Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária"

Transcrição

1 Constituição e IF Banária Número Únio e Referênia (NUR): (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Data e entrega o Anexo: (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Anexo I Requerimento Requerimento para autorização e onstituição e instituição finaneira anária De forma a aferir o umprimento os requisitos legais estaeleios na Lei as Instituições Finaneiras, e, nos termos o Aviso n.º 09/2013 e 03 e Junho, sore autorização para onstituição e instituições finaneiras anárias, o(s) requerente(s) que pretena(m) onstituir uma instituição finaneira anária eve(m) entregar a seguinte informação e oumentação: Informações gerais a instituição finaneira a onstituir (Seção I); Requerimento e autorização à onstituição e instituição finaneira pelo(s) requerente(s) eviamente assinao por toos os aionistas funaores ou por representante legal e instituição finaneira no aso e aertura e suursal ou esritório e representação (Seção II); Ientifiação o responsável ténio pela onução o proesso e autorização e onstituição (Seção III). O presente Anexo eve ser preenhio em formato Wor e remetio para o o Departamento e Supervisão e Instituições Finaneiras enquanto não estiverem riaas as onições para remessa por meio e outros ispositivos informátios. Não ostante o isposto no parágrafo anterior, o peio e autorização e onstituição apenas será onsierao omo formalmente entregue após a reepção este oumento, em upliao, eviamente preenhio em língua portuguesa e assinao pelo(s) requerente(s), no seguinte enereço:

2 Seção I Informação geral O requerente eve somente preenher os ampos apliáveis ao tipo e instituição finaneira anária que pretene onstituir: 1.1 Instituição finaneira que pretene exerer ativiae em Angola a Tipo e instituição finaneira a onstituir i) Instituição finaneira onstituía em Angola ii) Filial em Angola e instituição finaneira estrangeira iii) Suursal em Angola e instituição finaneira estrangeira iv) Esritório e representação em Angola e instituição finaneira estrangeira e Caso tenha assinalao a opção aii), aiii) ou aiv) inique a esignação ou enominação soial a instituição finaneira om see no estrangeiro Caso tenha assinalao a opção aii), aiii) ou aiv) inique a see prinipal e efetiva e aministração a instituição finaneira Caso tenha assinalao a opção aii), aiii) ou aiv)inique a nome a autoriae e supervisão a instituição finaneira Enereço previsto em Angola 1.2 Instituição finaneira autorizaa que pretene exerer ativiae no estrangeiro a Tipo e instituição finaneira a onstituir i) Filial no estrangeiro ii) Suursal no estrangeiro iii) Esritório e representação no estrangeiro Denominação ou esignação soial a requerente Número e registo a requerente e País one pretene estaeleer instituição finaneira Nome a autoriae e supervisão o País que pretene estaeleer instituição Anexo I Requerimento (Aviso N.º 09/2013 e 10 e Junho) Página 2 e 6

3 Seção II Requerimento Exmo Sr. Governaor o Bano Naional e Angola Nos termos o isposto na Lei as Instituições Finaneiras, o(s) aaixo assinao(s), na onição e [preenher aso propostos aionista(s) funaores ou representante(s) legal(is)] a instituição finaneira anária [preenher om a enominação soial], om see em [preenher om o enereço a see] vêm requerer ao Bano Naional e Angola o eferimento o projeto e [preenher aso onstituição ou estaeleimento] e [preenher aso instituição finaneira, filial, suursal ou esritório e representação] em [preenher país one pretene onstituir] O(s) aaixo(s) assinao(s) elaram, so ompromisso e honra, que as informações prestaas orresponem à verae, não teno omitio quaisquer fatos que possam relevar para a avaliação o seu projeto. Mais elara(m) que se enontra(m) onsiente(s) e que o inumprimento e everes e informação, omuniação ou eslareimento para om o Bano Naional e Angola poem levar à reusa o requerimento e autorização e onstituição, em omo a prestação e falsas elarações onstitui uma infração legalmente punível nos termos a Lei as Instituições Finaneiras, sem prejuízo as sanções penais apliáveis. E ompromete(m)-se, por último, a omuniar ao Bano Naional e Angola imeiatamente após a sua verifiação, toos os fatos suseptíveis e moifiar alguma as informações aima prestaas. Por fim, o(s) aaixo assinao(s), na onição e [preenher aso propostos aionista(s) funaores ou representante(s) legal(is)] a instituição finaneira autoriza(m) o aesso o Bano o Naional e Angola às informações a seu respeito, onstantes e qualquer sistema púlio ou privao e aastro e informações para efeitos e análise o presente requerimento. Nestes termos, pee(m) e espera(m) eferimento, Loal e ata: Assinatura(s) o(s) requerente(s): (Os.: o requerimento eve ser firmao pelo(s) propostos aionista(s) ou por seu(s) representante(s) legal(is), eveno-se juntar para os evios efeitos ópia autentiaa a prouração e poeres atriuío(s) ao(s) representante(s)). Anexo I Requerimento (Aviso N.º 09/2013 e 10 e Junho) Página 3 e 6

4 Seção II Requerimento Aompanha o requerimento e autorização para onstituição e instituição finaneira anária, os seguintes oumentos aaixo assinalaos: 2.1 Projeto e estatutos 2.2 Se apliável, proposta e aoros parassoiais 2.3 Se apliável, ópia o ontrato e usufruto relativo às partiipações soietárias 2.4 Se apliável, ertião e amissiiliae para efeito a esignação ou enominação a instituição a onstituir 2.5 Se apliável, ópia os estatutos a instituição finaneira om see no estrangeiro eviamente autentiaa 2.6 Se apliável, ertifiao emitio pela autoriae e supervisão o país e origem e que as operações a filial, suursal ou esritório e representação estão ompreenias na autorização a instituição finaneira e que não há impeimento a aertura a instituição 2.7 Se apliável, omprovativo e um epósito prévio orresponente a ino por ento o apital soial mínimo, poeno este epósito ser sustituío por uma garantia anária aeite pelo Bano Naional e Angola om prazo mínimo e 6 meses 2.8 Se peio e autorização e onstituição e esritório e representação, a requerente eve ientifiar os ojetivos estratégios a instituição finaneira om esrição as prinipais razões que motivaram a operação, o plano e esenvolvimento estratégio e ientifiação as oportuniaes e merao que justifiam operação Anexo I Requerimento (Aviso N.º 09/2013 e 10 e Junho) Página 4 e 6

5 Seção III Ientifiação o responsável ténio Informação sore o responsável ténio, i.e. pessoa e ontato responsável por assegurar toas as omuniações om o Bano Naional e Angola no âmito a instrução o peio e autorização e onstituição a instituição finaneira. Nos asos em que uma entiae é esignaa para o efeito, a mesma eve ser menionaa não ostante a neessiae e ientifiar a pessoa iniviual responsável entro a mesma e respetivo sustituto. 3.1 Detalhes o responsável a Se apliável, entiae esignaa para apoiar no proesso e autorização e onstituição Nome ompleto Enereço Contato telefónio e Enereço e 3.2 Detalhes a pessoa e ontato em aso e inisponiiliae o responsável ténio a Nome ompleto Enereço Contato telefónio Enereço e Juntar ao Anexo os seguintes oumentos: Fotoópia o oumento e ientifiação Comprovativo e enereço Prouração e poeres eviamente autentiaa Anexo I Requerimento (Aviso N.º 09/2013 e 10 e Junho) Página 5 e 6

6 Seção IV Informação aiional Em aso e impossiiliae a apresentação e um os oumentos menionaos neste Anexo, o(s) requerente(s) eve(m) iniar qual o oumento em falta, motivo e ata prevista e envio ao uiao o Bano Naional e Angola. Doumento Seção apliável Motivo e impossiiliae e apresentação Data prevista e envio o oumento Caso onsiere neessário forneer oumentação aiional relevante para efeitos e análise a informação e ou oumentação soliitaa pelo Anexo, o requerente eve iniar o nome o oumento, seção ao qual está assoiao e o motivo a relevânia o oumento. Doumento Seção apliável Motivo e entrega o oumento Anexo I Requerimento (Aviso N.º 09/2013 e 10 e Junho) Página 6 e 6

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando:

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando: CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO Exame II Citações e Notifiações Duração: 1 hora 4 de Maio A preenher pelo formando: Nome do formando (ompleto e legível): Identifiação do Agente de Exeução:

Leia mais

Anexo I Registo especial. Registo especial da instituição financeira

Anexo I Registo especial. Registo especial da instituição financeira Registo espeil Número Únio de Referêni (NUR): (Pr uso do BNA) Dt de entreg do Anexo: (Pr uso do BNA) Anexo I Registo espeil Registo espeil d instituição finneir De form efetur o registo espeil ds instituições

Leia mais

dossier Contém + Três brochuras Regulamento de Deontologia Regulamento de Inscrição Estatutos da Ordem dos Arquitectos

dossier Contém + Três brochuras Regulamento de Deontologia Regulamento de Inscrição Estatutos da Ordem dos Arquitectos SECÇÃO REGIONAL SUL Trav. Carvalho, 21-25, 1249-003 Lisboa tel. 213 241 140/5 fax. 213 241 169 e-mail seretaria2@oasrs.org horário de 2ª a 6ª, das 10h 19h SECÇÃO REGIONAL NORTE Rua D. Hugo, 5/7, 4050-305

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Subunidade Orgânia de Expediente Geral DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 Serviço responsável pela exeução da deliberação Gabinete de apoio à Presidênia Epígrafe Alienação

Leia mais

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação AIMA - ASSOIAÇÃO OMERIAL E INUSTRIAL E MONTE ALTO Página: 1 ONTA ESRIAO SALO INIIAL ÉBITOS RÉITOS 1 ATIVO R$ 805.147,23 R$ 715.984,93 R$ 714.866,28 R$ 806.265,88 1.1 ATIVO IRULANTE R$ 801.722,22 R$ 715.984,93

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 010/2013/CEPROMAT

PREGÃO PRESENCIAL Nº 010/2013/CEPROMAT EPROMAT/MT ESTAO E MATO GROSSO ENTRO E PROESSAMENTO E AOS E MATO GROSSO PREGÃO PRESENIAL Nº 010/2013/EPROMAT EITAL RETIFIAO Regido pela Lei Federal nº 10.520/2002, Lei omplementar nº 123/2006, Lei omplementar

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

CLÁUSULA V - DAS RESPONSABILIDADES DA CONTRATANTE 1º) - A Contratante se obriga a efetuar o pagamento na condição e prazo avençado.

CLÁUSULA V - DAS RESPONSABILIDADES DA CONTRATANTE 1º) - A Contratante se obriga a efetuar o pagamento na condição e prazo avençado. espeifia o orçamento vigente (0.0.0.0-..0-.-00-..0..00-0) Poer Exeutivo Muniipal, Departamento a Seretaria Muniipal e Esportes, Rereação e Lazer, ções esenvolvias no apoio ao Esporte, Rereação e Lazer,

Leia mais

Compiladores. Geração de Código Intermediário

Compiladores. Geração de Código Intermediário Compiladores Geração de Código Intermediário Cristiano Lehrer, M.S. Atividades do Compilador Arquivo de origem Arquivo de destino Análise Otimização Geração de Código Intermediário Geração de Código Final

Leia mais

Curso de Data Mining

Curso de Data Mining Aula 7 - Os algoritmos SPIRIT Curso de Data Mining Sandra de Amo O esquema geral dos algoritmos SPIRIT é o seguinte: ETAPA 1 : Etapa do relaxamento R Calula-se o onjunto L das sequênias frequentes que

Leia mais

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Mestrao em Finanças e Eonomia Empresarial BENEFÍCIOS PRIVADOS DE CONTROLE, AMBIENTE LEGAL E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS: UM ESTUDO DO CASO BRASILEIRO. Dissertação apresentaa à Esola e Pós-Grauação

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 010/2013/CEPROMAT

PREGÃO PRESENCIAL Nº 010/2013/CEPROMAT EPROMAT/MT ESTAO E MATO GROSSO ENTRO E PROESSAMENTO E AOS E MATO GROSSO PREGÃO PRESENIAL Nº 010/2013/EPROMAT Regido pela Lei Federal nº 10.520/2002, Lei omplementar nº 123/2006, Lei omplementar nº 440/2011

Leia mais

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Mestrao em Finanças e Eonomia Empresarial BENEFÍCIOS PRIVADOS DE CONTROLE, AMBIENTE LEGAL E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS: UM ESTUDO DO CASO BRASILEIRO. Dissertação apresentaa à Esola e Pós-Grauação

Leia mais

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação AIMA - ASSOIAÇÃO OMERIAL E INUSTRIAL E MONTE ALTO Página: 1 ONTA ESRIAO SALO INIIAL ÉBITOS RÉITOS 1 ATIVO R$ 658.553,82 R$ 628.674,19 R$ 655.727,74 R$ 631.500,27 1.1 ATIVO IRULANTE R$ 657.053,82 R$ 626.274,19

Leia mais

Anexo V Requerimento para fusão ou cisão. Requerimento para fusão ou cisão de instituições financeiras

Anexo V Requerimento para fusão ou cisão. Requerimento para fusão ou cisão de instituições financeiras Bno Nionl de Angol Dt de entreg do Anexo: (Pr uso do BNA) Prtiipções Anexo V Requerimento pr fusão ou isão Requerimento pr fusão ou isão de instituições finneirs De form ferir o umprimento dos requisitos

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos e Infracções Conexas

Plano de Gestão de Riscos e Infracções Conexas Plano de Gestão de Risos e Infrações Conexas (Fevereiro 2014) Página 1 de 26 NOTA INTRODUTÓRIA E APROVAÇÃO A TRATOLIXO, E.I.M. dispõe, nos termos da lei, de um Plano de Gestão de Prevenção de Risos de

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) ASSO PRO-GESTÃO AGUAS A BAIA H. O RIO PARAIBA - GUANU (0779) NPJ/PF: 05.422.000/0001-01 Folha: 00002 End.: RUA ELZA A SILVA UARTE S/N-LOJA 1 I-A-MANEJO - EP: 27520-000 Município: RESENE UF: RJ Período:

Leia mais

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação AIMA - ASSOIAÇÃO OMERIAL E INUSTRIAL E MONTE ALTO Página: 1 ONTA ESRIAO SALO INIIAL ÉBITOS RÉITOS 1 ATIVO R$ 327.851,62 R$ 6.703.615,27 R$ 6.225.201,01 R$ 806.265,88 1.1 ATIVO IRULANTE R$ 207.604,07 R$

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL UNIDADE ORGÂNICA DE OPERAÇÕES E SEGURANÇA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA REQUERIMENTO

Leia mais

Balancete de Verificação De 03/01/2011 até 31/01/2011

Balancete de Verificação De 03/01/2011 até 31/01/2011 27/05/2011 18:24:36 ontábil ASSOIAÇÃO GOLFE PUBLIO E JAPERI e 03/01/2011 até 31/01/2011 ATE ONSULTORIA Folha 1 onta Nome Saldo Anterior ébitos réditos Saldo Atual ATIVO AIXA GERAL 1.2.1.10.001 AIXA GERAL

Leia mais

1. Departamento de Engenharia de Teleinformática, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici, Fortaleza, CE E-mails: aboscov@gmail.

1. Departamento de Engenharia de Teleinformática, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici, Fortaleza, CE E-mails: aboscov@gmail. CONTROLE DE TEMPERATURA DE SONDA LAMBDA DE USO VEICULAR APLICADA EM UM SENSOR DE TEOR DE OXIGÊNIO PARA USO EM SISTEMAS DE COMBUSTÃO DE BIOMASSA JAIME ALEX BOSCOV 1, GIOVANNI BARROSO 2, GUSTAVO DE ALENCAR

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Cookie, Farinha de uva, Farinha de casca de banana verde, farinha de castanha de caju, análise sensorial.

PALAVRAS CHAVE: Cookie, Farinha de uva, Farinha de casca de banana verde, farinha de castanha de caju, análise sensorial. ANÁLISE SENSORIAL DE BISCOITO TIPO COOKIE ELABORADO COM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DE FARINHA DE TRIGO POR FARINHA DE CASTANHA DE CAJU, CASCA DE BANANA VERDE E DE UVA. Brenda Natália Vieira MARCOLINO 1, Stephanie

Leia mais

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro Havendo necessidade de se regulamentar o funcionamento das sociedades de cessão financeira (factoring), com vista a desenvolver a matéria estabelecida no Decreto Presidencial

Leia mais

Início. Guia de Instalação Rápida FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940. o equipamento da embalagem e verificar os componentes. Observação

Início. Guia de Instalação Rápida FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940. o equipamento da embalagem e verificar os componentes. Observação Guia de Instalação Rápida Iníio FAX-2840 / FAX-2845 FAX-2940 Leia o Guia de Segurança de Produto primeiro e, em seguida, leia este Guia de Instalação Rápida para oter o proedimento de onfiguração e instalação

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

III Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada - PROMEDIA III. Requerimento de candidatura

III Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada - PROMEDIA III. Requerimento de candidatura III Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada - PROMEDIA III Requerimento de candidatura Exmo. Sr. Presidente do Governo Regional (1): (2)... (3)... Vem, para efeitos do disposto no Decreto

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) ASSO.SERV.TRIB.ONTAS O EST.O RJ (0016) NPJ/PF: 29.167.780/0001-40 Folha: 00001 End.: PRAA A REPUBLIA 70-14º ANAR E TERREO-ENTRO - EP: 20211-351 Grupo: A T I V O Acesso Terc. lassific. Nome da onta Saldo

Leia mais

Procedimentos e documentos necessários para a instrução do pedido de Autorização

Procedimentos e documentos necessários para a instrução do pedido de Autorização Autorização para o exercício da actividade de mediação de seguros Entidade competente: Autoridade Monetária de Macau Departamento de Supervisão de Seguros (AMCM DSG) Endereço:Calçada do Gaio, N 24 e 26,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS 1/5 PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM) Exmo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Masculino Feminino

Leia mais

Formulário para pessoa coletiva

Formulário para pessoa coletiva Formulário para pessoa coletiva 1. Identificação 1.1. Identificação Denominação social N.º de mediador (se aplicável) NIPC 2. Informação prévia 2.1. Identifique a categoria pretendida: Mediador de seguros

Leia mais

Balancete de Verificação De 01/02/2010 até 28/02/2010

Balancete de Verificação De 01/02/2010 até 28/02/2010 ontábil ASSOIAÇÃO GOLFE PUBLIO E JAPERI e 01/02/2010 até 28/02/2010 ATE ONSULTORIA Folha 1 onta Nome Saldo Anterior ébitos réditos Saldo Atual ATIVO AIXA GERAL 1.2.1.10.001 AIXA GERAL 88,30 1.662,11 1.203,42

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais Linguagens e ódigos igitais Sumário do Volume 1. Gráfios de geografia 05 2. Homotetia 08 3. ivisão Áurea 13 4. Sequênia de Fionai 14 5. Fratais 18 6. álulo de área de figuras planas 28 7. Semana de arte

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Autorização para o exercício da actividade de seguros

Autorização para o exercício da actividade de seguros Autorização para o exercício da actividade de seguros Entidade competente: Seguros (AMCM DSG) Autoridade Monetária de Macau Departamento de Supervisão de Endereço :Calçada do Gaio, N 24 e 26, Macau Telefone

Leia mais

C O M U N I C A D O E X T E R N O

C O M U N I C A D O E X T E R N O e ezembro e 5 9/5-DG C O M U N I C A D O E X T E R N O Membros e Compensação Corretoras Assoiaas e Operaores Espeiais Ref.: Sistema e Riso BM&F Data e Implantação o Novo Móulo e Cálulo e Margem e Garantia

Leia mais

TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014

TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014 TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014 Esta Norma estaelee os parâmetros para o transporte terrestre dos produtos perigosos quimiamente inompatíveis que

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo de Madeira Torres. Ficha de Avaliação Diagnóstica de Física e Química A 2013/2014 Aluno: nº Data: Professor

Escola Secundária com 3º Ciclo de Madeira Torres. Ficha de Avaliação Diagnóstica de Física e Química A 2013/2014 Aluno: nº Data: Professor Esola Seundária om 3º Cilo de Madeira Torres. Fiha de Avaliação Diagnóstia de Físia e Químia A 203/204 Aluno: nº Data: Professor Grupo I. A figura mostra um esquema do iruito de Indianápolis, onde se realizam

Leia mais

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS

COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS COMPARAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA COM DIESEL E BIODIESEL ANALISANDO TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS Miguel Edgar Morales Udaeta Riardo Laerda Baitelo Geraldo Franiso Burani José Aquiles Baesso Grimoni GEPEA-USP

Leia mais

INSTRUTIVO Nº. 08/98

INSTRUTIVO Nº. 08/98 INSTRUTIVO Nº. 08/98 ASSUNTO: Central de Riscos de Crédito Com base no disposto no artigo 29., item 4, da Lei 5/91, de 20 de Abril, que dá competência ao Banco Nacional de Angola para criar um serviço

Leia mais

O Registro de IG no Brasil

O Registro de IG no Brasil O Registro de IG no Brasil Lucia Regina Fernandes Diretoria de Contratos, Indicações Geográficas e Registros INPI Setembro 2014 Proteção em nível Brasil Lei 9.279 de 14/05/1996 Regula os direitos e obrigações

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

Portaria SPU nº 215, de 25 de novembro de 2015. enquadrem na Lei n o 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Portaria SPU nº 215, de 25 de novembro de 2015. enquadrem na Lei n o 12.101, de 27 de novembro de 2009. Portaria SPU nº 215, de 25 de novembro de 2015 Estabelece procedimentos para concessão de anistia de débitos patrimoniais e de isenção do pagamento de taxas de ocupação, de foros ou de laudêmios para as

Leia mais

Depósitos acumuladores de aço inoxidável

Depósitos acumuladores de aço inoxidável Depósitos aumulaores e aço inoxiável 0 I, 00 I, 0 I, 00 I, 00 I, 00 I, 800 I, 000 I 0, 00, 0, 00, 00, 00, 800 e 000 Depósitos aumulaores para a instalação e queiemento entral até ar ( ar em epósitos e

Leia mais

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação

ACIMA - ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE MONTE ALTO Balancete de Verificação AIMA - ASSOIAÇÃO OMERIAL E INUSTRIAL E MONTE ALTO Página: 1 ONTA ESRIAO SALO INIIAL ÉBITOS RÉITOS 1 ATIVO R$ 629.728,02 R$ 669.386,55 R$ 641.183,00 R$ 657.931,57 1.1 ATIVO IRULANTE R$ 629.728,02 R$ 666.886,55

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 1/13 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ( nº SM ) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito que seja apreciado o pedido de candidatura

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Relatório anual

PLANO DE PREVENÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Relatório anual PLANO DE PREVENÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Relatório anual Freguesia Gâmbia Pontes-Alto da Guerra juntagambia@junta-freg-gambia.org 1 Introdução A Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL PREÂMBULO Tendo como objetivo incentivar a investigação centrada sobre o Homem, tanto sob os aspetos físicos como sob o ponto de vista

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

C) D) E) -2M. E = 100 05 + 0,5R, ou E = 50 + R. (1) E = 50 0,75 + 0,75R, ou E = 37,5 + R. (2)

C) D) E) -2M. E = 100 05 + 0,5R, ou E = 50 + R. (1) E = 50 0,75 + 0,75R, ou E = 37,5 + R. (2) 6ROXomR&RPHQWDGD3URYDGH)tVLFD TXHVW}HV. M e N são etores de módulos iguais ( M = N = M). O etor M é ixo e o etor N pode girar em torno do ponto O (eja igura) no plano ormado por M e N. endo R = M + N,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

Balancete de Verificação De 01/12/2010 até 31/12/2010

Balancete de Verificação De 01/12/2010 até 31/12/2010 ontábil ASSOIAÇÃO GOLFE PUBLIO E JAPERI e 01/12/2010 até 31/12/2010 ATE ONSULTORIA Folha 1 onta Nome Saldo Anterior ébitos réditos Saldo Atual ATIVO AIXA GERAL 1.2.1.10.001 AIXA GERAL 263,47 1.845,34 1.522,25

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. O que é o regime especial de Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI)? O regime de ARI

Leia mais

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA. II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA. II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II REQUERIMENTO DE CANDIDATURA II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II Exmo. Sr. Secretário Regional da Presidência 1 : ( 2 ) ( 3 ) vem, para efeitos do disposto no Decreto

Leia mais

Prof. Dr. Maurício Silveira DTE/INATEL. Prof. Dr. Silvio Ernesto Barbin DETC - EPUSP. Prof. Dr. José Antônio Justino Ribeiro DTE/INATEL

Prof. Dr. Maurício Silveira DTE/INATEL. Prof. Dr. Silvio Ernesto Barbin DETC - EPUSP. Prof. Dr. José Antônio Justino Ribeiro DTE/INATEL FOLHA DE APROVAÇÃO Dissertação efenia e aprovaa em / /, pela omissão julgaora: Prof. Dr. Mauríio Silveira DTE/INATEL Prof. Dr. Silvio Ernesto Barbin DETC - EPUSP Prof. Dr. José Antônio Justino Ribeiro

Leia mais

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Considerando que o Executivo tem vindo a atribuir maior importância à renovação do sistema

Leia mais

Anexo II Accionistas. Pessoa singular

Anexo II Accionistas. Pessoa singular Bno Nionl e Angol Prtiipções Número Únio e Referêni (NUR): (Pr uso o BNA) Dt e entreg o Anexo: (Pr uso o BNA) Anexo II Aionists Pesso singulr De form ferir o umprimento os requisitos legis esteleio n Lei

Leia mais

A FUNAI (Características)

A FUNAI (Características) - LEGISLAÇÃO INDIGENISTA - - Dereto nº 7.778/12 - Estatuto da FUNAI (Parte I) - Professor: Maros Girão - A FUNAI (Caraterístias) 1 A FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO Art. 1º. A Fundação Naional do Índio - FUNAI

Leia mais

Compromisso total com um serviço total. Lingua Portuguesa

Compromisso total com um serviço total. Lingua Portuguesa Lingua Portuguesa Introdução Nosso negóio tem tudo a ver om a demanda dos nossos lientes ompreender a forma omo trabalham e ajudá-los em todos os sentidos om a melhoria ontínua, uma saga que nuna termina.

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

Assim, na sequência de despacho de Sua Excelência o Secretário Regional da Saúde, datado de 16 de dezembro de 2014, determina-se o seguinte:

Assim, na sequência de despacho de Sua Excelência o Secretário Regional da Saúde, datado de 16 de dezembro de 2014, determina-se o seguinte: Circular Normativa Nº 35 Para: Assunto: Fonte: Contacto na DRS: Serviços de Saúde do Serviço Regional de Saúde C/C Secção Regional da RAA da Ordem dos Enfermeiros Autorização para exercício de Enfermagem

Leia mais

REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA

REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA A pessoa jurídica localizada em nº bairro cidade CEP, telefone. Vem pelo presente documento solicitar: ( ) Baixa de Registro Interrupção das Atividade ( ) Baixa por solicitação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio Decreto-Lei n.º 15/97/M de 5 de Maio Desenvolveram-se, nos últimos tempos, as sociedades dedicadas à entrega rápida de pequenos valores em numerário, entre diversos países e territórios, prestando serviços,

Leia mais

INSTRUTIVO Nº 01/2011. de 12 de Abril de 2011 ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA

INSTRUTIVO Nº 01/2011. de 12 de Abril de 2011 ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA INSTRUTIVO Nº 01/2011 de 12 de Abril de 2011 ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA Havendo a necessidade de se ajustar os procedimentos de realização das sessões de compra e venda

Leia mais

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo.

Geografia. e Observe a tabela apresentada abaixo. Geografia 61 Dentre os 50 países mais pobres do mundo, lassifiados segundo o Índie de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 33 estão situados nessa região.

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos

Bancos de Dados Distribuídos Espeialização em Engenharia de Software Marta Mattoso Banos de Dados Distribuídos Bibliografia Utilizada Î Özsu, M.T. Valduriez, P. "Priniples of Distributed Database Systems", Prentie Hall, 1991. Elmasri,

Leia mais

Gestão da Qualidade. José Manuel C. R.Pinto

Gestão da Qualidade. José Manuel C. R.Pinto Manual do formador - Recursos Gestão da Qualidade José Manuel. R.Pinto Recurso desenvolvido no âmbito da medida 4.2.2.2 do POEFS. Programa co-financiado por: FIH TÉNI Manual do Formador - Recursos Gestão

Leia mais

Ocupação do espaço público

Ocupação do espaço público A Identificação do requerente Nome N.º de identificação civil Tipo de documento CC / BI Passaporte Na qualidade de: Próprio Representante Sócio-gerente / gerente / administrador / diretor Preencher se

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 6, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 6, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 6, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014 Dispõe sobre a ocupação de bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos - ProUni. O MINISTRO

Leia mais

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 02 maio 2013

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 02 maio 2013 Os conhecimentos e a experiência adquiridos ao longo dos últimos anos permitem constatar que o modo como são selecionados os mediadores dos Jogos Sociais do Estado deve ser atualizado, mantendo os critérios

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 37/2009

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 37/2009 DISPÕE SOBRE CRITÉRIOS PARA O EXAME DE IDENTIDADE OU EQUIVALÊNCIA DE DISCIPLINAS PARA EFEITO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR BAHIA GABINETE DO PREFEITO O PREFEITO DO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA,

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR BAHIA GABINETE DO PREFEITO O PREFEITO DO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Art. 4 Fia onedido avanço de uma referênia na tabela de gratifiação por avanço de ompetênia a todos os servidores ativos e em efetivo exeríio a partir de 1 de janeiro de 2010, retroativo a outubro deste

Leia mais

A FUNAI (Características)

A FUNAI (Características) - LEGISLAÇÃO INDIGENISTA - - Dereto nº 7.778/12 - Estatuto da FUNAI - Professor: Maros Girão - A FUNAI (Caraterístias) 1 A FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO Art. 1º. A Fundação Naional do Índio - FUNAI é fundação

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) ASSOIAÇÃO PRO-GESTÃO AS AGUAS A BAIA H. O RIO PARAIB (0777) NPJ/PF: 05.422.000/0001-01 Folha: 00002 End.: ESTRAA RESENE RIAHUELO 2535--SEM BAIRO - EP: 27523-000 Município: RESENE UF: RJ Período: Janeiro

Leia mais

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas Aula 7 Sumário Conjunto de instruções Coneitos Instruções típias O onjunto de instruções Bibliografia: Cap. do livro de teto ses.. a. ISA Instrution Set Arhiteture Conjunto de instruções Alguns oneitos...

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Ordem dos Médicos de Angola. MODELO A Médicos Angolanos com Licenciatura Angolana

Ordem dos Médicos de Angola. MODELO A Médicos Angolanos com Licenciatura Angolana MODELO A Médicos Angolanos com Licenciatura Angolana Nome 2. Bilhete de Identidade (fotocopia) 3. Registo Criminal 4. Atestado Médico Comprovativo de Aptidão Física e Mental para o Exercício Profissional

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL RELATIVAMENTE AOS PRODUTORES DE LEITE DE VACA CRU

GUIA PRÁTICO DISPENSA DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL RELATIVAMENTE AOS PRODUTORES DE LEITE DE VACA CRU GUIA PRÁTICO DISPENSA DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL RELATIVAMENTE AOS PRODUTORES DE LEITE DE VACA CRU INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático 2036 Dispensa

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Guia de Configuração Rápida Iníio MFC-7860DW Antes de instalar este equipamento, leia a seção de Segurança e Questões Legais. Em seguida, utilize o Guia de Configuração Rápida, que ontém instruções para

Leia mais

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Ojetivos 1. Introduzir o oneito de logaritmo 2. Mostrar algumas apliações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Conteúdos Logaritmo: álulo e

Leia mais

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...]

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...] Alteração ao Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011,

Leia mais

Análise de um Controlador Baseado no Jacobiano Estimado da Planta Através de uma Rede Neural

Análise de um Controlador Baseado no Jacobiano Estimado da Planta Através de uma Rede Neural UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise e um Controlaor Baseao no Jaobiano Estimao a Planta Através e uma Ree Neural Pero

Leia mais

USO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA PREDIÇÃO DA COBERTURA CELULAR EM CURSOS DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

USO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA PREDIÇÃO DA COBERTURA CELULAR EM CURSOS DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA USO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA PREDIÇÃO DA COBERTURA CELULAR EM CURSOS DE RADUAÇÃO DE ENENHARIA etúlio Antero e Deus Júnior getulio@eee.ufg.br Davi Sue Alves Diniz avi_sue9@yahoo.om.br ustavo Batista e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO TRIÉNIO 2014/2017 Artigo 1º Princípios Gerais 1. O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e orientação educativa da unidade orgânica, nomeadamente nos domínios

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O GOVERNO Decreto-Lei nº 6/2010 Que Altera o Decreto Lei n.º 37/2009 Que Institui o Guichet Único. Decreto

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 01/2015 SEMED (Prazo: 30 dias) Processo Seletivo para a concessão de licença para qualificação profissional

Leia mais

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005 Zelio Logi 2 Interfe e omunição SR2COM01 Aju pr utilizção pst e explorção 11/2005 1606327 Aju pr utilizção pst e explorção Desrição gerl Introução A pst e explorção é um fiheiro e texto rio pelo softwre

Leia mais

Faculdade de Engenharia Química (FEQ) Departamento de Termofluidodinâmica (DTF) Disciplina EQ741 - Fenômenos de Transporte III

Faculdade de Engenharia Química (FEQ) Departamento de Termofluidodinâmica (DTF) Disciplina EQ741 - Fenômenos de Transporte III Fauldade de Engenharia Químia (FEQ) Departamento de Termofluidodinâmia (DTF) Disiplina EQ74 - Fenômenos de Transporte III Capítulo III Difusão Moleular em Estado Estaionário Professora: Katia Tannous Monitor:

Leia mais

DE VILA VELHA DE CÂIVIARA MUNICIPAL AVISO. Dra. Maria do Carmo de Jesus Amaro Sequeira, Presidente da

DE VILA VELHA DE CÂIVIARA MUNICIPAL AVISO. Dra. Maria do Carmo de Jesus Amaro Sequeira, Presidente da DE VILA VELHA DE CÂIVIARA MUNICIPAL AVISO REGULAMENTO INTERNO DE E CONTROLO DE ALCOOLISMO Dra. Maria do Carmo de Jesus Amaro Sequeira, Presidente da Municipal de Vila Velha de faz saber que: Foi aprovado

Leia mais

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA PAULO MATOS MARTINS PROF. ADJUNTO, ISEL. EDUARDO NABAIS ENCARREGADO DE TRABALHOS, ISEL RUI CABRAL TÉCNICO SUPERIOR, IEP - SANTARÉM

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA LUZIA - CESSAL FACULDADE DA CIDADE DE SANTA LUZIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA LUZIA - CESSAL FACULDADE DA CIDADE DE SANTA LUZIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA LUZIA - CESSAL FACULDADE DA CIDADE DE SANTA LUZIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA COORDENADORA DO CURSO Profa. Ms. Claudia Eliana Silveira SANTA LUZIA

Leia mais

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI)

PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) Um momento... deixe-me pensar! PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO INSTRUMENTAL (PEI) O que é o PEI O PEI é um programa de intervenção ognitiva que tem omo objetivo desenvolver no indivíduo as habilidades básias

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais