosragem pode ser enunciado da seguine forma no dominio do empo: Um sinal que em uma frequencia máxima (f m ) é deerminado de modo único pelo valor das amosras omadas a inervalos de empo menor que /(2f m ) e no dominio da frequencia: Um sinal que em uma frequencia máxima (f m ) manem odas as suas informações se for amosrado a uma frequencia (f a ) maior que duas vezes a frequencia máxima do sinal. ( f a > 2 f m ) A limiação do sinal em faixa, significa a rigor que não exise no seu especro nenhuma componene de freqüência superior a f m. Normalmene os sinais reais não possuem um core abrupo no seu especro de freqüências, mas conêm componenes de freqüência aé o infinio. Por ese moivo é necessário ransmiir o sinal por um filro passa baixa de ala ordem anes de realizar a sua amosragem, garanindo assim uma banda limiada do sinal. Na figura.9 é represenado o resulado da amosragem de um sinal de informação limiado em f m.. A amosragem foi realizada com um sinal de amosragem, onde foi manida fixa a largura do pulso (τ) fixa e foi variado o período do sinal. Quando emos f a maior que 2f m, emos os especros repeidos e separados por um banda de guarda (BG), conforme mosra a figura.9.(a). Nesa siuação é possível recuperar a informação do sinal original aravés de filragem. Quando f a é igual a 2f m, ainda é possível recuperar o sinal de informação aravés de um filro ideal, conforme mosra a figura.9.(b). No enano quando f a é menor que 2f m, conforme mosra a figura.9.(c), ocorre uma sobreposição dos especros, ornando impossível a recuperação da informação original. A parir da análise gráfica, fica evidene que a mínima axa de amosragem que pode ser uilizada é de 2f m conforme diz o eorema da amosragem. A axa de 2f m é chamada de axa de amosragem críica ou axa de Nyquis, e corresponde a omar duas amosras por período do sinal. V

13 (a) f a > 2f m Sinal a ser recuperado F s (f) BG Filro Passa Baixas BG = (f a - f m ) - f m BG f 2f -2f a -f a 0 2f a f a f f m f a - f m F s (f) Filro Passa Baixas (b) f a = 2f m -3f a -f a 0 f a 2f a 3f a -2f a fm f Filro Passa Baixas F s (f) sobreposição (c) f a < 2f m -5f a -4f a -3f a -2f a -f a 0 f a 2f a 3f a 4f a 5f a f f m Figura.9 - Demonsração gráfica do eorema da amosragem. Na práica os sisemas uilizam uma axa de amosragem superior a axa de Nyquis para ober uma banda de guarda que simplifique o projeo do filro passa baixas uilizado para recuperar a informação. No sisema elefônico a freqüência máxima é f m = 3400 Hz e a axa de amosragem padronizada pelo ITU-T 7 (anigo CCITT 8 ) é de 8000 Hz, resulando em uma banda de guarda de 200 Hz..4.4 Erro de Recobrimeno ou Disorção de Dobrameno Um sinal de informação real mesmo após a filragem, sempre possui banda de freqüência infinia, porano coném componenes de freqüência superiores 7 ITU-T - Inernaional Telecommunicaions Union - Telecomunicaion Sandardizaion Secor. V.2004

14 a f a /2. Por iso no processo de amosragem sempre ocorre uma sobreposição das freqüências que esão acima de f a /2 resulando uma pequena degradação do sinal, a qual é conhecida como erro de recobrimeno ou disorção de dobrameno. Essa degradação consise no aparecimeno de componenes de freqüência no sinal que não exisiam anes, e dependendo da sua inensidade é alamene prejudicial a ineligibilidade do sinal de voz. A solução para reduzir o erro de recobrimeno é uilizar filros passa baixa de enrada de melhor qualidade (com mais pólos). F s (f) Filro Passa Baixas freqüências sobreposas f a /2 f Figura.0 - Erro de recobrimeno..4.5 Inerferência Inersimbólica Os pulsos de um sinal amosrado quando passam por um meio de ransmissão se alargam e se espalham, principalmene em função da disorção de ampliude e de fase, de forma que os pulsos sucessivos endem a se sobrepor causando uma disorção que é chamada de inerferência inersimbólica. A figura. mosra pulsos binários que foram modificados pelo meio de ransmissão. Quando a sobreposição dos pulsos é grande, a decisão enre a exisência de pulso e a ausência de pulso apresena erros. Na práica, vários pulsos conribuem na inerferência, acenuando ainda mais o problema. Para reduzir a inerferência, exisem as seguines soluções: inroduzir um circuio equalizador para compensar a disorção de ampliude e de fase; separar os pulsos aravés da redução da sua largura razendo como conseqüência um aumeno da largura de banda de canal necessária; 8 CCITT - Consulive Commiee Inernaional for Telegraphy and Telephony. V

15 adequação da forma do pulso ransmiido às caracerísicas do meio de ransmissão e circuio de recepção. (a) sinal ransmiido sinal recebido nível de (b) sinal ransmiido sinal recebido com nível de decisão Figura. - (a) ransmissão normal, (b) ransmissão com erro devido a inerferência inersimbólica..4.6 Disorção devido à amosragem insanânea. A amosragem uilizada aé agora foi a amosragem naural, na qual cada pulso de amosragem é muliplicado pelo sinal de informação f() no inervalo de amosragem. Como resulado, cada pulso no sinal amosrado em uma forma de onda diferene, levando assim a informação de f() em oda a largura do pulso. Ese ipo de amosragem não nos serve para realizar a conversão Analógico/Digial, pois durane o processo de conversão de cada amosra, será necessário que o valor da amosra não varie. Para iso será necessário maner o valor do insane inicial da amosra, uilizando um circuio de reenção. Esa forma de amosragem é denominada de amosragem insanânea, pois os pulsos levam apenas a informação dos insanes de amosragem de f(). Da mesma forma que na amosragem naural, o especro de freqüências do sinal amosrado insananeamene coném ciclos do especro do sinal de informação F(w). No enano, nese caso, exise um faor de ponderação Q(w)= sin ( )/ 9 que esá muliplicando o especro original. Assim, em cada 9 Q(w) é a ransformada de Fourier do pulso de amosragem uilizado. Se o pulso é reangular com largura τe ampliude A, enão Q(w) = AτSa(wτ/2). V

16 freqüência, há um faor de muliplicação diferene, fazendo com que o especro F(w) fique com disorção de frequencia. f s () F s (w) w f s () F s (w).q(w) w Figura.2 - Diferenças enre a amosragem naural e insanânea. q() Q(w) Aτ τ -2π/τ 2π/τ w Figura.3 - Faor de ponderação Q(w) para amosragem insanânea. Quando é uilizada a amosragem insanânea, a uilização de um filro passa baixas simples para recuperar a informação resula em um sinal disorcido pela função Q(w). Assim, a recuperação do sinal f() sem disorção pode ser conseguida com a ransmissão do sinal aravés de um filro equalizador com resposa /Q(w)= / sin( ). f s () /Q(w) f s () /Q(w) w -w m w m Figura.4 - Resposa em freqüência do filro equalizador. Na recepção do sinal PCM, é muio comum o uso dessa écnica de equalização, uma vez que após a decodificação, as amosras do sinal são ransmiidas aravés de um circuio de reenção que maném sua saída consane aé que uma nova amosra seja decodificada. O sinal de saída V

17 resulane possui a forma de escada, aproximando-se do sinal de informação, possuindo enreano uma fore disorção no seu especro enre 0 e w m. Para recuperar o sinal é necessário ransmii-lo por um filro equalizador com resposa em freqüência de /Q(w) = (wτ/2)/sin.(wτ/2). f s () Q(w) = τ.sin.(wτ/2)/wτ/2 F s (w).q(w) w 0 w F(w).Q(w) Figura.5 - Efeio do circuio de amosragem e reenção. Uma oura forma de conornar o problema da disorção produzida pela amosragem insanânea, é fazer com quer o pulso seja exremamene esreio, fazendo com que o faor de ponderação Q(w) fique quase consane no inervalo 0 a w m. Na práica esa condição é obida quando fazemos /τ 0 f 0 m. Nese caso o problema é a pouca energia do sinal, que orna o processo de filragem final do sinal muio difícil. f s () F s (w).q(w) w F(w) Figura.6 - Uso de pulsos esreios para eviar a equalização..5 Quanização A quanização é um processo no qual as amosras individuais do sinal de informação são arredondadas para o nível de ensão de referência mais próximo. O erro inroduzido nese processo é conhecido como erro de 0 Como Q(0) = τsa(0) = τ e Q(f m ) = τsa(2πf m τ/2) = τsa(πf m /0f m ) = τsa(π/0) Q(f m ) = τ, podemos calcular a disorção em f m em relação a 0 aravés de: Disorção(dB) = 20 log Q(f m )/Q(0) = -0.4 db. V

18 quanização ou ruído de quanização, não podendo ser eviado, mas apenas minimizado. A quanidade de níveis a ser uilizada depende do número de bis do código final uilizado e o inervalo enre os níveis pode ser uniforme ou variar conforme a ampliude..5. Quanização Uniforme (linear). Para um sinal de informação cuja ampliude máxima é A as amosras podem assumir quaisquer valores enre -A e A. Se definirmos um conjuno limiado (N+) de níveis de referência de ensão enre -A e A, eremos como resulado N inervalos de quanização. A diferença enre um inervalo de quanização e o próximo chamamos de passo de quanização ( V) que pode ser calculado por V = 2A/N. Aproximando cada valor de amosra para o nível de referência mais próximo obemos um sinal modulado por pulsos onde os valores de ampliude dos pulsos podem ser represenados por um código binário. Quando o passo de quanização é consane em oda a faixa de ampliude do sinal dizemos que a quanização é uniforme. f s () A A = 3 V 2 V f sq () V V 0 - V -A -2 V -A = -3 V Figura.7 - Quanização uniforme de um sinal de informação para N= 6, V= A/3.5.2 Erro de Quanização. Um aspeco fundamenal no projeo e desenvolvimeno de um sisema elefônico é a necessidade de se medir analiicamene o desempenho do sisema, de forma a poder compara-lo com ouros sisemas. Uma das medidas necessárias é a qualidade da voz ouvida pelo recepor. O erro de quanização é uma boa medida de desempenho de sisemas PCM de ala qualidade. V

19 Conforme mosra a figura.7 exise um erro enre o sinal analógico amosrado e o sinal quanizado. Na práica ese erro causa um ruído branco de fundo durane a ransmissão de voz. Se considerarmos o erro e() como sendo diferença enre o sinal de informação amosrado f A () e o sinal amosrado quanizado f AQ (), podemos afirmar que no caso do uso de quanização linear, ese erro esará enre os limies - V/2 e + V/2, desde que a ampliude do sinal de informação fique que sempre confinada a máxima ensão do circuio A max.. A relação sinal ruído de quanização SRQ pode ser expressa como sendo a poência média de ruído relaiva a poência média de sinal. O erro de quanização pode ser reduzido com a diminuição do passo de quanização V, ou seja, aumenando o número de níveis de quanização (N) exisenes enre os limies -A e A do sinal. Usando um número adequado de passos de quanização podemos ornar o ruído de quanização impercepível ao ouvido humano. Para esudar a quanidade de passos de quanização necessários, mosramos a seguir as equações que relacionam a SRQ com o número de inervalos N. Como a poência do ruído de quanização pode ser deerminada por V 2 /2, e a poência média de um sinal senoidal é dada por A 2 /2 onde A é a ampliude do seno. Temos: SRQ = 2 A 2 V 2 2 ou A SRQ( db) = log V No caso de ermos um sinal senoidal que ocupe oda a faixa de ensões do circuio quanizador A = A max, A/ V corresponderá a meade do número de níveis de quanização N necessários, logo: SRQ ( db) = log N. Por ouro lado, se codificarmos os níveis em um código binário de n bis eremos que N = 2 n SRQ ( db) = n. A qualidade mínima de voz digializada requer uma relação SR superior a 26dB, no enano para que haja uma ineligibilidade superior a 98% das palavras ransmiidas é necessário que a relação SR seja superior a 35dB. V

20 Desa forma se deerminarmos o número de níveis necessários eremos: 35 = log. N, logo N = 46 níveis (6 bis). Para prover uma qualidade adequada para sinais pequenos, um sisema elefônico deve ser capaz de ransmiir uma larga faixa de ampliudes de sinal (faixa dinâmica FD). Levando em cona esa faixa dinâmica do sinal, a deerminação da relação SR é feia aravés da equação: A A SRQ( db) = n + 20 log se FD( db) = 20 log enão SRQ( db) + FD( db) = n A max onde os dois primeiros ermos da primeira equação são a SRQ para sinais senoidais que ocupam oda a faixa de valores. O úlimo ermo indica a perda na SRQ quando o sinal não ocupa oda a faixa. Resolvendo graficamene esa equação obemos a figura.8. A max número de bis/amosra Relação Sinal Ruído (db) Faixa dinâmica (40dB) A / Amax (db) Figura.8- Relação sinal ruído para quanização linear. Na práica os sinais quanizados são filrados, reduzindo assim ano o poência do sinal como do ruído, no enano a redução do ruído é maior uma vez que possui um especro de freqüências maior. Desa forma a filragem do sinal quanizado resula em um aumeno da relação sinal ruído de db a 2dB. V

21 A faixa dinâmica normalmene adoada em elefonia é de 40dB, de modo que SRQ(dB) + FD(dB) = 75dB se considerarmos ao mesmo empo o sinal no limie inferior da faixa dinâmica (40dB) e a ineligibilidade (35dB). O número de bis necessários nese caso será de n = ( ) / 6.02 = 2,6 = 3 bis..5.3 Ruído de canal vazio Pelas equações da relação sinal ruído, podemos verificar que, se o sinal é pequeno a relação sinal ruído é ruim. Se os primeiros inervalos de quanização começarem na origem, podemos er uma siuação onde o ruído pode ser maior que o sinal, desde que o sinal seja quase nulo, conforme mosra a figura.20. Ese efeio é paricularmene imporane durane as pausas na falação, sendo conhecido como ruído de canal vazio. O ruído que ocorre durane as pausas é mais percepível que um ruído com a mesma poência durane a conversação, por isso ese ipo de ruído é especificado pela ITU-T como < 23 dbrn. V Sinal de saída não filrado Sinal de enrada (canal vazio) Insanes de amosragem +0 Inervalo de 0 quanização -0 - V Figura.9- Ruído de canal vazio produzido pelo quanizador com os primeiros inervalos de quanização iniciando na origem. Um modo de eviar ese problema é fazer com que o primeiro inervalo de quanização enha o zero como cenro. Nese caso emos uma quanidade ímpar de inervalos de quanização, e odas as amosras localizadas no inervalo cenral serão decodificadas como nulas (0). O padrão de referência de ruído no sisema elefônico é pw, que é 0-2 W ou -90dBm, onde dbm é a poência em db relaivo a mw. O ruído em dbrn é medido relaivo a esa referência sendo expresso em ermos de quanos db esá acima da referência. Assim um nível de ruído de 23dbrN corresponde a -67dBm. V

22 .5 V V Inervalo de quanização V Sinal de enrada (canal vazio) Sinal de saída não filrado Insanes de amosragem V Figura.20- Quanizador com o primeiro inervalos de quanização cenrado na origem..5.4 Quanização não uniforme (não linear) Na quanização uniforme, o amanho do inervalo de quanização é deerminado pelos requisios de SRQ para o menor sinal codificado. As amosras maiores são ambém codificados com o mesmo inervalo de quanização, gerando uma qualidade muio superior a necessária para eses sinais. Além disso a probabilidade de ocorrência de amosras de pequena ampliude é muio maior que amosras de grande ampliude, por isso é conveniene uilizar passos de quanização menores nas baixas ampliudes do que nas ampliudes maiores, de modo que se consiga reduzir o número de bis necessários manendo relação sinal ruído e faixa dinâmica denro do desejado. Esa écnica é conhecida como quanização não uniforme ou quanização não linear. Exisem rês diferenes méodos de implemenar a quanização não uniforme conforme mosram as figuras.2,22 e23. Nos rês casos exise um circuio que realiza a COMpressão do sinal na enrada e um circuio que realiza a expansão do sinal na saída. O processo de comprimir e depois expandir o sinal é denominado de COMPANSÃO. No caso da figura.2, o sinal analógico de enrada é ransmiido aravés de um circuio com ganho não linear (compressor) e, em seguida, uniformemene quanizado por um conversor analógico digial. Ese méodo foi o primeiro a ser uilizado, mas já caiu em desuso devido a dificuldade de implemenar o amplificador logarímico, no qual são exigidos diodos especiais com ala precisão na sua caracerísica de ensão x correne. V

23 Sinal de Enrada Sinal analógico comprimido A D Palavra digial comprimida (8 bis) D A Sinal analógico comprimido Sinal de Saída Compressão Codificador linear Decodificador linear Expansão Figura.2- Compressão analógica seguido de quanização linear. No caso da figura.22, os níveis de quanização são definidos aravés de passos de quanização variáveis no próprio conversor analógico digial. Esa implemenação em como principal dificuldade maner a precisão dos níveis de referência. Sinal de Enrada A D Codificador não linear Palavra digial comprimida (8 bis) D Decodificador não linear A Sinal de Saída Figura.22 Codificação não linear. No caso da figura.23, o sinal é quanizado uniformemene usando passos de quanização exremamene pequenos (3 bis) sobre oda a faixa ampliudes (-A max aé +A max ). Em seguida, os valores quanizados são ransladados digialmene, de forma a resular em um código com apenas 8 bis. Ese é o méodo mais uilizado aualmene na elefonia, e permie implemenar variações na forma de compressão uilizando-se apenas abelas de ranslação diferenes. Sinal de Enrada A D Sinal digial (3 bis) Palavra digial comprimida (8bis) Sinal digial (3 bis) D A Sinal de Saída Codificador linear Compressão Digial Expansão Digial Decodificador linear Figura.23 - Quanização linear seguido de compressão digial do sinal digial Apesar da diferença de implemenação, as rês siuações apresenadas resulam em palavras digiais idênicas, iso é, podemos uilizar a eapa de enrada de uma implemenação e a saída de oura. A variação dos passos de quanização com a ampliude do sinal é definida por uma lei de compressão logarímica, sendo que as pares posiiva e negaiva V

24 do sinal de informação são raadas de forma idênica, resulando em curvas de compressão siméricas passando pela origem. a) Lei µ A lei de compansão uilizada no Japão, nos EUA e em odos os países cujo código inernacional é é a Lei µ, que é definida pelas seguines equações: ln( + µ x ) = µ ) = ( ) ln( + µ ) Compressão: y F ( x sgn x Expansão: x = F y = y µ y ( ) sgn ( ) [( + µ ) ] µ onde x é a ampliude do sinal de enrada 0 x <, y é o valor comprimido F µ (x), sgn( x ) é a polaridade (+ ou - ) de x, e µ é o parâmero usado para definir a axa de compressão. Nesa equação, a ensão de enrada x e a ensão de saída y = F µ (x) esão normalizadas, esando os valores limiados enre - e +. A curva raçada a parir da equação acima é logarímica para valores grandes de ampliude de enrada e aproximadamene linear para valores de pequena ampliude (x < / µ ). A Lei µ possui um inervalo de quanização cenrado na origem, para diminuir o problema de ruído de canal vazio, conforme mosrado na figura.20. Os primeiros sisemas uilizavam o parâmero µ = 00, e implemenavam a compressão na forma analógica uilizando amplificadores logarimos com diodos especiais. Aualmene o parâmero µ = 255 é uilizado em circuios que implemenam a compressão na forma digial, sendo a curva aproximada aravés de 8 segmenos de rea na pare posiiva e negaiva. Como os segmenos posiivos e negaivos que começam na origem são colineares, eles formam um único segmeno, de modo que no oal emos a curva aproximada por 5 segmenos. V

25 Valor comprimido de saída µ=255 µ=00 µ= Valor de enrada Figura.24 - Curva de compressão uilizando a Lei µ. b) Lei A. Uma oura lei de compansão uilizada é a Lei A que é recomendada pelo ITU- T para a Europa, América do Sul, e a maior pare dos países do mundo, incluindo os enlaces inernacionais. Esa Lei A é definida pelas seguines equações: Ax Compressão: y= FA ( x) = sgn( x) + ln( A) para 0 x A + ln Ax y= FA ( x) = sgn( x) + ln( A) para x A y[ + ln( A)] Expansão: x = FA ( y) = sgn( y) A para 0 y + ln( A) e x = FA ( y) = sgn( y) y [ + ln( A)] A para + ln( A) y onde x é a ampliude do sinal de enrada, y é o valor comprimido F A (x), sgn( x ) é a polaridade (+ ou - ) de x, e A é o parâmero usado para definir a axa de compressão. Noe que a caracerísica da Lei A é linear para valores de enrada menores que /A. e logarímica para valores maiores que /A. A Lei A possui o primeiro inervalo de quanização iniciando na origem, de modo que apresena um ruído de canal vazio conforme mosrado na figura.9. V

26 Os sisemas que empregam a Lei A uilizam o parâmero A = 87.6, e aproximam a curva de aravés de 8 segmenos de rea na pare posiiva e negaiva. Como os 2 primeiros segmenos posiivos e negaivos são colineares, eles formam um único segmeno, de modo que no oal emos a curva aproximada por 3 segmenos. Os see segmenos da Lei A são definidos pelos ponos iniciais (x, y) e finais (x, y), conforme mosra a figura.25 e 26. Segmenos níveis x_início 0 / 64 / 32 / 6 / 8 / 4 / 2 y_início 0 2 / 8 3 / 8 4 / 8 5 / 8 6 / 8 7 / 8 x_fim / 64 / 32 / 6 / 8 / 4 / 2 y_fim 7 / 8 2 / 8 3 / 8 Figura.25 - Número de níveis, valores iniciais e finais dos segmenos da curva de compressão - Lei A 4 / 8 5 / 8 6 / 8 Valor comprimido de saída A = A = 0 Curva logarímica A= 87.6 Curva segmenada A= Valor de enrada Figura.26 - Curva de compressão uilizando a Lei A O uso das leis de compressão resula em um ganho na relação sinal ruído para os sinais de pequena ampliude, ao mesmo empo que para grandes ampliudes exise uma perda na SRQ. Com os parâmeros A=87.6 e µ=255 e uma palavra digial de 8 bis, obém-se uma relação sinal ruído superior a 33dB em uma faixa dinâmica de 40dB, conforme mosra a figura.27. O uso da aproximação por segmenos resula em uma relação sinal ruído que se alera abrupamene uma vez que os passo de quanização são alerados aos V

27 salos, sendo que esa diminuição na SRQ não ainge o valor mínimo de 35dB no caso da Lei A. SRQ(dB 40 Sinal máximo = +3 dbm0 Lei µ = segmenos 8 bis Lei A conínua 8 bis Lei A 3 segmenos 8 bis 30 Lei µ = 255 conínua 8 bis Linear 3 bis Linear 8 bis 20 Faixa dinâmica de 40 db 0 Poência do sinal (dbm0) Figura.27- Relação sinal ruído para as leis A e µ ( conínua e em segmenos).5.5 Efeio da Sauração na Quanização. Nos processos de quanização descrios considerou-se que os picos de ampliude dos vários sinais de informação esavam conidos na faixa de quanização (A max à -A max ). Na práica iso nem sempre aconece, uma vez que exisem valores de pico que ulrapassam o valor máximo do quanizador. Por uma quesão de cusos e eficiencia do circuio, o sisema é especificado de forma que funcione normalmene para a faixa de ampliude onde esão as ampliudes mais prováveis, e no caso de aconecerem ampliudes que ulrapassem o valor do nível máximo de quanização, a saída do sisema é manida igual ao nível máximo aé que o valor do sinal vole a um valor menor que o limie. Ese efeio é chamado de sauração do circuio, podendo ser obido aravés de um disposiivo limiador de ensão. V

28 Sinal de Informação A max Sinal Quanizado Figura.28 - Disorção causada pelo core dos picos do sinal. É imporane ressalar que a disorção causada pela sauração do sinal produz uma disorção harmônica, enquano a disorção causada pela quanização é uma disorção não harmônica. Esa disorção diminui a relação sinal ruído dos sinais mais fores, e devendo ser conrolada para ficar denro da específicada para o sisema. No Sisema Telefonico, a relação sinal /ruído de quanização em função do nível do sinal é dada pelo gráfico abaixo, onde os sisemas devem funcionar fora da área hachureada. Ese ipo de gráfico é muio uilizado para especificar a região de funcionameno dos sisemas, sendo conhecido por "Máscara". S/D (db) 35,5 32,9 24,9 9, Nível (dbm) Figura.29 - Especificação da relação Sinal / Disorção oal para CPA-T (SPT ). V

29 .6 Codificação. A codificação é a operação aravés da qual cada nível de quanização é associado a uma combinação de dígios binários, formando um código preesabelecido. Para uma combinação de n dígios binários, exisem n! possíveis códigos. A figura.29 ilusra rês códigos diferenes uilizando 8 bis. Para que um código possa ser uilizado em elefonia, ele deve permiir a implemenação simples da codificação e decodificação e permiir boas condições para a ransmissão do sinal de relógio, por isso é uilizado o binário simérico com inversão dos bis pares a) Código binário simples b) Código binário simérico c) Código binário simérico (inversão dos bis pares) Figura.30 - Tipos de código. V

30 .7 Código PCM. Na ransmissão elefônica digial foi adoado um código binário de 8 bis que permie a codificação de 256 níveis de quanização, os quais esão divididos igualmene enre a pare posiiva e negaiva. Ese código é denominado de código PCM ou palavra PCM. O código empregado para a formação das palavras PCM usando a lei A é simérico, onde o bi mais significaivo (b 7 ) é uilizado para indicar a polaridade (P) da amosra ( + e 0 - ) e o resane dos bis é uilizado para indicar a magniude do sinal a parir do nível zero. Os bis da magniude são uilizados da seguine maneira: os bis b 6 a b 4 indicam o número do segmeno (S) e o código do inervalo de quanização (Q) é dado pelos bis b 3 a b 0. Lembre-se que na realidade o segmeno 0 e o segmeno são colineares, sendo normalmene chamados de segmeno cenral. P S Q SEGMENTO b 7 b 6 b 5 b 4 b 3 b 2 b b 0 p n n n n p 0 0 n n n n 2 p 0 0 n n n n 3 p 0 n n n n 4 p 0 0 n n n n 5 p 0 n n n n 6 p 0 n n n n 7 p n n n n Figura.3 - Palavras PCM - lei A. O código acima resula na maioria das vezes em seguências de zeros, uma vez que em elefonia os sinais de baixa ampliude são os mais freqüenes. Para melhorar a condição de ransmissão do sinal de relógio, invere-se os bis pares das palavras PCM anes da sua ransmissão. Na figura.32 é mosrada a abela de codificação para a lei A, onde o valor máximo da enrada é o número ineiro Para cada inervalo de quanização é dado o valor inicial, e o valor final acrescido de. V

31 Código do Código do Segmeno Inervalo de Quanização Figura.32 - Tabela de codificação da lei A. Exemplo: Uma amosra se enconra no segmeno e no código de quanização 000, pois é um valor enre 2304 e Desa forma o código PCM correspondene a esa amosra é 000. Na decodificação, esa palavra será decodicada como +2368, que corresponde ao valor médio do código de quanização. Conforme foi viso aneriormene, o méodo de quanização não uniforme pode ser implemenado de diversas formas diferenes, sendo que odas apresenam resulados equivalenes. Aualmene a forma mais uilizada é a quanização uniforme em 3 ou 4 bis seguido da ranslação digial para 8 bis. Ese méodo é muio práico, uma vez que permie ober uma palavra PCM segundo a lei A ou µ aravés de uma simples mudança da abela de ranslação. Na figura.33 é mosrada a abela de compressão e expansão digial para a lei A, parindo-se do valor codificado em uma seqüência de 3 bis. Noe que apenas os 2 bis iniciais são uilizados na compressão, pois o décimo erceiro bi (b 2 = p) apenas represena a polaridade da amosra. Conforme mosra a V

32 figura, alguns dos bis menos significaivos são desprezados no processo de compressão, sendo resiuídos na expansão digial pelo valor médio 0 0. No caso da lei µ ambém é uilizada uma abela semelhane a esa, mas ela possui um bi a mais. Código de 3 bis Código 8 bis b b b 2 0 b 9 b 8 b 7 b 6 b 5 b 4 b 3 b 2 b b 0 b 7 b 6 b 5 b 4 b 3 b 2 b b 0 p w x y z a p w x y z p w x y z a p 0 0 w x y z p w x y z a b p 0 0 w x y z p w x y z a b c p 0 w x y z p w x y z a b c d p 0 0 w x y z p 0 0 w x y z a b c d e p 0 w x y z p 0 w x y z a b c d e f p 0 w x y z p w x y z a b c d e f g p w x y z Figura.33a - Tabela de compressão digial - lei A. Código de 8 bis Código 3 bis b 7 b 6 b 5 b 4 b 3 b 2 b b 0 b 2 b b 0 b 9 b 8 b 7 b 6 b 5 b 4 b 3 b 2 b b 0 p w x y z p w x y z p 0 0 w x y z p w x y z p 0 0 w x y z p w x y z 0 p 0 w x y z p w x y z 0 0 p 0 0 w x y z p w x y z p 0 w x y z p 0 0 w x y z p 0 w x y z p 0 w x y z p w x y z p w x y z Figura.33b - Tabela de expansão digial - lei A. Exemplo: Prosseguindo com o exemplo anerior onde as amosras foram codificadas em 3 bis eremos a sua codificação em 8 bis aravés da Lei A anes da sua ransmissão. Amosra: O inervalo d represenado em 3 bis por b é converido nos 8 bis b conforme a 5 a linha da abela. Amosra2: O inervalo +5 d represenado em 3 bis por b é converido nos 8 bis b conforme a a linha da abela. V

33 Código de 3 bis Código 8 bis Após a ransmissão, os inervalos das amosras pode ser recuperados, usando a abela de expansão, reorna-se ao código de 3 bis obendo-se b e b que correspondem respecivamene aos inervalos de quanização 328 d e +5 d. Código de 8 bis Código 3 bis Os valores de ensão correspondenes a esas amosras são deerminados uilizando-se o valor correspondene a meade do inervalo de quanização correspondene aravés de V a = sgn(i a ) ( I a + 0,5) V, sgn(x) é a polaridade do inervalo e x é o valor absoluo do inervalo. Assim emos para: Amosra : V a = -( ,5) /2 2 = -78,735 mv. Amosra 2: V a2 = +(5 + 0,5) /2 2 = +3,784 mv..8 Circuios de codificação Conversor A/D Exisem diversos ipos de circuio que realizam a codificação digial de um sinal. Os codificadores mais uilizados são aqueles que empregam a comparação de ensão enre valores de referência e a ampliude da amosra para a obenção do código..8. Codificador Serial (Conador) Os codificadores seriais são os mais baraos e simples, no enano êm um empo de conversão muio leno. O princípio de funcionameno é comparação da ensão da amosra com a ensão de referência gerada inernamene, aravés da conversão Digial/Analógica (D/A) da saída de um conador digial. O conador inicia a conagem a parir do zero, e coninua conando aé que o valor da referência inerna ainja o valor da amosra. Nese pono o valor do conador é ransferido para a pora de saída e represena o valor da amosra converido em digial. O empo de conversão depende do inervalo de (n ) quanização a que perence a amosra podendo demorar 2 períodos de relógio. V

34 Amosra do Sinal Circuio de Rese Rese do Conador Q 0 Q Q n- Comparador de Tensão Relógio Conador Digial Pora de Saída Q 0 Q Q n- Tensão de Referência Conversor Digial/Analógico Figura.34 - Implemenação de um Codificador Serial. O princípio de funcionameno é comparação da ensão da amosra com a ensão de referência gerada inernamene, aravés da conversão Digial/Analógica (D/A) da saída de um conador digial. O conador inicia a conagem a parir do zero, e coninua conando aé que o valor da referência inerna ainja o valor da amosra. Nese pono o valor do conador pode ser lido, pois represena o valor da amosra converido para digial. O conador é zerado com a chegada de cada novo pulso, iniciando uma nova conversão. Após o circuio de amosragem deve haver um circuio de reenção, para maner consane o sinal durane a conversão. Cada vez que o conador é reseado, o valor de referência assume seu valor mínimo V mim, sendo que o valor máximo V max é aingido após 2 n - (n é o número de bis)gerações de referências de ensão. Assim a freqüência do relógio deve ser no mínimo de 2 n - vezes a freqüência de amosragem, ornando a écnica inadequada quando são uilizadas alas axas de amosragem. Na implemenação de um codificador para código simérico, o sinal de enrada é reificado anes de enrar no comparador, sendo o bi mais significaivo obido por um circuio de deecção da polaridade do sinal. Amosra do Sinal de Informação DETETOR DE POLARIDADE RETIFICADOR DE PRECISÃO Sinal de Informação Reificado Q n- Q Q 0 CODIFICADOR (0 a A max ) Figura.35 - Implemenação de um Codificador Simérico. V

35 .8.2 Codificador Ieraivo (por aproximações sucessivas). O méodo de codificação por sucessivas aproximações ambém se baseia na geração de referências de ensão inernas, só que nese caso são geradas apenas n referências. Ao invés de um conador uiliza-se um circuio programador que fornece na sua saída um resulado que depende das comparações aneriores. O circuio programador inicia com odos os bis em 0. Iniciando pelo bi mais significaivo (MSB) vai a cada comparação alerando o valor de um dos bis Q n, Q 2, Q para. Se o valor da referência gerada é menor que a amosra o programador maném o bi em e passa para o próximo bi. Caso conrário o bi é reornado para 0 e o programador passa para o próximo bi. Aravés desse méodo consegue-se garanir que em no máximo n passos, o resulado da conversão é obido. Amosra do Sinal de Informação CIRCUITO DE RESET Sinal de Rese do Conador Q 0 Q Q n- CIRCUITO PROGRAMADOR PORTA DE SAÍDA Q 0 Q Q n- Tensão de Referência Inerna CONVERSOR DIGITAL/ANALÓGICO Figura.36 - Implemenação de um Codificador Ieraivo. Exemplo: Considere um codificador de 4 bis e uma ensão de enrada Ve, conforme é mosrado na figura.37. O primeiro código gerado pelo programador é 000, se a enrada Ve é menor que a Tensão de refêrencia Vi enão o próximo código será 00. Se Ve > Vi enão o próximo código é 0. Se Ve < Vi enão o próximo código é 0. Finalmene se Ve > Vi enão o resulado será 0 + = 0. V

36 Ve Vi Ve > Vi 00 Ve > Vi 0 Ve < Vi 0 Ve > Vi 0000 Figura.37 - Exemplo de uma conversão em um codificador ieraivo..8.3 Codificador Paralelo (Rápido) Os codificadores paralelos são caros e complexos, mas possuem um empo de conversão muio pequeno. Nese ipo de codificador, uiliza-se um comparador de ensão e um nível de referência para cada inervalo de quanização. A amosra é comparada simulaneamene com 2 (n ) ensões de referência, sendo o resulado desas comparações ransformado em uma palavra digial binária aravés uma mariz lógica. O empo de conversão independe do valor da amosra, depende apenas do empo de araso do circuio de comparação e da mariz lógica. VR Mariz Q 0 Q VR 2 Amosra do sinal Lógica Q n- VR (2n-) Comparadores de ensão Figura.38 - Codificador Paralelo..9 Circuios de decodificação Conversor D/A Após o processameno (comuação/ransmissão) do sinal PCM ese sinal deve volar a forma analógica original, para poder ser ouvido. Na decodificação é aribuído um valor de ensão a cada código PCM, sendo feia V

37 a expansão do sinal, segundo a lei A ou µ. A decodificação é feia por circuios conversores D/A. A saída do decodificador é um pulso cuja ampliude corresponde ao valor siuado na meade do inervalo de quanização do código PCM. Para aumenar a poência do sinal, é comum nesa eapa uilizar-se um circuio de reenção, que raz como conseqüência uma disorção do especro do sinal conforme já viso aneriormene. A decodificação não uniforme pode ser realizada de rês formas conforme mosram as figura.2,.22 e.23. A expansão deve ser feia pela mesma lei de compansão (lei A ou µ). Na decodificação um valor de ensão é aribuído a cada código, após feia a expansão do sinal quando uilizada a quanização linear. Esa eapa é realizada aravés de circuios conversores D/A. A ensão de saída corresponde a um sinal do ipo escadaria, que maném o valor decodificado durane um período de amosragem. Um circuio muio uilizado para realizar a conversão D/A é o R-2R (figura.39), que é uma rede resisiva composa de dois valores de resisores que facilmene é implemenada em circuios inegrados, conforme mosrado na figura abaixo. O seu funcionameno é baseado na divisão de ensão na rede resisiva. Para cada enrada Q i, ao aplicarmos uma ensão Vx, obemos na saída uma ensão Vs = Vx/2 (n+i). A máxima ensão de saída é dada por Vs max = Ve(2 n -)/2 n. 2R R R R Vs 2R 2R 2R 2R Q 0 Q Q n-2 Q n- Figura.39 - Decodificador R-2R. Exemplo: em um decodificador de 8 bis, se aplicarmos simulaneamene a ensão Vx nas enradas correspondenes aos bis 0, 2, 4 e 7 e 0V nas ouras enradas, eremos uma ensão de saída: Vs = Vx/2 (8-0) + Vx/2 (8-2) + Vx/2 (8-4) + Vx/2 (8-7) V

38 Vs = (/256 + /64 + /32 + /2) Vx Vs = 4/256 Vx. = Vx. Um ouro ipo de decodificador é consruído uilizando-se valores das resisências que são conecadas a cada bi do código digial represenam um peso binário na configuração de um amplificador somador. Na figura.40 cada resisência erá correne ou não dependendo da ensão de enrada que pode ser zero (bi = 0) ou enão erá um valor V de ensão (bi = ). Como a correne de enrada no amplificador operacional é praicamene nula, iso faz com que a ensão de saída seja igual a correne no resisor RF que é a soma das correnes correspondenes aos bis que esão em. Como a correne em cada resisor é proporcional ao peso do bi, emos na saída uma ensão proporcional ao valor digial de enrada. Noe que o resisor R de valor menor corresponde ao bi mais significaivo sendo os ouros valores múliplos binários dese valor 2R, 4R, 8R, 6R, 32R,... A desvanagem dese ipo de conversor D/A é que os valores dos resisores são odos diferenes, ornando mais difícil a sua realização, principalmene para aplicações com mais bis. Figura.40 - Decodificador com enrada balanceadas binários. Em elefonia e na maioria das aplicações uilizam-se circuios conversores D/A comerciais cujo funcionameno é baseado na rede R-2R. V

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1 ETFSC UNED/SJ CURSO DE TELEFONIA DIGITAL CAPÍTULO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM. INTRODUÇÃO. Uma grande pare dos sinais de inormações que são processados em uma rede de elecomunicações são sinais

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capíulo 1 Inrodução Índice Índice...1 1. Inrodução...2 1.1. Das Ondas Sonoras aos Sinais Elécricos...2 1.2. Frequência...4 1.3. Fase...6 1.4. Descrição de sinais nos domínios do empo e da frequência...7

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios

Primeira Lista de Exercícios TP30 Modulação Digial Prof.: MSc. Marcelo Carneiro de Paiva Primeira Lisa de Exercícios Caracerize: - Transmissão em Banda-Base (apresene um exemplo de especro de ransmissão). - Transmissão em Banda Passane

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09 Teoria da Comuniação Pro. Andrei Piinini Legg Aula 09 Inrodução Sabemos que a inormação pode ser ransmiida aravés da modiiação das araerísias de uma sinusóide, hamada poradora do sinal de inormação. Se

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Noções de Espectro de Freqüência

Noções de Espectro de Freqüência MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Campus São José Curso de Telecomunicações Noções de Especro de Freqüência Marcos Moecke São José - SC, 6 SUMÁRIO 3. ESPECTROS DE FREQÜÊNCIAS 3. ANÁLISE DE SINAIS NO DOMÍNIO DA

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL Sumário 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL 4. CARACERÍSICAS DOS SINAIS 4.. Período e frequência 4..2 alor médio, valor eficaz e valor máximo 4.2 FILRAGEM 4.2. Circuio

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício TIRISTORES Chamamos de irisores a uma família de disposiivos semiconduores que possuem, basicamene, quaro camadas (PNPN) e que êm caracerísicas biesáveis de funcionameno, ou seja, permanecem indefinidamene

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL420 Coneúdo 1 - Circuios de primeira ordem...1 1.1 - Equação diferencial ordinária de primeira ordem...1 1.1.1 - Caso linear, homogênea, com

Leia mais

EE-881 Princípios de Comunicações I Turma U

EE-881 Princípios de Comunicações I Turma U EE-881 Princípios de Comunicações I Turma U 1º Semesre/2013 Prof.: Renao Baldini Filho- sala 324 baldini@decom.fee.unicamp.br www.decom.fee.unicamp.br/~baldini/ee881.hm Horário: Terças (21:00 h às 22:40

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL42 Coneúdo 8 - Inrodução aos Circuios Lineares e Invarianes...1 8.1 - Algumas definições e propriedades gerais...1 8.2 - Relação enre exciação

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON)

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON) TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 8 LIVRO DO NILSON). CONSIDERAÇÕES INICIAIS SÉRIES DE FOURIER: descrevem funções periódicas no domínio da freqüência (ampliude e fase). TRANSFORMADA DE FOURIER:

Leia mais

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR FLORIANÓPOLIS 8 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - F FRGS Redes de Compuadores uliplexação Aula 05 Transmissão é possível sempre que a banda passane do meio for maior ou igual que a banda passane do sinal Banda analógica

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios

Primeira Lista de Exercícios TP30 Modulação Digial Prof.: MSc. Marcelo Carneiro de Paiva Primeira Lisa de Exercícios Caracerize: - Transmissão em Banda-Base (apresene um exemplo de especro de ransmissão). - Transmissão em Banda Passane

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Exercícios sobre o Modelo Logístico Discreto

Exercícios sobre o Modelo Logístico Discreto Exercícios sobre o Modelo Logísico Discreo 1. Faça uma abela e o gráfico do modelo logísico discreo descrio pela equação abaixo para = 0, 1,..., 10, N N = 1,3 N 1, N 0 = 1. 10 Solução. Usando o Excel,

Leia mais

Cap. 5 - Tiristores 1

Cap. 5 - Tiristores 1 Cap. 5 - Tirisores 1 Tirisor é a designação genérica para disposiivos que êm a caracerísica esacionária ensão- -correne com duas zonas no 1º quadrane. Numa primeira zona (zona 1) as correnes são baixas,

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Compuadores I - Ruido, Teorema da Amosragem e Capacidade Máxima de um Canal por Helcio Wagner da Silva. p.1/23 Rerospeciva Sinais perdem sua energia ao longo de seu percurso. Dá-se o nome de aenuação

Leia mais

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS UNIVERSIDADE ESADUA PAUISA FACUDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE IHA SOEIRA PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA EÉRICA CONVERSOR BUCK UIIZANDO CÉUA DE COMUAÇÃO DE RÊS ESADOS JUAN PAUO ROBES BAESERO Orienador: Prof.

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (1) Definição de Funções. Nesta Aula

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (1) Definição de Funções. Nesta Aula Resumo Sisemas e Sinais Definição de Sinais e de Sisemas () lco@is.ul.p Insiuo Superior Técnico Definição de funções. Composição. Definição declaraiva e imperaiva. Definição de sinais. Energia e poência

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Congresso de Méodos Numéricos em Engenharia 215 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 215 APMTAC, Porugal, 215 ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Alexandre de Macêdo Wahrhafig 1 *, Reyolando M.

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Carilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Capíulo I Aspecos Insiucionais O Governo anunciou em novembro de 1999 um conjuno de 21 medidas desinadas a incremenar a liquidez do mercado secundário

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES...

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES... SUMÁRO 1. PERCENTAGENS...4 1.1. NTRODUÇÃO...4 1.2. 1.2.. EQUVALÊNCAS...5 1.3. 1.3. ASSMETRA...5 1.4. 1.4. AUMENTOS E BAXAS SUCESSVAS...7 2. 2. RELATVOS...9 2.1. 2.1. TPOS DE RELATVOS...9 2.1.1. 2.1.1.

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS 1 TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Applying Mosfe To Reduce The Inducance And Capaciance Parasies in Elecronic

Leia mais

Aplicações à Teoria da Confiabilidade

Aplicações à Teoria da Confiabilidade Aplicações à Teoria da ESQUEMA DO CAPÍTULO 11.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 11.2 A LEI DE FALHA NORMAL 11.3 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL 11.4 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL E A DISTRIBUIÇÃO DE POISSON 11.5 A LEI

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Comunicação. Tipos de Sinal. Redes. Tempo de Transmissão x Tempo de Propagação. d = v. Sinal Analógico. Sinal Digital.

Comunicação. Tipos de Sinal. Redes. Tempo de Transmissão x Tempo de Propagação. d = v. Sinal Analógico. Sinal Digital. Comunicação Redes Análise Básica de Sinais Informação Mensagem Sinal Sinal Mensagem Informação Idéia Idéia Sinal de Voz rof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br 2 Tipos de Sinal Tempo de Transmissão

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidade Federal do io Grande do Sul Escola de Engenharia de Poro Alegre Deparameno de Engenharia Elérica ANÁLISE DE CICUITOS II - ENG43 Aula 5 - Condições Iniciais e Finais de Carga e Descarga em

Leia mais

Dimensionamento dos tempos de entreverdes para veículos

Dimensionamento dos tempos de entreverdes para veículos Dimensionameno dos empos de enreverdes para veículos Luis Vilanova * Imporância do ema O dimensionameno dos empos de enreverdes nos semáforos para veículos é levado a ermo, freqüenemene, aravés de criérios

Leia mais