DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1"

Transcrição

1 DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM RESOLVER PROBLEMAS DE MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO 1 Eika Cistina Peeia Guimaães; Univesidade Fedeal do Fenanda de Jesus Santos Bito; Univesidade Fedeal do Andey Patick Monteio de Paula. Univesidade Fedeal do Resumo Esta pesquisa compeende o esultado final das atividades ealizadas no âmbito da disciplina Matemática Básica, ealizada no cuso de Pedagogia da Univesidade Fedeal do Tocantins Câmpus de Tocantinópolis, e temos como objetivo identifica as dificuldades em esolve poblemas de multiplicação e divisão de númeos natuais po alunos do 5º ano do ensino fundamental. Esta pesquisa foi ealizada no 2º bimeste do ano letivo de 2016 em uma escola pivada do município de Tocantinópolis do estado do Tocantins, e contou com a paticipação de teze alunos do 5º ano do ensino fundamental. Os poblemas foam identificados como: um poblema de configuação etangula, um poblema padão simples/aplicação, dois poblemas padão-composto/ aplicação. E paa suas análises consideamos os potocolos do aluno efeentes às esoluções. Os dados nos evelaam que a maio dificuldade dos alunos se deu po intepetação e eos de cálculo. Palavas-Chave: Resolução de poblemas. Multiplicação. Divisão. INTRODUÇÃO As discussões a espeito desta tendência têm dente um de seus pincipais pecussoes Geoge Polya que popôs suas ideias a espeito da heuística de esolução de poblemas em seu livo How to solve it no ano de 1945, taduzida paa o potuguês como A ate de esolve poblemas. Além deste, atualmente estudiosos como Dante (2000), Leblanc; Poudfit; Putt (1997), Butts (1997) e Onucchi (1999) adotaam esta estatégia como metodologia de ensino e avaliação em educação matemática, valoizando o aspecto autônomo da esolução de poblemas e ampliando sua impotância paa além do simples esolução de execícios. Paa Onucchi (1999) um poblema caacteiza-se po aquilo que não se sabe faze, mas deseja-se faze, configuando-se, como qualque situação que leve o aluno a pensa, que lhe seja desafiadoa e não tivial. Nesta pespectiva a esolução de poblemas é consideada pelos Paâmetos Cuiculaes Nacionais, como ponto de patida da atividade matemática. (BRASIL, p. 31), poém confome Dante (2000), não especifica apenas desta disciplina. 1 Pesquisa esultante das atividades ineentes a disciplina Matemática Básica desenvolvida no cuso de Pedagogia da Univesidade Fedeal do Tocantins, Câmpus de Tocantinópolis, no 2º semeste, ano coente de 2016.

2 Evidenciando a impotância da esolução e melhoia dos pocessos de ensino e apendizagem em matemática, Polya (2006) considea quato etapas impotantes paa a esolução de poblemas, dente estas: Compeensão do poblema (O aluno pecisa compeende o poblema, entende bem o enunciado, identifica a incógnita, os dados das condicionantes); Estabelecimento de um plano (valoização de conhecimentos pévios, elação com a esolução de poblemas coelatos e po fim elaboa um plano paa sua execução); Execução do Plano (consideado a etapa final do pocesso, sendo peciso que as etapas, do plano estejam inteiamente coetas) e Retospecto (acontece uma evisão de todo pocesso podendo assim consolida seus conhecimentos e apefeiçoa sua capacidade de esolução de poblemas). Outas questões elevantes, a esolução de poblemas se dá pincipalmente a espeito das classificações deste na matemática escola. Dante (2000), po exemplo, classifica os poblemas em Poblemas-padão; Poblemas-pocesso ou heuísticos; Poblemas de Aplicação (situação poblema) e Poblemas Queba-cabeça. Já Leblanc; Poudfit; Putt (1997) considea-os como poblemapocesso; Poblemas-modelo de livos didáticos. Butts (1997) assume que os poblemas são do tipo Poblemas de Aplicação; Poblemas de pesquisa abeta; Situação Poblema. Basil (1997) nos popõe difeentes tipos de poblemas atelados ao estudo e aplicação de conhecimentos ineentes a multiplicação e divisão de númeos natuais, sendo classificados em poblemas associados à ideia de multiplicação compaativa; poblemas associados à ideia de compaação ente azões, que, potanto envolvem a ideia de popocionalidade; poblemas associados à ideia de configuação etangula e poblemas associados à ideia de combinatóia. Dente estas vaiedades de poblemas, temos como objetivo nesta pesquisa identifica as dificuldades dos alunos do 5ºano do ensino fundamental em esolve poblemas de multiplicação e divisão. METODOLOGIA O pesente tabalho é futo de atividades desenvolvidas no âmbito da disciplina Matemática Básica do cuso de Pedagogia da Univesidade Fedeal do Tocantins, câmpus de Tocantinópolis, sendo ealizada junto a 13 estudantes do 5º ano do ensino fundamental, com idades ente 9 e 11 anos, maioia do sexo feminino de uma escola pivada da cidade de Tocantinópolis. Paa a análise dos dados, identificamos os alunos como sendo Aluno 1, Aluno 2 e assim sucessivamente, como foma de peseva sua identidade e consideado seus efeidos potocolos efeentes a esolução de quato poblemas de multiplicação e divisão de númeos natuais, a qual foam oganizadas de acodo com as seguintes categoias:

3 Eos de intepetação: Enquada-se nesta categoia, os alunos que eaam po motivo de intepetação do enunciado do poblema em casos que: não conseguiam identifica a opeação; conseguiam identifica a opeação, mas eaam o algoitmo do poblema e identificaam a opeação, esolvem coetamente o algoitmo e indicam a esposta do poblema eada. Eo de cálculo: Enquada-se nesta categoia, os alunos que eaam po não ealiza coetamente os cálculos envolvidos, a pesa de conseguiem identifica a opeação. RESULTADOS E DISCUSSÃO Paa início de nossa análise consideamos a tabela a segui: Tabela 1: Númeos de acetos e eos. Questões Enunciado Uma escola tem 16 salas de aulas, com 28 cateias po sala. Quantas cateias possui a escola? Na fila tem 78 caos espeando uma balsa que os levaá à ilha dos Cadumes. A balsa tanspota no máximo 8 caos de cada vez. Quantas viagens seão necessáias paa atavessa todos os caos que estão espeando? Paa uma festa de anivesáio foam compados 6 caixas de efigeantes com 24 gaafas cada uma. Duante a festa foam consumidas 4 caixas de efigeantes mais 15 gaafas. Quantas gaafas de efigeantes não foam consumidas? Zeca vendeu 9 embalagens de uma dúzia de ovos e 3 04 embalagens de meia dúzia. Quantos ovos ele vendeu? Fonte: Pesquisa de Campo (2016) *Valo Absoluto Acetos Eos Em Banco V.A* % V.A % V.A % 7 54% 6 46% 0 0% 10 77% 2 15% 1 8% 2 15% 9 70% 2 15% 3 22% 9 70% 1 8% Obsevando a tabela a cima, pecebemos que os alunos tiveam maio númeo de acetos na pimeia questão (54%) e na segunda questão (77%). As questões 3 e 4 obtiveam maio pocentagem de eos, ambas configuam índices de eos de 70%. (metodologia). A segui faemos a análise de cada questão, confome categoias sinalizadas no item anteio Consideações a espeito dos poblemas 01: A efeida questão, de acodo com Basil (1997) configua-se como questão de configuação etangula, onde a ideia intuitiva do poblema nos emete a um etângulo, necessáio paa sua esolução a multiplicação dos elementos (base x altua), estando em evidência à utilização do algoitmo de multiplicação podendo se esolvido também de foma pictóica.

4 Imagem 01: Eo de Intepetação Imagem 02: Eo de Cálculo Fonte: Aluno 11 Fonte: Aluno 10 Nesta questão, ocoeu apenas 1 eo de intepetação, confome potocolo a cima, no entanto este se deu, pincipalmente po uma falta de uma melho compeensão do poblema. Polya (2000), a fim de identifica os elementos dos poblemas e as estatégias necessáias paa sua esolução. Obseva-se em que o aluno em questão equivocou-se ao utiliza a opeação de divisão paa esolve o poblema, a qual seia necessáio a multiplicação de seus elementos, 16 x 28, obtendo assim o esultado 448, que seia a solução do poblema. 5 alunos, eaam esta questão, po conta de não conseguiem ealiza o cálculo envolvido, apesa de conseguiem identifica a opeação, como pode se visto o potocolo do aluno 10. Obseva-se que o eo se deu devido o aluno não continua o pocesso de multiplicação com o númeo 1 (uma dezena). Consideações a espeito dos poblemas 02: O efeido poblema de acodo com Dante (2000) tata-se de um poblema do tipo padão simples, po envolve a aplicação de apenas um algoitmo, neste caso a divisão. Já paa Buts (1997) este poblema é caacteístico de poblemas de aplicação, po envolve a aplicação dieta de um algoitmo e po conte dietamente em seu enunciado uma estatégia paa esolvê-lo (a divisão). Ampliando nossas análises consideamos que este poblema também possa se classificado como poblema de aciocínio lógico, po considea a necessidade de uma eal atenção paa esolvê-la e compaações com situações eais. Neste poblema tivemos 10 eos de intepetação, pois apesa de identifica o algoitmo, declaaam a esposta eada do poblema e 2 eos de cálculo, confome a segui. Imagem 03: Eo de Intepetação Imagem 04: Eo de cálculo Fonte: Aluno 6 Fonte: Aluno 6 Os alunos conseguiam esolve o algoitmo do poblema, po have a necessidade de ceto aciocínio lógico, estes declaam espostas eadas. Os eos se deam po não considea o esto 6 caos (vaiável disceta) levando-os a intuíem que não podeia leva mais, a esposta coeta seia 10 viagens e não 9, como foi a esposta do aluno 6.

5 Consideações a espeito do poblema 03: Este poblema de acodo com Butts (1997) é do tipo de aplicação e paa Dante (2000) configua-se como um poblema do tipo padão-composto, po envolve mais de uma opeação paa sua solução, neste caso a multiplicação, adição e subtação. De maneia geal tivemos neste poblema 7 eos de cálculo e 2 eos de intepetação, confome veemos nas análises a segui. Imagem 05: Eo de Intepetação Imagem 06: Eo de Cálculo Fonte: Aluno 11 Fonte: Aluno 07 Obseva-se de acodo com a imagem a cima que os eos de intepetação ocoeam pincipalmente pela não atenção da opeação de multiplicação, e em seguida ealizando estatégias de esolução atavés da adição e subtação. Consideações a espeito dos poblemas 04: Este poblema, assim como o poblema 03, foi consideado po nós também como poblema de aplicação e padão composto, neste caso envolve as opeações de multiplicação e adição. No geal nesta questão tivemos 5 eos de cálculo, 4 eos de intepetação, 3 coetas e 1 banco, confome podemos ve nos potocolos a baixo: Imagem 07: Eo de Intepetação Imagem 08: Eo de cálculo Fonte: Aluno 03 Fonte: Aluno 10 Obseva-se que apesa de conseguiem identifica pacialmente o algoitmo do poblema (12 x 9 = 108), não conseguiam continua a esolução, fazendo assim uma divisão, onde seia necessáio a multiplicação de 3 x 6 e depois a adição , obtendo como esolução o esultado 126 ovos. Os eos de cálculo com maio evidência se deam po não utiliza coetamente o algoitmo da multiplicação, e ainda po seu uso aleatóio no poblema. CONSIDERAÇÕES FINAIS A pati do objetivo em analisa a elação dos alunos com a esolução de poblemas envolvendo multiplicação e divisão, identificamos que ente outas, as dificuldades ineentes as intepetações do poblema e eo de cálculo tiveam maio evidencia, sendo 19 eos de cálculo e

6 17 eos de intepetação e que ao aluno do sexo feminino tiveam maio pocentagem de acetos consideando o geal das questões. Ficou evidente também nesta expeiência que, os alunos encontaam divesas fomas e estatégias, na tentativa de esolve os poblemas, caacteísticas impotantes paa o apendizado em matemática. As atividades desta pesquisa foam decoentes da disciplina matemática básica ealizada no cuso de Pedagogia, no qual nos ajudou extemamente enquanto futuas pofissionais da educação, já que seemos pofessoas da disciplina de matemática das séies iniciais do Ensino Fundamental, e que essas questões apesentadas duante a pesquisa estaão pesentes em nossas futuas egências, e diante disso buscaemos leva uma metodologia difeenciada paa a sala de aula, e assim sabeemos avalia as estatégias de esolução de cada aluno, com um olha mais cítico. REFERÊNCIAS BRASIL. Paâmetos Cuiculaes Nacionais: teceio e quato ciclos: apesentação dos temas tansvesais. Basília: Ministéio da Educação e do Despoto. Secetaia de Educação Fundamental. MEC/SEF, p.. Paâmetos Cuiculaes Nacionais (1ª a 4ª Séie): matemática. Basília: Ministéio da Educação e do Despoto. Secetaia de Educação Fundamental. MEC/SEF, p. BUTTS, T. Fomulando poblemas adequadamente. In: STEPHEN, K.; REYS, R. E (Ogs). A esolução de poblemas na matemática escola. Tadução de: Higino H. Domingues e Olga Cobo. São Paulo. Editoa: Atual, p DANTE, L. R.. Didática da esolução de poblemas de matemática. 12a edição. São Paulo Editoa: Ática, LEBLANC, J. F.; PROUDFIT, L.; PUTT, I. J. Ensinando esolução de poblemas na elementay school. In: STEPHEN, K.; REYS, R. E (Ogs). A esolução de poblemas na matemática escola. Tadução de: Higino H. Domingues e Olga Cobo. São Paulo. Editoa: Atual, p ONUCHIC, L. R. Ensino-apendizagem de Matemática atavés da esolução de poblemas. In: BICUDO, M. A. V.(Og) Pesquisa em Educação Matemática. São Paulo: Editoa UNESP, p

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM QUESTÕES DE PROBABILIDADE.

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM QUESTÕES DE PROBABILIDADE. DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM QUESTÕES DE PROBABILIDADE. Iuy Feeia Gaspa Gaduando em Pedagogia, Univesidade Fedeal do Tocantins UFT, iuyfgaspa@gmail.com Andey Patick Monteio

Leia mais

ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS

ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS Atu Cuz de Sousa Acadêmico do 9º peíodo do cuso de Licenciatua em Matemática pela UFT. Bolsista do PIBID (Pogama

Leia mais

Descontos desconto racional e desconto comercial

Descontos desconto racional e desconto comercial Descontos desconto acional e desconto comecial Uma opeação financeia ente dois agentes econômicos é nomalmente documentada po um título de cédito comecial, devendo esse título conte todos os elementos

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: O USO DE SOFTWARE PARA O APRENDIZADO DE TABELA PERIÓDICA COM O AUXILIO DE TABLET E APARELHOS CELULARES

ENSINO DE QUÍMICA: O USO DE SOFTWARE PARA O APRENDIZADO DE TABELA PERIÓDICA COM O AUXILIO DE TABLET E APARELHOS CELULARES ENSINO DE QUÍMICA: O USO DE SOFTWARE PARA O APRENDIZADO DE TABELA PERIÓDICA COM O AUXILIO DE TABLET E APARELHOS CELULARES Jaqueline Mendes da Cunha (1); Géssica Gacia Ramos (1); Antônio Macos de Oliveia

Leia mais

RESUMO: INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Gestão democrática, Parcerias público-privadas, ProEMI/JF.

RESUMO: INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Gestão democrática, Parcerias público-privadas, ProEMI/JF. O PROGRAMA JOVEM DO FUTURO DO INSTITUTO UNIBANCO EM ESCOLAS DO ENSINO MÉDIO DE BELÉM 1 Jhanielly Gonçalves Babosa; Teezinha Fátima Andade Monteio dos Santos Gaduanda em Pedagogia; Doutoa em Educação Univesidade

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Santa Cruz (1),

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Santa Cruz (1), UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS: UMA INTERVENÇÃO SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE GEOMETRIA PLANA Janiélison dos Santos Silva (1); Jobson de Faias Lima (1); Fancisco Joge de Souza (2); Cistiano Rodigo Gobbi

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

O PAPEL DAS APRENDIZAGENS IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS. Juliana Chioca Ipolito Mestre em Educação Universidade Federal do Tocantins

O PAPEL DAS APRENDIZAGENS IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS. Juliana Chioca Ipolito Mestre em Educação Universidade Federal do Tocantins O PAPEL DAS APRENDIZAGENS IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS Juliana Chioca Ipolito Meste em Educação Univesidade Fedeal do Tocantins Este atigo é esultado de pate dos estudos ealizados na disciplina Linguagem escita,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES COM ATIVIDADES INVESTIGATIVAS: PROPORCIONANDO ENSINAR ÁLGEBRA NOS ANOS INICIAIS 1

FORMAÇÃO DE PROFESSORES COM ATIVIDADES INVESTIGATIVAS: PROPORCIONANDO ENSINAR ÁLGEBRA NOS ANOS INICIAIS 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES COM ATIVIDADES INVESTIGATIVAS: PROPORCIONANDO ENSINAR ÁLGEBRA NOS ANOS INICIAIS 1 Kaina Taís Kein (Gaduanda em Aquitetua e Ubanismo Univates) Cento Univesitáio Univates kainakein@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS NO CURSO TÉCNICO EM COMÉRCIO PROEJA DO IFMT CAMPUS CONFRESA 1

A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS NO CURSO TÉCNICO EM COMÉRCIO PROEJA DO IFMT CAMPUS CONFRESA 1 A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS NO CURSO TÉCNICO EM COMÉRCIO PROEJA DO IFMT CAMPUS CONFRESA 1 Maa Maia Duta; Thiago Beiigo Lopes; Macelo Fanco Leão Mesta em Ciências Ambientais; Meste

Leia mais

Algumas observações com relação ao conjunto de apostilas do curso de Fundamentos de Física Clássica ministrado pelo professor Ricardo (DF/CCT/UFCG).

Algumas observações com relação ao conjunto de apostilas do curso de Fundamentos de Física Clássica ministrado pelo professor Ricardo (DF/CCT/UFCG). undamentos de isica Classica Pof Ricado OBS: ESTAS APOSTILAS ORAM ESCRITAS, INICIALMENTE, NUM PC CUJO TECLADO NÃO POSSUIA ACENTUAÇÃO GRÁICA (TECLADO INGLES) PORTANTO, MUITAS PALAVRAS PODEM ESTAR SEM ACENTOS

Leia mais

TRABAJO. Empresa o Entidad Daimon Engenharia e Sistemas Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA

TRABAJO. Empresa o Entidad Daimon Engenharia e Sistemas Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA Título Análise de Patida de Motoes de Indução em Redes de Distibuição Utilizando Cicuito Elético Equivalente Obtido po Algoitmo Evolutivo Nº de Registo (Resumen 134 Empesa o Entidad Daimon Engenhaia e

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EJA.

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EJA. 1 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EJA. Facivane Pinho de Souza¹ Èissa Regina Silva de Souza 2 Leide Ana Viana Ribeio 3 Especialista em Lingua Basileia de Sinais 1 Especialista

Leia mais

A AFETIVIDADE DOS PROFESSORES, EM SALA DE AULA, NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: EM UMA CRECHE MUNICIPAL.

A AFETIVIDADE DOS PROFESSORES, EM SALA DE AULA, NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: EM UMA CRECHE MUNICIPAL. A AFETIVIDADE DOS PROFESSORES, EM SALA DE AULA, NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: EM UMA CRECHE MUNICIPAL. Aiella de Lima Faias 1 Iaa Apaecida Paiva 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO www.uema.b RESUMO

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA: UMA ANÁLISE DO LIVRO DO SEGUNDO ANO DA COLEÇÃO DIDÁTICA PROJETO PROSA 1. Jéssica Reis Santos

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA: UMA ANÁLISE DO LIVRO DO SEGUNDO ANO DA COLEÇÃO DIDÁTICA PROJETO PROSA 1. Jéssica Reis Santos ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA: UMA ANÁLISE DO LIVRO DO SEGUNDO ANO DA COLEÇÃO DIDÁTICA PROJETO PROSA 1 Jéssica Reis Santos Univesidade Fedeal do Paá - jessica.hist@hotmail.com Resumo Este atigo tem como desígnio

Leia mais

Renata Priscila Feques Ferreira (1); (1)Universidade Federal do Maranhão; Francy Sousa Rabelo (3)

Renata Priscila Feques Ferreira (1); (1)Universidade Federal do Maranhão; Francy Sousa Rabelo (3) UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA (PDDE) PARA A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA UNIDADE ESCOLAR DR. ANTÔNIO JORGE DINO EM SÃO LUÍS/MA Renata Piscila Feques Feeia (1); (1)Univesidade

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO INTRODUÇÃO... NOÇÕES BÁSICAS... POSIÇÃO DE UM PONTO EM RELAÇÃO AO SISTEMA...4 DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS...6 RAZÃO DE SECÇÃO... 5 DIVISÃO DE UM SEGMENTO NUMA RAZÃO DADA... 6 PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO...

Leia mais

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica ap014 - ampo magnético geado po coente elética 14.1 NTRODUÇÃO S.J.Toise Até agoa os fenômenos eléticos e magnéticos foam apesentados como fatos isolados. Veemos a pati de agoa que os mesmos fazem pate

Leia mais

RESGATE DA CULTURA POPULAR: EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA CRECHE MUNICIPAL SEVERINO DE FREITAS RÊGO PAU DOS FERROS - RN

RESGATE DA CULTURA POPULAR: EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA CRECHE MUNICIPAL SEVERINO DE FREITAS RÊGO PAU DOS FERROS - RN RESGATE DA CULTURA POPULAR: EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA CRECHE MUNICIPAL SEVERINO DE FREITAS RÊGO PAU DOS FERROS - RN Ceche Municipal Seveino de Feitas Rêgo; Ceche e pé-escola; Pojeto intedisciplina; Peíodo

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA REFLEXÃO A PARTIR DA PRÁTICA PEDAGÓGICA VIVENCIADA NA ESCOLA ADVENTISTA EM TUCURUÍ-PA

EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA REFLEXÃO A PARTIR DA PRÁTICA PEDAGÓGICA VIVENCIADA NA ESCOLA ADVENTISTA EM TUCURUÍ-PA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA REFLEXÃO A PARTIR DA PRÁTICA PEDAGÓGICA VIVENCIADA NA ESCOLA ADVENTISTA EM TUCURUÍ-PA Cistina da Silva Baos Auto (1) Gaduando do Cuso de Pedagogia, da Univesidade Fedeal do Paá do

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS SOBRE O PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

RELATO DE EXPERIÊNCIAS SOBRE O PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS RELATO DE EXPERIÊNCIAS SOBRE O PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Rita de Cássia Gomes Gacia Pedagoga Especialista Secetaia de Educação do Estado do Amazonas (SEDUC AM) Ruth

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

MULHERES E INCLUSÃO SOCIAL: LIMITES E POSSIBILIDADES. Luciana Vieira de Oliveira

MULHERES E INCLUSÃO SOCIAL: LIMITES E POSSIBILIDADES. Luciana Vieira de Oliveira MULHERES E INCLUSÃO SOCIAL: LIMITES E POSSIBILIDADES Luciana Vieia de Oliveia Gaduanda da Univesidade Regional do Caii- URCA lucianaalbuquequeoliveia@hotmail.com Ediana Alves Cavalho Gaduanda da Univesidade

Leia mais

Modelagem Matemática: Resolução de um Problema de Tração

Modelagem Matemática: Resolução de um Problema de Tração Modelagem Matemática: Resolução de um Poblema de ação Gabiel Eleusis Vicente Biasi (UICERO) Édeson Pauletti (UICERO) Vigínia Moeia Justo (UICERO) Maia José de Paula Castanho (UICERO) Maia Regina Cavalho

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DO JOGO CARA A CARA MATEMÁTICO

O ENSINO DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DO JOGO CARA A CARA MATEMÁTICO O ENSINO DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DO JOGO CARA A CARA MATEMÁTICO Auto (1) José Denis Gomes da Cuz; Instituto Fedeal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Gande do Note Campus Santa Cuz, denis_gomes.2006@hotmail.com.

Leia mais

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico O Paadoxo de etand paa um Expeimento Pobabilístico Geomético maildo de Vicente 1 1 Colegiado do Cuso de Matemática Cento de Ciências Exatas e Tecnológicas da Univesidade Estadual do Oeste do Paaná Caixa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO: UM ESTUDO EM UMA TURMA DO CURSO DE PEDAGOGIA NO CESP/UEA 1.

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO: UM ESTUDO EM UMA TURMA DO CURSO DE PEDAGOGIA NO CESP/UEA 1. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO: UM ESTUDO EM UMA TURMA DO CURSO DE PEDAGOGIA NO CESP/UEA 1. Romulo Igo da Silva Feeia (1); Vigílio Bandeia do Nascimento Filho (1).

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA GENÉTICA DE JEAN PIAGET: UMA ARTICULAÇÃO CRÍTICO REFLEXIVA 1. Ana Maura Tavares dos Anjos. Andréa da Costa Silva RESUMO

A EPISTEMOLOGIA GENÉTICA DE JEAN PIAGET: UMA ARTICULAÇÃO CRÍTICO REFLEXIVA 1. Ana Maura Tavares dos Anjos. Andréa da Costa Silva RESUMO A EPISTEMOLOGIA GENÉTICA DE JEAN PIAGET: UMA ARTICULAÇÃO CRÍTICO REFLEXIVA 1 Ana Maua Tavaes dos Anjos Mesta em Educação pelo Pogama de Pós-Gaduação em Educação - UECE Pofessoa substituta da Faculdade

Leia mais

Métodos da descida mais rápida para otimizar a atividade catalítica de um polímero

Métodos da descida mais rápida para otimizar a atividade catalítica de um polímero Métodos da descida mais ápida paa otimiza a atividade catalítica de um polímeo Camila Bece Univesidade de Santa Cuz do Sul - UNISC 96815-9, Campus Sede, Santa Cuz do Sul, RS E-mail: camilabece@ibest.com.b

Leia mais

DEFICIENCIA AUDITIVA E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES: UMA AVALIAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA 1. Leiliane Pereira Frazão. Gracilene Luz Santana

DEFICIENCIA AUDITIVA E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES: UMA AVALIAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA 1. Leiliane Pereira Frazão. Gracilene Luz Santana DEFICIENCIA AUDITIVA E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES: UMA AVALIAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA 1 Leiliane Peeia Fazão Mestanda em Educação paa Saúde, Especialista em Psicopedagogia Clinica e Institucional e em Educação

Leia mais

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte 5 Capítulo Capítulo Execícios e outas páticas sobe as aplicações da emodinâmica Química 1 a pate Só queo sabe do que pode da ceto Não tenho tempo a pede. (leta da música Go Back, cantada pelo gupo itãs.

Leia mais

A PESQUISA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autora: Luiza Maria Paixão Lepos

A PESQUISA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autora: Luiza Maria Paixão Lepos A PESQUISA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autoa: Luiza Maia Paixão Lepos Gaduada em Ciências Sociais pela Univesidade Fedeal do Sul e Sudeste do Paá. Pofessoa de Sociologia

Leia mais

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo:

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: P1 - MA 1-011 Questão 1 Considee a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: a 1 = 1 a = + 3 a 3 = + 5 + 6 a = 7 + 8 + 9 + 10 (05) (a) O temo a 10 é a soma de 10 inteios consecutivos Qual é o

Leia mais

A BRINQUEDOTECA COMO UM LABORATÓRIO DE APRENDIZAGEM [cri]ativa 1. Ana Paula Pegoraro*; Graziele Silveira dos Santos*; Edson Carpes Camargo**

A BRINQUEDOTECA COMO UM LABORATÓRIO DE APRENDIZAGEM [cri]ativa 1. Ana Paula Pegoraro*; Graziele Silveira dos Santos*; Edson Carpes Camargo** A BRINQUEDOTECA COMO UM LABORATÓRIO DE APRENDIZAGEM [ci]ativa 1 Ana Paula Pegoao*; Gaziele Silveia dos Santos*; Edson Capes Camago** * Acadêmicas do cuso de Licenciatua em Pedagogia do IFRS. ** Pedagogo.

Leia mais

A APLICAÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DO ENSINO APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

A APLICAÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DO ENSINO APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA A APLICAÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO PROCESSO DO ENSINO APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Maia Josivânia de Lima Abdala (1); Maxsuel da Silva Emiliano (1); Thiago Jeffeson de Aaújo (4) Instituto

Leia mais

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS VETORES GRANDEZAS VETORIAIS Gandezas físicas que não ficam totalmente deteminadas com um valo e uma unidade são denominadas gandezas vetoiais. As gandezas que ficam totalmente expessas po um valo e uma

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE NA ESCOLA MUNICIPAL MARIA AUGUSTA DE CARVALHO NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL-RN

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE NA ESCOLA MUNICIPAL MARIA AUGUSTA DE CARVALHO NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL-RN EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE NA ESCOLA MUNICIPAL MARIA AUGUSTA DE CARVALHO NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL-RN Alexia Caolinne Aquino Silva(1) Discente do Cuso de Educação Física - CEF/CAMEAM/UERN alexiacaolinne@hotmail.com

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades

Seu pé direito nas melhores Faculdades 0 INSPER 01/11/00 Seu pé dieito nas melhoes Faculdades 0. Na figua a segui, ABC e DEF são tiângulos equiláteos, ambos de áea S. O ponto D é o baicento do tiângulo ABC e os segmentos BC e DE são paalelos.

Leia mais

Relação Risco Retorno em uma série histórica

Relação Risco Retorno em uma série histórica Relação Risco Retono em uma séie históica E ( j ) R j Retono espeado é a expectativa que se constói paa o esultado de um ativo a pati da média históica de esultado. E( j ) R j j,1 + j, + L+ n j, n n i

Leia mais

FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO

FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO Apaecida Fancisco da SILVA* Helia Matiko Yano KODAMA * Resumo: Este atigo tem como objetivo divulga pate dos tabalhos ealizados em sala de aula de matemática da EE Otacílio

Leia mais

Balanço de fases para melhorar os níveis de tensão utilizando a Metaheurística Busca em Vizinhança Variável

Balanço de fases para melhorar os níveis de tensão utilizando a Metaheurística Busca em Vizinhança Variável Balanço de fases paa melhoa os níveis de tensão utilizando a Metaheuística Busca em Vizinhança Vaiável 1 W. Guea, Eneq-USP, and N. Kagan, Senio Membe, IEEE Resumo-- Este tabalho apesenta a fomulação e

Leia mais

Ana Cláudia Nunes Silva Graduanda em Pedagogia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE.

Ana Cláudia Nunes Silva Graduanda em Pedagogia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. QUAIS AS POSSIBILIDADES DE TRABALHAR A CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE POLÍGONOS REGULARES E IRREGULARES COM O GEOGEBRA NOS ANOS INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA? Ana Cláudia Nunes Silva Gaduanda em Pedagogia

Leia mais

REFLEXÕES DO RACIONALISMO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

REFLEXÕES DO RACIONALISMO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA REFLEXÕES DO RACIONALISMO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Fenanda Cistina Silva Gomes Vieia(1); Mestanda em Educação Univesidade Fedeal do Maanhão - UFMA Eliane Maia Pinto Pedosa (2); Pof. Da. Em

Leia mais

REINTERPRETANDO A CONSTRUÇÃO DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL DE LEIBNIZ COM USO DE RECURSOS GEOMÉTRICOS

REINTERPRETANDO A CONSTRUÇÃO DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL DE LEIBNIZ COM USO DE RECURSOS GEOMÉTRICOS REINERPREAND A CNSRUÇÃ D CÁLCUL DIFERENCIAL E INEGRAL DE LEIBNIZ CM US DE RECURSS GEMÉRICS Intodução Ségio Caazedo Dantas segio@maismatematica.com.b Resumo Nesse teto apesentamos algumas deduções que Leibniz

Leia mais

DE CONTO EM CONTO SE GANHA UM PONTO: A NARRATIVA DO DIA A DIA NOS IMPRESSOS LITERÁRIOS.

DE CONTO EM CONTO SE GANHA UM PONTO: A NARRATIVA DO DIA A DIA NOS IMPRESSOS LITERÁRIOS. DE CONTO EM CONTO SE GANHA UM PONTO: A NARRATIVA DO DIA A DIA NOS IMPRESSOS LITERÁRIOS. Dulcimáia Alves Medeios; Maia Andéia Peeia Rodigues; Vanlúcia Alves da Costa. Univesidade do Estado do Rio Gande

Leia mais

PROJETO TOCAR: ORIENTAÇÃO MUSICAL PARA PROFESSORES REGENTES DO ENSINO INFANTIL, UTILIZANDO O VIOLÃO COMO FERRAMENTA DE ENSINO.

PROJETO TOCAR: ORIENTAÇÃO MUSICAL PARA PROFESSORES REGENTES DO ENSINO INFANTIL, UTILIZANDO O VIOLÃO COMO FERRAMENTA DE ENSINO. PROJETO TOCAR: ORIENTAÇÃO MUSICAL PARA PROFESSORES REGENTES DO ENSINO INFANTIL, UTILIZANDO O VIOLÃO COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Kalla Gyzelle Rodigues de Oliveia Pofessoa de Música Secetaia Municipal de

Leia mais

GEOMETRIA DINÂMICA E O ESTUDO DE TANGENTES AO CÍRCULO

GEOMETRIA DINÂMICA E O ESTUDO DE TANGENTES AO CÍRCULO GEMETRIA DINÂMICA E ESTUD DE TANGENTES A CÍRCUL Luiz Calos Guimaães, Elizabeth Belfot e Leo Akio Yokoyama Instituto de Matemática UFRJ lcg@labma.ufj.b, beth@im.ufj.b, leoakyo@yahoo.com.b INTRDUÇÃ: CÍRCULS,

Leia mais

AS MARCAS DE ORALIDADE NOS TEXTOS ESCRITOS PELOS ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DE PARNAÍBA PI

AS MARCAS DE ORALIDADE NOS TEXTOS ESCRITOS PELOS ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DE PARNAÍBA PI AS MARCAS DE ORALIDADE NOS TEXTOS ESCRITOS PELOS ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DE PARNAÍBA PI Gilmaa Meneses de Aguia Aaújo Gaduada em Pedagogia Faculdade Ente Rios do Piauí gilmaa.maju@hotmail.com

Leia mais

Tainara Helena de Assis Pereira; Universidade Federal do Pará, Kelly Regina Almeida de Assunção

Tainara Helena de Assis Pereira; Universidade Federal do Pará, Kelly Regina Almeida de Assunção AS CONTRIBUIÇÕES DAS DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM SALA DE AULA PARA AQUISIÇÃO DA LEITURA: O USO DA LENDA AMAZÔNICA MÃE- D'ÁGUA COM FANTOCHES E FLANELÓGRAFO 1 Tainaa Helena de Assis Peeia; Univesidade

Leia mais

3 O Canal Rádio Móvel

3 O Canal Rádio Móvel 31 3 O Canal Rádio Móvel O canal de adiopopagação, pela sua natueza aleatóia e dependente da faixa de feqüências utilizada, não é de fácil modelagem, exigindo estudos teóicos e dados estatísticos paa sua

Leia mais

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DE PIERRE DE FERMAT PARA O ESTUDO DE TEORIA DOS NÚMEROS

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DE PIERRE DE FERMAT PARA O ESTUDO DE TEORIA DOS NÚMEROS AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DE PIERRE DE FERMAT PARA O ESTUDO DE TEORIA DOS NÚMEROS José Josimáio da Silva Basto (1); Amanda Raphaela Pachêco de Melo (1); Jobson de Faias Lima (2); Thiago Jeffeson de Aaújo

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Welbe Teinamentos S/C LTDA Nome Fantasia: Micolins Data de fundação: 25/01/2002 Númeo de funcionáios:

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: Refletindo sobre os aspectos da produção escrita em meio as formas de mediação pedagógica

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: Refletindo sobre os aspectos da produção escrita em meio as formas de mediação pedagógica O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: Refletindo sobe os aspectos da podução escita em meio as fomas de mediação pedagógica Hildevânia da Silva Monte1 Univesidade do Estado do Rio Gande do Note UERN hilda-monte02@hotmail.com

Leia mais

PERCEPÇÕES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO DO TRABALHO COMPETITIVO

PERCEPÇÕES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO DO TRABALHO COMPETITIVO PERCEPÇÕES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO DO TRABALHO COMPETITIVO Thelma Helena Costa Chahini (1); Maia da Piedade Resende (2) Dª em Educação; Dª em Psicologia Univesidade Fedeal

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA EM ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMILIA

FATORES RELACIONADOS À GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA EM ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMILIA FATORES RELACIONADOS À GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA EM ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMILIA Andeson Gomes Nascimento Especialista em Saúde Mateno Infantil Univesidade Fedeal do Maanhão andesongnascimento@hotmail.com

Leia mais

1 Busca em Amplitude

1 Busca em Amplitude Algoitmos de Busca A modelagem mostada até aqui detemina a configuação do espaço de estados do poblema, mas não mosta como chega à solução, isto é, como enconta um estado final em um tempo azoável. Paa

Leia mais

RESUMO. Palavras-Chave: Educação. Vulnerabilidade social. Matrículas. Direito.

RESUMO. Palavras-Chave: Educação. Vulnerabilidade social. Matrículas. Direito. VULNERABILIDADE SOCIAL DAS POPULAÇÕES EM BUSCA DO SEU DIREITO A EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ 1 Eivânio da Silva Cavalho 2 Suely Costa Mendes 3 RESUMO O pesente estudo faz uma análise

Leia mais

Árvores Digitais. Fonte de consulta: Szwarcfiter, J.; Markezon, L. Estruturas de Dados e seus Algoritmos, 3a. ed. LTC. Capítulo11

Árvores Digitais. Fonte de consulta: Szwarcfiter, J.; Markezon, L. Estruturas de Dados e seus Algoritmos, 3a. ed. LTC. Capítulo11 Ávoes Digitais Fonte de consulta: Szwacfite, J.; Makezon, L. Estutuas de Dados e seus Algoitmos, 3a. ed. LTC. Capítulo Pemissas do que vimos até aqui } As chaves têm tamanho fixo } As chaves cabem em uma

Leia mais

Algoritmo Genético Especializado na Resolução de Problemas com Variáveis Contínuas e Altamente Restritos

Algoritmo Genético Especializado na Resolução de Problemas com Variáveis Contínuas e Altamente Restritos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO - CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Algoitmo Genético Especializado na Resolução de Poblemas com Vaiáveis Contínuas

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibula AFA 010 Pova de Matemática COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO A pova de Matemática da AFA em 010 apesentou-se excessivamente algébica. Paa o equílibio que se espea nesta seleção,

Leia mais

DE ONDE VEM A UNIDADE RADIANO E POR QUE SEU USO É NECESSÁRIO?

DE ONDE VEM A UNIDADE RADIANO E POR QUE SEU USO É NECESSÁRIO? DE ONDE VEM A UNIDADE RADIANO E POR QUE SEU USO É NECESSÁRIO? Welleson Quintaneio wellesonsilva@ig.com.b CEFET - RJ / Pogama de Pós-Gaduação em Ensino de Matemática - UFRJ Victo Gialdo Instituto de Matemática

Leia mais

Seção 8: EDO s de 2 a ordem redutíveis à 1 a ordem

Seção 8: EDO s de 2 a ordem redutíveis à 1 a ordem Seção 8: EDO s de a odem edutíveis à a odem Caso : Equações Autônomas Definição Uma EDO s de a odem é dita autônoma se não envolve explicitamente a vaiável independente, isto é, se fo da foma F y, y, y

Leia mais

OS EXTRATERRESTES E O ENSINO DE CIÊNCIAS: ASTROBIOLOGIA COMO EIXO INTEGRADOR NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1

OS EXTRATERRESTES E O ENSINO DE CIÊNCIAS: ASTROBIOLOGIA COMO EIXO INTEGRADOR NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1 OS EXTRATERRESTES E O ENSINO DE CIÊNCIAS: ASTROBIOLOGIA COMO EIXO INTEGRADOR NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1 Caio Césa Silva Lima²; Macelo Soaes dos Santos³ ²Gaduando de Licenciatua em Ciências Natuais/Biologia,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE TREINAMENTO: OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ATUAÇÃO DE TREINADORES 1

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE TREINAMENTO: OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ATUAÇÃO DE TREINADORES 1 FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE TREINAMENTO: OS BENEFÍCIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ATUAÇÃO DE TREINADORES 1 Michelle Caldeia de Sousa Silva Especialista em Estudos Linguísticos Univesidade Estadual da Bahia-ellehcim20@hotmail.com

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas eléticas em altas fequências A gande maioia das medidas eléticas envolve o uso de cabos de ligação ente o ponto de medição e o instumento de medida. Quando o compimento de onda do sinal medido

Leia mais

(83) r

(83) r O FECHAMENTO DE UMA ESCOLA MULTISSERIADA DO MUNICÍPIO DE IGARAPÉ- AÇU/PA Rosane Andéia Silva dos Santos 1 ; Renata do Socoo Lima da Silva 2 ; Telma Lúcia Sousa da Silva 3 1. Discente do cuso de Licenciatua

Leia mais

Raimundo Romão Batista Professor L. Portuguesa EEM Senador Fernandes Távora Ereré CE SEDUC/CE

Raimundo Romão Batista Professor L. Portuguesa EEM Senador Fernandes Távora Ereré CE SEDUC/CE CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM PROL DO ENSINO DA LINGUAGEM ARTÍSTICA E IDENTITÁRIA NA ESCOLA Raimundo Romão Batista Pofesso L. Potuguesa EEM Senado Fenandes Távoa Eeé CE SEDUC/CE

Leia mais

TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS: Um novo paradigma na escola para o ensino-aprendizagem.

TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS: Um novo paradigma na escola para o ensino-aprendizagem. TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS: Um novo paadigma na escola paa o ensino-apendizagem. Ina Luzia Moaes Silva 1 Danielly Noonha Besea Ramos 2 Jone Ney Vieia da Silva (oientado) 3 RESUMO Este atigo discute a impotância

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA): ANGUSTIAS DE UM ESTÁGIO SUPERVISIONADO.

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA): ANGUSTIAS DE UM ESTÁGIO SUPERVISIONADO. EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA): ANGUSTIAS DE UM ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Fancisco Gabiel da Silva Univesidade do Estado do Rio do Note (Uen), Campus Avançado Pofª Maia Elisa de Albuqueque Maia (CAMEAM).

Leia mais

Dhemersson Warly Santos Costa 1 Graduando em Ciências Biológicas Universidade Federal do

Dhemersson Warly Santos Costa 1 Graduando em Ciências Biológicas Universidade Federal do O QUE DIZEM OS CURRÍCULOS DOS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E CIÊNCIAS NATURAIS EM DUAS UNIVERSIDADES DO PARÁ SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL?. Auto (1); Co-auto (2); Oientado (3) Dhemesson Waly Santos Costa

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A POTENCIALIDADE DE UM RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO. 1

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A POTENCIALIDADE DE UM RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO. 1 AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A POTENCIALIDADE DE UM RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO. 1 Auto (1) Rachel Rachelley Matos Monteio; Gaduanda em Pedagogia. Univesidade Estadual do Ceaá-UECE. E-mail:

Leia mais

O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM A AJUDA DO SOFTWARE EXCEL

O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM A AJUDA DO SOFTWARE EXCEL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETA O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO DecetoLei n.º 39/0, de 5 de julho Pova Escita de Matemática A.º Ano de Escolaidade Pova 635/Época Especial Citéios de Classificação Páginas 03 COTAÇÕES GRUPO I. a 8....(8

Leia mais

Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea

Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea Tabalho apesentado no DINCON, Natal - RN, 015. 1 Poceeding Seies of the Bazilian Society of Computational and Applied Mathematics Swing-By Populsado aplicado ao sistema de Haumea Alessanda Feaz da Silva

Leia mais

II Transmissão de Energia Elétrica (Teoria de Linhas)

II Transmissão de Energia Elétrica (Teoria de Linhas) II Tansmissão de Enegia Elética (Teoia de Linhas) Linhas de tansmissão : (Pela física) todos os elementos de cicuitos destinados ao tanspote de enegia elética ente dois pontos, independentemente da quantidade

Leia mais

Utilização das Equações de London para a Modelagem de Supercondutores

Utilização das Equações de London para a Modelagem de Supercondutores Utilização das Equações de London paa a Modelagem de upecondutoes Guilheme Gonçalves otelo, Raphael ata Kasal, Antonio Calos Feeia Univesidade Fedeal do Rio de Janeio COPPE/Pogama de Engenhaia Elética

Leia mais

Palavras chaves: Letramento/alfabetização. Jogos pedagógicos. PIBID.

Palavras chaves: Letramento/alfabetização. Jogos pedagógicos. PIBID. LETRAMENTO/ALFABETIZAÇÃO COM JOGOS PEDAGOGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC 1 Antônia Fenandes Feeia (1); Alan Abeu Noonha (1); Maia José Albuqueque da Silva (3) Pós-gaduada em Ate Educação

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

CONCEPÇÃO DOCENTE SOBRE O ENSINO COM OS GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL I

CONCEPÇÃO DOCENTE SOBRE O ENSINO COM OS GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL I CONCEPÇÃO DOCENTE SOBRE O ENSINO COM OS GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL I Maia da Luz Duate Leite Silva Univesidade Fedeal do Rio Gande do Note, e-mail: lulinhaduate@hotmail.com Maia Macivânia da

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

MEMÓRIAS DE UMA EDUCADORA DA CIDADE DE CODÓ-MA 1. Kelly Almeida de Oliveira 2

MEMÓRIAS DE UMA EDUCADORA DA CIDADE DE CODÓ-MA 1. Kelly Almeida de Oliveira 2 MEMÓRIAS DE UMA EDUCADORA DA CIDADE DE CODÓ-MA 1 Kelly Almeida de Oliveia 2 Docente do cuso de Pedagogia da UFMA, Campus VII, Codó. Jessyane Kely dos Santos Guimaães 3 Discente do cuso de Pedagogia da

Leia mais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas Pontuais Ao estabelece o conceito de potencial eléctico, imaginamos coloca uma patícula de pova num campo eléctico poduzido po algumas cagas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS SOBRE OS CONTOS DE FADAS PARA O UNIVERSO INFANTIL

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS SOBRE OS CONTOS DE FADAS PARA O UNIVERSO INFANTIL A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS SOBRE OS CONTOS DE FADAS PARA O UNIVERSO INFANTIL Mácia Rangel Alves de Mianda; Ana Rosângela da Silva Costa Adalgiza Queioz Univesidade do Estado do Rio Gande do Note - UERN CAMPUS

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS PEQUENAS¹. Tyciana Vasconcelos Batalha Graduanda em Pedagogia

A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS PEQUENAS¹. Tyciana Vasconcelos Batalha Graduanda em Pedagogia A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS PEQUENAS¹ Tyciana Vasconcelos Batalha Gaduanda em Pedagogia Univesidade Fedeal do Maanhão (UFMA). E-mail: alftyci@gmail.com

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

Prova Escrita de Matemática B

Prova Escrita de Matemática B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Deceto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Pova Escita de Matemática B 10.º e 11.º Anos de Escolaidade Pova 735/.ª Fase 13 Páginas Duação da Pova: 150 minutos. Toleância:

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT TIAGO BANDEIRA CASTRO PROPOSTA DE INTRODUÇÃO DE CÁLCULO VARIACIONAL

Leia mais

Elvira Aparecida Simões Araujo³ Doutora em Educação Unitau Universidade de Taubaté, Resumo

Elvira Aparecida Simões Araujo³ Doutora em Educação Unitau Universidade de Taubaté, Resumo POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: acesso e pemanência no ensino supeio 1 Maia Claudia Lima Sousa² Meste em Gestão e Desenvolvimento Regional Devy- FACIMP Faculdade de Impeatiz, maiaclaudia-lima@hotmail.com

Leia mais

DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA

DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA Aulas páticas de Óptica e Acústica º semeste de / DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA Conceitos envolvidos: Equações de Maxwell, dispesão, polaizabilidade, índice de efacção, pisma, ede de difacção

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues ula 5 Veto Posição, plicações do Poduto Escala Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos bodados Nesta ula Vetoes Posição. Veto Foça Oientado ao Longo de

Leia mais

Albideias de Oliveira Corrêa Graduando do Curso de Ciências Humanas/ História Universidade Federal do Maranhão;

Albideias de Oliveira Corrêa Graduando do Curso de Ciências Humanas/ História Universidade Federal do Maranhão; PROCEDIMENTOS DE ESCOLHA E UTILIZAÇÃO DO LIVRO DIDÁTICO: ALGUMAS PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE HISTÓRIA SOBRE ESTE PROCESSO 1 Oséas Cunha da Silva Gaduando do Cuso de Ciências Humanas/ Históia Univesidade

Leia mais

+, a velocidade de reação resultante será expressa

+, a velocidade de reação resultante será expressa 3. - Velocidade de eação velocidade de eação ou taxa de eação de fomação de podutos depende da concentação, pessão e tempeatua dos eagentes e podutos da eação. É uma gandeza extensiva po que tem unidades

Leia mais

Carga Elétrica e Campo Elétrico

Carga Elétrica e Campo Elétrico Aula 1_ Caga lética e Campo lético Física Geal e peimental III Pof. Cláudio Gaça Capítulo 1 Pincípios fundamentais da letostática 1. Consevação da caga elética. Quantização da caga elética 3. Lei de Coulomb

Leia mais

CD 031 Desenho Geométrico

CD 031 Desenho Geométrico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA CD 031 Desenho Geomético I Tuma B 2011 Apostila elaboada po: Pofª. Da. Deise Maia Betholdi Costa e Pofª M.Sc. Elen

Leia mais

PROFISSÃO DOCENTE: CONCEPÇÕES E IMAGENS DO SER PROFESSOR

PROFISSÃO DOCENTE: CONCEPÇÕES E IMAGENS DO SER PROFESSOR PROFISSÃO DOCENTE: CONCEPÇÕES E IMAGENS DO SER PROFESSOR Lizanda Maia de Casto Fenandes Univesidade do Estado do Rio Gande do Note-UERN E-mail:lizandaacasto@hotmail.com Letícia Bezea Fança Univesidade

Leia mais

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de D.O.U

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de D.O.U edenciamento Potaia ME 3.63, de 8..4 - D.O.U. 9..4. MATEMÁTIA, LIENIATURA / Geometia Analítica Unidade de apendizagem Geometia Analítica em meio digital Pof. Lucas Nunes Ogliai Quest(iii) - [8/9/4] onteúdos

Leia mais