Introdução teórica aos MOTORES DE PASSO e seu CONTROLO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução teórica aos MOTORES DE PASSO e seu CONTROLO"

Transcrição

1 ANEXOS

2 Inrodução eórica aos MOTORES DE PASSO e seu CONTROLO 1. Inrodução Os moores de passo são disposiivos que converem a energia elécrica, fornecida na forma de um rem de pulsos, em energia mecânica na forma de movimeno roacional discreo (incremenos no deslocameno angular). Um dos problemas associados aos moores de passo residia no cuso dos circuios de accionameno/conrolo. Conudo, com o desenvolvimeno da ecnologia dos semiconduores de poência, permiindo inerrupores cada vez mais rápidos; da elecrónica de conrolo, permiindo circuios inegrados específicos para o conrolo; e devido ao vaso leque de ofera e reduzido cuso dos microconroladores que permiem ober um conrolo digial robuso, o cuso dos circuios de accionameno/conrolo são cada vez menores, pelo que a uilização de moores de passo em aplicações indusriais e comerciais é cada vez mais vasa. Os moores de passo são usados numa grande variedade de aplicações de baixa poência, como por exemplo, alguns ipos de máquinas ferramena, robôs, manipuladores, mesas X-Y, máquinas de cosura indusriais, ploers, impressoras e drivers de disquees e de discos. De enre as suas vanagens desacam-se: boa performance para o conrolo de velocidade e posição, mesmo para operação em malha abera; acuador para aplicações servo exremamene fiável e sem necessidade de feedback; respondem direcamene a conrolo digial; amplo ajuse da gama de velocidade (frequência dos passos do roor é proporcional à frequência do conrolo digial); velocidade consane, desde que a frequência dos pulsos de conrolo seja consane; binário elevado com roor parado (holding orque); possui binário de residual; reduzido empo de paragem/arranque (resposa rápida); vida úil longa; 1

3 não necessiam de manuenção; baixo cuso, comparado com ouros sisemas de accionameno. capacidade de realizar sequências de passos em ambos os senidos de roação, sem qualquer erro de passo (não há necessidade de realimenação da posição do roor do moor). Desvanagens dos moores de passo: limiações de desempenho para algumas aplicações, nomeadamene em ermos de velocidade máxima e de resolução. 2. Moor de Passo de Íman Permanene Como o nome indica, nese ipo de moores o roor é composo por um íman permanene (os moores que se uilizarão nos rabalhos serão dese ipo). O esaor em um conjuno de enrolamenos de campo independenes, que formam pólos magnéicos pelos quais se realiza a alimenação do moor. A parir dos pulsos aplicados aos enrolamenos do esaor, o campo magnéico resulane do esaor pode ser variado ano em inensidade quano em posição. A posição do roor será alerada de forma a alcançar a posição de alinhameno do campo do roor com o do esaor. O roor move-se de acordo com um cero ângulo definido a cada pulso de conrolo. A frequência os pulsos de conrolo é proporcional à frequência de roação do roor. Se a frequência de conrolo for elevada, er-se-á um movimeno de roação virualmene conínuo. Na figura 1 represena-se, esquemaicamene, um moor de passo dese ipo com 4 enrolamenos esaóricos. Quando a fase A é alimenada, o roor ende a alinhar os seus pólos com os pólos de polaridade oposa do esaor. Mudando a alimenação (ou exciação) da fase A para a fase o roor desloca-se rodando 90º no senido dos poneiros do relógio, por forma a alinhar, novamene, os seus pólos com os pólos de polaridade oposa do esaor. A esa roação dá-se o nome de passo. Alimenando a fase com uma polaridade inversa da represenada na figura 1, obém-se um passo de 90º no senido oposo. Na ausência de alimenação verifica-se a exisência de um pequeno binário (binário remanene) que, ipicamene, ainge 10% do binário máximo. 2

4 A ' A' Figura 1 - Represenação esquemáica de um moor de passo de íman permanene. 3. Modos de Operação (alimenação) do Moor de Passo As caracerísicas de funcionameno de um moor de passo dependem não só do seu ipo e do seu número de fases, mas ambém do modo de operação adopado e da sequência emporal de exciação. Os modos de operação mais usados podem classificar-se em: Operação Unipolar - Cada enrolameno do esaor deve possuir um pono médio (cener-apped (CT)). Meade do enrolameno é alimenado de cada vez, com um senido de correne diferene do que é aplicado à oura meade. Desa forma, quando uma meade é alimenada o campo magnéico produzido em um senido, endo o senido conrário quando é alimenada a oura meade do enrolameno (figura 2). O símbolo de massa, visualizado na figura indica o pono médio. Na práica ese pono médio liga-se, direcamene ou aravés de uma resisência (limiar a correne), à massa do circuio de accionameno. De qualquer modo, as ensões de fase aplicadas aos resanes 4 ponos dos enrolamenos, enconram-se ou no esado lógico 1 ou 0. Na figura 3 represena-se o esquema de um possível circuio de accionameno para ese ipo de operação. Ese circuio é composo por 4 inerrupores de poência com os respecivos díodos de freewheling (díodos de proecção). 3

5 A ' N S A CT CT A' ' A' Figura 2 - Moor de passo com operação unipolar. Díodos de proecção A Moor de passo Figura 3 - Circuio de accionameno para operação unipolar Operação ipolar - Os enrolamenos do esaor não necessiam de er ponos médios. Nese ipo de operação a correne percorre odo o enrolameno e quando o seu senido é inverido, o campo magnéico produzido por esse enrolameno ambém é inverido (figura 4). Na figura 5 represena-se o esquema de um possível circuio de accionameno para ese ipo de operação. Ese circuio é composo por 8 inerrupores de poência. 4

6 A ' N A S A' ' A' Figura 4 - Moor de passo com operação bipolar. +V SW1 SW3 SW2 SW4 A +V SW5 SW6 SW7 SW8 Figura 5 - Circuio de accionameno para operação bipolar. Comparação enre operação unipolar e bipolar: o moor que permie operação unipolar é mais caro pois necessia de enrolamenos com pono médio; a operação unipolar não uiliza oda a capacidade de performance do moor, devido ao faco de uilizar meade dos enrolamenos de cada vez. Desa forma, o binário para a operação bipolar é cerca de 30% maior do que o binário para a operação unipolar; 5

7 a operação bipolar requer um circuio de accionameno de maior cuso do que o necessário para a operação unipolar. Para a operação bipolar são necessários 8 inerrupores de poência e além disso deve er-se cuidado com o projeco do circuio de conrolo por forma a que os inerrupores do mesmo braço não conduzam simulaneamene, curo-circuiando a fone de alimenação. Para a operação unipolar são necessários apenas 4 inerrupores de poência (ver figuras 3 e 5). 4. Sequências Temporais de Accionameno Para além dos modos de operação apresenados, exisem ambém diferenes sequências emporais de accionameno (exciação) dos enrolamenos. O desempenho de um moor de passo é basane influenciado pelo méodo de accionameno empregue. De seguida descrevem-se os principais méodos de accionameno dos enrolamenos. Os méodos de accionamenos a seguir apresenados são válidos ano para o modo de operação unipolar como para bipolar. Recorda-se que, quando o moor opera no modo bipolar, o senido da correne nos enrolamenos pode ser posiivo (produzindo um campo magnéico posiivo) ou negaivo (produzindo um campo magnéico negaivo). No caso da operação unipolar, ora uma meade do enrolameno conduz correne (produzindo, por exemplo, um campo magnéico posiivo), ora conduz a oura meade (produzindo um campo magnéico negaivo). As indicações de + ou nos enrolamenos indicam a produção de um campo magnéico posiivo ou negaivo, respecivamene. Accionameno ipo Wave Exciaion ou sequência de exciação de uma fase: Nese ipo de accionameno é fornecida correne apenas a um enrolameno (ou a meio enrolameno, no caso da operação unipolar) de cada vez (figuras 6 e 7). Com 4 pólos no esaor e 2 no roor em-se 4 passos por vola (ângulo de passo = 90º). Uma vez que apenas uma bobina é energizada de cada vez, o binário dinâmico e o holding orque serão reduzidos de cerca de 30% em relação à operação com os dois enrolamenos energizados simulaneamene. A maior vanagem dese accionameno é a sua grande simplicidade. A abela 1 mosra a sequência de exciação. Esa abela é válida quer para operação bipolar quer para unipolar. 6

8 A A A' A' ' (a) ' Figura 6 - Accionameno ipo wave exciaion para operação: a) unipolar; b) bipolar. (b) Passo SW1 SW2 SW3 SW4 1 ON OFF OFF OFF 2 OFF OFF OFF ON 3 OFF ON OFF OFF 4 OFF OFF ON OFF 1 ON OFF OFF OFF Tabela 1 - Sequência de comuação para accionameno ipo wave exciaion. A+ A0 A- A0 '0 0 '- + '0 0 '+ - A'- A'0 A'+ A'0 Figura 7 - Posições dos passos do roor de um moor de íman permanene, para accionameno ipo wave exciaion e operação bipolar. Accionameno ipo Full Sep ou sequência de exciação de duas fases: Com esa sequência são alimenadas, simulaneamene, duas fases e a aleração das polaridades nos enrolamenos dá-se num enrolameno de cada vez. As figuras 8 e 9 ilusram ese ipo de sequência para os modos de operação unipolar e bipolar. Ese é o ipo de accionameno mais usado. A abela 2 mosra a sequência de exciação dese accionameno. Com 4 pólos no esaor e 2 no roor em-se 4 passos por vola (ângulo de passo = 90º). As posições de equilíbrio do roor disam de meio passo relaivamene às 7

9 posições de equilíbrio obidas com a sequência anerior (wave exciaion). A alimenação simulânea de duas fases implica um aumeno do fluxo magnéico, o que se raduz por um aumeno do binário disponível e por uma melhoria das caracerísicas de amorecimeno das oscilações do roor. No enano, as perdas no circuio magnéico aumenam, pelo que, relaivamene ao accionameno wave exciaion, a poência soliciada à fone de alimenação é o dobro e consequenemene o rendimeno oal é inferior. A A A' ' A' (a) ' Figura 8 - Accionameno ipo full sep para operação: a) unipolar; b) bipolar. (b) Passo SW1 SW2 SW3 SW4 1 ON OFF ON OFF 2 ON OFF OFF ON 3 OFF ON OFF ON 4 OFF ON ON OFF 1 ON OFF ON OFF Tabela 2 - Sequência de comuação para accionameno ipo full sep. A+ A- A- A+ + '- '- + '+ - '+ - A'- A'+ A'+ A'- Figura 9 - Posições dos passos do roor de um moor de íman permanene, para accionameno ipo full sep e operação bipolar. 8

10 Accionameno ipo Half Sep ou sequência de exciação de meio passo: Esa sequência corresponde à alernância enre as 2 sequências apresenadas (figuras 10 e 11). Com 4 pólos no esaor e 2 no roor em-se 8 passos por vola (ângulo de passo = 45º). Com ese méodo consegue-se ober passos com meade do deslocameno angular dos passos dos accionamenos aneriores, obendo-se uma maior resolução e melhorando-se as caracerísicas de funcionameno no que diz respeio à ocorrência de insabilidades. A a) A' ' A b) A' ' Figura 10 - Accionameno ipo half sep para operação: a) unipolar; b) bipolar. Ese ipo de accionameno é muio úil uma vez que a consrução mecânica de moores com ângulos de passo muio pequenos é bem mais complexa e cara, pelo que, é mais económico usar um moor de 100 passos, por exemplo, numa configuração half sep, do que um moor de 200 passos em full sep. Conudo, deve noar-se que o valor do holding orque quando se alimena uma fase é diferene daquele que ocorre quando se alimenam as duas fases (figura 12). Isso ocorre devido ao faco de num passo os dois enrolamenos esarem energizados e no passo seguine apenas esá um, pelo que obém- 9

11 se um holding orque mais fore num passo e mais fraco no passo seguine. Ese fenómeno, bem como a exisência de desequilíbrios enre as correnes de alimenação quando várias fases são exciadas, pode levar à redução da precisão de posicionameno. Passo SW1 SW2 SW3 SW4 1 ON OFF ON OFF 2 ON OFF OFF OFF 3 ON OFF OFF ON 4 OFF OFF OFF ON 5 OFF ON OFF ON 6 OFF ON OFF OFF 7 OFF ON ON OFF 8 OFF OFF ON OFF 1 ON OFF ON OFF Tabela 3 - Sequência de comuação para accionameno ipo half sep. A+ A+ A0 A- ' '- '- '- + A'- A'- A'0 A'+ A- A- A0 A+ '0 0 '+ - '+ - '+ - A'+ A'+ A'0 A'- Figura 11 - Posições dos passos do roor de um moor de íman permanene, para accionameno ipo half sep e operação bipolar. inário 2 U2 1 U1 Deslocameno angular Legenda Operação: U Unipolar ipolar Alimenação: 1 Uma fase 2 Duas fases Figura 12 Caracerísica binário moor deslocameno angular. Noa: Qualquer um dos méodos referidos aumena de complexidade com o número de fases do moor de passo. 10

12 Accionameno ipo Mini Passo ou sequência de exciação de mini passo: Os rês méodos de accionameno aé aqui referidos são os mais uilizados, conudo, o accionameno ipo mini passo permie subdividir o passo básico do moor em pequenas fracções aravés de uma sequência de exciação mais complexa. Assim, alimenam-se as fases com aproximações digiais de curvas sinusoidais (figura 13) das quais resulam inerpolações correspondenes a novas posições de equilíbrio. Correne nas fases Figura 13 - Accionameno ipo mini passo. Ese méodo permie ober uma regulação mais eficiene da velocidade do moor de passo em regime permanene e uma elevada precisão de posicionameno. Conudo, necessia de um conrolo bem mais complexo. 5. Especificações Ângulo de passo É o mínimo deslocameno angular, normalmene dado em graus, que o roor pode percorrer. Alguns valores ípicos são: 7.5º (48 passos por roação); 15º (24 passos por roação); 18º (20 passos por roação); ec. Exemplo: ângulo de passo = 15º 360 º Para dar uma vola (360º) o roor deverá andar = 24 passos 15º Precisão É especificada aravés do erro (não - acumulável) associado a cada passo quando o moor funciona sem carga ou com uma carga consane. 11

13 inário O binário produzido por deerminado moor de passo depende de 3 facores: frequência de passos; correne fornecida aos enrolamenos; qualidade dos circuios de alimenação. inário de reenção (holding orque) Quando o moor esá parado (para zero passos por segundo e para a correne nominal), o binário necessário para deslocar o veio o equivalene a um passo é o binário de reenção; ese binário (esáico) é normalmene superior ao binário dinâmico. Para que o roor fique parado com os enrolamenos do esaor energizados, é necessário aplicar uma correne conínua a esses enrolamenos, em vez dos pulsos periódicos que se aplicam para que o roor do moor se mova. No insane em que se preende que o roor fique parado, é necessário maner os inerrupores de poência que esavam a conduzir (nesse insane) no esado de condução permanene, durane odo o empo em que se preende que o roor fique parado nessa posição. Dese modo, os enrolamenos produzem um campo magnéico consane em ampliude e posição. 100 inário de Reenção (%) Passos moor 100 Figura 14 inário dinâmico É o binário obido a parir do gráfico inário Velocidade. Para o moor de passo normalmene são definidas 2 curvas de binário: 12

14 A curva pull-in: mosra o binário disponível no modo paragem/arranque sem que haja perda de passos. A curva pull-ou: mosra o binário disponível quando o moor é acelerado lenamene aé à velocidade final. Ese é o binário dinâmico oal produzido pelo moor. Por forma ao moor ser acelerado lenamene é necessário que, inicialmene, a frequência dos pulsos aplicados aos enrolamenos seja baixa e vá aumenando lenamene aé à frequência desejada. A diferença enre a curva pull-in e a pull-ou dá o binário necessário para acelerar a inércia do roor do moor. Noa: O binário produzido por um moor de passo depende da velocidade do roor, ou seja, depende da frequência dos pulsos de conrolo aplicados aos enrolamenos do esaor (figura 15). Quano maior for a velocidade, menor será o binário produzido pelo moor. Conudo, o binário depende ambém da inensidade da correne fornecida aos enrolamenos do esaor, que é função do projeco do circuio de accionameno do moor. inário (Nm) inário x Velocidade PULL IN PULL OUT Velocidade (pps) Figura 15 - Gráfico com as curvas (pull in e pull ou) do binário dinâmico. inário residual inário disponível sem alimenação (aproximadamene 1/10 do binário do moor, só para moores de passo de íman permanene). 13

15 6. Circuios de Accionameno O circuio de accionameno em uma grande influência sobre o desempenho do moor, nomeadamene sobre as caracerísicas de amorecimeno e binário, pelo que deve ser omado um cuidado especial na sua aplicação. Num moor de passo cada enrolameno consiui um circuio com uma induância L em série com uma resisência R. Assim, a alimenação do moor a frequências de comuação elevadas requer a adopção de écnicas especiais. De faco, a presença da induância impede a injecção ou a drenagem de correne em empo nulo. Assim, ao ser aplicado um pulso de ensão com forma de onda quadrada, a correne nos enrolamenos erá a forma da onda da figura 16. A correne máxima nos enrolamenos 1 dependerá da consane de empo τ = LR. Exemplo: Dado que LR 1 = 10 ms, qual deve ser o empo de duração do pulso de ensão aplicado aos enrolamenos do esaor de um moor de passo, para que a correne nesses enrolamenos alcance 95% do valor que eria se fosse aplicada uma ensão consane? Resposa: O valor da correne em regime permanene é dado por V / R, em que V é o valor da ampliude da ensão aplicada aos enrolamenos. Com pulsos de onda quadrada a correne alcançará 95% do seu valor em regime permanene após 3τ, ou seja 30 ms. U I / 2T = 3τ T = 6τ Figura 16 - Formas de onda do pulso de ensão e correne num enrolameno de um MP. Caso se deseje diminuir o empo do pulos de conrolo aplicado aos enrolamenos (aumeno da frequência de passo), por forma a aumenar a velocidade de roação do moor, er-se-á o valor máximo da correne nos enrolamenos diminuído, ocorrendo assim um decréscimo do binário produzido pelo moor de passo. 14

16 Para se oberem boas caracerísicas de funcionameno a alas velocidades, já que a baixas velocidades os fenómenos ransiórios êm um peso pouco significaivo, é necessário minimizar o empo correspondene a esses fenómenos (figura 17). De faco a exisência de alguma correne na fase alimenada aneriormene origina um binário que ende a maner o roor na posição que lhe corresponde, iso é, origina um binário que se opõe à sequência de passos roóricos. Por ouro lado, a injecção rápida da correne permie um melhor facor de uilização dos enrolamenos, ou seja, permie o aumeno da energia fornecida e o correspondene incremeno do binário moor disponível. i() (a) (b) (c) Figura 17 - Formas de onda ípicas da correne num enrolameno de um moor de passo para velocidades: a) baixas; b) médias; c) alas. A seguir apresenam-se vários circuios de alimenação que visam melhorar os fenómenos ransiórios de drenagem e de injecção da correne nos enrolamenos, bem como o seu efeio nas caracerísicas e no rendimeno do sisema. 6.1 Circuios de Supressão da Correne Os enrolamenos do moor consiuem um circuio induivo. Assim, quando há uma comuação da alimenação são necessários circuios alernaivos, capazes de dissipar a energia magnéica armazenada nos enrolamenos, sob a pena de ocorrerem sobreensões com a consequene desruição do circuio de alimenação. A figura 18 mosra vários circuios que permiem a supressão da correne nos enrolamenos após a comuação da alimenação. O circuio mais simples (figura 18a) consise na adopção de um díodo de roda livre (freewheling). Nese caso, a energia dissipa-se, essencialmene, na resisência inerna do enrolameno. Todavia, a supressão da correne leva um empo considerável, pelo que, uma supressão mais rápida requer a adopção de uma solução mais elaborada. Nese senido, os resanes circuios apresenados na figura 18, aceleram a supressão da correne aravés da inserção de um ou mais componenes elecrónicos capazes de dissiparem a energia. Na figura 19 apresena-se a evolução emporal da correne nos enrolamenos (i()) para os circuios de supressão referidos. 15

17 +Vcc +Vcc +Vcc i() R i() V z i() + v() - + v() - + v() - (a) (b) (c) Figura 18 - Circuios de supressão da correne nos enrolamenos de um moor de passo: a) díodo; b) díodo e resisência; c) díodo e díodo zener. i() (a) (b) (c) Figura 19 - Evolução emporal da correne nos enrolamenos de um moor de passo a alas velocidades, para os circuios de supressão: a) díodo; b) díodo e resisência; c) díodo e díodo zener. Conudo, a adopção desses circuios orna necessário o esudo das ensões no circuio de alimenação a fim de definir as ensões máximas a suporar pelos inerrupores de poência. A figura 20 mosra a evolução emporal da ensão v() para os quaro circuios de supressão da correne apresenados aneriormene. Como se verifica, os circuios mais sofisicados levam ao aparecimeno de maiores ensões o que corresponde à necessidade de um sobredimensionameno dos inerrupores de poência. Resa ainda referir que nos circuios de supressão de correne apresenados a energia magnéica é dissipada sob a forma de calor. v() Vcc + I R s Vcc + V z Vcc Vcc Vcc (a) (b) (c) Figura 20 - Evolução emporal da ensão aos erminais do inerrupor de poência para os circuios de supressão da correne aravés de: a) díodo; b) díodo e resisência; c) díodo e díodo zener. 16

18 6.2 Méodos Usados para Aumenar a Velocidade de Roação sem Diminuir a Correne nos Enrolamenos Circuio de alimenação resisivo Para forçar a injecção de correne nos enrolamenos de um moor de passo, a solução mais simples consise em colocar resisências em série de modo a diminuir a consane de empo. A inserção desa resisência leva a que seja necessário aumenar a ensão de alimenação para maner a correne de alimenação em regime permanene. Assim, para um enrolameno com resisência e induância inernas R e L e um circuio de alimenação com uma resisência em série R s, a consane de empo é reduzida de 1 1 τ = LR para τ L( R + R ). Por ouro lado, a manuenção do mesmo valor da = s correne em regime permanene requer a mudança da ensão de alimenação de Vcc para 1 Vcc( R + Rs ) R. Exemplo: Um moor de passo em os seguines valores nominais para os seus enrolamenos do esaor: U = 5 V; R = 2 Ω; L = 20 mh I = 2.5 A (Noa: O valor de I em regime permanene é dado por U/R) τ = LR -1 = 10 ms Ao ser inserida uma resisência em série com o enrolameno do esaor de R s = 2 Ω (ficando assim a R oal = 2+2 = 4 Ω) é necessário de igual modo aumenar a ensão de alimenação de 5 V para 10 V por forma a maner o mesmo valor da correne em regime permanene, ou seja: U I = R + R s 10 = = 2.5 A Tal como é desejável, ese valor maném-se consane. Relembre-se que quando se preende que o roor fique parado numa dada posição com holding orque, é necessário que os enrolamenos se manenham energizados e nesa ocasião conduziram o valor da correne nominal. Caso essa correne enha valor superior ao nominal os enrolamenos aquecerão, caso conrário o holding orque será inferior ao nominal. L τ = R + R s 20 = = 5 ms A consane de empo foi reduzida para meade, logo pode-se diminuir o inervalo de empo do pulso de ensão aplicado aos enrolamenos para meade (manendo o mesmo valor de correne máximo) o que se raduz num aumeno para o dobro da frequência dos passos. Assim a velocidade do moor será duplicada. 17

19 A figura 21 mosra vários ipos de circuios de alimenação resisivos. A versão bipolar (figura 21b)) é mais eficiene que a unipolar mas requer a exisência de uma fone de alimenação dupla. Esa exigência pode ser ulrapassada à cusa de um circuio com uma só fone, mas com o dobro do número de inerrupores de comuação (figura 21c)). Em qualquer dos casos, a eficiência energéica do circuio de alimenação dese ipo é baixa devido às perdas na resisência colocada em série, pelo que a sua uilização se limia a aplicações de pequena poência. +Vcc +Vcc +Vcc R s R s L R s L L -Vcc (a) (b) (c) Figura 21 - Circuios de alimenação resisivos do ipo: a) unipolar; b) bipolar com alimenação dupla; c) bipolar com alimenação simples Circuio de alimenação com dois níveis de ensão No ipo de circuio represenado na figura 22 são adopados dois níveis de ensão de alimenação: no início do pulso um nível alo de ensão por forma a conseguir-se uma subida rápida da correne nos enrolamenos; depois, a ampliude diminui para o valor nominal por forma a maner o valor em regime permanene da correne nos enrolamenos. Assim, consegue-se um valor máximo de correne num inervalo de empo menor, podendo aumenar-se a frequência de passo do moor. Um circuio de alimenação dese ipo em a vanagem de er uma funcionameno simples e um bom rendimeno Circuio de alimenação Chopper O circuio de alimenação chopper é uma solução que permie ober desempenhos elevados. Para ese ipo de circuio é possível conceber esruuras unipolares e bipolares. Os choppers devem er realimenação das correnes dos 18

20 enrolamenos de modo a maner essas correnes em valores próximos dos nominais durane o inervalo de empo de duração dos pulsos de conrolo. U 1 u() U 1 U2 U 2 + v() - i() i() 1 T/2 (a) Figura 22 - a) Circuio de alimenação com dois níveis de ensão; b) evolução emporal da correne e da ensão num enrolameno. (b) Num circuio chopper unipolar (figura 23) a ensão de alimenação Vcc é aplicada ao enrolameno aravés da condução dos inerrupores de poência I 1 e I 2 e manida aé a correne aingir o limie superior. Quando se ainge o nível superior da correne (a), o inerrupor I 2 deixa de conduzir passando a correne a circular por I 1 e D 1. Devido à ausência de ensão de alimenação a correne decresce suavemene com uma consane de empo elevada. Quando se ainge o limie inferior da correne (b), a ensão de alimenação é aplicada de novo aravés da enrada em condução de I 2, o que força a correne a subir rapidamene. Para comuar a correne no enrolameno, os inerrupores I 1 e I 2 são bloqueados passando a correne a circular pelos díodos D 1 e D 2, aé se anular. Nese pono a correne é forçada a anular-se rapidamene devido à ensão de alimenação er polaridade inverida. Nese circuio o sensor de correne é represenado pela resisência R a qual deve omar valores baixos para minimizar a poência nela dissipada. A alimenação com um circuio chopper pode ambém adopar uma versão bipolar conforme esá represenado na figura 24. O modo de funcionameno descrio corresponde a uma frequência de comuação livre. Conudo, é possível conceber um modo de funcionameno com uma frequência fixa e com conrolo da correne aravés da modulação de largura de impulso (PWM). O circuio de alimenação chopper em um funcionameno mais complexo que os ouros circuios apresenados aneriormene mas, em conraparida, exibe desempenhos elevados e permie sequências de accionameno sofisicadas, como por exemplo, a sequência de mini passo. 19

21 +Vcc u() +Vcc I 2 D 2 D 1 + v() - i() i() a b Vcc R -Vcc R I 1 Sisema de Conrolo I2 D 1 D 2 I 1 (a) (b) Figura 23 - a) Circuio de alimenação chopper unipolar; b) evolução emporal da ensão e correne num enrolameno. +Vcc L R Figura 24 - a) Circuio de alimenação chopper bipolar 7. ibliografia Machado, J.A. Moores de Passo: Conrolo e modo de funcionameno. Publindusria; 1ª edição; Poro, Golieb, I.M. Elecric Moors and Conrol Techniques. McGraw-Hill; 2ª edição; New York, Aponamenos da disciplina de Máquinas Elécricas e Acuadores. Manual do moor de passo, Sepper Moors Series N

22 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ALGUNS COMPONENTES UTILIZADOS 21

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício TIRISTORES Chamamos de irisores a uma família de disposiivos semiconduores que possuem, basicamene, quaro camadas (PNPN) e que êm caracerísicas biesáveis de funcionameno, ou seja, permanecem indefinidamene

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capíulo 1 Inrodução Índice Índice...1 1. Inrodução...2 1.1. Das Ondas Sonoras aos Sinais Elécricos...2 1.2. Frequência...4 1.3. Fase...6 1.4. Descrição de sinais nos domínios do empo e da frequência...7

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

MODELAMENTO DINÂMICO DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA MÁQUINA CNC DIDÁTICA

MODELAMENTO DINÂMICO DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA MÁQUINA CNC DIDÁTICA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 h BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 h o 15 h, 2011 Caxias do Sul RS Brazil

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR FLORIANÓPOLIS 8 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Congresso de Méodos Numéricos em Engenharia 215 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 215 APMTAC, Porugal, 215 ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Alexandre de Macêdo Wahrhafig 1 *, Reyolando M.

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA SEMICONDUTORES DE POTÊNCIA: 1. diodo A K 2. irisor - (SCR) silicon conrolled recifier. A K 3. irisor de core comandado (TO) - gae urn off hyrisor. A K E C 4. ransisor bipolar - (TJB). B B C E 5. ransisor

Leia mais

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE TNSÕS CONTS TANSTÓAS TANSFOMADA D APAC PNCPAS SNAS NÃO SNODAS Degrau de ampliude - É um inal que vale vol para < e vale vol, conane, para >. Ver fig. -a. v (a) (b) v Fig. A fig. -b mora um exemplo da geração

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS UNIVERSIDADE ESADUA PAUISA FACUDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE IHA SOEIRA PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA EÉRICA CONVERSOR BUCK UIIZANDO CÉUA DE COMUAÇÃO DE RÊS ESADOS JUAN PAUO ROBES BAESERO Orienador: Prof.

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS 1 TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Applying Mosfe To Reduce The Inducance And Capaciance Parasies in Elecronic

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

QUESTÕES GLOBALIZANTES

QUESTÕES GLOBALIZANTES 1. DO GPS À DESCRIÇÃO DO MOVIMENTO O Sisema Global de Posicionameno (global posiion sysem) compreende 24 saélies, cada um de apenas 5 m de comprimeno, em órbia a uma aliude de cerca de 20 000 km. Pode

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing Universidade dos Açores Deparameno de Maemáica Monografia Modelos Maemáicos na Tomada de Decisão em Markeing Pona delgada, 3 de Maio de Orienador: Eng. Armado B. Mendes Orienanda: Marla Silva Modelos Maemáicos

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

O MECANISMO DE TRANSMISSÃO MONETÁRIA PARA UMA PEQUENA ECONOMIA ABERTA INTEGRADA NUMA UNIÃO MONETÁRIA* 1

O MECANISMO DE TRANSMISSÃO MONETÁRIA PARA UMA PEQUENA ECONOMIA ABERTA INTEGRADA NUMA UNIÃO MONETÁRIA* 1 Arigos Primavera 29 O MECANISMO DE TRANSMISSÃO MONETÁRIA PARA UMA PEQUENA ECONOMIA ABERTA INTEGRADA NUMA UNIÃO MONETÁRIA* Bernardino Adão**. INTRODUÇÃO Nese rabalho é analisado um modelo esilizado de uma

Leia mais

Palavras chave: Emissários, modelação, dispersão, campo próximo e campo afastado.

Palavras chave: Emissários, modelação, dispersão, campo próximo e campo afastado. SIMULAÇÃO INTEGRAA A ISPERSÃO E POLUENTES NO CAMPO PRÓXIMO E NO CAMPO AFASTAO E UM EMISSÁRIO Paulo LEITÃO Ph, Hidromod, Taguspark, Núcleo Cenral, 363, 780-90 Oeiras, pchambel.hidromod@aguspark.p Ramiro

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Compressão de projetos e leis de custos na era do conhecimento

Compressão de projetos e leis de custos na era do conhecimento IX ongresso Inernacional de usos - Florianópolis, S, Brasil - 28 a 30 de novembro de 2005 ompressão de projeos e leis de cusos na era do conhecimeno Márcio Boelho da Fonseca Lima (Universidade Federal

Leia mais

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1 Física aula CIEMÁTICA IV 4. (,s) movimeno progressivo: COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Como x x é a diferença enre as posições dos auomóveis A e A em-se: o insane, os auomóveis A e A esão na mesma posição.

Leia mais

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS Anasácio Sebasian Arce Encina 1, João Eduardo Gonçalves Lopes 2, Marcelo Auguso Cicogna 2, Secundino Soares Filho 2 e Thyago Carvalho Marques 2 RESUMO

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

uma marca Zelio Control Relés de medição e controle

uma marca Zelio Control Relés de medição e controle uma marca Sumário Guia de escolha Páginas e Caracerísicas gerais Páginas e 5 elés de conrole de Apresenação Páginas 6 a 8 redes rifásicas M Ti Caracerísicas Página 9 eferências Página 0 Dimensões, esquemas

Leia mais

INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS. Paulo Beltrão Fraletti 1 Paulo Kwok Shaw Sain 2

INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS. Paulo Beltrão Fraletti 1 Paulo Kwok Shaw Sain 2 IV SEMEAD INSTRUMENTOS GERENCIAIS ACESSÓRIOS AO V@R NA ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DE TAXAS DE JUROS Paulo Belrão Fralei Paulo Kwok Shaw Sain 2 RESUMO O Value-a-Risk (V@R) é aualmene a ferramena mais popular

Leia mais

Boletim Económico Inverno 2006

Boletim Económico Inverno 2006 Boleim Económico Inverno 2006 Volume 12, Número 4 Disponível em www.bporugal.p Publicações BANCO DE PORTUGAL Deparameno de Esudos Económicos Av. Almirane Reis, 71-6.º andar 1150-012 Lisboa Disribuição

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO*

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Arigos Inverno 2006 O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Cláudia Rodrigues Braz** 1. INTRODUÇÃO 1 Nos úlimos anos, o saldo orçamenal ajusado do ciclo em ganho

Leia mais

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará.

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará. Previsão de demanda e moniorameno por sinal de rasreameno do modelo para produo classe A de uma empresa varejisa de Belém do Pará. avi Filipe Vianna Moreira (UEPA) davifilipe@globo.com Jesse Ramon de Azevedo

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA GERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AGUIAR I

ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA GERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AGUIAR I ESTUDO DO POTENCIAL ENERÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA ERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AUIAR I Silva, F. B.; uimarães Jr., S. C.; Vanço, W. E.; Borges, D. T. S.; Cunha, M. J.; Alves, T. B.

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA ISSN 44-886 ELETRÔNICA DE POTÊNCIA REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA SOBRAEP VOL. 6,Nº,DEZEMBRO DE 00 ÍNDICE Corpo de Revisores... Ediorial... Reiicadores de ala qualidade com comuação

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA Leicia Takahashi DE/ FEM/ UNICAMP Caia Posal: 6122 CEP: 13.083-970 Campinas - SP leicia@fem.unicamp.br Paulo B. Correia

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO Agoso de 2005 ENTIAE REGULAORA OS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua om Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p www.erse.p Regulameno

Leia mais

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas J.G. Casro e al. / Invesigação Operacional, 27 (2007) 67-83 67 Uso da imulação de Mone Carlo e da Curva de Gailho na Avaliação de Opções de Venda Americanas Javier Guiérrez Casro Tara K. Nanda Baidya Fernando

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

3 Formação do Preço da Energia Elétrica

3 Formação do Preço da Energia Elétrica 3 Formação do Preço da Energia Elérica 3.. Inrodução A formação de preços é inerene a oda aividade indusrial, sendo desejável por pare dos consumidores que esses preços refliam os cusos de produção (Silva,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno de Manuenção de Equipamenos de um Hospial São Paulo 006 Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno

Leia mais

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano A dinâmica de ransição e o crescimeno econômico em um modelo neoclássico com capial humano Jorge Cláudio Cavalcane de Oliveira Lima* Resumo O modelo neoclássico de crescimeno proposo por Solow (956) ganhou

Leia mais

CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO)

CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO) CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO) 1 - INTRODUÇÃO Urbano Rodriguez Alonso Engenheiro Consulor As fundações, como qualquer oura

Leia mais

Acção da neve: quantificação de acordo com o EC1

Acção da neve: quantificação de acordo com o EC1 Acção da neve: quanificação de acordo com o EC1 Luciano Jacino Iniuo Superior de Engenharia de Liboa Área Deparamenal de Engenharia Civil Janeiro 2014 Índice 1 Inrodução... 1 2 Zonameno do erriório...

Leia mais

caderno do PROFESSOR ensino médio 3 a SÉRIE volume 3-2009 MATEMÁTICA

caderno do PROFESSOR ensino médio 3 a SÉRIE volume 3-2009 MATEMÁTICA caderno do ROFESSOR ensino médio 3 a SÉRIE volume 3-009 MATEMÁTICA Governador José Serra Vice-Governador Albero Goldman Secreário da Educação aulo Renao Souza Secreário-Adjuno Guilherme Bueno de Camargo

Leia mais

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados Bombas com Variadores de Frequência Ineligenes Inegrados soluion ouline file no: 100.11p dae: january 2013 supersedes: new dae: new máxima performance durane odo o empo 125 a Armsrong desenvolveu o Design

Leia mais

Aposentadoria por Tempo de Contribuição do INSS: uma Análise dos Aspectos Distributivos Com o Emprego de Matemática Atuarial

Aposentadoria por Tempo de Contribuição do INSS: uma Análise dos Aspectos Distributivos Com o Emprego de Matemática Atuarial Resumo Aposenadoria por Tempo de Conribuição do INSS: uma Análise dos Aspecos Disribuivos Com o Emprego de Maemáica Auarial Auoria: Daniela de Almeida Lima, Luís Eduardo Afonso O objeivo dese arigo é o

Leia mais

CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO

CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO (Maio de 2001) (Versão preliminar. Somene para comenários. Favor não ciar) Inrodução 3 E. Bacha 1 R. Bonelli 2 Após duas décadas

Leia mais

PUBLICAÇÃO CDTN-944/2005. FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos. Geraldo de Paula Martins

PUBLICAÇÃO CDTN-944/2005. FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos. Geraldo de Paula Martins PUBLICAÇÃO CDTN-944/005 FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos Geraldo de Paula Marins Seembro/005 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR Cenro de Desenvolvimeno da Tecnologia Nuclear Publicação CDTN-944/005

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL GUSTAVO NEVES MARGARIDO AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL Disseração apresenada ao Insiuo Federal

Leia mais

Política creditícia no Brasil: o sertão vai virar mar?

Política creditícia no Brasil: o sertão vai virar mar? Políica crediícia no Brasil: o serão vai virar mar? Abril, 2013 Paulo Maos Joyciane Vasconcelos Chrisiano Penna CAEN/ UFC UFC/Sobral CAEN/ UFC paulomaos@caen.ufc.br ciany_vasconcelos@homail.com cmp@caen.ufc.br

Leia mais

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 EFG 213-320 09.09 - Manual de uilização 51151934 03.13 P EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 Declaração de conformidade Jungheinrich AG,

Leia mais

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Inegração na criação de frangos de core na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Adelson Marins Figueiredo Pedro Anônio dos Sanos Robero Sanolin Brício dos Sanos Reis Resumo:

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRAS SOBRE O CASO BRASILEIRO Kenya Valeria Micaela de Souza Noronha Mônica Viegas Andrade Junho de 2002 1 Ficha caalográfica 33:614(81)

Leia mais

Regras de Cálculo dos Índices PSI

Regras de Cálculo dos Índices PSI Regras de Cálculo dos Índices PSI Seembro 2003 Versão 3.0 EURONEXT Sede : Praça Duque de Saldanha, nº 1 5º A - 1050-094 Lisboa Tel: 21 790 00 00 Fax: 21 795 20 19 Inerne: www.euronex.com REGRAS DE CÁLCULO

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO MAURÍCIO MACHADO FERNANDES; JULIANA MARIA AQUINO; ELAINE TOLDO PAZELLO; LUIZ GUILHERME SCORZAFAVE.

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO E DO DÓLAR SOBRE OS PREÇOS DA BORRACHA NATURAL BRASILEIRA naisysilva@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços NAISY SILVA SOARES; MÁRCIO LOPES DA SILVA;

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

DINÂMICA DAS INFLAÇÕES REGIONAIS BRASILEIRAS 1

DINÂMICA DAS INFLAÇÕES REGIONAIS BRASILEIRAS 1 DINÂMICA DAS INFLAÇÕES REGIONAIS BRASILEIRAS Sidney Marins Caeano Universidade Federal de Viçosa, Deparameno de Economia Programa de Pós-Graduação em Economia E-mail: sidney.caeano@ufv.br Douglas Marcos

Leia mais

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 Márcio Poubel Lima *, Laercio Lucena Marins Jr *, Enio Anonio Vanni *, Márcio Dornellas Machado

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais

Uma Medida Coerente de Risco como Métrica para o Planejamento Anual da Operação Energética

Uma Medida Coerente de Risco como Métrica para o Planejamento Anual da Operação Energética Uma Medida Coerene de Risco como Mérica para o Planejameno Anual da Operação Energéica Vior L. de Maos, Erlon C. Finardi e Paulo V. Larroyd Resumo Em sisemas de energia com predominância de geração hidrelérica,

Leia mais

Análise da competitividade do algodão e da soja de Mato Grosso entre 1990 e 2006

Análise da competitividade do algodão e da soja de Mato Grosso entre 1990 e 2006 189 Análise da compeiividade do algodão e da soja de Mao Grosso enre 1990 e 2006 Resumo Sonia Sueli Serafim de Souza e Sandra Crisina de Moura Bonjour Ese arigo eve como objeivo fazer uma análise da compeiividade

Leia mais

Um Modelo Formal para Verificação da Consistência de Documentos Hipermídia NCM. Resumo. Abstract

Um Modelo Formal para Verificação da Consistência de Documentos Hipermídia NCM. Resumo. Abstract Um Modelo Formal para Verificação da Consisência de Documenos Hipermídia NCM C.A.S. Sanos 1 J-P. Couria 1 G.L. de Souza 2 L.F.G. Soares 3 saibel@laas.fr couria@laas.fr guido@dimap.ufrn.br lfgs@inf.puc-rio.br

Leia mais

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1 1 Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combusíveis 1 Mara Crisina Marjoa-Maisro 2 Geraldo San Ana de Camargo Barros 3 Arigo elaborado em fevereiro/2002 Aprovado para o XL Congresso Brasileiro

Leia mais

M 7 - Função Exponencial

M 7 - Função Exponencial M 7 - Função Eponencial (Furg-RS) O valor da epressão n n n A é: n n a) n n b) 6 ( ) ( ) c) 6 d) 6 e) (Uniube-MG) Se A, enão A é igual a: a) 9 c) b) d) A 9 Θ A 9( ) A 9 9 A 9 A 9 (UAM-SP) Há pouco, Carla

Leia mais

Crescimento não regulado. Módulo 2

Crescimento não regulado. Módulo 2 Crescimeno não regulado Módulo 2 O boi almiscarado (musk ox) Disribuição original: América ore, Groenlândia Deplecção por caça excessiva: 1700-1850 Úlimos indivíduos no Alaska: 1850-60 Ilha de univak univak

Leia mais

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA www.pascal.com.br MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA EXERCÍCIOS Prof. Edson Osni Ramos (Cebola) 1. (BP - 2006) Analise as senenças a seguir. I. O século XVI foi marcado pela revolução cienífica no esudo

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

PSO APLICADO À SINTONIA DO CONTROLADOR PI/PID DA MALHA DE NÍVEL DE UMA PLANTA DIDÁTICA INDUSTRIAL

PSO APLICADO À SINTONIA DO CONTROLADOR PI/PID DA MALHA DE NÍVEL DE UMA PLANTA DIDÁTICA INDUSTRIAL PSO APLICADO À SINTONIA DO CONTROLADOR PI/PID DA MALHA DE NÍVEL DE UMA PLANTA DIDÁTICA INDUSTRIAL Lucas H. S. de Andrade, Bruno L. G. Cosa, Bruno A. Angélico Avenida Albero Carazzai, 1 Universidade Tecnológica

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais

A taxa de juro overnight e a sua volatilidade

A taxa de juro overnight e a sua volatilidade Universidade de Coimbra Faculdade de Economia A axa de juro overnigh e a sua volailidade O caso do Mercado Moneário Inerbancário Poruguês, anes e após a implemenação da Moeda Única Fáima Teresa Caselo

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Prova CONTROLE DE PROCESSOS Edial Nº. /9-DIPE de maio de 9 INSTRUÇÕES ERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Ue apena canea eferográfica azul ou prea. Ecreva o eu nome compleo e o número do eu documeno

Leia mais