COEFICIENTE DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR NAS INTERFACES METAL/MOLDE E MOLDE/AMBIENTE RELATIVOS A SOLIDIFICAÇÃO DE LIGAS DO SISTEMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COEFICIENTE DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR NAS INTERFACES METAL/MOLDE E MOLDE/AMBIENTE RELATIVOS A SOLIDIFICAÇÃO DE LIGAS DO SISTEMA"

Transcrição

1 COEFICIENTE DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR NAS INTERFACES METAL/MOLDE E MOLDE/AMBIENTE RELATIVOS A SOLIDIFICAÇÃO DE LIGAS DO SISTEMA Sn-Pb EM MOLDES DE COBRE João de Deus da Costa Alves Fernando Antôno de Sá José Mara do Vale Quaresma Amaur Garca Unversdade Federal do Pará, Centro Tecnológco, Departamento de Engenhara Mecânca, , Belém, PA, Brasl. Resumo O comportamento dos coefcentes de transferênca de calor atuantes na nterface metal/molde e molde/ente fo determnado através do método que confronta os perfs térmcos teórco e expermental, utlzando-se de um sstema de fundção com fluxo de calor undreconal para o sstema Sn-Pb. Os perfs térmcos expermentas foram obtdos através de termopares nstalados nas regões de nteresse, e seus resultados comparados com os resultados gerados por um modelo numérco baseado na técnca de dferenças fntas devdamente aferdo em trabalhos anterores. Bom acordo fo obtdo entre as curvas expermentas e smuladas. Palavras Chave: Condutânca Térmca Metal/Molde e Molde/Ambente; Condções de Soldfcação; Espessura do molde e Modelagem Matemátca. 1. INTRODUÇÃO Sob o ponto de vsta físco, a soldfcação é um processo de mudança de fase no qual um metal puro ou uma lga metálca passa do estado líqudo para o estado sóldo. Essa mudança ocorre envolvendo troca de calor e massa, super resframento, lberação de calor latente e mudanças nas propredades termofíscas das fases. Sendo a fase líquda mas energétca que a fase sólda, para que haja a mudança de estado, é necessáro que se retre energa do sstema metal/molde aumentando as forças coesvas entre os átomos do metal. Essa energa é o calor latente de soldfcação cujo sgnfcado é a dferença na energa térmca ( entalpa ) entre os dos estados. A soldfcação é, portanto, um processo que envolve a transferênca de calor, e a velocdade que esta ocorre nterfere dretamente nas propredades do metal soldfcado. Portanto, a análse do processo de transferênca de calor, a dentfcação das varáves sgnfcatvas, o estabelecmento e a determnação dos parâmetros de soldfcação tornam-se excencalmente mportantes tanto sob o ponto de vsta teórco quanto prátco. O presente trabalho estuda o comportamento dos coefcentes de transmssão de calor e dos perfs térmcos nas nterfaces metal/molde e molde/ente de lgas do sstema Sn-Pb por dos métodos: expermental e matemátco. Dada a mportânca da soldfcação como meo de produção, e da necessdade da obtenção de materas destnados a atender a crescente demanda ndustral que va desde a fabrcação de semcondutores a monocrstas de alta precsão, é que se tem dreconado

2 esforços de pesqusa nesta área, cujos resultados tem trazdo relevantes contrbuções tecnológcas à engenhara de materas e a ndústra. 2. ANÁLISE MATEMÁTICA DA SOLIDIFICAÇÃO Tendo em vsta a natureza do processo de soldfcação que ocorre segundo uma transmssão de calor do tpo não estaconára, a análse matemátca do problema conduz a equações dferencas de soluções complexas. A lteratura cta Métodos Analítcos Exatos e Métodos Analítcos Aproxmados para solução das equações, entretanto tas métodos admtem condções de contorno que levam a soluções lmtadas sob o ponto de vsta prátco porque afastam o problema de sua realdade físca. Por outro lado, métodos numércos, como o das dferenças fntas (MDF), dscretzam o tempo e o espaço obtendo-se soluções tão refnadas quanto desejado. Neste trabalho, o MDF fo utlzado para smular as curvas representatvas dos parâmetros de soldfcação para posteror comparação com resultados expermentas. A análse da transferênca de calor por MDF nos sstemas metal/molde e molde ente durante a soldfcação fo desenvolvda a partr da Equação Geral da Condução de Calor Método das Dferenças Fntas Aplcando-se à Equação Geral do Calor as aproxmações por dferenças fntas, e utlzando-se a analoga físco numérca entre um sstema térmco e um sstema elétrco na qual se transforma a malha de dferenças fntas de elementos térmcos à elementos elétrcos; chega-se à equação (1) [Quaresma, 1999]; [Spm Jr., J.A. & Garca, A., 1995]; [Santos, C.A.; Spm Jr., J.A.; Quaresma, J.M.V. & Garca, A., 1996] n 1 t n t + n t n T T = T +. T 1 (1) τq τqd τd onde, τ Q = carga; τ D = descarga; e τ Qd = carga / descarga 2.2. Interface molde/ente O valor da resstênca térmca na nterface Molde Ambente é dada por: 1 R M / A = (2) h + h A ( R C ) T onde, h R = coefcente radatvo [W/m 2.K]; h C = coefcente de convecção do gás [W/m 2.K]; e A T = área de troca térmca [ m 2 ]. Para o cálculo do coefcente radatvo tem-se que: R 2 2 ( T + T )( T T ) h = σ. ε + (3) EM EM onde, σ = constante de Stefan-Boltzman [=5,672x1-8 W/m 2.K 4 ]; ε = emssvdade do materal do molde ; T EM = temperatura externa da superfíce do molde [K]; e T = temperatura ente [K]. Para o cálculo do coefcente de convecção sabe-se que: k gasn u h C = (4) χ

3 na qual: N ( ) n u = C G R. PR, Número de Nusselt (5) 3 g. γ. χ ( TEM T ) G 2 R = ρ 2 gas η, Número de Grashof (6) gas η PR =. c k, Número de Prandtl (7) gas onde, η = vscosdade dnâmca do fludo de refrgeração [kg/m.s]; c = calor específco do fludo de refrgeração [J/kg.K]; ρ gas = massa específca do fludo de refrgeração [kg/m 3 ]; k = condutvdade do fludo de refrgeração [w/m.k]; χ = dmensão característca da superfíce, referente ao percurso feto pelo fludo de refrgeração ao passar pela superfíce do corpo [m]; γ = coefcente de expansão térmca volumétrca do fludo de refrgeração, que para gases pode ser aproxmado por (γ = 1/T )[K -1 ]; e g = aceleração da gravdade [9,81 m/s 2 ]. Para um estudo onde o fluxo de fludo pode ser consderado lamnar e a superfíce do corpo na posção vertcal, o valor do produto [G R.P R ] deverá varar no ntervalo [1 4 a 1 9 ] e para o cálculo do Número de Nulsselt [C =,59; n =,25]. Por outro lado, as propredades do fludo de refrgeração, como o ar, varam com a temperatura [Benjan,1993; Porer,1994] Consdera-se que a temperatura externa da parede do molde aumenta consderavelmente durante o processo, para a nterface molde/ente, pode-se estmar por cálculos analítcos o valor de h, sendo dado por: h = h + h (8) rad conv onde: h = coefcente de transferênca de calor da nterface molde/ente dado em W/m.K; h = coefcente de transferênca de calor por radação; rad h = coefcente de transferênca de calor por convecção. conv 2.3. Interface metal/molde A transferênca de calor na nterface metal/molde, devdo sua mportante nfluênca na velocdade de soldfcação e nas taxas de resframento de funddos, tem sdo alvo de númeras pesqusas. Város trabalhos foram desenvolvdos objetvando caracterzar o mecansmo físco da transferênca de calor entre as superfíces de contato. [Prates/Blon,1972; Ho/Pehlke,1984; Prabhu et all,1992; Wu et all,1992]. O fluxo de calor através da nterface metal/molde é dado por: t ( T T ) q = h. A (9) metal molde onde A t é a área de troca térmca [ m ]; sendo que o valor do coefcente de transferênca de calor na nterface metal/molde ( h ) é varável durante o processo, necesstando de métodos partculares para sua determnação tas como: a) Cnétca de Soldfcação Undreconal Controlada, b) Meddas de Espaçamento Dendrítco Secundáro, c) Medda de Temperatura e Vazão em Moldes Refrgerados e d) Confronto de Teórcos / Expermentas va Computador, dos quas adotou-se o últmo como o método utlzado ao longo do trabalho.

4 A resstênca térmca metal/molde ( R ) depende de uma análse do conjunto de resstênca térmcas atuantes no sstema metal/molde, sendo determnada por: R 1 = (1) A. h t A fgura 1 mostra as nterfaces ctadas em 2.1 e 2.2. [Quaresma, 1999] h Amb Interface Metal / Ambente h gap Interface Sóldo / Líqudo MOLDE q METAL SÓLIDO METAL LÍQUIDO Interface Metal / Molde Fgura 1. Ilustração das nterfaces Metal/Molde e Molde/Ambente [Quaresma, 1999] 3. TÉCNICAS EXPERIMENTAIS 3.1. Lgas utlzadas Foram utlzadas as seguntes lgas do sstema Sn-Pb: Sn-5%Pb, Sn-1%Pb, Sn-2%Pb e o eutétco. As propredades termofíscas destas lgas se encontram na tabela 1. Lgas Tabela 1. Propredades Termofíscas das Lgas [Hammouda, 1992] c L (J/kgK) c S (J/kgK) ρ L (kg/m 3 ) ρ S (kg/m 3 ) k L (W/mK) k S (W/mK) L (J/kg) T S ( o C ) T L ( o C ) T f ( o C ) Sn5%Pb Sn1%Pb Sn2%Pb Materal do molde Fo utlzado molde de cobre com geometra regular plano com secções transversas retangulares com espessuras varando nas meddas: 6, 17, 28, 3 e 5 mlímetros, cujas característcas constam da tabela 2. Tabela 2. Característcas do Materal do Molde [Hammouda, 1992] Mat. molde k ( W mk ) c ( J / kgk ) ρ ( kg / m cobre

5 3.3. Montagem do aparato expermental Para determnação dos coefcentes nas nterfaces, o molde fo dsposto com uma das faces atuando como condutora, ou seja um absorvedor de calor, enquanto que as outras faces foram protegdas com materal solante para que o fluxo de calor no sstema fosse undreconal. O ensao consstu na obtenção dos valores de h e h e na determnação dos perfs de temperatura durante a soldfcação, estando o molde ncalmente mantdo a temperatura ente. As temperaturas nas nterfaces metal/molde e molde/ente foram tomadas através de termopares tpo K, com dâmetro de 1,6 mm e banha de aço noxdável, estrategcamente localzados conforme mostrado na Fgura 2, e em todos os expermentos adotou-se uma sobrefusão de 4 C, acma da temperatura lqudus da lga. O regstro dos perfs térmcos fo feto com o auxílo de um aparelho coletor de dados Almemo, modelo fabrcação Ahlborn Mess, que dspõe de 5 canas de entrada para coleta de temperaturas em 5 pontos dstntos, e de dos canas para saída de dados. Utlzou-se 3 canas para coleta das temperaturas nos pontos ndcados na Fgura 2 segundo o cclo de letura gual a 1 segundo; os dados coletados foram transferdos ao computador para obtenção das curvas mostradas nas Fguras 3 e 4, plotadas usando-se como software o Orngn Fgura 2 Esquema lustratvo do sstema metal/molde. (A) vsta superor evdencando o plano de calor da letura térmca, a posção do termopar no molde, dentfcando a medda da espessura do molde de cobre X varável ao longo da experênca. Em (B), exemplfca-se para x = 5 mm, no corte A-A, as posções e profunddades dos termopares: (1) para nterface molde/ente, (2) para nterface metal/molde e (3) no metal; evdencando o molde, a câmara de vazamento, as paredes refratáras e funl de vazamento [Quaresma, 1999].

6 4. ANÁLISE, RESULTADOS E DISCUSSÃO Na fgura (3), em (3a) e (3b) encontram-se representados os perfs térmcos expermentas e smulados para lgas de Sn-1%Pb, onde pode-se notar que para espessura de 6mm ocorre uma saturação medata do molde; e para espessura de 5mm observa-se que a saturação do molde ocorre de modo mas progressvo resultando em um menor tempo de soldfcação. Por outro lado, a comparação dos perfs térmcos ndcam que para moldes de paredes fnas temse boa molhabldade do molde pelo metal provocada pelo contato mas íntmo entre eles do níco ao fm do processo, denotando que a camada ncal soldfcada fo muto delgada e não se opôs a pressão metalostátca do metal líqudo remanescente, que a empurra de encontro ao molde, provocando seu aquecmento brusco sem o conseqüente resframento do metal. A fgura (3c) representa o comportamento de h evdencando-se a correlação entre as curvas para as cnco espessuras expermentadas, nas quas os coefcentes de transferênca de calor na nterface metal/molde varam com o tempo de forma bastante acentuada nos nstantes ncas da soldfcação, havendo neste momento ncal sgnfcatva dferença entre os coefcentes obtdos para o molde de menor espessura na ordem de 57%. Na fgura (4), comparando-se as curvas dos perfs térmcos das lgas mas dluída (4a) e mas concentrada (4b), observa-se maores taxas de retrada de calor para a lga mas dluída, com maor ntervalo de soldfcação (mushy zone), este fato está bem retratado na fgura (4c) onde pode ser observado que a razão entre o h da lga com 5%Pb e 1%Pb é de 87%, enquanto que a razão entre o h da lga com 1%Pb e 2%Pb é de 53%, sto é, a razão entre as composções na ordem de 5% não reflete como regulardade nos valores de h, fato que pode ser nterpretado como presença de gaps de ar crescentes na nterface meta/molde, como função do teor de soluto da lga. Esta déas leva ao segunte racocíno, o de que a pressão metalostátca apesar de presente não é sufcente para vencer a resstênca da parede soldfcada nos nstantes ncas da soldfcação. Comparando-se os perfs térmcos para as lgas 5%Pb (4a) e 2%Pb (4b), observa-se que tanto para a nterface metal/molde, quanto para a nterface molde ente, as temperaturas obtdas no caso da lga 5%Pb foram sempre maores doque no caso da lga 2%Pb; tal fato decorre da maor molhabldade do molde pelo metal que ocorre na lga mas dluída como conseqüênca da formação de um gap menor verfcado na nterface metal/molde, para esta composção devdo a sua maor fludez, e anda pela menor reação da espessura ncal soldfcada exercda contra a pressão metalostátca e, como era de se esperar, as curvas de aquecmento tanto do molde como da nterface molde/ente apresentam perfs térmcos superores para a lga mas dluída, dando conta de que o molde se aquece mas, de tal sorte que os coefcentes de transferênca de calor nesta nterface ( h ) apresentam formato como os expressos pelas curvas da fgura (5c). Comparando-se os perfs térmcos para uma lga com 1%Pb quanto a soldfcação segundo moldes de espessuras varáves, nas fguras (6a) e (6b) observa-se que há um súbto crescmento das temperaturas meddas no molde e externamente a este quando se trata da lga mas dluída (6a), e quando se trata da lga mas concentrada o aumento das temperaturas se processa de manera mas suave, entendendo-se que este fenômeno decorre da formação de menores gaps, na nterface metal/molde, no prmero caso nos quas a pressão metalostátca empurra com mas facldade a fna camada de metal soldfcada contra o molde. Tal consderação está compatível com os resultados obtdos quanto ao comportamento do ( h ) mostrado na fgura (6c), onde a correlação entre estes, obtdos para cnco espessuras do molde, mostram claramente que os maores valores obtdos são aqueles que correspondem às menores espessuras do molde.

7 Molde : Cobre # Esp. = 5 mm Lga : Sn-5Pb # T = 4 o C T V = 26 o C # T o = 3 o C Temperatura [ C ] Molde: Cobre Esp. = 6 mm Lga: Sn- 1% Pb Τ = 4 C Tv = 25 C To = 26 C Letura no Metal à 2 mm da nterface M/M Letura no Molde à 3 mm da nterface M/M Letura Smulada h = t -.37 x o C ] Temperatura ( T ) [ Letura no metal à 2 mm da Interafce M/M Letura no molde à 3 mm da Interface M/M Letura smulada h = t -.37 * ( A ) Tempo ( t ) [ seg ] ( A ) Molde : Cobre Esp. = 5 mm Lga : Sn-1Pb Τ= 4 o C T V = 25 o C T o = 29 C Molde : Cobre # Esp. = 5 mm Lga : Sn-2Pb # T = 4 o C T V = 24 o C # T o = 29 o C o C ] Temperatura ( T ) [ Letura no metal à 2 mm da Interface M/M Letura no molde à 3 mm da Interface M/M Letura smulada h = t -.37 *8 Temperatura ( T ) [ o C ] Letura no metal à 2 mm da Interface M/M Letura no molde à 3 mm da Interface M/M Letura smulada h = t -.37 *42 Coef. Transf. Calor da Interface M / M ( h ) [ W / m2 K ] Tempo ( t ) [ seg ] ( B ) Varação do Coef. Transf. Calor da Interface M / M para ( 5 ) espessuras do molde de cobre espessura molde = 6mm h = t -,37 * 14 espessura molde = 17mm h = t -,37 * 128 espessura molde = 28mm h = t -,37 * 12 espessura molde = 39mm h = t -,37 * 88 espessura molde = 5mm h = t -,37 * 8 Coef. Transf. Calor Interface M / M ( h ) [ W / m 2 K ] Tempo ( t ) [ seg ] ( B ) Varação do Coefcente de Transferênca de Calor na Interface M / M para 3 ( três ) dferentes lgas Lga Sn 5%Pb h = t -,37 * 92 Lga Sn1%Pb h = t -,37 * 8 Lga Sn2%Pb h = t -,37 * Tempo ( s ) ( c ) FIGURA 3 Confronto de perfs térmcos teórcos e expermentas para lga Sn-1%Pb vazada com superaquecmento T = 4 o C em moldes de cobre com espessuras (a) 6 mm, (b) 5 mm, e a correlação das curvas que representam h (c) para cnco espessuras de molde Tempo ( t ) ( s ) ( C ) FIGURA 4 - Confronto de perfs térmcos teórcos e expermentas para lga Sn-Pb, com espessuras 5 mm, superaquecmento T = 4 o C para composção (a) 5%Pb e (b) 2%Pb, e a correlação entre as curvas que representam (c) h obtdas para três composções 5%; 1% e 2%Pb da lga.

8 Temperatura [ o C ] Molde : Cobre Esp. = 5 mm Lga : Sn-5%Pb T = 4 o C T V = 26 o C T o = 3 o C h = t.16 * 6.6 Letura no molde à 3 mm da Interface M/M Letura na Interface M/A C ) o Temperatura ( Molde: Cobre Esp: = 6 mm Lga Sn 1% Pb T = 4 o C T v = 25 o C T = 26 o C T soldus = 183 o C T lqudus = 216 o C h = t,142 * 8,65 Letura no molde - 3 mm Letura na Interface M / A ( a ) ( a ) Temperat ura [ o C ] Molde : Cobre Lga : Sn-2%Pb T V = 24 o C h = t.16 * 6. Esp. = 5 mm T = 4 o C T o = 29 o C C ] o Temperatura [ Molde: Cobre Esp: = 5 mm Lga: Sn 1% Pb T = 4 o C T v = 25 o C T = 29 o C T soldus = 183 o C T lqudus = 216 o C 4 2 Letura no molde à 3 mm da Interface M/M Letura na Interface M/A 5 25 h = t,16 * 8, Letura no molde - 3 mm Letura na Interface M /A ( b ) ( b ) Varação do Coef. Transf. Calor da Inetrface M/A para ( 4 ) Composções Químcas 25 2 Varação do Coef. Transf. Calor da Interface M / A Para as ( 5 ) Espessuras do Molde de Cobre K ] 2 Coefcente Transf. Calor M/A ( ) h [ W/m Molde : Cobre Esp. : 5 mm Τ= 4 o C Lga Sn.5.Pb h= t,16 * 6,6 Lga Sn.1.Pb h= t,11 * 8, Lga Sn.2.Pb h * 6, Coef. Transf. Calor M / A ( h ) [ W m 2 K ] esp.=6mm h = t,142 *8,65 esp.=17mm h = t,13 *8,4 esp.=28mm h = t,147 *7,6 esp.=39mm h = t,135 *7,26 esp.=5mm h = t,16 *8, Tempo ( s ) ( C ) Tempo ( seg ) ( c ) FIGURA 5 - Perfs térmcos expermentas para lgas (a) Sn 5%Pb; (b) Sn-2%Pb, em moldes com 5 mm de espessura; e a correlação das curvas que representam h. FIGURA 6 Perfs térmcos expermentas para lgas Sn 1%Pb em moldes de espessuras (a) 6 mm e (b) 5 mm; e a correlação das curvas que representam h.

9 5. Conclusão a) A quantdade de calor retrada do metal pelo molde é maor para moldes mas espessos, sendo o aquecmento destes moldes ocorre de manera mas suave doque no caso dos moldes menos espessos, em decorrênca tanto da melhor molhabldade quanto de menores gaps de ar que ocorrem para os moldes de menores espessuras, tornando evdente a consderável nfluênca da espessura do molde nos valores dos coefcentes de transferênca de calor na nterface M/M; b) As lgas mas dluídas, devdo maor fudez, possbltam melhor molhabldade do molde pelo metal e a formação de menores gaps de ar na nterface metal/molde, daí termos encontrado para estas lgas maores valores dos coefcentes de transferênca de calor naquela nterface tanto no níco, quanto no decorrer do tempo após o vazamento; e c) Encontrou-se correlações para as curvas dos coefcentes de transferênca de calor nas duas nterfaces estudadas, e tanto a espessura do molde quanto a composção da lga exerceram forte nfluênca na transferênca de calor. Referêncas Bblográfcas SPIM Jr., J.A. & Garca,A. Modelagem Numérca da Soldfcação Baseada na Analoga entre Sstemas Térmcos e Elétrcos, Anas do 1 Congresso de Engenhara e Cênca dos Materas CIBECIMAT, v.2, pp , SANTOS, C.A.; Spm Jr., J.A.; Quaresma, J.M.V. & Garca,A. Aplcação de um Modelo Numérco na Determnação Expermental da Condutânca Térmca da Interface Metal/Molde em Sstemas Estátcos de Fundção, Anas do IX Semnáro de Metas Não-Ferrosos da Assocação Braslera de Metalurga e Materas, pp , BEJAN, A. Heat Transfer, John Wley & Sons., New York, 1993 POIRIER, D.R. & Porer, E.J. Heat Transfer Fundamentals for Metals Castng, The Mnerals, Metals and Materals Socety, PRATES, M.A. & Daves, G.J. Soldfcação e Fundção de Metas e suas Lgas, LTC/EDUSP, São Paulo, HO, K. & Pehlke, R.D. Mechansms of Heat Transfer at a Metal/Mold Interface, Transactons of the Amercan Foundry Socety, v.92, pp.587, PRATES, m.; Fssolo, J. & Blon, H. Heat Flow Parameters Affectng the Undreconal Soldfcaton of Pure Metals, Metallurgacal Transactons, v.73, pp.1419, PRABHU, K.N.; Madheswaran, D.; Kumar, T.S.P. & Venkataraman, N. Computer Modelng of Heat Flow and Mcoestruture Fneness n Chll-Cast Alumnum Alloy LM-24, AFS Transactons, v.92, pp , WU, M.H.; Wang, Y.X. Guo, T. & Zhang, Q.X. Computer Aded Chll Desgn for Steel Castng, ASF Transactons, v.92, pp.27-35, 1992.

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Determinação experimental da viscosidade e condutividade térmica de óleos vegetais

Determinação experimental da viscosidade e condutividade térmica de óleos vegetais ISSN 0101-061 Cênca e Tecnologa de Almentos Determnação expermental da vscosdade e condutvdade térmca de óleos vegetas Expermental measurements of vscosty and thermal conductvty of vegetable ols Josane

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 C. R. SILVA 1, M. N. ESPERANÇA 1, A. J. G. CRUZ 1 e A. C. BADINO 1 1 Unversdade Federal de São Carlos, Departamento

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

INFERÊNCIAS EM COLUNA DE DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTE

INFERÊNCIAS EM COLUNA DE DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INFERÊNCIAS EM COLUNA DE DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTE Alexandre Casagrande Texera Floranópols, Junho de 2003 Monografa Identfcação

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

Estudo Experimental do Escoamento Laminar em Dutos de Óleos Pesados com Viscosidade Dependente da Temperatura

Estudo Experimental do Escoamento Laminar em Dutos de Óleos Pesados com Viscosidade Dependente da Temperatura Gulherme Morera Bessa Estudo Expermental do Escoamento Lamnar em Dutos de Óleos Pesados com Vscosdade Dependente da Temperatura Dssertação de Mestrado Dssertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

Sistemas de equações lineares

Sistemas de equações lineares Sstemas - ALGA - / Sstemas de equações lneares Uma equação lnear nas ncógntas ou varáves x ; x ; :::; x n é uma expressão da forma: a x + a x + ::: + a n x n = b onde a ; a ; :::; a n ; b são constantes

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS. 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES

IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS. 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES Paper CIT02-0026 METODOLOGIA PARA CORRELAÇÃO DE DADOS CINÉTICOS ENTRE AS TÉCNICAS DE

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos Conteúdo 4 - Impulsos elétrcos e fenômenos bológcos 4.1 Introdução Os seres vvos, em sua grande maora, são compostos majortaramente por água. A água é uma materal que na presença de certos sas se comporta

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

ANÁLISE DE PROBLEMAS CONJUGADOS EM MICRODISSIPADORES TÉRMICOS POR TRANSFORMAÇÃO INTEGRAL EM DOMÍNIO ÚNICO E TÉCNICAS ÓPTICAS NÃO INTRUSIVAS

ANÁLISE DE PROBLEMAS CONJUGADOS EM MICRODISSIPADORES TÉRMICOS POR TRANSFORMAÇÃO INTEGRAL EM DOMÍNIO ÚNICO E TÉCNICAS ÓPTICAS NÃO INTRUSIVAS ANÁLISE DE PROBLEMAS CONJUGADOS EM MICRODISSIPADORES TÉRMICOS POR TRANSFORMAÇÃO INTEGRAL EM DOMÍNIO ÚNICO E TÉCNICAS ÓPTICAS NÃO INTRUSIVAS Dego Campos Knupp Tese de Doutorado apresentada ao Programa de

Leia mais

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO Celestno Rodrgues Ruvo Área Departamental de Engenhara Mecânca, Escola Superor de Tecnologa da Unversdade do Algarve, 8000 Faro, Portugal

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Unversdade Federal da Baha Insttuto de Físca Departamento de Físca da Terra e do Meo Ambente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Físca I SALVADOR, BAHIA 013 1 Prefáco Esta apostla é destnada

Leia mais

ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM MOTORES

ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM MOTORES ESUDO DA RANSFERÊNCIA DE CALOR EM MOORES José Eduardo Mautone Barros José Gulherme Coelho Baêta JEMB & JGCB - Feverero de 2006 - Prancha 1 Perfl dos nstrutores José Eduardo Mautone Barros Doutor em Engenhara

Leia mais

Análise Dinâmica de um Aterro Reforçado com Geossintéticos no Peru

Análise Dinâmica de um Aterro Reforçado com Geossintéticos no Peru Análse Dnâmca de um Aterro Reforçado com Geossntétcos no Peru Esteban Maldonado Quspe PUC-Ro, Depto Engenhara Cvl, Ro de Janero RJ, Brasl, estebanmq123@hotmal.com Celso Romanel PUC-Ro, Depto Engenhara

Leia mais

TERMODINÂMICA QUÍMICA

TERMODINÂMICA QUÍMICA TERMODIÂMICA QUÍMICA Fabano A.. Fernandes Sandro M. zzo Deovaldo Moraes Jr. a Edção 006 SUMÁRIO. ITRODUÇÃO À TERMODIÂMICA.. Introdução.. Defnção e Importânca.3. aráves Termodnâmcas.3.. Temperatura.3..

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

A esse tipo de tabela, cujos elementos não foram numericamente organizados, denominamos tabela primitiva.

A esse tipo de tabela, cujos elementos não foram numericamente organizados, denominamos tabela primitiva. Dstrbução de Frequênca Tabela prmtva ROL Suponhamos termos feto uma coleta de dados relatvos à estaturas de quarenta alunos, que compõem uma amostra dos alunos de um colégo A, resultando a segunte tabela

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Modelagem Empírica da Transferência Goticular Projetada em Processos de Soldagem GMAW

Modelagem Empírica da Transferência Goticular Projetada em Processos de Soldagem GMAW Modelagem Empírca da Transferênca Gotcular Projetada em Processos de Soldagem GMAW (Emprcal Modelng of Projected Spray Transfer n GMAW Processes) Jesús Emlo Pnto Lopera, Sadek C. Abs Alfaro, José Maurco

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Figura 1: Nomenclatura e configuração geométrica do problema em estudo.

Figura 1: Nomenclatura e configuração geométrica do problema em estudo. XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Unversdade Federal de Uberlânda Faculdade de Engenhara Mecânca SIMULAÇÃO NUMÉRICA EM UM CANAL BIDIMENSIONAL COM PROTUBERÂNCIAS PARIETAIS Débora

Leia mais

SOLUÇÕES DA EQUAÇÃO DA CONDUÇÃO DO CALOR BIDIMENSIONAL COM CONDUTIVIDADE TÉRMICA DEPENDENTE DA TEMPERATURA E GERAÇÃO DE CALOR

SOLUÇÕES DA EQUAÇÃO DA CONDUÇÃO DO CALOR BIDIMENSIONAL COM CONDUTIVIDADE TÉRMICA DEPENDENTE DA TEMPERATURA E GERAÇÃO DE CALOR SOLUÇÕES DA EQUAÇÃO DA CONDUÇÃO DO CALOR BIDIMENSIONAL COM CONDUTIVIDADE TÉRMICA DEENDENTE DA TEMERATURA E GERAÇÃO DE CALOR E. T. CABRAL,. A. ONTES, H. K. MIYAGAWA, E. N. MACÊDO 3 e J. N. N. QUARESMA 3

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS Físca Arqutectura Pasagístca Análse de erros ANÁLISE DE ERROS A ervação de u fenóeno físco não é copleta se não puderos quantfcá-lo Para é sso é necessáro edr ua propredade físca O processo de edda consste

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Adaptação por fluência: uma aplicação real pelo processo dos deslocamentos

Adaptação por fluência: uma aplicação real pelo processo dos deslocamentos Insttuto Braslero do Concreto. daptação por fluênca: uma aplcação real pelo processo dos deslocamentos Ierê Martns da Slva (1); Ru Nohro Oyamada (); ndrea kem Yamasak (3); dth Slvana maury de Soua Tanaka

Leia mais

PROGRAMA FRANCISCO EDUARDO MOURÃO SABOYA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ESCOLA DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

PROGRAMA FRANCISCO EDUARDO MOURÃO SABOYA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ESCOLA DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PGMC PROGRAMA FRANCISCO UARO MOURÃO SABOYA PÓS-GRAUAÇÃO M NGNHARIA MCÂNICA SCOLA NGNHARIA UNIVRSIA FRAL FLUMINNS Tese de outorado UM NOVO APROXIMANT RIMANN PARA SIMULAÇÃO SCOAMNTOS COM ONAS CHOQU LIAN

Leia mais

Características das Águas Residuárias

Características das Águas Residuárias Característcas das Águas Resduáras Marco Gomes Barboza Unversdade Federal de Alagoas Centro de Tecnologa e-mal: mbarboza@ctec.ufal.br 1. Introdução Orgem dos esgotos Esgotos doméstcos ou santáros Resdêncas,

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

RM 68 INCERTEZA DE MEDIÇÃO: GUIA PRÁTICO DO AVALIADOR DE LABORATÓRIOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 68 INCERTEZA DE MEDIÇÃO: GUIA PRÁTICO DO AVALIADOR DE LABORATÓRIOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA RM 68 INCERTEZA DE MEDIÇÃO: GUIA PRÁTICO DO AVALIADOR DE LABORATÓRIOS PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 05 ABR/013 SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

TEORIA ELETROMAGNÉTICA E DA ESTRUTURA DOS MOTORES DE PASSO. Mecanismo da produção do torque estático em um motor de passo de relutância variável

TEORIA ELETROMAGNÉTICA E DA ESTRUTURA DOS MOTORES DE PASSO. Mecanismo da produção do torque estático em um motor de passo de relutância variável TEOR ELETROMGNÉTC E D ESTRUTUR DOS MOTORES DE PSSO Em aulas anterores fo empregada uma abordagem qualtatva para explcar o mecansmo da produção do torque em um motor de passo; a explanação fo baseada em

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA

CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA Cláudo José Martns a, Tago A. Soares b e Alberto Ortgão b a Federal Centre for Technologcal Educaton of Mnas Geras, Department

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Departamento de Engenharia Metalurgia e de Materiais POLI-USP b Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN-CNEN/SP.

Departamento de Engenharia Metalurgia e de Materiais POLI-USP b Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN-CNEN/SP. Desenvovmento de Programa de omputador para ácuo da Função Dstrbução de Orentações a partr de Fguras de Póos Incompetas em Ambente Wndows E.Gaego a, A.F. Padha a, N..Lma b a Departamento de Engenhara Metaurga

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Miscibilidade de Sistemas Poliméricos à Base de Poli(Metacrilato de Metila) e Poli(Óxido de

Miscibilidade de Sistemas Poliméricos à Base de Poli(Metacrilato de Metila) e Poli(Óxido de A R T G o Mscbldade de Sstemas Polmércos à Base de Pol(Metacrlato de Metla) e Pol(Óxdo de, Propleno-b-Oxdo de Etleno) Elzabete F. Lucas. Clara Marze F. Olvera e Roger S. Porter Resumo: Ograu de mscbldade

Leia mais

PREDIÇÃO DO FENÔMENO DE VAPORIZAÇÃO RETRÓGRADA DUPLA EM MISTURAS DE HIDROCARBONETOS

PREDIÇÃO DO FENÔMENO DE VAPORIZAÇÃO RETRÓGRADA DUPLA EM MISTURAS DE HIDROCARBONETOS Copyrght 004, Insttuto Braslero de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnco Centífco fo preparado para apresentação no 3 Congresso Braslero de P&D em Petróleo e Gás, a ser realzado no período de a 5 de

Leia mais

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM Prncípos do Cálculo de Incertezas O Método GUM João Alves e Sousa Laboratóro Regonal de Engenhara Cvl - LREC Rua Agostnho Perera de Olvera, 9000-64 Funchal, Portugal. E-mal: jasousa@lrec.pt Resumo Em anos

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS CCE DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Curso de Especalzação Lato Sensu em Estatístca ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS Professor: Dr. Waldr Medr medr@uel.br Londrna/Pr Março de 011 ÍNDICE

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Metrologia Experiência IV - Resistores Uso do Ohmímetro - Prof.: Dr. Cláudio S. Sartori INTRODUÇÃO: Forma Geral dos Relatórios.

Metrologia Experiência IV - Resistores Uso do Ohmímetro - Prof.: Dr. Cláudio S. Sartori INTRODUÇÃO: Forma Geral dos Relatórios. INTODUÇÃO: Forma Geral dos elatóros É muto desejável que seja um caderno grande (formato 4) pautada com folhas enumeradas ou com folhas enumeradas e quadrculadas, do tpo contabldade, de capa dura preta,

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ M. G. F. Costa, C. F. F. Costa Flho, M. C. Das, A. C. S.Fretas. Unversdade do Amazonas Laboratóro de Processamento Dgtal de Imagens Av. Gal.

Leia mais

2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS

2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS 20 2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS 2.1. Defnção de gás Um gás é defndo como um fludo cujas condções de temperatura e pressão são superores às do ponto crítco, não podendo haver duas fases presentes em um processo,

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

b. As medidas de posição mais importantes são as medidas de tendência central. Dentre elas, destacamos: média aritmética, mediana, moda.

b. As medidas de posição mais importantes são as medidas de tendência central. Dentre elas, destacamos: média aritmética, mediana, moda. Meddas de Posção Introdução a. Dentre os elementos típcos, destacamos aqu as meddas de posção _ estatístcas que representam uma sére de dados orentando-nos quanto à posção da dstrbução em relação ao exo

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES COMARAVO ENRE MÉODOS DE CÁLCULO DE ERDAS EM RANSFORMADORES ALMENANDO CARGAS NÃO-LNEARES GUMARÃES, Magno de Bastos EEEC/ UFG/ EQ magnobg@otmal.com. NRODUÇÃO LSA, Luz Roberto EEEC/ UFG lsta@eee.ufg.br NERYS,

Leia mais