TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº /11 ACÓRDÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO"

Transcrição

1 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº /11 ACÓRDÃO Moto aquática FEIO II e L/M PAPA LÉGUAS II. Exposição a risco que se materializou em abalroamento e no óbito de duas pessoas. Moto aquática imprópria para navegação noturna, conduzida em velocidade incompatível e lancha fundeada às escuras em área de movimentação de outras embarcações. Provável imprudência do condutor da moto aquática, uma das vítimas fatais, e imprudência dos Representados, proprietários das embarcações. Atenuantes e agravantes. Infrações ao RLESTA. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Consta que cerca das 23h, do dia 4 de janeiro de 2011, ocorreu um abalroamento envolvendo a moto aquática FEIO II, nº de inscrição 961M , de 2m de comprimento, motor de 155 HP, de propriedade de Osmar de Ogregon, e a L/M PAPA LÉGUAS II, nº de inscrição , de 6,3m de comprimento e 2,5m de boca, de 2,6 AB, motor de 150 HP, de propriedade de Eleandro da Silva e de Osmar de Ogregon, ambas as embarcações de casco de fibra de vidro, construídas em 2006 e classificadas para navegação interior, esporte e recreio, no lago de Itaipu, Foz do Iguaçu, PR, com duas vítimas fatais e danos materiais, mas sem registro de poluição ao meio ambiente hídrico. No Inquérito instaurado pela Capitania Fluvial do Rio Paraná foram ouvidas sete testemunhas e anexados documentos de praxe. Nas fls. 19 e 20 consta a Comunicação da Ocorrência (B.O. N: 2011/10375), na Delegacia de Polícia Civil de Foz do Iguaçu, referente à morte de pessoa, sem indício de crime ocorrência não delituosa; nas fls. 27 e fl. 28 constam dois recibos, datados de 10 de julho de 2008, referentes à venda da L/M PAPA LÉGUAS II e do motor de 150 HP, respectivamente, tendo como vendedor Altair Domingues Bazaretti e como comprador Eleandro da Silva; na fl. 48 consta o Laudo de Exame Cadavérico nº 3/2011- MLC, referente ao cadáver de Raquel Sleigman de Castilho, nascida em 31 de julho de 1990, com a causa da morte traumatismo crânio encefálico, por ação contundente (acidente náutico); na fl. 52 consta o Laudo de Exame Cadavérico nº 6/2011-MLC, referente ao cadáver de Thonny Charlye Cantaleano, nascido em 14 de fevereiro de 1978, com a causa da morte traumatismo crânio encefálico mais asfixia mecânica por afogamento, por ação contundente (acidente náutico) mais energia físico-química (afogamento); na fl. 54 consta a carteira de Habilitação de Amador de Thonny Charlye 1/7

2 Cantaleano, como Arrais Amador; nas fls. 55 e 57 constam as certidões para fins de seguro obrigatório de danos pessoais causados por embarcações ou por sua carga, referente às vítimas; e nas fls. 78 a 118 constam cópias do Inquérito Policial nº 1276/2011 (não concluído). No Laudo de Exame Pericial, fls. 119 a 124, com fotografias das embarcações, das vítimas e do cenário, fls. 125 a 130, em síntese consta que as embarcações estavam em perfeitas condições de conservação, porém, a lancha estava com suas luzes de navegação inoperantes; não chovia, o lago estava com águas tranquilas; houve consumo de bebidas alcoólicas; havia coletes salva-vidas (alguns em mau estado de conservação), mas o condutor da moto aquática, Sr. Thonny, não o estava vestindo; a lancha foi deslocada para aquele local e estava parada no momento do acidente; cerca das 22h30min do dia 4 de janeiro de 2011 ocorreu o abalroamento em pauta, próximo do Iate Clube Lago de Itaipu (ICLI); três pessoas estavam na lancha (que estava parada) e duas em uma moto aquática (vítimas fatais), sendo que uma vestia seu colete salva-vidas e o outro estava sem o colete e afundou logo em seguida ao acidente; o Corpo de Bombeiros foi acionado e chegou cerca de 20 minutos depois da chamada; iniciaram as buscas pelo corpo do desaparecido (segunda vítima fatal), mas só foi encontrado no dia 6; foram encontrados vestígios de bebidas alcoólicas a bordo da lancha e no lago e o consumo foi confirmando pelas testemunhas. Os Peritos, pelos relatos, apresentaram a seguinte sequência de acontecimentos: a moto aquática esteve amarrada na lancha, parada a cerca de 200m da margem do lago, em local sem iluminação, até que Thonny, levando Raquel na garupa, saiu com a moto aquática; em dado momento, esta embarcação abalroou a lancha frontalmente, provocando o óbito destes dois, mas não souberam dizer quem estava pilotando a moto aquática naquele momento. A lancha não possuía iluminação, conforme relato da testemunha Daisy e, na inspeção realizada pelos Peritos, as luzes de navegação estavam inoperantes, os fusíveis estavam quebrados ou com oxidação excessiva e as lâmpadas com filamentos rompidos; a moto aquática não possuía luzes para navegação noturna, sendo inadequado o seu uso, conforme consta na alínea c, do item 0403, do Capítulo 4, da seção 1, da NORMAM 03/DPC. Houve avaria na proa da lancha, até a meia nau, e destruição completa do painel de instrumentos da moto aquática. Segundo os relatos, o impacto foi tão forte que provocou traumatismo craniano em ambas as vítimas, conforme fotos acostadas (e laudos cadavéricos); as mãos do Sr. Thonny estavam fechadas, com punhos cerrados, como se anteriormente estivessem segurando a direção da embarcação e com edema de médio volume na mão direita, o que poderia ter sido provocado pelo impacto, indicando ser este 2/7

3 o condutor da moto aquática. Os Peritos consideraram que os fatores humano e material contribuíram, pela falta de luzes de navegação na lancha e a inexistência de luzes na moto aquática; e ainda que o fator operacional também contribuiu, pela falta do uso de colete salva-vidas pelo Sr. Thonny; consideraram que a causa determinante do acidente em pauta foi a falta de iluminação no local e o consumo de bebidas alcoólicas por parte do condutor da moto aquática, que pode ter diminuído o seu reflexo para uma ação rápida em uma rota de abalroamento, pois não conseguiu se desviar a tempo. O Encarregado do Inquérito, fls. 131 a 138, depois de resumir o Laudo de Exame Pericial, os depoimentos e demais documentos acostados, considerou que o fator humano contribuiu, pela ingestão de bebidas alcoólicas; que o fator material contribuiu, pela falta de luzes de navegação na moto aquática, para navegar à noite, e da lancha, com suas luzes de navegação apagadas, o que dificultou a visibilidade do condutor da moto aquática; e que o fator operacional também contribuiu, pela falta de colete salva-vidas de uma das vítimas. Apontou como possível responsável direto pelo acidente o condutor da moto aquática, uma das vítimas fatais, não sendo possível determinar qual das duas vítimas a estava conduzindo; e como possíveis responsáveis indiretos os proprietários de ambas as embarcações, por permitirem que a moto aquática navegasse à noite sem luzes de navegação e a lancha, fundeada a 200m de distância da margem do lago, sem o mínimo de iluminação, e sem seguro obrigatório. Eleandro da Silva, fl. 144, de próprio punho, apresentou Defesa Prévia, alegando, em síntese, que não se encontrava a bordo da moto aquática, nem da lancha (que pertence a ele e seus sócios), não podendo ser responsabilizado, nem mesmo de forma indireta. Osmar de Ogregon, fls. 145 a 148, apresentou Defesa Prévia, alegando, em síntese, que a responsabilidade pelo acidente era só do condutor da moto aquática, Sr. Thonny, que bateu contra a lancha que estava parada e com toda a iluminação ligada, seja por não respeitar a velocidade adequada, ou por não deter a atenção necessária com as embarcações; que nenhuma outra pessoa contribuiu para o acidente e que não há nexo de causalidade entre estar dentro de uma lancha parada e ser abalroado por uma moto aquática, mesmo que de sua propriedade, e que sua presença dentro ou fora da lancha em nada alteraria os fatos e as suas consequências. A Douta Procuradoria, fls. 153 a 155, depois de resumir os principais fatos apurados nos autos, em uniformidade de entendimento com o Encarregado do IAFN, representou em face de Eleandro da Silva, proprietário da lancha e de Osmar de Ogregon, 3/7

4 proprietário da moto aquática, ambos com fulcro no art. 14, letra a (abalroamento) e no art. 15, letra e (exposição a risco), da Lei nº 2.180/54, fundamentando. Considerou, em síntese, que Osmar de Ogregon, voluntariamente, cedeu sua moto aquática ao Sr. Thonny, apesar de sabedor que este último fez uso de bebida alcoólica e que seria empregada em navegação noturna; e que Eleandro da Silva autorizou que sua lancha fosse mantida fundeada às escuras no meio do lago, mesmo sabendo que outras embarcações navegavam pelo local, ambos assumindo o risco de um acidente. Deixou de representar em face do condutor da moto aquática, tendo em vista o seu óbito, o que extingue sua punibilidade. Por oportuno, apontou a infração ao art. 16, inciso I, do RLESTA, por deixar de inscrever a lancha na CP, e a falta de seguro obrigatório, da responsabilidade de seu proprietário, Eleandro da Silva. Os Representados, que não constam do rol de antecedentes neste E. Tribunal foram regularmente citados. Eleandro da Silva, proprietário da L/M PAPA LÉGUAS II, fls. 169 a 186, em síntese, alegou que a Representação em face deste Representado está desprovida de suporte probatório e que, pelo Princípio da Presunção de Inocência, deve ser exculpado; que o Representado não tinha o domínio do fato, ou seja, nada poderia fazer para evitá-lo, restando patente a ausência de autoria e a completa falta de nexo causal entre a conduta do denunciado com o resultado morte das vítimas, apresentando doutrina. Transcreveu trechos de depoimentos que considerou davam suporte a sua tese de defesa e alegou que o fato de ser sócio proprietário da lancha e estar, no mesmo horário, andando em seu Jet-Ski não possui legitimidade de lhe atribuir uma efetiva responsabilidade pelo acidente, ou que sua conduta tenha sido imprudente ou negligente, tendo em vista que em nada contribuiu para o resultado ocorrido. Alegou que, se o condutor da moto aquática envolvida no acidente estivesse em baixa velocidade, ou em velocidade compatível os seus ocupantes não teriam morrido, não havendo qualquer liame subjetivo entre a sua conduta e o resultado morte das vítimas, reforçando que o Representado não tinha o domínio do fato ; quer a moto aquática que se envolveu no acidente não era a do ora Representado e que este, apenas, passeava com a sua moto aquática nas proximidades onde seus colegas estavam ancorados com a lancha e que o fato de ser sócio proprietário da lancha não possui legitimidade para lhe atribuir uma responsabilidade pelo acidente ou que tenha sido imprudente ou negligente, pois em nada contribuiu para o resultado. Alegou que todas as declarações prestadas pelas pessoas presentes no dia dos fatos afirmam que Eleandro chegou por volta das 20h30min, o que foi confirmado por ele 4/7

