Polinómios. Integração de Fracções Racionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Polinómios. Integração de Fracções Racionais"

Transcrição

1 Polinómios. Integração de Fracções Racionais Escola Superior de Tecnologia e de Gestão, Instituto Politécnico de Bragança. Mário Abrantes / 17

2 Índice de Matérias 1. Polinómios Denição Factorização de Polinómios Divisão de Polinómios Teorema Fundamental da Álgebra 2. Fracções Racionais Integração de Fracções Racionais 2 / 17

3 Denição Polinómios Chama-se polinómio na variável x com coecientes reais a uma expressão na forma a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0, sendo n o grau do polinómio (é um número inteiro não negativo). Os termos a i, 0 i n designam-se por coecientes do polinómio. A variável x pode tomar valores reais. 1 Exemplos 3 2 x 3 x : polinómio de grau 3 4 : polinómio de grau 0; é igual a 4x 0 x 2 x : não é um polinómio (o coeciente de x 1 não é um inteiro não negativo) yx 2 y : polinómio de grau 3 nas variáveis x e y ; estes apontamentos referem-se apenas a polinómios na variável x. 1 Uma função cuja fórmula é um polinómio designa-se por função racional inteira 3 / 17

4 Polinómios Raiz de um Polinómio Chama-se raiz ou zero do polinómio p(x) = a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0 todo o valor de x tal que p(x) = 0. Exemplos x = 2 é uma raiz do polinómio p(x) = 2x 3 3x 2 4, porque p(2) = = 0. x = 1 não é uma raiz do polinómio p(x) = 2x 3 3x 2 4, porque p( 1) = 2 ( 1) 3 3 ( 1) 2 4 = 9 0. Factorização de Polinómios O polinómio p(x) diz-se factozizado no produto de k polinómios g 1 (x), g 2 (x),, g k (x), se aparece escrito como o produto destes k polinómios, p(x) = g 1 (x)g 2 (x) g k (x). Exemplos O polinómio p(x) = 2x 3 12x x 12 pode ser escrito na forma p(x) = 2(x 1)(x 2)(x 3). 4 / 17

5 Polinómios Os polinómios envolvidos na factorização de p(x) são g 1 (x) = 2, g 2 (x) = x 1, g 3 (x) = x 2, g 4 (x) = x 3. O polinómio q(x) = x 3 6x x 6 pode ser escrito na forma q(x) = (x 1)(x 2 5x + 6). Os polinómios envolvidos na factorização de q(x) são g 1 (x) = x 1, g 2 (x) = x 2 5x + 6. Divisibilidade de Polinómios O polinómio p(x) diz-se divisível pelo polinómio q(x) sse q(x) é um dos polinómios envolvido na factorização de p(x). O polinómio q(x) = x 3 6x x 6 é divisível pelo polinómio x 1, uma vez que q(x) = (x 1)(x 2 5x + 6). p(x) é tambem divisível por x 2 5x / 17

6 Polinómios O polinómio q(x) = x 3 6x x 6 não é divisível pelo polinómio x 5, uma vez que x 3 6x x 6 = (x 5)(x 2 5x + 6) Esta igualdade representa uma divisão da seguinte forma: x 3 6x x 6 é o dividendo; x 5 é o divisor; x 2 5x + 6 é o quociente; 24 é o resto da divisão - ver o vídeo seguinte. >Vídeo sobre a divisão de polinómios. Teorema de Bezout O resto da divisão de um polinómio p(x), de grau maior ou igual a 1, pelo binómio x a, é igual a p(a). Exemplo Dado o polinómio q(x) = x 3 6x x 6, temos q(5) = = 24 (ver exemplo anterior). 6 / 17

7 Polinómios Corolário Se r é uma raiz do polinómio p(x), isto é se p(r) = 0, então p(x) é divisível exactamente por x r e pode por isso ser escrito na forma de produto p(x) = (x r)g(x), sendo g(x) é um polinómio tal que grau(p(x)) = grau(g(x)) + 1. Exemplo O polinómio q(x) = x 3 6x x 6 anula-se para x = 1, isto é q(1) = 0. Então q(x) é divisível por x 1, x 3 6x x 6 = (x 1)(x 2 5x + 6). Teorema Fundamental da Álgebra Todo o polinómio p(x) de coecientes reais e de grau maior ou igual a 1 tem pelo menos uma raiz, real ou complexa. 2 2 O conjunto dos números complexos C é um conjunto de números no qual está contido o conjunto dos números reais R e outros números não reais como, por exemplo, 1. 7 / 17

8 Polinómios O polinómio q(x) = x 2 + x + 1 não tem raízes reais, facto rapidamente vericável usando a fórmula resolvente de Bhaskara, x = 1 ± = 1 ± 3. 2 q(x) não é factorizável num produto de polinómios de coecientes reais de grau menor que 2. Teorema Todo o polinómio q(x) = a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0, de coecientes reais e de grau 1, se decompõe no produto de factores lineares na forma x r, sendo r uma raiz de q(x), ou de factores quadráticos na forma x 2 + bx + c (sem raízes reais) e do factor a n, sendo a soma dos graus dos factores igual a n. 8 / 17

9 Polinómios Exemplos O polinómio q(x) = x 2 2x + 1 tem uma raiz dupla x = 1, como pode ser vericado usando a fórmula resolvente de Bhaskara: Por esta razão temos x = ( 2) ± ( 2) = 2 ± 0 2 q(x) = x 2 2x + 1 = (x 1) 2 = 1.. O polinómio q(x) = 2x 2 4x + 2 tem igualmente a raiz dupla x = 1 (vericar!). Como o coeciente que multiplica x 2 é 2, temos q(x) = 2x 2 4x + 2 = 2(x 1) 2. Vericar que o polinómio q(x) = 3(x 1)(x 2)(x 3) pode ser escrito na forma 3x 3 18x x 18, e que esta última expressão se anula para x = 1, x = 2 e x = 3. 9 / 17

10 Polinómios Polinómios Idênticos Dois polinómios p(x), q(x) dizem-se idênticos sse têm os mesmos coecientes para as mesmas potências de x. Polinómios idênticos escrevem-se da mesma forma, isto é têm o mesmo grau e os mesmos coecientes. Para dois polinómios de grau n serem idênticos, basta tomarem valores iguais para n + 1 valores distintos da variável x. É o que diz o teorema seguinte. Teorema Se os valores de dois polinómios p(x), q(x), de grau n, coincidem para n + 1 valores diferentes r 1, r 2,, r n, r n+1 da variável x, então estes dois polinómios são idênticos, isto é têm os mesmos coecientes. 10 / 17

11 Fracções Racionais Fracção Racional Chama-se fracção racional a uma fracção cujos numerador e denominador são polinómios. 3 A fracção p(x) q(x) diz-se irregular. diz-se regular se grau(p(x)) < grau(q(x)). De contrário Exemplos x 4 x 2 + 2x + 1 x x 2 + 2x : fracção irregular : fracção regular : fracção irregular Uma fracção irregular pode ser escrita como a soma de um polinómio e de uma fracção regular. 3 Uma função cuja fórmula é uma fracção racional, diz-se função racional. 11 / 17

12 Fracções Racionais Tal pode ser conseguido efectuando a divisão do numerador pelo denominador. Exemplos x 4 3 x 2 +2x+1 = x 2 2x + 3 4x+6 x 2 +2x+1 (vericar!) x2 +5x 3 x = 2 2x x 6 x 2 2x+1 (vericar!) Decomposição em Fracções Parciais Uma fracção racional regular pode ser decomposta na soma de fracções parciais mais simples. Esta decomposição é útil para a integração de fracções racionais. Exemplos 1 (x+1)(x 2) = A + B, sendo A, B constantes que se podem x+1 x 2 determinar (ver vídeo abaixo). x 2 +2 (x+1) 3 (x 2) = A (x+1) + 3 constantes que se podem determinar (ver vídeo abaixo) B (x+1) + C + D 2, sendo A, B, C, D x+1 x 2 12 / 17

13 Fracções Racionais Exemplos x 4 2 (x 2 +x+1)x = A 2 x + B 2 x + Cx+D + Ex+F x+1 x 2, sendo A, B, C, D, E, F +x+1 constantes que se podem determinar (ver vídeo abaixo) x 4 2 (x 2 +x+1) 2 x) = A x + Bx+C (x 2 +x+1) + Dx+E 2 x 2, sendo A, B, C, D, E +x+1 constantes que se podem determinar (ver vídeo abaixo) Notar que para a decomposição de uma fracção racional regular p(x) q(x) em fracções parciais A cada factor (x r) k ou (ax 2 + bx + c) no denominador q(x) correspondem k parcelas na decomposição; As fracções parciais cujo denominadores são potências de termos lineares, (x r) k, têm uma constante no numerador; As fracções parciais cujo denominadores são potências de termos quadráticos, (ax 2 + bx + c) k, têm uma expressão linear em x, do tipo Ax + B, no numerador. 13 / 17

14 Fracções Racionais >Vídeo sobre a decomposição de fracções racionais em fracções parciais. Integração de Fracções Racionais A integração de uma fracção racional p(x) q(x) consiste em 3 etapas: Dividir p(x) por q(x), se grau(p(x)) grau(q(x)); Decompôr em fracções parciais as fracções racionais resultantes da divisão (se uma divisão foi efectuada), cujos denominadores não sejam potências de termos lineares, (x r) k, ou potências de termos quadráticos, (ax 2 + bx + c) k ; se uma divisão não foi efectuada, efectuar a decomposição sobre a própria fracção p(x) q(x) ; Integrar a soma de fracções parciais resultante. Vamos ver alguns exemplos. 14 / 17

15 Exemplos Fracções Racionais x 2 +2 (x+1) 3 (x 2) dx Como grau(x 2 + 2) = 2 4 = grau((x + 1) 3 (x 2)), a fracção racional é regular, pelo que não é preciso efectuar a divisão do polinómio no numerador pelo polinómio no denominador. A decomposição da fracção seguinte: x 2 +2 (x+1) 3 (x 2) = x 2 +2 (x+1) 3 (x 2) A (x+1) 3 + em fracçoes parciais é a B (x+1) + C + D 2 x+1 x 2. O cálculo dos coecientes A, B, C, D faz-se do seguinte modo: Multiplicar ambos os membros da igualdade por (x + 1) 3 (x 2). Obtém-se x = A(x 2) + B(x + 1)(x 2) + C(x + 1) 2 (x 2) + D(x 1) 3 x = ( 2A 2B 2C + B) + (A B 3C + 3D)x + (B + 3D)x 2 + (C + D)x 3 15 / 17

16 Fracções Racionais Para os polinómios nos dois membros serem idênticos, os coecientes nos termos com o mesmo grau devm ser iguais. Isto corresponde a vericarem-se as igualdades: C + D = 0 B + 3D = 1 A B 3C + 3D = 0 2A 2B 2C + D = 2 Resolvendo este sistema linear de 4 equações nas incógnitas A, B, C, D (pelo método de Gauss-Jordan, por exemplo), obtém-se: A = 1 B = 1/3 C = 2/9 D = 2/9 16 / 17

17 Fracções Racionais Podemos agora escrever x 2 +2 (x+1) 3 (x 2) = A (x+1) 3 + B (x+1) + C + D = 2 x+1 x 2 = 1 (x+1) 3 + 1/3 (x+1) 2 2/9 x+1 + 2/9 x 2 O integral ca agora reduzido a casos imediatos. x 2 +2 (x+1) 3 (x 2) dx = ( 1 = 1 (x+1) dx (x+1) dx 2 1 dx x+1 9 = (x + 1) 3 dx (x + 1) 2 dx 2 9 (x+1) + 1/3 3 (x+1) 2/9 + 2/9 2 x+1 x 2 ) dx = 1 dx = x 2 1 x+1 dx = (x+1) (x+1) 1 2ln( x + 1 ) + 2 ln( x 2 ) + C = (x+1) 2 1(x ) 1 2ln( x + 1 ) + 2 ln( x 2 ) + C dx = x 2 17 / 17

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

. Determine os valores de P(1) e P(22).

. Determine os valores de P(1) e P(22). Resolução das atividades complementares Matemática M Polinômios p. 68 Considere o polinômio P(x) x x. Determine os valores de P() e P(). x x P() 0; P() P(x) (x x)? x (x ) x x x P()? 0 P() ()? () () 8 Seja

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3 POLINÔMIOS 1. (Ueg 01) A divisão do polinômio a) x b) x + c) x 6 d) x + 6 x x 5x 6 por x 1 x é igual a:. (Espcex (Aman) 01) Os polinômios A(x) e B(x) são tais que A x B x x x x 1. Sabendo-se que 1 é raiz

Leia mais

Revisão para a Bimestral 8º ano

Revisão para a Bimestral 8º ano Revisão para a Bimestral 8º ano 1- Quadrado da soma de dois termos Observe: (a + b)² = ( a + b). (a + b) = a² + ab+ ab + b² = a² + 2ab + b² Conclusão: (primeiro termo)² + 2.(primeiro termo). (segundo termo)

Leia mais

R domínio de fatoração única implica R[x] também

R domínio de fatoração única implica R[x] também R domínio de fatoração única implica R[x] também Pedro Manfrim Magalhães de Paula 4 de Dezembro de 2013 Denição 1. Um domínio integral R com unidade é um domínio de fatoração única se 1. Todo elemento

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 4 Estudo do Sinal de uma Função 4.1 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html 4.2 Teorema do Valor Médio Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Teorema de Rolle: Seja f uma função que satisfaça as seguintes hipóteses: a) f é contínua no intervalo

Leia mais

(a) u D sse u d para todo o d D. (b) Qualquer associado de uma unidade é uma unidade. (c) Qualquer associado de um elemento irredutível é irredutível.

(a) u D sse u d para todo o d D. (b) Qualquer associado de uma unidade é uma unidade. (c) Qualquer associado de um elemento irredutível é irredutível. Exercícios 29 Exercícios 1.1. Mostre que num domínio de integridade D: (a) a b sse b a. (b) a = b sse a b. (c) a = D sse a D. (d) D[x] = D. 1.2. Mostre que num domínio de integridade D: (a) u D sse u d

Leia mais

Ex 4.3 O anel é construído pelos polinômios S 1 1 S 2. x S 3. x 1 S 4. x 2 S 5. x 2 1 S 6. x 2 x S 7. x 2 x 1 S 8. x 3 S 9

Ex 4.3 O anel é construído pelos polinômios S 1 1 S 2. x S 3. x 1 S 4. x 2 S 5. x 2 1 S 6. x 2 x S 7. x 2 x 1 S 8. x 3 S 9 Ex. 4.1 As palavras código são c 0 = [0 0 0 0 0 0 0], c 1 = [0 0 0 1 1 0 1], c 2 = [0 0 1 1 0 1 0], c 3 = [0 0 1 0 1 1 1], c 4 = [0 1 1 0 1 0 0], c 5 = [0 1 1 1 0 0 1], c 6 = [0 1 0 1 1 1 0], c 7 = [0

Leia mais

Terceira Lista. 1 Ainda sobre domínios com fatoração única

Terceira Lista. 1 Ainda sobre domínios com fatoração única Terceira Lista Corpo de frações e elementos inteiros 1 Ainda sobre domínios com fatoração única Vamos inicialmente deixar mais claro o que se entendo por fatoração única na denição da página 8 da lista

Leia mais

Anéis e Corpos. Polinômios, Homomorsmos e Ideais

Anéis e Corpos. Polinômios, Homomorsmos e Ideais Anéis e Corpos Polinômios, Homomorsmos e Ideais Observe que há uma relação natural entre o anel Z dos inteiros e o corpo Q dos racionais que pode ser traduzida na armação Q é o menor corpo onde todo elemento

Leia mais

Apontamentos de ÁLGEBRA II. Jorge Picado

Apontamentos de ÁLGEBRA II. Jorge Picado Apontamentos de ÁLGEBRA II Jorge Picado Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2006 Índice Introdução 1 1 Anéis e corpos 3 Exercícios 17 2 Anéis de polinómios 23 Apêndice 1 Apontamentos para

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

Aplicações de Derivadas

Aplicações de Derivadas Aplicações de Derivadas f seja contínua no [a,b] e que f '(x) exista no intervalo aberto a x b. Então, existe pelo menos um valor c entre a eb, tal que f '(c) f (b) f (a) b a. pelo menos um ponto c (a,

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 1 Estudo do Sinal de uma Função 11 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

Um estudo sobre equações polinomiais dedicado ao Ensino Básico

Um estudo sobre equações polinomiais dedicado ao Ensino Básico Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Instituto de Geociências e Ciências Exatas Campus de Rio Claro Um estudo sobre equações polinomiais dedicado ao Ensino Básico Patrícia Casaroto Dissertação

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

noções básicas de grupos, anéis, domínios de integridade e corpos. ideais principais, ideais primos e ideais maximais. Domínios de ideais principais

noções básicas de grupos, anéis, domínios de integridade e corpos. ideais principais, ideais primos e ideais maximais. Domínios de ideais principais Capítulo 1 Anéis (revisitados) Pré-requisitos noções básicas de grupos, anéis, domínios de integridade e corpos. os anéis (Z, +, ) e (Zn, + n, n ); anéis de polinómios. divisibilidade, mdc e mmc. ideais

Leia mais

2.2 Subespaços Vetoriais

2.2 Subespaços Vetoriais 32 CAPÍTULO 2. ESPAÇOS VETORIAIS 2.2 Subespaços Vetoriais Sejam V um espaço vetorial sobre R e W um subconjunto de V. Dizemos que W é um subespaço (vetorial) de V se as seguintes condições são satisfeitas:

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO ª CHAMADA 3ª ETAPA MATEMÁTICA COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 5 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA Rua Frei Vidal, 161 São João do Tauape/Fone/Fax: 37-195 www.jovinianobarreto.com.br º ANO Nº

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO - DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark LERCI LEGI LEE o semestre 23/4 - semana de 23-2-8. Diga justificando quais dos seguintes ternos

Leia mais

Corpos. Jorge Picado

Corpos. Jorge Picado Corpos e Equações Algébricas Jorge Picado Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2011 Versão de 21 de Agosto de 2011 Índice Introdução 1 1 Anéis e corpos 3 Exercícios 18 2 Anéis de polinómios

Leia mais

ITA - 2003 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2003 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2003 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja z. Das seguintes afirmações independentes: argumento de ω. é (são) verdadeira(s) A) todas. C) apenas II e III.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática A 10º ano Ano Letivo 2015/2016 TEMA

Leia mais

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I MAURICIO A. VILCHES Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

Seqüências, Limite e Continuidade

Seqüências, Limite e Continuidade Módulo Seqüências, Limite e Continuidade A partir deste momento, passaremos a estudar seqüência, ites e continuidade de uma função real. Leia com atenção, caso tenha dúvidas busque indicadas e também junto

Leia mais

caderno Matemática Matemática e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS

caderno Matemática Matemática e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS Matemática Matemática e suas Tecnologias caderno de ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS BETO PAIVA Professor e coordenador pedagógico em escolas de ensino médio e cursos pré-vestibulares há mais de 35 anos. LEO PAULO

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU 1 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU Equação do 1º grau Chamamos de equação do 1º grau em uma incógnita x, a qualquer expressão matemática que pode ser escrita sob a forma: em que a e b são números reais,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências. Roteiro para a classificação dos padrões do plano

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências. Roteiro para a classificação dos padrões do plano UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Roteiro para a classificação dos padrões do plano Paula Cristina Calçada Martins Marques Relatório de Estágio Dissertação apresentada para a obtenção do grau de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

Sobre Domínios Euclidianos

Sobre Domínios Euclidianos Sobre Domínios Euclidianos Clarissa Bergo Bianca Fujita Lino Ramada João Schwarz Felipe Yukihide Setembro de 2011 Resumo Neste texto, apresentaremos formalmente o que vem a ser domínio euclidiano, alguns

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I.

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I. Diagonalização ortogonal de matrizes simétricas Detalhes sobre a Secção.3 dos Apontamentos das Aulas teóricas de Álgebra Linear Cursos: LMAC, MEBiom e MEFT (semestre, 0/0, Prof. Paulo Pinto) Recordamos

Leia mais

José Álvaro Tadeu Ferreira

José Álvaro Tadeu Ferreira UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação José Álvaro Tadeu Ferreira Cálculo Numérico Notas de aulas Resolução de Equações Não Lineares Ouro

Leia mais

Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas.

Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas. PROVA APLICADA ÀS TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO DO COLÉGIO ANCHIETA EM MARÇO DE 009. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÕES DE 0 A 08.

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

Cálculo Algébrico Simbólico nas nossas escolas: alguns axiomas e exemplos

Cálculo Algébrico Simbólico nas nossas escolas: alguns axiomas e exemplos Cálculo Algébrico Simbólico nas nossas escolas: alguns axiomas e exemplos John F. Mahoney A crescente divulgação dos sistemas de computação algébrica, que actualmente já se encontram disponíveis em alguns

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Número de Classe e o Teorema de Dirichlet 1

Número de Classe e o Teorema de Dirichlet 1 Número de Classe e o Teorema de Dirichlet 1 João Guerreiro LMAC Instituto Superior Técnico 010 1 Este trabalho foi desenvolvido sob orientação do Professor João Pedro Boavida no âmbito das disciplinas

Leia mais

Curvas Elípticas sobre Corpos Finitos e Criptografia de Chave Pública

Curvas Elípticas sobre Corpos Finitos e Criptografia de Chave Pública Curvas Elípticas sobre Corpos Finitos e Criptografia de Chave Pública I Coloquio Regional da Região Centro-Oeste, 3 a 6 de novembro de 2009 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul MINICURSO Curvas

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO DE MATEMÁTICA 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de relacionar números racionais e dízimas, completar a reta numérica e ordenar números

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

Aula 17 Continuidade Uniforme

Aula 17 Continuidade Uniforme Continuidade Uniforme Aula 17 Continuidade Uniforme MÓDULO 2 - AULA 17 Metas da aula: Discutir o conceito de função uniformemente contínua, estabelecer o Teorema da Continuidade Uniforme e o Teorema da

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral III - EAD. Professor Paulo Cupertino de Lima

Cálculo Diferencial e Integral III - EAD. Professor Paulo Cupertino de Lima Cálculo Diferencial e Integral III - EAD Professor Paulo Cupertino de Lima Sumário Sumário i 0.1 Apresentação do livro............................. v 1 Revisão: retas, planos, superfícies cilíndricas

Leia mais

Conjuntos Numéricos. N = {0, 1, 2, 3, } Z = {, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, }= {0, ±1, ±2, ±3. } Q = : p e q Z, q 6= 0

Conjuntos Numéricos. N = {0, 1, 2, 3, } Z = {, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, }= {0, ±1, ±2, ±3. } Q = : p e q Z, q 6= 0 Conjuntos Numéricos Os conjuntos numéricos compõe uma parte fundamental da Matemática, notadamente no contexto de aplicação a outros campos de estudo. Atualmente tais conjuntos englobam os números naturais,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II

Cálculo Diferencial e Integral II Cálculo Diferencial e Integral II (Cálculo II A, MAT 04) Adriano Pedreira Cattai http://www.alunospgmat.ufba.br/adrianocattai/ clicar em ensino Universidade Federal da Bahia UFBA Semestre 006. Sumário

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

FUNÇÕES SEM PRIMITIVA ELEMENTAR

FUNÇÕES SEM PRIMITIVA ELEMENTAR FUNÇÕES SEM PRIMITIVA ELEMENTAR RICARDO MAMEDE 1. Teoremas de Liouville O Teorema Fundamental da Cálculo assegura que para uma qualquer função contínua f no intervalo [a, b], a função F (x) = x a f(t)dt,

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD)

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínios de conteúdos: Números e Operações (NO) Geometria e Medida (GM) Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Álgebra (ALG) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínio NO7 9 GM7 33 Números racionais

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR UFMG_ ANO 2007 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR UFMG_ ANO 2007 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. UFMG 2007 RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR UFMG_ ANO 2007 PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. QUESTÃO 0 Francisco resolveu comprar um pacote de viagem que custava R$ 4 200,00, já incluídos R$ 20,00

Leia mais

Capítulo 2 Generalidades sobre Funções Reais de Variável Real. Carlos J. Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Capítulo 2 Generalidades sobre Funções Reais de Variável Real. Carlos J. Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Capítulo Generalidades sobre Funções Reais de Variável Real Carlos J. Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Ano Lectivo 7/8 Índice Generalidades sobre Funções. Definiçãodefunção....

Leia mais

Exercícios de Matemática Equações de Segundo Grau

Exercícios de Matemática Equações de Segundo Grau Exercícios de Matemática Equações de Segundo Grau 2. (Ita 2001) O conjunto de todos os valores de m para os quais a função TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufba 96) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos

Leia mais

CURSO DE. Álgebra Linear Aplicada

CURSO DE. Álgebra Linear Aplicada CURSO DE Álgebra Linear Aplicada Antonio Cândido Faleiros Centro de Matemática, Computação e Cognição Universidade Federal do ABC Santo André, SP 6 de abril de 2009 Sumário 1 Equações lineares 1 1.1 Equaçãoalgébricalinear...

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 . ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 ROBERTO DE MARIA NUNES MENDES Professor do Departamento de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica da PUCMINAS Belo Horizonte

Leia mais

MATEMÁTICA. 01. O gráfico a seguir ilustra o lucro semestral de uma empresa, em milhares de reais, de 2003 a 2005.

MATEMÁTICA. 01. O gráfico a seguir ilustra o lucro semestral de uma empresa, em milhares de reais, de 2003 a 2005. MTEMÁTI 01. O gráfico a seguir ilustra o lucro semestral de uma empresa, em milhares de reais, de 2003 a 2005. 80 60 40 20 0 1 /03 2 /03 1º/04 2º/04 1º/05 2º/05 Lucro 50 60 45 70 55 65 0-0) O lucro médio

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Filipe Oliveira. FCT, Universidade Nova de Lisboa

Filipe Oliveira. FCT, Universidade Nova de Lisboa Introdução à Teoria de Números Filipe Oliveira FCT, Universidade Nova de Lisboa Conteúdo 1 Introdução: Divisibilidade no anel (Z, +, ) 3 1.1 Noção de divisibilidade................................. 3 1.2

Leia mais

Faça uma leitura atenciosa do conteúdo e das situações problemas propostas para compreensão e interpretação.

Faça uma leitura atenciosa do conteúdo e das situações problemas propostas para compreensão e interpretação. Apostila de Cálculo Zero Este material visa auxiliar os estudos em Matemática promovendo a revisão de seu conteúdo básico, de forma a facilitar o aprendizado nas disciplinas de cálculo e também melhorar

Leia mais

Sistemas Polinomiais, Mapas e Origamis

Sistemas Polinomiais, Mapas e Origamis Sistemas Polinomiais, Mapas e Origamis Marcelo Escudeiro Hernandes 1 Departamento de Matemática Universidade Estadual de Maringá 1 mehernandes@uem.br Introdução O que sistemas de equações polinomiais,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 010 1 a Fase Profa Maria Antônia Gouveia QUESTÃO 01 Sobre números reais, é correto afirmar: (01) Se m é um número inteiro divisível por e n é um número inteiro divisível

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara Sistemas de Equações Lineares Método de Eliminação de Gauss Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais PARTE 3 FUNÇÕES REAIS DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS 3. Funções Reais de Várias Variáveis Reais Vamos agora tratar do segundo caso particular de funções vetoriais de várias variáveis reais, F : Dom(F) R n R

Leia mais

Lições de Análise Matemática 2. Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Lições de Análise Matemática 2. Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Julho de 008 Conteúdo Prefácio vii 1 Breves Noções de Topologia em R n 1 Funções Diferenciáveis

Leia mais

PROGRAMA DE MATEMÁTICA

PROGRAMA DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE MATEMÁTICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica Título Programa de Matemática - 7ª, 8ª e 9ª classes Editora Editora Moderna, S.A. Pré-impressão, Impressão e Acabamento

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

GLOSSÁRIO: UM DICIONÁRIO PARA ÁLGEBRA LINEAR

GLOSSÁRIO: UM DICIONÁRIO PARA ÁLGEBRA LINEAR GLOSSÁRIO: UM DICIONÁRIO PARA ÁLGEBRA LINEAR Matriz de adjacência de um grafo. Matriz quadrada com a ij = 1 quando existe uma arestado nodo i para o nodo j; caso contrário a ij = 0. A = A T para um grafo

Leia mais

Transformações Lineares. Carlos Luz, Ana Matos, Sandra Nunes Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Transformações Lineares. Carlos Luz, Ana Matos, Sandra Nunes Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Transformações Lineares Carlos Luz, Ana Matos, Sandra Nunes Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Ano Lectivo 2004/2005 Índice Definição Representação Matricial 2 AComposiçãodeTransformaçõesLineareseoProdutoMatricial

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1)

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1) Gabarito da Prova do Nível II Primeira Questão: ANULADA- Com três algarismos distintos, formamos três números: O primeiro número é obtido ordenando-se os algarismos em ordem decrescente, da esquerda para

Leia mais

Ensino Médio - 3ª série Estudos de Recuperação para o EXAME - 2011 MATEMÁTICA Luiz Antonio Escossi Números Complexos 01 - (MACK SP) Gab 02 - (FGV )

Ensino Médio - 3ª série Estudos de Recuperação para o EXAME - 2011 MATEMÁTICA Luiz Antonio Escossi Números Complexos 01 - (MACK SP) Gab 02 - (FGV ) Ensino Médio - ª série Estudos de Recuperação para o EXAME - 011 Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Luiz Antonio Escossi Números Complexos 01 - (MACK SP) Se y = x, sendo 1 i x 1 i e i 1, o valor de (x +

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 14.12.14

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 14.12.14 FGV Administração - 1.1.1 VESTIBULAR FGV 015 1/1/01 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE MÓDULO DISCURSIVO QUESTÃO 1 Um mapa de um pequeno parque é uma região em forma de quadrilátero,

Leia mais

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 - Abrindo o Winplot Para abrir o Winplot.exe clique duas vezes no ícone. Abrirá a caixa: Clique (uma vez) no botão. Surgirá uma coluna: Clique no

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS Curso Vocacional Equi+ Projeto Técnico-Pedagógico 2014-2016

PLANO DE ESTUDOS Curso Vocacional Equi+ Projeto Técnico-Pedagógico 2014-2016 PLANO DE ESTUDOS Curso Vocacional Equi+ Projeto Técnico-Pedagógico 2014-2016 Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Vagos (EPADRV) 1. PLANO DE ESTUDOS Os cursos vocacionais do ensino

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILÍDIO MENDES MOREIRA CRIPTOGRAFIA DE CHAVE PÚBLICA COM BASE EM CÓDIGOS

Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILÍDIO MENDES MOREIRA CRIPTOGRAFIA DE CHAVE PÚBLICA COM BASE EM CÓDIGOS Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILÍDIO MENDES MOREIRA CRIPTOGRAFIA DE CHAVE PÚBLICA COM BASE EM CÓDIGOS Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILÍDIO MENDES MOREIRA CRIPTOGRAFIA

Leia mais

Francisco Ramos. 100 Problemas Resolvidos de Matemática

Francisco Ramos. 100 Problemas Resolvidos de Matemática Francisco Ramos 100 Problemas Resolvidos de Matemática SUMÁRIO Questões de vestibulares... 1 Matrizes e Determinantes... 25 Geometria Plana e Espacial... 39 Aritmética... 61 QUESTÕES DE VESTIBULARES

Leia mais

REVISÃO 1ª FASE UFU Vestibular 2012/2 Exercícios para a Semana de 08 a 22 de julho 2012 MATEMÁTICA prof. HAWLEY RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES

REVISÃO 1ª FASE UFU Vestibular 2012/2 Exercícios para a Semana de 08 a 22 de julho 2012 MATEMÁTICA prof. HAWLEY RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES REVISÃO ª FASE UFU Vestibular 0/ Exercícios para a Semana de 08 a de julho 0 MATEMÁTICA prof HAWLEY RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES QUESTÃO Sendo p o valor da parcela caso a geladeira seja paga em n parcelas, do

Leia mais

Séries de Potências de x

Séries de Potências de x Séries de Potências de x As séries de potências de x são uma generalização da noção de polinómio. Definição: Chama-se série de potências de x com coeficientes a 0, a 1,, a n,, a qualquer série da forma

Leia mais

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul Florianópolis, SC 2014 A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio

Leia mais