GABARITO. 2 Matemática D 06) 11 = = = 01. Correto. Do enunciado temos que: h = 4r. Portanto, V cilindro. Portanto, por Pitágoras:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GABARITO. 2 Matemática D 06) 11 = = = 01. Correto. Do enunciado temos que: h = 4r. Portanto, V cilindro. Portanto, por Pitágoras:"

Transcrição

1 Mtemáti D Extensivo V. 8 Exeíios 0) ) 96 dm b) ) (x) p x : () dm Potnto: V b dm b) Os vloes de x devem stisfze s seguintes equções. Sendo V. b. então π.. (x 5x + 8x) 6π dm Potnto x 5x + 8x 0 Do enunido é íz, potnto, x 5x+ 8x x 0 ( x x+ ) Dest fom (x )(x x + ) 0 então x ou x 0) C 0) E Po Pitágos: x x 5 9 Sbendo que: 00π π 5 Sendo. 0 Potnto. x Volume do one: V one.π...π π m x 0) E R 6 6 g Getiz do one: G m Potnto, x 0 6. Sbendo seguinte elção temos, x H R. 6 m 8 Do enunido temos que V T V E Potnto, T.π. (R +. R + ). π T. (R +. R + ). π Sendo T temos, R +. R + 6 R Como g R + e g (R ) + então, (R + ) (R ). R R. 6 e g R + R + R + R + + R Potnto, g 6 + R g Dest fom o volume d iunfeêni é ddo po: V C. π. 7. π 6π m e potnto, T (96π 6π). P e V 6π. P e T V 05) 6 60π. P. 6π. P 0 Sbendo que V.π... 8 Potnto o volume do ilindo vle: V v π. 6π 8 Potnto R 8 6 Mtemáti D

2 06) 0. Coeto. Do enunido temos que:. Potnto, V ilindo π.. π. π Sendo ssim, 8 m áe totl do ilindo seá ilindo π. + π. ilindo π + 8π 0π m 0. Coeto. V.π. π m 0. Inoeto. ltu do ilindo: Diâmeto d bse: D 08. Coeto. V π. π V E. π. π 07) S L é máxim p 6 Do enunido timos seguinte elção: Potnto, + 6 P desobimos o vlo máximo d áe ltel devemos desobi o vlo máximo de ou Potnto m 6 08) 57,5 m Volume do ilindo V π.. 5. π 00π 60 t l 0 P enontmos áe d bse pism é neessáio enont os vloes de T e l. l 09) C l.. os 0. l 5 Potnto, po Pitágos: T ( 5 ) T Potnto, V p Potnto, V T V V p V T 57,5 m O volume de águ que tnsbod é igul o volume do pism. Potnto: Áe d bse do ilindo π. Áe d bse do pism p l. l. l. Colondo em função de l temos, π π l l Potnto, V. V. 0) 0 l.. π. p p p ( π l ). 6 Sbendo que ltu do ilindo então, Volume do ilindo V π.. π.. V π. Volume d esfe V E π. Áe de supefíie esféi: S E π. Áe de supefíie do ilindo: S π.. π. Mtemáti D

3 ) E 0. V S 0. V S E E π π π. π 0. V. π π V V E.π π 6. V E π. S Volume do ilindo V π π Volume de águ V π π Volume se peenido: V S V V 5π(0 9) 5π Volume individul ds esfes: V E π π Potnto VS 5π V π ) 9 R 5 E ) C ) E Volume do one V π.. 8 π. Volume do pism V p l. onde l em função de vle, l os 5. l.. Potnto, V 8π.. 8π π Vp (.. ). 6 ltu do one + x onde, po pitágos, x R x Potnto, R + 9 Volume do one: V π.. π π Volume d esfe V π.. 5π 500π Potnto, V 8. π 8 6, 0, 6 V 500. π E Po Pitágos: x R R 5 R R 5 x 6R R 5 5 Potnto, R + x R + R 9R 5 5 5) E Volume do one V one π.. 08π Volume do ilindo V ilindo π. onde, potnto, 08. π π. ( ) Dest fom: V ilindo π. 7. π 6π ilindo π. π. 9 6π Mtemáti D

4 6) V F F V F V. Flso. 0 6 Rio do ilindo: Po Pitágos: 0 6 m 90 5 I. Veddei. Obseve que é possível peene esfe om quto sólidos onfome desito no enunido, ms sbei sem peene esfe egião ud. 7) m II. Flso. Áe totl do ilindo: ( T ) T π.. π T 8π + 88π T 67π m Áe totl do one: ( T ) T π.. (g + ) T 8π m Potnto: T T 8π 67π 7 III. Flso. Volume do one (V ) V π.. 78π m Volume do ilindo (V ) V π.. V 0π m Potnto: V 0π V 768π IV. Veddeio. O volume do pism exgonl (V p ): V p b. V p 6. 6 V p 56 m. 8) 9 Sbendo que áe d bse d piâmide ( bp ) vle 5. temos que: 6. R. 5 R 6 m Como o volume do ilindo V 60π m temos: π. R. 60π 0 m Po Pitágos temos que, potem do tiângulo ltel d piâmide vle: (. ) + R. 7 m Potnto: L 6. R L 8 7 m st igul o volume d esfe om o volume do ilindo de águ que se elev. π. R π R., onde e são os ios d esfe do ilindo espetivmente: π. 0 π. 0.,5 Potnto: S ) C C C E I. Coeto. eixo ilindo Mtemáti D

5 II. Coet. d plno R R. R R onde é o io d iunfeêni meno e R d iunfeêni mio. Potnto: Áe d iunfeêni meno: m () πr π. R Áe d oo iul π. R π. R π. R π. R π. R ) D ) C Sbendo que o io d iunfeêni vle metde d est do ubo, e que: D d + onde, D, d e são espetivmente, digonl do ubo, digonl do ldo do ubo e est do ubo. Dest fom po Pitágos d d e 00 ( R. ) + () Potnto, Sbendo que est do ubo é o dobo do io então: Volume d esfe V E π. π m III. Coet. Sbendo que geetiz do one é R geetiz do one mio é dd p: G R + R G R Volume do ubo V C b. 8 m Potnto: Potnto, po semelnç de tiângulos: R R R R Dest fom C π. C πr ) C V V V 8 π V π (6 π) y IV. Coet Obseve que é possível peene esfe om quto sólidos, onfome desito no enunido, ms sobim s s uds p peene esfe ompletmente. Po Pitágos temos que est do ubo vle: + x 0) E O volume do líquido é ddo pelo volume d metde do ilindo menos o volume do one: V L πr. H π.. V L 5π π V L π Mtemáti D 5

6 Tmbém po Pitágos temos que est do otedo vle: ( 0 ) + 0 Potnto, áe totl do otedo vle: 8. T, onde T é áe do tiângulo equiláteo de ldo. 8. ) p 0 0 p Potnto, ) V (π ) m Como o io d esfe E e o diâmeto do ubo D E então, po pitágos: Diâmeto d fe do ubo (d) d + d. onde, é est do ubo Potnto, D d + ( E ) ( ) + Então, 6 Potnto, V ( ) 8. m 6) 5 0. Coet. O volume do poliedo é ddo po: V p... m 0. Ed. Um tetedo egul é fomdo po quto tiângulos equiláteos ms, C + Potnto C C Do enunido timos que digonl do ubo é igul o diâmeto d esfe: Digonl d fe do ubo (d) d + d. m Digonl do ubo D + d D + 8 D m Potnto, sbendo que, R D Então: Volume d esfe V E π. R. π π m Volume do ubo V. 8 m Potnto, V V E V π. 8 7) D 0. Ed. Δ. 08. Coet. Sbendo que V, p V se eslelo bst most que V e V V V (C) + () V + V 6. Coet. T 6 ( ) 6 Pimeio lulmos s ests do sólido OPQRST. Po Pitágos: +, onde é est do ubo. 8 Dest fom pótem (p) d fe do sólido OPQRST é, po Pitágos:, 6 Mtemáti D

7 8) p p 6 Potnto, L 8. p 6. L 6 m Sbendo que o otedo egul é fomdo po dus piâmides de bse qudd bst lul su est p desobi áe d bse ds piâmides e ssim o volume do otedo. Po Pitágos: ) D 8 Potnto V.. D ( ), onde V m 0) E V. T Potnto o io d esfe iunsit vle: 6 ) D Potnto: V π. V. 6 π Então: R π. π. 6 R 96 O io d iunfeêni é metde do diâmeto do ubo, ujo diâmeto d fe é d e est é. Potnto, po Pitágos d d e D d + D D Como o otedo é egul temos que bse ds dus piâmides que o fomm é um quddo de ldo e ltu igul o io d iunfeêni. Potnto R.. Potnto: V O. 9 Colondo em função de temos po Pitágos que. ) E H F G Potnto: ssim temos que: V. π. 9 V V 7 9 V 8 D 0. Inoet. Po definição s fs de um piâmide deve te um ponto em omum. 0. Coet. Po onstução. 0. Coet. Po onstução. 08. Inoet. Volume d piâmide do CF V p (. ) b. 6 Volume do ubo: C α V ( b. ). Mtemáti D 7

8 Potnto V p V 6. Coet. O ilindo iunsito tem io d bse igul metde do diâmeto d fe do ubo. ) ) Diâmeto d fe do ubo d + d Potnto e V π... π...π Potnto V. π. π V. Inoet. O io é metde d est do ubo. Volume do pism V p. Volume d piâmide V p.. Potnto V V p p... O io d esfe é ddo pel metde do diâmeto do ubo. Então: Áe totl do ubo T Potnto, D d + onde d potnto D + D Dest fom V π. π 6 6 V π 5) 6 6 6) D... π 6 6 Volume do pism exgonl V n b. 6.. V Potnto V. π.., onde, po Pitágos vle: V π. π.. V Potnto, V.. V π. 7) 7 6 π Po onstução temos que est do do ubo iunsito e o diâmeto do ubo insito são iguis o diâmeto d iunfeêni. Potnto, po Pitágos: R +( ) R R Como R então, x V V R ( ) R Dest fom, x ( ) 7 8R R 8 Mtemáti D

9 8) m ) C O diâmeto de um ubo insito em um iunfeêni é igul o diâmeto d mesm potnto, sbendo que áe totl do ubo é m então: 6. 6 Diâmeto d fe do ubo d d. Diâmeto d iunfeêni D d + 6 D D 9 Potnto R D m + π os π. os 60. sen π.. 9 C 9) Sbendo que o io d bse do one é igul metde d est do ubo e que o volume do one é 8π m então V π. 8 m onde 0) C, potnto, 5 7 Potnto 6 e T ) Potnto, V π π 8 O volume do sólido é ddo pel som dos volumes dos dois ones gedos de bse e ltu e do ilindo de bse e ltu. V ones π.. π.. π V ilindos π.. π.. π V T π + π π+ 6π 8 m π Como otção foi em tono d bse temos que bse do one obtido é um iulo om 6 m de io. Potnto, V ( b ) π. π. 6 π ) l l D l C O volume do sólido é ddo pelo volume de um ilindo de bse om io de e ltu menos o volume de um one de io e ltu, potnto: V T π. ( ). π.. V T π. l. π. l π. l Mtemáti D 9

10 ) E D 5) C C Sbendo que tg θ 5 6 então Potnto, V π V π.. π 5 V.. π 8.. π 5 5 Volume de one gedo pel otção do tiângulo D: V D π.. π. Volume do sólido fedo pel votção do tiângulo CD. V CD π.. π.. 9) 6 m e b 0 m V π.. b e V π. b. onde e b são ldos do etângulo. Potnto: π.. b 60π e π. b. 600π 60. b b. 0. b 0000 b 6. 0b b 000 b b 0 50) D Substituindo: y 5 6 V CD π. Potnto VD πl V. πl 6 6) C CD V π. b. e V π.. b 5) C 0 V π.. V π.. 5 5π x Potnto, V b b V π.. 5 π.. b R R 7) E 8) E evolução d figu vi ge um tono de evolução menos um ilindo de io m e ltu 6 m. Potnto, V π. ( + R + R ) π.. 6 V π.6 ( ) π V 9. π 5π 8π O volume é ddo pelo ilindo de io e ltu R menos os dois ones de io e ltu R. Po Pitágos: ( R) R R R R Potnto, V π.. R π. V πr Como evolução não foi omplet temos que o volume do sólido seá: Sbendo que 70 π d então, V. π... V 6. 6π 0 Mtemáti D

11 5) C 5) V t. s e V π. s. t Potnto, V π. t. s. t V π. s. t s O volume é ddo pelo volume do one gedo pel otção do tiângulo C menos o volume do one gedo pelo tiângulo DCE. V π.. π.. 5) C V 6π 56) tg θ tg α 8 Potnto, k + 8 k k Dest fom: V π. (k). (k + ) π. k. (k + ) V π. (8k k + 8k k ) V π. (k + k ) Substituindo k temos: V π. (. +. ) 7π C 55) e V π.., onde e Potnto, V π.. π 57) C Sendo e Potnto V π.. π.. V π.. π. V π. π. K + x θ α x K Como tg α 8 então C K D x² + x² x Obseve que otionndo o tiângulo em tono de su ipotenus obtemos dois ones iguis. Mtemáti D

12 59) E N P M Q Obseve que o volume do sólido gedo pel otção do plelogmo em tono d et supote do ldo MQ é igul o volume do ilindo de io e ltu. ssim: V π. ². 58) D 5 sen 5 Logo, V.. π. ². V.. π.. V.. π.. V π 60) Sejm: V O volume do objeto sólido V F volume finl (águ + objeto sólido) V volume águ V π. ()². π V F π. ()². π Logo, V O V F V V O π π π 6 6) E D E 6) ) Ds figus pesentds, que melo epesent plnifição do bebedouo é quel que pee n ltentiv E uniddes de áe m F m V semiesfe. π V semiesfe. π. 8π m³ C V ilindo π². V ilindo π. ². π m³ V poudo V semiesfe V ilindo V poudo 8π π 7π m³ 5 5 C No ΔDC, temos: C² 5² + ² C No ΔCD, temos: C² 5² + 5² C 5 D Mtemáti D

13 No ΔC, temos: 6) D V 0 m V π. ². V π. π². V π³ ( ) 5 M M² M C + M² M² 50 V π m π m Sendo áe do ΔC, temos: ? V ². H V (π)². H V π². H b) uniddes de ompimento O volume V do tetedo CD, de bse CD, é: V V 50. 6) D Considendo o tiângulo C omo bse do tetedo CD, temos que distâni do vétie D o plno que ontém o tiângulo C é su ltu. ssim: m³ π m 57 V vsilme π. ². V vsilme. (0,). 0,8 m³ Quntidde vsilmes Vdemdo m 5 vsilmes V 08, m vsilme 65) π π V V π²h π³ H π. 78,5% ssim, ouve um edução de poximdmente %. Mteil: ilindo R$,00 po m² one R$,00 po m² Cilindo: l π ilindo l. (,).. 5, m² R$,00 R$50, ilindo Cone: g g² ² + ² g 5. l π.. g one l (,).. 5 6,8 m² R$,00 R$88,. one Custo p onstução de um isten: 50, + 88, R$8,6 Mtemáti D

14 66) 68) Note que o o oesponde à iunfeêni d bse do one, ssim: α. π. 5. π. 0 πr πr R m 67) 9 8 m V V D 6 m Obseve que, omo espessu ds pedes do ilindo deve se de m, temos que onside dois ios, um extemno (R ) e outo inteno (R ). Logo, R 8 m e R 7 m. ssim, V pedes πr. πr. V pedes π(r R ) V pedes,. 0 (8² 7²) 9 m³ P que o ilindo de umbo isole ompletmente substâni diotiv, devemos onside sus tmps. ssim: R P deteminmos o volume de águ V é peiso enont o io R d iunfeêni definid pelo nível de águ no one. Po semelnç, temos: R R. ssim, V π.. V 9 π. 6 π Logo, V V 9 π ) 70) V tmps πr. V tmps. (,). (7)². 07,7 m³ Logo, V totl V pedes + V tmps V totl ,7 9,7 m³ d o tem-se 60 minutos. Em os, á minutos. Se é ministdo,5 m de medimento po minuto, o volume de medimento ministdo é de,5 m m. O eipiente é onstituido de um ilindo iul eto om 9 m de ltu e um one, tmbém iul eto, e de m de ltu. Sendo o io d bse de mbos de m, o volume do eipiente é igul : V π. ². 9 + π ². 60π m³ V m³ 80 m. Desontd quntidde ministd, estm (80 60) m 0 m de medimento. V tç π. ². 0 0π m³ V gelo.. π. ³ π m³ Mtemáti D

15 7) Logo, V tnsboddo V gelo V tç V tnsboddo π 0π π m³. Obseve que o volume d esfe é igul o ésimo do volume de águ no eipiente ilíndio, ssim: V esfe V esido ilindo πr³ π². 0 R³ 0. ². R.. R 0 0 tem-se: R k.. ( ), em que k é um onstnte númei. 7) 0 0. Veddeio.. (. ), fzendo 0 k, 0 0 Do ΔC, tem-se: 0² ()² + ()² 00 ² + ² 8² 00 ² ssim: V ilindo π². V C π². V C π³ V C π(5 )³ V C 500 π m³ C d 0. Veddeio. R 0 m R 0 m R 0 m g Po semelnç de tiângulos, temos: R R 0 0 g g g. R 0 m ssim: g² ² + ² ()² ² + 0² ² 900 ² 00 0 m. Mtemáti D 5

16 0. Flso. m R 0 m V m³ m R$ 6, x R$0,005. m x O V O tiângulo O é etângulo, logo: 0² ² + ² ² ² Flso. R 0 m 5 m 6 m V m³ 0 m R$ 096, x R$0,00. m x 0. Flso. C π² C π. 0² C 00π C 0 m² 6. Flso. esfe π. R² E. π. 0² E. (,). 00 E 0 m² tetedo. l T 0². 900 T 50 m² 7) 0. Flso. V π.( ). π V π.. π V > V > V V π π.. 0. Flso. V 9 m 7) D R V esfe πr³ R V one πr².. πr². R πr³ Logo, V E. V C. 08. Veddeio. V l ( 0 ) V 000 ( ) 000 m³ 6. Veddeio. 8 log 9 (9²) log 9 9² log 9 9 log 9 9 log V semiesfe V. π³ π³ V ilindo V π². π³ V one V π². π³ Como s msss dos sólidos são iguis, isto é, m m m, tem-se: 8 m 6 m * m d. V * m d. V d. * m d. V π d. π d. π 6 Mtemáti D

17 d d d ( ) d d d. Considendo os vloes indidos n tbel, s msss espeífis que tendem esss igulddes são: m d d d 6 6 m mss espeífi d oesponde à do one. Logo, esse sólido foi onstuído om substâni z. 75) 5 9 m Cilndo: b π π ² π ². V C π². π π ². 6. Piâmide: 76) D V 6 V V V 7 V V 7 V 9 Logo, V tono V V V tono O volume de águ no tnque seá luldo pel som dos volumes V e V : V 0 V V m³ 60 5 Considendo, H ltu do tiângulo equiláteo d bse d piâmide, tem-se: H H H H V nível de águ no tnque 0 m 0 m ² + l ² + l 5 m ssim, T l T m² e V m³. O volume V d piâmide meno é detemindo pel elção: V x 75,. 0 0 m 0 m. 60 V 50 m³ x x 7,5 m³ ssim, V b. Logo, V águ V + V V águ 7 50 m³ 7,5 dm³ 7,5 Mtemáti D 7

18 77) V esfe πr³ V tono one π.h. R R R R πhr Logo, πr³ 7 πhr 6R H. 7 79) C Sejm s ets: : x 0 (eixo dos y) s: x y 0 y x t: x + y 5 0 y 5 x Repesentndo ests ets no plno tesino, tem-se: y 78) V sovete V semiesfe + V one 5 V sovete. π. 6³ + π. 6². 88π m³ s No one, tem-se: V volume one mio e V volume one meno. 5 x R 6 m t Obseve que otionndo o tiângulo em tono do eixo ds y obtemos dois ones de mesm bse. m m ssim, V π². π m³ e V V V 7 V V V 7 V V 7π 6 π m³ Logo, V onsumido 88π 6 π 88π m³. ssim, V π. ². 6 π e V π. ². 6 π. Logo, V sólido V + V 6 π 6π 80π +. 8 Mtemáti D

QUESTÃO 01 01) ) ) ) ) 175 RESOLUÇÃO:

QUESTÃO 01 01) ) ) ) ) 175 RESOLUÇÃO: QUESTÃO A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE II- COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABOAÇÃO: POF. ADIANO CAIBÉ e WALTE POTO. POFA, MAIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Sejm ABC e ADE dois tiângulos etângulos conguentes, com AB

Leia mais

Soluções do Capítulo 9 (Volume 2)

Soluções do Capítulo 9 (Volume 2) Soluções do pítulo 9 (Volume ) 1. onsidee s ests oposts e do tetedo. omo e, os pontos e estão, mbos, no plno medido de, que é pependicul. Logo, et é otogonl, po est contid em um plno pependicul.. Tomemos,

Leia mais

Geometria Plana 04 Prof. Valdir

Geometria Plana 04 Prof. Valdir pé-vestiul e ensino médio QUILÁTS TÁVIS 1. efinição É o polígono que possui quto ldos. o nosso estudo, vmos onside pens os qudiláteos onveos. e i Sendo:,,, véties do qudiláteo; i 1, i, i 3, i 4 ângulos

Leia mais

Matemática D Intensivo V. 1

Matemática D Intensivo V. 1 GRITO Mtemátic Intensivo V. ecícios 0) onstuímos et t, tl que t // s e t // : b t s et t divide o ângulo em dois ângulos e b. = 0 (ltenos intenos) b = = 0 = 7 Segue, b = (ltenos intenos). Logo, = 7. 0)

Leia mais

Geometria Espacial 01 Prof. Valdir

Geometria Espacial 01 Prof. Valdir Geometi Espcil 01 Pof. ldi I. PLIES 1. EFINIÇÃ São sólidos eométicos com fces plns e polionis.. elção de Eule + F + : númeo de vétices F: númeo de fces : númeo de ests Eemplo: N fiu seui, obseve elção:

Leia mais

MECÂNICA VETORES AULA 3 1- INTRODUÇÃO

MECÂNICA VETORES AULA 3 1- INTRODUÇÃO AULA 3 MECÂNICA VETOES - INTODUÇÃO N Físic usmos dois gupos de gndezs: s gndezs escles e s gndezs vetoiis. São escles s gndezs que ficm ccteizds com os seus vloes numéicos e sus espectivs uniddes. São

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA. LISTA 3 Teorema de Tales

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA. LISTA 3 Teorema de Tales INSTITUTO PLIÇÃO RNNO RORIUS SILVIR Pofeo: Mello mdeo luno(): Tum: LIST Teoem de Tle Teoem de Tle hmmo de feie de plel um onjunto de et plel de um plno, ou ej, // // //. Ret plel otd po um tnvel: onidee

Leia mais

O TRIÂNGULO E SUAS PRINCIPAIS CIRCUNFERÊNCIAS Eduardo Wagner, Rio de Janeiro - RJ

O TRIÂNGULO E SUAS PRINCIPAIS CIRCUNFERÊNCIAS Eduardo Wagner, Rio de Janeiro - RJ O TRIÂNGULO E U PRINIPI IRUNFERÊNI Edudo Wgne, Rio de Jneio - RJ Nível Iniinte Vmos tt neste tigo ds iunfeênis insit, iunsit e exinsits de um tiângulo. Mostemos divess popieddes, elções inteessntes e lguns

Leia mais

Atividades para classe

Atividades para classe RESLUÇÃ DE TIIDDES pítulo 5 Módulo 1: Áes de egiões poligonis Em cd item bio está indicdo o nome do polígono e lgums medids. Detemine áe de cd polígono. PÁGIN 1 oe Desfio ) tiângulo c) losngo áe do polígono

Leia mais

SÍNTESE. 1. Geometria analítica no plano. 2. Cálculo vetorial no plano. Inequações cartesianas de semiplanos

SÍNTESE. 1. Geometria analítica no plano. 2. Cálculo vetorial no plano. Inequações cartesianas de semiplanos j h i TEMA III Geometi Anlíti 1. Geometi nlíti no plno Inequções tesins de semiplnos > < > + + < + + Sejm A( 1, ) e B( 1, ) dois pontos do plno: Distâni ente A e B. ( 1 1 ) + ( ) h 1 + 1 Ponto médio do

Leia mais

Resoluções de Atividades

Resoluções de Atividades VLU GTI esoluções de tividdes Sumáio pítulo Geometi de posição... pítulo Tiângulo etângulo... 4. pítulo ojeções, ângulos e distâncis... 7 pítulo oliedos... 9 pítulo Uniddes de áes e uniddes de volume...

Leia mais

f(x) = Alternativa E f(-1) g(-2) = 6

f(x) = Alternativa E f(-1) g(-2) = 6 Pincipis notções Z - o conjunto de todos os númeos inteios R - o conjunto de todos os númeos eis C - o conjunto de todos os númeos compleos [, b] = { R: b} ] -, b] = { R: b} [, b[ = { R: < b} ] -, b[ =

Leia mais

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem.

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem. EFOMM 2010 1. Anlise s firmtivs bixo. I - Sej K o conjunto dos qudriláteros plnos, seus subconjuntos são: P = {x K / x possui ldos opostos prlelos}; L = {x K / x possui 4 ldos congruentes}; R = {x K /

Leia mais

Volume. Resoluções. Matemática. e suas Tecnologias

Volume. Resoluções. Matemática. e suas Tecnologias Volume temátic e sus Tecnologis temátic temátic 0. O obô pecoeá o peímeto de um polígono egul de n ldos, cujo ângulo eteno seá: 60 º = n = 5 n Logo, ele pecoeá 5 ( m) = 60 m. 0. Os códigos que fonecem

Leia mais

5(6,67Ç1&,$(&$3$&,7Æ1&,$

5(6,67Ç1&,$(&$3$&,7Æ1&,$ 59 5(6,67Ç&,$(&$3$&,7Æ&,$ ÃÃ5(6,67Ç&,$Ã(Ã/(,Ã'(Ã+0 No pítulo 6 efinimos ução J σ omo seno um ensie e oente e onução. Multiplino mos os los po um áe S, el fiá: J.S σs (A (8. σs (A (8. Se o mpo elétio fo

Leia mais

Trigonometria em triângulos quaisquer

Trigonometria em triângulos quaisquer pítulo 1 Tigonometi em tiângulos quisque Neste pítulo 1. Revisão de tigonometi no tiângulo etângulo 2. Seno e osseno de ângulos otusos 3. Lei dos senos. Lei dos ossenos omee pelo que já se etende-se ot

Leia mais

TIPOS DE GRANDEZAS. Grandeza escalar necessita apenas de uma. Grandeza vetorial Além do MÓDULO, ela

TIPOS DE GRANDEZAS. Grandeza escalar necessita apenas de uma. Grandeza vetorial Além do MÓDULO, ela TIPO DE GRANDEZA Gndez escl necessit pens de um infomção p se compeendid. Nesse cso, qundo citmos pens o MÓDULO d gndez (intensidde unidde) el fic definid. Exemplo: tempetu(30ºc), mss(00kg), volume(3400

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SOL OLITÉNI UNIVSI SÃO ULO venid ofesso Mello Moes, nº 3 008-900, São ulo, S Telefone: (0xx) 309 337 x: (0xx) 383 886 eptmento de ngenhi Mecânic M 00 MÂNI de setembo de 009 QUSTÃO (3 pontos): figu most

Leia mais

MATAMÁTICA MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS SETOR II

MATAMÁTICA MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS SETOR II MTMÁTI MTEMÁTI E SUS TENLGIS SET II ENEM011 Módulo odutos notáveis oduto d som pel difeenç: ( + ) ( ) = Quddo d som: ( + ) = + + Quddo d difeenç: ( ) = + uo d som: ( + ) 3 = 3 + 3 + 3 + 3 uo d difeenç:

Leia mais

CAPÍTULO 5 CINEMÁTICA DO MOVIMENTO PLANO DE CORPOS RÍGIDOS

CAPÍTULO 5 CINEMÁTICA DO MOVIMENTO PLANO DE CORPOS RÍGIDOS 4 CPÍTULO 5 CINEMÁTIC DO MOVIMENTO PLNO DE CORPOS RÍGIDOS O estudo d dinâmic do copo ígido pode se feito inicilmente tomndo plicções de engenhi onde o moimento é plno. Neste cpítulo mos nlis s equções

Leia mais

Plana C E. x r. 2x s. a f 110º 80º 150º

Plana C E. x r. 2x s. a f 110º 80º 150º ln. s figus ixo, s ets e s são plels. nonte medid dos ângulos x em d so. ) x 8. Tês polígonos onvexos tem ldos expessos po tês númeos onseutivos. endo 700º som de todos os ângulos intenos dos tês polígonos,

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Geometria Anaĺıtica 2. Ângulo entre Retas. Terceiro Ano - Médio

Material Teórico - Módulo de Geometria Anaĺıtica 2. Ângulo entre Retas. Terceiro Ano - Médio Mteil Teóico - Módulo de Geometi Anĺıtic Ângulo ente Rets Teceio Ano - Médio Auto: Pof. Angelo Pp Neto Reviso: Pof. Antonio Cminh M. Neto Ângulo ente ets que pssm pel oigem Nest seção, definimos e clculmos

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Interferência

Ondas Eletromagnéticas Interferência Onds Eletomgnétics Intefeênci Luz como ond A luz é um ond eletomgnétic (Mxwell, 1855). Ess ond é fomd po dois cmpos, E (cmpo elético) e B (cmpo mgnético). Esses cmpos estão colocdos de um fom pependicul

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

GABARITO. Matemática D 16) D. 12z = 8z + 8y + 8z 4z = 2x + 2y z = 2z+ 2y z = 2x x z = = 1 2 = ) C

GABARITO. Matemática D 16) D. 12z = 8z + 8y + 8z 4z = 2x + 2y z = 2z+ 2y z = 2x x z = = 1 2 = ) C GRITO temátic tensivo V. ercícios 0) ) 40 b) 0) 0) ) elo Teorem de Tles, temos: 8 40 5 b) elo Teorem de Tles, temos: 4 7 prtir do Teorem de Tles, temos: 4 0 48 0 4,8 48, 48 6 : 9 6, + 4,8 + 9,8 prtir do

Leia mais

II NÚMEROS RACIONAIS NÃO NEGATIVOS 3. FRAÇÕES DECIMAIS. PERCENTAGENS SIMPLIFICAÇÃO DE FRAÇÕES. FRAÇÃO IRREDUTÍVEL 42

II NÚMEROS RACIONAIS NÃO NEGATIVOS 3. FRAÇÕES DECIMAIS. PERCENTAGENS SIMPLIFICAÇÃO DE FRAÇÕES. FRAÇÃO IRREDUTÍVEL 42 ÍNDIE I NÚMEROS NTURIS 1. NÚMEROS NTURIS 4 2. DIÇÃO E SUTRÇÃO 6 3. MULTIPLIÇÃO 8 4. DIVISÃO 10 5. MÚLTIPLOS E DIVISORES 12 6. EXPRESSÕES LGÉRIS E PROLEMS 14 7. RITÉRIOS DE DIVISIILIDDE POR 2, 3, 4, 5,

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < <

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < < MATEMÁTICA Assinle lterntiv verddeir: ) 6 < 7 6 < 6 b) 7 6 < 6 < 6 c) 7 6 < 6 < 6 d) 6 < 6 < 7 6 e) 6 < 7 6 < 6 Pr * {} temos: ) *, * + e + * + ) + > + + > ) Ds equções (I) e (II) result 7 6 < ( 6 )

Leia mais

Análise Vetorial. Prof Daniel Silveira

Análise Vetorial. Prof Daniel Silveira nálise Vetoil Pof Dniel Silvei Intodução Objetivo Revisão de conceitos de nálise vetoil nálise vetoil fcilit descição mtemátic ds equções encontds no eletomgnetismo Vetoes e Álgeb Vetoil Escles Vetoes

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

CPV 82% de aprovação na ESPM em 2011

CPV 82% de aprovação na ESPM em 2011 CPV 8% de provção n ESPM em 0 Prov Resolvid ESPM Prov E 0/julho/0 MATEMÁTICA. Considerndo-se que x = 97, y = 907 e z =. xy, o vlor d expressão x + y z é: ) 679 b) 58 c) 7 d) 98 e) 77. Se três empds mis

Leia mais

Matemática B Superintensivo

Matemática B Superintensivo GRITO Mtemátic Superintensivo Eercícios 0) 4 m M, m 0 m N tg 0 = b = b = b = = cos 0 = 4 = = 4. =.,7 =,4 MN =, +,4 + MN =,9 m tg 60 = = =.. = h = + = 0 m 04) 0) D O vlor de n figur bio é: (Errt) 4 sen

Leia mais

Módulo 1: Conteúdo programático Equação da quantidade de Movimento

Módulo 1: Conteúdo programático Equação da quantidade de Movimento Módulo 1: Conteúdo pogmático Equção d quntidde de Movimento Bibliogfi: Bunetti, F. Mecânic dos Fluidos, São Pulo, Pentice Hll, 007. Equção d quntidde de movimento p o volume de contole com celeção line

Leia mais

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução:

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução: IME MATEMÁTICA A mtemátic é o lfbeto com que Deus escreveu o mundo Glileu Glilei Questão Clcule o número nturl n que torn o determinnte bixo igul 5. log (n ) log (n + ) log (n ) log (n ) Adicionndo s três

Leia mais

Matemática C Extensivo V. 6

Matemática C Extensivo V. 6 Mtemátic C Etesivo V 6 Eercícios ) D ) D ) C O vlor uitário do isumo é represetdo por y Portto pelo produto ds mtrizes A e B temos o seguite sistem: 5 5 9 y 5 5y 5y 9 5y 5 Portto: y 4 y 4 As médis uis

Leia mais

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. b) Sua diagonal

Curso de linguagem matemática Professor Renato Tião. b) Sua diagonal urso de lingugem mtemátic Professor Rento Tião 1. s dimensões de um prlelepípedo reto-retângulo são m, 4m e 1m. lcule: ) Su áre totl. b) Seu volume. c) Su digonl.. s dimensões x, y, z de um prlelepípedo

Leia mais

o Seu pé direito na medicina

o Seu pé direito na medicina o Seu pé direito n medicin UNIFESP //006 MATEMÁTIA 0 Entre os primeiros mil números inteiros positivos, quntos são divisíveis pelos números,, 4 e 5? 60 b) 0 c) 0 d) 6 e) 5 Se o número é divisível por,,

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

dv = πr 2 dx dv = π[f(x)] 2 dx b 8.2- Volume de Sólidos de Revolução

dv = πr 2 dx dv = π[f(x)] 2 dx b 8.2- Volume de Sólidos de Revolução 8.- Volume de Sóldos de Revolução Um egão tdmensonl (S) que possu s popeddes ) e ) segu é um sóldo: ) A fonte de S consste em um númeo fnto de supefíces lss que se nteceptm num númeo fnto de ests que po

Leia mais

As fórmulas aditivas e as leis do seno e do cosseno

As fórmulas aditivas e as leis do seno e do cosseno ul 3 s fórmuls ditivs e s leis do MÓDULO 2 - UL 3 utor: elso ost seno e do cosseno Objetivos 1) ompreender importânci d lei do seno e do cosseno pr o cálculo d distânci entre dois pontos sem necessidde

Leia mais

Geometria Plana II - Respostas

Geometria Plana II - Respostas Geometri Pln II - Resosts Ensino de qulidde, qunto ntes, melor 01 Sej M o onto médio de DE, então BM é medin reltiv à iotenus do triângulo BDE Logo B DM ME BM Como BM é isóseles, temos que MB ˆ lém disso,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA UNICAMP 2016 FASE 2. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA UNICAMP 2016 FASE 2. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA UNICAMP 6 FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA. O gráfico de brrs bixo exibe distribuição d idde de um grupo de pessos. ) Mostre que, nesse grupo,

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES

HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 2008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES Polems Resolvios e Físi Pof. Aneson Cose Guio Depto. Físi UFES HALLIDAY, RESNICK, WALKER, FUNDAMENTOS DE FÍSICA, 8.ED., LTC, RIO DE JANEIRO, 008. FÍSICA 1 CAPÍTULO 3 VETORES 16. N som A + = C, o veto A

Leia mais

2. Prisma de base hexagonal: formado 8 faces, 2 hexágonos (bases), 6 retângulos (faces laterais).

2. Prisma de base hexagonal: formado 8 faces, 2 hexágonos (bases), 6 retângulos (faces laterais). unifmu Nome: Professor: Ricrdo Luís de Souz Curso de Design Mtemátic Aplicd Atividde Explortóri V Turm: Dt: SÓLIDOS GEOMÉTRICOS: CÁLCULO DE ÁREA SUPERFICIAL E DE VOLUME Objetivo: Conecer e nomer os principis

Leia mais

SÍNTESE DE CONTEÚDO MATEMÁTICA SEGUNDA SÉRIE - ENSINO MÉDIO ASSUNTO : OS PRISMAS (PARTE 2) NOME :...NÚMERO :... TURMA :...

SÍNTESE DE CONTEÚDO MATEMÁTICA SEGUNDA SÉRIE - ENSINO MÉDIO ASSUNTO : OS PRISMAS (PARTE 2) NOME :...NÚMERO :... TURMA :... SÍNTESE DE CONTEÚDO MATEMÁTICA SEGUNDA SÉRIE - ENSINO MÉDIO ASSUNTO : OS PRISMAS (PARTE ) 1 NOME :...NÚMERO :... TURMA :... 6) Áres relcionds os prisms : ) Áre d bse : É áre do polígono que represent bse.

Leia mais

Matemática Régis Cortes FUNÇÃO DO 2 0 GRAU

Matemática Régis Cortes FUNÇÃO DO 2 0 GRAU FUNÇÃO DO 2 0 GRAU 1 Fórmul de Bháskr: x 2 x 2 4 2 Utilizndo fórmul de Bháskr, vmos resolver lguns exeríios: 1) 3x²-7x+2=0 =3, =-7 e =2 2 4 49 4.3.2 49 24 25 Sustituindo n fórmul: x 2 7 25 2.3 7 5 7 5

Leia mais

RESPOSTAS DA LISTA 2 - Números reais: propriedades algébricas e de ordem

RESPOSTAS DA LISTA 2 - Números reais: propriedades algébricas e de ordem List de Mtemáti Bási 009- (RESPOSTAS) 4 RESPOSTAS DA LISTA - Números reis: proprieddes lgéris e de ordem Pr filitr onsult, repetimos qui os xioms e s proprieddes lgéris e de ordem listds em ul. À medid

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

2 (UnB-DF) Qual o número de lados das faces de um poliedro regular com 20 vértices e 30 arestas? 5 lados Resolução:

2 (UnB-DF) Qual o número de lados das faces de um poliedro regular com 20 vértices e 30 arestas? 5 lados Resolução: esolução ds tividdes comlementes Mtemátic M7 Sólidos Geométicos. 80 (MK-SP) Detemine o númeo de vétices de um oliedo que tem tês fces tingules, um fce qudngul, um entgonl e dus exgonis. 0 F F 7???? 6 0

Leia mais

O atrito de rolamento.

O atrito de rolamento. engengens. Obseve-se que s foçs de tito de olmento epesentds n figu (F e f ) têm sentidos opostos. (Sugeimos que voê, ntes de possegui, poue i um modelo que pemit expli s foçs de tito de olmento). "Rffiniet

Leia mais

Lista de Exercícios - Geometria Métrica Espacial

Lista de Exercícios - Geometria Métrica Espacial UNEMAT Univesidde do Esdo de Mo Gosso Cmpus Univesiáio de inop Fcudde de Ciêncis Exs e Tecnoógics Cuso de Engenhi Civi Discipin: Fundmenos de Memáic Lis de Execícios - Geomei Méic Espci ) A es de um cuo

Leia mais

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO Pr Ordendo RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 06 RELAÇÕES E FUNÇÕES O pr ordendo represent um ponto do sistem de eixos rtesinos. Este sistem é omposto por um pr de rets perpendiulres. A ret horizontl é hmd de eixo

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Pogm de Cetificção de Qulidde Cuso de Gdução em Administção PROVA DE MATEMÁTICA I º Semeste / 00 - P - TIPO DADOS DO ALUNO: Nome: Assintu INSTRUÇÕES: Você eceeá do pofesso o seguinte

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Ajuste de curvas por quadrados mínimos lineares

Ajuste de curvas por quadrados mínimos lineares juste de cuvs o quddos mímos lees Fele eodo de gu e Wdele Iocêco oe Júo Egeh de s o. Peíodo Pofesso: ode Josué Bezue Dscl: Geomet lítc e Álgeb e. Itodução Utlzmos este método qudo temos um dstbução de

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica. PME 2100 Mecânica A Segunda Prova 23 de outubro de 2007

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica. PME 2100 Mecânica A Segunda Prova 23 de outubro de 2007 ES PITÉNI D UNIVESIDDE DE SÃ PU Deptmento de Engenh Mecânc PME Mecânc Segund Po 3 de outuo de 7 ª Questão: (3,5 Ptos) com eto de otção constnte Ω Ω g no plno hoontl em tono de. nclnd pode desl em um lu

Leia mais

Progressões Aritméticas

Progressões Aritméticas Segund Etp Progressões Aritmétics Definição São sequêncis numérics onde cd elemento, prtir do segundo, é obtido trvés d som de seu ntecessor com um constnte (rzão).,,,,,, 1 3 4 n 1 n 1 1º termo º termo

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 2 Lei de Coulomb

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 2 Lei de Coulomb Questão 1 of. A..Guimães Questões Eleticidde Lei de Coulomb (EI) Dus cgs puntifomes 1 + µ C e 6µ C estão fixs e sepds po um distânci de 6 mm no ácuo. Um tecei cg µ C é colocd no ponto médio do segmento

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

4ª Unidade: Geometria Analítica no Espaço

4ª Unidade: Geometria Analítica no Espaço Geoeti Anlíti Engenhi Quíi/Quíi Industil 5 ª Unidde: Geoeti Anlíti no Espço Equções d et no IR Seos que dois pontos define u et Co pens u dos pontos té é possível defini posição de u et desde que tenhos

Leia mais

Escola Politécnica FGE GABARITO DA P2 15 de maio de 2008

Escola Politécnica FGE GABARITO DA P2 15 de maio de 2008 P Físic Escol Politécnic - 008 FGE 03 - GABARTO DA P 5 de mio de 008 Questão Um cpcitor com plcs prlels de áre A, é preenchido com dielétricos com constntes dielétrics κ e κ, conforme mostr figur. σ σ

Leia mais

Bateria de Exercícios Matemática II. 1 Determine os valores de x e y, sabendo que os triângulos ABC e DEF são semelhantes:

Bateria de Exercícios Matemática II. 1 Determine os valores de x e y, sabendo que os triângulos ABC e DEF são semelhantes: Colégio: Nome: nº Sem limite pr reser Professor(): Série: 1ª EM Turm: Dt: / /2013 Desonto Ortográfio: Not: Bteri de Exeríios Mtemáti II 1 Determine os vlores de x e y, sendo que os triângulos ABC e DEF

Leia mais

Lista 5: Geometria Analítica

Lista 5: Geometria Analítica List 5: Geometri Anlític A. Rmos 8 de junho de 017 Resumo List em constnte tulizção. 1. Equção d elipse;. Equção d hiperból. 3. Estudo unificdo ds cônics não degenerds. Elipse Ddo dois pontos F 1 e F no

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. 1) O número de vértices de um dodecaedro formado por triângulos é. 2) O número de diagonais de um prisma octogonal regular é

GEOMETRIA ESPACIAL. 1) O número de vértices de um dodecaedro formado por triângulos é. 2) O número de diagonais de um prisma octogonal regular é GEOMETRIA ESPACIAL 1) O número de vértices de um dodecedro formdo por triângulos é () 6 (b) 8 (c) 10 (d) 15 (e) 0 ) O número de digonis de um prism octogonl regulr é () 0 (b) (c) 6 (d) 40 (e) 60 ) (UFRGS)

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

Nº de infrações de 1 a 3 de 4 a 6 de 7 a 9 de 10 a 12 de 13 a 15 maior ou igual a 16

Nº de infrações de 1 a 3 de 4 a 6 de 7 a 9 de 10 a 12 de 13 a 15 maior ou igual a 16 MATEMÁTICA 77 Num bolão, sete migos gnhrm vinte e um milhões, sessent e três mil e qurent e dois reis. O prêmio foi dividido em sete prtes iguis. Logo, o que cd um recebeu, em reis, foi: ) 3.009.006,00

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos os fundmentos d físic 1 Unidde D Cpítulo 11 Os princípios d Dinâmic 1 P.230 prtícul está em MRU, pois resultnte ds forçs que gem nel é nul. P.231 O objeto, livre d ção de forç, prossegue por inérci em

Leia mais

Aulas 1 a 3. Aulas 4 e 5. Revisão Primeiro Semestre 2012 prof. Lessa. 4. (UNIFESP) Se 0 < a < b, racionalizando o denominador, tem-se que

Aulas 1 a 3. Aulas 4 e 5. Revisão Primeiro Semestre 2012 prof. Lessa. 4. (UNIFESP) Se 0 < a < b, racionalizando o denominador, tem-se que Revisão Primeiro Semestre 01 prof. Less Auls 1 1. (ESPM) A metde de vlem, respectivmente: A) 0,6 1 e e 1. Se 1 e 9 e 9 8 e 1, e o triplo de x =, então o vlor de x é: A) 6. (FUVEST) Rcionlizr o denomindor

Leia mais

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas;

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas; Funções vetoriis Integris MÓDULO 3 - AULA 35 Aul 35 Funções vetoriis Integris Objetivo Conhecer integrl de funções vetoriis; Aprender clculr comprimentos de curvs prmetrizds; Aprender clculr áres de regiões

Leia mais

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura.

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura. Cálculo I Aul 2 - Cálculo de Volumes Dt: 29/6/25 Objetivos d Aul: Clculr volumes de sólidos por seções trnsversis Plvrs-chves: Seções Trnsversis - Volumes Volume de um Cilindro Nosso objetivo nest unidde

Leia mais

Aula 31 e 32 mtm B GEOMETRIA ESPACIAL

Aula 31 e 32 mtm B GEOMETRIA ESPACIAL Aula 31 e 32 mtm B GEOMETRIA ESPACIAL Esfeas Definição Sólido de evolução geado pela otação de um semicículo em tono de um eixo que contém o diâmeto. R Áea Volume A=4π 2 3 4π V= 3 Esfeas Secção Plana Calota

Leia mais

Num sistema tridimensional um ponto pode ser localizado pela intersecção de três superfícies.

Num sistema tridimensional um ponto pode ser localizado pela intersecção de três superfícies. Sistems de cooden otogonis - 1 ELECTROMGNETISMO s leis do electomgnetismo são invintes em elção o sistem de cooden utilido. Muits vees solução de um poblem específico eque utilição de um sistem de cooden

Leia mais

VETORES. Problemas Resolvidos

VETORES. Problemas Resolvidos Prolems Resolvidos VETORES Atenção Lei o ssunto no livro-teto e ns nots de ul e reproduz os prolems resolvidos qui. Outros são deidos pr v. treinr PROBLEMA 1 Dois vetores, ujos módulos são de 6e9uniddes

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 2. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 2. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA FUVEST-FASE POR PROFA MARIA ATÔIA C GOUVEIA M gu bo ccueêc de ceto em O e o tgec o ldo BCdo tâgulo ABC o poto D e tgec et AB o poto E Os potos A D e O

Leia mais

Unidade 3 Geometria: triângulos

Unidade 3 Geometria: triângulos Sugeõe de ividde Unidde 3 Geomei: iângulo 8 MTEMÁTI 1 Memáic 1. No iângulo egui você deve deemin: ) medid do ângulo ; b) medid do ângulo ; c) medid do ângulo z; d) medid do ângulo eeno o ângulo z. 120

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são:

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são: MATEMÁTIA Sej M um mtriz rel x. Defin um função f n qul cd elemento d mtriz se desloc pr posição b seguinte no sentido horário, ou sej, se M =, c d c implic que f (M) =. Encontre tods s mtrizes d b simétrics

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Departamento de Matemática + = B =.. matrizes de M )

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Departamento de Matemática + = B =.. matrizes de M ) Se ( ij ) é um mtri, definid pel lei Universidde Federl de Viços Centro de Ciêncis Ets e ecnológics Deprtmento de Mtemátic LIS DE EXERCÍCIOS M 7 Prof Gem/ Prof Hugo/ Prof Mrgreth i j, se i j ij, clcule

Leia mais

FUNÇÃO LOGARITMICA. Professora Laura. 1 Definição de Logaritmo

FUNÇÃO LOGARITMICA. Professora Laura. 1 Definição de Logaritmo 57 FUÇÃO LOGARITMICA Professor Lur 1 Definição de Logritmo Chm se logritmo de um número > 0 em relção um bse (0 < 1), o expoente que se deve elevr bse, fim de que potênci obtid sej igul. log, onde: > 0,

Leia mais

QUESTÃO 01. O lado x do retângulo que se vê na figura, excede em 3cm o lado y. O valor de y, em centímetros é igual a: 01) 1 02) 1,5 03) 2

QUESTÃO 01. O lado x do retângulo que se vê na figura, excede em 3cm o lado y. O valor de y, em centímetros é igual a: 01) 1 02) 1,5 03) 2 PROV ELBORD PR SER PLICD ÀS TURMS DO O NO DO ENSINO MÉDIO DO COLÉGIO NCHIET-B EM MIO DE. ELBORÇÃO: PROFESSORES OCTMR MRQUES E DRINO CRIBÉ. PROFESSOR MRI NTÔNI C. GOUVEI QUESTÃO. O ldo x do retângulo que

Leia mais

RELAÇÕES MÉTRICAS E TRIGONOMETRIA NO TRIÂNGULO RETÂNGULO

RELAÇÕES MÉTRICAS E TRIGONOMETRIA NO TRIÂNGULO RETÂNGULO Mtemáti RELÇÕES MÉTRIS E TRIGONOMETRI NO TRIÂNGULO RETÂNGULO 1. RELÇÕES MÉTRIS Ddo o triângulo retângulo io:. RELÇÕES TRIGONOMÉTRIS Sej o triângulo retângulo io: n m Temos: e são os tetos; é ipotenus;

Leia mais

Solução: Alternativa: A. Solução: Mas, 3 x, Daí, 2 cos x. Ora, tgx 7. Então, 14 senx. Assim, Alternativa: B

Solução: Alternativa: A. Solução: Mas, 3 x, Daí, 2 cos x. Ora, tgx 7. Então, 14 senx. Assim, Alternativa: B 0. Considere s seguintes firmções: I. A função f() = log 0 ( ) é estritmente crescente no intervlo ] [ II. A equção + = possui um únic solução rel. III. A equção ( + ) = dmite pelo menos um solução rel

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Função logarítmica. 1 Sendo ƒ uma função dada por f(x) 5 log 2

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Função logarítmica. 1 Sendo ƒ uma função dada por f(x) 5 log 2 Resolução ds tividdes copleentres Mteátic M0 Função rític p. 7 Sendo ƒ u função dd por f(), clcule o vlor de f(). f() f()??? f() A epressão é igul : ) c) 0 e) b) d)? 0 0 Clcule y, sendo. y y Resolv epressão.

Leia mais

AB AC BC. k PQ PR QR AULA 1 - GEOMETRIA PLANA CONCEITOS BÁSICOS SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS. Triângulos isósceles

AB AC BC. k PQ PR QR AULA 1 - GEOMETRIA PLANA CONCEITOS BÁSICOS SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS. Triângulos isósceles AULA - GEOMETRIA PLANA Triângulos isósceles CONCEITOS BÁSICOS Rets prlels cortds por um trnsversl São queles que possuem dois ldos iguis. Ligndo o vértice A o ponto médio d bse BC, germos dois triângulos

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0 EQUAÇÃO DA RETA NO PLANO 1 Equção d ret Denominmos equção de um ret no R 2 tod equção ns incógnits x e y que é stisfeit pelos pontos P (x, y) que pertencem à ret e só por eles. 1.1 Alinhmento de três pontos

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão?

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão? Escol Secundái Anselmo de Andde Ciêncis Físico - Químics 8º Ano Ano Lectivo 07/08 ACTIVIDADES: Execícios de plicção Pof. Dulce Godinho 1 ) O que é pessão tmosféic? No S.I. em que uniddes é expess pessão?

Leia mais

(II) Falsa. Tomando z 1. (III) Verdadeira. De fato, para z z ( i ) a) 2. b). c) 0. d). e) 2. i. Sendo z = x + i y, com x e y, temos:

(II) Falsa. Tomando z 1. (III) Verdadeira. De fato, para z z ( i ) a) 2. b). c) 0. d). e) 2. i. Sendo z = x + i y, com x e y, temos: (9) -0 ELITE RESLVE IT 0 - MTEMÁTI MTEMÁTI NTÇÕES : cojuto dos úmeos tuis : cojuto dos úmeos iteios : cojuto dos úmeos ciois : cojuto dos úmeos eis : cojuto dos úmeos compleos i : uidde imgiái: i : cojugdo

Leia mais

Fatoração e Produtos Notáveis

Fatoração e Produtos Notáveis Ftorção e Produtos Notáveis 1. (G1 - cftmg 014) Simplificndo epressão 1 4 6 4 5 4 16 48 obtém-se ). b) 4 +. c). d) 4 +.. (G1 - ifce 014) O vlor d epressão: b b ) b. b) b. c) b. d) 4b. e) 6b. é. (Upf 014)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

CURSO de FÍSICA - Gabarito

CURSO de FÍSICA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA o semestre letivo de 010 e 1 o semestre letivo de 011 CURSO de FÍSICA - Gbrito Verifique se este cderno contém: PROVA DE REDAÇÃO com um propost; INSTRUÇÕES

Leia mais

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam Aplicções de integris Volumes Aul 28 Aplicções de integris Volumes Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo de diversos tipos de volumes de sólidos, especificmente os chmdos método ds seções

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais

CAVALIERI ATACA NOVAMENTE... Ivail Muniz Junior (*)

CAVALIERI ATACA NOVAMENTE... Ivail Muniz Junior (*) TEMAS E CONEXÕES Ano I Númeo 1 º semeste / 011 ATIGO CAALIEI ATACA NOAMENTE Ivail Muniz Junio (*) A uiosidade e a imaginação sempe estiveam pesentes na históia da Matemátia Quando elas esolvem apota em

Leia mais