Instruções de operação Equipamento portátil para teste de dureza em metais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instruções de operação Equipamento portátil para teste de dureza em metais"

Transcrição

1 Instruções de operação Equpamento portátl para teste de dureza em metas Fabrcado na Fabrcado Suíça na Suíça... more than 50 years of know-how you can measure!

2 Índce 1. Segurança e responsabldade Precauções de segurança e uso Responsabldade e garanta Instruções de segurança Símbolos 4 2. Tutoral do teste de dureza por mpacto Leeb Prncípo do teste Preparação de amostras Condções do teste Seleconando o tpo de dspostvo de mpacto Equotp correto Procedmento de teste Testando amostras leves Fazendo testes em superfíces curvas Testando amostras de paredes fnas como amostras tubulares e tubos 8 3. Vsão geral do Equotp Exemplos de aplcação Versões dos produtos, compoentes e acessóros Vsão geral do dspostvo Teclado Estrutura do menu Instruções prelmnares Confgurando o nstrumento Power on / off (lga / deslga) Auto natvo / standby / deslgar Carregando a batera Verfcação de desempenho / verfcação dára Confgurações de vsualzação e do dsplay Vsualzações Luz de fundo Som Ajuda na tela Idoma operaconal Confgurações Compensação quando a dreção de mpacto não é vertcal Grupos de materal Escalas de dureza Número de mpactos por sére de medções Nome do arquvo da sére de medção Lmtes Confgurações avançadas Curvas de conversão personalzadas Impressão de dados e saída dgtal através das portas de conexão Perfs de usuáro com proteção por senha by Proceq SA 2

3 8. Avalação de dados Estatístcas Software aplcatvo para PC Equolnk Especfcações técncas Geral Dspostvos de mpacto do Equotp Padrões e dretrzes aplcadas Códgos das peças e acessóros Manutenção e suporte Verfcação peródca do dspostvo Lmpeza Armazenamento Recalbração da função de compensação para dreção de mpacto não vertcal Atualzando o frmware e sstema operaconal do Equotp Resolução de problemas Medções ncorretas ou falha na verfcação do desempenho Não há exbção de leturas Tela vaza Batera Mensagens de erro Dspostvo com funconamento lento Resetar dspostvo by Proceq SA 3

4 1. Segurança e responsabldade 1.1. Precauções de segurança e uso Este manual contém nformações mportantes relatvas à segurança, uso e manutenção do panel Equotp 3. Lea o manual atencosamente antes de utlzar o nstrumento pela prmera vez. Guarde este manual em local seguro para consultas futuras Responsabldade e garanta Os Termos e condções geras de venda e fornecmento da Proceq aplcam-se a todos os casos. Revndcações de garanta ou responsabldade em consequênca de lesões pessoas ou danos materas não se sustentam quando decorrerem de uma ou mas das seguntes causas: Falha ao utlzar o nstrumento conforme ndcado neste manual. Verfcação de performance ncorreta para operação e manutenção do nstrumento e seus componentes. Não segur as sessões deste manual de nstruções quanto à verfcação de performance, operação e manutenção do nstrumento e de seus componentes. Modfcações estruturas não autorzadas no nstrumento e seus componentes. Dano séro resultante de corpos externos, acdentes, vandalsmo e força maor. Todas as nformações contdas nesta documentação são apresentadas de boa fé e com a certeza de estarem corretas. A Proceq SA não dá garantas e exclu-se de toda a responsabldade relatva à complettude e/ou precsão da nformação Instruções de segurança O equpamento não deve ser operado por cranças ou qualquer pessoa sob nfluênca de álcool, drogas ou produtos farmacêutcos. Qualquer pessoa que não esteja famlarzada com este manual deve ser supervsonada quando estver utlzando o equpamento Símbolos Estes símbolos estão presentes em todas as observações de segurança mportantes usadas neste manual. Pergo: Este símbolo ndca um rsco de fermento grave ou fatal, caso certas normas de comportamento não sejam cumprdas. Nota: Este símbolo dentfca uma nformação mportante by Proceq SA 4

5 2. Tutoral do teste de dureza por mpacto Leeb 2.1. Prncípo do teste Durante a medção com dspostvos de mpacto do Equotp 3 (D, DL, DC, C, G, S, E), um corpo de mpacto com um ndentador esférco é lançado através da energa da mola contra à peça a ser medda e em seguda sofre um rebote. Antes e após o mpacto,um ímã permanente no nteror do corpo de mpacto passa através de uma bobna em que um snal de tensão V é nduzdo pelo movmento para frente e para trás. Este snal de ndução comporta-se proporconalmente às velocdades. A relação entre a velocdade do rebote v r e a velocdade de mpacto v multplcada por 1000 resulta no valor de dureza HL (dureza Leeb). HL é uma medda dreta de dureza Preparação de amostras Mantenha a amostra protegda de vbrações durante o teste. As peças leves e fnas deverão ser presas de manera especal (veja parágrafo 2.6. Testando amostras leves ). Assegure- -se de que a superfíce da peça de trabalho esteja lmpa, polda e seca. Se necessáro, use agentes de lmpeza aproprados, como acetona ou sopropanol (água não!) Condções do teste Dspostvo de Peso mínmo da amostra Amostra de forma Amostra em Acoplada a mpacto compacta suporte sóldo suporte sóldo C 1.5 kg (3.3 lbs) 0,5 kg (1,1 lbs) 0,02 kg (0,045 lbs) D, DC, DL, S, E 5 kg (11 lbs) 2 kg (4,5 lbs) 0,1 kg (0,25 lbs) G 15 kg (33 lbs) 5 kg (11 lbs) 0,5 kg (1,1 lbs) Dspostvo de mpacto Espessura mínma da amostra Não acoplada Acoplada Espessura da camada superor C 10 mm (2/5 pol) 1 mm (1/25 pol) 0.2 mm (8 µpol) D, DC, DL, S, E 25 mm (1 pol) 3 mm (1/8 pol) 0,8 mm (32 µpol) G 70 mm (2 pol) 10 mm (2/5 pol) n/a Dspostvo de mpacto Condção da superfíce da amostra Classe ISO para rugosdade Profunddade máxma da rugosdade Rt Profunddade méda da rugosdade Ra C N5 2,5 µm (100 µpol) 0,4 µm (16 µpol) D, DC, DL, S, E N7 10,0 µm (400 µpol) 2 µm (80 µpol) G N9 30,0 µm (1200 µpol) 7,0 µm (275 µpol) Dspostvo de Dureza máxma da amostra mpacto em HL em HRC em HV em HB G 750 HLG n/a ~ 675 HV ~ 645 HB D/ DC 890 HLD ~ 68 HRC ~ 955 HV n/a DL 950 HLDL ~ 68 HRC ~ 955 HV n/a C 960 HLC ~ 70 HRC ~ 1010 HV n/a S 890 HLS ~ 70 HRC ~ 965 HV n/a E 855 HLE ~ 72 HRC ~ 1200 HV n/a Dspostvo de Espaço mínmo mpacto Entre ndentações Entre ndentações e borda da amostra C 2 mm (1/12 pol) 4 mm (1/6 pol) D, DC, DL, S, E 3 mm (1/8 pol) 5 mm (1/5 pol) G 4 mm (1/6 pol) 8 mm (1/3 pol) 2013 by Proceq SA 5

6 2.4. Seleconando o tpo de dspostvo de mpacto Equotp correto Para o teste otmzado de peças de dversos materas metálcos e geometras, há uma gama de tpos de dspostvos de mpacto dsponíves. Veja abaxo: Tpo Aplcação Energa de mpacto D Undade unversal. 11 Nmm Para a maora de suas necessdades em testes de dureza. G Energa de mpacto aumentada. 90 Nmm Para componentes sóldos, p. ex. peças funddas pesadas e forjadas. DL Seção frontal reduzda. 11 Nmm Para medções em espaços lmtados, em bases de ranhuras ou superfíces em reentrâncas. E Indentador esférco em damante. 11 Nmm Para medções especalmente na faxa de dureza muto alta (superor a 50 HRC / 650 HV): aços-ferramenta com altas nclusões de teor de carboneto S Indentador esférco em cerâmca. 11 Nmm Para medções na faxa de dureza alta (superor a 50 HRC / 650 HV): aços-ferramenta com altas nclusões de teor de carboneto C Energa de mpacto reduzda. 3 Nmm Componentes de superfíce temperada, revestmentos, componentes de paredes fnas ou sensíves ao mpacto (ndentação de medda pequena). DC Dspostvo pequeno. Para uso em espaços muto restrtos, p. ex. em furos, clndros ou medções nternas em máqunas montadas. 11 Nmm SVP 40 Dspostvo de teste de assentamento das cunhas. Dspostvo semautomátco para a avalação rápda do assentamento das cunhas (assentamento e regulardade) dos enrolamentos do estator. 28 Nmm Observação: No caso dos dspostvos de mpacto Equotp 2 e Equotp 3, o dsplay do Equotp 3 automatcamente reconhece o tpo de dspostvo. Quando são utlzados dspostvos de mpactos mas antgos, aparece um menu de seleção que permte ao usuáro seleconar o tpo de dspostvo adequado. Observação: O dspostvo de mpacto DL apenas pode ser usado com correção manual para a dreção do mpacto Procedmento de teste Pressone o botão lga / deslga por aprox. 2 segundos para lgar o aparelho. Selecone Gráfco de barras ou Modo básco no menu Vsualzar (ver parágrafo 5.1. Vsualzar. Selecone compensação automátca para a dreção do mpacto a automátco pressonando a tecla F1 (veja parágrafo 6.1. Confgurações. No caso de a não estar dsponível para seleção, confgure a dreção do mpacto ( ). Selecone o grupo de materal que se aplca à amostra testada pressonando a tecla F2 (veja parágrafo 6.2. Grupos de materal ). Selecone a escala de dureza a ser exbda pressonando F3 (veja 6.3. Escalas de dureza ) by Proceq SA 6

7 Selecone o número de mpactos n por sére de medção pressonando a tecla F4 (veja parágrafo 6.4. Número de leturas por sére de medções ). Efetue mpactos passando pelo mecansmo 1. carregar - 2. posconar - 3. dsparar. 1. O dspostvo de mpacto - enquanto não estver em contato com a peça a ser testada - é segurado frmemente com uma mão e o tubo de carga abaxado com a outra até que se snta o contato. 2. Poscone o anel de suporte na peça a ser testada. Tome cudado especal ao ajustar o anel completamente sobre a peça a ser testada, mas sem concdr com uma ndentação de teste anteror. 3. Para dsparar um mpacto, pressone o botão de dsparo para lberar o corpo de mpacto. Para efetuar um outro mpacto, repta este cclo. Após o últmo dos n mpactos, são exbdos a méda de dureza e outras estatístcas da sére de medção. Observação: O dspostvo de mpacto DL apenas pode ser usado com correção manual para a dreção do mpacto. Observação: Assegure-se que o tubo de carregamento possa lentamente retornar à posção ncal. Tome cudado para que o tubo de carregamento não salte de volta descontroladamente, o que poderá danfcar o dspostvo de forma permanente. Observação: Se possível, sga a prátca padrão do teste de dureza Leeb por mpacto conforme descrto nas normas DIN (materas metálcos), ASTM A956 (apenas aço, aço funddo e ferro funddo) ou outras normas aplcáves. Caso estes não estejam dsponíves, recomendamos ao usuáro que realze em méda um mínmo de n= mpactos numa dstânca de ndentação de 3 a 5 mm (0,12 a 0,20") para cada local da amostra que deverá ser testada. Observação: Não efetue novo mpacto em uma área que já tenha sdo deformada por um outro mpacto. Igualmente, não carregue o dspostvo quando já estver posconado no novo local de teste, já que o materal no dspostvo pode ter sdo afetado por algum estresse anteror e o dspostvo de travamento poderá ser danfcado. O movmento de carregamento também pode ser feto após um mpacto (antes que o dspostvo seja movdo para um posção nova) ou para qualquer posção que não será testada mas tarde Testando amostras leves No caso de amostras mas leves do que as especfcadas no parágrafo 2.3. Condções de teste (1.5 / 5 / 15 kg) ou seções da amostra tenham sua massa dstrbuída de forma desfavorável, elas podem vbrar quando o corpo de mpacto atnge o ponto de teste. Isso acarreta em absorção ndesejada de energa e portanto dstorce o resultado do teste. Por sso, amostras assm devem ser sustentadas por bancadas de trabalho sóldas. Se a massa fcar abaxo de 0.5 / 2 / 5 kg mas anda exceder 0.02 / 0.1 / 0.5 kg, acoplar a amostra a uma massa superor pode auxlar na prevenção de vbrações, sempre que se puder assegurar uma conexão rígda entre a amostra e um suporte sóldo. Estes são os requstos obrgatóros para o acoplamento: A superfíce de contato da amostra e a superfíce do suporte sóldo devem ser nveladas, planas e poldas. A amostra deve exceder a espessura mínma da amostra para acoplamento (1 / 3 / 10 mm). Sga o segunte procedmento para o acoplamento: Aplque uma fna camada da pasta de acoplamento à superfíce da amostra. Pressone a amostra frmemente contra o suporte. Frccone a amostra contra o suporte num movmento crcular. Efetue o mpacto como usualmente, perpendncular à superfíce acoplada by Proceq SA 7

8 Observação: A fxação pode deformar a amostra, o que pode afetar as leturas de dureza Fazendo testes em superfíces curvas O nstrumento apenas funcona apropradamente quando o ndentador esférco na ponta do corpo de mpacto estver precsamente na extremdade fnal do tubo no momento do mpacto. Quando forem testadas superfíces côncavas ou convexas, o ndentador esférco ou não dexa o tubo por completo ou sa demas. Em casos assm, substtua o anel de suporte padrão por um anel que melhor se adapte a realzação do teste (veja acessóros ou entre em contato com o seu representante local Proceq) Testando amostras de paredes fnas, como amostras tubulares e tubos Canos e tubos mutas vezes têm dstrbuções de massa que podem afetar o resultado do teste de dureza Leeb. Bascamente, sso ocorre em função de vbrações nduzdas quando o corpo de mpacto atnge o ponto de teste, resultando numa absorção ndesejada de energa. Durante o teste de tubos em campo, por exemplo, os locas a serem testados não podem ser apoados em bancadas sóldas ou presos. Para se benefcar da convenênca e da rapdez do teste Leeb, o usuáro pode se utlzar de uma conversão personalzada após a realzação do segunte procedmento de calbração: Pares de dados são meddos em amostras de referênca. Para as medções de referênca Leeb HLDL é fundamental que sejam fetas em peças que estejam nstaladas da mesma forma que aquelas que serão testadas em campo. Por exemplo, duas amostras de canos Ppe type 123 soft (Tpo de cano 123 mole) (730 HLDL / 255 HB) e Ppe type 123 hard Tpo de cano 123 duro) (770 HLDL / 310 HB) são meddos usando o dspostvo de mpacto DL Equotp 3 e um equpamento de teste Brnell, respectvamente. A curva de conversão HLDL-HB orgnal para 1 Steel and cast steel (1 Aço e aço funddo) agora é adaptada usando os dos pontos de dados. O procedmento detalhado de como crar curvas de conversão personalzadas no Equotp 3 encontra-se descrto no parágrafo 7.1. Custom converson curves (Curvas de conversão personalzadas). Para medr o tpo de cano 123 futuramente, pode ser seleconado através do grupo de materal Customer defned (Defndo pelo clente) - Ppe type 123 (Tpo de cano 123) usando a escala de dureza HB Brnell by Proceq SA 8

9 Observação: O usuáro deve determnar e qualfcar a adaptação das curvas de conversão para cada dâmetro de tubo e espessura de parede. Guas para o procedmento encontram-se dsponíves no Nordtest Techncal Report Seres 424, Reports 99.12/13 (Sére Nordtest de Relatóros Técncos 424, relatóros 99.12/13) e o Relatóro fnal ASME CRTD Vsão geral do Equotp 3 O Equotp 3 é tpcamente usado para testar a dureza de superfíces metálcas. O equpamento de teste mede a dureza Leeb HL, empregando o método de mpacto Leeb. A partr de seu desgn compacto, medções podem ser executadas rapdamente, no local e em qualquer posção ou dreção. As conversões da dureza HL determnada são fornecdas para dferentes escalas de dureza, Brnell (HB), Vckers (HV), Rockwell (HRB, HRC) e Shore (HS), e também para resstênca à tração (Rm) Exemplos de aplcação testes de dureza totalmente documentados em máqunas já montadas ou construções de aço e metal funddo, também em peças pequenas e peças de geometra rregular teste de peças de trabalho metálcas quando a ndentação deve ser a menor possível. medções de controle de qualdade para a determnação rápda da condção de um tratamento térmco teste rápdo em pontos de medção para examnar a alteração da dureza em áreas extensas Aplcações em testes automatzados. Pergo: Outras aplcações podem ser pergosas. O fabrcante não é responsável por danos causados em decorrênca de utlzação mprópra ou operação ncorreta Versões dos produtos, componentes e acessóros Undade de letura de dados do Equotp 3 nstrumento com todas as funções de teste de dureza necessáras ncl. estatístcas estenddas ampla memóra para armazenamento de aprox valores de medção confguração de perfs de usuáros com confgurações de autorzação personalzadas comuncação com o PC ou mpressão de dados dretamente através de USB, Ethernet ou cabo seral RS232 Software Equolnk 3 para PC para testes documentados Equotp 3 com dspostvos de mpacto Equotp 3 testes otmzados de dversas amostras de materas metálcos e geometras usando dversos tpos de dspostvos de mpacto testes nas escalas de dureza orgnas Leeb com o máxmo em precsão e repetbldade conversão da dureza em váras escalas (HRC, HRB, HRA, HV, HB, HS) e resstênca à tração para aço (Rm) teste de materas especas usando conversões de dureza específcas do clente Equotp 3 com dspostvo SVP 40 dspostvo de mpacto semautomátco verfcação e avalação rápda das cunhas dos enrolamentos do estator, ou seja, do assentamento e regulardade, ou da homogenedade 2013 by Proceq SA 9

10 Pacote de automação Equotp 3 controle remoto da undade de letura de dados do Equotp 3 ntegração de testes de dureza em sstemas de gestão da qualdade e em ambentes de teste (sem-) automátcos Blocos de teste Equotp verfque o funconamento correto dos dspostvos de mpacto Leeb em blocos de teste calbrados nas escalas Leeb genuínas 3.3. Vsão geral do dspostvo 1 Undade de letura de dados 2 Dspostvo de mpacto Equotp 3 Cabo do dspostvo de mpacto Equotp 4 portas de conexão 5 LED de status 6 botão lga / deslga 7 Dsplay LCD 8 teclado 9 compartmento das bateras 1 abrr menu e ajuda (quando o mouse estver conectado) 2 data e hora 3 armazenamento automátco 4 tpo do dspostvo de mpacto conectado 5 status mpressão / ethernet / conexão USB 6 ndcador do nível de batera 7 confgurações de lmte baxo e alto 8 exbr valor médo / últma letura 9 letura não se encontra nos lmtes 10 dreção do mpacto 11 grupo de materal 12 escala de dureza 13 número de leturas de dureza por sére 14 nome do arquvo da sére de medção 15 teclas de navegação atvas 16 função das teclas de navegação no contexto atual 2013 by Proceq SA 10

11 1 RS 232 para mpressora 2 tomada com 20 pnos para dspostvos de mpacto Equotp 3 USB 1.1 tpo A (master) para teclado, mouse, letora de códgos de barra, mpressora 4 USB 1.1 tpo B (slave) para PC 5 Ethernet 6 fonte de almentação 12 V DC, 1,25 A 3.4. Teclado Chave Descrção Lga / Deslga Undade de letura de dados funções sensíves ao contexto lgar / deslgar armazenamento automátco: Quando lgado o número no fnal do nome (...) dsco número grande exbe valor médo / últma letura ndvdual: Quando lgado, o símbolo de valor (...) medção defnr o nome alfanumérco do arquvo da sére de medções abrr menu navegar pelo menu confrmar seleção fechar caxas de dálogo aumentar / dmnur um número acessar a função ajuda lgar / deslgar luz de fundo LIGAR: ajustar a luz de fundo (5 níves) 2013 by Proceq SA 11

12 3.5. Estrutura do menu Man Menu Measurement Vew Memory Confg Help Drecton F1 Materal F2 Scale F3 n... F4 Lmts... Close F5 Remove F6 Comment... Prnt seres Bar graph Basc mode Sgnal graph Converson functon Dsplay mean x- Set bar graph range... Multple seres bar graph Scale bar wdth Save seres Set seres fle name... # Set save folder... Explorer... Propertes... Language... User nterface... Dsplay... System settngs User profles Sgnal compresson... Customer conversons Calbrate probe... Converson Standards... About EQUOTIP3... Show help ndex...? Show help content...? Show system nfo Instruções prelmnares 4.1. Confgurando o nstrumento Um nstrumento Equotp 3 funconal consste dos seguntes componentes: Undade de letura de dados do Equotp 3 para processar, exbr e armazenar as medções Suporte Equotp 3 para fxar à parte posteror do da undade de letura de dados (ou, como alternatva, use a bolsa protetora para transporte com cordão para pendurar no pescoço, um opconal que traz melhor portabldade) Dspostvo de mpacto Equotp conectado a undade de letura de dados através de cabo do dspostvo de mpacto Bloco de teste de dureza Equotp para realzar a verfcação de desempenho 4.2. Power on / off (lga / deslga) Para lgar a undade de letura de dados do Equotp 3, smplesmente pressone o botão on / off (lga / deslga) por aprox. 2 segundos. O nstrumento passará por uma sequênca de boot, subsequentemente exbndo Startng up... (Incando...), Loadng confguraton... (Carregando confguração). A tela de medção exbe as últmas leturas exbdas antes de deslgar o equpamento Auto natvo / standby / deslgar De acordo com as confgurações de gestão de energa, o nstrumento automatcamente comuta para o modo natvo ou standby ou deslga após um determnado tempo de natvdade. Observação: No caso do dspostvo estar lgado mas a tela não responder quando se pressonar qualquer uma das teclas, pode-se executar um reset pressonado a tecla on / off (lga / deslga) por aprox. 20 segundos by Proceq SA 12

13 4.4. Carga da batera Uma batera totalmente carregada é sufcente por pelo menos 8 horas de operação. O tempo de operação pode ser extenddo reduzndo-se o brlho da luz de fundo ou deslgando-a. Se a batera tornar-se fraca, o ndcador da batera na tela começa a pscar até que o dsplay eventualmente deslgue. Para recarregar a batera, utlze o adaptador de corrente AC do Equotp 3. O status da carga da batera é ndcado pela LED de status verde ao lado da tecla on / off (lga / deslga): LED lgado contnuamente Batera carregando. Pscando - LED lgado na maor parte - LED deslgado na maor parte LED contnuamente deslgado A undade de letura de dados está em modo standby. - Batera carregando - Batera não está carregando A batera está completamente carregada ou não fo nserda. Para carregar a batera totalmente, o dspostvo deve ser carregado por aprox. 8 horas. Pergo: Apenas utlze o adaptador de corrente AC Equotp 3 (12 V, 1,25 A) para carregar o dsplay do Equotp 3. Nota: Somente a batera L-on pode ser carregada no nteror da undade de letura de dados do Equotp 3. Nota: A batera L-on ntegrada permte mas de 500 cclos completos de carga / descarga. Se o tempo de operação da batera estver dmnundo notavelmente, deve-se encomendar uma nova batera. O tempo de vda-útl terá exprado quando o LED não se deslgar mesmo quando a batera fo carregada durante das Verfcação de desempenho / verfcação dára 1. Verfque se o bloco de teste de dureza Equotp está apoado sobre uma bancada de trabalho sólda, a fm de garantr que não se desloque e esteja lvre de vbrações. Use um bloco de teste cuja dureza seja próxma da dureza da peça de trabalho. A Proceq dsponblza blocos de teste em quatro níves de dureza. 2. Remova o adesvo que protege a superfíce e que deve ser guardado para reutlzação subsequente. Assegure-se de que a superfíce de teste esteja lmpa, polda e seca. Caso seja necessáro, use acetona, sopropanol ou smlar (água não!) para remover qualquer resíduo de adesvos ou sujera. 3. Power on (lga): Pressone o botão on / off (lga / deslga) por aprox. 2 segundos para lgar a undade de letura de dados do Equotp Dsplay: Selecone Gráfco de barras ou Modo básco no menu Vsualzar. 5. Confgurações: Selecone compensação automátca para a dreção do mpacto ( a automátco ) pressonando a tecla F1 (veja parágrafo 6.1. Confgurações ). No caso de a não estar dsponível para seleção, confgure a dreção do mpacto (,,,, ). Selecone a escala de dureza HL aplcável ao dspostvo de mpacto (HLD para dspostvo de mpacto D) pressonando a tecla F3. Selecone o número de mpactos n por sére de medção ao pressonando a tecla F4. 6. Realze 10 mpactos, que dealmente devem ser dstrbuídos de forma homogênea ao longo do dâmetro do bloco de teste (veja capítulo 2.5. Procedmento de teste ). 7. A dureza méda do bloco é gravado na superfíce. A méda da dureza medda deve concdr com a méda da dureza do bloco. (Se não, consulte os parágrafos 4. Informações prelmnares e 12. Solução de problemas by Proceq SA 13

14 Parabéns! O seu novo Equotp 3 encontra-se totalmente funconal e você agora pode contnuar com as suas medções. Observação: usuáro pela prmera vez: complete o Tutoral sobre teste de dureza por mpacto ou asssta a uma demosntração de um representante Proceq qualfcado. Observação: Assegure-se que a superfíce de teste esteja lmpa, polda e seca antes de recolocar o adesvo protetor no bloco de teste. Observação: A verfcação de desempenho deve ser realzada regularmente antes de usar o nstrumento para verfcar as funções mecâncas e elétrcas do dspostvo de mpacto e do dsplay. Esta exgênca também está ncluída nos padrões de dureza Leeb DIN e ASTM. 5. Confgurações de vsualzação e do dsplay O dsplay do Equotp 3 oferece mutas opções para exbr os menus e medções Vsualzações Entre no submenu Vsualzações para ajustar o conteúdo exbdo na tela: Gráfco de barras: Mostra as medções em gráfco de barras. Esta vsualzação é prátca quando é meddo o perfl de dureza de uma peça de teste. - Gráfco de barras de séres múltplas: são exbdas séres de múltuplas medções. - Ajustar extensão do gráfco de barras: para ter uma vsão geral apenas da extensão da dureza relevante, pode-se fxar a extensão da vsualzação. Largura da escala gráfca: controla a largura das barras que representam as leturas. Modo básco: a últma letura / valor médo é exbdo como um número grande. Esta vsualzação é prátca quando se olha a tela de alguma dstânca, ou quando o dspostvo é usado em um ambente escuro como o chão de uma fábrca. Gráfco de snal: exbe o snal de medção real do dspostvo de mpacto. Esta vsualzação é convenente para demonstrar o prncípo da medção em trenamentos ou para a avalação avançada do snal. Função de conversão: as medções são exbdas como pontos de dados num gráfco da função de conversão atva. Esta vsualzação permte ao usuáro relaconar a faxa de dspersão das leturas na undade de dureza convertda à dspersão de dados na undade HL orgnal. Observação: O número grande no dsplay tanto pode ndcar o valor médo quanto a últma letura da sére de medções, respectvamente. Use a tecla para comutar entre os dos modos Luz de fundo A luz de fundo pode ser ajustada em níves de lumnosdade pré-defndos smplesmente pressonando-se repetdamente a tecla. Observação: Navegue até Confg Dsplay para ajustar o contraste e a luz de fundo do LCD by Proceq SA 14

15 5.3. Som A undade de letura de dados do Equotp 3 pode ser confgurada Confg Confgurações do sstema Som... para emtr alarmes sonoros no caso de eventos pré-defndos. Por exemplo, quando um snal não pode ser avalado ou os lmtes são exceddos, um snal sonoro de alarme avsa o usuáro para que refaça a medção ou rejete a peça, conforme o caso. Da mesma forma, quando uma sére de medções é fnalzada sso também é avsado por um som de confrmação. Esta característca é útl especalmente quando são realzados testes em séres rápdas Ajuda na tela O usuáro pode consultar a bbloteca de ajuda na tela do Equotp pressonando a tecla ou através do submenu "Help" (Ajuda) Idoma operaconal O doma desejado pode ser seleconado sob Confg - Idoma by Proceq SA 15

16 6. Confgurações Ao ncar, o Equotp 3 encontra-se no mesmo estado em que se encontrava antes de ser deslgado da últma vez. Para ajustar as confgurações, pressone as teclas Função sensível ao contexto ou as teclas abrr menu, conforme o caso: Observação: Se a opção de armazenamento automátco estver lgada, todos os dados são automatcamente armazenados como valores HL orgnas com nformações adconas como dreção do mpacto, hora e número de sére dos dspostvos utlzados. Ao transferr os dados para o PC usando o software Equolnk 3, eles podem ser convertdos para qualquer outra escala sem acúmulo de erros de conversão, já que o valor HL orgnal armazenado é usado como o valor orgnal para todas as conversões Compensação quando a dreção de mpacto não é vertcal O efeto das dreções dos mpactos que não são vertcas para baxo podem ser compensados automatcamente ou por seleção. Para ajustar a confguração, proceda da segunte forma: Pressone a tecla F1. Selecone a dreção de mpacto ( ) ou selecone a Automátco para a compensação automátca. Confrme a seleção com a tecla confguração não serão afetadas.. Leturas fetas antes de aplcar a nova Observação: Os dspostvos de mpacto do Equotp 2 podem ser conectados à undade de letura de dados do Equotp 3 usando um cabo especal que pode ser fornecdo pelo seu representante Proceq local. Observe que a função de compensação automátca apenas está dsponível para dspostvos de mpacto Equotp 3 excepto DL. Para dspostvos de mpacto mas antgos e DL, utlze as opções by Proceq SA 16

17 6.2. Grupos de materal Para alterar o grupo de materal, proceda da segunte forma: Pressone a tecla F2 para seleconar o grupo de materal. Use as teclas de navegação para seleconar o grupo de materal. Confrme a seleção com a tecla. No caso de leturas terem sdo exbdas na tela, as mesmas serão convertdas usando a função de conversão para o novo grupo de materal seleconado. HRB Observação: Para medr na escala Leeb orgnal HL,, nenhum grupo de materal deve ser seleconado, já que não se aplca nenhuma conversão. Por sua vez, as conversões de escala de dureza para outras escalas apenas são corretas quando o grupo de materal aproprado estver seleconado. Materas de referênca onlne gráts e a ajuda na tela do Equotp 3 podem ser útes para desgnar seus materas a um dos nove grupos de materal. A adequação de conversões para materas específcos deve ser qualfcada em amostras calbradas antes do uso. Para mas nformações consulte a Proceq. Observação: Para uma escala de dureza determnada, a lsta de opções apenas lsta os grupos de materal para os quas as conversões estão dsponíves by Proceq SA 17

18 by Proceq SA 18

19 6.3. Escalas de dureza Para alterar a escala de dureza usando funções de conversão de HL para outras escalas, proceda da segunte forma: Pressone a tecla F3 para seleconar a escala de dureza. Use as teclas de navegação para seleconar uma escala de dureza. Confrme a seleção com a tecla. No caso de leturas terem sdo exbdas na tela, as mesmas serão convertdas para a a nova escala de dureza seleconada. Nota: Para um determnado grupo de materal, a lsta de opções apenas mostra as escalas de dureza para as quas as conversões estão dsponíves. Nota: Medções para certos aços podem ser convertdas para resstênca à tração de acordo com a norma DIN EN ISO Observação: A norma de conversão usada para conversão para dureza Shore HS pode ser alterada. Navegue até Confg Norma de conversão para seleconar entre a conversão default de acordo com ASTM E448 ou a conversão japonesa conforme JIS B by Proceq SA 19

20 6.4. Número de mpactos por sére de medções Para fnalzar uma sére de medções, o usuáro pode fechar a sére usando a tecla de função Fechar. Se um número fxo de mpactos, p. ex. n = 5, é desejado para cada sére, pode-se confgurar fnalzação automátca das séres após o regstro de 5 valores. Para confgurar um número fxo de mpactos, proceda da segunte forma: Pressone a tecla F4. Usa as teclas de navegação para seleconar o número desejado de mpactos. Confrme a seleção com a tecla. Observação: Leturas runs de medções podem ser apagadas de uma sére de testes usando as teclas de navegação e então pressonando a tecla de função Remover. Assegure-se que as leturas apenas são canceldas de acordo com as dretrzes de qualdade relevantes, ou restrnja esta função usando confgurações de perfl do usuáro, conforme o caso. Observação: Após a fnalzação de uma sére de testes, o usuáro pode adconar mas leturas ou refazer leturas runs smplesmente ao pressonar a tecla de função Mas. A tecla de função Novo lmpa o dsplay para ncar uma nova sére by Proceq SA 20

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z*

Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z* Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z* NCC 14.03221 X Ex a IIC T* Ga, Ga/Gb, Gb 0044 Document ID: 41515 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 4 4 Especfcações... 4 5 Proteção

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032 www.chavesgold.com.br Evoluton 02 INDICE CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B BODY COMPUTER DELPHI Rotna Para Verfcação Delph...03

Leia mais

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00 Instruções de Utlzação Actuador de motor va rádo 1187 00 Índce Relatvamente a estas nstruções... 2 Esquema do aparelho... 3 Montagem... 3 Desmontagem... 3 Tensão de almentação... 4 Colocar as plhas...

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Aquecedores de água a gás

Aquecedores de água a gás Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 350 COB GLP.. GWH 350 COB GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho 14

Leia mais

Power Ethernet WLAN DSL. Internet. Thomson ST585(v6) Guia de Instalação e Configuração

Power Ethernet WLAN DSL. Internet. Thomson ST585(v6) Guia de Instalação e Configuração DSL Power Ethernet WLAN Internet Thomson ST585(v6) Gua de Instalação e Confguração Thomson ST585(v6) Gua de Instalação e Confguração Dretos autoras Dretos autoras 1999-2007 Thomson. Todos os dretos reservados.

Leia mais

Manual de instalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. 6 720 608 372 BR (06.11) SM

Manual de instalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. 6 720 608 372 BR (06.11) SM Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho

Leia mais

Instruções de instalação sobre telhado do colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers

Instruções de instalação sobre telhado do colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers Instruções de nstalação sobre telhado do colector plano FKT- para sstemas de aquecmento por energa solar Junkers 60966.0-.SD 6 70 6 58 PT (006/0) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

Aquecedores de água a gás

Aquecedores de água a gás Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODB GLP.. GWH 420 CODB GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho

Leia mais

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sistemas térmicos de energia solar Junkers

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sistemas térmicos de energia solar Junkers Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sstemas térmcos de energa solar Junkers 6 720 6 709 (04.0) RS Acerca destas nstruções A presente nstrução de montagem contem

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT- para sstemas de aquecmento por energa solar Junkers 63043970.0-.SD 6 70 6 583 (006/04) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

Instruções de utilização

Instruções de utilização MONITOR DE GLICEMIA Instruções de utlzação 0088 ACCU-CHEK, ACCU-CHEK GO, ACCU-CHEK MULTICLIX, SOFTCLIX e SAFE-T-PRO são marcas da Roche. Roche Dagnostca Brasl Ltda Dabetes Care Av. Engenhero Bllngs 1729

Leia mais

Converte para todas as escalas as durezas mais comuns (HV, HB, HRC, HRB, HS, Rm)

Converte para todas as escalas as durezas mais comuns (HV, HB, HRC, HRB, HS, Rm) Teste portátil de dureza Visor Grande e com luz facilitando a leitura Alta precisão ± 4 HL Correção automática para direção de impacto Converte para todas as escalas as durezas mais comuns (,,,, HS, Rm)

Leia mais

Montagem sobre o telhado. Colectores planos FK240. Para sistemas térmicos de energia solar Vulcano 6 720 612 250 PT (05.04) RS

Montagem sobre o telhado. Colectores planos FK240. Para sistemas térmicos de energia solar Vulcano 6 720 612 250 PT (05.04) RS Montagem sobre o telhado Colectores planos FK240 Para sstemas térmcos de energa solar Vulcano 6 720 62 250 PT (05.04) RS Acerca destas nstruções As presentes nstruções de montagem contêm nformações mportantes

Leia mais

FKC-1. Instruções de instalação. Colectores planos Instalação sobre telhado. para sistemas térmicos de energia solar Vulcano

FKC-1. Instruções de instalação. Colectores planos Instalação sobre telhado. para sistemas térmicos de energia solar Vulcano Instruções de nstalação Colectores planos Instalação sobre telhado FKC- para sstemas térmcos de energa solar Vulcano 6 70 6 586 (006/0) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação Panel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC pt Manual de operação 3 pt Índce remssvo Panel de controlo Índce remssvo 1 Para sua nformação 8 1.1 Ilustração dos passos 8 1.2 Chamar o menu ncal 8 1.3 Alterar

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Índice Configuração do instrumento Operações Características técnicas Configurações Códigos de mensagens Cuidados e manutenção Garantia

Índice Configuração do instrumento Operações Características técnicas Configurações Códigos de mensagens Cuidados e manutenção Garantia Índce Confguração do nstrumento - - - - - - - - - - - - - - 2 Introdução - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2 Apresentação geral - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

manual do cliente Manual do Cliente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 Rev E

manual do cliente Manual do Cliente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 Rev E Máqunas de Termnação AMP 3K/40* CE 2161400-[ ] e Máqunas de Termnação AMP 5K/40* CE 2161500-[ ] Manual do Clente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 manual do clente PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA LEIA ISTO EM PRIMEIRO

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0 SELEÇÃO Espaço útl da câmara B-100-405 x 405 x 600 mm B-200-405 x 405 x 1225 mm B-300-605 x 605 x 825 mm B-500-605 x 605 x 1225 mm Aplcação N - Uso geral NL - Lactáro NX - Cclos especas Impressora Impressora

Leia mais

LIFESTAR. Manual de Instalação. Caldeira mural a gás ZS 24/28-2 DH KE 23 ZW 24/28-2 DH KE 23 ZS 24/28-2 DH KE 31 ZW 24/28-2 DH KE 31

LIFESTAR. Manual de Instalação. Caldeira mural a gás ZS 24/28-2 DH KE 23 ZW 24/28-2 DH KE 23 ZS 24/28-2 DH KE 31 ZW 24/28-2 DH KE 31 Manual de Instalação Caldera mural a gás LIFESTAR ZS 24/28-2 DH KE 23 ZW 24/28-2 DH KE 23 ZS 24/28-2 DH KE 31 ZW 24/28-2 DH KE 31 PT (06.10) JS Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

G-Note Gravador de notas digital

G-Note Gravador de notas digital G-Note Gravador de notas dgtal Modelo: G-Note Seres Manual do utlzador Federal Communcatons Commsson (FCC) Declaração de nterferênca de frequênca de rádo Este equpamento fo testado e está em conformdade

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp.

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp. VACUUM TECHNOLOGY MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO (Tradução das nstruções orgnas) BOMBAS DE VÁCUO LUBRIFICADAS A RECICULAÇÃO - nfo@dvp.t LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150

DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 DURÔMETRO DE BANCADA ROCKWELL CÓDIGO ISH-R150 penetrador Mesa plana Ø60mm uso da mesa Seletor da força de ensaio Mesa plana Ø15Omm Aplicação da força Mesa prismática Escalas de ensaio Rockwell Força de

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

ESTUDO DE TEMPOS (AULA INTRODUTÓRIA VISÃO GERAL)

ESTUDO DE TEMPOS (AULA INTRODUTÓRIA VISÃO GERAL) Você verá nesta dscplna: ESTUDO DE TEMPOS (AULA ITRODUTÓRIA VISÃO GERAL) Determnação dos tempos padrões através da cronometragem. Metodologas dos tempos predetermnados e da amostragem do trabalho. Determnação

Leia mais

Ventilação Não Invasiva

Ventilação Não Invasiva Ventlação Não Invasva Nossa meta é clara: aperfeçoamento sgnfcatvo em qualdade de vda A ventlação não nvasva bem sucedda faz com que os músculos respratóros se restabeleçam e o pacente se torne mas atvo

Leia mais

inversores de frequência manual de utilização completo

inversores de frequência manual de utilização completo vacon 10 nversores de frequênca manual de utlzação completo Document code: DPD00644 Last edted: 28.09.2011 1. Segurança...3 1.1 Avsos...3 1.2 Instruções de segurança...5 1.3 Lgação à terra e proteção contra

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

BR/BD 530 BAT. 9.356-083.0-11/10 Ind. a

BR/BD 530 BAT. 9.356-083.0-11/10 Ind. a BR/BD 530 BAT K 300 / XL BAT KÄRCHER INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AV. PROF. BENEDICTO MONTENEGRO, 49 - BETEL - 3.40-000 - PAULÍNIA - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 34-3.40-000 - PAULÍNIA - SP CENTRAL DE

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Gerenciador de combustão W-FM-50 83250310 1/2010-03. Instruções de montagem e funcionamento. info. V esc SIEMENS LMV27.210A2WH W-FM50 VSD X64 1 AIR

Gerenciador de combustão W-FM-50 83250310 1/2010-03. Instruções de montagem e funcionamento. info. V esc SIEMENS LMV27.210A2WH W-FM50 VSD X64 1 AIR 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Instruções de montagem e funconamento BCI X56 VD X74 1 COM X92 FUEL X54 X53 AIR X64 1 VD V h mn s esc 1 nfo 1 1 1 1 1 1 1 1 X75 X10-05 X10-06 X3-02 X5-03 X8-04 X8-02 X7-01 X3-04 E N L

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

EUROSTAR ACU PLUS. Caldeira mural a gás com acumulador incorporado. Exaustão natural: ZWSE 23-4 MFK. Estanque: ZWSE 28-4 MFA

EUROSTAR ACU PLUS. Caldeira mural a gás com acumulador incorporado. Exaustão natural: ZWSE 23-4 MFK. Estanque: ZWSE 28-4 MFA 6 720 611 241-00.1O Caldera mural a gás com acumulador ncorporado EUROSTAR ACU PLUS Exaustão natural: ZWSE 23-4 MFK Estanque: ZWSE 28-4 MFA OSW Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA PURE CYCLING MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA 1 13 14 2 3 4 5 c a 15 16 17 6 7 8 9 10 11 12 e d b 18 19 20 21 22 23 24 25 Importante! Instruções de montagem pág. 12. Lea cudadosamente as págs.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES FIAT CODE 2 3 MODELOS DE COMPUTADOR DE BORDO ATE ANO 2008 SR110040 CARGA 21. Evolution. www.chavesgold.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES FIAT CODE 2 3 MODELOS DE COMPUTADOR DE BORDO ATE ANO 2008 SR110040 CARGA 21. Evolution. www.chavesgold.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES FIAT CODE 2 3 MODELOS DE COMPUTADOR DE BORDO ATE ANO 2008 SR110040 CARGA 21 www.chavesgold.com.br Evoluton 02 INDICE FIAT CODE 2 3 MODELOS DE COMPUTADOR DE BORDO ATE ANO 2008 FIAT

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA PURE CYCLING MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA 1 13 14 2 3 4 5 c a 15 16 17 6 7 8 9 10 11 12 e d b 18 19 20 21 22 23 24 25 Importante! Instruções de montagem pág. 10. Lea cudadosamente as págs.

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE MONTANHA

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE MONTANHA PURE CYCLING MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE MONTANHA 1 13 14 15 2 16 3 4 c a I II 17 18 5 6 7 8 9 10 11 12 e d f b III IV 19 20 21 22 23 24 25 26 A sua bccleta e este manual de nstruções estão conformes

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988 ABNT-Assocação Braslera de Normas Técncas Sede: Ro de Janero Av. Treze de Mao, 13-28º andar CEP 20003 - Caxa Postal 1680 Ro de Janero - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço

Leia mais

Transformadores de baixa tensão

Transformadores de baixa tensão de dstrbução Transformadores de baxa tensão Referênca em transformadores a seco. Potêncas até 3 MVA - Classes de tensão até 1,2 kv PM102267 Make the most of your energy Os transformadores a seco de baxa

Leia mais

27A20290 Rev. 2 2014 Shure Incorporated. Mixer Automático Digital SCM820 IntelliMix

27A20290 Rev. 2 2014 Shure Incorporated. Mixer Automático Digital SCM820 IntelliMix 9 Rev. Shure Incorporated Mxer utomátco Dgtal SCM IntellMx IMPORTNTES STRUÇÕES DE SEGURNÇ. LEI estas nstruções.. GURDE estas nstruções.. PRESTE TENÇÃO a todas as nstruções.. SIG todas as nstruções.. NÃO

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Laminectomia e liberação

Laminectomia e liberação TÉCNICA CIRÚRGICA Lamnectoma e lberação 1 Abordagem crúrgca do dsco A abordagem do espaço ntervertebral é executada após a dentfcação do nível relatvo ao ntensfcador de magem. A técnca crúrgca usada para

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 9 CAIXINHA CINZA SR110121 CARGA 059. Evolution. www.chavesgold.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 9 CAIXINHA CINZA SR110121 CARGA 059. Evolution. www.chavesgold.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 9 CAIXINHA CINZA SR110121 CARGA 059 www.chavesgold.com.br Evoluton 02 INDICE CODIFICAÇÃO 9 CAIXINHA CINZA IMOBILIZADOR FIAT CODE 2 CAIXA CINZA 51792732 / 51819928 Rotna

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC) PROBLEMS SOBRE PONTOS Dav Máxmo (UFC) e Samuel Fetosa (UFC) Nível vançado Dstrbur pontos num plano ou num espaço é uma tarefa que pode ser realzada de forma muto arbtrára Por sso, problemas sobre pontos

Leia mais