UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística. Probabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística. Probabilidade"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Estatística Probabilidade Disciplina: Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof. Tarciana Liberal

2 Existem muitas situações que envolvem incertezas: fenômenos ou experimentos aleatórios. Um modelo matemático ajudará a investigar de maneira bastante precisa esse fenômeno.

3 Introdução Encontramos na natureza dois tipos de fenômenos: Determinísticos: Os resultados são sempre os mesmos e determinados pelas condições sob as quais o procedimento seja executado. Exemplo: Lançamento de um corpo, velocidade média, leis da física Não-Determinístico (Probabilístico ou Aleatório) : Aplicados em situações que envolvem incerteza. Resultados variam de uma observação para outra, mesmo em condições normais de experimentação. As condições do experimento determinam apenas o comportamento probabilístico do resultado observável. Exemplo: Lançamento de um dado, índices econômicos, tempo de vida de um paciente.

4 A teoria das probabilidades é o fundamento para a inferência estatística. O objetivo desta parte é que o aluno compreenda os conceitos mais importantes da probabilidade. O conceito de probabilidade faz parte do dia-a-dia dos trabalhadores de todas as áreas, uma vez que seu conceito é frequentemente utilizado. Por exemplo, podemos dizer que um aluno tem uma chance de 70% de ser aprovado em uma determinada disciplina. Um professor está 90% seguro de que um novo método de ensino proporcione uma melhor compreensão pelos alunos. Um engenheiro de produção afirma que uma nova máquina reduz em 20% o tempo de produção de um bem. Introdução

5 Conceitos importantes Experimentos Aleatórios (E) : São aqueles onde o processo de experimentação está sujeito a influências de fatores casuais que conduzem a resultados incertos. Exemplo: Lançar um dado, Lançar uma moeda, Retirar uma carta do Baralho, Preço do Dólar ao final do dia.

6 Características de um experimento aleatório : Pode ser repetido indefinidamente sob as mesmas condições. Podemos descrever todos os possíveis resultados.

7 Conceitos importantes Espaço Amostral (Ω) : É o conjunto de todos os possíveis resultados de um experimento aleatório. Exemplo 1: Lançamento de um dado e observação da face Ω = {1, 2, 3, 4, 5, 6} Exemplo 2: Jogar uma moeda 3 vezes e observar a sequência de coroas e caras Ω={(k,k,k),(k,k,c),(k,c,k),(c,k,k),(c,c,k),(c,k,c),(k,c,c), (c,c,c)} Exemplo 3: Número de mensagens transmitidas por dia em uma rede de computação Ω = {0,1, 2, 3, 4, } Exemplo 4: Tempo de duração de um equipamento { t IR / t 0}

8 O espaço amostral pode ser Finito: Número limitado de resultados. Exemplo 1 e 2. Infinito Enumerável: Número infinito de resultados que podem ser listados. Exemplo 3. Infinito: Intervalo de números reais. Exemplo 4.

9 Conceitos importantes Evento: Dado um espaço amostral Ω, associado a um experimento E qualquer, definimos como evento qualquer subconjunto desse espaço amostral. Exemplo 1: Sair um número par A = Exemplo 2: Sair duas caras B = Exemplo 3: transmitir duas mensagens C = Diz-se que ocorre o evento A, B ou C, quando o resultado do experimento aleatório for um elemento de A, B ou C.

10 Alguns Eventos Em particular, o conjunto universo,, e o conjunto vazio,, são também eventos, onde é denominado de evento certo e evento impossível. Se A contém apenas um elemento, dizemos que A é um evento elementar ou simples.

11

12

13 Diagrama de Venn

14 Algumas Operações entre conjuntos A B é o evento que ocorrerá se e somente se A ou B ou ambos ocorrerem.

15 Algumas Operações entre conjuntos A B é o evento que ocorrerá se e somente se A e B ocorrerem simultaneamente.

16 Algumas Operações entre conjuntos A ocorrerá se e somente se não ocorrer A (COMPLEMENTAR). A A

17 Algumas Operações entre conjuntos A B ocorrerá se e somente se ocorrer A e não ocorrer B.

18 Algumas Operações entre conjuntos LEIS DE MORGAN: (I) O complementar da ocorrência de pelo menos um dos eventos é a não ocorrência de todos os eventos. (II) O complementar da ocorrência de todos os eventos é a não ocorrência de pelo menos um dos eventos.

19 Eventos mutuamente excludentes Dois eventos, A e B, serão mutuamente excludentes se não puderem ocorrer simultaneamente, isto é, a ocorrência do evento A impede a ocorrência de B. Na teoria dos conjuntos representamos que dois eventos são mutuamente exclusivos por A B =. Exemplo: A = {sair PAR} = {2, 4, 6} B = {sair IMPAR} = {1, 3, 5} A B Exclusão mútua

20 Eventos não mutuamente excludentes Se dois eventos podem ocorrer na mesma tentativa, eles não são mutuamente excludentes, ou seja, A B. Exemplo: A = {sair PAR} = {2, 4, 6} B = {sair nº maior que 4} = {5, 6} A B Sem exclusão mútua A B

21 Alguns Conceitos Básicos de Contagem REGRA DA ADIÇÃO: Se existirem k procedimentos e o i-ésimo procedimento puder ser realizado de n i maneiras, então o número de maneiras pelas quais poderemos realizar ou o procedimento 1 ou o procedimento 2,..., ou o procedimento k, supondo que dois deles não possam ser realizados conjuntamente, é: REGRA DA MULTIPLICAÇÃO: O procedimento formado por 1, seguido por 2,..., seguido pelo procedimento k poderá ser executado de : PERMUTAÇÃO SIMPLES: O número de maneiras de se permutar n objetos distintos é:

22 Alguns Conceitos Básicos de Contagem ARRANJO SIMPLES: São todas as maneiras de escolher r objetos dentre n (r<n) objetos distintos (ordenados) que diferem pela natureza e pela ORDEM. COMBINAÇÃO SIMPLES: São todas as maneiras de escolher r objetos dentre n (r<n) objetos distintos sem considerar a ordem. Algumas oservações:

23 EXEMPLO 1: Luciano, José, Bruno, Leiliane e Antônio vão fazer uma entrevista para um estágio. De quantas formas os candidatos podem ser chamados para fazer a entrevista? EXEMPLOS EXEMPLO 2: Os alunos de E. Mecânica, Física, Química Industrial, E. de Produção e E. Alimentos disputam um campeonato em que apenas três times serão classificados. De quantas formas pode ser essa classificação? EXEMPLO 3: De uma produção de 10 peças, das quais 3 são defeituosas, de quantas formas poderemos escolher 4 peças das quais metade é defeituosa?

24 EXEMPLOS

25 Probabilidade Definição: é uma medida com a qual podemos esperar a chance de ocorrência de um determinado evento, atribuindo um número (valor) entre 0 e 1. Assim, se temos a certeza de que um evento ocorrerá, diremos que sua probabilidade é 1 (ou 100%), caso contrário diremos que sua probabilidade é 0 (ou 0%). Se, por exemplo, a probabilidade é ¼ diremos que existe uma chance de 25% de ocorrência de tal evento

26 Probabilidade

27 Probabilidade Clássica P(A) número de resultados do evento A número total de resultados no espaço amostral

28 Exemplo 4

29 Probabilidade

30 Exemplo 5

31 Probabilidade

32 Probabilidade

33 Probabilidade

34 Probabilidade

35 Probabilidade

36 Probabilidade

37 Espaços amostrais finitos e equiprováveis Um espaço amostral é dito finito se = {a 1,a 2,...,a n }. Considere o evento A i = {a i } formado por um resultado simples. A cada evento simples {a i } associaremos um número p i, denominado de probabilidade de {a i }, satisfazendo às seguintes condições: i) p i 0, i = 1, 2,..., n. ii) p 1 + p p n =1.

38 Exemplo 6 Três cavalos, A, B e C, estão numa corrida; A é duas vezes mais provável de ganhar que B e B é duas vezes mais do que C. Quais são as probabilidades de vitória de cada um, isto é, P(A), P(B) e P(C)? Qual é a probabilidade de que B ou C ganhe? Seja P(C) = p; como B é duas vezes mais provável de ganhar do que C, P(B)=2p; e como A é duas vezes mais provável do que B, P(A) = 2P(B) = 2(2p) = 4p. Como a soma das probabilidades tem que ser 1; então

39 Exemplo 7

40 Exemplo 8

41 Exemplo 9 Exeperimento: Dois dados são jogados Espaço Amostral ( ) 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 2,1 2,2 2,3 2,4 2,5 2,6 3,1 3,2 3,3 3,4 3,5 3,6 4,1 4,2 4,3 4,4 4,5 4,6 5,1 5,2 5,3 5,4 5,5 5,6 6,1 6,2 6,3 6,4 6,5 6,6 Detemine a probabilidade de que: A ={a soma seja 4}. Determine a probabilidade de que: B = (a soma seja 11}. P(A) = P(B) =

42 Tabela de contingência Revela a existência de eventos combinados, e facilita o tratamento probabilístico de tais eventos. É uma tabela que disponibiliza informações diretamente nas linhas e colunas, e que além dessas informações é possível visualizar também o número de casos comuns às interseções de eventos.

43 Exemplo 10 Perguntou-se a uma amostra de adultos em três cidades se eles gostavam de um novo suco. Os resultados estão a seguir. J. Pessoa Recife C. Grande Total Sim Não Não sabe Total Determine a probabilidade de sortear um adulto de C. Grande ou que tenha respondido SIM P(C. Grande SIM) = 250/ / /1.000 = 500/1.000 = 0,5

44 Perguntou-se a uma amostra de adultos formados em engenharia, em três capitais, se eles atuavam na área. Os resultados estão a seguir. 1. P(Natal U Sim) 2. P(Recife Não) 3. P(João Pessoa) Exemplo 10 João Pessoa Recife Natal Total Sim Não Total Um adulto é selecionada ao acaso. Determine:

45 Probabilidade condicional

46 Probabilidade condicional Um lote é formado pelos seguintes artigos: 80 não defeituosos e 20 defeituosos. Dois artigos são retirados do lote. Sejam A={o 1 artigo é defeituoso} e B={o 2 artigo é defeituoso}. Calcule P(A) e P(B) a) com reposição; b) sem reposição. a) Se extrairmos com reposição, P( A) P( B) , pois cada vez que estivermos extraindo do lote, existirão 20 peças defeituosas no total de 100. b) Se estivermos extraindo sem reposição, é ainda verdade que P( A) 1. 5 Mas e sobre P(B)? É evidente que, a fim de calcularmos P(B) é necessário conhecer a composição do lote no momento de se extrair a segunda peça. Isto é, devemos saber sea ocorreu ou não. Este exemplo mostra a necessidade de se introduzir o seguinte conceito

47 Probabilidade condicional

48 Probabilidade condicional Definição: A probabilidade de um evento A ocorrer, dado (ou na condição de) que outro evento B já ocorreu. P( A B) P( A B),para P( B) P( B) 0 Sempre que calcularmos P(A B), estaremos essencialmente calculando P(A) em relação ao espaço amostral reduzido B, em lugar de fazê-lo em relação ao espaço original.

49 Probabilidade condicional Observações importantes: 1) Se P(B) = 0, nada podemos afirmar a respeito da probabilidade condicional. 2) Se A e B forem mutuamente excludentes, então P( A / B) P( ) P( B) 0

50 Probabilidade condicional P( A / B) P( ) P( B) 0

51 Exemplo 11 Dois dados são lançados ao acaso. Qual a probabilidade da soma ser igual a 6, dado que o primeiro dado saiu um número menor que 3 A = {soma igual a 6} = {(1,5), (2,4), (3,3), (4,2), (5,1)} B = {1º dado com nº < 3 } = {(1,1), (1,2), (1,3), (1,4), (1,5), (1,6), (2,1), (2,2), (2,3), (2,4), (2,5), (2,6)} A B = {(1,5), (2,4)} Logo P(A B) =

52 Exemplo 12 J. Pessoa Recife C. Grande Total Sim Não Não sabe Total P(Não C. Grande) = 95/250 = 0,38 2. P(João Pessoa Sim) 3. Qual a probabilidade do adulto ter respondido não, sabendo que ele não é de Recife?

53 Exemplo 13 Estudos realizados pela SDS da Paraíba, em relação a situação do status de promoção de oficiais masculinos e femininos, são apresentados na tabela abaixo (dados fictícios): Depois de rever o registro de promoções, um comitê feminino de oficiais levantou um caso de discriminação com base em que 288 oficiais masculinos receberam promoções mas somente 36 oficiais femininas foram promovidas. A administração da polícia argumentou que o número relativamente baixo de promoções para as oficias femininas foi devido não à discriminação, mas ao fato de que há relativamente poucas oficias mulheres na força policial. E agora, como as mulheres podem analisar os dados para defender o seu questionamento da acusação de discriminação?

54 Exemplo 14

55 Teorema da Multiplicação A mais importante consequência da definição de probabilidade condicional é o seguinte teorema: Sejam A e B dois eventos quaisquer de um mesmo espaço amostral, então: ) / ( ) ( ) ( B A P B P B A P ) / ( ) ( ) ( A B P A P B A P

56 Teorema da Multiplicação O teorema da multiplicação de probabilidades pode ser generalizado para mais de dois eventos. Sejam A 1, A 2,..., A n eventos quaisquer de um mesmo espaço amostral, a probabilidade da ocorrência simultânea de A 1, A 2,..., A n é dada por: P(A 1 A 2... A n ) = P(A 1 )*P(A 2 /A 1 )*...*P(A n /A 1 A 2... A n-1 )

57 Exemplo 15 Uma caixa contém 4 lâmpadas boas e 2 queimadas. Retira-se ao acaso 3 lâmpadas, sem reposição. Calcule a probabilidade dessas 3 lâmpadas serem boas. Seja Ai: a i-ésima lâmpada é boa, então P(A 1 A 2 A 3 ) = P(A 1 )xp(a 2 /A 1 )xp(a 3 /A 1 A 2 ) =

58 Dois carros são selecionados em uma linha de produção com 12 unidades, 5 delas defeituosas. Determine a probabilidade de ambos os carros serem defeituosos. A = o 1 o carro é defeituoso. B = o 2 o carro é defeituoso. P(A) = P(B A) = P(A B) = Exemplo 16

59 Teorema da probabilidade Total Sejam A um evento qualquer do espaço amostral e B 1, B 2,..., B k uma partição do mesmo espaço amostral, então: P(A) = P(A/ B 1 )P(B 1 ) + P(A/ B 2 )P(B 2 ) P(A/ B k )P(B k ) = k i 1 P( A / B ) P( B ) i i

60

61

62 Exemplo 17 Voltando ao exemplo 5.1, calcule a P(B) se as retiradas dos artigos são feitas sem reposição. Como já vimos P( A) 1. Assim, temos que P( A) Agora, P B A, porque se A tiver ocorrido, 99 então na segunda extração restarão somente 99 peças, das quais 19 delas serão defeituosas. De modo similar, temos que P( B / A) 20. Pelo teorema 99 da probabilidade total, temos ( / ) 19

63 Eventos independentes Dois eventos A e B são independentes se a probabilidade de ocorrência do evento B não é afetada pela ocorrência (ou não-ocorrência) do evento A. A = ser mulher. B = ter sangue tipo O. A = 1 o filho ser menino. B = 2 o filho ser menino. Dois eventos que não são independentes são dependentes. A = tomar uma aspirina por dia. B = ter um ataque do coração. A = ser mulher. B = ter menos de 1,62 m.

64 Eventos independentes Se os eventos A e B são independentes, P(B A) = P(B) Probabilidade condicional Probabilidade Entre os 12 carros de uma linha de produção, 5 têm defeito e 2 são selecionados ao acaso. A = o primeiro carro é defeituoso. B = o segundo carro é defeituoso. A probabilidade de o segundo carro ser defeituoso depende de o primeiro ter ou não defeito. Os eventos são dependentes.

65 Exemplo 18 Dois dados são lançados. Determine a probabilidade de sair 4 em ambos. A = sair 4 no primeiro dado e B = sair 4 no segundo dado. P(A) = 1/6 P(B A) = 1/6 P(A B) = 1/6 x 1/6 = 1/36 = 0,028 Quando dois eventos A e B são independentes, P(A B) = P(A) x P(B)

66 Teorema de Bayes Sejam B 1, B 2,..., B k uma partição do espaço amostral, ou seja, eventos mutuamente exclusivos. Seja A um evento qualquer associado a S, então: ) ( ). ( ) ( ). ( ) ( ). ( ) ( ) ( ) ( 1 1 k k i i i i B P B A P B P B A P B P B A P A p A B P A B P

67 Teorema de Bayes Exemplo 16: Em uma turma 60% dos estudantes são homens e 40% mulheres. Além disso, sabe-se que 1% dos homens e 4% das mulheres tem menos de 1,60m. Dado que um estudante com menos de 1,60m foi sorteado aleatoriamente, qual a probabilidade de ser mulher? Solução: H={Homem}, M = {Mulher}, A = {menos de 1,60m} ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( A H P A M P A M P A p A M P A M P 0,60) (0,01 0,40) (0,04 0,40 0,04 ) ( ). ( ) ( ). ( ) ( ). ( H P H A P M P M A P M P M A P 0,727

68 Exemplo 19 Um Produto é escolhido ao acaso e é verificado ser defeituoso. Qual a probabilidade dele ter vindo da fábrica 3? e

69 Exemplo 19

70 Exemplo 20

71 Exemplo 18

72 Exemplo 18

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Dois ou mais eventos são mutuamente exclusivos, ou disjuntos, se os mesmos não podem ocorrer simultaneamente. Isto é, a ocorrência de um

Leia mais

Técnicas de Contagem I II III IV V VI

Técnicas de Contagem I II III IV V VI Técnicas de Contagem Exemplo Para a Copa do Mundo 24 países são divididos em seis grupos, com 4 países cada um. Supondo que a escolha do grupo de cada país é feita ao acaso, calcular a probabilidade de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Campus de Lhanguene, Av. de Moçambique, km 1, Tel: +258 21401078, Fax: +258 21401082, Maputo Cursos de Licenciatura em Ensino de Matemática

Leia mais

Probabilidade. Luiz Carlos Terra

Probabilidade. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá os conceitos básicos de probabilidade que é a base de toda inferência estatística, ou seja, a estimativa de parâmetros populacionais com base em dados amostrais.

Leia mais

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade 1 AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade Ernesto F. L. Amaral 31 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS ATIVIDADES E FORMALIZAÇÃO DOS CONCEITOS

RESOLUÇÃO DAS ATIVIDADES E FORMALIZAÇÃO DOS CONCEITOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso de Administração Disciplina: Estatística I Professora: Stefane L. Gaffuri RESOLUÇÃO DAS ATIVIDADES E FORMALIZAÇÃO DOS CONCEITOS Sessão 1 Experimentos Aleatórios e

Leia mais

Adição de probabilidades. O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e):

Adição de probabilidades. O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e): Adição de probabilidades O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e): Dois eventos A e B são ditos mutuamente exclusivos se, e somente se, A B

Leia mais

Coordenadoria de Matemática. Apostila de Probabilidade

Coordenadoria de Matemática. Apostila de Probabilidade Coordenadoria de Matemática Apostila de Probabilidade Vitória ES 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 03 Quando investigamos algum fenômeno, verificamos a necessidade de descrevê-lo por um modelo matemático que permite

Leia mais

1- INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS BÁSICOS

1- INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS BÁSICOS 1 1- INTRODUÇÃO O termo probabilidade é usado de modo muito amplo na conversação diária para sugerir um certo grau de incerteza sobre o que ocorreu no passado, o que ocorrerá no futuro ou o que está ocorrendo

Leia mais

Estatística e Probabilidade. Aula 5 Cap 03 Probabilidade

Estatística e Probabilidade. Aula 5 Cap 03 Probabilidade Estatística e Probabilidade Aula 5 Cap 03 Probabilidade Na aula anterior vimos... Conceito de Probabilidade Experimento Probabilístico Tipos de Probabilidade Espaço amostral Propriedades da Probabilidade

Leia mais

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado.

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado. Probabilidade Definição: Probabilidade é uma razão(divisão) entre a quantidade de eventos e a quantidade de amostras. Amostra ou espaço amostral é o conjunto formado por todos os elementos que estão incluídos

Leia mais

Cálculo das Probabilidades e Estatística I

Cálculo das Probabilidades e Estatística I Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução a Probabilidade Existem dois tipos

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

Distribuição Normal de Probabilidade

Distribuição Normal de Probabilidade Distribuição Normal de Probabilidade 1 Aspectos Gerais 2 A Distribuição Normal Padronizada 3 Determinação de Probabilidades 4 Cálculo de Valores 5 Teorema Central do Limite 1 1 Aspectos Gerais Variável

Leia mais

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO UM JOGO BINOMIAL São muitos os casos de aplicação, no cotidiano de cada um de nós, dos conceitos de probabilidade. Afinal, o mundo é probabilístico, não determinístico; a natureza acontece

Leia mais

Conceitos Básicos de Probabilidade

Conceitos Básicos de Probabilidade Conceitos Básicos de Probabilidade Como identificar o espaço amostral de um experimento. Como distinguir as probabilidades Como identificar e usar as propriedades da probabilidade Motivação Uma empresa

Leia mais

Caique Tavares. Probabilidade Parte 1

Caique Tavares. Probabilidade Parte 1 Caique Tavares Probabilidade Parte 1 Probabilidade: A teoria das probabilidades é um ramo da Matemática que cria, elabora e pesquisa modelos para estudar experimentos ou fenômenos aleatórios. Principais

Leia mais

Se A =, o evento é impossível, por exemplo, obter 7 no lançamento de um dado.

Se A =, o evento é impossível, por exemplo, obter 7 no lançamento de um dado. PROBABILIDADE Espaço amostral Espaço amostral é o conjunto universo U de todos os resultados possíveis de um experimento aleatório. O número de elementos desse conjunto é indicado por n(u). Exemplos: No

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06 Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº06 Assunto: Noções de Estatística 1. Conceitos básicos Definição: A estatística é a ciência que recolhe, organiza, classifica, apresenta

Leia mais

Aula de Exercícios - Teorema de Bayes

Aula de Exercícios - Teorema de Bayes Aula de Exercícios - Teorema de Bayes Organização: Rafael Tovar Digitação: Guilherme Ludwig Primeiro Exemplo - Estagiários Três pessoas serão selecionadas aleatóriamente de um grupo de dez estagiários

Leia mais

Probabilidade e Estatística 2008/2. Regras de adicão, probabilidade condicional, multiplicação e probabilidade total.

Probabilidade e Estatística 2008/2. Regras de adicão, probabilidade condicional, multiplicação e probabilidade total. Probabilidade e Estatística 2008/2 Prof. Fernando Deeke Sasse Problemas Resolvidos Regras de adicão, probabilidade condicional, multiplicação e probabilidade total. 1. Um fabricante de lâmpadas para faróis

Leia mais

Introdução aos Processos Estocásticos - Independência

Introdução aos Processos Estocásticos - Independência Introdução aos Processos Estocásticos - Independência Eduardo M. A. M. Mendes DELT - UFMG Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais emmendes@cpdee.ufmg.br Eduardo

Leia mais

Matemática Discreta - 08

Matemática Discreta - 08 Universidade Federal do Vale do São Francisco urso de Engenharia da omputação Matemática Discreta - 08 Prof. Jorge avalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 26 A FREQUÊNCIIA RELATIIVA PARA ESTIIMAR A PROBABIILIIDADE Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL

Leia mais

Aula 02: Probabilidade

Aula 02: Probabilidade ITA - Laboratório rio de Guerra Eletrônica EENEM 2008 Estatística stica e Probabilidade Aula 02: Probabilidade população probabilidade (dedução) inferência estatística stica (indução) amostra Definições

Leia mais

Ficha Prática 5: Cap 3.Princípios Elementares de Contagem

Ficha Prática 5: Cap 3.Princípios Elementares de Contagem Matemática Discreta - 2010/11 Cursos: Engenharia Informática, Informática de Gestão DEPARTAMENTO de MATEMÁTICA ESCOLA SUPERIOR de TECNOLOGIA e de GESTÃO - INSTITUTO POLITÉCNICO de BRAGANÇA Ficha Prática

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística TESTES DE HIPÓTESES (ou Testes de Significância) Estimação e Teste de Hipóteses Estimação e teste de hipóteses (ou significância) são os aspectos principais da Inferência Estatística

Leia mais

PRINCÍPIOS DA MULTIPLICAÇÃO, DA ADIÇÃO E DA INCLUSÃO-

PRINCÍPIOS DA MULTIPLICAÇÃO, DA ADIÇÃO E DA INCLUSÃO- Matemática Discreta 2009.10 Exercícios CAP2 pg 1 PRINCÍPIOS DA MULTIPLICAÇÃO, DA ADIÇÃO E DA INCLUSÃO- EXCLUSÃO 1. Quantas sequências com 5 letras podem ser escritas usando as letras A,B,C? 2. Quantos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Matemática Curso Engenharia Civil 1º Semestre 2º Folha Nº1 1. Ao dar ordem de compra de um computador é necessário especificar, em relação ao seu sistema, a memória (1, 2 ou 3Gb) e capacidade

Leia mais

ESTATÍSTICA PARTE 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA

ESTATÍSTICA PARTE 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA ESTATÍSTICA PARTE 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA Apresentar a Estatística no contexto do dia-a-dia e fazendo uso da planilha Excel. Espera-se que o estudante ao término do curso esteja apto a usar a planilha

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M3 Conjuntos

Matemática. Resolução das atividades complementares. M3 Conjuntos Resolução das atividades complementares Matemática M Conjuntos p. (UEMG) Numa escola infantil foram entrevistadas 8 crianças, com faia etária entre e anos, sobre dois filmes, e. Verificou-se que 4 delas

Leia mais

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE QUESTÃO 01 SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES Descritor 11 Resolver problema envolvendo o cálculo de perímetro de figuras planas. Os itens referentes a

Leia mais

Exercício. Exercício

Exercício. Exercício Exercício Exercício Aula Prática Utilizar o banco de dados ACCESS para passar o MER dos cenários apresentados anteriormente para tabelas. 1 Exercício oções básicas: ACCESS 2003 2 1 Exercício ISERIDO UMA

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova de Agente / PF Neste artigo, farei a análise das questões

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Após vermos uma breve contextualização sobre esquemas para bases dados e aprendermos

Leia mais

ARRANJO E COMBINAÇÃO. n! n,p. =, com n p. (n - p)! 4! 4! 4,3 = = = 4! = 4.3.2.1 = 24 (4-3)! 1! Prof. Rivelino Matemática Básica TIPOS DE AGRUPAMENTOS

ARRANJO E COMBINAÇÃO. n! n,p. =, com n p. (n - p)! 4! 4! 4,3 = = = 4! = 4.3.2.1 = 24 (4-3)! 1! Prof. Rivelino Matemática Básica TIPOS DE AGRUPAMENTOS RRNJO E COMBINÇÃO TIPOS DE GRUPMENTOS Problema 01 n! n,p =, com n p. (n - p)! No problema 01, devemos contar quantas sequências de três seleções podemos formar com as quatro seleções semifinalistas. 4!

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA. Redes de Telecomunicações (2006/2007)

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA. Redes de Telecomunicações (2006/2007) FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Redes de Telecomunicações (2006/2007) Engª de Sistemas e Informática Trabalho nº4 (1ª aula) Título: Modelação de tráfego utilizando o modelo de Poisson Fundamentos teóricos

Leia mais

I. Conjunto Elemento Pertinência

I. Conjunto Elemento Pertinência TEORI DOS CONJUNTOS I. Conjunto Elemento Pertinência Conjunto, elemento e pertinência são três noções aceitas sem definição, ou seja, são noções primitivas. idéia de conjunto é praticamente a mesma que

Leia mais

1. Uma pesquisa de mercado sobre o consumo de três marcas A, B e C de um determinado produto apresentou os seguintes resultados:

1. Uma pesquisa de mercado sobre o consumo de três marcas A, B e C de um determinado produto apresentou os seguintes resultados: 1. Uma pesquisa de mercado sobre o consumo de três marcas A, B e C de um determinado produto apresentou os seguintes resultados: A - 48% A e B - 18% B - 45% B e C - 25% C - 50% A e C - 15% nenhuma das

Leia mais

8 - PROBABILIDADE. 8.1 - Introdução

8 - PROBABILIDADE. 8.1 - Introdução INE 7002 - Probabilidade 1 8 - PROBABILIDADE 8.1 - Introdução No capítulo anterior foi utilizado um raciocínio predominantemente indutivo: os dados eram coletados, e através da sua organização em distribuições

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

MATEMATICA PERMUTAÇÕES SIMPLES QUANTOS NÚMEROS, DE 3 ALGARISMOS DISTINTOS, PODEMOS FORMAR COM OS DÍGITOS 7, 8 E 9?

MATEMATICA PERMUTAÇÕES SIMPLES QUANTOS NÚMEROS, DE 3 ALGARISMOS DISTINTOS, PODEMOS FORMAR COM OS DÍGITOS 7, 8 E 9? MATEMATICA 8 ANÁLISE COMBINATÓRIA E PROBABILIDADE ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR EXEMPLO PERMUTAÇÕES SIMPLES QUANTOS NÚMEROS, DE 3 ALGARISMOS DISTINTOS, PODEMOS FORMAR COM OS DÍGITOS 7, 8 E 9? Temos o conjunto

Leia mais

5) Qual a probabilidade de sair um ás de ouros quando retiramos uma carta de um baralho de 52 cartas?

5) Qual a probabilidade de sair um ás de ouros quando retiramos uma carta de um baralho de 52 cartas? TERCEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE CURSO: MATEMÁTICA PROF. LUIZ CELONI 1) Dê um espaço amostral para cada experimento abaixo. a) Uma urna contém bolas vermelhas (V), bolas brancas (B) e bolas

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

Raciocínio Lógico 1 Probabilidade

Raciocínio Lógico 1 Probabilidade PROBABILIDADE 1. CONCEITOS INICIAIS A Teoria da Probabilidade faz uso de uma nomenclatura própria, de modo que há três conceitos fundamentais que temos que passar imediatamente a conhecer: Experimento

Leia mais

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Função Trigonométrica II Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Resumo das Principais Relações I sen cos II tg sen cos III cotg tg IV sec cos V csc sen VI sec tg VII csc cotg cos sen Arcos e subtração

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

AMEI Escolar Matemática 9º Ano Probabilidades e Estatística

AMEI Escolar Matemática 9º Ano Probabilidades e Estatística AMEI Escolar Matemática 9º Ano Probabilidades e Estatística A linguagem das probabilidades As experiências podem ser consideradas: - aleatórias ou casuais: quando é impossível calcular o resultado à partida;

Leia mais

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano Módulo de Princípios Básicos de Contagem Combinação Segundo ano Combinação 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Numa sala há 6 pessoas e cada uma cumprimenta todas as outras pessoas com um único aperto

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

TESTES SOCIOMÉTRICOS

TESTES SOCIOMÉTRICOS TESTES SOCIOMÉTRICOS Docente: Mestre Mª João Marques da Silva Picão Oliveira TESTES SOCIOMÉTRICOS * O Teste Sociométrico ajuda-nos a avaliar o grau de integração duma criança/jovem no grupo; a descobrir

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL GERENCIAMENTO ESTATÍSTICO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS (tópicos da aula 3)

GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL GERENCIAMENTO ESTATÍSTICO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS (tópicos da aula 3) 1 GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL GERENCIAMENTO ESTATÍSTICO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS (tópicos da aula 3) ANÁLISE DO PROCESSO Só é possivel monitorar um processo após conhecê-lo bem.

Leia mais

Pós-Graduação em Computação Distribuída e Ubíqua

Pós-Graduação em Computação Distribuída e Ubíqua Pós-Graduação em Computação Distribuída e Ubíqua INF612 - Aspectos Avançados em Engenharia de Software Engenharia de Software Experimental [Head First Statistics] Capítulos 10, 11, 12 e 13 [Experimentation

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades

Seu pé direito nas melhores Faculdades 10 Insper 01/11/009 Seu pé direito nas melhores Faculdades análise quantitativa 40. No campeonato brasileiro de futebol, cada equipe realiza 38 jogos, recebendo, em cada partida, 3 pontos em caso de vitória,

Leia mais

Resolução da Lista de Exercício 6

Resolução da Lista de Exercício 6 Teoria da Organização e Contratos - TOC / MFEE Professor: Jefferson Bertolai Fundação Getulio Vargas / EPGE Monitor: William Michon Jr 10 de novembro de 01 Exercícios referentes à aula 7 e 8. Resolução

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica 385 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E DO MÓDULO DE ELASTICIDADE DO CONCRETO QUANDO SUBMETIDO A CARREGAMENTO PERMANENTE DE LONGA DURAÇÃO (Dt = 9 dias) Wilson Ferreira Cândido 1,5 ;Reynaldo Machado

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

Estatística AMOSTRAGEM

Estatística AMOSTRAGEM Estatística AMOSTRAGEM Estatística: É a ciência que se preocupa com a coleta, a organização, descrição (apresentação), análise e interpretação de dados experimentais e tem como objetivo fundamental o estudo

Leia mais

Introdução. Ou seja, de certo modo esperamos que haja uma certa

Introdução. Ou seja, de certo modo esperamos que haja uma certa UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Teste de Independência Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Um dos principais objetivos de se construir uma tabela de contingência,

Leia mais

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Distribuições Qui-quadrado, t-student e F de Snedecor 04/14

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

CAPÍTULO I - ELEMENTOS DE PROBABILIDADE

CAPÍTULO I - ELEMENTOS DE PROBABILIDADE CAPÍTULO I - ELEMENTOS DE PROBABILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO Em geral, um experimento ao ser observado e repetido sob um mesmo conjunto especificado de condições, conduz invariavelmente ao mesmo resultado. São

Leia mais

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido Manual de Instalação do Gold Pedido 1 Visão Geral Programa completo para enviar pedidos e ficha cadastral de clientes pela internet sem usar fax e interurbano. Reduz a conta telefônica e tempo. Importa

Leia mais

AULA 19 Análise de Variância

AULA 19 Análise de Variância 1 AULA 19 Análise de Variância Ernesto F. L. Amaral 18 de outubro de 2012 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC. Capítulo

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DO BANCO DO BRASIL

COMENTÁRIO DA PROVA DO BANCO DO BRASIL COMENTÁRIO DA PROVA DO BANCO DO BRASIL Prezados concurseiros, segue abaixo os comentários das questões de matemática propostas pela CESPE no último concurso para o cargo de escriturário do Banco do Brasil

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

5838 Maquinação Introdução ao CNC

5838 Maquinação Introdução ao CNC 5838 Maquinação Introdução ao CNC Formador: Hélder Nunes 13 Valores Formanda: Ana Pernas Índice Introdução... 3 Enquadramento... 4 Vantagens vs Desvantagens do CNC... 5 Características de um sistema CNC...

Leia mais

PROBABILIDADE: DIAGRAMAS DE ÁRVORES

PROBABILIDADE: DIAGRAMAS DE ÁRVORES PROBABILIDADE: DIAGRAMAS DE ÁRVORES Enunciados dos problemas Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) 1. Na gincana anual do Colégio Universitário, 60% dos alunos presentes são do

Leia mais

Aula 1 Conjuntos Numéricos

Aula 1 Conjuntos Numéricos 1 Tecnólogo em Construção de Edifícios Aula 1 Conjuntos Numéricos Professor Luciano Nóbrega 2 SONDAGEM Inicialmente, façamos uma revisão: 1 Calcule o valor das expressões abaixo. Dê as respostas de todas

Leia mais

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES Este regulamento contém as regras aplicáveis ao Hackathon Kimberly-Clark Edição Huggies ( Evento ), promovida pela KIMBERLY-CLARK BRASIL INDÚSTRIA E

Leia mais

Resoluções A. Combinatória 1 3 os anos Blaidi/Walter Ago/09. Nome: Nº: Turma:

Resoluções A. Combinatória 1 3 os anos Blaidi/Walter Ago/09. Nome: Nº: Turma: Matemática Resoluções A. Combinatória 3 os anos Blaidi/Walter Ago/09 Nome: Nº: Turma: Prezadísssimos alunos e alunas, Neste bimestre, aprenderemos a resolver questões de análise combinatória com o auílio

Leia mais

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos)

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Manual do Usuário Versão 1.0 Fevereiro, 2014 Índice

Leia mais

Processos Estocásticos Parte 1 Probabilidades. Professora Ariane Ferreira

Processos Estocásticos Parte 1 Probabilidades. Professora Ariane Ferreira rocessos Estocásticos arte 1 robabilidades rofessora Conteúdos Conteúdos 2 arte 1.1 : Conceitos de robabilidade arte 1.2 : Variáveis Aleatórias Bibliografia indicada aos alunos [1] aul Meyer. robabilidade

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 PROBABILIDADE E GEOMETRIA

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 PROBABILIDADE E GEOMETRIA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 PROBABILIDADE E GEOMETRIA Leitura e Análise de Texto O π e a agulha de Buffon O estudo da probabilidade, aparentemente, não tem uma ligação direta com a Geometria. A probabilidade

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro O volume de dados está crescendo sem parar Gigabytes, Petabytes, etc. Dificuldade na descoberta do conhecimento Dados disponíveis x Análise dos Dados Dados disponíveis Analisar e compreender os dados 2

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear Professor: André Luiz Galdino Aluno(a): 4 a Lista de Exercícios 1. Podemos entender transformações lineares

Leia mais

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Objetivos: Ativar e gerenciar compartilhamentos locais e remotos; Ativar e gerenciar o sistema de arquivos distribuídos (DFs); Gerenciar compartilhamentos ocultos;

Leia mais

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de primeiro grau Introdução Equação é toda sentença matemática aberta que exprime

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

Pressuposições à ANOVA

Pressuposições à ANOVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula do dia 09.11.010 A análise de variância de um experimento inteiramente ao acaso exige que sejam

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Manual do Usuário Módulo Laboratório Manual de Operação_Módulo Laboratório_Controle

Leia mais

Módulo 6: Desenho Industrial

Módulo 6: Desenho Industrial Nota: Este módulo requer cerca de 2 horas de estudo. Você encontrará espaços convenientes para fazer os intervalos de estudo após cada seção principal. Módulo 6: Desenho Industrial Objetivos Ao final deste

Leia mais

EDITAL. Concurso Novos Talentos 2014

EDITAL. Concurso Novos Talentos 2014 APRESENTAÇÃO O Concurso Novos Talentos é responsável por alavancar o mercado de estilismo de moda na Bahia. Promovido pelo Shopping Barra desde 1999, como forma de incentivar a especialização e estabelecer

Leia mais

Heredogramas. Capítulo 2 Item 4 Pág. 214 a 216. 2ª Série Ensino Médio Professora Priscila Binatto Fev/ 2013

Heredogramas. Capítulo 2 Item 4 Pág. 214 a 216. 2ª Série Ensino Médio Professora Priscila Binatto Fev/ 2013 Heredogramas Capítulo 2 Item 4 Pág. 214 a 216 2ª Série Ensino Médio Professora Priscila Binatto Fev/ 2013 O que é um heredograma? Também chamado do pedigree ou genealogia. Representa as relações de parentesco

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Sobrevivência - Conceitos Básicos Enrico A. Colosimo Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais http://www.est.ufmg.br/

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

J.I.T. - Just In Time

J.I.T. - Just In Time Publicação Nº 1-2 Dezembro 2009 J.I.T. - Just In Time PONTOS DE INTERESSE: Vantagens e desvantagens 5 S SMED Kanban Just In Time (JIT) é uma filosofia Global de produção, com origem oriental, que consiste

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Energia produzida Para a industria eólica é muito importante a discrição da variação da velocidade do vento. Os projetistas de turbinas necessitam da informação para otimizar o desenho de seus geradores,

Leia mais

Probabilidade é o quociente entre o número de casos favoráveis e o número de casos possíveis em um dado experimento.

Probabilidade é o quociente entre o número de casos favoráveis e o número de casos possíveis em um dado experimento. Probabilidade é o quociente entre o número de casos favoráveis e o número de casos possíveis em um dado experimento. número de casos favoráveis probabilidade número de casos possíveis Nessa definição convém

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas RISCO E RETORNO Aula 2 Retorno Total É a variação total da riqueza proporcionada por um ativo ao seu detentor. Fonte: Notas de Aula do Prof. Claudio Cunha Retorno Total Exemplo 1

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 5 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade Total; 2. Planejamento; Gestão da Qualidade Total Gestão da Qualidade Total Como vimos na última aula a Gestão da Qualidade

Leia mais

Entropia, Entropia Relativa

Entropia, Entropia Relativa Entropia, Entropia Relativa e Informação Mútua Miguel Barão (mjsb@di.uevora.pt) Departamento de Informática Universidade de Évora 13 de Março de 2003 1 Introdução Suponhamos que uma fonte gera símbolos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL E. F. S. PEREIRA e L. M. N de Gois Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica, Departamento de Engenharia

Leia mais

Impressora Latex série 300. Garantia limitada

Impressora Latex série 300. Garantia limitada Impressora Latex série 300 Garantia limitada 2013 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 1 Avisos legais As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. As únicas

Leia mais