Caracterização molecular e fenotípica de plantas transgênicas de citros visando resistência à Xanthomonas citri.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização molecular e fenotípica de plantas transgênicas de citros visando resistência à Xanthomonas citri."

Transcrição

1 Caracterização molecular e fenotípica de plantas transgênicas de citros visando resistência à Xanthomonas citri. Bolsista Júlio César Gomes de Sousa Filho. Estudante de Biotecnologia da Universidade Federal de São Carlos. Orientador Dr. Celso Eduardo Benedetti / LNBio. CNPEM LNLS CTBE LNBio LNNano

2 2 Caracterização molecular e fenotípica de plantas transgênicas de citros visando resistência à Xanthomonas citri. Bolsista Júlio César Gomes de Sousa Filho. Estudante de Biotecnologia da Universidade Federal de São Carlos. Orientador Dr. Celso Eduardo Benedetti / LNBio. Campinas, 2012.

3 3 We keep moving forward, opening new doors, and doing new things, because we're curious and curiosity keeps leading us down new paths. Walter Elias Walt Disney

4 4 AGRADECIMENTOS À minha Família que sempre me apoiou e comemorou minhas conquistas, incluindo essa tão importante; Ao CNPEM/ABTLuS pela realização do programa que me permitiu desenvolvimento científico e pessoal de imensa valia; Ao Roberto (Patriarca dos Teiús) e a querida e doce Tati pela organização e coordenação do programa, estando sempre disponíveis para ajudar e nos divertindo sempre. Muito Obrigado! Ao Celso Benedetti pela oportunidade, pela escolha, por dedicar parte do seu tempo à minha orientação, pela atenção e pela grande contribuição ao desenvolvimento científico. Muito Obrigado! À Bruna por sempre me acompanhar na bancada, nas risadas, nos almoços e nas conversas sobre Walt Disney World. À Malu pelas boas risadas, preciosas dicas e por ceder o clone da proteína WRKY bem como as plantas transformadas que foram a base do trabalho realizado. À Adriana pelas ajudas, helps quase constantes, bons toques, diversões, almoços, salvamentos para que não perdesse o ônibus, pela MEGA ajuda na extração de RNA e na entrega deste relatório. À Jaque pelas dicas, broncas, diversão constante, pelo empréstimo de seu cavalo de fogo, por conseguir uma membrana de PVDF em tempo recorde e por receber algumas broncas em nome do Júlio do LPP. À Mariane pelas dicas, protocolos, risadas, almoços, ajuda na revisão deste trabalho. Caio pela companhia em experimentos, pelas discussões científicas, pelo incentivo, almoços e risadas. Vocês do LPP foram essenciais. Muito Obrigado! Aos funcionários do CNPEM e membros do LNBio pela receptividade e auxílio dispensados sempre que preciso. Cito aqui alguns como: Cris do ABC que me salvou uma noite e deu preciosas dicas, Rosângela da biblioteca, Cláudia e Di da lavagem, e Priscila do LMA. Aos professores doutores Dulce Helena, Iran Malavazi, Andrea Fuentes, Anderson Cunha e Mônica Rosas, por me apresentarem o mundo científico. Como já dito a alguns de vocês, sem vocês eu não estaria aqui. Muito Obrigado! Aos bons amigos, Marina Salles, Kátia, Carol, Adriano, Henry, Heber e Dani por estimularem meus passos acadêmicos e por compartilharem comigo bons momentos. Muito Obrigado! Agradeço especialmente à Juliana Poltronieri, que me acompanhou até nessa boa aventura. Aos Bolsistas, um a um, pela companhia, risadas, almoços, passeios e troca de experiência incrível. Em especial aos companheiros de LNBio: Andrea, Mariana, Vinícius e Felipe. Muito Obrigado! A todos que contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho. Muito Obrigado!

5 5 RESUMO O Cancro Cítrico, causado por Xanthomonas citri é uma doença bacteriana que afeta a maioria das variedades comerciais de citros levando a perdas econômicas. Buscando produzir plantas de citros resistentes à X. citri nosso laboratório está desenvolvendo linhagens transgênicas para porta-enxertos e variedades copa de citros. Baseado em uma análise de expressão gênica em larga escala realizada pelo grupo anteriormente, duas estratégias para a produção de plantas de citros resistente à X. citri estão sendo utilizadas. A primeira envolve a super expressão de um fator de transcrição WRKY conhecido por regular resposta de defesa basal em plantas. A segunda estratégia envolve a expressão de efetor bacteriano ativador de transcrição do tipo III, ou efetor TAL, o qual age como modulador da expressão gênica no hospedeiro. A expressão dos transgenes será avaliada por PCR e Western Blot. Plantas transformadas foram desafiadas com X. citri para o desenvolvimento dos sintomas do cancro, que são caracterizados pela formação de pústulas na superfície da folha. Os níveis de expressão de alguns genes de defesa que são alvos dos efetores de Xanthomonas também serão avaliados nos transgenes. Palavras Chave: Xanthomonas citri, efetores TAL, WRKY ABSTRACT Citrus canker, caused by Xanthomonas citri, is a bacterial disease that affects most of the commercial citrus varieties leading to economic losses. With the aim of producing citrus plants resistant to X. citri our laboratory is developing transgenic lines for citrus rootstock and scion varieties. Based on a large scale gene expression analysis undertaken by the group previously, two strategies for the production of citrus plants resistant to X. citri are being used. The first involves the overexpression of a WRKY transcription factor known to regulate basal defense responses in plants. The second strategy involves the expression of a bacterial type III transcription activator effector, or TAL effector, which acts as a modulator of gene expression in the host. The expression of the transgenes will be evaluated by PCR and Western blot analysis. Transformed plants were challenged with X. citri for the development of canker symptoms, which are characterized by the formation of raised pustules on the leaf surface. The expression levels of a number of defense-related genes as direct targets of the Xanthomonas TAL effector will also be examined in the transgenes. Keywords: Xanthomonas citri, TAL effectors, WRKY.

6 6 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS REVISÃO DE LITERATURA... 8 O cancro cítrico... 8 Interação Planta Patógeno... 9 Efetores TAL Fatores de transcrição do tipo WRKY Estratégias para obtenção de plantas resistentes ao cancro cítrico OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS Detecção de plantas geneticamente modificadas por PCR Subclonagem, expressão e purificação do fator de transcrição do tipo WRKY.. 14 Análise da expressão dos transgenes Avaliação dos níveis transcricionais de genes de interesse Desafio das plantas com Xanthomonas citri e avaliação fenotípica RESULTADOS E DISCUSSÃO Detecção de plantas geneticamente modificadas por PCR Subclonagem, expressão e purificação do fator de transcrição do tipo WRKY.. 23 Análise da expressão dos transgenes Avaliação dos níveis transcricionais de genes de interesse CONCLUSÃO E PERSPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 31

7 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Lesões características do Cancro Cítrico em frutos e folhas Figura 2 - Esquematização de um efetor TAL Figura 3 - Representação dos aminoácidos da porção N-terminal de um fator WRKY de Arabdopsis thaliana Figura 4A Eletroforese em gel de agarose 1% de extrações de DNA por metodologia convencional (CTAB). 4B -Eletroforese em gel de agarose 1% de extrações de DNA por metodologia convencional tratadas com RNAse Mix (Fermentas) Figura 5 - Eletroforese em gel de agarose 1% de reação de PCR para detectar plantas transformadas com efetores TAL Figura 6 - Eletroforese em gel de agarose 1% de reação de PCR para detectar plantas transformadas com efetores TAL/ Platinum Taq Polimerase (Invitrogen) e DNA tratado com RNAse Figura 7 - Eletroforese em gel de agarose 1% de reação de PCR de Gradiente de temperatura para otimizar a PCR para amplificação dos efetores TAL em plantas trasnformadas Figura 8 - Eletroforese em gel de agarose 1% de PCR para identificação de plantas transformadas com efetores TAL nas condições otimizadas Figura 9 - Eletroforese em gel de agarose 1% de digestões para subclonagem Figura 10 - Eletroforese em gel de agarose 1% de PCR de colônias de E.Coli DH5α transformadas com a construção pet28a/wrky Figura 11 - Análise da expressão e purificação da proteína WRKY em E. Coli BL21 (DE3) por SDS-PAGE 13% Figura 12 Análise da extração de proteínas totais de folhas transformadas por SDS-PAGE 10% e 13% Figura 13 Western Blot das proteínas de interesse em plantas transformadas Figura 14 Western Blot para avaliação de alíquotas de anticorpo anti-ptha disponíveis.. 27 Figura 15 Western Blot para teste de detecção de anticorpo anti-wrky Figura 16 - Correlação entre Western Blot de plantas transformadas com fator WRKY e fenótipo das plantas desafiadas com X. citri Figura 17 Correlação entre Western Blot de plantas transformadas com fator WRKY e fenótipo das plantas desafiadas com X. citri Figura 18 Eletroforese de RNA em gel de agarose 1% desnaturante

8 8 1 REVISÃO DE LITERATURA O Cancro Cítrico O setor da citricultura é um dos mais expressivos dentro do agronegócio no Brasil: suas exportações renderam, em 2009, 2,15 milhões de toneladas de produtos e US$ 1,84 bilhão em receita, representando cerca de 3% das exportações do agronegócio do país (NEVES et al., 2009). Uma das maiores ameaças à citricultura é o Cancro Cítrico, causado por duas linhagens de bactérias gram-negativas do gênero Xanthomonas: Xanthomonas citri (Xac) e Xanthomonas aurantifolii (Xaa). Os dois grupos causam sintomas bem parecidos em seus hospedeiros, sugerindo um mecanismo comum de patogenicidade (BRUNINGS; GABRIEL, 2003). Os sintomas mais evidentes do cancro são decorrentes de hiperplasia (aumento da divisão celular) e hipertrofia (aumento do volume celular), desencadeadas pelo patógeno ao alterar a transcrição de alguns genes do hospedeiro (CERNADAS et al., 2008), levando à formação de lesões circulares, inchadas e encharcadas nas folhas, frutos e galhos. Tecidos jovens como folhas de brotações e frutos nas primeiras fases de crescimento são mais susceptíveis a infecção com Xanthomonas citri (BRUNINGS & GABRIEL, 2003). Figura 1: Lesões características do Cancro Cítrico em frutos e folhas.(brunings & GABRIEL, 2003). A entrada da Xanthomonas citri no tecido vegetal ocorre por aberturas como estômatos, hidatódios e feridas provocadas por espinhos e/ou larva mineradora dos citros. A Xac se instala no mesófilo e em estágio avançado da doença as lesões podem romper a epiderme liberando bactéria no ambiente contribuindo para a disseminação, que é facilitada por ventos, chuvas, insetos, além de equipamentos de colheita e manutenção das plantas (AMARAL, 2003; BRUNINGS; GABRIEL, 2003).

9 9 Trata-se de uma doença economicamente importante e por tal a bactéria causadora é alvo de estudos moleculares buscando desenvolvimento de ferramentas para controle desta e/ou produção de plantas resistentes para reduzir perdas de produção (AMARAL, 2003). Interação Planta - Patógeno. As plantas estão constantemente sujeitas a infecção por patógenos. Uma das formas de reconhecer e responder a infecção envolve a percepção de padrões moleculares associados a microrganismos/patógenos (microbial- or pathogenassociated molecular patterns ou MAMPs/PAMPs), isto é, moléculas que são conservadas e essenciais (exemplos são: flagelina e lipossacarídeos) nos microrganismos, são detectadas por receptores presentes na superfície celular do hospedeiro. Esses receptores costumam possuir domínios citoplasmáticos que sinalizarão à célula o reconhecimento feito no meio extracelular, como é o caso do receptor da flagelina cujo domínio citoplasmático ativa uma cascata de sinalização por MAPKs (Mitogen-activated protein kinases) que resultará em resposta de defesa. Trata-se de um processo lento (JONES; DANGL, 2006). Uma segunda linha de defesa ocorre dentro da célula do hospedeiro através da expressão de genes de resistência (R) cujos produtos proteícos costumam possuir domínios de ligação a nucleotídeo (Nucleotide Binding ou NB) e domínios ricos em leucina (leucine rich repeat ou LRR), sendo esses últimos importantes para realização de interações proteína-proteína. Essas proteínas podem, na célula do hospedeiro, reconhecer proteínas do patógeno ditas de avirulência (avr), que são geralmente responsáveis pelo desencadeamento da patologia e foram translocadas para o ambiente celular do hospedeiro. Esse reconhecimento lembra uma interação do tipo receptor-ligante e desencadeia respostas de defesa que promovem a rápida morte celular no local da infecção para conter o avanço do patógeno em um evento chamado resposta de hipersensibilidade (hypersensitive response ou HR). Caso o patógeno não avance temos uma interação planta-patógeno incompatível. Em contrapartida, quando a interação avr/r não ocorre, possivelmente por ausência do gene R correspondente no hospedeiro, o fator Avr fica livre para agir na célula vegetal, provavelmente desencadeando os sintomas por consequência de mediar

10 10 modificações na célula do hospedeiro. Essa interação é dita compatível (FEBRES et al., 2009; DOMINGUES, 2011). Efetores TAL Após se instalar no mesófilo do hospedeiro, a bactéria transloca para as células vegetais algumas moléculas ditas efetoras. Essa translocação é mediada pelo sistema de secreção tipo III (T3S). Os efetores podem suprimir respostas de defesa, desencadear os sintomas da patologia e alterar a bioquímica do ambiente celular. Efetores de Xanthomonas citri da família AvrBs3/PthAs são efetores que em especial modulam a expressão gênica do hospedeiro. Esses efetores ativadores de transcrição (transcription activator-like ou TAL) são compostos estruturalmente por: um domínio central de 34/35 resíduos de aminoácidos que se repetem em tandem sendo as repetições de número variável; domínios de localização nuclear (nuclear localization signals ou NLS) e de ativação transcricional (acidic transcription activator-like domain ou AAD). (Figura 2). Figura 2 - Esquematização de um efetor TAL. Estão representados os domínios internos repetitivos, o domínio rico em leucina (LRR), os sinalizadores nucleares (NLS) e o domínio ácido de ativação transcricional (AAD). Na porção N-terminal também é comum a existência de sinalizadores para o sistema secretório tipo III (TS3). Após sua translocação pelo T3S estes são endereçados ao núcleo após reconhecimento da região do NLS por uma α-importina, que com o apoio de uma β- importina promovem a importação do efetor para o núcleo. No núcleo esses efetores vão modular a expressão gênica do hospedeiro contribuindo para o desenvolvimento do cancro e suprimindo respostas de defesa basais da planta. Estudos já demonstraram que a expressão transiente de PthA (um efetor TAL de X. citri) em citros é suficiente para induzir hiperplasia e hipertrofia (KAY; BONAS, 2009; BOGDANOVE et al., 2010). O mecanismo molecular de ligação dos efetores TAL ao DNA foi elucidado e depende da participação dos domínios repetitivos de 33/34 aminoácidos, onde os

11 11 aminoácidos das posições 12/13 são resíduos variáveis (RAV) e há um código para o reconhecimento específico de uma sequência de nucleotídeos sendo cada diferente par de aminoácidos 12/13 reconhecedor de um nucleotídeo específico. Esses estudos possibilitaram predizer alvos de ligação dos efetores TAL através da análise dos RAVs contidos em suas regiões repetitivas (BOCH et al., 2009). X. aurantifolii apresentam efetores equivalentes aos PthAs de X.citri. Nosso grupo levantou possíveis genes de laranja alvos desses efetores TAL de X. aurantifolii, constatamos dentre estes alguns genes relacionados ao sistema de defesa. Sabendo que infecção de X. aurantifolii em laranja induz uma série de genes relacionados à resposta de defesa com pouco ou nenhum desenvolvimento de sintomas (CERNADAS et al., 2008) sugerimos a ocorrência de transativação de genes de defesa pelos efetores de X. aurantifolii. Esse trabalho busca avaliar os níveis transcricionais de alguns desses genes possivelmente transativados em plantas transformadas com os efetores TAL de X. aurantifolii. Esses estudos serão feitos por q-rt PCR. Fatores de transcrição do tipo WRKY Proteínas do tipo WRKY são fatores de transcrição bem distribuídos no Reino Vegetal. Sua estrutura é marcada por um domínio (WRKY - triptofano; arginina; lisina; tirosina) de aproximadamente 60 aminoácidos com atividade de ligação ao DNA e em especial uma sequência denominada W-BOX (C/T)TGAC(T/C). Para realizar essa ligação, o fator depende do motivo invariável WRKY e dos resíduos cisteína e histidina do domínio WRKY que participam da formação de um zinc finger característico (Figura 3) (ULKER; SOMSSICH, 2004; RUSHTON et al., 2010). Estudos evidenciaram a presença de W-BOXES (sítios de ligação dos fatores WRKY em DNA) nas regiões promotoras de clusters de genes expressos em condições de reação de defesa sistêmica, sugerindo participação desses fatores de transcrição nos processos de defesa das plantas. Recentemente alguns fatores

12 12 Figura 3 - Representação dos aminoácidos da porção N-terminal de um fator WRKY de Arabdopsis thaliana. Em negrito, está destacada a sequência WRKY bem conservada. Com asteriscos estão indicados os resíduos de cisteína e histidina que participam da formação do zinc finger (ULKER; SOMSSICH, 2004). WRKY foram associados a MAPK (Mitogen-activated protein kinases) cujas cascatas podem culminar na ativação da transcrição de fatores WRKY (OSORIO, 2010) (PANDEY; SOMSSICH, 2009). Além disso, a transcrição de genes WRKY é forte e rapidamente ativada pela ocorrência de feridas, infecção por patógenos e condições de estresse abiótico. Estudos demonstraram que a super expressão de fatores WRKY em Arabidopsis thaliana e Oryza sativa resultaram na indução de genes de defesa. Estes aparecem, portanto, como potenciais candidatos na produção de culturas com resistência aumentada a patógenos (LIU et al., 2007; HWANG, S.-HEE et al., 2011). Estratégias para obtenção de plantas resistentes ao cancro cítrico. Esse trabalho analisa plantas que foram transformadas com dois efetores TAL de X. aurantifolii e um fator de transcrição WRKY endógeno, sempre separadamente. As construções feitas colocam os genes sob controle de um promotor levantado pelo grupo que é sensível ao dano e à infecção com X. citri. As plantas sofreram transformação mediada por Agrobacterium. Sugerimos a transativação de genes de defesa pelos efetores TAL nas plantas transformadas com estes, podendo resultar em linhagens mais resistentes ao patógeno. Nas plantas transformadas com o fator WRKY sugerimos que a super expressão deste, pode conferir às linhagens um maior nível de resistência ao patógeno (PANDEY; SOMSSICH, 2009). A susceptibilidade das plantas transformadas foi avaliada por desafio das plantas com o patógeno.

13 13 2 OBJETIVOS - Verificar a expressão das proteínas de interesse em plantas transgênicas de citros transformadas com as construções para tal; - Correlacionar a expressão transgênica do fator de transcrição e dos efetores em estudo com o desenvolvimento do Cancro Cítrico; 3 MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Detecção de plantas geneticamente modificadas por PCR. Extração de DNA genômico Uma primeira extração de DNA genômico das plantas e reação subsequente de PCR foram realizadas com REDExtract-N-Amp Plant PCR Kit (Sigma Aldrich) seguindo as recomendações do fabricante e utilizando primers que amplificam uma parte (800bp) da região C-terminal de efetores TAL de Xanthomonas citri. Alternativamente, para extração de DNA genômico por metodologia convencional utilizando CTAB (Brometo de cetil trimetil amônio) como detergente, uma folha foi recolhida e congelada em nitrogênio líquido em tubo de 2 ml. O material foi macerado com bastão de vidro. Ao pó obtido foi adicionado Tampão de Extração (CTAB 0,8%; NaCl 800 mm; EDTA 22 mm; Tris-HCl ph 8,0 220 mm; β- mercaptoetanol 0,2%) e solução 24:1 de clorofórmio : álcool isoamílico. As amostras foram vortexadas e incubadas a 55ºC por 10 minutos. A amostra foi centrifugada, o sobrenadante transferido e a ele adicionado isopropanol para precipitação do DNA. O pellet foi lavado com etanol 70%. O DNA foi ressuspendido em tampão TE (10 mm Tris, ph , 1 mm EDTA) (Sigma Aldrich). A suspensão foi tratada com RNAse Mix (Fermentas) seguindo as recomendações do fabricante. A qualidade da extração foi aferida por eletroforese em gel de agarose 1%.

14 14 Reação de PCR Protocolo 1: Utilização de DNA extraído por metodologia convencional (1µL), oligos de interesse que amplificam uma região de 800 bp dos efetores TAL e enzima DreamTaq Polimerase (Fermentas), seguindo as recomendações do fabricante. A temperatura de annealing foi 55ºC. Protocolo 2: Utilização de DNA extraído por metodologia convencional, tratado com RNAse Mix (Fermentas) (1µL), oligos de interesse que amplificam uma região de 800 bp dos efetores TAL e enzima Platinum Polimerase (Invitrogen),uma Hot Start, seguindo as recomendações do fabricante. A temperatura de annealing foi 55ºC. Protocolo 3: PCR de gradiente de temperatura nas condições do protocolo 2, variando apenas a enzima: TrueStart Hot Start Taq Polimerase (Fermentas). O DNA utilizado havia sido tratado com RNAse Mix (Fermentas) e as temperaturas de annealing testadas foram: 55ºC, 55.9ºC, 57ºC, 58.3ºC, 59.3ºC e 59.9ºC Protocolo Final: PCR utilizando 2µL de DNA extraído por metodologia convencional, tratado com RNAse Mix (Fermentas), oligos de interesse que amplificam uma região de 800 bp dos efetores TAL e enzima TrueStart Hot Start Taq Polimerase (Fermentas) seguindo as recomendações do fabricante. A temperatura de annealing foi 60ºC Subclonagem, expressão e purificação do fator de transcrição do tipo WRKY. Subclonagem do gene de fator do tipo WRKY. A construção pgem/wrky (cedida pela pesquisadora Maria Luiza Oliveira) e o vetor de expressão pet28a (Novagen) foram digeridos com as enzimas de restrição (Fermentas) NcoI (CCATGG) e SacI (GAGCTC) e o produto da digestão avaliado por eletroforese em gel de agarose 1%. As bandas de interesse foram excisadas e purificadas a partir do gel com o kit QIAquick Gel Extraction (QIAGEN) seguindo as recomendações do fabricante.

15 15 Os produtos da purificação: vetor linearizado e região gênica codificante, foram postos à ligação nas proporções 1:3 e 1:5 na presença da enzima ligase (Fermentas) em reação de aproximadamente 14 horas mantida a 16ºC, seguindo as recomendações do fabricante. A ligação em vetor pet28a permitiu fusionamento da proteína de interesse à cauda 6xHis, permitindo posterior purificação por cromatografia de afinidade. O DNA ligado foi transformado por choque térmico em células de E.coli DH5α quimiocompetentes. A transformação se deu por incubação da reação em banho de gelo por meia hora, choque térmico de 1 minuto e 30 segundos em banho-maria a 42ºC seguido de 1 minuto em banho de gelo. Procedeu-se adição de meio LB (Triptona 1%; Extrato de Levedura 0,5%; NaCl 1%; ph 7,5) e incubação celular a 37ºC e 200 rpm para restabelecimento e divisão celular. As células foram plaqueadas em meio LB sólido suplementado com canamicina (25 µg. ml -1 ) e incubado a 37ºC por 18 horas. Foram picadas 13 colônias dentre as obtidas, fervidas em 40 µl de água tipo 01. Uma alíquota do fervido foi utilizada como template para PCR de colônia (DreamTaq Polimerase / Fermentas) utilizando os oligos do gene em estudo. Duas colônias PCR positivas foram incubadas overnight em 10 ml de meio LB a 37ºC e 200 rpm. Foi feita minipreparação de 3 ml de cultura, com o kit QIAprep Mini Prep Kit (QIAGEN), seguindo as recomendações do fabricante, para isolamento da construção plasmidial de interesse. A construção pet28a/wrky foi transformada por choque térmico em células de E. coli BL21(DE3) quimiocompetentes. O produto de transformação foi plaqueado em meio LB suplementado com canamicina (25 µg. ml -1 ) e incubado a 37ºC por 18 horas. Uma colônia crescida na placa foi picada e incubada overnight em 5 ml de meio LB suplementado com canamicina (25 µg. ml -1 ) a 37ºC e 200 rpm. Expressão e purificação da proteína WRKY. Um pré-inóculo foi diluído em 0,5 L de meio LB também suplementado com canamicina (25 µg. ml -1 ) e incubado a 37ºC até que a O.D. 600 (optical density) da cultura a 600 nm atingisse 0.9. A cultura foi induzida com 0,4 mm de IPTG (Isopropyl β-d-1-thiogalactopyranoside) e incubada por 4 horas a 30ºC sob agitação de 200 rpm. A cultura foi pelletada em centrífuga refrigerada. Alíquotas da cultura foram

16 16 feitas antes e ao fim da indução para posterior análise por SDS PAGE (sodium dodecyl sulfate polyacrylamide gel electrophoresis) (LAEMMLI, 1970). Uma alíquota do pellet obtido foi ressuspendido em Tampão A ( 20 mm Tris- HCl ph 8.0; 5 mm Imidazol; 200 mm NaCl; 1 mm PMSF; Glicerol 2%). O conteúdo foi tratado com lisozima e sonicado em banho de gelo com intensidade de 24% e pulsos curtos. A amostra foi centrifugada por uma hora a 4ºC para obtenção do sobrenadante. Alíquotas das fases foram feitas para posterior análise. A purificação do sobrenadante por cromatografia de afinidade foi feita em resina TALON Metal Affinity Resin (Clontech). A coluna foi equilibrada com 15 volumes Tampão A, o sobrenadante foi aplicado na coluna e esta foi lavada com 15 volumes de Tampão B (20 mm Tris-HCl ph 8.0; 200 mm NaCl; 1 mm PMSF; Glicerol 2%). A eluição foi realizada com 2 volumes de Tampão C (20 mm Tris-HCl ph 8.0; 250 mm Imidazol; 200 mm NaCl; 1 mm PMSF; Glicerol 2%). Alíquotas de expressão e purificação da proteína WRKY foram analisadas em SDS PAGE 13%. (LAEMMLI, 1970) Análise da expressão dos transgenes. Extração das proteínas totais de tecido vegetal A extração de proteínas totais se deu em 03 condições diferentes: 1) a partir de 04 discos de folha de diâmetro 6.5 mm; 2) a partir de 06 discos de folha de 6.5 mm de folha machucada ; 3) A partir da folha inteira. As folhas retiradas das plantas foram postas em tubos de 2 ml, que foram mantidos em gelo até o momento da extração. Foi escolhida dentre as 03 condições já citadas a mais adequada para cada construção e o material foi macerado em cadinho embebido em água tipo 01, procedeu-se a adição de 400 µl de SDS PAGE Sample Buffer 2X (200 mm β Mercaptoetanol; SDS 4% (p/v); Azul de bromofenol 0,2% (p/v); Glicerol 20% (v/v); 100 mm Tris HCl ph 6.8) (SAMBROOK & RUSSELL,2001 ) A extração foi verificada por SDS PAGE 10% e 13% (LAEMMLI, 1970).

17 17 Imunodetecção por Western Blot As proteínas totais foram separadas por SDS PAGE (LAEMMLI, 1970) utilizando géis 10% e 13% em corrida de aproximadamente 1 hora sob corrente constante de 15 ma por gel. A transferência destas para membrana de PVDF (Millipore) foi realizada em tampão de transferência gelado (Tris 48mM; Glicina 39 mm; SDS 0,0037%; Metanol 20%) sob corrente constante de 350 ma por 1 hora e 15 minutos. A membrana foi bloqueada à temperatura ambiente por uma hora e meia sob agitação com solução TBS-T (20 mm Tris-HCl; 150mM NaCl; 0,05% Tween20, ph 7,5) + 5% (p/v) de leite em pó desnatado. Em seguida a membrana foi incubada sob agitação, por toda a noite a 4ºC, com solução TBS-T ph 7,5 + 5% leite em pó desnatado contendo o anticorpo primário na titulação mais conveniente. No dia seguinte foram feitas 03 lavagens sob agitação, de 10 minutos cada, com 15 ml de TBS-T. Incubou-se a membrana, sob agitação e a temperatura ambiente, com solução TBS-T + 5% de leite desnatado em pó com anticorpo secundário Anti-Rabbit (GE-Health Care) também na titulação desejada (geralmente 1:3000). Foram repetidas as 03 lavagens com TBS-T, como descrito anteriormente. A detecção foi feita por quimiluminescência com o kit ImmunoCruz : Western Blotting Luminol Reagent (Santa Cruz Biotechnology) em filme de alta performance Amersham Hyperfilm ECL (GE Health Care), sempre seguindo as recomendações dos fabricantes. (MACPHEE, 2010) Stripping de membrana Algumas membranas de PVDF foram recuperadas com Stripping Buffer (100mM β-mercaptoetanol ; 62,5 mm Tris-HCl ph 6.7; SDS 2%), onde 50 ml do tampão foram incubadas com a membrana a 60ºC sob agitação. Seguiram-se 03 lavagens sob agitação, de 10 minutos cada, com 15 ml de TBS-T (20 mm Tris-HCl; 150mM NaCl; 0,05% Tween20, ph 7,5) + 5% (p/v) de leite em pó desnatado. Após o procedimento repetiram-se os passos do Western Blot partindo do bloqueio da membrana.

18 Avaliação dos níveis transcricionais de genes de interesse Desenho de oligonucleotídeos para reação de qrt-pcr Oligonucleotídeos correspondentes a vários genes de citros, identificados como alvos diretos de efetores TAL de Xanthomonas aurantifolii foram desenhados utilizando o software Primer Express 3.0 (Life Technologies). Extração de RNA de tecido vegetal e síntese de cdna Uma folha jovem foi congelada e macerada em nitrogênio líquido utilizando cadinho previamente incubado com água oxigenada. Ao pó claro obtido foi adicionado reagente TRIzol (Invitrogen) e o conteúdo incubado a temperatura ambiente e vortexado. Adicionou-se clorofórmio. Foi realizada centrifugação refrigerada e a fase aquosa obtida, contendo RNA, foi recuperada. Adicionou-se a essa 2-propanol e o conteúdo foi centrifugado a 4ºC para precipitação do RNA. O pellet foi lavado com Etanol 75% gelado e centrifugado. Esperou-se até a secagem do pellet para posterior ressuspensão em água DEPC (Diethylpyrocarbonate) 0,1%. Para atestar a qualidade da extração e a integridade do material extraído, foi realizada eletroforese em gel de agarose desnaturante. O gel foi preparado por fundição da agarose em água e posterior adição de tampão MOPS (200 mm MOPS; 60 mm Acetato de Sódio; 10 mm EDTA; ph 7.0) A qualidade do RNA extraído foi aferida por eletroforese em gel de agarose 1% desnaturante, com MOPS 1X (MOPS 20 mm; Acetato de Sódio 5 mm; EDTA 1 mm ph 7.0 em água DEPC 0,1%) e formaldeído 5%. O RNA foi quantificado em espectrofotômetro (SAMBROOK & RUSSELL,2001 ) por medida da absorbância da amostra, diluída em água DEPC 0,1%, nos comprimentos de onda 260 e 280 nm. Foi utilizada cubeta UVette (Eppendorf) RNA free. Síntese de cdna. O RNA quantificado foi tratado com DNAse I (Fermentas) seguindo as recomendações do fabricante e em seguida foi realizada síntese de fita simples de cdna utilizando The Maxima First Strand cdna Synthesis Kit (Fermentas) partindo de aproximadamente 2,5 µg de RNA total.

19 19 qrt PCR e análise dos dados. A reação de qrt PCR foi realizada em plataforma 7500 Real-Time PCR System (Applied Biosystems) utilizando diluições específicas do cdna produzido para avaliar a quantidade necessária para detecção dos transcritos. O qrt PCR foi feito com Maxima SYBR Green/Fluorescein qpcr Master Mix (2X) (Fermentas) com adição do cdna de interesse e dos primers para cada gene analisado mais dois genes endógenos de controle em concentração final aproximada de 0,3 µm, seguindo as recomendações do fabricante Desafio das plantas com Xanthomonas citri e avaliação fenotípica. Cultura permanente de Xanthomonas citri 306 foi plaqueada em meio LB sem sal (Triptona 1%; Extrato de Levedura 0,5%; Ágar 1,5%) suplementado com Ampicilina (25 µg.ml -1 ) e incubada a 30ºC por 48 horas. Para desafio das plantas foi preparada solução aquosa de Xanthomonas citri 306 de O.D 600 = 0.28, o que corresponde a aproximadamente UFC/mL. Na infiltração foram injetados entre 20 e 50 µl de solução bacteriana em folhas jovens e maduras das plantas envolvidas no projeto. Diluições da solução utilizada foram plaqueadas e incubadas para contagem celular e avaliação das bactérias inoculadas. O desenvolvimento dos sintomas foi acompanhado com o tempo. A cepa de X. citri utilizada também foi plaqueada em meio LB sem sal suplementado com o inseticida Decis 25 EC 0,1% (Bayer Environmental Science) para avaliar o efeito deste no desenvolvimento da bactéria, em vista da utilização do mesmo na manutenção dos insetos no ambiente das plantas. O desenvolvimento dos sintomas foi acompanhado por fotos a partir do décimo dia pós-inoculação. Quando de quinze dias do desafio das plantas com Xanthomonas as folhas foram recolhidas e fotos das lesões foram tiradas em lupa com magnitudes de 10X e 20X de ampliação.

20 20 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Detecção de plantas geneticamente modificadas por PCR. Extração de DNA genômico A extração de DNA genômico de folhas por metodologia convencional, utilizando CTAB como detergente, foi bem sucedida (Figura 4A) e permite visualização de bandas superiores e majoritárias, que correspondem ao DNA genômico extraído. Alguns rastros também são perceptíveis e indicam contaminações com RNA. O tratamento das extrações com RNAse Mix (Figura 4B) (Fermentas) limpou os rastros e melhorou a condição do material para PCR. Figura 4A Eletroforese em gel de agarose 1% de extrações de DNA por metodologia convencional (CTAB). As amostras 1-28 correspondem à extração de DNA genômico de plantas possivelmente transformadas com efetores TAL de Xanthomonas aurantifolii. 4B -Eletroforese em gel de agarose 1% de extrações de DNA por metodologia convencional tratadas com RNAse Mix (Fermentas) 1-14: Amostras de DNA genômico (4A) pós tratamento com RNAse Mix (Fermentas). M: MassRuller DNA Ladder Mix (Fermentas). Tentativas de extração de DNA genômico e amplificação, com o REDExtract- N-Amp Plant PCR Kit não foram bem sucedidas. Análise por eletroforese em gel de agarose 1% evidenciou baixa ou não extração de DNA com o kit. O produto do PCR obtido com o kit também foi avaliado por eletroforese em gel de agarose 1% e não apresentou amplificado. Reação de PCR

21 21 Eletroforese em gel de agarose 1% do primeiro protocolo de reação PCR (Figura 5) apresentou muitos amplicons inespecíficos, não permitindo detecção dos efetores de forma eficiente. Supondo influência da contaminação com RNA, o DNA extraído por metodologia convencional foi tratado com RNAse MIX (Fermentas). A seta (Figura 5) indica amplificado de 800 bp, como esperado, no controle positivo. Figura 5 - Eletroforese em gel de agarose 1% de reação de PCR para detectar plantas transformadas com efetores TAL. M: MassRuller DNA Ladder Mix (Fermentas). 1-27: plantas testadas. C-: plantas controle não transformadas. C+: PthA clonado em vetor pet (controle positivo). Eletroforese em gel de agarose 1% do produto de PCR do segundo protocolo (Figura 6) apresentou diminuição das amplificações inespecíficas, mas estas ainda atrapalhavam a identificação de plantas transformadas com os efetores TAL.

22 22 Figura 6- Eletroforese em gel de agarose 1% de reação de PCR para detectar plantas transformadas com efetores TAL/ Platinum Taq Polimerase (Invitrogen) e DNA tratado com RNAse. M: MassRuller DNA Ladder Mix (Fermentas). 1-12: plantas testadas. C-: plantas controle não transformadas. C+: PthA clonado em vetor pet (controle positivo). O protocolo de PCR com gradiente de temperatura (Figura 7) indicou 59.9ºC/60ºC como a melhor temperatura de annealing para o protocolo em questão porque minimizou as amplificações inespecíficas no controle negativo (1) e permitiu amplificação notável na planta positiva (3) e no controle positivo (2). Figura 7 - Eletroforese em gel de agarose 1% de reação de PCR de gradiente de temperatura para otimizar a reação para amplificação dos efetores TAL em plantas transformadas. M: MassRuller DNA Ladder Mix (Fermentas). 1: planta controle não transformada 2: PthA clonado em vetor pet (controle positivo). 3: planta transformada identificada como possível PCR positiva em análise anterior. A temperatura de annealing utilizado para cada reação está indicada acima das canaletas. O protocolo de PCR final, congregando as otimizações, praticamente eliminou as amplificações inespecíficas e possibilitou identificar como positivas (transformadas) as plantas 11, 16, 17,22 e 24. (Figura 8). Infelizmente algumas das plantas PCR positivas estavam pequenas impossibilitando desafio com X. citri.

23 23 Figura 8 Eletroforese em gel de agarose 1% de PCR para identificação de plantas transformadas com efetores TAL nas condições otimizadas M: MassRuller DNA Mix Ladder (Fermentas). C-: Plantas não transformadas (controles negativos). 1-26: Plantas testadas. C+: PthA clonado em vetor pet (controle positivo) Subclonagem, expressão e purificação da proteína WRKY. Subclonagem do gene de WRKY. Visando obter controle positivo para procedimentos de Western Blot, o gene WRKY foi subclonado e expresso. A construção inicial pgem/wrky e o vetor pet28a foram digeridos com sucesso pelas enzimas NcoI e SacI (Figura 9). A banda única em 1 apresenta o vetor pet28a linearizado. A banda em destaque em 2 mostra o inserto livre do vetor de propagação. Figura 9 - Eletroforese em gel de agarose 1% de digestões preliminares para subclonagem. M: MassRuller DNA Mix Ladder (Fermentas). 1: Vetor pet28a digerido com as enzimas NcoI e SacI (5260 bp). 2: Construção pet28a/wrky digerida com as enzimas NcoI e SacI. O fragmento de interesse está em destaque (1kB).

24 24 A transformação da ligação em E. coli DH5α gerou colônias que foram submetidas a PCR de colônia (Figura 10) que resultou em amplificação do fragmento de interesse (1 kb) em quase todas as colônias. A amplificação no controle positivo está indicada pela seta (Figura 10) Figura 10 - Eletroforese em gel de agarose 1% de PCR de colônias de E.Coli DH5α transformadas com a construção pet28a/wrky. M: MassRuller DNA Mix Ladder (Fermentas) : PCR de colônias (para amplificação do gene WRKY : 1kB) de E.Coli DH5α crescidas em LB Canamicina após transformação química com a construção pet28a/wrky. C+: Construção pgem/wrky (controle positivo). Expressão e purificação da proteína WRKY Células de E. Coli BL21 (DE3) transformadas e crescidas foram préinoculadas, diluídas no dia seguinte e induzidas. A cultura induzida por IPTG e purificação da proteína WRKY em E. Coli BL21 (DE3) foram avaliadas em SDS- PAGE 13% (LAEMMLI, 1970) (Figura 11) que evidencia os maiores níveis de proteína 4 horas após a indução (canaleta 2) e ainda mostra a indução da expressão da proteína de interesse clonada em vetor pet28a sob controle do promotor T7. A figura 11 também relata a prevalência da proteína de interesse na fração insolúvel após sonicação (canaleta 3). Apesar disto, procedeu-se com a purificação em coluna de gravidade com 0,5 ml de resina. A eluição com imidazol (canaleta 7) não tem banda aparente no gel de SDS PAGE 13%, contudo, analises posteriores de Western Blot detectaram a proteína nessa fração.

25 25 Figura 11 - Análise da expressão e purificação da proteína WRKY em E. Coli BL21 (DE3) por SDS-PAGE 13%. MM: Marcador de peso molecular Unstained Molecular Weight Marker (Fermentas). 1. Amostra de extrato celular da cultura não induzida (T 0 ). 2. Amostra de extrato celular de cultura 4 horas após a indução (T 4 ). 3. Fração insolúvel. 4. Fração solúvel. 5. Lavagem da coluna de purificação. 6. Flow da coluna de purificação 7. Eluição com Imidazol 250 mm. Experimentos de otimização da expressão e purificação da proteína podem ser realizados futuramente para estudos estruturais Análise da expressão dos transgenes. Extração das proteínas totais de tecido vegetal Os melhores protocolos de extração de proteínas totais foram aqueles que forneceram maior quantidade de material biológico, isto é, aquele que utilizava a folha inteira como material. Contudo, blots que detectaram super expressão foram feitos com extração de 5 discos de folha. A figura 12 mostra géis SDS PAGE de extrações em diferentes condições onde é possível perceber a diferença de quantidade proteica. A qualidade da extração geralmente foi associada à identificação qualitativa da banda correspondente à enzima Rubisco, abundante em plantas e que se apresenta de forma marcante na separação de proteínas totais de plantas em eletroforese em gel de poliacrilamida.

26 26 Figura 12 Análise da extração de proteínas totais de folhas por SDS-PAGE 10% e 13%. Imunodetecção por Western Blot A detecção por Western Blot passou por adequações de protocolo até detecção das proteínas de interesse nas plantas transformadas. A figura 13 mostra blot onde a titulação do anticorpo e a quantidade de proteínas totais não foram suficientes para a detecção, sendo notável apenas as proteínas recombinantes utilizadas como controle positivo. Em 13A e 13 B vemos um PthA recombinante detectado. Em 13C e 13D visualizamos a deteccção da WRKY recombinante produzida. Para estes casos foram utilizadas titulações 1:3000 e 1:1000 de anticorpos primários. Figura 13 Western Blot das proteínas de interesse em plantas transformadas. A e B: Tentativa de detecção de efetores TAL em plantas transformadas. C e D: Tentativa de detecção do fator WRKY em plantas transformadas.

27 27 Como alternativa, utilizamos para as duas vertentes de detecção uma titulação de 1:500 de anticorpo primário correspondente. Foi possível detecção das proteínas de interesse, mas notou-se background alto quando do uso de algumas alíquotas de anticorpo anti-ptha (utilizado para detectar os efetores TAL). Buscando amenizar o background testamos alíquotas diferentes do anticorpo na detecção de proteína recombinante. A figura 14 mostra 3 alíquotas de anticorpo diferentes detectando PthA recombinante. As três alíquotas foram classificadas como satisfatórias. Uma dessas alíquotas foi aplicada na tentativa de detecção dos efetores em plantas transformadas, contudo não alcançamos detecção satisfatória. Figura 14 Western Blot para avaliação de alíquotas de anticorpo anti-ptha disponíveis. 1,2,3: PthA recombinante detectado com diferentes alíquotas (1,2, e 3) de anticorpo anti PthA. Testamos o anticorpo anti-wrky disponível detectando a proteína recombinante na fração insolúvel, além de 4 diluições seriadas de 10x desta fração para aferir a amplitude de detecção. Foram também postas a detecção alíquotas do Flow e da eluição, como mostra a figura 15. Visualizamos a banda majoritária de aproximadamente 37,5 kda, correspondente a proteína WRKY fusionada a cauda 6x His Tag na eluição e em outras canaletas, atestando a qualidade do anticorpo. Partindo para a detecção das proteínas em plantas transformadas com o fator Figura 15 Western Blot para teste de detecção de anticorpo anti-wrky. P: amostra da fração insolúvel obtida no ensaio de expressão. D1,D2,D3 e D4: diluições seriadas (10x) da fração insolúvel obtida no ensaio de expressão. FT: flow through. EL: Eluição da proteína recombinante.

28 28 WRKY temos na figura 16 um Western Blot onde nota-se que os níveis da proteína nas plantas testadas chegam a ser levemente menores que o controle. É importante notar que a quantidade de proteína no controle é maior que nas canaletas das plantas testadas, como mostra o gel blotado (16D). A figura 16C mostra a aparência da lesão nas folhas das respectivas plantas transgênicas expressando o fator WRKY 16 dias após o desafio, apresentando menor desenvolvimento dos sintomas, apesar da pouca quantidade da proteína quando comparado ao controle representado em 16B. Sugerimos aqui um retardamento no desenvolvimento do cancro por decorrência da super expressão do fator WRKY. Cabe ainda a repetição dos experimentos para a confirmação dos resultados. Figura 16 - Correlação entre Western Blot de plantas transformadas com fator WRKY e fenótipo das plantas desafiadas com X. citri A: Western Blot de plantas transformadas com a construção WRKY. C-: controle negativo (planta não trasnformada) WRKY: WRKY recombinante fusionado a 6xHis Tag (~36 kda); 1-6: plantas transformadas com WRKY. B-C: Lesões características de cancro cítrico ( 10 x ampliadas) após 16 dias da inoculação com X. citri. B: planta controle; C: planta 02 D: Gel SDS PAGE 13% idêntico ao blotado para o Western representado em A. A Figura 17 mostra outro Western Blot para detecção de fator WRKY em plantas controle e transformadas. Em particular, as plantas transgênicas de 3 a 5 mostram aumento dos níveis de proteína de WRKY em relação aos controles, sugerindo que eles estão, de fato, super expressando a WRKY. Curiosamente, é

29 29 possível correlacionar os níveis mais elevados de expressão nas plantas WRKY 3, 4 e 5 com uma redução no desenvolvimento do cancro em relação ao controle (17B), como indicado na Figura 17C, D e E, respectivamente. Sugerimos que esses níveis proteicos correspondem a super expressão e esta contribuiu para menor desenvolvimento dos sintomas. Figura 17 Correlação entre Western Blot de plantas transformadas com fator WRKY e fenótipo das plantas desafiadas com X. citri A: Western Blot de plantas transformadas com a construção WRKY. C e C : controles negativos (plantas não transformadas) WRKY: WRKY recombinante fusionado a 6xHis Tag (~36 kda); 1-6: plantas transformadas com WRKY. B-E: Lesões características de cancro cítrico (10 x ampliadas) após 16 dias da inoculação com X. citri. B: planta controle; C: planta 3; D: planta 4; E: planta 5. F: Gel SDS PAGE 13% idêntico ao blotado para o Western representado em A Avaliação dos níveis transcricionais de genes de interesse Extração de RNA de tecido vegetal e síntese de cdna As extrações de RNA foram realizadas com sucesso (Figura 18), fato evidenciado pelas bandas ribossomais e a ausência de rastros que indicariam degradação do material. As amostras foram quantificadas por espectrofotometria e estão em concentração de aproximadamente 2,5 µg/µl. A razão entre as absorbâncias em 260nm e 280nm é de aproximadamente 1.55.

30 30 O cdna foi sintetizado e um experimento preliminar de qrt-pcr foi realizado na tentativa de analisar os níveis transcricionais de genes tidos como alvos moleculares do efetores transformados. Figura 18 Eletroforese de RNA em gel de agarose 1% desnaturante. 1: RNA de concentração conhecida (7µg/µL). 2-5: Extração de RNA das amostras de interesse. 5 CONCLUSÃO E PERSPECTIVAS Nossos resultados mostraram que a proposta de super expressão de um fator WRKY visando resistência ao cancro cítrico pode ser interessante, com base no observado em plantas com maiores níveis dessa proteína, onde houve menor desenvolvimento dos sintomas do cancro. Cabem estudos moleculares mais intensos para validar a proposta. Sobre as plantas transformadas com os efetores TAL, o trabalho permitiu consolidar alguns procedimentos da análise que facilitarão estudos mais avançados das características dessas plantas transgênicas. A análise da influência da expressão desses transgenes nos níveis transcricionais de genes de defesa de citros como alvos de desses efetores é uma perspectiva do trabalho. A continuação das análises será possível após crescimento das plantas utilizadas, o que vai facilitar os trabalhos pela maior disponibilidade de material vegetal.

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Linha de reagentes fabricados dentro de restritos controles de qualidade. Testados para assegurar os melhores resultados nas técnicas de pesquisa em Biologia

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

A agricultura moderna está sendo revolucionada pela introdução de plantas geneticamente modificadas;

A agricultura moderna está sendo revolucionada pela introdução de plantas geneticamente modificadas; EXPRESSÃO DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO HUMANO PROCESSADO EM SEMENTES DE PLANTAS TRANSGÊNICAS DE TABACO ADILSON LEITE, EDSON L. KEMPER, MÁRCIO J. DA SILVA, AUGUSTO D. LUCHESI, RODRIGO M.P. SILOTO, ERIC D.

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas Southern blotting análise de DNA Northern blotting análise de RNA Western blotting análise de proteínas Southern blotting Hibridação DNA-DNA em membrana Southern blot Digestão enzimática Eletroforese em

Leia mais

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT Técnicas de análise de proteínas Estrutura secundária da enzima COMT Fundamento e aplicação das técnicas de análise de proteínas Electroforese em gel de poliacrilamida (SDS-PAGE) Hibridação Western Electroforese

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL Luciana Oliveira Barateli; Regina Melo Sartori Coelho; Abmael Monteiro

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

Problemas de Engenharia Genética

Problemas de Engenharia Genética Engenharia Genética Secção de Genética e Dinâmica de Populações Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Problemas de Engenharia Genética 2. Técnicas de análise

Leia mais

Produção de Proteínas Recombinantes em Escherichia coli

Produção de Proteínas Recombinantes em Escherichia coli Produção de Proteínas Recombinantes em Escherichia coli Prof. Dr. Catarina Akiko Miyamoto 1 Resumo A produção de proteínas recombinantes para fins terapêuticos, veterinários, e agro-pecuários tem se mostrado

Leia mais

PROSPECÇÃO DE GENES REGULATÓRIOS E ESTRUTURAIS DE BOTÃO FLORAL DE ALGODOEIRO MORGANNA POLLYNNE N. PINHEIRO

PROSPECÇÃO DE GENES REGULATÓRIOS E ESTRUTURAIS DE BOTÃO FLORAL DE ALGODOEIRO MORGANNA POLLYNNE N. PINHEIRO UFRPE - Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós Graduação em Melhoramento Genético de Plantas PROSPECÇÃO DE GENES REGULATÓRIOS E ESTRUTURAIS DE BOTÃO FLORAL DE ALGODOEIRO MORGANNA POLLYNNE

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 06N 0 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Eduardo M. Reis Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Vanessa Diniz Barcelos Vasconcelos 2, Newton Portilho Carneiro 3 1 Trabalho financiado pelo CNPq/Fapemig

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial Protocolos LabDros Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. - 1 kg de Farinha de milho grossa; - 200g de germe de trigo; - 1 xícara de açúcar; - 2 colheres de leite em pó; - 1 colher de sal; - 800g

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 203 Professores Carlos Takeshi Hotta Guilherme Menegon Arantes Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética Biologia Molecular Tópicos de estudo Prof a Dr a Maria Aparecida Fernandez 2003 1 Unidade I Estrutura dos Ácidos Nucléicos Estrutura

Leia mais

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 António Carlos Matias Correia Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro

Leia mais

Clonagem e expressão dos cdnas que codificam as subunidades catalíticas da PKA de Paracoccidioides brasiliensis

Clonagem e expressão dos cdnas que codificam as subunidades catalíticas da PKA de Paracoccidioides brasiliensis Clonagem e expressão dos cdnas que codificam as subunidades catalíticas da PKA de Paracoccidioides brasiliensis Camila Borges Mesquita 1, Silvia Maria Salem Izacc 2 Universidade Federal de Goiás,74690-903,

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ-4025 Departamento de Bioquímica- Instituto de Química - USP Professores Fábio Luís Forti Carlos Takeshi Hotta Os protocolos que constam desta disciplina foram originalmente

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

Estudantes do Programa de Pós Graduação em Zootecnia da Universidade Estadual de Maringá.

Estudantes do Programa de Pós Graduação em Zootecnia da Universidade Estadual de Maringá. Extração de DNA e RNA de fígado e músculo em tilápia do Nilo Extraction of DNA and RNA from liver and muscle in Nile tilapia Extracción de ADN y ARN de hígado y músculo en tilapia del Nilo Eliane Gasparino

Leia mais

Géis de Entrada e Separação

Géis de Entrada e Separação (1) Géis de Entrada e Separação ESCOLHA DO GEL Depende do tamanho da proteína que se quer detectar: Tamanho da Proteína Gel 4 40 kda 20% 12 45 kda 15% 10 70 kda 12% 15 100 kda 10% 25 200 kda 8% PREPARO

Leia mais

RECOMBINANTES, USO NA PRODUÇÃO DE KIT DE DIAGNÓSTICO PARA DETECÇÃO DE ANTICORPOS NAS LEISHMANIOSES CAUSADAS POR ESPÉCIES DO GÊNERO

RECOMBINANTES, USO NA PRODUÇÃO DE KIT DE DIAGNÓSTICO PARA DETECÇÃO DE ANTICORPOS NAS LEISHMANIOSES CAUSADAS POR ESPÉCIES DO GÊNERO 1/18 E-NTPDases RECOMBINANTES, USO NA PRODUÇÃO DE KIT DE DIAGNÓSTICO PARA DETECÇÃO DE ANTICORPOS NAS LEISHMANIOSES CAUSADAS POR ESPÉCIES DO GÊNERO Leishmania Campo de Aplicação da Invenção 5 10 As proteínas

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR Tecnologia do DNA Recombinante-TDR (clonagem de DNA) CONSTRUINDO A MOLÉCULA DE DNA RECOMBINANTE, BIOTECNOLOGIA:Engenharia genética. A utilização de microorganismos, plantas e animais para a produção de

Leia mais

Cuidados e preparo da construção

Cuidados e preparo da construção Construção de biblioteca em vetor fosmídio, baseada no kit EpiFos (Epicentre) As bibliotecas com vetor fosmídio possibilitam a manutenção de uma coleção de fragmentos de 35-45 Kb dos genomas, com estabilidade

Leia mais

DNA recombinante in a nutshell

DNA recombinante in a nutshell DNA recombinante in a nutshell Biologia Molecular Aplicada A tecnologia do DNA recombinante Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Teoria bem fundamentada Por volta do início da década de 70, os fundamentos básicos

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

TESTES DE EXTRAÇÃO DE DNA DE Anticarsia gemmatalis e Spodoptera frugiperda USANDO O PROTOCOLO MINIPREP (MODIFICADO DE RAEDER; BRODA, 1985)

TESTES DE EXTRAÇÃO DE DNA DE Anticarsia gemmatalis e Spodoptera frugiperda USANDO O PROTOCOLO MINIPREP (MODIFICADO DE RAEDER; BRODA, 1985) TESTES DE EXTRAÇÃO DE DNA DE Anticarsia gemmatalis e Spodoptera frugiperda USANDO O PROTOCOLO MINIPREP (MODIFICADO DE RAEDER; BRODA, 1985) Francielle Fiorentin, Alice Jacobus de Moraes, Viviane M. Celant,

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 MARCADORES SSR PARA A CARACTERIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHETO (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.) ADRIANO ALVES DA SILVA 1, ÉDILA VILELA RESENDE VON PINHO 2 ; BRUNA LINE CARVALHO 3, VIVIAN

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pecuária Sudeste Ministério da

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Zamecnik PC and Stephenson ML, 1978: oligonucleotídeos como agentes antisenso para inibir replicação viral.

Leia mais

Transformação Genética de Musa spp. com Promotor de Expressão Gênica Tecido-específico Parcialmente Deletado

Transformação Genética de Musa spp. com Promotor de Expressão Gênica Tecido-específico Parcialmente Deletado III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 89 Transformação Genética de Musa spp. com Promotor de Expressão Gênica Tecido-específico Parcialmente Deletado Rita

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E IDENTIFICAÇÃO SOUSA, P. F. DE C. et Phakopsora al. pachyrhizi, AGENTE CAUSAL DA FERRUGEM DA SOJA NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

DISTRIBUIÇÃO E IDENTIFICAÇÃO SOUSA, P. F. DE C. et Phakopsora al. pachyrhizi, AGENTE CAUSAL DA FERRUGEM DA SOJA NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 672 DISTRIBUIÇÃO E IDENTIFICAÇÃO SOUSA, P. F. DE C. et Phakopsora al. pachyrhizi, AGENTE CAUSAL DA FERRUGEM DA SOJA NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 Identification and distribution of Phakopsora pachyrhizi

Leia mais

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Guedes, PP 1 ; Pinto, PLS 1 e Oliveira, KC 1. 1 Núcleo de Enteroparasitas, Centro de Parasitologia

Leia mais

A QUANTIDADE DE CÉLULAS DE LEVEDURAS DO GÊNERO Candida PODE INFLUENCIAR A INTEGRIDADE E QUANTIDADE DE DNA EXTRAÍDO? RESUMO

A QUANTIDADE DE CÉLULAS DE LEVEDURAS DO GÊNERO Candida PODE INFLUENCIAR A INTEGRIDADE E QUANTIDADE DE DNA EXTRAÍDO? RESUMO A QUANTIDADE DE CÉLULAS DE LEVEDURAS DO GÊNERO Candida PODE INFLUENCIAR A INTEGRIDADE E QUANTIDADE DE DNA EXTRAÍDO? Danielly Beraldo dos Santos Silva 1, Luana Mirele Carbonara Rodrigues 2, Bruno Crispim

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Biologia Avançada Jatropha curcas L.

Biologia Avançada Jatropha curcas L. 1 Pesquisadores: Hugo Bruno C. Molinari Betania F. Quirino Biologia Avançada Jatropha curcas L. Maior banco de informações moleculares em todo o mundo Gerar ferramentas para subsidiar programa de Melhoramento

Leia mais

Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes

Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes Disciplina de Mét. Purif. e Anál. Proteínas Curso de Ciências Biológicas 1º Semestre de 2015 Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes Prof. Marcos Túlio de Oliveira mtoliveira@fcav.unesp.br

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani Paulo Henrique Godoy Teles 1 ; Adriana

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA HUMANA Maria Izabel Florindo Guedes Grupo de Pesquisa: Grupo de Inovação Biotecnológica em Saúde Maria Izabel Florindo Guedes Desenvolvimento

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 2 - Características das Reações e Padronização O advento

Leia mais

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO Cynthia Germoglio Farias de Melo cynthia_fariasm@hotmail.com Rayner Anderson Ferreira do Nascimento raynerbiomedicina@gmail.com

Leia mais

Tecnologia do DNA recombinante

Tecnologia do DNA recombinante Tecnologia do DNA recombinante Tecnologia do DNA Recombinante déc. 70 conhecimento de mecanismos biomoleculares enzimas biológicas cortar DNA ligar DNA replicar DNA transcrever reversamente o RNA complementaridade

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS DE PARNAÍBA Mestrado em Biotecnologia Semestre 2011.2 PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR DATA: AULA PRÁTICA 2: preparo de soluções em biologia molecular. I.

Leia mais

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

BioDrop DUO Nota de Aplicação para dsdna

BioDrop DUO Nota de Aplicação para dsdna BioDrop DUO Nota de Aplicação para dsdna Utilizando o espectrofotômetro BioDrop DUO para quantificar dsdna em amostras de microvolumes A quantificação de DNA em microvolumes é uma aplicação de rotina em

Leia mais

Técnicas de análise de DNA e RNA

Técnicas de análise de DNA e RNA Técnicas de análise de DNA e RNA Fundamento e aplicação das técnicas de análise de DNA Extracção, purificação, quantificação e detecção de ácidos nucleicos Electroforese convencional em gel de agarose

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano Capítulo 2 Clonagem, expressão de antígenos recombinantes do vírus da Doença de Aujeszky dos suínos: desenvolvimento e validação de teste de diagnóstico diferencial para monitoria em área livre Janice

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ISOLAMENTO DE UM FRAGMENTO GENÔMICO DO PROVÁVEL ORTÓLOGO DO GENE ID1 EM CANA DE AÇÚCAR CARLA PRISCILA COELHO 1, ANTÔNIO CHALFUN JUNIOR 2 ; JOSEPH COLASANTI 3, SOLANGE APARECIDA SÁGIO 4 RESUMO O processo

Leia mais

Controle da expressão gênica

Controle da expressão gênica Programa de Biologia Celular V Curso de Verão Controle da expressão gênica Renata Ramalho Oliveira roliveira@inca.gov.br Desenvolvimento e fenótipos explicados pela modulação da expressão gênica Lehninger.

Leia mais

Relatórios de Biologia Molecular

Relatórios de Biologia Molecular Relatórios de Biologia Molecular 2013/2014 Professores: Dr. Claúdio Sunkel; Mariana Osswald Realizado por: Ana Isabel Sá; Ana Sofia Évora; Nuno Padrão 1 Extração de DNA genómico de Drosophila melanogaster

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR Itamar Crispim Simpósio Temático - 01/07 e 02/07 Local: Auditório do TECPAR das 8:00 às 18:00 horas 01 de Julho Abertura e Apresentação Institucional Dr. Samuel Goldenberg Doença de Chagas: realidade e

Leia mais

Enzimas e Clonagem Molecular

Enzimas e Clonagem Molecular Universidade Estadual de Maringá Enzimas e Clonagem Molecular Disciplina: Biologia Molecular 6855 Profa. Dra Maria Aparecida Fernandez Enzimas: Enzimas de Restrição Endonucleases de restrição; Fazem o

Leia mais