RESOLUÇÃO DAS ATIVIDADES E FORMALIZAÇÃO DOS CONCEITOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO DAS ATIVIDADES E FORMALIZAÇÃO DOS CONCEITOS"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso de Administração Disciplina: Estatística I Professora: Stefane L. Gaffuri RESOLUÇÃO DAS ATIVIDADES E FORMALIZAÇÃO DOS CONCEITOS Sessão 1 Experimentos Aleatórios e Experimentos Determinísticos 1.1 Analise os experimentos seguintes: 1. Lançamento de um dado. Experimento determinístico 2. Retirar uma carta de um baralho de 52 cartas e verificar seu naipe. Experimento aleatório 3. Lançamento de uma moeda. Experimento determinístico 4. Sortear um número em uma rifa e verificar o número. Experimento aleatório 5. Verificar a que temperatura determinado leite ferve. Experimento determinístico 6. Germinação de uma semente. Experimento aleatório 7. Se choverá no próximo mês. Experimento aleatório 8. Chutar uma bola ao gol e verificar a velocidade com que ela atinge o solo. Experimento determinístico 9. A cor da próxima camiseta que você irá comprar. Experimento determinístico 10. Encontrar um semáforo em condições normais de funcionamento, e observar qual é a cor que ele está indicando. Experimento aleatório É possível identificar se são experimentos determinísticos ou experimentos aleatórios? Classifique-os. Experimentos determinísticos: Experimentos que ao serem repetidos inúmeras vezes, em condições semelhantes*, apresentam resultados estáveis, ou seja, os resultados podem ser previstos ou determinados. Nestes experimentos existe a possibilidade de se fazer a previsão lógica e precisa do resultado. Experimentos aleatórios: Experimentos que ao serem repetidos várias vezes, em condições semelhantes*, apresentam diferentes resultados, não sendo possível, portanto, a previsão lógica dos resultados. Sabemos quais são os prováveis resultados, mas não sabemos qual particular resultado ocorrerá.

2 *condições semelhantes: dizemos que as condições de realização de um experimento são semelhantes, quando as variações das condições que não são levadas em conta não modificam as características da experiência. Ainda, podemos dizer também que as condições de realização de um experimento são semelhantes, quando estas condições permanecem necessariamente inalteradas. A Teoria das Probabilidades estuda as formas de se estabelecer a possibilidade de ocorrência de cada particular resultado de um experimento aleatório. Sessão 2 Características de um experimento aleatório Essas atividades têm como objetivo definir as características de um experimento aleatório. Nessa sessão serão utilizados materiais manipuláveis, tais como moedas e baralho. Cada grupo receberá o material citado para a realização do experimento. 2.1 Lance uma moeda e observe a face voltada para cima. a) É possível repetir esse experimento várias vezes em condições semelhantes? Sim. b) Existe a possibilidade de estabelecer o conjunto de todos os resultados possíveis desse experimento? Se existir essa possibilidade, quais são os possíveis resultados? Sim. Os possíveis resultados são cara ou coroa. c) Ao lançar a moeda, pode-se prever qual será a da face voltada para cima? Não. 2.2 Retire uma carta de um baralho comum e observe seu naipe. a) É possível repetir esse experimento várias vezes em condições semelhantes? Sim. b) Existe a possibilidade de estabelecer o conjunto de todos os resultados possíveis desse experimento? Se existir essa possibilidade, quais são os possíveis resultados? Sim, as possíveis possibilidades são as 52 cartas do baralho. c) Ao retirar a carta, pode-se prever qual será a da face voltada para cima? Não. Características de um experimento aleatório 1. Experimentos que podem ser repetidos várias vezes (indefinidamente) sob as condições semelhantes, isto é, condições essencialmente inalteradas; 2. Experimentos para os quais pode-se prever o conjunto de todos os resultados possíveis

3 3. Experimentos para os quais não se pode prever qual particular resultado, entre todos os possíveis, irá ocorrer. Sessão 3 Espaço Amostral e Evento Nessa sessão serão utilizados materiais manipuláveis, como dados, moedas e uma caixa com fichas numeradas de 1 a 10. Cada grupo receberá o material para realizar o experimento. O objetivo dessas atividades é conceituar espaço amostral e evento. 3.1 Utilize os materiais manipuláveis (dado, caixa com fichas numeradas e moedas) para executar os seguintes experimentos aleatórios: A: Lance um dado comum e observe o número da face voltada para cima. B: Da caixa com 10 fichas numeradas de 1 a 10 retire uma ficha e observe seu número. C: Lance simultaneamente duas moedas comuns distintas e observe cada uma das faces voltadas para cima. Descreva: a) o conjunto de todos os resultados possíveis do experimento aleatório A. S = {1, 2, 3, 4, 5, 6} b) o conjunto de todos os resultados possíveis do experimento aleatório B. S = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10} c) o conjunto de todos os resultados possíveis do experimento aleatório C. S = {(cara, coroa); (coroa, cara); (cara, cara); (coroa, coroa)} Cada um destes conjuntos recebe o nome de espaço amostral do experimento aleatório. Espaço Amostral é o conjunto de todos os resultados possíveis de um experimento aleatório. 3.2 Lance simultaneamente um dado e uma moeda comuns e observe as faces voltadas para cima Descreva o conjunto de todos os resultados possíveis. A = {(1, cara); (2, cara); (3, cara); (4, cara); (5, cara); (6, cara); (1, coroa); (2, coroa); (3, coroa); (4, coroa); (5, coroa); (6, coroa)}

4 3.2.2 Determine os subconjuntos E do conjunto A que satisfaçam as condições a seguir: a) Ocorrência de número par no dado. E = {(2, cara); (2, coroa); (4, cara); (4, coroa); (6, cara); (6, coroa)} b) Ocorrência de número ímpar no dado e coroa na moeda. E = {(1, coroa); (3, coroa); (5, coroa)} c) Ocorrência de cara na moeda E = {(1, cara); (2, cara); (3, cara); (4, cara); (5, cara); (6, cara)} d) Ocorrência de um número primo no dado e cara na moeda. E = {(2, cara); (3, cara); (5, cara);} Evento é qualquer subconjunto de um espaço amostral. Sessão 4 Tipos de Eventos O propósito dessa sessão é conceituar e distinguir os eventos certos, impossíveis, complementares, independentes, dependentes e mutuamente exclusivos (ou disjuntos) e eventos não exclusivos (ou conjuntos). Usaremos materiais manipuláveis (dado e caixa com fichas) para executar os experimentos. 4.1 Use os materiais manipuláveis para executar o seguinte experimento: lance um dado de 6 faces e observe o número da face voltada para cima e descreva: a) o espaço amostral do experimento. S = {1, 2, 3, 4, 5, 6} b) os subconjuntos unitários do espaço amostral. A = {1}; B = {2}; C = {3}; D = {4}; E = {5}; F = {6} Os subconjuntos acima são chamados Eventos Elementares, ou seja: Evento Elementar é qualquer subconjunto unitário de um espaço amostral. c) ocorrência de um número menor que 6. C = {1, 2, 3, 4, 5, 6} O evento acima é denominado Evento Certo. Dizemos que esse evento tem 100% de chance de ocorrência.

