9 Implementação de Relógio Digital (State Charts)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9 Implementação de Relógio Digital (State Charts)"

Transcrição

1 StteFlow toolox 9 Implementção e Digitl (Stte Chrts) Desrever o funionmento e um relógio igitl, om um áre e isply prinipl, e 4 áres mis pequens. O relógio ispõe e: Poe mostrr o tempo num formto e 24 hors ou e 12 (AM/PM), t (i mês, mês, no, i semn), um toque om 2 tons, to quno pss hor se estiver progrmo pr tl (toque e hor), tem 2 lrmes inepenentes, função e stopwth (om isply norml ou lp), luz pr iluminção, inior e teri fr, teste e toque (pressionno mis e ois otões simultânemente) 4 otões, enominos,, e. As funções prinipis são onseguis pressionno os otões. Assim, "" signifi que o otão é pressiono, e "â" que o otão eixou e ser pressiono. Guis prátios STR 9-1

2 StteFlow toolox Implementção Pr moelr o relógio, poe-se, por exemplo, omeçr pelos toques e lrme. Se se esignr por T o tempo orrente, e por T1 e T2 o tempo ssoio om lrme, poe-se representr o funionmento os lrmes pelo seguinte igrm: Beep lrmes Beep Alrme 1 l Displys T heg T1[P1] Crreg em qulquer otão T heg T2[P2] Beep Alrme 2 30 segunos e toque T heg T1[P] Beep mos lrmes Printe 20-My :44:38 Fig. 9-1: Funionmento os lrmes As onições espeifis no igrm são: P1 - lrme 1 enle lrme 2 isle T1 T2; P2 - lrme 1 isle lrme 2 enle T1 T2; P - lrme 1 enle lrme 2 enle T1=T2 Repre-se que eomposição é efetu usno estos XOR, one só um poe estr tivo, por isso é neessário um esto Beep mos lrmes. Se se utilizsse um eomposição AND, poerímos ter Beep Alrme 1 e Alrme 2 tivos simultnemente, não seno neessário um tereiro esto. Se gor eiir-se que existirá um ilo e isplys om o rregr tel : Guis prátios STR 9-2

3 StteFlow toolox Tempo Alrme 1 Alrme 2 Chime StopWth Tempo E que, lém isso, o rregmento tel omut o isply entre tempo e t, o nosso igrm poeri ser estenio pr: l Disply k s tempo Dt 2 min. em Dt Beep lrmes Beep Alrme 1 T heg T1[P1] Crreg em qulquer otão T heg T2[P2] Beep Alrme 2 StopWth Chime Alrme 2 Alrme 1 30 segunos e toque Beep mos lrmes T heg T1[P] Printe 20-My :07:38 Fig. 9-2: Inorporção o isply Neste último igrm foi tmém inluí função e voltr o moo e tempo pós 2 minutos no moo e t. Reltivmente os estos Alrme 1, Alrme 2 e Chime, poemos efinir su-estos. Assim, um eles ou estrá on ou off. Quno então entrr-se num esses estos, sej ele Alrme 1, o seu esto iniil será e off. No entnto, o lrme poerá estr no esto e on ou e off. Isto é, temos e introuzir um nov notção, istóri () o esto. O fto e um esto possuir históri signifi que, quno lá se entr, ire-se-á pr o suesto mis reentemente visito. Guis prátios STR 9-3

4 StteFlow toolox Assim, figur seguinte ilustr ição estes novos su-estos no igrm: l Disply k s tempo Dt Beep lrmes Beep Alrme 1 2 min. em Dt T heg T1[P1] Crreg em qulquer otão Beep Alrme 2 T heg T2[P2] StopWth Chime Alrme 2 Alrme 1 30 segunos e toque T heg T1[P] Beep mos lrmes Printe 26-My :40:32 Fig. 9-3: Introução os su-estos on e off Seguimente tem-se e moelr o funionmento o tempo e tivção os lrmes, e omo lterr o tempo e t o relógio. Amite-se que, estno num os moos e lrme, rregr n tel impli que se entr no moo e lterção o tempo e lrme. Nesse moo, rregno n tel, volt-se o moo e lrme. Reltivmente à lterção o tempo e t, se se estiver no moo e tempo, rregno n tel urnte 2 segunos, pss-se o moo e tulizção. Si-se este moo em qulquer instnte telno em. A figur seguinte ilustr inorporção este novo funionmento. Guis prátios STR 9-4

5 StteFlow toolox Displys k Esper Beep lrmes no tempo Dt Beep Alrme 1 2 s eg. e es per T heg T1[P1] 2 min. em Dt Upte Crreg em qulquer otão Beep Alrme 2 Chime Alrme 2 Alrme 1 StopWth T heg T2[P2] 30 segunos e toque Beep mos lrmes Upte 2 Upte 1 T heg T1[P] Printe 26-My :45:36 Fig. 9-4: Inorporção tulizção o tempo, t e tempo e lrme Reltivmente à tulizção o tempo e lrme, poemos mitir que, estno em moo e lrme, o rregr n tel permite-nos efinir hor, ezen e minutos e os minutos, omo se represent n figur seguinte: Guis prátios STR 9-5

6 StteFlow toolox Upte 2 Upte 1 1 min 10 min hor 1 min 10 min hor Printe 26-My :04:20 Fig. 9-5: Atulizção os tempos e lrme De notr que o fto e set entrr n junção e históri impli que tono n tel sí-se e qulquer esto e ir-se-á reentrr no su-esto mis reentemente visito. Seguimente vi-se refinr tulizção t e hor. Supono que suessivos rregmentos n tel vi implir munç e su-estos: Seg. -> Minutos -> Dezens e minutos -> i -> mês -> no Assim o igrm será umento omo mostr figur seguinte: Guis prátios STR 9-6

7 StteFlow toolox no tempo 2 seg. e esper Upte or Seg. 10 min. 1 min. Di Mês Ano Printe 26-My :11:56 Fig. 9-6: Alterção t e tempo Até gor form introuzi pens eomposição e estos trvés o OU-Exlusivo (XOR). A metoologi mite tmém eomposição AND, permitino ssim exprimir propriee e que o sistem eve estr em toos os seus omponentes AND. Poe-se utilizr est eomposição pr refinr o esto o ronómetro. Se estivermos nesse esto, o moo o mostror, regulr ou e lpso (lp), poe ser onsiero inepenente o fto e o ronómetro estr ou não funionr. Existe no entnto um epenêni entre estes estos, o só se poer omutr pr moo lpso se o ronómetro estiver trlhr (í onição in on. Note-se tmém que foi introuzi um rmifição e trnsições, enomin junção onetiv, que tem o signifio que o onteimento impli trnsição o esto zero pr o pr ( reg, on ). Guis prátios STR 9-7

8 StteFlow toolox Chime Alrme_2 StopWth Zero [in off] Moos Disply 1 Regulr Run 2 on [in on] Lp off Upte_2 min_1 m Printe 27-My :39:34 Fig. 9-7: Cronometro No entnto n versão orrente o stteflow não é possível tl uso junção. De fto só um s ifurções poe oorrer epeneno e um onição. Como os esto são ortogonis (AND), melhor será utilizr o evento pr o super esto Moos, e inir om trnsições por efeito que os estos iniiis serão Regulr e. O oneito e ortogonlie poe tmém ser visto, neste exemplo, num nível mis elevo. Consierno que, no nível mis elevo possível o relógio ou tem teri (om sufiiente pie) e está trlhr ( vivo ), ou não tem ou está fr e mis e o relógio não trlh ( morto ). Guis prátios STR 9-8

9 StteFlow toolox Vivo Prinipl 1 Esto_lrme_12 Luz 3 Insere_teri Esto_lrme_24 Remove_teri Morto Esto_himie 6 Bteri 5 Bteri_exust Printe 27-My :02:24 Fig. 9-8: Nível mis lto o igrm O esto vivo poe ser onsiero omo um onjunto e 6 estos ortogonis: o prinipl, envolveno os isplys e os eeps os lrmes, 3 estos e enle/isle os lrmes e o hime, esto teri e luz o relógio. Existe no entnto um prolem qunto o histório. Ao se retirr teri ever-se-í limpr toos os registo e efetur um reset, no entnto orrente versão o stteflow não o permite. Guis prátios STR 9-9

10 Moos Disply 1 Regulr Lp [in off] [in on] Zero Run 2 on off StteFlow toolox Vivo Prinipl 1 Displys k Esto_lrme_1 2 E sper B eep_lrmes Disle Luz 3 seg_2_e_esper no_ tempo Dt B eep_a lrme_1 [in A lrme_1.] E nle [in A lrme_1.] no_ min_2_em_dt T_heg T1[P 1] Esto_lrme_24 Crreg_em_qulquer_oto Disle [in A lrme_2.] [in A lrme_2.] E nle B eep_a lrme_2 S topwth Chime A lrme_2 A lrme_1 T_heg T2[P 2] Esto_himie 6 Disle Bteri 5 OK segunos_30_e_toque [in Chimie.on] B teri_fr B eep_mos E nle Quieto [in Chimie.off] Pisr Upte_2 Upte_1 T_um_hor S eg_2_em_b eep T_heg T1[P ] A_tor Printe 27-My :05:02 Fig. 9-9: Os 6 su-estos ortogonis e vivo Note-se que os estos e enle/isle os lrmes e o hime estão iretmente relionos om os orresponentes estos on/off o isply. Est é um mneir e moelr s onsequênis e um munç e esto. Guis prátios STR 9-10

11 StteFlow toolox 1 Esto_lrme_1 2 Disle Luz 3 [in Alrme_1.] [in Alrme_1.] Enle no_ Esto_lrme_24 Disle [in Alrme_2.] Enle [in Alrme_2.] Re Esto_himie 6 Printe 27-My :09:56 Bteri 5 Fig. 9-10: Estos o Alrme Tem-se em segui e moelr o teste e toque. Este ontee quno se rreg em e simultnemente. Como é impossível rregr ns us tels simultnemente, tem-se e moelr este efeito onforme se ilustr n figur seguinte. Assim se se pressionr primeiro pss-se pr o esto E_10. Depois se se pressionr mnteno pressiono, pss o esto eep e exeut o teste e toque. Repre-se que estno em E_10 e lrgno volt-se o esto E_00. O omportmento é semelhnte se for primeiro pressiono e epois, e está represento no rmo ireito o igrm. Estos E_00; E_01 e eep. Além isso, se se pretener que est ção só sej váli em ois moos e isply, tempo e t, este esto eve ser ortogonl om o OU-Exlusivo este últimos. Finlmente se se estiver nos moos e lrme ou e hime, so se psse 2 minutos sem qulquer tivie, o relógio pss o moo regulr e tempo. Est situção envolve pens rir um super-esto e um trnsição iionl. Guis prátios STR 9-11

12 StteFlow toolox Teste_eep 2 E_00 no_ no_ E_10 E_01 no_ eep no_ T_heg Crreg_ Printe 02-Jun :30:18 Fig. 9-11: Teste e toque (eep) Até gor os eventos exteriores o sistem (rregr ns tels) pens têm uso munçs interns e esto o nosso sistem. É neessário introuzir lgum formlismo pr espeifir relizção e ções, sejm els externs ou interns o sistem. Assim ns trnsições, lém e se poer espeifir um onição, eve ser espeifi um ção que é ger so onição sej vereir (ção1) e so trnsição se verifique (ção2). A sintxe utiliz é: evento [onição] {ção1} / {ção1} De slientr que se mite que ção é instntâne. Pelo ontrário, tivies emorm um tempo finito n su relizção, e estão ssois om estos, e não om trnsições. Assim, ssoio om um esto, poem ser espeifis tivies n entr o esto, n su sí e ontinumente, urnte o períoo que o esto está tivo. Guis prátios STR 9-12

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005 Zelio Logi 2 Interfe e omunição SR2COM01 Aju pr utilizção pst e explorção 11/2005 1606327 Aju pr utilizção pst e explorção Desrição gerl Introução A pst e explorção é um fiheiro e texto rio pelo softwre

Leia mais

Manual de Utilização do UpLoad BR

Manual de Utilização do UpLoad BR Mnul_UpLo_BR_20121128.o Mnul e Utilizção o UpLo BR Mnul_UpLo_BR_20121128.o ÍNDICE INFORMAÇÕES IMPORTANTES DA OPERADORA... 3 ACESSANDO O APLICATIVO... 3 MENU SELEÇÃO DE OPERADORA... 4 MENU CADASTROS...

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

Professor Sérgio Furgeri. Pilhas. O primeiro a entrar é o último a sair e o último a entrar o primeiro a sair (LIFO Last-In First-Out).

Professor Sérgio Furgeri. Pilhas. O primeiro a entrar é o último a sair e o último a entrar o primeiro a sair (LIFO Last-In First-Out). Pilhs Pilhs Pilh é um tipo e list one tos s operções e inserção e remoção são feits n mesm extremie (Topo). O primeiro entrr é o último sir e o último entrr o primeiro sir (LIFO Lst-In First-Out). Trt-se

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

Cinemática de uma Partícula Cap. 12

Cinemática de uma Partícula Cap. 12 MECÂNIC - DINÂMIC Cinemáti e um Prtíul Cp. Objetios Introuzir os oneitos e posição, eslomento, eloie e elerção Estur o moimento e um ponto mteril o longo e um ret e representr grfimente esse moimento Inestigr

Leia mais

Sumário Conjuntos Nebulosos - Introdução. Conjuntos Clássicos. Conjuntos Clássicos. Problemas/Conjuntos Clássicos. Operações com conjuntos clássicos

Sumário Conjuntos Nebulosos - Introdução. Conjuntos Clássicos. Conjuntos Clássicos. Problemas/Conjuntos Clássicos. Operações com conjuntos clássicos Sumário Conjuntos Neulosos - Introução rino Joquim e O Cruz NCE e IM UFRJ rino@ne.ufrj.r Se voê tem um mrtelo tuo irá preer um prego triuío Dinísio e gpunt (3 C) Conjuntos Clássios Função e Inlusão em

Leia mais

Análise de Algoritmos Gabarito da Primeira Prova

Análise de Algoritmos Gabarito da Primeira Prova Análise e Algoritmos Gbrito Primeir Prov Tópios: Funmentos e nálise e lgoritmos e lgoritmos pr orenção Instituto e Ciênis Exts, Universie e Brsíli 22 e bril e 2009 Prof. Muriio Ayl-Rinón Funmentos: relções

Leia mais

MODELO MODA ANALÓGICO-DIGITAL COM DATA/HORA QFL103BA

MODELO MODA ANALÓGICO-DIGITAL COM DATA/HORA QFL103BA PORTUGUÉS OSERVÇÃO: Se não encontrar aqui o mecanismo do seu relógio, consulte www.adidas.com/watches. MOELO MO NLÓGIO-IGITL OM T/HOR QFL103 LTERNR VISULIZÇÃO 1. Prima para passar do modo hora para o modo

Leia mais

Exame Nacional de 2006 1. a chamada

Exame Nacional de 2006 1. a chamada 1. Muitos os estuntes que usm mochils trnsportm irimente peso mis pr su ie. 1.1. Pr evitr lesões n colun verterl, o peso e um mochil e o o mteril que se trnsport entro el não evem ultrpssr 10% o peso o

Leia mais

PORTUGUÊS. OBSERVAÇÃO: Se não encontrar aqui o mecanismo do seu relógio, consulte www.adidas.com/watches.

PORTUGUÊS. OBSERVAÇÃO: Se não encontrar aqui o mecanismo do seu relógio, consulte www.adidas.com/watches. PORTUGUÊS OBSERVÇÃO: Se não encontrar aqui o mecanismo do seu relógio, consulte www.adidas.com/watches. PEHTREE FL145GB MOO E VISULIZÇÃO E TEMPO NORML 1. Prima para iluminação em qualquer modo. 2. Prima

Leia mais

Medidas de Associação.

Medidas de Associação. Meis e Assoição. O álulo e meis propris frequêni e um oenç é bse pr omprção e populções, e, onsequentemente, pr ientifição e eterminntes oenç. Pr fzer isto e mneir mis efiz e informtiv, s us frequênis

Leia mais

MÉTODOS MATEMÁTICOS 2 a Aula. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta

MÉTODOS MATEMÁTICOS 2 a Aula. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta MÉTODOS MATEMÁTICOS Aul Clui Mzz Dis Snr Mr C. Mlt Introução o Conceito e Derivs Noção: Velocie Méi Um utomóvel é irigio trvés e um estr cie A pr cie B. A istânci s percorri pelo crro epene o tempo gsto

Leia mais

O atrito de rolamento.

O atrito de rolamento. engengens. Obseve-se que s foçs de tito de olmento epesentds n figu (F e f ) têm sentidos opostos. (Sugeimos que voê, ntes de possegui, poue i um modelo que pemit expli s foçs de tito de olmento). "Rffiniet

Leia mais

Integrais Impróprios

Integrais Impróprios Integris Impróprios Extendem noção de integrl intervlos não limitdos e/ou funções não limitds Os integris impróprios podem ser dos seguintes tipos: integris impróprios de 1 espéie v qundo os limites de

Leia mais

5(6,67Ç1&,$(&$3$&,7Æ1&,$

5(6,67Ç1&,$(&$3$&,7Æ1&,$ 59 5(6,67Ç&,$(&$3$&,7Æ&,$ ÃÃ5(6,67Ç&,$Ã(Ã/(,Ã'(Ã+0 No pítulo 6 efinimos ução J σ omo seno um ensie e oente e onução. Multiplino mos os los po um áe S, el fiá: J.S σs (A (8. σs (A (8. Se o mpo elétio fo

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES Polems Resolvios e Físi Pof. Aneson Cose Guio Depto. Físi UFES HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES 16. N som A + = C, o veto A

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

c) S = S = log 4 (log 3 9) + log 2 (log 81 3) + log 0,8 (log 16 32) 8. Calcule:

c) S = S = log 4 (log 3 9) + log 2 (log 81 3) + log 0,8 (log 16 32) 8. Calcule: Aulão Esprtno Os 00 e Logritmo Prof Pero Felippe Definição Clule pel efinição os seguintes ritmos: ) (/8) ) 8 ) 0,5 Clule pel efinição os seguintes ritmos: ) 6 ) 7 (/7) ) 9 (/7) ) (/9) e) 7 8 f) 0,5 8

Leia mais

Início. Guia de Configuração Rápida MFC-9460CDN. o aparelho e verifique os componentes AVISO CUIDADO

Início. Guia de Configuração Rápida MFC-9460CDN. o aparelho e verifique os componentes AVISO CUIDADO Gui e Configurção Rápi Iníio MFC-9460CDN Antes e usr este prelho pel primeir vez, lei este Gui e Configurção Rápi pr onfigurá-lo e instlá-lo. Pr visulizr o Gui e Configurção Rápi em outros iioms, visite

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL DE TRNSFORMDORES Por Rfel rdoso. NTRODUÇÃO O prinípio d proteção diferenil é de que som ds

Leia mais

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Gui e Configurção Rápi Iníio MFC-7360N MFC-7460DN Antes e instlr este equipmento, lei seção e Segurnç e Questões Legis. Em segui, utilize o Gui e Configurção Rápi, que ontém instruções pr onfigurção e

Leia mais

OBSERVAÇÃO: Se não encontrar aqui o mecanismo do seu relógio, consulte www.adidas.com/originalswatches.

OBSERVAÇÃO: Se não encontrar aqui o mecanismo do seu relógio, consulte www.adidas.com/originalswatches. OSERVÇÃO: Se não encontrar aqui o mecanismo do seu relógio, consulte www.adidas.com/originalswatches. INSTRUÇÕES NLÓGIS ERTO HOR 1. Puxe a coroa para fora para a posição 2. 2. Rode a coroa para acertar

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais

OBI2015 Caderno de Soluções

OBI2015 Caderno de Soluções OLIMPÍADA BRASILEIRA DE INFORMÁTICA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO OBI2015 Cerno e Soluções Molie Iniição Nível 2, Fse 1 8 e mio e 2015 A PROVA TEM DURAÇÃO DE 2 HORAS Promoção: Apoio: v1.0 Olimpí Brsileir

Leia mais

Aula. Transformações lineares hlcs

Aula. Transformações lineares hlcs UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Aul Álger Liner Trnsformções lineres hls Resumo Trnsformções lineres Definição Núleo Imgem Definição Relção entre espços vetoriis Preservção e operções* Aplição

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

o aparelho da embalagem e verificar os componentes Cartuchos de Tinta Iniciais

o aparelho da embalagem e verificar os componentes Cartuchos de Tinta Iniciais Gui e Instlção Rápi Iníio MFC-J5910DW Lei o Gui e Segurnç e Prouto ntes e onfigurr o prelho. Em segui, lei este Gui e Instlção Rápi pr o instlr e onfigurr orretmente. ADVERTÊNCIA AVISO ADVERTÊNCIA ini

Leia mais

o aparelho e verifique os componentes Preto Amarelo Ciano Magenta Cartuchos de tinta iniciais

o aparelho e verifique os componentes Preto Amarelo Ciano Magenta Cartuchos de tinta iniciais Gui e Configurção Rápi Iníio MFC-J590DW Origo por esolher Brother, seu poio é importnte pr nós e vlorizmos su preferêni. Seu prouto Brother foi projeto e frio nos mis ltos prões pr ter um esempenho onfiável,

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II INTEGRAIS MÚLTIPLAS

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II INTEGRAIS MÚLTIPLAS CÁLCULO IFEENCIAL E INTEGAL II INTEGAIS MÚLTIPLAS A ierenç prinipl entre Integrl eini F ) F ) e s Integris Múltipls resie no to e que, em lugr e omeçrmos om um prtição o intervlo [, ], suiviimos um região

Leia mais

Início. Guia de Instalação Rápida HL-4570CDW HL-4570CDWT. o aparelho e verifique os componentes ADVERTÊNCIA AVISO. Nota

Início. Guia de Instalação Rápida HL-4570CDW HL-4570CDWT. o aparelho e verifique os componentes ADVERTÊNCIA AVISO. Nota Gui e Instlção Rápi Iníio (pens UE) HL-4570CDW HL-4570CDWT Antes e utilizr este prelho pel primeir vez, lei este Gui e Instlção Rápi pr o onfigurr e instlr. Pr ver o Gui e Instlção Rápi noutros iioms,

Leia mais

o aparelho e verifique os componentes

o aparelho e verifique os componentes Gui e Configurção Rápi Iníio MFC-J6510DW MFC-J6710DW Lei o folheto Segurnç e Questões Legis ntes e instlr seu prelho. Depois lei este Gui e Configurção Rápi pr onfigurção e instlção orrets. AVISO CUIDADO

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Propriedades das Linguagens Regulares

Propriedades das Linguagens Regulares Cpítulo 5 Proprieddes ds Lingugens Regulres Considerndo um lfeto, já vimos que podemos rterizr lsse ds lingugens regulres sore esse lfeto omo o onjunto ds lingugens que podem ser desrits por expressões

Leia mais

Eletrônica Digital Moderna e VHDL Volnei A. Pedroni, Elsevier, Soluções dos Exercícios Ímpares dos Capítulos 11 14

Eletrônica Digital Moderna e VHDL Volnei A. Pedroni, Elsevier, Soluções dos Exercícios Ímpares dos Capítulos 11 14 Eletrôni Digitl Moern e VHDL Volnei A. Peroni, Elsevier, 2 Trução (om revisão, tulizção e mplição) e Digitl Eletronis n Design with VHDL Elsevier / Morgn Kufmnn, USA, 28 Cpítulo : Ciruitos Cominionis Lógios

Leia mais

ADVERTÊNCIA indica uma situação potencialmente perigosa que, se não for evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

ADVERTÊNCIA indica uma situação potencialmente perigosa que, se não for evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Gui e Instlção Rápi Iníio MFC-7360N MFC-7460DN Lei o folheto Segurnç e Questões Legis ntes e instlr o seu equipmento. Em segui, lei o Gui e Instlção Rápi pr oter informções sore onfigurção e instlção orret.

Leia mais

Aula 5: Autômatos Finitos Remoção de Não-Determinismo

Aula 5: Autômatos Finitos Remoção de Não-Determinismo Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 DAINF-UTFPR Aul 5: Autômtos Finitos 3 Prof. Rirdo Dutr d Silv 5. Remoção de Não-Determinismo As lsses de utômtos definids nteriormente são tods equivlentes. Vmos

Leia mais

Lic. Ciências da Computação 2009/10 Exercícios de Teoria das Linguagens Universidade do Minho Folha 6. δ

Lic. Ciências da Computação 2009/10 Exercícios de Teoria das Linguagens Universidade do Minho Folha 6. δ Li. Ciênis d Computção 2009/10 Exeríios de Teori ds Lingugens Universidde do Minho Folh 6 2. Autómtos finitos 2.1 Considere o utómto A = (Q,A,δ,i,F) onde Q = {1,2,,4}, A = {,}, i = 1, F = {4} e função

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

MICROECONOMIA TÓPICOS DE RESOLUÇÃO

MICROECONOMIA TÓPICOS DE RESOLUÇÃO MICROECONOMIA TÓICOS DE RESOLUÇÃO 4. Aplições o Moelo e rour e Ofert (Triutção, Controle e reços, reços Não Lineres e Comério Internionl) 4.1) Consiere que o mero gsolin present urvs e prour e ofert s

Leia mais

Anexo I Registo especial. Registo especial da instituição financeira

Anexo I Registo especial. Registo especial da instituição financeira Registo espeil Número Únio de Referêni (NUR): (Pr uso do BNA) Dt de entreg do Anexo: (Pr uso do BNA) Anexo I Registo espeil Registo espeil d instituição finneir De form efetur o registo espeil ds instituições

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br USOPE USO PEPAATÓIO PAA ONUSOS EM ELETOTÉNIA PE ELETIIDADE (Ligções SÉI E E PAALELA. EDE DELTA E ESTELA) AULA Prof.: Jen WWW.esoldoeletrotenio.om.r 0 de Setemro de 007 LIGAÇÕES SÉIES E PAALELAS USOPE.

Leia mais

3. LOGARITMO. SISTEMA DE LOGARITMO

3. LOGARITMO. SISTEMA DE LOGARITMO 0. LOGARITMO. SISTEMA DE LOGARITMO.. LOGARITMO ritmo. Agor que já "semos" o que é, podemos formlizr definição de Definição Sejm e números reis positivos, om. Chm-se ritmo de n se, o epoente que stisfz

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

o equipamento da embalagem e verificar os componentes Conjunto de unidade do tambor e cartucho de toner (pré-instalado)

o equipamento da embalagem e verificar os componentes Conjunto de unidade do tambor e cartucho de toner (pré-instalado) Gui e Instlção Rápi Iníio MFC-8950DW(T) Lei primeiro o Gui e Segurnç e Prouto e epois este Gui e Instlção Rápi pr exeutr orretmente o proeimento e instlção e onfigurção. Pr ver o Gui e Instlção Rápi noutros

Leia mais

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves.

AVISO indica uma situação potencialmente perigosa que, se não evitada, pode resultar em morte ou ferimentos graves. Gui e Configurção Rápi Iníio DCP-7055 / DCP-7057 DCP-7060D / DCP-7065DN Antes e instlr este equipmento, lei seção e Segurnç e Questões Legis. Em segui, utilize o Gui e Configurção Rápi, que ontém instruções

Leia mais

2.1. Integrais Duplos (definição de integral duplo)

2.1. Integrais Duplos (definição de integral duplo) Análise Mtemáti II- no letivo 6/7.. Integris uplos (efinição e integrl uplo) Pr melhor ompreener efinição e integrl uplo vmos omeçr por olor o seguinte esfio: Tene eterminr o volume o sólio que está im

Leia mais

Valoração de Grafos. Fluxo em Grafos. Notas. Teoria dos Grafos - BCC 204, Fluxo em Grafos. Notas. Exemplos. Fluxo em Grafos. Notas.

Valoração de Grafos. Fluxo em Grafos. Notas. Teoria dos Grafos - BCC 204, Fluxo em Grafos. Notas. Exemplos. Fluxo em Grafos. Notas. Teori o Grfo - BCC 204 Fluxo em Grfo Hrolo Gmini Sno Univerie Feerl e Ouro Preo - UFOP 19 e ril e 2011 1 / 19 Vlorção e Grfo Exemplo vlore eáio: iâni roovi que lig ie e ie é e 70 kilômero vlore inâmio:

Leia mais

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária

Anexo I Requerimento. Requerimento para autorização de constituição de instituição financeira bancária Constituição e IF Banária Número Únio e Referênia (NUR): (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Data e entrega o Anexo: (Para uso o BNA) Clik here to enter text. Anexo I Requerimento Requerimento para

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO HORÁRIO E ULS 2º SEMESTRE E 2016 1.º PERÍOO ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN 101 INTROUÇÃO À FILOSOFI: ÉTI FIL

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

Hewlett-Packard O ESTUDO DA RETA. Aulas 01 a 05. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz

Hewlett-Packard O ESTUDO DA RETA. Aulas 01 a 05. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Hewlett-Pkrd O ESTUDO DA RETA Auls 01 05 Elson Rodrigues, Griel Crvlho e Pulo Luiz Sumário EQUAÇÃO GERAL DA RETA... 2 Csos espeiis... 2 Determinção d equção gerl de um ret prtir de dois de seus pontos...

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

procedimentos conteúdo

procedimentos conteúdo proeimentos onteúo omo omeçr? 1 omo trnsferir minhs fits pr um iso? 2 omo rir um filme DVD? 6 omo eitr um iso e filmes DVD? 10 omo eitr meus rquivos e víeo? 13 omo rir um iso e presentção e slies? 18 omo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano AGUPAMENO DE EOLA DE MOÁGUA Gomti Fih lho Nº 0 0º Ano Osv igu o lo... Ini so istm: ois plnos ppniuls us ts plls um t post um plno um t snt o plno FIH us ts não omplns. s oons os vétis... Qul posição ltiv

Leia mais

APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA MÓDULO

APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA MÓDULO POSTIL ELÉTRI PR ELETRÔNI MÓULO - 1 UL 7 Na figura 1, temos um circuito alimentado por uma tensão de 12 volts, tendo como carga 3 resistores: R1 com 1k; R2 com 1k e R3 também com 1k. Fica fácil concluir

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 9 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 9 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro Teori dos Jogos Prof. Muríio Bugrin Eo/UnB -I Roteiro Cpítulo : Jogos dinâmios om informção omplet. Jogos Dinâmios om Informção Complet e Perfeit. Jogos Dinâmios om Informção Complet ms imperfeit Informção

Leia mais

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A]

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A] . (Ufrgs 0) Assinle lterntiv ue preenche corretmente s lcuns no fim o enuncio ue segue, n orem em ue precem. Três esfers metálics iêntics, A, B e C, são monts em suportes isolntes. A esfer A está positivmente

Leia mais

Dinâmica dos corpos rígidos

Dinâmica dos corpos rígidos Dinâmi dos orpos ríidos Moimento em D Métodos de resolução Num instnte prtiulr: Equções de moimento Moimento finito: Prinípio d onserção de eneri meâni (forçs onsertis) Disiplin DCR, Z. Dimitrooá, DEC/FCT/UNL,

Leia mais

PV nrt V. (isocórico) P V. Resumo e Exemplos Resolvidos Processos Termodinâmicos - Física Prof. Dr. Cláudio S.

PV nrt V. (isocórico) P V. Resumo e Exemplos Resolvidos Processos Termodinâmicos - Física Prof. Dr. Cláudio S. Resumo e Exemplos Resolvios roessos Termoinâmios - Físi ro. Dr. láuio S. Srtori Lei termoinâmi: U W roessos termoinâmios omuns 2 Lei Termoinâmi: uno se inluem toos os sistems que tomm prte num proesso,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

2 Patamar de Carga de Energia

2 Patamar de Carga de Energia 2 Ptmr de Crg de Energi 2.1 Definição Um série de rg de energi normlmente enontr-se em um bse temporl, ou sej, d unidde dess bse tem-se um informção d série. Considerndo um bse horári ou semi-horári, d

Leia mais

Pré-Teste de SAVC 2011

Pré-Teste de SAVC 2011 Pré-Teste e SAVC 2011 1. Dez minutos pós um mulher e 85 nos sofrer um olpso, os prméios hegm e iniim RCP pel primeir vez. O monitor revel presenç e FV fin (ix mplitue). Qul s seguintes ções eve ser feit

Leia mais

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor.

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor. Colégio Ténio Antônio Teieira Fernandes Disiplina ICG Computação Gráfia - 3º Anos (Informátia) (Lista de Eeríios I - Bimestre) Data: 10/03/2015 Eeríios 1) Elabore um proedimento em C++ que passe os pares

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402 HORÁRIO E ULS 1º SEMESTRE E 2015 1.º PERÍOO TURMS e : SL 1401 TURMS e : SL 1402 ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO Pr Ordendo RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 06 RELAÇÕES E FUNÇÕES O pr ordendo represent um ponto do sistem de eixos rtesinos. Este sistem é omposto por um pr de rets perpendiulres. A ret horizontl é hmd de eixo

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

Álgebras Derivadamente Mansas com Três Módulos Simples

Álgebras Derivadamente Mansas com Três Módulos Simples UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Álgers Derivmente Mnss om Três Móulos Simples Arin Xvier Freits Belo Horizonte, novemro e 06 Arin Xvier Freits

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2015-II. Aula 7 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2015-II. Aula 7 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro Teori dos Jogos Prof. Muríio Bugrin Eo/UnB 5-II Roiro Cpítulo : Jogos dinâmios om informção omplet. Jogos Dinâmios om Informção Complet e Perfeit orm exnsiv Estrtégis Equilíbrio de Nsh Subjogos e equilíbrio

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

canal 1 canal 2 t t 2 T

canal 1 canal 2 t t 2 T ircuito L (Prova ) --7 f [khz] L T [s] s canal canal t t T Fig. ircuito usado Tarefas: ) Monte o circuito da figura usando o gerador de funções com sinais harmônicos como força eletromotriz. Use um resistor

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

Bateria de Exercícios Matemática II. 1 Determine os valores de x e y, sabendo que os triângulos ABC e DEF são semelhantes:

Bateria de Exercícios Matemática II. 1 Determine os valores de x e y, sabendo que os triângulos ABC e DEF são semelhantes: Colégio: Nome: nº Sem limite pr reser Professor(): Série: 1ª EM Turm: Dt: / /2013 Desonto Ortográfio: Not: Bteri de Exeríios Mtemáti II 1 Determine os vlores de x e y, sendo que os triângulos ABC e DEF

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Laboratório de Circuitos Polifásicos e Magnéticos

Laboratório de Circuitos Polifásicos e Magnéticos ortório de Ciruitos Polifásios e Mgnétios PÁTICA 3 CICUITOS TIFÁSICOS EQUIIBADOS E DESEQUIIBADOS OBJETIVOS: O ojetivo d práti é lulr orrentes/tensões em iruitos trifásios equilirdos e desequilirdos efetundo

Leia mais

TIME TRAVELLER. Módulo No. 5429. Smartphone link com horário mundial em 300 cidades

TIME TRAVELLER. Módulo No. 5429. Smartphone link com horário mundial em 300 cidades SMRTPHONE LINK EQB-510 Pontos para Vendas / Guia Rápido de Operação TIME TRVELLER Smartphone link com horário mundial em 300 cidades hristian Horner hefe Principal Infiniti Red Bull Racing onexão com um

Leia mais

índice 1. Registro 2. Perfil 3. A minha rede 4. A partilha na Weduc 5. Mensagens

índice 1. Registro 2. Perfil 3. A minha rede 4. A partilha na Weduc 5. Mensagens índie 1. Registro 1.1. Registro Externo...5 1.2. Registro por reepção de um emil...8 1.2.1 Registro por meio de envio de um emil...8 1.2.2 Registro por meio d rição...9 2. Perfil 2.1. A opção multiperfil...11

Leia mais

Atendimento WEB TISS ECONOMUS Ver 1-A Out-08.doc. Manual de Atendimento

Atendimento WEB TISS ECONOMUS Ver 1-A Out-08.doc. Manual de Atendimento Mnul de Atendimento ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO... 3 MOVIMENTO MANUAL... 3 DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR... 3 CONSULTAS TISS COM COBRANÇA DE MATERIAL, MEDICAMENTOS E TAXAS... 3 COBRANÇA DE MATERIAL,

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Simulado 7: matrizes, determ. e sistemas lineares

Simulado 7: matrizes, determ. e sistemas lineares Simulo 7 Mtrizes, eterminntes e sistems lineres. b... e 6. 7. 8.. 0. b.. e. Simulo 8 Cirunferêni / Projeções / Áres. b 6. e 7. 8.. 0. Simulo Análise ombintóri / Probbilie / Esttísti. e.. e.. b... e.....

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

CILINDRO COMPACTO STOPPER Ø 20, Ø 32, Ø50, Ø 80

CILINDRO COMPACTO STOPPER Ø 20, Ø 32, Ø50, Ø 80 ILIRO OMPTO STOPPER Ø 20, Ø, Ø, Ø 0 Os cilindros compactos stopper são projetados para parar componentes em movimento. onfiguração magnética ou não magnética Simples ação - haste do atuador reforçada e

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

FÍSICA. Resoluções. 1 a Série Ensino Médio. Após a inversão dos movimentos, os módulos das velocidades foram trocados.

FÍSICA. Resoluções. 1 a Série Ensino Médio. Após a inversão dos movimentos, os módulos das velocidades foram trocados. LIMÍD DE FÍSIC Resoluções 01 0 E 03 D r o sistem vetoril cito n questão, tem-se o seguinte: + + c S c Inverteno qulquer um os vetores, tem-se seguinte situção: S S vetor som o inverter qulquer um os vetores,

Leia mais

15 A Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica

15 A Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica Pro. Anerson Coser Guio PROBLEMAS RESOLIDOS DE FÍSICA Dertmento e Físi Centro e Ciênis Exts Uniersie Feerl o Esírito Snto htt://www.e.ues.r/nerson nerson@n.ues.r Últim tulizção: 8//006 :7 H 5 A Entroi

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV 1/9 arga e Descarga de apacitores Objetivos: Levantar as curvas características de carga e descarga de capacitores; Determinar a capacitância através das curvas ln( i) tempo na carga e descarga. Equipamentos:

Leia mais

Fio de tecido. m laser. = a. = a. Difração de um fio. Difração de uma fenda simples

Fio de tecido. m laser. = a. = a. Difração de um fio. Difração de uma fenda simples Problem 8 Os fbricntes e fios às vezes usm um lser pr monitorr continumente espessur o prouto. O fio intercept luz o lser, prouzino um figur e ifrção preci com e um fen com mesm lrgur que o iâmetro o fio.

Leia mais

ENGINSTREL ENGEMATIC. ANUNCIADOR DE ALARME Série 84: Microprocessado CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

ENGINSTREL ENGEMATIC. ANUNCIADOR DE ALARME Série 84: Microprocessado CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ENGINSTREL ENGEMTI NUNIOR E LRME Série : Microprocessado ESRIÇÃO O nunciador de larme é um conjunto centralizado que possibi!ita uma supervisão das condições de seu processo industrial. Estas condições

Leia mais

1 Áreas de figuras planas

1 Áreas de figuras planas Nome: n o : Ensino: Médio érie: ª. Turm: Dt: Professor: Mário esumo 1 Áres de figurs plns 1.1 etângulo h. h 1. Qudrdo 1. Prlelogrmo h. h 1.4 Trpézio h B h B 1.5 Losngo d Dd. D 1.6 Triângulos 1.6.1 Triângulo

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0 EQUAÇÃO DA RETA NO PLANO 1 Equção d ret Denominmos equção de um ret no R 2 tod equção ns incógnits x e y que é stisfeit pelos pontos P (x, y) que pertencem à ret e só por eles. 1.1 Alinhmento de três pontos

Leia mais