Teoremas e Propriedades Operatórias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teoremas e Propriedades Operatórias"

Transcrição

1 Capítulo 10 Teoremas e Propriedades Operatórias Como vimos no capítulo anterior, mesmo que nossa habilidade no cálculo de ites seja bastante boa, utilizar diretamente a definição para calcular derivadas de funções é uma tarefa um tanto quanto trabalhosa, que pode se transformar num processo penoso e cansativo. Para evitar este tipo de transtorno, precisamos estabelecer regras gerais que permitam, a partir de umas poucas derivadas conhecidas, derivar qualquer função que possa ser obtida, a partir daquelas outras, por meio de operações elementares, isto é, adição, multiplicação por constante, multiplicação e divisão. Este é o objetivo das regras que iremos ver a seguir, que, uma vez demonstradas, transformam o processo de derivar funções em simples manipulações algébricas, o que torna esta tarefa menos penosa e até mesmo fácil e agradável Regras de derivação Derivada de uma função constante Teorema 1 Se f(x c, para todo x do seu domínio, então f é derivável e f (x 0 para todo x do domínio de f. Esta primeira regra de derivação diz que a derivada de uma função constante é identicamente igual a zero. Este resultado se torna óbvio se lembrarmos que a derivada de uma função pode ser interpretada como a declividade da reta tangente ao seu gráfico em cada ponto. O gráfico de uma função constante é uma reta horizontal, que é sua própria tangente, cujo coeficiente angular é igual a zero em qualquer um de seus pontos. Veja a figura, onde tomamos a função f(x c : Observe que o quociente f(x f(x 0 x x 0 > f:x->c; > quoc:(f(x-f(x[0]/(x-x[0]; x 4 c c x x 0 0, para x x 0. Veja que o Maple calcula este quociente corretamente: f : x c quoc : 0 Como a razão incremental acima é zero, concluímos que: f (x x x 0 f(x f(x 0 x x Derivada de uma constante vezes uma função Seja f uma função derivável e c uma constante qualquer. Defina g como o produto de c por f, isto é, g(x (cf (x cf (x.

2 144 Cap. 10. Teoremas e Propriedades Operatórias Podemos, agora, enunciar a segunda regra de derivação, dada pelo teorema a seguir. Teorema Seja g c f. Se f é uma função derivável então, g é derivável e g (x cf (x. Demonstração g(x + g(x Assim, como por hipótese f é derivável, segue que c f(x + c f(x 0 disso, usando a definição de derivada e os cálculos acima, g (x 0 0 Simbolicamente, escrevemos simplesmente g(x + g(x c f(x + c f(x ( (f(x + f(x c g(x + g(x 0 c ( 0 (cf c f. (c f(x + (c f(x. existe e, portanto, g é derivável. Além f(x + f(x c f (x Exemplo A função g(x 5x pode ser vista como o produto da constante 5 pela função f (x x. g (x (5 x 5 (x Derivada da soma Teorema 3: A regra da soma Seja h a função definida como a soma de duas funções deriváveis f e g, isto é, Então h é derivável e, Demonstração Como h(x f(x + g(x, então: h(x + h(x h(x (f + g(x f(x + g(x. h (x (f + g (x f (x + g (x. (f + g (x + f + g(x f(x + f(x ( + g(x + g(x Assim, a derivada Assim, como f e g, por hipótese, são deriváveis, existe o ite de cada uma das parcelas do lado direito da expressão acima. Logo, pela linearidade do ite (o ite da soma é igual a soma dos ites, a função h é derivável e segue, imediatamente, que: h (x (f + g (x 0 ( 0 (f + g(x + (f + g(x f(x + f(x + ( 0 ( f(x + f(x 0 g(x + g(x f (x + g (x + g(x + g(x Quando não há dúvida sobre a variável que estamos considerando nas derivadas, simplesmente escrevemos (f + g f + g ou seja, a derivada da soma de duas funções é a soma das derivadas. Usando a notação de Leibniz, podemos escrever esta regra como d (f + g dx df dx + dg dx Observação Podemos aplicar a regra da soma, repetidamente, para achar a derivada da soma de três ou mais funções deriváveis. Por exemplo, (f + g + h (f + g + h f + g + h. As duas regras anteriores têm como conseqüência imediata os corolários a seguir:

3 W.Bianchini, A.R.Santos 145 Corolário 1: Derivada de uma combinação linear Se f e g são duas funções deriváveis e a e b são dois números reais fixos, então a função h af + bgé derivável e h (a f + b g a f + b g Observação Se a e b são dois números reais quaisquer, a expressão a f + b g é denominada uma combinação linear de f e g. Corolário : Derivada de um polinômio Para n inteiro positivo, já vimos que (x n n x n 1. Aplicando este resultado e as regras obtidas acima ao polinômio obtemos imediatamente que p(x a 0 + a 1 x + a x a n x n, p (x a 1 + a x n a n x (n 1 Com este resultado fica muito fácil determinar a equação de uma reta tangente ao gráfico de um polinômio. Exercício 1 Determine a equação da reta tangente ao gráfico de y 5 x 3 3 x + 10 no ponto (1, Derivada do produto Seria natural pensarmos, tendo em vista a regra da soma para derivadas, que a derivada do produto de duas funções deriváveis seria o produto das suas derivadas. Será esta afirmação verdadeira? Considere, por exemplo, a função f(x x x x. Se, por um lado, (x x, por outro x 1. O que nos leva, no caso da afirmação acima ser verdadeira, a concluir que x 1! O exemplo acima nos mostra que, de um modo geral, a derivada de um produto não é o produto das derivadas. Para descobrir qual é a regra que nos fornece a derivada que estamos procurando calcular, é preciso observar, com um pouco mais de atenção, a razão incremental da definição de derivada para o produto de duas funções (f g(x + (f g(x f(x + g(x + f(x g(x e, a partir desta observação, tentar, de alguma maneira, relacionar esta expressão com as derivadas de f e g. A interpretação geométrica do numerador como áreas de retângulos nos dá uma pista de como isto pode ser feito: g(x+ x III II g(x I f(x f(x+ x A área do retângulo maior, formado pelos quatro menores, representa o produto f(x + g(x + e a área do retângulo escuro, o produto de f(x g(x. A diferença entre esses dois fatores é a soma das áreas dos retângulos I, II e III, isto é, (f(x + f(x g(x + (f(x + f(x (g(x + g(x + f(x (g(x + g(x. Assim, podemos escrever a razão incremental da derivada f g como: f(x + g(x + f(x g(x + ( ( f(x + f(x g(x + g(x g(x + f(x + (f(x + f(x (g(x + g(x

4 146 Cap. 10. Teoremas e Propriedades Operatórias Como f e g são deriváveis, existe o ite das duas primeiras parcelas do lado direito da expressão acima. Além disso, como g é derivável, então é contínua (veja Diferenciabilidade e continuidade e, portanto, g(x + 0 g(x. Logo, supondo f e g deriváveis, podemos concluir que o ite da terceira parcela da expressão anterior também existe, pois ( (f(x + f(x (g(x + g(x f(x + f(x 0 0 (g(x+ g(x f (x Daí, concluímos que 0 h(x + h(x 0 existe e, portanto, h é derivável. Calculando este ite temos que: h (x (f g (x ( 0 0 f(x + g(x + f(x g(x (f g(x + (f g(x ( g(x + f(x (f(x + f(x] g(x + g(x (f(x + f(x (g(x + g(x Como vimos, o ite da terceira parcela desta última expressão é zero e, daí temos a fórmula h (x (f g (x f (x g(x + f(x g (x. Se não houver possibilidade de dúvidas sobre qual é a variável independente, podemos escrever simplesmente Demonstramos, portanto, o seguinte teorema: (f g f g + f g. Teorema 4: Regra do produto Se f e g são duas funções deriváveis, então h f g é derivável e (f g (x f (x g(x + f(x g (x. Usando a notação de Leibniz, este resultado pode ser escrito da seguinte maneira ( ( d (fg df dg g + f dx dx dx Observação Podemos aplicar a regra do produto, repetidamente, para achar a derivada do produto de três ou mais funções deriváveis. Por exemplo, (f g h (f g h + (f g h (f g + f g h + f g h f g h + f g h + f g h. Exemplo Calcule a derivada de f(x (0 x 5 3 x 4 + x x (x 7 8 x 5. Solução Podemos, primeiro, efetuar a multiplicação e depois derivar ou usar a regra do produto. Usando a regra do produto, temos: f (x ((0 x 5 3 x 4 + x x (x 7 8 x 5 (0 x 5 3 x 4 + x x (x 7 8 x 5 + (0 x 5 3 x 4 + x x (x 7 8 x 5 (100 x 4 1 x x + 8 x (x 7 8 x 5 + (0 x 5 3 x 4 + x x (7 x 6 40 x 4 A regra do produto pode ser aplicada para determinarmos a derivada da potência de uma função. Este resultado é estabelecido no corolário a seguir.

5 W.Bianchini, A.R.Santos 147 Corolário 3: Regra da potência generalizada (para n inteiro positivo Seja n um inteiro positivo, se f é uma função diferenciável, então (f n (x n f n 1 (x f (x, onde, como usualmente, por f n estamos denotando o produto de n fatores iguais a f. Para demonstrar este corolário basta aplicar a regra da derivada, deduzida nesta seção, ao produto de n fatores iguais a f. Exemplo Seja g(x (x 3 17 x Vamos aplicar as regras de derivação já estabelecidas para calcular g (x. Como g(x (f(x n, onde f(x x 3 17 x + 35, pelo Corolário 3, temos que g (x (x 3 17 x + 35 f (x. Pelas regras da soma, da potência e da multiplicação por constante, sabemos que f (x 3 x 17. Assim, g (x (x 3 17 x + 35 (3 x 17. Exercício 1. Mostre que é obtido o mesmo resultado se efetuarmos primeiro a operação (x 3 17 x + 35 e depois derivarmos a expressão resultante.. Derive a função g(x (x 4 x x Derivada do quociente Da mesma forma que na regra do produto, a derivada do quociente de duas funções não é o quociente das derivadas. (Você consegue dar um exemplo que mostre a veracidade desta afirmação?. A regra do quociente é estabelecida no teorema abaixo: Teorema: Regra do quociente Se f e g são duas funções deriváveis e g(x 0, então h(x ( f f(x (x g g(x é derivável e h (x f (x g(x f(x g (x (g(x Demonstração O numerador da razão incremental apresenta a mesma dificuldade que apareceu no estudo da regra do produto. A solução é fazer o que fizemos naquele caso, ou seja, somar e subtrair determinados termos. Assim, f(x+ g(x+ f(x g(x f(x + g(x f(x g(x + (g(x + g(x f(x + g(x f(x g(x + f(x g(x f(x g(x + (g(x + g(x ( ( ( ( f(x + f(x g(x f(x g(x + g(x g(x + g(x g(x + g(x Por hipótese f e g são deriváveis e, observando que g é contínua (por quê?, temos também que g(x. Logo o ite 0 f(x+ g(x+ f(x g(x h (x 0 0 existe e, conseqüentemente, h é derivável e f(x+ g(x+ f(x g(x 0 f(x + g(x f(x g(x + (g(x + g(x f(x + g(x f(x g(x + f(x g(x f(x g(x + (g(x + g(x g(x+ 0

6 148 Cap. 10. Teoremas e Propriedades Operatórias ( 0 f(x + f(x f (x g(x f(x g (x (g(x ( 0 g(x f(x ( 0 g(x + g(x Usando a notação de Leibniz, podemos escrever esta regra como: ( ( ( d f d f d x g f d g d,x d x g g. g(x + g(x Exemplo Calcule a derivada de f(x x 3+x 3. Solução f (x ( x (3 + x 3 ( x (3 + x 3 (3 + x 3 (3 + x ( x 3 x 3 (3 + x 3. Em particular, a regra do quociente nos permite obter os dois resultados expressos nos corolários abaixo. Corolário 4: Derivada da recíproca de uma função Se f é uma função diferenciável em x e f(x 0, então, a função g 1 f é diferenciável e g ( 1 f f f. Exercício Calcule a derivada das seguintes funções: (a f(x 1 x (b f(x 1 x Corolário 5: Regra da potência para n inteiro qualquer Se n é um número inteiro, então (x n n x (n 1. Já vimos como, conseqüência direta da definição de derivada, que se n é um inteiro positivo então (x n n x (n 1. - Utilizando o corolário anterior, prove que esta regra vale para n inteiro negativo. - Se n 0, como é possível interpretar este corolário? 10. Exercícios adicionais 1. Calcule as derivadas das seguintes funções: (a f(x ( x + 1 ( 1 x + 4 x + 8 (b f(x (x 3 + x 5 (x 4 99 (c g(x 1 7 x+7 (d g(x x+x 4 (x+1 x 3 (e f(x [ x3 +1 x 3 +3 ] (x x (f g(x 1+6 x+x 1 7 x (g y x 3 (x + 1 (x + 1 (h y (x x (x5 + 1 (i f(s 3 (s 3 s (j h(y y y 1 y. Ache uma função de x cuja derivada seja a função dada a seguir: (a f(x 3 x (d f(x 1 (b f(x 4 x x x (e f(x a n x n + a n 1 x (n a 0 (c f(x 3 x + x 5

7 W.Bianchini, A.R.Santos 149 (f Nos ítens anteriores, ache outra função de x cuja derivada seja a função dada. 3. Calcule as quatro primeiras derivadas de: (a y 8 x 3 (b f(x 8 x 11 x + (c g(x 8 x x x + 9 (d h(x x 4 13 x x + 3 x (e y(x x ( 5 4. Calcule a derivada indicada em cada caso: (a y se y x 1 x (c (b y se y x 1 x x 1 x 1+x (d d (x x 3 dx (e d500 f(x dx 500, onde f(x x x Determine uma fórmula geral para y (n, em cada caso: (a y 1 1 x (b y x (c y x 1+x 6. Ache todas as derivadas não nulas de f(x x 6 x x 3 x Problemas 1. Se f(x x 1 x+1, para x 1, calcule f (1 e f (1.. Sejam f e g duas funções diferenciáveis cujos valores e os de suas derivadas nos pontos x 1 e x são dados na tabela abaixo. x f(x g(x f (x g (x π 6 7 Determine o valor da derivada de: (a f + g em x (b f g em x 1 e em x (c f g em x 1 (d g f em x (e 4 f em x 1 (f g em x 3. Sejam f e g as funções cujos gráficos são mostrados abaixo e seja u(x f(x g(x e v(x f(x g(x. (a Calcule u (1 (b Calcule v (6 4 3 f 1 g 0 x (a Se f + g é derivável em x 0, f e g são necessariamente deriváveis em x 0? (b Se f g e f são deriváveis em x 0, que condições f deve satisfazer para que se possa garantir que g seja diferenciável em x 0? 5. Sejam g e h funções diferenciáveis, definidas em toda a reta e que satisfazem as seguintes propriedades: (i g(x + h(x 1 (ii g (x h(x (iii h(x > 0, em todo o seu domínio. Prove que h (x g(x h(x.

8 150 Cap. 10. Teoremas e Propriedades Operatórias 6. Mostre que as tangentes às curvas y x +45 x e y x 4 x (a Esboce o gráfico da função g(x x 4 x 9. (b Calcule g (x e explicite o seu domínio. em x 3 são perpendiculares entre si. 8. A seguir traçamos, em conjunto, o gráfico da função y xn 1+x e da sua derivada, para n 0, 1, e 3. n x x n1 1 n x n x 4 4 (a Identifique, em cada caso, qual o gráfico da função e qual o gráfico da sua derivada. (b Mostre que, para n 0 e n, existe um único ponto no gráfico da curva y f(x onde a reta tangente é horizontal. (c Mostre que, para n 1, há dois pontos no gráfico da curva y f(x em que a reta tangente é horizontal. (d Mostre que, para 3 n, (0, 0 é o único ponto no gráfico da curva y xn 1+x em que a reta tangente é horizontal. (e Parece haver dois pontos no gráfico da curva y x3 1+x, em que a reta tangente tem coeficiente angular igual a 1. Determine estes pontos. (f Seja y x3 1+x. Parece haver três pontos no gráfico da curva y f (x em que a reta tangente é horizontal. Determine estes pontos. 9. (a Se f(x 1 x, obtenha uma fórmula para f (n (x, onde n é um inteiro positivo. Quanto vale f (n (1? (b Se f(x x, obtenha uma fórmula para f (n (x, onde n é um inteiro positivo. (c Se f(x é um polinômio de grau n, mostre que, se n < k, f (k (x (a Se f(x 1 x +x, tente achar uma fórmula para f (n (x. (Você deve se convencer de que, desta maneira, os cálculos são por demais trabalhosos tornando esta tarefa quase impossível! 1 (b Use a identidade x (x+1 1 x 1 x+1 para calcular as derivadas mais facilmente e, então, achar uma expressão para f (n (x. Observação: Este método de dividir uma fração em frações mais simples é denominado decomposição em frações parciais e será visto em detalhes no Capítulo Técnicas de Integração. 11. (a Obtenha um polinômio f(x de grau, tal que f(0 5, f (0 3, f (0 4. (b Obtenha um polinômio f(x de grau, tal que f(1 5, f (1 3, f ( Sabendo que (1 + x n é um polinômio de grau n, isto é, (1 + x n a 0 + a 1 x + a x a n x n prove a fórmula do Binômio de Newton. Sugestão: Derive sucessivamente ambos os membros da equação acima e calcule o valor dos coeficientes fazendo x 0, em cada uma das expressões encontradas.

9 W.Bianchini, A.R.Santos Seja P (x (x r (x s. (a Mostre que se r s, então P (r P (s 0, mas P (r 0 e P (s 0. (b Mostre que se r s, então P (r 0 e P (r 0 Observação: Os números r e s, soluções da equação P (x 0, são chamados raízes do polinômio P. Se r s, então r é uma raiz dupla. O problema acima mostra que r é uma raiz dupla se, e somente se, P (r 0 e P (r 0. Assim, em um ponto que é raiz dupla, o gráfico de P é tangente ao eixo dos x (Por quê?. 14. Considere o polinômio P(x (x r 1 (x r... (x r m, onde r 1, r...r m são números reais chamados raízes de P. (a Mostre que se não há raízes iguais, então P(r j 0 mas P (r j 0, para cada j. (b Mostre que se r j r k e k j, então P (r j 0 e (x r j é um fator tanto de P quanto de P Para você meditar: Uma demonstração mais simples da regra do quociente - o que está faltando? Usando a regra do produto, demonstramos a seguir a regra do quociente: Sejam f e g duas funções diferenciáveis e seja h f, definida nos pontos onde g 0. Então f h g e, aplicando g a regra do produto à função f, temos que: f h g + h g Daí, obtemos: h f h g. g Substituindo o valor de h nesta última expressão, vem que h f f g g g f g f g g o que demonstra a regra do quociente. f g f g g Você é capaz de descobrir o erro na demonstração dada acima? Em outras palavras, se todos os algebrismos aplicados na demonstração acima estão corretos, você é capaz de explicar por que o raciocínio acima não demonstra a regra do quociente?

10

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [.

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [. 6 Embora o conceito de diferencial tenha sua importância intrínseca devido ao fato de poder ser estendido a situações mais gerais, introduziremos agora esse conceito com o objetivo maior de dar um caráter

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Resolvendo Integrais pelo Método de

Resolvendo Integrais pelo Método de Capítulo Resolvendo Integrais pelo Método de Substituição. Métodos da substituição em integrais indefinidas O teorema fundamental do cálculo permite que se resolva rapidamente a integral b a f(x) dx, desde

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites Este trabalho tem como foco, uma abordagem sobre a teoria dos limites. Cujo objetivo é o método para avaliação da disciplina

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais 1. Verifique, recorrendo ao algoritmo da divisão, que: 6 4 0x 54x + 3x + é divisível por x 1.. De um modo geral, que relação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 PRODUTO 2 SOMA 4 DIVISÃO. 2.1 Diferença de polinômios. 4.1 Divisão Euclidiana. Matemática Polinômios

1 INTRODUÇÃO 3 PRODUTO 2 SOMA 4 DIVISÃO. 2.1 Diferença de polinômios. 4.1 Divisão Euclidiana. Matemática Polinômios Matemática Polinômios CAPÍTULO 02 OPERAÇÕES COM POLINÔMIOS 1 INTRODUÇÃO Como com qualquer outra função, podemos fazer operações de adição, subtração, multiplicação e divisão com polinômios. A soma e a

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18 A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e - Aula 18 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 10 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106

Leia mais

Técnicas de. Integração

Técnicas de. Integração Técnicas de Capítulo 7 Integração TÉCNICAS DE INTEGRAÇÃO 7.4 Integração de Funções Racionais por Frações Parciais Nessa seção, vamos aprender como integrar funções racionais reduzindo-as a uma soma de

Leia mais

Polinómios. Integração de Fracções Racionais

Polinómios. Integração de Fracções Racionais Polinómios. Integração de Fracções Racionais Escola Superior de Tecnologia e de Gestão, Instituto Politécnico de Bragança. Mário Abrantes 2016 1 / 17 Índice de Matérias 1. Polinómios Denição Factorização

Leia mais

A velocidade instantânea (Texto para acompanhamento da vídeo-aula)

A velocidade instantânea (Texto para acompanhamento da vídeo-aula) A velocidade instantânea (Texto para acompanamento da vídeo-aula) Prof. Méricles Tadeu Moretti Dpto. de Matemática - UFSC O procedimento que será utilizado neste vídeo remete a um tempo em que pesquisadores

Leia mais

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir:

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir: MATRIZES CONCEITO: Um conjunto de elementos algébricos dispostos em uma tabela retangular com linhas e colunas é uma Matriz. A seguir, vemos um exemplo de Matriz de 3 linhas e 4 colunas, e que representaremos

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 REVISÃO

Leia mais

Faculdades Integradas Campos Salles

Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Administração e Ciências Contábeis Profª Alexandra Garrote Angiolin Disciplina: Matemática II Derivada O conceito de derivada foi introduzido em meados do século XVII em estudos de problemas de

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 11 ÁLGEBRA LINEAR I - POLINÔMIOS POLINÔMIOS E EQUAÇÕES ALGÉBRICAS 1 Definição Seja C o conjunto dos números complexos ( números da forma a + bi, onde a e b são números reais e i

Leia mais

REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS

REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS Análise Matemática MIEC /4 REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS INEQUAÇÕES Uma das propriedades das inequações mais vezes ignorada é a que decorre da multiplicação de ambos os membros por um valor negativo. No

Leia mais

1 Geometria Analítica Plana

1 Geometria Analítica Plana UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO Curso: Matemática, 1º ano Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra Linear Professora: Gislaine Aparecida Periçaro 1 Geometria Analítica Plana A Geometria

Leia mais

POLINÕMIOS E EQUAÇÕES POLINOMIAIS 2016

POLINÕMIOS E EQUAÇÕES POLINOMIAIS 2016 POLINÕMIOS E EQUAÇÕES POLINOMIAIS 06. (Unicamp 06) Considere o polinômio cúbico p() a, onde a é um número real. a) No caso em que p() 0, determine os valores de para os quais a matriz A abaio não é invertível.

Leia mais

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.2 Função Exponencial, Inversa e Logarítmica Bárbara Simionatto Engenharia Civil Jaime Vinícius - Engenharia de Produção Função Exponencial Dúvida:

Leia mais

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit MATEMÁTICA I AULA 03: LIMITES DE FUNÇÃO, CÁLCULO DE LIMITES E CONTINUIDADES TÓPICO 02: CÁLCULO DE LIMITES Neste tópico serão estudadas as técnicas de cálculo de limites de funções algébricas, usando alguns

Leia mais

As funções do 1º grau estão presentes em

As funções do 1º grau estão presentes em Postado em 01 / 04 / 13 FUNÇÃO DO 1º GRAU Aluno(: 1.1.2 TURMA: 1- FUNÇÃO DO PRIMEIRO GRAU As funções do 1º grau estão presentes em diversas situações do cotidiano. Vejamos um exemplo: Uma loja de eletrodomésticos

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

PARTE 10 REGRA DA CADEIA

PARTE 10 REGRA DA CADEIA PARTE 10 REGRA DA CADEIA 10.1 Introdução Em Cálculo 1A, quando queríamos derivar a função h(x = (x 2 3x + 2 37, fazíamos uso da regra da cadeia, que é uma das mais importantes regras de derivação e nos

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada 1) Velocidade e Aceleração 1.1 Velocidade Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada Suponhamos que um corpo se move em

Leia mais

Exponencial de uma matriz

Exponencial de uma matriz Exponencial de uma matriz Ulysses Sodré Londrina-PR, 21 de Agosto de 2001; Arquivo: expa.tex Conteúdo 1 Introdução à exponencial de uma matriz 2 2 Polinômio característico, autovalores e autovetores 2

Leia mais

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.1 Função Exponencial, Inversa e Logarítmica Bruno Conde Passos Engenharia Civil Rodrigo Vanderlei - Engenharia Civil Função Exponencial Dúvida: Como

Leia mais

Polinômios. 02) Se. (x 1), então. f(x) (x 2) (x 1) 5ax 2b, com a e b reais, é divisível por a b 1. 04) As raízes da equação

Polinômios. 02) Se. (x 1), então. f(x) (x 2) (x 1) 5ax 2b, com a e b reais, é divisível por a b 1. 04) As raízes da equação Polinômios 1. (Ufsc 015) Em relação à(s) proposição(ões) abaixo, é CORRETO afirmar ue: 01) Se o gráfico abaixo representa a função polinomial f, definida em por f(x) ax bx cx d, com a, b e c coeficientes

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

7. Diferenciação Implícita

7. Diferenciação Implícita 7. Diferenciação Implícita ` Sempre que temos uma função escrita na forma = f(), dizemos que é uma função eplícita de, pois podemos isolar a variável dependente de um lado e a epressão da função do outro.

Leia mais

Revisão de Função. Inversa e Composta. Professor Gaspar. f : 1,,3, f(x) x 2x 2 e. g(x) x 2x 4. Para qual valor de x tem f(g(x)) g(f(x))? g(x) 2x.

Revisão de Função. Inversa e Composta. Professor Gaspar. f : 1,,3, f(x) x 2x 2 e. g(x) x 2x 4. Para qual valor de x tem f(g(x)) g(f(x))? g(x) 2x. Revisão de Função. (Espcex (Aman) 05) Considere a função bijetora f :,,, definida por f(x) x x e seja (a,b) o ponto de intersecção de f com sua inversa. O valor numérico da expressão a b é a). b) 4. c)

Leia mais

Exame de Acesso ACFES Maiores de 23; Acesso Específico. Matemática. PROVA MODELO - proposta de resolução

Exame de Acesso ACFES Maiores de 23; Acesso Específico. Matemática. PROVA MODELO - proposta de resolução Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Exame de Acesso ACFES Maiores de 23; Acesso Específico Matemática PROVA MODELO - proposta de resolução - INSTRUÇÕES - Deverá responder à prova na folha

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Mat - Polinômios

Exercícios de Aprofundamento 2015 Mat - Polinômios Exercícios de Aprofundamento 05 Mat - Polinômios. (Espcex (Aman) 05) O polinômio (x) x x deixa resto r(x). Sabendo disso, o valor numérico de r( ) é a) 0. b) 4. c) 0. d) 4. e) 0. 5 f(x) x x x, uando dividido

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos dos assuntos:

Resumo com exercícios resolvidos dos assuntos: www.engenhariafacil.weebly.com (0)- Considerações iniciais: Resumo com exercícios resolvidos dos assuntos: Máximos e mínimos absolutos e Multiplicador de Lagrange -Grande parte das funções não possui máximos

Leia mais

Cálculo Numérico. Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015

Cálculo Numérico. Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015 Cálculo Numérico Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015 1 Capítulo 1 Solução numérica de equações não-lineares 1.1 Introdução Lembremos que todo problema matemático pode ser expresso na forma de

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

Lista de exercícios: Polinômios e Equações Algébricas Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões:

Lista de exercícios: Polinômios e Equações Algébricas Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões: Lista de eercícios: Polinômios e Equações Algébricas Problemas Gerais Prof ºFernandinho Questões: 0.(GV) Num polinômio P() do terceiro grau, o coeficiente de P() = 0, calcule o valor de P( ). é. Sabendo-se

Leia mais

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias 4 Posição relativa entre retas e círculos e distâncias Sumário 4.1 Distância de um ponto a uma reta.......... 2 4.2 Posição relativa de uma reta e um círculo no plano 4 4.3 Distância entre duas retas no

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I CDI I

Cálculo Diferencial e Integral I CDI I Cálculo Diferencial e Integral I CDI I Limites laterais e ites envolvendo o infinito Luiza Amalia Pinto Cantão luiza@sorocaba.unesp.br Limites 1 Limites Laterais a à diretia b à esquerda c Definição precisa

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 e 2 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 29/11/2015 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES:

Leia mais

A definição pode ser estendida para os seguintes casos particulares: e, com.

A definição pode ser estendida para os seguintes casos particulares: e, com. FUNÇÃO EXPONENCIAL REVISÃO: POTENCIAÇÃO Dados um número real a e um número natural n, a expressão a n representa a operação de potenciação onde a é chamado base e n é o expoente, e cujo resultado é obtido

Leia mais

8º ANO. Lista extra de exercícios

8º ANO. Lista extra de exercícios 8º ANO Lista extra de exercícios . Determine os valores de x que tornam as equações a seguir verdadeiras. a) (x + 4)(x ) = 0 b) (x + 6)(x ) = 0 c) (x + )(6x 9) = 0 d) 4x(x ) = 0 e) 7x(x ) = 0. Determine

Leia mais

Gráficos. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

Gráficos. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Gráficos Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc12010_2.html O que f nos diz sobre f? O que f nos diz sobre f? f (x) < 0 f (x) > 0 f(x) =x 2 f (x) =2x x>0 f (x) > 0 x

Leia mais

BIE Ecologia de Populações

BIE Ecologia de Populações - Ecologia de Populações Roberto André Kraenkel http://www.ift.unesp.br/users/kraenkel Apontamentos de Cálculo Diferencial e Parte II Sumário 1 Sumário 1 2 Sumário 1 2 3 Sumário 1 2 3 4 Sumário 1 2 3 4

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 206-207 DISCIPLINA / ANO: Matemática A - ºano MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO - Matemática A º ano GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

CAPÍTULO 1 Operações Fundamentais com Números 1. CAPÍTULO 2 Operações Fundamentais com Expressões Algébricas 12

CAPÍTULO 1 Operações Fundamentais com Números 1. CAPÍTULO 2 Operações Fundamentais com Expressões Algébricas 12 Sumário CAPÍTULO 1 Operações Fundamentais com Números 1 1.1 Quatro operações 1 1.2 O sistema dos números reais 1 1.3 Representação gráfica de números reais 2 1.4 Propriedades da adição e multiplicação

Leia mais

Limites infinitos e limites no infinito Aula 15

Limites infinitos e limites no infinito Aula 15 Propriedades dos ites infinitos Limites infinitos e ites no infinito Aula 15 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 03 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014

Leia mais

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez).

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez). SISTEMA DECIMAL 1. Classificação dos números decimais O sistema decimal é um sistema de numeração de posição que utiliza a base dez. Os dez algarismos indo-arábicos - 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 - servem para

Leia mais

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o Integral de Linha As integrais de linha podem ser encontradas em inúmeras aplicações nas iências Eatas, como por eemplo, no cálculo do trabalho realizado por uma força variável sobre uma partícula, movendo-a

Leia mais

Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes.

Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes. Revisão: Potenciação e propriedades. Prof. Valderi Nunes. Potenciação Antes de falar sobre potenciação e suas propriedades, é necessário que primeiro saibamos o que vem a ser uma potência. Observe o exemplo

Leia mais

Capítulo 9. A Derivada de uma Função. 9.2 Calculando derivadas: alguns exemplos

Capítulo 9. A Derivada de uma Função. 9.2 Calculando derivadas: alguns exemplos Capítulo 9 A Derivada de uma Função 9. Definição No Cap. 5, motivados pela geometria, vimos que o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico de uma função f, em um ponto ( 0, f( 0 )), é obtido tomando-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CÁLCULO L NOTAS DA DÉCIMA TERCEIRA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula, apresentaremos a Regra de L Hôpital, que será utilizada para solucionar indeterminações de ites de qualquer

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Funções Crescentes e Decrescentes

CÁLCULO I. 1 Funções Crescentes e Decrescentes CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 14: Crescimento e Decrescimento. Teste da Primeira Derivada. Objetivos da Aula Denir funções crescentes e decrescentes; Determinar os intervalos

Leia mais

INEQUAÇÕES : Conceito:

INEQUAÇÕES : Conceito: INEQUAÇÕES : Conceito: Toda inequação é uma desigualdade aberta, o que significa que ela contém ao menos uma incógnita Trabalharemos a seguir com inequações de º e de º graus com uma só incógnita, e para

Leia mais

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50 FATORAÇÃO DE EXPRESSÃO ALGÉBRICA Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como

Leia mais

UNIDADE IV FUNÇÃO AFIM OU POLINOMIAL do 1 o. GRAU

UNIDADE IV FUNÇÃO AFIM OU POLINOMIAL do 1 o. GRAU UNIDADE IV FUNÇÃO AFIM OU POLINOMIAL do 1 o. GRAU 1. MOTIVAÇÃO/INTRODUÇÃO. FUNÇÃO AFIM DO DE PRIMEIRO GRAU 3. GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO AFIM 4. RAIZ DA FUNÇÃO AFIM 5. INTERSECÇÃO DO GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO AFIM

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

Ajuste de mínimos quadrados

Ajuste de mínimos quadrados Capítulo 5 Ajuste de mínimos quadrados 5 Ajuste de mínimos quadrados polinomial No capítulo anterior estudamos como encontrar um polinômio de grau m que interpola um conjunto de n pontos {{x i, f i }}

Leia mais

Números Primos, Fatores Primos, MDC e MMC

Números Primos, Fatores Primos, MDC e MMC Números primos são os números naturais que têm apenas dois divisores diferentes: o 1 e ele mesmo. 1) 2 tem apenas os divisores 1 e 2, portanto 2 é um número primo. 2) 17 tem apenas os divisores 1 e 17,

Leia mais

SISTEMAS DE COORDENADAS

SISTEMAS DE COORDENADAS 1 SISTEMAS DE COORDENADAS 2.1 Coordenadas polares no R² Fonte: Cálculo A. Funções. Limite. Derivação. Integração. Diva Marília Flemming. Mírian Buss Gonçalves. Até o presente momento, localizamos um ponto

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 2 GABARITO 22 de junho de 201 1. Em cada um dos itens abaixo, dê, se possível,

Leia mais

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores Operações com potências A UUL AL A Quando um número é multiplicado por ele mesmo, dizemos que ele está elevado ao quadrado, e escrevemos assim: Introdução a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo

Leia mais

Função de 2º Grau. Parábola: formas geométricas no cotidiano

Função de 2º Grau. Parábola: formas geométricas no cotidiano 1 Função de 2º Grau Parábola: formas geométricas no cotidiano Toda função estabelecida pela lei de formação f(x) = ax² + bx + c, com a, b e c números reais e a 0, é denominada função do 2º grau. Generalizando

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse:

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br Fundamentos de Matemática Superior - BINÔMIO DE NEWTON Estes resultados foram escritos com expoentes

Leia mais

Plotar Gráficos com Recursos Computacionais

Plotar Gráficos com Recursos Computacionais Plotar 1 Gráficos com Recursos Computacionais Plotar (esboçar) o gráfico de uma função nem sempre é uma tarefa fácil. Para facilitar nosso trabalho, podemos utilizar softwares matemáticos especialmente

Leia mais

Capítulo 3 Equações Diferenciais. O Wronskiano (de Josef Hoëné-Wronski, polonês, )

Capítulo 3 Equações Diferenciais. O Wronskiano (de Josef Hoëné-Wronski, polonês, ) Capítulo 3 Equações Diferenciais O Wronskiano (de Josef Hoëné-Wronski, polonês, 1776 1853) Seja a equação diferencial, ordinária, linear e de 2ª. ordem Podemos dividir por os 2 membros e escrever a equação

Leia mais

Nivelamento Matemática Básica

Nivelamento Matemática Básica Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga Av. Dr. Flávio Henrique Lemos, 8 Portal Itamaracá Taquaritinga/SP CEP 900-000 fone (6) -0 Nivelamento Matemática Básica ELIAMAR FRANCELINO DO PRADO Taquaritinga

Leia mais

Notas em Álgebra Linear

Notas em Álgebra Linear Notas em Álgebra Linear 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Definições básicas Uma equação linear, nas variáveis é uma equação que pode ser escrita na forma: onde e os coeficientes são números reais ou complexos,

Leia mais

1 bases numéricas. capítulo

1 bases numéricas. capítulo capítulo 1 bases numéricas Os números são representados no sistema decimal, mas os computadores utilizam o sistema binário. Embora empreguem símbolos distintos, os dois sistemas formam números a partir

Leia mais

OBJETIVOS DOS CAPÍTULOS

OBJETIVOS DOS CAPÍTULOS OBJETIVOS DOS CAPÍTULOS Capítulo 1 Nesse capítulo, você notará como muitas situações práticas nas áreas de administração, economia e ciências contábeis podem ser representadas por funções matemáticas.

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

1.1 Conceitos Básicos

1.1 Conceitos Básicos 1 Zeros de Funções 1.1 Conceitos Básicos Muito frequentemente precisamos determinar um valor ɛ para o qual o valor de alguma função é igual a zero, ou seja: f(ɛ) = 0. Exemplo 1.1 Suponha que certo produto

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Raciocínio Lógico-Quantitativo para Traumatizados Aula 07 Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares. Conteúdo 7. Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares...2 7.1. Matrizes...2

Leia mais

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência.

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Trigonometria II Prof.: Rogério

Leia mais

Determinar a derivada resultante do produto de duas funções utilizando a regra do produto. Aplicar a Derivada para Determinação de Máximos e Mínimos.

Determinar a derivada resultante do produto de duas funções utilizando a regra do produto. Aplicar a Derivada para Determinação de Máximos e Mínimos. MATEMÁTICA PARA NEGÓCIOS - GST1075 Semana Aula: 4 Regras de derivação Tema Regras de derivação Palavras-chave Derivada Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá ser capaz de: Verificar a derivada de

Leia mais

Simulado 1 Matemática IME Soluções Propostas

Simulado 1 Matemática IME Soluções Propostas Simulado 1 Matemática IME 2012 Soluções Propostas 1 Para 0, temos: para cada um dos elementos de, valores possíveis em (não precisam ser distintos entre si, apenas precisam ser pertencentes a, pois não

Leia mais

Funções Elementares. Sadao Massago. Maio de Alguns conceitos e notações usados neste texto. Soma das funções pares é uma função par.

Funções Elementares. Sadao Massago. Maio de Alguns conceitos e notações usados neste texto. Soma das funções pares é uma função par. Funções Elementares Sadao Massago Maio de 0. Apresentação Neste teto, trataremos rapidamente sobre funções elementares. O teto não é material completo do assunto, mas é somente uma nota adicional para

Leia mais

II. Funções de uma única variável

II. Funções de uma única variável II. Funções de uma única variável 1 II.1. Conceitos básicos A otimização de de funções de de uma única variável consiste no no tipo mais elementar de de otimização. Importância: Tipo de problema encontrado

Leia mais

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações 1. A Base de Nosso Sistema Numérico Se observarmos a história, nós veremos que os primeiros números usados pelos humanos

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O Prova Anglo P-02 Tipo D8-08/200 G A B A R I T O 0. C 07. D 3. C 9. A 02. B 08. A 4. A 20. C 03. D 09. C 5. B 2. B 04. B 0. C 6. C 22. B 05. A. A 7. A 00 06. D 2. B 8. D DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades; DISCIPLINA: ELEMENTOS DE MATEMÁTICA AVANÇADA UNIDADE 3: ÁLGEBRA LINEAR. OPERADORES OBJETIVOS: Ao final desta unidade você deverá: - identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

Leia mais

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra Salesianos de Mogofores - 2016/2017 MATEMÁTICA - 8.º Ano Ana Soares (ana.soares@mogofores.salesianos.pt ) Catarina Coimbra (catarina.coimbra@mogofores.salesianos.pt ) Rota de aprendizage m por Projetos

Leia mais

CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida

CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 03: Funções Logarítmica, Exponencial e Hiperbólicas Definir as funções logarítmica, exponencial e hiperbólicas; Enunciar

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Progressão Aritmética e Geométrica Progressão Aritmética Uma sucessão de números na qual a diferença entre dois termos consecutivos é constante, é denominada progressão aritmética,

Leia mais

segundo elemento, a diferença entre qualquer um deles e seu antecessor é igual a uma constante r que será

segundo elemento, a diferença entre qualquer um deles e seu antecessor é igual a uma constante r que será MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO MÓDULO DE REFORÇO - EAD PROGRESSÕES Progressão Aritmética I) PROGRESSÃO ARITMÉTICA ( PA) Uma Progressão Aritmética é uma sequência de elementos (a 1, a 2, a 3,, a n-1, a n,, ) tal

Leia mais

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2,

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2, AV1 - MA 11-01 Questão 1. Prove que se a, b, c e d são números racionais tais que a + b 3 = c + d 3 então a = c e b = d. A igualdade a + b 3 = c + d 3 implica que (a c) = (d b) 3. Suponha que tenhamos

Leia mais

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo

ADIÇÃO mesma natureza homogêneas Como fazer Exemplo heterogêneas Como fazer Exemplo ADIÇÃO É a operação que tem por fim determinar uma fração que contenha todas as unidades e partes de unidades de várias parcelas de mesma natureza. Entende-se por mesma natureza as frações que exprimem

Leia mais

Elaborado por: João Batista F. Sousa Filho (Graduando Engenharia Civil UFRJ )

Elaborado por: João Batista F. Sousa Filho (Graduando Engenharia Civil UFRJ ) www.engenhariafacil.weebly.com Elaborado por: João Batista F. Sousa Filho (Graduando Engenharia Civil UFRJ- 014.1) Bizu: (I) Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Métodos de Integração. (I) Métodos

Leia mais

araribá matemática Quadro de conteúdos e objetivos Quadro de conteúdos e objetivos Unidade 1 Potências Unidade 2 Radiciação

araribá matemática Quadro de conteúdos e objetivos Quadro de conteúdos e objetivos Unidade 1 Potências Unidade 2 Radiciação Unidade 1 Potências 1. Recordando potências Calcular potências com expoente natural. Calcular potências com expoente inteiro negativo. Conhecer e aplicar em expressões as propriedades de potências com

Leia mais