LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR"

Transcrição

1 LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Linha de reagentes fabricados dentro de restritos controles de qualidade. Testados para assegurar os melhores resultados nas técnicas de pesquisa em Biologia Molecular, oferecem soluções eficientes que atendem às necessidades de diversos laboratórios. Modelo Descrição Apresentação AV-0112 Ácido Bórico 500g AV-0113 Acrilamida 100g AV-0114 Acrilamida 500g AV-0127 Acrilamida/Bis-Acrilamida 37,5:1 200g AV-1100 Agarose Padrão Baixa EEO 100g AV-0110 Agarose Padrão Baixa EEO 500g AV-0115 Água Livre de Nucleases 500mL AV-0116 Azul de Bromofenol 25g AV-0117 Bis-Acrilamida 250g AV-0118 Brometo de Etídio (10mg/mL) 10mL AV-0119 Cloreto de Cálcio 500g AV-0501 Corante Safer 1mL AV-0120 DEPC 25mL AV-0121 DMSO 500mL AV-0130 EDTA (Sal Dihidratado Dissódico) 500g AV-0123 Glicerol 1L AV-0124 Glicina 1kg AV-0128 PBS 2pks AV-0131 PBS 1L AV-0126 Persulfato de Amônio (APS) 100g AV-0129 Sacarose 500g AV-0122 SDS (Dodecil Sulfato de Sódio) 500g AV-0111 Sulfato de Amônio 500g AV-0132 Tampão Tris-Acetato-EDTA (TAE) 10x 1L AV-0133 Tampão Tris-Borato-EDTA (TBE) 10x 1L AV-0134 Tampão Tris-EDTA (TE) 500mL AV-0135 TEMED 100mL AV-0137 Tris Base 1kg AV-0136 Tris HCl 1kg AV-0138 Tween 20 1L AV-0139 Ureia 500g AV-0140 Xileno Cianol 20g AV-0141 Marcador de Peso Molecular 100pb 50µg/500µL AV-0142 Marcador de Peso Molecular 1Kb 50µg/500µL

2 CORANTE SAFER Com alto desempenho e sensibilidade para detecção de DNA, o corante Safer é a opção ideal para a substituição do brometo de etídio (EtBr) para coloração segura de géis de eletroforese. Utilizado com amostras e marcadores de peso molecular, possibilita a visualização instantânea das bandas expostas à luz UV ou luz azul e o acompanhamento visual das amostras durante o processo de eletroforese. Luz UV Luz azul Tempo (min) amostras Exposição do Corante Safer à luz azul Tempo (min) amostras Exposição do Brometo de Etídio à luz UV Plasmídeos Produtos de PCR Plasmídeos Produtos de PCR Mais segurança para seu laboratório Segurança: Não mutagênico e de baixa toxicidade (CL>5000mg/kg) se comparado ao EtBr. Baixo Impacto Ambiental: Não contaminante. Sensibilidade: Alto grau de sensibilidade. Conveniente: Pronto para uso, mesmo processo de aplicação dos tampões de corrida. Velocidade: Rápida visualização com baixo background, não requer descoloração. Compatibilidade: Detecção de fl uorescência através de luz azul ou UV. Economia: Produto não prejudicial, não requer tratamento de resíduos. Modelo Concentração Volume recomendado Tampões de corrida fornecidos Embalagem Armazenamento AV X 1μL corante/5μl amostra Azul de bromofenol, xileno cianol e alaranjado G 1mL 4 C até 12 meses; -20 C para longos períodos; Sensível à luz armazenar em local escuro. Av. Jabaquara, Conjunto 125 / 126 São Paulo-SP. CEP Tel DDG LACS06/2012

