4. ESTÁTICA E PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS 4.1. INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. ESTÁTICA E PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS 4.1. INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 4. ESTÁTICA E PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS 4.1. INTRODUÇÃO Na Estátca, estuda-se o equlíbro dos corpos sob ação de esforços nvarantes com o tempo. Em cursos ntrodutóros de Mecânca, esse é, va de regra, um dos prmeros tópcos dscutdos, quase sempre em termos da prmera le de Newton para uma partícula e suas váras extensões para a translação e a rotação de corpos rígdos. Por essa abordagem, as condções de equlíbro estão assocadas com somatóros de forças e momentos, somatóros esses que são gualados a zero. Embora esses métodos seam relatvamente smples e funconem bem para problemas elementares, há uma outra abordagem que, no caso de componentes de máqunas, é frequentemente superor. Essa abordagem alternatva recorre ao assm chamado prncípo dos trabalhos vrtuas. Esse prncípo é o mas antgo dos chamados prncípos de energa da Mecânca. Embora sea especalmente útl no estudo de mecansmos, é comumente (e nfelzmente!) omtdo dos currículos dos cursos de Engenhara Mecânca. Os problemas de Estátca podem ser classfcados em dos tpos, dependendo de se a geometra assocada é constante ou não. No prmero tpo, nota-se que a geometra da confguração de equlíbro de um corpo, após a aplcação das forças, é aproxmadamente a mesma de antes dessa aplcação. Váras estruturas cvs, tas como pontes, torres e represas, são exemplos desse tpo. O segundo tpo dz respeto aos casos em que a geometra da confguração de equlíbro pode ser sgnfcatvamente dferente daquela de antes da aplcação das forças. Máqunas e seus componentes são exemplos partculares desse tpo. Problemas assm são frequentemente dfíces de se resolver através da prmera le de Newton, ao passo que o prncípo dos trabalhos vrtuas, aplcável aos dos tpos, é especalmente adequado para esse segundo tpo. As seções subsequentes apresentarão o prncípo dos trabalhos vrtuas para, a segur, se dscutr sua aplcação na análse estátca de mecansmos. 4.. DESLOCAMENTOS VIRTUAIS O prncípo dos trabalhos vrtuas permte a formulação das condções de equlíbro em termos do trabalho, que é uma grandeza escalar. Assume-se que o conceto de trabalho sea famlar. O mesmo não se aplca, contudo, ao termo vrtual. Assm, antes da enuncação do prncípo dos trabalhos vrtuas, algumas defnções e nformações prelmnares precsam ser consderadas. Um conunto de deslocamentos vrtuas (ou smplesmente varações de deslocamentos) é composto de deslocamentos que gozam das seguntes característcas:

2 1. São pequenos (sto é, parcelas de segunda ordem, ou superor, de uma expansão em sére de Taylor são desprezáves).. São arbtráros, mas compatíves com os vínculos nternos e externos do sstema mecânco. Traduzndo este fato para um corpo elástco, dz-se que as condções de contorno geométrcas (vínculos externos) são respetadas e que a confguração assumda pelo corpo é tal que sua contnudade também é respetada, sto é, ela não apresenta fssura ou outros vazos. 3. São deslocamentos da posção verdadera do sstema mecânco (por exemplo, deslocamentos da posção de equlíbro estátco, ou da traetóra verdadera de cada ponto do sstema, num dado nstante). 4. São dferencas, satsfazendo, pos, as regras da dferencação, comuns ao cálculo nfntesmal. 5. Não são deslocamentos verdaderos, sto é, são vrtuas. Esta é, geralmente, a característca que mas confunde. Dzer que não são deslocamentos verdaderos equvale a dzer que não ocorrem efetvamente, sendo, assm, magnáros, ou vrtuas. Portanto, não exste varação de tempo assocada a esses deslocamentos, ou sea, o tempo transcorrdo durante sua ocorrênca é nulo. Para lembrar esta característca, são ordnaramente representados por, em vez de d. A hpótese da compatbldade dos deslocamentos vrtuas com os vínculos sgnfca que as equações de vínculo 4.1, quas seam, k 1 1 p p k f,,..., c, k 1,p n. (4.1) devem ser satsfetas. Acma, f k é uma das (p-n) equações 1. e coordenadas, devdo ao deslocamento vrtual (ou varação) do sstema. são varações vrtuas das Expandndo as equações 4.1 em sére de Taylor e desprezando os termos de ordem segunda e superores (deslocamentos vrtuas pequenos), tem-se p fk k 1 p k 1 f,,..., c, k 1,p n. (4.) Comparando as expressões 1. e 4., chega-se à conclusão de que p fk 0, k 1,p n. (4.3) 1 A expressão 4.3 é uma condção necessára para que os deslocamentos, 1,p, seam compatíves com os vínculos assocados às expressões 1..

3 Nota-se que os deslocamentos (ou varações), = 1, p, são arbtráros, mas não são ndependentes (vde Eq. 4.3). Isto decorre do fato de que as não são coordenadas generalzadas p n, ou sea, não são lnearmente ndependentes. Se as coordenadas na Eq. 1. fossem dependentes do tempo e, mas anda, se o tempo fgurasse como uma varável explícta, ter-se-a k 1 p k f t,..., t, t c, k 1,p n, (4.4) como condções de vínculo. Para um conunto de deslocamentos vrtuas, sera anda possível escrever que k 1 1 p p k f t t,..., t t, t c, k 1,p n, (4.5) devdo à compatbldade dos deslocamentos vrtuas com os vínculos. De novo, desenvolvendo as equações 4.5 em sére de Taylor e desprezando os termos de ordem dos ou acma, tem-se que p fk k 1 p k 1 (t) f (t),..., (t), t (t) c, (4.6) donde se conclu que p fk (t) 0, (4.7) 1 (t) Nota-se anda que, no desenvolvmento da Eq. 4.6, a varável tempo não fo consderada (ou sea, não aparece o termo f / t t ), á que não exste assocação de tempo com os deslocamentos vrtuas. k 4.3. PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS FORMULAÇÃO VETORIAL O prncípo dos trabalhos vrtuas será estabelecdo para um sstema de partículas. A sua generalzação para sstemas com corpos rígdos e/ou elástcos será medata, como se verá adante. Tome-se, pos, uma partícula m de um sstema de partículas, sto é, um sstema consttuído de pontos materas lgados entre s de forma arbtrára, como lustrado na fgura 4.1. Indcando as grandezas vetoras por letras em negrto (como será feto daqu em dante), sea todas as forças que atuam em m. Se a partícula estver em equlíbro estátco, R a resultante de R será nula.

4 Fgura 4.1 Sstema de partículas Uma forma equvalente de se dzer sto é afrmando que o trabalho executado por esta força (nula) ao longo de um deslocamento vrtual é nulo. Ou sea, R r 0. (4.8) onde o símbolo sgnfca produto escalar entre os vetores De um modo geral, R e r. R resulta da soma vetoral de forças externas aplcadas F e forças de nteração f entre as partes do sstema. Portanto, para as N partículas do sstema, tem-se que N F f r 0, (4.9) 1 Como as forças de nteração ocorrem aos pares, de forma colnear, seu trabalho vrtual, para o sstema global, é nulo. Ou sea, N f r 0. Assm sendo, 1 N F r 0, (4.10) 1 A expressão 4.10 é uma representação do prncípo dos trabalhos vrtuas aplcado a um sstema de partículas e dz que se um sstema de forças está em equlíbro, o trabalho vrtual (sto é, devdo a um conunto de deslocamentos vrtuas) das forças aplcadas é nulo PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS FORMULAÇÃO EM COORDENADAS GENERALIZADAS A expressão 4.10 pode ser escrta em função de coordenadas generalzadas, permtndo um aprofundamento de sua compreensão. Se as coordenadas generalzadas descrevem a confguração do sstema, então pode-se escrever, para o sstema, que as posções das partículas são dadas por

5 1 n r r q,q,...q, 1, N. (4.11) Consequentemente, n r 1 q r q (4.1) e a Eq passa a ser dada por ou onde N n F r q 0. q 1 1 Alterando a ordem dos somatóros na expressão acma, obtém-se n N r q 0 F, (4.13) 1 1 q n f q 0 (4.14) 1 N r F (4.15) 1 q f, 1, n. As f, 1,n são dtas forças generalzadas, assocadas, respectvamente, às coordenadas generalzadas q, 1,n. Um sstema com n graus de lberdade tem, pos, n forças generalzadas. As expressões 4.13, ou 4.14, representam o prncípo dos trabalhos vrtuas em coordenadas generalzadas. Como as varações serão satsfetas apenas se, respectvamente, q, 1,n são ndependentes e arbtráras, essas expressões N r F 0, 1,n, (4.16) 1 q ou f 0, 1,n. (4.17) As expressões 4.16, ou 4.17, representam um sstema de n equações em n ncógntas. Quando resolvdo, ele fornece as coordenadas q, 1, n, em função das forças externas aplcadas. Essas equações são, pos, equações de equlíbro estátco. Vê-se, dessa forma, que o

6 prncípo dos trabalhos vrtuas conduz dretamente às condções de equlíbro em função de coordenadas generalzadas. Quando essas condções são resolvdas, obtém-se a confguração espacal de equlíbro do sstema. Face ao exposto, pode-se enuncar o prncípo dos trabalhos vrtuas da segunte forma: De todas as confgurações espacas possíves de um sstema mecânco, respetadas as condções de compatbldade nterna e externa, a confguração de equlíbro é aquela a partr da qual um conunto de deslocamentos vrtuas corresponde a um trabalho vrtual total gual a zero. Este mportante prncípo será agora lustrado com alguns exemplos smples. Exemplo 1: Para o pêndulo duplo da fgura 4., determnar as forças generalzadas a partr da expressão vetoral 4.15, sendo 1 e as coordenadas generalzadas. Da fgura 4., decorre que Fgura 4. Pêndulo duplo F P m g ; F P m g; r l sen l cos ; r l sen l sen + l cos l cos r1 r Como f1 F1 F, tem-se que 1 1 f P m g l cos l sen P m g l cos l sen f P P l cos m m gl sen. (a)

7 r r F F, de modo que 1 Já f 1 0 f P m g P m g l cos l sen, 1 1 modo que f Pl cos mgl sen. (b) As equações de equlíbro são obtdas anulando f1 e f, conforme ndcado por 4.17, de P P cos m m g sen (c) P cos m g sen. (d) Supondo agora 1 e pequenos (em radanos), obtêm-se as expressões acma em forma lnear, quas seam m m g P P (e) m g P. (f) Uma vez conhecdos m 1,m, P1 e P, podem ser determnados, a partr das equações (c) e (d), ou (e) e (f), acma, os valores de 1 e, sto é, a confguração de equlíbro elástco. Exemplo : Para o exemplo anteror, determnar as equações de equlíbro dretamente da expressão vetoral do prncípo dos trabalhos vrtuas, qual sea, a expressão A expressão 4.10 estabelece que N F r 0. 1 Substtundo as expressões do exemplo anteror, tem-se que P 1 m 1 g l 1 c os 1 1 l 1 sen 11 P m g l cos l cos l sen l sen P l cos m gl sen Agrupando os termos, resulta que P l cos l cos m g l sen l sen

8 P l cos P l cos m gl sen m gl sen P l cos m gl sen Como 1 e são ndependentes, os seus fatores são nulos. Logo, P P l c os m m gl sen Pl cos mgl sen 0, que são as expressões á obtdas no exemplo anteror. Exemplo 3: A fgura 4.3(a) mostra um sstema mecânco em equlíbro antes da aplcação do carregamento externo P e, mas abaxo, uma possível (sto é, compatível) confguração deformada, após a aplcação da carga P. Já a fgura 4.3(b) mostra detalhes das forças atuantes. Obter as condções do novo equlíbro estátco, em função das coordenadas generalzadas x e. Fgura 4.3 Sstema com dos graus de lberdade Os trabalho vrtuas, a partr da confguração deformada (fgura 4.3a) são k x x P x asen k x Lsen x Lsen 0. 1 Como os operadores seguem as regras da dferencação, tem-se que k x x P. x a cos k x Lsen x Lcos 0. 1 Agrupando os termos para as varações comuns, obtêm-se 1 k k x k Lsen P x k xl cos k L sen cos Pa cos 0.

9 A equação acma exprme o prncípo dos trabalhos vrtuas escrto em função das coordenadas generalzadas x e e corresponde à expressão Como x e são ndependentes (pos x e são coordenadas generalzadas), decorre que k k x k Lsen P 0 (g) 1 k Lx cos k L sen cos Pa cos 0. (h) As expressões acma correspondem às expressões 4.17 e são equações de equlíbro que, se resolvdas, fornecem a confguração (x, ) em função do carregamento assocado. Partndo agora para a lnearzação das equações, nota-se que x e são nulos nas condções ncas de equlíbro, sto é, na orgem. Esta é uma das condções necessáras para a lnearzação das equações dferencas. Supondo que x e seam pequenos, as molas k1 e k não ultrapassarão o regme elástco lnear, onde vale a le de Hooke. Por outro lado, pequeno sgnfca sen e cos 1, sendo o ângulo expresso em radanos. Nessas condções, as equações acma tornam-se Em forma matrcal, tem-se k k x k L P () 1 k Lx k L Pa. () k1 k kl x P. k Pa L kl 4.5. O PRINCÍPIO DA MÍNIMA ENERGIA POTENCIAL Sea o caso partcular em que o sstema de forças (em equlíbro) que atua sobre uma partícula sea conservatvo. Neste caso, exste uma função, denomnada energa potencal, cua varação (ou sea, algo de caráter vrtual) pode ser escrta da segunte forma: V F r. (4.18) Mas 0 (prncípo dos trabalhos vrtuas). Logo, se o sstema de forças for conservatvo, V 0. (4.19) Assm, se V for uma função das coordenadas x, y e z, ou sea, V(x, y, z), tem-se que V V V V x y z 0. (4.0) x y z

10 Na expressão 4.0, x, y e z são arbtráros, mas compatíves com a vnculação do sstema. Além de arbtráros, x, y e z também são ndependentes. Assm, a expressão 4.0 será satsfeta se e somente se valerem as seguntes relações: V V V 0; 0; 0 x y z. (4.1) As expressões 4.0 são exatamente as condções para que V tenha um valor dto estaconáro. Caso este valor sea um mínmo, as expressões 4.0 dão as condções de equlíbro estável à translação nas dreções x, y e z. A extensão do que fo dto acma para um sstema de partículas é medata. Caso o sstema comporte corpos rígdos, a extensão é também medata, bastando consderar a adção de coordenadas rotaconas e o trabalho executado por momentos externos. As expressões 4.0 representam o prncípo da mínma energa potencal, que dz: Dentre todas as confgurações espacas de um sstema mecânco, confgurações estas que satsfazem as condções de vínculo do sstema (ou sea, que satsfazem as condções de compatbldade nterna e condções geométrcas de contorno), aquelas confgurações que satsfazem as condções de equlíbro tornam a energa potencal estaconára. Se este valor estaconáro for mínmo, o equlíbro é estável. É altamente convenente escrever expressões equvalentes às expressões 4.0 em coordenadas generalzadas. Ou sea, escrever o prncípo em questão em coordenadas generalzadas. Lembrando que V é uma função escalar da confguração do sstema, pode-se escrever que 1 n V V q,...,q, (4.) onde q 1,...,q n são as coordenadas generalzadas do sstema mecânco. Uma vez que as varações seguem as les da dferencação, decorre que n V q. (4.3) 1 q V O equlíbro mplca a estaconardade de V, sto é, V 0. Esta condção só é satsfeta se todas as dervadas parcas em 4.3 forem nulas, posto que os que as q são coordenadas generalzadas). Assm sendo, q são ndependentes (recorda-se V 0 ; 1,n. (4.4) q

11 As expressões 4.4 são as condções de equlíbro do sstema mecânco em coordenadas generalzadas. Defnem, pos, a confguração de equlíbro do sstema. Nesse caso, as ncógntas são as n coordenadas generalzadas do sstema. Nota-se que V / q, 1,n, representa a -ésma força generalzada conservatva em equlíbro. Esta afrmação decorre da comparação da expressão 4.16 com a 4.4. Como as equações são necessaramente equvalentes, conclu-se que f V / q 0, 1,n, no equlíbro. Exemplo 4: Determnar as condções de equlíbro estátco do sstema da fgura 4.3, usando o prncípo da mínma energa potencal. Consderar a força P como conservatva. A energa potencal do sstema, face à defnção apresentada acma, vale 1 1 V x, k1x k x Lsen Px a sen. Pelo prncípo da mínma energa potencal, tem-se que V x, k1x k x Lsen P 0 x V x, k x Lsen Lcos Pa cos 0. É fácl verfcar que estas expressões são dêntcas àquelas obtdas pelo prncípo dos trabalhos vrtuas. Caso não se tenha equlíbro, as dervadas V / q, 1,n, não são, todas, guas a zero. De fato, o trabalho vrtual das forças conservatvas é sempre gual ao negatvo da varação da energa potencal, de modo que V. (4.5) c Mas, de acordo com a exposção feta na seção anteror, n f q, (4.6) c c 1 onde o índce c sgnfca conservatvo. Assm, conservatva. Das expressões (4.3), (4.5) e (4.6), decorre que n V f q q c 1 1 q n f c representa a -ésma força generalzada

12 Como as coordenadas q, 1,n são ndependentes, conclu-se que V f c ; 1, n q (4.7) Caso se tenha equlíbro estátco, a expressão 4.4 é válda, o que mplca dzer que as forças generalzadas conservatvas são nulas nas condções de equlíbro estátco. Caso o sstema tratado no exemplo 3 não estvesse em equlíbro estátco, as forças generalzadas conservatvas (que ncluem as forças aplcadas externas) seram dadas por xc 1 f k x k x Lsen P (k) f k x Lsen L cos Pa cos c. (l) Exemplo 5: Consdere-se o sstema da fgura 4.4(a) em equlíbro, e tome-se, nestas condções, V 0. Fgura 4.4 Sstema com um grau de lberdade Suponha agora que uma força (externa e constante) F sea aplcada, gerando a stuação mostrada na fgura 4.4(b). A energa potencal será 1 V kx Fx. A força generalzada conservatva assocada à coordenada x será V fxc kx F. (m) x

13 Os dos exemplos anterores mostram que as forças generalzadas conservatvas podem ser consderadas como compostas de duas parcelas, a saber: (1) uma exclusvamente devda às forças elástcas e () outra devda às forças aplcadas por fontes externas. Em símbolos, tem-se que f c V q e Vf q (4.8) ou f c f e f f, (4.9) onde o índce e se refere a forças elástcas e o índce f a fontes de forças externas. Esta relação será usada, no próxmo capítulo, na apresentação das equações de Lagrange, vsando o estudo da dnâmca de mecansmos APLICAÇÕES DO PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS EM MECANISMOS Nesta seção, serão dscutdas aplcações do prncípo dos trabalhos vrtuas em mecansmos. Exemplo 6 Mecansmo manvela-alavanca: Sea o mecansmo manvela-alavanca lustrado na fgura 4.5. Os esforços aplcados ao sstema, e que podem realzar trabalho vrtual, são a força vertcal F, que age na extremdade da alavanca, e o momento M, que age na manvela. O sstema está em equlíbro sob a ação desses esforços. Determnar a relação entre F, M e a varável prmára (coordenada generalzada) q na condção de equlíbro estátco. As varáves A e X, ndcadas na fgura 4.5, são varáves secundáras. Fgura 4.5 Mecansmo manvela-alavanca Nesse caso, os trabalho vrtuas são dados por Mq FY 0

14 Nota-se que o trabalho realzado pelo momento M é postvo, uma vez que M e q estão no mesmo sentdo. Já o trabalho da pela força F é negatvo, posto que F e Y estão em sentdos opostos. O mecansmo em tela tem um grau de lberdade, assocado com a coordenada q. Deve haver, portanto, uma relação cnemátca entre q e Y, que poderá ser obtda das equações de posção. As equações de posção são Elmnando X, obtém-se A, de modo que X cos A R cosq C 0 XsenA Rsenq 0 tga Rsenq C R cosq Como a coordenada Y é relaconada à coordenada A por Y LsenA, fca, então, estabelecda a relação, anda que ndreta, entre Y e q. Um deslocamento vrtual em Y é requerdo na expressão dos trabalhos vrtuas e sso demanda uma expressão para um deslocamento vrtual em A em função do deslocamento vrtual da coordenada generalzada q. Esses deslocamentos podem ser obtdos da segunte forma: da CR cos q R A q Kaq q dq C CR cos q R dy CR cosq R Y A Lcos AA L cos A q da C CR cos q R O coefcente de q pode ser nterpretado como o coefcente de velocdade Com a expressão para Y donde resulta que Ky, a expressão dos trabalhos vrtuas pode ser escrta como CR cos q R Mq FLcos A q 0 C CR cosq R dy dq. CR cosq R M FLcos A 0 C CR cosq R Essa equação envolve M, F, A e q. Antes, á se hava relaconado A e q. Se o momento M e a força F são dados, os ângulos q e A podem ser obtdos a partr dessas duas equações. Determnase, assm, a confguração de equlíbro estátco do mecansmo.

15 Exemplo 7 Mecansmo bela-manvela: No mecansmo bela-manvela da fgura 4.6, a bela se estende de uma dstânca H além da conexão com a manvela. O sstema está em equlíbro sob ação das forças F 1 e F e do torque C. O sstema possu um grau de lberdade, assocado com a varável prmára q, ao passo que X 1, X e A são varáves secundáras. Determnar a força F, na extremdade da bela, em termos de F 1, C, A, q e do coefcente de velocdade K a. Fgura 4.6 Mecansmo bela-manvela A expressão dos trabalhos vrtuas para o mecansmo em questão é F1 X1 FX C q ao passo que os deslocamentos vrtuas X 1 e X podem ser expressos por o que mplca 1 X R cos q Lcos A Rsenqq LsenAA da (Rsenqq LsenA q) (Rsenq LKasenA) q ; dq X H cos A R cosq HsenAA Rsenqq a Rsenqq HK senaq (Rsenq HK sena) q. Assm sendo, decorre, da expressão dos trabalhos vrtuas, que F Rsenq LK sena q F (Rsenq HK sena) q Cq 0 1 a a 1 a a F Rsenq LK sena F (Rsenq HK sena) C 0 Da expressão acma, resulta que C F1 Rsenq LKasenA F Rsenq HK sena a a

16 O coefcente de velocdade verfca que Rsenq LsenA, de sorte que e, portanto, K a pode ser obtdo a partr da observação da fgura 4.6, onde se Rsenq A arcsen L da R cosq R cos q Ka. dq L R sen q Lcos A FONTES Mechancs of Machnes, S. Doughty, Wley, 1988; Fundamentos de Vbrações, J. J. de Espíndola, UFSC, 004.

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ ANÁISE MATRICIA DE ESTRUTURAS DE BARRAS PEO MÉTODO DE RIGIDEZ A análse matrcal de estruturas pelo método de rgdez compreende o estudo de cnco modelos estruturas báscos: trelça plana, trelça espacal, pórtco

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Sistemas de equações lineares

Sistemas de equações lineares Sstemas - ALGA - / Sstemas de equações lneares Uma equação lnear nas ncógntas ou varáves x ; x ; :::; x n é uma expressão da forma: a x + a x + ::: + a n x n = b onde a ; a ; :::; a n ; b são constantes

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

O que heterocedasticidade? Heterocedasticidade. Por que se preocupar com heterocedasticidade? Exemplo de heterocedasticidade.

O que heterocedasticidade? Heterocedasticidade. Por que se preocupar com heterocedasticidade? Exemplo de heterocedasticidade. Heterocedastcdade y = β 0 + β + β + β k k + u O que heterocedastcdade? Lembre-se da hpótese de homocedastcdade: condconal às varáves eplcatvas, a varânca do erro, u, é constante Se sso não for verdade,

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL

DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL DISTRIBUIÇÃO DA AÇÃO DO VENTO NOS ELEMENTOS DE CONTRAVENTAMENTO CONSIDERANDO O PAVIMENTO COMO DIAFRAGMA RÍGIDO: ANÁLISE SIMPLIFICADA E MATRICIAL Dstrbuton of the wnd acton n the bracng elements consderng

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO DE CENTRO DE GRAVIDADE NOS LIVROS DIDÁTICOS

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO DE CENTRO DE GRAVIDADE NOS LIVROS DIDÁTICOS Cênca & Ensno, vol. 2, n. 2, junho de 2008 ARTIGOS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO DE CENTRO DE GRAVIDADE NOS LIVROS DIDÁTICOS André K. T. Asss e Fábo. M. d. M. Ravanell O Centro de Gravdade O centro de gravdade

Leia mais

F-328 Física Geral III

F-328 Física Geral III F-328 Físca Geral III Aula exploratóra- 06 UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br F328 2 o Semestre de 2013 1 Corrente elétrca e resstênca Defnção de corrente: Δq = dq = t+δt Undade de corrente: 1 Ampère =

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS Físca Arqutectura Pasagístca Análse de erros ANÁLISE DE ERROS A ervação de u fenóeno físco não é copleta se não puderos quantfcá-lo Para é sso é necessáro edr ua propredade físca O processo de edda consste

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

A esse tipo de tabela, cujos elementos não foram numericamente organizados, denominamos tabela primitiva.

A esse tipo de tabela, cujos elementos não foram numericamente organizados, denominamos tabela primitiva. Dstrbução de Frequênca Tabela prmtva ROL Suponhamos termos feto uma coleta de dados relatvos à estaturas de quarenta alunos, que compõem uma amostra dos alunos de um colégo A, resultando a segunte tabela

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIÊNCI 04 LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNU 1. OBJETIVOS a) Determnar a força eletromotrz e a resstênca nterna de uma batera em um crcuto de malha únca. b) Calcular a resstênca nterna

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I Departamento de Engenhara Cvl e rqutectura Secção de Mecânca Estrutural e Estruturas Mestrado em Engenhara Cvl MECÂNIC I pontamentos sobre equlíbro de estruturas Eduardo Perera Luís Guerrero 2009/2010

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Em muitas aplicações, estamos interessados em subgrafos especiais de um determinado grafo.

Em muitas aplicações, estamos interessados em subgrafos especiais de um determinado grafo. .4 Árvores Geradoras Em mutas aplcações estamos nteressados em subgrafos especas de um determnado grafo. Defnção Árvore Geradora - uma árvore T é chamada de árvore geradora de um grafo G se T é um subgrafo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i 6 Prodto Vetoral Para defnrmos o prodto etoral entre dos etores é ndspensáel dstngrmos o qe são bases postas e bases negatas Para sso consderemos ma base do espaço { } e m obserador Este obserador dee

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

MÉTODO DE FIBONACCI. L, em que L

MÉTODO DE FIBONACCI. L, em que L Métodos de bonacc e da Seção Aúrea Adotando a notação: MÉTODO DE IBOACCI L e L L, em que L b a, resulta a: ncal orma Recursva: ara,,, - (-a) ou ara,,, - (-b) A esta equação se assoca a condção de contorno

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Probabilidade: Diagramas de Árvore

Probabilidade: Diagramas de Árvore Probabldade: Dagramas de Árvore Ana Mara Lma de Faras Departamento de Estatístca (GET/UFF) Introdução Nesse texto apresentaremos, de forma resumda, concetos e propredades báscas sobre probabldade condconal

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988 ABNT-Assocação Braslera de Normas Técncas Sede: Ro de Janero Av. Treze de Mao, 13-28º andar CEP 20003 - Caxa Postal 1680 Ro de Janero - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnar 7 de setembro de Notas de Aula de Físca 7. TRABAO E ENERGIA CINÉTICA... MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO COM FORÇA CONSTANTE... TRABAO EXECUTADO POR UMA FORÇA VARIÁVE... Análse undmensonal...

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS TE0 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS Números Complexos Introdução hstórca. Os números naturas, nteros, raconas, rraconas e reas. A necessdade dos números complexos. Sua relação com o mundo

Leia mais

Adaptação por fluência: uma aplicação real pelo processo dos deslocamentos

Adaptação por fluência: uma aplicação real pelo processo dos deslocamentos Insttuto Braslero do Concreto. daptação por fluênca: uma aplcação real pelo processo dos deslocamentos Ierê Martns da Slva (1); Ru Nohro Oyamada (); ndrea kem Yamasak (3); dth Slvana maury de Soua Tanaka

Leia mais

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos Conteúdo 4 - Impulsos elétrcos e fenômenos bológcos 4.1 Introdução Os seres vvos, em sua grande maora, são compostos majortaramente por água. A água é uma materal que na presença de certos sas se comporta

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Capítulo 4 CONSERVAÇÃO DA MASSA E DA ENERGIA

Capítulo 4 CONSERVAÇÃO DA MASSA E DA ENERGIA Capítulo 4 COSERAÇÃO DA MASSA E DA EERGIA 4.1. Equações para um Sstema Fechao 4.1.1. Defnções Consere o volume materal e uma aa substânca composta por espéces químcas lustrao na Fgura 4.1, one caa espéce

Leia mais

MODELO DE SUSPENSÃO MacPHERSON UTILIZANDO TRANSFORMADORES CINEMÁTICOS

MODELO DE SUSPENSÃO MacPHERSON UTILIZANDO TRANSFORMADORES CINEMÁTICOS MODELO DE SUSPENSÃO MacPHESON UTILIZANDO TANSFOMADOES CINEMÁTICOS Jorge A. M. Gós e-mal: jamg@eq.me.eb.br Clódo A. P. Sarzeto e-mal: de4sarzet@eq.me.eb.br Insttuto Mltar de Engenhara, Deartamento de Engenhara

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Determinantes. De nição de determinante de uma matriz quadrada. Determinantes - ALGA - 2004/05 15

Determinantes. De nição de determinante de uma matriz quadrada. Determinantes - ALGA - 2004/05 15 Determnantes - ALGA - 004/05 15 Permutações Determnantes Seja n N Uma permutação p = (p 1 ; p ; : : : ; p n ) do conjunto f1; ; ; ng é um arranjo dos n números em alguma ordem, sem repetções ou omssões

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Comprimento de Arco. Comprimento de Arco

Comprimento de Arco. Comprimento de Arco UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Comprmento de Arco

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral Establdade de Lyapunov e Propredades Globas para Modelo de Dnâmca Vral Nara Bobko Insttuto de Matemátca Pura e Aplcada 22460-320, Estrada Dona Castorna, Ro de Janero - RJ E-mal: narabobko@gmal.com. Resumo:

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

2. BACIA HIDROGRÁFICA

2. BACIA HIDROGRÁFICA . BACIA HIDROGRÁFICA.1. GENERALIDADES Embora a quantdade de água exstente no planeta seja constante e o cclo em nível global possa ser consderado fechado, os balanços hídrcos quase sempre se aplcam a undades

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Unversdade Federal da Baha Insttuto de Físca Departamento de Físca da Terra e do Meo Ambente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Físca I SALVADOR, BAHIA 013 1 Prefáco Esta apostla é destnada

Leia mais

MODELO DO MERCADO MONETÁRIO 6 Modelo Matemático

MODELO DO MERCADO MONETÁRIO 6 Modelo Matemático Auxílos vsuas para o ensno de acroeconoma e para o lvro: José Alfredo A Lete - ACROECONOIA - Edtora Atlas, São Paulo, 2000 ODELO DO ERCADO ONETÁRIO 6 odelo atemátco 1. ercado de oeda a) Defnção de oeda:

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Manual dos Indicadores de Qualidade 2011

Manual dos Indicadores de Qualidade 2011 Manual dos Indcadores de Qualdade 2011 1 Dretora de Avalação da Educação Superor Clauda Maffn Grbosk Coordenação Geral de Controle de Qualdade da Educação Superor Stela Mara Meneghel Equpe Técnca: José

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

Análise de Variância. Introdução. Rejane Sobrino Pinheiro Tania Guillén de Torres

Análise de Variância. Introdução. Rejane Sobrino Pinheiro Tania Guillén de Torres Análse de Varânca Rejane Sobrno Pnhero Tana Gullén de Torres Análse de Varânca Introdução Modelos de análse de varânca consttuem uma classe de modelos que relaconam uma varável resposta contínua com varáves

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA CAPÍTULO 5 A COMPONENTE IMÉTICA INTANTÂNEA E A MÁQUINA IMÉTICA 5. INTODUÇÃO O emprego das componentes smétrcas nstantâneas permte a obtenção de modelos mas smples que aqueles obtdos com a transformação

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

CAPÍTULO 7 - ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS

CAPÍTULO 7 - ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS CAPÍTULO 7 - ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS Nos capítulos anterores analsaram-se város modelos usados na avalação de manancas, tendo-se defndo os respectvos parâmetros. Nas correspondentes fchas de exercícos

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais