Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica"

Transcrição

1 Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica Osmar Vaz de Carvalho Netto Laboratório de Genômica e Expressão Instituto de Biologia - UNICAMP V Semana de Fermentação Alcoólica - Jayme Rocha de Almeida

2 Desenvolvimento de linhagens utilizadas para produção de etanol geneticamente melhoradas Alterar características genéticas da linhagem Banco de linhagens com características desejáveis

3 Introdução Levedura Saccharomyces cerevisiae Estrutura do DNA elucidada em 1996 Science, 1996

4

5

6 Processos biológicos de Saccharomyces cerevisiae Uva Massa Malte Cana de açúcar Etanol Pão Cerveja Vinho

7 Estratégia da produção de etanol Habilidade de produção e resistência Glicose Glicose reprime respiração Etanol Processo pouco eficiente (energético) S. cerevisiae Piskur, Trends in Genetics Vol.22 No.4 April 2006.

8 Evolução das leveduras As linhagens desenvolveram estruturas especializadas para fermentar - Física (estrutura e organização da célula) - Genética (DNA e proteínas)

9 Estrutura genética ~ 6000 genes DNA RNA ~ 6000 proteínas Proteína ADH1

10 Funções das proteínas Metabolismo: Acetaldeído Etanol ADH1 Estrutura: CWP2 Manoproteína, principal constituinte da parede celular Regulação: SPT15 Fator que promove a ativação de outros genes

11 Como as proteínas são produzidas no momento certo? Estímulo para ativar a produção da proteína Açúcar Etanol Temperatura Expressão gênica RNA Proteína

12 Vias metabólicas de S. cerevisiae

13 Formas de manipulações genéticas de leveduras Engenharia metabólica aleatória Modificações generalizadas e identificação das linhagens com as características de interesse Engenharia evolutiva Cultivo constante sob estresse e seleção de linhagens Engenharia metabólica direta Mudanças específicas em regiões conhecidas de interesse Engenharia metabólica reversa Identificação de uma linhagem com características de interesse e transferência das informações para outras linhagens e/ou manipulação direta

14 Exemplo de manipulação de leveduras de vinho Melhora o corpo do vinho Glicerol Etanol Saúde Lei seca Metabolic Engineering Vol. 9 (4), Pages

15 Exemplo de manipulação de leveduras de cerveja SSU1 MET14 Aumento da expressão gênica Antioxidante Preserva o sabor da bebida

16 Exemplos de manipulação de leveduras para etanol celulósico Celulose Hemicelulose Glicose Xilose Arabinose Ha et al., PNAS, v.108, n.2

17 Características da produção de etanol no Brasil Reciclo de células durante toda a safra Caldo de cana-de-açúcar não é estéril Grande quantidade de contaminantes, competição dinâmica A maioria dos contaminantes não possui características de fermentação desejáveis

18 Linhagens selecionadas Seleção de linhagens diretamente das Usinas a partir dos anos 90 PE-2 é uma das mais adotadas e adaptadas ao processo fermentativo

19 Linhagens selecionadas Características desejáveis: - Alto rendimento e produtividade - Vigor durante o processo fermentativo 100 População de células (%) PE-2 Outras linhagens Adaptado de Basso et al., Dias

20 Manipulação e estudo de linhagens Nós acreditamos que esta linhagem pode ficar ainda melhor através de manipulações genéticas pontuais Obstáculos Linhagens estudadas : laboratório importância clínica diferentes origens tecnológicas (cerveja, vinho) Não possuem aplicação direta!

21 -38%

22 Caracterização genética de linhagens Qualquer trabalho de manipulação genética de determinada linhagem deve ser precedido por um estudo detalhado sobre a estrutura, organização e controle do genoma

23 Etapas do desenvolvimento de linhagens melhoradas (baseadas em PE-2) Passo 1: Caracterização da composição e estrutura do genoma de PE-2 Passo 2: Domesticação de linhagem PE-2 Passo 3: Caracterização da expressão gênica de PE-2 durante a fermentação Passo 4: Desenvolvimento de linhagens derivadas de PE-2 geneticamente melhoradas

24 Primeiro passo: caracterização da composição e estrutura do genoma de PE-2 Genome Res Dezembro; 19 (12): Forneceu informações para estudos de expressão e manipulação gênica

25 Características do genoma de PE-2 Região central conservada Plasticidade para variar o número e a organização dos genes Região periférica variável

26 Características do genoma de PE-2 Linhagem de laboratório PE-2 Novo gene Produção de novas proteínas

27 Características do genoma de PE-2 Linhagem de laboratório PE-2 Duplicação Produção de proteínas em quantidades maiores

28 Características do genoma de PE-2 Linhagem de laboratório PE-2 Alteração do gene Produção de diferentes proteínas

29 Características do genoma de PE-2 Linhagem de laboratório PE-2 Alteração no estímulo Produção de uma mesma proteína sob diferentes estímulos

30 Segundo passo: domesticação de PE-2 Objetivos: - Facilitar a manipulação genética da linhagem - Utilizar marcas da própria linhagem - Ser o mínimo invasivo o possível

31 Transformação (manipulação) de leveduras Nova característica Gene repórter Geneticina Geneticina Nova característica + Geneticina Nova característica Meio de cultivo com antibiótico

32 Segundo passo: domesticação de PE-2 PE-2 GEA2 URA3 TIM9 PE-2 domesticada GEA2 TIM9

33 Meio sem Uracila GEA2 TIM9 + URA3 Nova característica Gene repórter GEA2 URA3 Nova característica TIM9 Meio sem Uracila

34 Etapas do desenvolvimento de linhagens melhoradas (baseadas em PE-2) Passo 1: Caracterização da composição e estrutura do genoma de PE-2 (Finalizado) Passo 2: Domesticação de linhagem PE-2 (Finalizado)

35 Terceiro passo: objetivos do estudo - Determinar em que quantidade e momento os genes são ativados durante a fermentação - Selecionar genes e ativadores para serem urtilizados nos estudos de manipulação genética Concentração (%) Açúcar Etanol Início: pressão osmótica Final: toxicidade de etanol Horas

36 Usina Nova América Maracaí-SP 900 m 3

37 Coleta das amostras e identificação da quantidade de proteína produzida Fermentação industrial Concentração (%) 12 8 Açúcar Etanol 4 6 pontos: começo ao fim Horas DNA RNA-Seq Determinar o número de RNAs de cada gene RNA Proteína

38 Exemplos de valores de expressão gênica Início da fermentação: 2 horas de processo Seqs mapeadas: 5 Seqs mapeadas: 50 Seqs mapeadas: 500 C4 A1 R3 R3 100 X > 10 X > C4 A1

39 Início da fermentação 2 horas Final da fermentação 15 horas Seqs mapeadas: 500 Seqs mapeadas: 50 R3 R3 Nível de expressão do gene R3 varia 10 vezes ao longo da fermentação

40 Sabemos onde os genes e as regiões regulatórias estão localizadas Temos uma linhagem preparada para receber as informações de interesse Temos as informações de interesse Passo 4: Desenvolvimento de linhagens derivadas de PE-2 geneticamente manipuladas

41 Primeira fase do desenvolvimento das linhagens Alguns genes são regulados em resposta a condições de estresses - + Etanol Número de RNAs:

42 Genes regulados em resposta a estresse - Hipóteses Nesta situação, se a expressão de um gene específico de resposta a estresse está aumentando, ele deve estar protegendo a célula contra os danos causados pelo estresse O que aconteceria com a pré-ativação da expressão desse gene antes do estresse ser sentido pela célula? - + Etanol

43 Seleção de alguns genes de interesse Inicialmente, 10 genes foram selecionados Variação da quantidade de proteína: 2 a 96 vezes R3 G1 RPKM (Log 10) D2 H2 T2 H1 Y6 Y Tempo (horas) M1 N4

44 Seleção de alguns genes de interesse Estes genes foram selecionados para serem utilizados em ensaios de manipulação visando a alteração do padrão de expressão gênica 1- Aumentar a quantidade de proteína produzida 2- Ativar a produção antes da levedura sentir o estresse Quais ativadores utilizar?

45 Seleção dos ativadores Valor constante durante a fermentação Diferentes níveis de valor entre os ativadores selecionados S1 Valor médio RPKM (Log 10) A1 F1 T1 C P1 730 I Tempo (horas) RPKM (Log 10) R3 G1 D2 H2 T2 H1 Y6 Y4 M1 Tempo (horas) N4

46 Estratégia para alteração dos ativadores Gene repórter Região ativadora Produto alvo KanMX4 pc4 DNA original + H2 DNA com a região ativadora alterada KanMX4 pc4 H2

47 Alteração da quantidade de proteína produzida 30 linhagens: 10 genes / 3 diferentes ativadores cada Expressão gênica esperada KanMX4 pc4 H2 Elevada KanMX4 pt1 H2 Bem elevada KanMX4 pa1 H2 Altamente elevada

48 Ensaios de competição 30 linhagens alteradas (marcadas com antibiótico Kan) Caldo de cana de açúcar (18%) a 30C Inóculo inicial: ~50% cada PE-2 KanMX4 pt1 H2 X + YPD+Kan YPD Razão: Colônias resistentes a Kan (400) Total de colônias (meio rico) (800) Razão = 0.5

49 Ensaios de competição PE-2 X KanMX4 pt1 H % 0.5% 0.5% 0.5% 0.5% 0.5% 0.5% 0.5% 0.5% 0.5% Dia inicial Ciclo 1 Ciclo 5 Ciclo 10

50 Ensaio de competição controle X PE-2 PE-2 KanMX4 + Razão: Colônias resistentes a Kan Total de colônias (meio rico) 0,7 0,6 Razão 0,5 0,4 0,3 Parental vs. Parental+Kan 0, Ciclo

51 Vigor de crescimento durante a competição 0,7 0,6 Razão 0,5 0,4 0,3 H1 pc4 D2 ps1 0, Ciclo Efeito neutro: 16 de 30 0,7 0,7 0,6 0,6 Razão 0,5 0,4 0,3 Y4 pt1 H2 pt1 Razão 0,5 0,4 0,3 R3 ps1 H2 pc4 0, Ciclo 0, Ciclo Efeito negativo: 5 de 30 Efeito positivo: 9 de 30

52 Linhagens com efeito neutro ou positivo Ensaios de tolerância a estresses: PE-2 X Modificada Etanol Açúcar Temperatura 15% 17% 17% 20% 30C 37C 19% 21% 23% 26% 34C 40C

53 Ensaios fermentativos para as linhagens com efeito neutro ou positivo (perspectivas) Etanol (g/l) PE-2 LGE1 Etanol (g/l) PE-2 LGE Horas Horas Etanol (g/l) PE-2 LGE3 Etanol (g/l) PE-2 LGE Horas Horas

54 Características desejadas das linhagens desenvolvidas Tolerância a estresses Desempenho fermentativo LGE2 LGE3 = LGE6 =

55 Vantagem das linhagens desenvolvidas (perspectivas) População de células (%) PE-2 Outras linhagens % 90% População de células (%) PE-2 derivada 40 Outras linhagens Dias Dias Aumento da produção! - Vigor - Rendimento - Produtividade

56 Sistema automatizado para cultivo de leveduras - Cultivo de 6000 leveduras individuais - Coleta de amostras - Detecção de compostos presentes no meio (etanol, sacarose, glicerol, entre outros) - Seleção por competição (Engenharia Evolutiva)

57 Outras condições analisadas Dornas com alta concentração de açúcares Condição típica X Dornas em temperaturas elevadas Leveduras floculadas

58 Condição típica X Dornas com alta concentração de açúcares A Condição típica X Dornas em temperaturas elevadas B Condição típica X Leveduras floculadas C

59 Linhagens de interesse para melhoramento genético PE-2 CAT-1 Linhagem específica da Usina - Novas linhagens selecionadas - Linhagens de outros processos (vinho, cerveja, cachaça...) - Adicionar novas características em linhagens previamente melhoradas (PE-2, CAT-1)

60 Agradecimentos Prof. Gonçalo Pereira Marcelo Carazzolle Luciana Mofatto Aline Rodrigues Marina Pessoa Nádia Sampaio Pedro Tizei Paulo Teixeira Felipe Galzerani Sílvio Andrietta Maria da Graça Andrietta Prof. Lucas Argueso Osmar Vaz de Carvalho Netto

As artesãs do etanol

As artesãs do etanol > ciência microbiologia As artesãs do etanol Descobertas sobre genética de leveduras incentivam a pesquisa para ampliar a produtividade de álcool Carlos Fioravanti fotos Eduardo Cesar de Nova Europa 44

Leia mais

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor A cachaça brasileira conta agora com uma alternativa segura para aumentar sua qualidade com diminuição dos custos de produção. Depois de testar

Leia mais

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica Prof. Clóvis Parazzi O que se deseja de um processo fermentativo? Elevado Rendimento Uniformidade na produção de metabólitos pela levedura

Leia mais

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool.

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Microorganismos são fontes ricas de produtos naturais, podem ser usadas como combustíveis, produtos químicos: polímeros e drogas. A habilidade de manipular

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Progressos Tecnológicos na fermentação com adoção da cana crua

Progressos Tecnológicos na fermentação com adoção da cana crua Progressos Tecnológicos na fermentação com adoção da cana crua Henrique Amorim Workshop Cana Crua: A Experiência Acumulada VII José Paulo Stupiello - Out/2013 Áreas PRODUÇÃO DE ETANOL BEBIDAS DESTILADAS

Leia mais

Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte.

Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte. Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte. Leveduras Personalizadas O Futuro da Fermentação Henrique V. Amorim Agosto/2013 Áreas PRODUÇÃO DE ETANOL BEBIDAS DESTILADAS INDÚSTRIAS DO

Leia mais

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP Optinal Industrial Fermentation Silvio Roberto Andrietta Plantas de produção de etanol Etapas Preparo da matéria prima Preparo da cana (abertura

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim Fermentação 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010 Henrique Amorim SEDE FERMENTEC SEDE FERMENTEC Nossos Serviços CONSULTORIA (TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA) CURSOS E TREINAMENTOS

Leia mais

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA Profa. Maria Paula FERRAMENTAS Enzimas: de restrição, DNA-ligase, DNA-polimerase, transcriptase Vetores: plasmídeos, vírus 1) PGH O número de genes é muito menor do

Leia mais

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS São bactérias que pertencem ao domínio BACTÉRIA. Cocos ou bacilos são Gram positivos não esporulados possuem baixo teor

Leia mais

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN A ENGENHO NOVO, sempre atenta ao desenvolvimento de novas tecnologias para produção de etanol, pesquisou e desenvolveu um processo simples e eficiente

Leia mais

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 10: Fermentação Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 10: Fermentação Introdução A glicose é uma importante molécula utilizada no metabolismo de diversos organismos para gerar energia. Em

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

SELEÇÃO, AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UMA LEVEDURA PERSONALIZADA PARA A PRODUÇÃO DE ETANOL. Fernando Vicente Diretor Industrial

SELEÇÃO, AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UMA LEVEDURA PERSONALIZADA PARA A PRODUÇÃO DE ETANOL. Fernando Vicente Diretor Industrial SELEÇÃO, AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UMA LEVEDURA PERSONALIZADA PARA A PRODUÇÃO DE ETANOL Fernando Vicente Diretor Industrial Contar o histórico de como chegamos à levedura da Usina Alta Mogiana UAM. OBJETIVO

Leia mais

Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle

Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle Tese Doutorado: Edilson José Guerra Relato: Profª Dra Dejanira de Franceschi de Angelis Na década de 1990,

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

Estudos para otimização da produção de Etanol

Estudos para otimização da produção de Etanol 2011 Estudos para otimização da produção de Etanol Mogi Guaçu/SP ESTUDOS PARA OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ETANOL Equipe da Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro João Alexandre Bortoloti Responsável técnico

Leia mais

Prof. Drª. Caroline Moraes

Prof. Drª. Caroline Moraes Prof. Drª. Caroline Moraes Carnobacterium Enterococcus Lactococcus Lactobacilus Lactosphaera Leuconostoc Oenococcus Pediococcus Streptococcus Tetragenococcus Vagococcus Weissella Característica do grupo:

Leia mais

Fabricação de Bebidas Cerveja

Fabricação de Bebidas Cerveja Fabricação de Bebidas Cerveja Processos Químicos Industriais II 01/12/2011 1 Bebidas Fermentadas & Destiladas A fabricação de bebidas fermentadas evoluiu de uma concepção artesanal para um processo contendo

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Alexandre Bella Cruz Rilton Alves de Freitas Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Objetivo Conhecer Métodos para Avaliação de Genotoxicidade

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil logo_ilsi_al... Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil O Ponto de Vista da Indústria Avaliação do Risco Ambiental de Culturas Geneticamente Modificadas Geraldo U. Berger, Ph.D.

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA RESUMO PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA Autores: Souza, Milena C.; França, Luiz F.; Corrêa, Nádia C. F.; Gomes, Lúcia F. A.; Universidade Federal do Pará. milenacosta26@yahoo.com.temática:

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto Conger S.A. Equipamentos e Processos Departamento de Engenharia do Produto A Empresa 1962 2012 = 50 Anos Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Química/Petroquímica/Papel

Leia mais

QUESTÕES INTERDISCIPLINARES (Biologia/Química) PUCSP

QUESTÕES INTERDISCIPLINARES (Biologia/Química) PUCSP QUESTÕES INTERDISCIPLINARES (Biologia/Química) PUCSP 1. (2012) A prática de esportes promove modificações orgânicas significativas no corpo dos atletas, o que leva à necessidade de ajustes metabólicos

Leia mais

AULÃO BIOS SOLIDÁRIO. Profª. Mary Ann Saraiva

AULÃO BIOS SOLIDÁRIO. Profª. Mary Ann Saraiva AULÃO BIOS SOLIDÁRIO Profª. Mary Ann Saraiva ENERGIA NOS SERES VIVOS TIPOS DE CARBOIDRATOS MONOSSACARÍDEOS CnH2nOn Pentoses: ribose (RNA) desoxirribose (DNA) Hexoses: glicose frutose galactose DISSACARÍDEOS

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

BIORREATORES E PROCESSOS FERMENTATIVOS

BIORREATORES E PROCESSOS FERMENTATIVOS BIORREATORES E PROCESSOS FERMENTATIVOS BIORREATORES BIORREATORES OU REATORES BIOQUÍMICOS OU REATORES BIOLÓGICOS: GRUPO 1. REATORES ENZIMÁTICOS: ONDE AS REAÇÕES OCORREM NA AUSÊNCIA DE CÉLULAS (REATORES

Leia mais

Aquisição 1: Vantagem adaptativa: Aquisição 2: Vantagem adaptativa: Aquisição 3: Vantagem adaptativa:

Aquisição 1: Vantagem adaptativa: Aquisição 2: Vantagem adaptativa: Aquisição 3: Vantagem adaptativa: A prova de Biologia da segunda fase do vestibular 2015 da UFPR abordou diferentes temas, interrelacionando-os, favorecendo o candidato que estuda de forma interativa os diferentes aspectos da Biologia

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA Estudo da variação herdável que ocorre sem mudança na sequência do DNA Mudanças de longo

Leia mais

Análise da Influência do ph e da Temperatura no Processo de Fermentação de Caldo de Cana

Análise da Influência do ph e da Temperatura no Processo de Fermentação de Caldo de Cana Análise da Influência do ph e da Temperatura no Processo de Fermentação de Caldo de Cana Gabriela Bonassa 1*, Joel G. Teleken 2, Lara T. Schneider 3, Carlos de Jesus de Oliveira 3. (1) Graduando de Tecnologia

Leia mais

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA. Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA. Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB 1 Fisiologia é... Literalmente... Conhecimento da natureza O estudo do funcionamento dos organismos

Leia mais

TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA

TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA Gabriela Prestes 1 ; Adriana Rute Cordeiro 2 1,2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ponta Grossa Brasil gabriela_prestes05@hotmail.com Resumo A cerveja

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE LEVEDURAS CONTAMINANTES EM FERMENTAÇÃO DO TIPO BATELADA EM USINA DE ÁLCOOL DE PEREIRA BARRETO-SP

IDENTIFICAÇÃO DE LEVEDURAS CONTAMINANTES EM FERMENTAÇÃO DO TIPO BATELADA EM USINA DE ÁLCOOL DE PEREIRA BARRETO-SP IDENTIFICAÇÃO DE LEVEDURAS CONTAMINANTES EM FERMENTAÇÃO DO TIPO BATELADA EM USINA DE ÁLCOOL DE PEREIRA BARRETO-SP Sousa, R. L. (1) ; Scabora, M. H. (2) ; Silva, E. M. (3) ; Petroni, T.F (4) (1) Discente

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado Bioinformática Trabalho prático enunciado complementar Neste texto, enunciam- se algumas considerações adicionais ao 1º enunciado e uma lista de possíveis tarefas que complementam o enunciado original

Leia mais

OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA Duração da prova: 2 horas Teste Modelo Nas folhas de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. O teste tem a duração de 2 horas no total,

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Controle da expressão gênica

Controle da expressão gênica Programa de Biologia Celular V Curso de Verão Controle da expressão gênica Renata Ramalho Oliveira roliveira@inca.gov.br Desenvolvimento e fenótipos explicados pela modulação da expressão gênica Lehninger.

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES SISTEMA É uma disposição, conjunto ou coleção de partes conectadas ou relacionadas de tal maneira a formarem um todo. Pode ser físico, biológico, econômico, etc. CONTROLE Estuda como agir sobre um dado

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições, e considerando a Lei nº 9.279 de 14/05/96, que regula os direitos e obrigações relativos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Zelita de Oliveira Lopes Brasil Colaboradora Análise crítica: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz TRANSCRIÇÃO DNA A transcrição é o processo de formação de uma molécula de RNA a partir de uma molécula molde

Leia mais

Uso do calcário no solo Desenvolvimento de pesticidas e fertilizantes. Máquinas a vapor substituindo a força animal

Uso do calcário no solo Desenvolvimento de pesticidas e fertilizantes. Máquinas a vapor substituindo a força animal Fepagro em foco Samuel Mazzinghy Alvarenga Histórico recente da Agropecuária Era científica: a partir de ~ 1.700 Rotação de culturas e métodos de cultivo intensivo Drenagem Utilização de arado, máquinas

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Camilla Silva (B1) e Elisangela

Leia mais

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Universidade de Évora Departamento de Química Vânia Pais Aluna do Curso de Mestrado em Química Aplicada SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Com o passar dos anos, o aumento da

Leia mais

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE TÍTULO DO PROGRAMA A História do Alimento SINOPSE O documentário defende as pesquisas científicas e a engenharia genética envolvendo alimentos. Faz um retrospecto da produção agrícola para mostrar que

Leia mais

Sumário Os seres vivos são constituídos por um dos dois seguintes tipos de células (menor unidade auto-reprodutora de vida): procarióticas ou eucarióticas. As células procarióticas (bactérias), geralmente

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

"Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira -

Economia Verde: Serviços Ambientais - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - "Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Escola Secundária de Camões

Escola Secundária de Camões Escola Secundária de Camões INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Código 302 Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias- 12ºano Duração da prova escrita: 90 min Duração da

Leia mais

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul Precursora da produção do biocombustível de segunda geração no Hemisfério Sul, com planta em Alagoas, GraalBio quer se tornar referência

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. Clipping Eletrônico Segunda-feira dia 09/03/2015 Portal Acrítica Saúde - 09 de março de 2015. Fonte: http://acritica.uol.com.br/manaus/prefeitura-disponibilizaravacina-hpv-ubss_0_1316868336.html Prefeitura

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

Biologia-Prof.Barão. Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação

Biologia-Prof.Barão. Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação Biologia-Prof.Barão Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação Metabolismo Energético I Conceitos básicos: 1-Metabolismo 2-Reações Exergônicas e Endergônicas 3-Reação de Redox(Oxidação-Redução)

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2013-A

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2013-A 1 Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas Seleção de Mestrado 2013-A INSTRUÇÕES (LEIA ATENTAMENTE ANTES DE PREENCHER A PROVA): a. Identifique sua prova unicamente com

Leia mais

Tema 06: Proteínas de Membrana

Tema 06: Proteínas de Membrana Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Tema 06: Proteínas de Membrana Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Proteínas de Membrana Visão Geral das Proteínas

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

ESTUDO DAS POTENCIALIDADES DA APLICAÇÃO DE LEVEDURAS ENCAPSULADAS PARA ELABORAÇÃO DE VINHOS ESPUMANTES

ESTUDO DAS POTENCIALIDADES DA APLICAÇÃO DE LEVEDURAS ENCAPSULADAS PARA ELABORAÇÃO DE VINHOS ESPUMANTES ESTUDO DAS POTENCIALIDADES DA APLICAÇÃO DE LEVEDURAS ENCAPSULADAS PARA ELABORAÇÃO DE VINHOS ESPUMANTES Autores: Thais Caroline ZATTERA 1, Fabiana Foralosso BORTOLINI 2, Álvaro Vargas JUNIOR 3, Nei FRONZA

Leia mais

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia REPLICAÇÃO Plano de Aula -DNA e Hereditariedade -Processo de replicação REPLICAÇÃO Prof. Juliana Schmidt Curso Farmácia 2012 REPLICAÇÃO - Bibliografia DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO ALBERTS, B.; BRAY, D.;

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq. LAN 1458 Açúcar e Álcool

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq. LAN 1458 Açúcar e Álcool Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 1458 Açúcar e Álcool Agentes da fermentação alcoólica, bioquímica

Leia mais

Metabolismo de RNA: Transcrição procarioto/eucarioto

Metabolismo de RNA: Transcrição procarioto/eucarioto Metabolismo de RNA: Transcrição procarioto/eucarioto Controle do nível de proteínas DNA inibição RNA degradação inibição Proteína degradação Tipos de RNA produzidos em uma célula Abundancia dos diferentes

Leia mais

Mitocôndrias e Cloroplastos

Mitocôndrias e Cloroplastos Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Morfologia Biologia Celular Mitocôndrias e Cloroplastos Características gerais de mitocôndrias e cloroplastos Mitocôndrias

Leia mais

Replicação Quais as funções do DNA?

Replicação Quais as funções do DNA? Replicação Quais as funções do DNA? Aula nº 4 22/Set/08 Prof. Ana Reis Replicação O DNA é a molécula que contém a informação para todas as actividades da célula. Uma vez que as células se dividem, é necessário

Leia mais

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG UFG-PS/7 PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS7/UFG Esta parte do relatório mostra o desempenho dos candidatos do grupo na prova de Biologia da ª etapa do PS7. Inicialmente, são apresentados os dados gerais dos candidatos

Leia mais

Eng. Agro. Cristiano Moura Representante Comercial SP/PR

Eng. Agro. Cristiano Moura Representante Comercial SP/PR Eng. Agro. Cristiano Moura Representante Comercial SP/PR AGENDA Nexsteppe Sorgo Sacarino O que temos de novidade Como podemos ajudar o mercado? QUEM SOMOS Empresa de comercialização de sementes de sorgo,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos;

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos; Universidade Federal de São Del Rei - Campus Sete Lagoas Engenharia Agronômica Impactos de xenobióticos e metais pesados na microbiota do solo Heider Lopes Rayssa Simão Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável;

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA. Aluno: Módulo I

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA. Aluno: Módulo I INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA Aluno: Módulo I Professor: Leandro Parussolo Unidade Curricular: Biologia Celular ATIVIDADE

Leia mais

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica CLÓVIS PARAZZI. Universidade Federal de São Carlos. Centro Ciências Agrárias -Araras SP. FERMENTAÇÃO ÁLCOÓLICA PRINCIPAIS FATORES QUE

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais