Projeto de Magnéticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Magnéticos"

Transcrição

1 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos rojto d Magnéticos 1. ntrodução s caractrísticas idais d um componnt magnético são: rsistência nula, capacitância parasita nula, dnsidad d campo magnético (B) não-saturávl (vntualmnt pod-s dsjar corrnt d magntização indutância d disprsão nulas). O dsjo d não-saturação conduz a um lmnto com núclo d ar, o qu implica num númro lvado d spiras, com fio fino, assim, lvada rsistência capacitância parasita. O uso d fios com maior scção transvrsal lva a nrolamntos muito grands psados. É ncssário, assim, o uso d algum núclo magnético prmitindo, com númro razoávl d spiras volum acitávl, obtr-s a indutância dsjada, com rduzido fluxo disprso. O corrto dimnsionamnto d um lmnto magnético, sja l um indutor ou um transformador não é um trabalho simpls su sucsso dpnd m grand part da quantidad qualidad das informaçõs disponívis a rspito do núclo a sr utilizado. ifrnts autors difrnts fabricants indicam difrnts formas d dimnsionamnto dsts lmntos. No ntanto, a própria forma construtiva pod altrar significativamnt o dsmpnho do dispositivo, spcialmnt m trmos das indutâncias d disprsão capacitâncias parasitas. principal caractrística d um matrial frromagnético a sr usado na construção d um lmnto magnético utilizado m uma font chavada é a capacidad d trabalhar m frqüência lvada sm aprsntar lvadas prdas, o qu significa possuir um laço d histrs com pquna ára. sjávis são o maior valor possívl d dnsidad d campo magnético, B, bm como uma lvada prmabilidad. lém disso a rsistividad do núclo dv sr lvada a fim d rduzir as prdas rlativas às corrnts induzidas no próprio núclo. Os matriais mais utilizado são frrits, as quais possum valors rlativamnt rduzidos d B (ntr 0,3T 0,5T), aprsntando, porém, baixas prdas m alta frqüência facilidads d manusio scolha, m função dos divrsos tipos d núclos disponívis. ossum rsistividad muito maior do qu os matriais mtálicos (da ordm d 100kΩ.cm) o qu implica m prdas por corrnts d Foucault dsprzívis quando oprando com um campo magnético altrnado. lgumas aplicaçõs m qu não s pod admitir distorção no campo magnético dv-s utilizar núclo d ar, com o invitávl valor lvado do fluxo disprso. Núclos d frro laminado são utilizados apnas m baixa frqüência por aprsntarm laço d histrs muito largo, mbora possuam um B d crca d 1,5T. Os núclos d frrit tipo "pot cor" ( sus drivados tipos RM, M,, cub cor, tc.) são gralmnt usados na construção d indutors transformadors para pqunas médias potências, com baixa disprsão, dvido à sua forma fchada. Os núclos aprsntam valors mais lvados d B, sndo mais usados m aplicaçõs d potência mais lvada. prsntam valors maiors d fluxo disprso. Já os núclos ti po U U são utilizados m transformadors d alta tnsão, dvido à possibilidad d alocar-s cada nrolamnto numa das prnas, facilitando a isolação, à custa d um maior fluxo disprso. Tanto os núclos como os U podm sr associados, criando maiors scçõs transvrsais, possibilitando a obtnção d transformadors para potência na faixa dos quiloatts. Finalmnt, os núclos toroidais são usados m aplicaçõs ond o fluxo disprso dv G - Mstrado

2 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos sr mínimo, prmitindo obtr-s indutors muito compactos. São usados spcialmnt m transformadors d pulso filtros d M. 1.1 Histrs, Saturação Fluxo Rsidual Fig. 1 mostra a rlação ntr B, dnsidad d campo magnético [G] ou [TWb/m ] H, campo magnético [.sp/m], quando uma tnsão altrnada é aplicada ao nrolamnto qu magntiza o núclo. B é proporcional ao fluxo magnético [Wb] H é proporcional à corrnt qu circula plo nrolamnto. Nota-s qu o caminho sguido quando o fluxo (ou B) crsc não é o msmo sguido quando o fluxo diminui. st comportamnto é chamado histrs. Figura 1 - Curva d Histrs Típica d Frrit Quando H0, a dnsidad d fluxo não é zro, tndo um valor + Br, chamada magntização rmannt, ou dnsidad d fluxo rsidual. Quando B0, o campo magnético não é nulo, mas val ± Hc, parâmtro chamado força corciva do matrial. inclinação B/ H é a prmabilidad incrmntal do matrial, µi, a qual tnd a µ 0 (prmabilidad do vácuo) quando B tnd para su valor máximo, B, qu caractriza a saturação do núclo. Na maior part das aplicaçõs, a opração na rgião d saturação é vitada. razão para isso é qu, na saturação ocorr uma drástica rdução na indutância, associado a isso, ocorrm grands lvaçõs d corrnt (associada a H) para pqunas variaçõs d tnsão (associada a B). ara um transformador, a saturação significa ainda uma rdução no fator d acoplamnto ntr os nrolamntos, uma vz qu o núclo prd sua caractrística d mnor rlutância m rlação ao ar. O dimnsionamnto d um lmnto magnético é fito, via d rgra, m situaçõs d rgim prmannt, ou sja, considrando-s qu a tnsão média nos trminais do dispositivo é nula a dnsidad d campo magnético xcursiona ntr os valors simétricos d B. O problma da saturação é agravado nas situaçõs transitórias, spcialmnt no início d opração do dispositivo (start-up). artindo-s d uma situação m qu B0, no primiro smi-ciclo d funcionamnto tm-s a possibilidad d variar o fluxo m apnas mtad da xcursão ncssária. solução, óbvia, d projtar o lmnto para suportar o dobro d variação G - Mstrado

3 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos d fluxo, não é muito razoávl por aumntar dmasiadamnt (4 vzs) o volum do componnt. mlhor solução é controlar ltronicamnt a partida do convrsor (soft-start). H g g + Hm c N (1) B µ o H g + µ c Hm () O problma d start-up é agravado quando Br tm valor lvado. Suponhamos qu o circuito foi dsnrgizado quando s stava no ponto da curva B x H (Fig 1). corrnt irá a zro tm-s BBr. O rinício d opração a partir dst ponto lva a rsultados ainda piors do qu uma partida com B0. magntização rmannt pod sr atnuada pla inclusão d um ntrfrro no núclo. H m H g são as intnsidads do campo magnético no núclo no ntrfrro, rspctivamnt. l c é o comprimnto do circuito magnético (no núclo) g é o comprimnto do ntrfrro. H m N i Bg µ c Nota-s m (3) qu a introdução do ntrfrro prmit qu Hm sja ati ngido para valors maiors d corrnt. O fito sobr a curva B x Ni é mostrado na Fig.. indutância incrmntal s rduz, mas é linarizada. O valor d Br também s rduz. B não s altra por sr uma caractrística do matrial. O aumnto do ntrfrro lva a uma diminuição da indutância, mas aumnta o valor da corrnt na qual ocorr a saturação. o c (3) Figura - Curva d histrs com ntrfrro G - Mstrado

4 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos. quacionamnto Básico d rojto la li d indução d Faraday, diant da prsnça d um fluxo magnético (N) variávl no tmpo, dvido a corrnt qu circula nas spiras d um indutor, é induzida uma tnsão a qual pod sr dfinida por: N d Φ dt (4) ond: Tnsão induzida nos trminais do indutor N Númro d spiras do nrolamnto ou indutor M Fluxo magnético Figura 3 - Rprsntação do núclo O fluxo magnético sta dfinido pla dnsidad d fluxo magnético qu cruza uma suprfíci plana, rprsntado por: dφ db (5) ond Ára ftiva (cortada plo fluxo magnético) mostrado na Fig. 3. B dnsidad d fluxo magnético Sja, a potência d ntrada in (6) md η (7) in O fator d forma K t rlaciona a corrnt RMS do rimário com a corrnt média d ntrada. () in() k t () min k t (8) G - Mstrado

5 rojto d Magnéticos Substituindo (5) m (4) obtém-s: ond rojto d circuitos magnéticos ltrônicos N db (9) dt db dt B t1 N B t 1 (10) ond t 1.T / f razão cíclica T príodo d chavamnto f frqüência d chavamnto Substituindo t 1 m (10), tm-s: N B f (11) sta forma a ára ftiva fica dfinida como:. N. B. f (1) la li d mpèr N. i p, f. J Total (13) ond J dnsidad d corrnt N númro d spiras do primário i p,f corrnt ficaz no primário p Ára ocupada plo nrolamnto primário dfinida por K. K. (14) ond logo, K fator d utilização da ára do nrolamnto K fator d utilização do primário ára da janla do núclo G - Mstrado

6 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos N. i K. K.. J p, f solando-s W tm-s: N. i p, f K. K. J (15) Considrando o fator d forma K t, a xprssão (1), torna-s: W N K K K J η min t (16) Sndo W f K K K J B η t W (17) G - Mstrado

7 rojto d Magnéticos.1 rojto para o Convrsor Flyback solado rojto d circuitos magnéticos ltrônicos Sndo o circuito do convrsor Flyback solado abaixo, calcula-s o valor ficaz da forma d onda da corrnt no indutor. ip(t) ico Np Ns C R t S t C T (a) (b) Figura 4 - (a) Convrsor Flyback (b) Forma d onda da corrnt no nrolamnto rimário a) Cálculo da Corrnt ficaz na Chav Considrando a forma d onda da Fig. 4.(b), tm-s: md ico. t. T C (18) md ico (19) ond ico md (0) la fórmula: f f 1 T T 0 t ico C ( ) t dt 1 T ico 1 ico t t dt T... 0 t T t 3 C C 3 f 1 ico tc.. ico T t 3 3 C 3 f md ico (1) G - Mstrado

8 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos Substituindo (1) m (15), obtém-s:. N.. md. 3 (). K. K. J O produto. é dtrminado para scolha do núclo d frrit através d tablas forncidas plo fabricant no nxo. N... md. 3. N. B. f. K. K. J... md B. f. K. K. J 3 Considrando a razão cíclica máxima dvido a ncssidad d garantir a dsmagntização do núclo, tm-s: 0.45 para o convrsor Flyback: ond. 0, 77.. md B. f. K. K. J (3). md in (4) η % Considrando como fator d sgurança um 0 75 % substituindo (19) m (18) tm-s. (5) B. f. K. K. J ara convrsor Flyback K K W Modo d condução contínuo 0,5 0,4 Modo d condução dscontínuo 0,5 0,4 logo: para: Watts [ W ] )B Tsla [ T ] f Hrtz [ Hz ] J /cm. [ cm ] B. f. J (6) G - Mstrado

9 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos b) Cálculo da indutância corrnt d pico no primário, ico : Corrnt média no primário, md : L t ou.. L. f ico C ico md ico. tc.. tc. T L. f.. T ond: t C /T logo: md.. L. f otência d ntrada, : ndutância do transformador in in.. md. L. f. η. L. f L... f. η (%) ara o pior caso quando a tnsão d ntrada min, Considrando: 0 0,75 0,45 L min... f. η (%) min L 1317,.. f G - Mstrado

10 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos Corrnt d ico com indutância L : ico ico min ,.. f. f 5, 93. min min Corrnt Média Corrnt ficaz no primário i i f f md 1, 34. pico. min 5, ico.. 3 3, 3. min b.1) Númro d spiras mínimas do primário: min N,min.. B. f ara o pior caso min, N,min,. min B. f b.) nrolamnto Scundário tnsão no scundário do transformador, V S, dv sr igual a soma da tnsão d saída mais a quda d tnsão no diodo, ou sja: ond S V S V + V F V F quda d tnsão dirta no diodo ara garantir a dsmagntização, os Volt-s aplicados no primário dvm sr iguais ao do scundário, considrando a razão cíclica máxima. N ( ) N V S 1 V. ( 1 ) N N V S S V. G - Mstrado

11 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos Substituindo V S V + V F V min N N V + V S F ( 1 ) c) Cálculo do ntrfrro Como a nrgia no indutor é igual a nrgia magnética no ntrfrro, assim: ond ond como 1 1 L. ico B. H. V V volum do ntrfrro do transformador, dado por: Ára da prna cntral do núclo l g ntrfrro V H. l B o µ g L ico f 1.. η Substituindo, 1. L. ico f. η 1 B. f ( ). l. η % µ l g µ o. B.. f. η (%) o g Considrando um núclo, o ntrfrro dv sr dividido conform mostra a Fig. 5. lg lg Figura 5 - vista frontal do núclo do tipo G - Mstrado

12 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos. rojto para o Convrsor Forard Sndo o circuito do convrsor Forard solado abaixo, pod-s calcular a corrnt no transformador plo fator d forma K t, para a forma d onda mostrada a sguir. 1 ip(t) p Np Ns C R m t S t C T (a) (b) Figura 6 - (a) Convrsor Forard (b) Forma d onda na font a) Cálculo do. W ara o convrsor Forard com razão cíclica 0.5, K t 0.71, K W 0.4, K 0.50, )B 0.15 T, tm-s o valor do produto d W pla xprssão abaixo para o convrsor Forard. W f K K K J B η t W (7) Ond: Watts [ W ] )B Tsla [ T ] f Hrtz [ Hz ] J /cm or (7) dtrmina-s o núclo pla tabla no nxo. b.1) Númro d spiras mínimas do primário: N,min.. B. f ara o pior caso min, N,min,. min B. f G - Mstrado

13 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos b.) Númro d spiras mínimas do scundário: tnsão no scundário do transformador, V S, dv sr igual a soma da tnsão d saída mais a quda d tnsão no diodo, ou sja: ond V S V + V F V F quda d tnsão dirta no diodo ara garantir a dsmagntização, os Volt-s aplicados no primário dvm sr iguais ao do scundário, considrando a razão cíclica máxima. N ( ) N V S 1 V. S ( 1 ) N N V S S V. Substituindo V S V + V F V min N N V + V S F ( 1 ) Sndo assim tm-s o cálculo do núclo do transformador o númro d spiras a sr mprgado para o convrsor Foard. G - Mstrado

14 rojto d Magnéticos.3 rojto para o Convrsor ush - ull rojto d circuitos magnéticos ltrônicos Sndo o circuito do convrsor ush-ull abaixo, pod-s calcular a corrnt no transformador plo fator d forma K t Np: Ns 1 N 1 N S1 C R N N S S S1 Figura 8 - Convrsor ush-ull a) Cálculo do W ara o convrsor ush-ull com razão cíclica 1, K t 1.41, K W 0.4, K 0.5, )B 0.3 T, tm-s:. W f K K K J B η t W (8) Ond: Watts [ W ] )B Tsla [ T ] f Hrtz [ Hz ] J /cm or (8) dtrmina-s o núclo pla tabla no nxo. b.1) Númro d spiras mínimas do primário: N,min.. B. f ara o pior caso min, 0,5 para o cálculo das spiras da mtad do nrolamnto primário cálculo do númro d spiras do nrolamnto scundário. N,min. B. f min G - Mstrado

15 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos b.) nrolamnto Scundário tnsão no scundário do transformador, V S, dv sr igual a soma da tnsão d saída mais a quda d tnsão no diodo, ou sja: V S V + V F ond V F quda d tnsão dirta no diodo ara garantir a dsmagntização, os Volt-s aplicados no primário dvm sr iguais ao do scundário, considrando a razão cíclica máxima. N VS ( 1 ) V. N S ( 1 ) N N V S S V. Substituindo V S V + V F V min N N V + V S F ( 1 ) G - Mstrado

16 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos.4 rojto para o Convrsor Full-Bridg Sndo o circuito do convrsor Full-Bridg abaixo, pod-s calcular a corrnt no transformador plo fator d forma K t S1 S3 1 N S1 C R N N S S S4 Figura 9 - Convrsor Full-Bridg a) Cálculo do W ara o convrsor Full-Bridg com razão cíclica 1, K t 1.0, K W 0.4, K 0.41, )B 0.3 T, tm-s:. W f K K K J B η t W (9) Ond: Watts [ W ] )B Tsla [ T ] f Hrtz [ Hz ] J /cm or (9) dtrmina-s o núclo pla tabla no nxo. b.1) Númro d spiras mínimas do primário: N,min.. B. f ara o pior caso min, 1 para o cálculo das spiras da mtad do nrolamnto primário cálculo do númro d spiras do nrolamnto scundário. N,min. B. f min G - Mstrado

17 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos b.) nrolamnto Scundário tnsão no scundário do transformador, V S, dv sr igual a soma da tnsão d saída mais a quda d tnsão no diodo, ou sja: V S V + V F ond V F quda d tnsão dirta no diodo ara garantir a dsmagntização, os Volt-s aplicados no primário dvm sr iguais ao do scundário, considrando a razão cíclica máxima. N ( ) N V S 1 V. S ( 1 ) N N V S S V. Substituindo V S V + V F V min N N V + V S F ( 1 ) Sndo N S o númro total d spiras do scundário, portanto o númro d spiras para obtr-s o tap cntral srá a mtad d N S G - Mstrado

18 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos.5 rojto para o Convrsor Half-Bridg Sndo o circuito do convrsor Half-Bridg abaixo, pod-s calcular a corrnt no transformador plo fator d forma K t C1 S1 1 N S1 C R N N S C S Figura 10 - Convrsor Half-Bridg a) Cálculo do W ara o convrsor Half-Bridg com razão cíclica 1, K t 1.0, K W 0.4, K 0.41, )B 0.3 T, tm-s:. W f K K K J B η t W (30) Ond: Watts [ W ] )B Tsla [ T ] f Hrtz [ Hz ] J /cm or (30) dtrmina-s o núclo pla tabla no nxo. b.1) Númro d spiras mínimas do primário: N,min.. B. f ara o pior caso min, 1 para o cálculo das spiras da mtad do nrolamnto primário cálculo do númro d spiras do nrolamnto scundário. N,min. B. f min G - Mstrado

19 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos b.) nrolamnto Scundário tnsão no scundário do transformador, V S, dv sr igual a soma da tnsão d saída mais a quda d tnsão no diodo, ou sja: V S V + V F ond V F quda d tnsão dirta no diodo ara garantir a dsmagntização, os Volt-s aplicados no primário dvm sr iguais ao do scundário, considrando a razão cíclica máxima. N ( ) N V S 1 V. S ( 1 ) N N V S S V. Substituindo V S V + V F V min N N V + V S F ( 1 ) Sndo N S o númro total d spiras do scundário, portanto o númro d spiras para obtr-s o tap cntral srá a mtad d N S G - Mstrado

20 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos.6 rojto para Bitola dos Fios ára da scção transvrsal do fio d cobr é obtida com a xprssão abaixo: ond if S J i f xcorrnt ficaz através do fio condutor J dnsidad d corrnt [ cm ] través da tabla do nxo dtrmina-s a bitola do fio. G - Mstrado

21 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos Conclusão O cálculo d magnéticos constitui-s part fundamntal do projto d um convrsor, através d informaçõs ncssárias, como corrnt d pico, valor ficaz da corrnt qu é dtrminado plo fator d forma. sts valors foram ncontrados dtalhadamnt para cada convrsor aprsntado: Flyback, Forard, ush-ull, Full-Bridg Half-Bridg. Vrificou-s qu todos convrsors sgum uma msma mtodologia d projto, através das dfiniçõs básicas d fluxo, dnsidad d fluxo, li d Faraday li d mpèr. No caso do convrsor Flyback solado, o msmo não aprsnta funcionamnto como transformador, mas como um indutor acoplado, ntão, dv-s calcular a indutância do msmo, além do númros d spiras, nquanto qu os ros convrsors aprsntados, os quais aprsntam funcionamnto como transformador, sndo suficint o cálculo do númro d spiras. forma gral um bom projto d circuito magnéticos dimnsiona d forma adquada o núclo a sr mprgado nos convrsors, rduzindo tamanho, pso custo. G - Mstrado

22 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos NXO NXO - Tabla d Núclos (1) Núclo (cm ) (cm ) l (cm) l t (cm) V (cm 3 ). (cm 4 ) / / / / Matrial TF Tmpratura Curi: >160 0 C : Ára da prna cntral. : Ára da janla do carrtl. l : Comprimnto magnético. l t : Comprimnto médio d uma spira. V :Volum do Frrit. B sat 0.3 T (para 85 0 C). : 0 1 (CGS). 4B 10-7 (S). : r :rmabilidad do ar. : r 3000 (CGS) para B1000 GUSS (0.1 T). G - Mstrado

23 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos NXO Tabla d Fios smaltados () WG iâmtro cobr cm Ára cobr cm iâmtro c/ isol. cm Ára c/ isol. cm S/CM 0 0 C S/CM C 10 0,59 0,0560 0,73 0, , , ,31 0, ,44 0, , , ,05 0, ,18 0, , , ,183 0,0643 0,195 0, , , ,163 0, ,174 0, , , ,145 0, ,156 0, , , ,19 0, ,139 0, , , ,115 0, ,14 0, , , ,10 0, ,111 0, , , ,091 0, ,100 0, , , ,081 0, ,089 0, , , ,07 0, ,080 0, , , ,064 0, ,071 0, , , ,057 0,0058 0,064 0,0031 0, , ,051 0, ,057 0, , , ,045 0, ,051 0, , , ,040 0, ,046 0, , , ,036 0, ,041 0, , , ,03 0, ,037 0, ,0019 0, ,09 0, ,033 0, , , ,05 0, ,030 0, , , ,03 0, ,07 0, , , ,00 0, ,04 0, , , ,018 0, ,0 0, , , ,016 0, ,00 0, , , ,014 0, ,018 0, , , ,013 0, ,016 0, , , ,011 0, ,014 0, , , ,010 0, ,013 0, , , ,009 0, ,01 0, ,0793 0, ,008 0, ,010 0, , , ,007 0, ,009 0, , ,05798 G - Mstrado

24 rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos Rfrências do rado, R. N., rojtos d Magnéticos Mclyman, C. W. T, Transformr and nductor sign Handbook Unitrod, Unitrod Sitching Rgulatd or Supply sign Sminar Manual Mohan, Undland, Robbins, or lctronics: Convrstrs, pplications and sign Rashid, Muhammad, ltrônica d otência: Circuitos, dispositivos aplicaçõs Mllo, Luiz Frnando d, rojtos d Fonts Chavaadas Hart, anil. W., ntroduction to or lctronics omilio, postila d ltrônica d otência G - Mstrado

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de Dsintgração Radioativa Os núclos, m sua grand maioria, são instávis, ou sja, as rspctivas combinaçõs d prótons nêutrons não originam configuraçõs nuclars stávis. Esss núclos, chamados radioativos, s transformam

Leia mais

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico.

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico. Equilíbrio Térmico 1. (Unsp 2014) Para tstar os conhcimntos d trmofísica d sus alunos, o profssor propõ um xrcício d calorimtria no qual são misturados 100 g d água líquida a 20 C com 200 g d uma liga

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO UNVERSDADE FEDERAL DE GOÁS ESCOLA DE ENGENHARA ELÉTRCA E DE COMPUTAÇÃO Cálculo d potências aparnt, ativa, não ativa indicadors d distorção dsbalanço, fator d potência sgundo Buchholz-Goodhu EEE Standard

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

Tópicos do Curso ELETROTÉCNICA Eng.ª Mec. - ELM

Tópicos do Curso ELETROTÉCNICA Eng.ª Mec. - ELM Tópicos do urso EETROTÉNIA Eng.ª Mc. - EM Est rotiro tm como finalidad ofrcr aos alunos da disciplina Eltrotécnica, dos cursos d Engnharia, spcificamnt, d ngnharia mcânica, EM, os principais fundamntos

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Univrsidad Estadual d Londrina RODRIGO AUGUSTO MODESTO MÉTODO DE COMPENSAÇÃO ATIVA DE POTÊNCIA APLICADO A UM FILTRO ATIVO PARALELO MONOFÁSICO LONDRINA 2007 RODRIGO AUGUSTO MODESTO MÉTODO DE COMPENSAÇÃO

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESCOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PROJETO DE PILRES DE CONCRETO RMDO MÉRICO CMPOS FILHO 014 SUMÁRIO 1 Dimnsõs... 1 1.1 Dimnsõs mínimas das sçõs transvrsais

Leia mais

GERADOR ELETROSTÁTICO

GERADOR ELETROSTÁTICO GERADOR ELETROSTÁTICO Est artigo irá mostrar como construir um grador ltrostático, projto muito famoso m firas d Ciências. É uma máquina muito intrssant dvido às pqunas faíscas qu gra, dmonstrando claramnt

Leia mais

Armaduras de Pele para Blocos de Concreto Armado

Armaduras de Pele para Blocos de Concreto Armado Armaduras d Pl para Blocos d Conto Armado José Milton d Araújo 1 Rsumo Os grands blocos d fundação dos difícios das ponts podm aprsntar fissuras suprficiais já nas primiras horas após a contagm. Em virtud

Leia mais

Diogo Batista de Oliveira ANÁLISE DO AQUECIMENTO POR MICROONDAS EM UMA CAVIDADE MONOMODO UTILIZANDO UMA TÉCNICA SEMI-ANALÍTICA

Diogo Batista de Oliveira ANÁLISE DO AQUECIMENTO POR MICROONDAS EM UMA CAVIDADE MONOMODO UTILIZANDO UMA TÉCNICA SEMI-ANALÍTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Diogo Batista d Olivira ANÁLISE DO AQUECIMENTO POR MICROONDAS EM UMA CAVIDADE MONOMODO UTILIZANDO

Leia mais

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO)

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO) ABR 98 Tubos d politilno PE abp/e001 Espcificação Origm: ISO 4427/96 abp - associação brasilira d tubos poliolfínicos sistmas CTPE - Comissão Técnica d Politilno abp/e001 - Polythyln (PE) pips - Spcification

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b Considr uma população d igual númro d homns mulhrs, m qu sjam daltônicos % dos homns 0,% das mulhrs. Indiqu a probabilidad d qu sja mulhr uma pssoa daltônica slcionada ao acaso nssa população. a) b) c)

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema Força cntral 3 O problma das forças cntrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA Uma força cntralé uma força (atrativa ou rpulsiva) cuja magnitud dpnd somnt da distância rdo objto à origm é dirigida ao longo

Leia mais

PILARES DE CONCRETO ARMADO

PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus d Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Dpartamnto d Engnaria Civil Disciplina: 33 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II NOTAS DE AULA PILARES DE CONCRETO ARADO Prof. Dr.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS SET 40 Estruturas d concrto armado II Turma - 008 Concrto armado: projto d pilars d acordo com a NBR

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

2.5. Estrutura Diamétrica

2.5. Estrutura Diamétrica F:\MEUS-OCS\LIRO_EF_44\CAP_I_ESTRUTURA-PARTE_4.doc 5.5. Estrutura iamétrica A strutura diamétrica é tamém dnominada d distriuição diamétrica ou distriuição dos diâmtros. Concitua-s distriuição diamétrica

Leia mais

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%)

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%) Distribuição das 0 Qustõs do I T A 9 (8,6%) 66 (,99%) Equaçõs Irracionais 09 (0,8%) Equaçõs Exponnciais (,09%) Conjuntos 9 (,6%) Binômio d Nwton (,9%) 0 (9,%) Anális Combinatória (,8%) Go. Analítica Funçõs

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES eléctricos

GERADORES E RECEPTORES eléctricos GADOS CPTOS léctrcos No momnto d lgarmos a chav d gnção, a batra fornc nrga léctrca ao motor d arranqu, pondo st m funconamnto. nrga químca nrga léctrca Quando um lmnto do crcuto é capaz d transformar

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO DE MANCAIS RADIAIS ELÍPTICOS UTILIZANDO O MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS

DETERMINAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO DE MANCAIS RADIAIS ELÍPTICOS UTILIZANDO O MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DETERMINAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO DE MANCAIS RADIAIS ELÍPTICOS UTILIZANDO O MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

CAPÍTULO 13 PROPRIEDADES TÉRMICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 13 PROPRIEDADES TÉRMICAS DE MATERIAIS 30 CAPÍTULO 13 PROPRIEDADES TÉRMICAS DE MATERIAIS Sumário Objtivos dst capítulo...303 13.1 Uma brv introdução...303 13. Propridads térmicas d matriais...303 13.3.1 Capacidad calorífica vibracional ltrônica...308

Leia mais

GABARITO. 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física e Química) 22 / JUNHO / 2008 GRUPO 3

GABARITO. 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física e Química) 22 / JUNHO / 2008 GRUPO 3 GRUPO 3 CURSOS: Química (Licnciatura/Bacharlado) Tcnologia m Radiologia UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCURSO VESTIBULAR INVERNO/2008 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

ASPECTOS DE FUNCIONAMENTO E FABRICAÇÃO DO GIROSCÓPIO A ONDAS ACUSTICAS DE SUPERFÍCIE

ASPECTOS DE FUNCIONAMENTO E FABRICAÇÃO DO GIROSCÓPIO A ONDAS ACUSTICAS DE SUPERFÍCIE ASPECTOS DE FUNCIONAMENTO E FABRICAÇÃO DO GIROSCÓPIO A ONDAS ACUSTICAS DE SUPERFÍCIE Gilson J. Da Silva Jr gilsonjr@gmail.com Laboratório d Dispositivos Nanostruturas Dpartamnto d Eltrônica Sistmas Univrsidad

Leia mais

Transformador Monofásico

Transformador Monofásico Trasformador Moofásico. Cocito O trasformador (TR) é um quipamto qu rcb rgia létrica com uma tsão uma corrt forc ssa rgia, a mos das prdas, m outra tsão outra corrt. A frqüêcia létrica s matém ialtrada.

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores GERADORES E RECEPTORES Stor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Call Gradors São sstmas qu convrtm um dtrmnado tpo d nrga, m nrga létrca. Cram mantém nos sus trmnas, uma dfrnça d potncal. São xmplos d gradors

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

MÁQUINAS SÍNCRONAS PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DAS MÁQUINAS ELÉTRICAS. Princípio de Funcionamento Aplicado ao Motor Elétrico

MÁQUINAS SÍNCRONAS PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DAS MÁQUINAS ELÉTRICAS. Princípio de Funcionamento Aplicado ao Motor Elétrico PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DAS MÁQUINAS ELÉTRICAS MÁQUINAS SÍNCRONAS Princípio d indução aplicado ao grador d tnsão Princípio d Funcionamnto Aplicado ao Motor Elétrico Princípio d Funcionamnto Aplicado

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA EM MATEMÁTICA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Na ralização d uma avaliação ducacional m larga scala, é ncssário qu os objtivos da avaliação as habilidads comptências

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

TIPOS DE GERADORES DE CC

TIPOS DE GERADORES DE CC ANOTAÇÕS D MÁQUINAS LÉTRICAS 17 TIPOS D GRADORS D CC S dfnm m função dos tpos d bobnas dos pólos. ssas bobnas, atravssadas pla corrnt d xctação, produzm a força magntomotrz qu produz o fluxo magnétco ndutor.

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO.

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO - Estrutura - Engnhiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalbrto1@trra.com.br Introdução projto xcução basados m normas técnicas, psquisa prática

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

Regime de Previdência dos Servidores Públicos: Equilíbrio Financeiro e Justiça Atuarial

Regime de Previdência dos Servidores Públicos: Equilíbrio Financeiro e Justiça Atuarial Rgim d Prvidência dos Srvidors Públicos: Equilíbrio Financiro Justiça Atuarial Rynaldo Frnands * rfrnan@usp.br rynaldo.frnands@faznda.gov.br Rodovia BR 251, Km 4, Bloco A, Brasília DF Tl (61) 412616 Amaury

Leia mais

3 Aritmética Computacional

3 Aritmética Computacional 33 3 Aritmética Computacional 3. Introdução Quando s utiliza um qualqur instrumnto d trabalho para ralizar uma tarfa dv-s tr um conhcimnto profundo do su modo d funcionamnto, das suas capacidads das suas

Leia mais

A distribuição Beta apresenta

A distribuição Beta apresenta Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Bta Cauchy Erlang Exponncial F (Sndkor) Gama Gumbl Laplac Logística Lognormal Normal Parto Qui-quadrado - χ Studnt - t Uniform Wibull

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA MÉTODO DE GALERKIN LIVRE DE ELEMENTOS APLICADO A PLACAS DE MATERIAIS COMPOSTOS LAMINADOS Dissrtação submtida à UNIVERSIDADE

Leia mais

Soluções de isolamento térmico com poliestireno extrudido (XPS) para uma construção sustentável

Soluções de isolamento térmico com poliestireno extrudido (XPS) para uma construção sustentável Soluçõs d isolamnto térmico com polistirno xtrudido (XPS) para uma construção sustntávl Contúdo Introdução à ficiência nrgética na dificação 3 Quadro normativo para a dificação 6 Rgulamnto das Caractrísticas

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

F o l e s S a n f o n a d o s

F o l e s S a n f o n a d o s Fols Sanfonados Protção individualmnt sob mdida sanfonada por sanfonada A protção prfita para o homm para a máquina. A Hnnig projta produz fols sanfonados para máquinasfrramnta há mais d 50 anos. Hoj a

Leia mais

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Pragmática intrcultural ntoação: os nunciados intrrogativos (prguntas) m português m spanhol Lticia Rbollo Couto (UFRJ) 1 Natalia dos Santos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA DE Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA

DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA DE Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA DE Araucaria angustifolia (Brt.) O. Ktz. EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA DIAMETER DISTRIBUTION OF Araucaria angustifolia (Brt.) O. Ktz. IN A FRAGMENT OF MIXED OMBROPHYLOUS

Leia mais

PENSANDO E DESCOBRINDO!!!

PENSANDO E DESCOBRINDO!!! PENSANDO E DESCOBRINDO!!! Sobr o Chuviro Elétrico... Falarmos agora sobr outra facilidad qu a ltricidad os avanços tcnológicos trouxram, trata-s d um aparlho muito usado m nosso dia a dia, o CHUVEIRO ELÉTRICO!

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Contador de electricidade instantâneo

Contador de electricidade instantâneo Contador d lctricidad instantâno Modo d utilização Rf. 54370 Linha d apoio: hotlin@chacon.b CONTEÚDO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 1 SEGURANÇA 2 DENTRO DA CAIXA 3 PROCURAR O CABO DE ALIMENTAÇÃO 4 INSTALAÇÃO 6

Leia mais

Física Geral I F -128. Aula 6 Força e movimento II

Física Geral I F -128. Aula 6 Força e movimento II Física Gral I F -18 Aula 6 Força movimnto II Forças Fundamntais da Naturza Gravitacional Matéria ( 1/r ) Eltromagné7ca ( 1/r ) Cargas Elétricas, átomos, sólidos Nuclar Fraca Dcaimnto Radioa7vo bta Nuclar

Leia mais

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1 5 MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 5 Introdução: Considrmos os sguints nunciados: Quais são as dimnsõs d uma caia rtangular sm tampa com volum v com a mnor ára d supríci possívl? A tmpratura

Leia mais