Índice do catálogo. Rolamentos de rolos cilíndricos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice do catálogo. Rolamentos de rolos cilíndricos"

Transcrição

1 Ínice o catálogo e olamentos e olos cilínicos Visão geal a Timken... 2 Política e tempo e estoque... 6 Intoução aos olamentos e olos cilínicos Engenhaia Tipos e olamento e pota-olos Toleâncias no sistema mético Nomas e montagem, ajuste, encaixe e instalação Ajustes o eixo e o mancal Tempeatuas opeacionais Geação e issipação e calo Toque Lubificação Rolamentos e olos cilínicos Intoução Nomenclatua Séie mética ISO e uma caeia Séie paão e uma caeia omplemento total (N) uas caeias Quato caeias Séie HJ Anéis intenos Séie mética 5200, A ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN 1

2 TIMKEN Visão geal A TIMKEN. PRESENTE EM TOO MOVIMENTO. Recoa à Timken paa ultapassa os concoentes e estacase como líe no seu seto. Quano você conta com a Timken ecebe mais o que poutos e seviços e alta qualiae; você tem acesso a uma equipe munial e colaboaoes altamente teinaos e expeientes, pontos paa ajuá-lo a maximiza a poutiviae a sua empesa e o euzi o tempo e paaa. Seja com um conjunto e olamento e oas paa veículos leves ou olamentos pepaaos paa um equipamento e pefuação e petóleo em águas pofunas, seviços e epaos paa olamentos feoviáios ou aço paa o eixo e um moto e aeonave, nós fonecemos poutos e seviços que ajuam a mante o muno em movimento. SOLUÇÕES paa o geenciamento o ATRITO UMA AORAGEM GLOAL O SISTEMA Seu seto está sujeito a constantes muanças, a evolução os sistemas avançaos e contole e movimento às emanas os seus clientes. Recoa à Timken paa pemanece à fente as tenências. Usamos o nosso know-how em geenciamento o atito paa ofeece soluções que maximizam o esempenho, a economia e combustível e a via útil o equipamento. Também ofeecemos seviços integaos que vão muito além e olamentos, incluino sistemas e seviços paa monitoamento e conição, coificaoes e sensoes, veações, lubificantes pemium e lubificaoes. A gane vaieae e soluções paa geenciamento o atito a Timken poe inclui avaliações e too o seu sistema, não apenas componentes iniviuais. Isso ofeece soluções econômicas ajuano a alcança objetivos específicos a aplicação. Tabalhano juntos, ajuamos você a atene a essas emanas e gaanti que toos os seus sistemas funcionem suavemente. 2 atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken

3 TIMKEN Visão geal A TENOLOGIA QUE MOVE O MUNO Inovação é um os nossos valoes pincipais. Somos conhecios pela nossa capaciae e esolve esafios e engenhaia. Nosso foco é a melhoia e esempenho nas aplicações mais ifíceis e nossa paixão é cia soluções e seviços técnicos que ajuam o seu equipamento a funciona e foma mais ápia, obusta, egula e eficiente. Paa faze isso, investimos em: Pessoas, ataino e contatano estuantes e engenhaia, engenheios e especialistas e too o muno que sejam a áea e tansmissão e potência mecânica, esenhos e olamentos, tibologia, metalugia, poução e aço limpo, manufatua e pecisão, metologia e tecnologia e acabamento supeficial e evestimentos. eamentas, incluino laboatóios, computaoes e equipamentos e poução e última geação. utuo, ientificano novos conceitos que façam e você um estaque no seu seto nos póximos anos. Nosso investimento constante em ativiaes e pesquisa e esenvolvimento nos pemite aumenta nossa capaciae e expani nosso potfólio e poutos e seviços, agegano valo a longo pazo. Estamos compometios com a busca e novos caminhos paa a sustentabiliae o sistema. Na áea e ensiae e potência, estamos ciano sistemas em que substituímos componentes ganes e incômoos po olamentos menoes e mais eficientes paa contibui paa a melhoa o esempenho o sistema. One que que você esteja, poeá conta conosco nos centos e tecnologia na Améica o Note, Euopa e Ásia, além e nossas instalações e poução e escitóios nos seis continentes, paa esenvolve ieias e ecusos paa tansfoma seus conceitos em ealiae. atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken 3

4 TIMKEN Visão geal A UMA MARA NA QUAL VOÊ POE ONIAR A maca Timken é sinônimo e qualiae, inovação e confiabiliae. Temos ogulho a qualiae o nosso tabalho e você tem a tanquiliae e sabe que caa caixa contém um pouto no qual o mecao confia. omo já isse nosso funao, Heny Timken, Não coloque o seu nome em algo que possa vi a envegonhá-lo. ontinuamos com essa mentaliae atavés o TQMS (Sistema e geenciamento a qualiae a Timken). om o TQMS, pomovemos melhoias contínuas a qualiae nos nossos poutos e seviços paa nossas opeações globais e ees a caeia e supimentos. Ele nos ajua a gaanti a aplicação coeente as nomas e geenciamento a qualiae em toa a empesa. Também egistamos caa uma as nossas instalações e poução e centos e istibuição paa os paões e sistema e qualiae apopiaos aos setoes po eles atenios. Sobe THE Timken ompany A Timken ompany mantém o muno giano com poutos e seviços inovaoes paa geenciamento o atito e tansmissão e potência que são cíticos paa ajua os equipamentos inustiais a funcionaem e foma eficiente e confiável. om venas e US$ 5,2 bilhões em 2011, opeano em 30 países e com apoximaamente 30 mil funcionáios, a Timken está pesente em too movimento po um esempenho melho. 4 atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken

5 TIMKEN Visão geal A SORE ESTE ATÁLOGO A Timken ofeece uma ampla linha e olamentos e acessóios em ivesos tamanhos nas imensões mética e polegaa. Paa sua conveniência, as faixas e tamanho são inicaas em milímetos e também em polegaas. Ente em contato com o epesentante e venas a Timken paa sabe mais sobe nossa linha completa paa atene as necessiaes especiais e sua aplicação. OMO USAR ESTE ATÁLOGO Nosso compomisso é fonece a nossos clientes atenimento e qualiae máxima. Este catálogo contém imensões, toleâncias e capaciaes e cagas, além e uma seção e engenhaia que esceve as nomas e ajuste e eixos e mancais, folgas intenas, mateiais e outas caacteísticas os olamentos. Ela poe se e valiosa assistência no pocesso inicial e consieação o tipo e caacteísticas o olamento mais aequao às suas necessiaes específicas. Too o empenho possível foi empegao paa assegua a pecisão as infomações contias neste texto, mas não seá aceita esponsabiliae po eos, omissões ou po qualque outo motivo. Os poutos a Timken são venios e acoo com os Temos e conições e vena a Timken, incluino sua gaantia e inenização limitaas. Ente em contato com seu epesentante Timken em caso e úvia. ARATERÍSTIAS O ATÁLOGO Os aos e imensões e capaciaes e cagas os ivesos tipos e estilos e olamentos estão oganizaos po tamanho. Este catálogo utiliza as siglas ISO e ANSI/AMA paa efeise à Intenational Oganization fo Stanaization, e à Ameican National Stanas Institute/Ameican eaing Manufactues Association. OSERVAÇÃO O esempenho os poutos é afetao po muitos fatoes que escapam o contole a Timken. Este catálogo foi elaboao exclusivamente com o popósito e fonece a você, cliente a Timken, aos paa auxiliá-lo em seu pojeto. Nenhuma gaantia, expessa ou implícita, incluino qualque gaantia e aequação paa um eteminao fim, é fonecia pela Timken. Os poutos e seviços Timken são venios com Gaantia Limitaa. Você poe consulta o epesentante a Timken paa obte mais infomações. atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken 5

6 TIMKEN Visão geal TEMPO E ESTOQUE E ARMAZENAMENTO E ROLAMENTOS E OMPONENTES LURIIAOS OM GRAXA As ietizes a Timken paa o tempo e estoque os olamentos, componentes e conjuntos lubificaos com gaxa são estabelecias a segui. As infomações sobe o tempo e valiae baseiam-se em aos e teste e na expeiência. O tempo e estoque eve se ifeenciao a via útil o olamento/componente lubificao confome inicao a segui: POLÍTIA E TEMPO E ESTOQUE O tempo e estoque o componente/olamento lubificao a gaxa epesenta o peíoo e tempo antes o uso ou a instalação. O tempo e estoque é uma pate a via útil e pojeto agegaa antecipaa. É impossível peve a via útil e pojeto com pecisão evio a vaiações as taxas e sangia e lubificante, migação e óleo, conições opeacionais, conições e instalação, tempeatua, umiae e amazenamento polongao. Os tempos e estoque isponíveis na Timken epesentam um limite máximo e obeecem às ietizes e amazenamento e manuseio sugeias pela empesa. esvios as ietizes e amazenamento e manuseio fonecios pela Timken poem euzi a via útil o olamento. Qualque especificação ou noma opeacional que efina um tempo e estoque mais cuto poe se usao. A Timken não poe peve o esempenho a gaxa lubificante epois que o olamento ou componente é instalao ou colocao em seviço. A TIMKEN NÃO SE RESPONSAILIZA PELO TEMPO E ESTOQUE E NENHUM ROLAMENTO/ OMPONENTE LURIIAO POR TEREIROS. ARMAZENAMENTO A Timken sugee as seguintes ecomenações paa o amazenamento paa seus poutos acabaos (olamentos, componentes e conjuntos, oavante chamaos e Poutos ): salvo instuções em contáio a Timken, os Poutos evem se mantios em suas embalagens oiginais até estaem pontos paa seem colocaos em seviço. Não emova nem altee nenhuma etiqueta ou macação a embalagem. Os Poutos evem se amazenaos e moo que a embalagem não seja pefuaa, esmagaa ou anificaa e alguma outa foma. epois que um Pouto fo emovio e sua embalagem, ele eve se colocao em seviço assim que possível. Ao emove e um containe e poutos a ganel um Pouto que não seja embalao iniviualmente, o containe eve te a veação estauaa epois a etiaa o Pouto. Não use um Pouto que tenha ultapassao o pazo e valiae, confome efinio nas ietizes e pazo e valiae a Timken. A tempeatua a áea e amazenamento eveá se mantia ente 0 º (32 º) e 40 º (104 º); flutuações e tempeatua evem se minimizaas. A umiae elativa eve se mantia abaixo e 60 po cento e as supefícies evem se consevaas secas. A áea e amazenamento eve se mantia live e contaminantes pesentes no a, como poeia, sujeia, vapoes peigosos etc., não se limitano a eles. A áea e amazenamento eve se isolaa a vibação inevia. onições extemas e qualque tipo evem se evitaas. omo a Timken não está familiaizaa com as conições e amazenamento específicas e caa cliente, estas ietizes são enfaticamente ecomenaas. No entanto, é possível que cicunstâncias ou equisitos govenamentais exijam o cliente a obeiência a equisitos e amazenamento mais igoosos. 6 atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken

7 TIMKEN Visão geal A A maioia os tipos e olamentos é nomalmente enviaa potegia po um óleo potetivo paa evita a coosão que não é um lubificante. Tais olamentos poem se usaos em aplicações com lubificação a óleo sem a emoção o composto paa pevenção e coosão. Ao usa algumas lubificações a gaxa especializaas, é ecomenável emove o composto paa pevenção e coosão antes e aplica a gaxa aequaa nos olamentos. Alguns tipos e olamentos este catálogo são pé-lubificaos com gaxa comum, aequaa paa sua aplicação nomal. O eabastecimento fequente e gaxa poe se necessáio paa obte esempenho e alta qualiae. A seleção o lubificante eve se cuiaosa, no entanto, pois é fequente que lubificantes ifeentes sejam incompatíveis. Quano especificao pelo cliente, outos olamentos poem se solicitaos pé-lubificaos. Ao ecebe uma emessa e olamentos, cetifique-se e que os olamentos não sejam emovios as suas embalagens até estaem pontos paa montagem, paa que não sejam oxiaos ou contaminaos. Os olamentos evem se amazenaos em uma atmosfea apopiaa, paa que pemaneçam potegios uante o peíoo necessáio. Atenção A não obsevância as avetências a segui poe cia um isco e mote ou acientes pessoais gaves. Nomas e manutenção e e manuseio aequaas são vitais. Sempe siga as instuções e instalação e mantenha a lubificação apopiaa. Nunca use a compimio paa gia um olamento. Os olos poem se expelios à foça. Quaisque úvias elacionaas ao pazo e valiae ou amazenamento evem se encaminhaas ao seu escitóio e venas a Timken. atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken 7

8 Intoução aos olamentos e olos cilínicos ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS A TIMKEN - Ofeecem seleção e esempenho supeio O seu sucesso epene o esempenho o seu equipamento, especialmente quano ele enfenta ambientes hostis e cagas aiais elevaas. Paa maximiza o tempo e funcionamento e minimiza o tempo e paaa, ecoa aos olamentos e olos cilínicos a Timken. PRESENÇA NA INÚSTRIA Os olamentos e olos cilínicos a Timken euzem o atito e foma eficaz e ajuam a tansmiti potência em aplicações como: Geação e enegia Pocessamento e agegaos Petóleo ombas Guilhotinas Laminaoes aixas e tansmissão Ponta e eixo planetáias Guinchos Enegia eólica Equipamentos o Outos equipamentos segmento e sieugia inustiais Mineação A IERENÇA A TIMKEN Tempeatuas e opeação mais baixas. Alta uabiliae. esempenho uaouo. Ampla gama e tamanhos. Nossa maca é sinônimo e alta qualiae, confiabiliae e esempenho notável. Suas aplicações poem opea melho, pouzi mais e te tempo e funcionamento mais longo quano equipaas com os olamentos e olos cilínicos a Timken. omo esultao, você pecebeá uma eução nos custos opeacionais geais. aa olamento tem o espalo e uma habiliosa equipe e especialistas globais, foneceno a você o melho pojeto, conhecimento e aplicações e supote e engenhaia no campo. ARATERÍSTIAS O PROJETO otaos e pota-olos Pemium, geometias intenas exclusivas, textuas supeficiais apimoaas e pojetos compactos, esses olamentos atenem ou exceem as expectativas e via útil mais longa. Um olamento aial e olos cilínicos consiste em um anel inteno e/ou anel exteno e um complemento e olos cilínicos e contono contolao. epeneno o tipo o olamento, o anel inteno ou o exteno teá uas nevuas guia e olos. O anel exteno, estacável o conjunto, tem uma ou nenhuma nevua. O anel com uas nevuas faz o posicionamento axial o conjunto e olos. Os iâmetos essas nevuas poem se usaos paa apoia o olo. Uma as nevuas poe supota cagas axiais leves quano uma nevua oposta fo fonecia no anel e contato. GARANTIA A QUALIAE A qualiae os nossos mateiais é tão impotante quanto os nossos pojetos paa ajua as máquinas a opeaem e foma mais eficiente. Somos o único fabicante e olamentos o muno que pouz seu pópio aço. Usano aço e alta liga puo nos nossos olamentos e olos cilínicos, poemos gaanti a qualiae geal o nosso pouto. Também implementamos os nossos Paões e qualiae muniais em caa uniae e fabicação, e moo que caa olamento atena aos mesmos paões e esempenho, inepenentemente o luga o muno em que é fabicao. OERTA E PROUTOS Você poe seleciona um pouto em uma linha completa e olamentos e olos cilínicos e alto esempenho. A nossa linha e poutos inclui uma gane vaieae e esenhos com o númeo máximo e olos e complemento com uma, uas e quato caeias, toos esenvolvios paa atene às suas exigências e aplicação. Os tamanhos vaiam e 60 (2,5591 ) a 2000 (78,7402 ) São feitas atualizações peióicas este catálogo. Acesse paa obte a vesão mais atualizaa o atálogo e olamentos e olos cilínicos. Tabela 1. Tipos e tamanhos e olamentos aiais e olos cilínicos Tipo e olamento Uma caeia omplemento total (N) uas caeias Quato caeias Vaieaes e tamanho isponíveis (2, ,7402 pol,) (3, ,7402 pol,) (3, ,7402 pol,) (4, ,7402 pol,) 8 ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN

9 ENGENHARIA ENGENHARIA Os seguintes tópicos estão incluíos nesta seção e engenhaia. Tipos e esenho e olamento e olos cilínicos. Tipos e esenho e pota-olos. Noma e ajuste e ecomenações e montagem. Recomenações e lubificação. Esta seção e engenhaia não tem a finaliae e se completa, mas seve como um guia útil paa a seleção e olamentos e olos cilínicos. Paa visualiza o catálogo e engenhaia completo, acesse Paa solicita o catálogo, ente em contato com o seu engenheio a Timken e solicite uma cópia o Manual e engenhaia a Timken, númeo o catálogo ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN 9

10 ENGENHARIA Tipos e olamento e pota-olos A TIPOS E PORTA-ROLOS E ROLAMENTOS RAIAIS E ROLOS ILÍNRIOS Os olamentos aiais e olos cilínicos poem ofeece maio capaciae e caga aial que outos esenhos e olamentos. A The Timken ompany ofeece uma gane vaieae e esenhos com o númeo máximo e olos com uma, uas e quato caeias paa atene a ivesas exigências e aplicação. ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS RAIAIS TIPOS PARÃO Os olamentos e olos cilínicos Timken consistem em um anel inteno e um anel exteno, um pota-olos e um complemento e olos cilínicos e contono contolao. epeneno o tipo o olamento, o anel inteno ou o exteno teá ois flanges guiaos pelos olos. O anel exteno é estacável o conjunto e tem um ou nenhum flange. O anel com ois flanges faz o posicionamento axial o conjunto e olos. Os iâmetos e base esses flanges poem se usaos paa apoia o pota-olos. Um esses flanges poe se usao paa supota cagas axiais leves quano um flange oposto fo fonecio. A ecisão e qual anel eve te ois flanges nomalmente é eteminaa consieano-se os poceimentos e montagem e instalação o olamento na aplicação. O tipo NU tem ois flanges integaos no anel exteno e anel inteno sem flanges. O tipo N tem ois flanges integaos no anel inteno e anel exteno sem flanges. O uso e qualque um esses tipos em uma posição em um eixo é ieal paa acomoa a expansão ou a contação o eixo. O eslocamento axial elativo e um anel paa outo ocoe com o mínimo e atito enquanto o olamento está giano. Esses olamentos poem se usaos em uas posições paa supote o eixo, se outos meios e posicionamento axial foem fonecios. O tipo NJ tem ois flanges integaos no anel exteno e um no anel inteno. O tipo N tem anel inteno com ois flanges e anel exteno com flange simples. Ambos os tipos poem supota cagas aiais elevaas, bem como cagas axiais uniiecionais leves. A caga axial é tansmitia ente as faces os flanges opostos iagonalmente em uma ação e eslizamento. A lubificação poe se tona cítica quano conições axiais e limite foem atingias. Seu engenheio a Timken eveá se consultao paa pesta assistência em tais aplicações. Quano as cagas axiais são muito leves, esses olamentos poem se usaos em uma montagem oposta paa posiciona o eixo. Nesses casos, a folga lateal o eixo eveá se ajustaa no momento a montagem. O Tipo NUP tem anel exteno com ois flanges e anel inteno com flange simples, com anel e encosto que pemite que o olamento foneça posicionamento axial nas uas ieções. O Tipo NP tem um anel inteno com ois flanges e um anel exteno com flange simples e um anel e encosto sepaável. Os ois tipos poem supota cagas aiais elevaas e cagas axiais leves nas uas ieções. Os fatoes que contolam a capaciae axial são os mesmos os olamentos os tipos NJ e N. Um olamento o Tipo NUP ou NP poe se usao junto com olamentos o Tipo N ou NU paa aplicações em que é pevista a expansão axial o eixo. Nesses casos, o olamento N ou NU acomoa a expansão o eixo. O olamento NUP ou NP é consieao o olamento fixo poque os flanges estingem o movimento axial o elemento olante. O olamento fixo gealmente é posicionao mais póximo a extemiae e acionamento o eixo paa minimiza as vaiações e alinhamento no acionamento. A folga lateal o eixo (ou flutuação) é eteminaa pela folga axial no olamento fixo. Os tipos NU, N, NJ, N, NUP e NP estão em confomiae com as nomas ISO e IN paa anéis e flanges (anéis axiais) e iâmetos inustiais típicos sobe e sob o olo. Os númeos a peça o olamento e olos cilínicos estão e acoo com a ISO 15. Eles são compostos e quato ígitos, os ois pimeios ientificam a séie imensional e os ois últimos são o tamanho o fuo iviio po 5. Na séie imensional, o pimeio ígito é a séie a lagua e o seguno, a séie o iâmeto (exteno). A séie a lagua aumenta a lagua na sequência A séie o iâmeto aumenta a seção aial na sequência Os tipos com pefixo R têm constução simila aos seus coesponentes N. No entanto, eles foam pojetaos paa confomiae com as nomas AMA. Rolamentos com tamanhos em polegaas são ientificaos pela leta I no númeo a peça. RIU, po exemplo, inica um olamento com imensão em polegaas, enquanto RU inica o tipo equivalente em imensões méticas. NU, RIU, RU N, RIN, RN NJ, RIJ, RJ N, RI, R NUP, RIT, RT NP, RIP, RP ig. 1. Rolamentos aiais e olos cilínicos. 10 ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN

11 ENGENHARIA Tipos e olamento e pota-olos SÉRIE EMA Os olamentos e olos cilínicos a séie EMA e uma caeia a Timken incopoam um esenho e pota-olos e caacteísticas únicas, geometia intena exclusiva e acabamento especial e supeficie. Essas caacteísticas ajuam a melhoa o esempenho o olamento e poem ajua a aumenta o tempo e opeação e euzi os custos e manutenção. O pota-olos tem esenho em peça única e bonze com bolsos usinaos. Este pota-olos é guiao pelo anel exteno, ao contáio o pota-olos taicionalmente guiao pelos olos, isso minimiza a ação e esistência sob os olos. Isso euz a geação e calo e melhoa a via útil o olamento. A igiez o pota-olos pemite acomoa mais olos o que é possível com outas configuações e pota-olos e bonze. Pefis exclusivos os anéis e/ou os olos aumentam a capaciae e supota cagas mais altas em elação aos esenhos concoentes. Os pocessos e acabamento os anéis e olos popocionam supefícies apimoaas, esultano em menos atito, tempeatuas e opeação mais baixas e via útil mais longa o olamento. Os olamentos a séie EMA estão isponíveis nos tipos N, NU, NJ e NUP. OMPLEMENTO TOTAL (N) Os olamentos e caeia única com complemento total (N) incluem flanges integais nos anéis inteno e exteno. Esses olamentos também poem supota cagas axiais em uma ieção e pemiti pequenos eslocamentos axiais. SÉRIE MÉTRIA 5200 Esta séie poe supota cagas aiais mais elevaas evio às popoções o seu esenho inteno. Nesta séie, o anel exteno tem ois flanges e o anel inteno tem lagua completa com.e. cilínico. O olamento também poe se fonecio sem anel inteno paa aplicações one o espaço aial é limitao. Quano usao essa foma, o mancal o eixo eve se enuecio até o mínimo e HR 58 e o acabamento supeficial eve se no máximo 15 RMS. A esignação W no sufixo inica que o anel exteno é fonecio. O anel inteno também poe se peio sepaaamente. O pefixo A inica que o anel inteno é fonecio sepaaamente ou como pate o conjunto. O olamento é fonecio nomalmente com um pota-olos obusto e aço estampao (esignação S) e é aplicao em situações one o pota-olos necessita se guiao pelo anel exteno. O pota-olos tem baas ebaixaas, que não apenas popocionam espaçamento unifome os olos, mas também os etém como um conjunto completo com o anel exteno. Pota-olos e bonze usinao (esignação M) estão isponíveis paa aplicações em que cagas e invesão ou altas velociaes possam inica sua necessiae. Os anéis extenos são feitos e aços-liga paa olamentos. Os anéis intenos são cementaos paa acomoa as tensões no ao esultantes e ajustes e alta pessão. O olamento paão é pouzio com folgas aiais intenas com a esignação R6. Outas folgas intenas poem se fonecias po encomena. A oientação apopiaa os olos é gaantia pelos flanges integais e pelo contole e folga o olo. ROLAMENTOS E UAS ARREIRAS Os olamentos e olos cilínicos e uas caeias ou e caeia upla ofeecem capaciae aial exta em compaação com os tipos taicionais e uma caeia. Esses olamentos são intecambiáveis, e maneia que as imensões e o iâmeto sob os olos (tipo NNU) e o iâmeto sobe os olos (tipo NN) são mantios confome uma noma ISO/Pol. O moelo e pota-olos em latão usinao o tipo pente uplo é oientao pelos olos. A-52xx-WS A-52xx-WM ROLAMENTOS E QUATRO ARREIRAS Os olamentos e olos cilínicos e quato caeias possuem capaciae e caga aial extemamente alta, mas não possuem capaciae axial. Este tipo e olamento é mais utilizao em aplicações paa pescoço e cilino e cilinos e tabalho em laminaoes. Estão isponíveis esenhos com fuos cônicos e etos. 52xx-WS ig. 2. Rolamentos a séie mética A-52xx ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN 11

12 ENGENHARIA eaing Tipos e Types olamento an cages e pota-olos PORTA-ROLOS E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS PORTA-ROLOS E AÇO ESTAMPAO Pota-olos e aço estampaos paa olamentos e olos cilínicos e aço e baixo cabono, fabicaos usano uma séie e opeações e cote, confomação e puncionamento. Esses pota-olos estão isponíveis em gane vaieae e configuações e esenhos e são aequaos paa a maioia as aplicações e olamentos e olos cilínicos e uso geal. Um tipo específico é o esenho o tipo S, paa o olamento e olos cilínicos a séie 5200, que é um pota-olos guiao pelos flanges o anel exteno. Esse esenho tem pontes o pota-olos ebaixaas, que fazem o espaçamento unifome os elementos olantes e os etém no anel inteno. Pota-olos e aço estampaa são pouzios em massa facilmente e poem se usaos em ambientes com alta tempeatua e lubificante agessivo. PORTA-ROLOS TIPO PINO Pota-olos tipo pino paa olamentos e olos cilínicos consistem em ois anéis e uma séie e pinos que passam pelo cento os elementos olantes. Esses pota-olos são usaos paa olamentos e olos cilínicos e iâmetos maioes, paa os quais os pota-olos e bonze usinaos não estão isponíveis. om este esenho, nomalmente olos aicionais poem se aicionaos, esultano em maio capaciae e caga. ig. 7. Pota-olos tipo pino. ig. 3. Pota-olos tipo S. PORTA-ROLOS USINAOS Os pota-olos usinaos são uma opção paa os tamanhos menoes e olamentos e olos cilínicos e são feitos nomalmente em bonze. Os esenhos e pota-olos usinaos paa olamentos e olos cilínicos ofeecem maio esistência paa aplicações mais igoosas. Os esenhos poem se e pota-olos e peça única ou bipatios. esenhos e peça única poem se o tipo pente estampao, confome mostao na fig. 4, ou uma configuação e pota-olos paão, com bolsos totalmente usinaos. O potaolos e peça única tipo e pente estampao e o esenho e pota-olos bipatio (fig. 5) são mais comuns nos olamentos e olos cilínicos paão. Eles também são guiaos pelos olos. A vesão e peça única com bolsos totalmente usinaos (fig. 6) é o nosso pota-olos pemium. Esse pota-olos é usao nos nossos olamentos a séie EMA. Ao contáio os pota-olos guiaos pelos olos, este moelo é guiao pelo anel exteno, o que minimiza a ação e esistência sob os olos. Isso minimiza a geação e calo, esultano em aumento a via útil o olamento. ompaao a um esenho bipatio, esse pota-olos em peça única também euz o calo e o esgaste ao aumenta o fluxo e lubificação. ig. 4. Pota-olos o tipo pente estampao e peça única. ig. 6. Pota-olos pemium e peça única. ig. 5. Pota-olos e bonze bipatio. 12 ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN

13 ENGENHARIA TOLERÂNIAS NO SISTEMA MÉTRIO TOLERÂNIAS NO SISTEMA MÉTRIO ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS Rolamentos e olos cilínicos são fabicaos e acoo com váias especificações, caa um com classes que efinem toleâncias paa imensões como fuo,.e., lagua e excenticiae. Os olamentos méticos foam fabicaos com toleâncias negativas. As toleâncias e imensões-limite paa o uso e olamento e olos cilínicos são inicaas nas tabelas a segui. Essas toleâncias são fonecias paa uso na seleção e olamentos paa aplicações geais, juntamente com as nomas e montagem e ajuste e olamentos ofeecias nas seções que estão escitas a iante. A tabela a segui esume as ifeentes especificações e classes e olamentos e olos cilínicos. Tabela 2. Especificações e classes e olamentos Sistema Especificações Tipo e olamento lasse e olamento comum lasse e olamento e pecisão Mético Timken Rolamentos e olos cônicos K N A AA ISO/IN Toos os tipos e olamento P0 P6 P5 P4 P2 - AMA ilínicos, autocompensaoes RE 1 RE 3 RE 5 RE 7 RE 9 - Rolamentos e esfeas AE 1 AE 3 AE 5 AE 7 AE 9 - Rolamentos e olos cônicos K N A - Polegaa Timken Rolamentos e olos cônicos AMA Rolamentos e olos cônicos ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN 13

14 ENGENHARIA eaing TOLERÂNIAS Types NO an SISTEMA cagesmétrio Os olamentos aiais e olos cilínicos paão a Timken mantêm as toleâncias nomais e acoo com a ISO 492. As tabelas 3 e 4 elacionam as toleâncias cíticas esses olamentos aiais e olos cilínicos. Paa aplicações em que a toleância e funcionamento é cítica, ecomena-se as toleâncias P6 ou P5. O temo esvio é efinio como a ifeença ente uma imensão e anel único e a imensão nominal. Paa as toleâncias méticas, a imensão nominal tem toleância e +0 (0 ) O esvio é faixa e toleância paa o paâmeto inicao. A vaiação é efinia como a ifeença ente a maio e a meno meia e um eteminao paâmeto paa um anel iniviual. Tabela 3. Toleâncias o olamento e olos cilínicos anel inteno (méticas) (1) uo o olamento esvio o fuo (2) Δ mp Vaiação e lagua V S Excenticiae aial K ia Excenticiae a face com fuo S Excenticiae axial S ia esvio a lagua os anéis inteno e exteno (2) Δ s e Δ s Acima Incl. P0 P6 P5 P0 P6 P5 P0 P6 P5 P5 P5 P0, P6 P5 2, ,000-0,008-0,007-0,005 0,015 0,015 0,005 0,010 0,006 0,004 0,007 0,007-0,120-0,040 0,0984 0,3937-0,0003-0,0003-0,0002 0,0006 0,0006 0,0002 0,0004 0,0002 0,0002 0,0003 0,0003-0,0047-0, ,000 18,000-0,008-0,007-0,005 0,020 0,020 0,005 0,010 0,007 0,004 0,007 0,007-0,120-0,080 0,3937 0,7087-0,0003-0,0003-0,0002 0,0008 0,0008 0,0002 0,0004 0,0003 0,0002 0,0003 0,0003-0,0047-0, ,000 30,000-0,010-0,008-0,006 0,020 0,020 0,005 0,013 0,008 0,004 0,008 0,008-0,120-0,120 0,7087 1,1811-0,0004-0,0003-0,0002 0,0008 0,0008 0,0002 0,0005 0,0003 0,0002 0,0003 0,0003-0,0047-0, ,000 50,000-0,012-0,010-0,008 0,020 0,020 0,005 0,015 0,010 0,005 0,008 0,008-0,120-0,120 1,1811 1,9685-0,0005-0,0004-0,0003 0,0008 0,0008 0,0002 0,0006 0,0004 0,0002 0,0003 0,0003-0,0047-0, ,000 80,000-0,015-0,012-0,009 0,025 0,025 0,006 0,020 0,010 0,005 0,008 0,008-0,150-0,150 1,9685 3,1496-0,0006-0,0005-0,0004 0,0010 0,0010 0,0002 0,0008 0,0004 0,0002 0,0003 0,0003-0,0059-0, , ,000-0,020-0,015-0,010 0,025 0,025 0,007 0,025 0,013 0,006 0,009 0,009-0,200-0,200 3,1496 4,7244-0,0008-0,0006-0,0004 0,0010 0,0010 0,0003 0,0010 0,0005 0,0002 0,0004 0,0004-0,0079-0, , ,000-0,025-0,018-0,013 0,030 0,030 0,008 0,030 0,018 0,008 0,010 0,010-0,250-0,250 4,7244 5,9055-0,0010-0,0007-0,0005 0,0012 0,0012 0,0003 0,0012 0,0007 0,0003 0,0004 0,0004-0,0098-0, , ,000-0,025-0,018-0,013 0,030 0,030 0,008 0,030 0,018 0,008 0,010 0,010-0,250-0,250 5,9055 7,0866-0,0010-0,0007-0,0005 0,0012 0,0012 0,0003 0,0012 0,0007 0,0003 0,0004 0,0004-0,0098-0, , ,000-0,030-0,022-0,015 0,030 0,030 0,010 0,040 0,020 0,010 0,011 0,013-0,300-0,300 7,0866 9,8425-0,0012-0,0009-0,0006 0,0012 0,0012 0,0004 0,0016 0,0008 0,0004 0,0004 0,0005-0,0018-0, , ,000-0,035-0,025-0,018 0,035 0,035 0,013 0,050 0,025 0,013 0,013 0,015-0,350-0,350 9, ,4016-0,0014-0,0010-0,0007 0,0014 0,0014 0,0005 0,0020 0,0010 0,0005 0,0005 0,0006-0,0138-0, , ,000-0,040-0,030-0,023 0,040 0,040 0,015 0,060 0,030 0,015 0,015 0,020-0,400-0,400 12, ,7480-0,0016-0,0012-0,0009 0,0016 0,0016 0,0006 0,0024 0,0012 0,0006 0,0006 0,0008-0,0157-0, , ,000-0,045-0,035 0,050 0,045 0,065 0,035-0,450 15, ,6850-0,0018-0,0014 0,0020 0,0018 0,0026 0,0014-0, , ,000-0,050-0,040 0,060 0,050 0,070 0,040-0,500 19, ,8031-0,0020-0,0016 0,0024 0,0020 0,0028 0,0016-0, , ,000-0,075 0,070 0,080-0,750 24, ,4961-0,0030 0,0028 0,0031-0,0295 (1) As efinições os símbolos estão nas páginas 32 e 33 o Manual e engenhaia a Timken (nº o catálogo 10424). (2) A faixa e toleância é e +0 até o valo inicao. 14 ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN

15 ENGENHARIA TOLERÂNIAS NO SISTEMA MÉTRIO Tabela 4. Toleâncias o olamento e olos cilínicos anel exteno (méticas) (1).E. o olamento esvio exteno (2) Δ mp Vaiação e lagua V cs Excenticiae aial K ea Excenticiae axial S ea Excenticiae o iâmeto exteno com a face S Acima Incl. P0 P6 P5 P0 P6 P0 P6 P5 P5 P5 0,000 18,000-0,008-0,007-0,005 0,015 0,005 0,015 0,008 0,005 0,008 0,008 0,0000 0,7087-0,0003-0,0003-0,0002 0,0006 0,0002 0,0006 0,0003 0,0002 0,0003 0, ,000 30,000-0,009-0,008-0,006 0,020 0,005 0,015 0,009 0,006 0,008 0,008 0,7087 1,1811-0,0004-0,0003-0, ,0008 0,0002 0,0006 0,0004 0, ,0003 0, ,000 50,000-0,011-0,009-0,007 0,020 0,005 0,020 0,010 0,007 0,008 0,008 1,1811 1,9685-0,0004-0,0004-0,0003 0,0008 0,0002 0,0008 0,0004 0,0003 0,0003 0, ,000 80,000-0,013-0,011-0,009 0,025 0,006 0,025 0,013 0,008 0,010 0,008 1,9685 3,1496-0,0005-0,0004-0,0004 0,0010 0, ,0010 0,0005 0,0003 0,0004 0, , ,000-0,015-0,013-0,010 0,025 0,008 0,035 0,018 0,010 0,011 0,009 3,1496 4,7244-0,0006-0,0005-0,0004 0,0010 0,0003 0,0014 0,0007 0,0004 0,0004 0, , ,000-0,018-0,015-0,011 0,030 0,008 0,040 0,020 0,011 0,013 0,010 4,7244 5,9055-0,0007-0,0006-0,0004 0,0012 0,0003 0,0016 0,0008 0,0004 0,0005 0, , ,000-0,025-0,018-0,013 0,030 0,008 0,045 0,023 0,013 0,014 0,010 5,9055 7,0866-0,0010-0,0007-0,0005 0,0012 0,0003 0,0018 0,0009 0,0005 0,0006 0, , ,000-0,030-0,020-0,015 0,030 0,010 0,050 0,025 0,015 0,015 0,011 7,0866 9,8425-0,0012-0,0008-0,0006 0,0012 0,0004 0,0020 0,0010 0,0006 0,0006 0, , ,000-0,035-0,025-0,018 0,035 0,011 0,060 0,030 0,018 0,018 0,013 9, ,4016-0,0014-0,0010-0,0007 0,0014 0,0004 0,0024 0,0012 0,0007 0,0007 0, , ,000-0,040-0,028-0,020 0,040 0,013 0,070 0,035 0,020 0,020 0,013 12, ,7480-0,0016-0,0011-0,0008 0,0016 0,0005 0,0028 0,0014 0,0008 0,0008 0, , ,000-0,045-0,033-0,023 0,045 0,015 0,080 0,040 0,023 0,023 0,015 15, ,6850-0,0018-0,0013-0,0009 0,0018 0,0006 0,0031 0,0016 0,0009 0,0009 0, , ,000-0,050-0,038-0,028 0,050 0,018 0,100 0,050 0,025 0,025 0,018 19, ,8031-0,0020-0,0015-0,0011 0,0020 0,0007 0,0039 0,0020 0,0010 0,0010 0, , ,000-0,075-0,045-0,035 0,020 0,120 0,060 0,030 0,030 0,020 24, ,4961-0,0030-0,0018-0,0014 0,0008 0,0047 0,0024 0,0012 0,0012 0, , ,000-0,100-0,060 0,140 0,075 31, ,3701-0,0040-0,0024 0,0055 0, , ,000-0,125 0,160 39, ,2126-0,0050 0,0063 (1) As efinições os símbolos estão nas páginas 32 e 33 o Manual e engenhaia a Timken (nº o catálogo 10424). (2) A faixa e toleância é e +0 até o valo inicao. ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN 15

16 ENGINEERING ENGENHARIA eaing Montagem, Types ajuste, an cages encaixe e instalação MONTAGEM, ENAIXE, AJUSTE E INSTALAÇÃO O ROLAMENTO E ROLOS ILÍNRIOS Montagem NORMA e ajuste Rolamentos e olos cilínicos poem se montaos iniviualmente, mas fequentemente são montaos em combinação com outo olamento e olos cilínicos, um olamento autocompensao e olos ou um olamento e olos cônicos. A fig. 8 mosta um conjunto e oa e pulveizao em que um olamento autocompensao e olos e uas caeias é montao combinao com um olamento e olos cilínicos. Nessa aplicação, o olamento e olos cilínicos pemite que o eixo flutue em elação ao mancal. A fig. 9 mosta um euto e engenagem e eução única com engenagens espinha-e-peixe. Um olamento e olos cônicos é montao em combinação com um olamento e olos cilínicos no eixo supeio e ois olamentos e olos cilínicos são montaos no eixo infeio. As tabelas 6 a 18 nas páginas 22 a 39 inicam a noma e ajuste ecomenaa paa olamentos e olos cilínicos. As tabelas assumem que: O olamento é e pecisão nomal. O mancal é espesso e fabicao em aço ou feo funio. O eixo é maciço e fabicao e aço. Os assentos os olamentos são etificaos ou toneaos com pecisão, com acabamento melho que 1,6 μm Ra, apoximaamente. Os símbolos e ajuste sugeios estão e acoo com a ISO 286. Paa obte ajua em elação às nomas e ajuste ecomenaas, ente em contato com o seu epesentante Timken. ig. 9. Reuto e engenagem e eução única. ig. 8. onjunto a oa o pulveizao. Atenção A não obsevância as avetências a segui poe cia um isco e mote ou acientes pessoais gaves. Nomas e manutenção e e manuseio aequaas são vitais. Sempe siga as instuções e instalação e mantenha a lubificação apopiaa. Nunca use a compimio paa gia um olamento. Os olos poem se expelios à foça. 16 atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken

17 Engineeing ENGENHARIA MONTAGEM, AJUSTE, beaing ENAIXE types E INSTALAÇÃO an cages omo oientação geal, anéis intenos otativos evem se aplicaos com ajuste e intefeência. Ajustes fouxos poem pemiti que os anéis intenos se esloquem ou giem e esgastem o eixo e o essalto e efoço. Esse esgaste poe esulta em folga excessiva o olamento e possíveis anos ao olamento e ao eixo. Além isso, patículas e metal abasivas esultantes o eslocamento ou o gio poem enta no olamento e causa anos e vibação. A noma e ajuste o anel inteno estacionáio epene a caga a aplicação. As conições e caga e as imensões o conjunto o olamento evem se usaas paa seleciona o ajuste o eixo sugeio nas tabelas. e foma simila, aplicações e anel exteno otativo evem usa um ajuste e intefeência ente o anel exteno e o mancal. Anéis extenos estacionáios gealmente são montaos com ajustes folgaos paa pemiti a montagem e a esmontagem. Mancais e paees finas, mancais e liga leve ou eixos ocos evem usa ajustes e pessão mais apetaos que os exigios paa mancais com paees espessas, mancais e aço ou feo funio ou eixos maciços. Ajustes mais apetaos também são exigios na montagem o olamento em supefícies elativamente ugosas ou não etificaas. Ajuste Paa obte a folga opeacional apopiaa, eve-se pesta atenção aos efeitos que a noma e ajuste e os gaientes témicos têm no mancal. Noma e ajuste Um ajuste e intefeência ente o anel inteno e um eixo e aço maciço euziá a folga aial ento o olamento e apoximaamente 85 po cento o ajuste. Ajustes e intefeência ente o anel exteno e o mancal e aço ou feo funio euzião a folga aial e apoximaamente 60 po cento. Gaientes témicos Os gaientes témicos ento o olamento são uma função pimáia a velociae e otação o olamento. À meia que a velociae aumenta, os gaientes témicos aumentam, ocoe expansão témica e a folga aial é euzia. omo ega noma, a folga aial eve se maio paa velociaes maioes que 70 po cento a taxa e velociae. Paa obte ajua na seleção a folga aial intena coeta paa a sua aplicação, consulte o seu epesentante Timken. As toleâncias e folga aial intena são inicaas na tabela 5. Rolamentos e olos cilínicos são encomenaos com um valo específico e folga intena aial paão ou não paão. As folgas intenas aiais paão são esignaas 2, 0 (nomal), 3, 4 ou 5 e estão e acoo com a ISO epesenta a folga mínima e 5 epesenta a folga máxima. Valoes não paonizaos também estão isponíveis po encomena. A folga exigia paa uma eteminaa aplicação epene a pecisão opeacional esejaa, a velociae e otação o olamento e a noma e ajuste usaa. A maioia as aplicações usa uma folga nomal ou 3. Nomalmente, uma folga maio euz a zona e caga opeacional o olamento, aumenta a caga máxima o olo e euz a via útil espeaa o olamento. No entanto, um olamento e olos cilínicos que tenha sio colocao em uma conição e pé-caga poe apesenta anos pematuos no olamento causaos po geação excessiva e calo e/ou faiga o mateial. omo oientação geal, os olamentos e olos cilínicos não evem opea em conição e pé-caga. atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken 17

18 ENGINEERING ENGENHARIA eaing MONTAGEM, Types AJUSTE, an cages ENAIXE E INSTALAÇÃO Tabela 5. Limites e folga aial intena olamentos e olos cilínicos fuo cilínico uo RI uo o olamento Acima Incl. Mín. Máx. Mín. Máx. Mín. Máx. Mín. Máx. Mín. Máx. 10 0,000 0,025 0,020 0,0045 0,035 0,060 0,050 0,075 0,3937 0,0000 0,0010 0,0008 0,0018 0,0014 0,0024 0,0020 0, ,000 0,025 0,020 0,0045 0,035 0,060 0,050 0,075 0,065 0,090 0,3937 0,9449 0,0000 0,0010 0,0008 0,0018 0,0014 0,0024 0,0020 0,0030 0,0026 0, ,000 0,025 0,020 0,0045 0,035 0,060 0,050 0,075 0,070 0,095 0,9449 1,1811 0,0000 0,0010 0,0008 0,0018 0,0014 0,0024 0,0020 0,0030 0,0028 0, ,005 0,030 0,025 0,050 0,0045 0,070 0,060 0,085 0,080 0,105 1,1811 1,5748 0,0002 0,0012 0,0010 0,0020 0,0018 0,0028 0,0024 0,0033 0,0031 0, ,005 0,035 0,030 0,060 0,050 0,080 0,070 0,100 0,095 0,125 1,5748 1,9685 0,0002 0,0014 0,0012 0,0024 0,0020 0,0031 0,0028 0,0039 0,0037 0, ,010 0,040 0,040 0,070 0,060 0,090 0,080 0,110 0,110 0,140 1,9685 2,5591 0,0004 0,0016 0,0016 0,0028 0,0024 0,0035 0,0031 0,0043 0,0043 0, ,010 0,0045 0,040 0,0045 0,065 0,100 0,090 0,125 0,130 0,165 2,5591 3,1496 0,0004 0,0018 0,0016 0,0018 0,0026 0,0039 0,0035 0,0049 0,0051 0, ,015 0,050 0,050 0,085 0,075 0,110 0,105 0,140 0,155 0,190 3,1496 3,9370 0,0006 0,0020 0,0020 0,0033 0,0030 0,0043 0,0041 0,0055 0,0061 0, ,015 0,055 0,050 0,090 0,085 0,125 0,125 0,165 0,180 0,220 3,9370 4,7244 0,0006 0,0022 0,0020 0,0035 0,0033 0,0049 0,0049 0,0065 0,0071 0, ,015 0,060 0,060 0,105 0,100 0,145 0,145 0,190 0,200 0,245 4,7244 5,5118 0,0006 0,0024 0,0024 0,0041 0,0039 0,0057 0,0057 0,0075 0,0079 0, ,020 0,070 0,070 0,120 0,115 0,165 0,165 0,215 0,225 0,275 5,5118 6,2992 0,0008 0,0028 0,0028 0,0047 0,0045 0,0065 0,0065 0,0085 0,0089 0, ,025 0,075 0,075 0,125 0,120 0,170 0,170 0,220 0,250 0,300 6,2992 7,0866 0,0010 0,0030 0,0030 0,0049 0,0047 0,0067 0,0067 0,0087 0,0098 0, ,035 0,090 0,090 0,145 0,140 0,195 0,195 0,250 0,275 0,330 7,0866 7,8740 0,0014 0,0035 0,0035 0,0057 0,0055 0,0077 0,0077 0,0098 0,0108 0, ,045 0,105 0,105 0,165 0,160 0,220 0,220 0,280 0,305 0,365 7,8740 8,8583 0,0018 0,0041 0,0041 0,0065 0,0063 0,0087 0,0087 0,0110 0,0120 0, ,045 0,110 0,110 0,175 0,170 0,235 0,235 0,300 0,330 0,395 8,8583 9,8425 0,0018 0,0043 0,0043 0,0069 0,0067 0,0093 0,0093 0,0118 0,0130 0, ,055 0,125 0,125 0,195 0,190 0,260 0,260 0,330 0,370 0,440 9, ,0236 0,0022 0,0049 0,0049 0,0077 0,0075 0,0102 0,0102 0,0130 0,0146 0, ,055 0,130 0,130 0,205 0,200 0,275 0,275 0,350 0,410 0,485 11, ,4016 0,0022 0,0051 0,0051 0,0081 0,0079 0,0108 0,0108 0,0138 0,0161 0, ,065 0,145 0,145 0,225 0,225 0,305 0,305 0,385 0,455 0,535 12, ,9764 0,0026 0,0057 0,0057 0,0089 0,0089 0,0120 0,0120 0,0152 0,0179 0, ,100 0,190 0,190 0,280 0,280 0,370 0,370 0,460 0,510 0,600 13, ,7480 0,0039 0,0075 0,0075 0,0110 0,0110 0,0146 0,0146 0,0181 0,0201 0, ,110 0,210 0,210 0,310 0,310 0,410 0,410 0,510 0,565 0,665 15, ,7165 0,0043 0,0083 0,0083 0,0122 0,0122 0,0161 0,0161 0,0201 0,0222 0, ,110 0,220 0,220 0,330 0,330 0,440 0,440 0,550 0,625 0,735 17, ,6850 0,0043 0,0087 0,0087 0,0130 0,0130 0,0173 0,0173 0,0217 0,0246 0, ,120 0,240 0,240 0,360 0,360 0,480 0,480 0,600 0,690 0,810 19, ,0472 0,0047 0,0095 0,0095 0,0142 0,0142 0,0189 0,0189 0,0236 0,0272 0, ,140 0,260 0,260 0,380 0,380 0,500 0,500 0,620 0,780 0,900 22, ,8031 0,0055 0,0102 0,0102 0,0150 0,0150 0,0197 0,0197 0,0244 0,0307 0, ,145 0,285 0,285 0,425 0,425 0,565 0,565 0,705 0,865 1,005 24, ,9528 0,0057 0,0112 0,0112 0,0167 0,0167 0,0222 0,0222 0,0278 0,0341 0, ,150 0,310 0,310 0,470 0,470 0,630 0,630 0,790 0,975 1,135 27, ,4961 0,0059 0,0122 0,0122 0,0185 0,0185 0,0248 0,0248 0,0311 0,0384 0, ,180 0,350 0,350 0,520 0,520 0,690 0,690 0,860 1,095 1,265 31, ,4331 0,0071 0,0138 0,0138 0,0205 0,0205 0,0272 0,0272 0,0339 0,0431 0, ,200 0,390 0,390 0,580 0,580 0,770 0,770 0,960 1,215 1,405 35, ,3701 0,0079 0,0154 0,0154 0,0228 0,0228 0,0303 0,0303 0,0378 0,0478 0, atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken

19 Engineeing ENGENHARIA MONTAGEM, AJUSTE, beaing ENAIXE types E INSTALAÇÃO an cages Reuções a RI o eixo e folga: Paa um fuo nominal e 150 e 3, a RI seá e 0,115 a 0,165 (0,0045 a 0,0035 pol). Recalculano a eução a RI e a folga o ajuste e eixo: olga máx. olga mín. = RI máx. Reução mín. o ajuste = 0,165-0,034 = 0,131 (0,0052 ) = RI mín. - eução máx. o ajuste = 0,115-0,074 = 0,041 (0,0016 ) omo a folga mínima montaa é agoa maio que a RI mínima sugeia e 0,056 (0,0022 pol), o limite a folga a RI paa 3 é aceitável. atálogo e olamentos e olos cilínicos Timken 19

20 ENGENHARIA MONTAGEM, AJUSTE, ENAIXE E INSTALAÇÃO Instalação Ao usa um anel inteno e ajuste com apeto, o métoo e montagem epeneá o fuo o olamento, se é cilínico ou cônico. Montagem e olamentos e fuo cilínico Métoo e expansão témica A maioia as aplicações exige ajuste com intefeência no eixo. A montagem é simplificaa pelo aquecimento o olamento paa expani-lo o suficiente paa que eslize com faciliae no eixo. ois métoos e aquecimento são comumente usaos: - Tanque e óleo aquecio. - Aquecimento po inução. O pimeio é ealizao aqueceno o olamento em um tanque e óleo com ponto e inflamação alto. Não se eve pemiti que a tempeatua o óleo excea 121 (250 ). A tempeatua e 93 (200 ) é suficiente paa a maioia as aplicações. O olamento eve se aquecio po 20 ou 30 minutos ou até que tenha expanio o suficiente paa esliza com faciliae no eixo. O pocesso e aquecimento po inução poe se usao paa montagem e olamentos. O aquecimento po inução é ápio. É necessáio toma cuiao paa evita que a tempeatua o olamento excea 93 (200 ). Gealmente são necessáios testes com a uniae e o olamento paa obte a sinconização coeta. Um temômeto e uso inustial poe se usao paa veifica a tempeatua o olamento. Enquanto estive quente, o olamento eve se posicionao em ângulo eto em elação ao encosto. Auelas e pessão, contapocas ou placas e tavamento são instalaas paa mante o olamento fime conta o encosto o eixo. À meia que o olamento esfia, a contapoca ou placa e tavamento eve se apetaa. No caso e otação o anel exteno, one o anel exteno é montao no alojamento po intefeência, o alojamento poe se expanio po aquecimento. O banho e óleo é mostao na ig. 10. O olamento não eve esta em contato ieto com a fonte e calo. Nomalmente é colocaa uma tela váios centímetos acima o funo o tanque. Pequenos blocos e apoio sepaam o olamento a tela. É impotante mante o olamento afastao e qualque fonte e calo muito intenso localizaa que possa eleva emais a tempeatua, esultano em eução a ueza o anel. ROLAMENTO ROLAMENTO MANTIO AIMA A ASE PELO SEPARAOR ÓLEO LOO E SUPORTE O ROLAMENTO QUEIMAOR ig. 10. Métoo e expansão témica. Maçaicos são utilizaos, mas não são ecomenaos. É ecomenável utiliza um ispositivo automático paa contole e tempeatua. Se as nomas e seguança impeiem o uso o banho e óleo aquecio em abeto, uma mistua e 15% e óleo solúvel e água poe se usaa. Essa mistua poe se aquecia a no máximo 93 (200 ) sem se tona inflamável. 20 ATÁLOGO E ROLAMENTOS E ROLOS ILÍNRIOS TIMKEN

Rolamentos rígidos de esferas

Rolamentos rígidos de esferas Rolamentos ígidos de esfeas Os olamentos ígidos de esfeas estão disponíveis em váios tamanhos e são os mais populaes ente todos os olamentos. Esse tipo de olamento supota cagas adiais e um deteminado gau

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS Apesentando maio vida útil com notável eficiência e confiabilidade, os olamentos NSK são ideais paa todas as bombas industiais. 1 Cento Tecnológico Basileio - Suzano

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga onensao esféico Um conensao esféico é constituío po uma esfea inteio e aio e caga + e uma supefície esféica exteio e aio e caga. a) Detemine o campo eléctico e a ensiae e enegia em too o espaço. b) alcule

Leia mais

CATÁLOGO DE ROLAMENTOS AUTOCOMPENSADORES DE ROLOS TIMKEN

CATÁLOGO DE ROLAMENTOS AUTOCOMPENSADORES DE ROLOS TIMKEN CATÁLOGO DE OLAMENTOS AUTOCOMPENSADOES DE OLOS TIMKEN CATÁLOGO DE OLAMENTOS AUTOCOMPENSADOES DE OLOS TIMKEN olamentos Aços Sistemas de transmissão de potência Componentes de precisão etentores Lubrificantes

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO MECÂNICO APOSTILA FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO Auto: Pof.D. Auteliano Antunes dos Santos Junio Esta apostila

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660 Mancais bipartios Definição e aptiões 644 Séries 645 Variantes 645 Elementos e cálculo: cargas e torques 646 Elementos e montagem: seleção as juntas 647 Características 648 Mancal para rolamentos com bucha

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SB www.fcm.in.br Caixas SB, SI e STM Copyright FCM 2001 O conteúo este catálogo é e proprieae a empresa FCM - Fábrica e Mancais Curitiba Lta., seno proibia a reproução parcial

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Gestão de Inventários: Introdução 1

Gestão de Inventários: Introdução 1 Gestão de Inventáios: Intodução 1 Gestão de Inventáios Intodução Definição de inventáio (ou stock) Acumulação de matéias-pimas, podutos semi-acabados e/ou podutos acabados, bem como de sobessalentes necessáios

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

FLEXÃO DE ELEMENTOS CURVOS EM COMPÓSITOS OBTIDOS POR AUTOCLAVE

FLEXÃO DE ELEMENTOS CURVOS EM COMPÓSITOS OBTIDOS POR AUTOCLAVE MÉTODOS COMPUTACIONAIS M NGNHARIA Lisboa, 31 de Maio de Junho, 004 APMTAC, Potugal 004 FLXÃO D LMNTOS CURVOS M COMPÓSITOS OBTIDOS POR AUTOCLAV J. Tavassos e A. Leite Instituto Supeio de ngenhaia de Lisboa

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

Exercícios Resolvidos Astronomia (Gravitação Universal)

Exercícios Resolvidos Astronomia (Gravitação Universal) Execícios Resolvios Astonoia (Gavitação Univesal) 0 - Cite as leis e Keple o oviento os copos celestes I "As óbitas que os planetas esceve ao eo o Sol são elípticas, co o Sol ocupano u os focos a elipse"

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

2 Compressor Automotivo

2 Compressor Automotivo Compesso Automotivo Neste capítulo seá apesentado o desenvolvimento de um modelo de simulação de compessoes altenativos automotivos..1. Intodução O compesso é o componente mais impotante de um sistema

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Soidents Fanchising Ltda Nome Fantasia: Soidents Clínicas Odontológicas Data de fundação: 20

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Capítulo III Lei de Gauss

Capítulo III Lei de Gauss ELECTROMAGNETISMO Cuso de Electotecnia e de Computadoes 1º Ano º Semeste 1-11 3.1 Fluxo eléctico e lei de Gauss Capítulo III Lei de Gauss A lei de Gauss aplicada ao campo eléctico, pemite-nos esolve de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE TRANSMISSÃO MECÂNICA BASEADO EM ENGRENAGENS CÔNICAS E

Leia mais

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry A primeira gama e rolamentos para uso extremo isponível como parão. SNR - Inustry I N U S T R Y TN21Ra:TN21Fc 2/04/08 16:04 Page 2 Uma gama aaptaa para as aplicações mais exigentes. Uma gama técnica testaa

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I FOÇA NT CAGAS LÉTICAS O CAMPO LTOSTÁTICO Os pimeios fenômenos de oigem eletostática foam obsevados pelos gegos, 5 séculos antes de Cisto. les obsevaam que pedaços de âmba (elekta), quando

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Os ios, agos e oceanos ocaizados em egiões de cima fio congeam da supefície paa as egiões mais pofundas. A camada de geo fomada funciona como um

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cultua Anglo Ameicana de Petolina LTDA Nome Fantasia: Yázigi Petolina Data de fundação 03 de janeio

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb uso e Física Básica - H Mosés Nussenzveig Resolução o Volue III apítulo A Lei e oulob - Moste que a azão a atação eletostática paa a atação gavitacional ente u eléton e u póton é inepenente a istância

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT)

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT) Eletotécnica Geal IX. Motoes Eléticos IX Motoes Eléticos Um moto elético é uma máquina capaz de tansfoma enegia elética em enegia mecânica, utilizando nomalmente o pincípio da eação ente dois campos magnéticos.

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina 1 Tansfomado de Coente com Núcleo Tooidal de Liga Nanocistalina Benedito A. Luciano, Membe, EEE, Raimundo C. S. Feie, José Gutembegue A. Lia, Glauco Fontgalland, Membe, EEE, e Walman B. de Casto. Abstact-

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

- As caixas somente com a especificação do tamanho, é fornecida em Ferro Fundido Cinzento. EX: DPSA 17

- As caixas somente com a especificação do tamanho, é fornecida em Ferro Fundido Cinzento. EX: DPSA 17 Mancais Inustriais Lta érie D Mancal e grane capaciae e resistência mecânica. Desenvolvio para substituir a série e mancais. série inclinaa a graus proporciona arranjos e montagem muito mais eficiente

Leia mais

ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO

ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO FLORIANÓPOLIS 008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

il:11..: I.1 :!:i': t':.: j : t. :.;:Ï

il:11..: I.1 :!:i': t':.: j : t. :.;:Ï ::=-::Í::Ì:::-.i;: il:11..: I.1 :!:i': t':.: j : t. :.;:Ï ìi NOTICIAS DO SETOR Um anô de ouo paa a constltção basileia.ô,: lïcnet {lnfomações da Constução) avaliou positivamènte o mêcado de Constução CivÍl

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI!

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI! , a --,;-,,; BULMA e ' C;;itiba b ANO REliA distúbios alimentaes '- - ---- MARAlpU \, EVENTO! sobe o Tudo 'CRYSTAL,-- UTOMÓVE! os mais cao! e veloze! do mundc :FASHON -- - - - - - - ---==--- - - - " ",

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Depyl Action Depilações Ltda-ME Nome Fantasia: Depyl Action - Especializada em Depilação Data

Leia mais

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39 Sistemas e Fixação Página Fixaores e lips utoaesivos Fixaores utoaesivos 36 lips utoaesivo R 36 Fixaores utoaesivo SF 38 Fixaores para Flat able PF 39 F25 39 TY8H1S 39 Fixaores NX/NXR e lips para fixação

Leia mais

Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distorções do Campo Elétrico na Proximidade de Objetos Aterrados

Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distorções do Campo Elétrico na Proximidade de Objetos Aterrados Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distoções do Campo Elético na Poximidade de Objetos Ateados José icente P. Duate Resumo As edes de distibuição de enegia elética, do tipo

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fonecedo Dados da Empesa Razão Social: Visa do Basil Empeendimentos Ltda. Nome Fantasia: Visa Data de Fundação: 08 de junho de 1987 Númeo

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas Poceeding Seies of te Bazilian Society of Applied and Computational Matematics, Vol., N. 1, 14. Tabalo apesentado no CMAC-Sul, Cuitiba-PR, 14. Análise do Pefil de Tempeatuas no Gás de Exaustão de um Moto

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada.

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada. ANSIOLÍTICO E MIORRELAXANTE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome do poduto: Valium / Valium injetável Nome genéico: diazepam Foma famacêutica e apesentação Caixas com 20 e 30 compimidos de 5 e 10 mg Solução injetável

Leia mais

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez Fenômenos de Tanspote I Aula Pof. D. Gilbeto Gacia Cotez 8. Escoamento inteno iscoso e incompessíel 8. Intodução Os escoamentos completamente limitados po supefícies sólidas são denominados intenos. Ex:

Leia mais

Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda.

Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos Caixas Acessórios. Rolamentos. Rolamentos FAG Ltda. Rolamentos FAG Rolamentos e esferas Rolamentos e rolos Caixas Acessórios Rolamentos Rolamentos FAG Lta. Catálogo WL 41 520/3 P esignações, iniciaas com números esignações, iniciaas com letras Página 10

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA

DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA DIMENSIONAMENTO E ESPEIFIAÇÃO DE FITRO SINTONIZADO PARA INSTAAÇÃO NA REDE SEUNDÁRIA ANTÔNIO. B. AVES 1, EUER B. DOS SANTOS 1, FÁVIO R. GARIA, RAFAE NIESON 3 1 - Escola de Engenhaia Elética e de omputação,

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais