PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado."

Transcrição

1 PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr outros usos: (i) dimnsionar d sistmas d acondicionamnto para animais plantas, incluindo ambints protgidos, como stufas, por xmplo; (ii) stimativa o tmpo a nrgia ncssários para scagm d produtos agrícolas; (iii) controlar a umidad do ar dntro d unidads d armaznamnto d hortifrutigranjiros, crais, dntr outros; (iv) studar a incidência d pragas m produtos agropcuários (vi) studar a qualidad do ambint, incluindo o conforto térmico, bm como a incidência d donças sjam rlativas à saúd, humana ou d outros animais, quanto aqulas qu ocorrm m vgtais. 3. QUAIS SÃO OS APARELHOS UTILIZADOS PARA ESTIMAR A UMIDADE DO AR? Os instrumntos utilizados para stimar a umidad do ar são os (i) psicrômtros, (ii) higrômtros (iii) higrógrafos. Os psicrômtros forncm duas lituras d trmômtros, um d bulbo sco, qu md a tmpratura do ar um outro trmômtro, d bulbo molhado, qu fornc uma litura auxiliar. A partir dsss dois valors é possívl calcular 1 Est matrial basia-s no capítulo 2 do livro Mtorologia básica aplicaçõs d R.L.Vianllo A.R. Alvs publicado pla Univrsidad Fdral d Viçosa nas apostilas Psicromtria I Psicromtria II d S. Zolnir, publicadas plo Dpartamnto d Engnharia Agrícola da Univrsidad Fdral d Viçosa. METEORO INSTRUMENTOS 1

2 uma longa séri d variávis psicrométricas, cada uma dlas, utilizada m difrnts situaçõs. Os higrômtros, forncm apnas uma stimativa da umidad rlativa. Os higrógrafos, além da litura, também rgistram os valors da umidad rlativa, no dcorrr do tmpo. Ambos, podm fazr uso d um fix d fios d cablos humanos (qu têm a propridad d s contraírm quando a umidad rlativa abaixa distndrm quando aqula variávl aumnta d valor). Podm também sr confccionados com matriais sintéticos qu mudam a condutância létrica, quando a umidad rlativa varia. Assim, quando sujitos a uma difrnça d potncial létrico conhcido, dpndndo da umidad do ar, havrá variação na intnsidad da corrnt létrica, proporcional à umidad rlativa do ar. 4. QUAIS SÃO OS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DA UMIDADE DO AR? A partir dos dados forncidos plos instrumntos pod-s stimar as variávis psicrométricas por três métodos difrnts: (i) o analítico; (ii) o gráfico (iii) o tabular. O método analítico é o mais prciso dntr todos ls, mbora, vntualmnt, possa sr um pouco difícil para aqulas pssoas pouco acostumadas a utilizar um computador ou, plo mnos, uma calculadora cintífica. O método gráfico é muito simpls rápido. Entrtanto, dpndndo da prcisão rqurida para as variávis psicrométricas, não sria muito indicado. Ond a prssão atmosférica do local difr razoavlmnt daqula para a qual foi dfinido o gráfico, é ncssário corrigir os valors obtidos no gráfico. Plo método tabular é rápido fácil ncontrar os valors dsjados. No ntanto, s a ncssidad for suprior a duas ou três variávis psicrométricas, ou o númro d condiçõs atmosféricas para a dtrminação das variávis for lvado, st método pod sr um pouco nfadonho. Na prática st método é utilizado apnas para ncontrar-s os valors da umidad rlativa. A sguir srão dscritas as variávis psicrométricas as quaçõs para as stimativas plo método analítico, com um xmplo d cálculo. Para algumas variávis as tablas METEORO INSTRUMENTOS 2

3 ncontradas no Apêndic podm sr utilizadas. As rfrências a ssas tablas aparcrão junto com a dscrição das variávis tabladas. 5. QUAIS SÃO AS VARIÁVEIS PSICROMÉTRICAS? As variávis psicrométricas stimávis são: Prssão d vapor d saturação ( s ) Prssão d vapor d água ral () Umidad absoluta ou dnsidad do vapor d água (UA) Dnsidad absoluta do ar sco (DAS) Dnsidad absoluta do ar (Da) Umidad spcífica do ar (q) Razão d mistura (r ou w) Umidad rlativa (UR) Tmpratura do ponto d orvalho (tpo) Entalpia spcífica do ar sco (Eh) 5.1. Prssão parcial do vapor d água quando o ar stivr saturado. A quação utilizada para o cálculo da prssão parcial xrcida plo vapor d água na condição d ar saturado, sobr uma suprfíci d água líquida, é a d Tétns. s 6, ( 7,5.t ) ( ) 237,3 + t m qu, s é prssão d saturação do vapor d água, m hpa ou mbar, t é tmpratura m o C. Para aquls pouco familiarizados com quaçõs xponnciais no Apêndic 1 são aprsntados os valors d s m hpa ou mbar, m função da tmpratura, variando sta d zro até 50ºC. METEORO INSTRUMENTOS 3

4 EXEMPLO: Qual é prssão parcial xrcida plo vapor d água quando o ar stivr saturado a uma tmpratura d 26,5ºC? ( 7,5.26,5 ) ( 237,3 + 26,5 ) s 6, ,62 hpa Confira o valor no Apêndic 1. 34,62 mbar 5.2. Prssão parcial xrcida plo vapor d água prsnt no ar, na condição ral. Estima-s o valor da prssão parcial ral xrcida plo vapor d água pla quação: su - A. Patm. (t - t u ) m qu, é prssão parcial xrcida pla quantidad d vapor d água prsnt com a atmosfra na situação ral, m hpa ou mbar, m qu, su é prssão d saturação do vapor d água, m hpa ou mbar, para a tmpratura do trmômtro d bulbo molhado, tu, m o C; A é uma constant do psicrômtro (A 0,00067 o C -1 para psicrômtros com vntilação forçada A 0,00080 o C -1 para psicrômtros sm vntilação forçada) Patm é a prssão atmosférica total do local, m hpa ou mbar. METEORO INSTRUMENTOS 4

5 A difrnça ntr os valors indicados plos dois trmômtros (d bulbo sco d bulbo molhado), (t tu) é rfrida como dprssão psicrométrica. Cálculo d su (a quação é a msma do cálculo d s, utilizando agora a tmpratura d bulbo molhado, m ºC): ( 7,5.tu) ( ) 237,3 + tu su 6, Estimativa do valor da prssão atmosférica, m mbar ou hpa, quando não s dispõ d um barômtro, pod sr fita pla quação: Patm 1013,25.( 1 0, Z 5,2568 ) m qu, Z é altitud do local m mtros. Para facilitar os cálculos, os valors das prssõs atmosféricas, calculadas pla quação antrior, para locais com altituds variando d zro a 2000 mtros, ncontram-s no Apêndic 2. A transformação das unidads d prssão pod sr fita por rgras-d-três: 1013,25 hpa 1013,25 mbar 760 mm Hg 1 atm 1 bar EXEMPLO: Qual é prssão parcial xrcida plo vapor d água quando o ar stivr com uma tmpratura d 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? ( 7,5.23,2 ) ( 237,3 + 23,2 ) su 6, ,43 hpa Confira o valor no Apêndic 1. METEORO INSTRUMENTOS 5

6 Patm 1013,25.( 1 0, ) 5, hpa Confira o valor no Apêndic 2. Como o psicrômtro é do tipo com vntilação forçada o valor da constant A é 0,00067 o C -1. su -A.Patm.(t-t u )28,43 0, (26,5 23,2)26,33 mbar 26,33 hpa A contribuição do vapor d água para a prssão atmosférica, nssas condiçõs é d 26,33 hpa Dnsidad do vapor d água ou umidad absoluta (UA). É a quantidad (massa), d vapor d água prsnt m cada mtro cúbico d spaço do ambint m qustão. Em g vapor /m 3. UA 216,68. (273,15 + t) m qu, é a prssão parcial do vapor d água ral na atmosfra, m hpa ou mbar, t é a tmpratura do ar, informada plo trmômtro d bulbo sco, m ºC. EXEMPLO: Qual é a umidad absoluta do ar s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? Do xmplo antrior vimos qu a prssão d vapor (), para ssas condiçõs atmosféricas é igual a 26,33 hpa. A tmpratura do ar é d 26,5ºC (trmômtro d bulbo sco). Então UA 26,33 216,68. (273, ,5) UA 19,04 gramas d vapor d água por mtro cúbico. METEORO INSTRUMENTOS 6

7 5.4. Dnsidad do ar sco (DAS). É a quantidad (massa), m gramas, d ar sco (todos os componnts nitrogênio, oxigênio, gás carbônico, mtano, tc... prsnts no ar, à xcção do vapor d água, pois sta quantidad já foi dfinida no itm 5.3.) prsnt m cada mtro cúbico d spaço do ambint m qustão. Em g ar sco /m 3 DAS ( Patm ) 348,37. (273,15 + t) m qu, é a prssão parcial do vapor d água ral na atmosfra, m hpa ou mbar, Patm é a prssão atmosférica total do local, m hpa ou mbar, t é a tmpratura do ar, informada plo trmômtro d bulbo sco, m ºC. EXEMPLO: Qual é a dnsidad do ar sco s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? Do xmplo antrior vimos qu a prssão atmosférica (Patm) stimada é d 948 hpa, prssão d vapor (), para ssas condiçõs atmosféricas é igual a 26,33 hpa. A tmpratura do ar é d 26,5ºC (trmômtro d bulbo sco). Então, DAS ( ,33) 348,37. (273,15 + t) DAS 1071,52 gramas d ar sco por mtro cúbico Dnsidad do ar (Da). É a quantidad (massa), m gramas, d ar (todos os componnts nitrogênio, oxigênio, gás carbônico, mtano, tc... prsnts no ar, nst caso incluindo o vapor d METEORO INSTRUMENTOS 7

8 água) prsnt m cada mtro cúbico d spaço do ambint m qustão. Em g ar /m 3 Da UA + DAS m qu, UA é a umidad absoluta, m g vapor /m 3 DAS é a dnsidad do ar sco, m g ar sco /m 3. EXEMPLO: Qual é a dnsidad do ar s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? Dos cálculos antriors qu a Umidad absoluta é igual a 19,04 g vapor /m 3 a dnsidad do ar sco é igual a 1071,52 g ar sco/m 3. Então, Da 19, ,52 Da 1090,56 gramas d ar por mtro cúbico. Not qu a massa d 19,04 gramas d vapor d água xrcm colaboram com 26,33 hpa para uma prssão atmosférica d 948 hpa. O rstant, 928,96 hpa, é a contribuição dos 1071,52 gramas dos outros gass componnts da atmosfra, xcluído o vapor d água Umidad spcífica (q). É a massa d vapor d água por unidad d massa d ar (todos os componnts nitrogênio, oxigênio, gás carbônico, mtano, tc... prsnts no ar, nst caso incluindo o vapor d água). Em g vapor /g ar, ou kg vapor /kg ar. METEORO INSTRUMENTOS 8

9 q 0,622. ( Patm 0,378. ) m qu, é a prssão parcial do vapor d água ral na atmosfra, m hpa ou mbar Patm é a prssão atmosférica total do local, m hpa ou mbar. EXEMPLO: Qual é a umidad spcífica do ar s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? D xmplo antrior vimos qu a prssão atmosférica (Patm) stimada é d 948 hpa, prssão d vapor (), para ssas condiçõs atmosféricas é igual a 26,33 hpa. A tmpratura do ar é d 26,5ºC (trmômtro d bulbo sco). Então, q 0, ,33 ( 948 0,378.26,33) q 0,0175 gramas d vapor a cada grama d ar (ar sco somado ao vapor d água) ou q 17,5 gramas d vapor a cada quilograma d ar (ar sco somado ao vapor d água) Razão d mistura (r ou w). É a massa d vapor d água por unidad d massa d ar sco (todos os componnts nitrogênio, oxigênio, gás carbônico, mtano, tc... prsnts no ar, à xcção do vapor d água). Em g vapor /g ar sco, ou kg vapor /kg ar sco. r 0,622. Patm ( ) METEORO INSTRUMENTOS 9

10 m qu, é a prssão parcial do vapor d água ral na atmosfra, m hpa ou mbar Patm é a prssão atmosférica total do local, m hpa ou mbar. EXEMPLO: Qual é a umidad spcífica do ar s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? D xmplo antrior vimos qu a prssão atmosférica (Patm) stimada é d 948 hpa, prssão d vapor (), para ssas condiçõs atmosféricas é igual a 26,33 hpa. A tmpratura do ar é d 26,5ºC (trmômtro d bulbo sco). Então, r 0, , ( 26,33) r 0,0178 gramas d vapor a cada grama d ar sco ou r 17,8 gramas d vapor a cada quilograma d ar sco. Not a smlhança ntr os valors numéricos ntr a umidad spcífica a razão d mistura. Em razão dssa similaridad, na prática, dsd qu a prcisão rqurida não sja muito grand confundm-s dlibradamnt as duas variávis psicrométricas m muitos casos calcula-s a ambas pla quação: r q 0,622. Patm m qu, é a prssão parcial do vapor d água ral na atmosfra, m hpa ou mbar Patm é a prssão atmosférica total do local, m hpa ou mbar. No xmplo, o rsultado sria r q 0,0173 gramas d vapor d água por grama d ar (ou ar sco, conform a variávl psicrométrica rqurida). METEORO INSTRUMENTOS 10

11 5.8. Umidad rlativa (UR). É a razão ntr a quantidad d água prsnt no ar aqula qu o ar tria caso stivss m condiçõs saturadas na msma tmpratura do ar (trmômtro d bulbo sco). Em %. Para stimar a umidad rlativa basta utilizar a quação: UR s ( t).100 m qu, é a prssão parcial do vapor d água ral na atmosfra, m hpa ou mbar s é a prssão parcial do vapor d água na situação do ar star saturado, à msma tmpratura do ar, indicada plo trmômtro d bulbo sco. As tablas d umidad rlativa, para divrsos valors d dprssão psicrométrica (t tu), para os dois tipos d psicrômtros (com sm vntilação forçada) podm sr obtidos nst msmo sit. EXEMPLO: Qual é a umidad rlativa do ar s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? D xmplos antriors vimos qu a prssão d vapor (), para ssas condiçõs atmosféricas é igual a 26,33 hpa. A tmpratura do ar é d 26,5ºC (trmômtro d bulbo sco). Então, UR 26, ,62 UR 76,1% Not qu, quando a lituras dos dois trmômtros, d bulbo sco (qu indica a tmpratura do ar) d bulbo molhado, são iguais, ntão su [ s (tu)] s (t) METEORO INSTRUMENTOS 11

12 logo UR 100% Tmpratura do ponto d orvalho (tpo). É a tmpratura na qual a saturação ocorrria s o ar foss rsfriado à prssão constant sm adição ou rmoção d vapor d água. Em ºC. tpo ( 186, ,3.log() ) ( log() 8,2859) m qu, é a prssão parcial do vapor d água ral na atmosfra, m hpa ou mbar. As tablas d tmpratura do ponto d orvalho, para divrsos valors d dprssão psicrométrica (t tu), para os dois tipos d psicrômtros (com sm vntilação forçada) podm sr obtidos nst msmo sit. EXEMPLO: Qual é a tmpratura do ponto d orvalho do ar s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? D xmplo antrior vimos qu a prssão d vapor (), para ssas condiçõs atmosféricas é igual a 26,33 hpa. Então, tpo ( 186, ,3. log(26,33) ) ( log(26,33) 8,2859) tpo 21,9ºC Isto qur dizr qu, s a tmpratura cair dos atuais 26,5ºC para 21,9ºC sm qu haja injção d vapor d água (p.x. por vaporação) nm rtirada, nm variação da prssão, tanto atmosférica total, como na prssão d vapor d água (nst caso, isto somnt ocorrria s houvss injção d vapor d água no ar dss ambint) ocorrria a saturação toricamnt iniciar-s-ia a condnsação, ou sja METEORO INSTRUMENTOS 12

13 a formação do orvalho. Na prática, a condnsação s inicia ants d a umidad rlativa atingir 100%. As razõs disto não srão discutidas nst txto Entalpia spcífica (E ). É a rlação ntr o contúdo d nrgia do ar a massa d ar sco. A tmpratura d rfrência utilizada para o cálculo da ntalpia é 0 o F (-32ºC), d tal forma qu o contúdo d nrgia do ar sco a ssa tmpratura é imposto igual a zro. Pod sr stimada, simplificadamnt por: E 15 + r.l + 1,007.t m qu, E é ntalpia spcífica do ar, m kj/kg d ar sco, r é a razão d mistura, m kg d vapor d água/kg d ar sco L é o calor latnt d vaporação, m kj/kg d vapor d água, stimado por: L ,370.t m qu, t é a tmpratura do ar (bulbo sco), m ºC. EXEMPLO: Qual é a ntalpia spcífica do ar s a tmpratura for igual a 26,5ºC, a tmpratura d bulbo molhado for d 23,2ºC, o psicrômtro for do tipo com vntilação forçada o local stivr a 560 mtros acima do nívl do mar? D xmplo antrior vimos qu a razão d mistura (r), para ssas condiçõs atmosféricas é igual a 0,0178 gramas d vapor a cada grama d ar sco. Cálculo do calor latnt d vaporação L ,370.26, kj/kg d vapor d água Então, E , ,007.26,5 E 84,6 kj/kg d ar sco. METEORO INSTRUMENTOS 13

14 6. MÉTODO GRÁFICO A utilização dst método é mais rápida, sndo ntrtanto, mnos prcisa qu o método antrior. Sua opração é simpls bastando, basicamnt, o conhcimnto das tmpraturas dos trmômtros d bulbo sco (tmpratura do ar) d bulbo molhado. O gráfico abaixo stá condicionado, a rigor, para psicrômtros com vntilação forçada prssão atmosférica d 1013,25 hpa (ou 1 atm). Pod, no ntanto, sr utilizado sm corrçõs até uma variação, ao rdor d 10% daqul valor d rfrência da prssão atmosférica, para mais ou para mnos. Prfrncialmnt, dv sr utilizado para psicrômtros com vntilação forçada. Exmplo d utilização do gráfico: Suponha qu a tmpratura do trmômtro d bulbo sco sja d 26,5ºC a d bulbo molhado 23,2ºC. Admita qu a prssão atmosférica stja no intrvalo admissívl d uso do gráfico, digamos, os msmos 948 hpa, do xmplo rsolvido antriormnt plo método analítico o psicrômtro utilizado tnha sido o do tipo com vntilação forçada. Plo gráfico ncontra-s 26,5 hpa s 31,2 hpa r ou w ( q) 0,017 kg vapor /kg ar sco tpo 22,3ºC E 21 kcal/kg ar sco lmbrando qu 1 cal 4,186 J 1 kcal 4,186 kj Eh 21 kcal/kg ar sco 88 kj/kg ar sco Plo método analítico ncontramos: 26,33 hpa s 34,62 hpa r ou w ( q) 0,0178 kg vapor /kg ar sco tpo 21,9ºC E 84,6 kj/kg ar sco METEORO INSTRUMENTOS 14

15 Exmplo d uso do gráfico psicrométrico. METEORO INSTRUMENTOS 15

16 METEORO INSTRUMENTOS 16

17 APÊNDICES METEORO INSTRUMENTOS 17

18 APÊNDICE 1 Prssão parcial do vapor d água na saturação (hpa ou mbar) (considrada sobr água na fas líquida) T E M P E R A T U R A ( o C) 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 0 6,11 6,15 6,20 6,24 6,29 6,33 6,38 6,43 6,47 6,52 1 6,57 6,61 6,66 6,71 6,76 6,81 6,86 6,91 6,96 7,01 2 7,06 7,11 7,16 7,21 7,26 7,31 7,36 7,42 7,47 7,52 3 7,58 7,63 7,69 7,74 7,80 7,85 7,91 7,96 8,02 8,08 4 8,13 8,19 8,25 8,31 8,36 8,42 8,48 8,54 8,60 8,66 5 8,72 8,78 8,85 8,91 8,97 9,03 9,09 9,16 9,22 9,29 6 9,35 9,42 9,48 9,55 9,61 9,68 9,75 9,81 9,88 9, ,02 10,09 10,16 10,23 10,30 10,37 10,44 10,51 10,58 10, ,73 10,80 10,87 10,95 11,02 11,10 11,17 11,25 11,33 11, ,48 11,56 11,64 11,71 11,79 11,87 11,95 12,03 12,12 12, ,28 12,36 12,44 12,53 12,61 12,70 12,78 12,87 12,95 13, ,13 13,21 13,30 13,39 13,48 13,57 13,66 13,75 13,84 13, ,02 14,12 14,21 14,30 14,40 14,49 14,59 14,69 14,78 14, ,98 15,07 15,17 15,27 15,37 15,47 15,57 15,68 15,78 15, ,98 16,09 16,19 16,30 16,40 16,51 16,62 16,73 16,83 16, ,05 17,16 17,27 17,38 17,50 17,61 17,72 17,84 17,95 18, ,18 18,30 18,42 18,53 18,65 18,77 18,89 19,01 19,13 19, ,38 19,50 19,62 19,75 19,87 20,00 20,12 20,25 20,38 20, ,64 20,77 20,90 21,03 21,16 21,30 21,43 21,56 21,70 21, ,97 22,11 22,25 22,39 22,53 22,67 22,81 22,95 23,09 23, ,38 23,53 23,67 23,82 23,97 24,11 24,26 24,41 24,56 24, ,87 25,02 25,18 25,33 25,49 25,64 25,80 25,96 26,12 26, ,44 26,60 26,76 26,92 27,09 27,25 27,42 27,59 27,75 27, ,09 28,26 28,43 28,61 28,78 28,95 29,13 29,30 29,48 29, ,84 30,02 30,20 30,38 30,56 30,74 30,93 31,11 31,30 31, ,67 31,86 32,05 32,25 32,44 32,63 32,82 33,02 33,22 33, ,61 33,81 34,01 34,21 34,41 34,62 34,82 35,03 35,23 35, ,65 35,86 36,07 36,28 36,50 36,71 36,92 37,14 37,36 37, ,80 38,02 38,24 38,46 38,68 38,91 39,14 39,36 39,59 39, ,05 40,28 40,52 40,75 40,99 41,22 41,46 41,70 41,94 42, ,43 42,67 42,92 43,16 43,41 43,66 43,91 44,16 44,41 44, ,92 45,18 45,44 45,69 45,95 46,22 46,48 46,74 47,01 47, ,54 47,81 48,08 48,35 48,63 48,90 49,18 49,46 49,73 50, ,30 50,58 50,86 51,15 51,44 51,72 52,01 52,30 52,60 52, ,19 53,48 53,78 54,08 54,38 54,69 54,99 55,30 55,60 55, ,22 56,53 56,84 57,16 57,48 57,79 58,11 58,43 58,75 59, ,40 59,73 60,06 60,39 60,72 61,05 61,39 61,72 62,06 62, ,74 63,08 63,43 63,77 64,12 64,47 64,82 65,17 65,53 65, ,24 66,60 66,96 67,32 67,69 68,05 68,42 68,79 69,16 69, ,91 70,28 70,66 71,04 71,42 71,80 72,19 72,58 72,96 73, ,75 74,14 74,54 74,93 75,33 75,74 76,14 76,54 76,95 77, ,77 78,18 78,60 79,01 79,43 79,85 80,27 80,70 81,12 81, ,98 82,41 82,84 83,28 83,72 84,16 84,60 85,04 85,49 85, ,38 86,84 87,29 87,75 88,20 88,66 89,13 89,59 90,06 90, ,99 91,47 91,94 92,42 92,90 93,38 93,86 94,34 94,83 95, ,81 96,31 96,80 97,30 97,80 98,30 98,81 99,32 99,82 100, ,85 101,37 101,88 102,40 102,93 103,45 103,98 104,51 105,04 105, ,11 106,65 107,19 107,74 108,28 108,83 109,38 109,94 110,49 111, ,61 112,18 112,74 113,31 113,88 114,45 115,03 115,61 116,19 116, ,36 117,94 118,53 119,13 119,72 120,32 120,92 121,52 122,13 122, ,35 123,96 124,58 125,20 125,82 126,45 127,07 127,70 128,33 128,97 METEORO INSTRUMENTOS 18

19 APÊNDICE 2 Prssão atmosférica stimada à partir da altitud do local (hpa ou mbar) altitud m mtros METEORO INSTRUMENTOS 19

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA 1. Introdução a) Quantificação do vapor d água na atmosfera. b) Importância da quantificação da umidade atmosférica: - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico.

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico. Equilíbrio Térmico 1. (Unsp 2014) Para tstar os conhcimntos d trmofísica d sus alunos, o profssor propõ um xrcício d calorimtria no qual são misturados 100 g d água líquida a 20 C com 200 g d uma liga

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é:

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é: nrgia no MHS Para studar a nrgia mcânica do oscilador harmônico vamos tomar, como xmplo, o sistma corpo-mola. A nrgia cinética do sistma stá no corpo d massa m. A mola não tm nrgia cinética porqu é uma

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL Dpartamnto d Engnharia Elétrica CONTROLE DIGITAL PROF. DR. EDVALDO ASSUNÇÃO Univrsidad Estadual Paulista UNESP Faculdad d Engnharia d Ilha Soltira FEIS Dpartamnto d Engnharia Elétrica DEE -03- Sumário

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

GERADOR ELETROSTÁTICO

GERADOR ELETROSTÁTICO GERADOR ELETROSTÁTICO Est artigo irá mostrar como construir um grador ltrostático, projto muito famoso m firas d Ciências. É uma máquina muito intrssant dvido às pqunas faíscas qu gra, dmonstrando claramnt

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de Dsintgração Radioativa Os núclos, m sua grand maioria, são instávis, ou sja, as rspctivas combinaçõs d prótons nêutrons não originam configuraçõs nuclars stávis. Esss núclos, chamados radioativos, s transformam

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos.

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos. TERMOLOGI 1- Dfinição É o ramo da física qu studa os fitos as trocas d calor ntr os corpos. 2- Tmpratura É a mdida do grau d agitação d suas moléculas 8- Rlação ntr as scalas trmométricas Corpo Qunt Grand

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

x 2 sen e 13 y x b intercepta a elipse y 1 4 ponto. A soma dos valores de b é: PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 03 Considere a sequência a 1, a2,

x 2 sen e 13 y x b intercepta a elipse y 1 4 ponto. A soma dos valores de b é: PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 03 Considere a sequência a 1, a2, UFT/CPESE Vstibular/010. PVA DE MATEMÁTICA QUESTÃ 01 Considr as quaçõs das circunfrências C 1 : x x y y 0 C : x 4x y 4y 0 cujos gráficos stão rprsntados abaixo: QUESTÃ 03 Considr a squência a 1, a, a3,...

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 Parágrafo único Nos casos m qu o afastamnto s stndr por tmpo suprior ao prvisto, dsd qu autorizada sua prorrogação, fará jus, às diárias corrspondnts ao príodo prorrogado. Art.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Critérios de falha PROF. ALEXANDRE A. CURY DEPARTAMENTO DE MECÂNICA APLICADA E COMPUTACIONAL

Critérios de falha PROF. ALEXANDRE A. CURY DEPARTAMENTO DE MECÂNICA APLICADA E COMPUTACIONAL PROF. ALEXANDRE A. CURY DEPARTAMENTO DE MECÂNICA APLICADA E COMPUTACIONAL A avaliação das tnsõs dformaçõs smpr é fita m função d crtas propridads do matrial. Entrtanto, não basta apnas calcular ssas grandzas.

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia d Configuração do Monitoramnto do srvidor Cisco UCS cisco_ucs séri 2.1 Avisos lgais Copyright 2013, CA. Todos os diritos rsrvados. Garantia O matrial contido nst documnto é

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS Sistma d Numração - Litura scrita sistma d numração indo-arábico

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

Tópicos do Curso ELETROTÉCNICA Eng.ª Mec. - ELM

Tópicos do Curso ELETROTÉCNICA Eng.ª Mec. - ELM Tópicos do urso EETROTÉNIA Eng.ª Mc. - EM Est rotiro tm como finalidad ofrcr aos alunos da disciplina Eltrotécnica, dos cursos d Engnharia, spcificamnt, d ngnharia mcânica, EM, os principais fundamntos

Leia mais

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9 AULA 9 EXPRESSÕES LÓGICAS 9.1 Lógica proposicional Lógica é o studo do raciocínio 1. Em particular, utilizamos lógica quando dsjamos dtrminar s um dado raciocínio stá corrto. Nsta disciplina, introduzimos

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

GABARITO. 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física e Química) 22 / JUNHO / 2008 GRUPO 3

GABARITO. 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física e Química) 22 / JUNHO / 2008 GRUPO 3 GRUPO 3 CURSOS: Química (Licnciatura/Bacharlado) Tcnologia m Radiologia UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCURSO VESTIBULAR INVERNO/2008 2a PROVA: REDAÇÃO / CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (Física

Leia mais

PENSANDO E DESCOBRINDO!!!

PENSANDO E DESCOBRINDO!!! PENSANDO E DESCOBRINDO!!! Sobr o Chuviro Elétrico... Falarmos agora sobr outra facilidad qu a ltricidad os avanços tcnológicos trouxram, trata-s d um aparlho muito usado m nosso dia a dia, o CHUVEIRO ELÉTRICO!

Leia mais

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ]

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ] PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA [ Srra, ES ] [ 2008 ] Rfrências utilizadas na laboração dst matrial Olá, Aluno(a)! 1. LISKOV B. Data Abstraction and Hiararchy. In

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b Considr uma população d igual númro d homns mulhrs, m qu sjam daltônicos % dos homns 0,% das mulhrs. Indiqu a probabilidad d qu sja mulhr uma pssoa daltônica slcionada ao acaso nssa população. a) b) c)

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas qustõs

Leia mais

3 Aritmética Computacional

3 Aritmética Computacional 33 3 Aritmética Computacional 3. Introdução Quando s utiliza um qualqur instrumnto d trabalho para ralizar uma tarfa dv-s tr um conhcimnto profundo do su modo d funcionamnto, das suas capacidads das suas

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

Projeto de Magnéticos

Projeto de Magnéticos rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos rojto d Magnéticos 1. ntrodução s caractrísticas idais d um componnt magnético são: rsistência nula, capacitância parasita nula, dnsidad d campo

Leia mais

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO INSTALAÇÃO RÁPIDA INSTALAÇÃO SEM USAR FERRAMENTA Corpo injtado m trmoplástico auto-xtinguívl (UL94V0). progrssivo

Leia mais

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões Séri V300 Exclnt control para caminhõs pqunos furgõs A solução para obtr Exclnt smpnho Alta confiabilida Fácil manutnção Montagm frontal ou no tto Construção compacta AEssa sérilinha V-300 ofrc uma xclnt

Leia mais

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica Abordagm funcional da gramática na Escola Básica Vania Lúcia Rodrigus Dutra UERJ UFF 1- Introdução Os rsultados d avaliaçõs oficiais vêm apontando o fracasso da scola brasilira, d uma forma gral, no qu

Leia mais

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006 PLUGUES E TOMADAS Padrão NBR 14.136 Painl Storial INMETRO 11 abr 2006 1 NBR para (P&T) 2 ABNT NBR NM 60884-1 tomadas para uso doméstico análogo Part 1: Rquisitos grais - Fixa as condiçõs xigívis para P&T

Leia mais

Derivada Escola Naval

Derivada Escola Naval Drivada Escola Naval EN A drivada f () da função f () = l og é: l n (B) 0 l n (E) / l n EN S tm-s qu: f () = s s 0 s < < 0 s < I - f () só não é drivávl para =, = 0 = II - f () só não é contínua para =

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

F o l e s S a n f o n a d o s

F o l e s S a n f o n a d o s Fols Sanfonados Protção individualmnt sob mdida sanfonada por sanfonada A protção prfita para o homm para a máquina. A Hnnig projta produz fols sanfonados para máquinasfrramnta há mais d 50 anos. Hoj a

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração. Psicrometria. Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água)

Ar Condicionado e Refrigeração. Psicrometria. Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água) Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água) Ar puro: mistura dos gases presentes em nossa atmosfera, com as seguintes porcentagens (em volume): 78% de nitrogênio 2% de oxigênio 0,97%

Leia mais

Contador de electricidade instantâneo

Contador de electricidade instantâneo Contador d lctricidad instantâno Modo d utilização Rf. 54370 Linha d apoio: hotlin@chacon.b CONTEÚDO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 1 SEGURANÇA 2 DENTRO DA CAIXA 3 PROCURAR O CABO DE ALIMENTAÇÃO 4 INSTALAÇÃO 6

Leia mais

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%)

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%) Distribuição das 0 Qustõs do I T A 9 (8,6%) 66 (,99%) Equaçõs Irracionais 09 (0,8%) Equaçõs Exponnciais (,09%) Conjuntos 9 (,6%) Binômio d Nwton (,9%) 0 (9,%) Anális Combinatória (,8%) Go. Analítica Funçõs

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

PORTARIA Nº 27, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA Nº 27, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA Nº 27, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Scrtaria d Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúd, no uso d suas atribuiçõs lgais, considrando a ncssidad d constant aprfiçoamnto das açõs d control sanitário

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO REFERENTE À INFORMAÇÃO NUTRICIONAL COMPLEMENTAR

REGULAMENTO TÉCNICO REFERENTE À INFORMAÇÃO NUTRICIONAL COMPLEMENTAR Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúd, no uso d suas atribuiçõs lgais, considrando a ncssidad d constant aprfiçoamnto das açõs d control sanitário

Leia mais

Unidade de pressão 1 atm = 760 mmhg = 1013,3 mb = 1013,3 hpa = 101,33 kpa

Unidade de pressão 1 atm = 760 mmhg = 1013,3 mb = 1013,3 hpa = 101,33 kpa Umidade do ar O ar atmosférico é composto de constituintes não variáveis e variáveis dentre eles destacamos o água na forma de vapor. A presença de água na forma de vapor d água na atmosfera além de atuar

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

O uso dos gêneros textuais escritos no ensino/aprendizagem de espanhol como língua estrangeira. Introdução. Lis Helene Skrzypiec (UFPR)

O uso dos gêneros textuais escritos no ensino/aprendizagem de espanhol como língua estrangeira. Introdução. Lis Helene Skrzypiec (UFPR) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL O uso dos gênros txtuais scritos no nsino/aprndizagm d spanhol como língua strangira Lis Hln Skrzypic (UFPR) Introdução O prsnt studo s

Leia mais