5 Evento Certo é o próprio espaço amostral. d) ocorrência de um número múltiplo de 7. S = Ø O evento acima não possui elementos: é um conjunto vazio. Eventos dessa natureza são chamados eventos impossíveis. Evento impossível é um subconjunto vazio do espaço amostral. 4.2 Use a caixa com fichas numeradas de 1 a 12 para retirar uma ficha. Descreva os conjuntos: a) A: ocorrência de número divisor de quatro. A = {1, 2, 4} b) B: ocorrência de número múltiplo de 6. B = {6, 12} c) O conjunto C tal que C = A U B. C = Ø A e B não possuem elementos comuns. Tais eventos são denominados Mutuamente Exclusivos. Eventos Mutuamente Exclusivos são eventos cujos conjuntos são disjuntos, isto é, a intersecção é o conjunto vazio. d) D: ocorrência de número par. D= {2, 4, 6} e) E: ocorrência de número ímpar. E = {1, 3, 5} f) O conjunto D U E. D U E = {1, 2, 3, 4, 5, 6} g) O conjunto D E. D E = Ø

6 Observe que os conjuntos D e E não possuem elementos comuns: a intersecção é um conjunto vazio. Mas, a união de D e E resultou no espaço amostra. Esses eventos são chamados Eventos Complementares. Eventos complementares são eventos cuja interseção é o conjunto vazio e cuja união é o espaço amostral. Ou pode ser definido da seguinte forma: Sendo P a probabilidade de que ocorra um evento e Q a probabilidade de que ele não ocorra, para um mesmo evento existe sempre a relação: P + Q = 1 Q = 1 P Sessão 5 Cálculo de Probabilidades O propósito dessa sessão é construir o conceito de Probabilidade. 5.1 (Questão adaptada do Exame Nacional do Ensino Médio de 2009). Um time de futebol amador ganhou uma taça ao vencer um campeonato. Os jogadores decidiram que o prêmio seria guardado na casa de um deles. Todos quiseram guardar a taça em suas casas. Na discussão para se decidir com quem ficaria o troféu, travou-se o seguinte diálogo: Pedro, camisa 6: - Tive uma ideia. Nós somos 11 jogadores e nossas camisetas estão numeradas de 2 a 12. Tenho dois dados com as faces numeradas de 1 a 6. Se eu jogar os dois dados, a soma dos números das faces que ficarem para cima pode variar de 2 (1+1) até 12 (6+6). Vamos jogar os dados e quem tiver a camisa com o número do resultado vai guardar a taça. Tadeu, camisa 2: - Não sei não... Pedro sempre foi muito esperto... Acho que ele está levando alguma vantagem nessa proposta... Ricardo, camisa 12: - Pensando bem... Você pode estar certo, pois, conhecendo o Pedro, é capaz que ele tenha mais chances de ganhar que nós dois juntos... A partir desse diálogo, responda: a) Em sua opinião, quem é o jogador com maior chance de levar a taça para casa, dentre os 11 jogadores do time? Por quê? Jogando dois dados, o espaço amostral é composto por 36 elementos, uma vez que o dado apresenta 6 resultados possíveis. Cada elemento do espaço amostral é do tipo (dado 1, dado 2). Assim:

7 S = {(1, 1); (1, 2); (1, 3); (1, 4); (1, 5); (1, 6); (2, 1); (2, 2); (2, 3); (2, 4); (2, 5); (2, 6); (3, 1); (3, 2); (3, 3); (3, 4); (3, 5); (3, 6); (4, 1); (4, 2); (4, 3); (4, 4); (4, 5); (6, 6); (5, 1); (5, 2); (5, 3); (5, 4); (5, 5); (5, 6); (6, 1); (6, 2); (6, 3); (6, 4); (6, 5); (6, 6)} Somando cada um dos resultados possíveis, temos: 1+ 1 = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = 12 Logo, o jogador que tem mais chances de ganhar é o da camisa número 7, pois a soma de resultados possíveis para essa camisa pode aparecer seis vezes, isto é (1, 6); (2, 5); (3, 4); (4, 3); (5, 2); (6, 1). b) Qual a probabilidade de Pedro ficar com a taça? Para Pedro ser sorteado, a soma dos resultados deve ser 6 (número de sua camisa). Assim temos cinco resultados possíveis: A = {(1, 5); (2, 4); (3, 3); (4, 2); (5, 1)} Logo, a probabilidade de Pedro ser sorteado é P = número (A)/ número (S) = 5/36 = 0,138 = 13, 8% c) Qual a probabilidade de Tadeu ficar com a taça? Para Tadeu ser sorteado, a soma dos resultados deve ser 2 (número de sua camisa). Assim temos um único resultado possível: B = {(1, 1)} Logo, a probabilidade de Tadeu ser sorteado é P = número (B)/ número (S) = 1/36 = 0,0278 = 2,77% d) Qual a probabilidade de Ricardo ficar com a taça? Para Ricardo ser sorteado, a soma dos resultados deve ser 12 (número de sua camisa). Assim, também temos um único resultado possível: C = {(6, 6)} Logo, a probabilidade de Ricardo ser sorteado é P = número (C)/ número (S) = 1/36 = 0,0278 = 2,77% e) Uma nova sugestão de sorteio foi dada pelo time, usar um dado e uma moeda da seguinte forma: atribui-se valor 1 para cara e o valor 7 para coroa; jogam-se

8 simultaneamente a moeda e o dado, e somam-se os resultados. Por exemplo, saindo cara e 5 ganha Pedro, pois a soma seria 6. No caso de sair coroa e 6, joga-se novamente, pois a soma seria 13 e ninguém tem essa camisa. Nessa nova maneira de sortear, quem levaria a maior vantagem? Jogando um dado e uma moeda, o espaço amostral é composto por 12 elementos, uma vez que o dado apresenta 6 resultados possíveis e a moeda 2 resultados possíveis, cara ou coroa. Cada elemento do espaço amostral é do tipo (dado, moeda). Assim: S = {(1, cara); (2, cara); (3, cara); (4, cara); (5, cara); (6, cara); (1, coroa); (2, coroa); (3, coroa); (4, coroa); (5, coroa); (6, coroa)} Segundo a nova maneira de sortear, para cara temos o valor 1 então, somando os resultados possíveis se sair cara, temos: (1, cara) = = 2 (2, cara) = = 3 (3, cara) = = 4 (4, cara) = = 5 (5, cara) = = 6 (6, cara) = = 2 No entanto, se sair coroa soma-se 7 ao valor do dado, então, somando os resultados, temos: (1, coroa) = = 8 (2, coroa) = = 9 (3, coroa) = = 10 (4, coroa) = = 11 (5, coroa) = = 12 (6, coroa) = = 13 Nessa nova maneira de sortear todos os jogadores teriam a mesma probabilidade, isto é P = 1/12, de ser sorteado, logo ninguém levaria vantagem.

9 Conceitos de Probabilidade Existem três formas de se definir probabilidade. A definição clássica, a definição frequêncial e a definição axiomática. Probabilidade Clássica ou Laplaciana Seja E um experimento aleatório e S um espaço amostra associado formado por n resultados igualmente prováveis. Seja A S um evento com m elementos. A probabilidade de A, anotada por P(A), lê-se P de A, é definida como sendo: P(A) = m / n Isto é, a probabilidade do evento A é o quociente entre o número m de casos favoráveis e o número n de casos possíveis. Exemplo Calcular a probabilidade de no lançamento de um dado e obter-se: a) Um resultado igual a 4. b) Um resultado ímpar. Solução: S = { 1, 2, 3, 4, 5, 6 } a) A = { 4 } então P(A) = m / n = 1 / 6 = 16,67% b)b = { 1, 3, 5 } então P(B) = m / n = 3 / 6 = 50% Probabilidade Frequentista Na prática acontece que nem sempre é possível determinar a probabilidade de um evento. Neste caso é necessário ter um método de aproximação desta probabilidade. Um dos métodos utilizados é a experimentação que objetiva estimar o valor da probabilidade de um evento A com base em valores reais. A probabilidade avaliada através deste processo é denominada de probabilidade empírica. Frequência relativa de um evento Seja E um experimento e A um evento de um espaço amostra associado ao experimento E.Suponha-se que E seja repetido n vezes e seja m o número de vezes que A ocorre nas n repetições de E. Então a frequência relativa do evento A, anotada

10 por fr(a), é o quociente:fr(a) = m / n = (número de vezes que A ocorre) / (número de vezes que E é repetido) Exemplo 1: Uma moeda foi lançada 200 vezes e forneceu 102 caras. Então a frequência relativa de caras é: fr(a) = 102 / 200 = 0,51 = 51% Exemplo 2: Um dado foi lançado 100 vezes e a face 6 apareceu 18 vezes. Então a frequência relativa do evento A = { face 6 } é: fr(a) = 18 / 100 = 0,18 = 18% Definição: A probabilidade P(A) de ocorrência de um evento A, pode ser definida como o limite da frequência relativa fr(a) do evento A, quando o número, n, de repetições do experimento, sob as mesmas condições, tende ao infinito. Probabilidade Axiomática Seja E um experimento aleatório com um espaço amostra associado S. A cada evento A S associa-se um número real, representado por P(A) e denominado probabilidade de A, que satisfaz as seguintes propriedades (axiomas): Axioma 1: 0 P(A) 1 Axioma 2: P(S) = 1 Axioma 3: Se A B = Ø, então P(AUB) = P(A) + P(B) É um conceito que facilita a definição de conjuntos infinitos e a demonstração de teoremas. Sessão 6 Probabilidade Condicional O objetivo dessa sessão é construir o conceito de Probabilidade Condicional e resolver problemas relativos a esse conceito. Para a resolução desse problema será utilizado um dado comum de seis faces. 6.1 Essa atividade será feita utilizando dois dados de 6 faces cada. Cada integrante do grupo deverá escolher um número de 1 a 6. Em seguida, cada participante jogará um dado de cada vez, uma única vez. Se o número escolhido aparecer em pelo menos um dos dados, a pessoa vence. a) Qual o número que tem a maior probabilidade de sair?

11 Todos os números têm a mesma probabilidade de sair. b) Qual o número que você escolheu? Ex: número 3. c) Qual a probabilidade de sair esse número em pelo menos um dos dados? Jogando dois dados, o espaço amostral é composto por 36 elementos, uma vez que o dado apresenta 6 resultados possíveis. Cada elemento do espaço amostral é do tipo (dado 1, dado 2). Assim: S = {(1, 1); (1, 2); (1, 3); (1, 4); (1, 5); (1, 6); (2, 1); (2, 2); (2, 3); (2, 4); (2, 5); (2, 6); (3, 1); (3, 2); (3, 3); (3, 4); (3, 5); (3, 6); (4, 1); (4, 2); (4, 3); (4, 4); (4, 5); (6, 6); (5, 1); (5, 2); (5, 3); (5, 4); (5, 5); (5, 6); (6, 1); (6, 2); (6, 3); (6, 4); (6, 5); (6, 6)} Como o número escolhido para a resolução é o número 3, temos: Evento A = {(1, 3); (2, 3); (3, 3); (4, 3); (5, 3); (6, 3); (3, 1); (3, 2); (3, 4); (3, 5); (3, 6)} Logo, a probabilidade de sair o número 3 é P (A) = número elementos de (A)/ número elementos de (S) = 11/ 36 = 0,30 = 30% d) Qual é a probabilidade de você ganhar sendo que você não obteve o número escolhido no primeiro dado? Inicialmente, vamos calcular a probabilidade de não obtermos o número 3 no primeiro dado, vamos chamar essas possibilidade de evento B. Então, temos: B = {(1, 1); (1, 2); (1, 3); (1, 4); (1, 5); (1, 6); (2, 1); (2, 2); (2, 3); (2, 4); (2, 5); (2, 6); (4, 1); (4, 2); (4, 3); (4, 4); (4, 5); (6, 6); (5, 1); (5, 2); (5, 3); (5, 4); (5, 5); (5, 6); (6, 1); (6, 2); (6, 3); (6, 4); (6, 5); (6, 6)} A probabilidade é P (B) = número elementos de (B)/ número elementos de (S) = 30/ 36 Denotamos por B A a ocorrência do evento A, dado que o evento B já tenha ocorrido, e por P(B A) a probabilidade condicional de ocorrer A dado que B já ocorreu. Na situação-problema, P(B A) é a probabilidade de se obter um 3 no segundo dado, sendo que não foi obtido 3 no primeiro dado. Note que o evento B modifica a condição e a probabilidade do evento A, pois, a partir das ocorrência de B, o espaço amostral passa a ser o conjunto B:

12 Assim, a probabilidade de a pessoa ganhar, tendo escolhido o número 3 e não obtido esse número no primeiro dado é de 1/6 ou 16, 67%. Observação importante: n(a B) = {(1, 3); (2, 3); (4, 3); (5, 3); (6, 3)}, isto é, são as possibilidades de não sair 3 no primeiro dado. Como n(a B)= 5, temos P(A B) = 5/36. Nessa situação, A e B são eventos dependentes, ou seja, a ocorrência de um depende da ocorrência prévia do outro. Eventos Independentes e Eventos Dependentes Após o estudo da Probabilidade Condicional, notamos que há eventos que o cálculo da probabilidade deste depende ou não de outro evento. Por isso, vamos conceituar Eventos Independentes e Eventos Dependentes. Quando se estuda simultaneamente dois eventos, existem duas possibilidades quanto à relação entre as suas probabilidades: Eventos Dependentes: Quando a ocorrência de um influencia a probabilidade de ocorrência do outro; Eventos Independentes: Quando a ocorrência de um em nada interfere na ocorrência do outro. Assim, se A e B são eventos independentes, então a probabilidade de que ambos aconteçam ao mesmo tempo é necessariamente igual à probabilidade isolada de um deles ocorrer multiplicada pela probabilidade isolada do outro, ou seja, em notação matemática: P(A B) = P(A) P(B) Quando existe alguma relação entre A e B de modo que a ocorrência de um interfere na probabilidade do outro, a probabilidade de ambos ocorrerem ao mesmo tempo assume um valor diferente dependendo da natureza da relação.

13 Exemplo: Lançamos dois dados. A probabilidade de obtermos 1 no primeiro dado é: P 1 = 1/6 A probabilidade de obtermos 5 no segundo dado é: P 2 = 1/6 Logo, a probabilidade de obtermos, simultaneamente, 1 no primeiro e 5 no segundo é: P(A B) = 1/6 1/6 = 1/36 Conceito de Probabilidade Condicional (Probabilidade de eventos dependentes) Considere um experimento aleatório com um espaço amostral equiprovável E, finito e não vazio. Ao realizar o experimento, constata-se que ocorreu um evento não vazio A. Qual é a probabilidade de ter ocorrido também algum elemento de outro evento B? A probabilidade de ocorrer o evento B dado que ocorreu o evento A é indicada por P(B A), e é calcula por: O número P(B A) é a probabilidade de ocorrer B condicionada à ocorrência de A. Esse número pode ser expresso, também, em função das probabilidades de A B e de A, bastando para isso dividir por n(e) o numerador e o denominador da fração do segundo membro da igualdade (I), isto é: Assim, temos duas identidades equivalentes, (I) e (II), para o cálculo da probabilidade condicional P(B A). Exemplo: Um casal planeja ter 3 filhos. Qual é a probabilidade de que o casal tenha exatamente dois filhos do sexo masculino, sendo que o primeiro filho que nasceu é do sexo feminino? O espaço amostral que representa as possibilidades de o casal ter 3 filhos é:

14 S = {(M, M, M); (M, M, F); (M, F, M); (M, F, F); (F, M, M); (F, M, F); (F, F, M); (F, F, F)} Logo, temos, Evento A: exatamente dois filhos do sexo masculino. A = {(M, M, F); (M, F, M); (F, M, M)} P(A) = n(a)/ n(s) = 3/8 Evento B: o primeiro filho é do sexo feminino. B = { F, M, M); (F, M, F); (F, F, M); (F, F, F)} P(B) = n(b)/n(s) = 4/8 Evento A B: exatamente dois filhos do sexo masculino e o primeiro filho do sexo feminino. (A B) = {(F, M, M)} Calculando P(B A), obtemos a probabilidade de o casal ter exatamente dois filhos do sexo masculino, sendo que o primeiro filho que nasceu é do sexo feminino: Sessão 7 Teoremas fundamentais A finalidade dessa sessão é abordar os conceitos do Teorema da Soma e o Teorema do Produto e explorar sua aplicabilidade. Para a resolução dessas atividades serão utilizados matérias manipuláveis como caixa com fichas coloridas, baralho e o jogo de peças conhecido como Dominó. 7.1 Utilize a caixa que contém fichas coloridas. A caixa contém cinco fichas vermelhas, três fichas azuis, quatro fichas brancas e uma ficha verde. Retire uma ficha da caixa e responda: a) Qual a probabilidade dessa ficha ser vermelha? S = {13 fichas}

15 A = {5 fichas vermelhas} P = n(a)/ n(s) = 5/13 = 0, 38 = 38% b) Qual a probabilidade dessa ficha ser azul? S = {13 fichas} B = {3 fichas azuis} P = n(b)/ n(s) = 3/13 = 0, 23 = 23% c) Qual a probabilidade dessa ficha ser branca? S = {13 fichas} C = {4 fichas brancas} P = n(c)/ n(s) = 4/13 = 0, 30 = 30% d) Qual a probabilidade dessa ficha ser vermelha ou azul? Temos que a probabilidade de sair uma ficha azul é P(A) = 3/13 e a probabilidade de sair uma ficha vermelha é P(B) = 5/13, logo, P(AUB) = P(A) + P(B) = 5/13 + 3/13 = 8/13 = 0,61 = 61% e) Qual a probabilidade dessa ficha ser branca ou amarela? Temos que a probabilidade de sair uma ficha branca é P(A) = 4/13 e a probabilidade de sair uma ficha verde é P(B) = 1/13, logo P(AUB) = P(A) + P(B) = 4/13 + 1/13 = 5/13 = 0,38 = 38% Teorema da Soma (Probabilidade da união de dois eventos) Sejam A e B eventos de um mesmo espaço amostral S finito, não vazio e equiprovável. Pelo conceito de Kolmogoroff: P(AUB) = P(A) + P(B) Exemplo: Considere o seguinte experimento aleatório: retirar uma carta de um baralho comum e verificar qual é a carta. Qual é a probabilidade de obter um às ou um rei? O espaço amostral nesse caso é S = {52} Vamos calcular a probabilidade de tiramos um às: Evento A: retirar um às A = {às de copa; às de espadas; às de ouros; às de paus} A = {4}

16 P(A) = n(a)/n(s) = 4/52 Evento B: retirar um rei B = {rei de copa; rei de espadas; rei de ouros; rei de paus} B = {4} P(B) = n(a)/n(s) = 4/52 Qual é a probabilidade de obter um às ou um rei? P(AUB) = P(A) + P(B) = 4/52 + 4/52 = 8/52 = 0,154 = 15,4% 7.2 Essa atividade será realizada entre os integrantes de cada grupo (em duplas). Será feita uma aposta e o vencedor ganhará um lanche. Dupla A: vamos lançar uma moeda comum três vezes e se nos três lançamentos sair cara, nós ganhamos! Dupla B: vamos lançar um dado comum três vezes e se tirarmos nos três lances o número seis, nós ganhamos. a) Quem você acha que tem a maior probabilidade de ganhar a aposta? Por quê? Resposta pessoal b) Qual a probabilidade de se obter cara no primeiro lançamento? E no segundo? E no terceiro? Representando por cara por ca e coroa por co, podemos construir o diagrama da árvore para representar o espaço amostral desse evento.

17 Temos S = {(ca, ca, ca), (ca, ca, co), (ca, co, ca), (ca, co, co), (co, ca, ca), (co, ca, co), (co, co, ca), (co, co, co)} Note que a probabilidade de se obter uma face cara ou coroa em um dos lançamentos independe da face obtida em qualquer um dos outros lançamentos. Dessa forma, dizemos que os eventos são independentes. Representando por, e o evento em que se obtém cara no primeiro, segundo e terceiro lançamento, temos que a probabilidade de se obter cara nos três lançamentos é dada por: P( ) = P( ) P( ) P( ) = 1/2 1/2 1/2 = 1/8 = 12,5% c) Qual a probabilidade de se obter 6 no primeiro lançamento do dado? E no segundo? E no terceiro? Analogamente para os dados temos: (1ª lançamento) = 1/6 (2ª lançamento) = 1/6 (3ª lançamento) = 1/6 Probabilidade Total = ( ) = 1/6 1/6 1/6 = 1/ 216 = 0,0046 = 0,46% d) É mais fácil tirar três caras na moeda ou três vezes o número 6 no dado? É mais fácil tirar três caras na moeda, pois a probabilidade é maior. e) Quem tem a maior chance de ganhar: a dupla A ou a dupla B? Dupla A, pois pelo cálculo das probabilidades, suas chances são maiores. 7.3 Para a experimentação dessa atividade utilizaremos um jogo de dominó, com as peças ilustradas abaixo:

18 a) Retire ao acaso uma peça desse dominó. É mais provável essa peça ter soma um número par ou ímpar? Por quê? Soma par, pois temos 16 peças com soma par e 12 peças com soma ímpares. Qual a probabilidade dessa peça ter como soma um número par? Temos no total 28 peças, logo nosso espaço amostral é S = {28} Evento A: total de peças com soma par A = {16} P(A) = n(a)/ n(s) = 16/28 = 0,53 = 53% Qual a probabilidade dessa peça ter como soma um número ímpar? Temos no total 28 peças, logo nosso espaço amostral é S = {28} Evento B: total de peças com soma ímpar B = {12} P(B) = n(b)/ n(s) = 12/28 = 0,428 = 43% b) Coloque de volta a peça que você retirou. Agora retire novamente uma peça. Qual a probabilidade dessa peça ter como soma 4 ou 6 pontos? Primeiro, vamos calcular a probabilidade da soma dessa peça que retiramos ser 4 pontos: Evento A: número de peças com soma 4 A = {3}

19 P(A) = n(a)/ n(s) = 3/28 = 0,107 = 11% Agora, vamos calcular a probabilidade da soma dessa peça que retiramos ser 6 pontos: Evento B: número de peças com soma 6 A = {4} P(B) = n(b)/ n(s) = 4/28 = 0,14 = 14% Logo, a probabilidade dessa peça que retiramos ter soma 4 ou soma 6 é: P(AUB) = P(A) + P(B) = 3/28 + 4/28 = 7/28 = 0,25 ou 25%. c) Novamente, coloque a peça que você retirou. Agora repita o seguinte experimento: retire ao acaso desse dominó uma peça, e sem reposição, retira outra. Qual a probabilidade da soma dos pontos obtida em casa uma das peças retiradas ser igual a 7? Vamos considerar os seguintes eventos: A: ocorrencia, na 1ª retirada, de uma peça cuja soma dos pontos é igual a 7. B: ocorrencia, na 2ª retirada, de uma peça cuja doma dos pontos é igual a 7. Note que a probabilidade de B é condicional em relação a A. Estamos interessados em calcular P(A B), ou seja, a probabilidade de as peças da 1ª e 2ª retiradas terem pontos cuja soma é 7. Quando estudamos probabilidade condicional, vimos que, Nesse caso, precisamos calcular, P(A) e P(B A). Vamos calcular P(A): Na 1ª retirada temos três peças cuja soma é 7 de um total de 28 peças, logo, P(A) = 3/28. Calculando P(B A): Na 2ª retirada, como é sem reposição, há 2 peças cuja soma é 7 de um total de 27 peças. Logo, P(B A) = 2/27. Portanto, P(A B) = P(B A) P(A) = 2/27 3/28 = 6/756 = 0,8 ou 8%.

20 Teorema da Multiplicação Com o conceito de probabilidade condicional é possível apresentar uma maneira de se calcular a probabilidade da interseção de dois eventos A e B em função destes eventos. Esta expressão é denominada de teorema da multiplicação: P(A B) = P(A) P(B/A) = P(A/B) P(B) Bibliografia recomendada LIMA, E.; CARVALHO, P. C. P.; WAGNER, E.; MORGADO, A. C. A Matemática do Ensino Médio. Volume ed. Rio de Janeiro: SBM, MAGALHÃES, M. N.; LIMA, A. C. P. Noções de probabilidade e estatística. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

Adição de probabilidades. O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e):

Adição de probabilidades. O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e): Adição de probabilidades O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e): Dois eventos A e B são ditos mutuamente exclusivos se, e somente se, A B

Leia mais

TEORIA DAS PROBABILIDADES

TEORIA DAS PROBABILIDADES TEORIA DAS PROBABILIDADES 1.1 Introdução Ao estudarmos um fenômeno coletivo, verificamos a necessidade de descrever o próprio fenômeno e o modelo matemático associado ao mesmo, que permita explicá-lo da

Leia mais

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade Fundamentos de Probabilidade A probabilidade de chuva é de 90% A probabilidade de eu sair é de 5% Conceitos Básicos Conceitos Básicos 1. Experiência Aleatória (E) Processo de obtenção de uma observação

Leia mais

Teoria da Probabilidade

Teoria da Probabilidade Teoria da Probabilidade Luis Henrique Assumpção Lolis 14 de fevereiro de 2014 Luis Henrique Assumpção Lolis Teoria da Probabilidade 1 Conteúdo 1 O Experimento Aleatório 2 Espaço de amostras 3 Álgebra dos

Leia mais

Aula 16 - Erivaldo. Probabilidade

Aula 16 - Erivaldo. Probabilidade Aula 16 - Erivaldo Probabilidade Probabilidade Experimento aleatório Experimento em que não pode-se afirmar com certeza o resultado final, mas sabe-se todos os seus possíveis resultados. Exemplos: 1) Lançar

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 4 PROBABILIDADE

MATEMÁTICA MÓDULO 4 PROBABILIDADE PROBABILIDADE Consideremos um experimento com resultados imprevisíveis e mutuamente exclusivos, ou seja, cada repetição desse experimento é impossível prever com certeza qual o resultado que será obtido,

Leia mais

Se A =, o evento é impossível, por exemplo, obter 7 no lançamento de um dado.

Se A =, o evento é impossível, por exemplo, obter 7 no lançamento de um dado. PROBABILIDADE Espaço amostral Espaço amostral é o conjunto universo U de todos os resultados possíveis de um experimento aleatório. O número de elementos desse conjunto é indicado por n(u). Exemplos: No

Leia mais

1 Definição Clássica de Probabilidade

1 Definição Clássica de Probabilidade Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Estatística Básica - 2013 Aula 4 Professor: Carlos Sérgio UNIDADE 2 - Probabilidade: Definições (Notas de aula) 1 Definição Clássica

Leia mais

Prof.: Joni Fusinato

Prof.: Joni Fusinato Introdução a Teoria da Probabilidade Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com Teoria da Probabilidade Consiste em utilizar a intuição humana para estudar os fenômenos do nosso

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROBABILIDADE

CAPÍTULO 3 PROBABILIDADE CAPÍTULO 3 PROBABILIDADE 1. Conceitos 1.1 Experimento determinístico Um experimento se diz determinístico quando repetido em mesmas condições conduz a resultados idênticos. Exemplo 1: De uma urna que contém

Leia mais

Probabilidade Condicional (grupo 2)

Probabilidade Condicional (grupo 2) page 39 Capítulo 5 Probabilidade Condicional (grupo 2) Veremos a seguir exemplos de situações onde a probabilidade de um evento émodificadapelainformação de que um outro evento ocorreu, levando-nos a definir

Leia mais

BIOESTATISTICA. Unidade IV - Probabilidades

BIOESTATISTICA. Unidade IV - Probabilidades BIOESTATISTICA Unidade IV - Probabilidades 0 PROBABILIDADE E DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS COMO ESTIMATIVA DA PROBABILIDADE Noções de Probabilidade Após realizar a descrição dos eventos utilizando gráficos,

Leia mais

T o e r o ia a da P oba ba i b lida d de

T o e r o ia a da P oba ba i b lida d de Teoria da Probabilidade Prof. Joni Fusinato Teoria da Probabilidade Consiste em utilizar a intuição humana para estudar os fenômenos do nosso cotidiano. Usa o princípio básico do aprendizado humano que

Leia mais

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Dois ou mais eventos são mutuamente exclusivos, ou disjuntos, se os mesmos não podem ocorrer simultaneamente. Isto é, a ocorrência de um

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Campus de Lhanguene, Av. de Moçambique, km 1, Tel: +258 21401078, Fax: +258 21401082, Maputo Cursos de Licenciatura em Ensino de Matemática

Leia mais

Chama-se evento todo subconjunto de um espaço amostral. PROBABILIDADE. Introdução

Chama-se evento todo subconjunto de um espaço amostral. PROBABILIDADE. Introdução Introdução PROBABILIDADE Há certos fenômenos (ou experimentos) que, embora sejam repetidos muitas vezes e sob condições idênticas, não apresentam os mesmos resultados. Por exemplo, no lançamento de uma

Leia mais

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Def.: Um experimento é dito aleatório quando o seu resultado não for previsível antes de sua realização, ou seja,

Leia mais

PROBABILIDADE. É o conjunto de todos os resultados possíveis de um experimento aleatório. A letra que representa o espaço amostral, é S.

PROBABILIDADE. É o conjunto de todos os resultados possíveis de um experimento aleatório. A letra que representa o espaço amostral, é S. PROBABILIDADE A história da teoria das probabilidades, teve início com os jogos de cartas, dados e de roleta. Esse é o motivo da grande existência de exemplos de jogos de azar no estudo da probabilidade.

Leia mais

Ciclo 3 Encontro 2 PROBABILIDADE. Nível 3 PO: Márcio Reis 11º Programa de Iniciação Científica Jr.

Ciclo 3 Encontro 2 PROBABILIDADE. Nível 3 PO: Márcio Reis 11º Programa de Iniciação Científica Jr. 1 Ciclo 3 Encontro 2 PROBABILIDADE Nível 3 PO: Márcio Reis 11º Programa de Iniciação Científica Jr. Probabilidade 2 Texto: Módulo Introdução à Probabilidade O que é probabilidade? parte 1 de Fabrício Siqueira

Leia mais

1- INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS BÁSICOS

1- INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS BÁSICOS 1 1- INTRODUÇÃO O termo probabilidade é usado de modo muito amplo na conversação diária para sugerir um certo grau de incerteza sobre o que ocorreu no passado, o que ocorrerá no futuro ou o que está ocorrendo

Leia mais

Noções sobre Probabilidade

Noções sobre Probabilidade Noções sobre Probabilidade Introdução Vimos anteriormente como apresentar dados em tabelas e gráficos, e também como calcular medidas que descrevem características específicas destes dados. Mas além de

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE V - INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROBABILIDADES

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE V - INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROBABILIDADES PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE V - INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROBABILIDADES 0 1 INTRODUÇÃO A teoria das probabilidades é utilizada para determinar as chances de um experimento aleatório acontecer. 1.1

Leia mais

Prof. Janete Pereira Amador 1. 1 Introdução

Prof. Janete Pereira Amador 1. 1 Introdução Prof. Janete Pereira Amador 1 1 Introdução A ciência manteve-se até pouco tempo atrás, firmemente apegada à lei da causa e efeito. Quando o efeito esperado não se concretizava, atribuía-se o fato ou a

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE Foto extraída em http://www.alea.pt Profª Maria Eliane Universidade Estadual de Santa Cruz USO DE PROBABILIDADES EM SITUAÇÕES DO COTIDIANO Escolhas pessoais Previsão do tempo

Leia mais

Teoria das Probabilidades

Teoria das Probabilidades Capítulo 2 Teoria das Probabilidades 2.1 Introdução No capítulo anterior, foram mostrados alguns conceitos relacionados à estatística descritiva. Neste capítulo apresentamos a base teórica para o desenvolvimento

Leia mais

Probabilidades. O cálculo de probabilidades teve a sua origem no estudo dos jogos de azar, principalmente nos jogos de dados.

Probabilidades. O cálculo de probabilidades teve a sua origem no estudo dos jogos de azar, principalmente nos jogos de dados. Probabilidades O cálculo de probabilidades teve a sua origem no estudo dos jogos de azar, principalmente nos jogos de dados. Quando lançamos um dado, os resultados possíveis são sempre um dos elementos

Leia mais

Estatística Aplicada. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE I ESPAÇO AMOSTRAL - EVENTOS PROBABILIDADE PROBABILIDADE CONDICIONAL.

Estatística Aplicada. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE I ESPAÇO AMOSTRAL - EVENTOS PROBABILIDADE PROBABILIDADE CONDICIONAL. Estatística Aplicada Administração p(a) = n(a) / n(u) PARTE I ESPAÇO AMOSTRAL - EVENTOS PROBABILIDADE PROBABILIDADE CONDICIONAL Prof. Carlos Alberto Stechhahn 2014 1. Noções de Probabilidade Chama-se experimento

Leia mais

AULA 08 Probabilidade

AULA 08 Probabilidade Cursinho Pré-Vestibular da UFSCar São Carlos Matemática Professora Elvira e Monitores Ana Carolina e Bruno AULA 08 Conceitos e assuntos envolvidos: Espaço amostral Evento Combinação de eventos Espaço Amostral

Leia mais

Técnicas de Contagem I II III IV V VI

Técnicas de Contagem I II III IV V VI Técnicas de Contagem Exemplo Para a Copa do Mundo 24 países são divididos em seis grupos, com 4 países cada um. Supondo que a escolha do grupo de cada país é feita ao acaso, calcular a probabilidade de

Leia mais

Coordenadoria de Matemática. Apostila de Probabilidade

Coordenadoria de Matemática. Apostila de Probabilidade Coordenadoria de Matemática Apostila de Probabilidade Vitória ES 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 03 Quando investigamos algum fenômeno, verificamos a necessidade de descrevê-lo por um modelo matemático que permite

Leia mais

As três definições de probabilidades

As três definições de probabilidades As três definições de probabilidades Prof. Ilydio Pereira de Sá UERJ -USS INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES Para iniciar, vamos considerar algumas hipóteses: Rita espera ansiosamente o nascimento de seu filho,

Leia mais

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS INTRODUÇÃO O que é uma variável aleatória? Um tipo de variável que depende do resultado aleatório de um experimento aleatório. Diz-se que um experimento é

Leia mais

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal.

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Estatística Probabilidade Profa. Ivonete Melo de Carvalho Conteúdo Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Objetivos Utilizar a probabilidade como estimador

Leia mais

Aula 10 - Erivaldo. Probabilidade

Aula 10 - Erivaldo. Probabilidade Aula 10 - Erivaldo Probabilidade Experimento determinístico Dizemos que um experimento é determinístico quando repetido em condições semelhantes conduz a resultados idênticos. Experimento aleatório Dizemos

Leia mais

Prof.Letícia Garcia Polac. 26 de setembro de 2017

Prof.Letícia Garcia Polac. 26 de setembro de 2017 Bioestatística Prof.Letícia Garcia Polac Universidade Federal de Uberlândia UFU-MG 26 de setembro de 2017 Sumário 1 2 Probabilidade Condicional e Independência Introdução Neste capítulo serão abordados

Leia mais

Probabilidade. Probabilidade e Estatística. Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva

Probabilidade. Probabilidade e Estatística. Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva Probabilidade e Estatística Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva http://paginapessoal.utfpr.edu.br/ngsilva Probabilidade Probabilidade Experimento Aleatório Um experimento é dito aleatório quando satisfaz

Leia mais

Curso de Farmácia Estatística Vital Aula 05 Comentários Adicionais. Prof. Hemílio Fernandes Depto. de Estatística - UFPB

Curso de Farmácia Estatística Vital Aula 05 Comentários Adicionais. Prof. Hemílio Fernandes Depto. de Estatística - UFPB Curso de Farmácia Estatística Vital Aula 05 Comentários Adicionais Prof. Hemílio Fernandes Depto. de Estatística - UFPB Um pouco de Probabilidade Experimento Aleatório: procedimento que, ao ser repetido

Leia mais

Q05. Ainda sobre os eventos A, B, C e D do exercício 03, quais são mutuamente exclusivos?

Q05. Ainda sobre os eventos A, B, C e D do exercício 03, quais são mutuamente exclusivos? LISTA BÁSICA POIA PROBABILIDADES A história da teoria das probabilidades teve início com os jogos de cartas, de dados e de roleta. Esse é o motivo da grande existência de exemplos de jogos de azar no estudo

Leia mais

Processos Estocásticos. Luiz Affonso Guedes

Processos Estocásticos. Luiz Affonso Guedes Processos Estocásticos Luiz Affonso Guedes Sumário Probabilidade Variáveis Aleatórias Funções de Uma Variável Aleatória Funções de Várias Variáveis Aleatórias Momentos e Estatística Condicional Teorema

Leia mais

Disciplina de Estatística Prof. Msc Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini LISTA DE PROBABILIDADES

Disciplina de Estatística Prof. Msc Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini LISTA DE PROBABILIDADES Disciplina de Estatística Prof. Msc Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini LISTA DE PROBABILIDADES 1) Determine a probabilidade de cada evento: a) Um nº par aparece no lançamento de um dado; b) Uma figura

Leia mais

PROBABILIDADE PROPRIEDADES E AXIOMAS

PROBABILIDADE PROPRIEDADES E AXIOMAS PROBABILIDADE ESPAÇO AMOSTRAL É o conjunto de todos os possíveis resultados de um experimento aleatório. A este conjunto de elementos denominamos de espaço amostral ou conjunto universo, simbolizado por

Leia mais

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado.

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado. Probabilidade Definição: Probabilidade é uma razão(divisão) entre a quantidade de eventos e a quantidade de amostras. Amostra ou espaço amostral é o conjunto formado por todos os elementos que estão incluídos

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 5

Matemática E Extensivo V. 5 Extensivo V Exercícios 0) a) / b) / c) / a) N(E) N(A), logo P(A) b) N(E) N(A), logo P(A) c) N(E) N(A), logo P(A) 0) a) 0 b) / % c) 9/0 90% d) /0 % 0) E a) N(E) 0 + + + 0 b) N(E) 0 N(A), logo P(A) 0, %

Leia mais

Probabilidade material teórico

Probabilidade material teórico 1 A probabilidade serve para calcular a chance de algo acontecer. Seu estudo, assim como o da Análise Combinatória, teve origem nos jogos de azar, onde as pessoas queriam saber qual o melhor modo de jogar,

Leia mais

Leon: Oi Lara, a primeira aula de probabilidade foi muito legal, né?

Leon: Oi Lara, a primeira aula de probabilidade foi muito legal, né? Módulo 04 Aula 04 TÍTULO: Probabilidade Parte 2. Para início de conversa... Fazer quadrinhos do seguinte diálogo: Leon: Oi Lara, a primeira aula de probabilidade foi muito legal, né? Lara: É mesmo Leon,

Leia mais

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE 3 NOÇÕES DE PROILIDDE 3.1 Conjuntos Um conjunto pode ser considerado como uma coleção de objetos chamados elementos do conjunto. Em geral denota-se conjunto por letras maiúsculas,, C,... e a sua representação

Leia mais

3. A probabilidade do evento de números pares. 4. O evento formado por número menor que três. 5. A probabilidade do evento número menor que três.

3. A probabilidade do evento de números pares. 4. O evento formado por número menor que três. 5. A probabilidade do evento número menor que três. 1 a Lista de Exercício - Estatística (Probabilidade) Profa. Ms. Ulcilea A. Severino Leal Algumas considerações importantes sobre a resolução dos exercícios. (i) Normas da língua culta, sequência lógica

Leia mais

PROBABILIDADE. ENEM 2016 Prof. Marcela Naves

PROBABILIDADE. ENEM 2016 Prof. Marcela Naves PROBABILIDADE ENEM 2016 Prof. Marcela Naves PROBABILIDADE NO ENEM As questões de probabilidade no Enem podem cobrar conceitos relacionados com probabilidade condicional e probabilidade de eventos simultâneos.

Leia mais

* Acontecimento elementar: é formado por um só elemento do conjunto de. * Acontecimento composto: é formado por dois ou mais elementos do conjunto

* Acontecimento elementar: é formado por um só elemento do conjunto de. * Acontecimento composto: é formado por dois ou mais elementos do conjunto PROBABILIDADE A linguagem das probabilidades Quando lidamos com probabilidade, as experiências podem ser consideradas: Aleatórias ou casuais: quando é impossível calcular o resultado à partida. Como exemplo

Leia mais

3. Probabilidade P(A) =

3. Probabilidade P(A) = 7 3. Probabilidade Probabilidade é uma medida numérica da plausibilidade de que um evento ocorrerá. Assim, as probabilidades podem ser usadas como medidas do grau de incerteza e podem ser expressas de

Leia mais

PROBABILIDADE. Aula 2 Probabilidade Básica. Fernando Arbache

PROBABILIDADE. Aula 2 Probabilidade Básica. Fernando Arbache PROBABILIDADE Aula 2 Probabilidade Básica Fernando Arbache Probabilidade Medida da incerteza associada aos resultados do experimento aleatório Deve fornecer a informação de quão verossímil é a ocorrência

Leia mais

PROBABILIDADE CONTEÚDOS

PROBABILIDADE CONTEÚDOS PROBABILIDADE CONTEÚDOS Experimentos aleatórios Eventos Probabilidade Probabilidade de união de dois eventos Probabilidade de eventos independentes Probabilidade condicional AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS

Leia mais

ESPAÇO AMOSTRAL E EVENTO. 2) Jogando um dado ideal e anotando a face voltada para cima, teremos o espaço amostral E= {1,2,3,4,5,6}

ESPAÇO AMOSTRAL E EVENTO. 2) Jogando um dado ideal e anotando a face voltada para cima, teremos o espaço amostral E= {1,2,3,4,5,6} NOÇÕES DE PROBABILIDADE O estudo da probabilidade vem da necessidade de em certas situações, prevermos a possibilidade de ocorrência de determinados fatos. EXPERIMENTOS ALEATÓRIOS Experimentos aleatórios

Leia mais

Fernando de Pol Mayer. Laboratório de Estatística e Geoinformação (LEG) Departamento de Estatística (DEST) Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Fernando de Pol Mayer. Laboratório de Estatística e Geoinformação (LEG) Departamento de Estatística (DEST) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Fernando de Pol Mayer Laboratório de Estatística e Geoinformação (LEG) Departamento de Estatística (DEST) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Este conteúdo está disponível por meio da Licença Creative

Leia mais

Será que vai chover amanhã? Quantificando a incerteza. Probabilidades Aula 1

Será que vai chover amanhã? Quantificando a incerteza. Probabilidades Aula 1 Será que vai chover amanhã? Quantificando a incerteza Probabilidades Aula 1 Nosso dia-a-dia está cheio de incertezas Vai chover amanhã? Quanto tempo levarei de casa até a universidade? Em quanto tempo

Leia mais

Introdução à Probabilidade

Introdução à Probabilidade A Teoria de Probabilidade é responsável pelo estudo de fenômenos que envolvem a incerteza (é impossível prever antecipadamente o resultado) e teve origem na teoria de jogos, servindo como ferramenta para

Leia mais

Probabilidades- Teoria Elementar

Probabilidades- Teoria Elementar Probabilidades- Teoria Elementar Experiência Aleatória Experiência aleatória é uma experiência em que: não se sabe exactamente o resultado que se virá a observar, mas conhece-se o universo dos resultados

Leia mais

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios.

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios. PROBABILIDADE A teoria das Probabilidades é o ramo da Matemática que cria, desenvolve e em geral pesquisa modelos que podem ser utilizados para estudar experimentos ou fenômenos aleatórios. Os experimentos

Leia mais

3. (Apostila 1 - ex.1.4) Defina um espaço amostral para cada um dos seguintes experimentos

3. (Apostila 1 - ex.1.4) Defina um espaço amostral para cada um dos seguintes experimentos Primeira Lista de Exercícios Introdução à probabilidade e à estatística Prof Patrícia Lusié Assunto: Probabilidade. 1. (Apostila 1 - ex.1.1) Lançam-se três moedas. Enumerar o espaço amostral e os eventos

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Princípios de Bioestatística Aula 5 Introdução à Probabilidade Nosso dia-a-dia está cheio de incertezas Vai

Leia mais

Noções de Probabilidade

Noções de Probabilidade Noções de Probabilidade Joel M. Corrêa da Rosa 2011 A estatística descritiva é ferramenta indispensável para extrair informação em um conjunto de dados. Entretanto, a tomada de decisões está fortemente

Leia mais

Probabilidade. Luiz Carlos Terra

Probabilidade. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá os conceitos básicos de probabilidade que é a base de toda inferência estatística, ou seja, a estimativa de parâmetros populacionais com base em dados amostrais.

Leia mais

Aula - Introdução a Teoria da Probabilidade

Aula - Introdução a Teoria da Probabilidade Introdução a Teoria da Probabilidade Prof. Magnos Martinello Aula - Introdução a Teoria da Probabilidade Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI 5 de dezembro de

Leia mais

2 Conceitos Básicos de Probabilidade

2 Conceitos Básicos de Probabilidade CE003 1 1 Introdução No capítulo anterior, foram mostrados alguns conceitos relacionados à estatística descritiva. Neste capítulo apresentamos a base teórica para o desenvolvimento de técnicas estatísticas

Leia mais

Capítulo 2 Probabilidades

Capítulo 2 Probabilidades Capítulo 2 Probabilidades Slide 1 Definições Slide 2 Acontecimento Qualquer colecção de resultados de uma experiência. Acontecimento elementar Um resultado que não pode ser simplificado ou reduzido. Espaço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística. Probabilidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística. Probabilidade UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística Probabilidade Disciplina: Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof. Tarciana Liberal Existem muitas situações que envolvem incertezas:

Leia mais

Material Teórico - Módulo Probabilidade Condicional. Probabilidade Condicional - Parte 1. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Módulo Probabilidade Condicional. Probabilidade Condicional - Parte 1. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Módulo Probabilidade Condicional Probabilidade Condicional - Parte 1 Segundo Ano do Ensino Médio Autor: Prof. Fabrício Siqueira Benevides Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto 1 Probabilidade

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Primeira Lista de Exercícios de junho de 0 Quantos códigos de quatro letras podem ser construídos usando-se as letras a, b, c, d, e, f se: a nenhuma letra puder ser repetida? b qualquer

Leia mais

Raciocínio Lógico 1 Probabilidade

Raciocínio Lógico 1 Probabilidade PROBABILIDADE 1. CONCEITOS INICIAIS A Teoria da Probabilidade faz uso de uma nomenclatura própria, de modo que há três conceitos fundamentais que temos que passar imediatamente a conhecer: Experimento

Leia mais

No lançamento de uma moeda, a probabilidade de ocorrer cara ou coroa é a mesma. Como se calcula a probabilidade de determinado evento?

No lançamento de uma moeda, a probabilidade de ocorrer cara ou coroa é a mesma. Como se calcula a probabilidade de determinado evento? Probabilidade Introdução Dentro de certas condições, é possível prever a que temperatura o leite ferve. Esse tipo de experimento, cujo resultado é previsível, recebe o nome de determinístico. No entanto,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Probabilidade Departamento de Estatística UFPB Luiz Medeiros Introdução Encontramos na natureza dois tipos de fenômenos Determinísticos: Os resultados são sempre os mesmos

Leia mais

Prof. Herivelto Tiago Marcondes dos Santos

Prof. Herivelto Tiago Marcondes dos Santos PROBABILIDADES Algumas ocorrências de nosso cotidiano de certos fenômenos naturais não podem ser previstos antecipadamente. Há nessas ocorrências o interesse em estudar a intensidade de chuvas em uma determinada

Leia mais

TEORIA DA PROBABILIDADE

TEORIA DA PROBABILIDADE TEORIA DA PROBABILIDADE Lucas Santana da Cunha lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 22 de maio de 2017 Introdução Conceitos probabiĺısticos são necessários

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Estatística. Probabilidades

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Estatística. Probabilidades Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Estatística Probabilidades Aluna(o): Aluna(o): Turma: Responsável: Prof. Silvano Cesar da Costa L O N D R I N A Estado do Paraná

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES15

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES15 INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES15 Vanderlei S. Bagnato 15.1 Introdução 15.2 Definição de Probabilidade 15.3 Adição de probabilidade 15.4 Multiplicação de probabilidades Referências Licenciatura em Ciências

Leia mais

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Aqui você tem mais uma oportunidade de estudar os teoremas da probabilidade, por meio de um conjunto de exercícios resolvidos. Observe como as propriedades

Leia mais

Aula 07. Modelos Probabilísticos. Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1

Aula 07. Modelos Probabilísticos. Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 ula 07 Modelos Probabilísticos Stela dami Vayego - DEST/UFPR 1 Probabilidade Universo do estudo (população) Hipóteses, conjeturas,... Modelos Probabilísticos Distribuições de Frequências Resultados ou

Leia mais

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios.

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios. PROBABILIDADE Prof. Aurimenes A teoria das Probabilidades é o ramo da Matemática que cria, desenvolve e em geral pesquisa modelos que podem ser utilizados para estudar experimentos ou fenômenos aleatórios.

Leia mais

8 - PROBABILIDADE. 8.1 - Introdução

8 - PROBABILIDADE. 8.1 - Introdução INE 7002 - Probabilidade 1 8 - PROBABILIDADE 8.1 - Introdução No capítulo anterior foi utilizado um raciocínio predominantemente indutivo: os dados eram coletados, e através da sua organização em distribuições

Leia mais

5) Qual a probabilidade de sair um ás de ouros quando retiramos uma carta de um baralho de 52 cartas?

5) Qual a probabilidade de sair um ás de ouros quando retiramos uma carta de um baralho de 52 cartas? TERCEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE CURSO: MATEMÁTICA PROF. LUIZ CELONI 1) Dê um espaço amostral para cada experimento abaixo. a) Uma urna contém bolas vermelhas (V), bolas brancas (B) e bolas

Leia mais

Unidade IV ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade IV ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade IV ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Análise combinatória Analise combinatória é a área da Matemática que trata dos problemas de contagem. Ela é utilizada para contarmos o número de eventos

Leia mais

PROBABILIDADE. Prof. Patricia Caldana

PROBABILIDADE. Prof. Patricia Caldana PROBABILIDADE Prof. Patricia Caldana Estudamos probabilidade com a intenção de prevermos as possibilidades de ocorrência de uma determinada situação ou fato. Para determinarmos a razão de probabilidade,

Leia mais

Probabilidade e Estatística Preparação para P1

Probabilidade e Estatística Preparação para P1 robabilidade e Estatística reparação para rof.: Duarte ) Uma TV que valia R$ 00,00, entrou em promoção e sofreu uma redução de 0% em seu preço. Qual é o novo preço da TV? ) Um produto foi vendido por R$

Leia mais

NOÇÕES DE PROBABILIDADE

NOÇÕES DE PROBABILIDADE NOÇÕES DE PROBABILIDADE ALEATORIEDADE Menino ou Menina me? CARA OU COROA? 3 Qual será o rendimento da Caderneta de Poupança no final deste ano? E qual será a taxa de inflação acumulada em 014? Quem será

Leia mais

PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr.

PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM - O intelecto faz pouco na estrada que leva à descoberta, acontece um salto na consciência, chameo de

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Aula 3 Professora: Rosa M. M. Leão Probabilidade e Estatística Conteúdo: 1.1 Por que estudar? 1.2 O que é? 1.3 População e Amostra 1.4 Um exemplo 1.5 Teoria da Probabilidade 1.6 Análise Combinatória 3

Leia mais

Conteúdo: Aula 2. Probabilidade e Estatística. Professora: Rosa M. M. Leão

Conteúdo: Aula 2. Probabilidade e Estatística. Professora: Rosa M. M. Leão Aula 2 Professora: Rosa M. M. Leão Probabilidade e Estatística Conteúdo: 1.1 Por que estudar? 1.2 O que é? 1.3 População e Amostra 1.4 Um exemplo 1.5 Teoria da Probabilidade 1.6 Análise Combinatória 3

Leia mais

PROBABILIDADE PROFESSOR: ANDRÉ LUIS

PROBABILIDADE PROFESSOR: ANDRÉ LUIS PROBABILIDADE PROFESSOR: ANDRÉ LUIS 1. Experimentos Experimento determinístico: são aqueles em que o resultados são os mesmos, qualquer que seja o número de ocorrência dos mesmos. Exemplo: Um determinado

Leia mais

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência Prof. Clécio da Silva Ferreira Depto Estatística - UFJF 1 Perguntas 1. Um novo aparelho para detectar um certo tipo de

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE PROBABILIDADE PPGEP Espaço Amostral e Eventos Espaço Amostral e Eventos UFRGS. Probabilidade.

CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE PROBABILIDADE PPGEP Espaço Amostral e Eventos Espaço Amostral e Eventos UFRGS. Probabilidade. PROBABILIDADE CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE UFRGS A Teoria das s estuda os fenômenos aleatórios. Fenômeno Aleatório: são os fenômenos cujo resultado não pode ser previsto exatamente. Se o fenômeno se repetir,

Leia mais

Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos. Sexto Ano do Ensino Fundamental

Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos. Sexto Ano do Ensino Fundamental Material Teórico - Módulo de FRAÇÃO COMO PORCENTAGEM E COMO PROBABILIDADE Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos Sexto Ano do Ensino Fundamental Prof. Francisco Bruno Holanda Prof. Antonio

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES Bruno Baierle Maurício Furigo Prof.ª Sheila Regina Oro (orientadora) Edital 06/2013 - Produção de Recursos Educacionais Digitais Revisando - Análise combinatória

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA PROBABILIDADES Bruno Baierle Maurício Furigo Prof.ª Sheila Regina Oro (orientadora) Edital 06/2013 - Produção de Recursos Educacionais Digitais Revisando - Análise combinatória

Leia mais

Sequências Generalizando um pouco, podemos então dizer que sequências de elementos são grupos com elementos obedecendo a determinada ordem. Obteremos uma sequência diferente quando se altera a ordem. No

Leia mais

Prof. Luiz Alexandre Peternelli

Prof. Luiz Alexandre Peternelli Exercícios propostos 1. Numa prova há 7 questões do tipo verdadeiro-falso ( V ou F ). Calcule a probabilidade de acertarmos todas as 7 questões se: a) Escolhermos aleatoriamente as 7 respostas. b) Escolhermos

Leia mais

Processos Estocásticos. Introdução. Probabilidade. Introdução. Espaço Amostral. Luiz Affonso Guedes. Fenômenos Determinísticos

Processos Estocásticos. Introdução. Probabilidade. Introdução. Espaço Amostral. Luiz Affonso Guedes. Fenômenos Determinísticos Processos Estocásticos Luiz ffonso Guedes Sumário Probabilidade Variáveis leatórias Funções de Uma Variável leatória Funções de Várias Variáveis leatórias Momentos e Estatística Condicional Teorema do

Leia mais

Sumário. 2 Índice Remissivo 12

Sumário. 2 Índice Remissivo 12 i Sumário 1 Definições Básicas 1 1.1 Fundamentos de Probabilidade............................. 1 1.2 Noções de Probabilidade................................ 3 1.3 Espaços Amostrais Finitos...............................

Leia mais

Estatística Aplicada. Árvore de Decisão. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE II. Administração. p(a/b) = n(a B)/ n(b)

Estatística Aplicada. Árvore de Decisão. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE II. Administração. p(a/b) = n(a B)/ n(b) Estatística Aplicada Administração p(a/b) = n(a B)/ n(b) PARTE II Árvore de Decisão Prof. Carlos Alberto Stechhahn 2014 1. Probabilidade Condicional - Aplicações Considere que desejamos calcular a probabilidade

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 6 - Introdução à probabilidade Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Maio de 2014 Experimento Experimento aleatório (E ): é um experimento que pode ser repetido indenidamente

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 2012/02 1 Interpretações de Probabilidade 2 3 Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular probabilidades

Leia mais