5 e que estava em sua moto aquática passeando a uma distância de cerca de 400m do local onde aconteceu o acidente. Apresentou a tese de atipicidade da conduta, requerendo sua absolvição sumária, por não haver nexo de causalidade entre a sua conduta e o resultado e que, também, não havia a previsibilidade do que poderia acontecer, tendo em vista que sequer estava no local da colisão, mas encontrava-se com outra embarcação e teve conhecimento do acidente só depois quando se aproximou após ouvir o forte barulho. Finalizou requerendo a sua absolvição, por entender que não há nos autos nexo de causalidade entre a sua conduta e o acidente, pois este se deu por culpa exclusiva da própria vítima, e relacionou, por oportuno, duas testemunhas, fl O 2º Representado, Osmar de Ogregon, proprietário da moto aquática envolvida no abalroamento, foi regularmente citado, mas não apresentou Defesa. Foi declarado revel e notificado de sua revelia, fl. 200, mas permaneceu inerte. Aberta a Instrução nenhuma prova adicional foi produzida e em Alegações Finais a D. Procuradoria se manifestou, mas os Representados não se manifestaram, conforme Certidões de fls. 206 e 211. Decide-se: De tudo o que consta dos presentes autos, temos que a D. Procuradoria representou em face de Eleandro da Silva, proprietário da lancha e de Osmar de Ogregon, proprietário da moto aquática, ambos com fulcro no art. 14, letra a (abalroamento), e no art. 15, letra e (exposição a risco), da Lei nº 2.180/54, fundamentando. Descreveu o cenário: cerca das 23 horas, no lago de Itaipu, com iluminação precária, a L/M PAPA LÉGUAS II fundeada às escuras, o 2º Representado, Sr. Osmar, cedeu voluntariamente sua moto aquática, que é imprópria para navegação noturna, a uma das vítimas, o Sr. Tonny, sabedor que este havia ingerido bebida alcoólica e que empreenderia navegação noturna na sua moto aquática e que o 1º Representado, Sr. Eleandro, autorizou que sua lancha fosse mantida fundeada às escuras no meio do lago, sabedor que outras embarcações navegavam pelo local, ambos assumindo um risco que se materializou no acidente em pauta. O 2º Representado não apresentou Defesa e foi declarado revel. Notificado de sua revelia permaneceu inerte, atraindo para si os efeitos da revelia. O 1º Representado apresentou a tese de culpa exclusiva da própria vítima fatal, Sr. Tonny, que seria proprietário da lancha juntamente com ele e com o outro representado e que sua conduta não tinha nexo de causalidade com o resultado do acidente em pauta (morte de duas pessoas). Não pode ser aceita a tese da defesa do 1º Representado, pois uma 5/7

6 embarcação deixada fundeada às escuras, no lago, onde outras embarcações estavam trafegando tipifica a conduta prevista no art. 15, letra e (exposição a risco), que no presente caso se materializou no acidente da navegação tipificado no art. 14, letra a (abalroamento). Das provas dos autos consta que Eleandro, Osmar (ora representados) e Tonny (uma das vítimas fatais) eram sócios na propriedade da lancha, estavam reunidos no evento e cientes que a lancha estava às escuras fundeada no lago; Osmar permaneceu a bordo da lancha e voluntariamente, permitiu que Tonny, que havia consumido bebida alcoólica, conduzisse sua moto aquática, FEIO II, imprópria para navegação noturna; provavelmente, Tonny foi o principal responsável pelo acidente da navegação, por conduzir a moto aquática em velocidade incompatível (conforme demonstrado pelo resultado do choque entre as embarcações), mas com seu óbito teve sua punibilidade extinta, o que não afasta a responsabilidade dos ora representados que também agiram com imprudência, expondo a risco as embarcações, vidas e fazendas de bordo, que se materializou no acidente e no óbito de duas pessoas, conforme apurado no IAFN e descrito na Representação da D. Procuradoria. Na aplicação da pena, deve ser levado em consideração que ambos não tem antecedentes neste E. Tribunal, que a provável maior responsabilidade pode ser atribuída a uma das vítimas fatais, e que os representados, com seus depoimentos, ajudaram a esclarecer os fatos, mas, também, a agravante prevista no art. 135, inciso II, o resultado perda de duas vidas. Pelo exposto, devem ser acolhidos os termos da Representação da D. Procuradoria e responsabilizar os Representados por suas condutas imprudentes. Por oportuno, deve ser oficiado à Capitania Fluvial do Rio Paraná, agente da Autoridade Marítima, para as sanções cabíveis, as infrações ao RLESTA apontadas no IAFN, que não guardam relação causal com o acidente e o fato da navegação em pauta: não inscrever a lancha na Capitania e falta do seguro obrigatório DPEM, da responsabilidade dos proprietários da L/M PAPA LÉGUAS II. Assim, ACORDAM os Juízes do Tribunal Marítimo, por unanimidade: a) quanto à natureza e extensão do acidente e do fato da navegação: exposição a risco que se materializou no abalroamento envolvendo uma lancha fundeada e uma moto aquática, com danos materiais e duas vítimas fatais, mas sem registro de poluição ao meio ambiente; b) quanto às causas determinantes: moto aquática imprópria para navegação noturna, conduzida à noite, em velocidade incompatível com o cenário, e lancha fundeada às escuras; e c) decisão: julgar o acidente e o fato da navegação, tipificados no 6/7

7 art. 14, letra a (abalroamento), e art. 15, letra e (exposição a risco), ambos da Lei nº 2.180/54, como decorrentes de provável imprudência de uma das vítimas fatais, condutor da moto aquática FEIO II, mas que com seu óbito teve sua punibilidade extinta, e da imprudência dos representados, Eleandro da Silva, coproprietário da L/M PAPA LÉGUAS II, que se encontrava na área, em outra moto aquática, e Osmar de Ogregon, proprietário da moto aquática FEIO II e coproprietário da L/M PAPA LÉGUAS II, que estava a bordo desta lancha, acolhendo os termos da Representação da D. Procuradoria Especial da Marinha e, considerando as circunstâncias e consequências do acidente, atenuantes e agravante e grau de culpa, com fulcro nos artigos 121, incisos I e VII, 124, incisos V e IX, e 1º, 127, 135, inciso II, e 139, inciso IV, letra d, todos da Lei nº 2.180/54, aplicar a pena de multa de R$ 1.000,00 (mil reais) ao 1º Representado, Eleandro da Silva, e a pena de multa de R$ 2.000,00 (dois mil reais) ao 2º Representado, Osmar de Ogregon, cumulativamente com a pena de repreensão para ambos. Custas proporcionais ao valor das multas. Oficiar à Capitania Fluvial do Rio Paraná, agente da Autoridade Marítima, para as sanções cabíveis, as infrações ao RLESTA, que não guardam relação causal com o acidente e o fato da navegação em pauta, da responsabilidade dos coproprietários da L/M PAPA LÉGUAS II, Eleandro da Silva e Osmar de Ogregon: art. 16, inciso I (não inscrever a embarcação) e art. 19, c/c a Lei nº 8.374/91 (falta do seguro obrigatório DPEM). Publique-se. Comunique-se. Registre-se. Rio de Janeiro, RJ, em 13 de junho de Cumpra-se o Acórdão: Aos 19 de agosto de FERNANDO ALVES LADEIRAS Juiz-Relator LUIZ AUGUSTO CORREIA Vice-Almirante (RM1) Juiz-Presidente DINÉIA DA SILVA Diretora da Divisão Judiciária AUTENTICADO DIGITALMENTE 7/7

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO B/M VOVÔ ORLANDO CIDADE. Queda de tripulante na água, estando a embarcação atracada, da prancha de embarque/desembarque, colocada conforme os usos e costumes,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO L/M CAVITOS. Impropriedade da embarcação para o serviço em que era utilizada e empregada para prática de ato ilícito previsto em lei como crime (descaminho).

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Colisão com banhista na praia Mar de Minas, represa de Três Marias, no município de Três Marias, MG, com vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO L/M ILSA-MAR. Queda na água de condutor de lancha, provocando-lhe lesões leves. Falha do condutor da lancha na operação do motor da embarcação. Imperícia.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO Canoa sem nome não inscrita. Naufrágio durante brincadeira dos passageiros. Embarcação desprovida de material de salvatagem. Condução por pessoa sem

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO Moto-aquática VIPER. Colisão com altos fundos de corais, resultando em lesões corporais nos dois ocupantes, adolescentes inabilitados, e em avarias na embarcação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO B/P ALIANÇA e moto aquática ÁGUA AZUL. Abalroação. Danos materiais e lesões corporais graves nos ocupantes da moto aquática. Erro de navegação do

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO Plataforma NOBLE THERALD MARTIN. Acidente de trabalho a bordo, vítima não fatal. Desequilíbrio da própria vítima, durante operação com chave flutuante

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO Veleiro NIGHT JAR. Encalhe em banco de areia, resultando em naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas. Tráfego da embarcação em região de bancos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Emborcamento quando navegava no rio Paraná do Manaquiri, AM, com danos materiais e uma vítima fatal. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO B/P CANADÁ. Naufrágio, quando adentrava na barra do rio Mampituba, município de Torres, SC, com danos materiais, sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.874/06 ACÓRDÃO Canoa sem nome. Naufrágio de embarcação a remo com exposição a risco da referida embarcação e das vidas e fazendas de bordo, provocando a morte de uma passageira

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO Jet-sky VADIO x veleiro BONS VENTOS I. Abalroação envolvendo veleiro e jet-sky não identificado. Causa indeterminada devido a falta de elementos de prova

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO B/M LUANA. Naufrágio de embarcação provocando vítimas fatais e desaparecimento de passageiros. Causa, manobra brusca de embarcação ocasionando o deslocamento

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO R/E CAPITÃO JOSÉ ALECRIM VIII. Incêndio na praça de máquinas de rebocador / empurrador, provocando avarias no motor e nas suas partes elétricas e

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO Rebocador RIO BRANCO. Acidente da Navegação. Naufrágio de rebocador no terminal da PETROBRAS da ilha D água, Rio de Janeiro, RJ, sem danos pessoais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO Lancha ARPEDI. Naufrágio no local de fundeio devido a admissão de água pelas obras vivas e pelas obras mortas. Defeito no calafeto do casco e do convés.

Leia mais

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO N/T FO G Á S XV I - Explosão durante faina de transbordo de gás provocando ferimentos em dois tripulantes ccm a morte de um deles; uso indevido de equi* 408 TRIBUNAL MARÍTIMO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO Balsa ENCONTRO DAS ÁGUAS. Colisão de embarcação contra duas casas palafitas, situadas às margens do rio Solimões, proximidades do porto Careiro da

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO L/M ARROZ. Colisão, seguida de encalhe, água aberta e naufrágio, de lancha de esporte e recreio, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO Catamarã TURISMANDO. Avaria deixando a embarcação à deriva. Deficiência de manutenção. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO B/P TOCANTINS. Trumatismo sofrido por pescador que caiu no convés principal. Sendo a causa determinante provável descuido da própria vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO N/M "ASTERI". Morte de trabalhador em operação de raspagem no casco de navio mercante quando em faina de mergulho no porto de Sepetiba, RJ. Condenação.

Leia mais

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO L/M THEMIS. Colisão de embarcação contra pedras existentes às margem de rio, quando navegava no canal de acesso, Santos, SP. Danos à embarcação,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO Comboio R/E SM e Balsa NB II. Colisão de comboio contra casas de palafitas, provocando danos materiais, sem ocorrência de vítimas. Falta de condições físicas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO L/M MAKARI. Colisão de lancha contra seu próprio condutor e posteriormente contra trapiche, vindo a encalhar na margem do canal, colocando em risco a incolumidade

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO B/P SANTA ROSA R x baleeira MARAJÁ II. Abalroamento com perda total da última. Embriaguez confessada do condutor. Imperícia e imprudência provadas.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO N/M TEAL ARROW. Acidente com estivador a bordo. Trabalhador que se colocou no caminho de ponte rolante denotando imprudência. Ferimentos no representado

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO Moto-aquática SP 2318-01 X flutuante tipo banana boat, rebocado pela L/M KATITA. Abalroação resultando em lesões corporais em dois ocupantes do flutuante.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO R/E CLOTILDES BERNARDES e Balsa JOSÉ BERNARDO DA SILVA. Queda de caminhão do convés de balsa de travessia, operada por tripulação inabilitada, nas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O FPSO PETROBRAS 43. Acidente de trabalho com cinco vítimas não fatais, danos materiais, sem registro de poluição ao meio ambiente. Falha no sistema

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO Moto aquática RAFAEL ELITE X Moto aquática D FORÇA. Abalroação entre motos aquáticas nas proximidades da ilha do Sol, canal de Marapendi, Barra da

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO Embarcação a remo tipo Double Skiff sem nome e não inscrita. Naufrágio como resultado de navegação fora da raia destinada ao esporte por decisão dos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO 690 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO B/M VIDA NOVA". Naufrágio com danos materiais c o desaparecimento de 05 passageiros. Condições meteorológicas adversas, excesso de confiança do condutor,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO L/M LAGOMAR II. Avaria no motor, deixando a embarcação á deriva, com assistência de reboque. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais ou danos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO L/M "O VIGILANTE III". Emborcamento quando em faina de demanda do canal de Marapendi, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, com danos materiais e vítima com

Leia mais

PROCESSO N 14.797/92

PROCESSO N 14.797/92 362 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 14.797/92 ACÓRDÃO Veleiro "ANGELUS". Encalhe. Erro de navegação do condutor do veleiro. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 10 de dezembro

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO N/M KAMARI. Colisão de navio estrangeiro com o píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, São Luiz, MA, durante estadia atracado, com danos materiais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 22.799/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 22.799/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 22.799/07 ACÓRDÃO B/P VALENTE. Emprego de barco pesqueiro em ação de pesca em área proibida de reserva ecológica, constituindo-se prática de ato ilícito, provocando

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO R/E A. H. GENOVA x Dique Flutuante PAULO FERRAZ. Abalroação de rebocador com dique flutuante, durante manobra de docagem, provocando avaria no costado

Leia mais

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES PROPÓSITO Divulgar as instruções gerais para habilitação da categoria de amadores

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO N/M FLAMENGO. Ferimentos corto-contuso na região occipto-frontal e fratura de dentes sofridos por estivador durante faina de embarque de contêineres. Não

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO B/P ITAPEVA. Avaria por ato de sabotagem. Ação dolosa de autoria indeterminada. Arquivamento, exculpando-se os representados. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.558/03 ACÓRDÃO. Jet-ski DANGA X Jet-ski VALENTE. Abalroação. Morte de proprietário/condutor de um deles. Condenação.

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.558/03 ACÓRDÃO. Jet-ski DANGA X Jet-ski VALENTE. Abalroação. Morte de proprietário/condutor de um deles. Condenação. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.558/03 ACÓRDÃO Jet-ski DANGA X Jet-ski VALENTE. Abalroação. Morte de proprietário/condutor de um deles. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01)

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01) EMBTE : DNIT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO EMBDO : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO ADV/PROC : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384 Aos 09 dias do mês de agosto de 2013, às 09:00 horas, na sala de audiências desta Vara do Trabalho, sob a minha presença, Dr. Leonardo Grizagoridis da Silva, Juiz do Trabalho Substituto, foram apregoados

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FA PROCESSO Nº 000-4477/13 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 96R/13 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FA PROCESSO Nº 000-4477/13 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 96R/13 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FA PROCESSO Nº 000-4477/13 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 96R/13 ACÓRDÃO N/M GUANABARA BAY. Recurso de Agravo. Agravante: Procuradoria Especial da Marinha. Agravada: Companhia de Navegação

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO Navio-Sonda PETROBRAS XXXI. Avaria em equipamento de carga de Navio-Sonda, resultando ferimentos em trabalhador durante operação de descarga de carga pesada.

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO

MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO B/P "POLICARPO". Colisão com um curral de peixes, resultando em água aberta seguido de naufrágio, com danos materiais, sem vítimas e sem registro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO Lancha MAR DE ESPANHA. Colisão com mergulhador. Deficiência de sinalização de mergulho. Exculpar o 1º representado e condenar o 2º. Condenação. Vistos,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A Código: 170741 Autor: Ministério Público Estadual Réu: Eldo Barbosa S E N T E N Ç A 1. Relatório O Ministério Público estadual ofereceu denúncia, fls. 05/08, contra Eldo Barbosa, por supostamente ter infringido

Leia mais

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relator Des. : SILVÂNIO BARBOSA EMENTA ACÓRDÃO

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relator Des. : SILVÂNIO BARBOSA EMENTA ACÓRDÃO Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : APR - Apelação Criminal Nº. Processo : 2000.01.1.046488-9 Apelante : João Severino da Silva Advogado : Defensoria Pública Apelado : Ministério Público do Distrito

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 15ª Promotoria Criminal Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 15ª Promotoria Criminal Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher A história da mulher é a história da pior tirania que o mundo conheceu: a tirania do mais forte sobre o mais fraco. 1 EXCELENTÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DA 1ª VARA ESPECIALIZADA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR

Leia mais

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gah. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO Cá/EL N 016.2009.000727-5/ 001 RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira Filho APELANTE: Nikanora

Leia mais

AUTOS N. 2008.61.81.002808-6

AUTOS N. 2008.61.81.002808-6 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ªVARA CRIMINAL FEDERAL DA 1ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO AUTOS N. 2008.61.81.002808-6 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por sua Procuradora da República que

Leia mais

JOSE BRAULIO BRITO MAIA MINISTERIO PUBLICO A C Ó R D Ã O

JOSE BRAULIO BRITO MAIA MINISTERIO PUBLICO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CRIMINAL. CRIME CONTRA O PATRIMÔNIO. ESTELIONATO. RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DO ESTADO PELA PENA EM CONCRETO. RECURSO DEFENSIVO PREJUDICADO. Transcorridos mais de 04 (quatro)

Leia mais

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas.

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas. 18 TRIBUNAL MARfTlMO PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO N/M SANTOS DUMONT x N/M HAPPY MED. Abalroação. Desobediência às regras do RIPE AM. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata o

Leia mais

102 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0008934-53.2008.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA

102 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0008934-53.2008.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: TACIO RIBEIRO FIGUEIREDO APELADO: MED LAB CENTRO DE ANÁLISE MÉDICAS E LABORATORIAIS ME RELATOR: DES. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA Responsabilidade

Leia mais

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE 11/03/2012 FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE Veículos / Modelo Ano Placas GM MERIVA JOY 2007/2008 IOK2202 NISSAN SENTRA FLEX 2009 IRS4402 GM ZAFIRA ELEGANCE 2010 / 2011 IRS3302 MARCOPOLO Modelo

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 825.215 RIO DE JANEIRO RELATORA RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA : TATIANA DO ESPIRITO SANTO E OUTRO(A/S) :LEONARDO ORSINI DE CASTRO AMARANTE E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Número de Ordem Pauta Não informado Registro: 2011.0000029051 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0010102-10.2007.8.26.0302, da Comarca de Jaú, em que é apelante ROMILDO SEGUNDO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 2007.001.17272 Apelante 1: Milton de Oliveira Ferreira Apelantes 2: Kab Kalil Administração de Bens Ltda. e outro Apelados: os mesmos Relator:

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO N/M ALPHA. Morte de tripulante após queda de escada de portaló. Deficiência de manutenção de responsabilidade do imediato, condenando-o. Exculpar

Leia mais

<CABBCABCCBBACADCBAADBDAACABCBCDCBAAAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O

<CABBCABCCBBACADCBAADBDAACABCBCDCBAAAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO INDENIZATÓRIA. AGRAVO RETIDO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. MOTORISTA DA AMBULÂNCIA CAUSADOR DO ACIDENTE. OITIVA COMO INFORMANTE. VALOR

Leia mais

CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO.

CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO. CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO. Processo SUSEP n 10.006508/0 1-48 Recurso ao CRSNSP n 5745 Recorrente: Nelson Gregory Giaretta

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.516/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.516/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.516/99 ACÓRDÃO JET SKI PE 2114-02 x JET SKI PE 9604 01. Abalroação envolvendo Jet Ski, conduzidos por inabilitados, colocando em risco a vida dos próprios envolvidos, de

Leia mais

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento.

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM NORSUL PINDARé. Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. 848 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relatora Desa. : EUTÁLIA COUTINHO

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relatora Desa. : EUTÁLIA COUTINHO Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : APR Apelação Criminal Nº. Processo : 2000.01.1.047761-5 Apelante : Carlos Flávio Rodrigues Freitas Apelado : Ministério Público do Distrito Federal e Territórios

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais