TRABALHOS TÉCNICOS DESTINADOS À RETIFICAÇÃO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO - PROCEDIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHOS TÉCNICOS DESTINADOS À RETIFICAÇÃO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO - PROCEDIMENTOS"

Transcrição

1 NORMA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS TÉCNICOS DESTINADOS À RETIDE PROCEDIMENTO DE GRAFOSCOPIA TRABALHOS TÉCNICOS DESTINADOS À RETIFICAÇÃO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO - PROCEDIMENTOS COORDENAÇÃO: Flvio Fernno e Figueireo RELATORES: Fusto Vlentim Britto, Muro e Crvlho Senn e Muro Nrino Frneso Shetti COLABORADORA: An Crolin Vlério Nlini O IBAPE/SP Instituto Brsileiro e Avlições e Períis e Engenhri e São Pulo, entie sem fins lurtivos, ongreg engenheiros, rquitetos e empress tuntes em Engenhri e Avlições e Períis e Engenhri om o ojetivo e promover efes os interesses profissionis e moris lsse e fomentr o vnço ientífio em seu mpo, meinte o esenvolvimento e ifusão o onheimento ténio, promoção espeilie níveis superiores e exelêni profissionl e êmi, o interâmio hrmonioso e onstrutivo entre tos s áres o ser e qulquer form ligs o seu mpo e tução, e, soretuo, oeiêni estrit à éti omo funmento ontriuição e seus filios à soiee. Entie registr no CREA/SP Conselho Regionl e Engenhri Arquitetur e Agronomi o Esto e São Pulo, trvés e representnte eletivo, é fili o IBAPE Instituto Brsileiro e Avlições e Períis e Engenhri, entie feertiv nionl om representção no CDEN Colégio e Enties Nionis o CONFEA Conselho Feerl e Engenhri, Arquitetur e Agronomi, órgão máximo lsse os engenheiros e rquitetos rsileiros. Em omprção outros mpos e tução os peritos é notório o esompsso o nível e onheimento espeífio n áre o registro imoiliário em relção às emis espeilies períi. Aresç-se ess onsttção flt e profunmento no estuo o Direito Imoiliário, o que reunou em interpretções onflitntes no que onerne à retifição os imoiliários. Quno pulição Lei e Registros Púlios (Lei 6.015/1973 e Lei 6212/1975) os Juízes e Curores 1ª Vr e Registros Púlios Cpitl e São Pulo, profunrm os estuos mtéri pr orret plição Lei. Com olorção os Ofiiis e Registro e Imóveis form efinios pelos Juízes proeimentos e norms, entro s sus triuições e Corregeores Permnentes os Registros e Imóveis Cpitl, que rm seno isseminos pr too o pís. N mesm épo erm hituis reuniões entre os Juízes, Curores e Peritos ns quis se usrm soluções ténis equs às exigênis Lei e Registros Púlios isponiilizno os reursos Engenhri, e onsolino s ténis neessáris à onvição os Juízes. Busno onsolição esses oneitos o IBAPE-SP, sensível à neessie uniformizção e proeimentos, omo tmém à qulifição os profissionis, implementou elorção presente Norm. 1

2 ÍNDICE 1. OBJETIVO E CONSIDERAÇÕES INICIAIS NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Legislção Bási Definições TIPOS DE RETIFICAÇÃO DE REGISTRO IMOBILIÁRIA Retifição e Áre Unifição e Imóveis Apurção e Remnesente Averção e Aertur e Ru Inserção e Dimensões REQUISITOS Retifição e Áre Unifição e Imóveis Apurção e Remnesente Aertur e Ru Inserção e Dimensões METODOLOGIA Corresponêni entre o registro e situção fáti (Análise Qulittiv) Verifições imensionis (Análise Quntittiv) APRESENTAÇÃO DO LAUDO OU PARECER TÉCNICO Retifição e imensões ( Retifição e Áre ) Unifição e Imóveis ( Fusão e Registros ) Apurção e Remnesente Inserção e Dimensões... 8 ANEXO ANEXO

3 1. Ojetivo e Consierções Iniiis 1.1 O presente texto ténio tem por ojetivo uniformizr os proeimentos e requisitos mínimos exigíveis pr elorção e trlhos ténios esseniis às retifições e registro imoiliário, juiiis ou ministrtivs, em sus váris molies. 1.2 Est norm fix s iretrizes, oneitos, terminologi, onvenções, notções, ritérios e proeimentos reltivos às retifições e registro imoiliário, uj elorção e trlhos ténios é e responsilie e ompetêni exlusiv os profissionis leglmente hilitos pelo Conselho Regionl e Engenhri, Arquitetur e Agronomi CREA, em onsonâni om Lei Feerl 5194 e 24 e ezemro e 1966 e om s Resoluções n os 205, 218 e 345 o CONFEA. 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Est Norm tene s leis, eretos, restrições e norms relions, em omo tos s norms ténis provs pel ABNT (Assoição Brsileir e Norms Ténis), que venhm ser onsiers pertinentes om mtéri em estuo, om estque pr NBR Legislção Bási ) Lei e Registros Púlios - Lei (31/12/1973) e lterções introuzis pels leis: - Lei (30/06/1975) - Lei (28/08/2001) - Lei (04/08/2004), qul no seu Artigo 59 lter os Artigos 212, 213 e 214 Lei 6.015/73, reltivos à Retifição e Registro Imoiliário. ) Cóigo e Águs - Dereto (10/07/1934) ) Prelmento o Solo Urno - Dereto - Lei 58 (10/12/1937) - Dereto - Lei 271 (28/02/1967) - Lei (19/12/1979) )Terrenos e Mrinh - Dereto - Lei (17/07/1941) - Dereto - Lei (16/08/1940) - Dereto - Lei (21/02/1942) e) Dereto - Lei 9.760/ Definições São ots nest norm s efinições onstntes o glossário (Anexo 1). 3

4 3. TIPOS DE RETIFICAÇÃO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO 3.1 Retifição e Áre Proeimento estino à equção à relie o texto o registro imoiliário, orrigino esrição ou suprino omissões, reltivs onfrontções e imensões lineres, ngulres e e superfíie, sempre oservno o respeito às áres púlis e os limites registrários os imóveis onfrontntes. 3.2 Unifição e Imóveis Proeimento estino à rterizção áre resultnte fusão e ois ou mis imóveis, orrigino esrição ou suprino omissões, reltivs onfrontções e imensões lineres, ngulres e e superfíie e um os unifir, sempre oservno o respeito às áres púlis e os limites registrários os imóveis onfrontntes. 3.3 Apurção e Remnesente Proeimento estino à esrição o remnesente e imóvel que, pós esflques eorrentes e lienções ou esproprições, tem su rterizção inviiliz se utilizs exlusivmente s informções o registro imoiliário, sempre oservno o respeito às áres púlis e os limites registrários os imóveis onfrontntes. 3.4 Averção e Aertur e Ru Proeimento estino inir no registro lterção e onfrontção, que pss ser om logrouro púlio e onsignr eventul reução e isponiilie. 3.5 Inserção e Dimensões Proeimento estino inserir no registro o imóvel em estuo meis perimetris ou e superfíie, prtir exlusivmente s informções onstntes os ssentos imoiliários. O proeimento inserção e meis não se prest lterr imensões já onstntes o registro retifino. 4. REQUISITOS A retifição e registro imoiliário somente será possível, so o prism engenhri, quno tenios os requisitos seguir esritos, espeífios molie: Retifição e Áre Confirmr ientie entre o imóvel esrito no registro retifino e o imóvel ojeto vistori Ientifir os onfrontntes fátios e onfirmr orrelção estes om os onfrontntes o registro retifino Comprovr que esrição resultnte retifição não se sorepõe outros e não vnç sore áres púlis Unifição e Imóveis Confirmr ontiguie os imóveis serem unifios Confirmr homogeneie ominil e proporionlie e um os titulres Confirmr homogeneie os eventuis ônus que grvem os unifinos Aplir os mesmos requisitos Retifição e Áre pr o perímetro o too unifio Apurção e Remnesente Confirmr que o imóvel em nálise está lolizo entro os limites registrários áre mior Confirmr que o imóvel em estuo não é tingio, totl ou prilmente, por qulquer os esflques já, om origem n áre mior Atener os mesmos requisitos Retifição e Áre, pr o imóvel remnesente. 4

5 4.4 Aertur e Ru Confirmr se o logrouro ser vero é ofiil Confirmr ientie entre o imóvel esrito no registro retifino e o imóvel ojeto vistori Comprovr que o imóvel esrito onfront ou é seiono pelo logrouro ser vero Desrever prel o imóvel tingi pelo logrouro ou informr simples lterção e onfrontção. 4.5 Inserção e imensões Ientifir, prtir os os registrários, o formto geométrio o imóvel Confirmr que o formto tulr o imóvel permite o álulo e imensões omitis no registro Aferir om utilizção e plnt e restituição erofotogrmétri o formto o terreno retifino. Oservção: Os formtos geométrios usuis que permitem inserção e meis e áre prtir s informções os serão presentos no Anexo 2. 5 METODOLOGIA Com o ojetivo e tener os requisitos presentos no pítulo preeente é essenil que sej utiliz metoologi expost seguir. 5.1 Corresponêni entre o registro e situção fáti (Análise Qulittiv) N Retifição e Registro Imoiliário é inispensável onfirmção orresponêni entre o imóvel esrito no registro e o imóvel existente no lol, no que se refere à lolizção e onfrontções (nálise qulittiv). A orresponêni (registro x lol) eve ser prov trvés omprção entre s informções onstntes o registro retifino (nomes os onfrontntes, números o préio e/ou o lote, ientes geográfios perimetris, fixs e omínio perimetris, et) om os os onsttos n vistori e onfirmos trvés os os imóveis onfrontntes A onfirmção os nomes os onfrontntes tulres o imóvel retifino poe ser oti trvés o estuo ei filitóri os os imóveis onfrontntes Cso o registro retifino sej omisso ou impreiso qunto às onfrontções ferição orresponêni poerá ser feit prtir os os registrários os imóveis onfrontntes Nos sos os retifinos inirem s onfrontções trvés e lotes, quinhões, ientes geográfios, et, onfirmção orresponêni poerá ser feit om utilizção e plnts ofiiis e lotemento, rrumento, ivisão, exproprição, e restituições erofotogrmétris e e erofotos. 5.2 Verifições imensionis (Análise Quntittiv) As verifições imensionis everão se lstrer ns imensões registráris os imóveis retifino e onfrontntes, em omo ns imensões fátis otis trvés e levntmento topográfio plnimétrio, om preisão e oro om s Norms Ténis A.B.N.T. O levntmento topográfio everá ontemplr: - s iviss o imóvel retifino; - os perímetros os imóveis onfrontntes; - s lrgurs os logrouros púlios e/ou s imensões que sofrm influêni o imóvel retifino; - istâni à esquin o logrouro púlio mis próximo ou qulquer outro referenil físio inonteste, ou in, pr os imóveis ruris, oorens georeferenis pr os sos previstos n Lei; - eventulmente, pontos notáveis menionos em plnts e. 5

6 No so e áres ruris o levntmento topográfio os perímetros os imóveis lineiros poerá limitrse o strmento e pontos notáveis e iviss, que possiilitem omprção om s imensões e registro Pr ssegurr que o imóvel retifino não vne sore imóveis e outros há neessie e omprr s imensões registráris om s fátis, tnto o imóvel retifino, qunto os imóveis vizinhos e logrouros púlios É reomenável montgem e um esenho ou tel omprno s meis perimetris oriuns o levntmento topográfio, om meis os os imóveis retifino e onfrontntes. Atrvés omprção entre o registro e situção fáti fim evienis s eventuis iferençs e meis (Análise Quntittiv) O exme o esenho ou tel possiilitrá ferir se s eventuis expnsões s imensões o imóvel retifino respeitm s imensões registráris os imóveis onfrontntes Quno s informções tulres não forem sufiientes pr um onlusão segur ou esrição tulr fizer referêni elementos espeífios, everão tmém ser otis informções prtir e: ) restituições erofotogrmétris pr otenção os trços e órregos e outros ientes nturis, inexistentes ou eventulmente lteros à épo vistori; ) plnts e lotementos ofiiis pr ientifição istriuição os lotes n qur (retifino e lineiros) e otenção e imensões ofiiis os logrouros púlios; ) plnts e fixs e omínio e linhs e trnsmissão e energi, e ferrovis, e roovis, e utors, pr exme s imensões ofiiis e posiionmento s fixs, em relção à áre em estuo; ) plnts e esmemrmento e ivisão, não insrits e/ou não regulrizs, rquivs ns Serventis e/ou órgãos púlios, ese que hj orresponêni om s informções onstntes e outros existentes n Serventi, pr uxilir no estuo ominil e, eventulmente, no estuo imensionl; e) plnts e esproprição pr ientifição os limites s áres púlis e os onfrontntes Cso fique onfirmo o respeito às imensões registráris os imóveis onfinntes, o perímetro puro no levntmento topográfio poerá ser levo à registro. Cso ontrário, por se trtr e proeimento não ontenioso, everão ser projetos sore plnt topográfi os limites registrários os imóveis onfrontntes. 6 APRESENTAÇÃO DO LAUDO OU PARECER TÉCNICO 6.1 Retifição e imensões ( Retifição e Áre ) O Luo ou Preer Ténio pr s retifições e imensões everá onter tos s informções neessáris e sufiientes pr ser uto-expliável e presentr: Ientifição o soliitnte Finlie o Luo ou Preer Ténio Ientifição e rterizção o imóvel retifino, forneeno os seguintes prâmetros otios trvés vistori: ) lolizção: enereço ompleto e qur; ) onfrontções: enereços, nomes os titulres e omínio e/ou oupntes; ) rterístis s iviss: muro, er, pree, órrego, espigão, et Demonstrtivo ientie entre o registro retifino e o imóvel ojeto retifição, om etlhmento oservno os proeimentos esritos no item 5.1 este Proeimento Confirmção orresponêni entre os onfrontntes fátios e os onfrontntes onstntes no registro retifino Demonstrção e que o perímetro áre retifin, rterizo n plnt e no memoril esritivo, não se sorepõe outros e não vnç sore áres púlis, onforme item 5.2 este proeimento Conlusão qunto à viilie ou não retifição preteni Apresentção oumentção fotográfi que everá ientifir o imóvel retifino, o logrouro pr o qul o imóvel entest, os elementos rterizores s iviss físis e eventuis outros os eslreeores. 6

7 Apresentção plnt topográfi que ontenh os os oletos trvés o levntmento topográfio plnimétrio, ssoios às onlusões o estuo os, que rão origem à plnt, n qul everá onstr: ) Crterizção s iviss físis strs trvés o levntmento topográfio, onteno: I.tipos e iviss (ers, muros, prees, mros, órregos, et.) e sus posições reltivs (eixo, fe intern ou fe extern os muros e prees); II.imensões os logrouros púlios lineiros; III.rterizção os imóveis onfrontntes, trvés e sus imensões, os enereços, números os lnçmentos fisis, nomes os titulres e omínio e respetivos números os. ) Inição os limites o imóvel retifino, onteno: I. ientifição os vérties o perímetro finl; II.imensões lineres orients por rumos, ou zimutes, ou preferenilmente por ângulos internos. Nos sos e linhs urvs evem ser forneios toos os elementos geométrios (rio, ângulo, entrl, esenvolvimento, et.) Oservção: Nos sos em que s iviss forem efinis por ientes nturis (órregos, espigões, rios, lgos, et.) evem ser represents por segmentos om s imensões lineres e respetivos rumos ou zimutes ou ângulos internos, e form possiilitr su perfeit reonstituição sem o uso e outros oumentos. III. áre (mei e superfíie) o perímetro finl; IV. istâni à esquin o logrouro púlio mis próximo e, so neessário, outros pontos e referêni ou, no so e imóvel rurl, oorens geo-referenis. ): Ns retifições ministrtivs everão onstr s ssinturs os interessos e os profissionis leglmente hilitos, ompnhs o texto o prágrfo 14, o rtigo 213 Lei e Registros Púlios, seguir reprouzio: Prágrfo 14 Verifio qulquer tempo não serem vereiros os ftos onstntes o memoril esritivo, responerão os requerentes e o profissionl que o elorou pelos prejuízos usos, inepenentemente s snções isiplinres e penis. ) Ns retifições ministrtivs nuêni os proprietários os imóveis onfrontntes e e seus oupntes, pr ispensr notifição, everá ser iretmente n plnt Apresentção o Memoril Desritivo que everá ser sufiiente pr, inepenentemente plnt que o originou, possiilitr ext lolizção e reonstituição integrl o perímetro o imóvel retifino, om iênti onformção geométri à Plnt Topográfi, eveno onter: Lolizção rngeno: ) enereço ompleto: nome o logrouro e número o préio; )enominções nteriores o logrouro, se neessário; ) ientifição os logrouros que formm qur, se urno; ) ientifição o irro e o istrito; e)número o lnçmento fisl; f) istâni à esquin mis próxim, se urno ou oorens geo-referenis, se rurl Desrição o perímetro finl esteleio no estuo os, extmente igul os limites representos n Plnt Topográfi, onforme o item Ientifição os onfrontntes trvés os enereços, números os lnçmentos fisis, nomes os titulres e omínio e números os. Nots: ) ientifir, esto esrição, o registro ojeto retifição; ) não poerão ser lters no Memoril Desritivo s informções tulres não envolvis n retifição. 7

8 Exemplos: - não evem ser inluís n nov esrição onstruções existentes, não vers; - não evem ser suprimis n nov esrição onstruções onstntes o registro, ujs emolições não tenhm sio vers O Luo ou Preer Ténio everá onter toos os oumentos utilizos pr o esenvolvimento o trlho, tis omo ertiões os Registros e Imóveis reltivs os imóveis retifino e onfrontntes, plnts ofiiis (lotementos, esproprições, restituições erofotogrmétris, et.), et. 6.2 Unifição e Imóveis ( Fusão e Registros ) Além os tópios relionos pr retifição e áre, o luo pr unifição everá emonstrr gráfi e/ou nlitimente ontiguie e homogeneie ominil entre os imóveis unifinos. Confirms ontiguie e homogeneie ominil os imóveis unifinos, pr o perímetro resultnte everão ser tenios os mesmos itens mínimos o luo ou preer ténio e retifição e áre (item 6.1 este Proeimento). 6.3 Apurção e Remnesente No luo ou preer ténio pr purção e remnesente everá ser emonstro, gráfi e/ou nlitimente, que o imóvel em estuo está ontio no interior o registro áre mior e não é tingio por qulquer esflque já registro. Atenios estes requisitos, pr o remnesente puro everão ser esenvolvis s mesms tivies referentes à Retifição e Áre (item 6.1). Not: - Quno o remnesente em estuo presentr imensões pouo signifitivs em relção à áre mior não se fz neessári rterizção ext e too o perímetro tulr gle N purção e remnesente evem ser oservos os seguintes spetos: ) As áres ujs lienções não form levs registro não rterizm esflque áre mior e, onseqüentemente, integrm o remnesente; ) Os esflques físios, referentes possmentos ou esproprições não registrs, não integrrão o remnesente, ms everão ser esritos em sepro, pr possiilitr o futuro registro; ) O Luo ou Preer Ténio everá onter informções qunto à viilie o enerrmento o registro áre mior. 6.4 Inserção e Dimensões O Luo ou Preer Ténio pr inserção e imensões everá omprovr, somente trvés e os os imoiliários, que o imóvel retifino tem o formto e figur geométri que permit o álulo s imensões omisss, perimetris ou e superfíie, unimente prtir s imensões onstntes o próprio registro A onfirmção o formto figur geométri o imóvel retifino everá ser efetu n seguinte seqüêni: ) Extrir o registro retifino tos s informções ténis possíveis pr ientifir o formto geométrio tulr o imóvel retifino; ) Pesquisr filição o registro retifino om o ojetivo e oter informções ns esrições onstntes nos nteriores, não onstntes o registro tul, que permitm inserir s imensões; ) Cso os estuos preeentes não sejm sufiientes everão ser nlisos os os imóveis onfrontntes, pr o melhor onheimento s rterístis geométris o imóvel retifino; ) Confirmo que o formto tulr permite inserção e meis reomen-se ferição o formto físio trvés o exme e plnts e restituição erofotogrmétri em esl não inferior 1:

9 Os formtos geométrios mis usuis que permitem o álulo áre prtir e imensões perimétris tulres estão inios no Anexo II. Ce oservr que: - O proeimento e inserção e imensões não tem por ojetivo justr o registro às imensões e mpo, não eveno ser utilizo qulquer o otio prtir e meição e mpo; A plnt e restituição erofotogrmétri não poe ser utiliz pr otenção e imensões ou e ângulos iferentes e 90. 9

10 ANEXO 1 GLOSSÁRIO 1 - OBJETIVO Este Glossário ontém terminologi pliável n elorção e trlhos ténios estinos à retifição e registro imoiliário. Deste Glossário frão prte tmém s efinições onstntes e: - Glossário e Terminologi Bási pliável à Engenhri e Avlições e Períis o IBAPE/SP, provo em 09/08/1994; - Dereto n o Muniípio e São Pulo; - Norm ABNT/NBR DICIONÁRIO TÉCNICO Pr os efeitos este Proeimento são ots s seguintes efinições: ACESSÃO: Moo originário e quisição ois essóri que ere mterilmente o imóvel, pssno pertener efinitivmente o proprietário, poeno ter origem: - nturl: formção e ilhs, vulsão, luvião, nono e álveo, et. - rtifiil: quno por efeito exlusivo e fto ou ção o homem: plntções, terrplengem, et. - mist: quno se á simultnemente por fto nturl e por ção o homem. ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA: Ato eorrente e eisão juiil sore ens ompromissos e quitos, em sos e impugnção ou úvi sore o respetivo registro. AREA "NON AEDIFICANDI": Áre grv por restrições legis ou ontrtuis o lotemento, ese que evimente vers junto o Registro e Imóveis, one não é permitio onstruir. ASSENTO IMOBILIÁRIO: Elementos ofiiis rquivos no Crtório o Registro e Imóveis (registro o imóvel retifino, os onfrontntes, plnt e inserção e lotemento, et.). ASSISTENTE TÉCNICO: Profissionl leglmente hilito, inio e ontrto pel prte pr orientá-l, ssistir os trlhos periiis em tos s fses períi e, quno neessário, emitir seu preer ténio. CO-PROPRIEDADE: Propriee omum us ou mis pessos. O mesmo que onomínio. COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA: Contrto prtiulr em que o promitente veneor se orig trnsferir, entro e etermino przo, propriee e um em o promissário ompror, meinte erts onições ontrtuis e finneirs. CONDOMÍNIO: Domínio em omum exerio por us ou mis pessos simultnemente, regio por legislção própri, seno iviio em ois tipos: - TRADICIONAL, OU DO CÓDIGO CIVIL - regio pels isposições o Cóigo Civil; - DE PROPRIEDADES (EM PLANOS) HORIZONTAIS: regio pels isposições lei 4591, e 16/12/1964, que ispõe sore o mesmo em eifições e inorporções imoiliáris. CONJUNTO RESIDENCIAL: Um ou mis eifições, isols ou grups, vertil ou horizontlmente, oupno um ou mis lotes, ispono origtorimente e espços e instlções e utilizção omum, rterizs omo ens em onomínio o onjunto. 10

11 CURSO D ÁGUA: linh e rengem nturl, perene ou intermitente, uj lssifição é estelei no Cóigo e Águs. DECADÊNCIA: Per, pereimento ou extinção e ireito em si, por onsequêni inéri ou negligêni no uso e przo legl ou ireito que estv suorino. Ver PRESCRIÇÃO. DEMARCAÇÃO: Assinlção ou viventção os limites ou iviss e um propriee; to e fixr limite. DESAPROPRIAÇÃO: Trnsferêni unilterl e ompulsóri propriee e um em ou ireito, o etentor o mesmo pr o poer púlio, ou por su elegção, por utilie púli ou interesse soil, meinte inenizção prévi e just. DESDOBRO: é reprtição o lote em us ou mis prtes utônoms e istints, oeeis s posturs muniipis. DESMEMBRAMENTO: é ivisão gle em lotes estinos à eifição, om proveitmento o sistem viário existente, ofiilmente reonheio. DIVISA: É o limite (fátio ou tulr) propriee que sepr propriee ontígu, uj esrição será e oro om posição o oservor, qul eve ser origtorimente expliit. DIVISÃO: Prtição e ois omum, e moo triuir onômino seu respetivo quinhão. DOMÍNIO: Direito rel que sumete propriee, e mneir legl, solut e exlusiv, o poer e vonte e lguém; é propriee plen.. ESCRITURA PÚBLICA DE VENDA E COMPRA: Instrumento lvro por telião em livro e nots, peio e prtes interesss, revestio s formlies legis, que onretiz trnsção entre els, ujo trnslo tem o mesmo vlor o instrumento originl e poe ser registro, trnsferino o omínio o em, no Registro e Imóveis. ESPÓLIO: Conjunto e ens, ireitos ou ervo e um personlie juríi extint. Ptrimônio, éitos e réitos eixos por fleimento n representção juríi. Ver HERANÇA. EXAME: Inspeção, por meio e perito, sore pesso, oiss móveis e semoventes, pr verifição e ftos ou irunstânis que interessem à us. Quno o exme é feito em imóvel, enomin-se vistori. FORMAL DE PARTILHA: Título extrío os utos e inventário, que menion e isrimin os ens triuíos o hereiro, trnsferino-lhe o omínio e/ou os ireitos possessórios sore o em. GLEBA: Áre e terr que não foi ojeto e lotemento ou esmemrmento. HERANÇA: Conjunto e ens ou ireitos eixos pelo fleimento e seu titulr.ver ESPÓLIO. INTRA-MUROS: Imóvel situo entro o perímetro esrito no registro o imóvel. LAUDO: Preer ténio esrito e funmento, emitio por um espeilist inio por utorie, reltno os resultos e exmes e vistoris, om s respetivs onlusões. LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMÉTRICO (OU LEVANTAMENTO PLANIMÉTRICO OU LEVANTAMENTO PERIMÉTRICO): Levntmento os limites e onfrontções e um propriee, pel eterminção o seu perímetro, inluino, quno houver, o linhmento vi ou logrouro om o qul fç frente, em omo su orientção e su mrrção pontos mterilizos no terreno e um ree e referêni strl, ou, no so e su inexistêni, pontos notáveis e estáveis ns sus imeições. Texto onforme item 3.14 NBR (Exeução e Levntmento Topográfio). 11

12 LOTE: Áre resultnte e lotemento, esmemrmento ou esoro, om pelo menos um ivis lineir à vi e irulção. PARECER TÉCNICO: Opinião, onselho ou eslreimento ténio emitio por um profissionl leglmente hilito sore ssunto e su espeilie. PERÍCIA: Ativie onernente exme relizo por profissionl espeilist, leglmente hilito, estin verifir ou eslreer etermino fto, purr s uss motivors o mesmo, ou o esto, legção e ireitos ou estimção ois que é ojeto e litígio ou proesso. PERITO: Profissionl leglmente hilito, iôneo e espeilist, onvoo pr relizr um períi. POSSE: Detenção ou oupção, om ou sem fruição, e ois ou ireito, já reonheis por sentenç juiil. PRESCRIÇÃO: ver DECADÊNCIA PROPRIEDADE: Relção e ireito entre pesso e o em tngível ou intngível, erto e etermino, poeno el usr, gozr ou ispor, sumeteno- e mneir solut, exlusiv e iret à su vonte e poer. Quno propriee sofre limitção em lguns e seus ireitos elementres em virtue e ônus rel que sore el rei, é lssifi omo propriee limit, ou nu-propriee. REIVINDICAÇÃO: Proeimento pr oter o reonheimento e um ireito e propriee. REMANESCENTE: é o que rest e um imóvel, pós vens registrs ou esproprições, om origem num mesmo registro. RESTRIÇÃO: Limitção impost por lei ou servião. RETIFICAÇÃO: é to lterção no onteúo o registro e que, em relção à esrição o imóvel, import n su equção à relie fáti, quer orrigino su esrição, quer suprino omissões em relção às meis perimetris, e superfíie ou e onfrontção. RETIFICAÇÃO INTRA-MUROS: orreção que não result em interferênis nos limites tulres os imóveis vizinhos, o registro retifino. SERVIDÃO: Enrgo espeífio que se impõe um propriee em proveito oletivo ou e outrem. Poe ser lssifi em: SERVIDÃO ACESSÓRIA: Aquel neessári pr que prinipl poss surtir efeito. SERVIDÃO ADMINISTRATIVA: Aquel em que o titulr é o poer púlio SERVIDÃO APARENTE: Aquel que se mnifest onretmente por intervenção físi. SERVIDÃO MÚLTIPLA: Aquel que, emor instituí sore mesm prte e um imóvel, se estin usos e nturezs iverss. SERVIDÃO NÃO APARENTE: Aquel que não se mnifest por intervenção físi. SERVIDÃO PERPÉTUA (OU PERMANENTE): Aquel instituí por przo inetermino SERVIDÃO PREDIAL - Restrição impost um préio pr uso e utilie e outro préio, pertenente proprietário iverso. SERVIDÃO TEMPORÁRIA: Aquel instituí por przo etermino. SERVIDÃO VOLUNTÁRIA: Aquel que eorre e to espontâneo e vonte. 12

13 TABULAR OU REGISTRÁRIA: orresponente às informções prtis no livro s trnsmissões ou n mtríul o Crtório e Registro e Imóveis. UNIFICAÇÃO: é fusão e ois ou mis imóveis origtorimente ontíguos e om homogeneie ominil. USUCAPIÃO. : Form e quisição e omínio, por posse reonhei juiilmente em fe legislção. USUFRUTO: Direito rel sseguro lguém e esfrutr temporrimente e propriee lhei. VISTORIA: Consttção e um fto em imóvel, meinte exme irunstnio e esrição minuios os elementos que o onstituem, ojetivno su vlição ou preer sore o mesmo.ver EXAME. 13

14 ANEXO 2 FORMATOS GEOMÉTRICOS QUE PERMITEM A INSERÇÃO DE DIMENSÕES E DE ÁREA FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Trpézio Retângulo Dimensões e registro Conições pr possiilitr inserções Dimensões pssíveis e inserção perpeniulr perpeniulr Ru Áre resultnte om elementos os A = (+) x 2 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Trpézio Retângulo Dimensões e registro Conições pr possiilitr inserções perpeniulr perpeniulr Dimensões pssíveis e inserção Ru Áre resultnte om elementos os A = (+) x 2 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Retângulo Dimensões e registro Conições pr possiilitr inserções perpeniulr perpeniulr Dimensões pssíveis e inserção e Ru Áre resultnte om elementos os A = x Not: perpeniulr são us linhs que formm ângulo e 90 entre si. Exemplo: 14

15 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Triângulo Retângulo Dimensões e registro Conições pr possiilitr inserções perpeniulr Dimensões pssíveis e inserção Ru Áre resultnte om elementos os A = x 2 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Triângulo Qulquer ( ) Dimensões e registro Conições pr possiilitr inserções As três imensões forneis no registro Ru Dimensões pssíveis e inserção Áre resultnte om elementos os Não há p = A = p x (p-) x (p-) x (p-) FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Semiírulo Dimensões e registro p P formno semiirunferêni Conições pr possiilitr inserções Ru Dimensões pssíveis e inserção Áre resultnte om elementos os p = π x 2 A = π x 2 8 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Semiírulo Dimensões e registro Conições pr possiilitr inserções P P formno semiirunferêni pssno pelo entro Dimensões pssíveis e inserção = 2 x p π Ru p Áre resultnte om elementos os A = π x

16 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Setor Cirulr Dimensões e registro r p r Ru r Conições pr possiilitr inserções Dimensões pssíveis e inserção Áre resultnte om elementos os p prel irunferêni lteris (r) perpeniulres entre si p = π x r 2 A = π x r 2 4 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Setor Cirulr Dimensões e registro p r Conições pr possiilitr inserções p prel irunferêni lteris (r) perpeniulres entre si r p Dimensões pssíveis e inserção Áre resultnte om elementos os r = 2 x p π A = π x r 2 4 Ru FORMATOS GEOMÉTRICOS EM QUE NÃO É POSSÍVEL A INSERÇÃO DE DIMENSÕES E DE ÁREA FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Prlelogrmo Dimensões e registro e não perpeniulres e não perpeniulres Ru Mesmo e seno prlels não é possível lulr áre Figurs possíveis om o mesmo perímetro Ru Ru 16

17 FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Triângulo Qulquer Dimensões e registro ; Conições pr possiilitr inserções e áre e imensões Não é possível lulr áre seno esonheio e o ângulo áre φ figurs e áres possíveis om elementos os 36% menor o 52% menor o que áre φ que áre φ FIGURA ELEMENTOS DIMENSÕES Dimensões e registro e f e f e áre ξ Conições pr inserção e áre e imensões figurs e áres possíveis om elementos os Sem o forneimento e pelo menor três ângulos não é possível inserção e áre f e f e 6% menor o 33% menor o que áre ξ que áre ξ 17

18 VARIAÇÃO DA ÁREA DO PARALELOGRAMO REGULAR FIGURA ÁREA CASO FOSSE ADOTADA A ÁREA DE 300 m² 30 m A = 300,00 m² m 30 m 70 A = 281,91 m² 300 / 281,91 107% áre ot 1,07 vezes mior o que rel 10 m 30 m 60 A = 259,81 m² 300 / 259,81 116% áre ot 1,16 vezes mior o que rel 10 m 30 m m A = 212,13 m² 300 / 212,13 141% áre ot 1,41 vezes mior o que rel 30 m 10 m 30 A = 150,00 m² 300 / % áre ot 2 vezes mior o que rel 18

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005 Zelio Logi 2 Interfe e omunição SR2COM01 Aju pr utilizção pst e explorção 11/2005 1606327 Aju pr utilizção pst e explorção Desrição gerl Introução A pst e explorção é um fiheiro e texto rio pelo softwre

Leia mais

9 Implementação de Relógio Digital (State Charts)

9 Implementação de Relógio Digital (State Charts) StteFlow toolox 9 Implementção e Digitl (Stte Chrts) Desrever o funionmento e um relógio igitl, om um áre e isply prinipl, e 4 áres mis pequens. O relógio ispõe e: Poe mostrr o tempo num formto e 24 hors

Leia mais

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária Constituição e IF Banária Número Únio e Referênia (NUR): (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Data e entrega o Anexo: (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Anexo I Requerimento Requerimento para

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402 HORÁRIO E ULS 1º SEMESTRE E 2015 1.º PERÍOO TURMS e : SL 1401 TURMS e : SL 1402 ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

Professor Sérgio Furgeri. Pilhas. O primeiro a entrar é o último a sair e o último a entrar o primeiro a sair (LIFO Last-In First-Out).

Professor Sérgio Furgeri. Pilhas. O primeiro a entrar é o último a sair e o último a entrar o primeiro a sair (LIFO Last-In First-Out). Pilhs Pilhs Pilh é um tipo e list one tos s operções e inserção e remoção são feits n mesm extremie (Topo). O primeiro entrr é o último sir e o último entrr o primeiro sir (LIFO Lst-In First-Out). Trt-se

Leia mais

Intervalo Encapsulador para Probabilidades Reais de Variáveis Aleatórias Contínuas Unidimensionais

Intervalo Encapsulador para Probabilidades Reais de Variáveis Aleatórias Contínuas Unidimensionais Intervlo Enpsulor pr Proilies Reis e Vriáveis Aletóris Contínus Uniimensionis Mri s Grçs os Sntos Doutoro em Mtemáti Computionl UFPE Ru Proº Luiz Freire s/n Cie Universitári 50740-540 Reie Pe E-mil: tgl60@yhooomr

Leia mais

Exame Nacional de 2006 1. a chamada

Exame Nacional de 2006 1. a chamada 1. Muitos os estuntes que usm mochils trnsportm irimente peso mis pr su ie. 1.1. Pr evitr lesões n colun verterl, o peso e um mochil e o o mteril que se trnsport entro el não evem ultrpssr 10% o peso o

Leia mais

TELHAS METÁLICAS. Catálogo Técnico

TELHAS METÁLICAS. Catálogo Técnico TELHAS METÁLICAS Ctálogo Ténio TELHAS METÁLICAS Visno ofereer informções e orientções pr o melhor proveitmento os proutos Linh Metáli, Eternit elorou este tálogo ténio. Nele voê enontrrá orientções pr

Leia mais

1 Áreas de figuras planas

1 Áreas de figuras planas Nome: n o : Ensino: Médio érie: ª. Turm: Dt: Professor: Mário esumo 1 Áres de figurs plns 1.1 etângulo h. h 1. Qudrdo 1. Prlelogrmo h. h 1.4 Trpézio h B h B 1.5 Losngo d Dd. D 1.6 Triângulos 1.6.1 Triângulo

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO HORÁRIO E ULS 2º SEMESTRE E 2016 1.º PERÍOO ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN 101 INTROUÇÃO À FILOSOFI: ÉTI FIL

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

MICROECONOMIA TÓPICOS DE RESOLUÇÃO

MICROECONOMIA TÓPICOS DE RESOLUÇÃO MICROECONOMIA TÓICOS DE RESOLUÇÃO 4. Aplições o Moelo e rour e Ofert (Triutção, Controle e reços, reços Não Lineres e Comério Internionl) 4.1) Consiere que o mero gsolin present urvs e prour e ofert s

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

AXB = {(x, y) x A e y B},

AXB = {(x, y) x A e y B}, Universidde Bndeirntes de São Pulo Unim. ots de uls de Mtemáti 1º S e 1º PD Profº Ms.Lourivl Pereir Mrtins / Crlos Roerto d Silv Produto Crtesino Produto Crtesino: Ddos dois onjuntos e B, não vzios, hmmos

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS SEMINÁRIO DE PERÍCIAS Norma de Vistoria de Vizinhança IBAPE/SP ANTONIO CARLOS DOLACIO Diretor Técnico do IBAPE/SP ABNT NBR 12722 Discriminação de serviços para construção de edifícios - Procedimento Item

Leia mais

A - DADOS ESTRUTURAIS DA EMPRESA E ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA (FPC)

A - DADOS ESTRUTURAIS DA EMPRESA E ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA (FPC) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI 22/2008, DE 13 DE MAIO), DE RESPOSTA OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10026 VÁLIDO ATÉ 31/12/2012 Ginete de Estrtégi e Plnemento Ministério

Leia mais

Algumas Demonstrações Geométricas

Algumas Demonstrações Geométricas Algums Demonstrções Geométrics Mtemátic A 10º Ano Tem I Nos novos progrms, d Mtemátic A refere- se que: No ensino secundário, o estudnte deverá ser solicitdo frequentemente justificr processos de resolução,

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

Mod. 246-2 Tit. - Julho 2015

Mod. 246-2 Tit. - Julho 2015 Mo. 246-2 Tit. - Julho 2015 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE DECO PRO/TESTE Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes Elbors e coro com o Aviso nº 11/2001 e 20/11 o Bnco e Portugl,

Leia mais

O Teorema de Pitágoras

O Teorema de Pitágoras A UUL AL A O Teorem de Pitágors Com jud de um pr de esqudros, desene dois triânguos retânguos de mesmo tmno. Represente num dees tur retiv à ipotenus, omo mostr figur d direit: Pr pensr I II III Reortndo

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES Polems Resolvios e Físi Pof. Aneson Cose Guio Depto. Físi UFES HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES 16. N som A + = C, o veto A

Leia mais

Mod. 246-1 Tit. - Abril 2016

Mod. 246-1 Tit. - Abril 2016 Mo. 246-1 Tit. - Abril 2016 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE DECO PRO/TESTE Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes Elbors e coro com o Aviso nº 11/2001 e 20/11 o Bnco e Portugl,

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFOP EM RELAÇÃO AO SEU FUTURO PROFISSIONAL

EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFOP EM RELAÇÃO AO SEU FUTURO PROFISSIONAL EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFOP EM RELAÇÃO AO SEU FUTURO PROFISSIONAL Henor Artur de Souz Deprtmento de Téni Fundmentis EM Universidde Federl de Ouro Preto Ouro Preto/MG -

Leia mais

Implantes e Ortodontia

Implantes e Ortodontia Implntes e Ortoonti J. Dis Silv*, Fernno Peres** * Méio Dentist Mestro em Implntologi F.M.D.U.P. ** Méio Dentist Espeilist em Ortoonti O.M.D. Resumo: Os implntes entários têm sio utilizos frequentemente

Leia mais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais Linguagens e ódigos igitais Sumário do Volume 1. Gráfios de geografia 05 2. Homotetia 08 3. ivisão Áurea 13 4. Sequênia de Fionai 14 5. Fratais 18 6. álulo de área de figuras planas 28 7. Semana de arte

Leia mais

Faturamento WEB TISS GCAIS Ver 1-C Jan-09.doc. Manual de Faturamento

Faturamento WEB TISS GCAIS Ver 1-C Jan-09.doc. Manual de Faturamento Mnul de Fturmento ATENÇÃO PROCESSO ESPECIAL ENVIO DE 1ª. e 2ª. GRD S GOLDEN CROSS Antes de envir o movimento referente à su 1ª. e 2ª. GRD S d operdor Golden Cross é origtório seguir os seguintes pssos:

Leia mais

Atendimento WEB Volkswagen v20141104.docx. Manual de Atendimento Volkswagen

Atendimento WEB Volkswagen v20141104.docx. Manual de Atendimento Volkswagen Atendimento WEB Volkswgen v20141104.dox Mnul de Atendimento Volkswgen Atendimento WEB Volkswgen v20141104.dox ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR... 3 FECHAMENTO DE

Leia mais

ESTUDOS SOBRE BIOÉTICA PROGRAMA DE BASE DE PARTE 1: PROGRAMA TEMÁTICO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ÉTICA

ESTUDOS SOBRE BIOÉTICA PROGRAMA DE BASE DE PARTE 1: PROGRAMA TEMÁTICO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ÉTICA ESTUDOS SOBRE BIOÉTICA PARTE 1: PROGRAMA TEMÁTICO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ÉTICA Esritório Regionl e Ciênis UNESCO pr Améri Ltin e Crie UNESCO Monteviéu Progrm Regionl e Bioéti e Éti Ciêni ESTUDOS SOBRE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

REPRESENTAÇÕES NUMÉRICAS DE TEMPO COMO ALGORITMOS GERADORES DE TIMBRE

REPRESENTAÇÕES NUMÉRICAS DE TEMPO COMO ALGORITMOS GERADORES DE TIMBRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS (UFG) ESCOLA DE MÚSICA E ARTES CÊNICAS (EMAC) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA - MESTRADO LABORATÓRIO DE PESQUISA SONORA (LPQS) MARCELO DE CAMPOS VELHO BIRCK REPRESENTAÇÕES

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

ADVERTÊNCIA indica uma situação potencialmente perigosa que, se não for evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

ADVERTÊNCIA indica uma situação potencialmente perigosa que, se não for evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Gui e Instlção Rápi Iníio MFC-7360N MFC-7460DN Lei o folheto Segurnç e Questões Legis ntes e instlr o seu equipmento. Em segui, lei o Gui e Instlção Rápi pr oter informções sore onfigurção e instlção orret.

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Início. Guia de Configuração Rápida DCP-8112DN DCP-8152DN DCP-8157DN. o aparelho e verifique os componentes

Início. Guia de Configuração Rápida DCP-8112DN DCP-8152DN DCP-8157DN. o aparelho e verifique os componentes Gui e Configurção Rápi Iníio DCP-8112DN DCP-8152DN DCP-8157DN Origo por esolher Brother. Seu inentivo é importnte pr nós, que vlorizmos seus negóios. Seu prouto Brother foi projeto e frio om os mis ltos

Leia mais

índice 1. Registro 2. Perfil 3. A minha rede 4. A partilha na Weduc 5. Mensagens

índice 1. Registro 2. Perfil 3. A minha rede 4. A partilha na Weduc 5. Mensagens índie 1. Registro 1.1. Registro Externo...5 1.2. Registro por reepção de um emil...8 1.2.1 Registro por meio de envio de um emil...8 1.2.2 Registro por meio d rição...9 2. Perfil 2.1. A opção multiperfil...11

Leia mais

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA OWAlifetime OWAconsult Resistênci o fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA 2 As norms europeis As Norms Europeis Hrmonizs sobre o Fogo são um conjunto e norms que form ceits por toos os píses Comunie Econômic

Leia mais

o equipamento da embalagem e verificar os componentes Conjunto de unidade do tambor e cartucho de toner (pré-instalado)

o equipamento da embalagem e verificar os componentes Conjunto de unidade do tambor e cartucho de toner (pré-instalado) Gui e Instlção Rápi Iníio MFC-8950DW(T) Lei primeiro o Gui e Segurnç e Prouto e epois este Gui e Instlção Rápi pr exeutr orretmente o proeimento e instlção e onfigurção. Pr ver o Gui e Instlção Rápi noutros

Leia mais

Capítulo III. Circuitos Resistivos

Capítulo III. Circuitos Resistivos Cpítulo III Ciruitos esistivos. Itrodução Neste pítulo serão estudds s leis de Kirhhoff, utilizdo-se de iruitos resistivos que são mis filmete lisdos. O estudo desss leis é plido em seguid s deduções de

Leia mais

Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação

Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação Normas Técnicas : A importância de uniformização de Conceitos Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira Normas Técnicas : A importância de uniformização

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Gui e Configurção Rápi Iníio DCP-7055 / DCP-7057 DCP-7060D / DCP-7065DN Antes e instlr este equipmento, lei seção e Segurnç e Questões Legis. Em segui, utilize o Gui e Configurção Rápi, que ontém instruções

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

Manual Passo a Passo ÍNDICE. Introdução...1 1. ABRINDO O SISTEMA - CENTRAL DO ASSINANTE

Manual Passo a Passo ÍNDICE. Introdução...1 1. ABRINDO O SISTEMA - CENTRAL DO ASSINANTE ÍNDICE Introdução...1 1. ABRINDO O SISTEMA - CENTRAL DO ASSINANTE Arindo o Sistem...2 Centrl do Assinnte...2 - Cdstro de Usuários...3 - Tro de Senh...3 - Esttísti de Utilizção do Sistem...3 - Comptção

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

NORMA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL

NORMA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL NORMA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL ATENÇÃO: As pls e regulmentção e vertênis ontis neste mnul evem seguir s Resoluções nº 160 e 180 o DENATRAN, enqunto o mesmo enontr-se em revisão. RT - 01.50. MANUAL DE SINALIZAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC Nº 519, DE 21 DE AGOSTO DE 2012, D.O.RIO DE 22.08.2012.

RESOLUÇÃO SMAC Nº 519, DE 21 DE AGOSTO DE 2012, D.O.RIO DE 22.08.2012. RESOLUÇÃO SM Nº 519, E 21 E GOSTO E 2012,.O.RIO E 22.08.2012. isciplina a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da onstrução ivil PGR. O SERETÁRIO MUNIIPL E MEIO MIENTE em exercício, no uso

Leia mais

Guia de Procedimento do Leilão

Guia de Procedimento do Leilão Gui de Proedimento do Leilão Dislimer: Este doumento foi preprdo pr poir nálise ds regrs e proedimentos do leilão, inluindo sempre que justifido lguns exemplos prátios. Este doumento não onstitui prte

Leia mais

AMAZONINO ARMANDO MENDES Prefeito. JOSÉ ANTÔNIO FERREIRA DE ASSUNÇÃO Secretário Municipal de Administração

AMAZONINO ARMANDO MENDES Prefeito. JOSÉ ANTÔNIO FERREIRA DE ASSUNÇÃO Secretário Municipal de Administração MZONINO RMNO MENES Prefeito JOSÉ NTÔNIO FERREIR E SSUNÇÃO Secretário Municipal de dministração OLVO ELSO TPJÓS SILV Subsecretário de Logística PULO EIZEN YMGUTI Subsecretário de dministração THIGO TUPINMÁ

Leia mais

NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA Procedimentos básicos executivos

NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA Procedimentos básicos executivos NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA 2013 NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA Procedimentos básicos executivos COORDENAÇÃO: Octavio Galvão Neto RELATORIA: Rejane Saute Berezovsky COLABORADORES: Flávia Zoéga Andreatta

Leia mais

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Gui e Configurção Rápi Iníio MFC-7360N MFC-7460DN Antes e instlr este equipmento, lei seção e Segurnç e Questões Legis. Em segui, utilize o Gui e Configurção Rápi, que ontém instruções pr onfigurção e

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

Manual de Montagem MATERIAL PARA MONTAGEM: OPÇÕES DE CHAMINÉ: KIT S EM CONCRETO REFRATÁRIO PARA LAREIRA-LD 550/700 850/1000

Manual de Montagem MATERIAL PARA MONTAGEM: OPÇÕES DE CHAMINÉ: KIT S EM CONCRETO REFRATÁRIO PARA LAREIRA-LD 550/700 850/1000 R Manual de Montagem KIT S EM ONRETO REFRTÁRIO PR LREIR-L 550/00 50/1000 MTERIL PR MONTGEM: O kit é composto das seguintes peças: 1- locos 2- oifa 3- ümper (Regulador de Tiragem - metálico) 4- poio para

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

o aparelho e verifique os componentes Preto Amarelo Ciano Magenta Cartuchos de tinta iniciais

o aparelho e verifique os componentes Preto Amarelo Ciano Magenta Cartuchos de tinta iniciais Gui e Configurção Rápi Iníio MFC-J590DW Origo por esolher Brother, seu poio é importnte pr nós e vlorizmos su preferêni. Seu prouto Brother foi projeto e frio nos mis ltos prões pr ter um esempenho onfiável,

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Início. Guia de Instalação Rápida HL-4570CDW HL-4570CDWT. o aparelho e verifique os componentes ADVERTÊNCIA AVISO. Nota

Início. Guia de Instalação Rápida HL-4570CDW HL-4570CDWT. o aparelho e verifique os componentes ADVERTÊNCIA AVISO. Nota Gui e Instlção Rápi Iníio (pens UE) HL-4570CDW HL-4570CDWT Antes e utilizr este prelho pel primeir vez, lei este Gui e Instlção Rápi pr o onfigurr e instlr. Pr ver o Gui e Instlção Rápi noutros iioms,

Leia mais

o aparelho e verifique os componentes Conjuntos de unidade de cilindro e cartucho de toner (pré-instalados) (preto, ciano, magenta e amarelo)

o aparelho e verifique os componentes Conjuntos de unidade de cilindro e cartucho de toner (pré-instalados) (preto, ciano, magenta e amarelo) Gui e Configurção Rápi Iníio DCP-9020CDN Lei primeiro o Gui e Segurnç e Prouto e epois lei este Gui e Configurção Rápi pr exeutr orretmente o proeimento e onfigurção e instlção. Pr visulizr o Gui e Configurção

Leia mais

Atendimento WEB TISS ECONOMUS Ver 1-A Out-08.doc. Manual de Atendimento

Atendimento WEB TISS ECONOMUS Ver 1-A Out-08.doc. Manual de Atendimento Mnul de Atendimento ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO... 3 MOVIMENTO MANUAL... 3 DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR... 3 CONSULTAS TISS COM COBRANÇA DE MATERIAL, MEDICAMENTOS E TAXAS... 3 COBRANÇA DE MATERIAL,

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS PARA O CÁLCULO

PRÉ-REQUISITOS PARA O CÁLCULO Veremos qui um breve revisão de oneitos de álgebr neessários pr o estudo do Cálulo. É bom lembrr que voê não pode prender Cálulo sem esses pré-requisitos, priniplmente álgebr, que podemos onsiderr omo

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

INTRODUÇÃO: Forma Geral dos Relatórios

INTRODUÇÃO: Forma Geral dos Relatórios Lortóro - EXPERIMETO I METROLOGIA Mes om o pquímetro Prof.: r. Cláuo S. Srtor ITROUÇÃO: Form Gerl os Reltóros É muto esejável que sej um erno grne (formto A) put om fols enumers ou om fols enumers e quruls,

Leia mais

Impressão Simples de Desenhos no AutoCAD

Impressão Simples de Desenhos no AutoCAD Impressão Simples de esenhos no uto INTROUÇÃO Pretende-se, neste artigo, detalhar de maneira simples a impressão de um desenho técnico elaborado com o software gráfico uto. Esse método é de fácil assimilação,

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

o aparelho e verifique os componentes

o aparelho e verifique os componentes Gui e Configurção Rápi Iníio MFC-J6510DW MFC-J6710DW Lei o folheto Segurnç e Questões Legis ntes e instlr seu prelho. Depois lei este Gui e Configurção Rápi pr onfigurção e instlção orrets. AVISO CUIDADO

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal esolução s tivies complementres Físic F Grvitção universl p. 7 err possui pens um stélite nturl, Lu. Pesquise pr responer. ) Quis os períoos e rotção e e trnslção Lu em torno err? b) Por que err é possível

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais