FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EPGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EPGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE ÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL Disseração submeida à Congregação da Escola de ós Graduação em Economia (EGE-FGV) para obenção do Grau de Mesre em Economia por Luiz Ocavio Mendes de Abreu ORIENTADOR: rofessor Ricardo Cavalcani Rio de Janeiro, RJ. Dezembro/2002

2 RESUMO No rabalho Equilibrium Valuaion of Illiquid Asses John Krainer e Sephen F. LeRoy desenvolvem um modelo baseado em pesquisa e apropriação e classificam os imóveis como aivos ilíquidos, ou seja, para a efeivação das suas ransações é necessário um lapso de empo e que o comporameno óimo dos compradores e vendedores é inconsisene com a imediaa realização dessas ransações. Com inuio de confirmar se a afirmação de Krainer e LeRoy se aplica ao caso brasileiro e quanificar a duração desse lapso, esa disseração eve por objeivo deerminar o empo médio de venda para os imóveis em lançameno localizados nas cidades de Belo Horizone, Goiânia, oro Alegre e Recife, no período de janeiro de 997 a dezembro de 200. Inicialmene foram calculadas as probabilidades de venda dos imóveis ( is ) e a parir dessas is foram calculados os empos médios de venda dos imóveis. ara o esabelecimeno dessas probabilidades foram desenvolvidos programas usados no aplicaivo compuacional Malab (versão release 2). ôde-se consaar que as ransações imobiliárias nos mercados esudados só ocorrem após um lapso de empo, que variou de oio meses a rês anos. 2

3 Dedico ese rabalho à Maria Helena, arícia e Ana Luiza. 3

4 AGRADECIMENTOS Inicialmene, gosaria de expressar oda a minha graidão ao meu orienador, o rofessor Ricardo Cavalcani, que, com inesgoável paciência e insuperável apoio, comparilhou comigo pare de seu conhecimeno, provendo-me sempre com a informação precisa e necessária para que eu prosseguisse e pudesse alcançar ese objeivo. Sou ambém muio grao aos rofessores Arilon Teixeira e Renao Fragelli Cardoso que, como inegranes da banca examinadora, enriqueceram minha compreensão sobre o ema, por meio de seus comenários e sugesões inesimáveis, conribuindo para melhorar a qualidade final do rabalho. Agradeço imensamene ainda, aos inegranes do corpo écnico do CBIC, da FIEE, do SECOVI/S e do SINDUSCON/RS nas pessoas de Luciene ires Teixeira, Mônica Mercês, Robero Akazawa e Marco Túlio Kalil respecivamene, pela disponibilização de dados e de informações relevanes e a Jose Geraldo Maciel Junior por er, a seu modo, conribuído para que meu rabalho fosse realizado com êxio. Gosaria de desacar o meu reconhecimeno ao meu amigo Eduardo Ferreira Neo cuja conribuição para o alcance dese objeivo vai desde esclarecimenos nas dúvidas mais olas aé o auxílio na obenção dos dados e manuseio dos uiliários compuacionais, exrapolando, em muio, qualquer expecaiva que eu pudesse er. Minha eerna graidão aos meus pais, Sylvio Mourinho de Abreu e Maria Helena Mendes de Abreu, pelo exemplo, incenivo e supore incondicionais que nunca me falaram, e, em especial, à minha esposa, arícia Gregorio de Casro e Abreu, e filha, Ana Luiza Gregorio de Casro e Abreu, pelo amor, compreensão, carinho e paciência que sempre me dispensaram em odas as ocasiões em que ive que me privar da companhia delas para me dedicar à elaboração dese rabalho. Finalmene, agradeço a odos que, além dos ciados, de uma forma ou de oura, conribuíram para a realização dese rabalho e ressalo que ese é um rabalho exclusivamene acadêmico, o auor não se responsabiliza por qualquer ouro uso que venha a ser dado a ele, sem, enreano, se eximir da responsabilidade pelos erros e omissões que por venura haja. 4

5 ÍNDICE INTRODUÇÃO...7 -RESENHA BELO HORIZONTE FORTALEZA GOIÂNIA MACEIÓ ORTO ALEGRE RECIFE RIO DE JANEIRO SÃO AULO ABORDAGEM TEÓRICA O MODELO CLASSIFICAÇÃO OS IMÓVEIS SERÃO CLASSIFICADOS SEGUNDO SAFRAS A SABER AROXIMAÇÕES UTILIZADAS DUAS SAFRAS TRÊS SAFRAS QUATRO SAFRAS DESENVOLVIMENTO DO MODELO º CASO DUAS SAFRAS AS ROBABILIDADES O EQUILÍBRIO DE LONGO RAZO TEMO MÉDIO DE VENDA º CASO TRÊS SAFRAS AS ROBABILIDADES O EQUILÍBRIO DE LONGO RAZO TEMO MÉDIO DE VENDA º CASO QUATRO SAFRAS AS ROBABILIDADES O EQUILÍBRIO DE LONGO RAZO TEMO MÉDIO DE VENDA

6 4- RESULTADO BELO HORIZONTE GOIÂNIA ORTO ALEGRE RECIFE RESUMO CONCLUSÃO...69 BIBLIOGRAFIA

7 INTRODUÇÃO Esa disseração visa apresenar um esudo sobre o mercado imobiliário brasileiro, mais especificamene sobre o mercado imobiliário das cidades de Belo Horizone, Goiânia, oro Alegre e Recife. Os imóveis são classificados, segundo John Krainer e Sephen F. LeRoy no rabalho Equilibrium Valuaion of Illiquid Asses publicado em seembro de 2.000, como sendo aivos ilíquidos, ou seja, são aivos que para a efeivação das suas ransações é necessário um lapso de empo e que o comporameno óimo dos compradores e vendedores é inconsisene com a imediaa realização dessas ransações. Sendo assim, com inuio de confirmar se a afirmação de Krainer e LeRoy se aplica ao mercado brasileiro e quanificar a duração desse lapso, esa disseração em o objeivo de deerminar o empo médio de venda para os imóveis em lançameno localizados naquelas cidades. A complexidade do mercado imobiliário, além das peculiaridades inerenes a odo mercado, pode ser verificada pela grande dificuldade de se ober informações relevanes e confiáveis que auxiliem na omada de decisão, agrega-se a iso o fao de que alguns órgãos deenores desas informações não poderem disponibilizá-las, ou não aendem por compleo as necessidades que se impõem. Denre esas limiações podem ser ciadas: a) Os carórios, pois as informações presadas por eses à Receia Federal, relaivas às ransações imobiliárias regisradas em seus livros, esão proegidas pelo sigilo fiscal, b) O IBGE (Insiuo Brasileiro de Geografia e Esaísica), em 988 e em 99, alerou o coneúdo do iem Indúsria da Consrução do seu Anuário Esaísico, o que dificulou muio, se não impossibiliou, o acompanhameno emporal dos iens que deixaram de ser publicados e c) As prefeiuras, que são os orgãos responsáveis pelo regisro e cadasrameno das concessões de licenças de obra, dos habie-se e das ransações imobiliárias aravés do ITBI (Imposo de Transmissão de Disponibilizado, via elerônica no endereço 7

8 Bens Imobiliários), informações que, de um modo geral, não esão disponíveis por quesões legais e/ou funcionais. Como forma de enar aender essa premene necessidade de informações, alguns órgãos represenaivos da classe empresarial do seor imobiliário das cidades de Belo Horizone, Foraleza, Goiânia, Maceió, oro Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São aulo começaram a desenvolver pesquisas no senido de oberem dados com os quais pudessem er um insrumeno de avaliação e acompanhameno do mercado e que ambém os auxiliassem em suas decisões. As pesquisas realizadas nesas cidades são feias com base em quesionários enviados, de um modo geral, aos seus associados (empresas da indúsria da consrução civil e incorporadoras) e não levam em consideração o mercado secundário. Não guardam, ambém, enre si, grande homogeneidade, como será viso no próximo capíulo. Denre a diversidade de dados coleados e de informações geradas nas já ciadas pesquisas, desaca-se a Velocidade de Vendas cujo objeivo é servir de parâmero para balizar as análises de comporameno e endências do mercado de produção e comercialização de imóveis. Ressale-se que denre as cidades ciadas, a cidade do Rio de Janeiro é, ainda, a única que não calcula al indicador. Nese cenário a Câmara Brasileira da Indusria da Consrução CBIC órgão que foi criado com o objeivo de raar das quesões ligadas à indusria de consrução e de ser a sua represenane em nível nacional e inernacional, em, denre ouras das suas aribuições, a de cenralizar e divulgar, resumidamene, em âmbio nacional, os resulados e alguns aspecos meodológicos das pesquisas de mercado imobiliário realizadas nas cidades mencionadas. Além disso, calcula e publica a VVBR Velocidade de Vendas Média Brasil que é definida e calculada da seguine forma: VVBR ercenual médio ponderado das velocidades de venda dos municípios que a calculam. onde: VVBR = n i= i VV i i onderador represena a ponderação relaiva de cada município, deerminada omando-se como base o volume de vendas no mês de referência. 8

9 VV i Velocidade de Vendas de cada município no mês de referência. O ponderador é a relação enre de número de unidades comercializadas em cada cidade pelo oal de vendas no mês de referência. onde: n i = n i= V i= i V i i É o ponderador relaivo de cada município; V i É o volume de vendas de cada município no mês da pesquisa. O Quadro I do Anexo I apresena a abela Cálculo da Velocidade de Vendas Média Brasil para o período de janeiro de 997 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC. Apesar de odos os esforços, não foi possível ober, nem com as fones ciadas, referências bibliográficas sobre a origem do conceio da Velocidade de Vendas. O presene rabalho esá dividido em cinco capíulos, dois anexos e um apêndice. O primeiro capíulo RESENHA é composo por um painel das pesquisas elaboradas por enidades da classe empresarial do mercado imobiliário brasileiro. O segundo capíulo ABORDAGEM TEÓRICA expõe uma sinopse da modelagem eórica feia por John Krainer e Sephen F. LeRoy no rabalho Equilibrium Valuaion of Illiquid Asses publicado em seembro de No erceiro capíulo MODELO é desenvolvido um esudo que permie serem alcançados, com a uilização do aplicaivo compuacional Malab, os objeivos desa disseração. Os resulados e análises serão apresenados no quaro capíulo RESULTADOS e no quino capíulo CONCLUSÃO. O Anexo I coném as abelas divulgadas pela CBIC. No Anexo II são apresenados o banco de dados e os programas que foram desenvolvidos e usados no aplicaivo compuacional Malab (versão release 2). O Apêndice I apresena os resulados da aplicação do modelo dese rabalho para a cidade de São aulo a parir de uma adapação da abela divulgada pelo CBIC. 9

10 RESENHA A seguir são apresenados alguns aspecos das pesquisas e a meodologia de cálculo da V.V. das já ciadas cidades para o ano de BELO HORIZONTE Alguns aspecos da pesquisa divulgada pelo IEAD/UFMG 2. A pesquisa é feia aravés de um levanameno mensal nos mercados de locação, consrução e comercialização de imóveis residenciais e comerciais e busca ober informações quano ao preço de venda (à visa) dos imóveis novos; quanidade oferada; novos empreendimenos; ipo de financiameno e eságio de consrução. Os imóveis são separados, primeiramene, por ipo: aparamenos (simples ou de coberura) ; lojas (inernas ou exernas); salas; garagens; andares corridos; casas; barracões e galpões. Em seguida os imóveis são classificados pela sua localização ou ipo de bairro segundo a classe de renda. ara esa classificação exise uma abela que apresena os bairros com suas respecivas classes. BAIRROS CLASSE TIO opular 2 Médio 3 Alo 4 Luxo oseriormene os aparamenos, casas e barracões são divididos pelo número de quaros e banheiros, formando grupos segundo ese criério, que por sua vez são formados por subgrupos segundo o ipo de bairro. O cálculo da Velocidade de Vendas do mercado imobiliário da cidade de Belo Horizone é feio uilizando-se a seguine expressão. onde: VV = ( Of. An. Of. A. ) Of. An. 2 Insiuo de esquisas Econômicas, Adminisraivas e Conábeis da Universidade Federal de Minas Gerais. 0

11 Of. An. Ofera Anerior. Of. A. Ofera Aual. Unidades Comercializadas Ofera Anerior Ofera Aual. O Quadro II do Anexo I apresena a abela da V.V. na cidade de Belo Horizone para o período de janeiro de 997 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC..2 FORTALEZA Alguns aspecos da pesquisa divulgada pela FIEC 3 e SINDUSCON/CE 4. A pesquisa é feia aravés de um levanameno realizado mensalmene nos mercados de imóveis residenciais e comerciais, juno às Indúsrias de Seor da Consrução Civil do Esado do Ceará e busca ober informações quano à quanidade oal dos imóveis novos disponibilizados para a venda e os efeivamene vendidos no mês de referência enre aqueles que esavam em esoque e aqueles que foram lançados no mês de referência, por: área (privaiva/úil) e bairro de localização Se residencial dealha-se ainda por: número de quaros, número de elevadores, eságio da obra e origem dos recursos rocura, ambém, idenificar a quanidade oal dos imóveis efeivamene vendidos aneriormene e devolvidos no mês de referência, por: número de quaros (se residencial), área (privaiva/úil), bairro de localização e o mês em que ocorreu al venda. O número de ofera de cada empresa é enquadrado em um dos esraos, abaixo definidos. ESTRATO Nº DE OFERTAS E Aé 50 E2 Mais de 50 aé 00 E3 Mais de 00 aé 50 E4 Mais de 50 Ese enquadrameno procura compensar, no cálculo da Velocidade de Vendas, as paricipações das empresas que oscilam, significaivamene, seu número de unidades oferadas quando ocorrem lançamenos no mês de referência. O cálculo da Velocidade de Vendas do mercado imobiliário da cidade de Foraleza é feio uilizando-se as seguines expressões. 3 Federação das Indúsrias do Esado do Ceará. 4 Sindicao da Consrução Civil do Esado do Ceará.

12 VV Ve e = Oe 00 onde: VV ( VV e e ) = 4 e= VV e Velocidade Vendas do esrao e. V e Vendas ocorridas no mês no esrao e. O e Oferas ocorridas no mês no esrao e. eso no esrao e, a saber: e ESTRATO ESO E = 0,40 E2 = 0,25 E3 = 0,05 E4 = 0,30 Esses pesos foram esabelecidos a parir da paricipação de cada esrao no número oal de unidades oferadas do banco de dados inicial da pesquisa. O Quadro III do Anexo I apresena a abela da V.V. na cidade de Foraleza para o período de janeiro de999 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC..3 GOIÂNIA Alguns aspecos da pesquisa divulgada pela ADEMI/GO 5 e EOM 6. A pesquisa é feia aravés de dados coleados sempre no início de cada mês juno às empresas do mercado imobiliário que paricipam do pool de pesquisa onde buscam ober informações quano: ao número de unidades lançadas, ipo de imóvel mais vendido (dois quaros, rês quaros, ec), eságio da obra, paricipação das empresas no mercado, evolução dos lançamenos e evolução da comercialização de imóveis novos. O cálculo da Velocidade de Vendas do mercado imobiliário da cidade de Goiânia é feio uilizando-se a seguine expressão. onde: ( V.ATU. V.ANT) = VV 00 DIS.ANT. + LANÇ. V.ATU. Somaório das vendas aé o mês aual (acumulado). 5 Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás. 6 Empresa de esquisa de Opinião e Mercado Lda. 2

13 V.ANT. Somaório das vendas aé o mês anerior (acumulado). DIS. ANT. Quanidade de unidades disponíveis no mês anerior. LANÇ. Quanidade de unidades lançadas no mês. O Quadro IV do Anexo I apresena a abela da V.V. na cidade de Goiânia para o período de janeiro de 997 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC..4 MACEIÓ A pesquisa é feia e divulgada pelo SINDUSCON/AL 7. O cálculo da Velocidade de Vendas do mercado imobiliário da cidade de Maceió é feio uilizando-se a seguine expressão. QIV VV = QIO onde: QIV Quanidade de Imóveis Vendidos no mês de referência. QIO Quanidade de Imóveis Oferados no mês de referência. São calculadas a V.V. oal, a V.V. por número de quaros e a V.V. por bairro. O Quadro V do Anexo I apresena a abela da V.V. na cidade de Maceió para o período de janeiro de 2000 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC..5 ORTO ALEGRE Alguns aspecos da pesquisa divulgada pelo SINDUSCON/RS 8. A pesquisa é feia aravés de um levanameno semesral no mercado de imóveis residenciais e comerciais com base nos dois censos imobiliários, o primeiro em agoso de 998 e o segundo em maio de 2000, onde busca idenificar os empreendimenos novos, por empresa e bairro, que são colocados à venda. rocura ober informações, por empreendimeno, quano: Ao ipo de unidades (conjugado, aparameno, coberura, fla, casa, condomínio horizonal, salas/conjunos, lojas ou ouros). 7 Sindicao da Indúsria da Consrução do Esado de Alagoas. 8 Sindicao da Indúsria da Consrução Civil no Esado do Rio Grande do Sul. 3

14 No caso de ser aparameno, coberura, casa ou condomínio horizonal: o número de dormiórios; Se as unidades possuem: dependências de empregada, garagem/box, churrasqueira ou sacada. O número de unidades oal e em ofera e a área média. Ao preço de ofera (em R$.000). Esa é uma informação opcional, e é dividida nas seguines faixas (aé 50, mais de 50 aé 75, mais de 75 aé 25, mais de 25 aé 250 ou mais de 250). Aos recursos uilizados (ipo de financiameno): SFH (Sisema Financeiro da Habiação), financiameno próprio, preço de cuso ou ouros sisemas. Aos recursos para a consrução do empreendimeno: sisema financeiro, auofinanciameno, preço de cuso ou ouros. Ao eságio da consrução: na plana, em obras ou concluída. O cálculo da Velocidade de Vendas do mercado imobiliário da cidade de oro Alegre é feio uilizando-se a seguine expressão. V.V. = Vendas do Mês Ofera Inicial onde: Vendas do Mês Número de unidades comercializadas pelas empresas que colaboram com a pesquisa, no mês de referência. Ofera Inicial Esoque remanescene de cada enrevisado ou seja, ofera oal de imóveis no início do mês de referência.. O Quadro VI do Anexo I apresena a abela da V.V. na cidade de oro Alegre para o período de janeiro de 997 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC..6 RECIFE Alguns aspecos da pesquisa divulgada pela FIE 9. A pesquisa é feia aravés de um levanameno mensal nos mercados de imóveis residenciais e comerciais, juno às Consruoras, Incorporadoras e Imobiliárias mais expressivas do Grande Recife e busca ober informações quano à quanidade oal 9 Federação das Indúsrias do Esado de ernambuco. 4

15 dos imóveis novos disponibilizados para a venda e os efeivamene vendidos no mês de referência enre aqueles que esavam em esoque e aqueles que foram lançados no mês de referência, por: área (privaiva/úil) e bairro de localização. Se residencial dealha-se ainda por: número de quaros, número de elevadores, eságio da obra e origem dos recursos. rocura, ambém, idenificar a quanidade oal dos imóveis efeivamene vendidos aneriormene e devolvidos no mês de referência, por: número de quaros (se residencial), área (privaiva/úil), bairro de localização e o mês em que ocorreu al venda. O número de ofera de cada empresa é enquadrado em um dos esraos, abaixo definidos. ESTRATO Nº DE OFERTAS E ATÉ 50 E2 MAIS DE 50 ATÉ 00 E3 MAIS DE 00 ATÉ 50 E4 MAIS DE 50 Ese enquadrameno procura compensar, no cálculo da Velocidade de Vendas, as paricipações das empresas que oscilam, significaivamene, seu número de unidades oferadas quando ocorrem lançamenos no mês de referência. O cálculo da Velocidade de Vendas do mercado imobiliário da cidade do Recife é feio uilizando-se as seguines expressões. VV Ei 4 i= = 4 i= V O Ei Ei VV Toal = 4 i= VV 4 i= Ei i i onde: VV Ei Velocidade Vendas do esrao i. V Ei - Vendas ocorridas no mês no esrao i. O Ei - Oferas disponíveis à venda no esrao i. i - eso do esrao i, a saber: 5

16 ESTRATO ESO E = 0,20 E2 = 0,32 E3 = 0,6 E4 = 0,32 Esses pesos represenam a paricipação, por número de oferas, de cada esrao na amosra em rês anos de pesquisa e são analisados anualmene para se verificar se esão correspondendo à realidade do mercado. O Quadro VII do Anexo I apresena a abela da V.V. na cidade de Recife para o período de janeiro de 997 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC..7 RIO DE JANEIRO Alguns aspecos das pesquisas divulgadas pela ADEMI 0 e pelo SECOVI. A ADEMI publica, mensalmene, o relaório esquisa de Mercado Imobiliário elaborado com base nas informações conidas na esquisa de Acompanhameno e Analise do Mercado Imobiliário realizada pela Assessoria de esquisas Econômicas da FIRJAN 2. Nele, procura, apresenar os lançamenos e licenciamenos imobiliários ocorridos na cidade do Rio de Janeiro, no mês-base da pesquisa e apresena, ainda, informações referenes à osição de Vendas das unidades lançadas no mês imediaamene anerior, com um resumo de: lançamenos residenciais e comerciais oal de lançamenos e oal de unidades; licenciamenos residenciais, comerciais, misos e indusriais oal de projeos licenciados e oal de unidades. Compõem-se, ambém, de abelas, discriminadas por bairros, que iveram como origem os resumos dos quesionários enviados aos empresários do mercado imobiliário, os quais, igualmene, fazem pare do referido relaório, a saber: Tabela Tabela 2 rojeos Licenciados Número e Áreas Médias por Tipo de Aparameno, referene ao mês imediaamene anerior; Número de Lançamenos Segundo a Finalidade, Fase, Tipo e Supore Financeiro, referene ao mês-base; 0 Associação de Dirigenes de Empresas do Mercado Imobiliário. Sindicao das Empresas de Compra, Venda, Locação e Adminisração de Imóveis e dos Condomínios Residências e Comerciais em odo o Esado do Rio de Janeiro. 2 Federação das Indúsrias do Esado do Rio de Janeiro. 6

17 Tabela 3 Tabela 3A Tabela 4 Tabela 4A Tabela 5 Tabela 6 Áreas e reços dos Lançamenos Residenciais, referene ao mês-base; Áreas e reços dos Lançamenos Comerciais, referene ao mês-base; Número de Unidades Residenciais Lançadas Segundo a Finalidade, Fase, Tipo e Supore Financeiro, referene ao mês-base; Número de Unidades Comerciais Lançadas Segundo a Finalidade, Fase, Tipo e Supore Financeiro, referene ao mês-base; Relação de Obras Licenciadas, referene ao mês imediaamene anerior; osição das Vendas, referene ao mês imediaamene anerior. O SECOVI divulga, prioriariamene, enre seus associados, o resulado da pesquisa chamada Série Hisórica de Vendas. A série hisórica divulgada coném, para cada mês do ano, os preços mínimo, médio e máximo para deerminada região. Região é considerada como um bairro ou agrupameno de dois bairros, assim, a região Lagoa referese ao bairro da Lagoa, a região Andaraí-Grajaú, os bairros de Andaraí e Grajaú. A pesquisa não abrange a oalidade dos bairros da cidade. ara cada região é divulgado o preço de venda dos imóveis, separadamene, pelas seguines caracerísicas: conjugado, sala mais um quaro, sala mais dois quaros, sala mais rês quaros e sala mais quaro quaros. Como já foi mencionado aneriormene, ainda não é calculada a V.V. na cidade do Rio de Janeiro..8 SÃO AULO Alguns aspecos da pesquisa divulgada pelo SECOVI/S 3. A pesquisa é feia aravés de um levanameno mensal no mercado de imóveis residenciais. Busca idenificar imóveis que são colocados à venda no mês em quesão, com o cuidado de não incluir aqueles que foram reirados de venda e aqueles que ainda não esão em fase de comercialização. O levanameno procura ober informações, por empreendimeno, quano: Ao ipo de empreendimeno: aparameno, coberura, fla ou casa. Aos recursos uilizados (ipo de financiameno): SFH (Sisema Financeiro da Habiação), financiameno próprio, preço de cuso ou ouros sisemas. 3 Sindicao de Empresas de Compra, Venda, Locação e Adminisração de Imóveis, Condomínios, Imobiliárias e roprieários de Imóveis de São aulo. 7

18 Ao número de unidades oferadas no início do mês. À área oal e a área úil. À quanidade de unidades vendidas no mês associada ao ipo de recurso. Ao oal de unidades vendidas no mês e o respecivo preço e À fase do imóvel: plana, consrução ou acabado. O cálculo da Velocidade de Vendas do mercado imobiliário da cidade de São aulo é feio uilizando-se a seguine expressão. UV VV = UO onde: UV Unidades Vendidas Número de unidades comercializadas pelas empresas que colaboram com a pesquisa, no mês de referência. UO Unidades Oferadas Esoque remanescene de cada enrevisado, acrescido de seus lançamenos no mês de referência. O Quadro VIII do Anexo I apresena a abela da V.V. na cidade de São aulo para o período de janeiro de 997 a dezembro de 200 conforme divulgado pela CBIC. 8

19 2 ABORDAGEM TEÓRICA Salienando para o fao que ainda não exise na lieraura econômica uma abordagem para os mercados ilíquidos que seja considerada como paradigma, o presene capíulo em o objeivo de apresenar, denre os rabalhos relacionados com o esudo dos mercados imobiliários, a colaboração de John Krainer e Sephen F. LeRoy feia aravés do arigo Equilibrium Valuaion of Illiquid Asses publicado em seembro de KRAINER E LEROY No esudo realizado por John Krainer e Sephen F. LeRoy Equilibrium Valuaion of Illiquid Asses em seembro de (disponibilizado, via elerônica no endereço os auores desenvolvem um modelo de avaliação de equilíbrio de aivos ilíquidos, baseado na pesquisa (search) e apropriação (maching). Segundo os auores, mercados ilíquidos são caracerizados, em discussão informal, como mercados nos quais as ransações somene podem ser compleadas com a decorrência de um lapso de empo (delay). ara os auores, isso significa que o comporameno óimo dos compradores e vendedores é inconsisene com a imediaa finalização das ransações; a imediaa finalização das ransações em mercados ilíquidos, ou são impossíveis, ou somene são possíveis em ermos desvanajosos. No rabalho, decompõem a iliquidez em quaro componenes: rimeira, os aivos em quesão são heerogêneos. Argumenam que a heerogeneidade, por si própria, enreano, não implica em ser ilíquido. Segunda, a qualidade do aivo somene pode ser deerminada aravés de uma pesquisa dispendiosa, resulando em mercados não compeiivos. Terceira, a iliquidez implica em um elemeno de irreversibilidade: a aquisição de um aivo ilíquido envolve um cuso que não pode ser recuperado compleamene se o aivo for subseqüenemene vendido. Quara, os bens comercializados em mercados ilíquidos são indivisíveis: um agene pode comprar uma casa pequena, mas não a meade de uma casa. No modelo que desenvolvem, que coném odas as quaro componenes acima ciadas, os agenes consomem dois bens: serviços imobiliários e ouros bens. Os agenes êm infinias possibilidades, e êm uma axa comum de preferência de empo. Eles 9

20 somene podem consumir serviços imobiliários ao comprarem uma casa. odem apropriarse de varias casas, mas só podem consumir serviços residenciais de uma casa por vez. Definem que um agene que vive em uma casa é dio er uma apropriação (maching), e que a quanidade de serviços residenciais por período, é chamada de encaixe (fi). Um agene com uma apropriação (maching) não procura por uma moradia nova; ele consome os serviços residenciais de sua aual moradia aé que a apropriação (maching) seja rompida. A inerpreação dada pelos auores para o rompimeno da apropriação (maching) é de que o agene agora necessia de uma nova casa com caracerísicas diferenes - localização, amanho, ec. Nese modelo, quando há o rompimeno da apropriação, a casa não fornece mais quaisquer serviços residenciais, porano o agene começa pesquisar por uma nova casa. Esabelecem, para os agenes cuja apropriação (maching) foi rompida, que visiem exaamene uma casa, que esá para ser vendida, por período. Tendo inspecionado a casa, o provável comprador saberá sobre o encaixe (fi). Depois de comparar o encaixe (fi) com o preço de venda, o comprador decidirá se comprará ou não a casa. Sempre de acordo com os auores, o encaixe (fi) não é observado pelo vendedor e não pode ser comunicado com credibilidade para ele. O vendedor pede um preço fixo pela casa, sem nenhuma possibilidade de barganha ou pechincha. Se o provável comprador fechar o negócio, ele consumirá os serviços residenciais da nova moradia aé o rompimeno da nova apropriação (maching), quando enão ele oferecerá a casa para venda e oura vez começará uma nova pesquisa por moradia. Se ele recusar a casa, ele não consumirá nenhum serviço imobiliário naquele período e coninuará a procurar por uma casa no próximo período. Assim que houver um rompimeno da apropriação (maching), a casa em quesão orna-se um aivo financeiro a ser vendido nas melhores condições. Não há mercado de aluguel, assim o agene imediaamene oferecerá a casa à venda, e a manerá no mercado aé que seja vendida. Assumem que o número de agenes se iguala ao número de casas, e que cada casa que esá para venda é visiada por exaamene um provável comprador por período. Além disso, é possível para um proprieário não er nenhuma casa, er uma casa ou er várias casas no mercado, dependendo de sua sore em achar compradores e de maner sua própria apropriação (maching). 20

21 O problema do agene, enquano comprador, consise em formular um criério de decisão que deermine se ele compra a casa que ele inspecionou. or ouro lado, enquano vendedor, ele deve decidir o quano cobrar pela casa (ou casas) que ele esá vendendo. Essas regras, ceramene, aplicam-se unicamene quando o agene não em uma apropriação no primeiro caso, e unicamene quando o agene em um invenário posiivo de casas no segundo caso. Salienam que, ao fim de um período ípico, muios possíveis compradores não erão comprado, e muios possíveis vendedores não erão vendido. Se o vendedor der um preço de venda muio alo para a casa que ele esá vendendo, prováveis compradores, que a um preço mais baixo poderiam er comprado al casa, ignorarão ais negócios. orano o vendedor, em média, esperará basane, anes de vender a casa. Se ais aivos esiverem com os preços errados, a inerpreação é que alguns ou odos paricipanes do mercado esão agindo de modo menos adequado na ineração de uns com os ouros. Ressalam que as caracerísicas dese modelo equivalem as dos mercados imobiliários do mundo real, onde a assinaura de um conrao de venda é boa noícia para o comprador ano quano para o vendedor (e seus agenes). Os auores concluem que iliquidez de aivos, no esudo, é gerado por informações assiméricas enre os compradores e vendedores e ciam que como o empo enre poenciais ransações encura, o empo esperado para venda diminui. 2

22 3 O MODELO O modelo desenvolvido possibiliará, para cada um dos casos discriminados abaixo, calcular as probabilidades de venda de cada ipo de imóvel (que serão classificados a seguir) e esabelecer o empo médio que um imóvel leva para ser vendido. Ese esudo se resringirá somene ao mercado primário, enendido aqui, como sendo aquele no qual os imóveis são acompanhados desde o seu lançameno, lançameno ese feio por uma empresa da indusria da consrução civil, aé a ocorrência da primeira venda, após o que, eles passarão a fazer pare do esoque de imóveis vendidos. Não será levado em consideração, por conseguine, o mercado secundário, enendido aqui, como sendo aquele no qual os imóveis são ransacionados após a ocorrência desa primeira venda. Os resulados do modelo serão uilizados para a deerminação das probabilidades e do empo médio de venda de imóveis para as cidades de Belo Horizone, Goiânia, oro Alegre e Recife. 3. CLASSIFICAÇÃO 3.. OS IMÓVEIS SERÃO CLASSIFICADOS SEGUNDO SAFRAS, A SABER: Imóveis do ipo safra I Imóveis do ipo safra II Aqueles imóveis que enram no mercado primário no período correne, ambém chamados em lançameno ; Aqueles imóveis que enraram no mercado primário no período anerior ao período correne; Imóveis do ipo safra III Aqueles imóveis que enraram no mercado primário há dois períodos aneriores ao período correne; Imóveis do ipo safra IV Aqueles imóveis que enraram no mercado primário há rês períodos aneriores ao período correne; e assim sucessivamene. 22

23 3.2 AROXIMAÇÕES UTILIZADAS 3.2. DUAS SAFRAS Como runcagem por duas safras será considerado um mercado onde somene haja, além dos imóveis vendidos, dois ipos de imóveis: Aqueles imóveis que enram no mercado primário no período correne (os imóveis do ipo safra I); E os demais que já esavam no mercado (os imóveis do ipo safra II) TRÊS SAFRAS Como runcagem por rês safras será considerado um mercado onde somene haja, além dos imóveis vendidos, rês ipos de imóveis: Aqueles imóveis que enram no mercado primário no período correne (os imóveis do ipo safra I); Aqueles imóveis que enraram no mercado primário no período anerior ao período correne (os imóveis do ipo safra II); E os demais que enraram no mercado primário pelo menos dois períodos aneriores ao período correne (os imóveis do ipo safra III) QUATRO SAFRAS Como runcagem por quaro safras será considerado um mercado onde somene haja, além dos imóveis vendidos, quaro ipos de imóveis: Aqueles imóveis que enram no mercado primário no período correne (os imóveis do ipo safra I); Aqueles imóveis que enraram no mercado primário no período anerior ao período correne (os imóveis do ipo safra II); Aqueles imóveis que enraram no mercado primário dois períodos aneriores ao período correne (os imóveis do ipo safra III); E os demais que enraram no mercado primário pelo menos rês períodos aneriores ao período correne (os imóveis do ipo safra IV). 23

24 3.3 DESENVOLVIMENTO DO MODELO 3.3. º CASO DUAS SAFRAS AS ROBABILIDADES Seja X o veor que represena o esoque de imóveis de uma deerminada cidade no período, de al forma que: onde seus componenes são: X = [X, X 2, X 3 ] (eq ) X Quanidade de imóveis do ipo safra I. X 2 X3 Quanidade de imóveis do ipo safra II. Quanidade de imóveis vendidos aé o período -. O veor X + que represena o esoque de imóveis desa mesma cidade no período +, de al forma que: onde seus componenes são: + X + = [X +, X 2 +, X 3 + ] (eq ) X Quanidade de imóveis do ipo safra I. + X Quanidade de imóveis do ipo safra II. X Quanidade de imóveis vendidos aé o período. O veor L que represena os lançamenos de imóveis no mercado primário desa cidade no período, de al forma que: L = [L,0,0] onde: L Quanidade de imóveis lançada no mercado primário em, e o veor L + que represena os lançamenos de imóveis no mercado primário desa mesma cidade no período +, de al forma que: 24

25 L + + = [L,0,0] (eq ) onde: + L Quanidade de imóveis lançada no mercado primário em +. Seja a mariz M, que represena as probabilidades de ransição enre safras, dada por: = de al forma que, como explicado abaixo: M (eq ) X + + = + (eq ) X.M L Subsiuindo os elemenos da (eq ) conforme definidos na (eq ), na (eq ) e na (eq ), em se: [X +, X + 2, X ] = [X, X, X 3 ] [L +,0,0] que desenvolvida resula em: X + + = (X.) + (X 2.2) + (X3.3) + L (eq ) + X 2 = (X.2 ) + (X 2.22 ) + (X3.32 ) + X3 = (X.3) + (X 2.23) + (X3.33) (eq ) (eq ) Hipóeses do modelo. (A) (B) (C) A quanidade de imóveis lançada no mercado em qualquer período é um dado exógeno; Não exisem devoluções nem relançamenos; A probabilidade de qualquer imóvel vendido em um período coninuar vendido nos próximos períodos é. Enão a probabilidade dese imóvel reingressar ao mercado primário nos próximos períodos é zero; (D) é a probabilidade de um imóvel do ipo safra I ser vendido em um deerminado período. 25

26 Enão a probabilidade de um imóvel do ipo safra I permanecer no mercado primário no período seguine será (- ); (E) 2 é a probabilidade de um imóvel do ipo safra II ser vendido em um deerminado período. Enão a probabilidade de um imóvel do ipo safra II permanecer no mercado primário no período seguine será (- 2 ). De (A), (B) e (C) na (eq ) resula que: = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra I ser lançado novamene em +. 2 = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra II ser lançado novamene em +. 3 = 0 robabilidade de um imóvel vendido ser lançado novamene em +. De (B), (C), (D) e (E) na (eq ) resula que: 2 = ( ) robabilidade de um imóvel do ipo safra I permanecer no 22 2 mercado primário no período +.Quando, enão, esse imóvel passa a fazer pare do esoque de imóveis do ipo safra II. = ( ) robabilidade de um imóvel do ipo safra II permanecer no mercado primário em + ainda como um imóvel do ipo safra II. 32 = 0 robabilidade de um imóvel vendido permanecer no mercado primário em +. De (C), (D) e (E) na (eq ) resula que: 3 = robabilidade de um imóvel do ipo safra I ser vendido em. 23 = 2 robabilidade de um imóvel do ipo safra II ser vendido em. 33 = robabilidade de um imóvel vendido permanecer vendido. 26

27 Sendo assim, em-se que a (eq ) orna-se: [X +,X + 2, X + 3 ] 0 [X,X 2, X3]. 0 0 ( ) [L = + ( 2 ),0,0] (eq ) O EQUILÍBRIO DE LONGO RAZO O equilíbrio de longo prazo dese sisema pode ser analisado supondo-se que os lançamenos ornam-se consanes e iguais a L para odo. Desenvolvendo-se a (eq ) resula que: A quanidade de imóveis do ipo safra I no período + é igual à quanidade de imóveis lançada em +, que é um dado exógeno. + + = (eq ) X L A quanidade de imóveis do ipo safra II no período + é igual a quanidade de imóveis do ipo safra I que não foram vendidos em, X.(- ), mais a quanidade de imóveis do ipo safra II que não foram vendidos em, X 2.(- 2 ). + X 2 = X.( ) + X 2.( 2 ) (eq ) A quanidade de imóveis vendidos aé o período é igual à quanidade de imóveis vendidos aé o período -, X 3, mais a quanidade de imóveis vendidos no período,. X 2. 2 X = X. + X 2.2 X3 X + (eq ) No longo prazo, quando L e L + convergem para L L L e (eq ) L + L (eq ) em-se que: X X e (eq ) X + X (eq ) e: 27

28 2 X 2 X e (eq ) X + 2 X 2 (eq ) Aplicando-se o esabelecido em (eq ) e em (eq ) na (eq ) em-se: X = L (eq ) Aplicando-se o esabelecido em (eq ), em (eq ) e em (eq ) na (eq ) em-se: X 2 = X.( ) + X 2.( 2 ) e razendo o resulado da (eq ): X 2.L 2 = (eq ) As vendas em, de acordo com a (eq ) são definidas como: V = X. + X que aplicado o esabelecido em (eq ), em (eq ) resula em: 2. 2 = X. X 2.2 (eq ) V + e razendo o resulado da (eq ) e da (eq ): V = L. + 2.L. 2 V = L (eq ) concluindo-se que, no longo prazo, udo que é lançado é vendido TEMO MÉDIO DE VENDA ( T ) Seja T uma variável aleaória discrea que pode omar os valores, 2, com probabilidades f( ), f( 2 ), enão o valor esperado ou a média de T é dado por: T 2 2 (eq ) =.f ( ) +.f ( ) + O quadro 3.3.-A abaixo apresena as probabilidades de venda de um imóvel no período correne levando em consideração o número de períodos que ese imóvel esá no mercado primário. 28

29 TEMO DE ERMANENCIA DO IMÓVEL NO MERCADO Um período: ( ) = Dois períodos: ( 2 ) = 2 Três períodos: ( 3 ) = 3 Quaro períodos: ( 4 ) = 4 QUADRO 3.3.-A ROBABILIDADE Safra I. f( ) = Safra I.(- ) Safra II. 2 f( 2 ) = (- ). 2 Safra I.(- ) Safra II.(- 2) Safra II. 2 f( 3 ) = (- ).(- 2). 2 Safra I.(- ) Safra II.(- 2) Safra II.(- 2) Safra II. 2 f( 4 ) = (- ).(- 2) 2. 2 Onde as parcelas da (eq ), conforme o quadro 3.3.-A acima, são: A primeira parcela corresponde ao prazo de permanência do imóvel no mercado, período, muliplicado pela probabilidade da venda de um imóvel do ipo safra I ocorrer no período,..f( ) =. A segunda parcela corresponde ao prazo de permanência do imóvel no mercado, 2 períodos, muliplicado pela probabilidade de um imóvel do ipo safra I não ser vendido em -, (- ), vezes a probabilidade da venda de um imóvel do ipo safra II ocorrer em, 2. 2.f( 2 ) = 2.(- ). 2 A erceira parcela corresponde ao prazo de permanência do imóvel no mercado, 3 períodos, muliplicado pela probabilidade de um imóvel do ipo safra I não ser vendido em -2, (- ), vezes a probabilidade de um imóvel do ipo safra II não ser vendido em -, (- 2 ), muliplicado pela probabilidade da venda de um imóvel do ipo safra II ocorrer em, 2. 3.f( 3 ) = 3.(- ).(- 2 ). 2 e assim sucessivamene. Aplicando as definições de, 2, 3, e f( ), f( 2 ), f( 3 ), a (eq ) passa a ser: T 2 =. + 2.( ) ( ).( 2 )2 + 4.( ).( 2 ) 2 + que pode ser reescria uilizando a noação de somaórios: T i = + ( ).2. ( 2 ).(i + 2 ) i= 0 29

30 ou ainda: i i = + ( ).2. ( 2 ) + ( 2 ).(i + ) i= 0 i= 0 T (eq ) Resolvendo o primeiro somaório: i ( 2 ) (eq ) i= 0 Sabe-se que na progressão geomérica, a, quando a é um número real e a <, i=0 condições que são saisfeias no presene caso, esse somaório é convergene e em como resulado: i i= 0 a i = a (eq ) omando-se = ( ), a solução da (eq ) será: a 2 Resolvendo o segundo somaório: i ( 2 ) = = (eq ) i= 0 ( 2 ) 2 considerando: i ( 2 ).(i + ) (eq ) i= 0 onde: h (Ø) = i= 0 Ø = ( 2 ) Seja a função H(Ø) de al forma que: i (Ø).(i + ) H(Ø) = h(ø) Ø (eq ) e definindo H(Ø) como sendo: ou ainda como: H (Ø) = i= 0 (Ø) i+ 30

31 i H (Ø) = Ø (Ø) (eq ) i= 0 Uilizando o esabelecido na (eq ) para resolver a (eq ), em-se: Ø H(Ø) = Ø assim, de acordo com a (eq ): ou ainda: h (Ø) h(ø) = Ø = Ø Ø ( Ø) + Ø = 2 ( Ø) ( Ø) uma vez que = ( ), a solução da (eq ) será: Ø 2 2 i ( 2 ).(i + ) = = (eq ) 2 2 i= 0 [ ( 2 )] (2 ) Desa forma, aplicando-se o resulado da (eq ) e o resulado da (eq ) na (eq ), o Tempo Médio de Venda será: T = + ( ) ou 2 (2 ) + ( ). + T = (eq ) 2 3

32 º CASO TRÊS SAFRAS AS ROBABILIDADES Seja X o veor que represena o esoque de imóveis de uma deerminada cidade no período, de al forma que: onde seus componenes são: X = [X, X 2, X 3, X 4 ] (eq ) X Quanidade de imóveis do ipo safra I. X 2 X3 X 4 Quanidade de imóveis do ipo safra II. Quanidade de imóveis do ipo safra III. Quanidade de imóveis vendidos aé o período -. O veor X + que represena o esoque de imóveis desa mesma cidade no período +, de al forma que: onde seus componenes são: + X + = [X +, X 2 +, X 3 +, X X Quanidade de imóveis do ipo safra I. + X 2 + X3 + 4 Quanidade de imóveis do ipo safra II. Quanidade de imóveis do ipo safra III. X Quanidade de imóveis vendidos aé o período. + 4 ] (eq ) O veor L que represena os lançamenos de imóveis nesa cidade no período, de al forma que: L = [L,0,0,0] onde: L Quanidade de imóveis lançada no mercado primário em, e o veor L + que represena os lançamenos de imóveis no mercado primário desa mesma cidade no período +, de al forma que: 32

33 L + + = [L,0,0,0] (eq ) onde: + L Quanidade de imóveis lançada no mercado primário em +. Seja a mariz M, que represena as probabilidades de ransição enre safras, dada por: = de al forma que, como explicado abaixo: M (eq ) X + + = X.M + L (eq ) Subsiuindo os elemenos da (eq ) conforme definido na (eq ), na (eq ) e na (eq ), em se: [X +,X + 2,X + 3,X ] = [X,X 2,X3,X 4 ] [L +,0,0,0] que desenvolvida resula em: X + + = (X.) + (X 2.2) + (X3.3) + (X 4.4) + L (eq ) + X 2 = (X.2 ) + (X 2.22 ) + (X3.32 ) + (X 4.42 ) + X3 = (X.3) + (X2.23) + (X3.33) + (X4.43) + X 4 = (X.4 ) + (X 2.24 ) + (X3.34 ) + (X 4.44 ) (eq ) (eq ) (eq ) Hipóeses do modelo. (A) (B) (C) A quanidade de imóveis lançada no mercado em qualquer período é um dado exógeno; Não exisem devoluções nem relançamenos; A probabilidade de qualquer imóvel vendido em um período coninuar vendido nos próximos períodos é. 33

34 Enão a probabilidade dese imóvel reingressar ao mercado primário nos próximos períodos é zero; (D) é a probabilidade de um imóvel do ipo safra I ser vendido em um deerminado período. Enão a probabilidade de um imóvel do ipo safra I permanecer no mercado primário no período seguine será (- ); (E) 2 é a probabilidade de um imóvel do ipo safra II ser vendido em um deerminado período. Enão a probabilidade de um imóvel do ipo safra II permanecer no mercado primário no período seguine será (- 2 ); (F) 3 é a probabilidade de um imóvel do ipo safra III ser vendido em um deerminado período. Enão a probabilidade de um imóvel do ipo safra III permanecer no mercado primário no período seguine será (- 3 ). De (A), (B), e (C) na (eq ) resula que: = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra I ser lançado novamene em +. 2 = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra II ser lançado novamene em +. 3 = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra III ser lançado novamene em +. 4 = 0 robabilidade de um imóvel vendido ser lançado novamene em +. De (B), (C) e (D) na (eq ) resula que: = ( ) robabilidade de um imóvel do ipo safra I permanecer no 2 mercado primário em +. Quando, enão, esse imóvel passa a fazer pare do esoque de imóveis do ipo safra II. 22 = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra II permanecer no mercado primário em + como um imóvel do ipo safra II 34

35 32 = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra III permanecer no mercado primário em +como um imóvel do ipo safra II. 42 = 0 robabilidade de um imóvel vendido permanecer no mercado primário em +. De (B), (C), (E) e (F) na (eq ) resula que: 3 = 0 robabilidade de um imóvel do ipo safra I permanecer no mercado primário em + como um imóvel do ipo safra III. = ( ) robabilidade de um imóvel do ipo safra II permanecer no 23 2 mercado primário em +. Quando, enão, esse imóvel passa a fazer pare do esoque de imóveis do ipo safra III. = ( ) robabilidade de um imóvel do ipo safra III permanecer no 33 3 mercado primário em + ainda como um imóvel do ipo safra III. 43 = 0 robabilidade de um imóvel vendido permanecer no mercado primário em +. De (B), (C), (D), (E) e (F) na (eq ) resula que: 4 = robabilidade de um imóvel do ipo safra I ser vendido em. 24 = 2 robabilidade de um imóvel do ipo safra II ser vendido em. 34 = 3 robabilidade de um imóvel do ipo safra III ser vendido em. 44 = robabilidade de um imóvel vendido permanecer vendido. Sendo assim, em-se que a (eq ) orna-se: [X +,X + 2, X + 3,X + 4 ] = 0 0 = [X,X 2, X3,X 4 ]. 0 0 ( ) ( ( ) ) 2 + [L 3 +,0,0,0] (eq ) 35

36 O EQUILÍBRIO DE LONGO RAZO O equilíbrio de longo prazo dese sisema pode ser analisado supondo-se que os lançamenos ornam-se consanes e iguais a L para odo. Desenvolvendo a (eq ) resula que: A quanidade de imóveis do ipo safra I no período + é igual à quanidade de imóveis lançada em +, que é um dado exógeno. + + = (eq ) X L A quanidade de imóveis do ipo safra II é igual a quanidade de imóveis do ipo safra I que não foram vendidos em, X.(- ). + X 2 = X.( ) (eq ) A quanidade de imóveis do ipo safra III é igual a soma da quanidade de imóveis do ipo safra II que não foram vendidos em, X 2.(- 2 ), com a quanidade de imóveis do ipo safra III que não foram vendidos em, X 3.(- 3 ). + X3 = X 2.( 2 ) + X3.( 3 ) (eq ) A quanidade de imóveis vendidos aé o período é igual à quanidade de imóveis vendidos aé o período -, X 4, mais a quanidade de imóveis vendidos no período, X. X X X + 4 = X. + X X3.3 + X 4 (eq ) No longo prazo, quando L e L + convergem para L L L e (eq ) L + L (eq ) em-se que: X X e (eq ) X + X (eq ) e 36

37 2 X 2 X e (eq ) X + 2 X 2 (eq ) e ainda, 3 X3 X e (eq ) X + 3 X3 (eq ) Aplicando-se o esabelecido em (eq ) e em (eq ) na (eq ) em-se: X = L (eq ) Aplicando-se o esabelecido em (eq ), e em (eq ) na (eq ) emse: X 2 = X.( ) e razendo o esabelecido na da (eq ), resula que: X 2 L.( ) = (eq ) Aplicando-se o esabelecido em (eq ), em (eq ) e em (eq ) na (eq ), em-se X3 = X 2.( 2 ) + X3.( 3 ) e razendo o esabelecido em (eq ), resula que: X 3 = L.( ).( 2 ) + X3.( 3 ) ( ).( 2 ) X3.L 3 = (eq ) As vendas em, de acordo com a (eq ) serão: 2 V = X. + X. + X 2 Aplicando-se o esabelecido em (eq ), em (eq ), em (eq ) em-se: V = X. + X e razendo o resulado da (eq ), da (eq ) e da (eq ), resula que: X V = L. + ( ).L. 2 ( ).( ).L. 3 37

38 V = L (eq ) concluindo-se que, no longo prazo, udo que é lançado é vendido TEMO MÉDIO DE VENDA ( T 2 ) Seja T 2 uma variável aleaória discrea que pode omar os valores, 2, com probabilidades f( ), f( 2 ), enão o valor esperado ou a média de T 2 é dado por: T (eq ) =.f ( ) +.f ( ) + O quadro A abaixo apresena as probabilidades de venda de um imóvel no período correne levando em consideração o número de períodos que ese imóvel esá no mercado. QUADRO A TEMO DE ERMANENCIA DO IMÓVEL NO MERCADO Um período: ( ) = Dois períodos: ( 2 ) = 2 Três períodos: ( 3 ) = 3 Quaro períodos: ( 4 ) = 4 Cinco períodos ( 5 ) = ROBABILIDADE Safra I. f( ) = Safra I.(- ) Safra II. 2 f( 2 ) = (- ). 2 Safra I.(- ) Safra II.(- 2) Safra III. 3 f( 3 ) = (- ).(- 2). 3 Safra I.(- ) Safra II.(- 2 ) Safra III.(- 3 ) Safra III. 3 Safra I.(- ) Safra II.(- 2) Safra III.(- 3) Safra III.(- 3) Safra III. 3 f( 4 ) = (- ).(- 2). (- 3). 3 F( 5 ) = (- ).(- 2 ). (- 3) 2.3 Onde as parcelas da (eq ), conforme o quadro A passam a ser: T =. + 2.( ) ( ).( 2 ) ( ).( 2 ).( 3 ) ( ).( 2 ).( 3 ). 3 + Que pode ser reescria uilizando a noação de somaórios: 2 T 2 i = + 2.( ).2 + ( ).( 2 ).3. ( 3 ).(i + 3 ) i= 0 ou ainda: T i i = + 2.( ).2 + ( ).( 2 ) ( 3 ) + ( 3 ).(i + i= 0 i= 0 2 ) Resolvendo o primeiro somaório: (eq ) 38

39 i ( 3 ) (eq ) i= 0 Sabe-se que na progressão geomérica, a, quando a é um número real e a <, i=0 condições que são saisfeias no presene caso, esse somaório é convergene e em como resulado: i i= 0 a i = a (eq ) Tomando-se = ( ), a solução da (eq ) será: a 3 Resolvendo o segundo somaório: i ( 3 ) = = (eq ) i= 0 ( 3 ) 3 Considerando: i ( 3 ).(i + ) (eq ) i= 0 onde: h (Ø) = i= 0 Ø 3 = ( ) Seja a função H(Ø) de al forma que: i (Ø).(i + ) H(Ø) = h(ø) Ø (eq ) e definindo H(Ø) como sendo: ou ainda como: H (Ø) = i= 0 (Ø) i+ i H (Ø) = Ø (Ø) (eq ) i= 0 Uilizando o esabelecido na (eq ) para resolver a (eq ), em-se: 39

40 Ø H(Ø) = Ø Assim, de acordo com a (eq ): h (Ø) Ø = Ø Ø ou ainda: h(ø) = ( Ø) + Ø = 2 ( Ø) ( Ø) 2 Uma vez que = ( ), a solução da (eq ) será: Ø 3 i ( 3 ).(i + ) = = (eq ) 2 2 i= 0 [ ( 3 )] (3 ) Desa forma, aplicando-se o resulado da (eq ) e o resulado da (eq ) na (eq ), o Tempo Médio de Venda será: T 2 = + 2.( ). 2 + ( ).( 2 ) ( ) 3 2 ou = + 2.( ).2 + ( ).( 2 ) T 2 (eq ) 40

41 º CASO QUATRO SAFRAS AS ROBABILIDADES Seja X o veor que represena o esoque de imóveis de uma deerminada cidade no período, de al forma que: onde seus componenes são: X = [X, X 2, X 3, X 4, X 5 ] (eq ) X Quanidade de imóveis do ipo safra I. X 2 X3 Quanidade de imóveis do ipo safra II. Quanidade de imóveis do ipo safra III. X 4 Quanidade de imóveis do ipo safra IV. X5 Quanidade de imóveis vendidos aé o período -. O veor X + que represena o esoque de imóveis desa mesma cidade no período +, de al forma que: onde seus componenes são: + X + = [X +, X 2 +, X 3 +, X X Quanidade de imóveis do ipo safra I. + X 2 + X3 X Quanidade de imóveis do ipo safra II. Quanidade de imóveis do ipo safra III. Quanidade de imóveis do ipo safra IV. X Quanidade de imóveis vendidos aé o período. + 4 ] (eq ) O veor L que represena os lançamenos de imóveis nesa cidade no período, de al forma que: L = [L,0,0,0,0] onde: 4

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 A produção e difusão de informações esaísicas é uma imporane aividade desenvolvida

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

2 O mercado de opções

2 O mercado de opções 2 O mercado de opções O mercado de opções adquiriu maior popularidade a parir da criação da Chicago Board Opions Exchange, em abril de 1973. A aberura objeivava especificamene a negociação de opções sobre

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1 1 Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combusíveis 1 Mara Crisina Marjoa-Maisro 2 Geraldo San Ana de Camargo Barros 3 Arigo elaborado em fevereiro/2002 Aprovado para o XL Congresso Brasileiro

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL FUNÇÕES CONVEAS EM EORIA DE APREÇAMENO DE OPÇÕES POR ARBIRAGEM UILIZANDO O MODELO BINOMIAL Devanil Jaques de SOUZA Lucas Moneiro CHAVES RESUMO: Nese rabalho uilizam-se écnicas maemáicas elemenares, baseadas

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO ANÁLSE DE UMA EQUAÇÃO DFERENCAL LNEAR QUE CARACTERZA A QUANTDADE DE SAL EM UM RESERATÓRO USANDO DLUÇÃO DE SOLUÇÃO Alessandro de Melo Omena Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2 RESUMO O presene arigo em

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará.

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará. Previsão de demanda e moniorameno por sinal de rasreameno do modelo para produo classe A de uma empresa varejisa de Belém do Pará. avi Filipe Vianna Moreira (UEPA) davifilipe@globo.com Jesse Ramon de Azevedo

Leia mais

INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS. Paulo Beltrão Fraletti 1 Paulo Kwok Shaw Sain 2

INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS. Paulo Beltrão Fraletti 1 Paulo Kwok Shaw Sain 2 IV SEMEAD INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS Paulo Belrão Fralei Paulo Kwok Shaw Sain 2 RESUMO O Value-a-Risk (V@R) é aualmene a ferramena mais popular

Leia mais

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS VANIA DI ADDARIO GUIMARÃES Tese apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz, Universidade de

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno de Manuenção de Equipamenos de um Hospial São Paulo 006 Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRAS SOBRE O CASO BRASILEIRO Kenya Valeria Micaela de Souza Noronha Mônica Viegas Andrade Junho de 2002 1 Ficha caalográfica 33:614(81)

Leia mais

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas)

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas) 2.1 Previsão de emanda Conceios básicos Méodos de Previsão iscussão Formulação do Problema emanda: disposição ao consumo emanda versus Vendas Faores que afeam a emanda (Vendas) Economia, Mercado, Preços,

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

Data da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Data-Base: 31/12/2010

Data da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Data-Base: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL 2010 Insiuo de Previdência e Assisência do Município do Rio de Janeiro (PREVI-RIO) Daa da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Daa-Base: 31/12/2010 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 01 2.

Leia mais

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA 3 PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA Felipe Lacerda Diniz Leroy 1 RESUMO Nese arigo,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO REPARÁVEIS UTILIZANDO PROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES

ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO REPARÁVEIS UTILIZANDO PROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE EÇAS DE REOSIÇÃO REARÁVEIS UTILIZANDO ROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE - UENF CAMOS DOS GOYTACAZES - RJ MAIO

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN INSIDER TRADING E GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PERFIL E PRÁTICA DOS INSIDERS DE EMPRESAS DE GOVERNANÇA

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

EQUIVALENTES DINÂMICOS PARA ESTUDOS DE HARMÔNICOS USANDO ANÁLISE MODAL. Franklin Clement Véliz Sergio Luis Varricchio Sergio Gomes Jr.

EQUIVALENTES DINÂMICOS PARA ESTUDOS DE HARMÔNICOS USANDO ANÁLISE MODAL. Franklin Clement Véliz Sergio Luis Varricchio Sergio Gomes Jr. SP-2 X SEPOPE 2 a 25 de maio de 2006 a 2 s o 25 h 2006 X SIPÓSIO DE ESPECIAISTAS E PANEJAENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO EÉTRICA X SYPOSIU OF SPECIAISTS IN EECTRIC OPERATIONA AND EXPANSION PANNING FORIANÓPOIS

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO MAURÍCIO MACHADO FERNANDES; JULIANA MARIA AQUINO; ELAINE TOLDO PAZELLO; LUIZ GUILHERME SCORZAFAVE.

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

A Linha Híbrida de Pobreza no Brasil

A Linha Híbrida de Pobreza no Brasil A Linha Híbrida de Pobreza no Brasil Julho de 2006 Auoria: Henrique Eduardo Ferreira Vinhais, André Porela Fernandes de Souza Resumo: Ese rabalho invesiga a consrução de uma linha híbrida da pobreza no

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR Bárbara Lopes Macedo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Carina Aleandra Rondini Marreo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Jucélia Maria de Almeida

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO

DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO versão impressa ISSN 00-7438 / versão online ISSN 678-542 DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO Silvio Alexandre de Araujo Deparameno de Informáica Universidade

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES...

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES... SUMÁRO 1. PERCENTAGENS...4 1.1. NTRODUÇÃO...4 1.2. 1.2.. EQUVALÊNCAS...5 1.3. 1.3. ASSMETRA...5 1.4. 1.4. AUMENTOS E BAXAS SUCESSVAS...7 2. 2. RELATVOS...9 2.1. 2.1. TPOS DE RELATVOS...9 2.1.1. 2.1.1.

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma Tema 2 Tópicos Especiais de Finanças Públicas 2.3 Reforma do Esado: Reforma Adminisraiva e Reforma Previdenciária A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Proposas de

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão Modelos de Previsão Inrodução Em omada de decisão é basane comum raar problemas cujas decisões a serem omadas são funções de faos fuuros Assim, os dados descrevendo a siuação de decisão precisam ser represenaivos

Leia mais