APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NO DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO E CADASTRO DE UM PRODUTO RODOVIÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NO DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO E CADASTRO DE UM PRODUTO RODOVIÁRIO"

Transcrição

1 UNIJUÍ - UNIVERIAE REGINAL NRETE ETA RI GRANE UL CEENG EPARTAMENT E CIÊNCIA EXATA E ENGENHARIA CUR E ENGENHARIA MECÂNICA CAMPU PANAMBI CLAUINEI PRTELLA MARTIN APLICAÇÃ A FERRAMENTA FMEA N EENVLVIMENT PRCE E CAATR E UM PRUT RVIÁRI Panambi 2012

2 1 CLAUINEI PRTELLA MARTIN APLICAÇÃ A FERRAMENTA FMEA N EENVLVIMENT PRCE E CAATR E UM PRUT RVIÁRI Tabalho d Conluão d Cuo TCC paa obtnção do título d Engnhio Mânio pla Unividad Rgional do Noot do Etado do Rio Gand do ul UNIJUÍ CEEng patamnto d Ciênia Exata Engnhaia. Campu Panambi intado: Gil Eduado Guimaã Panambi 2012

3 2 CLAUINEI PRTELLA MARTIN APLICAÇÃ A FERRAMENTA FMEA N EENVLVIMENT PRCE E CAATR E UM PRUT RVIÁRI Tabalho d Conluão d Cuo TCC paa obtnção do título d Engnhio Mânio pla Unividad Rgional do Noot do Etado do Rio Gand do ul UNIJUÍ CEEng patamnto d Ciênia Exata Engnhaia. Campu Panambi BANCA AVALIARA Pof. Gil Eduado Guimaã, outo Engnhio Mânio. intado Pof. Cláudio Fnando Rio, Mt Engnhio Mânio. Avaliado Panambi 2012

4 3 EICATÓRIA Ao mu pai, pla angutia poupaçõ qu paaam po minha aua, pla duação plo amo, ainho tímulo ddiado a mim, a minha poa a minha família, ddio-lh ta onquita om gatidão.

5 4 AGRAECIMENT Agadço aima d tudo a u po ilumina mu aminho nta tajtóia. Agadço a ajuda d mu ointado Gil Eduado Guimaã, pla paiênia ompnão om qu mp m atndu; Agadço ao mu pai Walt Maia pla duação, amo ainho, pla ajuda apoio qu mp m dam quando pii; Agadço a minha quida poa Ltíia, qu mp oub m ompnd no momnto qu pii m faz aunt, plo apoio amo qu mp m du m todo o momnto; Agadço ao pofo qu mp oubam m naminha no tudo; Agadço a mu olga amigo plo apoio tímulo.

6 5 Uma da minha maio futaçõ, nquanto ajudo poa a pogdim, é a difiuldad qu tnho d fazê-la onh qu tudo qu fazm pod dito m tmo d poo. William hknbah

7 6 REUM Com um mado ada vz mai omptitivo om lint ada vz mai xignt, a mpa pouam ontantmnt a inovação m u poo d fabiação buando a qualidad a onfiabilidad d u poduto atavé d itma d pvnção d falha. Uma da famnta da qualidad qu atnd t quiito é o método da FMEA (Análi d Modo Efito d Falha Potnial), utilizado paa india o poívi modo d falha m um dtminado poo agindo pvntivamnt paa liminação do mmo. Po mio dt tabalho ptnd- mota a pinipai aatítia da mtodologia d FMEA ua apliação pátia no dnvolvimnto do poo d manufatua d um poduto, bm omo a vantagn do uo da ténia qu popoionou o tudo plimina da falha do poo, poibilitando a implmntação d açõ pvntiva paa liminação d falha potniai. Po fim, toda a análi idia abodada pla quip multifunional, ão apntada num fomuláio d FMEA padão motando u pnhimnto tonando o mmo doumnto d análi apovação do lint. Palava-hav: FMEA Modo d Falha Famnta da Qualidad NPR - Confiabilidad

8 7 ABTRACT With a makt inaingly omptitiv and inaingly dmanding utom, ompani a ontantly looking fo innovation in thi manufatuing po king th quality and liability of it podut though pvntion ytm failu. n of th tool of quality that mt th quimnt i th mthod of FMEA (Failu Mod and Efft Analyi), ud to indiat th poibl failu mod in a givn po by ating pmptivly to mov thm. Though thi wok i intndd to how th main haatiti of th FMEA mthodology and it patial appliation in th dvlopmnt of th manufatuing po of a podut, a wll a th advantag of th thniqu that povidd th pliminay tudy of th failu of th po, nabling th implmntation pvntiv ation to liminat potntial failu. Finally, all analyz and ida aid by th ofuntional tam, will b pntd in a fom of howing you fill FMEA tandad and making th am doumnt viw and appoval of th utom. Kywod: FMEA Failu Mod - Quality Tool - NPR - Rliability

9 8 LITA E FIGURA Figua 1 Cilo d Planjamnto da Qualidad do Poduto Figua 2 Modlo paa idntifiação do Efito Caua d um Modo d Falha Figua 3 Fluxogama do Poo Figua 4 Vita iométia do Conjunto olda upot Equdo do Paa-hoqu Figua 5 nho do upot Equdo om o ino paafuo M14 navado Figua 6 Famnta paa nava paafuo, om poka-yok no intalado Figua 7 nho do upot Equdo no qual o paafuo ão navado Figua 8 Famnta d tampo da fuação, om poka-yok no intalado Figua 9 Vita iométia do onjunto om o Into oldado Figua 10 ipoitivo d olda om poka-yok pino poiionado intalado... 43

10 9 LITA E TABELA Tabla 1 Exmplo d Etapa do Poo / Função do Poo / Rquiito Tabla 2 Exmplo d Modo d Falha Potnial Tabla 3 Exmplo d Efito Potnial d Falha Tabla 4 Exmplo Caua Manimo Potnial d Falha Tabla 5 Pontuação d vidad Tabla 6 Pontuação d oênia tção Tabla 7 Compaativo d nota d NPR... 33

11 10 UMÁRI INTRUÇÃ REVIÃ BIBLIGRÁFICA PLANEJAMENT E PRUT / PRCE PRCE E EENVLVIMENT E PRUT (PP) PLANEJAMENT AVANÇA A QUALIAE PRUT (APQP) ANÁLIE E FALHA, QUALIAE E CNFIABILIAE FMEA (ANÁLIE E M E EFEIT E FALHA PTENCIAL) HITÓRIC A FMEA EFINIÇÕE A FMEA TIP E FMEA METLGIA A FMEA EQUÊNCIA E PRCEIMENT PARA ELABRAÇÃ A FMEA FRMULÁRI A FMEA EFINIÇÕE GERAI ELEMENT QUE CMPÕEM UMA FMEA ETAPA PRCE / FUNÇÃ PRCE / REQUIIT M E FALHA PTENCIAL EFEIT PTENCIAL E FALHA CLAIFICAÇÃ CAUA E MECANIM PTENCIAL E FALHA ÍNICE E EVERIAE ÍNICE E CRRÊNCIA ÍNICE E ETECÇÃ CNTRLE E PRCE (PREVENÇÃ / ETECÇÃ) NÚMER E PRIRIAE E RIC (NPR) FLUXGRAMA PRCE PLAN E CNTRLE VANTAGEN A APLICAÇÃ A FERRAMENTA FMEA MATERIAI E MÉT CNJUNT LA UPRTE EQUER PARA-CHQUE METLGIA REULTA E ICUÇÃ M E FALHA PRIRIZA... 39

12 AÇÕE TMAA N PRCE A PARTIR A ELABRAÇÃ A FMEA CNCLUÃ REFERÊNCIA BIBLIGRÁFICA APÊNICE A FRMULÁRI A FMEA PRUT EM ETU APÊNICE B FRMULÁRI E PC PRUT EM ETU APÊNICE C RPP (FLUXGRAMA PRCE) PRUT EM ETU. 76 ANEX A EXEMPL 01 E FRMULÁRI E FMEA ANEX B EXEMPL 02 E FRMULÁRI E FMEA ANEX C EXEMPL E FRMULÁRI E PC... 82

13 12 INTRUÇÃ A impotânia d um bom planjamnto duant a fa d dnvolvimnto do poo d um dtminado poduto tm ido, na atualidad, o ponto difnial da mpa paa pmanm omptitiva no mado. Paa auxilia nta tafa, xitm mtodologia apaz d analia itioamnt toda a fa do poo, dtaando poblma até ntão não pbido pla quip multifunional ponávl po ta implantação. nt o mai fiaz método da qualidad iado até o momnto qu vm tonando indipnávl duant o planjamnto implantação d um novo poduto, dtaa- o método d FMEA (Análi d Modo Efito d Falha Potnial, do inglê Failu Mod and Efft Analyi). A famnta FMEA é um método lagamnt utilizado pla indútia automotiva / odoviáia paa o dnvolvimnto d pojto d poduto ou poo d manufatua vm ndo difundida também m poduto do to agíola buando paa o mmo a xlênia m qualidad. Uado paa a dtção do poívi modo d falha potniai, u fito aua, o método é impindívl duant a fa d planjamnto implantação d poduto ou poo, omndado inluiv no manual APQP (Planjamnto Avançado da Qualidad do Poduto). Exitm doi tipo báio d FMEA: d pojto (ign FMEA = FMEA) d poo (Po FMEA = PFMEA). Et último á utilizado omo ba paa tudo d ao do pnt tabalho, qu tataá da análi d falha potniai no dnvolvimnto do poo podutivo d um poduto do to odoviáio, m pífio o Conjunto olda upot Equdo do aminhõ ania, tutua ta montada no hai do aminhão paa apoio do paa-hoqu diantio do mmo. A mtodologia d FMEA popoionaá um aumnto na onfiabilidad do poo, poi oluionaá pvntivamnt poblma qu iiam tona- não onfomidad duant a podução do poduto. Po mio da ténia ugida, o poo d manufatua do poduto dv analiado paa qu o io nvolvido no mmo poam nontado oluionado, ou plo mno minimizado, ant da podução dfinitiva do poduto. Bua- também lvanta oluçõ paa diminui o uto do poo podutivo aumnta o índi d dmpnho do mmo, além d aha o ponto ítio dnto do poo d podução dando ontol a l tonando-o aatítia ignifiativa do poduto, atifazndo om io, a nidad xptativa do lint.

14 13 A mtodologia adotada paa o dnvolvimnto do Tabalho d Conluão d Cuo (TCC) á uma pquia gal na bibliogafia qu abodam tma fnt à ténia FMEA. Eta pquia bibliogáfia dvá la o qu é a ténia tudada, dd u hitóio d ugimnto, paando plo onito lmnto qu a ompõm omo Modo d Falha Potnial, Efito Potnial da Falha, Caua da Falha, vidad, oênia tção, Númo d Pioidad d Rio (NPR), Plano d Contol, além d mniona o tipo báio d FMEA om ua dfiniçõ, itmátia d laboação da ténia, dnt outo onito náio paa o plno laimnto da mtodologia d FMEA. Po fim, om ba no tudo d pquia alizado duant o tabalho, abodaá a apliação pátia dta ténia no dnvolvimnto do adato d um poduto do to odoviáio d fabiação iada, om o objtivo d tata a impotânia do uo da famnta FMEA duant a fa d dnvolvimnto d um novo poduto. Nta última tapa faá o tudo omplto d FMEA m ima do fluxogama do poo do poduto, o qual também á apntado paa t onhimnto da tapa d podução da pça. Todo o tudo umpiá a tapa do APQP unindo piodiamnt a quip multifunional ponávl plo planjamnto dnvolvimnto do poo, paa laboação vião m onjunto da FMEA, ugindo mlhoia no poo qu ão adminitada m Plano d Açõ om data pé-dfinida paa onluão ant da amota iniial (Ty-out) a podução nomal do poduto.

15 14 1 REVIÃ BIBLIGRÁFICA 1.1 PLANEJAMENT E PRUT / PRCE Poo d nvolvimnto d Poduto (PP) Poo d nvolvimnto d Poduto onit m um onjunto d atividad po mio da quai bua hga à pifiaçõ d pojto d um poduto d u poo d podução, paa qu a manufatua poa poduzi-lo. Também nvolv a atividad d aompanhamnto do poduto apó u lançamnto, paa qu poívi mudança náia nta pifiaçõ poam alizada (RZENFEL t al.). Ainda gundo Roznfld o PP é onidado um poo d ngóio ada vz mai ítio paa a omptitividad da mpa. lançamnto fiaz d novo poduto a mlhoia da qualidad daqul já xitnt fazm pat do opo do PP ão dua qutõ d gand lvânia paa a apaidad omptitiva dta mpa. Paa Bak t al. dnvolvimnto d poduto é um onito amplo qu ompnd o apto d planjamnto pojto, dd a pquia d mado, o pojto do poduto, pojto d poo d fabiação, plano d ditibuição d manutnção até o dat ou dativação do mmo. É todo o poo d tanfomação d infomaçõ náia paa a idntifiação da dmanda, a podução o uo do poduto, ond dvá ftuado po uma quip multidiiplina, ou ja, o quiito, tiçõ do poduto oluçõ, ao longo d toda a fa do poo, dvão onidado ou pnado imultanamnt Planjamnto Avançado da Qualidad do Poduto (APQP) nvolvido no final do ano 80 pla indútia automobilítia Fod, Gnal Moto Chyl, o Planjamnto da Qualidad do Poduto (APQP) é uma tutua d podimnto ténia uada paa gnia a qualidad no dnvolvimnto d poduto. gundo o pópio Manual APQP Plano d Contol 2ª Edição o Planjamnto da Qualidad do Poduto é um método tutuado paa dfini tabl a tapa náia paa gaanti qu um poduto atifaça o lint. A mta do planjamnto da

16 15 qualidad é failita a omuniação om todo o nvolvido paa agua qu toda a tapa náia jam omplta dnto do pazo. Algun do bnfíio do planjamnto da qualidad do poduto: - Uma dução na omplxidad do planjamnto da qualidad do poduto paa o lint oganizaçõ; - Um mio paa a oganizaçõ omuniam om failidad o quiito do planjamnto da qualidad do poduto ao fondo; - iiona uo paa atifaz o lint; - Pomov a idntifiação antipada da altaçõ náia; - Evita altaçõ d última hoa; - Fon um poduto d qualidad dnto do pazo a um uto duzido. Cilo d Planjamnto da Qualidad do Poduto motado na Figua 1 iluta a bua ontant pla mlhoia ontínua tm po finalidad nfatiza: - planjamnto avançado. pimio tê quato do ilo ão dnvolvido paa o planjamnto pévio da qualidad do poduto atavé da validação do poduto ou poo. - ato d implmntação. último quato é o tágio m qu a impotânia da avaliação do ultado tm dua funçõ: dtmina o lint tão atifito da upot á bua pla mlhoia ontínua. Figua 1 Cilo d Planjamnto da Qualidad do Poduto Font: Manual APQP Plano d Contol 2ª Edição

17 Análi d Falha, Qualidad Confiabilidad Viando a mlhoia ontínua, abodada no último quato do Cilo d Planjamnto da Qualidad do Poduto, a apliação d famnta da qualidad tona- indipnávl paa a gaantia da qualidad onfiabilidad d um poduto. Com um mado ada vz mai omptitivo xignt, a mpa vêm buando ontantmnt atnd ao quiito d qualidad diponibilizando poduto (ou viço) m dfito, ou ja, m falha, aumntando a onfiabilidad do mmo atifazndo aim a nidad do lint. objtivo da onfiabilidad tá laionado ditamnt om a xptativa qu o lint têm d bm u poduto ou viço no pazo ombinado. É náio onida qu a onfiabilidad laionada ao pazo na podução d um bm ou na ptação d um viço ó é poívl d mnuada apó a ua ntga. Com o paa do tmpo t objtivo d dmpnho pod vi a tona mai impotant do qu qualqu outo itéio (PAQUALINE, F; IEENBERG.). Paa Hlman Andy, onfiabilidad é a pobabilidad d um dtminado itma (, omponnt, apalho, iuito, t.) dmpnha m falha uma mião (função) duant um dtminado píodo. ndo aim, aumnta a onfiabilidad implia naiamnt pvião d falha adoção d mdida pvntiva da mma, dd a tapa d laboação do poduto /ou poo até ua xução. N ontxto d olução d poblma aumnto da onfiabilidad, a famnta FMEA, apntada no do do póximo apítulo, poui uma mtodologia d análi qu auxilia na dtção d modo d falha diionando açõ pvntiva paa liminação ou minimização do mmo. 1.2 FMEA (ANÁLIE E M E EFEIT E FALHA PTENCIAL) Hitóio da FMEA A mtodologia d FMEA ugiu apoximadamnt no ano 50, na indútia aonáutia milita amiana, om o objtivo d idntifia foa o modo fito d falha bm omo u gau d vidad m dipoitivo milita. No ano 60 70, a FMEA paou a poupa om a doumntação do modo potniai d falha, om o intuito d mlhoa

18 17 o dmpnho d poduto, pojto também u poo d manufatua. No ano 90, paou a ta dfinitivamnt no ampo d onhimnto d gtão da qualidad total, tonando- uma famnta d planjamnto da qualidad xigida omo quiito d noma, omo po xmplo, a I 9000 (2000) Q 9000 (1996) (ANT apud PUCR). A FMEA também foi utilizada no Etado Unido pla NAA po volta do ano 60 no Pojto Apollo. Apó o u uo na aviação viagm paial, omo também na tnologia nula, foi ndo apliada na indútia automobilítia ndo uada, dd ntão, m laga ala no mundo intio. Rpnta hoj, na mpa fabiant d automóvi d u fondo, um omponnt mtódio d itma d gniamnto d qualidad (UZA). A AE (oity of Automotiv Engin) publiou m 1994 a noma AE J1739 dfinindo a foma omo a FMEA dv alizada. Com a Q 9000, iada pla Fod, GM Chyl, a FMEA foi difundida na indútia automotiva tonou- paívl d auditoia m 2006 om a I T finiçõ da FMEA A FMEA é um método analítio utilizado paa gaanti qu falha potniai jam idntifiada avaliada duant o dnvolvimnto d poduto poo (APQP Planjamnto Avançado da Qualidad do Poduto), ond u ultado mai viívl é a doumntação d onhimnto oltivo da quip multifunionai. Pat da avaliação análi é a timativa d io. ponto impotant é qu ja alizada uma diuão om lação ao pojto (poduto ou poo), à vião da funçõ d quaiqu altaçõ na apliação, ao onqunt io d falha potniai (MANUAL E REFERÊNCIA FMEA 4ª EIÇÃ). Ainda gundo o Manual d Rfênia FMEA 4ª Edição, FMEA também pod apliado à áa d não manufatua. El podia utilizado paa analia io m um poo d adminitação, ou paa a avaliação d um itma d guança. Em gal, o FMEA é apliado a falha potniai, no poo d onpção fabiação d poduto, quando o bnfíio ão lao potnialmnt ignifiativo. Um do fato mai impotant paa a implmntação bm udida d um pogama FMEA é a opotunidad. El é onbido paa uma ação ant-do-vnto não um xíio apó-o-fato. Paa atingi o maio valo o FMEA dvia fito ant da implmntação d um poduto ou

19 18 poo no qual xita o potnial d modo d falha. tmpo pviamnt apliado a omplta adquadamnt um FMEA, quando d altaçõ d poduto / poo podm implmntada d mania mai fáil mno utoa, minimizaá a i d altaçõ tadia. A açõ dont d um FMEA podm duzi ou limina a han d implmnta uma altação qu iaia um poblma ainda maio. Idalmnt, o poo d FMEA d Pojto dvia iniiado na pimia tapa do pojto, o poo d FMEA d Poo ant d m dnvolvido adquiido o famntal ou o quipamnto d fabiação. Paa Hlman Andy FMEA é um método d análi d pojto (d poduto ou poo, indutiai /ou adminitativo) uado paa idntifia todo o poívi modo potniai d falha dtmina o fito d ada uma ob o dmpnho do itma (poduto ou poo), mdiant um aioínio baiamnt ddutivo. É, potanto um método analítio padonizado paa dtta limina poblma potniai d foma itmátia omplta. Como u dnvolvimnto é fomalmnt doumntado, pmit: - Padoniza podimnto; - Faz um gito hitóio d análi d falha, qu podá potiomnt uado m outa viõ d poduto ou poo, no naminhamnto d açõ otiva m poduto imila; - liona pioiza Pojto d mlhoia (modifiaçõ no pojto) qu dvão onduzido. Uma vz ompltada, a FMEA aaba ndo uma fênia paa análi d outo poduto ou poo imila. Io pmit diminui o uto do tabalho, uma vz qu ão amotizado na análi d váio poduto. Na FMEA aioina- d baixo paa ima : poua- dtmina modo d falha do omponnt mai impl, a ua aua d qu mania l aftam o nívi upio do itma Tipo d FMEA Exitm doi tipo báio d FMEA: d pojto (ing FMEA = FMEA) d poo (Po FMEA = PFMEA). Et último, ao qual á dado nfoqu duant o tabalho, pod uado tanto no dnvolvimnto do pojto do poduto quanto do poo.

20 19 Aim, a análi d PFMEA paa o Intituto d Qualidad Automotiva (IQA), ão ubdividida m doi tipo: - FMEA d Poduto: onida a falha qu podão oo om o poduto dnto da pifiaçõ do pojto. objtivo dta análi é vita falha no poduto ou no poo, dont do pojto. É nomalmnt hamada FMEA d pojto. - FMEA d Poo: onida a falha no planjamnto xução do poo, ou ja, o int dta análi é vita falha no poo, tndo omo ba a não onfomidad do poduto om a pifiaçõ do pojto. Há ainda um tio tipo, mno omum, qu é a FMEA d podimnto adminitativo, ond ão vifiada a falha potniai d ada tapa do poo om o mmo objtivo qu a análi antio, ou ja, diminui o io d falha (ANT apud IQA). mania mai objtiva, FMEA d Poo é um umo do pnamnto da quip duant o dnvolvimnto d um poo inlui a análi d itn qu podiam falha baado na xpiênia no poblma paado. Eta abodagm itmátia aompanha, fomaliza doumnta a linha d pnamnto qu é nomalmnt poida duant o poo d planjamnto da manufatua (P apud IQA). gundo Poo a FMEA d poo é utilizada paa avalia falha m poo ant da ua libação paa podução m éi, ma dv viado duant toda a vida útil do poduto. Ela foa na falha potniai do poo m lação ao umpimnto do objtivo dfinido paa ada uma d ua aatítia tá ditamnt ligada à apaidad do poo m umpi o objtivo dfinido paa o mmo. A FMEA d poo dfin nidad d altaçõ no poo, tabl pioidad paa a açõ d mlhoia, auxilia na xução do plano d ontol do poo na análi do poo d manufatua montagm. A FMEA d poo, paa o Manual d Rfênia FMEA 4ª Edição, apoia o dnvolvimnto do poo d fabiação, na dução do io d falha, po: - Idntifia avalia a funçõ quiito do poo; - Idntifia avalia o potniai modo d falha laionado a poduto poo, o fito da falha potniai ob o poo o lint; - Idntifia a aua potniai do poo d fabiação ou montagm; - Idntifia vaiávi d poo na quai foaliza ontol d poo, paa dução d ooênia, ou maio dtção da ondiçõ d falha; - Habilita o tablimnto d um itma d pioidad, paa açõ ontol pvntivo / otivo.

21 20 A FMEA é um doumnto vivo dvia: - iniiado ant do, ou duant o, tágio d viabilidad; - iniiado ant da ppaação do famntal paa podução; - Lva m onidação toda a opaçõ d fabiação, do omponnt individuai ao onjunto montado; - Inlui todo o poo, dnto da planta, qu poam impata a opaçõ d fabiação montagm, tai omo mbaqu (xpdição), bimnto, tanpot d matial, amaznagm, tanpotado, ou tiqutagm Mtodologia da FMEA Indpndnt do tipo d FMEA, ou ja, d poduto ou d poo, o pinípio d apliação da mtodologia é o mmo, tanto paa poduto/poo novo quanto já m opação. É unida a quip multifunional ponávl plo dnvolvimnto do poduto/poo paa idntifia ua funçõ, o tipo d falha qu podão oo, o fito a poívi aua dta falha. Em guida ão avaliado o io da ada aua d falha atavé d índi, baando- nta avaliação, ão didida açõ paa diminui t io, aumntando a onfiabilidad do poduto/poo (ANT apud MANTENIMIENT MUNIAL). gundo Fnand o método FMEA taz uma quênia lógia itmátia d avalia a foma poívi pla quai um itma ou poo tá mai ujito à falha. A FMEA avalia a vidad da falha, a foma omo a mma podm oo, ao ooam, omo vntualmnt podiam dttada ant d lvam a lamaçõ no lint. Aim, om ba nt tê quito: vidad, ooênia dtção, o método FMEA lva a um Númo d Pioidad d Rio (NPR) indiando quai o modo d falha lvam a um maio io ao lint. Hlman Andy diz qu o tudo da falha po mio da FMEA não duz ao mo pnhimnto d um fomuláio, ma ua dição viá omo um otio paa a xpliação ob omo utiliza o método. Paa o Manual d Rfênia FMEA 4ª Edição o dnvolvimnto d FMEA, ja l d pojto ou d poo, utiliza uma abodagm omum paa tata d: - Falha potnial do poduto ou do poo, m atnd à xptativa; - Conquênia potniai;

22 21 - Caua potniai do modo d falha; - Apliação do ontol atuai; - Nívl d io; - Rdução d io. Ant qu o doumnto FMEA ja iniiado, a quip dvia dfini o opo do pojto olta a infomação xitnt qu ja náia paa ftivo fiint poo d dnvolvimnto do FMEA quênia d podimnto paa laboação da FMEA Exitm alguma tapa qu podm baa a laboação d uma FMEA. Hlman Andy ugm um fluxogama om a tapa tablida qu gum: - fini a quip ponávl pla xução; - fini o itn do itma qu ão onidado; - Ppaação pévia (olta d dado); - Análi plimina; - Idntifiação do tipo d falha u fito; - Idntifiação da aua da falha; - Idntifiação do ontol atuai; - Análi da falha paa dtminação do índi; - Análi da omndaçõ; - Rvião do podimnto; - Pnhimnto do fomuláio da FMEA; - Rflxão ob o poo. Confom Poo o pinipai pao paa a xução da FMEA ão o guint: a) Idntifia modo d falha onhido potniai; b) Idntifia o fito d ada modo d falha a ua ptiva vidad; ) Idntifia a aua poívi paa ada modo d falha a pobabilidad d ooênia d falha laionada a ada aua; d) Idntifia o mio d dtção no ao da ooênia do modo d falha ua ptiva pobabilidad d dtção; ) Avalia o potnial d io d ada modo d falha dfini mdida d liminação ou dução do io d falha.

23 22 Manual d Rfênia FMEA 4ª Edição no diz qu não xit um poo unifom ou únio paa t dnvolvimnto d um FMEA, nttanto xitm lmnto omun tai omo: - Idntifia a quip; - fini o opo; - fini o lint; - Idntifia funçõ, quiito pifiaçõ; - Idntifia modo d falha potnial; - Idntifia fito potniai; - Idntifia aua potniai; - Idntifia ontol; - Idntifia avalia io (vidad, ooênia, dtção); - Açõ omndada ultado Fomuláio da FMEA Exitm divo tipo d fomuláio paa laboação d uma FMEA o mmo vaiam d aodo om a nidad ou xigênia do lint. Manual d Rfênia FMEA 4ª Edição taz divo xmplo d fomuláio qu podão utilizado paa o pnhimnto do dado lvantado pla quip d análi. anxo A B dt tabalho tazm doi xmplo d fomuláio qu podão vi d ba paa a ompnão do pinipai lmnto qu ompõ uma FMEA finiçõ gai do lmnto qu ompõm uma FMEA Paa uma mlho ompnão do lmnto qu ompõm uma FMEA, ão apntada no póximo itn a dfiniçõ da pinipai oluna pnt num fomuláio d FMEA náio paa ua laboação. Também ão apntado algun xmplo pátio d ada lmnto itado, xmplo t tiado do fomuláio final d FMEA (Apêndi A), fnt à apliação da famnta no dnvolvimnto do poo d um poduto do to odoviáio, tma pinipal do tabalho.

24 23 lmnto abodado ão o guint: Etapa do Poo / Função do Poo / Rquiito, Modo d Falha Potnial, Efito Potnial d Falha, Claifiação, Caua Manimo Potnial d Falha, Índi d vidad, Índi d oênia, Índi d tção, Contol do Poo (pvnção / dtção), Númo d Pioidad d Rio (NPR), tmo t fundamntai qu dvão ta familiaizado om a quip qu faá a laboação da FMEA. fomuláio dvá apnta o ontúdo mínimo xigido plo EM (Fabiant d Equipamnto iginai) qu a odm da oluna pod altada ou pod adiionada oluna dpndndo da nidad xptativa da oganização do lint. Em quaiqu ao, qualqu fomuláio apntado dvá aito plo lint Etapa do Poo / Função do Poo / Rquiito Etapa do Poo opond à idntifiação da tapa ou opação ndo analiada, om ba no poo tminologia d numação. quma d numação do poo, o quniamnto a tminologia utilizada, dvão onitnt om aqul uado no fluxogama do poo, paa agua atabilidad laionamnto om outo doumnto. Função do Poo dv o popóito ou objtivo da opação. Lita a funçõ qu opondm a ada tapa do poo ou opação ndo analiada. Tanfoma- m quiito a Etapa do Poo Função do Poo fom paada. Rquiito ão a ntada paa o poo pifiado paa atnd ao objtivo do pojto a outo quiito do lint. xitim múltiplo quiito om lação a uma dtminada opação, ada um dvia alinhado no fomuláio, om u ptivo modo d falha aoiado, paa failita a análi (MANUAL E REFERÊNCIA FMEA 4ª EIÇÃ). A gui a Tabla 1 taz xmplo do tê lmnto dfinido antiomnt Etapa do Poo, Função do Poo Rquiito:

25 24 Tabla 1 Exmplo d Etapa do Poo / Função do Poo / Rquiito Etapa do Poo Função do Poo Rquiito pação 10 Cota pfil om plama Não podão xiti falha no pfil otado pação 20 oba pça m 02 tágio Pfil dobado dv ta onfom pifiado m dnho pação 30 Etampa fuação m 02 tágio imnional dv ta onfom pifiado (05 fuo Ø14,75) pação 40 Enava 03 Paafuo pnávi M14x40 vão xiti 03 paafuo M14x40 navado pação 50 Inpiona pça om ipoitivo d Mdição Monitoamnto (MM) Poição d Ø3,0 m lação a A B C no paafuo M14x40(3x) onfom pifiado Font: Elaboado plo auto Modo d Falha Potnial Modo d Falha Potnial é dfinido omo a mania pla qual o poo podia potnialmnt falha m atnd ao quiito do poo (inluindo o objtivo do pojto). Na laboação da FMEA dvão litado o Modo d Falha Potnial paa a opação patiula, m tmo d quiito d poo. Aum- qu a falha podia oo, ma pod não oo naiamnt. Modo d Falha Potnial dviam dito m tmo ténio, não omo um intoma pptívl plo lint. o quiito fom bm dfinido, ntão o Modo d Falha Potnial é povavlmnt idntifiado, pla dtminação da ondição m qu um quiito pífio não ja atndido (MANUAL E REFERÊNCIA FMEA 4ª EIÇÃ).

26 25 gundo Hlman Andy Modo d Falha ão o vnto qu lvam aoiado a l uma diminuição paial ou total da função do poduto d ua mta d dmpnho. Paa um mlho ntndimnto do lmnto Modo d Falha Potnial, mota- a gui na Tabla 2 algun xmplo pátio dt lmnto: Tabla 2 Exmplo d Modo d Falha Potnial Modo d Falha Potnial Falha no pfil otado (ntada d ot, baba, falta d matial). Pfil dobado foa do pifiado. Ø14,75(5x) maio / mno. Falta d paafuo navado. [Poição][Ø3,0 A B C] no paafuo M14x40 (3x) foa do pifiado. Font: Elaboado plo auto Efito Potnial d Falha Efito Potnial d Falha é ntndido pla foma omo o modo d falha aftam o dmpnho do itma, do ponto d vita do lint. É o qu o lint obva (HELMAN E ANERY). Efito Potniai d Falha ão dfinido omo o fito do modo d falha ob a função, omo pbido plo() lint(). fito da falha dviam dito m tmo d aquilo qu o lint podia nota ou xpimnta, lmbando qu o lint pod um lint intno, aim omo o uuáio final. () lint(), nt ontxto, pod(m) a póxima opação, opaçõ ou loalidad ubqunt, o vnddo /ou o popitáio d víulo. Paa o uuáio final, o fito dviam tablido m tmo d dmpnho d poduto ou itma. o lint fo a póxima opação, ou opaçõ / loalidad ubqunt, o fito dviam tablido m tmo d dmpnho d poo / opação (MANUAL E REFERÊNCIA FMEA 4ª EIÇÃ).

27 26 A Tabla 3 a gui taz xmplo d Efito Potnial d Falha baado m novo xmplo d Rquiito Modo d Falha Potnial: Quato paafuo Tabla 3 Exmplo d Efito Potnial d Falha Rquiito Modo d Falha Efito Mno do qu quato paafuo Uuáio Final: Almofada do anto olta uído. Fabiação Montagm: Paa mbaqu (xpdição) xam poamnto adiionai, dvido à pça aftada. Paafuo pifiado quênia d montagm: Pimio paafuo fontal à diita Paafuo totalmnt antado Paafuo aptado onfom pifiaçãod toqu dinâmio Uado paafuo ado (diâmto maio) Paafuo oloado m qualqu outo fuo Paafuo não totalmnt antado Paafuo aptado om toqu muito alto Paafuo aptado om toqu muito baixo Fabiação Montagm: Inapaz d intala o paafuo, na tação. Fabiação Montagm: ifiuldad paa intala o paafuo tant, na tação. Uuáio Final: Almofada do anto olta uído. Fabiação Montagm: lção tabalho, dvido à pça aftada. Uuáio Final: Almofada do anto olta, dvido a fatua ubqunt, uído. Fabiação Montagm: lção tabalho, dvido à pça aftada. Uuáio Final: Almofada do anto olta, dvido a afouxamnto gadual do paafuo, uído. Fabiação Montagm: lção tabalho, dvido à pça aftada. Font: Manual d Rfênia FMEA 4ª Edição

28 Claifiação Eta oluna dv uada paa dtaa o modo d falha d alta pioidad ou aua qu poam qu avaliação adiional d ngnhaia. Podá também uada paa laifia quaiqu aatítia piai d poduto ou d poo (po xmplo, ítia, hav, maio, ignifiant) paa omponnt, ubitma, ou itma qu poam qu ontol d poo adiionai. Rquiito pífio do lint podm idntifia ímbolo paa aatítia piai d poduto ou poo, ua utilização (MANUAL E REFERÊNCIA FMEA 4ª EIÇÃ) Caua Manimo Potnial d Falha Caua Potnial d Falha é dfinida omo uma indiação d omo a falha podia oo, é dita m tmo d algo qu poa oigido ou poa ontolado. Caua Potnial d Falha pod uma indiação d uma fagilidad d pojto ou d poo, uja onquênia é o Modo d Falha (MANUAL E REFERÊNCIA FMEA 4ª EIÇÃ). gundo Hlman Andy Caua d Falha ão vnto qu gam (povoam, induzm) o apaimnto do tipo (modo) d falha. A Caua d Falha dvm dita d tal foma qu poam popota açõ pvntiva ou otiva. Tabla 4 Exmplo Caua Manimo Potnial d Falha Modo d Falha Potnial Falha no pfil otado (ntada d ot, baba, falta d matial). Caua Manimo Potnial d Falha Paâmto d gulagm da inoto. Matial om tnão idual. Empnamnto da hapa. Máquina om poblma paa mant pão. Pfil dobado foa do pifiado. Rtono látio do matial. gat da famnta. Ø14,75(5x) maio / mno. Montado punção / matiz ado na toa m função d quba. gat do punçõ d tampo. Font: Elaboado plo auto

29 28 modlo motado na Figua 2 pod uado omo ba paa o lvantamnto do fito aua d um dtminado modo d falha. Nl o fito potniai d falha ubmtm- não ó ao lint final (uuáio final), ma também à opaçõ guint, montagn intna, noma guladoa montagn no EM. A aua potniai d falha laionam- ao 6 M (, matial, método, mão-d-oba, mio ambint, mio d omuniação). Caua do Modo d Falha Modo d Falha Efito do Modo d Falha Máquina: Na opaçõ ubqunt Na Póxima opaçõ No Clint intmdiáio No lint final Matial Método Mão-d-oba Mio ambint Mio d Comuniação Figua 2 Modlo paa idntifiação do Efito Caua d um Modo d Falha Font: Exlênia Gtão Empaial Índi d vidad vidad ou gavidad onfom itado m Hlman Andy é o índi qu dv flti a gavidad do fito da falha ob o lint, aumindo qu o tipo d falha ooa. A

30 29 atibuição do índi d gavidad dv fita olhando paa o fito da falha, avaliando o quanto l pod inomoda o lint. Uma falha podá t tanto índi d gavidad quanto fom o u fito. o lint aftado plo modo d falha é uma mpa montadoa ou o uuáio do poduto, a avaliação d vidad pod ta foa do ampo d xpiênia ou onhimnto do ngnhio / quip do poo, potanto o ngnhio d pojto, /ou ubqunt fabiant da pça ou montadoa (ngnhio d poo) dviam onultado (MANUAL E REFERÊNCIA FMEA 2ª EIÇÃ). V xmplo d pontuação d vidad na Tabla Índi d oênia Paa Hlman Andy é uma timativa da pobabilidad ombinada d ooênia d uma aua d falha, dla ultam o tipo d falha no poduto / poo. A atibuição d um índi d ooênia dpndá do momnto m qu tá onduzindo a FMEA. Po oaião do pojto do poduto ou poo, não dipõ d dado tatítio, uma vz qu o poduto ou poo ainda não xita, a análi baia- ntão m: - ado tatítio ou latóio d falha d omponnt ou poo imila; - ado obtido d fondo; - ado da litatua ténia. Cao a FMEA tiv paando po uma vião do pojto do poduto ou poo, ntão podão utilizado: - Rlatóio d falha (intno ou d Aitênia Ténia Autoizada); - Hitóio d manutnção, quando fo o ao; - Gáfio d ontol; - uto dado obtido do ontol tatítio do poo; - ado obtido d fondo; - ado obtido da litatua ténia. V xmplo d pontuação d oênia na Tabla 6.

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A Eam Final Nacional do Ensino Scundáio Pova Escita d Matmática A 1.º Ano d Escolaidad Dcto-Li n.º 139/01, d 5 d julho Pova 635/1.ª Fas Citéios d Classificação 1 Páginas 014 Pova 635/1.ª F. CC Página 1/

Leia mais

3 Estimação da Velocidade do Motor de Indução

3 Estimação da Velocidade do Motor de Indução 3 Etmação da Vlocdad do oto d Indução Um do poblma do contol toal cont m conhc xatamnt a poção do fluxo paa qu o contol tabalh na foma cta. uta pqua tm do alzada paa congu t objto. O contol tm qu utlza

Leia mais

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica Sumáio Unidad II Elticidad Magntismo 1- - Engia potncial lética. - Potncial lético. - Supfícis quipotnciais. Movimnto d cagas léticas num campo lético unifom. PS 22 Engia potncial lética potncial lético.

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013 Txto para Coluna do NRE-POLI na Rvita Contrução Mrcado Pini - Novmbro 2013 Rico do Tomador do Agnt Financiro no Uo do Sitma Pric m rlação ao Sitma SAC no Financiamnto d Imóvi Ridnciai Prof. Dr. Claudio

Leia mais

CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS VARIÁVEIS NO TEMPO

CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS VARIÁVEIS NO TEMPO 3 CAMPO ELETROMAGNÉTICO VARIÁVEI NO TEMPO Nst apítuo studamos a i da indução tomagnétia d Faaday. Ea é uma das pimias is do tomagntismo, o fito qu a ds é d fundamnta impotânia. Máquinas Eétias Tansfomados,

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

Automotive Service Center Soluções completas para empresas e profissionais do setor automotivo

Automotive Service Center Soluções completas para empresas e profissionais do setor automotivo A Boch traz para você a oficina do futuro Oficina autopça d todo o mundo têm a Boch como um grand técnico mprariai criado pcialmnt para difrnciar ua mpra no mrcado. té A gama mai complta d pça d rpoição.

Leia mais

FORMULÁRIO DE TEORIA DAS FILAS (QUEUEING THEORY)

FORMULÁRIO DE TEORIA DAS FILAS (QUEUEING THEORY) D i i l i n a : u i a O r a i o n a l I I T o r i a d a f i l a - F o r m u l á r i o S g u n d o m t r d FOMUÁIO DE TEOIA DAS FIAS (QUEUEING THEOY Na notação d ndall uma fila é drita or: A/B/C/Z//m Ou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências UNIERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto d Ciências Exatas Biológicas Mstado Pofissional m Ensino d Ciências Slção da pimia tapa d avaliação m Física Instuçõs paa a alização da pova Nst cadno sponda

Leia mais

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para:

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para: Dciblímtro intgrador cla 1 com protocolo d mdição Aplicaçõ Dipõ d protocolo d mdição para: Ruído grado por vículo a motor Nívi onoro mitido produzido por atividad vizinhança UÍDO NUNA MEDIR O R IL FOI

Leia mais

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE LAPLACE PARA O POTENCIAL DE LIGAÇÃO IÔNICA

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE LAPLACE PARA O POTENCIAL DE LIGAÇÃO IÔNICA SOLUÇÃO D EQUÇÃO DE LPLCE PR O POTENCIL DE LIGÇÃO IÔNIC Bathista,. L. B. S., Ramos, R. J., Noguia, J. S. Dpatamnto d Física - ICET - UFMT, MT, v. Fnando Coa S/N CEP 786-9 Basil, -mail: andlbbs@hotmail.com

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

D e A, respectivamente. Após a. transferência de energia eles encontram-se nos respectivos estados D e

D e A, respectivamente. Após a. transferência de energia eles encontram-se nos respectivos estados D e TRNSFERÊNCI E ENERGI NÃO RITIV Tansência d ngia não adiativa na scala nanoscópica, nvolvndo átomos moléculas, é um pocsso d gand impotância na natuza. Nss pocsso não há missão absoção d ótons; a ngia é

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO 1. NOMES DAS PEÇAS Nomes das Peças... 2 Acessórios Padrão... 3

ÍNDICE SEÇÃO 1. NOMES DAS PEÇAS Nomes das Peças... 2 Acessórios Padrão... 3 ÍNDICE SEÇÃO 1. NOMES DAS PEÇAS Noms das Pças... 2 Acssóios Padão... 3 SEÇÃO 2. PREPARANDO-SE PARA COSTURAR Ligando a Máuina à Font d Engia... 3 Pdal... 3 Alavanca do Pé Calcado... 4 Contol d Ponto Rvso...

Leia mais

Estudo do Acoplamento Acústico-Estrutural de uma Estrutura do Tipo Casca Cilíndrica Uniforme

Estudo do Acoplamento Acústico-Estrutural de uma Estrutura do Tipo Casca Cilíndrica Uniforme UNIVERSIDDE FEDERL DE ITJUBÁ PRÓ-DIRETORI DE PESQUIS E PÓS-GRDUÇÃO PROGRM DE PÓS-GRDUÇÃO EM ENGENHRI MECÂNIC DISSERTÇÃO DE MESTRDO Estudo do coplamnto cústico-estutual d uma Estutua do Tipo Casca Cilíndica

Leia mais

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos 2º/3º ciclo O Ã Ç A T N E M A LIndo d pgunt u u ni u i ct n u Exit co? d d dit, d á l tção, f n ão p t t N n nci li ê f p tnt o p i hábito i g ê t d indic udávl. o ã ç t n d li Filip, 12 no lid 1 EguNntTAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores gaização Aquiua compuao oução Pipliigéuma écica implmação m qu váia iuçõ ão obpoa a xcução Exmplo: lavagm oupa Mlhoao o mpho com pipliig Pof. D. Luciao Joé Sg Pipliig abalho é iviio m apa ou ágio Técica

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Univridad Salvador UNIFACS Curo d Engnharia Método Matmático Alicado / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rbouça Frir A Tranformada d Lalac Txto 3: Dlocamnto obr o ixo t. A Função Dgrau Unitário.

Leia mais

Mecânica dos Materiais. Instabilidade de Colunas. Tradução e adaptação: Victor Franco

Mecânica dos Materiais. Instabilidade de Colunas. Tradução e adaptação: Victor Franco Mcânica dos Matiais Instabilidad d Colunas 10 Tadução adaptação: Victo Fanco Rf.: Mchanics of Matials, B, Johnston & DWolf McGaw-Hill. Mchanics of Matials, R. Hibbl, asons Education. Estabilidad d Estutuas

Leia mais

Manual de Instruções MC 200E

Manual de Instruções MC 200E Manual d Instuçõs MC 00E IMPORTANTES INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Esta máuina d boda não é um binudo. Não pmita u cianças binum com a máuina. A máuina não é paa s usada po cianças ou pssoas mntalmnt incapazs

Leia mais

consumidores por hora. Uma média de três clientes por hora chegam solicitando serviço. A capacidade

consumidores por hora. Uma média de três clientes por hora chegam solicitando serviço. A capacidade D i i l i n a : P e u i a O e r a i o n a l C u r o : E e i a l i z a ç ã o e m M é t o d o Q u a n t i t a t i v o : E t a t í t i a e M a t e m á t i a A l i a d a i t a d o i d e e x e r í i o o b r

Leia mais

r r CAPÍTULO 3. FONTES USADAS EM GEOELECTROMAGNETISMO

r r CAPÍTULO 3. FONTES USADAS EM GEOELECTROMAGNETISMO Pospcção Gofísica I Capítulo. Fonts usadas m golctomagntismo Fnando. Santos-006 CPÍTULO. FONTS USDS GOLCTOGNTISO.1. Intodução.. Fonts m pospcção golética com cont contínua (sistividad.. Onda plana incidindo

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

Operações comuns em transportes

Operações comuns em transportes paçõ cmu m tapt Ex Wk (EXW) : aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a dpdêcia d vdd (igm), m cagamt, ã ã dmbaaçad paa xptaçã. = ic = ut Vdd mpad ai (A): aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a taptad digad

Leia mais

INTERFACES DA FOLGA ORGANIZACIONAL COM INOVAÇÃO: UM ESTUDO EM EMPRESA TÊXTIL

INTERFACES DA FOLGA ORGANIZACIONAL COM INOVAÇÃO: UM ESTUDO EM EMPRESA TÊXTIL INTERFACES DA FOLGA ORGANIZACIONAL COM INOVAÇÃO: UM ESTUDO EM EMPRESA TÊXTIL Fancil Bck Doutoanda m Contoladoia Contabilidad na FEA/USP Mst m Ciências Contábis pla Univsidad Rgional d Blumnau Endço: Av.

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

A Gestão por Processos no Ensino SOCIESC

A Gestão por Processos no Ensino SOCIESC A Gestão por Processos no nsino OCIC imone Laureano Angélica simone.angelica@sociesc.org.br A Gestão por Processos no nsino OCIC 1959 - TT - scola Técnica Tupy (Departamento da Fundição Tupy) 1962 - T

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Modelagem de Carga Mecânica

Modelagem de Carga Mecânica Univsia Fal Minas Gais Dpatamnto Engnhaia Elética ogama ós-gauação m Engnhaia Elética Molagm Caga Mcânica - Ano: 03 of. Slênio Rocha Silva Dpto. Eng. Elética slnios@.ufmg.b Dinâmica Motos Eléticos - Unia

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de.

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de. EEC rado Engnharia Elroénia d Copuador CDI odlação Conrolo d ia Dinâio Exríio d Função Driiva Conuno d xríio laborado plo don Joé Tnriro ahado JT, anul ano ilva, Víor Rodrigu da Cunha VRC Jorg Erla da

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

EFICIÊNCIA DE UMA UNIDADE DE REFRIGERAÇÃO POR COMPRESSÃO DE VAPOR

EFICIÊNCIA DE UMA UNIDADE DE REFRIGERAÇÃO POR COMPRESSÃO DE VAPOR EFICIÊNCIA DE UMA UNIDADE DE REFRIGERAÇÃO POR COMPRESSÃO DE VAPOR Janailon Olivira Cavalcanti 1 - janailonolivr@ig.com.br Univridad Fdral d Campina Grand Av. Aprígio Vloo, 88 - Campu II 58109-970 - Campina

Leia mais

Processamento Digital de Sinal Aula 9 4.º Ano 2.º Semestre

Processamento Digital de Sinal Aula 9 4.º Ano 2.º Semestre Intituto Supeio Politénio de Vieu Eola Supeio de enologia de Vieu Cuo de Engenhaia de Sitema e Infomátia Poeamento Digital de Sinal Aula 9 4.º Ano.º Semete, Eng.º 1 SISEMAS DE PROCESSAMENO DIGIAL Pogama:

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre AGÊNCIA ESTADUAL DE EXECUÇÃO DOS PROJETOS DA COPA DO MUNDO DO PANTANAL FIFA 2014 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO MOBILIDADE URBANA Cliqu paa ita til ubtítul mt Ditia Planjamnt Gtã Nvmb / 2010 A p 1 Plan

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

Desempenho elevado... mesmo nos espaços mais reduzidos

Desempenho elevado... mesmo nos espaços mais reduzidos Stackr com condutor apado Aimntação AC 1,0 1,6 tonada SBP10N2 SBP12N2(I) SBP12N2(I)R SBP14N2(I) SBP14N2(I)R SBP16N2(I) SBP16N2(I)R SBP16N2S SBP16N2SR Dmpnho vado... mmo no paço mai rduzido Compacto, fáci

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO TO U R I N H O NETO HI L T O N QU E I R O Z. Pre S i D Ê N C i a PORTARIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO TO U R I N H O NETO HI L T O N QU E I R O Z. Pre S i D Ê N C i a PORTARIAS PDR JUDCÁR RUNA RGNA FDRA DA PRRA RGÃ PRSDN D SRVÇ C a D o Plo ato 5 D 17 D J a N o D 1990 ND NZS VC-PRSDN JSÉ ACAR ACHAD CRRGDR RGNA CÂNDD RR DSARGADRS FDRAS AN XX NÚR 8 aíla, 18 jano 2011. (ta-fa) U

Leia mais

de Apoio PedagOgico Territórios de Aprendizagem O saber comunitário dando sabor à escola territórios de Aprendizagem guia de APoio PedAgógico - 2015

de Apoio PedagOgico Territórios de Aprendizagem O saber comunitário dando sabor à escola territórios de Aprendizagem guia de APoio PedAgógico - 2015 2 3 Titóio d Apndizag titóio d Apndizag guia d APoio PdAgógico - 2015 d Apoio PdagOgico Ralização: Pacia: Apoio: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO O ab counitáio dando abo à cola 4 5 uaio PRojto trritório

Leia mais

AMPLIFICADORES A TRANSISTOR

AMPLIFICADORES A TRANSISTOR MINISTÉIO D DUÇÃO STI D DUÇÃO POFISSION TNOÓGI INSTITUTO FD D DUÇÃO, IÊNI TNOOGI D SNT TIN USO D TOMUNIÇÕS Áa d onhcmnto: ltônca I MPIFIDOS TNSISTO Pofsso: Pdo mando da Sla J São José, nomo d 213 1 1 MPIFIDOS

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras Digifort Standard Solução intermediária para intalação de até 32 câmera A verão Standard fornece o recuro ideai para o monitoramento local e remoto de até 32 câmera por ervidor e por er a verão intermediária

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas 3 CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO A técnca uada para obtr um tma dgtal controlado nctam, bacamnt, da aplcação d algum método d dcrtação. Matmatcamnt falando, pod- obrvar qu o método d dcrtação

Leia mais

JT 369 www.whirlpool.com

JT 369 www.whirlpool.com JT 369.hilpool.com 1 INSTALAÇÃO ANTES DE LIGAR VERIFIQUE SE A VOLTAGEM indicada na chapa d caactísticas uival à voltagm d cont léctica da sua casa. NÃO RETIRE AS PLACAS DE PROTECÇÃO DE ENTRADA DO MICROONDAS

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESTÁTICA Arquitectura 2006/07

Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESTÁTICA Arquitectura 2006/07 Scção d Mcâica Estutual Estutuas Dpatamto d Eghaia Civil Aquitctua ESTÁTICA Aquitctua 2006/07 ESTÁTICA 0. Apstação Objctivo (gal): Aális stutual d stutuas isostáticas paa acçõs státicas, cálculo d sfoços

Leia mais

ALGORITMO DO GRADIENTE CONJUGADO ESCALONADO EM RNA PARA A PREVISÃO DO CONSUMO HORÁRIO DE ÁGUA EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO

ALGORITMO DO GRADIENTE CONJUGADO ESCALONADO EM RNA PARA A PREVISÃO DO CONSUMO HORÁRIO DE ÁGUA EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO ALGORITMO DO GRADIENTE CONJUGADO ESCALONADO EM RNA PARA A PREVISÃO DO CONSUMO HORÁRIO DE ÁGUA EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO Carla Silva da Silva 1 Paulo Sérgio Franco Barboa 2 Rumo Et trabalho invtiga a

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

III Game Campori Online

III Game Campori Online 2015 14-16 d agt vrã www.gam.camprinlin.cm prtuguê III Gam Campri Onlin Guia d Orintaçõ A Equip Wb Rádi Atividad Crdnadr Publicidad Tradutr Rlaçõ Extrna Mídia Sciai Epcialidad d Evnt Ediçã Víd Múica Dignr

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Capacidade em Rotundas. Métodos e Problemas

Capacidade em Rotundas. Métodos e Problemas Métodos Problmas Basado numa ompilação fita plos alunos Elisu Vinagr nº 37872 João Costa nº 37893 Susana Figuira nº 46088 IST/ Liniaturas m Engª Civil & Trritório - Mstrado m Transports - Gstão d Tráfgo

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

"Kokumin Kenko Hoken" Seguro Nacional de Saúde

Kokumin Kenko Hoken Seguro Nacional de Saúde Numção 8-4-3 ClificçãoDonç Aunto Sguo Público p Aitênci Médic Tm "Kokumin Knko Hokn" Sguo Ncionl d Súd Nívl d conult 3 1 Pgunt Rpot Báic Não poo incv-m no guo d úd. Djo b ob o itm p pcv-m no 2 Pgunt Rpot

Leia mais

Viva as mulheres CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES. 10º CONCUT vem aí Página 2. Jornal completa um ano Página 3

Viva as mulheres CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES. 10º CONCUT vem aí Página 2. Jornal completa um ano Página 3 R CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES ano 2 nº 12 maço d 2009 www.cut.og. 10º CONCUT vm aí Página 2 Jonal complta um ano Página 3 Movimntos sociais potstam conta a gand mídia Página 6 Cntal ppaa-s paa confências

Leia mais

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras Digifort Profeional A olução ideal para emprea que neceitam o gerenciamento de até 64 câmera A verão Profeional fornece o melhore recuro para o monitoramento local e remoto de até 64 câmera por ervidor,

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA. Prof. Jos é Ricardo Tóffoli

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA. Prof. Jos é Ricardo Tóffoli PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA Prof. Jos é Ricardo Tóffoli PARTICIPAÇÃO DA S EGURANÇA E DA MEDICINA DO TRABALHO A qualidad d vida na mprs a dpnd do trabalho d uma quip multidis ciplinar, da qual

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

Projeto Toda Força ao 1º ano

Projeto Toda Força ao 1º ano SECETAIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIETOIA DE OIENTAÇÃO TÉCNICA CÍCULO DE LEITUA E ESCITA Projto Toda Força ao 1º ano Guia para o planjamnto do profor alfabtizador Orintaçõ para o planjamnto avaliação do trabalho

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

Cap.2 LEIS DO MOVIMENTO

Cap.2 LEIS DO MOVIMENTO Cap. LEIS DO MOVIMENTO Históia: dsd os filósofos ggos A Estática = É pat da mcânica qu tata da anális dos copos m pouso. Sócats, Platão Aistótls são os tês maios filósofos da Antiguidad. Foam também gands

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

GUARITA / FACHADA GUARITA / PLANTA COBERTURA

GUARITA / FACHADA GUARITA / PLANTA COBERTURA MP i:% MP i:% MP i:.0% ÚLMO ÁO LZ O VO: OMO FÊ L00 PLJMO LVMO O PL00 PLJMO PLJMO XÇÃO O OOL O POJO FLVOPP_Levantamento_ev0..0.0.0.0.0.0.0.00.0.0.0.0.0.0.0 MOLOG FÇÃO X V. OL FO.. PO LHO V G GÇ..0... L

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS APLICADA A ESCOAMENTO DO SANGUE NA MICROCIRCULAÇÃO

MECÂNICA DOS FLUIDOS APLICADA A ESCOAMENTO DO SANGUE NA MICROCIRCULAÇÃO 6º POSMEC Univridad Fdral d Ubrlândia Faculdad d Engnharia Mcânica MECÂNICA DOS FLUIDOS APLICADA A ESCOAMENTO DO SANGUE NA MICROCIRCULAÇÃO Jona Antonio Albuqurqu d Carvalho Univridad d Braília Braília

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Controlo de Motor Assíncrono Aplicado a Veículos Eléctricos

Controlo de Motor Assíncrono Aplicado a Veículos Eléctricos Dpatanto d Engnhaa Elctotécnca Scção d Elctotcna Máquna Eléctca Contolo d Moto Aíncono Aplcado a Vículo Eléctco Saul Alxand Magao Ganado Dtação apntada na Faculdad d Cênca Tcnologa da Unvdad Nova d Lboa

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

Introdução a Robótica

Introdução a Robótica Introdução a Robótia Índie Analítio Introdução.... Robô Indutriai.... O Etado da Arte.... Apliaçõe e Benefíio.... Fundamento da Tenologia em Robótia...8. Braço Meânio...8 Tipo de Junta...8 Grau de Liberdade...9

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

TEM + BRASIL by Flot TABELA REVEILLON 2011_2012 COM BLOQUEIOS AÉREOS BAHIA

TEM + BRASIL by Flot TABELA REVEILLON 2011_2012 COM BLOQUEIOS AÉREOS BAHIA TEM + BRASIL by Flot TABELA REVEILLON 2011_2012 COM BLOQUEIOS AÉREOS BAHIA Gua rajub a...... Pág. 0 2 Imbas saí...... Pág.0 3 Praia do Fo rte...... Pág.0 4 Sal vador..... P ag. 05 e 06 Condi ções Gerais...

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Análise de Estabilidade 113

Análise de Estabilidade 113 Análi d Etabilidad 6 Análi d Etabilidad 6. Etabilidad: A) Um itma é távl a ua rota ao imulo tnd ara zro à mdida qu o tmo tnd ara o infinito. B) Um itma é távl cada ntrada limitada roduz uma aída limitada.

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Univeidade Fedeal da Paaíba Cento de Tecnologia Pogama de Pó-Gaduação em Engenhaia Mecânica Metado - Doutoado CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO po Élida

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO

GABINETE DO SECRETÁRIO GABINT DO SRTÁRIO DITAL Nº 006/20 SLÇÃO INTRNA D DONTS ARA ATUAR NOS ROGRAAS STRUTURANTS DA SRTARIA D DUAÇÃO DO STADO DA BAHIA: NSINO ÉDIO AÇÃO IÊNIA NA SOLA, NA ONDIÇÃO D SURVISORS ONITORS/TUTORS ONLIN.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais