Nota de Crédito PF. Dezembro Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota de Crédito PF. Dezembro Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014"

Transcrição

1 Nota de Crédito PF Dezembro 2014 Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014

2 ago/11 fev/12 ago/12 jan/11 jan/11 Desaceleração e comprometimento de renda Os efeitos da elevação da taxa de juros e as incertezas quanto à evolução da renda real e emprego são percebidos na desaceleração do crédito para pessoas físicas. As modalidades com recursos livres apresentam crescimento anualizado negativo em termos reais (-1,3% a.a.). Tal movimento é amortizado pela evolução mais vigorosa das operações com recursos direcionados. Com incentivos regulatórios e alongamento de prazos, as concessões de crédito consignado tiveram forte elevação, favorecendo em outubro, o segmento livre. Contudo, esse aumento é reflexo, fundamentalmente, da renegociação de dívidas antigas. Já a crescente participação do crédito habitacional, com alongamento de prazos e taxas reduzidas, produz efeito positivo no comprometimento da renda das famílias. Carteira de Crédito Total Pessoa Física a.a. 34% 29% 26,0% 24% 19% 13,4% 14% 9% 5,2% 4% Saldo Total Recursos Direcionados Recursos Livres Em outubro de 2014, a carteira de Crédito Total PF alcançou R$ 1,37 trilhão, atingindo cerca de 27% do PIB. O estoque das operações com recursos livres alcançou R$ 772 bilhões, com ritmo de expansão de 5,2% a.a. O movimento cadente tem sido favorecido pela forte queda no volume de crédito destinado à aquisição de veículos. Apesar da relativa estabilidade atual, o crédito consignado também reduziu sua expansão a partir das medidas macroprudenciais.nocrédito direcionado, a modalidade financiamento imobiliário - que chegou a crescer a 50,1% a.a. - teve também seu ritmo de expansão reduzido para 27,4% a.a. Principais Linhas Recursos Direcionados Principais Linhas Recursos Livres a.a. a.a. 50% 43% 35% 28% 20% 13% 5% 27,4% 19,3% 50% 40% 30% 20% 10% 0% -10% 13,4% -4,9% Financiamento imobiliário Crédito rural BNDES Cartão de crédito Crédito Consignado Aquisição de Veículos Nota de Crédito PF Página 01

3 mai/14 mai/14 Concessões por dia útil Total PF R$ Bilhões 8,5 8,0 7,5 7,0 6,5 Concessões Total PF R$ Bilhões ,0 75 Concessões Totais Média dos últimos 12 meses Concessões acumuladas em 12 meses - % anual 40% 35% 30% 25% 20% 10% 5% 13,2% 11,9% Concessões Direcionados Concessões Livres Concessões apresentam estabilidade O volume de concessões à pessoa física totalizou em outubro R$ 178,6 bilhões, com queda de 0,7% na margem. Levando em consideração a leitura por dias úteis, houve crescimento mensal de 0,7% e 13,3% em termos anuais. A média de concessão diária foi de R$ 7,7 bilhões, com R$ 1 bilhão em recursos direcionados e R$ 6,7 bilhões em recursos livres. Em setembro e outubro, as concessões exibiram um desempenho ligeiramente acima da média observada nos últimos 12 meses. Utilizando a comparação das concessões acumuladas em 12 meses, os recursos livres apresentam uma tendência de estabilidade, com crescimento anual próximo a 12%. Na abertura PF, a tendência é verificada nas duas linhas. Embora o crédito direcionado apresente, em um prazo mais amplo, uma desaceleração mais acentuada. Nota de Crédito PF Página 02

4 Crescimento mais acelerado da taxa de juros com recursos livres Em outubro, a taxa média de juros das operações de crédito para pessoa física avançou para 28,1% ante 27,5% no mês anterior. Em relação ao ano de 2013, que apresentou taxa média de 25%, existe uma tendência natural de aumento, dado o aperto monetário executado pelo Banco Central. Com a nova rodada de aumento da SELIC, são esperadas elevações marginais na taxa média de juros para os próximos meses. A baixa elevação na taxa de juros em 2014 é assegurada pelo crescimento mais acelerado das operações com recursos direcionados. A taxa média aplicada nos recursos livres para pessoa física atingiu 44,0% em outubro, maior valor observado desde o início da série, em março de Taxas de Juros 45% 40% 35% 30% 25% 20% 10% 5% 44,0% 28,1% 8,0% Em contraste, a taxa média dos recursos direcionados aos consumidores atingiu 8,0%, ligeiramente acima da média observada nos últimos 12 meses, de 7,8%. Prazo médio avança tanto nas concessões quanto na carteira total O prazo médio da carteira de crédito pessoa física vem crescendo de forma consistente. Após encerrar o ano de 2013 com 68 meses de média, alcançou 73 meses em outubro. O mesmo movimento é observado nas concessões, que alcançaram na última divulgação um prazo médio de 149 meses. Essa tendência é fruto da troca de dívidas das famílias por modalidades de prazo mais longo, como o crédito imobiliário. Taxas de Juros Recursos Direcionados Recursos Livres Prazo médio (meses) Considerando a abertura das concessões para os consumidores, as operações com recursos livres tiveram prazo médio de 149 meses, enquanto o direcionado teve prazo médio de 134 meses Concessões Carteira Nota de Crédito PF Página 03

5 Inadimplência Atrasos 9,0% 8,0% 7,0% 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 6,4% 4,4% 1,7% 8,0% 7,0% 6,0% 5,0% 4,0% 5,9% 5,6% 5,1% Livres Direcionados Total Atraso Total Atrasos Direcionados Atrasos Livres Resistência na inadimplência Em outubro, a taxa de inadimplência para pessoas físicas mostrou estabilidade em 4,4%, ainda próxima ao menor nível histórico da série iniciada em março de Na comparação anual houve recuo de 0,2 p.p.. No segmento de recursos livres, o indicador atingiu 6,4%, enquanto no de direcionados marcou 1,7%. Em todas as modalidades para pessoa física observa-se uma tendência de acomodação do indicador nos pisos e pouca volatilidade. Considerando os atrasos de 15 a 90 dias, a modalidade PF atingiu 5,6%, menor valor desde meados de O movimento foi homogêneo na abertura, com atraso no crédito livre dos consumidores em 5,6% e no direcionado em 5,1%, após apresentar pico no fim do primeiro trimestre. Os resultados acima são condizentes com a maior seletividade das instituições financeiras na concessão de crédito, a estabilidade na renda e nos níveis de emprego. Face a um cenário prospectivo complexo com elevado nível de endividamento familiar, redução do crescimento econômico, pressão inflacionária e incertezas no mercado de trabalho -, é necessária cautela em relação à tendência para Nota de Crédito PF Página 04

6 mai/14 Taxa de Captação 9,5% 9,0% 8,5% 8,0% 7,5% 7,0% 8,9% Spread 20% 19% 18% 17% 16% 19,2% 6,5% Spread PF avança na comparação mensal, bem acima da média observada no ano de 2013 A taxa média de captação PF foi de 8,9% a.a., avançando 0,1 p.p. na margem e 0,1 p.p. em relação a outubro de Com isso, o spread bancário pessoa física aumentou de maneira significativa ao longo de 2014, atingindo 19,2% em outubro ante 18,8% no mês anterior. O spread médio em 2013 foi de 17,1%, bem abaixo do observado no ano até aqui, de 18,7%. O comportamento relativamente estável da taxa média de captação -, mesmo diante do aperto monetário realizado pelo Banco Central -, com a elevação da taxa de juros possibilitou a ampliação do spread bancário ao longo de Nota de Crédito PF Página 05

7 jan/11 mar/11 mai/11 set/11 nov/11 mar/12 mai/12 set/12 nov/12 mai/14 ago/11 fev/12 ago/12 ago/11 fev/12 ago/12 Carteira de Crédito Consignado 40% a.a. 35% 40% 35% 30% 30% 25% 20% 10% 10% 5% 5% Participação no Total do Consignado (média) Servidor Público 61,5% 61,8% Setor Privado 8,3% 7,9% INSS 30,2% 30,3% 13,84% 7,39% Inadimplência de Crédito Consignado 6,0% 5,0% 5,2% 4,0% 3,0% 2,5% 2,0% 1,8% 1,0% R$ Milhões Beneficiários do INSS Trabalhadores setor privado Servidores Beneficiários públicos do INSS Servidores públicos Concessão Crédito Consignado Trabalhadores setor privado Total Beneficiários do INSS Trabalhadores setor privado Servidores públicos Movimentos no crédito consignado O saldo do crédito consignado vem mantendo a taxa de crescimento em torno de 13% a.a.. O segmento representou 29,8% do total de crédito livre às pessoas físicas em 2013, aumentando a participação para 32,2% em outubro deste ano Após três meses com resultados abaixo do observado em 2013, em outubro houve um aumento considerável nas concessões por dia útil devido a medidas que possibilitaram a renegociação das dívidas existentes (alongamento de prazos). A estabilidade das taxas de juros praticadas foi mantida desde meados de 2012 sem grandes sobressaltos. A taxa média das operações atingiu 24,4% em outubro. Houve composição benigna da inadimplência em toda abertura, que está praticamente no mesmo patamar desde Nota de Crédito PF Página 06

8 ago/11 fev/12 ago/12 Carteira de Crédito Aquisição de Veículos a.a. 45% Concessões Aquisição de Veículos R$ Milhões % % 300-9,34% - Aquisição de veículos em terreno negativo Inadimplência Aquisição de Veículos 8,0% Desconsideradas as operações de leasing, o saldo do crédito para aquisição de veículos (cerca de 25% da carteira total do segmento) passou de um ritmo impressionante de crescimento no início de 2011 ao redor de 50% a.a. - para o terreno negativo em Atualmente, caso fosse desprezado o efeito do crédito para compra de veículos, a carteira total com recursos livres cresceria mais 0,5 p.p. em termos anuais em outubro. 7,0% 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 4,2% Pode-se observar que a desaceleração veio acompanhada de maior seletividade na concessão de crédito, que vem apresentando no terceiro trimestre de 2014 um movimento semelhante ao do mesmo período em 2013, com as concessões próximas da casa de R$ 375 milhões por dia útil. A inadimplência mostra queda acentuada desde seu pico, em meados de ,0% Nota de Crédito PF Página 07

9 jan/11 mar/11 mai/11 set/11 nov/11 mar/12 mai/12 set/12 nov/12 mai/14 Carteira de Cartão de Crédito Inadimplência Cartão de Crédito 40% a.a. 35% 32% 30% 27% 25% 22% 20% 17% 12% 7% 10% 2% 5% -3% Participação no Total do Cartão de Crédito (média) Rotativo 20,0% 19,7% Parcelado 7,9% 8,2% À vista 72,1% 72,1% 13,74% 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 26,3% Beneficiários À vista do INSS Parcelado Trabalhadores Rotativo setor privado Servidores públicos Concessão Cartão de Crédito Total R$ Bilhões 4,2 Cartão de Crédito 3,9 3,6 Três grandes destaques para o segmento de cartão de crédito em 2014 até aqui: aumento das concessões, avanço do crédito rotativo e aumento da inadimplência. 3,3 Nas concessões, observa-se o movimento consistente de aceleração do volume ao longo do ano de 2014, em torno de 4 milhões por dia útil. 3,0 A inadimplência passou de 22,7% em janeiro para 26,3% em outubro, em claro movimento de ascensão depois de números bastante favoráveis em E o crescimento do crédito rotativo continua firme, alcançando 14% de crescimento em outubro. Em oposto, o uso do cartão de crédito parcelado vem diminuindo no segundo semestre desse ano. Nota de Crédito PF Página 08

10 ago/11 fev/12 ago/12 ago/11 fev/12 ago/12 Carteira de Cheque Especial a.a. 10% 5% Concessão Cheque Especial R$ Bi 1,5 1,4 1,3 1,2 0% 1,1-5% -5,23% Cheque Especial O saldo do crédito com cheque especial perdeu bastante fôlego no segundo semestre deste ano, passando para o terreno negativo. Em contrapartida, a inadimplência vem crescendo desde meados de 2013, atingindo seu pico desde o inicio da série temporal em As concessões tiveram média de R$ 1,3 bilhões por dia útil em outubro, valor praticamente igual ao observado no mesmo período de Inadimplência Cheque Especial 12,0% 11,0% 10,0% 9,0% 8,0% 7,0% 6,0% 5,0% 4,0% 10,7% A taxa de juros alcançou 187,8% ao ano, maior valor da série histórica e 47,5% acima da média observada em Nota de Crédito PF Página 09

11 jun/08 out/08 fev/09 jun/09 out/09 fev/10 jun/10 out/10 fev/11 fev/12 jan/11 mar/11 mai/11 set/11 nov/11 mar/12 mai/12 set/12 nov/12 mai/14 Carteira de Crédito Imobiliário PF 40% a.a. 35% 50% 30% 45% 25% 40% 20% 35% 10% 30% 27,6% 5% 25% Concessão Crédito Imobiliário R$ Milhões Beneficiários do INSS Trabalhadores setor privado Financiamento imobiliário Servidores públicos Preços dos Imóveis (IVG-R) vs. IPCA a.a. 27% 23% 19% 11% 8,6% 7% 6,6% 3% Preços Imóveis (IVG-R) IPCA Crédito Imobiliário Há a tendência de acomodação em um nível mais baixo, com saldo na casa de 400 bilhões e representando cerca de 70% do total do crédito direcionado aos consumidores. Esse segmento vêm se desacelerando desde meados de A taxa anual de crescimento fechou o mês de outubro na casa de 27%, ante uma média de crescimento de 40% em 2012 e 34,7% em Por outro lado, as concessões vem mostrando melhor desempenho no último trimestre, acima do observado na média do mesmo período no ano anterior. A desaceleração do crédito imobiliário é acompanhada por movimento semelhante na variação dos preços dos imóveis. O Índice de Valores de Garantia de Imóveis Residenciais Financiados (IVG-R), que mede o valor de avaliação pelos bancos no momento da concessão do crédito, reduziu o crescimento anual para um nível próximo a 8%. A taxa de juros teve média de 9,4% a.a. em outubro e a inadimplência atingiu 2,0%, valor igual à média observada nos últimos quatro anos. Nota de Crédito PF Página 10

12 set/11 mar/12 set/12 set/11 mar/12 set/12 set/11 mar/12 set/12 Endividamento das Famílias Comprometimento da Renda % % , , , % 32,5 31,5 30,5 29,5 28,5 27,5 Com o SFN em relação à renda acumulada dos últimos doze meses - % Endividamento sem Crédito Habitacional Com o SFN exceto crédito habitacional em relação à renda acumulada dos últimos doze meses - % 28,5 Com o serviço da dívida com o SFN - Com ajuste sazonal - % Com o serviço da dívida com o SFN exceto crédito habitacional - Com ajuste sazonal - % Endividamento mostra estabilidade em 2014 Considerando o critério de endividamento em relação à renda acumulada nos últimos doze meses, houve estabilidade durante todo o ano de 2014, com endividamento total alcançando 45,9% em setembro. Conjuntamente a esse movimento, o endividamento das famílias excluindo o crédito habitacional vem se reduzindo de forma consistente. Com prazos mais longos e taxas de juros mais baixas, a maior participação do crédito habitacional tem efeito positivo sobre o comprometimento da renda das famílias. Esse fator é melhorado pelos aspectos positivos na evolução da renda. Nota de Crédito PF Página 11

13 Dados de Crédito PF - Outubro de 2014 Variações (%) Carteira de Crédito (R$ bi) 2012¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 16,4% 14,7% ,8% 3,1% 12,2% Total PF 16,8% 16,3% ,3% 3,4% 13,4% Recursos Livres 4,4% 11,3% 772,5 0,7% 1,6% 5,2% Cheque Especial -8,4% -4,8% 23,3-0,8% 0,6% 5,5% Consignado 0,6% 0,5% 248,0 1,4% 3,0% 13,4% Veículos 1,3% -0,1% 183,7-0,1% -0,9% -4,9% Cartão de Crédito 6,0% 6,9% 150,0 1,8% 3,4% 12,2% Recursos Direcionados 11,7% 16,3% 604,7 2,1% 5,7% 26,0% Crédito Rural 4,9% 3,9% 128,2 0,3% 0,4% 18,6% Financiamento Imobiliário 2,7% 2,3% 416,6 2,4% 6,0% 27,6% ¹Valores nos finais de período. Concessão de Crédito por dia útil (R$ bi) 2012¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 25,6% 7,5% 14,36-3,6% 7,7% 5,1% Total PF 20,9% 13,0% 7,76 0,7% 7,7% 13,3% Recursos Livres 17,1% 12,5% 6,75 1,1% 6,7% 12,6% Cheque Especial -4,6% -2,2% 1,26-4,1% 1,6% 1,1% Consignado -16,1% -11,5% 0,75 39,2% 32,9% 36,3% Veículos 10,6% 10,1% 0,38-2,6% 9,7% -0,2% Cartão de Crédito 11,4% 12,5% 3,84-1,6% 3,5% 14,6% Recursos Direcionados 55,9% 16,8% 1,01-1,5% 15,2% 17,6% Crédito Rural 6,1% 64,8% 0,32-9,5% 32,3% 12,5% Financiamento Imobiliário 9,1% 10,9% 0,53-4,5% 1,2% 12,8% ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito PF Página 12

14 Variações (meses) Prazo da Carteira (meses) 2012¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 44,3 49,2 52,8 0,4 0,9 4,8 Recursos Livres 16,2 17,5 17,4 0,1 0,2-0,1 Pessoa Física 18,1 18,9 18,5 0,3 0,3-0,5 Recursos Direcionados 79,2 83,4 86,6 0,3 0,3 4,6 Pessoa Física 129,6 131,4 133,6 0,3 0,6 4,8 Total PF 63,5 70,6 75,2 0,6 1,6 7,3 Variações (meses) Prazo das Concessões (meses) 2012¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 87,5 101,6 99,7-4,9-0,6 4,1 Recursos Livres 38,0 38,5 39,0-0,6 1,2 4,4 Pessoa Física 46,7 48,4 52,2 4,3 4,2 4,2 Recursos Direcionados 147,2 167,2 155,5-9,4-4,5-5,6 Pessoa Física 233,2 244,8 244,9-0,9 1,4 1,8 Total PF 123,0 139,5 148,9 2,6 5,0 12,7 ¹Valores nos finais de período. Variações (p.p.) Taxas de juros (% a.a.) 2012¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 18,0% 19,7% 21,3% 0,3% -0,1% 1,5% Recursos Livres 25,3% 29,0% 32,8% 0,9% 0,5% 3,8% Pessoa Física 33,9% 38,0% 44,0% 1,2% 0,8% 5,5% Recursos Direcionados 7,0% 7,5% 7,9% -0,2% -0,3% 0,5% Pessoa Física 6,8% 7,3% 8,0% 0,1% -0,2% 0,8% Total PF 24,3% 25,6% 28,1% 0,6% -0,1% 1,9% Inadimplência (% da carteira) 2012¹ 2013¹ mês trimestre 12 meses¹ Total 3,7% 3,0% 3,1% 0,0% 0,0% -0,1% Recursos Livres 5,6% 4,7% 4,8% -0,2% -0,1% -0,1% Pessoa Física 8,0% 6,7% 6,4% -0,2% -0,2% -0,4% Recursos Direcionados 1,1% 0,9% 1,0% 0,1% 0,0% 0,0% Pessoa Física 1,9% 1,6% 1,7% 0,1% -0,1% 0,0% Total PF 5,6% 4,4% 4,4% 0,0% 0,0% -0,3% ¹Valores nos finais de período. Nota de Crédito PF Página 13

15 Assessoria Econômica Av. Paulista, 949 6º andar Cerqueira César CEP: São Paulo SP Telefone: (5511) Fax: (5511)

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A B R I L, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 27 de maio de 2016 Crédito imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões em abril

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 Fonte: Bacen 27/01/2009 DESTAQUES DE DEZEMBRO / 2008 As operações de crédito no SFN, incluindo recursos livres e direcionados, finalizaram o ano com um incremento

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Mudanças nos Preços Relativos

Mudanças nos Preços Relativos Mudanças nos Preços Relativos Tabela 1 Variação acumulada do IPCA: eiro/ junho/ Discriminação Brasil Belém 1/ Nordeste Sudeste Sul Centro- Gráfico 1 - Alteração no peso do IPCA por segmento de consumo:

Leia mais

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 70 Julho

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Endividamento recua em dezembro

Endividamento recua em dezembro Endividamento recua em dezembro Em dezembro de 2011, o número de famílias que declarou possuir dívidas diminui pelo sétimo mês consecutivo permanecendo, no entanto, acima do patamar observado ao final

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Carta Mensal Novembro 2015

Carta Mensal Novembro 2015 Canvas Classic FIC FIM (nova razão social do Peninsula Hedge FIC FIM) Ao longo de novembro, a divergência na direção da política monetária conduzida pelos dois mais relevantes bancos centrais do mundo

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros?

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? José Luís Oreiro * O Banco Central do Brasil iniciou o recente ciclo de flexibilização da política

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN MARÇO/ 2009 Fonte: Bacen 23/04/2009 DESTAQUES DE MARÇO/ 2009 O estoque total de crédito contratado no SFN totalizou R$ 1,23 trilhões em Março. Esse montante representou uma

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Esgotamento do Funding Tradicional?

Esgotamento do Funding Tradicional? Esgotamento do Funding Tradicional? Novos instrumentos vão vigorar no curto prazo? Gueitiro Matsuo Genso 12ª Conferência Internacional da LARES São Paulo 19 a 21 de setembro, 2012 Agenda Relevância no

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 Data: 27/02/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS 1 Trimestre RESULTADOS OBTIDOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 12 dezembro de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção termina ano com queda intensa A indústria da construção encerrou com queda intensa e

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

16 a 31 de dezembro de 2014

16 a 31 de dezembro de 2014 16 a 31 de dezembro de 2014 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ 2.014 Acumulado janeiro a novembro/2014 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados

Leia mais

Dados de Crédito agosto

Dados de Crédito agosto 29/09/09 Dados de Crédito agosto O Banco Central divulgou relatório de política monetária e crédito referente ao mês de agosto. O crédito com recursos livres teve aumento real de 6, nos últimos 12 meses.

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo SINDSAÚDE-SP 17/10/2008 COMPORTAMENTO DOS PREÇOS No período 2001-2008, presenciamos

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo ARTIGOS GPEARI-MFAP Abril, ART/ Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e Clara Synek * Resumo O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso

Leia mais

RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015

RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015 RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2015 de 8/09/2015 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos e financiamentos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando

Leia mais

2 trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A.

2 trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A. 2 trimestre de 2011 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. Itaú Unibanco Índice Análise Gerencial da Operação 1 Demonstrações Contábeis Completas 55

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CAMPO GRANDE - MS MARÇO/2016 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

Quebras de Produção Intensificam-se

Quebras de Produção Intensificam-se Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 7 Número 3 março de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Condições financeiras pioram no primeiro trimestre A indústria da construção tem sido fortemente impactada pela atual

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

BRASIL: o fim de um modelo ou um ajuste cíclico? MAIO 2013

BRASIL: o fim de um modelo ou um ajuste cíclico? MAIO 2013 BRASIL: o fim de um modelo ou um ajuste cíclico? MAIO 2013 Novo padrão de consumo Mar 00 Sep 00 Mar 01 Sep 01 Mar 02 Sep 02 Mar 03 Sep 03 Mar 04 Sep 04 Mar 05 Sep 05 Mar 06 Sep 06 Mar 07 Sep 07 Mar 08

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores. Contas Externas. Janeiro de 2012

Diretoria de Política Econômica Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores. Contas Externas. Janeiro de 2012 Diretoria de Política Econômica Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Contas Externas Janeiro de 212 S é r i e Perguntas mais Freqüentes Contas Externas Este texto integra a série Perguntas

Leia mais

PRINCIPAIS INDICADORES FINANCEIROS E OPERACIONAIS

PRINCIPAIS INDICADORES FINANCEIROS E OPERACIONAIS Resultados positivos, apesar do período adverso Receita Líquida de R$ 194 milhões EBITDA Ajustado de R$ 143 milhões (Margem de 73,5%) Lucro Líquido Ajustado de R$ 102 milhões (Margem de 52,6%) Rio de Janeiro,

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015

PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PISO SALARIAL DO MAGISTÉRIO E REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 17 DE ABRIL DE 2015 POLÍTICA REMUNERATÓRIA 1. PISO DO MAGISTÉRIO 1.1. Reajuste de 31,78% no vencimento

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

1 a 15 de janeiro de 2015

1 a 15 de janeiro de 2015 1 a 15 de janeiro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Caixa reduz juros em até 21% para crédito imobiliário

Caixa reduz juros em até 21% para crédito imobiliário Caixa reduz juros em até 21% para crédito imobiliário Em mais uma investida do governo Dilma Rousseff para reduzir os juros cobrados pelos bancos no país, a Caixa Econômica Federal diminuiu em até 21%

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Outubro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FIC REF DI LP EMPRESA 04.044.634/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FIC REF DI LP EMPRESA 04.044.634/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB 21 Outubro 2015 1. Apresentação Diversos fatores têm impactado o crescimento econômico do Brasil desde 2014. A mudança nos preços das

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 11-0 de julho de 015 Melhora da composição da carteira de crédito e desalavancagem das famílias deverão conter a alta da inadimplência Ellen Regina Steter Departamento

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 03/2013 A década virtuosa: pobreza e desigualdade

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio o emprego industrial ficou praticamente estável frente ao mês

COMENTÁRIOS. Em maio o emprego industrial ficou praticamente estável frente ao mês COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio o emprego industrial ficou praticamente estável frente ao mês imediatamente anterior (-0,1%), na série livre de influências sazonais, após recuo de 0,3%

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Nota Técnica: O Custo Público com Reprovação e Abandono Escolar na Educação Básica Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do FGV/IBRE Fevereiro

Leia mais

Sondagem do Setor de Serviços

Sondagem do Setor de Serviços Sondagem do Setor de Serviços % Setor 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Agropecuária 5,9 4,9 4,7 4,8 5,0 5,2 Indústria 25,8 25,1 24,7 23,9 23,3 21,8 Serviços 54,1 55,8 56,5 57,3 56,8 58,9 Impostos líquidos

Leia mais

A Vigor Alimentos S.A. divulga os resultados do 3T13

A Vigor Alimentos S.A. divulga os resultados do 3T13 A Vigor Alimentos S.A. divulga os resultados do 3T13 São Paulo, 12 de novembro de 2013 - A Vigor Alimentos S.A. (BM&FBovespa: VIGR3) anuncia hoje os resultados do terceiro trimestre de 2013 (3T13). As

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2012 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

Bem-estar, desigualdade e pobreza

Bem-estar, desigualdade e pobreza 97 Rafael Guerreiro Osório Desigualdade e Pobreza Bem-estar, desigualdade e pobreza em 12 países da América Latina Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, México, Paraguai, Peru,

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 22 de Maio de 2014

Análise de Custo do Crédito 22 de Maio de 2014 Análise de Custo do Crédito 22 de Maio de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Educação Financeira no Brasil - abertura

Educação Financeira no Brasil - abertura Educação Financeira no Brasil - abertura Investimentos Fevereiro 2014 Pesquisa do SPC Brasil traça perfil dos brasileiros em relação a investimento; maioria prefere consumir a poupar. O brasileiro não

Leia mais

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 2,65% NO MÊS DE MARÇO

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 2,65% NO MÊS DE MARÇO ANO 20 Nº 209 ABRIL/2016 Publicação Mensal do Centro de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis - CEPEAC Guilherme Mondin dos Santos (Estagiário CEPEAC/UPF);

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Março de 2015 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015 José Aguiar Superintendente Abecip São Paulo, 29 de Outubro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento Crédito imobiliário: situação atual E o funding?

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia 1 DE 28 1 Crédito Imobiliário no Brasil Crescimento contínuo e sustentável nos últimos anos, aumento

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS José Aguiar Superintendente - Abecip Rio de Janeiro, 18 de Setembro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento

Leia mais

André Urani (aurani@iets.inf.br)

André Urani (aurani@iets.inf.br) Um diagnóstico socioeconômico do Estado de a partir de uma leitura dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (1992-4) André Urani (aurani@iets.inf.br) Maceió, dezembro de 5 Introdução

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

A política comercial no período 2005-2010:

A política comercial no período 2005-2010: A política comercial no período 2005-2010: contribuições para o desempenho exportador? Julho de 2010 Estrutura 1. Quando foi o boom exportador? 2. Política comercial pós-boom: - política de proteção (tarifas

Leia mais

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente ANÁLISE E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O SEMIÁRIDO E LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE No monitoramento das chuvas que ocorrem sobre o Estado do Rio Grande do Norte é observado que durante o mês de Janeiro

Leia mais