FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL"

Transcrição

1 FUNÇÕES CONVEAS EM EORIA DE APREÇAMENO DE OPÇÕES POR ARBIRAGEM UILIZANDO O MODELO BINOMIAL Devanil Jaques de SOUZA Lucas Moneiro CHAVES RESUMO: Nese rabalho uilizam-se écnicas maemáicas elemenares, baseadas em propriedades de funções convexas, para derivar o preço de arbiragem de opções americanas de compra. Considera-se que os mercados são compleos e discreos no empo e que os preços das ações negociadas nesses mercados se comporam segundo o modelo binomial. PALAVRAS-CHAVE: Opção; modelo binomial; arbiragem; derivaivo. INRODUÇÃO Uma opção de compra (ou de venda) é um conrao que assegura ao seu deenor o direio, não a obrigação, de comprar (ou vender) um loe de alguma ação específica, por um preço deerminado, chamado preço de exercício (srike price), doravane denoado por K. Apesar de exisirem raamenos eóricos para os chamados conraos perpéuos, no mundo real as opções êm um empo de validade, ou sea, só exisem em um inervalo de empo [, ], em que é chamado de empo de Mauração. Opções que só podem ser exercidas no momeno de érmino do conrao são chamadas opções europeias. Opções que faculam o exercício a qualquer empo no conuno {,..., } são chamadas opções americanas. Apesar de exisir uma quanidade enorme de ouros ipos, o presene rabalho esará focado apenas nessas duas modalidades. Opções são usadas basicamene como garanias (hedge) conra as incerezas do mercado de ações. Opções de compra garanem um preço máximo; opções de venda, um preço mínimo. Secundariamene presam-se ambém à especulação. Opções represenam um direio e, se exercido, podem se ransformar em um lucro. Sendo assim, êm um preço. A quesão que se apresena é o esabelecimeno desse preço, de maneira a não se permiir, a priori, nem ganho cero e nem perda cera, considerando que o resulado desse exercício depende da evolução do preço do aivo subacene, que é aleaório. Esse preço é o que se convenciona chamar de preço de arbiragem (arbirage price). A consaação de que o valor de arbiragem de uma opção é uma função convexa do seu preço de exercício, permie a uilização da análise convexa como peça básica para mosrar que o valor de arbiragem de uma opção americana de compra é igual ao valor de Universidade Federal de Lavras UFLA, Deparameno de Ciências Exaas, Caixa Posal 37, CEP: Lavras, MG, Brasil. / Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

2 arbiragem de uma opção europeia de compra. A mesma ferramena é usada para mosrar ainda que, em se raando de opções americanas de venda, não se chega a uma fórmula fechada para o valor de arbiragem. Os resulados apresenados nesse rabalho não são novos. O enfoque é a obenção desses resulados aravés de maemáica elemenar, baseada simplesmene em propriedades de funções convexas de al maneira que o exo não pressupõe qualquer conhecimeno prévio sobre eoria maemáica de finanças. A análise convexa esá implícia em vários arigos relacionados ao assuno, em paricular no clássico Meron (973). Em geral, na lieraura, a descrição maemáica do modelo binomial em ermos de probabilidades, árvores, ec. é basane complea, o mesmo não ocorrendo em relação à análise convexa. Nesse senido, ese rabalho pode ser viso como uma inrodução a exos mais compleos, como, por exemplo, Hull (29). 2 Referencial eórico 2. Descrição do mercado Considera-se um mercado cuas negociações se dão a inervalos regulares de empo e onde se negociam rês ipos de aivos, descrios a seguir. Um aivo sem risco, cuo valor B no empo seguine é o seu valor aual acrescido de um rendimeno predeerminado, ou sea, B = B B * r = B ( r) => B = B ( r) em que r. Esses aivos são basicamene o próprio dinheiro, que pode ser aplicado ou omado a uma axa fixa, ou íulos públicos, os chamados bonds. Um aivo de risco, cuo valor S no empo seguine é aleaório, ou sea, conhecendose S, o valor de S é desconhecido. Os aivos de risco considerados aqui são loes de ações (socks) negociadas em bolsas de valores. Um aivo derivaivo, cuo valor D é função do valor de algum aivo de risco S, chamado aivo subacene, ou sea, D = f (S). Considera-se ainda que nesse mercado compram-se ou vendem-se quanidades ilimiadas e/ou fracionadas de quaisquer dos aivos, as ransações não êm cuso, compradores e vendedores são omadores de preço, ou sea, nenhum em volume suficiene para influenciar o preço praicado e enende-se por comporameno racional dos agenes a busca do melhor resulado possível. 2.2 Modelo binomial de apreçameno dos aivos de risco Nesse modelo, proposo por Cox e al. (979), o processo de preço de um aivo de risco (S) se compora segundo um caminho aleaório muliplicaivo, al que, no empo =, o valor S é uma consane esriamene posiiva e que, em um empo qualquer, o aivo só pode assumir um de dois valores: Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

3 us com probabilidade p S = ds com probabilidade q = p; em que as consanes u e d guardam a relação < d < r < u e r é a axa de remuneração dos aivos B livres de risco. Suponha-se que a ocorrência de u ou d sea governada pelo lançameno de uma moeda, não necessariamene honesa, associando-se ao resulado cara (H) a consane u com probabilidade p e, ao resulado coroa (), a consane d com probabilidade q = p. Com isso em-se: S ( H ) = us com probabilidade p S ( ) = ds com probabilidade q = p. 2.3 Preço de opção europeia no modelo binomial de um passo. Suponha-se que no momeno = uma deerminada ação esea sendo negociada pelo valor S e que uma opção europeia de compra dessa mesma ação, com empo de mauração = = e preço de exercício K, sea negociada por V. Sabe-se que no empo seguine essa opção valerá: V = ( S K) = max{,( S K)}. () Pode-se, por ouro lado, opar por aplicar o valor V, pare em ações, digamos S, e o resane, V S, à axa fixa r. O valor represena a quanidade de ações (ou de loes de ações, á que ações normalmene são negociadas em loes), um número não necessariamene ineiro, a ser comprado no empo = e manido aé =. Caso S sea maior que V, o valor V S é negaivo e represena, na realidade, um valor a ser omado no mercado e não um valor aplicado. Chamando do o porfólio assim consiuído, seu valor, no empo =, é: = S ( V S ) = V. No empo seguine o valor desse parimônio será dado pela soma do valor das ações, S, mais o valor aualizado da aplicação em dinheiro, ( r)( V S), ou sea, = S ( r)( V S ). Parindo-se, pois, de um mesmo valor V, o mercado considerado permie duas aplicações diferenes, com valores finais V e. O que se argumena enão é que, a única hipóese de convivência desses aivos é que exisam V e ais que V sea Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

4 igual a, pois, caso conrário, odos os invesimenos se concenrariam naquela aplicação de maior resulado. Deve-se enão deerminar V e, conhecidos u, d e S. êm-se duas incógnias e, como as ações se comporam, por hipóese, segundo o modelo binomial, duas equações: V ( H ) = ( us K) = ( H ) = S( H ) ( r)( V S) V ( ) = ( ds K) = ( ) = S( ) ( r)( V S); que podem ser reescrias como cua solução é dada por V ( H ) = [ S( H ) ( r) S] ( r) V V ( ) = [ S( ) ( r) S] ( r) V; Fazendo-se: * r d p = u d V ( H ) V ( ) = e S( H ) S( ) r d u ( r) V = [ V ( H ) V ( )]. r u d u d * u ( r) e q =, em-se: u d * * V = [ p V ( H ) q V ( )]. r * * Como p q = e, por hipóese, < d < r < u e r, segue que * * * * p >, q > e p e q podem ser visos como uma nova medida de probabilidade, sob a qual o valor adequado para V, chamado de valor de arbiragem, é o valor da esperança, omada sob essa nova medida, da remuneração final da opção, V = ( S K ), desconada pela axa r. Usando-se a noação E * [.] para esa esperança, pode-se enão escrever: V * * = E [ ] [ ] V = r r E V. (2) Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

5 Caso se raasse de uma opção europeia de venda, odo o desenvolvimeno coninuaria válido, com a única diferença que o valor da remuneração final da opção passaria a ser dado por V = ( K S) = max{,( K S)}. Vale ressalar o significado dos resulados acima: A exisência de garane, ao vendedor da opção, compor, parindo do valor V, um porfólio (uma careira composa de loes da ação subacene e de aplicações no mercado cero), capaz de reproduzir o valor de exercício da opção. Sendo assim V é o valor uso para a venda da opção no empo inicial. 2.4 Preço de opções europeias uilizando o modelo binomial. Segundo Shreve (24), sabe-se que o preço de uma opção europeia num modelo binomial de passos é dado por: V = E r V. * [( ) ] Caso a opção sea de compra, pode-se reescrever: ( r) * V = E S K [( ) ] * = ( r) ( u d S K) P [ S = u d S ] * * = ( r) ( u d S K) ( p ) ( q ). (3) Caso a opção sea de venda, seu valor de arbiragem ambém pode ser reescrio como V r E K S * = ( ) [( ) ] * = ( r) ( K u d S ) P [( K u d S ) ] * * = ( r) ( K u d S) ( p ) ( q ). (4) Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

6 3 Meodologia A principal ferramena de análise uilizada nese rabalho é o conceio de função convexa. Sendo assim, é conveniene uma revisão de algumas definições e propriedades dessas funções. n Um subconuno A de R é definido como convexo se, dados dois ponos quaisquer x, x2 A, para odo λ. Uma função conínua : λx ( λ) x A. 2 domínio D é um subconuno convexo de λ [,], n f D R > R é definida como convexa se o seu n R e, para odo x, x2 2 2 D e odo f ( λx ( λ) x ) λ f ( x ) ( λ) f ( x ). (5) Oura definição de função convexa, equivalene à anerior, é: uma função conínua x perencene ao f : D R > R é definida como convexa se, para odo pono c( x ), al que: seu domínio D, exise uma consane f ( x) f ( x ) c( x )( x x ), para odo x D. (6) n Geomericamene, o que as definições acima dizem é: um subconuno A de R é convexo se, omando-se dois ponos quaisquer perencenes a A, o segmeno de rea que une esses dois ponos esá odo conido em A ; uma função conínua f : R > R ( x, f ( x )) e ( x2, f ( x 2)) em seu gráfico, é convexa se, dados dois ponos quaisquer o segmeno de rea que une esses ponos esá odo acima do gráfico da função; funções convexas êm reas supore sempre abaixo de seu gráfico. Dadas duas funções f ( x) e f ( ) 2 x, convexas em um inervalo D, a f ( x) = af ( x) bf ( x), com a > e b >, é ambém convexa no mesmo função 2 inervalo. 4 Resulados e discussão 4. Valor de arbiragem de uma opção europeia O preço de arbiragem de uma opção europeia de compra (3), considerando que os * * valores de r, u, d e, consequenemene, p e q, são dados pelo mercado, é função exclusivamene do preço de exercício K e pode ser reescrio como: Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

7 * * V ( K) = ( r) ( u d S K) ( p ) ( q ). Nesa expressão, cada parcela da soma à direia da igualdade é dada por ( r) ( u d S K) ( p ) ( q ) * * que é nula para K u d S e, para K < u d S vale: ( =,,2,..., ) ; * * ( r) ( u d S K) ( p ) ( q ). Esa expressão, como função de K, é uma rea de coeficiene linear dado por: e coeficiene angular: α * * up dq = S > ; r r * * p q β = < ; r r resulando que cada parcela de V ( ) K é uma função convexa (Figura ). α β K u d Figura - Função convexa dada por cada parcela do valor de arbiragem V europeia de compra. S K de uma opção Sendo assim, V ( ) K é uma soma de funções convexas e, consequenemene, uma função convexa (Figura 2). Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

8 V ( K) S k( ) = u d S ( =,,..., ) k () k () k( ) k( ) K Figura 2 - Valor arbiral de uma opção europeia de compra como função convexa do preço de exercício K. Por desenvolvimeno semelhane, o valor de arbiragem de uma opção europeia de venda (4) é uma função convexa ilusrada da Figura 3. V( K) k( ) = u d S ( =,2,..., ) k () k () k( ) k( ) K Figura 3 - Valor arbiral de uma opção europeia de venda exercício K. como função convexa do valor de Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p , 22 23

9 4.2 Valor de arbiragem de uma opção americana de compra no modelo de um passo No modelo de um passo esse valor é dado por: * = ( K ) max{ V,( r) E [ V ]} * * = max{( S K),( r) ( u d S K) ( p ) ( q ) }. O que se faz em seguida é mosrar (Figura 4) que: * * ( S K) ( r) ( u d S K) ( p ) ( q ) ; para odo K. V( K) ( S K ) * * ( r) ( u d S K) ( p ) ( q ) S ds S us K Figura 4 - Opção americana de compra no modelo de um passo. * * Considerando que f ( K) = ( r) E [ V ] = ( r) E [( S K) ] é uma função convexa e considerando a propriedade das reas supore de funções convexas, essa conclusão é imediaa, viso que: (i) Como f ( K ) = para K us, o eixo dos K s é uma rea supore de f ( K ), ( S K ) = para K S, segue que: e como f ( K) ( S K ) para K S. Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p , 22 23

10 (ii) Para K [, ds] * * f ( K) = [( us K)( p ) ( ds K)( q )] r * * = ( up dq ) S K = S K. r r r Porano, ( ) é uma rea supore de f ( K ), ou sea, S r K S r K f K para odo K. ( ) ( ), Sendo assim, para K [, S], ( S K) = S K S ( r) K. * Junando (i) e (ii) conclui-se que ( r) E [ V ] ( S K ) para odo ou sea, * * ( K ) max{ V,( r) = E [ V ]} = ( r) E [ V ]. K, Conclusão: No modelo binomial de passo, independene do valor de K, o melhor empo para se exercer uma opção americana de compra é em = = e, consequenemene, udo se passa como se o porador ivesse em mãos uma opção europeia de compra. 4.3 Valor de arbiragem de uma opção americana de compra no modelo de passos Fazendo uso do resulado anerior (modelo de um passo) e caminhando-se reversamene na árvore de valores de exercício de uma opção americana de compra, mosra-se que, para odo {,,..., }, * * * max{ E [ V ], E [ V ]} [ ]. = E V ( r) ( r) ( r) Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

11 (i) Fazendo = max * * { [ ], [ ]} ( ) E V r ( r) E V * * = max{ E [ V ], E [ V ]} ( r) ( r) * * = max{ E [ V ], E [ V ]} ( r) ( r) * * * * = max{ E [ E [ V ]], [ [ ]]}. G E E V G ( r) ( r) * A variável aleaória E [ V G ], por analogia com o resulado obido no modelo de um passo, é sempre menor ou igual à variável aleaória * E [ V ] ( r) G e, consequenemene, * * * * E [ E [ V G ]] E [ E [ V ]] G ( r) max * * * { [ ], [ ]} [ ]. ( ) E V r ( r) E V = ( r) E V (i) Fazendo = 2 demonsra-se, por um desenvolvimeno semelhane, que: * * * max{ E [ V 2 2], [ ]} [ ]. E V = E V ( r) ( r) ( r) Junando os resulados em (i) e (ii) em-se: max * * * { [ 2 2],..., [ ]} [ ]. ( ) E V ( ) E V = r r ( r) E V Esse padrão se maném para valores decrescenes de, de maneira que se pode concluir que: * * = ( K ) max{ V,( r) E [ V ],...,( r) E [ V ]} = ( r) E [ V ]. * Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

12 Conclusão: uma opção americana de compra se compora da mesma maneira que uma opção europeia no senido que o melhor exercício se dá no empo final e, porano, da mesma maneira pode ser raada, ano no que diz respeio ao seu preço de arbiragem quano ao seu porfólio de hedge. 4.4 Valor de arbiragem de uma opção americana de venda no modelo de passo No modelo de passo esse valor é dado por: * = ( K ) max{ V,( r) E [ V ]} * * = max{( K S ),( r) ( K u d S ) ( p ) ( q ) }. O que se verifica é que as funções acima se inercepam para algum valor de K enre * us. No que segue adoa-se a noação ( K ) = ( r) E [ V ]. ds e Se K = S, * * Sq ( S ) = ( r) ( S ds )( q ) = ( d) > r ( K) < ( K) ( S) = ( S S) = Se K = us, * * S q S u ( r) ( us ) = ( us ds ) q = ( u d) = ( u d) r r r u d u ( us) = S( ) r ( K) > ( K) ( us) = ( us S) = ( us S) = S( u ) [, ] Exise assim algum valor de K S us em que inercepam (Figura 5). ( K ) e ( K ) se Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

13 ( K ) ( K ) ( K ) ds S us K Figura 5 - Opção americana de venda no modelo de passo. Dado, porano, um preço de exercício K, o valor de arbiragem de uma opção americana de venda, ( ) K, no modelo binomial de um passo, só pode ser deerminado comparando-se os valores de ( K ) e ( K ). 4.5 Valor de arbiragem de uma opção americana de venda no modelo de passos. O resulado obido no modelo de um passo pode ser um complicador na deerminação do valor de arbiragem, viso que, segundo a eoria de arbiragem, esse valor é dado pelo valor inicial capaz de esabelecer um porfólio que reproduza o valor de exercício da opção em qualquer empo. Na impossibilidade de se replicarem odos os valores possíveis, esabelece-se um super-hedge, ou sea, um porfólio capaz de replicar o maior denre odos os valores de exercício. Para opções de compra isso foi simplificado pela consaação de que o maior valor de exercício aconece no empo final. No caso presene, á se viu que, mesmo no caso simples do modelo de passo, iso não aconece. Enão, com a finalidade de verificar se iso não passa de uma siuação paricular do modelo de passo, e ainda de buscar alguma regularidade que possa simplificar a deerminação do maior valor de exercício, examina-se o valor de arbiragem de uma opção americana de venda, supondo que o exercício se dê em um empo qualquer. Com a mesma noação usada em 4.4 esse valor é dado por: * * ( r) ( K u d S) = ( p ) ( q ). O que se consaa é que, para diferenes valores de, as funções se inercepam em algum valor de K. Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

14 e K ( d S, d S). Para odo {,,..., } K d S q ( ). * = ( )( ) > r > = (7) Para K = u S. r u S u d S p q * * ( ) ( ) = ( ) ( ) * * * * = [ u S ( p ) ( q ) u d S ( p ) ( q ) )] ( r ) * * * * ( p ) ( q ) S ( ) ( ) r r r u S up dq = ( ) [ u = S ]. ( r) (8) Esse úlimo resulado mosra que, para K = u S, é uma função decrescene de, ou sea, ( u S) < ( u S). O que se conclui, comparando-se ese úlimo resulado com (7), é que, para diferenes valores de, as funções se inercepam. Confirma-se enão o que á se podia anever, dado o resulado do modelo de um passo: preço de arbiragem de opção americana de venda não é rivial. A complicação esá em que, para se esabelecer o valor inicial do porfólio de hedge é preciso comparar o valor de exercício da opção no empo inicial com os valores arbirais da opção no empo seguine. Aconece que nenhum desses valores arbirais esá bem esabelecido, viso que a siuação se repee, ou sea, o esabelecimeno de qualquer um deles depende do valor de exercício da opção naquele momeno e dos possíveis valores arbirais do empo seguine. A conclusão é que, em se raando de opções americanas de venda, o único caminho para se chegar ao valor de arbiragem inicial exao é pela consrução de oda a árvore de hedge a parir do empo final, viso que, ese úlimo é o único empo em que se conhece exaamene o valor de arbiragem da opção. Não se raa realmene de um grande problema endo em visa os recursos compuacionais usualmene disponíveis. O algorimo de consrução do porfólio de Hedge é dado por: Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

15 = ( K S ) * = G max{( K S ),( r) E [ ]}; e o melhor empo de exercício é o primeiro empo em que o valor do porfólio coincide com o valor de exercício da opção. Iso significa que, caso o porador da opção deixe passar esse empo, o vendedor (emissor) pode consumir o valor correspondene a: viso que, se: segue que: ( K S ) ( r) E [ G ]; * * = G = max{( K S ),( r) E [ ]} ( K S ) ; ( K S ) ( r) E [ G ]; * e, como o valor necessário para reproduzir os valores arbirais fuuros é dado por: a diferença: pode ser consumida. Conclusão ( r) E [ G ]; * ( K S ) ( r) E [ G ]; * O problema do esabelecimeno do preço de arbiragem de opções americanas, que usualmene é raado com argumenos financeiros (Black e Scholes, 973) ou via uma abordagem não rivial, usando o conceio de Marin Gales (Williams, 22), pode ambém ser abordado de maneira elemenar, aravés da eoria de funções convexas. Mais especificamene, parindo-se do fao de que o valor de arbiragem de uma opção americana, quando exercida em um empo fuuro qualquer, é uma função convexa do preço de exercício, é possível, de uma maneira exremamene simples, chegar-se às mesmas conclusões obidas via Marin Gales ou eoria econômica, ou sea, que opções americanas de compra se comporam como opções europeias e que o mesmo não aconece com opções americanas de venda. SOUZA, D. J.; CHAVES, L. M. Convex funcions in he opions arbirage pricing heory using binomial models. Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p , 22. ABSRAC: In his work, elemenary mahemaical ools, based on convex funcions properies, are used o derive he arbirage price for American opions. Markes are considered complee and discree in ime and sock prices are supposed o behave according o binomial models. KEYWORDS: Opion; binomial model; arbirage; derivaive. Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

16 Referências BLACK, F.; SCHOLES, M. he pricing of opions and corporae liabiliies. J. Poli. Econ., Amserdam, v.8, n.3, p , 973. CO, J. C.; ROOS, S. A.; RUBINSEIN, M. Opion pricing: a simplified approach. J. Financ. Econ., Lausanne, v.7, n.3, p , 979. HULL, J. C. Opions, fuures and oher derivaives. 7.ed. New Jersey: Pearson Prenice Hall, p. MERON, R. C. heory of raional opion pricing. Bell J. Econ. Manage. Sci., New York, v.4, n., p.4-83, 973. SHREVE, S. E. Sochasic calculus and finance. New York: Springer, 24. v.. WILLIAMS, D. Probabiliy wih maringales. 6.ed. Cambridge: Cambridge Universiy Press, p. Recebido em Aprovado após revisão Rev. Bras. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p ,

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Como podemos prever a evolução do preço das acções cotadas na bolsa?

Como podemos prever a evolução do preço das acções cotadas na bolsa? Como podemos prever a evolução do preço das acções coadas na bolsa? Cláudia Nunes Philippar cnunes@mah.is.ul.p Início da Hisória The Royal Swedish Academy of Sciences has decided o award he Bank of Sweden

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Comportamento Assintótico de Convoluções e Aplicações em EDP

Comportamento Assintótico de Convoluções e Aplicações em EDP Comporameno Assinóico de Convoluções e Aplicações em EDP José A. Barrionuevo Paulo Sérgio Cosa Lino Deparameno de Maemáica UFRGS Av. Beno Gonçalves 9500, 9509-900 Poro Alegre, RS, Brasil. 2008 Resumo Nese

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

2 O mercado de opções

2 O mercado de opções 2 O mercado de opções O mercado de opções adquiriu maior popularidade a parir da criação da Chicago Board Opions Exchange, em abril de 1973. A aberura objeivava especificamene a negociação de opções sobre

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Modelos para títulos de desconto e considerações sobre calibragem

Modelos para títulos de desconto e considerações sobre calibragem Modelos para íulos de descono e considerações sobre calibragem Fabricio Tourrucôo April 25, 2007 Absrac Uilizando méodos de perurbação regulares são obidas fórmulas aproximadas para o preço de um íulo

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas J.G. Casro e al. / Invesigação Operacional, 27 (2007) 67-83 67 Uso da imulação de Mone Carlo e da Curva de Gailho na Avaliação de Opções de Venda Americanas Javier Guiérrez Casro Tara K. Nanda Baidya Fernando

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO ANÁLSE DE UMA EQUAÇÃO DFERENCAL LNEAR QUE CARACTERZA A QUANTDADE DE SAL EM UM RESERATÓRO USANDO DLUÇÃO DE SOLUÇÃO Alessandro de Melo Omena Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2 RESUMO O presene arigo em

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

PROCESSOS DE PASSEIO NA RETA CONTÍNUA DANIELA TRENTIN NAVA. Orientador: Prof. Ph.D. Andrei Toom. Área de concentração: Probabilidade

PROCESSOS DE PASSEIO NA RETA CONTÍNUA DANIELA TRENTIN NAVA. Orientador: Prof. Ph.D. Andrei Toom. Área de concentração: Probabilidade PROCESSOS DE PASSEIO NA RETA CONTÍNUA DANIELA TRENTIN NAVA Orienador: Prof. Ph.D. Andrei Toom Área de concenração: Probabilidade Disseração submeida como requerimeno parcial para obenção do grau de Mesre

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (1) Definição de Funções. Nesta Aula

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (1) Definição de Funções. Nesta Aula Resumo Sisemas e Sinais Definição de Sinais e de Sisemas () lco@is.ul.p Insiuo Superior Técnico Definição de funções. Composição. Definição declaraiva e imperaiva. Definição de sinais. Energia e poência

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Aplicações à Teoria da Confiabilidade

Aplicações à Teoria da Confiabilidade Aplicações à Teoria da ESQUEMA DO CAPÍTULO 11.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 11.2 A LEI DE FALHA NORMAL 11.3 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL 11.4 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL E A DISTRIBUIÇÃO DE POISSON 11.5 A LEI

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos.

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos. 4 Meodologia Proposa para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Mone Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algorimos Genéicos. 4.1. Inrodução Nese capíulo descreve-se em duas pares a meodologia

Leia mais

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a:

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a: PROVA DE MATEMÁTICA - TURMA DO o ANO DO ENINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-A - JUlHO DE. ELAORAÇÃO: PROFEORE ADRIANO CARIÉ E WALTER PORTO. PROFEORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUETÃO Considere os conjunos A { R

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Fajardo, José; Pereira, Rafael Efeios Sazonais no Índice Bovespa BBR - Brazilian Business Review,

Leia mais

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS VANIA DI ADDARIO GUIMARÃES Tese apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz, Universidade de

Leia mais

Exercícios sobre o Modelo Logístico Discreto

Exercícios sobre o Modelo Logístico Discreto Exercícios sobre o Modelo Logísico Discreo 1. Faça uma abela e o gráfico do modelo logísico discreo descrio pela equação abaixo para = 0, 1,..., 10, N N = 1,3 N 1, N 0 = 1. 10 Solução. Usando o Excel,

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR Bárbara Lopes Macedo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Carina Aleandra Rondini Marreo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Jucélia Maria de Almeida

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS. Paulo Beltrão Fraletti 1 Paulo Kwok Shaw Sain 2

INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS. Paulo Beltrão Fraletti 1 Paulo Kwok Shaw Sain 2 IV SEMEAD INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS Paulo Belrão Fralei Paulo Kwok Shaw Sain 2 RESUMO O Value-a-Risk (V@R) é aualmene a ferramena mais popular

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRAS SOBRE O CASO BRASILEIRO Kenya Valeria Micaela de Souza Noronha Mônica Viegas Andrade Junho de 2002 1 Ficha caalográfica 33:614(81)

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Análise de Pós-optimização e de Sensibilidade

Análise de Pós-optimização e de Sensibilidade CPÍULO nálise de Pós-opimização e de Sensibilidade. Inrodução Uma das arefas mais delicadas no desenvolvimeno práico dos modelos de PL, relaciona-se com a obenção de esimaivas credíveis para os parâmeros

Leia mais

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCQ - 11 16 a 21 Ouubro de 2005 Curiiba - Paraná GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA Inrodução Ese arigo raa de um dos assunos mais recorrenes nas provas do IME e do ITA nos úlimos anos, que é a Cinéica Química. Aqui raamos principalmene dos

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES...

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES... SUMÁRO 1. PERCENTAGENS...4 1.1. NTRODUÇÃO...4 1.2. 1.2.. EQUVALÊNCAS...5 1.3. 1.3. ASSMETRA...5 1.4. 1.4. AUMENTOS E BAXAS SUCESSVAS...7 2. 2. RELATVOS...9 2.1. 2.1. TPOS DE RELATVOS...9 2.1.1. 2.1.1.

Leia mais

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis Vol. 4, No. 2 Viória-ES, Brasil Mai/ Ago 27 p. 96-3 ISSN 87-734X Avaliação de Empresas com Base em Números Conábeis James A. Ohlson* Arizona Sae Universiy Alexsandro Broedel Lopes** USP- Universidade de

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 163 22. PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 22.1. Inrodução Na Seção 9.2 foi falado sobre os Parâmeros de Core e

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso Avaliação do Fair Value dos Direios de Exploração Mineral de Granio com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Esudo de Caso Resumo Ese esudo invesiga a aplicação da eoria de opções reais em reservas

Leia mais

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão Modelos de Previsão Inrodução Em omada de decisão é basane comum raar problemas cujas decisões a serem omadas são funções de faos fuuros Assim, os dados descrevendo a siuação de decisão precisam ser represenaivos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso

Leia mais

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing Universidade dos Açores Deparameno de Maemáica Monografia Modelos Maemáicos na Tomada de Decisão em Markeing Pona delgada, 3 de Maio de Orienador: Eng. Armado B. Mendes Orienanda: Marla Silva Modelos Maemáicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OPÇÕES AMERICANAS DE TAXA DE JURO: O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS DE MONTE CARLO

AVALIAÇÃO DE OPÇÕES AMERICANAS DE TAXA DE JURO: O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS DE MONTE CARLO 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSIUO COPPEAD DE ADMINISRAÇÃO CLAUDIA DOURADO CESCAO AVALIAÇÃO DE OPÇÕES AMERICANAS DE AXA DE JURO: O MÉODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS DE MONE CARLO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TE041 Circuios Eléricos I Prof. Ewaldo L. M. Mehl Capíulo 2: Conceios Fundamenais sobre Circuios Eléricos 2.1. CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho i UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS Mauro Rezende Filho DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL42 Coneúdo 8 - Inrodução aos Circuios Lineares e Invarianes...1 8.1 - Algumas definições e propriedades gerais...1 8.2 - Relação enre exciação

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS por Ana Eser Farias Disseração apresenada ao Curso de Mesrado do Programa de Pós-Graduação em Adminisração, Área de Concenração em

Leia mais

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano A dinâmica de ransição e o crescimeno econômico em um modelo neoclássico com capial humano Jorge Cláudio Cavalcane de Oliveira Lima* Resumo O modelo neoclássico de crescimeno proposo por Solow (956) ganhou

Leia mais

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-27 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA - MG - BRASIL hbrigae@yahoo.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Comércio

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Julho 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p

Leia mais