FORMULAÇÃO DE POLÍTICA COMERCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMULAÇÃO DE POLÍTICA COMERCIAL"

Transcrição

1 Pós Graduação em Gestão Empresarial FORMULAÇÃO DE POLÍTICA COMERCIAL GESTÃO EMPRESARIAL ANDRÉ LUÍS VEIGA DE OLIVEIRA

2 POLÍTICA COMERCIAL Trabalho de conclusão do Curso de Pós Graduação em Gestão Empresarial, da EPEC AVM A Vez do Mestre, sob a orientação do Prof. Marcelo Saldanha. Rio de Janeiro, Maio de

3 Índice 1. Sumário Executivo Visão e Missão da Empresa Visão Missão Objetivos e Direcionadores Objetivo Direcionadores Modelo de Negócio Objetivos Corporativos Meios Expansão Eficiência Operacional Marca Aché Estrutura Organizacional Modelo Industrial Escopo do Negócio Sintéticos de Prescrição OTC Fitomedicamentos Diversificação Estratégia Corporativa de Diferenciação Portifólio Parcerias Internacionais Pesquisas e Parcerias Nacionais Integração das Funções de Marketing e Vendas Força de Vendas Características do Mercado Farmacêutico Venda Indireta Descrições das Atividades dos Representantes de Vendas Venda Direta Administração de Vendas Ação no Ponto de Venda (PDV) Cadeia de Comercialização

4 6. Plano de Marketing Análise do Macroambiente Matriz de Análise do Cenário Análise de Mercado Vendas em milhares Vendas em unidades Receituário Análise do Microambiente Performance de Demanda Matriz BCG Performance de Lançamentos Performance por Produto Lançado Identificação de Oportunidades Matriz SWOT Política de Relacionamento com o Cliente (CRM) Marketing 1 to Programa de Identificação dos Clientes Pesquisa TS Fatores Críticos de Sucesso Criação da Ficha Médica Informatização da Força de Vendas Plano de Melhoria da Qualidade do Cadastro Médico Utilizando a Pesquisa de TS Cruzando as Informações com o CFM Política para Estruturação da Força de Vendas Definição dos Objetivos Atividade da Gerência de Vendas Setorização Refinamento das Regiões Organização por Regiões Definição dos Objetivos Corporativos Objetivos de Vendas Objetivos por Setor Gerenciamento por Objetivos Controle e Avaliação dos Resultados

5 10. Política de Remuneração Remuneração dos Vendedores Utilização do Potencial de Mercado Política para Avaliação de Desempenho Política de Treinamento Objetivo Módulos de Treinamento Coaching e Liderança Recrutamento e Seleção da FV Programa de Potenciais e Plano de Carreira Avaliação de Desempenho Habilidade de Vendas Negociação para a Força de Vendas Curso de Novos Propagandistas, GD`s e GR`s Endomarketing Política para Recrutamento e Seleção de Vendedores Passos para o Processo de Recrutamento e Seleção Competências Básicas para o Cargo de Representante Motivação Adequada Capacidade de Adaptação Energia Flexibilidade Capacidade de Negociação Discernimento Planejamento e Organização Trabalho em Equipe Comunicação Impacto Domínio e Técnicas de Vendas Escolaridade Experiência no Setor Farmacêutico Resumo Relatório de Entrevista Avaliação Geral do Candidato Utilizando o Formulário Instruções p/ Ponderação das 15 Competências Básicas Finalizando o Processo

6 14. E-commerce Modelo Atual Aspectos Positivos da Terceirização Aspectos Negativos da Terceirização Modelo Futuro Vantagens para o Aché Vantagens para os Clientes Logística Conceito de Gestão de Estoque Visão Financeira dos Estoques Função do Estoque Processo da Gestão de Estoque Planejamento Tático de Suprimentos Planejamento Operacional de Suprimentos Gestão de Demanda Controle de Estoques Avaliação de Desempenho Quanto ao tipo de Demanda Controle Geral de Estoques Atividades Principais Revisão de Estoques Operacionalização Orçamento Considerações Finais Referências Bibliográficas Anexo 6

7 1. Sumário Executivo A política comercial aqui apresentada discorre sobre a transformação ocorrida no Laboratório Aché, que teve início em 2001 com a profissionalização de sua administração. Com 35 anos de existência nessa época, o Aché tinha o status de maior laboratório nacional, com a maior força de vendas e um grande dilema, já que vinha de três anos consecutivos de prejuízos e brigas entre os sócios. Desde a sua fundação até essa época, o Aché era o principal concorrente dos laboratórios multinacionais, fabricando e comercializando produtos similares com menor preço. Sua estratégia principal era da liderança de custos, com foco na economia de escala, de forma a diminuir os custos totais. A força de vendas atuava de maneira massificada, sem identificar a necessidade do cliente, conquistando expressivos resultados de venda, porém, com cada vez mais baixa rentabilidade. Com a entrada do genérico, o mercado farmacêutico nacional passou por uma transformação profunda. Os concorrentes do Aché passaram a ser os laboratórios nacionais, que vendiam produtos similares a preços ainda mais baixos. A mudança de enfoque era necessária para a sobrevivência da companhia. A estratégia a partir daí seria o enfoque na diferenciação, com uma transformação profunda e gradativa. No decorrer do trabalho, apresentamos uma ampla visão do mercado de atuação, e a identificação das mudanças primordiais, especialmente em relação à área comercial da empresa. Relatamos mudanças já ocorridas, mas seguem também sugestões identificadas pelo aluno para a melhoria contínua dos resultados de produtividade, baseado principalmente no conteúdo dos módulos apresentados no curso. 7

8 2. Visão e Missão 2.1. Visão O Aché será a maior e mais rentável empresa farmacêutica do Brasil, preferida pelos profissionais de saúde, com destacada atuação em responsabilidade social e focada nas pessoas Missão Disponibilizar formulações para saúde humana para profissionais de saúde e consumidores, de forma diferenciada, com destacada atuação em responsabilidade social e desenvolvimento das pessoas. 8

9 3. Objetivos e Direcionadores 3.1. Objetivos Obter lucro para o desenvolvimento da empresa, gerar trabalho e renda para a sociedade, oferecer oportunidades para as pessoas por meio da política de responsabilidade social e garantir um meio ambiente cada vez mais saudável Direcionadores Modelo de Negócio Atingir excelência no relacionamento com prescritores, dispensadores e consumidores. O foco para garantir o crescimento continuará sendo o médico (geração de receituário); Objetivos Corporativos Ser o número 1 em todos os indicadores (venda unitária, venda em reais e geração de receituário) até o final de 2006; Manter a liderança prescritiva; Aumentar o fator de conversão venda / prescrição; Fidelizar o consumidor e estimular a recorrência de compra Meios Segmentando, focalizando e aperfeiçoando os esforços de promoção médica; Estabelecendo parcerias e executando atividades para o aumento da conversão de receituário em venda no ponto de venda (PDV); Promovendo a marca institucional para todas as partes interessadas Expansão Capturar o valor do potencial de consolidação do mercado de atuação; Eficiência Operacional Atender os padrões de qualidade de produtos, de processos e de serviços, com custos e despesas competitivos; 9

10 Marca Aché Fortalecer a marca Aché para proteger e sustentar a estratégia; Estrutura Organizacional Atrair, reter, desenvolver e recompensar pessoas que garantam a sustentabilidade e crescimento do negócio; Modelo Industrial Operar um modelo industrial que permita atender as necessidades de custo, de qualidade e de nível de serviço; Escopo do Negócio Atuar no setor de formulações químico-farmacêuticas para saúde humana; Sintético de Prescrição Manter-se entre os primeiros competidores deste mercado, com rentabilidade; OTC (Over the Counter) Posicionar-se entre os dez maiores competidores deste mercado; Fitomedicamentos Liderar e ser reconhecido como referência no mercado de medicamentos fitoterápicos de prescrição no Brasil, e buscar oportunidades no mercado externo para esse segmento; Diversificação Atuar em segmentos com alto potencial e com sinergia com os negócios principais. 10

11 4. Estratégia Corporativa de Diferenciação 4.1. Portifólio Renovar o portifólio com substâncias inéditas ou com tempo para a quebra de patente, para não correr o risco de ter produtos similares no curto prazo Parcerias Internacionais Trabalhar fortemente a renovação do portifólio através de parcerias internacionais criadas pela Diretoria de Novos Negócios, com oportunidades identificadas pelo departamento de marketing, buscando a transição da liderança de custos para a estratégia de diferenciação Pesquisas e Parcerias Nacionais Desenvolver novas moléculas, especialmente fitomedicamentos, em parceria com universidades nacionais, explorando a diversidade da flora brasileira Integração das Funções de Marketing e Vendas É essencial que o marketing e vendas estejam perfeitamente integrados para a implementação da estratégia de diferenciação, devido a vários fatores, tais como: - A força de vendas é uma valiosa fonte de informações para a estratégia do marketing; - O marketing tem a responsabilidade de fornecer à força de vendas as ferramentas de que ela precisa para vender com maior eficiência. Podemos concluir que a principal responsabilidade da área de vendas é implementar as estratégias de marketing. Por isso, é recomendado à criação de uma única Diretoria de Marketing e Vendas, para que a sinergia entre esses departamentos seja aproveitada da melhor forma possível Força de Vendas A força de vendas deve ser estruturada e treinada de modo a servir como elemento de diferenciação das ofertas da empresa, que devem ser percebidas como únicas pelos clientes (médicos). 11

12 O principal objetivo da atuação conjunta de marketing e vendas deve ser a retenção dos clientes, desenvolvendo relacionamentos duradouros e lucrativos. O novo profissional de vendas do Aché tem como desafio adequar a estratégia de vendas corretamente para cada tipo de cliente, através da identificação de necessidades, utilizando as técnicas de vendas, e levando o produto certo para o médico certo, através da prática da segmentação de mercado. Na prática, o profissional de vendas do Aché deve atuar de maneira criteriosa na administração dos recursos, investindo maior tempo e esforço para a conquista dos clientes de relação, agindo como gerente de sua unidade de negócios. Deve atuar como administrador de relacionamento, sendo o principal elo entre a empresa e o cliente, garantindo suas promessas e buscar ao máximo a satisfação do cliente. Finalmente, podemos listar as qualidades esperadas para o novo profissional de vendas do Aché, baseado nas qualidades dos vendedores bem sucedidos citados por Soldow e Thomaz: Trocam informações em vez de produtos; Sabem quando fechar uma venda; Tratar as pessoas como indivíduos; Mostram-se genuinamente interessados nas necessidades de seus clientes; São uma fonte de conhecimento; Dedicam tempo à obtenção da confiança de seus pares e gerentes; Olham mais de frente, têm mais entusiasmo, fazem mais perguntas, repetem com maior exatidão as afirmações do cliente e lidam melhor com objeções do que vendedores comuns. O gerente de vendas possui papel primordial para ao sucesso da força de vendas. Ele deve tomar uma série de decisões, dirigir a atuação da equipe, coordenar a interação com as outras áreas da empresa, etc. 12

13 5. Características do Mercado Farmacêutico O mercado farmacêutico no Brasil fatura em torno de US$ 25 bilhões ao ano, entre produtos de venda com prescrição médica, genéricos e venda livre (OTC). O consumidor tem acesso aos produtos farmacêuticos, principalmente através de farmácias (cerca de no Brasil), farmácias do governo, deliverys e hospitais. Com a entrada do medicamento genérico no País, esse mercado sofreu uma forte alteração, com a farmácia assumindo uma maior importância na cadeia produtiva, já que o farmacêutico pode através dessa lei, trocar o produto de marca prescrito, referência da classe terapêutica, pelo genérico, se assim for à vontade do consumidor. Além disso, existem os laboratórios éticos (Aché, por exemplo), que divulgam suas marcas para os médicos, e buscam gerar demanda através de suas prescrições, e laboratórios não éticos, nem sempre com qualidade comprovada, que premiam os balconistas das farmácias pela venda de seus medicamentos, forçando a troca em detrimento aos produtos de marca prescritos. Portanto, a entrada do medicamento genérico no Brasil, facilitou e intensificou a troca das receitas, o que obrigou as indústrias éticas a buscarem uma aproximação maior com o varejo farmacêutico. O consumidor passa a ter também uma maior importância, já que pode solicitar a prescrição do medicamento genérico no momento da consulta, ou buscar produtos similares com menor preço no ponto de venda Venda Indireta É utilizada força de vendas própria para a divulgação dos produtos a classe médica (face a face), com o objetivo de divulgar as estratégias do marketing, e convencer o médico a prescrever as marcas promovidas Descrição das Atividades do Representante de Vendas 13

14 Esse trabalho de convencimento começa na pré visita, quando é traçada uma estratégia individualizada para aquele médico, baseado nas informações das auditorias, na segmentação de mercado e no histórico das visitas anteriores. O representante de vendas do Aché deve identificar as necessidades específicas de cada médico, e tratar com as características, vantagens e benefícios que os seus produtos oferecem. Durante a visita deve ser executado o que foi planejado através da utilização das habilidades em vendas. Após a visita, todos os registros importantes devem ser feitos com o objetivo de dar seqüência à visita realizada, conquistar a confiança e receituário do médico paulatinamente. Para maximizar os resultados, é importante um profundo conhecimento dos produtos promovidos, assim como de seus principais concorrentes, um bom conhecimento da área geográfica de atuação para otimizar os roteiros, e uma boa relação nos principais pontos de venda dessa área, objetivando uma maior fidelização do receituário médico. Além disso, a boa utilização das auditorias disponibilizadas para a preparação das estratégias é fundamental. As auditorias são adquiridas através de empresas terceirizadas, e compiladas internamente de acordo com a necessidade da empresa. Mensuram a demanda dos produtos e concorrentes em determinada área geográfica, através da informação de vendas do distribuidor para a farmácia. Outra auditoria é a captação do receituário médico, com microfilmagem das receitas em algumas farmácias das principais regiões do País, gerando o perfil prescritivo de cada médico. Representante Médico Ponto de Venda (PDV) Drogaria 5.2. Venda Direta 14

15 Tem como objetivo tornar os produtos acessíveis aos consumidores. Pela extensão geográfica e pelo grande número de pontos de venda, o Aché utiliza distribuidores para abastecer o mercado, optando por um canal longo, o que garante o atendimento a todas as regiões, com agilidade e menor custo Administração de Vendas O gerente comercial tem como responsabilidade primária a negociação do volume mensal de faturamento da companhia (R$), pré-estabelecido de acordo com o orçamento corporativo, realizado com seus principais parceiros comerciais, dentre eles: distribuidores atacadistas, redes de drogarias e deliverys. O objetivo de vendas do gerente comercial é composto através do percentual de participação de sua regional e dividido por um grupo de produtos denominado RX (receituário médico) que representam 88%, e um outro grupo de produtos denominado OTC (Over The Counter), que compõem 12% do faturamento total. Como descrito acima, o gerente é responsável pela comercialização de todas as marcas (RX e OTC). Entretanto, a demanda das marcas OTC é gerada por oportunidades detectadas pelo gerente comercial, demandando maior presença e tempo no PDV, ao contrário da geração de demanda da RX, que são geradas pela equipe de vendas. Por isso, objetivando melhorias, sugerimos que a área comercial tenha um gerente comercial para OTC e um para RX Ação no Ponto de Venda Paralelo a essa função de negociação o gerente comercial deve disponibilizar da melhor maneira possível à presença das marcas Aché no PDV, através de uma perfeita horizontalização e uma agressiva verticalização, assegurando dessa forma a efetivação da venda, que teve sua origem no receituário gerado pelo representante. A inserção de novas marcas no segmento de distribuição e no varejo também é de responsabilidade do mesmo. Os produtos de OTC têm sua demanda gerada no PDV a partir de técnicas de exposição aplicadas nas farmácias, denominada merchandising, que tem como objetivo gerar propensão ao consumo. Na maioria das vezes as marcas não realizam esforços promocionais com a classe médica, portanto, seus esforços ficam direcionados ao consumidor final. 15

16 Para realizar esse trabalho no PDV o Aché conta com uma equipe de 80 consultores de vendas em todo Brasil, com visitas periódicas que objetiva identificar oportunidades comerciais no que tange a todo portifólio e prestar o melhor serviço ao cliente farmacista. No modelo atual essa equipe é terceirizada, o que dificulta a sinergia com a equipe de geração de demanda, as tomadas de decisão e o aproveitamento das oportunidades comerciais. Essa atividade contribui para um perfeito relacionamento com o varejo farmacêutico, e por isso é fundamental para o nosso negócio, pois minimiza a troca do receituário. Por isso, como melhoria, sugerimos que essa equipe seja própria para realizar um trabalho mais efetivo e de melhor controle Cadeia de Comercialização Portanto, a completa cadeia de comercialização contempla a venda direta e indireta, e está descrita abaixo: Cadeia Completa 368 Laboratórios 304 Distribuidores, Atacadistas, Deliveries e Redes Farmácias Médicos Produtividade do Médico Perfil Prescritivo Pop. 180 milhões Pop. com acesso 40 milhões 16

17 6. Plano de Marketing 6.1. Análise do Macroambiente Matriz de Análise do Cenário Elemento ambiental Economia Características e eventos relevantes Forte queda do dólar Inflação em ligeira queda Juros altos Aumento do Salário Mínimo Tendências e projeções Dólar estável em R$ 2,80 Inflação estável Redução de juros Salário Mínimo a R$ 300,00 Possíveis conseqüências Bom momento para a importação de matérias-primas Preço ótimo para lançamento Aumento do poder de compra da população Legislação Resolução - RDC 134/04 Aqueles produtos que não tiverem comprovado a bioequivalência, após análise dos resultados pela Anvisa, terão o registro cancelado e serão recolhidos Retirada de produtos similares concorrentes do Mercado Possibilidade de aumento de MKT Share de nossos produtos Sociocultural Político ideológico Campanha de divulgação dos benefícios dos medicamentos Genéricos Medicamentos com preços mais acessíveis para a população Possibilidade de diminuir o MKT Share de nossos produtos Expansão do programa de farmácias populares Tributos Reforma tributária Isonomia da alíquota de ICMS Informações de venda mais precisas com o fim dos paraísos fiscais 17

18 Analise do Mercado Vendas em milhares -R$ (Ano Base 2003) Pfizer Ache Aventis Novartis Roche Sigma Shering BR Schering P. Merck Boehringer Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. O Preço Médio do Laboratório Pfizer é o maior da Indústria Farmacêutica, puxado principalmente pelo sucesso de vendas do Viagra, o que lhe garante o maior faturamento do Mercado Brasileiro. Para atingirmos a liderança em faturamento em Reais, precisamos aumentar o Preço Médio. Por isso, a importância da renovação do portifólio, já que a maior parte de nossos produtos estão decadentes, com preços e rentabilidade baixos. 18

19 Vendas em unidades (Ano Base 2003) 80,0 75,7 70,0 69,5 60,0 50,0 53,5 52,8 51,3 48,7 44,5 40,0 38,2 33,5 32,2 30,0 20,0 10,0 0,0 Ache Aventis Sigma Novartis Boehringer Roche Pfizer Shering P. Sanofi Medley Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. Já temos a liderança no faturamento unitário, ao contrário do Laboratório Pfizer, que apresenta a 7ª colocação nessa análise, e tem a liderança no faturamento em Reais (R$). Fica comprovada a importância de aumentarmos o Preço Médio com a renovação do portifólio, para melhorarmos nossa performance em todas as Auditorias. 19

20 Receituário (Ano Base 2003) 8,00 7,33 7,00 6,00 5,00 4,00 4,90 4,42 4,30 4,17 3,80 3,00 3,09 2,88 2,48 2,44 2,00 1,00 0,00 Ache Aventis Novartis Roche Schering P. Pfizer Boehringer Jansen Sanofi Merck S D Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. Apesar da forte campanha realizada pelo Governo Brasileiro a favor dos Genéricos, que interferiu diretamente no Receituário dos Médicos, em especial daqueles que trabalham nos Serviços Públicos, nessa análise fica evidente a importância do trabalho da Força de Vendas junto a seu principal cliente (Médico) na geração do Receituário, que esta diretamente ligado ao faturamento da Indústria Farmacêutica. 20

21 6.2. Análise do Microambiente Performance de Demanda DDD (Demanda Gerada) vs SIMV (Venda aos Distribuidores) 2003 em 000 unidades D D D Jan..22 Fev..20 Mar..20 Abr..20 Mai..21 Jun..20 Jul..23 Ago..21 Set..22 Out..23 Nov..20 Dez..12 SIMV OBJ Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. Esse gráfico demonstra que a Demanda gerada pela Força de Vendas através da geração do receituário médico, esta similar à venda realizada para os Distribuidores, que são aqueles que abastecem os Pontos de Venda (Farmácias e Drogarias), comprovando que os estoques em nossos Clientes estão regularizados, e que nossa venda tem sido saudável, sem a necessidade de maiores condições comerciais para que a venda seja realizada. Os objetivos para a Força de Vendas tem sido similares a demanda, e pelo que foi visto acima, são atingíveis, possibilitando a todos a remuneração variável. 21

22 Matriz BCG Estrela = Premium Em questionamento = Lançamento Gerador de caixa = Classic Abacaxi = Stand By LINHA 1 LINHA 2 LINHA 3 ALLESTRA Lançamento ACHEFLAN Lançamento AIRCLIN Lançamento ARTROLIVE Lançamento MIRTAX Lançamento DIOSMIN Lançamento ROSACLEAN Lançamento CANDICORT Premium OMEPRAMIX Lançamento BRONDILAT Premium FEMINA Premium SOYFEMME Lançamento COMBIRON Premium NISULID Premium DECADRON Premium DECONGEX Premium NOVACORT Premium DESOBESI Premium FLAGASS Premium PRELONE Premium FENTIZOL Premium FLOGORAL Premium SOMALIUM Premium ACCUVIT Classic MAXICALC Premium SORINE Premium DIGEPLUS Classic NOTUSS Premium VERTIX Premium DINATON Classic TANDRILAX Premium CEFALIUM Classic DORILAX Classic TRANSPULMIN Premium CEFALIV Classic DUALID Classic BIOFENAC Classic CAPEL Classic FAMOX Classic COLPISTATIN Classic FLOGOROSA Classic FEMME Classic DUODECA Classic ISKEMIL Classic GERIATON Classic ANTUX StandBy KATADOLON Classic KAMILLOSAN Classic FLOGENE StandBy MENOPAX Classic LABEL Classic FREENAL StandBy POSTINOR-2 Classic LEUCOGEN Classic MIONEVRIX StandBy VERTIZINE Classic NOVAMOX Classic TEOREMIN StandBy VITA-E Classic NOVOCILIN Classic TIMASEN StandBy ARTROSIL StandBy PARASIN Classic TENOTEC StandBy AURAM StandBy CANDIDERM StandBy BENFLOGIN StandBy CANDIZOL StandBy CARNABOL StandBy CANDORAL StandBy DAYVIT StandBy CAUTEREX StandBy DEPROZOL StandBy DECADRONAL StandBy ENERGIVIT StandBy GASTRIUM StandBy ERITREX StandBy HIDROCIN StandBy FLUNARIN StandBy LANZOL StandBy ISKETAM StandBy MERACILINA StandBy REBONE StandBy NECAMIN StandBy 22

23 A Matriz BCG comprova a necessidade da renovação do portifólio, investindo em lançamentos, para que em médio prazo tenhamos um maior número de produtos estrela (premium), que são aqueles com maior rentabilidade. Um grande problema está nos produtos geradores de caixa (classic), que são aqueles que mais sofrem com a concorrência de similares e genéricos, e tendem a se tornarem produtos abacaxi (stand by) em um curto espaço de tempo. Além disso, fica clara a necessidade de reduzirmos os produtos abacaxi (stand by), pois aumentam em demasia o custo operacional da Empresa. A sugestão é descontinuarmos as marcas com menor margem de contribuição, seguindo as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Performance de Lançamentos (Ano Base 2003) É de extrema importância à renovação do portifólio para a saúde financeira do Laboratório Aché. Veremos a seguir, como foi a performance dos Lançamentos em

24 Performance por Produto Lançado (Close up 2003) CONTRACEPTIVOS HORMONAIS ORAIS (ALLESTRA) Close Up % de Captação de Receitas Médicas 15,0 16,6 17,1 16,5 14,6 15,0 13,5 14,7 12,3 11,0 14,0 YASMIN 10,5 4,1 4,3 9,9 4,9 2,1 10,1 5,7 9,2 6,5 6,2 9,2 9,3 6,3 8,2 6,8 7,6 7,3 7,2 7,0 6,5 4,8 2,2 7,9 7,1 6,6 3,4 7,6 6,6 6,6 3,9 6,9 6,5 6,0 3,0 MINIMA TAMISA DIMINUT ALLESTRA 20 2,0 0,7 dez/02 jan/03 fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 set/03 out/03 nov/03 dez/03 Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. Trata-se de um dos Mercados com maior crescimento, porém, é também um dos mais concorridos. Só em 2003, entraram mais de 10 marcas novas, com 82 marcas fazendo parte desse Mercado. Esse Mercado sofre diretamente a influência da tecnologia, com novas marcas entrantes trazendo novos métodos de contracepção, e que respondem rapidamente a essas novas opções, o que pode ser visto com o sucesso do Yasmin. No segmento dos contraceptivos orais, as marcas com micro dosagem hormonal tem tido maior sucesso. Como Allestra é um similar com baixa dosagem, que não trouxe nenhum diferencial a esse Mercado, podemos considerar sua performance até aqui como satisfatória, apesar da tendência de queda no último mês. 24

25 Close Up % de Captação de Receitas Médicas SINTOMAS DO CLIMATÉRIO (SOYFEMME) 7,5 7,5 7,9 6,7 7,5 6,6 5,8 5,5 6,1 4,0 3,5 6,6 6,0 5,1 3,9 6,2 5,7 5,6 4,1 6,3 6,1 5,4 4,3 7,2 5,4 5,3 4,6 6,3 5,8 6,0 5,7 5,2 5,3 4,8 4,1 3,1 6,2 6,0 5,4 5,3 5,1 7,3 7,4 7,0 6,0 5,8 6,4 5,6 5,1 5,9 5,1 5,5 5,4 5,4 5,0 5,0 SOYFEMME LIBIAM CLIMADIL 2,9 PREMARIN EVISTA 0,1 dez/02 jan/03 fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 set/03 out/03 nov/03 dez/03 Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. O Mercado de Terapia Hormonal (TH) sofreu uma profunda mudança após o trabalho publicado nos EUA com mais de um milhão de mulheres acima de 60 anos, e veiculado em toda a mídia mundial, quando foi observado um aumento nos casos de câncer de mama no grupo que utilizava reposição hormonal estrogênica, abrindo espaço para os tratamentos naturais. Aproveitando essa oportunidade identificada no Mercado, o Laboratório Aché lançou Soyfemme, que foi o primeiro fito medicamento desenvolvido pela Empresa, e que em cinco meses já alcançou a liderança do Mercado. 25

26 Close Up % de Captação de Receitas Médicas ANTIULCEROSOS (OMEPRAMIX) 42,8 42,9 41,2 41,3 43,2 47,1 46,8 44,3 43,1 42,2 42,1 39,1 39,12 PYLORIPAC IBP MD7 PYLORIPAC MD7 ERRADIC UG LIB 18,8 18,1 14,2 5,1 20,7 15,6 14,1 5,0 20,0 15,8 14,1 19,0 19,7 19,2 19,8 19,5 18,4 18,2 17,9 18,68 16,9 14,5 16,9 17,3 15,5 13,2 12,4 6,9 6,4 5,8 5,6 5,7 0,1 14,1 14,2 11,0 11,4 12,6 9,0 6,1 6,8 1,5 6,0 10,7 12,6 11,65 10,5 10,4 9,5 8,5 8,64 6,3 7,2 7,62 4,91 8,0 5,4 6,1 6,7 1,78 4,25 2,92 HELICOPAC SGP ERRADIC LIB ANZOPAC UCI OMEPRAMIX ACH dez/02 jan/03 fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 set/03 out/03 nov/03 dez/03 Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. Este Mercado tem como característica um Preço Médio elevado, e os produtos similares com preço mais baixo, tendem a ter uma melhor performance. Pelo curto espaço de tempo, podemos considerar positiva a tendência de Omepramix, com 4,25 % de MKT Share em apenas três meses de lançamento. 26

27 TERAPIA VARICOSA SISTÊMICA (DIOSMIN) Close Up % de Captação de Receitas Médicas 28,7 23,8 20,1 9,0 29,0 23,5 20,9 9,0 27,4 26,9 24,0 25,2 22,0 21,9 8,7 8,5 27,6 23,8 22,7 7,9 1,6 27,1 24,8 22,9 20,4 19,5 17,7 10,6 7,3 7,1 3,9 3,3 3,9 22,6 23,4 23,0 19,1 18,7 19,6 18,2 18,6 17,9 12,9 11,7 13,0 7,5 8,0 7,4 4,4 4,3 4,8 21,4 19,9 16,7 14,4 7,5 6,7 20,2 20,53 19,6 19,19 16,5 15,41 14,7 14,06 7,6 9,0 10,08 7,56 DAFLON 500 VENALOT VENOCUR TRIPLEX DIOSMIN VECASTEN CAPILAREMA dez/02 jan/03 fev/03 mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 set/03 out/03 nov/03 dez/03 Fonte: Informações internas Aché Laboratórios. Este é um Mercado conservador, com poucas marcas tradicionais e uma grande representatividade. Essa foi a oportunidade identificada, e o motivo do sucesso de Diosmin, já que em nove meses de lançamento, apresenta 14,6 % de MKT Share, e com tendência de crescimento. 27

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Filomena Garcia Sócia-Diretora do Grupo Cherto: Comercial, Expansão de Franquias e Rede de Negócios

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio.

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio. F R A N Q U I A Benefícios do Modelo Uma das marcas mais fortes e reconhecidas do país. A marca faz parte de um conglomerado que se consolida como um dos maiores do país (Alpargatas - Grupo Camargo Corrêa).

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK.

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK. PMBOK NA GESTÃO DE RH EM STARTUPS AUTORES Elaine Cristhina Castela Oyamada Henrique Spyra Gubert Juliana da Costa e Silva Juliana Theodoro de Carvalho Leitão Ricardo Takeshita ORIENTADOR Fábio Judice CURSO

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais