Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico."

Transcrição

1 Equilíbrio Térmico 1. (Unsp 2014) Para tstar os conhcimntos d trmofísica d sus alunos, o profssor propõ um xrcício d calorimtria no qual são misturados 100 g d água líquida a 20 C com 200 g d uma liga mtálica a 75 C. O profssor informa qu o calor spcífico da água líquida 1cal / g C 0,1cal / g X, ond X é uma scala arbitrária d tmpratura, é o da liga é cuja rlação com a scala Clsius stá rprsntada no gráfico. Obtnha uma quação d convrsão ntr as scalas X Clsius, considrando qu a mistura sja fita dntro d um calorímtro idal, calcul a tmpratura final da mistura, na scala Clsius, dpois d atingido o quilíbrio térmico. 2. (Unifor 2014) O café é uma das bbidas mais consumidas no mundo. O Brasil ainda é um dos maiors xportadors dsta rubiáca. Ao saborar uma xícara dsta bbida m uma caftria da cidad, André vrificou qu a xícara só stava morna. O café foi produzido a 100,00 C. A xícara ra d porclana cujo calor spcífico cx 0,26 cal / g C sua tmpratura ants do contato com o café ra d 25,00 C. Considrando o calor spcífico do 50,00 g a massa do café mc 150,00 g, café d cc 1,0 cal / g C, a massa da xícara mx a tmpratura aproximada da xícara dtctada por André, supondo já atingido o quilíbrio térmico considrando não tr havido troca d calor com o ambint, ra: a) 94,00 C b) 84,00 C c) 74,00 C d) 64,00 C ) 54,00 C Página 1 d 10

2 3. (Urj 2014) Um sistma é constituído por uma pquna sfra mtálica pla água contida m um rsrvatório. Na tabla, stão aprsntados dados das parts do sistma, ants d a sfra sr intiramnt submrsa na água. Parts do sistma sfra mtálica água do rsrvatório Tmpratura inicial ( C) Capacidad térmica (cal/ C) A tmpratura final da sfra, m graus Clsius, após o quilíbrio térmico com a água do rsrvatório, é crca d: a) 20 b) 30 c) 40 d) (Ifsc 2014) Em uma atividad xprimntal, o profssor d Física pd para qu sus alunos adicionm 40 g d glo a -10 C m um calorímtro idal, qu contém uma quantidad d água a 80 C. Quando o sistma ating o quilíbrio térmico, é obsrvado qu 25% do glo continua boiando. Sabndo qu o calor spcífico da água é 1 cal/g C qu do glo é 0,5 cal/g C, qu o calor latnt d fusão do glo é 80 cal/g, assinal a soma da(s) proposição(õs) CORRETA(S). 01) O calorímtro m qustão participa das trocas d calor, influnciando na tmpratura final d quilíbrio térmico. 02) A quantidad d calor cdido pla água não foi igual à quantidad d calor rcbido plo glo, pois não foi suficint para fundi-lo totalmnt. 04) A tmpratura d quilíbrio térmico do sistma é 0 C. 08) A dilatação anômala da água tm influência dirta na tmpratura final d quilíbrio térmico do sistma. 16) A massa inicial d água no calorímtro é 32,5 g. 32) Para qu a tmpratura final d quilíbrio sja d 10 C, uma possibilidad é mudar a quantidad inicial d água no calorímtro para aproximadamnt 54,2 g. 5. (Urj 2013) Uma pssoa, com tmpratura corporal igual a 36,7 C, bb 1 litro d água a 2 15 C. Admitindo qu a tmpratura do corpo não s altr até qu o sistma atinja o quilíbrio térmico, dtrmin a quantidad d calor, m calorias, qu a água ingrida absorv do corpo dssa pssoa. Utiliz: Calor spcífico da água = 1,0 cal g C; Massa spcífica da água = 1 g/cm (Urj 2013) Considr duas amostras, X Y, d matriais distintos, sndo a massa d X igual a quatro vzs a massa d Y. As amostras foram colocadas m um calorímtro, após o sistma atingir o quilíbrio térmico, dtrminou-s qu a capacidad térmica d X corrspond ao dobro da capacidad térmica d Y. Admita qu c X c Y sjam os calors spcíficos, rspctivamnt, d X Y. A razão a) 1 4 c X é dada por: cy b) 1 2 c) 1 d) 2 Página 2 d 10

3 7. (Unsp 2012) Claric colocou m uma xícara 50 ml d café a 80 C, 100 ml d lit a 50 C, para cuidar d sua forma física, adoçou com 2 ml d adoçant líquido a 20 C. Sab-s qu o calor spcífico do café val 1 cal/(g. C), do lit val 0,9 cal/(g. C), do adoçant val 2 cal/(g. C) qu a capacidad térmica da xícara é dsprzívl. Considrando qu as dnsidads do lit, do café do adoçant sjam iguais qu a prda d calor para a atmosfra é dsprzívl, dpois d atingido o quilíbrio térmico, a tmpratura final da bbida d Claric, m C, stava ntr a) 75,0 85,0. b) 65,0 74,9. c) 55,0 64,9. d) 45,0 54,9. ) 35,0 44,9. 8. (Upf 2012) Dois blocos mtálicos A B, ambos d matriais difrnts, são colocados m contato no intrior d um calorímtro idal, d modo a isolá-los d influências xtrnas. Considrando qu a massa do bloco A (m A ) é igual ao dobro da massa do bloco B (m B ), o calor spcífico do bloco A (c A ) é igual à mtad do calor spcífico do bloco B (c B ) a tmpratura inicial do bloco A (T A ) é igual ao triplo da tmpratura inicial do bloco B (T B ), pod-s afirmar qu, quando alcançado o quilíbrio térmico do sistma, a tmpratura d quilíbrio (T q ) srá igual a: a) T B b) 2 T B c) 3 T B d) 4 T B ) 5 T B 9. (Unifsp 2012) Um calorímtro d capacidad térmica 10 cal/ºc, contndo 500 g d água a 20 ºC, é utilizado para dtrminação do calor spcífico d uma barra d liga mtálica d 200 g, a sr utilizada como fundo d panlas para cozimnto. A barra é inicialmnt aqucida a 80 ºC imdiatamnt colocada dntro do calorímtro, isolado trmicamnt. Considrando o calor spcífico da água 1,0 cal/(g ºC) qu a tmpratura d quilíbrio térmico atingida no calorímtro foi 30 ºC, dtrmin: a) a quantidad d calor absorvido plo calorímtro a quantidad d calor absorvido pla água. b) a tmpratura final o calor spcífico da barra. 10. (Pucrj 2012) Uma barra mtálica, qu stá sndo trabalhada por um frriro, tm uma massa M = 2,0 kg stá a uma tmpratura T i. O calor spcífico do mtal é c M = 0,10 cal/g C. Suponha qu o frriro mrgulh a barra m um bald contndo 10 litros d água a 20 C. A tmpratura da água do bald sob 10 C com rlação à sua tmpratura inicial ao chgar ao quilíbrio. Calcul a tmpratura inicial T i da barra mtálica. Dado: c água = 1,0 cal/g C d água = 1,0 g/cm 3 a) 500 C b) 220 C c) 200 C d) 730 C ) 530 C Página 3 d 10

4 11. (Ufmg 2012) Um copo com 200 g d água stá inicialmnt a 25 ºC. Carolina coloca 50 g d glo, a 0 ºC, nss copo. Após algum tmpo, todo o glo drrt toda água no copo stá à msma tmpratura. a) Considrando o sistma água glo isolado, calcul a tmpratura no instant m qu ss sistma chga ao quilíbrio térmico. b) Considrando-s, agora, o sistma isolado como água, glo copo, o valor obtido para a tmpratura do sistma srá mnor, igual ou maior ao valor obtido no itm antrior? Justifiqu sua rsposta. 12. (Ufrgs 2012) Em um calorímtro são colocados 2,0 kg d água, no stado líquido, a uma tmpratura d 0 C. A sguir, são adicionados 2,0 kg d glo, a uma tmpratura não spcificada. Após algum tmpo, tndo sido atingido o quilíbrio térmico, vrifica-s qu a tmpratura da mistura é d 0 ºC qu a massa d glo aumntou m 100 g. Considr qu o calor spcífico do glo (c = 2,1 kj/kg. C) é a mtad do calor spcífico da água qu o calor latnt d fusão do glo é d 330 kj/kg; dsconsidr a capacidad térmica do calorímtro a troca d calor com o xtrior. Nssas condiçõs, a tmpratura do glo qu foi inicialmnt adicionado à água ra, aproximadamnt, a) 0 C. b) - 2,6 C. c) - 3,9 C. d) - 6,1 C. ) - 7,9 C. 13. (Ifsul 2011) Muitas pssoas gostam d café, mas não o aprciam muito qunt têm o hábito d adicionar um pquno cubo d glo para rsfriá-lo rapidamnt. Dv-s considrar qu a xícara tm capacidad térmica igual a 30 cal/ºc contém inicialmnt 120 g d café (cujo calor spcífico é igual ao da água, 1 cal/g.ºc) a 100 ºC, qu ssa xícara ncontra-s m quilíbrio térmico com o líquido. Acrscntando-s uma pdra d glo d 10 g, inicialmnt a 0 ºC, sndo qu o calor latnt d fusão do glo val 80 cal/g, após o glo drrtr todo o sistma ntrar m quilíbrio térmico, dsprzando-s as prdas d calor para o ambint, a tmpratura do café srá igual a a) 86,15 ºC. b) 88,75 ºC. c) 93,75 ºC. d) 95,35 ºC. 14. (Ufpr 2010) Uma montanhista utiliza m suas scaladas uma canca com massa igual a 100 g fita d um matrial com calor spcífico d 910 J/(kg.ºC). Num crto momnto, la coloca 200 g d chá à tmpratura inicial d 80 ºC m sua canca, qu s ncontra à tmpratura ambint d 10 ºC. Dsprz a troca d calor com o ambint considr qu o calor spcífico do chá é igual ao da água, isto é, 1,0 cal/(g.ºc). Dtrmin a tmpratura do chá após o sistma tr atingido o quilíbrio térmico. 15. (Pucrj 2010) Uma quantidad d água líquida d massa m = 200 g, a uma tmpratura d 30 C o, é colocada m uma calorímtro junto a 150 g d glo a 0 C o. Após atingir o quilíbrio, dado qu o calor spcífico da água é c a = 1,0 cal/(g. C o ) o calor latnt d fusão do glo é L = 80 cal/g, calcul a tmpratura final da mistura glo + água. a) 10 C o b) 15 C o c) 0 C o d) 30 C o ) 60 C o Página 4 d 10

5 Gabarito: Rsposta da qustão 1: 3 Dados: ma 100 g; ml 200 g; ca 1 cal / gc; kg / m ; cl 0,1 cal / gx 0,6 cal / g C. Equação d convrsão ntr as scalas. Com os valors do gráfico: X 25 θ 0 X 25 C C X 6 C 25. Tmpratura d Equilíbrio Ainda do gráfico: Δ X Δ C Δ X 6 Δ C Enquanto a marca do mrcúrio sob 1 grau na scala Clsius, sob 6 graus na scala X, conform ilustra a figura. Então o calor spcífico da liga é sis vzs maior quando xprsso usando a scala Clsius. Assim: c 6( 0,1 cal / gc) 0,6 cal / g C L Fazndo o somatório dos calors trocados para um sistma trmicamnt isolado: Q Q 0 m c Δθ m c Δθ 0 θ θ água Liga Água Liga , θ 20 1,2 θ ,2 θ 110 θ 50 C. Página 5 d 10

6 Rsposta da qustão 2: [A] Dados: x x θx c c θc m 50g; c 0,26cal / gc; 25C; m 150g; c 1cal / gc; 100 C. Trata-s d sistma trmicamnt isolado. Então: Qxícara Qcafé 0 mx cx Δθx mc cc Δθc 0 θ θ 50 0, ,26 θ 6,5 3 θ ,26 θ 306,5 θ 94 C. Nota: O xaminador provavlmnt utilizou o trmo morno por ngano. Rsposta da qustão 3: [B] A anális dos dados dispnsa cálculos. A capacidad térmica da sfra mtálica é dsprzívl m rlação à da água contida no rsrvatório, portanto, a tmpratura da água praticamnt não s altra, prmancndo m crca d 30 C. Mas, comprovmos com os cálculos. Considrando o sistma água-sfra trmicamnt isolado: Qsf Qágua 0 Csf Tsf Cágua Tágua 0 2 T T T T T T 30,0998 C T 30 C. Rsposta da qustão 4: = 52. [01] Incorrta, pois o calorímtro é idal. [02] Incorrta. S há troca d calor apnas ntr a água o glo, ncssariamnt a quantidad d calor cdida por um é igual à quantidad d calor rcbida plo outro. [04] Corrta. No quilíbrio térmico há uma mistura d água glo sob prssão normal, portanto a tmpratura é 0 C. [08] Incorrta. O coficint d dilatação não altra o calor spcífico snsívl, qu é suposto constant. [16] Corrta. Calculando a massa inicial da água: A massa d glo qu fund (m f ) corrspond a 75% da massa inicial (40 g). m 0,75 40 m 30 g. f Fazndo o balanço térmico: f Δθ Δθ Qágua Qglo Qfusão 0 m c m c m água glo f Lf 0 fusão m , m m 80 m 32,5 g. Página 6 d 10

7 [32] Corrta. Chamando d água1 a água contida inicialmnt no calorímtro d água2 a água rsultant da fusão do glo, façamos o novo balanço térmico. Q Q Q Q 0 água1 glo fusão água2 Δθ Δθ Δθ m c m c m L água1 glo f m c 0 fusão água2 m , m m 70 m 54,2 g. Rsposta da qustão 5: A partir dos dados aprsntados no nunciado, tmos: g g 1000 g d ml l cm Assim sndo, concluímos qu mio litro d água corrspondrá a 500 gramas. Calculmos agora a variação da tmpratura sofrida pla água ingrida: Δθ 36, ,7 Utilizando a quação fundamntal da calorimtria: Q mc Δθ Substituindo plos valors ncontrados, tmos: Q ,7 Q cal Rsposta da qustão 6: [B] Dados aprsntados no nunciado: m C x x 4m 2C y y A rlação ntr a capacidad térmica d um corpo sua massa é dada por: C m c, m qu c corrspond ao calor spcífico snsívl. Assim sndo, tmos: m c 2m c 4m c 2m c x x y y y x y y 2c c x y cx 1 cy 2 Página 7 d 10

8 Rsposta da qustão 7: [C] V Café = 50 ml; V Lita = 100 ml; V Adoçant = 2 ml; c Café = 1 cal/gºc; c Lita = 0,9 cal/gºc; c Adoçant = 2 cal/gºc. Considrando o sistma trmicamnt isolado, vm: Q Q Q 0 mc mc mc 0 Café Lit Adoçant Café Lit Adoçant Como as dnsidads ( ) dos três líquidos são iguais, a massa é o produto da dnsidad plo volum (m = V), tmos: Vc Vc Vc 0 Café Lit Adoçant , ,6 C. Portanto, a tmpratura d quilíbrio stá smpr 55 C 64,9 C. Rsposta da qustão 8: [B] Dados: m A = 2 m B ; c A = c B /2; T A = 3 T B. Como o sistma é trmicamnt isolado, o somatório dos calors trocados ntr os dois corpos é nulo. QA QB 0 ma ca ΔTA mb cb ΔTB 0 cb 2mB T 3TB mb cb T T B T 3TB T TB 0 2 2T 4T B T 2T B. Rsposta da qustão 9: Dados: C C = 10 cal/c ; m A = 500 g; m B = 200 g; T 0C = T 0A = 20 C; T 0B = 80 C; T q = 30 C. a) Quantidad d calor (Q C ) absorvido plo calorímtro: QC CCTC QC 100 cal. Quantidad d calor (Q A ) absorvido pla água: QA mcata QC cal. b) A tmpratura final da barra é igual à tmpratura d quilíbrio térmico do sistma. final TB 30 C. O sistma é trmicamnt isolado. Então: Q Q Q m c T c C A B B B B B c B cb 0,51 cal / g C Página 8 d 10

9 Rsposta da qustão 10: [E] Dados: 3 M 2 kg g; Vágua 10 L; dágua 1,0 g / cm g / L; cágua 1,0 cal / g C; c M 0,10 cal / g C; T f 30 C; água 10 C. Considrando qu o sistma sja trmicamnt isolado, tmos: Q Q 0 d V c M c 0 água barra água M M f ,1 30 T T T 530 C. f Rsposta da qustão 11: a) Dados: m água = 200 g; m glo = 50 g; m água/glo L glo = 80 cal/g; c água = 1 cal/g C; q 0glo = 0 C q 0água = 25 C. Considrando o sistma trmicamnt isolado, no instant m qu é atingido o quilíbrio térmico a tmpratura é q : Q Q Q 0 glo água/glo água m L m c Δθ m c Δθ 0 glo glo água/glo água água/glo água água água θ θ θ 200 θ θ θ 250 θ 4 ºC. b) Considrando o copo, a tmpratura d quilíbrio é maior do qu o valor obtido no itm antrior, pois o copo também forncrá calor para a fusão do glo para o aqucimnto da massa d água rsultant do glo fundido. Vamos ao quacionamnto, considrando C copo a capacidad térmica do copo sua tmpratura inicial igual à da água qu l contém (25 C). Q Q Q Q 0 glo água/glo água copo m L m c Δθ m c Δθ C Δθ 0 glo glo água/glo água água/glo água água água copo copo ' ' ' θ θ copo θ C 25 0 copo ' ' ' copo copo θ 200 θ C θ C C θ ' 4 ºC. θ ' Rsposta da qustão 12: [E] ' Ccopo θ 250 C O calor librado por 100 g d água qu s solidificaram, foi usado para lvar o glo da tmpratura inicial (T 0 ) até 0 C, qu é a tmpratura final da mistura. Dados: Massa d glo solidificada: m sol = 100 g = 0,1 kg, Massa d glo inicial: M glo = 2 kg; Calor spcífico latnt d solidificação da água: L solidif = -330 kj/kg; Calor spcífico snsívl do glo: c glo = 2,1 kj/kg. C. copo f Página 9 d 10

10 Dsprzando prdas d calor: Qsolidif Qglo 0 msol Lsolidif Mglo cglo 0 T , ,1 0 T ,2 T0 0 T 0 4,2 T0 7,9 C. Rsposta da qustão 13: [B] Dados: C xícara = 10 cal/ C; m café = 120 g; m glo = 10 g; L glo = 10 cal/g; c água = 1 cal/g C. O calor librado plo café pla xícara dv drrtr o glo squntar a água do glo até a tmpratura d quilíbrio. Sndo um sistma trmicamnt isolado, tmos: Q Q Q Q 0 xícara café fusão água C (T 100) m c (T 100) m L m c (T 0) 0 xícara café água glo fusão glo água 30 T T (T) 0 3T T T 0 16T T 88,75 C. Rsposta da qustão 14: Dados: m 1 = 100 g = 0,1 kg ; c 1 = 910 J/kg. C; T 1 = 10 C; T 2 = 80 C; m 2 = 200 g = 0,2 kg; c 2 = 1 cal/g. C = J/kg. C. O sistma é trmicamnt isolado. Então: Q canca + Q chá = 0 m 1 c 1 (T T 1 ) + m 2 c 2 (T T 2 ) = 0 0,1(910)(T 10) + 0,2(4.200) (T 80) 91 T T T = T 73,16 C. Rsposta da qustão 15: [C] Dados: m ág = 200 g; m glo = 150 g; T 0 = 30 C; c ág = 1 cal/g. C; L glo = 80 cal/g. Nss tipo d problma, nvolvndo glo água, prcisamos smpr vrificar s, no quilíbrio térmico, sobra glo ou s há fusão total. Para isso, tmos qu comparar o calor latnt ncssário para fusão do glo (Q glo ) com o calor snsívl librado pla água (Q água ) até 0 C. Assim: Q glo = m glo L glo = 150 (80) Q glo = cal. Q água = m ág c ág T = 200 (1) (0 30) Q água = cal ( o sinal ngativo indica apnas qu houv libração d calor) Comparando ssas quantidads d calor (m módulo), vrificamos qu a quantidad d calor ncssária para fundir o glo ( cal) é mnor qu a quantidad d calor librada pla água (6.000 cal apnas mtad da ncssária). Portanto, apnas mtad da massa d glo s fund a tmpratura d quilíbrio térmico é 0 C. Página 10 d 10

Calorimetria Página 1 de 12

Calorimetria Página 1 de 12 Calorimtria 2013 1. (Urj 2013) Uma pssoa, com tmpratura corporal igual a 36,7 C, bb 1 litro d água a 2 15 C. Admitindo qu a tmpratura do corpo não s altr até qu o sistma atinja o quilíbrio térmico, dtrmin

Leia mais

Atividade Complementar Plano de Estudo

Atividade Complementar Plano de Estudo 1. (Uerj 2014) Um sistema é constituído por uma pequena esfera metálica e pela água contida em um reservatório. Na tabela, estão apresentados dados das partes do sistema, antes de a esfera ser inteiramente

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Atrito Fixação - Básica

Atrito Fixação - Básica 1. (Pucpr 2017) Um bloco d massa stá apoiado sobr uma msa plana horizontal prso a uma corda idal. A corda passa por uma polia idal na sua xtrmidad final xist um gancho d massa dsprzívl, conform mostra

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

FÍSICA SETOR A. Prof. Cazuza e Raphael

FÍSICA SETOR A. Prof. Cazuza e Raphael FÍSICA SETOR A Prof. Cazuza e Raphael 1. (Unifesp 2013) O gráfico representa o processo de aquecimento e mudança de fase de um corpo inicialmente na fase sólida, de massa igual a 100g. Sendo a quantidade

Leia mais

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos.

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos. TERMOLOGI 1- Dfinição É o ramo da física qu studa os fitos as trocas d calor ntr os corpos. 2- Tmpratura É a mdida do grau d agitação d suas moléculas 8- Rlação ntr as scalas trmométricas Corpo Qunt Grand

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Física A 1. Na figura acima, a corda ideal suporta um homem pendurado num ponto eqüidistante dos dois apoios ( A 1

Física A 1. Na figura acima, a corda ideal suporta um homem pendurado num ponto eqüidistante dos dois apoios ( A 1 Física Vstibular Urj 98 1ª fas Qustão 16 A 1 A 2 θ Na figura acima, a corda idal suporta um homm pndurado num ponto qüidistant dos dois apoios ( A 1 A 2 ), a uma crta altura do solo, formando um ângulo

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS INSTITUTO DE FÍSICA C.P. 131, CEP 74001-970, Goiânia - Goiás - Brazil. Fon/Fax: +55 62 521-1029 Programa d Pós-Graduação Procsso d Slção 2 0 Smstr 2008 Exam d Conhcimnto m

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Processo Avaliativo TRABALHO - 1º Bimestre/2017 Disciplina: Física A 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo TRABALHO - 1º Bimestre/2017 Disciplina: Física A 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Procsso Avaliativo TRABALHO - 1º Bimstr/2017 Disciplina: Física A 2ª séri EM A Data: Nom do aluno Nº Turma Atividad Avaliativa: A atividad dv sr rspondida ENTREGUE. Todas as qustõs, dvm contr as rsoluçõs,

Leia mais

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Questão 01 - (FUVEST SP)

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Questão 01 - (FUVEST SP) Matmática Profssor: Marclo Honório LISTA: 04 2ª séri Ensino Médio Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Sgmnto tmático: GEOMETRIA ESPACIAL DIA: MÊS: 05 206 Pirâmids Cilindros Qustão 0 - (FUVEST SP) Três das arstas

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Livro 01 Resolvidos de Calorimetria

Livro 01 Resolvidos de Calorimetria 1. Um sistema é constituído por uma pequena esfera metálica e pela água contida em um reservatório. Na tabela, estão apresentados dados das partes do sistema, antes de a esfera ser inteiramente submersa

Leia mais

Física 3. k = 1/4πε 0 = 9, N.m 2 /C Uma partícula, que se move em linha reta, está sujeita à aceleração a(t), cuja variação

Física 3. k = 1/4πε 0 = 9, N.m 2 /C Uma partícula, que se move em linha reta, está sujeita à aceleração a(t), cuja variação Física 3 Valors d algumas constants físicas clração da gravidad: 10 m/s 2 Dnsidad da água: 1,0 g/cm 3 Calor spcífico da água: 1,0 cal/g C Carga do létron: 1,6 x 10-19 C Vlocidad da luz no vácuo: 3,0 x

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO II/05 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 0//5 MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO E DOS INCENTIVOS APLICADA À ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO Prof. Maurício

Leia mais

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS EM MEIOS CONDUTORES

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS EM MEIOS CONDUTORES LTROMAGNTISMO II 3 ONDAS LTROMAGNÉTICAS M MIOS CONDUTORS A quação d onda dduida no capítulo antrior é para mios sm prdas ( = ). Vamos agora ncontrar a quação da onda m um mio qu aprsnta condutividad não

Leia mais

, ou seja, 8, e 0 são os valores de x tais que x e, Página 120

, ou seja, 8, e 0 são os valores de x tais que x e, Página 120 Prparar o Eam 0 07 Matmática A Página 0. Como g é uma função contínua stritamnt crscnt no su domínio. Logo, o su contradomínio é g, g, ou sja, 8,, porqu: 8 g 8 g 8 8. D : 0, f Rsposta: C Cálculo Auiliar:

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Mcânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EA3N Smstr: 1 sm/2017 Data: 20/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES DA

Leia mais

Álgebra. Matrizes. . Dê o. 14) Dada a matriz: A =.

Álgebra. Matrizes.  . Dê o. 14) Dada a matriz: A =. Matrizs ) Dada a matriz A = Dê o su tipo os lmntos a, a a ) Escrva a matriz A, do tipo x, ond a ij = i + j ) Escrva a matriz A x, ond a ij = i +j ) Escrva a matriz A = (a ij ) x, ond a ij = i + j ) Escrva

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Calor Específico. Q t

Calor Específico. Q t Calor Espcífico O cocint da quantidad d nrgia () forncida por calor a um corpo plo corrspondnt acréscimo d tmpratura ( t) é chamado capacidad térmica dst corpo: C t Para caractrizar não o corpo, mas a

Leia mais

1.2 1 5.67 10 273 20 303 14.965W 81.3 100. H A e 5.67 10 14.965 10 10. e R 5.436 1.2468

1.2 1 5.67 10 273 20 303 14.965W 81.3 100. H A e 5.67 10 14.965 10 10. e R 5.436 1.2468 Exrcícios 1. Condução através d uma gladira d isopor. Uma caixa d isopor usada para mantr bbidas frias m um piquniqu possui ára total (incluindo a tampa) igual a.8m a spssura da pard é d. cm. Ela stá chia

Leia mais

No gráfico, encontra-se a substância no estado líquido nos pontos a) I, II e IV b) III, IV e V c) II, III e IV d) I, III e V

No gráfico, encontra-se a substância no estado líquido nos pontos a) I, II e IV b) III, IV e V c) II, III e IV d) I, III e V 1. (Ueg 2015) A mudança do estado ísico de determinada substância pode ser avaliada em unção da variação da temperatura em relação ao tempo, conorme o gráico a seguir. Considere que a 0C o composto encontra-se

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 4 GABARITO

LISTA DE EXERCÍCIOS 4 GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS 4 GABARITO 1) Uma sfra d massa 4000 g é abandonada d uma altura d 50 cm num local g = 10 m/s². Calcular a vlocidad do corpo ao atingir o solo. Dsprz os fitos do ar. mas, como o corpo

Leia mais

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b Considr uma população d igual númro d homns mulhrs, m qu sjam daltônicos % dos homns 0,% das mulhrs. Indiqu a probabilidad d qu sja mulhr uma pssoa daltônica slcionada ao acaso nssa população. a) b) c)

Leia mais

Desse modo, sendo E a energia de ligação de um núcleo formado por Z prótons e (A Z) nêutrons, de massa M(Z,A), pode-se escrever: E 2

Desse modo, sendo E a energia de ligação de um núcleo formado por Z prótons e (A Z) nêutrons, de massa M(Z,A), pode-se escrever: E 2 Enrgia d Ligação Nuclar Dado um núclo qualqur, a nrgia librada quando da sua formação a partir dos sus prótons nêutrons sparados d uma distância infinita é o qu s chama d nrgia d ligação d tal núclo. Dito

Leia mais

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%)

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%) Distribuição das 0 Qustõs do I T A 9 (8,6%) 66 (,99%) Equaçõs Irracionais 09 (0,8%) Equaçõs Exponnciais (,09%) Conjuntos 9 (,6%) Binômio d Nwton (,9%) 0 (9,%) Anális Combinatória (,8%) Go. Analítica Funçõs

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de Dsintgração Radioativa Os núclos, m sua grand maioria, são instávis, ou sja, as rspctivas combinaçõs d prótons nêutrons não originam configuraçõs nuclars stávis. Esss núclos, chamados radioativos, s transformam

Leia mais

Quantidade de Calor Latente Mudança de Estado Físico

Quantidade de Calor Latente Mudança de Estado Físico Quantidade de Calor Latente Mudança de Estado Físico 1. (Uerj 2014) A energia consumida por uma pessoa adulta em um dia é igual a 2 400 kcal. Determine a massa de gelo a 0 C que pode ser totalmente liquefeita

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física a Fase. Prova para alunos de 3 o ano

Olimpíada Brasileira de Física a Fase. Prova para alunos de 3 o ano Olimpíada Brasilira d Física 00 1 a Fas Proa para alunos d o ano Lia atntamnt as instruçõs abaixo ants d iniciar a proa: 1 Esta proa dstina-s xclusiamnt a alunos d o ano. A proa contm int qustõs. Cada

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1 5 MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 5 Introdução: Considrmos os sguints nunciados: Quais são as dimnsõs d uma caia rtangular sm tampa com volum v com a mnor ára d supríci possívl? A tmpratura

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL Dpartamnto d Engnharia Elétrica CONTROLE DIGITAL PROF. DR. EDVALDO ASSUNÇÃO Univrsidad Estadual Paulista UNESP Faculdad d Engnharia d Ilha Soltira FEIS Dpartamnto d Engnharia Elétrica DEE -03- Sumário

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período Rsolução da Prova d Física Tórica Turma C2 d Engnharia Civil Príodo 2005. Problma : Qustõs Dados do problma: m = 500 kg ; v i = 4; 0 m=s ;! a = 5! g d = 2 m. Trabalho ralizado por uma força constant: W

Leia mais

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EQ3M Smstr: 1 sm/2017 Data: 27/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Bimstral Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES

Leia mais

SAIS SOLÚVEIS E SAIS INSOLÚVEIS EM ÁGUA. São muito solúveis em água, praticamente: Todos os sais de metais alcalinos. Todos os sais de amónio ) (NH 4

SAIS SOLÚVEIS E SAIS INSOLÚVEIS EM ÁGUA. São muito solúveis em água, praticamente: Todos os sais de metais alcalinos. Todos os sais de amónio ) (NH 4 MNERALZAÇÃO E DESMNERALZAÇÃO DA ÁGUA A água do mar as águas salobras contêm divrsos sais minrais dissolvidos. A rmoção d sais dstas águas é um procsso d obtr água potávl. Os procssos mais usados são a

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

Matemática: Lista de exercícios 2º Ano do Ensino Médio Período: 1º Bimestre

Matemática: Lista de exercícios 2º Ano do Ensino Médio Período: 1º Bimestre Matmática: Lista d xrcícios 2º Ano do Ensino Médio Príodo: 1º Bimstr Qustão 1. Três amigos saíram juntos para comr no sábado no domingo. As tablas a sguir rsumm quantas garrafas d rfrigrant cada um consumiu

Leia mais

Projetos de um forno elétrico de resistência

Projetos de um forno elétrico de resistência Projtos d um forno létrico d rsistência A potência para um dtrminado forno dpnd do volum da câmara sua tmpratura, spssura condutividad térmica do isolamnto do tmpo para alcançar ssa tmpratura. Um método

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Rsoluçõs d Exrcícios MATEMÁTICA II Conhc Capítulo 07 Funçõs Equaçõs Exponnciais; Funçõs Equaçõs Logarítmicas 01 A) log 2 16 = log 2 2 4 = 4 log 2 2 = 4 B) 64 = 2 6 = 2 6 = 6 log 2 2 = 4 C) 0,125 = = 2

Leia mais

TRABALHO DA FORÇA ELÉTRICA I) RESUMO DAS PRINCIPAIS FÓRMULAS E TEORIAS: A) TABELA -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

GERADOR ELETROSTÁTICO

GERADOR ELETROSTÁTICO GERADOR ELETROSTÁTICO Est artigo irá mostrar como construir um grador ltrostático, projto muito famoso m firas d Ciências. É uma máquina muito intrssant dvido às pqunas faíscas qu gra, dmonstrando claramnt

Leia mais

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Hwltt-Packard MTRIZES ulas 0 a 06 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz no 06 Sumário MTRIZES NOÇÃO DE MTRIZ REPRESENTÇÃO DE UM MTRIZ E SEUS ELEMENTOS EXERCÍCIO FUNDMENTL MTRIZES ESPECIIS IGULDDE

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Aula 2: Calorimetria

Aula 2: Calorimetria Aula 2: Calorimetria Imagine uma xícara de café quente e uma lata de refrigerante gelada em cima de uma mesa. Analisando termicamente, todos nós sabemos que com o passar do tempo a xícara irá esfriar e

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

Razão e Proporção. Noção de Razão. 3 3 lê-se: três quartos lê-se: três para quatro ou três está para quatro

Razão e Proporção. Noção de Razão. 3 3 lê-se: três quartos lê-se: três para quatro ou três está para quatro Razão Proporção Noção d Razão Suponha qu o profssor d Educação Física d su colégio tnha organizado um tornio d basqutbol com quatro quips formadas plos alunos da ª séri. Admita qu o su tim foi o vncdor

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

Derivada Escola Naval

Derivada Escola Naval Drivada Escola Naval EN A drivada f () da função f () = l og é: l n (B) 0 l n (E) / l n EN S tm-s qu: f () = s s 0 s < < 0 s < I - f () só não é drivávl para =, = 0 = II - f () só não é contínua para =

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistemas Trifásicos LIGAÇÃO DE CARGAS INTRODUÇÃO

Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistemas Trifásicos LIGAÇÃO DE CARGAS INTRODUÇÃO www.-l.nt Tmática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistmas Trifásicos GAÇÃO DE CARGAS NTRODÇÃO Nsta scção, studam-s dois tipos d ligação d cargas trifásicas (ligação m strla ligação m triângulo ou dlta) dduzindo

Leia mais

Aula Teórica nº 8 LEM-2006/2007. Trabalho realizado pelo campo electrostático e energia electrostática

Aula Teórica nº 8 LEM-2006/2007. Trabalho realizado pelo campo electrostático e energia electrostática Aula Tórica nº 8 LEM-2006/2007 Trabalho ralizado plo campo lctrostático nrgia lctrostática Considr-s uma carga q 1 no ponto P1 suponha-s qu s trás uma carga q 2 do até ao ponto P 2. Fig. S as cargas form

Leia mais

Lista d xrcícios - Bloco 2 - Aula 17 a 21 - Estudo dos gass 1. (Ufsc 2016) Para chgar até a piscina tomar um banho rfrscant no vrão, você dcid dslocar-s utilizando um automóvl, com um grupo d familiars.

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA CAMPUS JEQUIÉ LISTA DE EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA CAMPUS JEQUIÉ LISTA DE EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA CAMPUS JEQUIÉ LISTA DE EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA ALUNO: LISTA Ciclo trigonométrico, rdução d arcos, quaçõs trigonométricas - (UFJF MG) Escrvndo os númros rais x, y, w, z y, x,

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 09. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 09. Professora: Mazé Bechara Instituto d Física USP Física Modrna I Aula 09 Profssora: Mazé Bchara Aula 09 O fito fotolétrico a visão corpuscular da radiação ltromagnética 1. Efito fotolétrico: o qu é, o qu s obsrva xprimntalmnt,

Leia mais

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9 AULA 9 EXPRESSÕES LÓGICAS 9.1 Lógica proposicional Lógica é o studo do raciocínio 1. Em particular, utilizamos lógica quando dsjamos dtrminar s um dado raciocínio stá corrto. Nsta disciplina, introduzimos

Leia mais

Cálculo de Autovalores, Autovetores e Autoespaços Seja o operador linear tal que. Por definição,, com e. Considere o operador identidade tal que.

Cálculo de Autovalores, Autovetores e Autoespaços Seja o operador linear tal que. Por definição,, com e. Considere o operador identidade tal que. AUTOVALORES E AUTOVETORES Dfiniçõs Sja um oprador linar Um vtor, é dito autovtor, vtor próprio ou vtor caractrístico do oprador T, s xistir tal qu O scalar é dnominado autovalor, valor próprio ou valor

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

O raio de um núcleo típico é cerca de dez mil vezes menor que o raio do átomo ao qual pertence, mas contém mais de 99,9% da massa desse átomo.

O raio de um núcleo típico é cerca de dez mil vezes menor que o raio do átomo ao qual pertence, mas contém mais de 99,9% da massa desse átomo. Caractrísticas Grais do Núclo O raio d um núclo típico é crca d dz mil vzs mnor qu o raio do átomo ao qual prtnc, mas contém mais d 99,9% da massa dss átomo. Constituição O núclo atômico é composto d partículas

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS NOTAS DE AULA

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS NOTAS DE AULA Ministério da Educação Univrsidad Tcnológica Fdral do Paraná ampus uritiba Grência d Ensino Psquisa Dpartamnto Acadêmico d Matmática EQUAÇÕES DIFERENIAIS NOTAS DE AULA Equaçõs Difrnciais AULA 0 EQUAÇÕES

Leia mais

= 80s. Podemos agora calcular as distâncias percorridas em cada um dos intervalos e obtermos a distância entre as duas estações:

= 80s. Podemos agora calcular as distâncias percorridas em cada um dos intervalos e obtermos a distância entre as duas estações: Solução Comntada da Prova d Física 53 Um trm, após parar m uma stação, sor uma aclração, d acordo com o gráico da igura ao lado, até parar novamnt na próxima stação ssinal a altrnativa qu aprsnta os valors

Leia mais

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas Planificação d Ciências Naturais 9.ºAno Altraçõs climáticas Inês Hnriqus Sandra Mnds Tma: Biosfra Aula n.º: 1 Duração: 90 minutos Introdução à unid Altraçõs climáticas. Biosfra, concito importância. Dgração

Leia mais

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Hwltt-Packard MATRIZES Aulas 0 a 06 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz Sumário MATRIZES NOÇÃO DE MATRIZ REPRESENTAÇÃO DE UMA MATRIZ E SEUS ELEMENTOS EXERCÍCIO FUNDAMENTAL MATRIZES ESPECIAIS IGUALDADE

Leia mais

Caderno Algébrico Medição Física

Caderno Algébrico Medição Física Cadrno Algébrico Vrsão 1.0 ÍNDICE MEDIÇÃO FÍSICA 3 1. O Esquma Gral 3 2. Etapas d 5 2.1. Aquisição das informaçõs do SCDE 5 2.2. Intgralização Horária dos Dados Mdidos 6 2.3. Cálculo das Prdas por Rd Compartilhada

Leia mais

GABARITO. 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física e Química) 22 / JUNHO / 2008 GRUPO 3

GABARITO. 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física e Química) 22 / JUNHO / 2008 GRUPO 3 GRUPO 3 CURSOS: Química (Licnciatura/Bacharlado) Tcnologia m Radiologia UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCURSO VESTIBULAR INVERNO/2008 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física

Leia mais

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000 º Tst d CONTROLO DE SISTEMS (TP E PRO) Licciatura m Eg.ª Mcâica Prof. Rsposávl: Pdro Maul Goçalvs Lourti d bril d 00 º Smstr Duração: hora miutos. Tst com cosulta. Rsolução. Cosidr o sistma rprstado a

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

λ, para x 0. Outras Distribuições de Probabilidade Contínuas

λ, para x 0. Outras Distribuições de Probabilidade Contínuas abilidad Estatística I Antonio Roqu Aula 3 Outras Distribuiçõs d abilidad Contínuas Vamos agora studar mais algumas distribuiçõs d probabilidads para variávis contínuas. Distribuição Eponncial Uma variávl

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

10. EXERCÍCIOS (ITA-1969 a ITA-2001)

10. EXERCÍCIOS (ITA-1969 a ITA-2001) . EXERCÍCIOS (ITA-969 a ITA-) - (ITA - 969) Sjam f() = + g() = duas funçõs rais d variávl ral. Então (gof)(y ) é igual a: a) y y + b) (y ) + c) y + y d) y y + ) y - (ITA -97) Sjam A um conjunto finito

Leia mais

RI406 - Análise Macroeconômica

RI406 - Análise Macroeconômica Fdral Univrsity of Roraima, Brazil From th SlctdWorks of Elói Martins Snhoras Fall Novmbr 18, 2008 RI406 - Anális Macroconômica Eloi Martins Snhoras Availabl at: http://works.bprss.com/loi/54/ Anális Macroconômica

Leia mais