3 AGAROSE PADRÃO A conformação estrutural da Agarose permite a formação de gel com matriz muito forte, mesmo em baixa concentração. A ausência de grupos iônicos torna o gel totalmente neutro impossibilitando qualquer interação com as amostras. A matriz é composta por uma malha, por onde ocorre a migração e separação dos fragmentos. Devido às características de sua matriz, o gel de Agarose pode ser utilizado como filtro ou superfície, por onde macromoléculas biológicas como proteínas ou ácidos nucléicos migram e se fragmentam. Principais aplicações Características Imunodifusão: Nessa técnica, os fragmentos migram e são precipitados no gel através de difusão molecular. Eletroforese e Imunoeletroforese: Os fragmentos migram através da malha direcionados por um campo eletrostático. Ideal para Géis com grande resistência mecânica, mais confiáveis e fáceis de manusear; Preparação simples, através da diluição em tampão. Para alterar a porosidade da matriz, basta alterar a concentração do gel; Grande estabilidade térmica (Alta histerese); Excelente transparência e alta visibilidade; Baixa absorção de corantes; Produto não tóxico. Separação analítica de fragmentos de 100 a pb (dependendo da concentração do gel); Tipagem de DNA; Blotting; Eletroforese de proteínas. Modelo AV AV Embalagem 100g 500g LAA07/2012

4 A B C Especificações Agarose Padrão Umidade 7% 12 kb 5 kb Resíduos 4% Eletroendosmose (EEO) 0,05-0,13 Sulfato 0,1% Claridade 1,5%(NTU) 3 Resistência do Gel 1%(g/cm²) kb Resistência do Gel 1,5%(g/cm²) 2500 Temperatura de Polimerização 1,5%( C) 36 ± 1,5 Temperatura de Fusão 1,5% ( C) 88 ± 1,5 Gel de Agarose Padrão em tampão TAE. A-0.75%, B-1%, C-1.25%. Marcador de peso molecular:1kb. Condições de eletroforese: Corrida de 2 horas e 30 min, 4.5V/cm em tampão TAE. Atividade de DNase e RNase Resolução de DNA 1000pb Gel Background Não detectada Alta visualização Muito Baixa Faixas de separação em géis de Agarose Padrão (%)* pb ,6% 0,8% 1% 1,2% 2% 1,5% * Faixas de separação baseadas na presença de tampão TAE. A faixa de separação depende da escolha do tampão. Av. Jabaquara, Conjunto 125 / 126 CEP São Paulo-SP. Brasil. Tel DDG LAA07/2012

5 REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Produtos prontos para uso, fabricados dentro de um restrito controle de qualidade. Ideais para diversas rotinas e pesquisas realizadas na área de Biologia Molecular. Eletroforese Produtos utilizados no preparo de géis para separação de ácidos nucléicos ou proteínas. Acrilamida: Substância utilizada na produção de géis de poliacrilamida. - Fórmula: C 3 H 5 NO - Aspecto: Cristais brancos uniformes - Peso: 71,08 - CAS: Bis-acrilamida: Agente de ligação cruzada na polimerização da acrilamida. - Fórmula: C 7 H 10 O 2 N 2 - Aspecto: Pó branco cristalino - Peso: 154,17 - CAS: Acrilamida/Bis-Acrilamida: Mistura de acrilamida e bis-acrilamida na proporção 37,5:1. - Aspecto: Pó branco Agarose: Utilizada na separação de fragmentos de 100pb a 20kb, conforme a concentração do gel. - Aspecto: Pó fino branco - CAS: Persulfato de Amônio: Agente oxidante, catalisador da polimerização do gel de poliacrilamida. - Fórmula: (NH 4 ) 2 S 2 O 8 - Aspecto: Cristais brancos uniformes - Peso: 228,20 - CAS: TEMED: Acelerador da polimerização do gel de poliacrilamida. - Fórmula: C 6 H 16 N 2 - Aspecto: Líquido claro - Peso: 116,21 - CAS: CRBMA07/2012

6 Modelo Descrição Apresentação AV-0113 Acrilamida 100g AV-0114 Acrilamida 500g AV-0127 Acrilamida/Bis-Acrilamida 37,5:1 200g AV-1100 Agarose Padrão Baixa EEO 100g AV-0110 Agarose Padrão Baixa EEO 500g AV-0117 Bis-Acrilamida 250g AV-0126 Persulfato de Amônio (APS) 100g AV-0135 TEMED 100mL Tampões Ácido Bórico: Reagente utilizado no preparo de tampões como TBE, entre outras aplicações. - Fórmula: H 3 BO 3 - Aspecto: Cristais brancos uniformes - Peso: 61,83 - CAS: Tris-Base: Componente de soluções como TBE, TAE e TE. - Fórmula: C 4 H 11 NO 3 - Aspecto: Pó cristalino branco - Peso: 121,14 - CAS: EDTA: Sal inibidor de DNases utilizado no preparo de tampões como TBE, TAE e TE. - Fórmula: C 10 H 14 N 2 O 8 Na 2.2H 2 O - Aspecto: Pó branco cristalino - Peso: 372,24 - CAS: Glicina: Aminoácido utilizado no preparo de tampões para a técnica SDS-Page. - Fórmula: C 2 H 5 NO 2 - Aspecto: Pó cristalino branco - Peso: 75,07 - CAS: Tris-HCl: Utilizado como tampão em soluções com ph entre 7,2 e 9,0. - Fórmula: C 4 H 11 NO 3.HCl - Aspecto: Pó cristalino branco - Peso: 157,64 - CAS: TAE: Utilizado em eletroforese. Ideal para separação de fragmentos de alto peso molecular (>12kb). - Aspecto: Solução Av. Jabaquara, Conjunto 125 / 126 CEP São Paulo-SP. Brasil. Tel DDG CRBMA07/2012

7 TBE: Utilizado em eletroforese. Ideal para separação de fragmentos de baixo peso molecular (<1kb). - Aspecto: Solução. TE: Solução utilizada na purificação, armazenamento e ressuspensão de DNA. - Aspecto: Solução PBS: Tampão isotônico e atóxico para células, utilizado no cultivo celular e biologia molecular. - Aspecto: Solução Tween 20: Utilizado em soluções tampão de bloqueio e lavagem. - Fórmula: C 58 H 114 O 26 - Aspecto: Líquido amarelo viscoso - Peso: 1227,54 - CAS: Modelo Descrição Apresentação AV-0112 Ácido Bórico 500g AV-0130 EDTA (Sal Dihidratado Dissódico) 500g AV-0124 Glicina 1kg AV-0128 PBS 2 pacotes AV-0131 PBS 1L AV-0132 Tampão Tris-Acetato-EDTA (TAE) 10x 1L AV-0133 Tampão Tris-Borato-EDTA (TBE) 10x 1L AV-0134 Tampão Tris-EDTA (TE) 500mL AV-0137 Tris Base 1kg AV-0136 Tris HCl 1kg AV-0138 Tween 20 1L CRBMA07/2012

8 Corantes Azul de Bromofenol: Utilizado para monitorar a eletroforese, apresenta migração equivalente a um fragmento de DNA de 500bp. - Fórmula: C 19 H 10 Br 4 O 5 S - Aspecto: Pó castanho-avermelhado - Peso: 669,96 - CAS: Brometo de Etídio: Agente intercalante do DNA que emite fluorescência quando exposto à luz UV, utilizado na coloração de gel de agarose. - Fórmula: C 21 H 20 BrN 3 - Aspecto: Líquido vermelho-escuro - Peso: 394,32 - CAS: Glicerol: Solvente utilizado no preparo dos marcadores de corrida (azul de bromofenol e xileno cianol). - Fórmula: C 3 H 5 (OH) 3 - Aspecto: Líquido viscoso incolor - Peso: 92,10 - CAS: Xileno Cianol: Utilizado para monitorar a eletroforese, apresenta migração equivalente a um fragmento de DNA de 5kb. - Fórmula: C 25 H 27 N 2 O 6 S 2 Na - Aspecto: Pó verde-azulado - Peso: 538,6 - CAS: Corante Safer: Corante não mutagênico utilizado para confirmação visual da eletroforese. Substituto seguro para o Brometo de Etídio. Modelo Descrição Apresentação AV-0116 Azul de Bromofenol 25g AV-0118 Brometo de Etídio 10mL AV-0501 Corante Safer 1mL AV-0123 Glicerol 1L AV-0140 Xileno Cianol 20g Av. Jabaquara, Conjunto 125 / 126 CEP São Paulo-SP. Brasil. Tel DDG CRBMA07/2012

9 Demais reagentes Água Livre de Nuclease: Água filtrada livre de contaminantes usada em diversas técnicas. - CAS: Cloreto de cálcio: Sal utilizado na transformação genética celular. - Fórmula: CaCl 2. 2H 2 O 2 - Aspecto: Pó branco - Peso: 147,02 - CAS: DEPC: Solução utilizada na inativação de RNases, protegendo as amostras de RNA da degradação. - Fórmula: C 6 H 10 O 5 - Aspecto: Líquido amarelo claro - Peso: 162,14 - CAS: DMSO: Solução facilitadora da desnaturação do DNA, utilizada para potencializar a PCR. - Fórmula: (CH 3 ) 2 SO - Aspecto: Líquido incolor - Peso: 78,13 - CAS: Sacarose: Monossacarídeo utilizado em tampões e gradientes de centrifugação. - Fórmula: C 12 H 22 O 1 - Aspecto: Finos cristais brancos - Peso: 342,3 - CAS: SDS: Detergente aniônico utilizado na extração de DNA e confecção de géis SDS-Page. - Fórmula: C 12 H 25 NaO 4 S - Aspecto: Fino pó branco - Peso: 228,38 - CAS: Sulfato de Amônio: Sal inorgânico utilizado na purificação de proteínas. - Fórmula: (NH 4 ) 2 SO 4 - Aspecto: Pó incolor cristalino - Peso: 132,14 - CAS: Ureia: Utilizada na desnaturação de proteínas e aceleração da atividade da proteinase K. - Fórmula: CH 4 N 2 O - Aspecto: Pó branco - Peso: 60,06 - CAS: Modelo Descrição Apresentação AV-0115 Água Livre de Nucleases 500mL AV-0119 Cloreto de Cálcio 500g AV-0120 DEPC 25mL AV-0121 DMSO 500mL AV-0129 Sacarose 500g AV-0122 SDS (Dodecil Sulfato de Sódio) 500g AV-0111 Sulfato de Amônio 500g AV-0139 Ureia 500g CRBMA07/2012

10 MARCADORES DE PESO MOLECULAR Combinação de produtos PCR e plasmídeos digeridos com enzimas de restrição apropriados para a obtenção de fragmentos; Ideais para comparação entre bandas de peso molecular semelhantes ou extremamente diferentes; Adequados para utilização como padrões de peso molecular para eletroforese em gel de agarose; Apresentam bandas que possuem maior intensidade para servirem como referência; Prontos para uso. Marcador de Peso Molecular DNA 100pb Marcador de Peso Molecular DNA 1Kb Faixa: pb Número de bandas: 12 Concentração: 100 µg/ml Bandas de maior intensidade: 500 pb e pb Peso molecular das bandas: aprox. 0.54µg Volume recomendado: 5 µl/poço Corantes de rastreamento: Laranja G & Xileno Cianol FF Armazenamento: Armazenar a 25 C por 6 meses ou a -20 C por 24 meses Faixa: pb Número de bandas: 13 Concentração: 100 µg/ml Bandas de maior intensidade: 1K e 3K Peso molecular das bandas: aprox. 0.5µg Volume recomendado: 5 µl/poço Corantes de rastreamento: Azul de Bromofenol & Xileno Cianol FF Armazenamento: Armazenar a 25 C por 6 meses ou a -20 C por 24 meses Massa de DNA (ng/5 µl) Pares de base Massa de DNA (ng/5 µl) Pares de base Modelo Descrição Apresentação AV-0141 AV-0142 Marcador de Peso Molecular 100pb Marcador de Peso Molecular 1Kb 50µg/500µL 50µg/500µL 1% TAE em gel de Agarose 1.5% TAE em gel de Agarose 1,5% TAE de gel agarose Av. Jabaquara, Conjunto 125 / 126 CEP São Paulo-SP. Brasil. Tel DDG CMDM07/2012

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Número CC004/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número CC004/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 AGUA destilada, para solucao injetavel. Embalagem: ampola com 20 ml conteendo a impressao " venda proibida pelo comercio." registro dos produtos na Anvisa e Certificado de Boas Praticas, Fabricacao

Leia mais

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Géis de Entrada e Separação

Géis de Entrada e Separação (1) Géis de Entrada e Separação ESCOLHA DO GEL Depende do tamanho da proteína que se quer detectar: Tamanho da Proteína Gel 4 40 kda 20% 12 45 kda 15% 10 70 kda 12% 15 100 kda 10% 25 200 kda 8% PREPARO

Leia mais

A ANÁLISE DE DNA POR ELETROFORESE

A ANÁLISE DE DNA POR ELETROFORESE A ANÁLISE DE DNA POR ELETROFORESE Co autores: Elisete Marcia Corrêa Patrícia Abrão Possik Eletroforese de DNA em gel A análise de DNA por eletroforese é uma das técnicas fundamentais nos laboratórios de

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

Exercício 2 DNA e Eletroforese

Exercício 2 DNA e Eletroforese Exercício 2 DNA e Eletroforese Você já aprendeu sobre as enzimas de restrição e como elas clivam o DNA em fragmentos. Você também deve ter notado que, em alguns mapas de restrição, uma enzima pode produzir

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Técnicas eletroforéticas Fonte: Wilson & Walker. Principles and Techniques of Biochemistry and Molecular Biology, 7ed. Page 399-

Técnicas eletroforéticas Fonte: Wilson & Walker. Principles and Techniques of Biochemistry and Molecular Biology, 7ed. Page 399- Degustação de trechos de livros sugeridos Técnicas eletroforéticas Fonte: Wilson & Walker. Principles and Techniques of Biochemistry and Molecular Biology, 7ed. Page 399- Princípios gerais O termo eletroforese

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas Southern blotting análise de DNA Northern blotting análise de RNA Western blotting análise de proteínas Southern blotting Hibridação DNA-DNA em membrana Southern blot Digestão enzimática Eletroforese em

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS DE PARNAÍBA Mestrado em Biotecnologia Semestre 2011.2 PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR DATA: AULA PRÁTICA 2: preparo de soluções em biologia molecular. I.

Leia mais

DESCONTAMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE BROMETO DE ETÍDIO GERADOS EM PROCEDIMENTOS DE BIOLOGIA MOLECULAR

DESCONTAMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE BROMETO DE ETÍDIO GERADOS EM PROCEDIMENTOS DE BIOLOGIA MOLECULAR 20 a 24 de outubro de 2008 DESCONTAMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE BROMETO DE ETÍDIO GERADOS EM PROCEDIMENTOS DE BIOLOGIA MOLECULAR Renan Savieri Carniello 1 ; Rodrigo Franco da Silva 2 ; Adriana Fiorini 3 RESUMO:

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial Protocolos LabDros Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. - 1 kg de Farinha de milho grossa; - 200g de germe de trigo; - 1 xícara de açúcar; - 2 colheres de leite em pó; - 1 colher de sal; - 800g

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Cronograma. Aula: Eletroforese (SDS-PAGE) e Sequenciamento de Proteínas Prática 6- Procedimento A (Diálise) Execução e Recolhimento do exerício 7

Cronograma. Aula: Eletroforese (SDS-PAGE) e Sequenciamento de Proteínas Prática 6- Procedimento A (Diálise) Execução e Recolhimento do exerício 7 Cronograma Entrega do Relatório 4 Entrega do Relatório 5 HOJE Aula: Eletroforese (SDS-PAGE) e Sequenciamento de Proteínas Prática 6- Procedimento A (Diálise) Execução e Recolhimento do exerício 7 23/10

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética Biologia Molecular Tópicos de estudo Prof a Dr a Maria Aparecida Fernandez 2003 1 Unidade I Estrutura dos Ácidos Nucléicos Estrutura

Leia mais

PURIFICAÇÃO DE PROTEÍNAS

PURIFICAÇÃO DE PROTEÍNAS (>1000 proteínas diferentes) purificar -glicosilase PURIFICAÇÃO DE PROTEÍNAS Métodos baseados nas diferentes propriedades das proteínas Carga, tamanho, hidrofobicidade, 0,92 U/mg interações específicas

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 203 Professores Carlos Takeshi Hotta Guilherme Menegon Arantes Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

LICENCIATURA EM MEDICINA

LICENCIATURA EM MEDICINA LICENCIATURA EM MEDICINA Disciplina de Biologia Molecular (2º Ano) Ano Lectivo de 2006/2007 3º AULA PRÁTICA 1 - Introdução à tecnologia de PCR 1.1. A reacção de PCR Príncipios e variantes da técnica 2.

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

See more blue in your lab with great savings from Fisher Scientific. na cabine

See more blue in your lab with great savings from Fisher Scientific. na cabine Fisherbrand Fits Everywhere See more blue in your lab with great savings from Fisher Scientific Qualquer que seja a sua aplicação a Fisherbrand tem a solução para si sobre a mesa nas estantes no congelador

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

ELETROFORESE PROTEÍNAS A-04 A-06 A-09 A-14 A-16 A-18 A-18 A-19 A-20 A-22 A-33 ELETROFORESE HORIZONTAL... ACESSÓRIOS PARA ELETROFORESE HORIZONTAL...

ELETROFORESE PROTEÍNAS A-04 A-06 A-09 A-14 A-16 A-18 A-18 A-19 A-20 A-22 A-33 ELETROFORESE HORIZONTAL... ACESSÓRIOS PARA ELETROFORESE HORIZONTAL... ELETROFORESE 1 ELETROFORESE HORIZONTAL... ACESSÓRIOS PARA ELETROFORESE HORIZONTAL... ELETROFORESE VERTICAL... ACESSÓRIOS PARA ELETROFORESE VERTICAL... CUBA SEQUÊNCIAMENTO... BLOTTING... FOCALIZAÇÃO ISOELÉTRICA

Leia mais

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pecuária Sudeste Ministério da

Leia mais

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091.

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091. PT Instruções de utilização Wipe Test Controlo de contaminação Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091 40 reacções 1. Descrição do produto O uso da Polymerase

Leia mais

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran HCl 0,1N FCAV/UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Analítica Fundamentos da Análise Titrimétrica (Volumétrica) NaOH 0,1N Prof a. Dr a. Luciana M. Saran Fenolftaleína 1 O QUE É? ANÁLISE TITRIMÉTRICA

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC.

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC. ANEXO I - SOLUÇÕES A Para expansão dos hibridomas Meio de cultura (solução-estoque) Meio RPMI - Roswell Park Memorial 10,4 g Institute (Gibco, Invitrogen) NaHCO 3 2 g HEPES 4,68 g Antibiótico/antimicótico

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Rev. 04 Out/2013. Amostras

Rev. 04 Out/2013. Amostras BANG07-02 BANG07-05 Philadelphia Oligomix Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto «PHILADELPHIA oligomix Alert kit» é um teste qualitativo de amplificação dos ácidos nucleicos para a pesquisa

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 06N 0 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Eduardo M. Reis Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 1 - PCR: Princípios e tipos de Reação Breve Histórico Desenvolvida

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE Linha de produtos fabricados em material de alta transparência, em sala limpa escala 100,000, de acordo com as normas ISO 9001 e ISO 13485:2003/AC:2007, certificados como

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL Luciana Oliveira Barateli; Regina Melo Sartori Coelho; Abmael Monteiro

Leia mais

Genes e Genomas Protocolos das aulas práticas

Genes e Genomas Protocolos das aulas práticas Genes e Genomas Protocolos das aulas práticas Licenciatura em Biologia Aplicada, 3º ano Ano lectivo de 2012/2013 Docente coordenador: Rui Oliveira Precauções em laboratório de biologia molecular Segurança

Leia mais

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 António Carlos Matias Correia Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

The Chemistry of Haircolor

The Chemistry of Haircolor The Chemistry of Haircolor John Halal Honors Beauty College 9725 Crosspoint Commons Indianapolis, IN 46256 317.841.6085 john1@honorsbeautycollege.com Não sobrou muito cabelo para mim, mas meu shampoo especial

Leia mais

Coleta de Cartões de Amostras

Coleta de Cartões de Amostras CARDS Coleta de Cartões de Amostras Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas

Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas Apresenta-se abaixo um protocolo para preparação de géis SDS-PAGE a ser utilizado em uma análise de confirmação

Leia mais

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO KITS DE EXTRAÇÃO BIOPUR A extração de DNA é o primeiro passo para diferentes procedimentos na Biologia Molecular. Este processo é parte fundamental para se obter alta eficiência

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ-4025 Departamento de Bioquímica- Instituto de Química - USP Professores Fábio Luís Forti Carlos Takeshi Hotta Os protocolos que constam desta disciplina foram originalmente

Leia mais

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca.

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca. Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15 Objeto: LOTE 1: Fornecimento parcelado de 5 (cinco) toneladas de Ortopolifosfato a 55%. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Descontaminação de equipamentos Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB DEFINIÇÃO CONTAMINAÇÃO: contato

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup cleanup linha floor care limpeza e manutenção de pisos E 200 Limpador Alcalino de Uso Geral Desenvolvido para limpeza leve e pesada em todos os tipos de superfícies laváveis (bancadas, paredes, máquinas

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Aspectos gerais sobre preparo de amostras Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Técnicas Espectroanalíticas - FAAS - GFAAS - ICP OES - ICP-MS - Aspecto comum: amostras são usualmente introduzidas como soluções

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

Análise de Proteínas. Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP. Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica

Análise de Proteínas. Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP. Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica Análise de Proteínas Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica 2013 Proteínas Macromoléculas compostas de AMINOÁCIDOS

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM Preparação do Material Biológico para Observação em TEM 16º Workshop SEMAT/UM - Caracterização Avançada de Materiais Sandra Mariza Monteiro (smonteir@utad.pt) Preparação do Material Biológico para Observação

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO 10ª AULA PRÁTICA

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO 10ª AULA PRÁTICA Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO 10ª AULA PRÁTICA ELECTROFORESE DAS PROTEÍNAS PLASMÁTICAS - Interpretação do proteinograma - 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Técnicas de análise de DNA e RNA

Técnicas de análise de DNA e RNA Técnicas de análise de DNA e RNA Fundamento e aplicação das técnicas de análise de DNA Extracção, purificação, quantificação e detecção de ácidos nucleicos Electroforese convencional em gel de agarose

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Fenómenos de Transporte. Sedimentação

Fenómenos de Transporte. Sedimentação Fenómenos de Transporte Sedimentação Sedimentação: para quê? Sedimentação movimento de uma partícula por acção de um campo centrífugo Técnica usada para separar purificar analisar espécies celulares (proteínas,

Leia mais

CONCEITO CONCEITO HISTÓRIA 21/03/2013

CONCEITO CONCEITO HISTÓRIA 21/03/2013 CONCEITO Cromatografia é um processo físico de separação, no qual os componentes a serem separados distribuem-se em duas fases: fase estacionária e fase móvel. PROFA. ALESSANDRA GUEDES SALVADOR, 2013.

Leia mais

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE Cromatografia CROMATOGRAFIA Plano de Aula -Princípios da separação de moléculas -Cromatografia: Classificação e mecanismos de separação -Cromatografia

Leia mais

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol 4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol OH + HCl Cl + H 2 O C 4 H 10 O C 4 H 9 Cl (74,1) (36,5) (92,6) Classificação Tipos de reações e classes de substâncias

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC)

Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC) Material disponível no site http://www.ufsm.br/larp Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC) Prof. Renato Zanella (UFSM) A cromatografia em camada delgada é outra forma

Leia mais

Cromatografia em camada delgada: Análise qualitativa da composição. de analgésicos. Alunos: Paula Gomes Paulo Sanches

Cromatografia em camada delgada: Análise qualitativa da composição. de analgésicos. Alunos: Paula Gomes Paulo Sanches Cromatografia em camada delgada: Análise qualitativa da composição Alunos: Paula Gomes Paulo Sanches Professores: Prof. Dr. José Eduardo de Oliveira Profa. Dra. Angela Regina Araújo de analgésicos Cromatografia

Leia mais

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Para a purificação de DNA genômico nos kits de coleta das famílias Oragene e ORAcollect Visite nosso site www.dnagenotek.com para

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT Técnicas de análise de proteínas Estrutura secundária da enzima COMT Fundamento e aplicação das técnicas de análise de proteínas Electroforese em gel de poliacrilamida (SDS-PAGE) Hibridação Western Electroforese

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

Análise da Situação Atual do Laboratório de Biologia Molecular da Embrapa Amazônia Ocidental em Relação à Implantação de Boas Práticas de Laboratório

Análise da Situação Atual do Laboratório de Biologia Molecular da Embrapa Amazônia Ocidental em Relação à Implantação de Boas Práticas de Laboratório ISSN 1517-3135 dezembro, 2010 81 Análise da Situação Atual do Laboratório de Biologia Molecular da Embrapa Amazônia Ocidental em Relação à Implantação de Boas Práticas de Laboratório ISSN 1517-3135 Dezembro,

Leia mais

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos:

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3.1 Materiais: A Tabela 3.1 apresenta os equipamentos e materiais utilizados, suas características principais, fornecedores, e em quais procedimentos os

Leia mais