FKC-1. Instruções de instalação. Colectores planos Instalação sobre telhado. para sistemas térmicos de energia solar Vulcano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FKC-1. Instruções de instalação. Colectores planos Instalação sobre telhado. para sistemas térmicos de energia solar Vulcano"

Transcrição

1 Instruções de nstalação Colectores planos Instalação sobre telhado FKC- para sstemas térmcos de energa solar Vulcano (006/0) SD

2 Índce Generaldades Característcas técncas Segurança Utlzação correcta Estrutura das nstruções Respete estas ndcações de segurança Antes da nstalação Indcações geras Descrção dos componentes Meos auxlares necessáros Transporte e armazenamento Documentação técnca Defnr espaço no telhado Instalar a lgação de telhado e os perfs Determnar as dstâncas Cobertura com telhas Cobertura de telhas planas Cobertura com chapa ondulada Telhado de ardósa ou de rpas Telhado de chapa Instalar perfs adconas (acessóro) Instalar os perfs Instalação dos colectores Preparar a nstalação dos colectores Fxar os colectores Lgar o sensor do colector Instalar o conjunto de lgação para duas flas (acessóro) Lgar os tubos colectores Purga através de enchmento sob pressão Saída de ar pelo dspostvo de purga no telhado (acessóro) Trabalhos fnas Controlo de nstalação Isolar os cabos de lgação e os tubos colectores Curtas nstruções para telhado de telha holandesa e enchmento sob pressão (006/0) SD

3 Generaldades Generaldades Este capítulo descreve quas as regras e técncas que deverão ser respetadas ao efectuar a nstalação. Na nstalação e utlzação da nstalação devem ser observadas as normas e regulamentações naconas! Trabalhos de montagem sobre telhados DIN 88, VO, Parte C : Trabalhos de cobertura e vedação de telhados. DIN 89, VO, Parte C: Trabalhos de canalzador. DIN 85, VO, Parte C: Trabalhos de andames. Alemanha Instalações térmcas de energa solar EN 976: Instalações térmcas de energa solar e seus componentes (nstalações pré-fabrcadas). ENV 977: Instalações térmcas de energa solar e seus componentes (nstalações fabrcadas segundo peddo do clente). DIN 988: Regulamentos técncos para nstalações de água santára (TRWI). Instalação e equpamento de calderas de água DIN 75, Parte : Esquentadores de água e nstalações de aquecmento de água santára; requstos, dentfcação, equpamento e teste. DIN 880, VO: Instalações de aquecmento de água para aquecmento e consumo. DIN 88, VO: Trabalhos de nstalação de gás, água e esgotos. DIN 8, VO: Trabalhos de solamento térmco em nstalações técncas de aquecmento. AV WasV: Portara sobre condções geras para o fornecmento de água. DVGW W 55: Instalações de aquecmento de água santára e de condutas; meddas técncas para a redução da propagação da legonella. Tab. Regulamentos técncos para a nstalação de equpamentos térmcos de energa solar (escolha) na Alemanha VO: Verdngungsordnung für aulestungen (Portara sobre a adjudcação para Execução de Obras), Parte C: Allgemene technsche Vertragsbedngungen für aulestungen (ATV) (Condções geras técncas contratuas para a execução de obras). Requstos de concurso para execução de obras de construção moblára sob consderação especal da construção de habtações. Pára-raos Quando a altura do edfíco (altura de nstalação) exceder os 0 m e não exstr qualquer equpamento de protecção contra raos, a empresa especalzada em electrcdade deverá nstalar as peças condutoras no telhado com dos cabos de lgação à terra de, pelo menos, 6 mm e lgá-las ao equalzador de potencal. Se a altura do prédo (altura de montagem) for nferor a 0 m, não é necessára nenhuma medda especal de protecção contra raos. Se exstr equpamento de protecção contra raos, a lgação do sstema de energa solar ao equpamento de protecção deve ser nspecconada por um técnco especalzado em electrcdade. RECICLAGEM Os colectores podem ser devolvdos ao fabrcante depos de termnada a sua vda útl. Os materas serão, a segur, sujetos ao processo de recclagem mas ecológco possível (006/0) SD

4 Característcas técncas Característcas técncas Tpo de collector FKC- Certfcados 006 DIN Comprmento.070 mm Largura.5 mm Altura 90 mm Dstânca entre os colectores 5 mm Capacdade do colector, tpo vertcal V f 0,86 l Capacdade do colector, tpo horzontal V f,5 l Superfíce exteror (área total) A G,7 m² Superfíce absorvente (área utl), m² Peso líqudo, tpo vertcal m kg Peso líqudo, tpo horzontal m kg Sobrepressão operaconal admssível do colector Tab. Característcas técncas p máx 6 bar (006/0) SD

5 Segurança Segurança Este capítulo explcar-lhe-á a dsposção das ndcações neste manual de nstruções de nstalação e ndca-lhe as nstruções de segurança geras para um funconamento seguro e sem problemas. Encontrará as ndcações de segurança e as nformações para o nstalador específcas de nstalação drectamente nos respectvos passos de nstalação. Lea atentamente as ndcações de segurança antes de ncar a nstalação. A não observânca das ndcações de segurança pode causar graves danos pessoas, mesmo a morte, assm como danos materas e ambentas. Acerca destas nstruções As presentes nstruções de nstalação contêm nformações mportantes para a nstalação segura e correcta do conjunto de nstalação sobre o telhado e da lgação hdráulca. As magens nestas nstruções mostram a nstalação vertcal dos colectores. Se a nstalação horzontal dvergr da nstalação vertcal, é feta uma observação correspondente. Toda a documentação técnca deverá ser guardada para posteror consulta. Poderá adqur-la junto do fabrcante.. Utlzação correcta Este conjunto de nstalação destna-se a receber colectores solares térmcos (vertcas e horzontas) nstalados sobre telhados nclnados exstentes com uma nclnação de 5 a 65. A nstalação em telhados de chapa ondulada e de chapa pode ser efectuada com uma nclnação do telhado de 5 a 65. Condções de utlzação Apenas nstale o conjunto sobre telhados com resstênca sufcente ao peso total do equpamento. Se necessáro, solcte um especalsta em estátca ou em colocação de telhas. O conjunto de nstalação adequa-se a uma carga de neve máxma de,0 kn/m² e uma altura de nstalação de 0 m. Através da amplação com os acessóros correspondentes, o conjunto pode ser utlzado para uma carga de neve máxma de, kn/m² e uma altura de nstalação máxma de 00 m. Para o efeto, ver gualmente o capítulo 5.7 "Instalar perfs adconas (acessóro)". O conjunto de nstalação sobre o telhado não pode ser utlzado para a fxação de outras estruturas no telhado. A construção destna-se exclusvamente à fxação segura de colectores solares. Os procedmentos descrtos nestas nstruções de nstalação pressupõem conhecmentos técncos especalzados correspondentes a uma formação profssonal concluída na área de nstalações de gás e de água. Apenas execute os passos de nstalação aqu ndcados se tver os conhecmentos especalzados necessáros. Entregue estas nstruções de nstalação ao clente. Explque ao clente como o aparelho funcona e como utlzá-lo (006/0) SD 5

6 Segurança. Estrutura das nstruções Dstnguem-se dos níves de pergo devdamente assnalados conforme se segue:. Respete estas ndcações de segurança PERIGO DE VIDA PERIGO DE VIDA devdo a quedas de peças e pessoas. AVISO! Indca um eventual pergo provenente de um dos produtos, o qual, sem a devda precaução pode causar lesões graves ou mesmo a morte. AVISO! Em todos os trabalhos sobre telhados, tome as meddas adequadas para a prevenção de acdentes. Proteja-se contra quedas em todos os trabalhos sobre o telhado. CUIDADO! PERIGO DE LESÃO/ DANOS NA INSTALAÇÃO DANOS NO EDIFÍCIO Indca uma stuação potencalmente pergosa que pode causar fermentos lgeros ou de méda gravdade ou danos materas. Utlze sempre vestuáro ou equpamento de protecção pessoal. Ao conclur a nstalação, verfque se o conjunto de nstalação e os colectores estão assentes de modo seguro. PERIGO DE FERIMENTOS Outro símbolo para a dentfcação das nformações para o nstalador: Recomendações ao nstalador para uma utlzação e ajuste optmzados do aparelho e outras nformações útes. CUIDADO! CUIDADO! Se efectuar alterações na construção, estas poderão causar fermentos e falhas de funconamento. Não efectue quasquer alterações na construção. PERIGO DE FERIMENTOS Se o colector e o materal de nstalação estver exposto a radação solar por um período prolongado, exste o pergo de quemaduras nessas peças. Utlze sempre vestuáro ou equpamento de protecção pessoal. Cubra o colector (por ex. com um oleado obtdo como acessóro) e o materal de nstalação durante a nstalação para protecção contra as altas temperaturas dos raos solares (006/0) SD

7 Antes da nstalação Antes da nstalação. Indcações geras Uma vez que as empresas especalzadas na colocação de telhas têm experênca com trabalhos em telhados e pergos de queda, recomendamos a cooperação com estas empresas. Antes da nstalação, nforme-se sobre os requstos relatvos à construção e aos regulamentos locas. CUIDADO! Verfque se o fornecmento está completo e em perfetas condções. a dsposção deal dos colectores solares. Tenha em conta a radação solar (ângulo de nclnação, vrado ao Sul). Evte a sombra de árvores altas ou smlares e adapte o campo de colectores à forma do prédo (por ex. alnhamento com janelas, portas, etc.). PERIGO DE FERIMENTOS Se o colector e o materal de nstalação estverem expostos à radação solar por um período prolongado, exste o pergo de quemadura nessas peças. Utlze vestuáro de protecção. Cubra o colector (por ex. com um oleado obtdo como acessóro) e o materal de nstalação durante a nstalação para protecção contra as altas temperaturas dos raos solares. Utlze apenas peças orgnas do fabrcante e substtua medatamente quasquer peças danfcadas. Fg SD Imagem geral do conjunto de colectores, nstalação sobre o telhado Retre telhas, rpas ou placas partdas da zona dos colectores e substtua-as (006/0) SD 7

8 Antes da nstalação. Descrção dos componentes.. Conjunto de nstalação para os colectores INFORMAÇÃO PARA O INSTALAÇÃO Os conjuntos de nstalação destnam-se a receber e fxar colectores. 8 5 Fg SD Conjunto de nstalação para colectores - conjunto de nstalação de base, conjunto de nstalação de amplação e conjuntos de nstalação de lgação de telhado Conjunto de nstalação de base por cada campo de colectores e para o prmero colector (fg. ): Conjunto de nstalação de amplação, por cada colector adconal (fg. ): Item : Perfl Item : Perfl Item : Tensores de colector unlateras Item : Tensores de colector blateras Item 7: Protecção contra deslzamento Item 7: Protecção contra deslzamento Item 8: Parafuso M8 Item 6: Lgador de encaxe com pernos roscados Item 8: Parafuso M8 Lgação de telhado com telhas, por colector (fg. ): Item Gancho para telhado, regulável Item 5 Porca móvel (006/0) SD

9 Antes da nstalação.. Lgação hdráulca Para cada campo colector necessta de um conjunto de lgação. Os colectores entre s são undos com mangueras solares (conjunto de unão) SD Fg. Conjunto de lgação e conjunto de unão (magem com colectores vertcas) Conjunto de lgação, por campo de colectores (fg. ) Item : raçadera de mola ( sobressalente) 5 Item 6: Unão roscada para sensor do colector Item : Manguera solar com.000 mm Item 7: Chave SW5 de comprmento Item : Tampão cego Item 8: Termnal de manguera R¾ com anel de aperto de 8 mm Item 5: Manguera solar com 55 mm de comprmento Item 9: Tampão roscado de passagem do sensor não representado Conjunto de unão entre os colectores, por colector (em dos cantos de transporte, fg. ) Item : raçadera de mola Item : Manguera solar com 95 mm de comprmento Fg SD Dos cantos de transporte com um conjunto de unão (006/0) SD 9

10 Antes da nstalação. Meos auxlares necessáros Nível de bolha Fo de prumo Ventosa Colete com corda de segurança Materal de solamento de tubos Andame Escadote de especalsta em colocação de telhas ou dspostvos para trabalhos de lmpeza de chamnés Grua ou elevador de aplcação Para a nstalação do conjunto de nstalação sobre o telhado e da lgação hdráulca, necessta apenas como ferramenta da chave SW5 do conjunto de lgação.. Transporte e armazenamento Todos os componentes devem ser protegdos com embalagens para transporte. Desfaça-se das embalagens de transporte por meo do sstema de recclagem mas adequado relatvamente ao ambente. Protecção de transporte para lgações de colectores As lgações de colectores devem ser protegdas contra danos com capas sntétcas. DANOS NA INSTALAÇÃO CUIDADO! através de superfíces vedantes danfcadas. Retre as capas sntétcas (fg. 5, tem ) apenas antes do momento da nstalação. Armazenamento Os colectores estão exclusvamente prevstos para serem armazenados num local seco. Os colectores não podem ser armazenados ao ar lvre sem protecção para a chuva. Fg SD Capas sntétcas e lgações de colectores (006/0) SD

11 Antes da nstalação.5 Documentação técnca A nstalação solar consste em város componentes (fg. 6), que contêm documentos necessáros para a nstalação, utlzação e manutenção. Se necessáro, os acessóros têm uma documentação separada. Item : Item : Item : Colector: As nstruções de nstalação para a nstalação sobre o telhado estão ncluídas no conjunto de lgação Estação solar completa: As nstruções de nstalação estão ncluídas na undade completa Termo-acumulador: As nstruções de nstalação encontram-se junto do termoacumulador Fg SD Componentes de nstalações solares e documentos técncos (006/0) SD

12 Antes da nstalação.6 Defnr espaço no telhado Tenha atenção às seguntes dmensões, que devem estar, pelo menos, dsponíves. Medda A e Superfíce necessára para o campo de colectores. Medda C H Pelo menos duas flas de telhas até à cumeera ou chamné. Em especal nas telhas colocadas molhadas exste o rsco de danfcar o telhado. Medda D Salênca do telhado, nclusvamente a espessura da fachada. G Medda E Pelo menos, 0 cm para a nstalação dos cabos de lgação no sótão. Fg. 7 Meddas de dstânca a manter SD Medda F Pelo menos, 0 cm para a nstalação dos cabos de lgação no sótão, em cma, (no caso de uma nstalação de dspostvo de purga deve-se anda prever espaço suplementar sufcente na zona de mpulsão). Medda G Pelo menos, 50 cm à esquerda e à dreta ao lado do campo de colectores para os cabos de lgação por baxo do telhado. Medda H A medda H corresponde a.900 mm (em colectores horzontas:.000 mm) e é a dstânca mínma do bordo superor do colector até ao perfl nferor, que é nstalado em prmero lugar. Espaço necessáro para colectores vertcas: Espaço necessáro para colectores horzontas: Número de colectores Medda A Medda Número de colectores Medda A Medda, m,07 m,7 m,5 m,9 m,07 m 6,6 m,5 m,66 m,07 m 8,6 m,5 m 5 5,8 m,07 m 5 0,5 m,5 m 6 7,06 m,07 m 6,55 m,5 m 7 8,7 m,07 m 7,6 m,5 m 8 9, m,07 m 8 6,7 m,5 m 9 0,5 m,07 m 9 8,6 m,5 m 0,68 m,07 m 0 0,9 m,5 m Tab. Necessdade de espaço dos colectores vertcas Tab. Necessdade de espaço dos colectores horzontas (006/0) SD

13 Instalar a lgação de telhado e os perfs 5 Instalar a lgação de telhado e os perfs PERIGO DE VIDA AVISO! Proteja-se contra quedas em todos os trabalhos sobre o telhado. PERIGO DE FERIMENTOS devdo a quedas de peças e pessoas. AVISO! Em todos os trabalhos sobre telhados, tome as meddas adequadas para a prevenção de acdentes. Utlze sempre vestuáro ou equpamento de protecção pessoal SD Para poder deslocar-se melhor no telhado, utlze uma escada especal e desloque para cma as telhas junto à margem do campo de colectores. Fg. 8 Prefs pré-nstalados para dos colectores (006/0) SD

14 Instalar a lgação de telhado e os perfs 5. Determnar as dstâncas As meddas ndcadas nas tabelas são valores de referênca, que devem ser mantdas aproxmadamente. Em prncípo, nos telhados de telha holandesa são as concavdades da onda da telha que determnam a dstânca real entre os ganchos de fxação para telhados. Dstânca entre os ganchos de fxação para telhados Cada perfl é fxado com dos ganchos para telhados (fg. 9). Poderá consultar a dstânca aproxmada entre os ganchos de fxação para telhados na tabela. z x Tpo de montagem Dstânca w Dstânca x Dstânca z vertcal aprox. 70 mm mm mm horzontal aprox. 090 mm mm mm Tab. 5 Dstânca entre os ganchos de fxação para telhados Fg SD Dstânca entre os ganchos de fxação para telhados As dstâncas x e z devem dar sempre aproxmadamente a dstânca w. Dstâncas entre os perfs Determne a dstânca entre os perfs superor e nferor (fg. 0). Orente-se pelos valores da tabela. Tpo de Dstânca y montagem de a vertcal 0 mm 70 mm horzontal 600 mm 80 mm Tab. 6 Dstânca (centro-centro) entre os perfs nferor e superor y A nstalação horzontal só é possível com uma dstânca máxma entre rpas de telhado de 0 mm. Fg. 0 Dstânca entre os perfs SD (006/0) SD

15 Instalar a lgação de telhado e os perfs 5. Cobertura com telhas Em prmero lugar, monte todos os ganchos de fxação para telhados de acordo com os valores de referênca 5 e 6 na págna ndcados nas tabelas. Não altere a estrutura do telhado e evte danfcar o telhado. No caso de telhas da cumeera colocadas molhadas, eleve as telhas abaxo da cumeera só a partr da ª fada. Para que a telha fque bem apoada sobre o gancho para telhados, deve cortar cudadosamente os pontos de apoo das telhas. Fg SD Imagem de ganchos para telhados nstalados para dos colectores DANOS NA INSTALAÇÃO CUIDADO! devdo ao afrouxamento posteror da porca sextavada comprda no gancho de fxação para telhados. Ao apertar a porca é actvada uma cola que fxa a unão após uma hora. Se a porca se soltar após uma hora, é necessáro efectuar uma moblzação de parafusos na nstalação (por ex. dsco dentado). 5.. Encaxar o gancho de fxação para telhados à rpa A parte nferor do gancho para telhados é fornecda dobrada. Soltar a porca sextavada comprda (fg., tem ) no gancho para telhado e colocar a parte nferor do gancho para telhado (fg., tem ) na posção correcta. Deslocar a telha para cma de acordo com as posções dos ganchos para telhado (tab. 5 e tab. 6, págna ). Encaxar o gancho para telhados por forma a que o apoo encoste à frente numa depressão da telha (fg., tem ). Deslocar para cma a parte nfeor do gancho para telhado (fg., tem ) até que esta encoste na rpa (fg., tem ). Apertar a porca sextavada comprda (fg., tem ). Para o efeto, ntroduzr a chave SW5 no furo da porca sextavada e apertar. A anlha dentada (fg., tem 5) deve encaxar na parte nferor dentada do gancho para telhados. Fg. Fg SD Rodar a parte nferor do gancho para telhados SD Gancho para telhados encaxado (para uma melhor magem, algumas telhas não estão apresentadas) (006/0) SD 5

16 Instalar a lgação de telhado e os perfs 5.. Fxar o gancho para telhados ao cabro O gancho de fxação para telhados pode ser utlzado alternatvamente como chumbador de cabro para a fxação sobre o cabro. De acordo com as posções dos ganchos para telhados (tab. 5 e tab. 6, págna ) devem, se necessáro, ser colocadas no cabro (rebaxar com contra-rpas) sufcentes tábuas/pranchas resstentes, para nstalar o gancho para telhados entre os cabros. Soltar a porca sextavada comprda (fg., tem ). Introduzr o parafuso no furo superor (fg., tem ). Apertar lgeramente a parte nferor do gancho para telhados (fg., tem ). Anda não apertar defntvamente a unão. Colocar o apoo à frente de tal forma que no caso de carga este assente numa concavdade (fg. 5, tem ). O gancho para telhados deverá ter alguma folga no bordo superor da telha (fg. 5, tem ). Eventualmente, ajustar a telha em cma. 6 CUIDADO! Deslocar para baxo o gancho para telhados até que este assente no cabro ou nas tábuas/pranchas (fg. 5, tem 6). Em alguns telhados pode ser necessáro colocar um apoo de tábuas /pranchas na parte nferor do gancho para telhados (fg., tem ) para que o gancho para telhado fque assente na telha. DANOS NA INSTALAÇÃO devdo a uma ruptura do gancho de fxação para telhados, quando o parafuso não está posconado no furo superor e podendo levar, desta forma, a aplcações de força desfavoráves. A anlha dentada (fg. 5, tem 5) deve encaxar na parte nferor dentada do gancho para telhados. Apertar a porca sextavada comprda (fg. 5, tem ). Para o efeto, ntroduzr a chave SW5 no furo da porca sextavada e rodar. Fxar a parte nferor do gancho para telhados, pelo menos, ao prmero (fg. 5, tem ) e segundo furos no cabro com parafusos adequados. Fg. Item : Item : Item : Item : Item 5: Fg. 5 Item : Item : Item : Item : Item 5: Item 6: Fxar o gancho para telhados ao cabro Parte nferor do gancho de fxação para telhados Porca sextavada comprda Furo superor para fxação da parte nferor Aplcar um revestmento, se necessáro Fazer uma separação, se necessáro SD Gancho para telhados montado (para uma melhor magem, algumas telhas não estão apresentadas) Porca sextavada comprda Parafusos para fxação do gancho para telhados Apoo à frente Se necessáro, ajustar a telha ao gancho para telhados Anlha dentada Tábua/prancha SD (006/0) SD

17 Instalar a lgação de telhado e os perfs 5. Cobertura de telhas planas Para a nstalação de uma cobertura de telhas planas aconselhe-se junto de um especalsta em colocação de telhas. Durante a nstalação, tenha atenção às dstâncas a serem mantdas (w, x e y) dos ganchos para telhados (tab. 5 e tab. 6, págna ). De acordo com as posções do gancho para telhado (tab. 5 e tab. 6, págna ) devem, se necessáro, ser colocadas no cabro (rebaxar com contra-rpas) sufcentes tábuas/pranchas resstentes (fg. 6, tem ) para montar o gancho para telhado entre os cabros. Fg SD Se necessáro, montar tábuas/pranchas Quando o telhado está nstalado com contra-rpas, também pode utlzar o gancho para telhados conforme a cobertura de telha holandesa (págna 5). Preparar o gancho para telhados Antes da nstalação, a parte nferor deve ser colocada na posção correcta. Soltar a porca sextavada comprda (fg. 7, tem ). Introduzr o parafuso no furo superor (fg. 7, tem ). Apertar lgeramente a parte nferor do gancho para telhados (fg. 7, tem ). Anda não apertar defntvamente a unão. DANOS NA INSTALAÇÃO CUIDADO! devdo a uma ruptura do gancho de fxação para telhados, quando o parafuso não está posconado no furo superor e podendo levar, desta forma, a aplcações de força desfavoráves. Fg. 7 Item : SD Voltar a posconar a parte nferor do gancho para telhados Parte nferor do gancho de fxação para telhados Item : Porca sextavada comprda Item : Furo superor para fxação da parte nferor Item : Fazer uma separação, se necessáro (006/0) SD 7

18 Instalar a lgação de telhado e os perfs Instalar o gancho para telhados DANOS NO EDIFÍCIO CUIDADO! devdo a nfltrações. Instalar cada gancho para telhados no centro sobre uma telha plana. Se os ganchos para telhados tverem uma dstânca muto curta, pode separar a parte nferor do gancho para telhados entre o segundo e tercero furos. Colocar o apoo à frente sobre as telhas de forma a que assente em caso de carga (fg. 9, tem ). O gancho para telhados deve ter uma pequena folga no canto superor da telha (fg. 9, tem 5). Eventualmente, alnhar a telha em cma. Deslocar a parte nferor do gancho para telhados o mas possível para baxo, até que esta assente sobre o cabro ou sobre a tábua/prancha (fg. 8, tem ). A anlha dentada (fg. 9, tem ) deve encaxar na parte nferor dentada do gancho para telhados. Apertar a porca sextavada comprda (fg. 9, tem ). Para o efeto, ntroduzr a chave SW5 no furo da porca sextavada e rodar. Apertar a parte nferor do gancho para telhados, pelo menos, no prmero (fg. 9, tem ) e segundo furos ao cabro, com parafusos adequados. Cortar as telhas planas adjacentes (fg. 0, tem ) (lnha pontlhada, fg. 0, tem ). Fg. 8 Fg. 9 5 Gancho para telhados nstalado SD SD Gancho para telhados nstalado. Apresentação de secção com parte nferor do gancho para telhados encurtada. Fg SD Gancho para telhados com telhado coberto (006/0) SD

19 Instalar a lgação de telhado e os perfs 5. Cobertura com chapa ondulada PERIGO DE VIDA AVISO! pela nalação de fbras de amanto. Os trabalhos com materas contendo amanto só devem ser realzados por especalstas ou pessoal devdamente nstruído no procedmento de trabalho. Devem observar-se rgorosamente as meddas da TRGS 59 (Regras técncas para produtos pergosos). 5 6 Em vez dos ganchos para telhados, devem ser montadas varas roscadas para a fxação dos perfs. Fornecmento (fg. ): Item : Parafuso M8 Item : loco de apoo Item : Porca M Item : Anlha Item 5: Anlha de vedação Item 6: Vara roscada M Em prncípo, nos telhados com chapa ondulada, a ondulação da chapa determna a dstânca real entre as varas roscadas. Durante a nstalação, tenha atenção às dstâncas a serem mantdas (w, x e y) das varas roscadas (tab. 5 e tab. 6, págna ). DANOS NA INSTALAÇÃO Fg. Lgação do telhado com chapa ondulada Ferramentas adconas necessáras Aparafusador sem fo Fta métrca roca para madera, Ø 6 mm (comprmento da broca veja o capítulo "Instalar as varas roscadas", págna 0) roca para metal, Ø mm Chave de porcas SW 5 e SD CUIDADO! devdo à fragldade da estrutura de suporte. Verfque, se a estrutura de suporte tem capacdade de carga sufcente. Para uma fxação das varas roscadas, são necessáras maderas esquadradas 0 com 0 mm de espessura. Se necessáro, nstale maderas esquadradas adconas, para poder manter as meddas da tab. 5 e tab (006/0) SD 9

20 Instalar a lgação de telhado e os perfs Instalar as varas roscadas Deve assegurar um ângulo exacto de 90 ao furar a estrutura de suporte do telhado para obter uma superfíce plana entre o bloco de apoo e o perfl. Para este efeto, recomenda-se crar uma gua ou um gabarto de furação. Utlze uma madera em esquadra com um comprmento de aproxmadamente 0,50,00 m. Faça um furo de passagem (Ø 6 mm) vertcal através da madera (fg. ). Determnar o comprmento da broca para madera necessára de acordo com os cálculos que se seguem: Fg. Crar um gabarto de furação SD Altura da ondulação da chapa + Altura do gabarto de furação + Tamanho necessáro da broca de madera, contada a partr do mandrl (Ø 6 mm) DANOS NO EDIFÍCIO = 90 mm 5 CUIDADO! devdo a nfltrações. Nunca fure nas depressões da chapa ondulada SD Furar com uma broca para metal (Ø mm) de acordo com as posções das varas roscadas (ver tab. 5 e tab. 6) através da chapa ondulada. Não furar a madera que está por baxo! Colocar a broca para madera (Ø 6 mm) no gabarto de furação e furar vertcalmente na estrutura de suporte (madera esquadrada). Fg. Item : Item : Item : Item : Item 5: Sequênca da nstalação das varas roscadas loco de apoo Porca M Anlha Anlha de vedação Vara roscada M Ao nstalar as varas roscadas, ter atenção à sequênca das peças ndvduas (fg. ). Rodar o bloco de apoo (fg., tem ) até ao batente na vara roscada (fg., tem 5). Apertar as varas roscadas pré-nstaladas com a ajuda de uma chave de boca SW 5 no telhado, até que seja atngda a medda (tab. 7). Ao enroscar as varas roscadas, assegurese de que a dstânca (tab. 7 e fg. ) é gual para todas as varas roscadas (006/0) SD

21 Instalar a lgação de telhado e os perfs Apertar a porca (fg., tem ) de tal forma que a anlha de vedação (fg., tem ) encoste totalmente no telhado. O bloco de apoo deve ser aparafusado até encostar na vara roscada. Tab. 7 Altura da ondulação Medda Medda A 5 mm 70 mm 0 mm 65 mm 5 mm 60 mm 50 mm 55 mm 55 mm 50 mm 60 mm 5 mm Meddas de nstalação para telhado de chapa ondulada. Meddas em função da altura da ondulação. Aparafusar os perfs Observe também o capítulo 5.8. "Lgar os perfs". Apertar cada perfl (fg. 5, tem ) com dos parafusos (fg. 5, tem ). Fg. Item : Item : Item : Vara roscada montada sobre telhado de chapa ondulada loco de apoo Porca M Anlha de vedação SD Devdo às dferenças de nível dos cabros do telhado, os perfs não devem fcar suspensos. Utlze um fo de prumo para controlo. Se necessáro, coloque materal de apoo por baxo dos perfs no bloco de apoo SD Fg. 5 Item : Item : Item : Fxar o perfl ao bloco de apoo Parafuso Perfl loco de apoo (006/0) SD

22 Instalar a lgação de telhado e os perfs 5.5 Telhado de ardósa ou de rpas A nstalação sobre placas de ardósa ou rpas deve ser efectuada por um especalsta em colocação de telhas. É-lhe mostrado, a título de exemplo, a nstalação de um gancho para fxação de telhados especal e a cobertura estanque com chapas a colocar por parte do clente (fg. 6, tem e ) com base numa cobertura de ardósa ou de rpas. 6 5 Na nstalação, tenha atenção às dstâncas a serem mantdas (w, x e y) entre os ganchos para telhado especas (tab. 5 e tab. 6, págna ). Instalar os ganchos especas para telhado (fg. 6, tem 5) e o vedante (fg. 6, tem ) com o parafuso (fg. 6, tem 6) na cobertura de ardósa/de rpas. Para garantr uma nstalação estanque, devem ser nstaladas por parte do nstalador chapas sobre e sob os ganchos para telhado especas (fg. 6, tem, ). O gancho especal para telhados deve fcar apoado sobre uma cobertura múltpla (fg. 6, tem ). Fg. 6 Item : Item : Item : Item : Item 5: Item 6: Instalação sobre telhado de ardósa ou de rpas Chapa (por parte do clente) Chapa (por parte do clente) Apresentação de cobertura múltpla Isolamento (por parte do clente) Ganchos de fxação especas para telhados Parafuso SD 5.6 Telhado de chapa Em vez dos ganchos para telhados, devem ser nstaladas varas roscadas (fg. 7, tem 5) para a fxação dos perfs. Durante a nstalação, tenha atenção às dstâncas a serem mantdas (w, x e y) das varas roscadas (tab. 5 e tab. 6, págna ). Para assegurar a estanquedade do telhado deverá soldar mangas (fg. 7, tem 6) (por parte do nstalador) ao telhado de chapa para as varas roscadas (fg. 7, tem 5). A nstalação sobre telhados de chapa deve ser efectuada por um especalsta em colocação de telhados. Pode consultar o processo da nstalação das varas roscadas e perfs, bem como as respectvas ndcações no capítulo 5. "Cobertura com chapa ondulada". Fg. 7 Item : Item : Item : Item : Item 5: Instalação sobre o telhado de chapa loco de apoo Porca M Anlha Anlha de vedação Vara roscada M SD Item 6: Manga (por parte do nstalador) (006/0) SD

Instruções de instalação sobre telhado do colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers

Instruções de instalação sobre telhado do colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers Instruções de nstalação sobre telhado do colector plano FKT- para sstemas de aquecmento por energa solar Junkers 60966.0-.SD 6 70 6 58 PT (006/0) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT-1 para sistemas de aquecimento por energia solar Junkers Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano e fachada Colector plano FKT- para sstemas de aquecmento por energa solar Junkers 63043970.0-.SD 6 70 6 583 (006/04) SD Índce Generaldades..............................................

Leia mais

Montagem sobre o telhado. Colectores planos FK240. Para sistemas térmicos de energia solar Vulcano 6 720 612 250 PT (05.04) RS

Montagem sobre o telhado. Colectores planos FK240. Para sistemas térmicos de energia solar Vulcano 6 720 612 250 PT (05.04) RS Montagem sobre o telhado Colectores planos FK240 Para sstemas térmcos de energa solar Vulcano 6 720 62 250 PT (05.04) RS Acerca destas nstruções As presentes nstruções de montagem contêm nformações mportantes

Leia mais

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sistemas térmicos de energia solar Junkers

Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sistemas térmicos de energia solar Junkers Instruções de montagem Montagem sobre telhado plano Colector plano FK240 Para sstemas térmcos de energa solar Junkers 6 720 6 709 (04.0) RS Acerca destas nstruções A presente nstrução de montagem contem

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

Instruções de montagem. Colectores planos FCB-1S / FCC-1S CTE. 6720680458-00.1Av. Montagem sobre o telhado 6 720 642 803 (2009/12) PT

Instruções de montagem. Colectores planos FCB-1S / FCC-1S CTE. 6720680458-00.1Av. Montagem sobre o telhado 6 720 642 803 (2009/12) PT Instruções de montagem Colectores planos FCB-S / FCC-S CTE 670680458-00.Av Montagem sobre o telhado 6 70 64 80 (009/) PT Índice Índice Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança...............................

Leia mais

FCC-1S / FCB-1S / FCC-2S / FCB-2S

FCC-1S / FCB-1S / FCC-2S / FCB-2S Instruções de montagem FCC-S / FCB-S / FCC-S / FCB-S Colectores planos 67068058-00.Av Montagem sobre o telhado 6 70 80 97 (0/0) PT Índice Índice Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança.....

Leia mais

Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z*

Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z* Instruções de segurança VEGASWING 61/63.CI*****Z* NCC 14.03221 X Ex a IIC T* Ga, Ga/Gb, Gb 0044 Document ID: 41515 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 4 4 Especfcações... 4 5 Proteção

Leia mais

Solar 3000 TF/ Solar 4000 TF

Solar 3000 TF/ Solar 4000 TF 670680458-00.Av Coletores planos Solar 000 TF/ Solar 4000 TF Montagem sobre o telhado Instruções de montagem 6 70 645 9 (00/08) BR Índice BR Índice Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança..............................

Leia mais

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00 Instruções de Utlzação Actuador de motor va rádo 1187 00 Índce Relatvamente a estas nstruções... 2 Esquema do aparelho... 3 Montagem... 3 Desmontagem... 3 Tensão de almentação... 4 Colocar as plhas...

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Colectores planos Suporte de instalação 6 720 643 442 (2010/03) PT 6720616592.00-1.SD Indice Indice 1 Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança...............................

Leia mais

TERMOSSIFÃO PARA TELHADOS PLANOS E INCLINADOS

TERMOSSIFÃO PARA TELHADOS PLANOS E INCLINADOS 7 747 005 076.00-.RS TERMOSSIFÃO PARA TELHADOS PLANOS E INCLINADOS Instruções de instalação FCB-S / FCC-S FCB-S / FCC-S Sistema de 50 l Sistema de 00 l Sistema de 00 l 6 70 804 54 (04/0) PT Índice Índice

Leia mais

TERMOSSIFÃO PARA TELHADOS PLANOS E INCLINADOS

TERMOSSIFÃO PARA TELHADOS PLANOS E INCLINADOS 7 747 005 076.00-.RS TERMOSSIFÃO PARA TELHADOS PLANOS E INCLINADOS Instruções de instalação FCB- / FCC- Sistema de 50 l Sistema de 00 l Sistema de 300 l 6 70 647 356 (0/03) PT Índice Índice Esclarecimento

Leia mais

Aquecedores de água a gás

Aquecedores de água a gás Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 350 COB GLP.. GWH 350 COB GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho 14

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Aquecedores de água a gás

Aquecedores de água a gás Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODB GLP.. GWH 420 CODB GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho

Leia mais

Manual de instalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. 6 720 608 372 BR (06.11) SM

Manual de instalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. 6 720 608 372 BR (06.11) SM Manual de nstalação e uso Aquecedores de água a gás GWH 420 CODH GLP.. GWH 420 CODH GN.. BR (06.11) SM Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa 3 5 Afnações 14 5.1 Afnação do aparelho

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção. Colector plano FKC-2 6720647804-00.1T. Montagem incorporada no telhado 6 720 648 357 (2011/08) PT

Instruções de montagem e de manutenção. Colector plano FKC-2 6720647804-00.1T. Montagem incorporada no telhado 6 720 648 357 (2011/08) PT Instruções de montagem e de manutenção Colector plano FKC- 670647804-00.T Montagem incorporada no telhado 6 70 648 357 (0/08) PT Índice Índice Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança...............................

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Instruções de utilização

Instruções de utilização MONITOR DE GLICEMIA Instruções de utlzação 0088 ACCU-CHEK, ACCU-CHEK GO, ACCU-CHEK MULTICLIX, SOFTCLIX e SAFE-T-PRO são marcas da Roche. Roche Dagnostca Brasl Ltda Dabetes Care Av. Engenhero Bllngs 1729

Leia mais

LIFESTAR. Manual de Instalação. Caldeira mural a gás ZS 24/28-2 DH KE 23 ZW 24/28-2 DH KE 23 ZS 24/28-2 DH KE 31 ZW 24/28-2 DH KE 31

LIFESTAR. Manual de Instalação. Caldeira mural a gás ZS 24/28-2 DH KE 23 ZW 24/28-2 DH KE 23 ZS 24/28-2 DH KE 31 ZW 24/28-2 DH KE 31 Manual de Instalação Caldera mural a gás LIFESTAR ZS 24/28-2 DH KE 23 ZW 24/28-2 DH KE 23 ZS 24/28-2 DH KE 31 ZW 24/28-2 DH KE 31 PT (06.10) JS Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa

Leia mais

SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS 67080448.00-.ST SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS Instruções de instalação e de manutenção Colector plano FKC- CTE Montagem incorporada no telhado 6 70 809 86 (04/04) PT Índice Índice Esclarecimento dos símbolos

Leia mais

manual do cliente Manual do Cliente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 Rev E

manual do cliente Manual do Cliente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 Rev E Máqunas de Termnação AMP 3K/40* CE 2161400-[ ] e Máqunas de Termnação AMP 5K/40* CE 2161500-[ ] Manual do Clente 409-10204-PT 30 de MAIO 2012 manual do clente PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA LEIA ISTO EM PRIMEIRO

Leia mais

EUROSTAR ACU PLUS. Caldeira mural a gás com acumulador incorporado. Exaustão natural: ZWSE 23-4 MFK. Estanque: ZWSE 28-4 MFA

EUROSTAR ACU PLUS. Caldeira mural a gás com acumulador incorporado. Exaustão natural: ZWSE 23-4 MFK. Estanque: ZWSE 28-4 MFA 6 720 611 241-00.1O Caldera mural a gás com acumulador ncorporado EUROSTAR ACU PLUS Exaustão natural: ZWSE 23-4 MFK Estanque: ZWSE 28-4 MFA OSW Índce Índce Indcações de segurança 3 Explcação da smbologa

Leia mais

BR/BD 530 BAT. 9.356-083.0-11/10 Ind. a

BR/BD 530 BAT. 9.356-083.0-11/10 Ind. a BR/BD 530 BAT K 300 / XL BAT KÄRCHER INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AV. PROF. BENEDICTO MONTENEGRO, 49 - BETEL - 3.40-000 - PAULÍNIA - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 34-3.40-000 - PAULÍNIA - SP CENTRAL DE

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA PURE CYCLING MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA 1 13 14 2 3 4 5 c a 15 16 17 6 7 8 9 10 11 12 e d b 18 19 20 21 22 23 24 25 Importante! Instruções de montagem pág. 12. Lea cudadosamente as págs.

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Antes da primeira viagem Utilização apropriada. Antes de qualquer viagem. RITCHEY Manual de instruções. Introdução

Antes da primeira viagem Utilização apropriada. Antes de qualquer viagem. RITCHEY Manual de instruções. Introdução RITCHEY Manual de nstruções Rodas, apertos rápdos, pneus, câmaras de ar, fta de aro e calços de travão Informações mportantes para uso, conservação, manutenção e montagem Índce Introdução 1 Antes da prmera

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Laminectomia e liberação

Laminectomia e liberação TÉCNICA CIRÚRGICA Lamnectoma e lberação 1 Abordagem crúrgca do dsco A abordagem do espaço ntervertebral é executada após a dentfcação do nível relatvo ao ntensfcador de magem. A técnca crúrgca usada para

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE MONTANHA

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE MONTANHA PURE CYCLING MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE MONTANHA 1 13 14 15 2 16 3 4 c a I II 17 18 5 6 7 8 9 10 11 12 e d f b III IV 19 20 21 22 23 24 25 26 A sua bccleta e este manual de nstruções estão conformes

Leia mais

inversores de frequência manual de utilização completo

inversores de frequência manual de utilização completo vacon 10 nversores de frequênca manual de utlzação completo Document code: DPD00644 Last edted: 28.09.2011 1. Segurança...3 1.1 Avsos...3 1.2 Instruções de segurança...5 1.3 Lgação à terra e proteção contra

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA

MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA PURE CYCLING MANUAL DO UTILIZADOR BICICLETA DE ESTRADA 1 13 14 2 3 4 5 c a 15 16 17 6 7 8 9 10 11 12 e d b 18 19 20 21 22 23 24 25 Importante! Instruções de montagem pág. 10. Lea cudadosamente as págs.

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Termoacumulador para água quente sanitária Logalux LT 35-300 Para os técnicos especializados Leia atentamente antes da montagem e da manutenção 630 337-0/000 PT/BR

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Índice Configuração do instrumento Operações Características técnicas Configurações Códigos de mensagens Cuidados e manutenção Garantia

Índice Configuração do instrumento Operações Características técnicas Configurações Códigos de mensagens Cuidados e manutenção Garantia Índce Confguração do nstrumento - - - - - - - - - - - - - - 2 Introdução - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2 Apresentação geral - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp.

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp. VACUUM TECHNOLOGY MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO (Tradução das nstruções orgnas) BOMBAS DE VÁCUO LUBRIFICADAS A RECICULAÇÃO - nfo@dvp.t LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Power Ethernet WLAN DSL. Internet. Thomson ST585(v6) Guia de Instalação e Configuração

Power Ethernet WLAN DSL. Internet. Thomson ST585(v6) Guia de Instalação e Configuração DSL Power Ethernet WLAN Internet Thomson ST585(v6) Gua de Instalação e Confguração Thomson ST585(v6) Gua de Instalação e Confguração Dretos autoras Dretos autoras 1999-2007 Thomson. Todos os dretos reservados.

Leia mais

Hahn Türband 4. Para portas representativas funcionais e de edifícios. Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça

Hahn Türband 4. Para portas representativas funcionais e de edifícios. Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça Hahn Türband 4 Para portas representativas funcionais e de edifícios Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça 1 2 3 4 6 7 8 9 J 1 2 3 4 5 6 7 8 9 J 2 Hahn Türband 4 Dobradiça de enroscar com óptica de

Leia mais

Catálogo geral tesa Profissional

Catálogo geral tesa Profissional Catálogo geral tesa Profssonal Soluções Profssonas para Construção, Renovação e Decoração GAMA Para resultados perfetos. Soluções Profssonas para Construção, Renovação e Decoração Fxação Pntura Interor

Leia mais

Instruções de instalação e de manutenção Logasol SKR10 CPC, SKR5

Instruções de instalação e de manutenção Logasol SKR10 CPC, SKR5 Coletor com tubos de vácuo para sistemas solares térmicos 6 70 87 743 (05/06) PT Instruções de instalação e de manutenção Logasol SKR0 CPC, SKR5 Montagem sobre telhado Ler atentamente antes da montagem

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

G-Note Gravador de notas digital

G-Note Gravador de notas digital G-Note Gravador de notas dgtal Modelo: G-Note Seres Manual do utlzador Federal Communcatons Commsson (FCC) Declaração de nterferênca de frequênca de rádo Este equpamento fo testado e está em conformdade

Leia mais

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação

Painel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC. Manual de operação Panel de controlo MPC-xxxx-B FPA-1200-MPC pt Manual de operação 3 pt Índce remssvo Panel de controlo Índce remssvo 1 Para sua nformação 8 1.1 Ilustração dos passos 8 1.2 Chamar o menu ncal 8 1.3 Alterar

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Acumulador combinado Logalux P750 S Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem e da manutenção 6 720 619 324-03/2001 PT Ficha técnica Para a montagem

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Série TVR Easy REGULADOR DE CAUDAL DE AR / ELÉCTRICO (CIRCULAR) Velocidade do ar na conduta (m/s) 1,2-12,2 1,4 125 1,2-12,2 1,7 160 1,2-12,2 2,2 200

Série TVR Easy REGULADOR DE CAUDAL DE AR / ELÉCTRICO (CIRCULAR) Velocidade do ar na conduta (m/s) 1,2-12,2 1,4 125 1,2-12,2 1,7 160 1,2-12,2 2,2 200 FICA TÉCNICA - ARI.16 Sére TVR Easy REGUADOR DE CAUDA DE AR / EÉCTRICO (CIRCUAR) APICAÇÃO Regulador de caudal de ar a baxa e méda velocdade. ajuste 1:. Caudal real nstantâneo (snal 0-Vcc) dsponível para

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO Celestno Rodrgues Ruvo Área Departamental de Engenhara Mecânca, Escola Superor de Tecnologa da Unversdade do Algarve, 8000 Faro, Portugal

Leia mais

Instruções de operação Equipamento portátil para teste de dureza em metais

Instruções de operação Equipamento portátil para teste de dureza em metais Instruções de operação Equpamento portátl para teste de dureza em metas Fabrcado na Fabrcado Suíça na Suíça... more than 50 years of know-how you can measure! Índce 1. Segurança e responsabldade 4 1.1.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032. Evolution. www.chavesgold.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B SR110064 CARGA 032 www.chavesgold.com.br Evoluton 02 INDICE CODIFICAÇÃO 7 BC DELPHI COM 93LC66B BODY COMPUTER DELPHI Rotna Para Verfcação Delph...03

Leia mais

Conjunto de empilhamento para o vaporizador combinado (eléctrico)

Conjunto de empilhamento para o vaporizador combinado (eléctrico) SmartCombi Classic Combi Conjunto de empilhamento para o vaporizador 845906----AIRU6- / 2.05.200 / TAG-MaBr Versão Conjunto de empilhamento para o vaporizador combinado eléctrico Tipo n.º Tamanho MM845906

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Conjunto de empilhamento para o vaporizador combinado (gás)

Conjunto de empilhamento para o vaporizador combinado (gás) SmartCombi Classic Combi Conjunto de empilhamento para o vaporizador 845986----AIRU6- / 2.05.200 / TAG-MaBr Versão Conjunto de empilhamento do vaporizador combinado a gás CE Conjunto de empilhamento do

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA A INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO NA REPRESENTAÇÃO DO BNDES EM SÃO PAULO/SP

ESPECIFICAÇÃO PARA A INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO NA REPRESENTAÇÃO DO BNDES EM SÃO PAULO/SP BNDES ATI/DEIMP Memoral Descrtvo relatvo à Rede de Cabeamento Estruturado, Vdeoconferênca e Dstrbução Elétrca nas Salas de Telecomuncações para a reforma do 2º Pavmento da sede do DESUL Mao de 2013 DESUL

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

KTM. Válvulas de Esfera Flutuante e de Dois Corpos KTM (sede macia - grafite - metálica) Instruções de Instalação e Manutenção. www.pentair.

KTM. Válvulas de Esfera Flutuante e de Dois Corpos KTM (sede macia - grafite - metálica) Instruções de Instalação e Manutenção. www.pentair. KTM Secção 1 - Armazenagem 1.1. Preparação e conservação para armazenagem Todas as válvulas devem ser embaladas adequadamente, por forma a proteger as peças que estão sujeitas a deterioração durante o

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0 SELEÇÃO Espaço útl da câmara B-100-405 x 405 x 600 mm B-200-405 x 405 x 1225 mm B-300-605 x 605 x 825 mm B-500-605 x 605 x 1225 mm Aplcação N - Uso geral NL - Lactáro NX - Cclos especas Impressora Impressora

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

Seu manual do usuário GAGGENAU RX496210 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3572972

Seu manual do usuário GAGGENAU RX496210 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3572972 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para GAGGENAU RX496210. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I Departamento de Engenhara Cvl e rqutectura Secção de Mecânca Estrutural e Estruturas Mestrado em Engenhara Cvl MECÂNIC I pontamentos sobre equlíbro de estruturas Eduardo Perera Luís Guerrero 2009/2010

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Instruções de montagem e operação EB 2430 PT. Termóstato Tipo 2430 K para Válvulas da Série 43

Instruções de montagem e operação EB 2430 PT. Termóstato Tipo 2430 K para Válvulas da Série 43 Termóstato Tipo 2430 K para Válvulas da Série 43 Fig. 1 Termóstato Tipo 2430 ligado a Válvula Tipo 2432 K (Regulador de Temperatura Tipo 43-2) Instruções de montagem e operação EB 2430 PT Edição de Setembro

Leia mais

Gerenciador de combustão W-FM-50 83250310 1/2010-03. Instruções de montagem e funcionamento. info. V esc SIEMENS LMV27.210A2WH W-FM50 VSD X64 1 AIR

Gerenciador de combustão W-FM-50 83250310 1/2010-03. Instruções de montagem e funcionamento. info. V esc SIEMENS LMV27.210A2WH W-FM50 VSD X64 1 AIR 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Instruções de montagem e funconamento BCI X56 VD X74 1 COM X92 FUEL X54 X53 AIR X64 1 VD V h mn s esc 1 nfo 1 1 1 1 1 1 1 1 X75 X10-05 X10-06 X3-02 X5-03 X8-04 X8-02 X7-01 X3-04 E N L

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

SYNTEX Instruções de funcionamento e montagem, versão DK (de engrenamento) SYNTEX versão DK

SYNTEX Instruções de funcionamento e montagem, versão DK (de engrenamento) SYNTEX versão DK D-4840 Rheine 1 de 8 SYNTEX versão DK Cubo, versão 1.0 Cubo, versão 4.5 O SYNTEX é um sistema de sobrecarga de operação positiva. Este sistema protege os componentes subsequentes contra destruição. Aquando

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

Boiler Gas BG 10 / Boiler Gas/Elektro BGE 10. Instruções de montagem Página 2

Boiler Gas BG 10 / Boiler Gas/Elektro BGE 10. Instruções de montagem Página 2 Boiler Gas BG 10 / Boiler Gas/Elektro BGE 10 Instruções de montagem Página 2 Boiler Gas (termoacumulador a gás) BG 10 / Boiler Gas/Elektro (termoacumulador a gás/elétrico) BGE 10 Esquentador Índice Símbolos

Leia mais

Transformadores de baixa tensão

Transformadores de baixa tensão de dstrbução Transformadores de baxa tensão Referênca em transformadores a seco. Potêncas até 3 MVA - Classes de tensão até 1,2 kv PM102267 Make the most of your energy Os transformadores a seco de baxa

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio!

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio! Atuadores giratórios 2SC5 Complementação das Instruções de uso SIPOS 5 Edição 03.13 Sujeito a alterações sem aviso prévio! Conteúdo Complementação das instruções de uso SIPOS 5 Conteúdo Conteúdo 1 Fundamentos...

Leia mais

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais