Nota de Crédito PJ-PF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota de Crédito PJ-PF"

Transcrição

1 Nota de Crédito PJ-PF Abril 2015 Fonte: BACEN Base: Fevereiro de 2015

2 Sumário Executivo A nota de crédito com dados das operações de crédito relativos ao mês de fevereiro apresenta maior abertura, tanto para PJ, como para PF. A expectativa da Assessoria Econômica da ABBC é que o crédito total do SFN feche o ano com crescimento de 10,6%, ou que haja estabilização das condições atuais. Diante das inúmeras incertezas que permeiam o cenário econômico, trata-se de um panorama fundamentalmente otimista. A inadimplência é uma variável a ser monitorada de forma mais atenta. A carteira de crédito PJ avançou 9,6% e a estimativa é que cresça 9,0% em Entre as linhas com recursos livres, a modalidade capital de giro (24,4% do Crédito PJ) exibe comportamento sofrível, com ritmo de crescimento de 2,3% Ainda em fevereiro, a carteira de empréstimos à PF cresceu 12,7% em 12 meses. Também em desaceleração, o maior freio no segmento PF advém da perda de dinamismo das operações de crédito imobiliário, que mostram forte trajetória de arrefecimento. Vale sublinhar a relativa estabilização do ritmo de expansão das operações com RL. A projeção é que o saldo da carteira PF avance 12,5% em Também merece destaque a evolução futura das operações de maior risco (cartão de crédito rotativo e cheque especial).

3 Índice Crédito: Estabilização das condições atuais?...01 Nota PJ: Queda nas concessões...02 Elevação da taxa média de juros Menor prazo nas concessões com recursos livres...03 Aumento do Spread...04 Monitoramento dos atrasos e da inadimplência...05 Principais linhas...06 BNDES - Alta na taxa de juros do financ. Investimento...07 Crédito Rural - Desaceleração e alta da inadimplência...08 Capital de Giro - Saldo em queda e juros em alta...09 ACC - Recuperação em dólares...10 Nota PF: Desaceleração e queda nas concessões...11 Juros médios em ascensão...12 Estabilidade nos prazos...12 Monitoramento dos atrasos e inadimplência...13 Aumento do Spread Bruto...14 Principais Linhas Consignado - Queda nas concessões Veículos - Queda na inadimplência e alta do juros.....,17 Cartão de crédito - Alerta para inadimplência Cheque Especial - Mais concessões em Crédito Imobiliário - Forte desaceleração...20 Endividamento mantém estabilidade...21 Dados de Crédito PJ Dados de Crédito PF

4 fev/11 fev/11 Crédito - Estabilização das condições atuais? Crescimento do Crédito PJ Crescimento do Crédito PF 27% 34% 23% 29% 19% 24% 23,4% 15% 11% 7% 3% 14,2% 9,6% 5,1% 19% 14% 9% 4% 12,7% 5,2% Total RD RL Total RD RL Em fevereiro, com participação em relação ao PIB de 58,6%, o crédito total do SFN cresceu 11,0% em termos anualizados, o que correspondeu à redução de 0,3 p.p em relação ao ritmo observado em dezembro de O arrefecimento no mercado de crédito pode ser constatado nas modalidades Pessoa Jurídica (PJ) e Pessoa Física (PF), que representam respectivamente 52,8% e 47,2% do estoque total do crédito. A expectativa da Assessoria Econômica da ABBC é que o crédito total do SFN feche o ano com crescimento de 10,6%, ou que haja a estabilização das condições atuais. Diante das inúmeras incertezas que permeiam o cenário econômico, trata-se de um cenário fundamentalmente otimista. A carteira de crédito PJ avançou 9,6% a.a, o mesmo compasso verificado em. A despeito da tendência cadente em fevereiro, a carteira apresentou ligeira recuperação no crescimento anualizado, com aumento de 0,3 p.p. em relação ao mês anterior. As operações com recursos direcionados (RD) expandiram 14,2%, frente a 15,7% em. Com movimento contrário, as com recursos livres (RL) 49,0% do crédito PJ foram intensificadas, saindo de 3,9% em para 5,1%. A estimativa é que o total de crédito concedido para PJ cresça 9,0% em Ainda em fevereiro, a carteira de empréstimos à PF cresceu 12,7% em 12 meses. Também em desaceleração, o maior freio no segmento PF advém da perda de dinamismo das operações com RD 45,1% do crédito PF. Vale, contudo, sublinhar a relativa estabilização do ritmo de expansão das operações com RL. A projeção é que o saldo da carteira PF avance 12,5% em Nota de Crédito Página 01

5 abr/13 dez/13 jan/14 mar/14 mar/14 jan/15 PJ - Concessões por dia útil R$ Bilhões 9,0 PJ - Concessões R$ Bilhões 200 8,0 7, , , Concessões Totais Média dos últimos 12 meses PJ - Concessões acumuladas em 12 meses PJ - Queda nas concessões 50% 40% As concessões totais para PJ por dia útil em fevereiro foram 6,6% menores em relação às verificadas no mesmo período em 2014, fechando em R$ 6,6 bilhões. 30% 20% Pelo segundo mês consecutivo, as concessões totais ficaram abaixo da média dos 12 meses anteriores, R$ 119 bilhões contra R$ 148 bilhões. 10% 0% -10% -2,4% -7,2% A variação das concessões acumuladas em 12 meses para RL e RD aponta movimento de retração. Nesse critério, a variação dos RD indica queda mais abrupta, fechando fevereiro com redução de 7,2%, contra 2,4% dos RL. RL RD Nota de Crédito Página 02

6 PJ - Elevação da taxa média de juros PJ - Taxa de Juros A taxa média de juros para o crédito PJ continua a se elevar, fechando fevereiro em 18,1%. Após relativa estabilidade em 2014, o movimento acentuou-se a partir de dezembro, com elevação 1,6 p.p.. Os juros das operações com RL tiveram aumento na margem de 0,9 p.p., alcançando 26,1%. Nessa modalidade, o processo de aumento vem sendo verificado de forma mais consistente desde o ano passado. Como esperado, a trajetória de elevação de juros para os empréstimos com RD é mais suavizada, com a taxa fechando em 8,7% em fevereiro ante 8,5% em janeiro e 7,6% em fevereiro de % 25% 20% 15% 10% 5% 26,1% 18,1% 8,7% Taxa de Juros RD RL PJ - Menor prazo nas concessões com recursos livres PJ - Prazo médio (meses) O prazo médio da carteira de crédito PJ fechou o mês de fevereiro com estabilidade em 36 meses. O prazo dos financiamentos com RL não apresentou alteração, fechando em 17 meses, enquanto que para RD houve aumento de um mês, totalizando 53 meses. Já as concessões PJ apresentaram aumento de dois meses em relação ao mês anterior, somando 63 meses. Nas operações com RL reduziu-se em cinco meses ante janeiro, fechando em 24 meses. Já para RD, o prazo dilatou em oito meses ante o mês anterior, totalizando 96 meses Concessões Carteira Nota de Crédito Página 03

7 dez/12 abr/13 dez/13 dez/12 abr/13 dez/13 dez/12 abr/13 dez/13 PJ - Taxa de Captação 14% PJ - Spread 14% 14,0% 12% 12,1% 12% 10% 8% 6% 4% 8,9% 5,2% 10% 8% 6% 4% 2% 9,2% 3,5% Total RL RD Total RL RD PJ - Taxa de Aplicação 26% 21% 16% 11% 6% Total RL RD 26,1% 18,1% 8,7% PJ - Aumento do Spread Em fevereiro, a taxa média de captação ficou em 8,9% superando em 0,6 p.p. a do mesmo período de A das operações com RL vem se elevando de forma mais pronunciada desde julho de 2014, ficando em 12,1%. Já a taxa de captação para RD ficou estável na margem em 5,2%. A taxa média de aplicação teve alta de 0,7 p.p. em relação ao mês anterior e de 1,5 p.p. em relação a fevereiro passado, fechando o mês em 18,1%. A dos RD teve aumento de 0,2 p.p. na margem e de 1,1 p.p. em relação a fevereiro de 2014, enquanto que a com RL apresentou elevação de 0,9 p.p. e 2,2 p.p. na mesma base comparativa. A alta de 0,7 p.p. da taxa de aplicação superou o aumento da taxa média de captação em 0,3 p.p.. Com isso, o spread médio das operações de crédito fechou o mês de fevereiro com alta de 0,4 p.p. na margem e de 0,9 p.p. na comparação anual, somando 9,2%. Nota de Crédito Página 04

8 PJ - Atrasos PJ - Inadimplência MM6M 3,0% 4,0% 2,5% 2,7% 3,0% 3,5% 2,0% 1,5% 1,8% 2,0% 2,0% 1,0% 0,5% 1,0% 1,0% 0,0% 0,5% Total RL RD Total RL RD PJ - Monitoramento dos atrasos e da inadimplência Na série original, os atrasos no crédito PJ em fevereiro apresentaram queda de 0,1 p.p., fechando em 2,0%. Nas operações com RL, verificou-se elevação na margem de 0,4 p.p., fechando em 3,3%. Para RD, os atrasos reduziram-se em 0,6 p.p, encerrando o mês em 0,7%. Considerada a média móvel de 6 meses, a série histórica indica relativa estabilidade. Contudo, vale o monitoramento do comportamento dos atrasos e suas eventuais implicações na evolução da taxa de inadimplência. Em termos históricos, a taxa de inadimplência mantem-se em patamar baixo, fechando o mês de fevereiro em 2,0%. Essa estabilidade foi verificada tanto nas operações com RL como nas com RD, que mantiveram-se em 3,5% e 0,5%, respectivamente. Por fim, vale destacar que na última versão do relatório de estabilidade financeira, o BC sublinhou que, mesmo com cenário repleto de incertezas, não espera variações abruptas na inadimplência. Nota de Crédito Página 05

9 fev/11 fev/11 PJ - Principais linhas Recursos Direcionados Recursos Livres 42% 35% 70% 55% 28% 40% 21% 14% 7% 0% 14,6% 1,3% 25% 10% -5% -20% 25,8% 15,6% 2,3% BNDES Crédito rural Capital de giro ACC Financiamento exportações Dentre as principais linhas de crédito com RD, o crédito rural continua a exibir trajetória de redução da velocidade de expansão, iniciada em maio de A série fechou fevereiro em 1,3%, o menor patamar desde o inicio da série em janeiro de Já o crédito BNDES apresentou ligeira recuperação, com crescimento anual de 14,6%, sendo 0,8 p.p. acima do mês anterior. Vale aqui relativizar esse comportamento pelo efeito da desvalorização cambial nessa carteira. Segundo o BC, se não fosse a desvalorização cambial de fevereiro, a carteira do BNDES, 73,5% dos RD PJ, teria se reduzido na margem em 0,3%, ao invés de ter se elevado em 0,8%. Em fevereiro, nas linhas com RL, o ritmo de expansão das modalidades capital de giro (49,8% dos RL PJ e 24,4% do Crédito PJ) e financiamento a exportações mostrou-se estável, respectivamente em 2,3% e 15,6%. Já a série do ACC indicou crescimento anualizado em reais de 25,8%, apresentando queda de 6,0 p.p. a despeito da desvalorização cambial de 8,1% em fevereiro. Nota de Crédito Página 06

10 abr/12 jun/12 out/12 dez/12 abr/13 dez/13 BNDES - Crescimento em 12 meses Inadimplência 55% 3,0% 45% 35% 25% 15% 5% 29,0% 15,7% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 1,3% 1,0% -5% -15% -25% -15,1% 0,5% 0,0% 0,4% Capital de giro Financ. Investimento Financ. Agroindustrial Capital de giro Financ. Investimento Financ. Agroindustrial Taxas de Juros 14,5% BNDES - Alta na taxa de juros do financ. investimento 13,0% 11,5% 10,0% 8,5% 7,0% 5,5% 4,0% 8,6% 8,1% 6,4% Em fevereiro, a carteira de crédito BNDES voltou a acelerar, com crescimento de 0,8% na margem e de 14,6% em 12 meses. Porém, o ritmo é 1,5 p.p. inferior a fevereiro de Segundo o BC, se não fosse a desvalorização cambial em fevereiro, a carteira teria se reduzido em 0,3%. Na abertura do segmento, o crédito para capital de giro intensificou queda para 15,1% anuais. Por outro lado, o financiamento ao investimento apresentou alta de 15,7% e o agroindustrial teve a maior alta, de 2,1 p.p. para 29,0%. As taxas de inadimplência das operações de capital de giro e financiamento agroindustrial apresentaram tendência crescente a partir de Capital de giro Financ. Investimento Financ. Agroindustrial A taxa média de juros para o crédito BNDES teve alta de 0,4 p.p. na margem, totalizando 8,6%. O maior responsável pela elevação foi o financiamento ao investimento 94,9% da modalidade com alta de 0,4 p.p. no mês. Nota de Crédito Página 07

11 fev/11 jun/11 out/11 jun/12 out/12 jan/14 mar/14 fev/11 jun/11 out/11 jun/12 out/12 Crédito Rural Concessões por dia útil Inadimplência R$ Milhões ,2% 1,0% 0,8% 0,6% 0,4% 0,2% 0,7% Taxa de Juros Crédito Rural - Desaceleração e alta da inadimplência 15% 12% A carteira de crédito rural manteve a trajetória de redução da velocidade de expansão, iniciada a partir de maio de 2014, com movimento de 1,3%, ou o menor patamar desde o inicio da série em janeiro de % 6% 3% 0% 8,4% Considerando-se a variação mensal, o estoque de crédito rural apresentou queda de 2,4% na margem, totalizando R$ 71,9 bilhões. Em termos de concessões por dia útil pode-se verificar também que janeiro e fevereiro apontaram um volume inferior às concessões do mesmo período em Fechando em 0,7%, a taxa de inadimplência para o crédito rural ficou no mesmo patamar do mês anterior e 0,1 p.p. acima do mesmo período do ano anterior. Por outro lado, a taxa média de juros para a modalidade apresentou queda de 0,1 p.p. na margem, mas 1,2 p.p. acima do mesmo período de Nota de Crédito Página 08

12 abr/12 jun/12 out/12 dez/12 abr/13 dez/13 abr/12 jun/12 out/12 dez/12 abr/13 dez/13 abr/12 jun/12 out/12 dez/12 abr/13 dez/13 Capital de Giro Crescimento em 12 meses Inadimplência 50% 8% 40% 30% 20% 10% 0% -10% -20% 4,8% 0,5% -9,1% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% 6,6% 3,8% 2,5% Prazo menor 365 dias Prazo maior 365 dias Teto rotativo Prazo menor 365 dias Prazo maior 365 dias Teto rotativo Capital de Giro - Saldo em queda e juros em alta A carteira de crédito para capital de giro apresentou queda de 0,4% em relação a janeiro, fechando com saldo de R$ 389,9 bilhões. O maior declínio foi verificado nas operações com prazo acima de 365 dias (-0,4%). Na comparação anual, o destaque fica para a retomada dos empréstimos com teto rotativo, que passaram para uma variação positiva de 0,5% ante -1,4% em janeiro. Na margem, a inadimplência permaneceu estável em 3,9%, porém 0,3 p.p. acima do mesmo período de Todos os segmentos da modalidade apresentaram estabilidade em relação ao mês anterior. Contudo, vale sublinhar o crescimento contínuo da inadimplência do teto rotativo, que é a modalidade mais cara e representa 9,2% do total. Taxas de Juros 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 35,9% 22,4% 21,8% A taxa média de juros praticada apresentou alta de 0,7 p.p. na margem e de 1,5 p.p. em relação a fevereiro passado. Nos subitens, as operações com prazo maior de 365 dias e teto rotativo tiveram alta de 1,7 p.p. e 2,4 p.p. em relação ao mesmo período de 2014, respectivamente. Prazo menor 365 dias Prazo maior 365 dias Teto rotativo Nota de Crédito Página 09

13 fev/11 jan/15 dez/12 abr/13 dez/13 ACC - Operações contratadas US$ Bilhões Saldo Volume em reais dividido pelo dólar comercial venda - fim de período US$ Bilhões 4,5 24 4,0 23 3,5 22 3,0 21 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 2, ,2 Taxa de Juros ACC ACC - Recuperação em dólares 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 2,8 Com o volume de US$ milhões, as operações contratadas em fevereiro apontaram queda de 40,1% em dólar em relação ao mês anterior. Ainda adotando a moeda americana como referência, o saldo de ACC caiu em 7,7% na margem e 2,0% em 12 meses. A taxa média de juros para a modalidade apresentou alta de 0,7 p.p. na margem, fechando o mês em 2,8%. Vale também ressaltar que a inadimplência para ACC ficou estável na margem em 1,1% em fevereiro, 0,3 p.p. acima do mesmo período de Os atrasos de 15 a 90 dias na modalidade fecharam no mesmo nível da inadimplência, 1,1%, porém com alta na margem de 0,2 p.p. e de 0,3 p.p. em 12 meses. 1,5 Nota de Crédito Página 10

14 abr/13 dez/13 jan/14 mar/14 mar/14 jan/15 PF - Concessões por dia útil R$ Bilhões 8,5 PF - Concessões R$ Bilhões 200 8,0 7,5 7,0 6,5 6, Concessões Totais Média dos últimos 12 meses Concessões acumuladas em 12 meses 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 11,7% 8,5% PF - Desaceleração e queda nas concessões Tanto em fevereiro como em janeiro, as concessões por dia útil foram inferiores às realizadas no mesmo período em Assim, a melhora na margem apenas reflete um padrão sazonal. O volume total de concessões em fevereiro para a carteira PF foi de R$ 153,0 bilhões, o que representa R$ 13,0 bilhões abaixo da média dos últimos doze meses. A variação das concessões acumuladas em doze meses continua se reduzindo. Os RD, após ligeira recuperação em janeiro, voltaram a diminuir o ritmo de expansão de 13,3% para 11,7% em fevereiro. A desaceleração foi mais pronunciada nos RL, que fecharam o mês com crescimento de 8,5% ante 10,3% em janeiro. RL RD Nota de Crédito Página 11

15 PF - Juros médios em ascensão O taxa média de juros para PF ficou em 32,8% em fevereiro contra 32,0% de janeiro, confirmando a tendência de aumento que vem sendo observada desde o início do ano. Com aumento de 2,3% p.p. em relação ao mês anterior passando de 52,0% para 54,3% as operações com RL foram responsáveis pelo aumento da taxa média. As com RD tiveram redução de 0,6% frente a janeiro caindo de 8,2% para 7,6% em fevereiro. Esta tendência na taxa média de juros para recursos livres vem confirmando o comportamento do mercado com o aumento da meta Selic e também reflete a instabilidade em relação ao cenário econômico e preocupações com um eventual aumento da taxa de inadimplência durante o ano de PF - Taxas de Juros 55% 45% 35% 25% 15% 54,3% 32,8% 5% 7,6% Taxas de Juros RD RL PF - Estabilidade nos prazos PF - Prazo médio (meses) O prazo médio da carteira a vencer de crédito PF passou de uma média de 58 para 59 meses em fevereiro contra janeiro. As operações com RL mantiveram o prazo em 19 meses, uma constante observada desde outubro de Já a carteira dos RD teve ligeira alta, passando de 97 meses em janeiro para 98 em fevereiro. Enquanto isso, o prazo médio das concessões na carteira PF manteve-se estável na margem em 160 meses. Nesse quesito, o prazo das operações com RL ficou em 51 meses, mesmo valor apresentado em janeiro. Já o prazo para RD passou de 262 para 261 meses, mantendo a estabilidade Concessões Carteira Nota de Crédito Página 12

16 PF - Atrasos MM6M PF - Inadimplência 8% 8% 7% 6% 5% 5,1% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 5,4% 3,8% 1,9% 4% 1% Total RL RD Total RL RD PF - Monitoramento dos atrasos e inadimplência Em fevereiro, a taxa de inadimplência no crédito PF apresentou ligeiro aumento. Nos empréstimos com RL subiu 0,1 p.p. na margem, alcançando 5,4%. Para os com RD, a elevação em fevereiro foi de 0,2 p.p. para 1,9%. Com o aumento da taxa de desemprego e a queda de renda nas famílias, tal movimento necessita ser monitorado, ainda que a taxa de inadimplência permaneça em seu piso histórico. A trajetória da média móvel de seis meses dos últimos meses apresenta convergência dos atrasos para em torno dos 5% (um total de 5,1% em fevereiro). Com isso, ainda não é possível antecipar alguma tendência de elevação na taxa de inadimplência. Nota de Crédito Página 13

17 dez/12 abr/13 dez/13 dez/12 abr/13 dez/13 dez/12 abr/13 dez/13 PF - Taxa de Captação PF - Spread 10,0% 9,5% 9,0% 8,5% 8,0% 7,5% 7,0% 6,5% 6,0% 9,2% 24% 23% 22% 21% 20% 19% 18% 23,6% PF - Taxa de aplicação 34% 33% 32% 31% 30% 29% 28% 32,8% PF - Aumento do Spread Bruto Pode-se verificar nos gráficos que a partir de dezembro de 2014 há uma aceleração no aumento da taxa de aplicação, que fechou o mês de fevereiro em 32,8% contra os 32,0% observados em janeiro. Em 12 meses, a elevação foi de 1,8 p.p.. Como em fevereiro, a taxa média de captação permaneceu em 9,2%, porém em 12 meses constata-se queda de 0,2 p.p. Como contrapartida desses movimentos, a elevação do spread bruto médio apresentou também nova alta, ficando em 23,6%, um aumento de 0,8% no mês. 27% Nota de Crédito Página 14

18 fev/11 fev/11 PF - Principais linhas Recursos Direcionados 55% Recursos Livres 50% 45% 40% 35% 25% 15% 5% 26,7% 20,3% 14,9% 30% 20% 10% 0% -10% 12,9% -5,2% Financiamento imobiliário Crédito rural BNDES Cartão de crédito Crédito Consignado Aquisição de Veículos As principais operações para PF com RD apresentam desaceleração em termos anualizados. Apenas o crédito BNDES 7,0% da carteira PF RD mostrou alta de 0,5 p.p., fechando em 14,9%. A modalidade financiamento imobiliário 69,1% da carteira PF RD vem perdendo dinamismo, expandindo 26,7%. O crédito rural acompanha esse compasso, reduzindo a taxa de crescimento para 20,3%. Já as operações com RL desaceleraram 0,1 p.p. em fevereiro, totalizando um crescimento de 5,2%. Considerando as principais modalidades do segmento, o cartão de crédito apresentou diminuição de 0,4 p.p. no ritmo de expansão para 11,2%. O mesmo aconteceu para aquisição de veículos que acumula queda de 5,2%. A modalidade cheque especial manteve-se estável em 6,2%. Finalmente, as operações com crédito consignado desaceleraram o crescimento em 0,5 p.p. no mês, totalizando 12,9%. Nota de Crédito Página 15

19 jan/14 mar/14 jan/11 mar/11 jul/11 set/11 jan/12 mar/12 jul/12 set/12 jan/13 mar/13 jul/13 set/13 jan/14 mar/14 fev/11 fev/11 Crédito Consignado Crescimento em 12 meses 40% 35% 40% 30% 35% 25% 30% 20% 25% Inadimplência 6% 5% 4% 5,6% 15% 20% 10% 15% 5% 10% 5% 15,1% 12,5% 6,8% 3% 2% 1% 2,3% 1,8% Beneficiários INSS do INSS Trabalhadores Setor Privadosetor privado Servidor Servidores Públicopúblicos INSS Setor Privado Servidor Público Concessão por dia útil R$ Milhões Consignado - Queda nas concessões No mês de fevereiro, o crescimento anualizado do saldo da carteira de crédito consignado das operações com o INSS foi de 15,1%, enquanto o das operações com os servidores públicos foi de 12,5%. Ambas as modalidades apresentaram desaceleração. E ligeira evolução positiva pode ser observada nos empréstimos em consignação com o setor privado Na avaliação das concessões por dia útil pode-se verificar que realmente houve forte retração em fevereiro, em relação ao mesmo mês em O destaque na inadimplência fica por conta da brusca variação ocorrida no setor privado, que atingiu 5,6% de inadimplência em fevereiro deste ano Nota de Crédito Página 16

20 fev/11 fev/11 fev/11 Aquisição de Veículos Crescimento em 12 meses Taxa de juros 50% 30% 40% 28% 30% 20% 10% 0% -10% -5,2% 26% 24% 22% 20% 18% 24,8% Veículos - Queda na inadimplência e alta do juros Inadimplência 8% A variação do saldo da carteira de crédito para aquisição de veículos (excluídas as operações de leasing) continua negativa, fechando fevereiro com queda de 5,2% Desta forma, essa modalidade de financiamento continua consistentemente perdendo participação no total dos empréstimos da carteira PF. 7% 6% A despeito dessa evolução, a taxa de juros para esta modalidade permanece em alta, passando de 23,8% em janeiro para 24,8% em fevereiro. O maior nível em dois anos. Já a inadimplência permanece estável, repetindo em fevereiro o valor apurado em janeiro de 3,9%, a maior seletividade dos bancos em conceder créditos com garantias mais robustas. 5% 4% 3% 3,9% Nota de Crédito Página 17

21 jan/14 mar/14 jan/11 mar/11 jul/11 set/11 jan/12 mar/12 jul/12 set/12 jan/13 mar/13 jul/13 set/13 jan/14 mar/14 fev/11 fev/11 Cartão de Crédito Crescimento em 12 meses 40% 35% 35% 30% 30% 25% 25% 20% 20% 15% 15% 10% 10% 5% 0% 5% -5% 13,4% 10,8% 9,6% Inadimplência 10% 9% 8% 7% 6% 5% 7,0% Rotativo Parcelado À vista Beneficiários do INSS Trabalhadores setor privado Servidores públicos Concessão por dia útil R$ Bilhões 5,0 4,8 4,5 4,3 4,0 3,8 3,5 3,3 3,0 Cartão de crédito - Alerta para inadimplência Em fevereiro, a carteira de cartão de crédito apresentou queda na margem de 3,2%, fechando com saldo de R$ 155,4 bilhões, o que representa crescimento anual de 11,2% ante 14,4% verificado em fevereiro de Apesar da desaceleração nos últimos anos, o crédito parcelado apresentou na margem estabilidade em 9,6% O crédito à vista apresentou desaceleração de 0,7 p.p. indo para 10,8%. Ambos os movimentos provavelmente refletem o desaquecimento da atividade comercial. Já as operações na modalidade rotativa apresentaram aceleração de 0,5 p.p., totalizando 13,4%, o que sinaliza um alerta para o mercado de crédito PF Outros sinais negativos também podem ser verificados na análise das concessões por dia útil e no comportamento da taxa de juros média. O ano de 2015 vem apresentando um volume de concessões superior ao verificado em 2014 e uma elevação de juros de 10,3 p.p em relação a dezembro de 2014, fechando em 78,7% em fevereiro. Contudo, até o momento, a inadimplência não apresenta sinais negativos. Nota de Crédito Página 18

22 fev/11 jan/14 mar/14 Cheque Especial Crescimento em 12 meses 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% -5% 6,2% Concessão por dia útil R$ Bilhões 1,6 1,5 1,4 1,3 1,2 1, Cheque Especial - Mais concessões em 2015 A carteira de cheque especial apresentou alta de 1,0% na margem em fevereiro, mas manteve crescimento anual de 6,2%, mesmo valor de janeiro. A série apresentou queda no ritmo de crescimento, a partir de meados de Todavia, pode-se verificar ligeira aceleração em As concessões por dia útil superam as verificadas em A inadimplência na carteira continua apresentando queda, com variação de 0,1 p.p. em relação ao mês anterior, totalizando 13,6% em fevereiro. Porém, o nível é 1,5 p.p. acima do mesmo período de Finalmente, a taxa média de juros praticada na modalidade apresentou alta expressiva, fechando em 214,2%, sendo 57,5 p.p. acima do mesmo período do ano anterior. Inadimplência 16% 15% 14% 13% 12% 11% 10% 13,6% Nota de Crédito Página 19

23 jun/11 out/11 dez/11 abr/12 jun/12 out/12 dez/12 abr/13 dez/13 jun/11 out/11 dez/11 abr/12 jun/12 out/12 dez/12 abr/13 dez/13 jan/14 mar/14 jan/11 mar/11 jul/11 set/11 jan/12 mar/12 jul/12 set/12 jan/13 mar/13 jul/13 set/13 jan/14 mar/14 40% Crédito Imobiliário Crescimento em 12 meses meses 35% 50% 30% 45% 25% 40% 20% 35% 15% 30% 10% 25% 26,7% 5% 20% Concessão por dia útil R$ Milhões Beneficiários do INSS Trabalhadores setor privado Servidores públicos Financiamento Imobiliário Taxa média de juros ,4 Crédito Imobiliário - Forte desaceleração A carteira de crédito imobiliário 69,1% do crédito PF RD mostra forte trajetória de arrefecimento da expansão, fechando fevereiro com expansão anual de 26,7%. Em relação ao PIB, a carteira já representa 8,5%. Porém, as concessões por dia útil mostram-seem 2015 bem acima das observadas no mesmo período de A taxa média de juros na modalidade, após ligeira alta no mês anterior, voltou a se reduzir. Ao contrário das outras modalidades, fechou fevereiro em 8,4%, menor patamar desde setembro de Vale destacar ainda que a taxa de inadimplência apresentou alta de 0,1 p.p. na margem e de 0,2 p.p. em relação a fevereiro 2014, indo para 2,0%, ainda em patamar historicamente baixo. Nota de Crédito Página 20

24 jul/11 set/11 jan/12 mar/12 jul/12 set/12 jan/13 mar/13 jul/13 set/13 jan/14 mar/14 jan/15 jul/11 set/11 jan/12 mar/12 jul/12 set/12 jan/13 mar/13 jul/13 set/13 jan/14 mar/14 jan/15 jul/11 set/11 jan/12 mar/12 jul/12 set/12 jan/13 mar/13 jul/13 set/13 jan/14 mar/14 jan/15 Endividamento das Famílias Comprometimento da Renda 47% 46,4% 46% 45% 44% 43% 42% 41% 40% 24% 23% 22% 21% 20% 19% 22,1% 19,6% das famílias com serviço da dívida com o SFN - Com ajuste sazonal com o SFN em relação à renda acumulada dos últimos doze meses - % das famílias com o serviço da dívida com o SFN exceto crédito habitacional - Com ajuste sazonal (%) Endividamento sem Crédito Habitacional 32% 31% 30% 29% 28,0% 28% 27% 26% Endividamento mantém estabilidade O endividamento das famílias até janeiro elevou-se em 0,2 p.p. na margem e em 0,6 p.p. nos últimos doze meses, totalizando 46,4%. Desconsiderada a dívida com o crédito habitacional, o endividamento se reduz para 28,0%, com queda na margem de 0,1 p.p. e de 1,6 p.p. em relação a janeiro de Isso representa, o menor patamar desde o início da série. A série de comprometimento da renda apresenta flutuação em torno de 21% e 22% para o índice cheio, com alta de 0,1 p.p. na margem. Já a série que exclui o crédito habitacional orbita ao redor de 19% e 20%, com estabilidade em relação ao mês anterior. Com o SFN exceto crédito habitacional em relação à renda acumulada dos últimos doze meses Nota de Crédito Página 21

25 Dados de Crédito PJ - Fevereiro de 2015 Variações (%) Carteira de Crédito (R$ bi) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total ,3% 14,3% 0,5% 2,4% 11,0% Total PJ ,6% 13,2% 0,6% 1,8% 9,6% Recursos Livres 783,4 3,9% 8,0% 0,6% 0,5% 5,1% Capital de giro 389,9 1,9% 5,9% -0,4% 0,0% 2,3% Conta garantida 46,1 3,4% -0,2% 4,7% -1,4% 1,4% Aquisição de bens 27,3-2,5% -0,5% -1,3% -3,1% -3,4% ACC 55,4 23,7% -7,5% -0,2% 6,2% 25,8% Financiamento Exportações 59,5 14,2% 36,5% 1,8% 4,3% 15,6% Recursos Direcionados 815,2 15,7% 19,5% 0,6% 3,0% 14,2% Crédito Rural 71,9 6,7% 38,5% -2,4% -2,6% 1,3% Financiamento Imobiliário 67,4 23,1% 25,2% 1,3% 3,5% 22,7% BNDES 599,3 15,7% 15,2% 0,8% 4,4% 14,6% ¹Valores nos finais de período. Concessão de Crédito por dia útil (R$ bi) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 15,11-1,6% 7,5% 6,1% -1,7% 1,8% Total PJ 6,60-8,0% 2,9% 6,4% -7,4% -6,6% Recursos Livres 5,74-6,1% 4,9% 5,5% -4,4% -2,2% Capital de giro 0,94-8,3% -16,9% -0,4% -20,3% -7,5% Conta garantida 1,08-1,8% -1,4% 5,9% 7,7% 2,4% Aquisição de bens 0,05-6,9% 3,6% -7,7% -27,4% -36,1% ACC 0,35 13,2% 19,3% -22,7% 3,4% -15,5% Financiamento Exportações 0,09-8,2% 139,8% 1,6% -43,1% -9,4% Recursos Direcionados 0,86-15,0% -3,7% 12,6% -23,8% -28,2% Crédito Rural 0,17-43,3% 94,9% 28,4% -25,4% -24,4% Financiamento Imobiliário 0,22 47,8% 2,0% 40,5% 39,4% -2,2% BNDES 0,41-9,6% -21,5% 4,7% -31,2% -38,8% ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito Página 22

26 Dados de Crédito PJ - Fevereiro de 2015 Variações (meses) Prazo da Carteira (meses) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 45,9 45,2 41,3 0,3 1,2 3,8 Total PJ 35,9 35,3 33,2 0,3 0,9-1,9 Recursos Livres 16,8 16,5 16,3 0,0 0,5 0,7 Capital de giro 16,6 16,8 17,7-0,2-0,1-0,6 Conta garantida 0,8 0,9 0,9-0,1 0,0 0,0 Aquisição de bens 13,4 13,9 14,9-0,1-0,3-1,3 ACC 4,6 4,5 4,6-0,1 0,1-0,1 Financiamento Exportações 25,4 26,2 31,3-0,5-0,7-1,0 Recursos Direcionados 52,8 52,2 50,3 0,5 0,8 1,4 Crédito Rural 24,6 24,5 26,2 0,4 0,0-1,2 Financiamento Imobiliário 29,5 29,3 30,3 0,3 0,7-0,2 BNDES 57,7 57,2 54,5 0,4 0,8 1,9 Prazo das Concessões (meses) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 105,8 107,0 99,4 1,0 0,5 6,8 Total PJ 63,0 67,1 73,1 1,7-2,3-5,3 Recursos Livres 23,8 29,4 30,9-5,6-0,9 0,8 Capital de giro 30,8 34,8 33,9-8,3 1,8 1,4 Conta garantida 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Aquisição de bens 33,1 28,8 29,7-1,0 5,4 2,8 ACC 6,5 6,7 6,6-1,3 0,3 0,1 Financiamento Exportações 15,8 19,5 27,1 0,6-20,3 0,6 Recursos Direcionados 96,0 99,6 115,1 7,7-4,1-15,8 Crédito Rural 12,5 22,8 17,5-3,1-15,1-2,7 Financiamento Imobiliário 34,5 39,2 45,8-1,5-7,6-62,8 BNDES 112,2 114,7 128,6 9,4-8,3-8,2 ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito Página 23

27 Dados de Crédito PJ - Fevereiro de 2015 Variações (p.p.) Taxas de juros (% ) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 25,6% 23,7% 22,4% 0,7 1,3 1,7 Total PJ 18,1% 16,5% 15,7% 0,7 1,5 1,5 Recursos Livres 26,1% 24,2% 22,2% 0,9 1,7 2,2 Capital de giro 23,2% 21,7% 19,9% 0,7 1,2 1,5 Conta garantida 43,4% 41,1% 37,6% 0,3 2,6 4,4 Aquisição de bens 20,7% 19,1% 17,9% 1,3 1,9 1,9 ACC 2,8% 2,7% 2,9% 0,7-0,1 0,3 Financiamento Exportações 14,4% 14,4% 13,8% -0,3 0,4 0,3 Recursos Direcionados 8,7% 7,6% 7,3% 0,2 1,1 1,1 Crédito Rural 8,4% 7,7% 7,2% -0,1 0,8 1,2 Financiamento Imobiliário 10,2% 10,7% 10,8% -0,8-0,6 0,3 BNDES 8,6% 7,2% 7,0% 0,4 1,3 1,2 Inadimplência (% da carteira) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 2,8% 2,7% 2,8% 0,0 0,0-0,1 Total PJ 2,0% 1,9% 1,8% 0,0 0,0 0,1 Recursos Livres 3,5% 3,4% 3,1% 0,0 0,0 0,3 Capital de giro 3,9% 3,9% 3,6% 0,0-0,1 0,3 Conta garantida 2,1% 1,8% 1,8% 0,2 0,3 0,4 Aquisição de bens 3,7% 3,5% 3,7% 0,0 0,3 0,1 ACC 1,1% 1,0% 0,8% 0,0 0,0 0,3 Financiamento Exportações 0,6% 0,4% 0,1% 0,1 0,2 0,4 Recursos Direcionados 0,5% 0,5% 0,4% 0,0 0,0 0,1 Crédito Rural 0,7% 0,6% 0,5% 0,0 0,1 0,0 Financiamento Imobiliário 0,6% 0,5% 0,3% 0,0 0,0 0,1 BNDES 0,5% 0,4% 0,4% 0,3 0,3 0,2 ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito Página 24

28 Dados de Crédito PF - Fevereiro de 2015 Variações (%) Carteira de Crédito (R$ bi) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total ,3% 14,3% 0,4% 2,3% 11,0% Total PF ,3% 15,6% 0,2% 3,0% 12,7% Recursos Livres 783,8 5,5% 7,2% -0,3% 1,6% 5,2% Cheque Especial 26,8 5,0% 7,7% 1,2% 3,7% 6,4% Consignado 256,8 13,7% 17,5% 1,1% 2,8% 12,8% Veículos 181,9-4,5% -0,2% -1,1% -0,9% -5,2% Cartão de Crédito 155,1 11,2% 14,2% -3,4% 3,4% 11,0% Recursos Direcionados 643,8 25,0% 30,7% 1,0% 4,7% 23,4% Crédito Rural 146,3 22,2% 26,1% 0,5% 3,3% 20,4% Financiamento Imobiliário 444,8 28,0% 32,1% 1,2% 5,2% 26,7% ¹Valores nos finais de período. Concessão de Crédito por dia útil (R$ bi) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 15,14-1,6% 7,5% 6,3% -1,5% 2,0% Total PF 8,53 5,3% 13,0% 6,2% 3,6% 9,9% Recursos Livres 7,58 4,3% 12,5% 7,9% 5,9% 9,0% Cheque Especial 1,55-0,1% 7,0% 13,1% 12,8% 13,1% Consignado 0,63 6,5% 21,0% 13,6% -10,8% -19,0% Veículos 0,33 2,1% 7,2% -10,8% -18,6% -8,4% Cartão de Crédito 4,61 6,3% 14,6% 7,3% 11,3% 16,7% Recursos Direcionados 0,95 12,0% 16,8% -5,3% -11,9% 17,9% Crédito Rural 0,16 1,6% 4,1% -5,5% -48,6% -17,0% Financiamento Imobiliário 0,70 32,0% 15,4% -4,1% 8,1% 35,5% ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito Página 25

29 Dados de Crédito PF - Fevereiro de 2015 Variações (meses) Prazo da Carteira (meses) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 45,9 45,2 41,3 0,3 1,2 3,8 Total PF 58,7 58,1 52,2 0,4 1,5 6,1 Recursos Livres 18,6 18,9 18,4 0,1 0,0 0,4 Cheque Especial 0,8 0,8 0,8 0,0 0,0 0,0 Consignado 24,8 24,9 23,7 0,6 0,6 1,0 Veículos 14,9 15,3 16,0-0,2-0,2-0,9 Cartão de Crédito 2,0 2,3 2,5-0,3-0,3-0,2 Recursos Direcionados 98,1 96,8 92,1 0,6 1,7 5,6 Crédito Rural 28,5 28,8 28,3-0,3-0,3 0,3 Financiamento Imobiliário 125,9 124,9 120,3 0,4 1,7 5,1 Prazo das Concessões (meses) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 105,8 107,0 99,4 1,0 0,5 6,8 Total PF 159,5 157,8 133,2-0,1 3,7 22,3 Recursos Livres 51,3 52,2 48,0-0,1-0,7 3,7 Cheque Especial 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Consignado 69,3 70,2 62,4 0,5-1,4 6,4 Veículos 41,8 41,9 42,0-0,3 0,0 0,0 Cartão de Crédito 8,8 8,7 8,3-0,1 0,2 0,4 Recursos Direcionados 261,3 258,4 231,2-0,2 4,4 23,6 Crédito Rural 41,9 40,9 41,5 1,0 0,1 1,8 Financiamento Imobiliário 344,0 344,1 309,1-2,1 4,3 25,8 ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito Página 26

30 Dados de Crédito PF - Fevereiro de 2015 Variações (p.p.) Taxas de juros (% ) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 25,6% 23,7% 22,4% 0,7 1,3 1,7 Total PF 32,8% 30,7% 29,1% 0,8 1,1 1,8 Recursos Livres 54,3% 49,6% 44,0% 2,3 3,2 6,4 Cheque Especial 214,2% 201,0% 148,1% 5,2 22,4 57,5 Consignado 26,8% 25,9% 24,4% 0,4 1,1 1,7 Veículos 24,8% 22,3% 21,3% 1,0 2,1 0,9 Cartão de Crédito 78,6% 68,4% 64,8% 7,7 4,1 6,9 Recursos Direcionados 7,6% 7,9% 7,6% -0,6-0,5 0,1 Crédito Rural 5,4% 5,5% 4,9% 0,1 0,1 0,6 Financiamento Imobiliário 8,4% 8,9% 8,7% -0,9-0,8-0,3 Inadimplência (% da carteira) 2014¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 2,8% 2,7% 2,8% 0,0 0,0-0,1 Total PF 3,8% 3,7% 4,1% 0,1 0,0-0,2 Recursos Livres 5,3% 5,3% 5,7% 0,0-0,2-0,3 Cheque Especial 13,6% 13,8% 13,5% -0,1-1,3 1,5 Consignado 2,4% 2,4% 2,6% 0,0 0,0-0,2 Veículos 3,9% 3,9% 5,2% 0,0-0,2-1,2 Cartão de Crédito 7,0% 6,6% 6,4% 0,3 0,0 0,6 Recursos Direcionados 1,9% 1,6% 1,6% 0,1 0,1 0,1 Crédito Rural 2,5% 1,3% 1,1% 0,2 0,2 0,3 Financiamento Imobiliário 2,0% 1,7% 1,7% 0,1 0,0 0,2 ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito Página 27

31 Assessoria Econômica Av. Paulista, 949 6º andar Bela Vista CEP: São Paulo SP Telefone: (5511) Fax: (5511)

Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016

Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016 Nota de Crédito Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016 Sumário Executivo Índices de confiança menos desfavoráveis para o empresariado e para as famílias ainda não são refletidos na atividade real

Leia mais

Nota de Crédito PF. Dezembro Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014

Nota de Crédito PF. Dezembro Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014 Nota de Crédito PF Dezembro 2014 Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014 ago/11 fev/12 ago/12 jan/11 jan/11 Desaceleração e comprometimento de renda Os efeitos da elevação da taxa de juros e as incertezas quanto

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

Elevação na taxa de juros média

Elevação na taxa de juros média Elevação na taxa de juros média Carteira de Crédito no SFN Apesar da projeção de um crescimento nominal de 2,0% em 2017 pelo Banco Central, o ritmo de queda do estoque de crédito intensificou-se em janeiro.

Leia mais

Nota de Crédito. Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017

Nota de Crédito. Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017 Nota de Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017 Sumário Executivo Em abril, houve deterioração nos indicadores de Confiança do Consumidor (FGV) e de Demanda do Consumidor e das Empresas por (Serasa

Leia mais

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira de Crédito no SFN Em 2016, o mercado de crédito fechou com retração de 3,5%. Esta performance frustrante reflete o processo de desalavancagem das famílias e

Leia mais

Nota de Crédito. Abril 2017 Fonte: BACEN Base: Fevereiro de 2017

Nota de Crédito. Abril 2017 Fonte: BACEN Base: Fevereiro de 2017 Nota de Abril 2017 Fonte: BACEN Base: Fevereiro de 2017 Sumário Executivo Ainda que se tenha observado uma relativa reação do varejo em fevereiro, o mercado de crédito não emite sinais positivos. A fragilidade

Leia mais

Operações de Crédito do SFN

Operações de Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) caem 0,2% em mai/17 e 2,6% em 12 meses. A retomada ainda não veio. O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Os recursos livres totalizaram R$ 953,1 bilhões em Dezembro, terminando o ano com uma alta de 9,4% ante 2008.

Os recursos livres totalizaram R$ 953,1 bilhões em Dezembro, terminando o ano com uma alta de 9,4% ante 2008. O volume de crédito no sistema financeiro nacional fechou o ano em R$ 1,41 trilhão, representando 45% PIB. Esse resultado correspondeu a mais uma alta, agora de 1,6%, ante o mês anterior levando a um crescimento

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada de 11 a 16 de setembro/2015 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa de Projeções Macroeconômicas

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO 1 NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO TABELA RESUMO ANÁLISE DO ESTOQUE TOTAL DO CRÉDITO vs. CONCESSÃO (MÉDIA DIÁRIA DESSAZ) Estoque (em R$ milhões) Estoque (em R$ bilhões) Variação no mês dessaz (%) YDT (%) Var.

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Juros reais em baixa No período entre os dias 06 e 13 de maio, o IPCA projetado para os próximos 12 meses apresentou queda, da mesma forma a estimativa para o fechamento de 2017. A estrutura a termo da

Leia mais

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002 CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 22 Os últimos dados sobre a evolução do crédito no Brasil mostram que o crédito no país continua caro, escasso e de prazo reduzido.

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Junho de 2017

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Junho de 2017 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Junho de 217 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento recente sobre o mercado de crédito e identificar tendências

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio)

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio) 11 12 13 14 15 16 jan/02 ago/02 mar/03 out/03 mai/04 dez/04 jul/05 fev/06 set/06 abr/07 nov/07 jun/08 jan/09 ago/09 mar/ out/ mai/11 dez/11 jul/12 fev/13 set/13 abr/14 nov/14 ECONOMIA 25 de junho de 15

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Sondagem da Construção do Estado de São Paulo

Sondagem da Construção do Estado de São Paulo Sondagem da Construção do Estado de São Paulo Setembro/14 Setor de construção exibe desaceleração do ritmo de queda na atividade em agosto O nível de atividade em agosto avançou 7,0 pontos em agosto, após

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO ago/14 nov/15 Os efeitos da euforia global A semana do dia 05 ao 12 de agosto confirma a euforia global vivenciada pelos mercados e proporcionada pelos estímulos monetários dos bancos centrais. O maior

Leia mais

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Atividade Econômica PIB - Crescimento anual (%) 4, 4,1 4,5 3,2 3,1 3,5 2,1 1,7 2, 4,8 3,6 2, 2 211 212 213 214 215 216 217* 218* * Projeções do FMI

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Março de 2017

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Março de 2017 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Março de 2017 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento recente sobre o mercado de crédito e identificar

Leia mais

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Produção atinge pior resultado da série histórica no mês de dezembro Janeiro/2014 Indicador nov/14 dez/14 O que representa Produção 42.9 30.5 Número de Empregados

Leia mais

Fotografia dos Bancos Médios e Pequenos. IF Data, Junho de 2015 Banco Central do Brasil

Fotografia dos Bancos Médios e Pequenos. IF Data, Junho de 2015 Banco Central do Brasil Fotografia dos Bancos Médios e Pequenos IF Data, Junho de 2015 Banco Central do Brasil Conteúdo Sumário Executivo Organização do SFN Sistema bancário Bancos médios e pequenos Números consolidados Perfil

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Relatório de Crédito 01 de setembro de 2015 Deterioração da confiança deverá levar a crescimento da carteira mais modesto em 2016

Relatório de Crédito 01 de setembro de 2015 Deterioração da confiança deverá levar a crescimento da carteira mais modesto em 2016 211 212 213 214 215 216 Relatório de Crédito 1 de setembro de 215 Deterioração da confiança deverá levar a crescimento da carteira mais modesto em 216 Everton Gomes everton.gomes@santander.com.br A taxa

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Manutenção do ritmo de queda da Selic A divulgação dos dados de inflação e varejo dos EUA mais fracos que os esperados levaram à queda da moeda norte-americana (-3,1%), com o mercado precificando uma desaceleração

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim 1º Semestre 2016 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

Volume Total de Crédito

Volume Total de Crédito Parte I Volume de Crédito A) Recursos Livres e Recursos Direcionados Período R$ milhões Variação % Junho2005 535.594 Junho2015 3.102.172 490,2% Volume Total de Crédito 4.000.000 2.000.000 R$ milhões B)

Leia mais

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor mostra que em 2016 houve redução de 3,9% no número médio de famílias com dívidas, com

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO mar/15 mai/15 jul/15 set/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 Real se descola das moedas emergentes Na semana, o dólar fechou com uma apreciação de 0,5% cotado a R$ 3,11. O movimento foi distinto em relação

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n.º 1.628, como Autarquia

Leia mais

Relatório de Economia Bancária e Crédito. Fonte: Banco Central - Dados de 2013

Relatório de Economia Bancária e Crédito. Fonte: Banco Central - Dados de 2013 Relatório de Economia Bancária e Crédito Fonte: Banco Central - Dados de 21 abr/5 ago/5 dez/5 abr/6 ago/6 dez/6 abr/7 ago/7 dez/7 abr/8 ago/8 dez/8 abr/9 ago/9 dez/9 abr/1 ago/1 dez/1 abr/11 ago/11 dez/11

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 28º Edição - Setembro 2015 Sumário Conjuntura - Saúde Suplementar Seção Especial 3 Nível de Atividade 4 Emprego 5 Emprego direto em planos de saúde 6 Renda 6 Inflação 7 Câmbio

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan/15 fev/15 Ligeira deterioração nos principais indicadores Com o feriado da Semana Santa, os principais indicadores para a semana de 18 a 24 de março apresentaram relativa estabilidade, com os mercados

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Blumenau 7 Considerações

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Inflação abaixo do piso da meta A semana apresentou um aumento na aversão ao risco por causa das tensões geopolíticas e pelas incertezas quanto à trajetória das contas públicas no Brasil. O índice que

Leia mais

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09 Banco do Brasil Divulgação do Resultado 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Evolução Recente do Spread Bancário no Brasil

Evolução Recente do Spread Bancário no Brasil 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 189/2009 Data: 12.03.09 Versão: 1 Tema: Título: Mercado de Crédito

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS.

ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS. ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS. A ANEFAC realizou um balanço dos últimos dez anos do crédito no Brasil cujo objetivo foi apurar como se comportaram os principais indicadores praticados pelo sistema

Leia mais

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula José Luís Oreiro No início do segundo semestre de 2004, o Banco Central do Brasil iniciou um processo de elevação

Leia mais

9 Ver em especial o site:

9 Ver em especial o site: O desempenho recente dos principais indicadores da economia brasileira Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução Esta seção do boletim Economia & Tecnologia irá discutir cinco

Leia mais

Sondagem da Construção do Estado de São Paulo

Sondagem da Construção do Estado de São Paulo Sondagem da Construção do Estado de São Paulo Atividade do Setor de Construção Paulista mantem ritmo de contração Abril/14 O nível de atividade em março permaneceu inalterado, após mostrar queda de 0,9

Leia mais

Relatório de estabilidade financeira

Relatório de estabilidade financeira Relatório de estabilidade financeira Banco Central do Brasil - Setembro, 2016 Elaboração: Assessoria Econômica ABBC Sumário Base: 1º semestre de 2016 O Relatório de Estabilidade Financeira de setembro

Leia mais

ESTATÍSTICAS DE LETRAS FINANCEIRAS

ESTATÍSTICAS DE LETRAS FINANCEIRAS Estoque & Emissões O relatório anual do Banco Central acerca da evolução do mercado de Letras Financeiras (LF) apontou de forma inédita, no ano de 2016, uma variação anual negativa de 3,5%, com o estoque

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil.

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil. Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil Abril de 2013 Sumário executivo A perspectiva para o cenário externo continua

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

Macroeconomia Fernando Honorato Barbosa. Economista-Chefe Diretor DEPEC

Macroeconomia Fernando Honorato Barbosa. Economista-Chefe Diretor DEPEC 11 Informação Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas da direção da companhia.

Leia mais

O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer

O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer Maio de 2002 O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer Investimentos: em compasso de espera Crédito: travado Mercado consumidor interno: fraco Exportações:

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 jan-17 fev/16 mar/16 mai/16 jun/16 Queda nas projeções de inflação e juros Na semana, a posse do novo presidente norte-americano

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 6 Junho de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Cenário negativo se amplia O cenário adverso para as empresas da indústria da construção persiste em junho, com impactos

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento

Leia mais

Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de

Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de Informe 11/214 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de 214 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista,

Leia mais

O crédito imobiliário e as instituições financeiras de médio porte. Março de 2014

O crédito imobiliário e as instituições financeiras de médio porte. Março de 2014 O crédito imobiliário e as instituições financeiras de médio porte Março de 2014 SUSTENTABILIDADE DO CRÉDITO 60% Crédito Total/PIB (%) e Variação em 12 meses (%) 56,1% 50% 45,4% 40% 36,6% 34,1% 30% 31,4%

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito tiveram em março/2012 comportamentos distintos. De um lado por conta da nova redução da taxa

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 3,5 bilhões Saldo: R$ 495,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 9 setembro de 2012 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Desempenho menos negativo ainda não aponta

Leia mais

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2015

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2015 O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2015 A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor mostra que em 2015 houve redução de 1,3% no número médio de famílias com dívidas, com

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Readequação nos juros de curto prazo Expectativas de inflação Na semana do dia 24 de junho ao 01 de julho, as incertezas quanto aos prováveis desdobramentos do Brexit não foram capazes de afetar negativamente

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Seguindo os ventos externos A projeção do IPCA para os próximos 12 meses voltou a apresentar queda, contudo mesmo a estimativa para 2017 está ainda distante do centro da meta. Apesar das incertezas locais,

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Mensagem do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Relatório de Crédito 03 de junho de 2016 Quando e como será a retomada do crédito?

Relatório de Crédito 03 de junho de 2016 Quando e como será a retomada do crédito? 212 213 21 215 216 217 Relatório de Crédito 3 de junho de 216 Quando e como será a retomada do crédito? Everton Gomes everton.gomes@santander.com.br Os dados de crédito vêm evoluindo na direção esperada,

Leia mais

43,85 43,67 43,50 43,26 43,03 42,76 42,45 42,35 42,11 41,96 41,93 41,91

43,85 43,67 43,50 43,26 43,03 42,76 42,45 42,35 42,11 41,96 41,93 41,91 Os dados divulgados pelo Banco Central do (BCB) até Mar./2017 permitem uma análise do endividamento das famílias brasileiras e a elaboração de um panorama do comportamento de diversas modalidades de crédito

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2006 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução Esta seção do

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Nesta 1ª Edição da Carta de C o n j u n t u r a d a S a ú d e Suplementar, são apresentados (i) os dados econômicos e de beneficiários de planos de saúde do primeiro trimestre de 1 (ambos publicados em

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Menor aversão ao risco, mesmo com incertezas domésticas A semana do dia 24 de março a primeiro de abril ficou marcada por movimentos favoráveis no mercado de câmbio e de juros, nas expectativas inflacionárias

Leia mais

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%):

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%): SIM SEBRAE Inteligência de Mercados Edição n - Fev/6 Índice de atividade econômica - IBC-Br (%) A produção industrial brasileira apresentou leve recuperação no período de novembro a dezembro de 25. pg

Leia mais

Retomada do Crescimento e Reformas Estruturais

Retomada do Crescimento e Reformas Estruturais Retomada do Crescimento e Reformas Estruturais Henrique Meirelles Ministro da Agosto, 2017. Crescimento de Curto Prazo 2 fev-14 abr-14 jun-14 ago-14 out-14 dez-14 fev-15 abr-15 jun-15 ago-15 out-15 dez-15

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Cenário do Setor Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul

Cenário do Setor Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul Cenário do Setor - 2013 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul São Leopoldo, setembro de 2013 1. Sumário Executivo 2. A economia brasileira em 2013 O setor de borracha no contexto nacional

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar Mai/11 64,2% 24,4% 8,6% Abr/12 56,8%

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Ancoragem das expectativas inflacionárias Por motivos internos e externos, na semana de 08 a 15 de abril, o prêmio de risco soberano brasileiro reduziu-se em 48 pontos básicos. A expectativa de um eventual

Leia mais

PANORAMA DO CRÉDITO. Crédito ao Consumidor. Dezembro Cezar Yoo Dellagatti. Analista Econômico

PANORAMA DO CRÉDITO. Crédito ao Consumidor. Dezembro Cezar Yoo Dellagatti. Analista Econômico PANORAMA DO CRÉDITO Crédito ao Consumidor Dezembro 2009 Cezar Yoo Dellagatti Analista Econômico cdellagatti@abbc.org.br ÍNDICE SUMÁRIO 03 CRÉDITO AO CONSUMIDOR 11 CRÉDITO REF. TAXA DE JUROS 14 SALDO 15

Leia mais

CONFIANÇA DO COMÉRCIO AUMENTA PELA SÉTIMA VEZ NAS VÉSPERAS DO NATAL

CONFIANÇA DO COMÉRCIO AUMENTA PELA SÉTIMA VEZ NAS VÉSPERAS DO NATAL CONFIANÇA DO COMÉRCIO AUMENTA PELA SÉTIMA VEZ NAS VÉSPERAS DO NATAL O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 98,9 pontos em novembro, ante os 97,3 pontos observados em outubro. Na série

Leia mais