Laboratório sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Linguagem de Montagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratório sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Linguagem de Montagem"

Transcrição

1 Laboratóro sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Lnguagem de Montagem 1 Laboratóro sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Lnguagem de Montagem Prátca: Programação em Lnguagem de Montagem do Processador Cleópatra Recursos: Ambente de Desenvolvmento de Software para a Arqutetura Cleópatra Parte I Introdução e Objetvos O Laboratóro sobre Crcutos Seqüencas e Máqunas de Estados Fntas envolveu o projeto e mplementação de sstemas dgtas em geral, vsando ntroduzr os alunos ao emprego de sstemas de Projeto Auxlado por Computador (PAC, ou, em nglês, CAD, de Computer Aded Desgn) para o projeto eletrônco. Naquele laboratóro, além da ntrodução ao uso de váras ferramentas de CAD (e.g. edtor de esquemátcos, smulador lógco, edtor de scrpts de smulação, mnmzador de conjuntos de funções lógcas Booleanas (Espresso), edtor de máqunas de estados fntas, subconjunto de ferramentas de síntese automatzada para FPGAs, e sstema de descarga de arquvos de confguração para uma plataforma de prototpação específca empregando FPGAs), foram revsados alguns concetos envolvendo o projeto de sstemas dgtas combnaconas e seqüencas. Além dsto, fo exerctado o fluxo básco de mplementação a partr de um projeto valdado funconalmente. O presente Laboratóro tem por objetvo estratégco efetvamente ncar os trabalhos prátcos específcos de Organzação de Computadores (Undade 02 da Dscplna, bem como da dscplna teórca companhera). Este prmero passo consstrá em trabalhar em níves de abstração mas altos, ndependentes de hardware, gnorando hardware e ldando com a abstração denomnada Arqutetura de Conjunto de Instruções (em nglês, Instructon Set Archtecture, ou ISA), a prmera camada de software acma do hardware de um sstema computaconal (caso gnore-se e/ou dentfque-se esta camada com o nível de códgo de máquna). Em resumo, trabalhar-se-á neste Laboratóro exclusvamente sobre o tema de programação em Lnguagem de Montagem. Dado o contexto do parágrafo anteror, em acordo com o conteúdo vsto de forma concomtante na dscplna teórca, adota-se aqu a arqutetura Cleópatra como alvo do trabalho. O objetvo específco deste laboratóro é fxar os conteúdos de programação em lnguagem de montagem (em nglês, assembly language) para a arqutetura Cleópatra, através do uso do sstema ntegrado de desenvolvmento, composto de 3 ferramentas acessíves va nterface gráfca unfcada: um edtor de textos especalzado, o montador Cleópatra (cleoasm.exe) e o smulador Cleópatra (cleosm.exe). Todo o sstema é de domíno públco, e fo ncalmente desenvolvdo por Danel Carvalho Lede, quando de sua partcpação como aluno da dscplna, em 1998/II, e mas tarde como bolssta do Grupo de Apoo ao Projeto de Hardware (GAPH) da FACIN. Atualmente, o trabalho de Danel vem evolundo a partr do trabalho de outros bolsstas do grupo de pesqusa GAPH. Os docentes agradecem a Danel o trabalho dedcado e a qualdade do sstema desenvolvdo, que em muto benefca o trabalho dos alunos de ambas dscplnas: Organzação de Computadores e. Obs: O ambente de desenvolvmento Cleópatra já se encontra devdamente nstalado nas máqunas do Laboratóro. Caso deseje usá-lo fora do mesmo, faça o segunte: Copar a dstrbução Cleópatra da URL Basta descomprmr cleosoft.zp e executar o arquvo setup.exe para ncar a nstalação do smulador. Obs.: Após uma pré nstalação, o processo de nstalação solcta que a máquna seja rencalzada para poder prossegur. Após rencalzar a máquna, relançar a nstalação para conclur. Abaxo detalhar-se-á a utlzação básca dos programas do ambente Cleópatra. A nstalação básca vem com exemplos de programas que funconam, programas estes de város graus de

2 Laboratóro sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Lnguagem de Montagem 2 complexdade. Mas exemplos de enuncados e soluções na págna de download da dscplna. Parte II Edtor Cleópatra e Montador Cleópatra Função do programa montador: gerar o códgo objeto (arquvos *.cle) a partr de arquvos texto contendo descrções de programas váldos em lnguagem de montagem (assembly language) da Arqutetura Cleópatra. Se o programa não for sntatcamente correto, cleoasm.exe ndca os erros (para uma descrção detalhada da sntaxe e da semântca da lnguagem de montagem, ver o documento o_cleo2.01.pdf). Entrada do montador: descrção em lnguagem de montagem (assembly language) em texto ASCII, correspondendo a arquvos com termnação.asm. Saídas do montador: 1. códgo objeto (bnáro), termnação.cle; 2. arquvos de lstagem, termnação.txt; 3..hex para execução na placa de prototpação. Chamar o smulador a partr de Start Programs Cleo Smulator 2.0 Cleo Smulator 2.0, ou camnho smlar (depende da nstalação e versão). A janela mostrada na Fgura 1.a é exbda. Se não houver camnho, procurar dretóro de nome cleosoft20 ou smlar no drve C. O nome do executável ncal do ambente é cleosm.exe. OPÇÃO MONTAR: VERIFICA ERROS E GERA O CÓDIGO OBJETO, CASO NÃO EXISTAM OPÇÃO RODAR Mensagem SUCESSO, quando não há erro de montagem (programa correto) (a) janela ncal do montador. (b) montador com o programa soma16 carregado. Fgura 1 - Janela do programa Montador. A déa aqu é abrr um programa fornecdo com o software, a título de exemplo. Ir no menu Arquvo, opção Abrr. Escolher o arquvo soma16.asm, localzado no subdretóro examples da nstalação do ambente. Observar a estrutura do programa, com as dretvas de montagem 1 para desgnar níco e fm da área de códgo (.code e.endcode), níco e fm da área de dados (.data e.enddata), e defnção de nome de área de dados e sua ncalzação (db). Tarefa 1: Estude, Pense e Responda - São estas as úncas dretvas acetas pelo montador 1 Uma dretva de montagem contém nformações para o programa montador, orentando-o na geração do códgo objeto. Não se deve confundr dretvas de montagem com mnemôncos da lnguagem de montagem, que são textos que fazem com que o programa montador gere códgo objeto executável pelo processador.

3 Laboratóro sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Lnguagem de Montagem 3 Cleópatra? Se não for este o caso, qual(s) a(s) dretva(s) restante(s), qual sua utldade e como funcona(m)? Utlzar a opção de menu Executar Montar (Tecla de atalho F5 ou antepenúltmo botão mas à esquerda) para gerar o códgo objeto. Caso o programa esteja corretamente escrto, a mensagem sucesso é exbda na parte nferor esquerda da janela do montador. Senão, uma mensagem de erro aparece no mesmo lugar. Alterar o programa para que sto ocorra, reexecutando o montador e analsando a mensagem gerada. Por exemplo, na prmera lnha após o rótulo volta, trocar o mnemônco lda por lad. Corrgr o erro e montar o programa outra vez. O programa em códgo objeto, com termnação.cle, será utlzado pelo smulador. Ele se encontra no mesmo dretóro do programa em lnguagem de montagem. Parte III - Smulador Cleópatra Após montar com sucesso o programa, clcar na opção de menu Executar Rodar (Tecla de atalho shft F5 ou penúltmo botão à esquerda) na janela do edtor. A segunte janela aparece: Fgura 2 - Smulador da Cleópatra, com o arquvo soma16.cle carregado. Observar as 5 áreas desta janela: 1. Conteúdo da memóra prncpal do processador Cleópatra (áreas de dados e programas): a coluna da esquerda contém o códgo fonte produzdo pela nterpretação do códgo objeto em suas áreas de nstruções e dados. A prmera área é delmtada pelas dretvas.code/.endcode, enquanto que a segunda área o é pelas dretvas.data/.enddata. A memóra possu posções numeradas de 00H até 0FFH. Note que as nstruções podem ocupar uma ou duas palavras de memóra, enquanto que os dados são sempre mostrados palavra a palavra (dentfcados na coluna da esquerda pelo texto DADOS e na da dreta pelo valor destes. A coluna da dreta mostra o conteúdo total da memóra em hexadecmal. A prmera coluna dá nformação sobretudo sobre memóra de programa (nstruções), e a segunda sobretudo sobre a memóra de dados. Tarefa 2: Estude, Pense e Responda - Onde começam e termnam as memóras de nstruções e de dados, respectvamente? O que acontece com todas as posções de memóra não referdas explctamente como memóra de dados ou de programa no smulador? 2. Regstradores nternos da arqutetura: acumulador (AC), contador de programa (PC), regstrador de endereço de retorno de subrotna (RS), regstrador de endereço de memóra (MAR), regstrador de dados da memóra (MDR) e regstrador de nstrução corrente (IR).

4 Laboratóro sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Lnguagem de Montagem 4 3. Qualfcadores (flags): carry (C), negatvo (N), zero (Z) e transbordo, ou overflow (V). 4. Rótulos defndos pelo usuáro (os rótulos de posções do programa e também os dentfcadores na memóra de dados, crados usando a dretva db). Tarefa 3: Estude, Pense e Responda - Como se dá a geração dos endereços assocados aos rótulos? Dê pelo menos dos exemplos de geração, pelo menos um de geração de rótulo para posção do programa e pelo menos um para posção da memóra de dados. 5. Controle de execução: do passo-a-passo até execução dreta (até que se encontre a prmera nstrução hlt). A opção RESETA permte rencalzar o estado do programa. Execute as três prmeras lnhas do programa exemplo, utlzando a opção STEP. 1. LDA n1. Fo traduzda para LDA 1FH. Observe se o conteúdo do acumulador após a execução desta prmera lnha confere, ou seja, se AC está com 3FH. 2. ADD n2. Instrução traduzda como ADD 21H. Após este passo executado, observe o conteúdo do acumulador, 7DH, que corresponde à soma de 3F + 3E. 3. STA r1. Use o mouse para vsualzar a posção de memóra 24H (valor de r1) e observe que esta posção de memóra recebeu o valor 7DH após a execução deste passo, e está marcada com um *, ndcando que o endereço fo alterado pelo programa. Tarefa 4: Serão ndcados, no momento da aula, quas exercícos cabem a cada equpe de alunos. Cada equpe deverá realzar 3 exercícos, 1 de cada grupo da lsta contda no Apêndce abaxo. Os grupos referem-se a exercícos com grau de dfculdade smlar. O grau de dfculdade da lsta abaxo é crescente (Grupo 1 < Grupo 2 < Grupo 3). Logo, aconselha-se que seja seguda a ordem da lsta para a resolução dos exercícos. Há também exercícos avançados, todos opconas. Tabela 1 Especfcação de programas para a Tarefa 4 (1 coluna por equpe, o professor atrbu). Grupo/Equpe E1 E2 E3 E4 E5 E6 E7 E8 E9 E10 Grupo Grupo Grupo Grupo/Equpe E11 E12 E13 E14 E15 E16 E17 E18 E19 E20 Grupo Grupo Grupo Parte IV - A fazer: Tarefa 5: Elabore um relatóro contendo todas as suas meddas, bem como a resposta a todas as questões que aparecem no texto. Entregue este relatóro no prazo especfcado na homepage da dscplna. Execute todas as 5 tarefas propostas acma. A Entregar: O relatóro do Laboratóro; Para cada programa mplementado o fluxograma, o códgo fonte e objeto em versão magnétca, contendo o programa e dados sobre os quas este executa de manera correta; Resposta às questões preceddas da menção Estude, Pense e Responda no texto acma. Percentuas de nota atrbuídos às Tarefas: Item Avalado Percentual Fluxogramas dos programas 30% Implementação correta dos programas 50% Respostas às questões 20%

5 Laboratóro sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Lnguagem de Montagem 5 Apêndce - Lsta de Exercícos (* antes do enuncado ndca problema com solução) IMPORTANTE: palavras em tálco na lsta são rótulos assocados a endereços específcos de memóra. GRUPO 1: 1) *Somar uma constante a um vetor armazenado à partr da posção de memóra cujo rótulo é end1. O número de elementos está armazenado na posção de memóra cujo rótulo é end2. 2) Fazer um algortmo que lê um array, calcula o número de elementos pares e ímpares e nforma qual é o maor par e o maor ímpar. 3) Escrever um programa para mover um vetor armazenado entre os endereços de memóra com rótulos nco1 e fm1 para os endereços cujos rótulos são nco2 e fm2. Assumr que as seguntes condções são verdaderas: valor(nco1) < valor (fm1), valor (nco2) < valor (fm2), (fm1-nco1) = (fm2-nco2) = (tamanho do vetor 1). 4) Contar o número de posções de memóra com conteúdo gual a 0AAH no vetor armazenado entre os endereços 080H e 0F5H. 5) Dados dos nteros, A e B, armazenados, respectvamente, nas posções de memóra cujos rótulos são n1 e n2, armazenar na posção de memóra com rótulo max o max(a,b) (valor máxmo entre A e B) e na posção de memóra com rótulo mn o mn(a,b) (defndo de forma smlar ao max), de acordo com a ordem total de nteros. 6) Faça um algortmo que mostre o processo do cálculo do valor de um byte representado em complemento de dos, decompondo o mesmo em uma sére de potêncas de base 2. Ou seja, um byte será representado por 8 bytes. Exemplo: 47 = 0*2^7 + 0*2^6 + 1*2^5 + 0*2^4 + 1*2^3 + 1*2^2 + 1*2^1 + 1*2^0 7) Descobrr se um número n é múltplo de 4 8) Descobrr se um número n é múltplo de 3. 9) Descobrr se um número n é múltplo de um número m qualquer. Pressupor que n possa ser um número postvo ou negatvo. GRUPO 2: 10) A transmssão de dados bnáros é o que vablza a exstênca de tecnologas como a Internet. A transmssão de dados a longas dstâncas é uma tarefa muto propensa a erros, devdo a efetos ambentas externos (raos, nterferêncas eletromagnétcas nas lnhas de transmssão devdas a equpamentos elétrcos, raos cósmcos ou manchas solares que nterferem nas transmssões de satéltes, etc.). Uma manera de detectar erros de transmssão é acrescentar bts de controle ao dado transmtdo, de forma que o receptor possa verfcar a valdade dos dados transmtdos. Um esquema smples de detecção de erros são as técncas de bt de pardade. A déa consste em contar o número de bts de um determnado valor e acrescentar um bt na mensagem que dz se a contagem destes valores na mensagem é par ou ímpar. Assm, pode-se magnar alguns tpos báscos de cálculo de pardade: pardade de 0s ou pardade de 1s, pardade par ou pardade ímpar, pardade atva em 0 ou pardade atva em 1. Implemente um programa que recebe n, o número de bts de uma mensagem (assuma, para facltar, que 0<n<8), msg, a mensagem de tamanho n e produz uma nova mensagem msgp com n+1 bts, onde o bt mas sgnfcatvo é a pardade da mensagem. Escolha o tpo de pardade e documente-o. Dca: A função pardade de n bts tem relação estreta com a função ou-exclusvo de n bts. 11) *Multplcar por somas sucessvas 2 nteros postvos de 8 bts, armazenando o resultado em 16 bts. O multplcando e o multplcador devem estar armazenados nas posções de memóra com rótulos n1 e n2, respectvamente. O resultado deverá ser armazenado nas posções de memóra com rótulos mh (a parte mas sgnfcatva do resultado)e ml (a parte menos sgnfcatva do resultado). 12) *Fazer um programa que gere o n prmeros números da seqüênca de Fbonnacc, e armazenar a seqüêncas em endereços consecutvos à partr da posção de memóra com rótulo dx. Assuma que n está entre 0 e 14 e explque como se resolvera o problema surgdo a partr de valores de n acma de 14. Prmero defna qual é este problema. 13) *Escreva um programa para crar um vetor novo, à partr de dos vetores v1 e v2 de mesma dmensão n, segundo a relação estabelecda na equação abaxo. A nterpretação da equação é: cada elemento de novo, na posção, receberá o somatóro dos máxmos dos vetores v1 e v2, entre 0 e. novo = v v < n max( 1, 2 ), 0 = 0 14) Escreva um programa para crar um vetor novo, à partr de dos vetores v1 e v2 de mesma dmensão n, segundo a relação estabelecda na equação abaxo. A nterpretação da equação é: cada elemento de novo, na posção, receberá o somatóro dos mínmos dos vetores v1 e v2, entre 0 e. novo = v v < n mn( 1, 2 ), 0 = 0 15) Dados dos vetores, a e vet, de dmensão n, mplemente um algortmo para preencher vet a partr de a, segundo a equação abaxo. A nterpretação da equação é: cada elemento de vet, na posção, receberá o somatóro de todos os elementos do vetor a, entre os índces 0 e. vet = = 0 a, 0 < n

6 Laboratóro sobre o Modelo de Computador de Programa Armazenado e Programação em Lnguagem de Montagem 6 16) Seja dado um ponto ncal (x0, y0) e uma seqüênca de n valores nteros (o valor de n deve estar armazenado em uma posção de memóra com rótulo n, e a seqüênca de valores deve estar armazenada como um vetor ncando na posção de memóra com rótulo seq). Implemente um algortmo que desloque o ponto ncal alternadamente na horzontal e na vertcal (ncando com um deslocamento horzontal). Suponha que cada valor da seqüênca dá a magntude do deslocamento segunte. Consdere que os deslocamentos são tas que o deslocamento atual e o medatamente anteror crcunscrevem um arco que avança no sentdo ant-horáro se o deslocamento atual for negatvo, e no sentdo horáro se o deslocamento atual for postvo. Note que o deslocamento ncal pode ser em qualquer sentdo horzontal, pos não há deslocamento anteror. Documente sua solução para ndcar a escolha feta pelo seu programa neste caso. Exemplo: dados de entrada [-6, -6, -4, 2, 3, 4]. Resultado -5 para x e -4 para y. Decsão: prmero deslocamento para a esquerda se negatvo, para a dreta se postvo. GRUPO 3: 17) Implemente um algortmo smples de ordenação crescente. O vetor de orgem deve estar armazenado entre as posções de memóra de rótulos n1 e fm1, respectvamente, e o vetor ordenado deve estar armazenado entre as posções de memóra n2 e fm2, respectvamente. 18) Implemente um algortmo smples de ordenação decrescente. O vetor de orgem deve estar armazenado entre as posções de memóra de rótulos n1 e fm1, e o vetor ordenado deve estar armazenado entre as posções de memóra n2 e fm2. 19) Escrever um algortmo que calcule os prmeros n números prmos e os armazene seqüencalmente, a partr da posção de memóra cujo rótulo é nprmos. 20) Faça um algortmo que calcula a dvsão de dos números de 8 bts (armazenados nas posções de memóra com rótulos v1 e v2) através de subtrações sucessvas. Ao fnal do algortmo a parte ntera da dvsão deve estar na posção de memóra com rótulo nt e o resto na posção de memóra com rótulo resto. 21) Faça um programa para ordenar 20 valores hexadecmas, que estão armazenados em 10 bytes. Sendo que dentro de cada byte, o nbble (conjunto de 4 bts) menos sgnfcatvo deve conter o menor valor. Exemplo: Vetor de entrada: 034h, 0FAh, 0BCh, 077h, 01Ch (Vetor ordenado: 013h, 047h, 07Ah, 0BCh, 0CFh) GRUPO AVANÇADO (PARA QUEM DESEJA IR MAIS LONGE): 22) Fazer um programa para automatzar uma agênca de casamentos. Consdere que a agênca dspõe do cadastro de n homens e n mulheres. Neste cadastro exste uma ordenação de preferenca que os homens e as mulheres tem uns pelos outros. Selecone os n casas de forma a favorecer a melhor escolha do casal. Exemplo: Os homens 1 e 2 têm como preferênca maor a mulher 1, que tem como preferênca o homem 3 Número Homens Mulheres 1 1, 2, 3 3, 2, 1 2 1, 3, 2 3, 1, 2 3 3, 2, 1 1, 3, 2 23) Dadas n caxas de 3 dmensões, fazer um programa para descobrr qual é o maor número de caxas que podem ser colocadas umas dentro das outras. Cada caxa pode ser representada, neste problema, como um vetor de três dmensões (dx, dy, dz) e as n caxas formam uma matrz n x 3. 24) Seja dada uma máquna que tem somente duas operações nteras: multplcar por 2 e dvdr por 3, e que conhece ncalmente o número 1. Fazer um programa que gere qualquer número de 1 a 18 como uma expressão: número = (2^X)/(3^Y). Exemplo: 2 = 2^1/3^0 3 = 2^5/3^2 4 = 2^2/4^0 5 = 2^4/3^1

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

SÉRIE DE PROBLEMAS: CIRCUITOS DE ARITMÉTICA BINÁRIA. CIRCUITOS ITERATIVOS.

SÉRIE DE PROBLEMAS: CIRCUITOS DE ARITMÉTICA BINÁRIA. CIRCUITOS ITERATIVOS. I 1. Demonstre que o crcuto da Fg. 1 é um half-adder (semsomador), em que A e B são os bts que se pretendem somar, S é o bt soma e C out é o bt de transporte (carry out). Fg. 1 2. (Taub_5.4-1) O full-adder

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032 www.chavesgold.com.br Evoluton 02 INDICE CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B BODY COMPUTER DELPHI Rotna Para Verfcação Delph...03

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO Alne de Paula Sanches 1 ; Adrana Betâna de Paula Molgora 1 Estudante do Curso de Cênca da Computação da UEMS, Undade Unverstára de Dourados;

Leia mais

Implementação de uma Arquitetura Reed-Solomon para uso em Redes OTN 10.7 Gbps

Implementação de uma Arquitetura Reed-Solomon para uso em Redes OTN 10.7 Gbps Pontfíca Unversdade Católca do Ro Grande do ul Faculdade de Engenhara Faculdade de Informátca Curso de Engenhara de Computação Implementação de uma Arqutetura Reed-olomon para uso em Redes OTN.7 Gbps Volume

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

ELE0317 Eletrônica Digital II

ELE0317 Eletrônica Digital II 2. ELEMENTOS DE MEMÓRIA 2.1. A Lnha de Retardo A lnha de retardo é o elemento mas smples de memóra. Sua capacdade de armazenamento é devda ao fato de que o snal leva um certo tempo fnto e não nulo para

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico.

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico. 2ª PARTE Estudo do choque elástco e nelástco. Introdução Consderemos dos corpos de massas m 1 e m 2, anmados de velocdades v 1 e v 2, respectvamente, movmentando-se em rota de colsão. Na colsão, os corpos

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR EXPEIÊNCIA 06 CAGA E DESCAGA DE UM CAPACITO 1. OBJETIVOS a) Levantar, em um crcuto C, curvas de tensão no resstor e no capactor em função do tempo, durante a carga do capactor. b) Levantar, no mesmo crcuto

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

Criptografia em Sistemas de Comunicação INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAFIA. Aplicações em Sistemas de Comunicação. Terminologia

Criptografia em Sistemas de Comunicação INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAFIA. Aplicações em Sistemas de Comunicação. Terminologia INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAFIA Termnologa Crptografa em Sstemas de Comuncação Segurança e prvacdade das nformações transmtdas através dos sstemas de comuncação de dados. Proteção de nformações (confdencas)

Leia mais

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS 2 PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Determnar a sequênca de operações de fabrco, quas e quantos recursos estão dsponíves para cada tpo de operação, como fluem os materas e as pessoas, qual

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Plano de Aula Aprendzagem de Máquna Aprendzagem Baseada em Instâncas Alessandro L. Koerch Introdução Espaço Eucldano Aprendzagem Baseada em Instâncas (ou Modelos Baseados em Dstânca) Regra knn (k vznhos

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação Panel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC pt Manual de operação 3 pt Índce remssvo Panel de controlo Índce remssvo 1 Para sua nformação 8 1.1 Ilustração dos passos 8 1.2 Chamar o menu ncal 8 1.3 Alterar

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnar 7 de setembro de Notas de Aula de Físca 7. TRABAO E ENERGIA CINÉTICA... MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO COM FORÇA CONSTANTE... TRABAO EXECUTADO POR UMA FORÇA VARIÁVE... Análse undmensonal...

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Carlos Vogt, Flávia Gouveia, Ana Paula Morales, Flávio Daher e Fábio Pisaruk *

Carlos Vogt, Flávia Gouveia, Ana Paula Morales, Flávio Daher e Fábio Pisaruk * Scentfc Automatc Press Observer (SAPO): sstema automátco de geração de ndcadores de Cultura Centífca e de montoramento de temas centífcos na mída Carlos Vogt, Fláva Gouvea, Ana Paula Morales, Flávo Daher

Leia mais

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 Nome Nº Turma: Data: / / Professor 10.º Ano Classfcação Apresente o seu racocíno de forma clara, ndcando todos os cálculos que tver de efetuar e todas

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

inversores de frequência manual de utilização completo

inversores de frequência manual de utilização completo vacon 10 nversores de frequênca manual de utlzação completo Document code: DPD00644 Last edted: 28.09.2011 1. Segurança...3 1.1 Avsos...3 1.2 Instruções de segurança...5 1.3 Lgação à terra e proteção contra

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Ambiente de Desenvolvimento de Manufatura Virtual

Ambiente de Desenvolvimento de Manufatura Virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Welnton Das Ambente de Desenvolvmento de Manufatura Vrtual Dssertação submetda ao Programa de Pós- Graduação em Engenhara

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

3.3 Ordenação por Heap (Heapsort)

3.3 Ordenação por Heap (Heapsort) 3.3 Ordenação por Heap (Heapsort) Heap descendente (max heap ou arvore descendente parcalmente ordenada) de tamanho n é um array que pode ser vsto como uma arvore bnára quase completa de n nós tal que

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Guia 11 Escalonamento de Mensagens

Guia 11 Escalonamento de Mensagens Até esta altura, temos abordado prncpalmente questões relaconadas com escalonamento de tarefas a serem executadas num únco processador. No entanto, é necessáro consderar o caso de sstemas tempo-real dstrbuídos,

Leia mais

4. VARIÁVEIS COMPOSTAS

4. VARIÁVEIS COMPOSTAS 4. VARIÁVEIS COMPOSTAS Até o momento, vmos apenas varáves que são utlzadas para o armazenamento de dados smples. Entretanto, as varáves podem ser compostas, formadas por uma ou mas posções (campos ou entradas),

Leia mais