Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016"

Transcrição

1 Nota de Crédito Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016

2 Sumário Executivo Índices de confiança menos desfavoráveis para o empresariado e para as famílias ainda não são refletidos na atividade real e, consequentemente, na dinâmica do mercado de crédito. Após a redução em junho, a taxa de inadimplência voltou a se elevar, retomando a tendência de alta. Segundo o Banco Central, a queda observada teria sido motivada, principalmente, pela influência relevante das reestruturações de dívidas que vêm crescendo fortemente. Assim, a elevação moderada na inadimplência é favorecida pelo aumento dessas operações. Em julho, a carteira de crédito do SFN atingiu R$ 3,1 trilhões, mostrando expansão de 0,2% a.a. Na comparação mensal, ocorreu o segundo decréscimo consecutivo (-0,4%). Considerando-se o perfil do tomador dos empréstimos, observa-se o pior desempenho na carteira para pessoas jurídicas (PJ), com -3,4% a.a. em julho. Ainda que com fraca desaceleração, os empréstimos para pessoas físicas (PF) mantêm crescimento positivo em termos nominais (4,2% a.a). Enquanto as operações com recursos livres (RL) decrescem a um ritmo de -2, a.a., o saldo do crédito com recursos direcionados (RD) mostra alta de 3, a.a.. Representando 21,8% do crédito PJ, as operações de capital de giro fundamentais para o funcionamento das empresas mostram queda anualizada de 10,2%, desacelerando 9,1 p.p. apenas nesse ano. Apesar da forte desaceleração ao longo do ano, a modalidade com maior participação na carteira PF, o financiamento imobiliário (34, do total),ainda cresce 9,3% a.a.. No âmbito das participações no crédito por tipo de controle, observa-se na margem incremento das públicas (de 55,3% para 56,7%), resultado da performance decepcionante da carteira das instituições privadas. Com exceção das estrangeiras, a inadimplência apresentou relativos acréscimos no ano tanto para as públicas (2,8%) como para as nacionais (5,), 0,1 p.p. e 0,4 p.p., na ordem. A dinâmica atual do crédito reflete a adaptação dos agentes econômicos ao cenário recessivo, motivado em parte pelo crescimento excessivo do endividamento do setor privado. Com o desaquecimento da economia, juros mais elevados, forte elevação dos preços administrados e desvalorização cambial há maior comprometimento do fluxo de caixa e acumulação de prejuízos pelas empresas. Fenômeno semelhante ocorre com as famílias, com o maior comprometimento da renda em um cenário de elevação da taxa de desemprego e inflação elevada. Consequentemente, a conjugação desses fatores tem implicações diretas na oferta e demanda por crédito, como sinalizada na pesquisa conjuntural do Banco Central junto às instituições financeiras.

3 Crédito do SFN Var % em 12 meses Composição , 53, 48,7% 51,3% 1 3, 0,2% -2, - RL RD Total Julho ,1% Julho 2015 Var % em 12 meses 49,9% Julho ,4% -1,3% - Pessoa Fisíca Pessoa Jurídica Desalavancagem O ambiente macroeconômico adverso tem impacto inequívoco na evolução do mercado de crédito, particularmente no processo de desalavancagem vivenciado pelas famílias e empresas. Em julho, a carteira de crédito do SFN atingiu R$ 3,1 trilhões, mostrando elevação de apenas 0,2% a.a., com desaceleração em 2016 de 6,5 p.p.. Em termos mensais, houve pela segunda vez consecutiva variação negativa (-0,4%). Enquanto as operações com recursos livres (RL) decrescem a um ritmo de 2, a.a., o saldo do crédito com recursos direcionados (RD) mostra alta de 3, a.a.. Assim, ainda que mantenha desaceleração, esse maior dinamismo dos RD confere aumento da participação dessas operações no saldo total dos empréstimos. Verifica-se que tal comportamento é influenciado pela carteira de pessoas físicas (PF), fundamentalmente pela modalidade Financiamento Imobiliário. Representando 33,4% da carteira de RD (71,2% da PF com RD), essa modalidade apresenta desempenho positivo de (9,3% a.a.), embora com tendência de desaceleração. Nota de Crédito Página 01

4 14 - Concessões por dia útil Média móvel seis meses (R$ Bilhões) 4 Crescimento das Concessões* Var % em 12 meses *Acumuladas em 12 meses 12 12, ,8 6 5,2 4-5,6% -1-7,7% -22, -3 jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 PJ PF Total RL RD Total - Concessões por dia útil Média móvel seis meses (R$ Bilhões) 2,3 2,1 1,9 1,7 1,5 1,3 1,4 1,1 0,9 0,7 0,7 0,5 Concessões sem sinais de recuperação O cenário de deterioração das condições de crédito é refletido nas condições de oferta e demanda por crédito. A análise da média móvel de seis meses das concessões de crédito por dia útil não sinaliza recuperação. Com maior representatividade, a série dos empréstimos com RL mostra declínio de 7,7% em 12 meses e mensal de 0,6%. A perda de dinamismo é mais acentuada nas concessões com RD, com queda de -20,7%% em 12 meses, notadamente para o segmento PJ. A taxa de variação das concessões acumuladas em 12 meses segue trajetória declinante, saindo de -6,8% a.a. em junho para -7,7% em julho. Na abertura por fonte de recursos, a deterioração é semelhante, com pior comportamento nos empréstimos com RD que mostraram decréscimo de 22, a.a.. PJ PF Total Nota de Crédito Página 02

5 Atrasos Média Móvel seis meses % 6% 4% 3% Inadimplência 4,1% 3,6% 3, 4,7% 4,3% 4,1% 4,4% 4,3% 4,7% 2% 1% 2, 2,8% 2,9% 3,2% PJ PF Total Inadimplência RD Inadimplência em alta A taxa de inadimplência atrasos acima de 90 dias voltou a mostrar sua trajetória de crescimento, após apresentar significativa retração em junho. Restabelecendo-se dessa forma a tendência de alta verificada a partir de meados de 2015, principalmente para o indicador relacionado às operações com recursos livres. Em julho o indicador mostrou acréscimos de 0,1 p.p. para o total e para PF, fechando em 3,6% e 4,1%, na ordem. O movimento é semelhante na verificação para RD e RL. Deve-se ressaltar que o nível de inadimplência encontra-se subestimado pela venda de créditos de má qualidade para fora do SFN e pelo aumento persistente das renegociações das dívidas. A probabilidade é de que no futuro o índice seja impactado pelo comportamento das renegociações. A série com a média móvel de seis meses dos atrasos indicou aumento de 0,7 p.p. em relação ao mesmo período do ano anterior, com alta de 0,1 p.p. na margem para 4,. Na mesma base comparativa, para empréstimos com RD a alta foi de 1,1 p.p. e de 0,1 p.p. para 4,3%. Já os com RL observou-se elevação de 0,4 p.p. e estabilidade na margem para 4,7%. Considerando-se o tipo de tomador do crédito, PF e PJ mostram acréscimos em 12 meses de 0,6 p.p. e 0,7 p.p. para 6,1% e 3,, respectivamente. RL 8% 7% 6% 4% 3% 2% 1% 3% 2% 1% PJ PF Total Inadimplência PJ PF Total Nota de Crédito Página 03

6 Taxa de Captação SFN Taxa de Aplicação SFN 16% (% a.a.) 6 (% a.a.) 14% 12% 1 8% 6% 12,3% 9,8% 7,1% ,7% 33, 4% 2% 1 11, jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 Total RL RD jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 Total RL RD Spread SFN (% a.a.) 40,4% 23,2% Elevação dos Spreads A taxa média de juros das operações de crédito apresentou nova alta mensal (0,4 p.p.), acumulando no ano um aumento de 3,2 p.p. para 33, a.a.. Os acréscimos aconteceram independentemente da classificação, quer seja por segmento ou por tipo de tomador dos empréstimos. Na margem, a ampliação para operações com RL foi de 0,5 p.p. para 52,7% a.a.. Para PF com RL, observa-se acréscimo mais acentuado de 8,2 p.p. em 2016, fechando julho em 71,9% a.a.. Levando-se em consideração o custo de captação das instituições, verificam-se recuos de 1,4 p.p. no ano e de 0,1p.p. na margem, para 9,8% a.a.. 4,4% - jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 Compatível com o cenário de maior risco, o spread médio apresentou aumento de 22,7% em junho para 23,2% em julho. Nas operações com recursos livres, esse aumento deve-se principalmente às operações concedidas às pessoas físicas sem garantias (cheque especial, crédito pessoal sem consignação e cartão de crédito rotativo) que mostraram em 2016 alta de 11,2 p.p. no ano para 59,2%. Total RL RD Nota de Crédito Página 04

7 Prazos Totais (Meses) Prazos da Carteira (Meses) Prazos das Concessões (Meses) Concessões Carteira RD RL RD RL O prazo total da carteira manteve-se estável em 50 meses pelo terceiro mês consecutivo. Na segmentação por tipo de tomador, o comportamento é semelhante, tanto PF como PJ permaneceram estáveis, respectivamente em 64 e 38. Na análise da segmentação por fonte de recursos, o prazo para RL permaneceu em 18 meses, e o para RD observou-se aumento de um mês para 77 meses. Já o prazo total das concessões mostrou dilatação de três meses para 113 e arrefecendo-se em seis no ano. Tanto os prazos para pessoa física como para pessoa jurídica apresentaram altas. O maior acréscimo na margem é observado no prazo das concessões com RL que saiu de 38 meses para 42. Para o direcionados destaca-se a queda de 13 meses no ano para 170. Nota de Crédito Página 05

8 Controle de Capital das Instituições (Participação no SFN %) Comportamento da carteira por tipo de controle 42,1% 57,9% 45,6% 54,4% 50, 49, 53,1% 46,9% 55,3% 44,7% 56,7% 43,3% Ainda que apresente crescimento de 2,8% a.a., o ritmo de expansão das operações das instituições financeiras públicas está se reduzindo, encontrando-se no menor patamar da série. As demais instituições (nacionais + estrangeiras), privadas, apresentaram queda de 3, em relação ao saldo de julho de 2015, mantendo-se pelo quinto mês consecutivo em patamar negativo. Com isso, houve em doze meses incremento da participação das públicas de 55,3% para 56,7%. Em 2016, a taxa de inadimplência caiu 0,1 p.p nas instituições estrangeiras. As públicas e as com controle nacional apresentam alta de 0,1 p.p. e 0,4 p.p., respectivamente. Com relação ao mesmo mês do ano anterior, houve aumento do indicador nas três categorias, sendo mais intenso nas de controle nacional que mostraram alta de 0,8 p.p. para 5, em julho. Públicas Privadas* Carteira do Crédito por Controle (Var % em 12 meses / Valores Nominais) 7, Inadimplência por Controle ,8% -3, 6, 5, 5, 4, 3,4% 3, 2,8% 2, 1, 0, Públicas Privadas* Públicas Nacionais Estrangeiras * Soma das carteiras: privadas nacionais + privadas estrangeiras Nota de Crédito Página 06

9 Evolução Participações , 17,1% 17,1% 11,4% 13,8% R$ 615,1 R$ 540,5 R$ 485,1 R$ 414,1 R$ 353,6 R$ 300,9 R$ 587,7 jul/10 Valores Nominais - Bilhões Variação 12 meses -4, 20, 15, 10, 5, 0, -5, -10, 95,7% Finan. Investimento Finan. Agroindustrial 2, 2,3% Capital de giro Julho ,1% Finan. Investimento Finan. Agroindustrial 2,2% 2,7% Capital de giro Julho Concessões por dia útil Média móvel seis meses - R$ Milhões RD: Carteira BNDES Apesar da forte desaceleração, a carteira do BNDES continua sendo a mais representativa dos empréstimos direcionados (responsável por 37,6% do total para RD). Julho foi o quinto mês consecutivo com taxa de crescimento anual negativa (- 4, a.a.) O principal responsável por esse desempenho é a modalidade financiamento ao investimento (95,1% do total BNDES) que em julho mostrou um decréscimo de 5, em relação ao saldo do mesmo período de O desempenho negativo reflete o cenário econômico desfavorável, a menor confiança dos empresários em investir e as piores condições para a oferta para esses recursos. A média móvel seis meses das concessões por dia útil da carteira evidencia forte desaceleração, com recuo de 42,4% em 12 meses. A tendência é mais pronunciada nas concessões para financiamento ao investimento que mostra deterioração de 50,8% a.a.. Nota de Crédito Página 07

10 Evolução Var % em 12 meses Participações 6 5 à PF 70,6% à PF 71,2% 4 3 Total 31, Total 33,4% 2 1 jul/08 jul/09 jul/ Concessões por dia útil Média móvel seis meses - R$ Milhões 300 9,3% 331 Total SFN para PF Total SFN 15,3% 32, Julho 2015 RD: Crédito Imobiliário PF Total SFN Total SFN para PF 16,7% 34, Julho 2016 O crédito imobiliário à pessoa física (R$ 521,0 bi), a segunda modalidade em participação da carteira com recursos direcionados (33,4% do total direcionado) também apresenta desaceleração em sua taxa de expansão. Com perda de 12,7 p.p. no ritmo de variação anual, registrou em julho crescimento de 9,3% a.a.. Porém, mesmo com menor dinamismo, essas operações têm papel fundamental para que o saldo de crédito total do SFN tenha crescimento positivo em termos anualizados. O fluxo mensal das concessões por dia útil mostra queda anual de 15,3% em julho. Considerando-se a série da média móvel de seis meses das concessões por dia útil observa-se também uma tendência decrescente, embora na margem tenha ocorrido uma relativa alta (3,2%). Em julho, a taxa de inadimplência da carteira foi de 1,7%, recuando 0,3 p.p. no ano, permanecendo estável na margem. Nota de Crédito Página 08

11 Concessões por dia útil Média móvel seis meses - R$ Milhões Composição +365 dias dias Teto rotativo 12,2% 7,8% ,1% ,8% 9,1% Julho/ ,1% 6% Inadimplência Julho/2015 5, 4% 3% 2% RL: Capital de Giro PJ Representando 45,7% dos recursos livres PJ, as operações para financiamento capital de giro foram de R$ 345,0 bilhões. Houve em 2016, desaceleração de 9,1 p.p. no ritmo de variação da carteira, de modo que em julho a taxa anualizada foi de -10,2%. Os empréstimos com prazo maior 365 dias com 80,1% do total dessa carteira mostrou ritmo de queda de -6,7% a.a.. A série da média móvel de seis meses das concessões por dia útil prossegue com tendência declinante, acumulando perda de 29,1% em 12 meses. A inadimplência da carteira indica tendência de alta, com aumento de 0,8 p.p. durante o ano de 2016, fechando julho em 5, Contudo, vale sublinhar que apresenta decréscimo pelo segundo mês consecutivo. Nota de Crédito Página 09

12 Crescimento da Carteira Livre (Var % em 12 meses ) Inadimplência % 15,7% % 8% 8,3% 0,6% -2, - 4% jul/11 jul/12 jul/13 jul/14 jul/15 jul/16 PF Total Cartão de Crédito Cheque Especial Concessões por dia útil Média móvel seis meses - R$ Bilhões RL: Crédito rotativo e não rotativo PF ,5 Com desempenho decepcionante, a carteira de crédito com recursos livres (49,9% do SFN) apresenta ritmo negativo em termos anualizados pelo terceiro mês consecutivo. A principal modalidade do segmento livre para PF 39,7% do total livre o crédito não rotativo mostra comportamento semelhante fechando o mês com variação de -0,7% a.a. ante 3,6% a.a. em julho de Em contraste, a linha rotativa 11,7% dos RL apresenta crescimento de 5,1% a.a.. Esse movimento de maior participação gera preocupação, pois agrega linhas de crédito de maior risco e custo para os tomadores (cheque especial, cartão de crédito a vista e rotativo). 3 Rotativo Na análise da inadimplência nestas linhas, observa-se evolução do indicador para a modalidade cartão de crédito, com ganho de 0,9 p.p. em 12 meses para 8,3% em julho. Apesar da alta anual de 0,8 p.p. para o cheque especial (15,7%), verifica-se arrefecimento no ano, diferentemente do movimento observado para o cartão de crédito. Nota de Crédito Página 10

13 Saldo Crédito Pessoal R$ Bilhões Carteira de Crédito Consignado (Participação no Crédito Pessoal) Concessões por dia útil Média móvel seis meses - R$ Milhões 72,9% R$ 374,3 R$ 390,8 R$ 341,4 R$ 305,9 R$ 264,4 R$ 223,3 R$ 184,4 jul/10 jul/ Servidores públicos R$ 19,4 Bilhões R$ 164,5 Bilhões 61,3% 7,2% R$ 84,6 Bilhões 31, Modalidades Trabalhadores setor privado Beneficiários do INSS 60,1% 6,4% R$ 171,2 Bilhões R$ 95,4 Bilhões 33, R$ 18,1 Bilhões RL: Crédito Consignado PF Mesmo com desaceleração, as operações de crédito consignado continuam ganhando representatividade na carteira de crédito pessoal (R$ 390,8 bilhões). Em julho mostraram acréscimo de 6, a.a. ante 11, a.a. verificado no mesmo período do ano anterior. Porém, a média móvel seis meses das concessões por dia útil dessa linha indica, a partir de março de 2016, alguma recuperação. Pelo fato de que 96,3% desses empréstimos serem para aposentados e servidores públicos, a modalidade é menos sensível à conjuntura econômica, particularmente aos indicadores de emprego. Assim, a inadimplência da carteira permanece estável em cerca de 2%. Julho/2015 Julho/2016 Nota de Crédito Página 11

14 Evolução Inadimplência (Var % em 12 meses) 8% 7% ,6% -2 Concessões por dia útil Média móvel seis meses - R$ Milhões R$ 6% 4% 3% RL: Veículos PF Em julho, o saldo das operações de crédito voltadas à aquisição de veículos (R$ 147,8 bi) continuou se reduzindo, com declínio anual de 13,6%. A série da média móvel de seis meses das concessões por dia útil segue em queda. Entretanto há possibilidade de reversão na curva, pois observa-se elevações nos últimos quatro meses. A inadimplência da carteira manteve-se estável na margem, contudo no ano elevou-se em 0,4 p.p. para 4,6%. Essas condições refletem a sensibilidade da modalidade às condições da economia. 4,6% Nota de Crédito Página 12

15 PRINCIPAIS INDICADORES Carteira de Crédito (R$ bilhões) Concessão de Crédito por dia útil (R$ bilhões) Inadimplência (% da Carteira) jul/16 jun/16 Var. mês jul/15 Var. 12 m Part. (%)* jul/16 jun/16 Var. mês jul/15 Var. 12 m jul/16 jun/16 Var. mês (p.p.) jul/15 Var. 12 m (p.p.) Total 3.115, ,3-0,4% 3.109,6 0,2% 12,62 13,55-6,9% 13,16-4,1% 3,6% 3, 0,10 3, 0,60 Total PF 1.530, ,2 0,1% 1.468,7 4,2% 49,1% 7,34 7,42-1,1% 7,11 3,3% 4,1% 4, 0,10 3,8% 0,30 798,5 799,3-0,1% 793,8 0,6% 25,6% 6,69 6,58 1,6% 6,32 5,9% 6,2% 6,2% 0,00 5,4% 0,80 Cheque especial 25,3 26,1-3,2% 26,9-6,3% 1,6% 1,37 1,38-0,8% 1,34 2, 15,7% 14,7% 0,99 14,9% 0,76 Consignado 284,7 283,6 0,4% 268,5 6, 18,3% 0,50 0,51-1,1% 0,49 2,9% 2,2% 2,2% 0,00 2,3% -0,10 Veículos 147,8 149,0-0,9% 171,0-13,6% 9, 0,28 0,27 4,2% 0,30-8,3% 4,6% 4,6% 0,00 3,9% 0,70 Cartão de crédito 168,5 168,0 0,3% 159,1 5,9% 10,8% 4,13 3,98 3,7% 3,73 10,6% 8,4% 8,3% 0,04 7, 0,87 731,6 729,9 0,2% 674,9 8,4% 23, 0,65 0,84-22,3% 0,79-17,3% 1,8% 1,7% 0,10 1,8% 0,00 Crédito rural 156,8 159,4-1,7% 145,4 7,8% 10, 0,24 0,41-40,7% 0,32-24, 2, 1,9% 0,10 1,4% 0,60 Financiamento imobiliário 521,0 516,8 0,8% 476,7 9,3% 33,4% 0,33 0,34-3,1% 0,39-15,3% 1,7% 1,7% 0,00 1,9% -0,20 Total PJ 1.585, ,0-0,9% 1.640,9-3,4% 50,9% 5,28 6,13-14, 6,06-12,9% 3, 3, 0,00 2,4% 0,60 755,3 769,5-1,8% 800,0-5,6% 24,2% 4,57 5,25-13,1% 5,25-13,1% 5,2% 5,1% 0,10 4,1% 1,10 Capital de giro 345,0 350,7-1,6% 384,0-10,2% 22,2% 0,63 0,80-22,3% 0,87-28, 5,4% 5, -0,10 4,6% 0,80 Conta garantida 36,6 37,0-1,1% 44,1-17, 2,4% 0,89 0,89 0,1% 0,94-5,3% 3,6% 3,2% 0,40 2,7% 0,90 Aquisição de bens 22,3 22,5-0,8% 25,8-13,6% 1,4% 0,05 0,05 3,1% 0,06-6, 5, 5,2% -0,17 4,1% 0,91 ACC 68,0 69,1-1, 64,9 4,8% 4,4% 0,38 0,41-6,3% 0,43-10, 1,2% 1,3% -0,10 1, 0,20 Financiamento às exportações 65,3 65,3 0,1% 64,5 1,2% 0,2% 0,07 0,18-58,1% 0,11-33,6% 1,1% 0,7% 0,40 0,7% 0,40 830,2 830,5 0, 840,9-1,3% 26,6% 0,71 0,88-19,1% 0,80-11,2% 1,1% 1,1% 0,00 0,7% 0,40 Crédito rural 77,1 77,6-0, 71,9 7,2% 4,9% 0,20 0,36-45, 0,19 1,8% 0,8% 0,8% 0,00 0,8% 0,00 Financiamento imobiliário 72,5 72,8-0, 70,3 3,1% 4,6% 0,09 0,13-29, 0,09 3,9% 1,3% 1,3% 0,00 0,7% 0,60 BNDES 587,7 588,9-0,2% 615,1-4, 37,6% 0,34 0,31 10,2% 0,34-0,4% 1,1% 1,1% 0,00 0,7% 0,40 *Participações dos totais das carteiras por cliente (PF e PJ) e por categoria ( e ) em relação ao total do SFN. Participações dos produtos em relação aos totais das carteiras por categoria ( e ). Nota de Crédito Página 13

16 PROJEÇÕES DO CRÉDITO Variáveis do Setor Bancário Efetivo Projeções 2014¹ 2015¹ jul/ Operações de Crédito da Carteira Total do SFN 11,3% 6,7% 0,2% 0, 4,6% 3,8% -2, -1, 19,6% 9,8% 3, 2,6% Operações de Crédito para Pessoas Físicas 13,3% 7, 4,2% 2, 5, 2,7% 0,6% -0,6% 25, 12,3% 8,4% 4,9% Operações de Crédito para Pessoas Jurídicas 9, 6,3% -3,4% -0,8% 3,8% 4,9% -5,6% -2,4% 15,7% 7,8% -1,3% 0,7% Variações anuais nos finais de período. Nota de Crédito Página 14

17 Assessoria Econômica Av. Paulista, 949 6º andar Bela Vista CEP: São Paulo SP Telefone: (5511) Fax: (5511)

Elevação na taxa de juros média

Elevação na taxa de juros média Elevação na taxa de juros média Carteira de Crédito no SFN Apesar da projeção de um crescimento nominal de 2,0% em 2017 pelo Banco Central, o ritmo de queda do estoque de crédito intensificou-se em janeiro.

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira de Crédito no SFN Em 2016, o mercado de crédito fechou com retração de 3,5%. Esta performance frustrante reflete o processo de desalavancagem das famílias e

Leia mais

Nota de Crédito. Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017

Nota de Crédito. Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017 Nota de Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017 Sumário Executivo Em abril, houve deterioração nos indicadores de Confiança do Consumidor (FGV) e de Demanda do Consumidor e das Empresas por (Serasa

Leia mais

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO 1 NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO TABELA RESUMO ANÁLISE DO ESTOQUE TOTAL DO CRÉDITO vs. CONCESSÃO (MÉDIA DIÁRIA DESSAZ) Estoque (em R$ milhões) Estoque (em R$ bilhões) Variação no mês dessaz (%) YDT (%) Var.

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

ESTATÍSTICAS DE LETRAS FINANCEIRAS

ESTATÍSTICAS DE LETRAS FINANCEIRAS Estoque & Emissões O relatório anual do Banco Central acerca da evolução do mercado de Letras Financeiras (LF) apontou de forma inédita, no ano de 2016, uma variação anual negativa de 3,5%, com o estoque

Leia mais

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio)

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio) 11 12 13 14 15 16 jan/02 ago/02 mar/03 out/03 mai/04 dez/04 jul/05 fev/06 set/06 abr/07 nov/07 jun/08 jan/09 ago/09 mar/ out/ mai/11 dez/11 jul/12 fev/13 set/13 abr/14 nov/14 ECONOMIA 25 de junho de 15

Leia mais

Endividamento das Grandes Empresas. Fonte: Nota do Centro de Estudos do Instituto IBMEC (CEMEC), Agosto/2016

Endividamento das Grandes Empresas. Fonte: Nota do Centro de Estudos do Instituto IBMEC (CEMEC), Agosto/2016 Endividamento das Grandes Empresas Fonte: Nota do Centro de Estudos do Instituto IBMEC (CEMEC), Agosto/2016 Sumário A partir de dados das demonstrações contábeis de uma amostra de 605 empresas não financeiras

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002 CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 22 Os últimos dados sobre a evolução do crédito no Brasil mostram que o crédito no país continua caro, escasso e de prazo reduzido.

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016

O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 O perfil do endividamento das famílias brasileiras em 2016 A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor mostra que em 2016 houve redução de 3,9% no número médio de famílias com dívidas, com

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Setembro/2016

Relatório de Estabilidade Financeira. Setembro/2016 Relatório de Estabilidade Financeira Setembro/2016 1 Relatório de Estabilidade Financeira O Relatório de Estabilidade Financeira (REF) é uma publicação semestral do Banco Central do Brasil (BCB) destinada

Leia mais

Volume Total de Crédito

Volume Total de Crédito Parte I Volume de Crédito A) Recursos Livres e Recursos Direcionados Período R$ milhões Variação % Junho2005 535.594 Junho2015 3.102.172 490,2% Volume Total de Crédito 4.000.000 2.000.000 R$ milhões B)

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016

SONDAGEM INDUSTRIAL EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016 SONDAGEM INDUSTRIAL ANO 16 #12 DEZ 2015 EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016 No encerramento de 2015 os indicadores da sondagem industrial mostraram que a atividade encerrou o ano em queda

Leia mais

Fotografia dos Bancos Médios e Pequenos. IF Data, Junho de 2015 Banco Central do Brasil

Fotografia dos Bancos Médios e Pequenos. IF Data, Junho de 2015 Banco Central do Brasil Fotografia dos Bancos Médios e Pequenos IF Data, Junho de 2015 Banco Central do Brasil Conteúdo Sumário Executivo Organização do SFN Sistema bancário Bancos médios e pequenos Números consolidados Perfil

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Junho de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Sumário do Resultado 4T16

Sumário do Resultado 4T16 Sumário do Resultado Lucro Líquido Ajustado de R$ 7,2 bilhões O Banco do Brasil registrou Lucro Líquido Ajustado de R$ 7,2 bilhões em 2016, impactado principalmente pelo aumento da despesa de provisão.

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 31 de agosto de 2017 Crédito imobiliário atinge R$ 4,24 bilhões em

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim 1º Semestre 2016 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação Resumo * A produção industrial voltou a registrar fraco desempenho em junho. * Com o resultado de junho, completam-se quatorze meses

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento

Leia mais

Relatório de Crédito 01 de setembro de 2015 Deterioração da confiança deverá levar a crescimento da carteira mais modesto em 2016

Relatório de Crédito 01 de setembro de 2015 Deterioração da confiança deverá levar a crescimento da carteira mais modesto em 2016 211 212 213 214 215 216 Relatório de Crédito 1 de setembro de 215 Deterioração da confiança deverá levar a crescimento da carteira mais modesto em 216 Everton Gomes everton.gomes@santander.com.br A taxa

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 6 Junho de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Cenário negativo se amplia O cenário adverso para as empresas da indústria da construção persiste em junho, com impactos

Leia mais

Coletiva de Imprensa

Coletiva de Imprensa Coletiva de Imprensa ABECIP 1º Semestre 2014 Octavio de Lazari Junior Presidente - Abecip São Paulo, 24 Julho de 2014 Pauta: 1) Conjuntura Econômica 2) Carteiras de Crédito 3) Financiamento Imobiliário

Leia mais

Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de

Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de Informe 11/214 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de 214 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista,

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, REN DA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Sumário do Resultado 1T17

Sumário do Resultado 1T17 Sumário do Resultado 1T17 Sumário do Resultado Lucro Líquido Ajustado de R$ 2,5 bilhões O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 2,5 bilhões no 1T17, impactado principalmente pelo aumento

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Janeiro de 2017 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Juros reais em baixa No período entre os dias 06 e 13 de maio, o IPCA projetado para os próximos 12 meses apresentou queda, da mesma forma a estimativa para o fechamento de 2017. A estrutura a termo da

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar mar/10 63,0% 27,3% 8,7% fev/11 65,3%

Leia mais

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09 Banco do Brasil Divulgação do Resultado 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P J U L H O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 4,9 bilhões Saldo: R$ 525,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 Resumo * Em maio com relação a abril a produção industrial cresceu 1,3%, livre de efeitos

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Índice de

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA.

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Marcelo Curado * I. Atividade Econômica A análise dos indicadores macroeconômicos sobre a evolução recente da atividade econômica corrobora a noção de

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Pilares de Sustentação 1.Ambiente Econômico 2.Funding 3.Segurança Jurídica CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2 Ambiente Econômico 2017 Inflação Taxa de Juros Renda

Leia mais

Relação vagas por candidato volta aos níveis do final de 2011

Relação vagas por candidato volta aos níveis do final de 2011 Indicadores do Mercado de Trabalho Catho-Fipe / Informe Agosto de 2015 Relação vagas por candidato volta aos níveis do final de 2011 Depois de seis quedas mensais consecutivas, o índice Catho-Fipe de vagas

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n.º 1.628, como Autarquia

Leia mais

Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão NOTA DE IMPRENSA

Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão NOTA DE IMPRENSA NOTA DE IMPRENSA RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2016 Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão Os bancos, no atual momento da economia, têm um papel fundamental,

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC 21 de fevereiro de 2013 Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC A PEIC é uma pesquisa realizada pela CNC e divulgada regionalmente pela Fecomércio-RS. Apesar de, muitas vezes, ser

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Mensagem do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

ICEICON-MG. Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE MINAS GERAIS SONDAGEM

ICEICON-MG. Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE MINAS GERAIS SONDAGEM ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE MINAS GERAIS Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais 1 2 3 4 5 ICEICON - MG SONDAGEM SONDAGEM SONDAGEM SONDAGEM ATIVIDADE EXPECTATIVAS

Leia mais

CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO

CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO (0-200) CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 99,1 pontos em dezembro, ante os 98,9 pontos observados

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Novembro de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a outubro de 2016 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

CRÉDITO E JUROS EM 2003 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE

CRÉDITO E JUROS EM 2003 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE CRÉDITO E JUROS EM 3 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE 3 terminou com um volume de operações de crédito do sistema financeiro de 2,% do PIB, um incremento frente ao baixo montante registrado ao

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 5 Número 12 Dezembro de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Dificuldades da construção se ampliam no fim de O quadro de desaquecimento na indústria da construção, que já

Leia mais

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 9 setembro de 2012 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Desempenho menos negativo ainda não aponta

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) BLUMENAU FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Blumenau 7 Considerações

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Financiamento Imobiliário 1º Semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente

Coletiva de Imprensa. Financiamento Imobiliário 1º Semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente Coletiva de Imprensa Financiamento Imobiliário 1º Semestre de 2016 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo 26 de Julho de 2016 Índice 1 2 3 4 5 6 Conjuntura Construção Civil Financiamento Imobiliário

Leia mais

ANO 17. #02. FEV 2016

ANO 17. #02. FEV 2016 ANO 17. #02. FEV 2016 SONDAGEM INDUSTRIAL - MG ATIVIDADE MOSTRA MELHORA EM RELAÇÃO A 2015 Em fevereiro os indicadores de atividade industrial mostraram melhora em relação ao mês anterior e alguns indicadores

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO (0-200) EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 79,9 pontos em dezembro, com queda de 1,4% em relação a novembro, descontados

Leia mais

Os Bancos nunca perdem

Os Bancos nunca perdem Boletim Econômico Edição nº 85 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os Bancos nunca perdem 1 Dados patrimoniais dos gigantes do Sistema Financeiro Nacional O total

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Concorrência por vagas de emprego é a maior em 7 anos

Concorrência por vagas de emprego é a maior em 7 anos Indicadores do Mercado de Trabalho Catho-Fipe / Informe Julho de Concorrência por vagas de emprego é a maior em 7 anos Os indicadores Catho-Fipe mostraram um cenário bastante desafiador para o mercado

Leia mais

Boletim de Serviços. Junho de Economia de Serviços

Boletim de Serviços. Junho de Economia de Serviços Boletim de Serviços Junho de 17 www.economiadeservicos.com Economia de Serviços Destaques O volume do setor de serviços registrou leve queda de,1% em março na comparação anual, com destaque negativo para

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego mantém a tendência de queda na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 3º Trimestre de 2016. 3º TRI/2016

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Nesta 1ª Edição da Carta de C o n j u n t u r a d a S a ú d e Suplementar, são apresentados (i) os dados econômicos e de beneficiários de planos de saúde do primeiro trimestre de 1 (ambos publicados em

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Carta de Análise Econômica Conjuntural Ano 2 Número 7 Maio 2012 1 Considerações

Leia mais

A importância do Varejo no Sistema Financeiro

A importância do Varejo no Sistema Financeiro A importância do Varejo no Sistema Financeiro MISSÃO ACREFI MISSÃO A Casa do Crédito ao Consumidor desde 1958 A ACREFI Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento foi

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Fonte(s): Boa Vista Serviços/CDL POA.

Fonte(s): Boa Vista Serviços/CDL POA. Os Registros de Inadimplência no SCPC apresentaram comportamento dissonante entre RS e Porto Alegre em outubro. Os indicadores medem o crescimento da entrada (Inclusões) e saída (Exclusões) de registros

Leia mais

Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas. SPC Brasil e CNDL. Dados referentes a novembro de 2014

Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas. SPC Brasil e CNDL. Dados referentes a novembro de 2014 Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a novembro de 2014 RELEASE DE IMPRENSA RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA Pessoas jurídicas inadimplentes

Leia mais

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade Indicador PRODUÇÃO NÚMERO DE EMPREGADOS UTILIZ. DA CAPACIDADE INSTALADA (UCI) - % UCI EFETIVA- USUAL EVOLUÇÃO DOS ESTOQUES ESTOQUE EFETIVO- PLANEJADO MÉDIA HIST. Setembro e 3º trimestre de 2016 Produção

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS FEVEREIRO/2016 Resumo de desempenho Fevereiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No bimestre mês

Leia mais

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%):

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%): SIM SEBRAE Inteligência de Mercados Edição n - Fev/6 Índice de atividade econômica - IBC-Br (%) A produção industrial brasileira apresentou leve recuperação no período de novembro a dezembro de 25. pg

Leia mais

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/16 PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre de 2016 2 O PIB completa sexto trimestre seguido de queda Fonte:

Leia mais

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Fevereiro/14 Indústria segue com baixa produção e utilização de sua capacidade A indústria registrou forte avanço da produção em janeiro. Apesar de parte dessa

Leia mais

Varejo Continua Perdendo Fôlego

Varejo Continua Perdendo Fôlego Agosto - 2014 1 Varejo Continua Perdendo Fôlego Os dados das vendas do varejo restrito (que exclui a comercialização de veículos, motos e material de construção) referentes ao mês de julho, divulgados

Leia mais

EVOLUÇÃO DO EMPREGO E IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO PESADA NA ECONOMIA

EVOLUÇÃO DO EMPREGO E IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO PESADA NA ECONOMIA EVOLUÇÃO DO EMPREGO E IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO PESADA NA ECONOMIA Base dados: Janeiro 2017 (RAIS/CAGED), 4º Trimestre 2016 (PNAD Contínua) Atualizados em: 07/03/2017 Sumário Executivo Emprego na construção

Leia mais

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Agosto/2014 Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Diversos Indicadores mostram uma Piora da Atividade Econômica no 2º Trimestre 2 A produção

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Em 03 de junho, o COPOM elevou a Selic para 13,75% e emitiu um comunicado igual aos das reuniões anteriores, nas quais subiu a taxa na mesma magnitude, 50 pontos-base (pb). As expectativas

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Maio de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE DO

Leia mais